Estrutura de Sentimento de Raymond Williams...Teixeira

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura de Sentimento de Raymond Williams...Teixeira"

Transcrição

1 Estrutura de Sentimento de Raymond Williams: uma abordagem devocional do festejo do glorioso São José de Ribamar d.o.i / v1n10p95 RESUMO Edvaldo Rogério Santos Teixeira 1 (Mestrando da UMESP) Este artigo tem como objetivo fazer uma abordagem entre a Estrutura de Sentimento de Raymond Williams e a devoção popular do festejo do glorioso São José de Ribamar. Para nos auxiliar no desenvolvimento desta pesquisa apresentaremos como quadro teórico, a colaboração dos seguintes autores: Raymond Williams, que ao salientar a estrutura de sentimento, enquanto sentimento social, vivido e sentido numa determinada época, ajudam a compreender o presente. Partindo para o campo da fenomenologia da religião destacaremos Émile Durkheim e Mircea Eliade que apontam um conceito sociológico da religião. No que concerne à religiosidade popular, citaremos alguns documentos da Igreja, tais como: O documento de Medellín e Evangelli Nuntiandi, que desenvolvem a conceituação e a prática votiva da piedade popular. Nesse intuito, o presente trabalho, amplia esta reflexão a outros que desejarem enveredar a sua linha 1 Graduado em Teologia e especialista em Catequética pelo Instituto de Estudos Superiores do Maranhão. Licenciado em Filosofia pela Faculdade Paulista São José. Graduado em Comunicação Social (Jornalista) pela Faculdade São Luís. Especialista em Docência em Ensino Superior pelo Centro Universitário Barão de Mauá. Mestrando em Comunicação Social pela UMESP. Revista Diálogos N. 10 Novembro de

2 de pesquisa na Estrutura de Sentimento no intuito de entender o sentimento das estruturas socioculturais que regem a atualidade. Palavras chave: Estrutura de Sentimento, experiências, época, piedade popular, ex-votos. Conhecendo Raymond Williams Na fronteira que dividia o país de Gales e a Inglaterra, nascia no ano de 1921, na pequena Vila de Pandy (Pais de Gales), Raymond Williams. Era filho de um assalariado ferroviário que pertencia ao partido trabalhista britânico e neto de agricultores que prestavam serviços às grandes fazendas. A saber, os fazendeiros faziam parte dos Liberais. Esses dois grupos vão viver em certos momentos uma guerra fria e em outros uma guerra declarada, mas havia uma relação de proximidade. Fora esses conflitos, as relações entre esses dois grupos eram bem próximas. Era comum ir à guarita do sinaleiro e encontrar um ou dois agricultores sentados conversando com os ferroviários. (WILLIAMS, 2003b, p. 88) De certo modo, essas duas realidades, como aponta Williams (2003), colaboraram para a sua formação sociocultural e também para a sua maneira de ver a sociedade. Devido à localização geográfica, Pandy, por ser uma vila de fronteira, despertava no sentimento dos galeses, uma forte dúvida quanto à nacionalidade galesa. Como descreve Williams (2003b, p. 90): As pessoas sempre se perguntavam o que o país de Gales realmente é, porque percebem que todos os galeses perguntam a si mesmo o que é ser galês. [...]. Havia um sentimento Revista Diálogos N. 10 Novembro de

3 curioso no qual podíamos falar tanto do galês como do inglês como estrangeiros, como não sendo nós. Diante da dúvida que pairava no sentimento do povo galês, Williams em meio às duas grandes Guerras Mundiais, vai viver uma infância e adolescência conturbada pela grande crise econômica que essas guerras vão causar. Essa crise vai mexer não só com as estruturas econômicas do Estado, mas também nas estruturas familiares. Por isso, as guerras vão ser consideradas as principais geradoras da crise econômica da época. E, por conseguinte, vão incentivar a migração de um grande numero de famílias atingidas pela crise econômica, às grandes cidades em busca de melhores condições de vida. Inclusive as mulheres que buscavam nas cidades emprego doméstico como forma de sustentabilidade. Ao referir-se à sua mãe, Williams (2003b, p. 91) destaca: Fazia chá, endereçava e distribuía a correspondência, mas não tinha muitas atividades políticas. Mas minha mãe tinha suas próprias opiniões. De família socialista Williams deixou a escola de Pandy para estudar como bolsista na King Henry VIII Grammar School. Não havia nenhum sentido no qual a educação fosse sentida como algo curioso na comunidade (WILLIAMS, 2003b, p. 93). Frequentou a Universidade onde cursou Letras, serviu o exercito na Segunda Guerra Mundial, fato que devido a algumas mudanças políticas e religiosas o levou a fazer uma reflexão sobre a cultura. Constatei que uma única palavra me preocupava, cultura, que parecia escutar-se com muito mais frequência: não só em Revista Diálogos N. 10 Novembro de

4 comparação com as conversas em um regimento de artilharia ou em minha própria família, senão em um cortejo direto com o ambiente universitário de poucos anos atrás. (WILLIAMS, 2003a, p. 16) No período pós-guerra as estruturas sociais, econômicas e políticas da Europa vão estar fragilizadas. Por isso, o termo cultura vai ganhar duas resignações, segundo Williams (2003, p. 16), no campo literário indica uma formação de valores; nas discussões gerais modo de vida particular. Na trajetória intelectual vai ser conhecido como uma das mentes mais insígnias do pensamento Marxista do período pósguerra. Escreveu varias obras que mais tarde influenciaram os estudos culturais. Na visão de Cevasco (2001, p. 184), a inquietude de Williams era aprofundar os autores consagrados com intuito de responder à pergunta: Como esses autores estão lidando com a forma herdada do século XVIII, respondendo às pressões e limites do seu tempo? Como grande pensador Williams, vai buscar na literatura e na arte a retratação de um sentimento social que marcou uma determinada época. Por isso, segundo ele, a mais forte barreira ao reconhecimento da atividade cultural humana é essa transformação imediata e regular da experiência em produtos acabados. (WLLIAMS, 1979, p. 130) Williams abriu as portas, a partir da estrutura de sentimento, às gerações posteriores ao entendimento de um sentimento sociocultural não fixado em um saudosismo, mas, sim a um sentimento que vive em constante transformação. É certo que a estrutura de sentimento de Williams pode ser identificada, além do campo sociocultural, também nos campos da política, da religião, da econômica, etc. Revista Diálogos N. 10 Novembro de

5 Portanto, as reflexões feitas por Williams sobre a estrutura de sentimento presentes na arte e na literatura, que o levou a compreender a vida sociocultural do seu tempo, devem ser consideradas um verdadeiro legado à compreensão da estrutura de sentimento que perdura na vida social e cultural nos tempos atuais. Devido a essas reflexões, Raymond Williams vai ser considerado, pelos grandes estudiosos, um dos fundadores dos estudos culturais e um grande pensador da cultura e das analises literárias e sociológicas. Abordando a Estrutura de sentimento de Raymond Williams Todos os acontecimentos socioculturais que marcaram épocas e que hoje são estudados e aprofundados por nós, defendiam uma ideologia identitária que tinha em si um valor inestimável, uma vez que, a sociedade em meio a tantas transformações, tende a reproduzir os acontecimentos afastandose da vivencia de uma época. É certo que os acontecimentos, embora sendo analisados após o ocorrido, estão em constante transformação. Diante dessa análise sociocultural, Raymond Williams vai chegar à conclusão de que por detrás dos acontecimentos sociais há uma estrutura de sentimento, pois ele vai procurar articular a experiência intelectual à sua prática concreta. Esse conceito foge, segundo a intenção de Williams (1979), aos parâmetros das estruturas institucionais formadas que devido aos acontecimentos do momento podem manter-se ou não vivas. Segundo ele: A análise se centraliza então nas relações entre essas instituições produzidas, formações Revista Diálogos N. 10 Novembro de

