UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Deployment DO BEEFS CARLA DE ARAUJO SOUZA ESTAGIÁRIA RAQUEL VIGOLVINO LOPES ORIENTADORA ACADÊMICA JONHNNY WESLLEY SUPERVISOR TÉCNICO CAMPINA GRANDE, PARAÍBA, BRASIL c CARLA DE A. SOUZA, DEZEMBRO DE 2009

2

3 2 DEPLOYMENT DO OURFS Aprovado em BANCA EXAMINADORA Prof a. Dr a. Raquel Vigolvino Lopes ORIENTADORA ACADÊMICA Prof. Dr. Francisco Vilar Brasileiro MEMBRO DA BANCA Prof a. Dr a. Joseana Macêdo Fechine MEMBRO DA BANCA

4

5 Resumo O deployment de um sistema computacional envolve configurá-lo para ser usado num ambiente operacional, e essa etapa deve ser feita de forma sistemática, especialmente em sistemas computacionais distribuídos. O BeeFS é um sistema de arquivos distribuído, cujo as atividades de deployment foram realizadas durante esse estágio. Essas atividades foram: criação de pacotes de instalação do BeeFS, instalação de um repositório de pacotes e a instalação do gerenciador de configuração Puppet. Como resultado foram identificados 6 bugs, 3 tasks e 2 features foram sugeridas. Além do deployment, para uma comparação de performance em relação a outros sistemas de arquivos, foi necessário a modificação de um software que monitora e registra as operações em sistemas de arquivos, adicionando a duração e o momento no qual ocorreram.

6

7 Sumário 1 Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Sistema de Arquivos BeeFS Sistemas de gerenciamento de pacotes Objetivos de um sistema de gerenciamento de pacotes Definição de pacote Advanced Packaging Tool (APT) Repositórios e Sistemas de Gerenciamento de Pacotes Repositório Reprepro Gerenciamento de configuração Puppet Tracers Atividades Realizadas Monitores de sistema de arquivos TraceFS

8 SUMÁRIO LoggedFS Modificações necessárias Problemas identificados Gerenciamento de pacotes Instalação do repositorio Reprepro Criação dos pacotes Primeira versão do pacote Arquivos de instalação do pacote Scripts de auxílio à instalação do BeeFS Instalação Segunda versão do pacote Pacote beefs-honeybee Pacote beefs-common Pacote beefs-honeycomb Pacote beefs-queenbee Instalação Tasks, Features e Bugs identificadas Bugs Tasks e Features Instalação do Puppet Instalação Configuração Consideração Finais Atividades futuras

9 SUMÁRIO 5 A Plano de Estágio i B Scripts x B.1 Postinst x B.2 Preinst xiv B.3 Postrm xv B.4 Prerm xvi

10 Lista de Siglas e Abreviaturas APT Advanced Packaging Tool CPAN Comprehensive Perl Archive Network (Rede de Repositórios Perl) EELA E-science grid facility for Europe and Latin America EXT3 Third Extended File System EXT4 Fourth Extended File System GPLv2 GNU General Public License Version 2 IANA LFS LSD NFS Internet Assigned Numbers Authority Linux File System Laboratório de Sistemas Distribuídos Network File System POSIX Portable Operating System Interface YUM Yellowdog Updater, Modified 6

11 Lista de Figuras 2.1 Arquitetura do BeeFS Seleção de serviços do BeeFS Seleção de serviços do BeeFS Tela para inserir o IP ou nome do servidor BeeFS Tela para inserir a quantidade de espaço que deseja compartilhar Tela para inserir a pasta que armazenará os arquivos brutos Tela para inserir o diretório que montará o BeeFS

12

13 Capítulo 1 Introdução O BeeFS é um sistema de arquivos distribuído para uso corporativo desenvolvido por alunos de graduação e pós-graduação do Laboratório de Sistemas Distribuídos, que tem como propósito utilizar o espaço não utilizado das máquinas pertencentes a uma empresa para criar um espaço de armazenamento distribuído. Por exemplo, com a centralização dos arquivos pessoais dos funcionários de uma empresa usando NFS, o espaço que esses arquivos ocuparia nas máquinas dos funcionários torna-se subutilizado. O BeeFS é capaz de agregar um espaço de armazenamento de forma muito mais econômica que servidores dedicados de armazenamento. Por ser um sistema distribuído, a realização de sua instalação de forma sistemática é essencial para um bom funcionamento do sistema. O deployment de um sistema consiste em uma das etapas finais do desenvolvimento de um sistema (15), e envolve configurar o software para ser usado num ambiente operacional, instalando-o em computadores e depois configurando essa instalação para esses computadores específicos. Nessa etapa do processo de desenvolvimento, falhas podem acidentalmente ser introduzidas por meio de configurações, especialmente em sistemas distribuídos. Logo, boas práticas de gerenciamento podem previnir problemas durante o deployment e configuração do sistema. As etapas de configuração e deployment são geralmente atribuídas a administradores de sistemas. Essa atividade demanda tanto conhecimento específico quanto tempo. Para isso, é preciso a participação de uma pessoa com um conhecimento mais profundo para realização do deployment do sistema. 9

14 1.1 Objetivos 10 Um bom deployment evite problemas de configuração e permite uma fácil instalação, adaptação ao sistema e atualização do aplicativo. o BeeFS é uma ferramenta que, com o fácil acesso/instalação em qualquer desktop, o sistema é capaz de trabalhar com mais espaço disponível, e permite ao usuário fazer uso deste poder de armazenamento. Com o objetivo de realizar o deployment da aplicação, este relatório está divido nas seções em Fundamentação teórica e Tecnologias Utilizadas, com conceitos e softwares durante o estágio, Atividades realizadas, descrevendo todas as atividades desenvolvidas e finalmente as considerações finais. 1.1 Objetivos Realizando o deployment do sistema e configurando os ambientes necessários para execução das atividades que fazem parte do desenvolvimento do BeeFS, o principal objetivo desse trabalho é fornecer um apoio especializado ao desenvolvimento do BeeFS. Como objetivos específicos espera-se: Instalar o BeeFS e gerar um relatório da atividade de instalação, relatando a ocorrência de possíveis problemas; Analisar métodos para realização de tesets de performance, utilizando um ambiente real de trabalho; Configurar os ambientes necessários para realização do deployment; Realizar pesquisas para possíveis soluções de problemas que venham a aparecer por parte da equipe de desenvolvimento do BeeFS.

