XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002"

Transcrição

1 POSSÍVEIS EFEITOS DE AEROSSÓIS VULCÂNICOS NO BALANÇO RADIATIVO DA RESERVA BIOLÓGICA NACIONAL DO JARÚ NA AMAZÔNIA L.C.B. Molion - ; C.A. S. Querino - ; D.C. de Menezes - E.A.Lima H.O. da Silva - J.C.C. Borba - Departamento de Meteorologia - CCEN/UFAL ABSTRACT Incident solar and net radiation fluxes were measured above Jaru River National Biological Preserve s tropical rainforest, Rondonia, Western Amazonia, between 1991 and October 1991 to March 1992 data, when Mount Pinatubo volcanic aerosols reached maximum concentration within the 20 N-20 S belt, were compared to October 1995 to March 1996 data, when the stratosphere had returned to pre-pinatubo conditions. The first period presented 2.6 MJm -2 per day, or 30 Wm -2, reduction in the solar flux and 7% reduction of the atmospheric bulk transmissivity. CO 2 assimilation was reduced by 0.4 kgc/ha/h, equivalent to 1 million tons of carbon if generalized for the entire preserve area. INTRODUÇÃO Os vulcões explosivos apresentam erupções repentinas e violentas, descarregando grande quantidade de gases e material particulado, como dióxido de enxofre (SO 2 ) em especial, diretamente na estratosfera, entre 20 e 40 km de altitude, afetando o tempo e o clima na escala global. O SO 2 combina-se com a umidade existente na estratosfera e forma pequenas gotículas, denominadas aerossóis, que possuem refletividade de 99% e persistem por 3 a 4 anos em suspensão. Esses aerossóis aumentam o albedo planetário, reduzindo a radiação solar incidente na superfície e a energia disponível (saldo de radiação) para os processos de superfície terrestre. Em um dia de junho de 1982, após a erupção do El Chichón (México), De Luisi et al (1983) registraram um significativo decréscimo de 7,7% na radiação global, cerca de 30wm -2, em Mauna Loa (Hawai). Durante os primeiros meses após a erupção do Monte Pinatubo, que ocorreu em junho de 1991, houve aumento de 2% a 3% no albedo planetário e reduções de mais de 10 wm -2 sobre a Amazônia, de acordo com análises de dados de satélites (Minnis et al, 1993). Lacis et al (1992) estimaram uma redução de 3 Wm -2 para cada aumento de 0,1 na profundidade óptica. No caso do Monte Pinatubo, em que as concentrações mais altas ocorreram sobre a faixa tropical (20 N-20 S), com pico de concentração entre 3 S-5 S no final de 1991 e início de 1992, representariam reduções entre 15wm -2 logo após a erupção. Ë possível que o balanço de energia de florestas tropicais chuvosas, fontes de calor latente para a circulação geral da atmosfera, seja importante para determinar as configurações de tempo e que sua variabilidade interanual esteja relacionada à variabilidade do clima na escala global. Este trabalho teve o objetivo de avaliar uma possível influência de aerossóis vulcânicos, decorrentes da erupção do Monte Pinatubo, sobre o balanço de radiação na Amazônia Ocidental e dar uma contribuição para o melhor entendimento de sua variabilidade interanual. METODOLOGIA Foram utilizados os dados de fluxos de radiação global (Rg) e saldo de radiação (Rn) registrados por estações meteorológicas automáticas instaladas em um dos sítios experimentais do Projeto ABRACOS (Anglo Brazilian Amazonian Climate Observacional Study). Esse sítio está localizado na área de floresta da Reserva Biológica Nacional do Jarú, situado a S e W, a 120 m de altitude e distante 80 km a nordeste da cidade Ji-Paraná, Rondônia, Amazônia Ocidental. Foram selecionados dois períodos, um compreendido entre outubro de 1991 e março de 1992, quando os aerossóis vulcânicos estavam com concentração máxima, e um entre outubro de 1995 e março de 1996, quando a estratosfera tinha retornado às condições pré-pinatubo. Na região, a estação chuvosa se estende de outubro a abril, em média. Uma razão adicional, por terem sido escolhidos os períodos chuvosos, foi para evitar a interferência dos aerossóis e partículas troposféricos resultantes das queimadas, que são comuns na estação seca. Foram utilizados, ainda, dados de radiação solar no topo da atmosfera, calculados a partir de fórmulas convencionais com a finalidade de se calcular uma transmissividade totalizadora média para a atmosfera local, dada pela razão entre o total integrado do fluxo de radiação global médio diário e o total integrado fluxo de radiação no topo da atmosfera ou radiação extraterrestre. Dados de radiação de onda longa emergente 2842

