Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear"

Transcrição

1

2 Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais para a produção de bens e serviços e, posteriormente são descartados em lixões ou aterros, sem a possibilidade de recuperação de novos processos de produção. Resíduos Resíduos Cultura do lixo Aterros

3 Premissas Ecossistemas naturais Modelo Ecossistêmico Produção de bens e serviços Este modelo imita os processos dos ecossistemas naturais, considerando a legislação ambiental vigente e as boas práticas ambientais, com o objetivo de reduzir o consumo de matérias primas e subsequentemente a generação de resíduos, promovendo o reuso, reciclagem, compostagem e/ou valorização de resíduos. Reciclagem e compostagem Sociedade: uso e destinação De esta forma os materiais e energia volvem ao inicio do processo produtivo ou social. Residuos = Recursos

4 Marcos Alejandro Badra Contexto Brasil População: 200 milhões Geração de RSU: 78,6 milhões ton/ano Geração de Resíduos Industrial > 100 milhões ton/ano 91% De RSU é coletado 83,3% com potencial de reciclagem 1,2 Kg/dia/pessoa De RSU Atual (cultura do lixo) Coleta seletiva 12% de pessoas parcialmente comprometidas 8% é reciclado 1% é compostado Coleta tradicional: 55% Aterros 45% Aterros controlados ou lixões Lixo Zero (resíduos = recursos) Coleta seletiva: 100% de pessoas comprometidas 16,7% com alternativas de valorização ainda não conhecidas. Aterro 51,4% organico 2,4% vidro 2,9% metrais 13,1% papel / papelão 13,5% plástico Unidade de Compostagem Industria ambiental Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei /2010, Decreto 7404/2010) Mudança de comportamento na gestão de resíduos. Elimine todos os lixões até 2014 (atualmente 45% dos RSU se destina a lixões). Os resíduos devem ser reduzidos, reutilizados, reciclados, compostados ou recuperado através de outras tecnologias, e apenas quando não há alternativa de recuperação, eles podem ser enviados para aterro.

5 inteligência ambiental Premissas Premissas para o desenvolvimento do projeto Engajamento de stakeholders para obtenção de resultados. Reduzir (Novos matérias-primas e novos processos); Reutilizar; reciclagem; compostagem; Uma nova maneira de fazer gestão de resíduos; Reduzir custos operacionais e de gestão de resíduos. Resíduos = Recursos = Oportunidades

6

7 Objetivo do Projeto: Desenvolver um processo modelo representativo de compostagem de resíduos sólidos urbanos para valorização dos mesmos conforme a Lei /2010 PNRS. O projeto piloto foi importante para demonstrar as vantagens do processo de compostagem como reciclador da matéria orgânica

8 Resultado esperado vapor de água matéria orgânica CO 2 COMPOSTAGEM

9 Problemáticas das unidades de compostagem de residuos sólidos urbanos Os plásticos convencionais demoram de 100 a 500 anos em degradar; O resíduo orgânico demora em media 60 dias para ser compostado;processo de separação do plástico em usinas de compostagem são caros é ineficientes; O plástico tradicional se acumula nos ecossistemas criando problemas ambientais.

10

11 11

12 Modelo de gerenciamento de resíduos em Mogi Mirim Geração de RSU: 0,72 Kg/dia/pessoa Orgânicos de cozinha 190 gr/dia/pessoa Custo por tonelada: R$ 210 aprox. Destinado ao aterro em São Pedro a 170 Km

13 Engajamento de stakeholders

14 Engajamento da comunidade casas Igrejas católicas e evangelicas 3 escolas e uma créche + de 2100 pessoas

15 Projeto de Compostagem Mogi Mirim

16 Projeto Mogi Mirim

17 Resultados do Projeto de Compostagem Mogi Mirim quilos (30 ton) de resíduos orgânicos para a compostagem. Todos os resíduos foram separados na origem (na cozinha) pela mesma população. 41 coletas de resíduos orgânicos acondicionados em sacos compostáveis Os recicláveis como papel, papelão, vidro, plásticos e metais foram separados espontaneamente pelos moradores.

18 Resultados do Projeto de Compostagem Mogi Mirim "Notamos que após a implantação do projeto nos bairros que participaram, os recicláveis ficaram mais limpos, o que facilitou sua coleta, separação e melhor venda dos mesmos. Começamos a dar prioridade para coletar nesse bairro. Espero que este projeto se implante e em toda a cidade, isso vai dar uma melhoria em nosso trabalho e na qualidade do material que reciclamos" Tiago - dono da empresa "Rei da Sucata"

19 Resultados do Projeto de Compostagem Mogi Mirim Media 756 Kg/coleta sacos compostáveis foram utilizados para destinar os resíduos orgânicos. 99% resíduos orgânicos corretamente separadose destinados em sacos compostáveis. 1% Resíduos destinados de forma errada

20 Resultados do Projeto de Compostagem Mogi Mirim O processo de compostagem foi 100% aeróbico Temperatura superior a 51 C, garantindo a higienização do processo. Sem odoresdesagradáveis e gases de efeito estufa. Aucensia de vetores, como moscas, baratas, roedores, entre outro. Não houve geraçaõ de chorume. O processo de compostagem transformou 100% dos residuos e dos sacos em adubo orgánico. Foram produzidos quilos de adubo, que foi distribuido na comunidade e usado para plantio de árvores na praça da cidade.