6 e experiências, de modo que agora, como naquele passado produzido, somente formas fixas explícitas existem, e a presença viva se está sempre por definição, afastando. (WILLIAMS, 1979, p. 130) Na concepção de Williams os acontecimentos sociais não podem ser resumidos, simplesmente, a um sentimento que ficou no passado. Embora as instituições sociais apresentem alguns valores que sustentem na sua trajetória uma ideologia, não podem ser avaliadas como produtos acabados ou fixados, mas, sim como instituições vivas e atuantes que carregam, no presente momento, sentimentos que estão em constante transformação na vida social e cultural. Se o social é sempre passado, no sentido de que é sempre formado, temos na verdade de encontrar outros termos para a experiência inegável do presente: não só o presente temporal, a realização deste instante, mas o presente específico de ser. (WILLIAMS, 1979, p. 130) A fixação das formas sociais como vimos acima, vão ser criticadas ironicamente por Williams (1979, p. 130), quando afirma que elas existem e são vividas de forma específica e definitiva, em formas singulares e em desenvolvimento. Na análise e aprofundamento dos sentimentos há complexidades de valores que são reconhecidos pelo autor, como ele mesmo salienta: Estamos então definindo esses elementos como uma estrutura : como uma série, com relações internas específicas, ao mesmo tempo engrenadas e em tensão. (WILLIAMS, 1979, p. 134). Revista Diálogos N. 10 Novembro de

7 A estrutura de sentimento presente na literatura e na obra de arte não serve somente de elo entre uma geração e uma época, mas também para compreender alguns fenômenos socioculturais, cujas convenções se renovam. Segundo Williams (1979, p. 18): Muitas vezes, quando essa estrutura de sentimento tiver sido absorvida, são as conexões, as correspondências, e até mesmo as semelhanças de época, que mais saltam à vista. O que era então uma estrutura vivida é agora uma estrutura registrada, que pode ser examinada, identificada e até generalizada. [...] O que isso significa na prática é a criação de novas convenções e de novas formas. Em meio a essa estrutura existente na obra de arte, é possível relacionar uma obra de arte com qualquer aspecto da totalidade observada pode ser, em diferentes graus, bastante produtivo. [...], e só pode ser percebido através da própria experiência da obra de arte. (CEVASCO, 2001, p. 152). Segundo Cevasco (2001), Williams querendo contrapor o conceito de ideologia e a visão de mundo criou o termo sentimento e, por outro lado, a palavra estrutura que opera nos mais delicados e intangíveis aspectos de nossas atividades (p. 152). Neste sentido, estrutura de sentimento, na visão de Cevasco (2001), está associada às práticas e hábitos sugestivamente sociais e mentais. Segundo Williams (1979, p. 13): A ideia de uma estrutura de sentimentos pode ser especificamente relacionada à evidência de formas e convenções, figuras semânticas, que na arte e na literatura estão quase sempre Revista Diálogos N. 10 Novembro de

8 entre as primeiras indicações que tal estrutura está se formando. Seguindo essa linha de pensamento Cevasco (2001, p. 150) ao analisar a estrutura de sentimento discorre que Ideologia se apresenta, em seus diversos sentidos, como um sistema relativamente formal de valores, crenças e ideias que pode ser abstraído de um todo social, como uma visão de mundo ou de classe. Por conseguinte, Williams (1979, p. 131) referindo-se à arte, afirma que a estrutura é sempre um processo formativo com um presente especifico. No cenário sociocultural, Williams (1979) observa que a realidade, uma vez afirmada e vivenciada na prática, apresenta nas próprias formas um universo oposto a outras formas vigentes. Nos apontamentos feitos por Williams (1979, p 131) são observados O subjetivo em distinção do objetivo; a experiência em oposição à crença; o sentimento em oposição ao pensamento; o imediato em oposição ao geral; o pessoal em oposição ao social. Em julgamento a esses elementos que se opõem o social se reduz a formas fixas, por isso, a estrutura de sentimento presente no social vem sendo substituída por elementos subjugados aquém da estrutura sociocultural pré-estabelecida. Conhecendo o campo da Religiosidade Popular Ao estudarmos o campo religioso, é compreensível definilo como um espaço que envolve duas realidades: visível e transcendental. A realidade visível se refere ao mundo físico, enquanto que a realidade transcendental se refere ao metafísico Revista Diálogos N. 10 Novembro de

9 (sagrado). Na abordagem feita pela fenomenologia da religião, o ser humano de todos os tempos é considerado por natureza um ser religioso. Na Gênesis do universo, Deus criou o homem (ishi) e a mulher (ishá) à sua imagem e semelhança (cf. Gn 1, 27). Como diz o salmista: Pouco abaixo dos anjos o fizeste e o coroaste de glória e esplendor (Sl 8, 6). Isso significa dizer que no principio, o homem e a mulher, eram sem mácula, viviam a perfeição de Deus. Mas a desobediência, fruto do pecado, os fez maculosos (cf. Gn 3, 1-24). Essa realidade de pecado que envolveu o coração humano causou o desligamento do humano como o sagrado. Esse fato gerou a necessidade de um reencontro, de um religamento (re ligari), dai surge à expressão religião, cujo intuito é religar a natureza humana à natureza divina. Além de ver a religião como um fenômeno coletivo, o sociólogo Durkheim (2000, p. 32), a apresenta como: Um sistema solidário de crenças e de prática relativas a coisas sagradas, isto é, separadas proibidas, crenças e prática que se reúne numa mesma comunidade moral, chamada Igreja, todos aqueles que a elas aderem. Partindo para o campo da fenomenologia da religião todo rito, todo mito, toda crença ou figura divina reflete a experiência do sagrado e, por conseguinte, implica as noções de ser, significação e verdade (ELIAD, 1989, p. 45). Nesse caso, a experiência com o sagrado se submete a duas realidades: uma subjetiva (sujeito individual) e outra coletiva (sujeito interativo). Em meio à coletividade do sujeito, o campo religioso, devido à interação entre os sujeitos, que parte da subjetividade Revista Diálogos N. 10 Novembro de

10 para a coletividade, o sujeito coletivo, agora se torna, sujeito criador de manifestações religiosas, dentre elas podemos citar a religiosidade popular, que abordaremos agora neste item da pesquisa. A religiosidade popular, cuja denominação se volta para o popular massivo e o sagrado, vai ser definida pela Conferência de Medellín como: A expressão religiosidade popular é fruto de um estudo aprofundado de uma evangelização do tempo da Catequista, com características especiais. É uma religiosidade de votos e promessas, peregrinação e de sem-número de devoções, baseada na recepção dos sacramentos [...]. Percebe-se na expressão religiosidade popular uma enorme reserva de virtudes autenticamente cristãs, especialmente na linha da caridade. (MEDELLÍN n. 13) Antes do Concilio Vaticanos II, surgiu outra expressão referente à religiosidade popular, a chamada piedade popular, que o Vaticano II, vai oficializar os termos religiosidade e piedade popular como sendo a mesma manifestação, diferenciando-as apenas em termos nominais. Ambas apontam para a mesma direção, o Sagrado (transcendente). A religiosidade popular apresenta aspectos positivos como senso do sagrado e do transcendente; disponibilidade para ouvir a palavra de Deus [...], capacidade para rezar; sentido de amizade, caridade e união familiar; capacidade de sofrer e reparar; significação cristã em situações irreparáveis; Revista Diálogos N. 10 Novembro de

