III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA"

Transcrição

1 III-008 COMPOSIÇÃO GRAVIMÉTRICA E VALOR ECONÔMICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EXCLUSIVAMENTE DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA ALTA EM JOÃO PESSOA Marcela Gomes Seixas Graduanda em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba. Aluna de Iniciação Científica PIVIC/UFPB. Leila Brunet de Sá Beserra Graduanda em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba. Aluna de Iniciação Científica PIBIC/CNPq/UFPB. Giulliano de Souza Fagundes Graduando em Engenharia Civil pela Universidade Federal da Paraíba. Aluno de Iniciação Científica PIVIC/UFPB. Gilson Barbosa Athayde Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal da Paraíba, Doutor em Engenharia Civil pela University of Leeds - Inglaterra. Professor do Departamento de Engenharia Civil, Centro de Tecnologia, Universidade Federal da Paraíba. Endereço (1) : Universidade Federal da Paraíba, Centro de Tecnologia, Departamento de Engenharia Civil. Campus Universitário, Castelo Branco, João Pessoa - PB, CEP: Fone: (83) RESUMO Os resíduos sólidos domiciliares são geralmente predominantes nas áreas urbanas, apresentam elevado percentual de matéria orgânica e ainda outros componentes como embalagens plásticas, latas, vidros, etc, os quais podem se reciclados. As concepções modernas de gerenciamento de resíduos sólidos contemplam a minimização na fonte geradora e a reciclagem. O estudo da viabilidade econômica da reciclagem é essencial para que usinas recicladoras de resíduos possam ser implantadas. Uma etapa fundamental que antecede estudos de reciclagem é a determinação da composição gravimétrica dos resíduos a serem reciclados. Este trabalho tem como objetivo a determinação da composição gravimétrica de resíduos sólidos exclusivamente domiciliares de bairros de classe média alta de João Pessoa, além do levantamento do valor econômico dos respectivos itens recicláveis para as condições de mercado de João Pessoa. A composição gravimétrica de RSD dos bairros de classe média alta de João Pessoa se é bastante semelhante àquela reportada na literatura para cidades brasileiras, com predominância do item matéria orgânica (62,32%). A composição gravimétrica encontrada neste trabalho condiz com a realidade brasileira reportada na literatura e o percentual de itens recicláveis chega a 83,41% caso a matéria orgânica seja incluída no computo. O item correspondente à maior receita bruta é o plástico filme, devido à relativa grande participação no computo total dos RSD, seguido pelo item alumínio, que tem o maior valor comercial por unidade de peso. Com a reciclagem dos RSD aqui referidos, poder-se-ia auferir uma receita bruta anual de R$ ,67, ou R$ 14,80 per capita, que se comparada com os custos de implantação de uma usina de triagem e compostagem e correspondentes custos operacionais servirá para se analisar a viabilidade econômica da reciclagem de tais resíduos. PALAVRAS-CHAVE: resíduos sólidos, resíduos domiciliares, reciclagem, composição gravimétrica. INTRODUÇÃO Lixo é uma massa heterogênea de resíduos sólidos resultantes das atividades humanas, os quais podem ser reciclados e parcialmente utilizados, gerando, entre outros benefícios, proteção à saúde pública e economia de energia e de recursos naturais (PEREIRA NETO, 1999), além de servir de fonte de renda para trabalhadores do ramo da reciclagem. O lixo quando disposto inadequadamente oferece inconvenientes e riscos para a população, pois pode haver a contaminação da água, do solo e do ar, além de atrair vetores biológicos como ratos, moscas e baratas, os quais são transmissores de varias doenças. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 Os resíduos sólidos domiciliares (RSD) são geralmente predominantes nas áreas urbanas, apresentam elevado percentual de matéria orgânica (da ordem de 60%) e ainda outros componentes como embalagens plásticas, latas, vidros, etc, os quais podem se reciclados (FEAM, 2002). A título de exemplo, na tabela 1 apresenta-se a composição gravimétrica de RSD de algumas cidades de Minas Gerais. Tabela 1: Composição gravimétrica média do lixo de algumas cidades do Estado de Minas Gerais Componentes Timóteo Manhuaçu Ponte Nova Viçosa Ubá Média das cidades Papel e Papelão 10,77 12,28 13,46 9,36 12,67 11,70 Plástico duro 4,39 4,13 4,80 3,15 3,54 4,00 Plástico fino 2,50 1,86 1,26 1,65 1,50 1,65 Latas 3,24 2,65 2,22 2,45 3,40 2,79 Metais diversos 0,85 1,00-0,45 1,86 0,92 Vidros 2,92 3,96 1,96 2,50 2,50 2,64 Borracha - 0,38-0,16 0,37 0,18 Madeiras 0,32 0,56 0,37 0,56 0,48 0,45 Couro ,20 - Trapos 0,58 1,44 0,52 0,55 0,76 0,77 Louças - - 0,30 0,12 0,40 0,27 Matéria Orgânica 71,16 68,89 71,04 75,30 67,50 70,70 Outros 3,27 2,85 4,07 3,75 4,82 3,93 Fonte: Pereira Neto, As concepções modernas de gerenciamento de resíduos sólidos contemplam a minimização na fonte geradora e a reciclagem. O estudo da viabilidade econômica da reciclagem é essencial para que usinas recicladoras de resíduos possam ser implantadas. Uma etapa fundamental que antecede estudos de reciclagem é a determinação da composição gravimétrica dos resíduos a serem reciclados. Este trabalho tem como objetivo a determinação da composição gravimétrica de resíduos sólidos exclusivamente domiciliares de bairros de classe média alta de João Pessoa, além do levantamento do valor econômico dos respectivos itens recicláveis para as condições de mercado de João Pessoa. MATERIAIS E MÉTODOS Foi feita a caracterização física dos RSD gerados em três edifícios residenciais de João Pessoa, sendo um situado no bairro de Brisamar (edifício A), outro no bairro de Manaíra (Edifício B) e o terceiro no bairro de Miramar (Edifício C). Quinzenalmente, em cada edifício, era retirada do lixo armazenado no depósito (Figura 1) uma amostra de cerca de 20% em peso do lixo gerado no dia. Os sacos/sacolas de resíduos eram escolhidos ao acaso. O período de estudo se estendeu de março a setembro de Essas amostras eram conduzidas ao campus I da UFPB, onde eram separadas manualmente nos seguintes componentes: papel, papelão, metais ferrosos, metais não-ferrosos (exceto alumínio), alumínio, plástico filme, plástico duro (exceto PET), PET, vidro, madeira, trapo, terra, matéria orgânica, embalagem longa vida e outros. Em seguida eram determinados os pesos de cada material separado através de uma balança de capacidade 15 kg e precisão de 0,01 kg (Figura 2). Na tabela 2 são apresentados os detalhes das coletas de RSD. Em cada um dos edifícios foi entregue um questionário sócio-econômico para cada apartamento, com intuito de se obter o rendimento médio da população estudada, para posterior comparação com dados disponibilizados pelo IBGE para os bairros de João Pessoa. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 2

