José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora"

Transcrição

1 AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Eléctricos 2013/2014 Bibliografia José Matias, Ludgero Leote, Automatismos industriais - Comando e regulação, Didáctica Editora Dores Costa, Fé de Pinho, Comando de motores em baixa tensão, ENIDH Catálogos de equipamentos electromecânicos Schneider Electric mecânicos, Schneider Electric Apresentações de curso TIM III, João Emílio, ENIDH/DEM Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 2

2 ÍNDICE Esquemas eléctricos Normalização e simbologia Órgãos de protecção Órgãos de comando Circuitos i de comando e sinalização Circuitos de comando de motores eléctricos trifásicos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 3 Esquemas eléctricos A representação de esquemas eléctricos de comando é feita normalmente da seguinte forma: Esquemas de execução de ligações Esquemas de percurso de corrente Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 4

3 Esquemas de execução de ligações Os aparelhos são representados de forma a que todos os elementos constituintes (contactos principais e auxiliares, bobinas, etc...) apareçam numa visão de conjunto A representação é mais complexa, com cruzamento de cabos de ligação Dificulta a compreensão e leitura dos esquemas Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 5 Esquemas de percurso de corrente São mais claros e por esse motivo os mais utilizados Os circuitos de comando e potência são representados em separado Os esquemas não apresentam cruzamentos de ligações O esquema de montagem fica bastante mais perceptível Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 6

4 Normalização ã e simbologia i Na área electrotécnica, a normalização internacional é efectuada pela Comissão Electrotécnica Internacional (CEI ou IEC em inglês) Existem ainda as normas nacionais dos respectivos países (VDE-DIN Alemanha; UTE França; NP Portugal) otuga) Normas comuns em Portugal: CE 117, DIN (parte III) e CENELEC EN Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 7 Normalização ã e simbologia Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 8

5 Normalização ã e simbologia Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 9 Normalização ã e simbologia Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 10

6 Normalização ã e simbologia Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 11 Normalização e simbologia Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 12

7 Principais i i i funções dos circuitos it eléctricos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 13 Seccionamento O seccionamento dos circuitos é efectuado através de dispositivos iti denominados d seccionadores Estes dispositivos abrem ou fecham diferentes circuitos it de uma instalação, de forma bem visível, de forma a não interromper o funcionamento do resto da instalação Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 14

8 Seccionamento A característica que mais distingue o seccionador dos outros órgãos é o facto de as suas manobras deverem ser efectuadas em vazio, ou seja com os utilizadores desligados (bobinas, motores, resistências, etc ) Caso o seccionador seja manobrado em carga, poderá sofrer danos graves Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 15 Protecção: t ã tipos de defeitos/anomalias Curto-circuitos: provocam aquecimentos anormais rápidos e que obrigam a uma interrupção rápida do circuito Em geral, o curto-circuito representa o mais grave defeito numa instalação eléctrica Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 16

9 Protecção: tipos de defeitos/anomalias Sobrecargas: Defeitos que provocam aquecimentos anormais lentos e que podem conduzir a curto-circuitos não obrigando bi no entanto t a corte imediato Exemplos: sobrecargas contínuas; sobrecargas intermitentes; quebras de tensão; arranque demasiado lento de motores; obstáculos ao arrefecimento; temperatura ambiente demasiado elevada Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 17 Órgãos de protecção A protecção contra curto-circuitos é, em regra, assegurada quer por fusíveis quer por disjuntores do tipo magnético, enquanto que a protecção contra sobrecargas é assegurada por disjuntores ou relés térmicos Pelo facto de combinarem tecnologias diferentes, alguns órgãos de protecção asseguram em simultâneo a protecção contra ambas as situações Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 18

10 Funções õ dos órgãos de protecção Detectar o defeito e, em função do seu tipo, tomar uma decisão emitindo, ou não um sinal órgão de protecção Interromper o circuito, de forma rápida e segura, após receber a ordem de abertura dada pelo órgão de protecção órgão de manobra a Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 19 Disjuntores magneto-térmicostérmicos Combinam duas formas de actuação distintas, i permitindo proteger os circuitos i tanto contra curto- circuitos i como contra sobrecargas Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 20

11 Disjuntores magnéticos ou de máxima corrente Destinam-se a assegurar a protecção contra os efeitos das correntes de curto-circuito Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 21 Relé térmico A corrente do circuito passa através de enrolamentos que envolvem lâminas bimetálicas constituídas por metais com coeficientes de dilatação diferentes O aquecimento destas lâminas devido ao efeito de Joule provoca a sua dilatação Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 22

