Fronteiras Culturais e Cultura Fronteiriça em Livramento (Br) e Rivera( Uy): Considerações Provisórias 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Fronteiras Culturais e Cultura Fronteiriça em Livramento (Br) e Rivera( Uy): Considerações Provisórias 1"

Transcrição

1 Fronteiras Culturais e Cultura Fronteiriça em Livramento (Br) e Rivera( Uy): Considerações Provisórias 1 Maria Helena Martins 2 Centro de estudos de Literatura e Psicanálise Cyro Martins Diretora-Presidente Resumo Apresentam-se considerações (com recurso audiovisual, no Congresso) sobre o projeto Fronteiras Culturais (Brasil Uruguai Argentina), No caso, trata-se de pesquisa e atuação cultural, em Livramento (Br) e Rivera (Uy), desenvolvidas desde 2001, desencadeando um processo que evidencia peculiaridades e similitudes, assinala fronteiras culturais e indica a existência de uma cultura fronteiriça. Palavras-chave fronteiras culturais; cultura fronteiriça; práticas culturais. Corpo do trabalho A cultura ibero-americana delineou um perfil sócio-cultural e político na América Latina e as circunstâncias locais e temporais se encarregaram de redesenhar novas configurações: seja, de pertencimento, isto é, quanto à constituição do senso de identidade nacional, seja de extraterritoriedade, quanto ao senso de cultura fronteiriça, de diversidade e complementaridade cultural. Propõem-se aqui considerações sobre experiência em andamento, nas cidades de Livramento(RS-BR) e de Rivera (RV- UY), na qual se pesquisa a fronteira como um espaço e suas possibilidades de ampliação de horizontes e as práticas culturais fronteiriças se constituindo pelo concurso de várias áreas do conhecimento, das artes em geral e seus entrecruzamentos. A região do Pampa ou da Campanha compõe-se de partes do sudoeste do estado brasileiro do Rio Grande do Sul, partes do território do Uruguai e da Argentina. Possui rica agropecuária e importância histórica significativa para os três países. Mas, 1 Trabalho para a Mesa Temática 06 - Comunicação, cultura e fronteiras 2 Doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada(USP). Lecionou na UFRGS e USP. Diretora do Centro de Estudos de Literatura e Psicanálise 'Cyro Martins', onde coordena o projeto Fronteiras Culturais (Brasil - Uruguai - Argentina). Principais publicações: Agonia do heroísmo: contexto e trajetória de 'Antônio Chimango',Porto Alegre, URGS/L&PM,1980; O que é leitura. São Paulo,Brasiliense, 1982; Questões de linguagem.org. e co-autoria. São Paulo, Contexto,1997; Fronteiras Culturais(Brasil - Uruguai - Argentina). Org. e co-autor. São Paulo, Ateliê Ed/CELPCYRO/SMCPOA, Pampa e Cultura: de Fierro a Netto. Porto Alegre, EDURGS/CELPCYRO/LAI- FU_Berlin,

2 contrariando isso, suas pequenas cidades pouco têm prosperado social, econômica e culturalmente. O desenvolvimento precário dessas cidades possivelmente ocorra devido a se situarem na periferia dos respectivos países. Apesar disso, ou até em decorrência, os laços entre brasileiros, uruguaios e argentinos fronteiriços vêm de longe e, mesmo com inevitáveis percalços, subsistem, amadurecem, estabelecem-se intercâmbios que vão do comércio às relações familiares, da culinária à linguagem. Tal integração deriva da necessidade de sobrevivência há mais de dois séculos, entre portugueses e espanhóis e seus descendentes. E parece perdurar mais devido ao convívio natural do que pela consciência de ser essa uma condição propícia para revigorar a região. 3 Configura-se, assim, espécie de Mercosul avant la lettre, vivencial. Se esse processo se desenvolve melhor que o do Mercosul dos gabinetes e suas demandas econômicas e políticas, urge investigá-lo, valorizá-lo e incrementá-lo. 4 Ademais, ironicamente, talvez a própria inexorabilidade da globalização venha a intensificar esses laços fronteiriços: num esforço para superar a pressão homogeneizante de forças sócio-econômicas e culturais mais ou menos impostas, as comunidades da fronteira, pelo convívio de diferenças, fortalecem suas identidades nacionais e regionais. Surgem assim condições de expansão que delimitações geopolíticas e tratados não permitem. Diante desse quadro, torna-se significativo um trabalho que simultaneamente - investigue essa realidade e contribua para a sua transformação. Com esse espírito, elaboramos e desenvolvemos o projeto Fronteiras Culturais (Brasil Uruguai Argentina), no qual se insere a experiência em Livramento (BR) e Rivera (UY). Riqueza cultural e territorial + precariedade sócio-econômica podem significar potencial de desenvolvimento? 3 Em Pagos, passagens, incertezas... o drama da fronteira são apresentados panorama sócio-histórico da região e bases teórico-metodológicas do projeto Fronteiras Culturais. In: MARTINS, Maria Helena (org. e co-autor). Fronteiras Culturais (Brasil Uruguai Argentina). São Paulo, Atelier Editorial- CELP Cyro Martins-SMC-POA, Em Pampa e Cultura: de Fierro a Netto.Chiappini, L. Martins, M. H. e Pesavento, S. (orgs) Porto Alegre, EDURGS/CELPCYRO/LAI-FU-Berlin/2004 desenvolvem-se essas questões. 4 Partir de los espacios, a los que llamaría intersticiales, para entendernos mejor en este mundo global, me parece un principio que está instalado, que siempre estuvo y al que sólo falta completar con un proyecto, una teoría y una práctica de trabajo consecuentes. El "Projeto Fronteiras Culturais (Brasil- Uruguai-Argentina)", del "Centro de Estudos de Literatura e Psicanálise Cyro Martins", abre una posibilidad para ese diálogo. ROCCA, Pablo. In Fronteras Abiertas. 2