3 Figura 1: Depósito de RSD no Edifício A Figura 2: Balança utilizada na pesagem dos RSD Tabela 2: Detalhes das coletas de RSD para análise da composição gravimétrica. Massa da amostra (kg) Nº de Datas de Massa de RSD Edifícios (% em relação à Aptos coleta gerada no dia (kg) massa gerada no dia) 11/03/ ,50 37,55 (22%) 01/04/ ,40 35,73 (26%) A 96 15/04/ ,50 38,47 (21%) B 13 C 12 29/04/ ,10 18,44 (11%) 27/07/ ,10 2,89 (15%) 17/08/ ,70 6,57 (35%) 24/08/ ,50 6,64 (31%) 09/09/ ,00 4,41 (22%) 21/09/ ,60 6,55 (56%) 27/07/ ,04 2,69 (21%) 17/08/ ,70 6,96 (65%) 24/08/2005 7,78 7,50 (97%) 09/09/ ,46 6,72 (54%) 21/09/ ,75 5,32 (49%) População Média 322,0 37,4 31,0 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 RESULTADOS No estudo como um todo, foram separados, classificados e pesados 186,44 kg de RSD de um total de 808,13 kg gerados nas datas correspondentes de coleta. Na tabela 3 é apresentada a composição gravimétrica dos RSD dos três edifícios. No cálculo da média foi levada em consideração a população do edifício como peso (média ponderada). Tais resultados também são apresentados de forma gráfica na figura 3. Na média, 62,32% dos RSD gerados nos edifícios correspondem a matéria orgânica (restos alimentares), sendo este, portanto, o componente de maior participação percentual. Em segundo lugar em participação no computo dos RSD apareceu o item plástico filme, em sua maioria constituído de embalagens e da própria sacola usada para acondicionar os RSD. Para o restante dos itens classificados, percebe-se que a composição gravimétrica encontrada neste trabalho condiz com a realidade brasileira reportada na literatura (PEREIRA NETO, 1999) e que o percentual de itens recicláveis chega a 83,41% caso a matéria orgânica seja incluída no computo (excluídos trapo, madeira e outros). Dos 121 questionários sócio-econômicos distribuídos, 30 (24,8%) foram devolvidos e o rendimento mediano dos domicílios ficou na faixa de salários mínimos. Este perfil econômico caracteriza a população como sendo de classe média. Em comparação com dados do IBGE, 10 bairros de João Pessoa possuem rendimento mediano também nesta mesma faixa, correspondendo a uma população (censo de 2000) de habitantes. Os bairros de João Pessoa que, de acordo com o IBGE, possuem rendimento mediano nesta faixa, são os seguintes: Aeroclube (4057 hab), Brisamar (4148 hab), Cabo Branco (5439 hab), Bairro dos Estados (6479 hab), Jardim Oceania (10015 hab), Manaíra (19289 hab), Miramar (6986 hab), Ponta dos Seixas (383 hab), Tambaú (6782 hab) e Tambauzinho (4466 hab). Estes bairros totalizam habitantes. Tabela 3: Composição gravimétrica dos edifícios e média geral da amostra COMPONENTES A (%) B (%) C (%) MÉDIA (%) Matéria orgânica 60,92 72,53 64,64 62,32 Plástico filme 6,89 6,81 6,43 6,85 Papel 6,02 5,00 1,78 5,58 Vidro 2,89 1,13 4,71 2,86 Plástico rígido (exceto PET) 2,75 2,86 1,46 2,66 Papelão 2,26 2,88 2,27 2,32 Metais ferrosos 1,34 0,84 2,10 1,35 Trapo 0,85 0,52 4,83 1,13 Embalagem longa-vida 0,85 0,99 1,64 0,93 PET 0,81 1,15 0,50 0,82 Alumínio 0,64 0,39 0,20 0,58 Madeira 0,00 0,00 0,21 0,02 Outros 13,79 4,89 9,22 12,57 Itens recicláveis 21,55 20,93 16,39 21,08 Itens recicláveis e matéria orgânica 82,47 93,46 81,04 83,41 ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 4