11 desprendimento das coisas materiais. (EVANGELLI NUNTIANDI n. 19). A realidade votiva que a religiosidade popular apresenta, transporta o fiel devoto, no âmbito imagístico, à realidade transcendental. Pois, nesse âmbito, o peregrino vive a experiência de um mistério que supera, não só da transcendência de Deus, mas também da Igreja que transcende sua família e seu bairro (EVANGELLI NUNTIANDI n. 260). Por conseguinte, é plausível destacar, que mesmo sendo uma expressão votiva que aglomera multidões, a piedade popular não é uma espiritualidade massiva, pois cada fiel, embora fazendo parte do mesmo ambiente litúrgico (comunitário), tem a maneira própria de relacionar com o sagrado. Nos diferentes momentos da luta cotidiana, muitos recorrem a algum sinal do amor de Deus: um crucifixo, um rosário, uma vela que se acende para acompanhar um filho doente em sua enfermidade, um Pai- Nosso recitado entre lágrimas, um olhar entranhável a uma imagem de Maria, um sorriso dirigido ao Céu em meio a uma alegria singela. (EVANGELLI NUNTIANDI n. 261). Na prática votiva da piedade popular, há na vida dos devotos, uma identificação autêntica com Cristo sofredor. Por isso, no pagamento de promessas o devoto apresenta situações diversas: velas do tamanho do devoto, objetos de cera que representa a parte do corpo (cabeça, braços, pernas, etc.) que ficou curada, penitências, tais como andar de joelho, deitar no chão com velas envolto ao corpo, etc. É certo que o nosso povo Revista Diálogos N. 10 Novembro de

12 se identifica particularmente com o Cristo sofredor, olham-no, beijam-no ou tocam seus pés machucados. (EVANGELLI NUNTIANDI n. 262) Portanto, a religiosidade popular, é para a vida do fiel devoto, um legado cheio de espiritualidade e riqueza humanitária. O simples fato de o devoto querer assemelhar-se a Cristo sofredor resgata a humanidade do homem (ishi) e da mulher (ishá), que no principio da criação foram feridos pelo pecado. É um legado, também, aos estudos da folkcomunicação. Por ser um campo complexo, a religiosidade popular, apresenta em termos comunicacionais, uma estrutura que carrega em si um sentimento de uma época que é passado ou assimilado de uma geração a outra, enaltecendo, dessa forma, a experiência votiva dos tempos hodiernos. Abordagem da estrutura de sentimento na devoção popular do festejo de São José de Ribamar Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), no senso realizado em 2000, o município de São José de Ribamar possui uma área de 434,2 km 2. Com uma população, como destaca Reis (2001), concentrada em sua maioria nos centros urbanos. Distante aproximadamente 32 km de São Luís (Capital do Estado do Maranhão), é uma cidade pesqueira, artesanal e votiva, cuja maior fonte de rende é a festa do Glorioso São José de Ribamar. A saber, a cidade foi fundada com o nome do seu Santo Padroeiro. De acordo com Reis (2001, p. 51), a cidade de São José de Ribamar, antes de ser elevada a condição de município, era aldeia dos índios Gamelas: Revista Diálogos N. 10 Novembro de

13 As terras de São José de Ribamar, onde estavam às aldeias dos índios Gamelas, foram dadas, em 1627, para os jesuítas, conforme afirmou-se acima, por pedido do padre Luiz Figueiredo (o padre figueira escreveu a primeira gramática do idioma brasílico, editada na Bahia em 1851, (Memórias do Dr. Cândido Mendes, tomo 1, também citado no livro do TOMBO no item acima identificado), que já possuía uma légua de terra doada por Pedro Dias ex-artilheiro da Armada de Alexandre Moura, e sua, mulher, Apolônia Bustamante, na Vila do Paço do Lumiar. Elevada a condição de município em 1952, dados contidos no Plano Trianual da Prefeitura de São José de Ribamar, a cidade começou a ser construída em torno da Igreja de São Jose de Ribamar, que aos pouco fora se tornado um lugar atrativo para os devotos do Glorioso Santo. Por outro lado, junto à história da cidade nasce também, a lenda que narra à história da chegada da imagem do Glorioso São José de Ribamar em terras maranhenses, como atesta Reis (2004, p. 190): As versões são inúmeras, mas o âmago da temática é praticamente o mesmo e narram a respeito de um navio que, vindo de Portugal para o Maranhão entrou errado na baía de Guaxenduba, hoje denominada de São José, em meio a um temporal, bateu fortemente nos arrecifes e por verdadeiro milagre não houve o naufrágio. Na ocasião do desespero, e vendo a situação piorando a todo segundo, o comandante da embarcação fez súplica e toda Revista Diálogos N. 10 Novembro de

14 tripulação o acompanhou no clamor a São José de Botas, que era o protetor dos navegadores europeus, oriundos da escola naval de Sagres..Valei-nos! Oh! São José proteja-nos, abrande esse vento, acalme o mar e salve a todos nós com vida. Num grande agradecimento, traremos a sua gloriosa imagem para este lugar. Não tardou e o pedido foi atendido, quando uma onda gigante bateu contra o casco da caravela e a jogou sobre uma croa, tendo logo encalhado em um lugar seguro. Essa lenda é a mais conhecida pelos devotos fieis do Glorioso São José de Ribamar, o santo de botas. E hoje faz parte do imaginário votivo dos fieis que visitam o santuário a ele dedicado. Fazendo uma referência ao tema deste artigo, podemos a partir da narrativa lendária, destacar que a estrutura de sentimento dessa narrativa é puramente votiva. E, portanto, por fazer parte de um imaginário coletivo se renova na força de novos devotos que buscam, no Glorioso São José de Ribamar, os auxílios necessários aos pedidos rogados a Deus. Nos estudos folkcomunicacionais, a partir da análise feita, o festejo de São José de Ribamar esta incluso na festa dos grupos culturalmente marginais urbanos, estudados por Luis Beltrão (1980, p. 61): As festas religiosas urbanas são grandes concentrações do povo em honra de um santo (católicas), de um orixá (Umbanda- Candomblé) ou de participação em uma experiência mística extraordinária (benção, batismos coletivos, sessões públicas de oração Revista Diálogos N. 10 Novembro de

15 e cura de diferentes congregações evangélicas), ou manifestações mediúnicas espiritistas, que atraem multidões. Os fenômenos religiosos têm a sua expressão máxima, dentro das Igrejas que cultuam os santos de maneira votiva, como comunicadores entre o humano e o Divino. Diante desse ponto de vista, o ser humano é por natureza um ser religioso, que através de orações, promessas, e simbologias manifestam a sua fé no sagrado. O sagrado manifesta-se sempre como uma realidade de uma ordem inteiramente diferente das realidades naturais. (ELIADE 1956, p. 20) Por ser uma cidade que se abastece do turismo religioso durante o mês de setembro, período mais importante para a vida da cidade, obedecendo ao tradicional calendário Lunar, na semana da lua cheia, dar-se inicio ao tradicional Festejo de São José de Ribamar, cujo espaço citado torna-se pequeno. A cidade balneária de São José de Ribamar, no período das festas do seu protetor muda de hábito, radicalmente, pela enorme quantidade de pessoas que a visita, seja para pagar promessas, batizar, casar, passear, pedir graças, agradecer milagres alcançados pela intercessão do glorioso São José de Ribamar ou então simplesmente entregar-se a momentos de oração. (REIS, 2004, p.177) Diante dessa realidade votiva, convém salientar, que os sentimentos depositados aos pés do santo de devoção, podem ser experimentados por muitos devotos como uma forte expressão da cultura religiosa massiva que liga uma geração a outra. Neste sentido, é importante destacar que metodologicamente a Revista Diálogos N. 10 Novembro de

