Programa de Monitoramento de Fauna Aquática

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Monitoramento de Fauna Aquática"

Transcrição

1 Programa de Monitoramento de Fauna Aquática

2 1. APRESENTAÇÃO O Complexo Terrestre Cyclone-4 está localizado no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA), município de Alcântara (MA). Suas Áreas de Influência estão inseridas na ecorregião dos Manguezais do Maranhão, na bacia de São Luís, caracterizada pela presença de manguezais e igarapés. A Área de Influência Direta (AID) do empreendimento abrange quatro microbacias hidrográficas, incluindo os Igarapés Brito, Caiuana, Pirapema e Pepital, todos desaguando no Oceano Atlântico. Os manguezais e igarapés são ecossistemas fundamentais para a manutenção da fauna aquática, permeando os ambientes dulcícolas, estuarinos e marinhos, além de promoverem importantes bens e serviços ecológicos, tais como: fonte de alimento e produtos diversos; fonte de recreação e lazer; área de abrigo, reprodução, desenvolvimento e alimentação de diversas espécies de peixes, crustáceos e moluscos, além de organismos terrestres; fonte de nutrientes para as águas costeiras adjacentes, constituindo a base de cadeias tróficas de espécies de importância econômica e/ou ecológica; manutenção da diversidade biológica da região costeira; pontos de pouso (alimentação e repouso) para diversas espécies de aves migratórias, entre outros. Os igarapés, nome regional dado aos córregos e riachos são fontes primárias de água para sistemas aquáticos maiores, como rios e lagos. Em pequenos trechos de igarapés podem ser encontradas dezenas de espécies de peixes (Ferreira et al., 2007), sendo muitas vezes endêmicas ou ainda desconhecidas pela ciência. As cadeias alimentares desse tipo de ecossistema são fortemente dependentes do material alóctone vindo da floresta adjacente como, por exemplo: frutos, sementes, folhas e pequenos invertebrados terrestres (Goulding, 1980; Walker, 1995). Estes recursos podem ser consumidos diretamente pela fauna aquática local, além de aumentarem a quantidade de matéria orgânica particulada, que é alimento de macroinvertebrados e vários outros organismos detritívoros. Já os manguezais ocorrem desde o extremo norte (Rio Oiapoque 04 o 20 N) até Laguna, em Santa Catarina (28 o 30 S) (Schaeffer-Novelli, 1989). Esses ecossistemas são altamente produtivos e caracterizados como áreas berçários. No litoral brasileiro, principalmente no nordeste, vários recursos provenientes do manguezal são utilizados como fonte de subsistência, seja na forma direta de alimentos ou indiretamente pela comercialização do produto capturado. Considerando o diagnóstico do Meio Biótico e os impactos apresentados no EIA/RIMA, a implementação do justifica-se, no contexto do licenciamento ambiental do Complexo Terrestre Cyclone-4, I-A-1

3 como medida para acompanhar os possíveis impactos oriundos das obras e operação do empreendimento. Além disso, o pretende atender ao Parecer Técnico n 43/2009-COTRA/CGMTO/DILIC, referente ao Estudo de Impacto Ambiental do Complexo Terrestre Cyclone-4, para obtenção da Licença Prévia n. 352/2010, que solicita no item X. Conclusões, página 79: Com relação ao meio biótico Fauna: Quanto à fauna aquática, considerando o tipo e porte do empreendimento, as lacunas observadas na análise e indicadas neste parecer deverão ser apresentadas para a emissão de Licença de Instalação, caso este empreendimento seja considerado viável ambientalmente, objetivando determinação orientações para realização de programa de monitoramento efetivo na AID. Portanto, o apresenta-se subdividido em três Subprogramas, sendo que os dois primeiros compreendem um detalhamento do Programa de Monitoramento da Ictiofauna: a. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Dulcícola; b. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Marinha; c. Subprograma de Monitoramento da Carcinofauna e Malacofauna; 2. REQUISITOS ATENDIDOS Os seguintes requisitos legais foram considerados na elaboração deste Programa: Lei 9.605, de Crimes Ambientais e Decreto 3.179, de 21/09/1999; Lei 9.111/1995 Acrescenta dispositivo à Lei 5.197/67, que dispõe sobre a proteção à fauna; Decreto , de dispõe sobre o disciplinamento das terras federais incluídas na área afetada pelo Centro de Lançamento de Alcântara; Lei 5.197/1967 Estabelece o tratamento que deve ser dispensado à fauna silvestre; alterada pela Lei 7.653/88; Despacho Nº 05/2010 COTRA/CGTMO/DILIC/IBAMA; Parecer Técnico Nº 43/2009 COTRA/CGMTO/DILIC; Lista Nacional de Invertebrados Aquáticos e Peixes Ameaçados de Extinção com Categorias da IUCN (BRASIL, 2004). I-A-2

4 3. PREMISSAS 3.1 Impactos identificados no EIA Os impactos sobre os ecossistemas aquáticos presentes nas áreas de influência do empreendimento estão associados, principalmente, as alterações dos corpos d água (igarapés, manguezais e região costeira). De acordo com os impactos para os ecossistemas aquáticos previstos no EIA/RIMA, faz-se necessário o monitoramento contínuo dos ambientes, seja na fase de implantação onde os procedimentos construtivos são invasivos; seja na fase de operação, quando a atividade poderá causar alterações ao ambiente aquático. A seguir, são listados os impactos sobre os ecossistemas aquáticos já previstos no EIA/RIMA, bem como uma descrição de como eles poderão afetar a fauna aquática: Impacto 1: Aumento da Turbidez. É um impacto sobre o Meio Físico que afetará, sobretudo, as comunidades aquáticas (Meio Biótico). Esse impacto é gerado a partir do incremento do aporte de sedimentos na coluna d água por meio, por exemplo, de alterações no regime de escoamento das águas superficiais de origem pluvial, carreando sedimentos mobilizados durante as obras de infraestrutura pela movimentação do terreno (supressão de vegetação, terraplanagem, abertura de acessos, implantação dos canteiros de obras, aterros, etc.). O incremento de aporte de sedimentos nos corpos d água internos ou limítrofes à área de implantação do empreendimento, além da região costeira, poderá ocorrer principalmente no período chuvoso. Impacto 2: Contaminação das águas superficiais, subterrâneas e dos solos. Caso venha a ocorrer, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará as comunidades biológicas terrestres e aquáticas. Esse impacto está relacionado, principalmente, com as primeiras fases de implantação do empreendimento e abrange a possibilidade de: lançamento ou disposição de efluentes sanitários não tratados em corpos d água; lançamento ou disposição de efluentes industriais (águas de lavagem de peças, máquinas e equipamentos) não tratados em corpos d água; disposição inadequada de resíduos sólidos, classificados de acordo com a NBR ; derramamento / vazamento de óleos combustíveis e/ou lubrificantes no solo e/ou nos corpos d água, durante o armazenamento destes e/ou no abastecimento / manutenção e operação de máquinas, equipamentos e veículos. Impacto 3: Decréscimo na taxa de recarga natural e diminuição da espessura saturada dos aquíferos quaternários locais. Novamente é um impacto sobre o Meio Físico que poderá afetar, sobretudo, as comunidades biológicas aquáticas. I-A-3