5 Matéria orgânica Plástico filme Papel Vidro Plástico rígido (exceto PET) Papelão Metais ferrosos Trapo Embalagem longa-vida PET Alumínio Madeira Outros Composição gravimétrica (%) Ed A Ed B Ed C MÉDIA Figura 3: Composição gravimétrica dos edifícios e média geral da amostra Tomando-se com base uma taxa de geração per capita de RSD de 499,5 g/hab.dia determinada por Beserra (2006) para a mesma população considerada no presente trabalho, calculou-se a massa de cada item reciclável que seria gerada num ano para a população dos bairros representados por esta amostra em João Pessoa. A tabela 4 mostra a quantidade de cada material reciclável estimada para uma população de habitantes, o valor de cada item reciclável e a receita bruta anual advinda da reciclagem dos mesmos. O valor dos itens recicláveis foram obtidos junto à ASTRAMARE - Associação dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis PARA ABRIL DE 2006 (ASTRAMARE, 2006), localizada em João Pessoa e o valor da matéria orgânica transformada em composto orgânico (fertilizante) foi obtido junto à VASCONCELOS (2005). Tabela 4: Massa, valor de mercado em João Pessoa e receita bruta de cada item reciclável. ITENS Massa (ton/ano) Valor (R$/ton) Receita anual bruta (R$) Plástico filme 849,54 300, ,22 Alumínio 72, , ,84 Plástico rígido (exceto PET) 329,47 500, ,17 Papel 692,59 200, ,06 Matéria orgânica (composto orgânico)* 7731,69 20, ,14 Papelão 287,45 250, ,39 PET 101,36 300, ,37 Metais Ferrosos 167,80 170, ,62 Vidro 355,32 40, ,92 Embalagem longa-vida (papel misto) 115,37 40, ,89 TOTAL ,67 *Aplicado fator de 62,5% à receita bruta para contabilizar as perdas de massa (umidade) no processo de compostagem Percebe-se que o item correspondente à maior receita bruta é o plástico filme, devido à relativa grande participação no computo total dos RSD, seguido pelo item alumínio, que tem o maior valor comercial por unidade de peso. Salienta-se que a receita anual bruta é na verdade ainda maior, caso outros bairros sejam incluídos no computo. Há ainda que se considerar os demais benefícios, notadamente os de natureza ambiental, que decorrem da atividade de reciclagem, tais com a economia de espaço em aterros sanitários. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 5

6 CONCLUSÕES A composição gravimétrica de RSD dos bairros de classe média alta de João Pessoa é bastante semelhante àquela reportada na literatura para cidades brasileiras, com predominância do item matéria orgânica (62,32%). A composição gravimétrica encontrada neste trabalho condiz com a realidade brasileira reportada na literatura e o percentual de itens recicláveis chega a 83,41% caso a matéria orgânica seja incluída no computo. O item correspondente à maior receita bruta é o plástico filme, devido à relativa grande participação no computo total dos RSD, seguido pelo item alumínio, que tem o maior valor comercial por unidade de peso. Com a reciclagem dos RSD aqui referidos, poder-se-ia auferir uma receita bruta anual de R$ ,67, ou R$ 14,80 per capita, que se comparada com os custos de implantação de uma usina de triagem e compostagem e correspondentes custos operacionais servirá para se analisar a viabilidade econômica da reciclagem de tais resíduos. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. ASTRAMARE. Associação dos Trabalhadores de Materiais Recicláveis. Comunicação pessoal Beserra, L.B.S. Determinação de taxa de geração per capita de resíduos sólidos domiciliares em bairros de classe média alta de João Pessoa. Relatório de pesquisa (Iniciação científica relatório parcial). Universidade Federal da Paraíba FEAM. Fundação Estadual do Meio Ambiente. Lixo? Como destinar os Resíduos Sólidos. Belo Horizonte Pereira Neto, J.T. Quanto vale nosso lixo. IEF/UNICEF. Belo Horizonte Vasconcelos, Y. O melhor do lixo. <http://revistapesquisa.fapesp.br> ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 6

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

HSA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS HSA 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Profa. Wanda R. Günther CARACTERÍSTICAS DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS FÍSICAS QUÍMICAS BIOLÓGICAS CARACTERÍSTICAS FÍSICAS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA COLETA SELETIVA EM CONDOMÍNIO VERTICAL DE JOÃO PESSOA

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA COLETA SELETIVA EM CONDOMÍNIO VERTICAL DE JOÃO PESSOA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DA COLETA SELETIVA EM CONDOMÍNIO VERTICAL DE JOÃO PESSOA Ysa Helena Diniz Morais de Luna Graduanda em Engenharia Ambiental pela Universidade Federal da Paraíba. Aluna de Iniciação

Leia mais

Estimando a geração de resíduos sólidos domiciliares a partir do consumo de água em edifícios multifamiliares

Estimando a geração de resíduos sólidos domiciliares a partir do consumo de água em edifícios multifamiliares Estimando a geração de resíduos sólidos domiciliares a partir do consumo de água em edifícios multifamiliares Gilson Barbosa Athayde Júnior Professor, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa gilson@ct.ufpb.br

Leia mais

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG

ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG ANÁLISE DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS RESULTANTES DA COLETA SELETIVA DESENVOLVIDA PELA UEPG 30 Introdução: BERTONI, Aline Cristina CAMPOS, Sandro Xavier de CRUZ, Gilson Campos Ferreira da As Universidades

Leia mais

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE

RECEPÇÃO DE CALOUROS COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 COLETA SELETIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS UFES Campus ALEGRE RECEPÇÃO DE CALOUROS 2017-1 Dr. Anderson Lopes Peçanha Professor da Universidade Federal do Espírito Santo Departamento

Leia mais

07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL

07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL 07 - O PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA DE COLETA SELETIVA. ESTUDO DE CASO: PEDRAS DE FOGO/PARAÍBA/BRASIL Sabrina Lívia de Medeiros Pereira (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal da Paraíba/UFPB

Leia mais

Aula 2 Resíduos Sólidos

Aula 2 Resíduos Sólidos RESÍDUOS SÓLIDOS Aula 2 Resíduos Sólidos Coleta seletiva no Brasil Contaminação/ Origem/ Química/ Física/ Biológica Quanto a Contaminação: (NBR 10.004/04 e CONAMA nº23/96) Classe I ou Perigosos: Apresentam