21 Estudo Econômico

22 Cenário 1 Gerenciamento de Resíduos Lixo comum 25% Coleta Prefeitura R$ 84/ton Aterro Sanitário R$ 126/ton Separação resíduos in situ Sacolas compostáveis resíduos orgânicos R$ 7,50/mês/família Orgânicos 48% Recicláveis 27% Coleta Cooperativa / Catadores R$ 0 Segregação / acondicionamento Venda dos recicláveis. Produção de CDR Papel 6% - R$ 300 Papelão 4% - R$ 290 Vidro 2% - R$ 100 Coleta Prefeitura R$ 84/ton Vidro 3% - R$ 300 Plástico 15% - R$ 300 Compostagem R$ 80/ton Venda do adubo R$ 80/ton

23 Cenário 1 Gerenciamento de Resíduos Cenário atual: Coleta Transbordo Aterro Sanitário (Aguas de São Pedro 170 Km) Cenário 1 Compostagem Coleta de resíduos Prefeitura (R$84/ton) Orgânicos (48%) Unidade de Compostagem (R$80/ton) Lixo comum (25%) Aterro Sanitário (R$126/ton) Cooperativa (R$) Recicláveis (27%) Recicladores (R$0) Custo anual de coleta e destinação: R$ Redução de custo: R$ Reciclabilidade: 75% Geração de receita: R$ /ano Empregos: 15 min. Tipo de resíduo % ton/ano coleta custo da coleta (R$/ton) tratamento ou destinação custo do tratamento ou destinação (R$/ton) Geração de receita (R$/ton) Custo total/ano Receita total (responsável tratamento) Custo atual da Prefeitura Redução de custos Materia Orgânica 48% Construrban R$84 Compostagem R$80 R$50 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Plástico 12% Catador 0 Reciclagem 0 R$300 R$ - R$ R$ ,00 R$ ,00 Papel 6% Catador 0 Reciclagem 0 R$300 R$ - R$ R$ ,00 R$ ,00 Papelão 4% 900 Catador 0 Reciclagem 0 R$250 R$ - R$ R$ ,00 R$ ,00 Vidro 2% 540 Catador 0 Reciclagem 0 R$100 R$ - R$ R$ ,00 R$ ,00 Metais 3% 585 Catador 0 Reciclagem 0 R$300 R$ - R$ R$ ,00 R$ ,00 Lixo 25% Construrban R$84 Aterro Sanitário R$126 R$ - R$ R$0 R$ ,00 R$ ,25 TOTAL R$ R$ R$ R$

24 Cenário 2 Gerenciamento de Resíduos Lixo comum 25% Coleta Prefeitura R$ 84/ton Aterro Sanitário R$ 126/ton Separação resíduos in situ Sacolas compostáveis resíduos orgânicos R$ 7,50/mês/família Orgânicos 48% Recicláveis 27% Coleta Prefeitura R$ 84/ton Segregação / acondicionamento Venda dos recicláveis. Produção de CDR Papel 6% - R$ 300 Papelão 4% - R$ 290 Vidro 2% - R$ 100 Coleta Prefeitura R$ 84/ton Vidro 3% - R$ 300 Plástico 15% - R$ 300 Compostagem R$ 80/ton Venda do adubo R$ 80/ton

25 Cenário 2 Gerenciamento de Resíduos Cenário atual: Coleta Transbordo Aterro Sanitário (Aguas de São Pedro 170 Km) Cenário 2 Compostagem Coleta de resíduos Prefeitura (R$84/ton) Orgânicos (48%) Unidade de Compostagem (R$80/ton) Lixo comum (25%) Aterro Sanitário (R$126/ton) Cooperativa (R$84/ton) Recicláveis (27%) Recicladores (R$0) Custo anual de coleta e destinação: R$ Redução de custo: R$ Reciclabilidade: 75% Geração de receita: R$ /ano Empregos: 20 min. Tipo de resíduo % ton/ano coleta custo da coleta (R$/ton) tratamento ou destinação custo do tratamento ou destinação (R$/ton) Geração de receita (R$/ton) Custo total/ano Receita total (responsável tratamento) Custo atual da Prefeitura Redução de custos Materia Orgânica 48% Construrban R$84 Compostagem R$80 R$50 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Plástico 12% Const/Coop R$84 Reciclagem 0 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Papel 6% Const/Coop R$84 Reciclagem 0 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,50 Papelão 4% 900 Const/Coop R$84 Reciclagem 0 R$250 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Vidro 2% 540 Const/Coop R$84 Reciclagem 0 R$100 R$ R$ R$ ,00 R$ ,60 Metais 3% 585 Const/Coop R$84 Reciclagem 0 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,15 Lixo 25% Construrban R$84 Aterro Sanitário R$126 R$ - R$ R$0 R$ ,00 R$ ,25 TOTAL R$ R$ R$ R$