3 O projeto apresentado aqui é uma realização do Centro de Estudos de Literatura e Psicanálise Cyro Martins (Porto Alegre), sob minha coordenação, e registrado, passo a passo, em nosso site Sua premissa está em que a riqueza cultural do Pampa, internacionalmente reconhecida, deveria motivar investimentos para revigorar a região em geral, possibilitando seus habitantes a construir o próprio desenvolvimento. Mesmo que isso pareça algo de retorno incerto, porque implica um processo de transformação e não, meras mudanças. Tal proposição se funda na autoestima: (re)conhecendo-se, as comunidades podem aprender a se valorizar e a buscar alternativas de sobrevivência cultural, sustentabilidade econômica, conquista efetiva da cidadania. Nesse processo, as identidades nacionais, antes de se diluírem, são acrescidas pela consciência do vigor da cultura fronteiriça compartilhada. Decorre dessa perspectiva a noção de fronteira que norteia o trabalho: refere-se a um espaço e suas possibilidades; é vista como ampliação de horizontes e não como identificadora de um local e seus limites. Ademais, ao se investigar a cultura fronteiriça, preconizamos uma abordagem ampla, multidisciplinar e interagente. Trata-se de valorizar a diversidade cultural, pondo em evidência peculiaridades e similitudes, talvez até auxiliando o enriquecimento mútuo, pelo concurso de diversas áreas do conhecimento e diferentes formas de expressão, conforme os estudos de fronteiras culturais estão a exigir. Observe-se ainda que antecede nossa experiência de campo em Livramento e Rivera a hipótese de que talvez seja mais fácil forasteiros desencadearem um processo de conscientização da realidade fronteiriça do que seus próprios habitantes, pois a vivência cotidiana da situação pode prejudicar o distanciamento que propiciaria avaliação crítica. Ou seja: o olhar forasteiro talvez enxergue aquilo que os da terra não percebem, pelo tanto que convivem com isso. Incentivar o auto-conhecimento e o intercâmbio cultural levariam à autosustentabilidade da região? O projeto Fronteiras Culturais (Brasil Uruguai Argentina) parte dessas premissas para identificar, fomentar e difundir práticas culturais locais, através de pesquisa bibliográfica e de campo, com ações participativas abrangendo habitantes da região, dos dois lados da fronteira. O público-alvo é diversificado: desde crianças a adultos, de iletrados a intelectuais. Trata-se de investigação que, simultaneamente, busca colher e divulgar dados sobre especificidades e semelhanças no modo de vida e 3