15 Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo possui uma breve introdução sobre alguns softwares utilizados e conceitos abordados no estágio. Primeiro é definido o conceito de sistema de arquivo e uma breve explicação sobre o BeeFS, software o qual deu origem a esse estágio. A gerência de pacotes para ambientes GNU/Linux é descrita em seguida e finalmente é feita uma introdução aos programas utilizados no decorrer do estágio. 2.1 Sistema de Arquivos Sistema de arquivos é um sistema computacional para armazenamento e organização de arquivos de computador e a informação contida neles, de forma que torne fácil de achá-los e acessá-los. Sistemas de arquivos podem utilizar um dispositivo de armazenamento como disco rígido ou mídias externas o que envolve a manuntenção da localização física dos arquivos (16). Algumas implementações de sistemas de arquivos provê acessos via rede como no NFS (5) e CODA (2), ou podem ser virtuais e existirem apenas como um método de acesso a informações virtuais, como o procfs (14). Sistemas de arquivos tradicionais organizam os dados de forma hierarquica, atribuindo nomes aos arquivos e cada arquivo possui metadados. O nome tem como objetivo permitir a identificação do arquivo pelo usuário, bem como a localização dos dados na mídia física ou virtual, de acordo com o sistema de arquivos. Em alguns sistemas de arquivos, os nomes dos arquivos possuem uma sintaxe especial como extensões e número de versões, como o NilFS, um sistema de arquivo estruturado em log no qual dados novos são gravados no 11

16 2.2 BeeFS 12 início do log enquanto dados antigos ainda existem, tornando possível a recuperação de dados em versões passadas (12). Cada arquivo possui um metadado associado. O tamanho da informação contida no arquivo, a quantidade e a localização de blocos alocados para o arquivo, dono, grupo e tempo de criação, bem como permissões de acesso são exemplos de informações contida em seu metadados. A maioria das implementações de sistemas de arquivos oferecem facilidade de iteração com a informação armazenada como operações de criação, mover a localização e apagar arquivos e diretórios. 2.2 BeeFS BeeFS é um sistema de arquivo distribuído para uso corporativo que une o espaço disponível em computadores desktop. Por explorar a infraestrutura já existente que encontra-se subutilizada, BeeFS é capaz de construir uma área de armazenamento de uma forma mais econômica do que servidores dedicados para tal uso (1). Uma das principais características do BeeFS é sua escalabilidade: por não possuir uma máquina centralizada que processaria todos as requisições do sistema de arquivos e o espaço agregado pode facilmente ser incrementado por meio da adição de novas máquina, desde que o sistema operacional instalado no desktop implemente a interface POSIX. BeeFS é baseado numa arquitura híbrida que mistura características das arquiteturas ponto-a-ponto e cliente-servidor. Composto por 3 componentes distintos, os arquivos e seus metadados são armazenados por componentes separados. QueenBee Este componente é instalado de forma centralizada, com o objetivo de armazenar os metadados dos arquivos e é responsável pelo serviço persistência dos metadados e localização dos arquivos; HoneyComb Componente de armazenamento dos dados que armazena colaborativamente os arquivos nas máquinas pertencentes à rede corporativa. Os dados são replicados entre os HoneyCombs instalados na rede para diminuir o impacto de um possível desligamento dos computadores;

17 2.3 Sistemas de gerenciamento de pacotes 13 HoneyBee Esse componente disponibiliza o acesso aos arquivos armazenados no sistema de arquivos BeeFS. Uma instalação típica do BeeFS consiste em apenas uma QueenBee e vários Honey- Combs acessados pelas HoneyBees como é mostrado na Figura 2.1. Figura 2.1: Arquitetura do BeeFS 2.3 Sistemas de gerenciamento de pacotes Um sistema de gerenciamento de pacotes é uma coleção de ferramentas que automatizam o processo de instalação, atualização, configuração e remoção de pacotes de software de um computador. Distribuições de GNU/Linux e outros sistemas operacionais Unix-like tipicamente consistem em centenas ou até milhares de pacotes de software distintos Objetivos de um sistema de gerenciamento de pacotes Sistemas de gerenciamento de pacotes possuem a responsabilidade de organizar todos os pacotes instalados no sistema e também de manter sua usabilidade. Algumas funções adicionais estão presentes apenas em alguns sistemas de gereciamente de pacotes. Tipicamente, as funções de um sistema de gerenciamente de softwares são:

18 2.3 Sistemas de gerenciamento de pacotes 14 Agrupar pacotes de acordo com a função, para melhor entendimento do usuário; Verificar arquivos checksums para assegurar corretude e completude dos pacotes; Verificar assinaturas digitais que autenticam a origem do pacote; Atualizar o software com a última versão, geralmente disponível por meio de um repositório de software; Gerenciar dependências para assegurar que a instalação do pacote é feita juntamente com todos os requisitos Definição de pacote Há duas maneiras de se instalar um software no Linux. A primeira é a partir do código fonte, quando uma sequência de três comandos costuma se repetir sempre: #./configure # make # sudo make install Esta alternativa é complicada, pois o usuário tem que simular o sistema que o desenvolvedor possuía na sua máquina quando criou o programa, o que inclui compiladores, bibliotecas e, geralmente, outros softwares do qual o novo depende. A segunda forma consiste em baixar e instalar um pacote, que nada mais é que um arquivo que contém, entre outras coisas: o código fonte compilado. Tipicamente, um pacote possui os seguintes tipos de arquivos: Bibliotecas; Arquivos de configuração; Páginas de manual; Metadados, por exemplo: versão do software, descrição, autor; Licença de uso;