16 estrutura de sentimento é uma hipótese cultural, derivada na prática de tentativas de compreender esses elementos se suas ligações numa geração ou período (WILLIAMS, 1979, p. 135). Na devoção a um santo, essa hipótese cultural, é resultante de profunda experiência histórica que é transmitida de pai para filho. Portanto, há uma estrutura denominada sentimento que não é uma estrutura ideológica como estamos habituados a definir. Ao avaliar a obra de arte Raymond Williams destaca o sentimento passado pelo artista, que parecendo isolado do mundo transmite à sua arte uma estrutura que posteriormente pode ser partilhado por outros artistas ou amantes da arte. Quando as obras estavam sendo feitas, seus criadores muitas vezes pareciam, tanto para si mesmos quanto para os outros, estar sozinhos isolados, e serem ininteligíveis [...]. Em nosso próprio tempo, antes que isso aconteça, é provável que aqueles para quem a nova estrutura seja mais acessível, ou em cujas obras ela está se formando de maneira mais clara, percebam sua experiência como única: como o que os isola das outras pessoas, ainda que o que os isolem sejam de fato as formações herdadas e as convenções e instituições que não mais exprimem e satisfazem os aspectos mais essenciais de suas vidas. (WILLIAMS, 1979, p. 19) Na própria caminhada votiva, a experiência com o sagrado é sempre única, pois a estrutura moldada abrange os fenômenos socioculturais, contribuindo assim, para a atualização de um passado que se torna sempre presente nessas Revista Diálogos N. 10 Novembro de

17 manifestações, acima de tudo, quando envolve o imaginário religioso de um lugar. Na grande procissão, ponto máximo do festejo, os esforços são sobre-humanos para pelo menos tocar em um dos adornos do andor, pois para os devotos todo e qualquer sacrifício vale a pena em consideração a fé. (REIS, 2001, p. 299). Neste sentido as estruturas do sentimento votivo deparamse constantemente com o sentimento emocional do fiel devoto, como atesta Reis (2004, p. 177): É comum depararmo-nos com homens e mulheres com lágrimas nos olhos tomados pela emoção da fé que alimenta a esperança na busca de curas e milagres considerados aparentemente impossíveis, mas cujas graças acabam sendo alcançadas pelos fiéis. Na demonstração desses sentimentos manifestos pelos devotos, voltemos à atenção a estrutura de sentimento proposta por Williams. Como já foi dito anteriormente, as analises das estruturas feitas por Williams como salientou Paul Filmer (2003) nos leva a entender os fenômenos socioculturais. Raymond Williams (1979) alertava que todo grupo possui um corpo de práticas e um ethos em comum, que, muito provavelmente, vai se chocar contra as práticas e o ethos de um ou mais grupos distintos. Por isso, muitas vezes analisar um escritor implica analisar o grupo do qual faz parte, levando em conta as ideias e as atividades manifestas e também as ideias e posições implícitas dos demais artistas do mesmo grupo, isto é, torna-se relevante debruçar-se sobre os laços de amizade e os relacionamentos constituídos entre os participantes. Revista Diálogos N. 10 Novembro de

18 A partir dessa análise, o festejo de São José de Ribamar, apresenta uma linguagem formada por uma serie de elementos culturais que buscam na própria estrutura um entendimento sociocultural. Esses elementos vão desde os benditos oferecidos ao santo às historias em quadrinhos que narram a lenda da chegada do santo à cidade a ele consagrada. Neste sentido, para Williams (1979), a relação de estrutura pode demonstrar um principio organizador que rege grupos sociais. Nessa linha de pensamento, Cevasco (2001, p. 153) aponta que a união dos grupos sociais ou a respostas dos artistas sejam reunidas como característica de um grupo ou formação. Em aprofundamento ao pensamento da autora deve ser levado em conta o lugar social, o lugar desses atores, para assim determinar a visão de mundo que eles produzem a partir de tais manifestações. Na festa de um santo, acima de tudo uma festa cuja dimensão social, religiosa e cultural é complexa, há varias formas de manifestação votiva, que podemos denominar dentro da estrutura de sentimento como característica própria de um grupo. Dentre elas destacaremos a estrutura comunicacional dos exvotos, que simbolicamente são oferecidos em forma de agradecimento pela graça alcançado. Leach (1976, p. 16) discorre: As formas e canais através dos quais nos comunicamos uns com os outros são bem diversos e complexos, mas como uma primeira abordagem, objetivando apenas uma análise inicial, concluirei que a comunicação humana é alcançada através de ações expressivas que operam como sinais, signos e símbolos. Revista Diálogos N. 10 Novembro de

19 Na concepção de Leach (1976) os ex-votos são símbolos padronizados que publicamente geram informações. No santuário de São José de Ribamar, os ex-votos, tornaram-se tradição, pois ir ao santuário e não acender uma vela, ou não oferecer algo ao santo em sinal de agradecimento é não obter, segundo o imaginário do fiel devoto, a graça rogada a Deus pela intercessão do santo padroeiro, o Glorioso São José. Na própria analise votiva o ex-voto é uma estrutura inovadora que mantém a vida hegemônica das instituições que atuam no campo religioso, cujas mudanças acontecem de acordo com a elaboração litúrgica adaptada para um determinado local. Por exemplo, no Santuário de São José de Ribamar o corpus litúrgico ajuda a sustentar a estrutura votiva ao santo padroeiro e esta, por sua vez, não deixa de exercer certa dominação a vida social da cidade, que de acordo com a festa dedicada ao Santo muda durante esse período. Ao aplicar a estrutura de sentimento, na organização social e suas respectivas mudanças, Cevasco (2001, p. 157) salienta: A estrutura de sentimento é então uma resposta a mudanças determinadas na organização social, é a articulação do emergente, do que escapa à força acachapante da hegemonia, que certamente trabalha sobre o emergente nos processos de incorporação, através dos quais transforma muitas de suas articulações para manter a centralidade de sua dominação. Na análise literal de um hino dedicado ao Glorioso São José, encontraremos na letra apresentada, a estrutura de sentimento presente na realidade complexa da época e Revista Diálogos N. 10 Novembro de

20 consequentemente à sua realidade social. Por exemplo, no hino da benção de São José: Nós pedimos a são José a sua benção, sua benção e proteção. É de todo coração que vos pedimos sua benção e proteção. Para todos os desempregados a sua benção [...]. Para todos os doentes a sua benção [...]. Para todos os romeiro a sua benção... (CORAÇÃO SERENO, 2003) Todos esses elementos fazem parte de um contexto que culturalmente foi implantado na estrutura votiva de um povo. No contexto em que foi escrito percebe-se a posição do compositor em relação à realidade sociocultural (desemprego, doenças, Romarias votivas, etc.) e ao mesmo tempo o sentimento religioso (vos pedimos sua benção e proteção). Neste sentido, Williams (1979) apresenta que a linguagem não tem neutralidade, por isso, produz na vida social, cultural e religiosa, sentidos e valores que legitimam a sua ideologia. A partir dessa visão sociocultural que o hino nos fornece, a devoção ajuda a formalizar com papel ativo os processos sociais de incorporação de novos valores e de percepções uma nova estrutura de sentimento como experiências sociais em solução, distintas de outras formações semânticas sociais que foram precipitadas, [...] evidente e imediata (WILLIAMS, 1979, p. 136). Nos estudos culturais, podemos afirmar com Raymond Williams que a prática humana não pode ser esgotada pela cultura. Williams (2011) especifica que nas culturas dominantes, há a distinção entre formas residuais (experiências, significados e valores que não podem ser verificados, são resíduos de formações Revista Diálogos N. 10 Novembro de

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida.