26 Cenário 3 Gerenciamento de Resíduos Lixo comum 25% Coleta Prefeitura R$ 84/ton Aterro Sanitário R$ 126/ton Separação resíduos in situ Sacolas compostáveis resíduos orgânicos R$ 7,50/mês/família Orgânicos 48% Recicláveis 27% Coleta Prefeitura R$ 84/ton Segregação / acondicionamento R$ 80/ton. Papel 6% - R$ 300 Papelão 4% - R$ 290 Vidro 2% - R$ 100 Coleta Prefeitura R$ 84/ton Vidro 3% - R$ 300 Plástico 15% - R$ 300 Compostagem R$ 80/ton Venda do adubo R$ 80/ton

27 Cenário 3 Gerenciamento de Resíduos Cenário atual: Coleta Transbordo Aterro Sanitário (Aguas de São Pedro 170 Km) Cenário 3 Compostagem Coleta de resíduos Prefeitura (R$84/ton) Orgânicos (48%) Unidade de Compostagem (R$80/ton) Lixo comum (25%) Aterro Sanitário (R$126/ton) Cooperativa (R$84/ton) Recicláveis (27%) Recicladores (R$80/ton) Custo anual de coleta e destinação: R$ Redução de custo: R$ Reciclabilidade: 75% Geração de receita: R$ /ano Empregos: 20 min. Tipo de resíduo % ton/ano coleta custo da coleta (R$/ton) tratamento ou destinação custo do tratamento ou destinação (R$/ton) Geração de receita (R$/ton) Custo total/ano Receita total (responsável tratamento) Custo atual da Prefeitura Redução de custos Materia Orgânica 48% Construrban R$84 Compostagem R$80 R$50 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Plástico 12% Const/Coop R$84 Reciclagem R$80 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Papel 6% Const/Coop R$84 Reciclagem R$80 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,50 Papelão 4% 900 Const/Coop R$84 Reciclagem R$80 R$250 R$ R$ R$ ,00 R$ ,00 Vidro 2% 540 Const/Coop R$84 Reciclagem R$80 R$100 R$ R$ R$ ,00 R$ ,60 Metais 3% 585 Const/Coop R$84 Reciclagem R$80 R$300 R$ R$ R$ ,00 R$ ,15 Lixo 25% Construrban R$84 Aterro Sanitário R$126 R$ - R$ R$0 R$ ,00 R$ ,25 TOTAL R$ R$ R$ R$

28 Comparativos dos Cenários Gerenciamento de Resíduos Resíduos Atual Cenário 1 Cenário 2 Cenário 3 Orgânicos R$ ,12 R$ ,44 R$ ,84 R$ ,24 Recicláveis R$ ,88 R$ ,12 R$ ,16 R$ ,76 Lixo comum R$ ,00 R$ ,19 R$ ,00 R$ ,00 TOTAL R$ ,00 R$ ,75 R$ ,00 R$ ,00 Redução R$ - R$ ,25 R$ ,00 R$ ,00 Receita R$ - R$ R$ R$ Destinação atual dos resíduos Riscos de problemas operacionais Riscos de problemas operacionais Riscos de problemas operacionais Para o sucesso dos cenários 1, 2 e 3 deverá ser considerado um Programa Permanente de Educação Ambiental focado no gerenciamento de resíduos da cidade. Tal programa deve ter como objetivo s formação de uma nova cultura (hábitos e comportamento na população.

29 Investimento Usina de Compostagem comparando com aterro Premissas para uma usina de compostagem Área para leiras de compostagem: m² Capacidade operacional: 1000 ton/mês de Resíduos Orgânicos Equipamentos: Equipamentos de suporte: vários Quantidade de funcionários: 10 Quantidade de biomassa: 500ton/mês Quantidade de adubo produzido por mês: 700 ton/mês Valor do investimento: R$ aprox. Capacidade operacional: ton/mês Receita tratamento de resíduos: R$ /mês Receita venda de adubo: R$ /mês Receita total: R$ /mês Investimento aterro sanitário para 100 ton/dia: R$

30 Sacolas Compostáveis - Alternativas Quantidade de sacolas com ecovio mês/família Custo mensal por família 12 sacolas R$ 3,50 30 sacolas R$ 7,50 Alternativas: Coca Cola 2 Litros Cigarros Pão (1Kg) Feijão (Camil 1Kg) R$ 5,79 R$ 7,25 R$ 11,20 R$ 6,87 Sacola fornecida pela Prefeitura Total (12): sacolas R$ /mês Total (30): sacolas R$ /mês Sacola comprada pela População Total (12): sacolas R$ /mês Total (30): sacolas R$ /mês Beneficio fornecido para a população (parcerias) Sacola fornecida pelo comercio Total (12): sacolas R$ /mês Total (30): sacolas R$ /mês Beneficio fornecido para a comerciantes (impostos?) Receita gerada por ano com a reciclagem do 75% dos resíduos: R$

31 Obrigado Marcos Alejandro Badra

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo

Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo Sacolas Bioplásticas e a Coleta Seletiva da cidade de São Paulo A Lei nº 15.374 de 2011 proíbe a disponibilização de sacolas plásticas descartáveis nos estabelecimentos comerciais do município de São Paulo.

