1. Disposições Gerais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "1. Disposições Gerais"

Transcrição

1 Instituto Politécnico de Santarém CiIPS Centro de Informática ANEXO REGULAMENTO INTERNO Junho de 2007

2 1. Disposições Gerais 1.1. Organização Interna O CiIPS adopta uma forma de organização interna que tem por objectivo a prestação de serviços no domínio da Informática e das tecnologias da Informação e Comunicação a todas as Unidades Orgânicas, bem como a entidades terceiras, sempre que esse relacionamento esteja convenientemente formalizado, segundo a seguinte estrutura: a) URS Unidade de Redes e Sistemas Aqui se desenvolvem todos os trabalhos inerentes à administração do equipamento de comunicações, tanto na perspectiva do seu desenho físico como lógico. Estende ainda a sua área de actuação ao campo da gestão dos serviços de rede da RIPS (Rede do IPS). Pressupõe também, naturalmente, as actividades que de natureza técnica de administração das várias infra-estruturas responsáveis pelo bom funcionamento dos serviços prestados. b) USI Unidade de Sistemas de Informação Compreende os trabalhos relativos ao campo aplicacional e parque de bases de dados, com a manutenção das várias aplicações essenciais aos serviços, bem como no que respeita à gestão da presença Internet e do Portal Existirá, ainda, capacidade de prestação de um serviço de Helpdesk (suporte ao utilizador) dirigido, fundamentalmente ao pessoal docente e não docente, que funciona com o contributo especializado dos elementos afectos às unidades de URS e USI. Optou-se por este desenho (a não definição de uma unidade própria destinada ao apoio ao utilizador) de modo a que os elementos que prestam a actividade sejam também profundos conhecedores dos trabalhos desenvolvidos na sua unidade, e possam, assim, actuar como veículos desse conhecimento tanto para dentro como para fora desse espaço. Página 2 de 7

3 1.2. Atribuições As atribuições, apesar de variadas, podem ser associadas em três grandes áreas, que por sua vez, têm mapeamento directo sobre a organização interna do CiIPS: a) Infraestruturais [URS] b) Sistemas de informação [USI] c) Suporte à utilização das tecnologias [Helpdesk] Actividades Infraestruturais [URS] - Estas actividades prendem-se, sobretudo, com a implementação e a manutenção das configurações da rede de comunicação, bem como da preservação dos sistemas de gestão de bases de dados, enquanto plataformas de base onde se apoia o grosso dos sistemas de informação em uso no nosso Instituto. Trata das seguintes grandes actividades: a) Meios físicos de comunicação de dados e de interligação de redes; b) Definições de rede (Networking) c) Definições de interligação de redes (Routing) d) Redes sem fios (Wireless) e) Servidores de Autenticação (IAS) f) Serviços de configuração automática das propriedades da rede (DHCP) g) Ferramenta de Qualidade de serviço QoS (Traffic Shaping) h) Ferramenta IDS (dragon) i) Anteparas de segurança - Firewall (ISA) j) Ferramentas de Backup e Robot de Backups (DPM) k) Aplicação de gestão de operações (MOM) l) Gestão da Infra-estrutura de comunicação (netsight atlas, console, policy manager) m) Sistema de Gestão de Bases de Dados (Oracle RAC) n) Sistema de Gestão de Bases de Dados (Oracle Aplicações) o) Outros meios técnicos relacionados com a função ensino, investigação ou projecto; Para além destas, debruça-se ainda sobre a tipificação dos sistemas operativos cliente de uso no conjunto das unidades orgânicas do Instituto, bem como actua junto dos encarregados de trabalhos, dos técnicos ou de outro pessoal de apoio em cada unidade orgânica, com o objectivo de garantir condições de uso da rede existente. Esta actuação passa sobretudo por evidenciar junto daqueles elementos as formas de uso e as configurações mais eficazes para o uso da rede, num conjunto bem definido de circunstâncias. Página 3 de 7