5 Esse impacto ocorre devido à impermeabilização de porções do solo, nas áreas de implantação das vias internas pavimentadas e das estruturas civis projetadas, com redução de áreas de infiltração das águas pluviais e consequente decréscimo na taxa de recarga natural e diminuição da espessura saturada dos aquíferos quaternários locais, principalmente durante a operação do empreendimento. Impacto 4: Salinização dos aquíferos locais e/ou de rebaixamento local do nível freático, perda de produtividade dos poços tubulares profundos projetados e avanço da cunha salina. É um impacto sobre o Meio Físico que afetará as comunidades biológicas terrestres e aquáticas durante a operação do empreendimento. Para o Meio Biótico, o fator mais importante relacionado a esse impacto refere-se à possibilidade de uma superexplotação do aquífero, tipicamente de ambiente costeiro, onde o bombeamento (retirada de água) excessivo poderá não só rebaixar o nível d água subterrâneo local como, também, reduzir a pressão exercida pela água doce (aquífero) sobre a água salgada de origem marinha, permitindo o avanço da cunha salina e a consequente salinização do aquífero. Essa alteração é de grande importância para a estruturação das comunidades biológicas, tendo em vista que a salinidade é uma das variáveis mais importantes na estruturação das comunidades aquáticas. Impacto 5: Contaminação das águas superficiais, subterrâneas e dos solos, decorrentes de vazamentos e/ou de acidentes com produtos perigosos, armazenados na área do empreendimento e/ou transportados. Caso ocorra, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará as comunidades biológicas terrestres e aquáticas. Semelhante ao impacto 2, descrito anteriormente, no entanto, vinculado à operação do empreendimento, portanto envolvendo outros agentes impactantes decorrentes dos procedimentos de manutenção mecânica e elétrica dos dispositivos e equipamentos que serão utilizados no centro de lançamento (óleos lubrificantes, graxas, materiais elétricos, produtos químicos variados, tintas, entre outros). Impacto 6: Contaminação dos solos e dos recursos hídricos gerada por possíveis vazamentos no transporte, armazenamento e manuseio de contaminantes. Caso venha a ocorrer, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará as comunidades biológicas terrestres e aquáticas, envolvendo o transporte de componentes de propelente do Porto de Itaqui para a área de Armazenamento Temporário; dos containeres de componentes de propelentes da Área de Armazenamento Temporário para o Complexo de Lançamento Vazamento dos Componentes de Propelente; e também o funcionamento do gerador de energia a diesel que poderá acarretar em vazamento de óleo. Impacto 7: Redução de riqueza e diversidade de espécies vegetais. A supressão de vegetação 129,62ha para a implementação do empreendimento deverá I-A-4

6 ocorrer em área de Florestas Ombrófila Aberta em Estágio Inicial e Médio de Regeneração. Neste contexto, haverá perda de indivíduos vegetais, podendo afetar de forma indireta a oferta de hábitats e alimento para a fauna aquática, sobretudo, a dulcícola. Impacto 8: Contaminação de ecossistemas por componentes de propelente decorrentes de vazamentos. Caso ocorra, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará as comunidades biológicas terrestres e aquáticas. Semelhante ao impacto 6, descrito anteriormente. Conforme previamente citado, os componentes dos propelentes utilizados nos veículos lançadores são formados por substâncias potencialmente nocivas às espécies de animais e plantas, podendo comprometer o funcionamento dos ecossistemas e a viabilidade das comunidades biológicas. Impacto 9: Poluição dos corpos d água por efluentes doméstico, industrial ou hidrocarbonetos de veículos e maquinários. Na eventualidade de ocorrer, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará, sobretudo, as comunidades biológicas aquáticas durante a instalação e operação do empreendimento. O problema poderá ser gerado a partir da produção de esgoto doméstico e resíduos industriais, arrastados por águas pluviais até igarapés mais próximos do Complexo Terrestre Cyclone-4, o que diminuirá a qualidade do recurso hídrico. O vazamento o e carreamento de resíduos industriais e combustíveis podem provocar contaminação aguda e ou crônicas nas comunidades limnológicas, se estendendo até os manguezais e região costeira adjacente. Impacto 10: Risco de perda de espécimes da fauna e flora aquáticos, decorrente da alteração da temperatura da água nos corpos d água naturais no entorno do centro de lançamento caso o impacto ocorra, será promovido por falhas no veículo lançador, podendo ocasionar explosão do mesmo durante processo de decolagem e início de vôo (fase de operação). A propagação do calor no ambiente poderá alterar a temperatura da água dos pequenos corpos d água no entorno do empreendimento, modificando a qualidade das águas e afetando os organismos aquáticos, podendo levá-los ao óbito. Ressalta-se que a maioria dos lançamentos será realizada para órbitas equatoriais, ou seja, para direção leste, diminuindo assim o risco de sobrevôo do equipamento nas áreas dos pequenos cursos d água, tornando a ambiente marinho mais suscetível. Impacto 11: Risco de perda de espécimes da fauna e flora aquáticos, decorrente da alteração de ph nos corpos d água naturais no entorno do centro de lançamento caso venha a ocorrer, é um impacto sobre o Meio Físico que afetará, sobretudo, as comunidades biológicas aquáticas durante a operação do empreendimento. Dependendo das condições climáticas e atmosféricas no momento de lançamento, é possível que ocorra poluição de CO 2, CO e NO acima da norma I-A-5