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina XII 018 - MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DOS CATADORES APÓS A IMPLANTAÇÃO DO PROJETO PILOTO

Leia mais

IX Seminário Nacional de Resíduos Sólidos por uma gestão integrada e sustentável

IX Seminário Nacional de Resíduos Sólidos por uma gestão integrada e sustentável 14 - VERIFICAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DA IMPLANTAÇÃO DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES DE BAIRROS DE CLASSE MÉDIA E ALTA DE JOÃO PESSOA: ESTUDO DE CASO PARA RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013

ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 ESCOLA ESTADUAL EDGAR BARBOSA OFICINA: QUÍMICA AMBIENTAL E RECICLAGEM NATAL/RN 2013 LIXO 2º ENCONTRO OBJETIVO: Relatar a composição química do lixo e os prováveis danos causados, além de discutir principais

Leia mais

III AVALIAÇÃO DE METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

III AVALIAÇÃO DE METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS III-090 - AVALIAÇÃO DE METODOLOGIA DE AMOSTRAGEM PARA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Bruno Maia Pyramo Costa Engenheiro Civil (UFMG, 1999). Mestre em Engenharia Sanitária e Ambiental

Leia mais

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear

Cultura do lixo. Premissas. Modelo Linear Premissas Ecossistemas naturais Produção de bens e serviços Sociedade: uso e descarte Modelo Linear O modelo de produção e gestão de resíduos pode ser definido como linear, onde extraímos os recursos naturais

Leia mais

III-094 O GEOPROCESSAMENTO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM JOÃO PESSOA/PB, BRASIL

III-094 O GEOPROCESSAMENTO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM JOÃO PESSOA/PB, BRASIL III-094 O GEOPROCESSAMENTO NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DE CONSTRUÇÃO E DEMOLIÇÃO EM JOÃO PESSOA/PB, BRASIL Ubiratan Henrique Oliveira Pimentel (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal da Paraíba. Mestre

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM PARA O TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE MADEIRA E APARAS DE GRAMA

UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM PARA O TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE MADEIRA E APARAS DE GRAMA UTILIZAÇÃO DA COMPOSTAGEM PARA O TRATAMENTO DE RESÍDUOS DE MADEIRA E APARAS DE GRAMA Juliana Pinto Mota* Universidade Federal da Paraíba Campus II Engenheira Civil pela Universidade Federal da Paraíba

Leia mais

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS AVALIAÇÃO DO EMPREGO DE UMA NOVA METODOLOGIA PARA A CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Mônica de Abreu Azevedo (1) Engenheira Civil pela Universidade Federal de Viçosa, em 1988. Msc. em

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA DO MEIO AMBIENTE- PPGEMA GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS SAMARA MONAYNA ALVES VASCONCELOS CARRILHO Conceito LIXO: Qualquer material

Leia mais

PANORAMA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

PANORAMA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS PANORAMA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Planejamento e Gestão de Resíduos Prof. Dr. Jorge Hamada unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA FACULDADE DE ENGENHARIA DE BAURU Europa ETC/W: European

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC

GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC GERAÇÃO DE RESÍDUOS RECICLÁVEIS NO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC Roger Francisco Ferreira de Campos 1 Tiago Borga 2 RESUMO Um dos principais problemas ambientais atualmente são os resíduos sólidos urbanos e

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL

QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG QUANTIFICAÇÃO DA GERAÇÃO DE RESÍDUOS DE TIJOLO BAIANO EM UMA CONSTRUÇÃO CIVIL

Leia mais

Panorama e Política Nacional de

Panorama e Política Nacional de Panorama e Política Nacional de Resíduos SólidosS Seminário de Gestão Integrada e Sustentável de Resíduos Sólidos Regional Sudeste ABES, São Paulo Secretaria de Recursos Hídricos e Ambiente Urbano Dados

Leia mais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais

Realização: Guia de Descarte. Residuos. Centro de Ciências Rurais Realização: Guia de Descarte de Residuos Guia de Descarte de Residuos Os resíduos sólidos recicláveis são depositados nas coletoras localizadas nos corredores e em frente aos prédios e são recolhidos pelos

Leia mais

POTENCIAL ECONÔMICO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS DE FORTALEZA-CEARÁ

POTENCIAL ECONÔMICO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS DE FORTALEZA-CEARÁ POTENCIAL ECONÔMICO DOS MATERIAIS RECICLÁVEIS DE FORTALEZA-CEARÁ Arthur Abreu Costa FACUNDO (1) ; Gemmelle Oliveira SANTOS (1) (1) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE, Av.

Leia mais

Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. (2)

Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária - Centro Universitário de Patos de Minas - UNIPAM. (2) GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DE CONSTRUÇÃO CIVIL E DEMOLIÇÃO: ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE PATOS DE MINAS, MG Lucyane Lauane Sousa Lima (1), Mauri Roberto Rosa (2), Nádia Rodrigues Viana (3) ; Sérgio

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM Fernando R. da Matta Baptista Irene T. Rabello Laignier Vitória, 2005 Introdução JUSTIFICATIVA DO TRABALHO A contabilidade das

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 4º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Gestão De D Resídu d os

Gestão De D Resídu d os Gestão De Resíduos COLETA SELETIVA Projeto Gestão de Resíduos EcoMalzoni Como funcionava a coleta de resíduos antes do Projeto de Gestão de Resíduos? - 85% dos sacos retirados eram pretos, com

Leia mais

Profª. Klícia Regateiro. O lixo

Profª. Klícia Regateiro. O lixo Profª. Klícia Regateiro O lixo Tipos de lixo O Definem-se resíduos sólidos como o conjunto dos produtos não aproveitados das atividades humanas: O domésticas, comerciais, industriais, de serviços de saúde