12 Relé térmico Uma vez que os dois metais que constituem as lâminas bimetálicas se dilatam de forma diferente, as lâminas sofrem um encurvamento Este encurvamento é utilizado para deslocar um mecanismo que actua os contactos eléctricos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 23 Relé térmico esquema simplificado Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 24

13 Órgãos de comando O contactor é um órgão de manobra accionado por um electroíman alimentado por um circuito que pode ser totalmente independente d do circuito it que o contactor t vai manobrar Quando a bobina do electroíman é alimentada, o contactor fecha os seus contactos de potência estabelecendo o circuito Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 25 Órgãos ã de comando Para além dos contactos de potência, o contactor pode possuir diversos contactos auxiliares Estes contactos permitem assegurar, como veremos mais adiante, a sua auto- alimentação, bem como funções de sinalização ação e comando de outros os órgãos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 26

14 Órgãos de comando Os contactores são essenciais para o comando de motores e outros equipamentos, particularmente quando se pretende efectuar o comando desses equipamentos à distância Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 27 Simbologia e numeração dos contactos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 28

15 Contactor industrial (Schneider) Bloco principal p e bloco de contactos auxiliares Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 29 Esquemas básicos de comando e sinalização Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 30

16 Esquemas de comando e sinalização Interruptor de posição Interruptor de impulso com autoalimentação Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 31 Esquemas de comando e sinalização Comando local e à distância com interruptor de impulso Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 32

17 Esquemas de comando e sinalização Encravamento eléctrico simples entre contactores Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 33 Esquemas de comando e sinalização Encravamento eléctrico duplo Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 34

18 Esquemas de comando e sinalização O encravamento mecânico é utilizado em casos em que se exige máxima segurança, nomeadamente nas inversões de marcha de motores e no arranque de motores em estrela-triângulo Encravamento mecânico entre contactores Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 35 Esquemas de comando e sinalização Circuitos sequenciais - ligação sucessiva de contactores Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 36

19 Esquemas de comando e sinalização Exemplos de circuitos com sinalização de serviço Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 37 Esquemas de comando e sinalização Sinalização de defeito Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 38

20 Esquemas de comando e sinalização Sinalização luminosa através de contactor auxiliar KA Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 39 Esquemas de comando e sinalização Sinalização de defeito através de contactor auxiliar KA1 Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 40

21 Esquemas de comando e sinalização Circuito de teste de lâmpadas Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 41 Relés electromecânicos de comando Relé monoestável industrial Relé Esquema dos contactos e bobina Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 42

22 Relés electromecânicos de comando Relé monoestável didáctico (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 43 Relés electromecânicos de comando Relés industriais e de circuito impresso Relés industriais Relé de circuito impresso Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 44

23 Relé industrial i de estado sólido (SSR - Solid State Relay) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 45 Relé electromecânico de comando (biestável) Xo bobinasbi x (x0) (NF) x (x1) (NA) X1 Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 46

24 Relé electromecânico biestável Exemplo de relé biestável (OMRON) existente no laboratório Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 47 Esquemas básicos de comando de cilindros pneumáticos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 48

25 Bloco de botoneiras NA/NF utilizadas no laboratório (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 49 Bloco de botoneiras de encravamento NA/NF utilizadas no laboratório Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 50

26 Sensor de fim de curso NA/NF (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 51 Electroválvula biestável 5/2 utilizada no laboratório (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 52

27 Electroválvula biestável 5/3 utilizada no laboratório (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 53 Circuito de arranque/paragem/emerg. Circuito ito eléctrico com relé monoestável el Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 54

28 Circuito de start /stop/ emergência com relé ou memória biestável Vcc Stop Emerg a 0 a 1 Start m M+ M- A+ A- Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 55 Esquemas básicos de comando de motores eléctricos trifásicos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 56

29 Circuitos it de comando de arranque de motores eléctricos trifásicos Arranque directo: o comando do motor é efectuado por uma botoneira de impulso, o que obriga a estabelecer um circuito de auto-alimentação da bobina do contactor Esta auto-alimentação é efectuada através do contacto do contactor KM1 Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 57 Arranque directo de motor trifásico S2 é o botão de arranque e S1 o botão de paragem Na situação ilustrada na figura seguinte, o contacto (normalmente aberto) do relé térmico é intercalado no circuito para comando de uma lâmpada avisadora de disparo do térmico Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 58