7 entre 0,6km e 13km do ponto de lançamento. Esses poluentes em contato com o vapor d água na atmosfera poderão resultar em chuva ácida com ph próximo a 3,0. A chuva ácida poderá acidificar pequenos corpos d água, como áreas alagadas e igarapés, alterando as comunidades aquáticas em números de indivíduos, riqueza, distribuição, comportamento, entre outros, acarretando em mudanças nas relações ecológicas das Áreas de Influência do empreendimento. 3.2 Interrelação com outros Programas Os programas de potencial interação com o Programa de Monitoramento da Fauna Aquática são: Programa de Monitoramento da Ictiofauna; Programa de Monitoramento das comunidades limnológicas e marinhas; Programa de Gestão Ambiental; Plano de Ação de Emergência; Programa de Controle dos Processos do Meio Físico; Programa de Monitoramento da Qualidade das Águas Superficiais e Subterrâneas; Programa de Monitoramento da Qualidade do Ar; Programa de Gerenciamento, Monitoramento e Controle da Destinação dos Efluentes Líquidos; Programa de Gerenciamento, Monitoramento e Controle da Destinação de Resíduos Sólidos; Programa de Monitoramento da Vegetação Remanescente; Programa de Recomposição de Vegetação e Enriquecimento em Áreas Remanescentes; Programa de Educação Ambiental; Programa de Comunicação Social. I-A-6

8 4. OBJETIVOS DO PROGRAMA 4.1 Geral Monitorar e avaliar os possíveis efeitos nas comunidades de peixes (Dulcícola, Marinha e Estuarina), de crustáceos e moluscos, decorrentes das atividades de implantação e operação do empreendimento, na Área Diretamente Afetada (ADA), na Área de Influência Direta AID e entorno do Complexo Terrestre Cyclone-4. Além disso, a partir dos resultados gerados, fornecer aos responsáveis pela execução desse Programa, além do próprio público-alvo, informações técnicas que contenham consideração sobre os recursos pesqueiros disponíveis nas Áreas de Influência do empreendimento. 4.2 Específicos a. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Dulcícola monitorar, ao longo do tempo, as alterações na abundância e distribuição de espécies de peixes de hábito dulcícola da ADA e AID do empreendimento, com ênfase nas espécies de interesse economico e/ou ameaçadas; analisar, ao longo do tempo, as alterações na riqueza e diversidade das espécies de peixes de água doce da ADA e AID; comparar esses parâmetros entre as diferentes fases do empreendimento (cenários pré-obras, obras e operação); aprimorar as informações sobre a fauna de peixes dulcícolas na ADA e AID do empreendimento. b. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Marinha monitorar, ao longo do tempo, as alterações na abundância e distribuição de espécies de peixes de hábitos marinhos e estuarinos da ADA, AID e entorno do empreendimento, com ênfase nas espécies de interesse economico e/ou ameaçadas; analisar, ao longo do tempo, as alterações na riqueza e diversidade das espécies de peixes marinhos e estuarinos das praias e manguezais inseridos na ADA, AID e entorno; I-A-7

9 comparar esses parâmetros entre as diferentes fases do empreendimento (cenários pré-obras, obras e operação); aprimorar as informações sobre a fauna de peixes marinhos e estuarinos na ADA, AID e entorno do empreendimento. c. Subprograma de Monitoramento da Carcinofauna e Malacofauna monitorar, ao longo do tempo, as comunidades de crustáceos e moluscos de hábitos marinhos e estuarinos da ADA e AID do empreendimento, com ênfase nas espécies de interesse economico e/ou ameaçadas; analisar, ao longo do tempo, as alterações na riqueza, densidade e diversidade das espécies de crustáceos e moluscos marinhos e estuarinos distribuídos na ADA e AID; comparar esses parâmetros entre as diferentes fases do empreendimento (cenários pré-obras, obras e operação); aprimorar as informações sobre a fauna de crustáceos e moluscos na ADA e AID do empreendimento. I-A-8

10 5. PÚBLICO DE INTERESSE 5.1 Público-Alvo O público-alvo deste Programa é composto pelos órgãos licenciadores estaduais e federais, o empreendedor e as empreiteiras contratadas para a implantação do empreendimento. População local e comunidades científicas de todo o país, com destaque ao Estado do Maranhão e às universidades maranhenses. 5.2 Parcerias Potenciais O empreendedor deverá buscar parcerias com instituiçoes públicas municipais, estaduais e federais, organizaçoes não-governamentais e iniciativa privada. Essas parcerias devem ser estabelecidas buscando-se sempre como meta, o desenvolvimento técnico-científico regional. Instituições de ensino e pesquisa devem ser priorizadas. Sugere-se como possíveis parceiros: a Universidade Federal do Maranhão (UFMA), Universidade Estadual do Maranhão (UEMA) e a Prefeitura Municipal de Alcântara, além da própria população local. I-A-9

11 6. ASPECTOS METODOLÓGICOS Nessa seção serão apresentados os métodos de campo propostos para os levantamentos de dados primários de cada um dos Subprogramas relacionados anteriormente, assim como a distribuição das áreas amostrais e os métodos de análise de dados. O Quadro I-A-1, a seguir, apresenta as áreas amostrais sugeridas para o monitoramento da fauna aquática (ictiofauna dulcícola, estuarina e marinha, carcinofauna e malacofauna), bem como as suas localizações geográficas. Para a execução do, deverá ser solicitada, no IBAMA, a concessão de autorização para captura, coleta e transporte de fauna, de acordo com as instruções do referido órgão licenciador. 6.1 Localização dos pontos de monitoramento a. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Dulcícola As estações amostrais para a Ictiofauna Dulcícola, sugeridas nesse Subprograma, foram previamente selecionadas de acordo com o projeto do futuro empreendimento e seus impactos identificados no EIA, sendo escolhidos sete sítios dos igarapés Caiuana, Peru, Pirapema, além de dois outros não identificados (sem nome 1 e 2), conforme ilustrado na Figura I-A-1. O critério para a seleção das estações amostrais levou em consideração a relevância dos diferentes ambientes para a Ictiofauna, assim como uma distribuição espacial dos pontos que possibilitasse uma amostragem abrangente para o monitoramento Ictiofauna Dulcícola, em relação a Área Diretamente Afetada (ADA) e a Área de Influência Direta (AID) do empreendimento. Os ambientes onde estão distribuídas as estações de coleta devem ser fotografados, caracterizados e georreferenciados com maior precisão durante as campanhas previstas nesse Subprograma. Cabe ressaltar que as estações sugeridas podem ser alteradas ao longo das campanhas de campo, objetivando o cumprimento dos objetivos propostos nesse Subprograma. I-A-10