Leia mais

SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES EM BAIRROS DE CLASSE MÉDIA E ALTA DE JOÃO PESSOA

SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES EM BAIRROS DE CLASSE MÉDIA E ALTA DE JOÃO PESSOA SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES EM BAIRROS DE CLASSE MÉDIA E ALTA DE JOÃO PESSOA Gilson Barbosa Athayde Júnior 1, Leila Brunet de Sá Beserra 2 e Giulliano de Souza Fagundes 3 Resumo: Estudou-se

Leia mais

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS

UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS UM MODELO DE GESTÃO DE RESÍDUOS MUNICIPAIS PROF. DR. SABETAI CALDERONI INDUSTRIALIZAÇÃO SUSTENTÁVEL DE RESÍDUOS SABETAI CALDERONI Presidente do Instituto Brasil Ambiente Consultor da Organização das Nações

Leia mais

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE

RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE 283 RESÍDUOS TECNOLÓGICOS ELETROELETRÔNICOS: IMPORTÂNCIA DO CORRETO DESCARTE Sandro Patrício S. Pereira¹, Fernando Filho¹, André Bitencourt¹, Marcelo Libaneo² Resumo: Este trabalho teve como objetivo avaliar

Leia mais

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia)

Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) 8/5/2016 1 Geração percapita Resíduos Urbanos: (Kg/hab.dia) Relação da Quantidade diária de resíduos da região em função do n o de habitantes IMPORTÂNCIA: Planejamento do SLU: Coleta, Transporte Tratamento

Leia mais

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos

GERAÇÃO DE RESÍDUOS. Planejamento e Gestão de Resíduos GERAÇÃO DE RESÍDUOS Planejamento e Gestão de Resíduos FONTES GERADORAS ORIGEM DE ACORDO COM A CLASSIFICAÇÃO Domiciliar Comercial Institucional Serviços Públicos (limpeza pública) Serviços de saúde Indústria

Leia mais

planetasustentavel.abril.com.br

planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br planetasustentavel.abril.com.br

Leia mais

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável

Plano de Gerenciamento Integrado de Resíduos Sólidos do Consórcio 4 Ambiental: Consórcio Intermunicipal para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável para o Desenvolvimento Ambiental Sustentável PLANO DE GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO CONSORCIO INTERMUNICIPAL PARA O DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SUSTENTAVEL - 4AMBIENTAL, COMPOSTO PELOS MUNICÍPIOS

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS)

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM ESTUDO PARA O RIO DE JANEIRO LUIZ CARLOS S. RIBEIRO (DEE/UFS) I Encontro de Gestão de Resíduos: mecanismo para alcance do Desenvolvimento Sustentável e empresarial no Campus da Universidade Estadual do Ceará ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA RECICLAGEM: UM

Leia mais

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568

Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Escola SENAI Alfried Krupp CFP 568 Projeto Coleta Seletiva Sumário 1. Objetivo: Descrição completa do objeto a ser executado --------------------------------- 3 2. Meta desejada: Descrição das Metas desejadas

Leia mais

III-086 VERIFICAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO CIVIL

III-086 VERIFICAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO CIVIL III-086 VERIFICAÇÃO DA VIABILIDADE ECONÔMICA DE UMA USINA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS DE DEMOLIÇÃO E CONSTRUÇÃO CIVIL Gilson Barbosa Athayde Júnior (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal da Paraíba,

Leia mais

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento

Águas de Lindóia. Conferências Municipais de Resíduos Sólidos - Planejamento Águas de Lindóia Aspectos Gerais Águas de Lindóia Relação Águas de Lindóia x CISBRA 7% dos habitantes do CISBRA 7% da pop. urbana do CISBRA 0,3% da pop. rural do CISBRA CISBRA Área CISBRA 2.576,553 km²

Leia mais

Produção e caracterização de resíduos da construção civil

Produção e caracterização de resíduos da construção civil 1 Produção e caracterização de resíduos da construção civil 2 Geração de resíduos RCC Brasil 230 a 760 kg/hab.ano RCC Europa 600 a 918 kg/hab.ano Resíduos domiciliares Europa 390 kg/hab.ano 3 Geração de

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 2º Trimestre de 2014 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Daisy Borges Luiz Moraes

Daisy Borges Luiz Moraes I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental GERENCIAMENTO INTEGRADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM ÁREAS PERIURBANAS Daisy Borges Luiz Moraes INTRODUÇÃO A forma de manejar os resíduos sólidos urbanos

Leia mais

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR

II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR II SEMINÁRIO NACIONAL ROTAS TECNOLÓGICAS PARA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM A RECICLAGEM POPULAR DESAFIOS PARA A CONSTRUÇÃO DE UMA ROTA TECNOLÓGICA DE RECICLAGEM DE RESÍDUOS ORGÂNICOS NOS MUNICÍPIOS DA

Leia mais

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental

IV Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOMICILIARES GERADOS EM CONJUNTOS HABITACIONAIS MINHA CASA MINHA VIDA LOCALIZADOS NO MUNICÍPIO DE CAMAÇARI (BAHIA) Hitomi Pires Miyamoto (1) Bióloga (UCSAL).

