MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. Olympio de Sá Sotto Maior Neto Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. Olympio de Sá Sotto Maior Neto Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos"

Transcrição

1 1

2 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Procurador-Geral de Justiça Olympio de Sá Sotto Maior Neto Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Jurídicos Lineu Walter Krichner Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos Administrativos José Deliberador Neto Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional Bruno Sérgio Galatti Elaboração e Revisão Gramatical Subprocurador-Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional Projeto Gráfico e Editoração Eletrônica Assessoria de Imprensa do MPPR Disponível no Endereço: HTTP: P223r Paraná. Ministério Público. Relatório de atividades: exercício de 2010 / Ministério Público do Estado do Paraná. _ Curitiba: Procuradoria-Geral de Justiça, p.: il. 1. Ministério Público do Estado do Paraná Relatório. 2. Relatório anual. I. Título. Catalogação: Jussara de Mello T. Ramos CDU (816.2)(047) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ Rua Marechal Hermes, 751 Centro Cívico CEP Curitiba/PR 2

3 INTRODUÇÃO 3

4 4

5 SUMÁRIO INTRODUÇÃO 3 SUMÁRIO 5 APRESENTAÇÃO 7 1. Principais Realizações Estrutura organizacional do MP-PR Apresentação Órgãos da Administração Superior Colégio de Pro curadores de J ustiça Conselho Sup erior do Ministério Púb lic o _ Corregedoria-Geral do Ministério Púb lico Procuradoria-Geral de Justiça 1 3 a) Órgãos Au xil iares _ 1 4 b ) Sub p rocuradorias-gerais Órgãos de Administração Procuradorias de Justiça Promo torias de Justiça Recursos do Ministério Público Recursos Humanos Recursos Orçamentários e Financeiros Recursos Orçame ntários Fonte de Recursos 100 _ Fund o Especial do Ministério Púb lico (FUEMP) _ Patrimônio Recursos de Informática Resultados de Atividades Colégio de Procuradores de Justiça Conselho Superior do Ministério Público Corregedoria-Geral do Ministério Público Procuradoria-Geral de Justiça Órgãos Auxiliares Gabinete do Procurador-Geral de Justiça _ Secretaria da P rocuradoria-geral de Justiça _ Coordenadorias de Recursos _ 4 6 5

6 Centros de Ap o i o Operacional 4 7 a) C AOP das Promo torias de Justiça das Co mu nidades 4 7 b ) C AOP das Promo torias de Justiça de Pro teção às Co mu nidades Ind íge nas 4 8 c) C AOP das Promo torias de Justiça de Defesa do Cons u midor _ 5 0 d ) C AOP das Promo torias de Justiça de Controle Externo da At ividade P o licial /Grup o de Atuação Especial de Comb ate ao Crime Orga nizad o GAE CO 5 0 e) C AOP das Promo torias de Justiça da Criança e do Ad o lescente 5 2 f) C AOP das Promo torias de Justiça Criminais, Júri e Execuções Penais _ 5 4 g) C AOP das Promo torias de Justiça de Defesa dos Direitos da Pessoa P o rtado ra de Deficiência e CAOP de Defesa dos Direitos do Idoso _ 5 9 h) C AOP das Promo torias de Justiça dos Direitos Cons tituc ionais 6 3 i) C AOP das Promo torias de Justiça de Pro teção à Educação 6 5 j ) C AOP das Promo torias de Justiça Eleitorais 6 7 k) C AOP das Promo torias de Justiça das Fund ações e do T erceiro Setor 6 9 l) C AOP das Promo torias de Justiça de Pro teção ao Meio Amb ie nte _ 7 1 m) C AOP das Promo torias de Justiça de Pro teção ao Patrimô nio Púb lico e à Ordem Tributária 7 3 n) C AOP das Promo torias de Justiça de Pro teção à Saúd e Púb lica _ Centro de Estud o s e Ap erfe içoame nto Funcional _ Ouvidoria do Ministério Púb lico Comissão de Concurso Subprocuradorias-Gerais de Justiça Sub p rocuradoria-geral de Justiça para Ass untos Jurídicos _ Sub p rocuradoria-geral de Justiça para Ass untos Ad mi nistrativo s _ 8 8 a) Departa mento de Recursos Huma no s DRH 8 8 b ) Departa mento de Info r mática DI 9 2 c) Departa mento Fi na nceiro DF _ 9 3 d ) Departa mento Ad minist r ativo DA _ 9 3 e) Assessoria Jurídica AJ 9 5 f) Co mi ssões 9 5 g) Secretaria de Gabinete da SUBADM Sub p rocuradoria-geral para Ass u ntos de Planejame nto Insti tucional Órgãos de Administração Procuradorias de Justiça Promo torias de Justiça _ Composição da Administração do MP-PR 104 6

