Model Driven Architecture. Andreano Lanusse

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Model Driven Architecture. Andreano Lanusse andreano.lanusse@borland.com"

Transcrição

1 Model Driven Architecture Andreano Lanusse

2 2 Conteúdo Problemas comuns O que é a MDA? Quais os benefícios? Exemplos práticos Conclusão

3 3 Problemas Comuns

4 4 Aplicações e o Ambiente Desde o projeto (e às vezes até mesmo na análise) algumas decisões são baseadas no ambiente onde a aplicação será implantada e utilizada Qualquer alteração nesse ambiente impacta diretamente, podendo mesmo inviabilizar melhorias e atualizações Muitas vezes é necessário alterar o código da aplicação para acomodar as mudanças na tecnologia Dificuldade em reutilizar componentes dependentes da tecnologia anterior e incompatíveis com a nova Resultado: altos custos e perda de oportunidades

5 5 Ambiente Heterogêneo Linguagens de Programação ~3 milhões de programadores COBOL ~1 milhão de programadores C/C++ Java está crescendo bastante.net vem com toda a força Sistemas Operacionais Unix, VMS, MacOS, Windows (todos), PalmOS,... Dispositivos móveis e embutidos Redes Ethernet, ATM, IP, USB,... BlueTooth, b,...

6 6 Principais Desafios Preservar o investimento feito em software à medida em que o panorama da infraestrutura muda ao redor Monitorar a próxima onda Reter profissionais qualificados Manter a base de código existente Integrar o que está sendo construído Com o que já existe E com o que virá

7 7 Onde pode haver consenso? Não em hardware Não em sistemas operacionais Não em protocolos de rede Não em linguagens de programação Mas deve haver consenso nas interfaces e na interoperabilidade!

8 8 Exemplo: Web Services XML Business Scenarios Business Profiles 1 Request Business Details COMPANY A 2 ebxml Registry 3 Register Implementation Details Register COMPANY A Profile Build Local System Implementation Download Scenarios and Profiles Query about COMPANY A profile 4 COMPANY B ebxml compliant system 5 Agree on Business Arrangement 6 DO BUSINESS TRANSACTIONS

9 9 O que é MDA?

10 10 O Que é MDA? Uma nova maneira de especificar e construir sistemas Baseada na modelagem em UML Suporta o ciclo de vida completo: análise, projeto, implementação, implantação, manutenção, evolução e integração com sistemas posteriores Construída para interoperabilidade e portabilidade Minimiza os custos iniciais e maximiza o RSI Aplica-se diretamente ao ambiente misto atual: Linguagens de Programação Sistemas Operacionais Rede Middleware

11 11 Quem Cuida da MDA? OMG Object Management Group Organização sem fins lucrativos, controlada pelos membros Borland, Microsoft, Boeing, HP, Ford, Fujitsu, Pfizer, Siemens... Responsável pela padronização da UML, CORBA,... Disponibiliza as especificações gratuitamente Promove palestras, seminários, artigos, produtos, cursos, certificações,...

12 12 Model Driven Architecture

13 13 Principais Tecnologias da MDA UML (Unified Modeling Language) Notação padronizada mundialmente Inclui a OCL (Object Constraint Language) XMI (XML Metadata Interchange) Padrão para troca de informações de modelos UML CWM (Common Warehouse Metamodel) Integração das últimas iniciativas de Data Warehouse MOF (Meta-Object Facility) Repositório padronizado

14 14 Construindo uma Aplicação MDA Platform- Independent Model Um modelo detalhado, declarando pré e póscondições em OCL e a semântica em Action Language Inicie com um Platform-Independent Model (PIM), representando a funcionalidade e o comportamento do negócio, sem influência dos detalhes tecnológicos.

15 15 Gerando o Modelo Específico para a Plataforma Platform- Independent Model Modelo CORBA Modelo Java/EJB Mapear um PIM para o(s) Middleware(s) específico(s) através de mapeamentos padronizados do OMG Modelo XML/SOAP Outro Modelo A ferramenta MDA aplica um mapeamento para gerar o Platform- Specific Model (PSM) a partir do PIM. O código é parte automático e parte escrito à mão.

16 16 Gerando as Implementações Platform- Independent Model Modelo CORBA Modelo Java/EJB Mapear o PSM para interfaces, código, descritores de GUI, SQL queries, etc. Modelo XML/SOAP Outro Modelo A ferramenta MDA gera todo ou a maioria do código da implementação para a tecnologia selecionada pelo desenvolvedor. CORBA Java/EJB XML/SOAP Outro

17 17 MDA: Ciclo Completo CIM Computation Independent Model Transformação PIM Platform Independent Model Transformação Geração automática PSM Platform Specific Model Código Fonte

18 18 Quais os Benefícios da MDA?