30 Arranque directo de motor trifásico Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 59 Arranque directo de motor trifásico com inversão de marcha A figura seguinte mostra os esquemas de potência e comando de um motor trifásico com inversão de marcha Quando Q o contactor KM2 é accionado verifica-se a troca de duas fases de alimentação do motor, fazendo com que este rode em sentido contrário Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 60

31 Arranque directo de motor trifásico com inversão de marcha Os dois contactores são montados com um dispositivo de encravamento mecânico que assegura que estes não possam, em caso algum, atracar em simultâneo Utiliza-se igualmente encravamento eléctrico para obtenção de uma dupla protecção (KM1, KM2 ; contactos 31-32) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 61 Arranque directo com inversão de marcha Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 62

32 Arranque estrela-triângulo 1. O motor arranca com um pico de corrente e binário i reduzidos a 1/3 dos valores de arranque directo 2. Após um curto período inicial é estabelecida a comutação para triângulo 3. O motor retoma as características normais com um curto mas forte pico de corrente acompanhado de fenómenos transitórios complexos que dependem da velocidade do motor no final da 1ª fase Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 63 Diagramas de corrente (I) e binário (B) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 64

33 Circuito de arranque estrela-triângulotriângulo Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 65 Circuito de arranque estrela-triângulo tiâ l suave (softstarter) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 66

34 Modelo de arrancador suave de motores eléctricos trifásicos (Catálogo da Schneider Electric) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 67 Temporizadores e Contadores Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 68

35 Temporizador com atraso à acção (on delay) X t Símbolo da bobina e do contacto temporizado (CEI) x T1 t Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 69 Temporizador T i d com atraso à acção Modo de operação: Ao activar a bobine do relé é iniciada a contagem do tempo previamente ajustado (T1) Ao atingir o final do tempo pré-definido (T1), os contactos irão comutar Ao desligar o relé, os contactos regressam imediatamente ao estado de repouso Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 70

36 Temporizador i d com atraso à acção Relé temporizador à acção (industrial) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 71 Temporizador i d com atraso à acção Relé temporizador à acção (didáctico) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 72

37 Temporizadori d com atraso ao repouso (off delay) Ao ligar o relé temporizador, os contactos são manobrados imediatamente, tal como num relé normal Ao desligar o relé temporizador, este mantém os contactos comutados durante um determinado tempo, regulável através de ajustamento, após a desactivação da bobina do relé Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 73 Temporizador com atraso ao repouso Na figura seguinte, podemos observar: Diagrama temporal da variável de comando (X) e da variável comandada (x) Símbolo CEI Comissão Electrotécnica Internacional, de um relé deste tipo Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 74

38 Temporizador com atraso ao repouso X t Símbolo da bobina e do contacto temporizado (CEI) x T1 t Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 75 Temporizador com atraso ao repouso Temporizador didáctico (BOSCH) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 76

39 Temporizadores electrónicos Exemplos de temporizadores da gama Schneider Electric Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 77 Circuito de alarme com contactos temporizados Após a activação do contacto de defeito 13-14, 14, o circuito vai alternando entre a lâmpada ligada ou a buzina activada Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 78

40 Contador de impulsos O contador de impulsos eléctricos, realiza a contagem progressiva, mediante a acção de impulsos eléctricos, na bobina de contagem Estes impulsos podem ser provenientes de botoneiras, microswitches, contadores, relés, etc. Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 79 Contador de impulsos A programação é realizada pelo utilizador através de interruptores de impulso localizados no painel do dispositivo O accionamento dos contactos do contador, ocorre quando o número de impulsos eléctricos na bobina de contagem for igual ao valor programado pelo utilizador Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 80

41 Contador t d de impulsos A reposição do estado inicial do contador faz-se através da activação do Reset do contador (Exemplo: através de uma botoneira) Actuando o Reset, o contador inicia nova sequência de contagem de impulsos Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 81 Diagrama temporal do contador de impulsos X Reset t L Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 82 t

42 Contadores de impulsos didáctico existente no laboratório (Bosch) Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 83 Exemplo de aplicação do contador Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 84

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br

Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br Comandos Elétricos Colégio Técnico de Campinas COTUCA/UNICAMP Prof. Romeu Corradi Júnior WWW.corradi.junior.nom.br 1. INTRODUÇÃO A representação dos circuitos de comando de motores elétricos é feita normalmente