Leia mais

? PERGUNTAS & RESPOSTAS SACOLAS PLÁSTICAS.

? PERGUNTAS & RESPOSTAS SACOLAS PLÁSTICAS. ? PERGUNTAS & RESPOSTAS SACOLAS PLÁSTICAS www.abiplast.org.br ? PERGUNTAS & RESPOSTAS SACOLAS PLÁSTICAS 2 ABIPLAST ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA DO PLÁSTICO O PLÁSTICO FAZ PARTE DA VIDA CONTEMPORÂNEA,

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros

Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros Belo Horizonte 17 de abril de 2014 Ruy de Goes Leite de Barros LARCI/ICAL Latin American Regional Climate Initiative Alguns aspectos sobre a reciclagem de orgânicos no Brasil 1- Porque reciclar orgânicos

Leia mais

31/08/2016. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

31/08/2016. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS)

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS) I Encontro de Gestão de Resíduos: mecanismo para alcance do Desenvolvimento Sustentável e empresarial no Campus da Universidade Estadual do Ceará ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS

A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS A Nova Política de Gestão de Resíduos no Distrito Federal GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SITUAÇÃO ATUAL DA GESTÃO DE RESÍDUOS NO DF DISTRITO FEDERAL

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos

Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos Bruno Milanez Universidade Federal de Juiz de Fora Novembro 2010 Estrutura da apresentação Parte 1: Estimativa dos benefícios econômicos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE APLICADA

SUSTENTABILIDADE APLICADA SUSTENTABILIDADE APLICADA América do Norte 2002 Florham Park, Wyandotte, Beachwood Europa 1998 Ludwigshafen América Latina 2005 São Paulo Ásia-Pacífico 2012 Hong Kong Matéria-Prima Químicos de base

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS]

[DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] ATERROS SANITÁRIOS [DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS] 2013 O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? É O LIXO QUE PRODUZIMOS. NOSSO LIXO DE TODOS OS DIAS. E ESSES RESÍDUOS OU LIXO PODEM SER CLASSIFICADOS COMO:

Leia mais

Biopolímeros Compostáveis e suas Aplicações. VII Encontro Técnico de Alto Nível, 28 Agosto, 2014 Isabel Albuquerque

Biopolímeros Compostáveis e suas Aplicações. VII Encontro Técnico de Alto Nível, 28 Agosto, 2014 Isabel Albuquerque Biopolímeros Compostáveis e suas Aplicações VII Encontro Técnico de Alto Nível, 28 Agosto, 2014 Isabel Albuquerque Programa Inovações em Plásticos para um futuro sustentável 1. Definição e Normas 2. Compostagem

Leia mais

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL

III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL III SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel II: Resíduos Sólidos Urbanos Política Nacional, Gestão e Gerenciamento de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho 20.04.2012 Cenários e Evolução

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

Valorização dos Resíduos Plásticos

Valorização dos Resíduos Plásticos Valorização dos Resíduos Plásticos CENÁRIO CENÁRIO Consumimos 50% a mais do que o planeta é capaz de produzir, absorver e regenerar 16% da população mundial consome 78% dos recursos 2/3 da população não

Leia mais

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901.

ITAÚNA. Emancipação: 16 de setembro de 1901. ITAÚNA Emancipação: 16 de setembro de 1901. Localização: Centro-Oeste Mineiro. Distância da capital: 76 km População: 90.084 mil habitantes (Fonte: IBGE) Área: 500 km² Vista parcial de Itaúna Vista parcial

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos

Política Nacional de Resíduos Sólidos Política Nacional de Resíduos Sólidos O GPA NASCEU EM 1948. É A MAIOR EMPRESA VAREJISTA DO BRASIL E PERTENCE AO GRUPO CASINO, UM DOS LÍDERES MUNDIAIS NO VAREJO DE ALIMENTOS. Com 2.113 pontos de venda,

Leia mais

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos

Criando valor através de resíduos sólidos. Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos Criando valor através de resíduos sólidos Marcelo Luércio, Sérgio Oliveira e Yuri Santos 2 Promon Intelligens Promon Intelligens 2013 A preocupação com a destinação adequada dos resíduos sólidos urbanos

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA

REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA REFLEXÕES SOBRE A GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMÉSTICOS CONTAMINANTES NO CONTEXTO DA POLÍTICA AMBIENTAL URBANA Autores: Márcia Rosane Frey mfrey@unisc.br Irineu Afonso Frey irineu.frey@ufsc.br REFLEXÕES

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina.

Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina. OBJETIVO PRINCIPAL Levantar informações sobre a cadeia de reciclagem de embalagens em Santa Catarina. OBJETIVOS SECUNDÁRIOS I. Conhecer os atores da cadeia de reciclagem de embalagens (vidro, papel/papelão,

Leia mais

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos

Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos MUNICÍPIO RESPONSÁVEL CONTATO (tel. e e-mail) Questionário - Levantamento de Dados Municípios do Estado do Tocantins 1. Requisitos Legais / Estudos Específicos Existem Planos Setoriais / Planos de Integração

Leia mais

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1

PNRS e a Logística Reversa. Free Powerpoint Templates Page 1 PNRS e a Logística Reversa Page 1 História Roma de Júlio Cesar e Augusto Page 2 História Geena Fogo eterno Page 3 História Cambridge 1338 São Paulo 1722 Rio de Janeiro 1850 Page 4 Novidades da PNRS Bloco

Leia mais

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA

III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA Marcela Gomes Seixas Graduanda em Engenharia Civil pela

Leia mais

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna Resíduos Sólidos Resíduo: todo e qualquer produto ou material, provenientes de um processo, que ainda pode ter serventia, podendo ser reaproveitado para ser reutilizado ou reciclado. Percentual dos materiais

Leia mais

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS

PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Prefeitura do Município de Piracicaba Estado de São Paulo Brasil Secretaria Municipal de Defesa do Meio Ambiente PMGIRS Plano Municipal de Gestão Integrada de em Piracicaba HISTÓRICO E RESULTADOS Celise

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTATO APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Fernando R. da Matta Baptista - CESAN Irene T. Rabello Laignier ABES -ES Irene T Rabello Laignier,

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI:

LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 LEI: LEI MUNICIPAL Nº 687 DE 09 DE SETEMBRO DE 2013 INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE FIGUEIREDO-AM. O PREFEITO MUNICIPAL DE PRESIDENTE FIGUEIREDO,

Leia mais

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições.

Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. Em 2010, o Brasil produziu 60,8 milhões de toneladas de lixo sólido. Destes, quase 31 milhões vieram de resíduos de novas construções e de demolições. (Fonte: Panorama de Resíduos Sólidos no Brasil, 2011/Abrelpe-

Leia mais

O Mito da Degradação como Solução. Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL

O Mito da Degradação como Solução. Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL O Mito da Degradação como Solução Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber usar os recursos naturais para satisfazer as nossas necessidades, sem comprometer

Leia mais

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito.

Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. 1. Definição Coleta Seletiva é o processo de separação e recolhimento dos resíduos conforme sua constituição: orgânico, reciclável e rejeito. Para se adaptar à Coleta Seletiva, é essencial que o material

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA POLITICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS RESÍDUOS SÓLIDOS: UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO 1. CARACTERÍSTICAS NACIONAIS Brasil - um país de dimensões continentais

Leia mais

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA:

HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: HOSPITAL FEDERAL CARDOSO FONTES TEMA: Reciclagem e Compostagem de resíduos sólidos em unidade de saúde - como fazemos PROFISSIONAL RESPONSÁVEL: Ieda Azevedo Nogueira TEL: 21 996259476 E-MAIL: iedazevedonogueira@gmail.com

Leia mais

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE

COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE COMO DESCARTAR SEUS RESÍDUOS DE MANEIRA CONSCIENTE O PROBLEMA - O descarte de resíduos é uma das práticas mais impactantes do ponto de vista socioambiental. Além de sobrecarregar os aterros, ele ocasiona

Leia mais

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015

Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana. Desafios da gestão dos resíduos sólidos. 30 de setembro 2015 Encontro Nacional de Gestores Municipais de Limpeza Urbana Desafios da gestão dos resíduos sólidos 30 de setembro 2015 154 MORTOS PASSAGEIROS E TRIPULAÇÃO GESTÃO SUSTENTÁVEL DOS RSU Evolução da prestação

Leia mais

REFERENCIA NACIONAL.

REFERENCIA NACIONAL. REFERENCIA NACIONAL. LOCALIZAÇÃO Município: Crateús CE. Semiárido Nordestino Bioma Caatinga. Localizado a 380 km de Fortaleza. Área: 2.985,41 km 2. IDH: 0,675 (IBEG 2000). População: 72 386 habitantes

Leia mais

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM

O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM O PACTO PELO SANEAMENTO LIXÃO ZERO + RECICLA-RIO REGIONALIZAÇÃO E PERSPECTIVAS PARA A RECICLAGEM CENÁRIO/TENDÊNCIAS Erradicação de Lixões Implantação de Aterros Sanitários / Centrais de Tratamento de Resíduos