Leia mais

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS

APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS CONTATO APROPRIAÇÃO DE RECEITAS INDIRETAS POR UMA UNIDADE DE TRIAGEM E COMPOSTAGEM DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Fernando R. da Matta Baptista - CESAN Irene T. Rabello Laignier ABES -ES Irene T Rabello Laignier,

Leia mais

Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM

Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM Sistema de Informação para Leilão e Comercialização de Resíduos Recicláveis na URBAM FRANCISCO LUIZ BIAZINI FILHO 1 (FRAN@REDERESIDUO.COM.BR), BOANÉSIO CARDOSO RIBEIRO 2 (BOANESIO.RIBEIRO@URBAM.COM.BR),

Leia mais

Resíduos Sólidos Urbanos

Resíduos Sólidos Urbanos CÂMARA DOS DEPUTADOS COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO URBANO Seminário Preparatório à XII Conferência das Cidades - Região Norte - Resíduos Sólidos Urbanos Profa. M.Sc. Maria de Valdivia Costa Norat Gomes FAESA/ITEC/UFPA

Leia mais

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios

Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Implantação de Medidas Emergenciais para cessar os danos ambientais pela disposição inadequada de resíduos sólidos nos municípios Ituiutaba Centralina Canápolis Araporã Gurinhatã Monte Alegre de Minas

Leia mais

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna

Percentual dos materiais encontrados no lixo brasileiro. Fonte: site da Editora Moderna Resíduos Sólidos Resíduo: todo e qualquer produto ou material, provenientes de um processo, que ainda pode ter serventia, podendo ser reaproveitado para ser reutilizado ou reciclado. Percentual dos materiais

Leia mais

31/08/2016. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações.

31/08/2016. Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. 6º Anos Prof. Leonardo F. Stahnke Consiste em usar os recursos do planeta de forma responsável, atendendo às necessidades atuais sem prejudicar as futuras gerações. Para se alimentar, o ser humano abate

Leia mais

III AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO MATERIAL RECICLÁVEL EFETIVAMENTE COMERCIALIZÁVEL NO LIXO URBANO DE VITÓRIA ES.

III AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO MATERIAL RECICLÁVEL EFETIVAMENTE COMERCIALIZÁVEL NO LIXO URBANO DE VITÓRIA ES. III-012 - AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE RECUPERAÇÃO DO MATERIAL RECICLÁVEL EFETIVAMENTE COMERCIALIZÁVEL NO LIXO URBANO DE VITÓRIA ES. Fernando Rodrigues da Matta Baptista (1) Engenheiro Agrônomo pela UFES,

Leia mais

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho

Gestão de Resíduos de Construção Civil. Plano de Gerenciamento de RCD. Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Gestão de Resíduos de Construção Civil Plano de Gerenciamento de RCD Profa. Ma. Tatiana Vilela Carvalho Construção Civil do ponto de vista ambiental LELA CARVALHO Reflexão: De onde vêm os recursos naturais

Leia mais

DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS

DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS DIAGNÓSTICO DAS UNIDADES DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE JOÃO PESSOA PB QUANTO AOS SEUS RESÍDUOS Geraldo Moreira de Menezes 1 Geógrafo Licenciado, Pela Universidade Estadual Vale do Acaraú em 2008, Fortaleza

Leia mais

Análise comparativa de estudos sobre a caracterização física dos resíduos sólidos urbanos gerados em diferentes municípios brasileiros.

Análise comparativa de estudos sobre a caracterização física dos resíduos sólidos urbanos gerados em diferentes municípios brasileiros. Análise comparativa de estudos sobre a caracterização física dos resíduos sólidos urbanos gerados em diferentes municípios brasileiros. Israel Lobato Rocha 1, Maria Ivanilda de Aguiar 2 1 Acadêmico do

Leia mais

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch

MÓDULO 2. Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOSS MÓDULO 2 Prof. Dr. Valdir Schalch RESÍDUOS SÓLIDOS S - DEFINIÇÃO... aqueles nos estados sólidos e semi-sólidos, que resultam de atividades da comunidade de origem: industrial, doméstica,

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DOS MATERIAIS ESTÃO ASSOCIADOS À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS

IMPACTOS AMBIENTAIS DOS MATERIAIS ESTÃO ASSOCIADOS À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS Instituto de Ciência e Tecnologia de Sorocaba Materiais e Reciclagem 7 Esgotabilidade de Recursos Naturais Utilizados para a Síntese de Materiais Professor Sandro Donnini Mancini Sorocaba, Março de 2016.

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA

RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA Titulo do Trabalho RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: DE PROBLEMA SOCIAL À FONTE DE RENDA Autor principal Tiago Borges Ferreira Nomes dos Co autores Grégori Henrique Soares; Diego Lula Nomes dos Orientadores Tiago

Leia mais

MÉTODO DE AMOSTRAGEM E CARACTERIZAÇÃO DESCENTRALIZADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COM GEORREFERENCIAMENTO

MÉTODO DE AMOSTRAGEM E CARACTERIZAÇÃO DESCENTRALIZADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COM GEORREFERENCIAMENTO MÉTODO DE AMOSTRAGEM E CARACTERIZAÇÃO DESCENTRALIZADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS COM GEORREFERENCIAMENTO Hélio Teotônio Alves FILHO 1, José Ítalo Carneiro RIBEIRO 1, Kenny Rogers da Silva HENRIQUES 1,

Leia mais

RESULTADOS DO PROGRAMA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, CAMPUS UBERABA

RESULTADOS DO PROGRAMA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, CAMPUS UBERABA RESULTADOS DO PROGRAMA DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS DO INSTITUTO FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO, CAMPUS UBERABA Cladecir Alberto Schenkel (1) Professor do Instituto Federal do Triângulo Mineiro,

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 3º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2015 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

Líder: Ana Carolina Freire RA: Organizador: Vanessa Rocha RA:

Líder: Ana Carolina Freire RA: Organizador: Vanessa Rocha RA: Líder: Ana Carolina Freire RA: 010522010 Organizador: Vanessa Rocha RA:007762013 Programador:Carlos Eduardo RA:027409 Construtor: Felipe Avilez RA:121908 Produtor:Carlos Eduardo RA:027409 O nosso objetivo

Leia mais

QUÍMICA. Prof. Larissa Richter. Energia e Meio Ambiente

QUÍMICA. Prof. Larissa Richter. Energia e Meio Ambiente Energia e Meio Ambiente O ser humano atual é extremamente dependente de energia. Por quê? Todos os seus processos tecnológicos, bem como manutenção de serviços dependem da energia elétrica para serem desenvolvidos

Leia mais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais

Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Município de Visconde do Rio Branco 1. Aspectos Gerais O município de Visconde do Rio Branco tem uma população total de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS

GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Marisa Brasil Engenheira de Alimentos MBA em Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Saúde e Responsabilidade Social Especialista em Engenharia Ambiental e Saneamento Básico

Leia mais

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade.