19 2.4 Repositórios e Sistemas de Gerenciamento de Pacotes 15 Histórico de mudanças (changelogs) ocorridas do software. Cada pacote possui uma hierarquia de arquivos armazenada de forma compactada. Quando o mesmo é instalado, descompacta-se esta estrutura no sistema de arquivos do sistema operacional, tornando-se pronto para uso. Alguns pacotes permitem que o usuário ajuste certas configurações após a instalação de forma iterativa. Os gerenciadores de pacotes provem uma interface amigável para as etapas de instalação, atualização e remorção. Alguns gerenciadores de pacotes permitem que softwares possam ser instalados clicando-se no instalador do programa que na verdade executa o gerenciador de pacotes passando os parâmetros para instalar aquele software específico Advanced Packaging Tool (APT) O APT foi usado, a princípio, na distribuição Debian e suas derivadas. Pode ser definido como uma biblioteca de rotinas que age como uma interface de iteração com o dpkg, software que é a base do gerenciamento de pacotes no Debian, responsável por instalar, desinstalar e atualizar pacotes.deb. O APT extende as funções do dpkg, dentre as quais se destaca a resolução de dependências. Apesar do APT ter origens no Debian, ser usado com pacotes.deb e se manter fiel a esta linha ao longo do seu período de existência, ele pode ser usado com outros formatos de pacotes (.rpm) e outros sistemas como OpenSolaris, Ubuntu GNU/Linux e OS X (9). 2.4 Repositórios e Sistemas de Gerenciamento de Pacotes Um repositório de software consiste num local de armazenamento do qual pacotes de aplicativos estão disponíveis para download. Várias organizações mantem servidores na internet com este propósito, um serviço disponibilizado gratuitamente e sem necessidade de cadastro. Repositórios podem servir apenas pacotes particulares, ou para um sistema operacional inteiro, como o CPAN para a linguagem de programação Perl, como a distribuição GNU/Linux Ubuntu.

20 2.5 Gerenciamento de configuração 16 Como repositórios de software são destinados a incluir pacotes mantidos por empresas e organizações, a maioria dos repositórios são conhecidos como livres de malware. Se um computador é configurado para usar apenas repositórios digitalmente assinados de um fornecedor com boa reputação, isso reduz significamente a infecção do sistema com malwares. Como efeito colateral, a maioria desses sistemas podem permanecer livre de malware mesmo sem a instalação de um programa anti-virus. A maioria das distribuições GNU/Linux possuem espelhos de seus repositórios principais instalados em várias partes do planeta para aumentar a disponibilidade e descentralizar a distirbuição dos softwares Repositório Reprepro Reprepro é uma ferramenta para gerar o repositório que armazena pacotes Debian (.dsc,.deb e.udeb). Um repositório APT consiste em 2 partes: um lista descrevendo o que está disponível e onde está o pacote binário Debian (.deb), instalador binário (.deb), e o código fonte (arquivos com extensão.dsc e.tar.gz ou.orig.tar.gz e.diff.gz) para que ferramentas como APT saibam quais os pacotes disponíveis e como obtê-los. Reprepro gerencia as versões dos pacotes mantendo apenas a versão mais atual. Os arquivos são armazenados utilizando o Berkley DB 1, logo não é necessário a instalação de sistema de banco de dados. 2.5 Gerenciamento de configuração Para realizar a configuração da instalação do BeeFS em máquinas, o uso de uma ferramenta de gerenciamento de configuração centraliza e torna o gerenciamento mais prático e escalável, diminuindo o risco de existir uma configuração inadequada Puppet Puppet é um framework voltado para gerenciar de forma eficiente a infraestrutura de um data center. Reduz quantidade de erros de configuração e de downtime, economizando 1 Oracle Berkeley DB é um banco de dados embarcado transacional open source que permite aos desenvolvedores incorporar em suas aplicações.

21 2.6 Tracers 17 horas de trabalho e provendo uma melhor qualidade de serviço. Puppet permite que administradores de sistemas gastem menos tempo em tarefas técnicas e repetitivas como as atividades administrativas (adicionar usuários, instalar pacotes, atualizar configurações, etc.) independente da quantidade de sistemas, usando o mesmo código, mesmo que as máquinas possuam sistemas operacionais diferentes (6). Por meio de uma linguagem declarativa, é possível descrever a configuração de sistemas; definir versões e pacotes de softwares que devem ser instalados, atualizados ou removidos; assegurar permissões de arquivos, iniciar serviços; realizar cópias de backup de arquivos; entre outros. Com a utilização do Puppet, a instalação do BeeFS pode ser definida numa máquina centralizada servidor do Puppet, e o próprio sistema se encarrega de realizar as especificações de instalação nas máquinas desejadas, no nosso caso as máquinas do Laboratório de Sistemas Distribuídos. 2.6 Tracers Traces de arquivos de sistemas tem sido utilizados por anos para analizar o comportamento de usuários e softwares, contribuindo para avanços nas tecnologias de armazenamento e sistemas de arquivos. Geralmente, a captura desses traces é feita de forma específica e com apenas as informações desejadas pelo seu desenvolvedor, que diminui sua reusabilidade: eles perdem informações consideradas vitais para outros usuários usarem e não pode facilmente ser distribuídos por questões legais de privacidade. Outras formas de trace (nível de bloco, nível NFS, nível de chamada de sistema) todos contém uma ou mais deficiências, limitando sua utilidade para estudos mais amplos (8). Traces de sistemas de arquivos tem sido utilizado no passado para analisar padrões de acesso aos arquivos pelos usuários e performance de software. Estudos utilizando esses logs ajudaram a comunidade a manter manuntenção aos softwares e hardwares em desenvolvimento (10, 11, 13). Além da utilização de traces para estudos de performances (10), existem dois outros usos: análise de segurança do software e debugging. Primeiro, monitoramento de sistema de arquivo é útil para segurança e auditoria. Análise das operações em sistema de arquivos

22 2.6 Tracers 18 podem ajudar a detectar intrusos a partir da filtragem de acessos por usuários, processos ou programas. Segundo, traces são úteis para debuging de sistemas de arquivos, auxiliando a localizar possíveis bugs e pontos de falha. Um software capaz de monitorar todas operações de um sistema de arquivos e que possui instalação sem requisitar modificações no sistema de arquivos a ser monitorado são particularmente mais adequandos para realização da depuração por não alterar o comportamento do sistema a ser analisado.