2 (ROL), obtidos do CPC/NCEP/NOAA, foram usados para verificar a possível interferência dos aerossóis no efeitoestufa, bem como variabilidade da cobertura de nuvens e precipitação entre os dois períodos. Foram feitas correlações lineares entre Rg e Rn nos dois períodos, onde Rg foi tomada como variável independente, com o objetivo de se estabelecerem relações lineares entre Rn e Rg que possam ser utilizadas para análise de dados e preenchimentos de falhas e verificar se haveria diferença significativa entre os dois períodos e concordância com valores obtidos por outros pesquisadores. A assimilação de CO 2 através da fotossíntese da vegetação, ou a taxa de troca líquida de CO 2 entre o ecossistema e a atmosfera (TLE), é função da radiação solar incidente, se água não for fator limitante e a copa do ecossistema for bem desenvolvida. Uma redução do fluxo de radiação implica numa redução da TLE e, conseqüentemente, da produtividade primária do ecossistema. Fan et al (1990) estimaram que a TLE do ecossistema da Reserva Florestal Ducke, INPA/MCT, Manaus, Amazonas, em função da radiação solar incidente (S ), seria dada por TLE = c 1 + c 2 S /(c 3 +S ) (1) onde c 1 = 4,1 (±1)kgC/ha/h, c 2 = -18.4(±3.8)kgC/ha/h e c 3 = 411(±1)Wm -2 com r 2 =0,90. Essa equação foi obtida através do método de ajuste pelos mínimos quadrados. Um ajuste linear aos dados produziu a equação TLE = 2,2 0,015 S (2) com r 2 =0,86 e unidades em kgc/ha/h. A equação (2) foi utilizada para calcular a variação da TLE neste estudo. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na Figura 1 foi apresentada a variabilidade média horária da radiação global (Rg) e do saldo de radiação (Rn) ao longo do dia, ou seja, seu ciclo diário, durante o período de outubro de 1991 a março de A Figura 2 é semelhante, só que para o período outubro de 1995 a março de 1996, quando a atmosfera já tinha retornado às condições pré-pinatubo. Foi feita a comparação entre os ciclos diários de Rg e Rn para os dois períodos estudados, que foram apresentados nas Figuras 3 e 4. Observa-se nitidamente, na Figura 3, que a curva de Rg, para o período 1991/92, foi inferior a do período 1995/96 em valores absolutos em todos os horários, com uma diferença média diária de 30 Wm -2 aproximadamente. A integração, ao longo do dia, dos valores médios horários resultou num total de 17,13 MJm -2 para 1991/92 enquanto a de 1995/96 apresentou um total diário médio de 19,72 MJm -2., ou seja, o primeiro período, em que havia a presença do aerossóis vulcânicos na estratosfera, registrou um total integrado médio de radiação solar incidente 15% inferior ao período pós-pinatubo. A integração do saldo de radiação (Rn) resultou nos valores médios diários de 12,46 MJm -2 e 14,35 MJm -2 para 1991/92 e 1995/96, respectivamente. Embora a diferença, em valores absolutos, entre os dois períodos seja significativa (1,9 MJm -2 ), a razão Rn/Rg surpreendentemente permaneceu constante e igual 73%. O mesmo percentual de 73% para dois períodos distintos sugere que o saldo de radiação seja controlado primeiramente pelas características da superfície e condições da camada limite superficial e que guarde uma relação linear com a radiação global. A transmissividade totalizadora média foi calculada através do quociente entre o total diário integrado médio da radiação global observada pelo total integrado de radiação extraterrestre, estimado com formulação convencional. Admitindo-se que o fluxo de radiação solar extraterrestre não tenha variado entre os dois períodos, foram encontrados valores para a transmissividade média de 46,7% e 53,8% para 1991/92 e 1995/96, respectivamente. Os valores de 1995/96 concordaram com os valores relatados por Shuttleworth et al (1984) e Molion (1987) para a Reserva Florestal Ducke. Porém, o período de influência dos aerossóis do Pinatubo apresentou uma transmissividade média cerca de 7% inferior a do período em que os aerossóis já não se faziam presentes. As correlações entre os pares de valores observados de Rn e Rg, feitas para cada período independentemente, não apresentou diferença significativa entre as duas relações lineares obtidas. Para o período 1991/92, obteve-se com r 2 = 0,98. E, para 1995/96 Rn = 0,76Rg 13,6 (3) 2843

3 Rn = 0,77Rg 16,9 (4) com r 2 = 0,96. Uma inspeção da radiação de onda longa emitida para o espaço exterior (ROL), utilizando dados do CPC/NCEP/NOAA, aparentemente não apresentou diferença significativa entre os dois períodos, com valores de 198 Wm -2 para 1991/92 e 203 Wm -2 para 1995/96. A diferença de 5Wm -2 está dentro da acurácia radiométrica dos sensores a bordo de satélites. Isso significa que o adicional de energia disponível durante 1995/96, igual a 1,9 MJm -2, pode ter sido utilizado para outros processos, como evapotranspiração por exemplo, o que corresponderia a um total diário de 1,5 mm dia -1. Não se pode concluir se os aerossóis vulcânicos interferiram diretamente na perda de ondas longas ou no efeito-estufa. A taxa de troca líquida de CO 2 entre o ecossistema e a atmosfera (TLE), calculada com a equação (2), resultou na absorção de 0,77 kgc/ha/h para 1992/93 e de 1,22 kgc/ha/h para 1995/96, ou seja, uma redução de absorção de 0,45 kgc/ha/h em 1992/93, o que corresponderia a 3,9 tonc/ha/ano. Essa taxa, generalizada para toda a Reserva Biológica Nacional do Rio Jarú com uma área de ha, representaria uma perda de produtividade primária equivalente à assimilação de 1 milhão tonc no ano. CONCLUSÃO O período outubro de 1991 a março de 1992, em que os aerossóis da erupção do vulcão Monte Pinatubo estiveram presentes na estratosfera, registrou uma redução do fluxo médio integrado de radiação global de 2,6 MJm -2 quando comparado com o do período outubro de 1995 a março de 1996, quando a estratosfera estava limpa. Surpreendentemente, a razão Rn/Rg permaneceu constante e igual a 73% nos dois períodos, sugerindo que Rn seja controlado primeiramente pelas características da superfície e pelas condições da camada limite superficial. O primeiro período foi dominado por um evento El Niño fraco, enquanto foi registrado um La Niña fraco durante o segundo período. Anos de El Niño, em princípio, são anos mais secos e de atmosfera mais transparente na Amazônia enquanto anos de La Niña são mais úmidos e com maior cobertura de nuvens. Era de se esperar, portanto, que se registrasse um excesso de radiação global durante o primeiro período comparado com o segundo. No entanto, ocorreu o inverso, com o primeiro período registrando um fluxo total médio integrado 15% inferior, devido à influência dos aerossóis do Pinatubo presentes na estratosfera. Os fluxos de radiação de onda longa emitida para o espaço exterior (ROLE) não apresentaram diferença significativa entre os dois períodos, mostrando a complexidade do efeito-estufa sobre a região de floresta tropical chuvosa. Foi observado que a média troposfera ficou mais fria cerca de 0,8 C durante o período de atuação dos aerossóis. Tal redução de temperatura corresponde a cerca de 5 Wm -2, o que concorda com a diferença de fluxo observada entre os dois períodos. No entanto, como a atmosfera estava mais seca e mais transparente às ondas longas, esperava-se um fluxo de ROLE maior que os 198 Wm -2 registrados. Por outro lado, com um fluxo maior de radiação global na superfície, esperar-se-ia que suas temperaturas fossem maiores e que o fluxo de ROLE fosse correspondentemente maior, o que não ocorreu. É possível que, ou o efeito-estufa tenha sido mais intenso durante o segundo período devido ao aumento de umidade, ou o excesso de radiação global registrado tenha sido utilizado como outra forma de energia, como calor latente de evaporação por exemplo, que tende a resfriar a superfície em questão e reduzir o fluxo de onda longa. Um estudo mais detalhado seria necessário para se determinar a possível influência de aerossóis vulcânicos na perda de onda longa para o espaço exterior e no efeito-estufa. Este estudo, porém, não deixou dúvidas que os aerossóis vulcânicos reduziram, de forma significativa, a radiação global e o saldo de radiação na superfície de uma floresta tropical chuvosa e que tal redução possa causar impactos na produtividade primária e no comportamento dos ecossistemas associados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DE LUISI, J.J., E.G.DUTTON, K.L. COULSON, T.E. DEFOUR e B.G. MENDONCA. On some radiative features of El Chichón volcanic stratospheric dust cloud and a cloud of unknwon origin observed at Mauna Loa, J. Geophys. Res. 88: , FAN, S.M, WOFSY,S.S., BAKWIN,P.S., JACOB, D.J. FITZJARRALD,D.R. Atmosphere-Biosphere exchange of CO 2 and O 3 in the Central Amazon Forest, J. of Geophys. Res. vol 95 (D10): ,