Leia mais

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL

COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NO MUNICÍPIO DE POÇO VERDE/SE: DESAFIO PARA O DESENVOLVIMENTO URBANO SUSTENTÁVEL MUNICIPAL Alison Araujo Santos Acadêmico da Faculdade AGES. Bacharelado em Engenharia

Leia mais

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular

O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular O papel da lata de alumínio para bebidas na Economia Circular Renault de Freitas Castro Presidente Executivo Abralatas Fórum Internacional Waste Expo Brasil 22 Novembro de 2016 São Paulo- SP - Brasil A

Leia mais

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima

Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde. Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima Curso de Licenciatura em Ciências da Natureza Componente Curricular: Educação e Saúde Prof. Vanderlei Folmer / Msc. Maria Eduarda de Lima O que é lixo? Latim Lix : cinza ; Europa : resíduos domésticos

Leia mais

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos.

A Política Nacional. de Resíduos Sólidos. A Política Nacional de Resíduos Sólidos e seus reflexos sobre a gestão dos aterros sanitários e o aproveitamento energético do metano UM PROBLEMA DE CARÁTER SOCIAL, AMBIENTAL E ECONÔMICO Média brasileira

Leia mais

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS CONSUMO URBANO E O DESCARTE FINAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS Patrícia da Cruz Oliveira 1 1 INTRODUÇÃO O acelerado crescimento urbano das últimas décadas do século passado e início deste, traz algumas questões

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890

BARRA DO PIRAÍ/RJ. FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 A RESPONSABILIDADE SOCIAL NAS POLÍTICAS PÚBLICAS PREFEITURA MUNICIPAL DE BARRA DO PIRAÍ BARRA DO PIRAÍ/RJ BARRA DO PIRAÍ/RJ FUNDAÇÃO: 10 de março de 1890 LOCALIZAÇÃO: região do Médio Paraíba (Sul Fluminense)

Leia mais

Coleta Seletiva Solidária: ampliando a eficiência da Reciclagem no Brasil

Coleta Seletiva Solidária: ampliando a eficiência da Reciclagem no Brasil Coleta Seletiva Solidária: ampliando a eficiência da Reciclagem no Brasil Enga. Jacqueline Rutkowski, D.Sc Com contribuições do Observatório da Reciclagem Inclusiva e Solidária/MG Observatório da Reciclagem

Leia mais

Fórum de Papéis para Embalagens. Francisco Cesar Razzolini Klabin S.A. 26/08/2002

Fórum de Papéis para Embalagens. Francisco Cesar Razzolini Klabin S.A. 26/08/2002 Fórum 2002 A Reciclagem e a Produção de Papéis para Embalagens Francisco Cesar Razzolini Klabin S.A. 26/08/2002 O Papel e o meio ambiente O PAPEL é, em última análise, produzido em bases sustentáveis com

Leia mais

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL?

COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUOS SÓLIDOS COMO SÃO CLASSIFICADOS OS RESÍDUOS EM GERAL? RESÍDUO CLASSE I: São aqueles que apresentam periculosidade ou uma das seguintes características, inflamabilidade, corrosividade, reatividade,

Leia mais

Caminhando para um Porto Verde

Caminhando para um Porto Verde Caminhando para um Porto Verde Práticas sustentáveis no setor portuário Maria Klien 9 de novembro de 2012 1 Sobre o Grupo 2 Histórico - Multiterminais 1986-1997 Início das operações terrestres Companhia

Leia mais

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO

USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO USINA TERMOELÉTRICA USINA TERMOELÉTRICA DO NORTE FLUMINENSE,MACAE, RIO DE JANEIRO O QUE É USINA TERMOELÉTRICA? Uma instalação industrial que serve para gerar energia através da queima de combustíveis fosseis.

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha

Situação Atual da... Maioria. Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha RESÍDUOS NO BRASIL Situação Atual da... Maioria Das catadoras e catadores de materiais recicláveis em nossa Capital Gaúcha ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS CARROCEIROS E CATADORES DE MATERIAIS RECICLAVEIS ANCAT

Leia mais

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho

Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos. José Valverde Machado Filho Palestra Magna : Gestão de Resíduos Sólidos José Valverde Machado Filho 22.08.2012 ONU-HABITAT afirma que população urbana da América Latina chegará a 89% em 2050. De acordo com o Estado das Cidades da

Leia mais

Aspectos sociais da Gestão de Resíduos na Suécia como um intercâmbio de boas práticas de gestão. Marisa Soares Borges

Aspectos sociais da Gestão de Resíduos na Suécia como um intercâmbio de boas práticas de gestão. Marisa Soares Borges Aspectos sociais da Gestão de Resíduos na Suécia como um intercâmbio de boas práticas de gestão. Marisa Soares Borges Alguns fatos sobre a cidade de Borås 106 000 inhabitants shopping city textile city

Leia mais

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016

ESTADO DE RONDÔNIA MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA GABINETE DO PREFEITO GESTÃO 2013/2016 DECRETO N 1184/GP/2014. DESATIVA O LIXÃO MUNICIPAL E INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO MUNICÍPIO DE PRIMAVERA DE RONDÔNIA/RO E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O Prefeito Municipal de Primavera