23 Capítulo 3 Atividades Realizadas De acordo com o andamento do estágio, uma atividade não prevista surgiu, que foi a instalação do software Puppet. As outras atividades foram estudar uma forma de obter traces de operações de um sistema de arquivo e a realização do deployment do BeeFS. 3.1 Monitores de sistema de arquivos Uma das formas de realizar uma comparação de desempenho do BeeFS em relação a outros sistemas de arquivos distribuídos, como o NFS, é saber o tempo que leva a execução de cada operação no sistema de arquivo, como gravar ou ler um arquivo. Para tal comparação, a obtenção de um log registrando: o tempo de duração das operações, o momento no qual ocorreram e as informações peculiares de cada operação era necessário, e para isso, foi feita uma busca por softwares dessa natureza. Foram analisados dois programas: TraceFS e Loggedfs TraceFS TraceFS é um aplicativo que comporta-se como uma fina camada utilizada para gerar traces de sistemas de arquivos. TraceFS é capaz de ser configurado dinamicamente para capturar qualquer número de eventos no sistema de arquivo por nome de arquivo ou extensão, dono, grupo, processo, quantos acessos por dia, entre outras informações. 19

24 3.1 Monitores de sistema de arquivos 20 As informações capturadas pelo TraceFS são concebidas para ser auto-explicativas e sucintas. Ele é capaz de, apartir de seus logs, realizar a replicação das operações registradas nos traces, tornando-se um diferencial dentre os softwares de monitoramente de sistema de arquivos. Implementado em 2004, utilizando a linguagem de programação C e distribuído sob a licença GPLv2, teve a última release no dia 12 de outubro de Desde então, o código não sofreu atualização e as funções utilizadas providas pelo kernel linux foram modificadas ou removidas. Para atender aos requisitos de contabilizar o tempo da execução das operações e o momento de início de cada uma das operações, era necessário modificar parte do codigo do TraceFS, mas atualmente não é possível compilar seu código. Apesar disso, tentativas de modificação foram realizadas, mas sem sucesso. Logo, o uso do TraceFS para monitorar as operações em sistemas de arquivos foi descartado LoggedFS LoggedFS é um sistema de arquivos implementado utilizando FUSE 1 o qual permite gravar toda operação que acontece no backend de um sistema de arquivos. LoggedFS possui um aquivo de configuração XML o qual o usuário pode escolher exatamente o que deseja gravar por meio de filtros. Esses filtros podem conter especificações de operações realizadas apenas por determinados usuários, operações (open, read, write, chown, chmod, etc.), nomes dos arquivos e código de retorno de execução entre outros. Os filtros de nomes de arquivos são feitos utilizando expressões regulares. LoggedFS apenas envia a mensagem para o gerenciador de logs syslog quando chamado pelo FUSE e depois permite que o real sistema de arquivos prossiga com a operação. Monitorando todas operações em um sistema de arquivos e de fácil instalação, o LoggedFS faz quase o que era desejado. Entretanto, também era necessário registrar a duração dos tempos de execução e o momento no qual ocorreu cada operação. A implementação do LoggedFS vem sido mantida, o que viabilizou as mudanças para 1 API para implementação de sistemas de arquivos em espaço de usuário

25 3.1 Monitores de sistema de arquivos 21 capturar todas informações necessárias Modificações necessárias Toda operação capturada é armazenada contendo: o momento em que ocorreu, a linha do código que registrou a operação, o tipo de operação, a pasta onde ocorreu a operação, se a execução foi terminada com sucesso ou falha, seguido do identificador e nome do processo e o usuário que o executou. Para maior detalhes sobre a operação, foi adicionado no código do LoggedFS instruções que registram o timestamp 2 de inicio e fim de cada operação. Com esses valores foi possível calcular o tempo total de operação medido, medido em milisegundos, o qual é gravado no log. Esse log, antes da modificação, era gerado da seguinte forma: 06:39:25 (src/loggedfs.cpp:155) statfs /local/ {SUCCESS} [ pid = 2990 /usr/sbin/snmpd uid = 115 ] Após a modifição, a mesma operação foi armazenada assim: 06:39:25 (src/loggedfs.cpp:155) statfs /local/ {SUCCESS} [ pid = 2990 /usr/sbin/snmpd uid = 115 ] Onde a diferença pode ser notada por 2 números adicionais: que representa o timestamp da operação e que significa a duração da operação, medida em milisegundos. Para uma maior quantidade de log gerado para futura análise, o executável de inicialização do LoggedFS foi modificado para monitorar todos os sistemas de arquivo disponíveis da máquina a ser monitorada. Utilizando os computadores do LSD, os sistemas de arquivos monitorados foram EXT3, EXT4 e NFS. 2 Número inteiro que representa a contagem de segundos iniciado em 19 de janeiro de 1970

26 3.2 Gerenciamento de pacotes Problemas identificados Por fazer uso tecnologia FUSE, o qual requer permissão de super usuário (root) para sua inicialização, a utilização do LoggedFS para monitorar um sistema de arquivo NFS, foi necessária desativar a flag no_root_squash, o que permite que super usuários remotos possam modificar o sistema de arquivos. A desativação dessa opção não é recomendada por motivos de segurança e privacidade. Logo, a pasta correspondente ao diretório pessoal dos usuários não foi monitorada. Atualmente, a instalação do LoggedFS está em fase de avaliação, com apenas 5 máquinas do Laboratório de Sistemas Distribuídos, pois após a modificação, a execução do LoggedFS é interrompida após a ocorrência de uma falha de segmentação, bloqueando o acesso ao sistema de arquivo monitorado. 3.2 Gerenciamento de pacotes O BeeFS possuia uma instalação sem auxílio além do tutorial presente em sua página: para sua execução era necessário apenas de descompactar o software, inserir as informações em seu arquivo de configuração e iniciar o serviço. Porém, ao realizar esse procedimento em várias máquinas repetidamente, foi notado que o uso de um gerenciador de pacotes seria muito mais prático e contribuiria com a disseminação o software pela comunidade. Pensando nisso que foi sugerido o uso de gerenciador de pacotes APT para prover o BeeFS à comunidade. O sistema de gerenciamento APT foi escolhido dentre os existentes pois o ambiente no qual se realizaria o deploy, era em sua maioria, eram computadores com o sistema operacional Ubuntu GNU/Linux e Debian GNU/Linux, os quais fazem uso do gerenciador APT. Além disso, o APT provê uma gerência de versão de pacotes e resolução de dependências do software, facilitando a realização do deploy da aplicação BeeFS Instalação do repositorio Reprepro Para a funcionalidade de repositório, foi utilizado o software reprepro (conhecido também como mirroer) para prover esse serviço. Ele é distribuido com uma licença GPLv2. Além