A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa fé, uma luz na caminhada de nossa vida. LITURGIA DA PALAVRA A Palavra de Deus proclamada e celebrada - na Missa - nas Celebrações dos Sacramentos (Batismo, Crisma, Matrimônio...) A Bíblia é para nós, cristãos, o ponto de referência de nossa

Leia mais

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS

CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS CRIANÇAS AJUDAM E EVANGELIZAM CRIANÇAS Infância/Adolescencia MISSÃO MISSÃO. Palavra muito usada entre nós É encargo, incumbência Missão é todo apostolado da Igreja. Tudo o que a Igreja faz e qualquer campo.

Leia mais

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO

QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO QUARESMA TEMPO DE REFLEXÃO E AÇÃO Disponível em: www.seminariomaiordebrasilia.com.br Acesso em 13/03/2014 A palavra Quaresma surge no século IV e tem um significado profundo e simbólico para os cristãos

Leia mais

Dialogismo Bakhtiniano... Santos Teixeira

Dialogismo Bakhtiniano... Santos Teixeira DIALOGISMO BAKHTINIANO E O DISCURSO RELIGIOSO: UMA ABORDAGEM SOCIOINTERATIVA DA LINGUAGEM NA RELIGIOSIDADE POPULAR. Prof. Ms. Edvaldo Rogério Santos Teixeira 1 RESUMO Este artigo tem como objetivo abordar

Leia mais

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO

PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO RELIGIOSO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS DO ENSINO RELIGIOSO Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso Resumo: Os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Religioso constituem-se num marco histórico

Leia mais

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB

COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA. Estudo 104 CNBB COMUNIDADE DE COMUNIDADES: UMA NOVA PARÓQUIA Estudo 104 CNBB ASPECTOS GERAIS DO DOCUMENTO PERSPECTIVAS PASTORAIS TEXTOS BASES DESAFIOS FUNÇÕES DA PARÓQUIA PERSPECTIVA TEOLÓGICA MÍSTICA DO DOCUMENTO PERSPECTIVA

Leia mais

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento?

OS SACRAMENTOS. O que é um Sacramento? OS SACRAMENTOS Os sacramentos da nova lei foram instituídos por Cristo e são sete, a saber: o Batismo, a Crisma ou Confirmação, a Eucaristia, a Penitência, a Unção dos Enfermos, a Ordem e o Matrimônio.

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO

MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO MARIA ÍCONE DA IGREJA SOLIDÁRIA NAS DORES DO POVO Reflexão Estamos preparando o Jubileu dos 300 anos do encontro da Imagem de Nossa Senhora Aparecida e 160 anos da declaração do Dogma da Imaculada Conceição

Leia mais

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver.

A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. A Igreja é uma santa sociedade cristã para santa comunhão ordinária e ajuda mútua no culto público a Deus e no santo viver. Richard Baxter Contexto: Os puritanos surgiram para apoiar e desejar a reforma

Leia mais

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos,

PASCOM. A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, PASCOM A PASCOM agradece a todos que colaboraram com esta edição do INFORMATIVO DA PENHA nos mandando fotos, t e x t o s e i d é i a s p a r a a s matérias! Nossa Senhora da Penha, que sabe o nome de cada

Leia mais

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã.

ROSÁRIO ANGLICANO. contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. ROSÁRIO ANGLICANO contemplativa nos diversos níveis da tradição cristã. O Círculo do Rosário Anglicano simboliza a roda do tempo; na tradição cristã o número 4 representa os quatro braços da cruz: quando

Leia mais

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações?

O Canto Litúrgico. Como escolher os cantos para nossas celebrações? O Canto Litúrgico Como escolher os cantos para nossas celebrações? O que é Liturgia? Liturgia é antes de tudo "serviço do povo", essa experiência é fruto de uma vivencia fraterna, ou seja, é o culto, é

Leia mais

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória,

Lição Oito. O Culto a Deus. Que É Culto? adoração da parte da pessoa que pensa acerca de Deus. O culto é a reação humana à glória, Livro 1 página 57 Lição Oito O Culto a Deus Que É Culto? O culto é o ato de reconhecer a Deus por quem Ele é. Inclui uma atitude de reverência, devoção e adoração da parte da pessoa que pensa acerca de

Leia mais

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40.

Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Aparição da Mãe Divina. Colina do Cristo Redentor, Carmo da Cachoeira, MG, Brasil. Domingo, 12 de fevereiro de 2012, às 20h40. Como no dia de ontem, o grupo reuniu-se às 19h30 para iniciar a tarefa de

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL 2014

PLANEJAMENTO ANUAL 2014 PLANEJAMENTO ANUAL 2014 Disciplina: ENSINO RELIGIOSO Período: Anual Professor: MARIA LÚCIA DA SILVA Série e segmento: 6º ANO 1º TRIMESTRE 2º TRIMESTRE 3º TRIMESTRE * Trabalhar a formação cidadã do aluno

Leia mais

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel.

NOVENA DE NATAL 2015. O Natal e a nossa realidade. A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. NOVENA DE NATAL 2015 O Natal e a nossa realidade A jovem concebeu e dará à luz um filho, e o chamará pelo nome de Emanuel. (Is 7,14) APRESENTAÇÃO O Natal se aproxima. Enquanto renovamos a esperança de

Leia mais

Oração na Vida Diária

Oração na Vida Diária Oração na Vida Diária ocê é convidado a iniciar uma experiência de oração. Às vezes pensamos que o dia-a-dia com seus ruídos, suas preocupações e sua correria não é lugar apropriado para levantar nosso

Leia mais

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II

Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Celebrar e viver o Concílio Vaticano II Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa Celebrar os 50 anos da abertura do Concílio no Ano da Fé 1. Na Carta apostólica A Porta da Fé, assim se exprime

Leia mais

Escola de Evangelização Palavra Viva

Escola de Evangelização Palavra Viva Escola de Evangelização Palavra Viva Cursos Ordinários FORMAÇÃO ESPIRITUAL 1. Células História do método de evangelização por células Meios de fazer Frutos do método no mundo 2. Concílio Vaticano II Introdução

Leia mais

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública.

Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. Após as festas do Natal, em que celebramos o mistério da infância de Jesus, a liturgia nos introduz no mistério da sua vida pública. No BATISMO DE JESUS, no Rio Jordão, revela-se o Filho amado de Deus,

Leia mais

"Maria!"! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist!

Maria!! !!!!!!!! Carta!de!Pentecostes!2015! Abade!Geral!OCist! CartadePentecostes2015 AbadeGeralOCist "Maria" Carissimos, vos escrevo repensando na Semana Santa que passei em Jerusalém, na Basílica do Santo Sepulcro, hóspede dos Franciscanos. Colhi esta ocasião para

Leia mais

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA

Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Capitulo 3 ESPIRITUALIDADE DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA Deus nos alerta pela profecia de Oséias de que o Povo dele se perde por falta de conhecimento. Cf. Os 4,6 1ª Tm 4,14 Porque meu povo se perde

Leia mais

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica

OBLATOS ORIONITAS. linhas de vida espiritual e apostólica OBLATOS ORIONITAS linhas de vida espiritual e apostólica Motivos inspiradores da oblação orionita laical O "carisma" que o Senhor concede a um fundador, é um dom para o bem de toda a Igreja. O carisma

Leia mais

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013

Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 Repasse da 76a. Assembléia da CNBB Sul I Aparecida de 10 a 12/06/2013 1. Finalidade do Ano da Fé; 2. O que é a Fé; 3. A transmissão da Fé enquanto professada, celebrada, vivida e rezada; 4. O conteúdo

Leia mais

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2.