12 b. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Marinha Assim como para a Ictiofauna Dulcícola, as estações amostrais para a Ictiofauna Marinha foram previamente selecionadas em função do projeto do futuro empreendimento e seus impactos identificados no EIA, sendo escolhidos sete sítios distribuídos ao longo dos dois manguezais inseridos na Área Diretamente Afetada (ADA) e a Área de Influência Direta (AID), além de praias arenosas na AID e entorno, conforme mostra a Figura I-A-2. O critério para a seleção das estações amostrais levou em consideração a relevância dos diferentes ambientes para a Ictiofauna Estuarina e Marinha, assim como uma distribuição espacial dos pontos que possibilitasse uma amostragem abrangente, para o monitoramento da Ictiofauna em relação à Área Diretamente Afetada (ADA), à Área de Influência Direta (AID) e entorno do empreendimento. Os ambientes onde se distribuem as estações de coleta devem ser fotografados, caracterizados e georreferenciados com maior precisão durante todas as campanhas previstas nesse Subprograma. Cabe ressaltar que as estações sugeridas podem ser alteradas ao longo das campanhas de campo, objetivando o cumprimento dos objetivos propostos nesse Subprograma. c. Subprograma de Monitoramento da Carcinofauna e Malacofauna Assim como para a Ictiofauna, as estações amostrais da Carcinofauna e Malacofauna foram previamente selecionadas em função do projeto referente ao empreendimento e seus impactos identificados no EIA, sendo escolhidas seis estações distribuídas ao longo dos manguezais inseridos na ADA e AID, conforme mostra a Figura I-A-3. O critério para a seleção das estações amostrais levou em consideração a relevância dos diferentes ambientes para a fauna de crustáceos e moluscos, assim como uma distribuição espacial dos pontos que possibilitasse uma amostragem abrangente para o monitoramento. Os ambientes onde se distribuem as estações de coleta devem ser fotografados, caracterizados e georreferenciados com maior precisão durante todas as campanhas previstas nesse Subprograma. I-A-11

13 Cabe ressaltar que as estações sugeridas podem ser alteradas ao longo das campanhas de campo, objetivando o cumprimento dos objetivos propostos nesse Subprograma. I-A-12

14 Quadro I-A-1. Estações Amostrais sugeridas para o monitoramento da Ictiofauna Dulcícola, Estuarina e Marinha, Malacofauna e Carcinofauna, distribuídas ao longo da Área Diretamente Afetada (ADA) e da Área de Influência Direta (AID) do empreendimento. As coordenadas sugeridas funcionam apenas como referencia para uma região amostral ampla, variando em função dos diversos tipos de ambientes. Grupo Estação Amostral Ictiofauna Dulcícola ID1 igarapé Caiuana ID2 igarapé sem nome 1 ID3 igarapé sem nome 1 ID4 igarapé do Peru ID5 igarapé Pirapema ID6 igarapé do Peru ID7 igarapé sem nome 2 Coordenadas Aproximadas Sugeridas (UTM / 23M) Latitude Longitude Área de Influência Observações AID Localizada a montante do empreendimento AID Localizada a montante do empreendimento. Estação amostrada nas duas campanhas de campo do EIA. Afluente da margem esquerda do Igarapé Caiuana AID Localizada a montante do empreendimento ADA Localizada a montante do empreendimento AID Localizada fora a ADA do empreendiemnto ADA ADA Localizada a montante do empreendimento. Estação amostrada na segunda campanha do EIA. Afluente da margem direita do igarapé Caiuana, e com presença de macrófitas. Localizada a jusante do empreendimento. I-A-13

15 Grupo Estação Amostral Ictiofauna Estuarina e Marinha Coordenadas Aproximadas Sugeridas (UTM / 23M) Latitude Longitude Área de Influência Observações Estação amostrada nas duas campanhas de campo do EIA. As margens apresentam substrato lamoso e o canal, areno-lamoso, com presença de IM1 mangue 1 ADA pequenos blocos areníticos. A vegetação predominante nas margens é composta por Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp. Estação amostrada nas duas campanhas de campo do EIA. Canal de IM2 mangue ADA substrato areno-lamoso. Às margens, Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp. compõem a cobertura vegetal. IM3 mangue ADA Localizada próxima às estruturas físicas do empreendimento. IM4 mangue AID Localizada a montante do empreendimento. Estação amostrada na segunda campanha do EIA. Canal com substrato areno-lamoso e alguns trechos com blocos areníticos, margeada com Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp. IM5 praia arenosa IM6 praia arenosa IM7 praia arenosa AID/ entorno AID/ entorno AID/ entorno Localizada a montante do empreendimento. Estação amostrada na segunda campanha de campo do EIA. Faixa de praia arenosa caracterizada por fortes correntes. Localizada a jusante do empreendimento. I-A-14

16 Grupo Estação Amostral Carcinofauna e Malacofauna Coordenadas Aproximadas Sugeridas (UTM / 23M) Latitude Longitude Área de Influência CM ADA CM ADA CM ADA CM ADA CM AID CM AID Observações Estação amostrada nas duas campanhas do diagnóstico do EIA. Localizada na foz do igarapé Caiuana, margeada com Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp., apresentando substrato arenolamoso com uma duna arenosa de médio porte e uma pequena área de gramíneas na parte posterior do mangue. Estação amostrada na segunda campanha do diagnóstico do EIA. Localizada entre o igarapé Caiuana e a foz do igarapé Peru Novo, margeada com Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp., apresentando substrato areno-lamoso. Estação amostrada na segunda campanha do diagnóstico do EIA. Localizada no igarapé Caiuana/Peru Velho, margeada com Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp., apresentando substrato areno-lamoso. Estação amostrada na segunda campanha do diagnóstico do EIA. Localizada mais internamente no igarapé Caiuana. Estação amostrada na segunda campanha do diagnóstico do EIA. Localizada na foz do igarapé Pirapema, margeada com vegetação de restinga, com alguns cajueiros e amendoeiras, apresentando pequenos blocos areníticos. Estação amostrada na segunda campanha do diagnóstico do EIA. Localizada na segunda curva do igarapé Pirapema, margeada com Rhizophora mangle, Laguncularia racemosa e Avicennia sp., apresentando substrato areno-lamoso e gramíneas. Ocorre a formação de um banco arenoso no meio do canal durante a baixamar, onde foi realizada a coleta para o diganóstico I-A-15