19 19 Benefícios da MDA Suporte total para uma arquitetura de 20 anos por todo o ciclo de vida da aplicação Integração suave através das fronteiras intra- e inter-negócios e entre tecnologias de infra-estrutura Custos reduzidos do início ao fim Reutilização de aplicações, código, treinamento e pessoas Representação do negócio independente da tecnologia Escalabilidade, robustez e segurança via código gerado Abordagem estável baseada no modelo maximiza o RSI Inclusão rápida na próxima onda

20 20 Benefícios da MDA Redução de erros Disciplina arquitetural Reusabilidade Redução no prazo de entrega Portabilidade Interoperabilidade Documentação Manutenção Dirigida pelo modelo

21 21 E o Desenvolvedor? Atua na personalização das transformações PIM PSM Por causa da geração automática de código (parcial ou total), fica livre de muitos detalhes de baixo nível, relacionados à implementação específica para a tecnologia envolvida Pode dedicar mais tempo aos requisitos de negócio, interface com o usuário, testes, documentação Reaproveita melhor os componentes Viabiliza muitas integrações com menor esforço Observa facilidades na manutenção evolutiva das aplicações

22 22 Por que a ênfase no modelo? As ferramentas de modelagem visual reduzirão a codificação em cinco vezes nos próximos dez anos. Simpósio do Gartner, março/2004

23 QVT Overview

24 24 Query-View-Transformation QVT specification is the heart of Model Driven Architecture Queries take a model as input and select specific elements from that model Views are models that are derived from other models Transformations take a model as input and update it or create a new model

25 25 Example Transformation

26 26 UML to RDB Example UML Class model Relational Data Model Model Query View transformation

27 27 Key Benefits of QVT Core benefit of MDA Smaller, manageable models operating in concert versus huge, monolithic models Models become usable development artifact avoid intermediate work products Enables intelligent code generation Insulate models and applications from deployment platform technology reuse made into reality

28 28 QVT in context QVT might be used to: Transform business process model object model (PIM to PIM) Analysis object model into Business Object model (PIM to PIM) Object model to data model (PIM to PIM or PIM to PSM) Object model to detailed object model (PIM to PSM)

29 29 Applicable Benefits Intermediate work products vanish due to clear value of all models Repeatable, high-quality approach to software design/development Automated traceability between models, queries, transformations and views

30 30 Transformations QVT provides language to implement model-to-model transformations QVT fully supports OCL 2.0 expressions Query libraries Reusable libraries of QVT mappings Traceability Automated traceability when executing mapping Extensible QVT can call custom Java methods

31 31 QVT Language Overview Together Architect 2006 implementation based on the revised submission for MOF 2.0 Query/View/Transformation RFP (OMG document ad/ ) Supports operational transformations Two types of transformation methods: Mappings and Queries

32 Together QVT by Example A few example QVTs

33 33 Transforming a Use Case Model to a Class Model This transformation automates the construction of a set of use case realization classes It is rather simple: a 1-to-1 mapping from Actor to Class. Use Cases owned by the Actor are created as Operations within the Class.

34 34 Transforming a PIM to a PSM As a basic step toward elaborating the PSM, this QVT simply adds scaffolding code (e.g., getters and setters)

35 35 Exemplo Prático

36 36 Delphi 2006 e o ECO III Enterprise Core Objects Ambiente de modelagem integrado (Together) Geração automática de código Geração automática do esquema do banco de dados Engenharia reversa do banco de dados Gerenciamento do espaço de objetos em tempo de execução Persistência automática dos objetos Versionamento de objetos Transações Suporte a aplicações cliente/servidor, Web e distribuídas Disponível para Delphi.Net e C#

37 37 Como Funciona? PIM Modelagem com UML e expressões OCL Delphi/C# Geração automática do código e do banco de dados Executável.NET com o modelo Utilização do modelo em tempo de execução para realizar consultas e validações. Persistência, transações, versionamento,...