27 3.2 Gerenciamento de pacotes 23 de disponibilizar o pacote, repositórios de softwares são usados para prover segurança e confiabilidade para seus usuários, por possuir assinatura digital, o que garante que os pacotes ali armazenados não estão corrompidos ou adulterados. Futuramente esse repositório será utilizado para distribuir pacotes de instalação de outros sistemas criado, como o OurGrid, constriído pelo LSD. Utilizamos uma máquina com o sistema operacional Debian GNU/Linux instalado para efetuar a instalação do Reprepro. De acordo com a Linux File System (LFS), que define regras de localização de arquivos de acordo com o uso dentro do sistema operacional (3), a pasta de armazenamento de arquivos mutáveis disponíveis por um servidor HTTP ficam preferencialmente localizados na pasta /var/. Logo, nela foi criado uma pasta na qual todo o repositório foi instalado. O nome da pasta escolhida foi apt, simbolizando que o repositório é compatível com APT. A pasta foi criada, juntamente com a pasta de configuração que deve ser chamada conf, de acordo com as regras do reprepro. # mkdir -p /var/www/apt # mkdir /var/www/apt/conf A pasta conf deve possuir o arquivo de configuração que define as características do repositório. Esses dados ficam descritos dentro do arquivo chamado distributions, no qual podem ser definidos os seguites parâmetros: origem, label, suite, apelido do repositório, arquitetura suportada pelos softwares disponibilizados por ele, componentes e descrição. Com essas opções, o arquivo de configuração criado foi: Origin: LSD Label: unstable Suite: unstable Codename: unstable Architectures: i386 amd64 all Components: main non-free contrib Description: LSD-UFCG Software repository Feito isso, o repositório está instalado e provendo pacotes classificados como unstable. Outras suites de repositórios podem ser adicionadas ao arquivo de configuração, de acordo

28 3.3 Criação dos pacotes 24 com a necessidade du usuário. No momento existe apenas a suite unstable pois o pacote BeeFS não está com a implementação definitivamente estável. Após a instalação do repositório, para armazenar e prover um pacote à comunidade, é necessario importar os pacotes que deseja-se distribuir. A importação de um pacote pode ser feita da seguinte forma: reprepro includedeb unstable beefs-common_0.1-beta_all.deb Caso o pacote importado já exista no repositório, e a versão existente seja anterior a que se está adicionando, o pacote é substituido. Caso contrário, é dada uma mensagem de erro informando que a importação não foi concluída. A remoção de um pacote do repositório pode ser realizada especificando o nome do pacote e qual suite ele pertence. beefs-common, o comando fica: Utilizando o exemplo da importação do pacote reprepro remove beefs-common unstable Por fim, foi configurado um servidor HTTP (por meio da instalação do pacote apache2) para prover o acesso ao repositório. O servidor HTTP foi configurado para prover acesso ao repositório por meio do endereço 3.3 Criação dos pacotes Para criação do pacote, foi necessário um estudo sobre como é a organização de um pacote Debian (.deb) e realização do mapeamento dos atuais arquivos de instalação do BeeFS de acordo com a convenção Linux File System (LFS) (3). Toda essa atividade pode ser claramente dividida em 2 fases: primeira e segunda versão de pacote do BeeFS. A primeira versão foi visando um aprimoramento e automização da instalação do BeeFS, e a segunda versão foi uma evolução da versão anterior, com o objetivo de separar os componentes do BeeFS.

29 3.3 Criação dos pacotes Primeira versão do pacote Utilizando a convenção definida pela LFS os arquivos presentes no software BeeFS foram relocalizados e sua organização de arquivos ficou da seguinte forma: a pasta /etc possui os arquivos de configuração necessários para a inicalização do BeeFS. Na pasta /usr/lib/beefs, está armazenado as bibliotecas e a implementação do BeeFS. Em /usr/sbin/ existe links simbólicos para os executáveis do software. No diretório /var/lib/beefs é armazenado os arquivos criados pelo BeeFS, que corresponde a informações sobre os arquivos armazenados e sobre seus metadados. Por fim, os logs gerados são armazenados na pasta /var/log/beefs Arquivos de instalação do pacote Um pacote Debian possui, além do software o qual deseja-se instalar, que identificam o pacote e executam operações adicionais de instalação, como parar o serviço antes de uma inicialização ou mudar permissões e usuários de arquivos do software. Esses arquivos seguem a convenção descrita no Guia do Novo Mantenedor Debian (4) que são: conffiles Arquivo que contém a lista de arquivos de configuração do software; control Arquivo contendo a descrição do pacote; copyright Licença de distribuição do BeeFS; debian-binary Contém a versão do pacote (2.0); postinst Script executado após a extração do pacote; preinst Script executado antes da extração do pacote; postrm Script executado após a remorção do pacote; prerm Script executado antes da remorção do pacote; templates Arquivo contendo as perguntas e opções utilizadas na iteratividade com o usuário durante a pós-instalação do pacote. Dentre esses arquivos, o único o qual a existência é obrigatória é o arquivo control. Define uma descrição completa sobre o pacote para que o repositório no qual ele está

30 3.3 Criação dos pacotes 26 armazenado, tenha conhecimento de seu nome e versão, entre outras informações. No pacote construído do BeeFS, o conteúdo desse arquivo control é: Package: beefs Priority: optional Version: Architecture: all Installed-size: 2252 Maintainer: Jonhnny Weslley, Thiago Emmanuel and Alexandro Soares Section: utils Depends: fuse-utils (>=2.7), libfuse2 (>=2.7), sun-java6-jre (>=6) openjdk-6-jre (>=6), debconf (>= 0.5) debconf-2.0 Homepage: Description: A distribuited filesystem for corporative use BeeFS is a distributed file system for corporative use that harnesses the free disk space of desktops machines (already deployed on the corporation). By exploiting the computational underutilized infrastructure, BeeFS can build an aggregate storage area in a much more economic fashion than the prevalent dedicated servers approach. Furthermore, increases on service s demand (frequently caused by arrival of new corporative users) can be handled on a more precise way, by adding a single desktop (usually a new user comes together a new desktop). Esse arquivo contém, em sequência: o nome do pacote, prioridade de instalação, versão do software, arquitetura, espaço ocupado medido em KB após a instalação, mantenedores do software, sessão relacionada para armazenamento no repositório, software necessários (dependências) para instalação do pacote, homepage do programa e descrição Scripts de auxílio à instalação do BeeFS O pacote BeeFS possui quatro scripts que são utilizados em sua instalação. postinst Script executado após a extração do pacote. Ele possui a responsabilidade iteragir com o usuário com perguntas sobre a configuração do software. Após receber todas as informações, é adicionado o usuário beefs, caso não existe; é feita uma checagem da existência dos diretórios informados e permissões dos arquivos de configuração. Por fim, esse script inicializa o BeeFS; preinst Script executado antes da extração do pacote. Caso esteja atualizando uma instalação já existente no sistema, esse script é responsável por parar o serviço antes da atualização dos arquivos do BeeFS;