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira

Instrumentação Industrial e Medidas Eléctricas - IPT - DEE Carlos Ferreira Sensores Amedição das grandezas físicas é uma necessidade. Para essa função são utilizados sensores estes convertem a grandeza a medir noutra. No caso da instrumentação a variável de saída é normalmente

Leia mais

Biblioteca de aplicações

Biblioteca de aplicações Biblioteca de aplicações Observação: as descrições que se seguem mostram as ligações que permitem aceder à aplicação correspondente. Se o software Zelio Soft 2 estiver instalado, clique uma vez na ligação

Leia mais

protecção contra sobreintensidades

protecção contra sobreintensidades DOSSIER o electricista 02 Bruno Serôdio (Eng.º) Gestor de Produto Hager - Sistemas Eléctricos Modulares, S.A. protecção contra sobreintensidades {NAS INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS} A protecção das instalações

Leia mais

W o r l d w i d e P a r t n e r

W o r l d w i d e P a r t n e r GE Consumer & Industrial Power Protection W o r l d w i d e P a r t n e r Série CB Contactores até 45kW NOVIDADE Série PB Unidades de Comando e Sinalização GE imagination at work Série CB Contactores Tipo

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

BIBLIOGRAFIA. José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial,

BIBLIOGRAFIA. José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial, AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO III Sistemas Pneumáticos 2013/2014 BIBLIOGRAFIA José Novais, Método sequencial para automatização electro-pneumática, Fundação Calouste Gulbenkian Tecnologia Pneumática Industrial,

Leia mais

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS

CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS FUMEP Fundação Municipal de Ensino de Piracicaba EEP Escola de Engenharia de Piracicaba COTIP Colégio Técnico Industrial de Piracicaba CURSO DE COMANDOS ELÉTRICOS Prof. Marcelo Eurípedes da Silva Piracicaba,

Leia mais

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS

RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS RELÉS CONTATORES - BOTOEIRAS Análise de Circuitos Contatores/Relés Aula 02 Prof. Luiz Fernando Laguardia Campos 3 Modulo Feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina Cora Coralina Sobrecarga

Leia mais

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 7 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO DE AUTÓMATOS INDUSTRIAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista

Leia mais

Compensação. de Factor de Potência

Compensação. de Factor de Potência Compensação de Factor de Potência oje em dia, praticamente todas as instalações eléctricas têm associadas aparelhos indutivos, nomeadamente, motores e transformadores. Este equipamentos necessitam de energia

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1)

CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) Centro Federal de Educação Tecnológica da Bahia CURSO TÉCNICO DE ELETROMECÂNICA APOSTILA DE COMANDOS ELÉTRICOS (COMPILADO - 1) PROF. WESLEY DE ALMEIDA SOUTO wesley@cefetba.br 03/ 2004 1. INTRODUÇÃO A representação

Leia mais

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT

PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de Electricidade MELECT PROVA DE AVALIAÇÃO TÉCNICO-MILITAR (PARTE ESPECÍFICA) Mecânicos de MELECT ESTRUTURA DA PROVA Disciplina Capítulo Nº de questões Automação 01 3 02 2 03 2 01 1 Instalações Eléctricas 03 1 04 1 05 1 06 1

Leia mais

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Alto Mira. Relatório de Visita de Estudo. 27 Maio 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 27 Maio 2005 Secção de Sistemas de Energia Junho 2005 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

Esquemas. & diagramas. caderno 3

Esquemas. & diagramas. caderno 3 Esquemas & diagramas caderno 3 Regimes de neutro Norma IEC 60364 A norma IEC 60364 é a norma padrão internacional definida pelo International Electrotechnical Commission relativamente a instalações eléctricas

Leia mais

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES

DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11 DISPOSITIVOS DE COMANDO - CONTATORES 11.1 INTRODUÇÃO Freqüentemente os projetos e as instalações de engenharia elétrica de potência apresentam um ou mais equipamentos elétricos, instalados ao longo

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS

APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS APARELHOS DE ILUMINAÇÃO ELÉCTRICA E ACESSÓRIOS Reguladores de fluxo luminoso Condições de instalação Elaboração: DTI Homologação: conforme despacho do CA de 2010-01-20 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA

CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA CORRECÇÃO DO FACTOR DE POTÊNCIA DE UMA INSTALAÇÃO ELÉCTRICA Sobre o custo da energia eléctrica inside, consideravelmente, a penalização por baixo factor de potência (Cos ϕ) de acordo com o contrato com

Leia mais

PLANILHA DE PROPOSTA

PLANILHA DE PROPOSTA 0001 012186 INVERSOR DE FREQUENCIA 144 AMPERES / 220 VCA Inversor de freqüência para aplicação em motor elétrico trifásico com corrente nominal de serviço 140A, tensão nominal 220V, temperatura de funcionamento

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

Alimentação eléctrica de emergência 24 VDC Absorção de energia A 218 x L 230 x Profundidade 63 x mm

Alimentação eléctrica de emergência 24 VDC Absorção de energia A 218 x L 230 x Profundidade 63 x mm Central CANline A central CANline serve para mostrar os valores da concentração de gás e comandar o equipamento de detecção. A Central CANline podemos ligar até 32 detectores de gás, vários displays e

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

O que é uma Sobreintensidade?

O que é uma Sobreintensidade? O que é uma Sobreintensidade? Uma sobreintesidade é uma corrente de intensidade superior à nominal. Para este efeito, a intensidade de corrente máxima admissível num condutor é considerada como a sua intensidade

Leia mais

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Laboratórios Integrados II Trabalhos Práticos de Máquinas Eléctricas 2004/2005 LABORATÓRIOS INTEGRADOS II TRABALHOS PRÁTICOS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS Introdução Estes trabalhos consistem na utilização, ensaio

Leia mais

M418 AUTOMAÇÃO NAVAL

M418 AUTOMAÇÃO NAVAL ESCOLA NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE MÁQUINAS MARÍTIMAS M418 AUTOMAÇÃO NAVAL TRABALHO LABORATORIAL Nº1 SIMULAÇÃO DE SISTEMAS DE COMANDO ATRAVÉS DO WEBTRAINER (BOSCH) E AUTOMATION STUDIO Por:

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis 5 Software de aplicação Tebis TL304C V 1 x 4 entradas TL310A V 1 x 10 entradas TL302B V 1 x 2 entradas TL304B V 1 x 4 entradas Referência do produto TXA304 TXA310 TXB302 TXB304 Descrição Módulo 4 entradas

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança Actuador regulador universal 1 canal, 50-210 W com entrada binária N.º art. 3210 UP Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas

Leia mais

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade

Ficha Técnica Designação Especificação Especialidade Nº Definir os criterios de aceitação /rejeição das instalações de Eléctricos. Lista de Deficiências - Orgão - Quadro de Serviços omuns A alimentação do Quadro da asa das Máquinas não possui protecção contra

Leia mais

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC

Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC 11.09.2012-02:01:05h Folha de dados - SRB 201ZHX3-24VDC Comandos bimanual / Supervisão de comandos bimanuais de acordo com a norma EN 574 III A / SRB 201ZHX3 Supervisão de comandos bimanuais de acordo

Leia mais

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo:

O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: UNIDADE 1: CONFIGURAÇÃO O ícone do programa a ser utilizado para programa o CLP é aparecerá a tela abaixo: Pc12.lnk, ao ser clicado, Para iniciar um projeto, utilize a barra de ferramentas abaixo: Clique

Leia mais

COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS :

COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS : COMANDOS ELÉCTRICOS VARIADORES ELECTRÓNICOS : Tri 400V Variador electrónico de tensão monfásica 230V - 50Hz (60Hz a pedido). Caixa PVC, IP 55. Intensidades : 3A - 5A - 9A. Interligação possível de uma

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER

INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER MOTOR INDUSTRIAL P/PORTA DE CORRER INSTRUÇÕES SLIDE3000/5000 A POR FAVOR LER O MANUAL COM ATENÇÃO ANTES DE PROCED- ER A INSTALAÇÃO E UTILIZAÇÃO DO AUTOMATISMO VER.:1.02 REV.:11/2012 INFORMAÇÕES IMPORTANTES

Leia mais

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO

INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLO TRABALHO LABORATORIAL Nº 1 CONVERSORES DE SINAIS Por: Prof. Luis Filipe Baptista E.N.I.D.H. 2012/2013

Leia mais

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores...

Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 Capítulo III Atuadores... Sumário Capítulo I Introdução aos Comandos Elétricos... 12 1. Simulações de comandos elétricos... 12 2. Diagrama unifilar e multifilar... 13 Capítulo II Chaves com e sem retenção... 14 1. Chaves... 14

Leia mais

Automação. Industrial.

Automação. Industrial. Automação Industrial. Apostila 1 Acionamentos e Simbologia. Prof. Alexandre Landim Automação Industrial. Introdução: Na Automação Industrial, bem como automação de processos e sistemas em geral, além do

Leia mais

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra

SUNNY CENTRAL. 1 Introdução. Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra SUNNY CENTRAL Avisos relativos à operação de um gerador fotovoltaico ligado à terra 1 Introdução Alguns fabricantes de módulos recomendam ou exigem a ligação à terra negativa ou positiva do gerador fotovoltaico

Leia mais

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS

PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS 1 PROGRAMAÇÃO EM LINGUAGEM LADDER LINGUAGEM DE RELÉS INTRODUÇÃO O processamento interno do CLP é digital e pode-se, assim, aplicar os conceitos de lógica digital para compreen8 der as técnicas e as linguagens

Leia mais

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal.

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal. 1 Laboratório Instalações Elétricas Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PATIDA COMPENADOA AUTOMÁTICA Introdução Assim como a chave estrela-triângulo, a partida compensadora tem a finalidade

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia

ISEL. Subestação de Sacavém. Relatório de Visita de Estudo. 6 Dezembro 2005. Secção de Sistemas de Energia ISEL INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E AUTOMAÇÃO Relatório de Visita de Estudo 6 Dezembro 2005 Secção de Sistemas de Energia Março 2006 Índice 1. Enquadramento

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança KNX actuador persianas 4 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 2 canais AC 230 V, 1 canal DC 12-48 V KNX actuador persianas 4 canais AC 230 V, 2 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 8 canais AC

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Função de automatismo: pesquisa de terras resistentes Especificação funcional Elaboração: INTS, ICTS, ISTS e DNT Homologação: conforme despacho CA de 2007-02-13

Leia mais

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas.

a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. CONTROLO DE PROCESSOS Até à década de setenta, a maior parte das plantas industriais recorriam a dispositivos mecânicos e electromecânicos por forma a realizar as sequências de trabalho pretendidas. A

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

Componente de Formação Técnica. Disciplina de

Componente de Formação Técnica. Disciplina de CURSOS PROFISSIONAIS DE NÍVEL SECUNDÁRIO Técnico de Instalações Eléctricas PROGRAMA Componente de Formação Técnica Disciplina de Práticas Oficinais Escolas Proponentes / Autores E P de Vouzela Eng. António

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

PRS 9. Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9

PRS 9. Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9 PRS 9 Instruções de funcionamento 810549-00 Programador PRS 9 1 Dimensões/Componentes 128.5 169 30.01 (6TE) Fig. 1 A B C D E I H G J F MAX 70 C Fig. 2 MAX 95 % 2 Legenda A B C D E F G H I J Selector S1

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS COMANDOS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS APRESENTAÇÃO Hoje, com a atual tecnologia disponível para automação a nível industrial, o comando e o controle dos motores elétricos passaram

Leia mais

Quadros Elétricos. Tabelas de Preços WWW.JFANDRADE.COM

Quadros Elétricos. Tabelas de Preços WWW.JFANDRADE.COM . WWW.JFANDRADE.COM Quadros Elétricos Tabelas de Preços. 2015 Tel.: (351) 229 682 319/20/21 - Fax: (351) 229 682 322 DANFOSS 230V 32AQN1M11044D0401 QUADRO NÍVEL 11044/RNPSO 2,7 4,2 AMP (0,33 0,50HP) 93,00

Leia mais

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores

Comandos Elétricos. Teoria e Aplicações. Ligação de Motores Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de Corrente Alternada Mais usados porque a transmissão de energia é alternada

Leia mais

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar

VIESMANN VITOSOLIC. Dados técnicos VITOSOLIC 100 VITOSOLIC 200. Controlador para sistemas de energia solar VIESMANN VITOSOLIC Controlador para sistemas de energia solar Nº de referência e preços: ver lista de preços VITOSOLIC 100 Controlador electrónico por diferença de temperatura Para sistemas com produção