38 38 Desenvolvimento com ECO IDE Delphi Modelo: UML & OCL Together Rose XMI Lógica: C# / Delphi order = true; order = true; UI Ferramentas ECO Editor OCL Cliente.allInstances ECO Space Tools Geração Schema Evolução de Schema Validação de Modelos Configuração Bco Dados Persistência Plataforma.NET

39 39 ECO em Execução Aplicação Modelo: UML & OCL Lógica: C# / Delphi order = true; order = true; UI ECO Framework Persistência Relacionamento Transações Query OCL ECO Space Mapeamento OR Persistência Plataforma.NET

40 40 Conclusão

41 41 Conclusão A MDA é uma proposta interessante para resolver muitos problemas enfrentados hoje Por ser uma iniciativa independente de fornecedor assegura a continuidade, objetividade e compatibilidade Já existem diversas ferramentas que implementam parcialmente A Borland tem um forte envolvimento no OMG Podemos esperar maior suporte à MDA no futuro próximo Não esquecer dos processos e conhecimentos necessários (UML, OOAD, metodologia e ferramentas adequadas)

42 42 Glossário BPM Business process Modeling SOA Service Oriented Architecture CORBA Common Object Request Broker Architecture J2EE Java 2 Enterprise Edition MDA Model Driven Architecture MOF Meta Object Facility EMOF Essential MOF CMOF Complete MOF OCL Object Constraint Language PIM Platform Independent Model PSM Platform Specific Model QVT Query View Transformation UML - Unified Modeling Language XMI XML Model Interchange

43 43 A Solução Borland Construída com a excelência e experiência de 22 anos Valor para o Negócio Software Delivery Optimization Produtividade Organizacional através de Processos de Negócios Gerenciados Application Lifecycle Management Produtividade na equipe para diversos papéis Ambientes de Desenvolvimento Produtividade Pessoal do Desenvolvedor ALM IDEs Evolução na entrega do Software

44 44 Posicionamento único no mercado de ALM IT Mgt Requirements Mgt Modeling Development Change/Configuration Mgt Testing Deployment Application Lifecycle Management (ALM).NET Java Microsoft Borland IBM Gartner espera que até 90% de projetos de software terão integração entre plataforma até 2009.

45 45 Soluções, Tecnologia e Serviços disponíveis Hoje Soluções IT Management & Governance Requirements Definition & Management Change Management Produtos Plan Tempo Define CaliberRM Design Together Develop JBuilder Test Optimizeit Manage StarTeam Platform Core SDP Serviços Borland Accelerate Consultoria em Processos Implementação em Tecnologia Treinamento Suporte Borland Developer Studio

46 46 Para Saber Mais Site oficial da MDA Site pessoal do Dr. Peter Coad, onde podem ser encontrado material sobre OOAD, arquétipos, UML em cores, FDD,... Site oficial da FDD bdn.borland.com Borland Developer Network, com artigos e apresentações

47 47 Perguntas! Andreano Lanusse

48 48 Obrigado! Andreano Lanusse

Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML

Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML Odyssey-MDA: Uma Ferramenta para Transformações de Modelos UML Natanael E. N. Maia, Ana Paula B. Blois, Cláudia M. Werner COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação Caixa Postal 68.511

Leia mais

Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA

Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA Viabilidade de Construção de Software com MDD e MDA André Sandri Ciência da Computação Centro Universitário La Salle (UNILASALLE) Av. Victor Barreto, 2288 92.010-000 Canoas RS Brazil andresandri@hotmail.com

Leia mais

Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software

Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software Transformando Modelos da MDA com o apoio de Componentes de Software Fapesp-PIPE Autores: Marco Antonio Pereira Antonio Francisco do Prado Mauro Biajiz Valdirene Fontanette Daniel Lucrédio Campinas-SP,

Leia mais

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa

Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software. Eduardo Barbosa da Costa Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software Eduardo Barbosa da Costa Juiz de Fora, MG Julho de 2008 Arquitetura Orientado por Modelos aplicada a Linha de Produto de Software

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes

Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Especificação de um Sistema Gerenciador de Workflow de Acordo com a Abordagem de Desenvolvimento Baseado em Componentes Edson Alves de Oliveira Junior 1, Itana Maria de Souza Gimenes 1 1 Departamento de

Leia mais

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software

Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software 1068 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Transformação de modelos em processos de desenvolvimento de software Vinycio de Correa Lunelli 1, Profa. Dra. Ana Paula Terra Bacelo 1 1 Faculdade de Informática,

Leia mais

Aspectos de Sincronização em Modelos UML. Resumo

Aspectos de Sincronização em Modelos UML. Resumo Aspectos de Sincronização em Modelos UML Marco Costa Universidade Lusíada, Lisboa, Portugal mbcc@acm.org Alberto Rodrigues da Silva Instituto Superior Técnico, Lisboa, Portugal alberto.silva@acm.org Resumo