4 LACIS, AA, J.E.HANSEN e M. SATO. Climate forcing by stratospheric aerosols, Geophys. Res. Lett 19: , MOLION, L.C.B. Micrometeorology of an Amazonian rainforest, in: The Geophysiology of Amazonia, R.E. Dickinson (ed) p , John Wiley and Sons, New York., MOLION, L.C.B.. Global impacts of Amazonia deforestation, Revista Geofisica 42:89-101, Instituto Panamericano de Geografia e Historia, México, DF, MINNIS, P., E.F.Harrison, L.L. Stowe, G.G.Gibson, F.M. Denn, D.R. Doelling e W.L.Smith Jr.. Radiative climate forcing by Mount Pinatubo eruption, Science 259: , SHUTTLEWORTH, W.J., J.H.C. Gash, C.R.Lloyd, C.J. Moore, J. Roberts, A. O. Marques Filho, G.Fisch, V.P.Silva Filho, M.N.G. Ribeiro, L.C.B Molion, L.D A. Sá, C.A Nobre, O.M.R Cabral S.R. Patel e J.C. Moraes. Observations of radiation exchange above and below Amazonian forest, Quart. J.R.Met.Soc. 110: , Reserva Jaru 1991/92 Rg Rn Reserva Jaru 1995/96 Rg Rn Fluxo de Radiaç ão Figura 1: Ciclo diário médio da radiação global (Rg) e saldo de radiação (Rn) no período de outubro de 1991 a março Fluxos em Wm -2. Figura 2: Ciclo diário da radiação global (Rg) e saldo de radiação (Rn) no período de outubro de 1995 a março de Fluxos em Wm

5 Gráfico Rg (191/921 95/96) 80 Rg 91/92 Rg 95/96 Gráfico Rn (1991/ /96) 60 Rn 91/92 Rn 95/ Figura 3. Ciclo diário da radiação global (Rg), em Wm -2, do período 1991/92 e a de 1995/96.. Figura 4. Ciclo diário do Saldo de Radiação (Rn), em Wm -2, de 91/92 e Saldo de Radiação 95/ Regressão Linear Rn verso Rg (91/92) Rn = 0,76Rg - 13,7 R = 0, Regressão Linear Rn verso Rg (95/96) Rn = 0,77Rg - 16,9 R = 0, Rg (W/m²) Figura 5. Correlação entre os fluxos do saldo de radiação e da radiação global para o período 1991/ Rg (W/m²) Figura 6.. Correlação entre os fluxos do saldo de radiação e da radiação global para o período 1995/

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS

CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CARACTERIZAÇÃO DOS FLUXOS DE ENERGIA NOS ECOSSISTEMAS DE FLORESTA TROPICAL, FLORESTA DE TRANSIÇÃO E PASTAGEM PELO MODELO DE BIOSFERA TERRESTRE IBIS CHARACTERIZATION OF ENERGY FLUX IN TROPICAL FOREST, TRANSITION

Leia mais

Fenômenos e mudanças climáticos

Fenômenos e mudanças climáticos Fenômenos e mudanças climáticos A maioria dos fenômenos climáticos acontecem na TROPOSFERA. Camada inferior da atmosfera que vai do nível do mar até cerca de 10 a 15 quilômetros de altitude. Nuvens, poluição,

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE

COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE COMPARAÇÃO ENTRE OS PERFIS DE RADIAÇÃO SOLAR DENTRO DE AMBIENTE DE FLORESTA PARA DIAS COM DIFERENTES COBERTURAS DE NEBULOSIDADE Rildo Gonçalves de Moura, rildo@cptec.inpe.br Antônio Ocimar Manzi, manzi@cptec.inpe.br

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO? Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas

AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO? Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO? Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas SUMÁRIO EXECUTIVO DO IPCC PAINEL INTERGOVERNAMENTAL DE MUDANÇAS

Leia mais

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA

VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA VARIABILIDADE MÉDIA MENSAL DE VARÁVEIS METEOROLÓGICAS EM CAXIUANÃ, ÁREA DE FLORESTA TROPICAL DA AMAZÔNIA José de Paulo Rocha da Costa 1 & Renata Silva de Loureiro 2. 1 Prof. Adjunto. Departamento de Meteorologia.