31 3.3 Criação dos pacotes 27 postrm Script executado após a remorção do pacote caso a opção de remorção for purge, que elimina todos os arquivos do software, dessa forma, todos os arquivos criados como os dados brutos e arquivos de metadados são removidos. Numa simples deconfiguração, esse script não apaga os arquivos citados acima; prerm Script executado antes da remorção do pacote. Possui a responsabilidade de parar o serviço antes da deconfiguração ou purge. A implementação dos scripts postinst, preinst, postrm e prerm podem ser analisados no Apêndice B Instalação A instalação é feita de forma iterativa, questionando o usuário para inserir as informações básicas de configuração para funcionamento pleno do BeeFS. No inicio da configuração, é questionado quais os serviços que o usuário gostaria de instalar exibindo a tela mostrada na Figura 3.1. Os serviços disponíveis eram: Server, contendo o componente QueenBee, e Client que contem os componentes HoneyComb e HoneyBee. O usuário pode escolher apenas uma opção ou ambas. Se foi escolhido apenas a opção Server, a iteratividade é finalizada e o pacote é configurado para tal serviço. Caso contrário, após essa pergunta, se a opção escolhida seja apenas Client, é perguntado qual o IP ou nome do servidor no qual está instalado o componente QueenBee do BeeFS como é ilustrado na Figura 3.3. Caso ambas as opções foram escolhidas, assume-se automaticamente que a localização do componente Queen- Bee é localhost, e segue-se a configuração exibindo a próxima pergunta. Na Figura 3.4 exibe a tela que pede ao usuário que insira a quantidade de espaço que deseja agregar ao sistema de arquivo. Logo após, pergunta-se qual o diretório que fornecerá esse espaço (Figura 3.5) e por fim pergunta-se qual o diretório que montará o sistema de arquivo BeeFS como mostra a Figura 3.6. Os arquivos do BeeFS, após instalado, ficam organizados na seguinte árvore hierárquica:

32 3.3 Criação dos pacotes 28 Figura 3.1: Seleção de serviços do BeeFS Figura 3.2: Seleção de serviços do BeeFS

33 3.3 Criação dos pacotes 29 Figura 3.3: Tela para inserir o IP ou nome do servidor BeeFS Figura 3.4: Tela para inserir a quantidade de espaço que deseja compartilhar

34 3.3 Criação dos pacotes 30 Figura 3.5: Tela para inserir a pasta que armazenará os arquivos brutos Figura 3.6: Tela para inserir o diretório que montará o BeeFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Deployment DO BEEFS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO. Deployment DO BEEFS UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA UNIDADE ACADÊMICA DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Deployment DO BEEFS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE - UFCG CENTRO DE ENGENHARIA ELÉTRICA E INFORMÁTICA - CEEI DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO - DSC PLANO DE ESTÁGIO Suporte ao DDGfs Experimentos e ambientação

Leia mais

Como Instalar Programas no GNU/Linux. Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br

Como Instalar Programas no GNU/Linux. Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br Como Instalar Programas no GNU/Linux Elexsandro Rangel dos Santos elexsandro.rangel@yahoo.com.br Sumário O que é um pacote? Principais formatos de pacotes no GNU/Linux Sistema de Gerenciamento de Pacotes

Leia mais

Curso de Linux Básico

Curso de Linux Básico Curso de Linux Básico Oficina TecnoJovem Outubro/2013 Instalação de Programas Introdução Pacotes Gerenciamento de Pacotes Exemplos Material baseado na Documentação Ubuntu, disponível na Internet (WIKI)

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes?

Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores. Módulo LPI Aula 5. Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? Universidade Tuiuti do Paraná Especialização em Redes de Computadores Módulo LPI Aula 5 Meu Deus do Shell! Porque eu não optei pelo Linux antes? 1 [1] NEVES, Júlio César Gerenciamento de Pacotes Por que

Leia mais

Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos

Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos Aula 4: Montagem e Disponibilização Frameworks Genéricos Diego Passos Universidade Federal Fluminense Técnicas de Projeto e Implementação de Sistemas II Diego Passos (UFF) Montagem e Disponibilização Frameworks

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1

Prof. Rossano Pablo Pinto Dezembro/2012 Versão 0.2 (em construção) Prof. Rossano Pablo Pinto - http://rossano.pro.br 1 Visão geral sobre o processo de instalação e manutenção de instalações de software. Notas de aula. (aka lecture notes on Package Management Systems and software installation :)) Prof. Rossano Pablo Pinto

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid

Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Documento de Instalação e Configuração do InfoGrid Tecgraf/PUC Rio infogrid@tecgraf.puc rio.br 1.Introdução O objetivo deste documento é podermos registrar em um único local todas as informações necessárias

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02

Manual de Instalação. Instalação via apt-get. SIGA-ADM versão 12.02 Manual de Instalação Instalação via apt-get SIGA-ADM versão 12.02 Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação..................................................... 05 2 - Instalando o SIGA-ADM..............................................................

Leia mais

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG

Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Manual de Instalação: Agente do OCS Inventory NG Abril 2013 Sumário 1. Agente... 1 2. Onde instalar... 1 3. Etapas da Instalação do Agente... 1 a. Etapa de Instalação do Agente... 1 b. Etapa de Inserção

Leia mais

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux

Projeto Amadeus. Guia de Instalação 00.95.00 Linux Projeto Amadeus Guia de Instalação 00.95.00 Linux Agosto 2010 Sumário 1. Introdução...3 2. Pré-Requisitos...4 2.1 Máquina Virtual Java...4 2.1.1 Instalando JDK via apt-get...4 2.1.2 Instalando JDK a partir

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 9)

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 9) Prof. Breno Leonardo Gomes de Menezes Araújo brenod123@gmail.com http://blog.brenoleonardo.com.br ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMA OPERACIONAL DE REDE (AULA 9) Pacotes Quando o Linux surgiu, os procedimentos de

Leia mais

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.

Segurança no Linux. Guilherme Pontes. Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux. lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti. Segurança no Linux Guilherme Pontes lgapontes@gmail.com www.guilhermepontes.eti.br Pós-graduação em Segurança de Redes com Linux Rede Local As redes de computadores nem sempre tiveram dimensão mundial.

Leia mais

Instalação de pacotes

Instalação de pacotes Instalação de pacotes Introdução Qualquer distribuição Linux sempre irá possuir um gerenciador de pacotes, que nada mais é do que um programa que irá instalar (adicionar) programas, listar, remover, etc.