17 Figura I-A-1. Distribuição das estações amostrais da Ictiofauna Dulcícola. Figura I-A-1. Distribuição das estações amostrais da Ictiofauna Dulcícola.. I-A-16

18 Figura I-A-2 Distribuição das estações amostrais da Ictiofauna Marinha. Figura I-A-1. Distribuição das estações amostrais da Ictiofauna Dulcícola. I-A-17

19 Figura I-A-3. Distribuição das estações amostrais da Carcinofauna e Malacofauna. I-A-18

20 6.2. Levantamento de Campo Toda coleta deve ser efetuada sempre de posse da Autorização para Captura, Coleta e Transporte, devidamente solicitada e emitida pelo Órgão Ambiental pertinente, nesse caso o IBAMA, assim como ter reconhecida a instituição receptora para o tombamento do material coletado. a. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Dulcícola Para amostrar a maior parte dos ambientes dulcícolas e diminuir a seletividade geral da coleta de peixes, deverão ser utilizados vários apetrechos de coleta, incluindo métodos passivos (redes de espera) e ativos (redes de arrasto e peneiras), aplicandose um esforço padronizado, quando possível e pertinente, conforme mostra a Quadro I-A-2. Os peixes deverão ser coletados em dois períodos (6h-9h e 17h-20h), utilizando-se: baterias de malhadeiras (redes de espera) com quatro redes individuais de 20m x 2m (malhas 15, 30 e 50mm entrenós adjacentes) (Foto 01); rede de arrasto de 10m x 2m com malha 5mm entrenós adjacentes (Foto 02); peneira com 1mm de entrenós opostos (Foto 03). As redes de espera devem ser vistoriadas a cada 1h de operação, a fim de minimizar a morte desnecessária de peixes emalhados. Os peixes coletados deverão anestesiados e depois fixados em solução de formol a 10%, para posterior análise em laboratório, sendo separados por localidade, apetrecho e evento de coleta; no caso das redes de espera, pela malha e período da coleta. Espécimes de identificação confiável deverão ser contados ainda em campo, biometrados (medidos e pesados) quando necessário e, em seguida, liberados ao ambiente, quando em boas condições. Complementarmente, deverão ser realizadas entrevistas com pescadores e ribeirinhos da região, com o intuito de obter informações sobre as espécies utilizadas como recursos pesqueiros, auxiliando na avaliação de possiveis alterações na dinâmica populacional da Ictiofauna Dulcícola. I-A-19

21 Foto 01 Colocação de rede de espera (malhadeira) em igarapé. Foto 02 Rede de arrasto em igarapé. Foto 03 Peneira para a coleta de peixes. Quadro I-A-2. Apetrechos de coleta e respectivo esforço de amostragem, sugeridos para o monitoramento da Ictiofauna Dulcícola presente na ADA e AID do empreendimento. Apetrecho de pesca Malhadeira 20m x 2m (malha 15mm entrenós adjacentes) Malhadeira 20m x 2m (malha 30mm entrenós adjacentes) Malhadeira 20m x 2m (malha 50mm entrenós adjacentes) Rede de arrasto 10m x 2m (malha 5mm entrenós adjacentes) Esforço amostral para cada uma das sete estações 2 redes x 2 períodos x 3 horas 2 redes x 2 períodos x 3 horas 2 redes x 2 períodos x 3 horas 3 lances x 2 períodos I-A-20

22 Apetrecho de pesca Peneira 1,5m de comprimento e 1,5m de largura (malha 1mm entrenós opostos) Esforço amostral para cada uma das sete estações 50 lances x 2 períodos Ao longo das campanhas de campo propostas, a estratégia amostral deverá ser reavaliada de acordo com os resultados obtidos, em relação aos objetivos e metas propostas pelo Subprograma. b. Subprograma de Monitoramento da Ictiofauna Marinha Para amostrar a maior parte dos ambientes estuarinos e marinhos, e diminuir a seletividade geral da coleta de peixes, deverão ser utilizados vários apetrechos de coleta, incluindo métodos passivos (redes de espera) e ativos (redes de arrastão de praia, redes de arrasto do tipo picaré e tarrafas), aplicando-se um esforço padronizado, conforme mostra a Quadro I-A-3. Os peixes deverão ser coletados em dois períodos (6h-9h e 17h-20h), utilizando-se: baterias de malhadeiras (redes de espera) com quatro redes individuais de 20m x 2m (malhas 12, 20, 35, e 50mm entrenós adjacentes) (Foto 04); tarrafas de 3m de altura com malha de 20mm entrenós adjacentes (Foto 05); rede de arrastão de praia com de 50m x 3m com malha 20mm entrenós opostos; rede de arrasto manual do tipo picaré com 15m de comprimento, 1,8m de altura e com malha 20mm de distância entrenós opostos. As redes de espera devem ser vistoriadas a cada 1h de operação, a fim de minimizar a morte desnecessária de peixes emalhados. Para a captura nas praias arenosas (Foto 06), deverão ser empregadas a redes de arrastão de praia e a rede do tipo picaré na zona de arrebentação. Para cada estação amostral nas praias arenosas deverá ser efetuado um arrastão de praia perpendicular à costa, com auxilio de uma embarcação; e outros três arrastos padronizados com a rede tipo picaré na zona de arrebentação (infralitoral), paralelos à praia e com extensão de 50m cada um. I-A-21

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos

-- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos -- De São Paulo a Santos -- Colégio Santa Clara Prof. Marcos São Paulo tem déficit de água Região Metropolitana de São Paulo População: aprox. 20 milhões Consumo médio de água: 73 mil litros por segundo

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE

TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE TERMO DE REFERENCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL RCA PARA LICENCIAMENTO DE ÁREAS DE LAZER DE MÉDIO PORTE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO DE CONTROLE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1

SUMÁRIO I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 SUMÁRIO VOLUME I I. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO... I 1 1.1.Informações Gerais... I 2 1.1.1.Órgão Empreendedor... I 2 1.1.2.Pessoa de Contato... I 2 1.1.3.Empresa Responsável pelo Licenciamento Ambiental...