Leia mais

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Climatologia GEOGRAFIA DAVI PAULINO Efeito no clima sobre fatores socioeconômicos Agricultura População Diversidade global de climas Motivação! O Clima Fenômeno da atmosfera em si: chuvas, descargas elétricas,

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL PARA O MUNICÍPIO DE CAROLINA-MA Dagolberto Calazans Araujo Pereira Engenheiro Agrônomo UEMA dagolberto@altavista.net Ronaldo Haroldo N. de Menezes Professor CCA/UEMA/NEMRH.

Leia mais

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta

Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Análise da variação da camada de ozônio sobre o território brasileiro e seu impacto sobre os níveis de radiação ultravioleta Gabriela Junqueira da Silva¹, Marcelo de Paula Corrêa¹, Ana Paula Figueiredo¹

Leia mais

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira.

Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Sazonalidade da temperatura do ar e radiação solar global em cidades de diferentes portes na Amazônia Brasileira. Ingrid Monteiro Peixoto de Souza 1, Antonio Carlos Lôla da Costa 1, João de Athaydes Silva

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO. Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas

AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO. Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas AQUECIMENTO GLOBAL: NATURAL OU ANTROPOGÊNICO Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas ESTABILIDADE CLIMÁTICA CONTROLES CLIMÁTICOS EFEITO-ESTUFA ESTUFA

Leia mais

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio

Atmosfera e o Clima. Clique Professor. Ensino Médio Atmosfera e o Clima A primeira camada da atmosfera a partir do solo é a troposfera varia entre 10 e 20 km. É nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos. Aquecimento da atmosfera O albedo terrestre

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 22 VARIAÇÃO HORÁRIA DE CONCENTRAÇÃO E FLUXOS DE DIÓXIDO DE CARBONO NO MANGUEZAL: UM ESTUDO DE CASO Vanda Mª.Sales de Andrade, Antonio Carlos

Leia mais

Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART

Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART Radiação Solar Refletida por Diferentes Tipos de Superfície: Simulação com o Código Radiativo SBDART AMNE SAMPAIO FREDÓ 1 e JAIDETE MONTEIRO DE SOUZA 2 1,2 Universidade do Estado do Amazonas, Escola Superior

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL, EL NIÑOS, MANCHAS SOLARES, VULCÕES E OSCILAÇÃO DECADAL DO PACÍFICO

AQUECIMENTO GLOBAL, EL NIÑOS, MANCHAS SOLARES, VULCÕES E OSCILAÇÃO DECADAL DO PACÍFICO AQUECIMENTO GLOBAL, EL NIÑOS, MANCHAS SOLARES, VULCÕES E OSCILAÇÃO DECADAL DO PACÍFICO Luiz Carlos Baldicero Molion Departamento de Meteorologia, UFAL - AL molion@radar.ufal.br ABSTRACT Conjectures were

Leia mais

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho

Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura. Umidade do ar. Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Universidade Federal do Piauí Mestrado em Agronomia Clima e Agricultura Umidade do ar Francisco Edinaldo Pinto Mousinho Teresina, março-2010 Umidade do ar A água é a única substância que ocorre nas três

Leia mais

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1

A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 A EXPANSÃO URBANA E A EVOLUÇÃO DO MICROLIMA DE MANAUS Diego Oliveira de Souza 1, Regina Célia dos Santos Alvalá 1 1 Centro de Ciências do Sistema Terrestre. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. São

Leia mais

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹

MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ MODELOS DE ESTIMATIVA DO SALDO HORÁRIO DE RADIAÇÃO (Rn) PARA PIRACICABA, SP¹ Verona O. Montone²; Paulo C. Sentelhas³ ¹ Projeto financiado pela Fapesp ² Graduanda USP/ESALQ Eng. Agronômica, veronamontone@hotmail.com

Leia mais

Introdução a Oceanografia GEO232

Introdução a Oceanografia GEO232 Introdução a Oceanografia GEO232 Módulo 3 Oceanografia Física Aula 2 Interação Oceano-Atmosfera 1º semestre 2007 Carlos Lentini cadlentini@gmail.com Escalas típicas: Atmosfera e Oceano Fluídos geofísicos:

Leia mais

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013

CLIMATOLOGIA. Profª Margarida Barros. Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA Profª Margarida Barros Geografia - 2013 CLIMATOLOGIA RAMO DA GEOGRAFIA QUE ESTUDA O CLIMA Sucessão habitual de TEMPOS Ação momentânea da troposfera em um determinado lugar e período. ELEMENTOS

Leia mais

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos

A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos A atmosfera terrestre, a precipitação e respectivos factores geográficos 1. Estrutura da atmosfera 1. Estrutura da atmosfera 2. Composição química Dióxido de carbono D i ó x i d o Árgon Outros gases Oxigénio

Leia mais

Mudança do clima e acordos internacionais

Mudança do clima e acordos internacionais Mudança do clima e acordos internacionais FIESC Rodrigo F. Gatti Florianópolis, SC Setembro 2011 Mudanças Climáticas Clima X Tempo Ambos compreendem as varáveis que descrevem o estado da atmosfera: - temperatura;

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA CONCEITOS INICIAIS. Professor: Emerson Galvani UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I CONCEITOS INICIAIS Professor: Emerson Galvani Atuação do Geógrafo Climatologista: Ensino, pesquisa e profissional

Leia mais

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br.