Leia mais

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux

Curso de Introdução ao. Debian GNU/Linux Curso de Introdução ao Debian GNU/Linux Apresentação Marcos Azevedo Idade: 23 anos Administrador da Rede Senac Goiás Usuário Linux desde 1993 Desenvolvedor: Java, C/C++/C#, Assembly,.NET e Perl. Hobby

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Lazarus pelo SVN Linux/Windows

Lazarus pelo SVN Linux/Windows Lazarus pelo SVN Linux/Windows Sei que não faltam artigos sobre como obter e compilar o Lazarus e o FPC pelo SVN, mas sei também que nunca é de mais divulgar um pouco mais e talvez escrever algo diferente.

Leia mais

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.

Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4.5. Manual do Técnico Atualização - ProJuris Web 4. Guia de Atualização PROJURIS WEB 4.5 Por: Fabio Pozzebon Soares Página 1 de 11 Sistema ProJuris é um conjunto de componentes 100% Web, nativamente integrados, e que possuem interface com vários idiomas,

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Gerenciamento de Pacotes

Gerenciamento de Pacotes Conteúdo Programático! Sistema de Gerenciamento de Pacotes! Pacotes Debian! Dependências! dpkg! apt! Instalar/remover/Listar! Procurar! Configurar/reconfigurar pacote! Configuração da ferramenta! Instalar/Remover/atualizar!

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 8.2 Instalação de aplicativos Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 GERENCIAMENTO DE PACOTES DEBIAN... 3 #apt-get... 3 #apt-get update... 3 #apt-get upgrade...

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9

Arquivos de Instalação... 4. Instalação JDK... 7. Instalação Apache Tomcat... 8. Configurando Tomcat... 9 Instalando e Atualizando a Solução... 3 Arquivos de Instalação... 4 Instalação do Servidor de Aplicação... 7 Instalação JDK... 7 Instalação Apache Tomcat... 8 Configurando Tomcat... 9 Configurando Banco

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Sumário. Organização do repositório com reprepro...1 Como Configurar um repositório utilizando o reprepro...4 Utilizando o Incoming...

Sumário. Organização do repositório com reprepro...1 Como Configurar um repositório utilizando o reprepro...4 Utilizando o Incoming... 1 Sumário Organização do repositório com reprepro...1 Como Configurar um repositório utilizando o reprepro...4 Utilizando o Incoming...9 1 Organização do repositório com reprepro O reprepro é o gerenciador

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual

Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma maquina virtual Maria Augusta Sakis Tutorial: Instalando Linux Educacional em uma Máquina Virtual Máquinas virtuais são muito úteis no dia-a-dia, permitindo ao usuário rodar outros sistemas operacionais dentro de uma

Leia mais

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br

Manual do Usuário. Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ. Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0. www.spider.ufpa.br Manual do Usuário Sistema/Ferramenta: Spider-ACQ Versão do Sistema/Ferramenta: 1.0 www.spider.ufpa.br Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 27/05/2011 1.0 Criação da seção de instalação/configuração

Leia mais

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13

Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux Versão SIPREV 2.1.13 INSTALL 2010-05-20 ================================================== Instalando e Executando o Siprev em Ambiente Linux ATENÇÃO:

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel

Software de gerenciamento do sistema Intel. Guia do usuário do Pacote de gerenciamento do servidor modular Intel Software de gerenciamento do sistema Intel do servidor modular Intel Declarações de Caráter Legal AS INFORMAÇÕES CONTIDAS NESTE DOCUMENTO SÃO RELACIONADAS AOS PRODUTOS INTEL, PARA FINS DE SUPORTE ÀS PLACAS

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação

IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação IBM SPSS Modeler - Princípios Básicos do R: Instruções de Instalação Índice IBM SPSS Modeler - Essentials for R: Instruções de Instalação....... 1 Visão Geral............... 1 Instalar o Aplicativo IBM

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get

Manual de Instalação. Instalação via apt-get Manual de Instalação Instalação via apt-get Projeto SIGA-EPT Manual de Instalação Instalação via apt-get SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO ACADÊMICA Versão outubro/2010 Sumário 1 Introdução 2 2 Pré-requisitos

Leia mais

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida

Google File System. Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Google File System Danilo Silva Marshall Érika R. C. de Almeida Tópicos abordados Sistemas de arquivos Sistemas de arquivos distribuídos Google File System Gmail File System Linux Windows Gspace Referências

Leia mais

Manual de Instalação. Instalação via apt-get

Manual de Instalação. Instalação via apt-get Manual de Instalação Instalação via apt-get Índice de capítulos 1 - Pré-requisitos para instalação......................................... 01 2 - Instalando o SIGA-ADM.................................................

Leia mais

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D.

Capítulo 25. Gerenciamento de Configuração. Engenharia de Software Prof. Flávio de Oliveira Silva, Ph.D. Capítulo 25 Gerenciamento de Configuração slide 624 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Tópicos abordados Gerenciamento de mudanças Gerenciamento de versões Construção de sistemas

Leia mais

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B

B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B AB ACDC B CE F B C ACFC ADB C F B AC BA B A CE F C F B AC B BA B B C F B AC C A C C C F B B B B B B A C B C BF B B A B C B AB C B B AC B CAC C B B B B ABC DEF C CE C CE AC C A C C C F B B B B B B A C B

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença Simultânea) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos de Sistema........... 1 Instalando............... 1 Instalando a Partir de um Arquivo

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Cluster, Grid e computação em nuvem Slide 8 Nielsen C. Damasceno Introdução Inicialmente, os ambientes distribuídos eram formados através de um cluster. Com o avanço das tecnologias

Leia mais

Endpoint Security Platform

Endpoint Security Platform AKER Endpoint Security Platform Proteção de endpoints dentro e fora da empresa Ataques virtuais a redes corporativas têm se tornado cada vez mais comuns. Sob constante ameaça, as empresas passaram a utilizar

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

GUIA DE BOAS PRÁTICAS

GUIA DE BOAS PRÁTICAS GUIA DE BOAS PRÁTICAS Sumário Requisitos para um bom funcionamento...3 Menu Configurações...7 Como otimizar o uso da sua cota...10 Monitorando o backup...8 Manutenção de arquivos...12 www.upbackup.com.br

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Introdução Fabricio Breve Introdução O que é Linux? Uma versão do UNIX (re-implementação do padrão POSIX) Principais diferenciais: Gratuito