Leia mais

Fase 1: Engenharia de Produto

Fase 1: Engenharia de Produto Fase 1: Engenharia de Produto Disciplina: Análise de Requisitos DURAÇÃO: 44 h O objetivo principal da disciplina é realizar uma análise das necessidades e produzir um escopo do produto. Representará os

Leia mais

DESENVOLVIMENTO AUTOMÁTICO DE APLICAÇÕES E PLATAFORMAS DE TRABALHO EM NUVENS COMPUTACIONAIS

DESENVOLVIMENTO AUTOMÁTICO DE APLICAÇÕES E PLATAFORMAS DE TRABALHO EM NUVENS COMPUTACIONAIS DESENVOLVIMENTO AUTOMÁTICO DE APLICAÇÕES E PLATAFORMAS DE TRABALHO EM NUVENS COMPUTACIONAIS Hélder Pereira Borges 1,2, José Neuman de Souza 2, Bruno Schulze 3, and Antonio Roberto Mury 3 1 Federal Institute

Leia mais

Model Driven Architecture-MDA e um estudo de caso.

Model Driven Architecture-MDA e um estudo de caso. Model Driven Architecture-MDA e um estudo de caso. Emmanuel da Costa Galo 1, Jandira Guenka Palma 1 1 Departamento de Computação Universidade Estadual de Londrina (UEL) Caixa Postal 10.011 CEP 86057-970

Leia mais

UMA ARQUITETURA BASEADA EM MODELOS - MDA. helderpb@hotmail.com, {bruno.schulze, neuman.souza, a.roberto.m}@gmail.com

UMA ARQUITETURA BASEADA EM MODELOS - MDA. helderpb@hotmail.com, {bruno.schulze, neuman.souza, a.roberto.m}@gmail.com UMA ARQUITETURA BASEADA EM MODELOS - MDA Hélder Pereira Borges 1,2, José Neuman de Souza 2, Bruno Schulze 3, and Antonio Roberto Mury 3 1 Federal Institute of Education, Science and Technology of Maranhão,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1

MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2. Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 MDA - resumo (OMG - Model Driven Architecture) Prof. Rossano Pablo Pinto Março/2012 v0.1 Março/2013 v0.2 Rossano Pablo Pinto - março/2013 1 PARTE 1 O processo de desenvolvimento MDA Rossano Pablo Pinto

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS

PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS PROFILE EM UML PARA MODELAGEM SIMPLIFICADA DE INTERFACES GRÁFICAS EM APLICATIVOS André Sandri Prof. Me. Carlos Michel Betemps UNILASALLE - www.unilasalle.com.br 30 de junho de 2006 Curso de Ciências da

Leia mais

FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO THIAGO ISHIO

FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO THIAGO ISHIO FUNDAÇÃO DE ENSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA UNIVEM FACULDADE DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO THIAGO ISHIO Uma Experiência no Desenvolvimento de Sistemas utilizando Arquitetura

Leia mais

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0

OVERVIEW DO EAMS. Enterprise Architecture Management System 2.0 OVERVIEW DO EAMS Enterprise Architecture Management System 2.0 NETWORKS @arqcorp_br #eamsrio http://arquiteturacorporativa.wordpress.com/ WE MANAGE KNOWLEDGE, WITH YOU Arquitetura Empresarial Repositório

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações

Desenvolvimento de Aplicações FV-RAD (Field Values) A Practical Framework for Rapid Application Development Luís Filipe Ferreira 28 de Abril de 2008 Desenvolvimento de Aplicações User Interface - Console - Forms - Web - Mobile UI Logic

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25

SUMÁRIO CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 SUMÁRIO LISTA DE FIGURAS LISTA DE TABELAS LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS Pág. CAPÍTULO 1 - INTRODUÇÃO 19 CAPÍTULO 2 - CONCEITOS 25 2.1 A tecnologia de orientação a objetos 25 2.1.1 Projeto de software

Leia mais

Service Oriented Architecture SOA

Service Oriented Architecture SOA Service Oriented Architecture SOA Arquitetura orientada aos serviços Definição: Arquitetura de sistemas distribuídos em que a funcionalidade é disponibilizada sob a forma de serviços (bem definidos e independentes)

Leia mais

Visão Geral (problema resolvido)

Visão Geral (problema resolvido) 1 Trabalho: Elaborar uma sintese do artigo sôbre o papel e natureza de uma arquitetura empresarial e comparar com o que esta sendo apresentado no curso arquitetura de informação Solução : Visão Geral (problema