Leia mais

www.caiado.pt Produtos Eltako

www.caiado.pt Produtos Eltako Produtos Eltako Os preços apresentados são unitários e não incluem IVA. Estes estão sujeitos a alteração, sem aviso prévio. A TEV2 não se responsabiliza por eventuais erros tipográficos ou de transmissão

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

Protecção & Distribuição de Energia

Protecção & Distribuição de Energia Protecção & Distribuição de Energia Orador: Hugo Madeira hugo.madeira@legrand.pt INDICE Introdução aos disjuntores Disjuntores Modulares (MCBs DX) Disjuntores de Caixa Moldada (MCCBs - DPX) Disjuntores

Leia mais

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida anobra e Proteção de otores sirius étodos de Partida étodos de partida Índice Páginas Partida direta coordenada com fusível... e Partida direta com reversão coordenada com fúsivel... 5 e 6 Partida estrela-triângulo

Leia mais

Acti 9. A eficiência que você merece

Acti 9. A eficiência que você merece Acti 9 A eficiência que você merece Acti 9, a eficiência que você merece Apresentação Acti 9, Eficiente Acti 9, Seguro Acti 9, Simples & inteligente Conclusão 2 40 Anos de experiência e atenção aos nossos

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON

CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON CS-PLC1 Exercícios do Curso OMRON Versão 2004 1.0 Índice Índice 2 Exercícios 3 1. Exercício Iniciação à Programação de Autómatos - Linguagem de Contactos 3 2. Exercício Introdução ao Cx-Programmer 4 3.

Leia mais

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II

PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II PROGRAMA DA DISCIPLINA DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL II 3º Ano Regime: 2º Semestre Ano Lectivo: 2006/2007 Carga Horária: 2TP+2P Docente responsável: Eng.º Toni Alves Total de horas de contacto: 60 Corpo Docente:

Leia mais

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões

Protecção contra sobretensões. Descarregadores de sobretensões Protecção contra Descarregadores Protecção contra As podem muitas vezes causar danos irreparáveis nas instalações eléctricas, bem como, nos equipamentos eléctricos e electrónicos. Os descarregadores são

Leia mais

Produtos 2012. Industrial. Temporização e Controle. Predial e Residencial

Produtos 2012. Industrial. Temporização e Controle. Predial e Residencial Fabricante de relés e temporizadores desde 1954 Produtos 2012 Industrial Relés para circuito impresso Relés industriais Relés modulares de interface Bases e acessórios Temporização e Controle Relés temporizadores

Leia mais

Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 2

Luis Filipe Baptista ENIDH/DEM 2 AUTOMAÇÃO (M323) CAPÍTULO V Sistemas Combinatórios 2013/2014 Bibliografia do capítulo José Novais (1997), Método sequencial para automatização electro-pneumática, 3ª Edição, Fundação Calouste Gulbenkian

Leia mais

Eletromecânicos de Manutenção Industrial

Eletromecânicos de Manutenção Industrial Eletromecânicos de Manutenção Industrial 2013/ 2014 1 Motor de indução trifásico Máquina capaz de transformar energia elétrica em energia mecânica 2 Motor elétrico Noções fundamentais Máquina destinada

Leia mais

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LABORATÓRIOS

AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LABORATÓRIOS AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL LABORATÓRIOS EQUIPAMENTOS POR BANCADA: sua utilização 2007/8 O laboratório de Automação Industrial está actualmente dividido em oito bancadas de trabalho operacionais. A sua distribuição

Leia mais

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO

INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO INSTALAÇÕES AT E MT. SUBESTAÇÕES DE DISTRIBUIÇÃO Armários de comando e controlo Características Elaboração: GTRPT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 1ª Emissão: EDP Distribuição

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FAP2 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 2 zonas de detecção,

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO

ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO ELETRÓNICA E AUTOMAÇÃO QUADRO RESUMO FORMAÇÃO UFCD (H) Análise de circuitos em corrente contínua 6008 25 Corrente alternada 6010 25 Eletrónica industrial 6023 25 Instalações elétricas - generalidades 6075

Leia mais

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação.

Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. Contatores Contatores são dispositivos de manobra mecânica, eletromagneticamente, construídos para uma elevada freguência de operação. De acordo com a potência (carga), o contator é um dispositivo de comando

Leia mais

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EMBALADORA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

Comandos T1 elétricos motores. Guia teórica e prática

Comandos T1 elétricos motores. Guia teórica e prática Comandos T1 elétricos motores Guia teórica e prática Valentino Técnica - Training Introdução do autor Dedicado aos meus filhos O objetivo desse guia teórica e prática é ensinar os conceitos básicos dos

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS

PLANIFICAÇÃO ANUAL DE CONTEÚDOS Ensino Secundário ANO LECTIVO 0/0 Disciplina: Praticas Oficinais 0.º Ano Turma C Total de Aulas Previstas (45 min) 00 º Período SET / 7 DEZ 78 º Período 0 JAN / 4 MAR 58 º Período 04 ABR / 4 JUN 4. Unidade

Leia mais

ELETRICISTA MONTADOR FUNDAMENTOS DE PROTEÇÃO E COMANDO 1-1 -

ELETRICISTA MONTADOR FUNDAMENTOS DE PROTEÇÃO E COMANDO 1-1 - ELETRICISTA MONTADOR FUNDAMENTOS DE PROTEÇÃO E COMANDO 1-1 - FUNDAMENTOS DE PROTEÇÃO E COMANDO 1 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998.

Leia mais

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 8

M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 8 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M323 AUTOMAÇÃO TRABALHO LABORATORIAL Nº 8 PROGRAMAÇÃO DE AUTÓMATOS INDUSTRIAIS Por: Prof. Luís Filipe Baptista Prof. Rui

Leia mais

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 -

Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - T e c n o l o g i a Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!) - XC123 - Os melhores e mais modernos MÓDULOS DIDÁTICOS para um ensino tecnológico de qualidade. Bancada Didática para CLP SIEMENS (LOGO!)

Leia mais

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters

Manual de instruções para carregadores de acumuladores. utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Manual de instruções para carregadores de acumuladores CCC 405 e CCC 410 24V/5A 24V/10A utilizados para carregar acumuladores de cadeiras de rodas e scooters Certified to EN60601-1 3 rd ed. Em conformidade

Leia mais

Tabela de Preços 2015 Digital Factory Process Industries and Drives

Tabela de Preços 2015 Digital Factory Process Industries and Drives Tabela de Preços 2015 Digital Factory Process Industries and Drives Área Telefone direto Direção Direção Financeira Direção da Qualidade Marketing Processos, Logística e e-business Acionamentos e Drive

Leia mais

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET

Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET ValveConnectionSystem Sistema de ligação para electroválvulas e distribuidores, compatíveis com bus de terreno PROFIBUS-DP, INTERBUS-S, DEVICE-NET P20.PT.R0a O SISTEMA V.C.S. O sistema VCS é um conjunto

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA-AUTOS MODELOS MCH 1/8 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MONTA AUTOS APLICAÇÃO APLICAÇÃO Transporte vertical de veículos acompanhados do condutor, a cabina terá as dimensões adequadas

Leia mais

Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação

Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação Interruptores de paragem de emergência de accionamento por cabo e interruptores de accionamento por cabo Programa de fabricação Aplicação e formato Interruptores de paragem de e interruptores Aplicação

Leia mais

Instruções de instalação

Instruções de instalação Instruções de instalação Acessórios Cabos de ligação do acumulador da caldeira de aquecimento Para técnicos especializados Ler atentamente antes da montagem. Logano plus GB225-Logalux LT300 6 720 642 644

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis Software de aplicação Tebis A faire Módulo 4-6-8-10 saídas ON/OFF Características elétricas/mecânicas: Ver manual do produto Referência do produto Designação do produto Ref. software de aplicação Produto

Leia mais

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato

Programação de CLPs por 1. Diagramas de Contato Programação de CLPs por Diagramas de Contato 1. Diagramas de Contato 2. Um CLP Genérico 3. Instruções de Entrada e Saída 4. Instruções Booleanas 5. Circuitos de Intertravamento 6. Detecção de Borda 7.

Leia mais

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido

Produtos de Média Tensão. Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Produtos de Média Tensão Is-limiter Limitador de corrente extra rápido Is-limiter O limitador de corrente extra rápido reduz os custos das instalações resolve problemas de curto-circuito em instalações

Leia mais

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT

Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Especificação de Disjuntores Segundo a ABNT Responsabilidade do profissional Normas Regulamentadoras (NR) - SSMT/MTb MTb NR-10 em 10.1.2 : Nas instalações e serviços em eletricidade,... usar as normas

Leia mais