4 Sistemas de Informação [USI] - Os sistemas de informação são, em grande parte, a porção visível que está materializada nas ferramentas de uso diário de todos quantos constituem a comunidade educativa do Instituto. Em concreto, compreende os seguintes sistemas e aplicações: a) Presença Internet (DNS Internet); b) Portal e conteúdos (sigarra, outras); c) Ferramentas de Gestão de Conteúdos (dnn); d) Serviços de Correio Electrónico, messaging e outros meios de comunicação (merak, outras); e) Plataformas de e-learning (moodle); f) Parque informático servidores controladores de domínio; g) Sistemas Operativos Servidores (windows2003, outros); h) Estrutura de Directório, utilizadores e grupos (activedirectory); i) Soluções de Antivírus e Firewall individual de administração centralizada; j) Outros meios lógicos relacionados com a função ensino, investigação ou projecto; Tem ainda por missão, neste campo, o suporte aos elementos dos serviços, tipicamente na função de encarregados de trabalhos da área de informática ou outro pessoal técnico, para que, através destes, existam condições para utilização daqueles sistemas e aplicações Suporte à Utilização das Tecnologias [Helpdesk] - Como é facilmente antecipado por cada um, existe uma forte necessidade de apoio à utilização das tecnologias no contexto das actividades de Ensino e Investigação desenvolvidas por cada uma das unidades orgânicas do Instituto. A intervenção do Centro de Informática nesta matéria passa por três grandes domínios de actuação. a) Serviço de Helpdesk destinado a suportar o uso das soluções tecnológicas implementadas no âmbito da actividade do CiIPS, reconhecendo-se aqui dois grupos de utilizadores com necessidades diferenciadas, assim como com prioridades de atendimento distintas: (1) Docentes, Funcionários e (2) Estudantes. Não encontro neste momento condições para defender que o CiIPS possa actuar neste domínio junto dos estudantes. b) Apoio aos Utilizadores Chave O funcionamento dos serviços próprios de cada unidade orgânica sustenta-se fortemente em aplicações e ferramentas informáticas de cujo bom funcionamento depende igualmente o desempenho de sectores como sejam as repartições académicas ou os serviços de recursos humanos ou ainda de contabilidade, só para dar alguns exemplos. O CiIPS tem aqui um papel importante no apoio a esses utilizadores, tipicamente funcionários Página 4 de 7

5 não docentes, procurando identificar e formar um utilizador chave que possa servir, internamente no serviço, de elemento de primeira intervenção na solução de pequenas dificuldades no uso das tecnologias. Simultaneamente, importa garantir a esses utilizadores chave um bom acesso à formação e um constante apoio das equipas do Centro de Informática, procurando que daqui resulte uma efectiva capacidade de intervir daquele elemento chave perante problemas de simples utilização sentidos pelos restantes funcionários desse serviço. c) Formação e Acções de Divulgação Do que fica dito, percebe-se que as tecnologias serão tanto mais importantes do ponto de vista individual, para o trabalho que cada um desenvolve, quanto mais conseguida e massificada conseguir ser a sua divulgação e a organização de iniciativas de formação orientadas para as necessidades efectivas que são realizadas sobre determinada ferramenta. O CiIPS tem como missão promover este tipo de realizações, encontrando a cada momento, os protagonistas, os meios necessários e as formas próprias de alcançar os objectivos que ficaram expressos relativamente a esta matéria Para além destas, que têm visibilidade a partir do conjunto das unidades orgânicas do Instituto, o centro de informática desenvolve as áreas de coordenação e algumas actividades de tipo administrativo, numa perspectiva de assegurar a normalidade do seu funcionamento enquanto estrutura Actividades de Coordenação - As actividades de coordenação, nos domínios de intervenção que são próprios do Centro de Informática, procuram acomodar o conjunto de necessidades que vão sendo suscitadas pelas diferentes entidades com as quais o CiIPS se relaciona, procurando que a sua materialização aconteça no momento adequado, para além de garantir a compatibilização dessas peças tecnológicas com a restante infra-estrutura existente Estas actividades só se consideram passíveis de realização no CiIPS, caso todas as Unidades Orgânicas não actuem nestes domínios de forma absolutamente autónoma. É aqui necessária a colaboração estreita, assente em vias funcionais e hierárquicas que devem ser alvo de formalização Estas actividades servem ainda para, à luz de determinações conhecidas e decorrentes das actividades de ensino, investigação ou de projectos existentes nas várias unidades orgânicas, possibilitarem a correcta gestão do ciclo de vida das tecnologias, compreendendo-se aqui quer os meios físicos necessários (hardware), quer os suportes lógicos (software). Esta actividade procura vincar o caminho da racionalização dos meios financeiros empregues na implementação e manutenção dessas soluções Tem ainda como preocupação a Integração dos Sistemas e a definição das fronteiras destes, como traço geral da sua actuação, bem como a gestão dos graus de interdependência e/ou de isolamento das soluções. Para este resultado ser alcançado têm que ser apreciados, em conjunto com os Página 5 de 7