TRADIÇÃO. Patriarcado de Lisboa JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. TRADIÇÃO JUAN AMBROSIO / PAULO PAIVA 2º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 2014 1. TRADIÇÃO E TRADIÇÕES 2. A TRANSMISSÃO DO TESTEMUNHO APOSTÓLICO 3. TRADIÇÃO, A ESCRITURA NA IGREJA Revelação TRADIÇÃO Fé Teologia

Leia mais

Redenção Acontecimento e linguagem

Redenção Acontecimento e linguagem Redenção Acontecimento e linguagem Pediram-me que fizesse uma introdução a este debate acerca da «Redenção Acontecimento e liguagem» do ponto de vista da teologia sistemática. Limitar-me-ei, portanto,

Leia mais

VIGÍLIA DE LOUVOR JOVEM

VIGÍLIA DE LOUVOR JOVEM VIGÍLIA DE LOUVOR JOVEM Se espera de uma v i g í l i a jo v e m um bom planejamento, divulgação, objetivo e um tema definido acertando em cheio o objetivo proposto no planejamento da vigília. Em uma vigília

Leia mais

O projeto será aplicado em turmas da 3ª série do ensino fundamental, na faixa etária entre 8 e 9 anos.

O projeto será aplicado em turmas da 3ª série do ensino fundamental, na faixa etária entre 8 e 9 anos. 1 TEMA Símbolos religiosos lembranças de uma história 2 SÉRIE 3ª série ou 1ª etapa do ciclo II 3 ALUNO Simone do Rocio Sueke simonesueke@yahoo.com.br 4 OBJETIVOS Perceber a existência de diferentes símbolos

Leia mais

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA

SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA SOLENE CELEBRAÇÃO EUCARÍSTICA Antes da Solene celebração, entregar a lembrança do centenário No Final terá um momento de envio onde cada pessoa reassumirá a missão. O sinal deste momento será a colocação

Leia mais

Vivendo a Liturgia Ano A

Vivendo a Liturgia Ano A Vivendo a Liturgia Junho/2011 Vivendo a Liturgia Ano A SOLENIDADE DA ASCENSÃO DO SENHOR (05/06/11) A cor litúrgica continua sendo a branca. Pode-se preparar um mural com uma das frases: Ide a anunciai

Leia mais

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe.

NOVENA PRIMEIRO DIA. Glória a ti Deus Pai, tu que chamaste a Rafqa à santa vida monástica e foste para ela Pai e Mãe. NOVENA O verdadeiro crente deve conscientizar-se da importância da oração em sua vida. O senhor Jesus disse : Rogai sem cessar ; quando fazemos uma novena que é uma de oração, estamos seguindo um ensinamento

Leia mais

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística

RESUMO. Palavras-chave fenomenologia; método; mística RESUMO FENOMENOLOGIA E MÍSTICA Uma abordagem metodológica Elton Moreira Quadros Professor substituto na Univ. Estadual do Sudoeste da Bahia (UESB), Faculdade Juvência Terra (FJT) Instituto de Filosofia

Leia mais

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014

CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 CELEBRAÇÃO PARA O DIA DO CATEQUISTA 2014 NO CAMINHO DO DISCIPULADO MISSIONÁRIO, A EXPERIÊNCIA DO ENCONCONTRO: TU ÉS O MESSIAS, O FILHO DO DEUS VIVO INTRODUÇÃO Queridos/as Catequistas! Com nossos cumprimentos

Leia mais

Nossa Senhora da Assunção

Nossa Senhora da Assunção Série Pe. Roque Vicente Beraldi, CMF Novena milagrosa a Nossa Senhora da Assunção Dia da festa: 15 de agosto EDITORA AVE-MARIA Introdução Contemplações sobre a Sagrada Escritura, sem conteúdo comprovado,

Leia mais

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS

LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS LECTIO DIVINA JESUS CHAMA SEUS DISCI PULOS 1 TEXTO BÍBLICO - Lucas 6,12-19 (Fazer uma Oração ao Espírito Santo, ler o texto bíblico, fazer um momento de meditação, refletindo sobre os três verbos do texto

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati

Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / 6º ANO TRADIÇÕES RELIGIOSAS TEXTOS SAGRADOS Se as religiões estão para humanizar

Leia mais

Mantendo uma Posição Firme

Mantendo uma Posição Firme Livro 1 página 65 Lição Nove Mantendo uma Posição Firme (O Batismo e a Membresia na Igreja) Introdução: O batismo e a membresia na igreja säo coisas inteiramente diferentes. Eles estão juntos nesta lição

Leia mais

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM

TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM Página 1 TOMADA DE POSSE DO NOVO PÁROCO - CELEBRAÇÃO (cf. Cerimonial dos Bispos, nn. 1185-1198) DIOCESE DE CRUZEIRO DO SUL AC/AM 01. Canto de Entrada 02. Saudação inicial do celebrante presidente 03. Leitura

Leia mais

I Plenitude do Espírito e vida familiar

I Plenitude do Espírito e vida familiar 13 I Plenitude do Espírito e vida familiar E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com

Leia mais

DIRECTÓRIO GERAL DA CATEQUESE - SDCIA/ISCRA -2 Oração inicial Cântico - O Espírito do Senhor está sobre mim; Ele me enviou para anunciar aos pobres o Evangelho do Reino! Textos - Mc.16,15; Mt.28,19-20;

Leia mais

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015

Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Celebração do Dia Nacional do Catequista 30 de agosto de 2015 Introdução: Educar na fé, para a paz, a justiça e a caridade Este ano a Igreja no Brasil está envolvida em dois projetos interligados: a lembrança

Leia mais

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS

NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS Pe. Nilton César Boni, cmf NOVENA DOS PAIS QUE ORAM PELOS FILHOS EDITORA AVE-MARIA Apresentação Aos membros da família cristã podem aplicar-se de modo particular as palavras com que Cristo promete a sua

Leia mais

Victor André João de Deus

Victor André João de Deus Victor André João de Deus Historia Marcellin Champagnat, aportuguesado para Marcelino Champagnat (20 de maio de 1789, Marlhes - 6 de junho de 1840, Notre Dame de l'hermitage) foi um presbítero da Sociedade

Leia mais

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar

A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar A distinção de Ensino Religioso e Catequese Lurdes Fátima Polidoro Robson Stigar Introdução Pretendemos apresentar neste artigo algumas ideias sobre a diferença da disciplina Ensino Religioso (ER) da tradicional

Leia mais

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção?

MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Por que pensar em Mística e Construção? MÍSTICA E CONSTRUÇÃO Espiritualidade e profecia são duas palavras inseparáveis. Só os que se deixam possuir pelo espírito de Deus são capazes de plantar sementes do amanhã e renovar a face da terra. Todo

Leia mais

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano

SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano 1 SANTA TERESA DE JESUS, UMA APROXIMAÇÃO PEDAGÓGICO-PASTORAL Por ocasião do V Centenário do Nascimento de Santa Teresa de Jesus, o Colégio Teresiano assumiu o compromisso de fazer memória da vida singular

Leia mais

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro.

Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo nos são ditas através deste Livro. A importância do estudo bíblico para a vida cristã 2 Pedro 1.12-2121 Pr. Fernando Fernandes Eu acredito que a Bíblia é a melhor dádiva que Deus deu à humanidade. Todas as coisas boas do Salvador do mundo

Leia mais

Juniores aluno 7. Querido aluno,

Juniores aluno 7. Querido aluno, Querido aluno, Por acaso você já se perguntou algumas destas questões: Por que lemos a Bíblia? Suas histórias são mesmo verdadeiras? Quem criou o mundo? E o homem? Quem é o Espírito Santo? Por que precisamos

Leia mais

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora

Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora BELO HORIZONTE, 21 DE MAIO DE 2010 Nº 002 Prezados Salesianos, demais grupos da Família Salesiana e Leigos, No dia 24 de maio, celebramos a Solenidade de Nossa Senhora Auxiliadora, padroeira de toda a

Leia mais

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto.