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

Obtendo Qualidade com SOA

Obtendo Qualidade com SOA Obtendo Qualidade com SOA Daniel Garcia Gerente de Prática BPM/SOA daniel.garcia@kaizen.com.br 11 de Novembro de 2009 Copyright 2009 Kaizen Consultoria e Serviços. All rights reserved Agenda Sobre a Kaizen

Leia mais

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5

Princípios de Sistemas Distribuídos. Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Princípios de Sistemas Distribuídos Tecnologias utilizadas em sistemas distribuídos Aula 5 Conceitos de comunicação entre processos Interprocess Communication (IPC) Sistemas distribuídos são construídos

Leia mais

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos

Web Services. Integração de aplicações na Web. Sistemas Distribuídos Web Services Integração de aplicações na Web Integração de Aplicações na Web Interoperação entre ambientes heterogêneos desafios diversidade de componentes: EJB, CORBA, DCOM... diversidade de linguagens:

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

Transforms: Um Ambiente de Apoio a Modelagem e Execução de Processos de Software Dirigido por Modelos

Transforms: Um Ambiente de Apoio a Modelagem e Execução de Processos de Software Dirigido por Modelos Transforms: Um Ambiente de Apoio a Modelagem e Execução de Processos de Software Dirigido por Modelos Bruno C. da Silva 1,2, Ana Patrícia F. Magalhães 2, Rita Suzana P. Maciel 3, Narciso Martins 2, Leandro

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software

Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Transformação de um Modelo de Empresa em Requisitos de Software Fábio Levy Siqueira 1 and Paulo Sérgio Muniz Silva 2 1 Programa de Educação Continuada da Poli-USP, São Paulo, Brazil 2 Escola Politécnica

Leia mais

OSCAR BRANCO DENIS DESENVOLVIMENTO BASEADO EM MODELOS: DA TEORIA À PRÁTICA

OSCAR BRANCO DENIS DESENVOLVIMENTO BASEADO EM MODELOS: DA TEORIA À PRÁTICA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES DE MARÍLIA - UNIVEM TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO OSCAR BRANCO DENIS DESENVOLVIMENTO BASEADO EM MODELOS: DA TEORIA À PRÁTICA MARÍLIA 2007 1 OSCAR BRANCO DENIS DESENVOLVIMENTO

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA

Usando Borland DELPHI para implementar aplicações CORBA Página 1 de 10 USANDO BORLAND DELPHI PARA IMPLEMENTAR APLICAÇÕES CORBA por Simone Vey Dutra e César Bridi Introdução A Arquitetura CORBA Criando uma Aplicação CORBA em Delphi Criando um Servidor CORBA

Leia mais

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes

Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Ferramenta para Geração de Código a partir da Especialização do Diagrama de Classes Alexandro Deschamps (Ápice) alexandro@apicesoft.com Everaldo Artur Grahl (FURB/DSC) egrahl@furb.br Resumo. Uma das grandes

Leia mais

SAP Business One, version for HANA. Ralph Oliveira

SAP Business One, version for HANA. Ralph Oliveira SAP Business One, version for HANA Ralph Oliveira Informação Certa Hora Certa O Que é BI?? Pessoa Certa Dados Informação O Que é BI?? Conhecimento Otimizar Processos Conhecer o Cliente O Que é BI?? Efetividade

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr

Engenharia de Software. Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Engenharia de Software Apostila I >>> Introdução à ES - HEngholmJr Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 12/08/2014 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr Agenda Introdução à Engenharia

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Pós-Graduação em Engenharia de Software com UML

Pós-Graduação em Engenharia de Software com UML Pós-Graduação em Engenharia de Software com UML Desenvolvimento Baseado em Componentes I Fundamentos E-mail: sergio.tanaka@audare.com.br DBC Parte I Motivação Reutilização de Software Desenvolvimento Baseado

Leia mais

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG

Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG Agenda Meta-modelos Franklin Ramalho Universidade Federal de Campina Grande - UFCG - Arquitetura MDA - Meta-modelo - Conceitos - Características - - XMI - Pacotes - Meta-modelo 2.0 - Alinhamento entre

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais

Especificação e Implementação de uma Linguagem para Transformação de Modelos MOF em Repositórios dmof

Especificação e Implementação de uma Linguagem para Transformação de Modelos MOF em Repositórios dmof UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA ELÉTRICA Especificação e Implementação de uma Linguagem para Transformação de Modelos MOF em Repositórios