6 responsáveis mais apropriados para cada caso, os procedimentos administrativos que interessam suportar tecnologicamente e encontrar aí (ou no redesenho desses processos) a abordagem correcta, bem como a estratégia e o calendário dessa implementação Actividades Administrativas - Estas actividades são as indispensáveis ao funcionamento do Centro de Informática e resultam das obrigações formais que impendem sobre as estruturas da administração pública, servindo como exemplos a gestão dos recursos humanos afectos ao CiIPS, ou a conveniente organização dos processos de inventário e aprovisionamento, entre outros de natureza idêntica Finalmente, o CiIPS não promove actividades de investigação, no sentido da actividade que tem o seu espaço próprio no seio de cada escola, antes actua como fornecedor de recursos tecnológicos de que essas ou outras actividades idênticas necessitem Estrutura O CiIPS depende directamente da Presidência do Instituto Politécnico de Santarém que deverá afectar os recursos humanos e materiais necessários ao funcionamento do Centro, após adequada redistribuição entre Unidades Orgânicas. 2. Coordenador 2.1. O Coordenador é um docente de reconhecida competência técnica e científica na área das TIC ou especialista de informática da carreira de informática, nomeado pelo Presidente do Instituto Politécnico de Santarém Competências Ao Coordenador compete a gestão corrente do CiIPS, cabendo-lhe designadamente: a) Dirigir a organização interna do CiIPS; b) Decidir sobre a orientação e prioridade das actividades e tarefas a executar, de acordo com as opções superiormente definidas; c) Efectuar a gestão dos recursos humanos e materiais afectos ao CI; d) Dar parecer sobre a contratação ou afectação de pessoal técnico para desempenhar funções no CiIPS; Página 6 de 7

7 3. Disposições Finais 3.1. O presente regulamento entra em vigor no dia imediato ao da sua aprovação Os casos omissos serão resolvidos por despacho do Presidente do Instituto Politécnico de Santarém. Página 7 de 7

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE

CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE CÂMARA MUNICIPAL DA RIBEIRA GRANDE Proposta de Regulamento do Serviço Municipal de Protecção Civil do Concelho da Ribeira Grande Preâmbulo Atendendo que: A Protecção Civil é, nos termos da Lei de Bases

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G

Escola Superior de Gestão de Santarém. Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos. Peça Instrutória G Escola Superior de Gestão de Santarém Pedido de Registo do CET Instalação e Manutenção de Redes e Sistemas Informáticos Peça Instrutória G Conteúdo programático sumário de cada unidade de formação TÉCNICAS

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES

RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES SECRETARIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO ESPECIAL E REABILITAÇÃO DIRECÇÃO DE SERVIÇOS DE FORMAÇÃO E ADAPTAÇÕES TECNOLÓGICAS RELATÓRIO ANUAL DE ACTIVIDADES 2006 ÍNDICE 1. Nota Introdutória...

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS

PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS PROJECTO DE REGULAMENTO DOS SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E FINANCEIROS Artigo 1.º (Âmbito) 1 - O presente Regulamento estabelece a estrutura orgânica e as competências dos Serviços Administrativos e Financeiros

Leia mais

ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO

ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO ESCOLA S/3 ARQ. OLIVEIRA FERREIRA DEPARTAMENTO DAS CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS SUBDEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA CURSO DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO TIPO 5 2º ANO TÉCNICO DE INFORMÁTICA/INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES 2008/2009

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Caderno de Encargos - Ref. AGO/2009 Assistência Técnica. Parte I Cláusulas Jurídicas. Artigo 1.º

Caderno de Encargos - Ref. AGO/2009 Assistência Técnica. Parte I Cláusulas Jurídicas. Artigo 1.º Caderno de Encargos - Ref. AGO/2009 Assistência Técnica Parte I Cláusulas Jurídicas Artigo 1.º Objecto 1 - O presente Caderno de Encargos tem por objecto a aquisição de serviços de assistência técnica

Leia mais

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010

S. R. REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA. Plano de Actividades. Ano Económico 2010 Plano de Actividades Ano Económico 2010 I - Nota Introdutória Ao Conselho de Administração da Assembleia Legislativa, incumbe, entre outras atribuições, exercer a gestão orçamental e financeira da Assembleia,

Leia mais

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério,

5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA. Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro. administrativa das actividades do Ministério, 5948 DIÁRIO DA REPÚBLICA Decreto Presidencial n.º 232/12 de 4 de Dezembro Havendo necessidade de se dotar o Ministério do Urbanismo e Habitação do respectivo Estatuto Orgânico, na sequência da aprovação

Leia mais

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO

LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO LINHA CRIATIVA, Informática & Soluções PORTFOLIO 2015 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas

Leia mais

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor.