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia

Colégio Santa Dorotéia Colégio Santa Dorotéia Tema Transversal: Casa comum, nossa responsabilidade. Disciplina: Ciências / ESTUDOS AUTÔNOMOS Série: 4ª - Ensino Fundamental Aluno(a): N o : Turma: Professora: Data: 17 / 10 / 2016

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes

RESÍDUOS SÓLIDOS. UFPR-Profª Eliane C. Gomes UFPR-Profª Eliane C. Gomes 1. DEFINIÇÃO (Lei 12305/10) material, substância, objeto ou bem descartado resultante de atividades humanas em sociedade, a cuja destinação final se procede, se propõe proceder

Leia mais

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim

A experiência do Estado de São Paulo e a visão da Câmara dos Deputados. Deputado Federal Arnaldo Jardim ABES Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2º Seminário Regional Sudeste sobre Resíduos Sólidos Desafios das Políticas para uma Gestão Integrada de Resíduos Sólidos A experiência do

Leia mais

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO. Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ATERRO SANITÁRIO DE RIO CLARO Prof. Marcos Colégio Sta. Clara 1. CICLO DE VIDA DOS PRODUTOS - Observe um objeto perto de você. Você já parou para pensar do que ele é feito e quantas etapas foram necessárias

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Agradecimentos... Prefácio...

Agradecimentos... Prefácio... Sumário Agradecimentos........................ Prefácio................................ Apresentação..... CAPÍTULO I O GERENCIAMENTO INTEGRADO DO LIXO MUNICIPAL loque é gerenciar o lixo municipal de forma

Leia mais

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento

Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Avanços na Implementação na Política Nacional de Resíduos Recuperação Energética de Resíduos Sólidos na Indústria de Cimento Engº Mario William Esper O QUE É A ABCP? 1936-2011 n Entidade privada sem fins

Leia mais

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO

PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO PLATAFORMA ITUIUTABA LIXO ZERO Humberto Minéu IFTM/Câmpus Ituiutaba Doutorando em Geografia/UFU hmineu@gmail.com Ituiutaba, 08 de maio de 2014. EMMAV CAIC 2 Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS)

Leia mais

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios

Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios Aproveitamento energético do biogás a partir de RSU: desafios tecnológicos e regulatórios AGOSTO/2014 Aterro Sanitário: Aproveitamento do Biogás e Tratamento de Chorume. MAIO/2014 A CRVR tem como pilares

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PARÁ DALGLISH GOMES REUTILIZAÇÃO DE GARRAFAS PET RESUMO Atualmente o uso do PET ainda é muito aplicado em garrafas de refrigerantes e também em reciclagens

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade.

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Consumo Sustentável Programa Água Brasil e Instituto Ibope apresentam: O que os cidadãos de pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Introdução O Programa Água

Leia mais

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL

NOSSA POLÍTICA AMBIENTAL A PUMA TAMBORES, com o objetivo de divulgar a sua política ambiental e conscientizar seus fornecedores e prestadores de serviços quanto aos aspectos ambientais, elaborou este Manual de Requisitos Ambientais

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SABETAI CALDERONI Presidente do Instituto Brasil Ambiente Consultor da Organização das Nações

Leia mais

Tecnologia amplia usos de reciclados

Tecnologia amplia usos de reciclados Nossos processos Tecnologia amplia usos de reciclados Reaproveitamento do vidro na perfumaria é pioneiro, e uma iniciativapiloto testa logística reversa de resíduos A embalagem de Humor tem na sua composição

Leia mais

Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM

Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM FRANCISCO LUIZ BIAZINI FILHO 1 (FRAN@REDERESIDUO.COM.BR), BOANÉSIO CARDOSO RIBEIRO 2 (BOANESIO.RIBEIRO@URBAM.COM.BR),

Leia mais

Resíduos Eletroeletrônicos Consumo (In) Consciente

Resíduos Eletroeletrônicos Consumo (In) Consciente I Jornada Integrada de Meio Ambiente Resíduos Eletroeletrônicos Consumo (In) Consciente Carla Daniele Furtado MSc.Ciências Ambientais Tucuruí, Junho 2015 Equipamentos Eletro Eletrônicos Linha Branca: refrigeradores

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos

SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE. Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos SECRETARIA MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE Plano de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos Curitiba Tem 317 anos Possui cerca de 1.851.215 hab. Área - 432,17 km2 VISTA AÉREA DE CURITIBA ORGANIZAÇÃO E RESPONSABILIDADE

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

RECICLAGEM DE VIDROS NO BRASIL.