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA

TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA TOMO II SUMÁRIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA 5. IDENTIFICAÇÃO E AVALIAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.1 5.1. METODOLOGIA 5.1 5.2. IDENTIFICAÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS 5.3 5.3. DESCRIÇÃO DOS IMPACTOS

Leia mais

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011

PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA. Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 PLANO INTEGRADO PORTO-CIDADE-PIPC Estudo de Impacto Ambiental EIA-RIMA Audiência Pública em Ilhabela 08 de dezembro de 2011 EQUIPE TÉCNICA ENVOLVIDA NOS ESTUDOS EQUIPE TÉCNICA DO EIA 49 profissionais de

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br

Superintendência do Porto de Rio Grande. http://www.portoriogrande.com.br Superintendência do Porto de Rio Grande http://www.portoriogrande.com.br 1º WORSHOP SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PORTOS DAS REGIÕES SUL E SUDESTE ESTUDO DE CASO LICENÇA DE OPERAÇÃO DO PORTO ORGANIZADO

Leia mais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais

Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas. Aspectos gerais Aspectos Ambientais nas Emergências Químicas Biól. Carlos Ferreira Lopes, Msc. Setor de Operações de Emergência da CETESB Aspectos gerais A gestão do atendimento a emergências químicas deve considerar

Leia mais

Capítulo 3 Área de Estudo

Capítulo 3 Área de Estudo Capítulo 3 Área de Estudo A Baía de Guanabara constitui a segunda maior baía, em extensão, do litoral brasileiro, com uma área de aproximadamente 380 km². As profundidades médias na baía são de 3 metros

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de Monitoramento

Leia mais

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM

LISTA DE ANEXOS MAPA DE LOCALIZAÇÃO DOS PONTOS DE AMOSTRAGEM UHE SANTO ANTÔNIO INFORMAÇÕES ADICIONAIS SOBRE A QUALIDADE DE ÁGUA NO IGARAPÉ CEARÁ DURANTE A ESTABILIZAÇÃO DO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO E SOLICITAÇÕES ENVIADAS POR EMAIL MARÇO/2012 INDICE 1 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS

REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS REGULAMENTO TÉCNICO DA SEGURANÇA AMBIENTAL EM ATIVIDADES ESPACIAIS 1 SUMÁRIO RESUMO......2 1 INTRODUÇÃO......3 1.1 OBJETIVO......3 1.2 APLICABILIDADE...3 1.3 TERMOS E DEFINIÇÕES...3 2 LICENCIAMENTO AMBIENTAL......3

Leia mais

SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2. 1. Introdução...

SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2. 1. Introdução... 1/11 SUMÁRIO PROGRAMA DE DIAGNÓSTICO E MONITORAMENTO DA CARCINOFAUNA DO ESTUÁRIO DA MARGEM DIREITA DO RIO BAETANTÃ... 2 1. Introdução... 2 2. Objetivos... 3 3. Metodologia... 3 3.1. Estações de amostragem...

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU

AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU AVALIAÇÃO DOS METAIS PESADOS CÁDMIO, CHUMBO, COBRE E ZINCO DO COMPARTIMENTO ÁGUA DA FOZ DO RIO ITAJAI AÇU Régis Chrystian da Silva (1) Técnico em Segurança do Trabalho e Meio Ambiente pela Faculdade de

Leia mais

SUBSÍDIOS AO ENSINO DE GEOGRAFIA AMBIENTAL DO ESTUÁRIO DO RIO TIMBÓ (PERNAMBUCO - BRASIL)

SUBSÍDIOS AO ENSINO DE GEOGRAFIA AMBIENTAL DO ESTUÁRIO DO RIO TIMBÓ (PERNAMBUCO - BRASIL) SUBSÍDIOS AO ENSINO DE GEOGRAFIA AMBIENTAL DO ESTUÁRIO DO RIO TIMBÓ (PERNAMBUCO - BRASIL) Bernadete Negromonte Cavalcante Bem * Lucivânio Jatobá de Oliveira ** - Orientador INTRODUÇÃO Na busca de ações

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL

FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL FONTES DE ABASTECIMENTO POR ÁGUAS SUBTERRÂNEAS NO MUNICÍPIO DE BARRAS/PIAUÍ - BRASIL Francisca Cardoso da Silva Lima Centro de Ciências Humanas e Letras, Universidade Estadual do Piauí Brasil Franlima55@hotmail.com

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002

RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 RESOLUÇÃO CONAMA N. 312, DE 10/10/2002 O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, tendo em vista as competências que lhe foram conferidas pela Lei n. 6.938, de 31 de agosto de 1981, regulamentada pelo

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL PA para empreendimentos de serviços

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS

HABITATS MARINHOS E COSTEIROS HABITATS MARINHOS E COSTEIROS Manguezais Marismas e planícies de maré Estuários e Lagunas Praias Costões Rochosos Recifes de Coral Plataforma Continental Mar Profundo Fontes Hidrotermais MANGUEZAIS Compreendem

Leia mais

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas

4. Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas (Mini-Seminário por Bioma) Objetivo das Reuniões Técnicas. Definição dos objetos conservação. Definição de metas de importância relativa de cada objeto. Definição das principais fontes de dados/informações

Leia mais

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG

Bios Consultoria e Serviços Ambientais Ltda. MARÇO 2012 LAVRAS MG 1 PLANO DE RESGATE DA ICTIOFAUNA NOS VÃOS DO VERTEDOURO PRINCIPAL DA UHE SANTO ANTÔNIO PARA CONSTRUÇÃO DAS OGIVAS FASE DE IMPLANTAÇÃO DA UHE SANTO ANTÔNIO, RIO MADEIRA/RO Bios Consultoria e Serviços Ambientais