Artigo 2.º (Definições) Para efeitos da aplicação do SIADAP no seio da UC, entende-se por: a) «Dirigente máximo do serviço», o reitor. 1 Nos termos do disposto no n.º 3 do artigo 110.º do RJIES, a aprovação do presente regulamento, elaborado ao abrigo do estatuído no artigo 3.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, é precedida da sua

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007

Apresentação. Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares. Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares Oliveira de Azeméis Novembro 2007 Apresentação SABE 12-11-2007 2 Apresentação O conceito de Serviço de Apoio às Bibliotecas Escolares (SABE) que se

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), é um Estabelecimento de Ensino Superior Público cujo período de funcionamento, de aulas

Leia mais

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito

REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I. Disposições Gerais. Artigo 1º. Definição e Âmbito REGIMENTO PARA O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE ÁGUEDA PARTE I Disposições Gerais Artigo 1º Definição e Âmbito 1. O Conselho Municipal de Educação de Águeda, adiante designado de Conselho é uma instância

Leia mais

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO

Linha Criativa por Lunzayiladio Hervé Maimona PORTFOLIO PORTFOLIO 2014 A LINHA CRIATIVA é uma solução de TI focada em produtos inteligentes e simples, actuando no sector de empresas de médio e pequeno porte, nas áreas de terceirização, infra-estrutura, suporte,

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

BREVE MANUAL WIRELESS

BREVE MANUAL WIRELESS BREVE MANUAL WIRELESS Introdução O Projecto Municipal Seixal Digital pretende dotar o município do Seixal de equipamentos e infraestruturas que permitam o acesso às tecnologias de informação e comunicação.

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE, ORDEM DOS ADVOGADOS, pessoa colectiva n.º 500 965 099, com sede em Lisboa, no Largo de S. Domingos, n.º 14-1.º, neste acto representada pelo senhor Dr. António Marinho e

Leia mais

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS

PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS 3 PRIMAVERA MAINTENANCE PARA UMA GESTÃO EFICAZ DE EQUIPAMENTOS A importância de uma Manutenção planeada e estruturada As organizações fazem,

Leia mais

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual

Engenharia de Software Sistemas Distribuídos. 2º Semestre, 2007/2008. Departamento Engenharia Informática. Enunciado do projecto: Loja Virtual Engenharia de Software Sistemas Distribuídos 2º Semestre, 2007/2008 Departamento Engenharia Informática Enunciado do projecto: Loja Virtual Fevereiro de 2008 Índice Índice...2 Índice de Figuras...3 1 Introdução...4

Leia mais

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS

2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS - DOCUMENTO 15 Extractos dos Referentes Externos e Internos que suportam o Referencial 2.2. GESTÃO DOS RECURSOS HUMANOS REFERENTES EXTERNOS LEGISLAÇÃO Lei nº 31/2002 de 20 de Dezembro CAPÍTULO I Sistema

Leia mais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais

Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa. CAPÍTULO I Disposições gerais Regulamento da Informática do Instituto Superior de Engenharia de Lisboa Preâmbulo O presente regulamento visa proporcionar um enquadramento normativo adequado à disponibilização das infra-estruturas e

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2011 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE

REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE REGULAMENTO DO SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE ARTIGO 1º SERVIÇO DE PROVEDORIA DO CLIENTE DE SEGUROS 1. O Serviço de Provedoria do Cliente de Seguros é criado por tempo indeterminado e visa a disponibilização

Leia mais

Política. Informação

Política. Informação Política de Informação 1. Introdução... 3 a. Missão, Visão e Valores da PSP... 3 b. Objectivo Geral... 3 c. Objectivos Específicos... 3 2. Política de Informação... 4 a. Definição de política de informação...

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar

Instituto Politécnico de Tomar Instituto Politécnico de Tomar Centro de Informática e Sistemas Proposta de Regulamento Centro de Informática e Sistemas Joaquim Pombo O presente regulamento visa proporcionar um enquadramento normativo

Leia mais

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC

Empresa de Projecto e Desenvolvimento de. Engenharia Civil - EPDEC Empresa de Projecto e Desenvolvimento de Engenharia Civil - EPDEC Pedido de Proposta para Implementação da Rede Informática Projecto: Rede Informática da EPDEC Novembro de 2007 Índice 1 Introdução...1

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES

PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL TÉCNICO(A) DE INFORMÁTICA - INSTALAÇÃO E GESTÃO DE REDES PERFIL PROFISSIONAL Técnico de Informática Instalação e Gestão de Redes Nível 3 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/5 ÁREA

Leia mais

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%)

ITEM 1 - A melhoria dos resultados escolares dos alunos Ano/Turma Disciplina Meta PE (%) Objectivo(s) (%) Período em avaliação: 2007 a 2009 ESCOLA S/3 ARQUITEO OLIVEIRA FERREIRA Identificação dos Intervenientes Nome do avaliado - Patrícia Cunha Melo Campos Corado Carvalhais Fonseca Categoria - PQZPND Departamento

Leia mais

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento:

Recrutamento de RH. Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional. ID do Documento: Recrutamento de RH Perfil de Administração de Base de Dados e Plataforma Aplicacional ID do Documento: Versão: Elaborado por: Aprovado por: Data de Re99visão: 1 Administração de Base de Dados e Plataforma

Leia mais

Instituto. Rede Informática. Novembro de 2003

Instituto. Rede Informática. Novembro de 2003 Instituto Politécnico de Lisboa Rede Informática Novembro de 2003 12-20032003 1 12-20032003 2 Comunicações Ligação à Internet via FCCN (6Mbit/s utilizando ATM) Ligação a cada uma das escolas e serviços

Leia mais

Instruções para aceder ao correio electrónico via web

Instruções para aceder ao correio electrónico via web Caro utilizador(a) Tendo por objectivo a melhoria constante das soluções disponibilizadas a toda a comunidade do Instituto Politécnico de Santarém, tanto ao nível de serviços de rede como sistema de informação.