RECICLAGEM DE VIDROS NO BRASIL. RECICLAGEM DE VIDROS NO BRASIL. O Mercado de Reciclagem Se segmenta em 2 origens: Industrial e pósconsumo. Industrial: atualmente encontra-se em queda em função do momento econômico, além de possuir tendência

Leia mais

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE

Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas. Carlos R V Silva Filho ABRELPE Gestão de Resíduos Sólidos no Brasil: Situação e Perspectivas Carlos R V Silva Filho ABRELPE maio/2010 Introdução A ABRELPE ABRELPE: Associação Nacional, sem fins lucrativos, fundada em 1976 e a partir

Leia mais

Daisy Borges Luiz Moraes

Daisy Borges Luiz Moraes I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ÁREAS PERIURBANAS Daisy Borges Luiz Moraes INTRODUÇÃO A forma de manejar os resíduos sólidos urbanos

Leia mais

ecovio Linha de polímeros biodegradáveis e compostáveis

ecovio Linha de polímeros biodegradáveis e compostáveis ecovio Linha de polímeros biodegradáveis e compostáveis Ailton R. Pereira Performance Materials G-PM/P Specialty Plastics South America 150 years 150 Jahre years anos BASF em 2014 BASF We create chemistry

Leia mais

MEIO AMBIENTE E BOAS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

MEIO AMBIENTE E BOAS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL CAMPUS DE CAMPO GRANDE CURSINHO PRÓ-ENEM UFMS MEIO AMBIENTE E BOAS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL Edson Pereira de Souza [1] edson.souza1984@gmail.com

Leia mais

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS

SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI , DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS SÍNTESE DA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS (LEI 12.305, DE 02 DE AGOSTO DE 2010) NA PERSPECTIVA DAS CENTRAIS DE ABASTECIMENTO BRASILEIRAS O QUE SÃO OS RESÍDUOS SÓLIDOS? Art. 3º, item XVI - material,

Leia mais

ALTERNATIVAS E IDEIAS SUSTENTÁVEIS PARA UMA MELHOR UTILIZAÇÃO DO LIXO ATRAVÉS DA RECICLAGEM E REAPROVEITAMENTO

ALTERNATIVAS E IDEIAS SUSTENTÁVEIS PARA UMA MELHOR UTILIZAÇÃO DO LIXO ATRAVÉS DA RECICLAGEM E REAPROVEITAMENTO Josuel Da Silva Nascimento Filho Pedro Henrique Silva de Almeida Universidade Federal de Pernambuco josuel_filho@hotmail.com almeida.phs@gmail.com Estagio de pesquisa: Concluída ALTERNATIVAS E IDEIAS SUSTENTÁVEIS

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Limpeza Urbana e Manejo de

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA

POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Ações do MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Qualidade Ambiental Workshop de Treinamento sobre Formulaçã ção o de Projeto para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (CDM) e para o Protótipo tipo Fundo de Carbono

Leia mais

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp.

Sistemas de Gestão Ambiental. Gestão de Resíduos. Vídeo. Contextualização. Soluções. Instrumentalização. Aula 5. Prof. Esp. Sistemas de Gestão Ambiental Aula 5 Gestão de Resíduos Prof. Esp. Felipe Luiz Vídeo Contextualização Lixão no Oceano Pacífico. Disponível em:

Leia mais

Plástico e Meio Ambiente: Uma visão através da Avaliação do Ciclo de Vida - ACV

Plástico e Meio Ambiente: Uma visão através da Avaliação do Ciclo de Vida - ACV I CICLO DE DEBATES PROMOVIDO PELA COORDENADORIA DE PLANEJAMENTO AMBIENTAL / SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE - GESP PLÁSTICOS: USOS E DEGRADABILIDADE Plástico e Meio Ambiente: Uma visão através da Avaliação

Leia mais

BAIXOS VALORES A INVESTIR EM PARCERIA LOCAL COM O FABRICANTE E SEM CUSTOS PARA AS PREFEITURAS

BAIXOS VALORES A INVESTIR EM PARCERIA LOCAL COM O FABRICANTE E SEM CUSTOS PARA AS PREFEITURAS PROJETO: LIXO = ENERGIA + BAIXOS VALORES A INVESTIR EM PARCERIA LOCAL COM O FABRICANTE E SEM CUSTOS PARA AS PREFEITURAS SOLUÇÃO 100% NACIONAL E ALTAMENTE RENTÁVEL PARA ATENDIMENTO A LEI 12.305/2010 (correta

Leia mais

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL

PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL PROGRAMA IFNMG SUSTENTÁVEL REDUÇAO DE GASTOS COM DESLOCAMENTO DE PESSOAL Número de viagens de veículos oficiais para reuniões na Número de viagens/número de servidores Reitoria TELEFONIA FIXA Gasto por

Leia mais

Praticando os 3 R s. Caderno APIS Nº 1 Praticando os 3 R s

Praticando os 3 R s. Caderno APIS Nº 1 Praticando os 3 R s Praticando os 3 R s Caderno APIS Nº 1 Praticando os 3 R s O que são os 3 R s? Reduzir Reutilizar Reciclar Em nosso cotidiano, nós já fazemos isso, as vezes sem perceber: tentamos economizar aqui e ali,

Leia mais