4 na visão de mundo de fronteiriços, contribuindo para seu auto-conhecimento e para o intercâmbio de informações, envolvendo educação e demais benesses do bem-estar social, expressos culturalmente no cotidiano, através de aspectos como memória, costumes, imaginário, relações pessoais e de trabalho, tradições, linguagem, artes em geral. Enfatizamos um enfoque humanista, partindo da literatura, na qual se encontram elementos históricos, geográficos, lingüísticos, etnográficos integrando os aspectos acima referidos. Para tanto, na primeira etapa da pesquisa de campo propuseram-se leituras de contos de Campo fora, de Cyro Martins, em edição bilíngüe portuguêsespanhol especialmente feita para esse projeto. 5 Tais leituras, realizadas por membros das comunidades e verificadas por meio de entrevistas, oficinas, enquetes, foram recriadas pelos participantes em várias formas de expressão. A investigação se caracteriza, pois, como qualitativa, com fundo etnográfico e caráter pragmáticoparticipativo, baseada em evidências, em que o objeto inicial de estudo a cultura fronteiriça e seus atores - passa gradativamente a ser seu sujeito. Além de assim se incentivar o fortalecimento do interesse geral e a valorização cultural da região, se está também querendo contribuir para um mapeamento de pesquisas a esse respeito, e lançando pontes para ampliá-las a outras fronteiras, diminuindo o isolamento dos países da América Latina em geral e do Brasil. Principalmente considerando que nosso país é lindeiro com nada menos do 9 países sul-americanos e a Guiana Francesa, Departamento Ultramar da França sem dúvida uma situação em que as múltiplas vivências fronteiriças impõem a necessidade de seu conhecimento. 5 MARTINS, Cyro.Campo fora/campo afuera. IEL-CELP Cyro Martins, Originalmente publicado em 1934, em português, é composto por 14 contos. Na linguagem e nos relatos,o autor recupera episódios de sua infância e juventude, a paisagem, as vivências da Campanha/Pampa e prenuncia as agruras do gaúcho a pé, expressão que cunharia posteriormente, para designar o homem do campo que perdeu seu cavalo, a terra e se viu marginalizado na periferia da cidade. A hipótese que norteia essa escolha é de que, se as raízes culturais permanecem fortes, o livro tem significados especiais para os habitantes da região, mesmo aos nascidos muito depois de sua primeira edição.cf. Anexo 2 4

5 Há desvãos na harmonia da Fronteira da Paz? A fim de ponderar sobre a situação hoje configurada como emblemática de perfeita harmonia, valendo-lhes o epíteto de Fronteira da Paz, há que considerar o processo de formação das cidades de Livramento e Rivera, suas relações através do tempo. Livramento nasce como minúsculo vilarejo constituído pelo que restou de um acampamento militar, em Passa a ser chamada de cidade em 1876, hoje tem km2 de área e cerca de habitantes. Rivera, atualmente com 9.370km2 e cerca de habitantes, surge 40 anos depois de Sant Ana do Livramento. Durante esse período, a região sofre sangrentas guerras e revoluções, envolvendo portugueses e espanhóis, em luta por poder e por esse território. Tudo indica estivesse aí um motivador para problemas de identidade nacional nas duas comunidades e rixas intermináveis entre seus habitantes. Mas, curiosamente, ao ser fundada a cidade de Rivera, os vizinhos santanenses fizeram uma petição ao governo uruguaio para que a planta da nova cidade de fosse estabelecida em continuidade de Sant Ana, como a selar as boas relações entre ambas. 6 E assim parece ser até hoje. Mas será tudo harmonia nesse cenário cujas personagens e suas contingências habitam e inevitavelmente também se desentendem? Como se dão as relações familiares, sócio-culturais, institucionais numa fronteira da paz? Em que pese a dupla 6. Cf. ALBORNOZ, V. Vera Maria L. Armour- uma aposta no Pampa. Livramento, Pallotti, p