Leia mais

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório

Laboratório de Sistemas e Redes. Nota sobre a Utilização do Laboratório Nota sobre a Utilização do Laboratório 1. Introdução O laboratório de Sistemas e Redes foi criado com o objectivo de fornecer um complemento prático de qualidade ao ensino das cadeiras do ramo Sistemas

Leia mais

Ministério da Comunicação Social

Ministério da Comunicação Social Ministério da Comunicação Social Decreto Executivo Nº 80 /2007 de 2 de Julho Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Intercâmbio Internacional do Ministério da Comunicação Social; Nestes termos,

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Ministério da Educação Decreto Lei n.º 7/03 de 17 de Junho Diário da República, I Série nº47 17.06.2003 Considerando as últimas alterações verificadas na denominação dos organismos de administração central

Leia mais

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010

Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR. Ano de 2010 Mapa de pessoal da Direcção-Geral do Tesouro e Finanças - Artigo 5º LVCR Cargo/Carreira/Categoria Área de formação académica e/ou profissional Nº PT/Área Formação Número de postos de trabalho Observações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA. transparência integridade. seriedade. honestidade. cooperação. informação comunicação. ética seriedade cooperação ética CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA transparência integridade honestidade informação comunicação Índice 1. Âmbito de aplicação 2. Princípios Fundamentais 3. Normas gerais de conduta 4.

Leia mais

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos

ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos ARQUIVO DIGITAL e Gestão de Documentos TECNOLOGIA INOVAÇÃO SOFTWARE SERVIÇOS A MISTER DOC foi constituída com o objectivo de se tornar uma referência no mercado de fornecimento de soluções de gestão de

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE

REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE REGULAMENTO INTERNO DO GABINETE DO PRESIDENTE CAPÍTULO I Objecto ARTIGO.º (Objecto) O presente regulamento define a composição e o regime jurídico do pessoal do Gabinete do Presidente do Tribunal de Contas.

Leia mais

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que:

PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A. Considerando que: PROTOCOLO DE COLABORAÇÃO ENTRE O CONSELHO DISTRITAL DE LISBOA DA ORDEM DOS ADVOGADOS E A ADMINISTRAÇÃO DA REGIÃO HIDROGRÁFICA DO TEJO Considerando que: Compete ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem

Leia mais

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012

CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 CONDIÇÕES PARTICULARES CONTA INDIVIDUAL DE SOLUÇÕES DE SERVIÇO DE MENSAGENS Versão de 17/01/2012 Definições : Activação do Serviço: A activação do Serviço inicia-se a partir da validação do pagamento do

Leia mais

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007

Biblioteca Virtual. BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 Biblioteca Virtual BIBLIOTECA VIRTUAL DA UNIVERSIDADE DO PORTO (BVUP) Plano de Actividades 2007 A. Introdução A Biblioteca Virtual da Universidade do Porto (BVUP) continuará no ano de 2007 com a sua missão

Leia mais

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário

MEMORANDO. Caracterização da Actuação no Combate ao spam. Análise das respostas ao questionário MEMORANDO Caracterização da Actuação no Combate ao spam Análise das respostas ao questionário ÍNDICE 1. Enquadramento da realização do questionário...3 2. Análise das respostas ao questionário...4 2.1

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto Executivo nº /07 De 03 de Setembro Convindo regulamentar o funcionamento do Gabinete de Estudos, Planeamento e Estatística do Ministério do Comércio; Nestes termos, ao abrigo

Leia mais

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante.