Por. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, INPE CP 515, 12201-970, São José dos Campso, SP, Brasil. E-Mail: casseb@met.inpe.br. Aplicação do Método das Variáveis Conservativas no Estudo da Estrutura da Camada Limite Amazônica. Por Alexandre M. Casseb do Carmo, Sergio H. Franchito e V. Brahamananda Rao Instituto Nacional de Pesquisas

Leia mais

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo)

ART-01/12. COMO CALCULAMOS A EVAPOTRANSPIRAÇÃO DE REFERÊNCIA (ETo) Os métodos de estimativa da evapotranspiração estão divididos em métodos diretos, por meio do balanço de água no solo e pelos métodos indiretos, por meio do uso de dados meteorológicos. Os métodos diretos

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais

Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas

Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas MUDANÇAS CLIMÁTICAS & RECURSOS HÍDRICOS 6 ENCONTRO DE SUINOCULTORES - ACRISMAT SORRISO (MT), 22 DE MAIO DE 2010 Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal de Alagoas

Leia mais

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002

XII Congresso Brasileiro de Meteorologia, Foz de Iguaçu-PR, 2002 PARTIÇÃO DOS COMPONENTES DA RADIAÇÃO SOLAR, NA RESERVA FLORESTAL DE CAXIUANÃ-PA 1 Jesus, J.A.A.; 2 Costa, A.C.L.; 2 Ribeiro, J.B.M; 1 Campos, C.R.J. 1 UFPel / Faculdade de Meteorologia CEP: 96010-900-Pelotas-RS

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA

AQUECIMENTO GLOBAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA AQUECIMENTO GLOBAL: UMA ANÁLISE CRÍTICA Luiz Carlos Baldicero Molion Departamento de Meteorologia/CCEN/UFAL Cidade Universitária - 57.072-970 - Maceió, Alagoas ABSTRACT: The global warming hypothesis is

Leia mais

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes

Clima e Formação Vegetal. O clima e seus fatores interferentes Clima e Formação Vegetal O clima e seus fatores interferentes O aquecimento desigual da Terra A Circulação atmosférica global (transferência de calor, por ventos, entre as diferentes zonas térmicas do

Leia mais

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS

VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Abstract: VARIAÇÃO TEMPORAL DAS ONDAS DE CALOR NA CIDADE DE PELOTAS-RS Bruno Zanetti Ribeiro 1 André Becker Nunes² 1 Faculdade de Meteorologia, Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Campus Universitário

Leia mais

CHUVAS NA AMAZÔNIA DURANTE O SÉCULO XX Elen M.C.Cutrim Department of Geography, Western Michigan University Kalamazoo, MI. Email: cutrim@wmich.

CHUVAS NA AMAZÔNIA DURANTE O SÉCULO XX Elen M.C.Cutrim Department of Geography, Western Michigan University Kalamazoo, MI. Email: cutrim@wmich. CHUVAS NA AMAZÔNIA DURANTE O SÉCULO XX Elen M.C.Cutrim Department of Geography, Western Michigan University Kalamazoo, MI. Email: cutrim@wmich.edu Luiz Carlos B. Molion Departamento de Meteorologia CCEN/UFAL

Leia mais

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL

O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL O DESMATAMENTO, A MUDANÇA A CLIMÁTICA E O EQUILIBRIO ECOLÓGICO REGIONAL Carlos Nobre, Gilvan Sampaio, Luis Salazar CPTEC/INPE A PROBLEMÁTICA DO DESMATAMENTO NA AMAZÔNIA LEGAL E SEU PAPEL NAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS

DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS DISTRIBUIÇÃO DOS VALORES MÉDIOS ANUAIS DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL, PARA A CIDADE DE PELOTAS/RS VIRGINIA PICCININI SILVEIRA e-mail : virginia@ufpel.tche.br CLAUDIA GUIMARÃES CAMARGO e-mail : camargo@ufpel.tche.br

Leia mais

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global

A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global A mudança climática: Kyoto e cenários de aquecimento global Pedro M A Miranda www.cgul.ul.pt Contribuições Projecto CLIMAAT (E B Azevedo) Projecto SIAM (M A Valente, A Tomé, R Trigo, M F Coelho, A Aguiar,

Leia mais

VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA

VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA VARIABILIDADE, ANOMALIA E MUDANÇA CLIMÁTICA 1. INTRODUÇÃO Profs. Luiz Roberto Angelocci e Paulo César Sentelhas Material didático da disciplina LCE306 -Meteorologia Agrícola - Turmas 1,4,5 e 6 Departamento.

Leia mais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais

Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS Efeito estufa e mudanças climáticas regionais MARIA ASSUNÇÃO FAUS DA SILVA DIAS é professora do Departamento de Ciências Atmosféricas do Instituto de Astronomia, Geofísica

Leia mais

A Floresta em Transição

A Floresta em Transição A Floresta em Transição Alessandro C. de Araújo, PhD Pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental Coordenador do Grupo de Micrometeorologia do Programa LBA Sumário Projeto LBA Artigo The Amazon basin in transition

Leia mais

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO

MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO MODELAGEM DE TROCA LÍQUIDA DE CARBONO NO ECOSSISTEMA PELO SOFTWARE SITE EM FLORESTA DE TRANSIÇÃO AMAZÔNIA CERRADO PINHEIRO, M. 1 ; VILANI, M. T. 2 ; ALVES, L. S. 3 ; ANDRADE, N. L. R. 4 ; ALVES, M. C.

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL: MITO OU REALIDADE

AQUECIMENTO GLOBAL: MITO OU REALIDADE AQUECIMENTO GLOBAL: MITO OU REALIDADE 3ª SEMANA DE GEO MÁTICA COLÉGIO POLITÉCNICO UFSM SANTA MARIA (RS), SETEMBRO DE 2010 Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas Universidade Federal

Leia mais

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA

VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA VALORES DE INSOLAÇÃO, MEDIDOS EM RIO BRANCO - AC, COMO CONTRIBUIÇÃO PARA O ATLAS SOLARIMÉTRICO DA AMAZÔNIA 1 Alejandro Fonseca Duarte, 2 Francisco E. Alves dos Santos, 3 Eduardo E. Vieira Guedes, 4 Abdom

Leia mais

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE

LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE LIGAÇÃO ENTRE O EL NIÑO E POSSÍVEIS PROCESSOS DE DESERTIFICAÇÃO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE José Ivaldo Barbosa de Brito (1); Ioneide Alves de Souza; José Oribe Rocha Aragão (1) Departamento de Ciências

Leia mais

Mega-Cidades. K. M. Longo, S. R. Freitas. http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente

Mega-Cidades. K. M. Longo, S. R. Freitas. http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente Qualidade do Ar e Mudanças Climáticas na América do Sul: da Escala Regional para Mega-Cidades K. M. Longo, S. R. Freitas http://www.cptec.inpe.br/meio_ambiente Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos

Leia mais

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN

ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN ESTIMATIVA DA RADIAÇÃO SOLAR GLOBAL EM SERRA NEGRA DO NORTE/RN Carlos Magno de Souza Barbosa 1, Arthur Mattos & Antônio Marozzi Righetto 3 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo a determinação

Leia mais

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho²

ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE QUEIMADAS, AEROSSÓIS ATMOSFÉRICOS E PRECIPITAÇÃO Nathália Velloso Prado 1, Simone Sievert da Costa Coelho² 1 UNESP/PIBIC-INPE- nathalia.prado@cptec.inpe.br, 2 CPTEC/INPE - Cachoeira

Leia mais

Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil

Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil Seasonal variations in the evapotranspiration of a transitional tropical forest of Mato Grosso, Brazil www.caliandradocerrado.com.br Vourlitis, G. L.; Priante Filho N.; Hayashi M. M. S.; Nogueira J. S.;

Leia mais

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL

VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL VARIABILIDADE DE ÍNDICES DE PRECIPITAÇÃO E TEMPERATURA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL Santos, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (1) ; Correia, D. S. () ; Oliveira, V.G. (3) ; Brito, J.I.B. () dariscorreia@gmail.com (1)

Leia mais

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC

Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC Mudança do clima: Principais conclusões do 5º Relatório do IPCC ILIDIA DA ASCENÇÃO GARRIDO MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento

Leia mais

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE

Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Variação Temporal de Elementos Meteorológicos no Município de Pesqueira-PE Diogo Francisco Borba Rodrigues¹; Abelardo Antônio de Assunção Montenegro²; Tatiana Patrícia Nascimento da Silva³ & Ana Paula

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

Nuvens e o Aerossol Atmosférico. Leonardo Baptista

Nuvens e o Aerossol Atmosférico. Leonardo Baptista Nuvens e o Aerossol Atmosférico Leonardo Baptista Estrutura da atmosfera Massa da atmosfera (ar seco): 5,13 1018 kg Qual a composição da atmosfera? Composição da atmosfera Nitrogênio: 78,084% Oxigênio:

Leia mais

PRECIPITAÇÃO EFETIVA E INTERCEPTAÇÃO PELA VEGETAÇÃO NA FLORESTA NACIONAL DE CAXIUANÃ NA AMAZÔNIA ORIENTAL 1.

PRECIPITAÇÃO EFETIVA E INTERCEPTAÇÃO PELA VEGETAÇÃO NA FLORESTA NACIONAL DE CAXIUANÃ NA AMAZÔNIA ORIENTAL 1. PRECIPITAÇÃO EFETIVA E INTERCEPTAÇÃO PELA VEGETAÇÃO NA FLORESTA NACIONAL DE CAXIUANÃ NA AMAZÔNIA ORIENTAL 1. Leidiane Leão de Oliveira 2, Francisco de Assis S. de Sousa 2b, Antonio Carlos Lola da Costa

Leia mais

Elementos Climáticos CLIMA

Elementos Climáticos CLIMA CLIMA Elementos Climáticos O entendimento e a caracterização do clima de um lugar dependem do estudo do comportamento do tempo durante pelo menos 30 anos: das variações da temperatura e da umidade, do

Leia mais

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA

ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA ANÁLISE DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR EM ÁREA DE MANGUEZAL NA REGIÃO BRAGANTINA-PA Vanda Maria Sales de Andrade Antônio Carlos Lôla da Costa Universidade Federal do Pará Rua Augusto Corrêa nº 01, Bairro

Leia mais

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava:

DATA: 17/11/2015. 2. (ENEM) Discutindo sobre a intensificação do efeito estufa, Francisco Mendonça afirmava: EXERCÍCIOS REVISÃO QUÍMICA AMBIENTAL (EFEITO ESTUFA, DESTRUIÇÃO DA CAMADA DE OZÔNIO E CHUVA ÁCIDA) e EQUILÍBRIO QUÍMICO DATA: 17/11/2015 PROF. ANA 1. Na década de 70, alguns cientistas descobriram quais

Leia mais

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ

EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ EMPREGO DE MODELAGEM NUMÉRICA PARA ESTIMATIVA DE RADIAÇÃO SOLAR NO ESTADO DO CEARÁ Francisco José Lopes de Lima 1,2, Fernando Ramos Martins 1, Jerfferson Souza, 1 Enio Bueno Pereira 1 1 Instituto Nacional

Leia mais

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%)

Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) O CLIMA MUNDIAL E BRASILEIRO A Atmosfera Composição da atmosfera; Nitrogênio (78%); Oxigênio (21%); Outros Gases (1%) As camadas da atmosfera: Troposfera; Estratosfera; Mesosfera; Ionosfera; Exosfera.

Leia mais

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL

CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL CAPÍTULO 13 OS CLIMAS DO E DO MUNDOBRASIL 1.0. Clima no Mundo A grande diversidade verificada na conjugação dos fatores climáticos pela superfície do planeta dá origem a vários tipos de clima. Os principais

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA

PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Geografia Disciplina: Climatologia Carga Horária: 60h/a (teórica e prática) Semestre: 2013.2 Professor: Lucas Costa de Souza Cavalcanti Obrigatória: (X)

Leia mais

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA

BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO PROCESSO DE INGRESSO NA UPE Sistema Seriado de Avaliação CADERNO DE PROVA - 2ºDIA BIOLOGIA QUÍMICA HISTÓRIA GEOGRAFIA SOCIOLOGIA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO Não deixe

Leia mais

SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA.

SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA. SIMULAÇÃO DO EFEITO DO DESMATAMENTO NO CLIMA SOBRE ÁREAS DE TRANSIÇÃO NOS CERRADOS E AMAZÔNIA. Fabio C.Cabral 1, Humberto R. Rocha 2, Edmilson D. Freitas 3 RESUMO: Este trabalho verifica as mudanças ocorridas

Leia mais

Geografia - Clima e formações vegetais

Geografia - Clima e formações vegetais Geografia - Clima e formações vegetais O MEIO NATURAL Clima e formações vegetais 1. Estado do tempo e clima O que é a atmosfera? A atmosfera é a camada gasosa que envolve a Terra e permite a manutenção

Leia mais

Causas da mudança do clima

Causas da mudança do clima Sumário Balanço radiativo O ciclo do carbono e os GEE GEE não compreendidos pelo ciclo do carbono Emissão de aerossóis Mudança do albedo planetário Incidência solar e vulcanismo O Balanço radiativo da

Leia mais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais

2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais 2 Caracterização climática da região Amazônica 2.1. Caracterização da chuva em climas tropicais e equatoriais Para uma maior precisão na modelagem da atenuação provocada pela precipitação no sinal radioelétrico,

Leia mais

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre.

OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. OS CLIMAS DO BRASIL Clima é o conjunto de variações do tempo de um determinado local da superfície terrestre. Os fenômenos meteorológicos ocorridos em um instante ou em um dia são relativos ao tempo atmosférico.

Leia mais

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE

CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE CAPÍTULO 2 A ATMOSFERA TERRESTRE 1.0. O Universo O Universo que pode ser observado pelo homem abrange milhões e milhões de quilômetros. Dentro desse Universo existem incontáveis galáxias, destacando-se

Leia mais

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP

PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP PERDAS RADIATIVAS E TAXA DE RESFRIAMENTO NOTURNO NA CIDADE DE SÃO PAULO SP Emerson Galvani 1, Nadia G. B. de Lima 2 Resumo: No presente trabalho avaliou-se a taxa de resfriamento noturno e sua relação

Leia mais

Materiais e Métodos Resultados e Discussões

Materiais e Métodos Resultados e Discussões Sistema de Informações Meteorológicas e Imagens de Satelites - SIMSAT Wagner de A. Bezerra¹; Ivanete M. D. Ledo¹; Josefa Morgana Viturino de Almeida¹; Maria G. R. De Oliveira²; Kleber R. da P. Ataide¹

Leia mais

Radiação solar disponível

Radiação solar disponível Universidade do Vale do Rio dos Sinos UNISINOS Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Radiação solar disponível 2 º. semestre, 2015 Radiação solar disponível na superfície terrestre: Medidas

Leia mais

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL

INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL INFLUÊNCIA DO OCEANO PACÍFICO NA PRECIPITAÇÃO DA AMAZÔNIA OCIDENTAL Correia, D.C. (1) ; Medeiros, R.M. (2) ; Oliveira, V.G. (3) ; Correia, D. S. (4) ; Brito, J.I.B. (5) dariscorreia@gmail.com (1) Mestranda

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Classificações climáticas

Classificações climáticas Classificações climáticas Glauber Lopes Mariano Departamento de Meteorologia Universidade Federal de Pelotas E-mail: glauber.mariano@ufpel.edu.br glaubermariano@gmail.com O clima do Brasil pode ser classificado

Leia mais

Helber Custódio de Freitas Humberto Ribeiro da Rocha

Helber Custódio de Freitas Humberto Ribeiro da Rocha VARIABILIDADE SAZONAL DO FLUXO DE CO 2 DO SOLO SOBRE FLORESTA TROPICAL E PASTAGEM EM RONDÔNIA Helber Custódio de Freitas Humberto Ribeiro da Rocha Departamento de Ciências Atmosféricas, Instituto Astronômico

Leia mais

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima

Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Módulo 1 A Ciência da Mudança do Clima Gás Porcentagem Partes por Milhão Nitrogênio 78,08 780.000,0 Oxigênio 20,95 209.460,0 Argônio 0,93 9.340,0 Dióxido de carbono 0,0379 379,0 Neônio 0,0018 18,0 Hélio

Leia mais

Luiz Carlos Baldicero Molion 1 RESUMO

Luiz Carlos Baldicero Molion 1 RESUMO ISSN: 1980-055X AQUECIMENTO GLOBAL: UMA VISÃO CRÍTICA Luiz Carlos Baldicero Molion 1 RESUMO Nos últimos 150 anos, a temperatura média global aumentou em cerca de 0,7 C. Esse aumento está sendo atribuído

Leia mais

Luis Carlos B. Molion*¹ Mitos do aquecimento global

Luis Carlos B. Molion*¹ Mitos do aquecimento global Luis Carlos B. Molion*¹ Mitos do aquecimento global *¹ Luis Carlos Baldicero Molion, PhD em meteorologia pela Universidade de Wisconsin, professor do Instituto de Ciências Atmosféricas da UFAL. 48 Aquecimento

Leia mais

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS

RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS 1 RESOLUÇÕES E COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES ( ) I Unidade ( ) II Unidade ( x ) III Unidade FÍSICA E GEOGRAFIA Curso: Ensino Fundamental Ano: 1.º Turma: ABCDEFG Data: / / 11 009 Física Profs. 1. Resolução I

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÊNICO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÊNICO CONSIDERAÇÕES SOBRE O AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÊNICO Luiz Carlos Baldicero Molion Instituto de Ciências Atmosféricas, Universidade Federal de Alagoas Cidade Universitária - 57.072-970 Maceió, Alagoas

Leia mais

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves²

O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² O COMPORTAMENTO DA TEMPERATURA E UMIDADE DO AR NA ÁREA URBANA DE IPORÁ-GO. Valdir Specian¹, Elis Dener Lima Alves² ¹Professor do Curso de Geografia da UnU Iporá. - UEG ² Bolsista PBIC/UEG, Acadêmico do

Leia mais

Objetivos. Compreender o planeta como um sistema aberto. Definir clima e seu mecanismo de funcionamento

Objetivos. Compreender o planeta como um sistema aberto. Definir clima e seu mecanismo de funcionamento Introdução 1. A visão sistêmica do planeta 2. O sistema clima 3. Variações climáticas de longa duração (Ciclos de Milankovitch) 4. A questão das mudanças climáticas (o elemento antrópico) 5. A era antropocênica

Leia mais

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa

Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Variabilidade Temporal das Formigas e suas relações com a baixa Atmosfera na Flona de Caixuanã-pa Sérgio Rodrigo Quadros dos Santos 1, Maria Isabel Vitorino² e Ana Y. Harada 3 Aluno de graduação em Meteorologia

Leia mais

ANÁLISE DA INTERAÇÃO ENTRE A TAXA DE NEBULOSIDADE E OS INDICIES DE RADIAÇÃO EM UMA CULTURA DE MANGA: UM ESTUDO PRELIMINAR.