Leia mais

Componentes para Computação Distribuída

Componentes para Computação Distribuída Componentes para Computação Distribuída Conceitos Foi a partir do fenômeno da Internet (WWW), no início dos anos noventa, que a computação distribuída passou a ter relevância definitiva, a ponto de a Internet

Leia mais

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software

Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software Especialização em Arquitetura e Engenharia de Software O curso vai propiciar que você seja um especialista para atua atuar na área de Arquitetura de Software em diferentes organizações, estando apto a:

Leia mais

Arquitetura Orientada a Serviço

Arquitetura Orientada a Serviço Arquitetura Orientada a Fabio Perez Marzullo IEEE Body of Knowledge on Services Computing Sponsored by Technical Committee on Services Computing, IEEE Computer Society 1 SOA e Web Services SOA é um modelo

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES

EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES EXPERIÊNCIA DE USO DE ARQUITETURA CORPORATIVA NO PROJETO DE RES Rigoleta Dutra Mediano Dias 1, Lívia Aparecida de Oliveira Souza 2 1, 2 CASNAV, MARINHA DO BRASIL, MINISTÉRIO DA DEFESA, BRASIL Resumo: Este

Leia mais

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências

UML Visão Geral. Índice. Introdução. Diagramas. Modelos e diagramas. Elementos de modelação. Referências UML Visão Geral 1 Índice Introdução O que é a UML? Valor da UML Origens da UML Parceiros da UML Modelos e diagramas Elementos de modelação Diagramas Diagrama de casos de utilização Diagrama de classes

Leia mais

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA

Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Otavio Pereira Suporte à Engenharia Reversa para o ambiente SEA Orientador: Ricardo Pereira e Silva Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Departamento de Informática e Estatística - INE Florianópolis

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions

Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa. Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions Qualidade de Software no Contexto Organizacional: Arquitetura Corporativa Atila Belloquim Gnosis IT Knowledge Solutions TI e Negócio 10 entre 10 CIOs hoje estão preocupados com: Alinhar TI ao Negócio;

Leia mais

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas

Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Abstraindo as Camadas de SOA & Aplicações Compostas Serviço Service Requisitante Consumer Service Serviço Provider Provedor consumidores processos business e processes negócios Coreografia process choreography

Leia mais

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição

2 Conceitos relativos a Web services e sua composição 15 2 Conceitos relativos a Web services e sua composição A necessidade de flexibilidade na arquitetura das aplicações levou ao modelo orientado a objetos, onde os processos de negócios podem ser representados

Leia mais

Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0

Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0 Novas funcionalidades do RAD Studio 2007 em aplicações ASP.NET 2.0 O novo produto RAD Studio 2007 desenvolve aplicações para plataforma Win32 e.net. Pode-se criar aplicações do tipo GUI, console, Web e

Leia mais

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft

PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software. Regis Gimenis - Microsoft PRO201 - Integrando o Visual Studio 2005 Team Edition for Database Professional no Ciclo de Desenvolvimento de Software Regis Gimenis - Microsoft 01. 02. 03. 04. 05. Introdução Visual Studio Team System

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Conceitos de Software Prof. MSc. Edilberto Silva prof.edilberto.silva@gmail.com http://www.edilms.eti.br Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o conceitos

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA em Gestão da Tecnologia da Informação 1 Ruironaldi dos Santos Cruz ARTIGO ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇO SOA SERVICE

Leia mais

Como aumentar a produtividade com segurança usando a tecnologia Progress. Camila Valentin Solution Consultant

Como aumentar a produtividade com segurança usando a tecnologia Progress. Camila Valentin Solution Consultant Como aumentar a produtividade com segurança usando a tecnologia Progress Camila Valentin Solution Consultant Porque capacitar-se? Você sabia que um funcionário treinado aumenta sua produtividade em aproximadamente

Leia mais

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004

Introdução ao RUP Rational Unified Process. por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 Introdução ao RUP Rational Unified Process por Denize Terra Pimenta Outubro/2004 1 Contexto Não é suficiente apenas a presença de desenvolvedores altamente treinados: Precisamos de uma linguagem para a

Leia mais

Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business.

Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business. SOLUÇÕES E-BUSINESS PERSONALIZADAS Apresentação Apresentamos a divisão Portal Moveleiro Tecnologia, habilitada para o desenvolvimento de projetos alinhados a estratégias de e-business. Atuando há 4 anos

Leia mais

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA.

AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. AUTOMAÇÃO SUPERVISÃO E CONTROLE E A APLICAÇÃO DA ARQUITETURA ORIENTADA A SERVIÇOS SOA. Uma significativa parcela dos sistemas de automação de grandes empresas são legados de tecnologias de gerações anteriores,

Leia mais

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações

O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ABR. MAI. JUN. 2004 ANO X, N º 37 157-163 INTEGRAÇÃO 157 O modelo de arquitetura CORBA e suas aplicações ANA PAULA GONÇALVES SERRA* Resumo Nos últimos anos, os sistemas de informação nas empresas têm evoluído

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Apresentação do cenário da demonstração

IBM Software Demos Rational Software Delivery Platform - Apresentação do cenário da demonstração As demonstrações desta seção apresentam um cenário do cotidiano de uma equipe de desenvolvimento usando o IBM Rational Software Delivery Platform. Esse é o novo nome do Rational Software Development Platform

Leia mais

DA Manager, gerência e avaliação da reutilização de ativos digitais.

DA Manager, gerência e avaliação da reutilização de ativos digitais. DA Manager, gerência e avaliação da reutilização de ativos digitais. Marcílio Oliveira 1, Kleber Bacili 2, José Cláudio Vahl Jr 1 1 Laboratório de Inovação DigitalAssets-Ci&T/Unicamp Est. Telebrás, km

Leia mais

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server

Noções de. Microsoft SQL Server. Microsoft SQL Server Noções de 1 Considerações Iniciais Basicamente existem dois tipos de usuários do SQL Server: Implementadores Administradores 2 1 Implementadores Utilizam o SQL Server para criar e alterar base de dados

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Palavras-chave: Desenvolvimento Baseado em Componentes (DBC), Transformação de Software, framework e ObjectPascal.

Palavras-chave: Desenvolvimento Baseado em Componentes (DBC), Transformação de Software, framework e ObjectPascal. Construção e Reutilização de de Software do Domínio de Cardiologia João L C Moraes, Daniel Lucrédio, Adriano A Bossonaro, Dr Rubens Tofano, Prof Dr Antonio F Prado DC/UFSCar - Departamento de Computação

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService

Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Faculdade de Negócios e Administração de Sergipe Disciplina: Integração Web Banco de Dados Professor: Fábio Coriolano Desenvolvimento de Aplicação Windows Mobile Acessando um WebService Professor: Fabio

Leia mais

Introdução à Engenharia de Software

Introdução à Engenharia de Software Introdução à Engenharia de Software Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br Imagem Clássica Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma visão sobre o que é a engenharia

Leia mais

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com

Borland: Informatizando TI. João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Borland: Informatizando TI João Carlos Bolonha jbolonha@borland.com Software Diferentes Níveis Extrair o Máximo Valor para o Negócio Eficiência Vantagem Competitiva Copyright 2007 Borland Software Corporation.

Leia mais

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008.

Capítulo VI CORBA. Common Object Request Broker Architecture. [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. Common Object Request Broker Architecture [Cardoso2008] Programação de Sistemas Distribuídos em Java, Jorge Cardoso, FCA, 2008. From: Fintan Bolton Pure CORBA SAMS, 2001 From: Coulouris, Dollimore and

Leia mais

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML

Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Uma Integração entre Ferramentas de Gerência de Projetos Utilizando XML Edson Leandro de Araújo Silva 2, Adailton Magalhães Lima 1,2, Ernani de Oliveira Sales 1, Anderson Jorge Serra da Costa 2 1 Laboratório

Leia mais

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS

ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS ANEXO 09 PERFIS PROFISSIONAIS MÍNIMOS As qualificações técnicas exigidas para os profissionais que executarão os serviços contratados deverão ser comprovados por meio dos diplomas, certificados, registros

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web

Modelagem de Sistemas Web. Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Modelagem de Sistemas Web Aula 4 Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas e metodologias para projeto de sistemas web Ferramentas CASE Fontes: Sarajane e Marques Peres Introdução

Leia mais

A utilização do JSWDP para construção de Web Services

A utilização do JSWDP para construção de Web Services A utilização do JSWDP para construção de Web Services Fabiana Ferreira Cardoso 1, Francisco A. S. Júnior 1, Madianita Bogo 1 1 Centro de Tecnologia da Informação Centro Universitário Luterano de Palmas

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

Linguagem de Modelagem Unificada

Linguagem de Modelagem Unificada Linguagem de Modelagem Unificada A UML é uma linguagem para visualização especificação construção documentação de artefatos de um sistema com uma componente intensiva de software (software intensive system)

Leia mais

Service Oriented Architecture (SOA)