É aprovado o Regulamento dos Núcleos Distritais ou Regionais do Projecto VIDA, anexo a este despacho e que dele faz parte integrante. PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS E MINISTÉRIOS DA DEFESA NACIONAL, DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA, DA JUSTIÇA, DA EDUCAÇÃO, DA SAÚDE E DO EMPREGO E DA SEGURANÇA SOCIAL. Despacho conjunto. - Considerando

Leia mais

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC

Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Definição e Implementação de Metodologia, Modelo e Ferramentas para Avaliação de Projectos e Despesas TIC Overview do Processo de Avaliação de Projectos e Despesas TIC www.ama.pt Índice 1. Enquadramento

Leia mais

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt

Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Desktop Virtual Paulo César Especialista de Soluções da ATM informática paulo.cesar@atminformatica.pt Tendo em conta que a Virtualização será um dos principais alvos de investimento para o ano 2009 (dados

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade

Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Formamos Pessoas! Concebemos Soluções! Manual do Sistema de Gestão da Qualidade Elaborado por Revisto por Aprovado por GT-ISO GT-ISO DT 17 de Novembro de 2011 Código do Documento : MP_DG_MSGQ Versão 2.1

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19)

Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Diário da República, 1.ª série N.º 145 29 de Julho de 2008 5106-(19) Portaria n.º 701-E/2008 de 29 de Julho O Código dos Contratos Públicos consagra a obrigação das entidades adjudicantes de contratos

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO ESTRATÉGICA 1/21 ANÁLISE DA ENVOLVENTE EXTERNA À EMPRESA... 3 1. Análise do Meio Envolvente... 3 2. Análise da Evolução do Mercado... 7 3. Análise da Realidade Concorrencial...

Leia mais

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes

A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A NORMA PORTUGUESA NP 4427 SISTEMA DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REQUISITOS M. Teles Fernandes A satisfação e o desempenho dos recursos humanos em qualquer organização estão directamente relacionados entre

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA

CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA CÂMARA MUNICIPAL DE BRAGANÇA Regulamento do Processo de Fiscalização das Obras Particulares Sujeitas a Licenciamento Municipal Preâmbulo Estabelece o artigo 24º. do DL 445/91, de 20 Novembro, com a redacção

Leia mais

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I.

REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO. Capítulo I. Regulamentos REGULAMENTO PARA A GESTÃO DE CARREIRAS DO PESSOAL NÃO DOCENTE CONTRATADO NO ÂMBITO DO CÓDIGO DO TRABALHO DA UNIVERSIDADE DO PORTO Aprovado pelo Conselho de Gestão na sua reunião de 2011.01.20

Leia mais

SI Sistema de Informação Anexo 4

SI Sistema de Informação Anexo 4 onselho oordenador omo implementar? No actual quadro da dministração Pública torna-se necessário avaliar o desempenho dos serviços, o que implica, para os gestores públicos, desenvolver (os seus) sistemas

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE

AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE AGRUPAMENTO DE CENTROS DE SAÚDE UNIDADE DE SAÚDE PUBLICA Ao nível de cada Agrupamento de Centros de Saúde (ACES), as Unidades de Saúde Pública (USP) vão funcionar como observatório de saúde da população

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Exposição de motivos PROPOSTA DE LEI N.º 101/IX CRIA O SISTEMA INTEGRADO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Exposição de motivos Tendo em consideração que a Administração Pública tem como objectivo fundamental

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA

BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA BIBLIOTECA ESCOLAR REGULAMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO DA SILVA CORREIA ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 CONDIÇÕES DE INSTALAÇÃO E DE FUNCIONAMENTO... 3 1. A EQUIPA EDUCATIVA... 3 2. COMPETÊNCIAS

Leia mais

Uma Administração pública em rede

Uma Administração pública em rede Uma Administração pública em rede Maria Manuel Leitão Marques Unidade de Coordenação da Modernização Administrativa ucma@ucma.gov.pt Resumo Por detrás dos mais variados produtos e serviços que consumimos

Leia mais

sistemas de informação nas organizações

sistemas de informação nas organizações sistemas de nas organizações introdução introdução aos sistemas de objectivos de aprendizagem avaliar o papel dos sistemas de no ambiente empresarial actual definir um sistema de a partir de uma perspectiva

Leia mais

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página

Centro de Gestão da Rede Informática do Governo Data de emissão Entrada em vigor Classificação Elaborado por Aprovação Ver. Página 2002-02-27 Imediata AT CEGER/FCCN GA 2 1 de 11 Tipo: NORMA Revoga: Versão 1 Distribuição: Sítio do CEGER na Internet. Entidades referidas em IV. Palavras-chave: gov.pt. Registo de sub-domínios de gov.pt.

Leia mais

QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA

QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA QUANTINFOR CONSULTORIA INFORMÁTICA UMA EQUIPA, MÚLTIPLOS SERVIÇOS PARA A SUA EMPRESA Somos uma empresa de Consultoria Informática que presta serviços na área das Tecnologias de Informação e Comunicação

Leia mais

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE

BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE BCN A EXPERIÊNCIA COM A PROVEDORIA DO CLIENTE A GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE B ESTATÍSTICAS C PRINCIPAIS MEDIDAS ADOPTADAS GABINETE DE PROVEDORIA DO CLIENTE Com o objectivo de proteger os nossos Clientes

Leia mais

Ministério do Comércio

Ministério do Comércio Ministério do Comércio Decreto executivo n.º 11/01 de 9 de Março A actualização e capacitação técnico profissional dos trabalhadores do Ministério do Comércio e de particulares buscam o aperfeiçoamento

Leia mais

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006.