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

EIA - Porto Pontal Paraná

EIA - Porto Pontal Paraná EIA - Porto Pontal Paraná 4. ÁREA DE INFLUÊNCIA DO EMPREENDIMENTO O conceito de área de influência é de difícil operacionalização prática, particularmente quando se trata da abordagem de processos e estruturas

Leia mais

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo

ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA. TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo ANEXO IV PORTARIA Nº 421, DE 26 DE OUTUBRO DE 2011 RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL - RCA TERMO DE REFERÊNCIA Conteúdo Mínimo O presente Termo de Referência tem como objetivo estabelecer um referencial

Leia mais

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA

CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA CAPÍTULO 8 ANÁLISE INTEGRADA O presente capítulo foi elaborado em atenção ao determinado pelo Ibama em seu Termo de Referência visando a formulação de um quadro referencial das condições ambientais da

Leia mais

A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os

A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os A Carcinicultura e os Mangues no Ceará: Novo estudo demonstra com maior precisão os fatos Padrões de uso direto de unidades de paisagem costeiras pela carcinicultura marinha cearense Por: Prof. Dr. Márcio

Leia mais

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA

RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA COMPLEXO ECOTURÍSTICO RESERVA GARAÚ CONDE / PB INTERESSADO: LORD NEGÓCIOS IMOBILIÁRIOS LTDA. ELABORAÇÃO: GEOCONSULT CONSULTORIA, GEOLOGIA & MEIO AMBIENTE LTDA. CNPJ.

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL (PCA) AVICULTURA O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de propostas com vistas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral

BIOMAS DO BRASIL. Ecologia Geral BIOMAS DO BRASIL Ecologia Geral Biomas do Brasil segundo classificação do IBGE Segundo a classificação do IBGE, são seis os biomas do Brasil: Mata Atlântica Cerrado Amazônia Caatinga Pantanal Pampa O

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

O Ecossistema Manguezal

O Ecossistema Manguezal 1º TEXTO O Ecossistema Manguezal O manguezal é um ecossistema complexo e um dos mais produtivos do planeta. É considerado um ecossistema costeiro de transição entre os ambientes terrestre e marinho. Característico

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL

ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL ANEXO NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIA AMBIENTAL SOLICITAÇÃO DE ASSISTÊNCIA INTERNACIONAL A: Tel:( ) Em caso de emergência somente: ( ) Fax: ( )...ou (...)... Correio eletrônico: Internet: http://www. De: Nome:

Leia mais

MINUTA DO TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA PROJETO DE DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ATERRO SANITÁRIO.

MINUTA DO TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA PROJETO DE DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ATERRO SANITÁRIO. MINUTA DO TERMO DE REFERÊNCIA PARA ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA PROJETO DE DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ATERRO SANITÁRIO. INTRODUÇÃO O presente Termo de Referência (TR) constitui-se como instrumento

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul

Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Evolução na qualidade da água no Rio Paraíba do Sul Beatriz Durazzo Ruiz CETESB bruiz@sp.gov.br Fábio Netto Moreno CETESB eqai_cetesb@sp.gov.br Nelson Menegon Jr CESTESB eqa_cetesb@sp.gov.br Resumo O monitoramento

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

LICENCIAMENTO MATADOUROS

LICENCIAMENTO MATADOUROS LICENÇA PRÉVIA (LP): LICENCIAMENTO MATADOUROS 1. Requerimento; 2. Publicações no diário oficial e jornal de grande circulação; 3. Comprovante de pagamento da taxa de licenciamento; 4. Cadastro do empreendimento

Leia mais

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA

SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA BRASIF S.A. Administração e Participações SUGESTÃO DE TERMO DE REFERÊNCIA - Estudo de Impacto Ambiental - EIA - Relatório de Impacto Ambiental - RIMA FAZENDA FORNO GRANDE Município de Castelo-ES Termo

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Secretaria de Estado do Ambiente Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente INSTRUÇÃO TÉCNICA DECON Nº 08/2008 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL EIA E SEU RESPECTIVO RELATÓRIO DE IMPACTO AMBIENTAL RIMA PARA A IMPLANTAÇÃO DE LINHA DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres

Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série. A Biosfera A terra, um planeta habitado. Biomas e ambientes aquáticos. Os biomas terrestres Aulas de Ciências de 12 a 21 5ª série A Biosfera A terra, um planeta habitado De todos os planetas conhecidos do Sistema Solar, a Terra é o único que apresenta uma biosfera, onde a vida se desenvolve.

Leia mais

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta

Gestão Ambiental 19/3/2012. MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água. Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO Gerenciamento e Controle de Poluição da Água Tema: DISPONIBILIDADE HÍDRICA: as Águas do Planeta Objetivos: Entender a distribuição da água no Planeta. Reconhecer

Leia mais

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana.

É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade humana. 7. IMPACTOS AMBIENTAIS E MEDIDAS MITIGADORAS RECOMENDADAS 7.1. AVALIAÇÃO GERAL O que é Impacto Ambiental? É a alteração no meio ambiente ou em algum de seus componentes por determinada ação ou atividade

Leia mais

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador

UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde TÍTULO. Roney Rodrigues Guimarães Professor Orientador UNIVERSIDADE IGUAÇU Faculdade de Ciências Biológicas e da Saúde PROJETO DE PESQUISA TÍTULO COMPOSIÇÃO E ESTRUTURA DA ICTIOFAUNA DO PARQUE MUNICIPAL DE NOVA IGUAÇU, ESTADO DO RIO DE JANEIRO, BRASIL. Roney

Leia mais

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.:

01- O que é tempo atmosférico? R.: 02- O que é clima? R.: PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= TEMPO ATMOSFÉRICO

Leia mais

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos

Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos 383 Eixo Temático ET-08-001 - Recursos Hídricos MONITORAMENTO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARANÁ NA GESTÃO AMBIENTAL DA CONSTRUÇÃO DA PONTE RODOVIÁRIA - BR- 262/SP/MS Jhonatan Tilio Zonta¹,* ; Eduardo

Leia mais

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09

Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 Gerenciamento das Áreas Contaminadas no Estado do Paraná e Estratégias para o Atendimento da Resolução Conama 420/09 HISTÓRICO 70 década da água 80 década do ar 90 década dos resíduos sólidos Histórico

Leia mais

COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012.

COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012. 1 COMISSÃO AMAZÔNIA, INTEGRAÇÃO NACIONAL E DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL REQUERIMENTO Nº, DE 2012. Solicita a realização de Seminário no âmbito desta Comissão, para debate sobre a elaboração, implantação

Leia mais

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS)

(VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) PCAI Programa de Controle Ambiental Intrínseco SÍTIO BELO MONTE (VERSÃO ORIGINAL COM EXCLUSÃO DE NOMES E IMAGENS DE PESSOAS) Foto 01: Casa de força de Belo / vista de montante para jusante. Situação atual

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas;

RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993. IV - existência, diversidade e quantidade de epífitas; RESOLUÇÃO Nº 10, DE 1º DE OUTUBRO DE 1993 Legislação O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE - CONAMA, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, com as alterações

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu.

3.2.3 IGARASSU. Municípios: Igarassu. 3.2.3 IGARASSU Agência Estadual de Meio Ambiente 27 Municípios: Igarassu. Constituintes principais: Recebe como principais afluentes pela margem esquerda, o riacho do Paulo, rio Conga e o rio Tabatinga

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO

TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA PROGRAMA DE MONITORAMENTO AMBIENTAL PARA PROJETOS DE EXTRAÇÃO DE SAL MARINHO Avenida

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO LO N.º 6198 / 2011-DL Processo n.º A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual n.º 9.077, de 04/06/90, e com seus Estatutos aprovados pelo Decreto n.º 33.765,

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Construção de Charcos*

Construção de Charcos* Construção de Charcos* O que são, e para que servem? Os charcos são massas de água parada ou de corrente muito reduzida, de carácter permanente ou temporário, de tamanho superior a uma poça e inferior

Leia mais

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R

C O N H E C E R PA R A P R E S E R V A R MATAS CILIARES CONHECER PARA PRESERVAR Irlian Venâncio PREFEITURA MUNICIPAL DE BERTIOGA José Mauro Dedemo Orlandini Prefeito do Município de Bertioga Marisa Roitman Secretária de Meio Ambiente Bolivar

Leia mais

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos

Agência Estadual de Meio Ambiente Diretoria de Gestão Territorial e Recursos Hídricos Unidade de Gestão de Recursos Hídricos 6 1. INTRODUÇÃO O presente relatório disponibiliza o resultado do monitoramento da qualidade das águas nas Bacias Hidrográficas Litorâneas e das captações para abastecimento, realizado pela Agência Estadual

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA

SISTEMA DE GESTÃO DA APA VÁRZEA DO RIO TIETÊ. Programas do Plano de Manejo da APA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO = ZCM + ZPF Objetivo: Garantir a conservação dos atributos ambientais, bem como do patrimônio histórico cultural, que ainda apresentam características relevantes para esta unidade

Leia mais

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB

III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB III-147 CONTROLE AMBIENTAL DO ATERRO SANITÁRIO METROPOLITANO DE JOÃO PESSOA/PB José Dantas de Lima (1) Engenheiro Civil pela UFPB (1987), Mestre em Engenharia Sanitária pela UFPB(2001), Diretor Operacional

Leia mais

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06)

TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) TEXTO PROPOSTO - PLANO DIRETOR DO MUNICÍPIO DE SÃO LUÍS (Lei n.º 4.669/06) Título IV DO USO DO SOLO URBANO E RURAL... CAPÍTULO III Do Macrozoneamento... Seção II Do Macrozoneamento Ambiental Art. 26. (Antigo

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj

baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj baía de guanabara Despoluição e potencialidade como agente integrador da rmrj índice Histórico recente dos projetos Vetores de degradação e seus impactos econômicos e sociais Diagnóstico da situação atual

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA

CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS. Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA A GESTÃO DOS MUNICÍPIOS Marcos Vieira Analista Ambiental GELSAR/INEA Março/2012 Gerência ESTRUTURA GELSAR 1 Gerente SERURB SERVIÇO DE RESÍDUOS URBANOS 1 Chefe de Serviço, 5 analistas

Leia mais

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato

A HIDROSFERA. Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA Colégio Senhora de Fátima. Disciplina: Geografia 6 ano Profª Jenifer Tortato A HIDROSFERA A água é o mais abundante solvente natural que atua no sentido de desagregar, ou seja, fragmentar

Leia mais

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA

ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA ANEXO 7b: Lista de Verificação Ambiental LVA Programa de Inclusão Social e Desenvolvimento Econômico Sustentável do Estado do Acre PROACRE / FINANCIAMENTO ADICIONAL PROSER JUNHO 2012 LVA PARA INFRAESTRUTURA

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Procedência: 7ª Reunião do Grupo de Trabalho Data: 30 e 31 de janeiro de 2014 Processo: 02000.000110/2011-68 Assunto: Utilização de produtos

Leia mais

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1

CONTEÚDO 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 3.1 INTRODUÇÃO...3.1 CONTEÚDO Pág. 1 INTRODUÇÃO...1.1 1.1 OBJETIVOS...1.1 1.2 ESTRUTURA DO DOCUMENTO...1.2 1.3 ESTRUTURA DOS PROGRAMAS AMBIENTAIS...1.3 2 CONTEXTO GEOGRÁFICO...2.1 3 CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO MINERAL...3.1

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO

ECOSSISTEMA INDIVÍDUO Biodiversidade O diversidade biológica - descreve a riqueza e a variedade do mundo natural. As plantas, os animais e os microrganismos fornecem alimentos, remédios e boa parte da matéria-prima industrial

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR:

1. INTRODUÇÃO 2. DADOS DO EMPREENDEDOR: TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL E PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PARA PARQUES DE GERAÇÃO DE ENERGIAS ALTERNATIVA (SOLAR, EÓLICA E OUTRAS) 1. INTRODUÇÃO Este Termo de

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura

Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Tratamento de Efluentes na Aqüicultura Alessandro Trazzi, Biólogo, Mestre em Engenharia Ambiental. Diretor de Meio Ambiente - CTA VI Seminário de Aqüicultura Interior, Cabo Frio Rio de Janeiro. Introdução

Leia mais

Universidade Federal do Paraná

Universidade Federal do Paraná * Universidade Federal do Paraná * *O que são Biomas? *Bioma é uma unidade biológica ou espaço geográfico caracterizado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (aspecto da vegetação de um lugar),

Leia mais