O que os cidadãos de Rio Branco pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Consumo Sustentável Programa Água Brasil e Instituto Ibope apresentam: O que os cidadãos de pensam e estão dispostos a fazer sobre consumo responsável e reciclagem na cidade. Introdução O Programa Água

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O CAMINHO PARA A CONSCIÊNCIA E PARTICIPAÇÃO - AVALIAÇÃO DO TRABALHO DESENVOLVIDO PELA EEA/UEFS Sandra Maria Furiam Dias (1) Engenheira Civil, Mestre em Recursos Hídricos e Saneamento.

Leia mais

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA

SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA SAÚDE AMBIENTAL E VIGILÂNCIA SANITÁRIA Conteúdo 9: Gerenciamento de Resíduos Sólidos Não Perigosos: Classificação dos Resíduos Sólidos (perigosos e não perigosos). Função do gerenciamento dos resíduos

Leia mais

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa

Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa Relatório Trimestral da Reciclagem no Vale do Sousa 1º Trimestre de 2016 Versão 1.2 ÍNDICE 1. MATERIAL RECEBIDO... 3 1.1. PLÁSTICOS... 3 1.2. PAPEL... 4 1.3. VIDRO... 5 1.4. SUCATA... 6 1.5. RESÍDUOS DE

Leia mais

ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO DE TRÊS RESIDÊNCIAS DO BAIRRO DE LOURDES EM GOVERNADOR VALADARES- MG

ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO DE TRÊS RESIDÊNCIAS DO BAIRRO DE LOURDES EM GOVERNADOR VALADARES- MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE QUALIQUANTITATIVA DE RESÍDUOS SÓLIDOS: ESTUDO DE CASO DE TRÊS RESIDÊNCIAS DO BAIRRO DE LOURDES EM GOVERNADOR VALADARES- MG Diego Dantas Amorim*, Luiz Fernando

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010

Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Política Nacional de Resíduos Sólidos - PNRS LEI 12.305 / 08/ 2010 DECRETO 7.404/ 12/ 2010 Cenário brasileiro de resíduos sólidos Aumento da: População nas cidades 50% mundial 85% Brasil (IBGE, 2010).

Leia mais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais

Análise SWOT. Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Análise SWOT Resíduos Sólidos Domiciliares e Comerciais Implantação de associação de catadores, melhorando a coleta seletiva. Disponibilização de quantidade maior de lixeiras na cidade. Geração de empregos

Leia mais

Aterros Sanitários Parte II

Aterros Sanitários Parte II 1 Aterros Sanitários Parte II 2 Determinação da quantidade de Resíduos Obter as seguintes informações: População atual e população estimada a cada ano durante o período de projeto; Geração per capita de

Leia mais

Artigo original DOI: /

Artigo original DOI: / 67 Artigo original DOI: 105902/2236117017584 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 3, set-dez. 2015, p. 67-72 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas

Leia mais

ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC

ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC ANEXO X PROJETO SIMPLIFICADO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL - PGRCC Tomando como base que o empreendedor tem a obrigação de gerenciar os resíduos gerados durante as obras de implantação

Leia mais

ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015

ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015 ANEXO I a que se refere o art. 1º do Decreto nº 8.016, de 23 de janeiro de 2015 VALORES DAS MULTAS Infração Não apresentação do Plano de Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil - PGRCC Destinação

Leia mais

Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore

Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore Seminário de Resíduos Sólidos Universidade Feevale Programa Cata Vida e a Cooperativa Coolabore Objetivo: Desenvolver ações integradas, com base nas dimensões que abrangem a sustentabilidade social, econômica

Leia mais

Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos. Relatório CETESB

Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos. Relatório CETESB Inventário de Resíduos Sólidos Urbanos Relatório CETESB Apresentação CETESB: Órgão Estadual de Meio Ambiente - responsável pelo controle da poluição ambiental do Estado de São Paulo; A partir de 1997:

Leia mais

LEVANTAMENTO DA GERAÇÃO ANUAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC. Roger Francisco Ferreira de Campos, Tiago Borga

LEVANTAMENTO DA GERAÇÃO ANUAL DOS RESÍDUOS SÓLIDOS RECICLÁVEIS DO MUNICÍPIO DE CAÇADOR-SC. Roger Francisco Ferreira de Campos, Tiago Borga 209 Revista Monografias Ambientais - REMOA v. 15, n.1, jan-abr. 2016, p.209-219 Revista do Centro de Ciências Naturais e Exatas - UFSM, Santa Maria e-issn 2236 1308 - DOI:10.5902/22361308 LEVANTAMENTO

Leia mais

RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS

RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS RESÍDUOS SÓLIDOS MUNICIPAIS Educação Ambiental: Resíduos Sólidos Municipais Ano I, número 1 Editor: Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes - DNIT Redação Mônica de Abreu Azevedo André Santos

Leia mais

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades

Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos. Município de Baependi - MG. Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos Ministério das Cidades Dados sobre manejo de Resíduos Sólidos Município de Baependi - MG Sistema Nacional do Manejo de Resíduos Sólidos 2013 Ministério das Cidades 1 - Informações Cadastrais Município: BAEPENDI MG Referência