7 APRESENTAÇÃO O Relatório de Resultados Alcançados em 2010, consiste em uma prestação de contas à sociedade das ações empreendidas para o cumprimento da missão do Ministério Público do Estado do Paraná (MP- PR). Defender a ordem pública, o regime democrático, os interesses sociais e individuais indisponíveis. O MP-PR por meio de uma nova forma de gestão, que tem por base ações planejadas, coordenadas e monitoradas, visa otimizar ações para o cumprimento das relevantes funções Institucionais. Portanto, registrar suas realizações que tem por princípio a preservação da memória, vem nortear a construção do futuro da Instituição. Este papel de registro gerencial das atividades e resultados é atribuição da Subprocuradoria-Geral de Justiça para Assuntos de Planejamento Institucional (SUBPLAN), conforme embasamento legal previsto na Resolução PGJ nº 2.372, de 24 de novembro de Este Relatório foi dividido em quatro grandes grupos de informações, assim apresentados: Principais Realizações consistem nas ações, projetos e programas em que o MP-PR, no exercício de 2010, teve destaque ou produziu efeitos positivos para dar continuidade às ações de modernização e enfrentamento às demandas cotidianas da Instituição. Estrutura do MP-PR apresenta a organização da Instituição para o desempenho e suporte as atribuições definidas constitucionalmente. Recursos do MP-PR neste bloco são reunidas as informações gerenciais das áreas de recursos humanos, orçamentária, financeira e patrimonial, ou seja, identifica a força de trabalho no período 7

8 e os recursos disponibilizados e efetivamente executados, tanto do MP-PR como do Fundo Especial do Ministério Público FUEMP. Resultados de Atividades neste tópico cada órgão ou unidade administrativa apresenta suas atividades principais e resultados obtidos no período. Composição da Administração contém a relação de titulares e responsáveis pelos órgãos e unidades administrativas em exercício em

9 1. PRINCIPAIS REALIZAÇÕES As principais realizações do Ministério Público do Estado do Paraná, no exercício de 2010, são frutos do comprometimento com a missão da Instituição, na busca da melhoria contínua, de um processo dinâmico, baseado no planejamento estratégico de suas atribuições. 1. Aprovação do Plano Estratégico que estabelece diretrizes funcionais e conceituais para o monitoramento da execução do planejamento institucional, nas dimensões estratégica, setorial e regional (Resolução PGJ nº 997, de 27 de abril de O Projeto de Gestão Estratégica Gempar teve continuidade no exercício de 2010 com o estabelecimento de objetivos, metas e indicadores, com base na metodologia de planejamento, denominada Balance Scorecard BSC (Indicadores Balanceados de Desempenho) os quais permitem comparativos de resultados de atuação ao longo dos anos, possibilitando a medição dos benefícios retornados em prol da comunidade paranaense. 2. Ampliação e atualização do parque tecnológico da Instituição com a da aquisição de 800 (oitocentas) novas estações de trabalho (computadores e equipamentos periféricos) atingindo 156 (cento e cinquenta e seis) comarcas. E ainda, nesse exercício a comunicação de dados, via conexão em fibra ótica, atingiu 85% (oitenta e cinco por cento) dos pontos de presença do MP-PR. 3. Expansão do Quadro de Servidores do MP-PR, culminando com a nomeação de 190 (cento e noventa) servidores em diversos cargos de provimento efetivo. Força de trabalho necessária para que a Instituição pudesse estar preparada para o enfrentamento das demandas que surgiram cotidianamente, principalmente no interior do Estado. 4. Modernização da frota do MP-PR, por meio da aquisição de novos veículos, para atender as necessidades dos órgãos e unidades do MP-PR, onde a frota passou de 72 (setenta e dois) para 94 (noventa e quatro) veículos. 9