Service Oriented Architecture (SOA) São Paulo, 2011 Universidade Paulista (UNIP) Service Oriented Architecture (SOA) Prof. MSc. Vladimir Camelo vladimir.professor@gmail.com 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com 1 04/09/11 vladimir.professor@gmail.com

Leia mais

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software

Introdução à Engenharia de. Software. Introdução à Engenharia de. Software. O que é a Engenharia de Software? Software Introdução à Engenharia de Gidevaldo Novais (gidevaldo.vic@ftc.br) Introdução à Engenharia de Objetivo Depois desta aula você terá uma noção geral do que é a engenharia de software e dos seus objetivos

Leia mais

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil

Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web. 2005 by Pearson Education do Brasil 1 Introdução aos computadores, à Internet e à World Wide Web OBJETIVOS Neste capítulo, você aprenderá: Conceitos básicos de hardware e software. Conceitos básicos de tecnologia de objeto, como classes,

Leia mais

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br

Workflow como Proposta de. Workflow. O Gerenciamento de Processos. Prof. Roquemar Baldam roquemar@pep.ufrj.br Workflow como Proposta de Automação Flexível O Gerenciamento de Processos Planejamento do BPM Diretrizes e Especificações Seleção de processo críticos Alinhamento de processos à estratégia www.iconenet.com.br

Leia mais

SOA: Service-oriented architecture

SOA: Service-oriented architecture SOA: Service-oriented architecture Roteiro Breve História O que é Arquitetura de Software? O que é SOA? Serviços Infraestrutura Composição Sua empresa está preparada para SOA? Breve História Uma empresa

Leia mais

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

BPM e SOA. Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas BPM e SOA Grinaldo Lopes de Oliveira (grinaldo@gmail.com) Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Como funcionam as organizações? O que ébpm Business Process Management (BPM)

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1)

Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1) Construindo uma aplicação Web completa utilizando ASP.Net 2.0, Visual Studio 2005 e IIS 7.0 ( Parte 1) Marcus Garcia Microsoft Most Valuable Professional INETA Regional Director MAS Mentor Associado Um

Leia mais

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos

DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES. Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos DISTRIBUTED SYSTEMS ARCHITECTURES Ian Sommerville, 8º edição Capítulo 12 Aula de Luiz Eduardo Guarino de Vasconcelos Objetivos Explicar as vantagens e desvantagens das arquiteturas de sistemas distribuídos

Leia mais

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool

Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool Modelando Banco de Dados Relacionais e Geográficos Utilizando a Ferramenta GenDBM Tool João Victor Guinelli 1, André de Souza Rosa 1, Carlos Eduardo Pantoja 2 1 CEFET/RJ - UnED Nova Friburgo Av. Gov. Roberto

Leia mais

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações

SOA Introdução. SOA Visão Departamental das Organizações 1 Introdução A Organização é a forma pela qual nós coordenamos nossos recursos de todos os tipos para realizar o trabalho que nos propusemos a fazer. A estrutura de nossas organizações manteve-se basicamente

Leia mais

Excelência em Metodologia de Helpdesk

Excelência em Metodologia de Helpdesk Excelência em Metodologia de Helpdesk O IntraDesk foi desenvolvido com base nas melhores práticas conhecidas de Helpdesk, indicadas por organizações como o Gartner Group e o Helpdesk Institute, que, aliadas

Leia mais

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.

Projeto Demoiselle. Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge. Projeto Demoiselle Para perguntas e respostas, utilizem a lista de discussões de usuários da comunidade: demoiselle-users@lists.sourceforge.net Palestrantes: Antônio Carlos Tiboni Luciana Campos Mota 20/07/2009

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER

MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 UTILIZANDO O VMWARE PLAYER TÁSSIO JOSÉ GONÇALVES GOMES tassiogoncalvesg@gmail.com MINICURSO WINDOWS SERVER 2008 TÁSSIO GONÇALVES - TASSIOGONCALVESG@GMAIL.COM 1 CONTEÚDO Arquitetura

Leia mais

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico

Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Intelligrid A visão de Futuro do Sistema Elétrico Petronio Spyer Prates Co-located with: Intelligrid Architecture Architecture for the Intelligent Electricity Grid of the Future Visão do Sistema de Potência

Leia mais

Worldwide Enterprise Support Services

Worldwide Enterprise Support Services Worldwide Enterprise Support Services Agenda O Suporte Premier Suporte Preventivo Resolução de Problemas Relacionamento com a Microsoft Suporte Consultivo O Suporte Premier Apoio ao cliente na prevenção

Leia mais