Leia mais

Composição gravimétrica e peso específico dos resíduos sólidos urbanos em Jaú (SP)

Composição gravimétrica e peso específico dos resíduos sólidos urbanos em Jaú (SP) Composição gravimétrica e peso específico dos resíduos sólidos urbanos em Jaú (SP) Gravimetric composition and specific weight of urban solid waste in Jaú (SP) Nota Técnica Jozrael Henriques Rezende Doutor

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES

LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES LEVANTAMENTO DOS RESÍDUOS GERADOS PELOS DOMICÍLIOS LOCALIZADOS NO DISTRITO INDUSTRIAL DO MUNICÍPIO DE CÁCERES 1 Paula Mendes dos Santos Graduada em Ciências Biológicas pela UNEMAT. Graduanda em Tecnologia

Leia mais

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé)

Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Projeto Piloto Gerenciamento de Resíduos Sólidos ( Sairé) Objetivo do Projeto: Promover o correto gerenciamento integrado dos resíduos sólidos urbanos nas Cidades de pequeno e médio porte. ( população

Leia mais

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos.

Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. Núcleo Proecco Em parceria com as empresas. Centro de Referências para Triagem e Tratamento de Resíduos Orgânicos e Inorgânicos. 12/08/2015 1 12/08/2015 2 Profissionais envolvidos no projeto Biologia ;Geografia

Leia mais

Separação de Resíduos

Separação de Resíduos Separação de Resíduos Tipos de Resíduos Orgânicos Rejeitos Papéis Recicláveis Plásticos Metais Isopor Plástico Existem 7 tipos de resinas plásticas: - PET: polietileno tereftalato: Frascos de refrigerantes

Leia mais

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA

INSTITUIÇÃO ÁREA TEMÁTICA TÍTULO: COLETA SELETIVA: UMA ALTERNATIVA DE PRESERVAÇÃO PARA O MEIO AMBIENTE AUTORES: Ana Virgínia R. de A. Guimarães, Itamara Farias Leite E-mail: erana@uol.com.br INSTITUIÇÃO: UFPB ÁREA TEMÁTICA: Meio

Leia mais

Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro

Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro Logística Reversa no Brasil Cenário atual e futuro M.Sc. Elcio Herbst SENAI - IST em Meio Ambiente e Química Política Nacional de Resíduos Sólidos Art. 33º - São obrigados a estruturar e implementar sistemas

Leia mais

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA

RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE SANTA RITA - FASAR CENTRO DE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA - CEPIC PROJETOS DE PESQUISA RELATÓRIO DE PROJETO DE PESQUISA - CEPIC INICIAÇÃO CIENTÍFICA Ano: 2014 Semestre: 1º P R O J E T O D

Leia mais

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil.

Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Resolução CONAMA 307 de 5 de julho de 2002. Dispõe sobre gestão dos resíduos da construção civil. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. O CONSELHO

Leia mais

Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes

Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes Planejando a Coleta seletiva no IFPB campus de Princesa Isabel: Caracterização dos resíduos sólidos e percepção dos discentes Leonardo Adriano Domingos 1, Queliane Alves da Silva 1, Ana Lígia Chaves Silva

Leia mais

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO

PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO PRODUZINDO SUSTENTABILIDADE! MELHORIA DO PROCESSO DE RECICLA- GEM DE LIXO NA COOPERATIVA AÇÃO RECICLAR DE POÇOS DE CALDAS RESUMO O presente trabalho relata as ações extensionistas desenvolvidas em uma

Leia mais

conversas informais com o motorista do veículo coletor, responsável pelo recolhimento diário dos resíduos domiciliares no município, bem como, várias observações in loco, algumas realizadas, inclusive,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO.

CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS: UMA ETAPA PELIMINAR NO GERENCIAMENTO DO LIXO. Sandra Maria Furiam Dias (*) Universidade Estadual de Feira de Santana Mestre em Engenharia Civil. Professora

Leia mais

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI

GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI GERENCIAMENTO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS PRODUZIDOS POR UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL EM TERESINA-PI Amanda Alves Feitosa (*), Dinael David Ferreira Lima * Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC)

TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 - Justificativa: Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os Geradores para a elaboração

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES NA CIDADE DE ITABAIANA PB

CARACTERIZAÇÃO DO DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES NA CIDADE DE ITABAIANA PB CARACTERIZAÇÃO DO DESCARTE DE LÂMPADAS FLUORESCENTES NA CIDADE DE ITABAIANA PB Dandara Monalisa Mariz Bezerra (*), José Severino de Araújo Júnior, Maria Eduarda Santos da Silva, Ster Batista de Lima, Fábio

Leia mais

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP

Hsa GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS. Resíduos Sólidos. PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP Hsa 109 - GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Resíduos Sólidos PROFa. WANDA R. GÜNTHER Departamento Saúde Ambiental FSP/USP E-mail: wgunther@usp.br Resíduos Sólidos Interrelação: Ambiente Saúde HOMEM MEIO AMBIENTE

Leia mais

Artigo original DOI: /

Artigo original DOI: / 325 Artigo original DOI: 105902/2236117018288 Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental Santa Maria, v. 19, n. 3, set-dez. 2015, p. 325-338 Revista do Centro de Ciências Naturais e

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente e Recursos Hídricos DESAFIOS PARA TRATAMENTO E DISPOSIÇÃO FINAL RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAUDE- MG Cenário resíduos de serviços de saúde em Minas Gerais Regulamentação

Leia mais

Serviços e Produtos. Palavras-Chave:

Serviços e Produtos. Palavras-Chave: Serviços e Produtos Recepção, Triagem e Valorização de RCD Reciclagem de RCD em obra Controlo de produção em obra de Agregados Reciclados (utilização em observância das normas técnicas aplicáveis) Acompanhamento

Leia mais