6 nacionalidade hoje concedida pelo Brasil e pelo Uruguai aos habitantes das duas cidades (os doble-chapa ), isso significa inexistirem conflitos aduaneiros, por exemplo? Fato é que paira nessas cidades algo que atrai os forasteiros, provocando desejos de desvendá-las e de ceder a seu embrujo. 7 A começar porque têm uma característica única: a configuração urbana torna a linha divisória das cidades quase invisível, até por seu traçado irregular, confundindo os incautos. No centro do Parque Internacional, comum aos dois países, um obelisco ladeado pelas duas bandeiras nacionais é um monumento à união, longe de marco delimitador. Já aí se entende porque essa é chamada Fronteira da Paz, o que ratifica a convivência fraterna e corrobora a fácil aceitação do projeto proposto por nós. 8 Apesar de pequenas, envolve as cidades uma atmosfera cosmopolita, pois nelas habitam e por elas transitam muitos italianos, franceses, espanhóis, árabes, alemães e seus descendentes, havendo, principalmente em Rivera, acesso a jornais e livros de Montevidéu, Buenos Aires, Porto Alegre, assim como europeus, via capitais platinas. Aliás, também não se demora a constatar que nessas comunidades há especial atração pelas Letras e Artes. Encontram-se muitos homens e mulheres poetas, romancistas, artistas plásticos. E há várias gerações de jornalistas que constantemente aparecem na mídia nacional e internacional oriundos dessa fronteira. Os habitantes são bons de batepapo e, dando informações sobre sua terra, vão também revelando o falar fronteiriço, que logo se descobre ser diferente do chamado portunhol (corrente entre nativos do Brasil, Uruguai, Argentina, quando pretendem se comunicar informalmente no idioma dos vizinhos). 7 :...seducción que nace de una historia distinta - de pasado ambiguo y brumoso origen geopolíticointentando trasmitir una compleja realidad (...)desde su genética aparición, desde los siglos en que los imperios español y portugués se apoderaran de estas tierras, el enigma socio-cultural existe. Enigma no dilucidado - aunque decisivo- que determinó para siempre un tipo especial de organización humana. Al fin, la cultura y la sociedad son los pilares en que se asienta el devenir de los pueblos. Querer penetrar entonces la raíz original, complejo de situaciones concretas e influencias abstractas que se han dado en el breve lapso de algo más de un siglo, no parece posible. Pugna de intereses extranjeros, y migraciones portuguesas de espíritu ortodoxo, frenaron al comienzo los impulsos progresistas que desde el puerto de Montevideo se expandían hacia todo el espectro de la Banda Oriental. Fuerza compulsiva de cuño europeo que llegó menoscabada a la región fronteriza; y encontrando algunas resistencias lugareñas, se filtró sin embargo en haces de cultura que lentos y persistentes se fueron decantando.. MARÍN, Mirtha Garat e ALVEZ, Délia Cazarré. La mirada del tiempo.montevideo,alfh, Prefácio. Registre-se que Délia Casarré é também uma das participantes do projeto, no grupo do Club de Lectoras, que realiza belo trabalho a ser detalhado adiante. 8 A linha de fronteira, tantas vezes modificada, criou nos habitantes da região a indiferença por ela e pelos poderes nacionais que a estabeleceram. A distância 500 kms. de Porto Alegre e Montevidéu, bem como a indiferença desses centros de decisão, aproximou a população das duas cidades. O intercâmbio comercial, a acolhida dos perseguidos, o apoio aos perdedores nas lutas políticas eram aceitos como naturais, mesmo que os centros de poder chamassem essas práticas de contrabando ou acoitamento de criminosos.. ALBORNOZ, V. Id. Ibid. 6

7 Esse foi o panorama que se encontrou ao apresentar o projeto às duas comunidades, propondo-se, simultaneamente, desenvolver um trabalho conjunto para colher e divulgar dados sobre especificidades e semelhanças no modo de vida e na visão de mundo fronteiriços, contribuindo talvez para seu auto-conhecimento e para o intercâmbio de informações. E os dados colhidos, principalmente as realizações dos participantes a partir de nossas proposições, superaram em muito as expectativas. Seja pelo grau de adesão em todas as faixas etárias e em diferentes níveis sócio-econômicos e culturais, seja consistência e criatividade do material produzido por eles. Ademais, encerrada a etapa de nosso acompanhamento direto dos trabalhos, voluntariamente continuaram as realizações, envolvendo-se então a rede escolar das duas cidades. Esse quadro indica quanto se pode auxiliar os fronteiriços dessa região a abrirem frentes de crescimento efetivo, ao mesmo tempo em que se amplia e aprofunda a reflexão teórica sobre seu/nosso patrimônio cultural. Por isso importa-nos reafirmar que orientação e seriedade de propósitos, disponibilidade, motivação, no lugar e tempo propícios e sem arrogância, podem transformar uma experiência em processo integrado ao contexto em que se instaure. Acompanhando esse processo, já como observadores, percebe-se a importância de que seu curso não se burocratize. E, principalmente, que haja forasteiros por perto, pois estes têm naturalmente um distanciamento que pode provocar estranhamento e curiosidade, apontando inclusive desvãos na harmonia. Repensando nossas premissas e a hipótese de que o forasteiro teria possibilidades de desencadear um processo de conscientização da importância do patrimônio cultural na região, evidencia-se a existência, já entranhada há gerações, de um sentimento de orgulho por sua terra, suas origens, sua história. Porém um orgulho esmaecido pela situação precária que boa parte da população dessas cidades vive. Percebe-se, então, a função maior do forasteiro pesquisador: provocar o resgate de valores desmerecidos pelas circunstâncias; sem apelos saudosistas, mas metabolizados pelo cotidiano fronteiriço e pelas exigências e conflitos do mundo em que vivemos. Maria Helena Martins - junho de