ANÁLISE DA INTERAÇÃO ENTRE A TAXA DE NEBULOSIDADE E OS INDICIES DE RADIAÇÃO EM UMA CULTURA DE MANGA: UM ESTUDO PRELIMINAR. ANÁLISE DA INTERAÇÃO ENTRE A TAXA DE NEBULOSIDADE E OS INDICIES DE RADIAÇÃO EM UMA CULTURA DE MANGA: UM ESTUDO PRELIMINAR. Angélica Silvia Oliveira 1 Meteorologista da Fundação Cearense de Meteorologia

Leia mais

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares

AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS. João Paulo Nardin Tavares AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS João Paulo Nardin Tavares INTRODUÇÃO Já podemos sentir o aquecimento global No último relatório do IPCC (Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, órgão

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ

CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ CLASSIFICAÇÃO E INDÍCIO DE MUDANÇA CLIMÁTICA EM ITAPERUNA - RJ Mônica Carneiro Alves Xavier (1); Célia Maria Paiva; Gisele dos Santos Alves (1) Aluna do curso de graduação em Meteorologia - UFRJ e-mail:

Leia mais

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil.

Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 2 GEOGRAFIA Unidade I Geografia física mundial e do Brasil. 1.1 Conteúdos: Apresentação do Plano didático pedagógico; A Dinâmica Climática da Atmosfera. 3 1.1 Habilidade: Identificar a diferença entre

Leia mais

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado

Projeto Facilita. Queiroz foi levado para o Pinel porque estaria muito exaltado O começo deste verão é o mais abrasador dos últimos 11 anos no Rio Grande do Sul. As médias de temperatura máxima oscilam entre 28 C e 34 C nas diferentes regiões do Estado, chegando a alcançar três graus

Leia mais

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução

4. Medição de Irradiância. 4.1 Introdução Apostila da Disciplina Meteorologia Física II ACA 0326, p. 40 4. Medição de Irradiância 4.1 Introdução Das grandezas radiométricas definidas no capítulo 1, os instrumentos convencionais utilizados em estudos

Leia mais

BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de

BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de BALANÇO DE ENERGIA NA AMAZÔNIA: A IMPORTÂNCIA DO ARMAZENAMENTO DE ENERGIA Luiz Augusto Toledo Machado Centro Técnico Aeroespacial-Instituto de Aeronáutica e Espaço-Divisão de Ciências Atmosféricas CTA/IAE/ACA

Leia mais

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET

UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET UMA ANÀLISE COMPARATIVA DE DADOS METEOROLÓGICOS OBSERVADOS EM ESTAÇÕES AUTOMÁTICAS E CONVENCIONAIS DO INMET L. Tomás A. de Mello 1, Lauro T. G. Fortes 1, Paulo S. Lucio 1, Francisco de P. Manhaes 1, Edmundo

Leia mais

Resumo. Abstract. 1. Introdução

Resumo. Abstract. 1. Introdução Contribuições da Região Amazônica e do Oceano Atlântico nas chuvas intensas de Janeiro de 2004 sobre a Região Nordeste do Brasil Raimundo Jaildo dos Anjos Instituto Nacional de Meteorologia raimundo.anjos@inmet.gov.br

Leia mais

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES

O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O MUNDO QUE VIVEMOS CAPITULO 1 DO VIANELLO E ALVES METEOROLOGIA BÁSICA E APLICAÇÕES O SOL E O SISTEMA SOLAR SE ENCONTRA NA VIA-LÁCTEA SIMPLES GRAUM DE AREIA ENTRE AS INCONTAVEIS GALÁXIAS DO UNIVERSO VISÍVEL

Leia mais

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto

Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR. Josefa Eliane Santana de Siqueira Pinto Aula3 RADIAÇÃO E TRANSMISSÃO DE CALOR META Apresentar alguns fenômenos radioativos como fontes de energia do sistema atmosférico e as formas de transmissão de calor, para que o aluno compreenda a instabilidade

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Prof: Franco Augusto

Prof: Franco Augusto Prof: Franco Augusto Efeito de latitude A forma esférica da Terra, faz os raios solares chegarem com intensidades variadas nas diversas porções do planeta. Nas áreas próximas à linha do Equador, com baixas

Leia mais

Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo Moraes. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS

Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo Moraes. Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS COMPARAÇÃO ENTRE OBSERVAÇÕES DE TEMPERATURA E UMIDADE DE UMA REDE DE ESTAÇÕES EM SUPERFÍCIE E DADOS DE REANÁLISE NA REGIÃO DE CONFLUÊNCIA DOS RIOS TAPAJÓS E AMAZONAS Pablo Oliveira, Otávio Acevedo, Osvaldo

Leia mais

BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREA DE PASTAGEM NA AMAZÔNIA ABSTRACT

BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREA DE PASTAGEM NA AMAZÔNIA ABSTRACT BALANÇO DE RADIAÇÃO EM ÁREA DE PASTAGEM NA AMAZÔNIA José Alexandre da Costa Galvão WSI Brasil Ltda Tv. Ubirassanga, 46, Campo Belo, São Paulo, SP, 04614-050 e-mail: alex_galvao@bol.com.br Gilberto Fisch

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

Controle Primário rio do tempo e do clima

Controle Primário rio do tempo e do clima Controle Primário rio do tempo e do clima Condução entre corpos em contato físico direto. Transferência de energia entre as moléculas Convecção Somente ocorre em líquidos e gases. Transferência de calor

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Precipitações. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Precipitações Professora: Mayara Moraes Água da atmosfera que atinge a superfície na forma de chuva, granizo, neve, orvalho, neblina ou geada

Leia mais