SEPLAN. Secretaria de Estado de Planejamento e Desenvolvimento Econômico. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. RESOLUÇÃO Nº 003/2006 - CEPINF de 15 de agosto de 2006. DEFINE a Política de Informática do Estado do Amazonas. O PRESIDENTE DO COMITÊ ESTADUAL DE POLÍTICA DE INFORMÁTICA, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação

Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação Estratégia para os Sistemas e Tecnologias de Informação A transcrição ou reprodução deste documento não é permitida sem a prévia autorização escrita do IGIF PRINCIPAIS MENSAGENS O IGIF, na vertente SI,

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação

MANUAL DA QUALIDADE. Câmara Municipal do Funchal. Divisão de Atendimento e Informação Câmara Municipal do Funchal Divisão de Atendimento e Informação INDICE Promulgação Âmbito Exclusões Hierarquia da documentação do Sistema de Gestão da Qualidade Política da Qualidade Missão e Visão Apresentação

Leia mais

NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM

NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM NCR SERVIÇOS CORPORATIVOS WWW.NCRANGOLA.COM NCR Angola A história da NCR Angola começou em 1995. Logo neste ano, a sua acção começou por se desenvolver em duas vertentes principais: uma divisão destinada

Leia mais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais

SUCH Serviço de Utilização Comum dos Hospitais Derechos Quem Somos O Serviço de Utilização Comum dos Hospitais é uma associação privada sem fins lucrativos, organizada e posicionada para a oferta integrada de Serviços Partilhados para o sector da Saúde.

Leia mais

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa

Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa Instrumento que cria uma Rede de Cooperação Jurídica e Judiciária Internacional dos Países de Língua Portuguesa TÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Criação 1. A Conferência dos Ministros da Justiça

Leia mais

Ministério da Ciência e Tecnologia

Ministério da Ciência e Tecnologia Ministério da Ciência e Tecnologia Estratégia da Comissão Nacional de Tecnologias de Informação Decreto nº. 6/02 de 4 de Abril Considerando que as tecnologias de informação constituem um elemento fundamental

Leia mais

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA

PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA PRINCÍPIOS DE ENQUADRAMENTO DO VOLUNTARIADO SOCIAL NO INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Considerando: A importância formativa, social e cultural do voluntariado e o papel importante que o Instituto Politécnico

Leia mais

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil

O Voluntariado e a Protecção Civil. 1. O que é a Protecção Civil O Voluntariado e a Protecção Civil 1. O que é a Protecção Civil A 03 de Julho de 2006, a Assembleia da Republica publica a Lei de Bases da Protecção Civil, que no seu artigo 1º dá uma definição de Protecção

Leia mais

Apresentamos o KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS

Apresentamos o KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS Apresentamos o KASPERSKY ENDPOINT SECURITY FOR BUSINESS 1 Impulsionadores empresariais e respectivo impacto em TI AGILIDADE EFICIÊNCIA PRODUTIVIDADE Seja rápido, ágil e flexível Cortar custos Consolidar

Leia mais

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS)

Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) Anteprojecto de decreto-lei Sistema Integrado de Operações de Protecção e Socorro (SIOPS) As acções de protecção civil integram, obrigatoriamente, agentes e serviços que advêm de organismos do Estado,

Leia mais

Solução RCR DESENVOLVER

Solução RCR DESENVOLVER Solução RCR DESENVOLVER Destinatários Micro e pequenas empresas Objectivo da solução A Solução RCR DESENVOLVER disponibiliza as ferramentas e o apoio necessários para as empresas que procuram soluções

Leia mais

AUDITORIAS DA QUALIDADE

AUDITORIAS DA QUALIDADE AUDITORIAS DA QUALIDADE O uso de planos de auditoria é um importante mecanismo adoptado em sistemas da qualidade, no âmbito do relacionamento entre vários departamentos ou empresas dentro de um determinado

Leia mais

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE

ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE ANEXO 5 Regulamento Interno REGIME DE FUNCIONAMENTO DA EQUIPA PTE AGRUPAMENTO DE ESCOLAS IBN MUCANA 2011/2014 INDÍCE ARTIGO 1º - DEFINIÇÃO DA EQUIPA DO PLANO TECNOLÓGICO DA EDUCAÇÃO... 3 ARTIGO 2º - COMPETÊNCIAS...