MITO. De MÝEIN se fez a palavra MÝSTES, iniciado nos mistérios, de onde derivou MYSTÉRION, doutrina secreta, arcano, culto secreto. MITO Mito vem do Grego MYTHÓS, que tinha um grande número de significados dentro de uma idéia básica: discurso, mensagem palavra, assunto, invenção, lenda, relato imaginário. Modernamente está fixada nestes

Leia mais

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu.

Por isso, redescobrir a Eucaristia na plenitude é redescobrir o CRISTO. Hoje queremos agradecer este grande dom, que Cristo nos deu. O Pão da Vida Na solenidade de Corpus Christi, queremos recordar que os atos redentores de Cristo, que culminam na sua morte e ressurreição, atualizam-se na Eucaristia, celebrada pelo Povo de Deus e presidida

Leia mais

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ

O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ O RITUAL DE INICIAÇÃO CRISTÃ DE ADULTOS: UM INSTRUMENTO PARA A TRANSMISSÃO DA FÉ Pe. Thiago Henrique Monteiro Muito adultos convertem-se a Cristo e à Igreja Católica. Por exemplo, neste ano, nas dioceses

Leia mais

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética

Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética Plano Diocesano da Animação Bíblico-Catequética 2 0 1 2-2 0 1 5 DIOCESE DE FREDERICO WESTPHALEN - RS Queridos irmãos e irmãs, Com imensa alegria, apresento-lhes o PLANO DIOCESANO DE ANIMAÇÃO BÍBLICO -

Leia mais

Sal da TERRA e luz do MUNDO

Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da TERRA e luz do MUNDO Sal da terra e luz do mundo - jovens - 1 Apresentação pessoal e CMV Centro Missionário Providência Canto: vós sois o sal da terra e luz do mundo... MOTIVAÇÃO: Há pouco tempo

Leia mais

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS

IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS IV FÓRMULAS DE BÊNÇÃO PARA LAUDES E VÉSPERAS I. Nas celebrações do Tempo Advento Deus omnipotente e misericordioso, que vos dá a graça de comemorar na fé a primeira vinda do seu Filho Unigénito e de esperar

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos

São Paulo ganha dos companheiros. São atribuías a S.Paulo 14 cartas. Umas são dele mesmo: Romanos, 1 e 2 aos Corintios, a Filemom, aos Gálatas, aos No Antigo Testamento são citadas algumas cartas, como no 2ºMacabeus, capi.1º. Mas é no Novo Testamento que muitas cartas foram conservadas como parte integrante da revelação de Deus. No Novo Testamento

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE?

2015 O ANO DE COLHER MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? MAIO - 1 COMO SERÁ A CIDADE? Texto: Apocalipse 21:1-2 Então vi um novo céu e uma nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra tinham passado; e o mar já não existia. Vi a cidade santa, a nova Jerusalém,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. RESOLUÇÃO Nº 065-PROEC/UNICENTRO, DE 25 DE ABRIL DE 2011. Aprova a continuidade do Projeto de Extensão Escola de Teologia para leigos Nossa Senhora das Graças, na modalidade de Curso de Extensão, na categoria

Leia mais

Sumário Rosário de Nossa Senhora

Sumário Rosário de Nossa Senhora Sumário PRECES DIÁRIAS DO CRISTÃO... 13 1. Sinal da Cruz... 13 2. Pai-Nosso... 14 3. Ave-Maria... 15 4. Glória ao Pai... 16 5. Creio... 16 6. Invocação ao Espírito Santo... 17 7. Bênção contra a Tristeza...

Leia mais

Explicação da Missa MISSA

Explicação da Missa MISSA Explicação da Missa Reunidos todos os catequizandos na Igreja, num primeiro momento mostram-se os objetos da missa, ensinam-se os gestos e explicam-se os ritos. Em seguida celebra-se a missa sem interrupção.

Leia mais

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino

OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO ORAÇÃO A SÃO JERÔNIMO. Pai nosso que estais nos céus. Santificado seja o vosso nome. Venha a nós o vosso reino OUTRAS ORAÇÕES PAI NOSSO Pai nosso que estais nos céus Santificado seja o vosso nome Venha a nós o vosso reino Seja feita a vossa vontade Assim na Terra como no Céu O pão nosso de cada dia nos dai hoje

Leia mais

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP

SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP SEMANA DE FORMAÇÃO TEOLÓGICA PARÓQUIA SANTO ANTONIO Itapira SP CREIO (N)A SANTA IGREJA CATÓLICA I CRER DE MODO ECLESIAL NO CONTEÚDO DA FÉ CRISTÃ. A PROFISSÃO DE FÉ DA IGREJA A FÉ BATISMAL A PROFISSÃO DE

Leia mais

134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo. Clique em um dos links abaixo:

134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo. Clique em um dos links abaixo: 134 Vídeos do Padre Paulo Ricardo Clique em um dos links abaixo: Marxismo Cultural e Revolução Cultural - Primeira Aula http://www.youtube.com/watch?v=fji7cugwzvw Marxismo Cultural e Revolução Cultural

Leia mais

CONSELHOS EVANGÉLICOS

CONSELHOS EVANGÉLICOS CONSELHOS EVANGÉLICOS 1- RAZÃO TEOLÓGICA 1.1. Fato de Vida na Igreja A vivência da virgindade-pobreza-obediência de Jesus Cristo é fato de vida que existe na igreja desde suas origens. O estado religioso:

Leia mais

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE

MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE MISSA DE ABERTURA DA CATEQUESE XXV domingo do tempo comum 23/09/2012 Igreja de Cedofeita ENTRADA Eu vi meu Deus e Senhor, aleluia, aleluia. Cantai ao amor, cantai, aleluia, aleluia. ADMONIÇÃO DE ENTRADA

Leia mais

A Apostolicidade da Fé

A Apostolicidade da Fé EMBARGO ATÉ ÀS 18H30M DO DIA 10 DE MARÇO DE 2013 A Apostolicidade da Fé Catequese do 4º Domingo da Quaresma Sé Patriarcal, 10 de Março de 2013 1. A fé da Igreja recebemo-la dos Apóstolos de Jesus. A eles

Leia mais

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos

NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER. Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos NOVENA A SÃO PEREGRINO: PROTETOR DOS DOENTES DE CÂNCER Comentarista: Quem foi São Peregrino? São Peregrino, foi um frade da Ordem dos Servos de Maria e ficou conhecido como o protetor contra o câncer.

Leia mais

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo.

1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. 1. Com o Dízimo, aprendemos a AGRADECER a Deus e ao próximo. Ao contribuir com o dízimo, saímos de nós mesmos e reconhecemos que pertencemos tanto à comunidade divina quanto à humana. Um deles, vendo-se

Leia mais

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10.

Vigília Jubilar. Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Vigília Jubilar Vigília do dia 17 para 18. Abrir às 21 horas do dia 17/10 e encerrar às 6h da manhã do dia 18/10. Material: Uma Bíblia Vela da missão Velas para todas as pessoas ou pedir que cada pessoa

Leia mais

Lembrança da Primeira Comunhão

Lembrança da Primeira Comunhão Lembrança da Primeira Comunhão Jesus, dai-nos sempre deste pão Meu nome:... Catequista:... Recebi a Primeira Comunhão em:... de... de... Local:... Pelas mãos do padre... 1 Lembrança da Primeira Comunhão

Leia mais

Diocese de Amparo - SP

Diocese de Amparo - SP Formação sobre o documento da V Conferência do Episcopado da América Latina e do Caribe Diocese de Amparo - SP INTRODUÇÃO De 13 a 31 de maio de 2007, celebrou-se em Aparecida, Brasil, a V Conferência Geral

Leia mais

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família

A transmissão da fé na Família. Reunião de Pais. Família A transmissão da fé na Família Reunião de Pais Família Plano Pastoral Arquidiocesano Um triénio dedicado à Família Passar de uma pastoral sobre a Família para uma pastoral para a Família e com a Família

Leia mais

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO?

Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? Ficha 1 História: O QUE É UM CONCÍLIO? A palavra Concílio significa assembleia reunida por convocação e, na Igreja, um concílio sempre teve como objetivo discutir, definir e deliberar sobre questões de

Leia mais

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS

CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS CURSO: LICENCIATURA EM CIÊNCIAS DA RELIGIÃO EMENTA DAS DISCIPLINAS PRODUÇÃO E RECEPÇÃO DE TEXTOS Lingüística Textual : Recepção e Produção de Textos Visão Sistemática e Particular. Gêneros e Estruturas

Leia mais

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH.

Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Universidade Federal do Acre UFAC Centro de Filosofia e Ciências Humanas CFCH. Colóquio Religiões e Campos simbólicos na Amazônia Período de realização 25 a 28 de agosto de 2014. Grupos de trabalhos. GT

Leia mais

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C

EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C EDUCAÇÃO RELIGIOSA 7º ANO 17B, C CONTEÚDOS DO EXAME Líderes religiosos, Motivação e Liderança Convivência com o grupo; Amizade e sentido de grupo Os projetos Solidários; O que é um projeto? Olhares sobre

Leia mais

Estudos na Palavra de Deus. Jovens

Estudos na Palavra de Deus. Jovens Estudos na Palavra de Deus Jovens Grandes Santos de Deus Jovens programação Jovens Sirvo a um Deus preciso Richard Roger (1550-1618) Jovens Família Igreja Sociedade Jovens CTB Os Puritanos Juliano Heyse

Leia mais

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.

Palestra Virtual. Tema: Perda dos Entes Queridos. Palestrante: Mauro Operti. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org. Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Perda dos Entes Queridos Palestrante: Mauro Operti Rio de Janeiro 08/05/1998 Organizadores da palestra: Moderador: Macroz (nick:

Leia mais

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA

MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA JORNADA DE ORAÇÃO 2010 MENSAGEM À FAMÍLIA MARIANISTA Apresentação do santuário de NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO (Padroeira do Haiti) Porto Príncipe, República do Haiti Jornada Mundial de Oração 10

Leia mais

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP

CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO CHAMADO POR DEUS. Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP CURSO DE BÍBLIA ANTIGO TESTAMENTO A HISTÓRIA DE UM POVO CHAMADO POR DEUS Paróquia de São Benedito Santa Cruz do Rio Pardo SP APRESENTAÇÃO Vocês têm em suas mãos o Curso de Bíblia. Este curso já tem sua

Leia mais

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO

Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO Celebração Comunitária do SACRAMENTO DO BAPTISMO O Baptismo, porta da vida e do reino, é o primeiro sacramento da nova lei, que Cristo propôs a todos para terem a vida eterna, e, em seguida, confiou à

Leia mais

Consolidação para o Discipulado - 1

Consolidação para o Discipulado - 1 Consolidação para o Discipulado - 1 Fortalecendo o novo convertido na Palavra de Deus Rev. Edson Cortasio Sardinha Consolidador/a: Vida consolidada: 1ª Lição: O Amor de Deus O amor de Deus está presente

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC

ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC ESCOLA DE PASTORAL CATEQUÉTICA ESPAC 1. ESPAC O QUE É? A ESPAC é uma Instituição da Arquidiocese de Fortaleza, criada em 1970, que oferece uma formação sistemática aos Agentes de Pastoral Catequética e

Leia mais

são rafael Arcanjo da cura e da libertação

são rafael Arcanjo da cura e da libertação são rafael Arcanjo da cura e da libertação Coleção mensageiros São Rafael Arcanjo da cura e da libertação, Agnaldo José dos Santos agnaldo josé dos santos são rafael Arcanjo da cura e da libertação Direção

Leia mais

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015

A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS. Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 A Santa Sé PAPA FRANCISCO ANGELUS Praça de São Pedro Domingo, 15 de Fevereiro de 2015 [Multimídia] Amados irmãos e irmãs, bom dia! Nos últimos domingos o evangelista Marcos tem-nos contado a acção de Jesus

Leia mais

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre

No Dia do Juízo, quando o Filho do Homem, na Sua glória, vier nos julgar, escreve o evangelista Mateus, Ele nos questionará sobre Caridade e partilha Vivemos em nossa arquidiocese o Ano da Caridade. Neste tempo, dentro daquilo que programou o Plano de Pastoral, somos chamados a nos organizar melhor em nossos trabalhos de caridade

Leia mais

Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar

Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar Nossa Senhora Chitãozinho & Xororó Cubra-me com seu manto de amor Guarda-me na paz desse olhar Cura-me as feridas e a dor me faz suportar Que as pedras do meu caminho Meus pés suportem pisar Mesmo ferido

Leia mais

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o

É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o 3 - Eucaristia O que é a Eucaristia? É o próprio sacrifício do Corpo e do Sangue do Senhor Jesus, que Ele instituiu para perpetuar o sacrifício da cruz no decorrer dos séculos até ao seu regresso, confiando

Leia mais

'De acordo com sua palavra'

'De acordo com sua palavra' SESSÃO 2 'De acordo com sua palavra' Ambiente Sobre uma pequena mesa, lugar a Bíblia, abriu para a passagem do Evangelho leia nesta sessão. Também coloca na mesa uma pequena estátua ou uma imagem de Maria

Leia mais

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC

1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC 1º SEMINÁRIO REGIONAL SOBRE E N S I N O RELIGIOSO ITAJAÍ SC DIVERSIDADE CULTURAL RELIGIOSA NO COTIDIANO ESCOLAR: OS DESAFIOS PARA A CONSTITUIÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DO CURRÍCULO DO ENSINO FUNDAMENTAL. Profa.

Leia mais

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal

Personal Commitment Guide. Guia de Compromisso Pessoal Personal Commitment Guide Guia de Compromisso Pessoal Nome da Igreja ou Evento Nome do Conselheiro Telefone 1. Salvação >Você já atingiu um estágio na vida em que você tem a certeza da vida eterna e que

Leia mais

Índice Introdução... 13 Abreviaturas... 17 1. Natureza da liturgia cristã... 21 1.1. O termo liturgia... 21 1.1.1. No helenismo... 22 1.1.2. No Antigo Testamento... 22 1.1.3. No Novo Testamento... 23 1.1.4.

Leia mais

CURSO DE TEOLOGIA DE LEIGOS RELIGIÃO, RELIGIOSIDADE E FÉ

CURSO DE TEOLOGIA DE LEIGOS RELIGIÃO, RELIGIOSIDADE E FÉ CURSO DE TEOLOGIA DE LEIGOS RELIGIÃO, RELIGIOSIDADE E FÉ Moema Muricy A nossa proposta é distinguir a diferença conceitual entre religião, religiosidade e fé em meio ao processo cultural de pluralismo

Leia mais

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil

Israel Operadora. Autoridade no Turismo Religioso. Peregrinações Religiosas no Brasil Israel Operadora Autoridade no Turismo Religioso Peregrinações Religiosas no Brasil Nossa Especialidade A Israel Operadora, empresa do Grupo Skill Supertravel é especializada em turismo religioso. Com

Leia mais

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão

CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica. A unidade na fé a caminho da missão CARTA DE PRINCÍPIOS, CRENÇAS E VALORES 1 ALIANÇA CRISTÃ EVANGÉLICA BRASILEIRA Aliança Evangélica A unidade na fé a caminho da missão Nossa Visão Manifestar a unidade da igreja por meio do testemunho visível

Leia mais