8 Referências bibliográficas ALBORNOZ, V. Vera Maria L. Armour- uma aposta no Pampa. Livramento, Pallotti, p. 23. CHIAPPINI, L. Martins, M. H. e Pesavento, S. (orgs). Pampa e Cultura: de Fierro a Netto. Porto Alegre, EDURGS/CELPCYRO/LAI-FU-Berlin, MARÍN, Mirtha Garat e ALVEZ, Délia Cazarré. La mirada del tiempo.montevideo,alfh, Prefácio. MARTINS, Cyro. Campo fora/campo afuera. IEL-CELP Cyro Martins, MARTINS, Maria Helena (org. e co-autor). Fronteiras Culturais (Brasil Uruguai Argentina). São Paulo, Atelier Editorial- CELP Cyro Martins-SMC-POA, 2002 ROCCA, Pablo. In Fronteras Abiertas. 8

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul

Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO. Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul Relato de Experiência: Iniciativas Acadêmicas PRIMEIRO PASSO Elaboração de um jornal de bairro em comunidade do interior do Rio Grande do Sul PARZIANELLO, Geder Universidade Federal do Pampa RESUMO Projeto

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES

TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES TENDÊNCIAS RECENTES DOS ESTUDOS E DAS PRÁTICAS CURRICULARES Inês Barbosa de Oliveira O desafio de discutir os estudos e as práticas curriculares, sejam elas ligadas à educação de jovens e adultos ou ao

Leia mais

Ambientes Não Formais de Aprendizagem

Ambientes Não Formais de Aprendizagem Ambientes Não Formais de Aprendizagem Os Ambientes formais de aprendizagem desenvolvem-se em espaços próprios (escolas) com conteúdos e avaliação previamente determinados; Os Ambientes não formais de aprendizagem

Leia mais

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos:

INTRODUÇÃO. Sobre o Sou da Paz: Sobre os Festivais Esportivos: 1 INTRODUÇÃO Sobre o Sou da Paz: O Sou da Paz é uma organização que há mais de 10 anos trabalha para a prevenção da violência e promoção da cultura de paz no Brasil, atuando nas seguintes áreas complementares:

Leia mais

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL

PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL PRÁTICAS CORPORAIS E MANIFESTAÇÕES CULTURAIS INDÍGENAS E SUAS RELAÇÕES COM OS JOGOS DOS POVOS INDÍGENAS DO BRASIL Bruna Maria de Oliveira (¹) ; Elcione Trojan de Aguiar (2) ;Beleni Salete Grando (3) 1.Acadêmica

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO

CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO CIRANDA INFANTIL: A EDUCAÇÃO DA CRIANÇA EM MOVIMENTO ADILSON DE ANGELO Desde a sua criação, o MST assegurou na sua agenda política a luta pela educação e por uma escola mais significativa para a família

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL

CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL CENTRO BRASILEIRO DE REFERÊNCIA EM TECNOLOGIA SOCIAL INSTITUTO DE TECNOLOGIA SOCIAL Curso: Tecnologia Social e Educação: para além dos muros da escola Resumo da experiência de Avaliação do Programa "Apoio

Leia mais

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1

O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA. Élcio Aloisio FRAGOSO 1 1 O NOVO ACORDO ORTOGRÁFICO: UM EMBATE ENTRE O ATUAL E A MEMÓRIA Élcio Aloisio FRAGOSO 1 Resumo O novo acordo ortográfico já rendeu uma série de discussões sob pontos de vistas bem distintos. O acordo

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org FSM 2009: ENCONTRO SEM FRONTEIRAS AMAPÁ/SURINAME/GUIANAS TEMA: MIGRAÇÕES HUMANAS & DIREITOS HUMANOS

Leia mais

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE

PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE PROJETO TERRA CHÃO - DANÇA E ARTE 1. JUSTIFICATIVA A região do Baixo Tocantins apresenta-se na área cultural e artística, é um grande celeiro de talentos, que vem enraizado culturalmente em nosso povo,

Leia mais

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio

América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio América Latina e geopolítica crítica: contribuições para o ensino de geografia no Ensino Médio Cláudio Roberto Ribeiro Martins claudiorrmartins@gmail.com FCT/UNESP - Presidente Prudente Palavras-chave:

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Política de Línguas na América Latina 1

Política de Línguas na América Latina 1 Política de Línguas na América Latina 1 Eduardo Guimarães * Num momento como o atual, em que as relações internacionais vêm mudando rapidamente e que se caracteriza, entre outras coisas, pelo fato político

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário.