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas

Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Plano de Prevenção de Riscos de Gestão, incluindo os de Corrupção e Infracções conexas Relatório Anual O presente relatório pretende demonstrar o acompanhamento e a forma como os diversos serviços do Município

Leia mais

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur

Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Modernização dos Sistemas de Informação do Grupo Prosegur Rogério Machado Director Técnico José Monteiro Ferreira Director Informática e Telecomunicações AGENDA 1. A APR 2. APRESENTAÇÃO DO PROJECTO 3.

Leia mais

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu

Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu 1 Nova plataforma de correio electrónico Microsoft Live@edu Tendo por objectivo a melhoria constante dos serviços disponibilizados a toda a comunidade académica ao nível das tecnologias de informação,

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

Regulamento das Consultas Externas. Índice

Regulamento das Consultas Externas. Índice Índice CAPÍTULO I...4 DISPOSIÇÕES GERAIS...4 ARTIGO 1º...4 (Noção de Consulta Externa)...4 ARTIGO 2º...4 (Tipos de Consultas Externas)...4 ARTIGO 3º...4 (Objectivos do Serviço de Consulta Externa)...4

Leia mais

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004 Inquérito Estatístico registado sob o n.º 2027, válido até 31 de Dezembro de 2004 AS TIC NA AP INQUÉRITO À UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA REGIONAL 2004

Leia mais

Soluções em Segurança

Soluções em Segurança Desafios das empresas no que se refere a segurança da infraestrutura de TI Dificuldade de entender os riscos aos quais a empresa está exposta na internet Risco de problemas gerados por ameaças externas

Leia mais

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão

1992-2013. Duas décadas de experiência em Informática de Gestão 1992-2013 Duas décadas de experiência em Informática de Gestão A NOSSA MISSÃO: Superar as necessidades dos nossos Clientes, diferenciando-nos pela excelente qualidade e consistência dos nossos serviços.

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS

MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS MINISTÉRIO DA JUVENTUDE E DESPORTOS Decreto executivo n.º 128/06 de 6 de Outubro Havendo a necessidade de se definir a estrutura e regulamentar o funcionamento dos órgãos da Casa da Juventude, ao abrigo

Leia mais

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas

1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento. 2. Estratégia para as Compras Públicas. 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas Agenda 1. Agência Nacional de Compras Públicas - Enquadramento 2. Estratégia para as Compras Públicas 3. Modelo de Compras Públicas Electrónicas 4. Desafios para 2009 2 Propósito Estratégico: Agência Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO

REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Maputo, Maio de 2014 Regulamento do Conselho Pedagógico 2 REGULAMENTO DO CONSELHO PEDAGÓGICO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Capítulo I Disposições

Leia mais

1/7 *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* (A classificação desta prova será publicada neste site)

1/7 *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* (A classificação desta prova será publicada neste site) Classificação: Valores *UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR* Dep. de Gestão e Economia Exame de 1.ª Chamada de Gestão da Informação Ano lectivo 2007-2008 Licenciatura em: Data: 2008-07-26 Gestão Docente: Francisco

Leia mais

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP

A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP Conteúdos A MOBILIDADE NAS EMPRESAS E A TRANSFORMAÇÃO DOS ERP... 3 PREPARA-SE PARA UMA MAIOR MOBILIDADE... 4 O IMPACTO DOS ERP NO MOBILE... 5 CONCLUSÕES...

Leia mais

Id Serviços de Apoio

Id Serviços de Apoio Id Serviços de Apoio Cafetaria do Museu Calouste Gulbenkian e seu prolongamento no jardim. Serviços Centrais Valores em euros Encargos com pessoal 6 219 770 Despesas de funcionamento 9 606 628 Investimento

Leia mais

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado

Estatuto-Tipo das Delegações Regionais do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado 34 Diploma Ministerial n.º 22/2015 de 21 de Janeiro Havendo necessidade de regular a organização e o funcionamento do Gabinete das Zonas Económicas de Desenvolvimento Acelerado, abreviadamente designado

Leia mais

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA

REGULAMENTO ORGÂNICO DOS SERVIÇOS DO ISA Deliberação nº /2011 Considerando que, nos termos do nº 3 do artigo 12º dos Estatutos do Instituto Superior de Agronomia, compete ao Conselho de Gestão do Instituto Superior de Agronomia (ISA), aprovar,

Leia mais

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento

CETAC.MEDIA. Centro de Estudos. das Tecnologias e Ciências da Comunicação. Regulamento Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências da Comunicação Regulamento Julho de 2008 CAPÍTULO I Natureza, Missão, Atribuições e Constituição Artigo 1º Natureza O Centro de Estudos das Tecnologias e Ciências

Leia mais

SPMS Mail, File Server e Domain Controllers

SPMS Mail, File Server e Domain Controllers SPMS Mail, File Server e Domain Controllers Motivação Redução de Licenciamento. Dar cumprimento a nova legislação que dá prioridade à adocão de software de código aberto. Acumular conhecimento para replicar

Leia mais