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Manual do Usuário. Resumo

Manual do Usuário. Resumo Manual do Usuário Grupo de Teleinformática e Automação (GTA) Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) http://www.gta.ufrj.br 11 de fevereiro de 2008 Resumo O Grupo de Teleinformática e Automação (GTA/UFRJ)

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

Introdução ao Sistema. Características

Introdução ao Sistema. Características Introdução ao Sistema O sistema Provinha Brasil foi desenvolvido com o intuito de cadastrar as resposta da avaliação que é sugerida pelo MEC e que possui o mesmo nome do sistema. Após a digitação, os dados

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1

Índice. Atualizado em: 01/04/2015 Página: 1 MANUAL DO USUÁRIO Índice 1. Introdução... 3 2. Acesso ao Sistema... 4 2.1. Instalação... 4 2.1.1. Servidor - Computador Principal... 4 2.1.2. Estação - Computador na Rede... 6 2.1.3. Estação - Mapeamento

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina - Sistemas Distribuídos Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 8 Sistema de Arquivos Distribuído Sumário Problemas Solução

Leia mais

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0

Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Sistema de Atendimento v1.3 Manual de Instalação v1.0 Brasília, 29 de junho de 2010 Sumário Licença deste Documento...3 Introdução ao Sistema de Atendimento...4 Características e módulos...4 Arquitetura...5

Leia mais

MANUAL DO ADMINISTRADOR

MANUAL DO ADMINISTRADOR WinShare Proxy admin MANUAL DO ADMINISTRADOR Instalação do WinShare Índice 1. Instalação 2. Licenciamento 3. Atribuindo uma senha de acesso ao sistema. 4. Configurações de rede 5. Configurações do SMTP

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5

CA ARCserve Backup PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 PERGUNTAS MAIS FREQUENTES: ARCSERVE BACKUP R12.5 CA ARCserve Backup Este documento aborda as perguntas mais freqüentes sobre o CA ARCserve Backup r12.5. Para detalhes adicionais sobre os novos recursos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 07 Arquitetura de Sistemas Operacionais Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Introdução Conceitos já vistos em aulas anteriores: Definição de Sistemas Operacionais

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Histórico do sistema operacional 2. Licença de softwares 3. Aspectos

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

V ENSOL. Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade. Jansen Sena. Julho, 2011. João Pessoa, PB.

V ENSOL. Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade. Jansen Sena. Julho, 2011. João Pessoa, PB. V ENSOL Construindo Firewalls Redundantes em Ambientes GNU/Linux Segurança e Alta Disponibilidade Jansen Sena Julho, 2011. João Pessoa, PB. Sobre o palestrante Formação acadêmica e técnica Segurança de

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado)

Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Instruções de Instalação do IBM SPSS Modeler (Licença de Usuário Autorizado) Índice Instruções de Instalação....... 1 Requisitos do sistema........... 1 Código de autorização.......... 1 Instalando...............

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014

Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 Guia de Atualização Release FoccoERP 2014 02/06/2014 Índice ÍNDICE... 2 APRESENTAÇÃO... 3 INTRODUÇÃO... 4 PROCESSO DE INSTALAÇÃO... 4 ATUALIZANDO UM SEGUNDO AMBIENTE... 21 Página 2 de 22 Apresentação Este

Leia mais

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP)

Tópicos. Atualizações e segurança do sistema. Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) teste 1 Manutenção Preventiva e Corretiva de Software (utilizando o MS Windows XP) Rafael Fernando Diorio www.diorio.com.br Tópicos - Atualizações e segurança do sistema - Gerenciamento do computador -

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas

Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de Configuração. Gerenciamento de configuração. Gerenciamento de configuração. Famílias de sistemas Gerenciamento de Gerenciamento de Configuração Novas versões de sistemas de software são criadas quando eles: Mudam para máquinas/os diferentes; Oferecem funcionalidade diferente; São configurados para

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Manual de Instalação Produto: n-mf Xerox Versão do produto: 4.7 Autor: Bárbara Vieira Souza Versão do documento: 1 Versão do template: Data: 09/04/01 Documento destinado a: Parceiros NDDigital, técnicos

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper

Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Forefront Server Security Management Console: Gerenciamento Simplificado da Segurança para Mensagens e Colaboração White Paper Outubro de 2007 Resumo Este white paper explica a função do Forefront Server

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel

SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Versão 2.0 1. INTRODUÇÃO SERVIDOR WEB + LOG DE ACESSO LABORATÓRIO DE REDES DE COMPUTADORES Responsável: Ana Luíza Cruvinel Data: 02/12/2014 Logs são muito importantes para a administração segura de sistemas,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Administração de Sistemas Livres

Administração de Sistemas Livres Administração de Sistemas Livres Introdução a Comandos GNU/Linux Prof. Lais Farias Alves Comandos GNU/Linux O Linux (na verdade, GNU/Linux), assim como qualquer sistema operacional moderno, é perfeitamente

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha

Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Manual de instalação, configuração e utilização do Assinador Betha Versão 1.5 Histórico de revisões Revisão Data Descrição da alteração 1.0 18/09/2015 Criação deste manual 1.1 22/09/2015 Incluído novas

Leia mais

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens

Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens Neste tutorial apresentarei o serviço DFS Distributed File System. Veremos quais as vantagens em utilizar este serviço para facilitar a administração de pastas compartilhadas em uma rede de computadores.

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto

Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Desenvolvimento de Sistemas Orientados a Objetos com UML UP/RUP: Projeto Engenharia de Software I Informática 2009 Profa. Dra. Itana Gimenes RUP: Artefatos de projeto Modelo de Projeto: Use-Case Realization-projeto

Leia mais

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos

Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Visão geral do Serviço Especificações da oferta Gerenciamento de dispositivos distribuídos: Gerenciamento de ativos Os Serviços de gerenciamento de dispositivos distribuídos ajudam você a controlar ativos

Leia mais

Linux pra mim, Linux pra você!

Linux pra mim, Linux pra você! Linux pra mim, Linux pra você! Almir Mendes de Araújo Analista de Sistemas - Certificado LPIC-1 Membro Organizador do PHP-ES Membro ativo do Linux-ES almir@almirmendes.net www.almirmendes.net 2 Objetivos

Leia mais

e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client Manual de Instalação

e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client Manual de Instalação SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Secretaria de Tecnologia da Informação e-stf WebServices Processo Eletrônico Smart Client 1 Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor 30/07/2008 1.0 Criação do documento

Leia mais