PROGRAMA ULBRASOL. Palavras-chave: assistência social, extensão, trabalho comunitário. PROGRAMA ULBRASOL Irmo Wagner RESUMO Com a intenção e o propósito de cada vez mais fomentar e solidificar a inserção da Universidade na Comunidade em que encontra-se inserida, aprimorando a construção

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO

O ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS NO FAZER PEDAGÓGICO ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE LAMBARI D OESTE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA MATOS, Alaíde Arjona de 1 OLIVEIRA, Sônia Fernandes de 2 Professora da rede municipal de ensino

Leia mais

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças

A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças A BONITEZA DO OLHAR INFANTIL NA PERSPECTIVA EMANCIPADORA: Ensinar e aprender em diálogo com os saberes das crianças PADILHA, Aparecida Arrais PMSP cidarrais@yahoo.com.br Resumo: Este artigo apresenta uma

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias

MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS. 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias MESTRADO EM MEMÓRIA SOCIAL E BENS CULTURAIS 1.1 Matriz Curricular Disciplinas obrigatórias C/H Memória Social 45 Cultura 45 Seminários de Pesquisa 45 Oficinas de Produção e Gestão Cultural 45 Orientação

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO

PROJETO DE PESQUISA MINHA CIDADE É UM MORANGO UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL CENTRO DE FILOSOFIA E EDUCAÇÃO PROJETO NOSSA ESCOLA PESQUISA SUA OPINIÃO - PÓLO RS CURSO ESCOLA E PESQUISA: UM ENCONTRO POSSÍVEL Maria Rosane Flach Rosangela Beatriz Dienstmann

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C.

Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Puerta Joven. Juventud, Cultura y Desarrollo A.C. Declaração de Princípios Quem Somos Somos uma organização não-governamental dedicada à promoção da liderança juvenil e da participação da cultura da juventude

Leia mais

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998

RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 RESOLUÇÃO CEB Nº 3, DE 26 DE JUNHO DE 1998 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio O Presidente da Câmara de Educação Básica do Conselho Nacional de Educação, de conformidade

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 17 Discurso após a cerimónia de assinatura

Leia mais

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas.

VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. VII Congresso Latino-Americano de Estudos do Trabalho. O Trabalho no Século XXI. Mudanças, Impactos e Perspectivas. GT 18 - Psicología Social Del Trabajo en América Latina: Identidades y procesos de subjetivación,

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO

PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO PROJETO CIDADÃO EM REDE: DE CONSUMIDOR A PRODUTOR DE INFORMAÇÃO SOBRE O TERRITÓRIO PLANO DE TRABALHO CONVÊNIO DE COOPERAÇÃO TECNOLÓGICA PRODEB-UFBA PRODEB/DSS Diretoria de Sistemas e Serviços UFBA/LCAD

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

Conhecendo a Fundação Vale

Conhecendo a Fundação Vale Conhecendo a Fundação Vale 1 Conhecendo a Fundação Vale 2 1 Apresentação Missão Contribuir para o desenvolvimento integrado econômico, ambiental e social dos territórios onde a Vale atua, articulando e

Leia mais

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA

Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Planejamento didático para o ensino de Surdos na perspectiva bilíngue. Vinicius Martins Flores Universidade Luterana do Brasil ULBRA Resumo: O presente trabalho apresenta uma análise, que se originou a

Leia mais

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL:

LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: LIDERANÇA NO AMBIENTE EDUCACIONAL E IDENTIDADE DA EDUCAÇÃO INFANTIL: A Primeira Etapa da Educação Básica CÉLIA REGINA B. SERRÃO EXERCÍCIO UM OLHAR UMA DADA COMPREENSÃO lócus específico trajetória profissional

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA: UM ATO DE AMOR E AFETIVIDADE Vera Lucia Conrado de Oliveira¹; Maria Zildaneide Gonzaga²; Elda Cristiane de Souza Lima³ ESCOLA SENADOR PAULO GUERRA/CABROBÓ-PE lucinhaconrado.77@gmail.com;

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância

A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR. GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância A EXTENSÃO EM MATEMÁTICA: UMA PRÁTICA DESENVOLVIDA NA COMUNIDADE ESCOLAR GT 05 Educação Matemática: tecnologias informáticas e educação à distância Nilce Fátima Scheffer - URI-Campus de Erechim/RS - snilce@uri.com.br

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS

A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS A EDUCAÇÃO, A CULTURA, O ESPORTE E O LAZER PARA OS IDOSOS Agostinho Both3 3, Carmen Lucia da Silva Marques 3,José Francisco Silva Dias 3 As instituições, em especial as educacionais, não podem se furtar

Leia mais

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de:

1. Centro para a Juventude. 199 jovens frequentaram os cursos de: Relatório Despertar 2014 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE

MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE MULHERES DA PESCA E DO CINEMA UM EXPERIMENTO CINEMATOGRÁFICO NO MUNICIPIO DE ITAPISSUMA - PE Silvana Marpoara 1, Maria do Rosário de Fátima de Andrade Leitão 2 1 Silvana Marpoara é jornalista, produtora

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP)

GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) GÍRIA, UMA ALIADA AO ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA ESTRANGEIROS Emerson Salino (PUC-SP) lpsalino@uol.com.br João Hilton (PUC/SP) RESUMO A língua sofre constantemente uma invasão de novos vocábulos que

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS

EXTENSÃO DE ESPANHOL: CONTRIBUIÇÃO NA FORMAÇÃO DOS ALUNOS, DA CIDADE DOS MENINOS 9. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXTENSÃO DE

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007)

Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO. (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Palestra: A CPLP E A EDUCAÇÃO (Escola Stuart Carvalhais - 7 de Março de 2007) Excelentíssimos membros do Conselho Directivo, excelentíssimos professores, caríssimos alunos, É com enorme satisfação que

Leia mais

1. Introdução. Página 1 de 7

1. Introdução. Página 1 de 7 O ESPAÇO DOS HOMENS PLENOS: FERNANDO SALINAS, A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA ESCOLA DE ARQUITETURA DO ISPJAE / CUBA E A PERSPECTIVA DE FORMAÇÃO OMNILATERAL Fábio Fernandes Villela, Doutor em Sociologia

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular EDUCAÇÃO AMBIENTAL E MEIO RURAL: Análise curricular Vanessa Minuzzi Bidinoto 1 Viviane Dal-Souto Frescura 2 Aline Pegoraro 3 Resumo: O presente trabalho buscou provocar reflexões sobre a importância da

Leia mais

Anexo II Termo de Referência. CONSULTOR (30 vagas) Monitores para acompanhamento de voluntários dos I Jogos Mundiais Indígenas

Anexo II Termo de Referência. CONSULTOR (30 vagas) Monitores para acompanhamento de voluntários dos I Jogos Mundiais Indígenas Anexo II Termo de Referência CONSULTOR (30 vagas) Monitores para acompanhamento de voluntários dos I Jogos Mundiais Indígenas Projeto: a consultoria será realizada no âmbito do projeto BRA/15/003 Organização

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

Palavras Chaves: Integração Multicultural, Diversidade cultural e Ações afirmativas

Palavras Chaves: Integração Multicultural, Diversidade cultural e Ações afirmativas TITULO: INTERMULT: INTEGRAÇÃO MULTICULTURAL EJE: Extensión, docencia e investigación AUTORES: Roberto Domingues Souza 1 (Coordenador da Ação) Ana Furlong Antochevis 2 ; Carolina Lopes França 3 ; REFERENCIA

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular

Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular Rádio escolar, vídeo popular e cineclube popular: um panorama sobre a atuação do Grupo de Estudos e Extensão em Comunicação e Educação Popular Djalma Ribeiro Junior Universidade Federal de São Carlos O

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL

UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL UNIVERSIDADE ABERTA À TERCEIRA IDADE: O EXERCICIO DA RESPONSABILIDADE SOCIAL (2006) Salvador Loureiro Rebelo Junior Graduando do 6º ano de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Bauru, Intercambista

Leia mais

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância

O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância O USO DE TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: A UTILIZAÇÃO DO CINEMA COMO FONTE HISTÓRICA Leandro Batista de Araujo* RESUMO: Atualmente constata-se a importância e necessidade do uso de tecnologias no trabalho escolar

Leia mais

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares

O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares O Teatro do Oprimido e suas contribuições para pensar a prática artística coletiva: Uma experiência na formação de promotoras legais populares Fabiane Tejada da Silveira Instituto de Artes e Design da

Leia mais

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br

Considerações. Acesso à Pesquisa: www.fpa.org.br/area/pesquisaidosos www.sescsp.org.br IDOSOS NO BRASIL: Vivências, Desafios e Expectativas na 3 a. Idade Pesquisa realizada pela Fundação Perseu Abramo em parceria com SESC Nacional e SESC São Paulo Considerações Para viabilizar a pesquisa

Leia mais

Projetos compartilhados

Projetos compartilhados espaço ibero-americano espacio iberoamericano Projetos compartilhados OEI inicia o Programa Arte-educação, Cultura e Cidadania e o Projeto Ibero-americano de Teatro Infantojuvenil A aprendizagem da arte

Leia mais

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001

O Mercado de Trabalho nas Atividades Culturais no Brasil, 1992-2001 1 Ministério da Cultura Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) Data de elaboração da ficha: Ago 2007 Dados das organizações: Nome: Ministério da Cultura (MinC) Endereço: Esplanada dos Ministérios,

Leia mais

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro

Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro para crianças Junto com todos os povos da Terra nós formamos uma grande família. E cada um de nós compartilha a responsabilidade pelo presente e pelo futuro bem-estar da família humana e de todo o mundo

Leia mais

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006.

Revista Especial de Educação Física Edição Digital v. 3, n. 1, novembro 2006. UM ENSAIO SOBRE A DEMOCRATIZAÇÃO DA GESTÃO NO COTIDIANO ESCOLAR: A CONEXÃO QUE FALTA. Noádia Munhoz Pereira Discente do Programa de Mestrado em Educação PPGE/FACED/UFU - noadia1@yahoo.com.br Resumo O presente

Leia mais

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira

Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Desigualdade e desempenho: uma introdução à sociologia da escola brasileira Maria Lígia de Oliveira Barbosa Belo Horizonte, MG: Argvmentvm, 2009, 272 p. Maria Lígia de Oliveira Barbosa, que há algum tempo

Leia mais

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013

Relat a óri r o Despert r ar r 2 013 Relatório Despertar 2013 2 Apoiada na crença de que é possível contribuir para o desenvolvimento humano na totalidade dos seus potenciais, a Associação Comunitária Despertar, realiza anualmente ações que

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Três exemplos de sistematização de experiências

Três exemplos de sistematização de experiências Três exemplos de sistematização de experiências Neste anexo, apresentamos alguns exemplos de propostas de sistematização. Estes exemplos não são reais; foram criados com propósitos puramente didáticos.

Leia mais

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1

A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 A Educação Musical em atividades interdisciplinares: um relato de experiência em uma oficina 1 Fernanda de Assis Oliveira 2 Universidade Federal do Rio Grande do Sul UFRGS Resumo: Este relato descreve

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - FNDE PROINFÂNCIA BAHIA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO - FACED DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS PARA A

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

FORMAÇÃO ARTÍSTICA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL

FORMAÇÃO ARTÍSTICA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL ARTIGO FORMAÇÃO ARTÍSTICA E CONSCIÊNCIA AMBIENTAL RUSCHMANN, Carla Beatriz Franco Departamento de Arte UFPR carlaruschmann@ufpr.br / Carla@ugr.es A Educação Ambiental, considerada como uma educação em

Leia mais

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa

ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa ECONOMIA SOLIDÁRIA E CIDADANIA ATIVA NAS POLÍTICAS PÚBLICAS DE BELO HORIZONTE Renata Adriana Rosa Historiadora, Especialista em Políticas Públicas, responsável, nesta gestão, pela chefia de gabinete da

Leia mais

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno

Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno A crise de representação e o espaço da mídia na política RESENHA Violência contra crianças e adolescentes: uma análise descritiva do fenômeno Rogéria Martins Socióloga e Professora do Departamento de Educação/UESC

Leia mais

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília

FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS. Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília FÓRUM MUNDIAL DE DIREITOS HUMANOS Data: 10 a 13 de Dezembro de 2013 Local: Brasília Nome do Evento: Fórum Mundial de Direitos Humanos Tema central: Diálogo e Respeito às Diferenças Objetivo: Promover um

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS

CARTA DA TERRA PARA CRIANÇAS 1 CARTA DA TERRA A Carta da Terra é uma declaração de princípios fundamentais para a construção de uma sociedade que seja justa, sustentável e pacífica. Ela diz o que devemos fazer para cuidar do mundo:

Leia mais

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA

I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA I FÓRUM DAS LICENCIATURAS UFMT/PROEG/PRODOCÊNCIA TEMA 1: CICLOS DE FORMAÇÃO HUMANA A Organização da Escola de Ensino Fundamental em Ciclos de Formação da Rede Estadual de Mato Grosso: concepções, estratégias

Leia mais

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL

ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL ACORDAR SUAVE : AÇÃO DO DESIGN E SUSTENTABILIDADE CULTURAL Geni Pereira dos Santos Mestre em Comunicação, genipereira2000@yahoo.combr Universidade Federal de Pernambuco Resumo: Este artigo discorre sobre

Leia mais

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY.

INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. INTEGRAÇÃO BINACIONAL DE ESTUDANTES DE ENFERMAGEM: A EXPERIENCIA ENTRE BRASIL E URUGUAY. Juliana Bessa Martins - Estudante de graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas, juliana.bessa@hotmail.com

Leia mais

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas.

Contribuir para a implantação de programas de gestão e de educação ambiental em comunidades e em instituições públicas e privadas. TÍTULO: EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTRATÉGIA PARA O CONHECIMENTO E A INCLUSÃO SOCIAL AUTORES: Chateaubriand, A. D.; Andrade, E. B. de; Mello, P. P. de; Roque, W. V.; Costa, R. C. da; Guimarães, E. L. e-mail:

Leia mais