10 5. Implantação, mediante customização, de um sistema de registro único para acompanhamento das atividades finalísticas do MP-PR. O Programa de Registro, Acompanhamento e Organização das Atividades Finalísticas Extrajudiciais do Ministério Público do Estado Paraná, denominado PRO-MP, será utilizado por todas as promotorias do Estado, permite o gerenciamento de procedimentos e processos relativos à atuação extrajudicial do MP-PR. Ao garantir um controle efetivo da tramitação dos feitos e de seus prazos e a geração automatizada de documentos, o programa proporciona mais celeridade, transparência e eficiência ao trabalho dos integrantes da Instituição. 6. Modernização dos processos de trabalho do Departamento de Recursos Humanos DRH, com foco na qualidade dos serviços prestados. Processo este que contemplou a redistribuição de tarefas, projetou o aperfeiçoamento do sistema informatizado de controle do cadastro de pessoal e estabeleceu trâmites simplificados para os processos de aposentadoria, bem como para o cálculo da compensação previdenciária. 7. Vídeo Institucional do MP-PR obteve o 1º lugar na categoria Vídeo Institucional, no Prêmio Nacional de Comunicação de Justiça O Prêmio, promoção do Fórum Nacional de Comunicação e Justiça, visa destacar as melhores iniciativas de comunicação dos órgãos do Judiciário, Ministérios Públicos, Tribunais de Contas e Defensorias Públicas. 8. Realização do 1º Encontro Estadual dos Grupos de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado, seminário direcionado a todos os integrantes dos Grupos de Atuação Especial e Combate ao Crime Organizado (GAECO) e membros do MP-PR, visando à capacitação, atualização e aperfeiçoamento profissional do público alvo do encontro. Neste evento participaram representantes de todas as unidades do GAECO Curitiba, Guarapuava, Londrina, Maringá, Cascavel, Foz do Iguaçu e Guaíra. 9. Realização do 1º Encontro Estadual do Ministério Público e o Poder Judiciário sobre a aplicação da Lei nº /2006 Lei Maria da Penha teve por objetivo gerar a reflexão e direcionamento único na interpretação da referida lei, possibilitando sua aplicação de forma efetiva, em benefício das vitimas de violência doméstica. 10. Lançamento da campanha Leão Amigo da Criança visa incentivar a população a fazer doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do 10

11 Adolescente com dedução do Imposto de Renda Pessoa Física, ação que se caracteriza como um ato de cidadania. 11. Atuação no Caso Assembléia, marco histórico para a atuação do MP-PR pela magnitude dos atos de corrupção investigados, a importância política das pessoas envolvidas e a repercussão social dos fatos. Ação do MP-PR que exigiu uma atuação diferenciada de seus membros e que obteve um resultado significativo para a sociedade. 12. Evento Institucional Dia Nacional do MP. Nesse exercício o Ministério Público do Paraná promoveu, em Curitiba, evento interno, com o objetivo de promover a integração e a confraternização entre membros e servidores. Dentro dessa iniciativa foi realizado concurso fotográfico (Clique Cidadão I Concurso Fotográfico do Ministério Público do Paraná) que premiou as melhores fotos em duas categorias e contou com a participação de 270 (duzentos e setenta) trabalhos. Este evento contou, ainda, com o lançamento do voluntariado para membros e servidores inativos. 13. O MP-PR instituiu Grupo de Trabalho Especial para acompanhar os preparativos da Copa do Mundo de 2014, em Curitiba, por meio de resolução própria (nº128/10), composto de procuradores e promotores de Justiça, especialmente designados, para acompanhar o planejamento e a execução dos projetos de obras, serviços e compras, licitações e contratos, além de eventuais propostas de alterações legislativas referentes ao evento. O grupo, coordenado pelo procurador de Justiça Arion Rolim Pereira, foi composto por membros da Instituição com atuação nas áreas de proteção ao patrimônio público, defesa do consumidor e proteção ao meio ambiente. 11

12 Estrutura Organizacional 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DO MP-PR 2.1. APRESENTAÇÃO O Ministério Público é Instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, responsável pela defesa da ordem jurídica, do regime democrático e dos interesses sociais e individuais indisponíveis, tarefas que lhe foram outorgadas pela Constituição Federal de Além de estabelecer as atribuições do Ministério Público, a Constituição Federal conferiu-lhe independência funcional e autonomia administrativa e orçamentária, com poderes de propor ao Poder Legislativo a criação e a extinção de seus cargos e serviços auxiliares, assim como as regras sobre sua organização e funcionamento. A Lei Federal n , de 12 de fevereiro de 1993, denominada Lei Orgânica Nacional do Ministério Público, estabeleceu normas gerais sobre a organização do Ministério Público dos Estados e, de forma específica, a Lei Complementar Estadual nº 85, de 27 de dezembro de 1999, e suas alterações, instituiu a Lei Orgânica e o Estatuto do Ministério Público do Estado do Paraná. Por sua natureza voltada ao cidadão, à comunidade e ao pleno exercício dos direitos individuais e coletivos o MP-PR acompanhou com certa simetria, o ritmo das necessidades do cidadão. Entretanto, em termos de estrutura organizacional, em função do foco de atuação da Instituição, apresenta certa defasagem no desenvolvimento estrutural, na área operacional e administrativa. Processo este que aponta a necessidade de uma revisão geral de forma a acompanhar as ações de planejamento estratégico e ainda alavancar a modernização da Instituição. Entretanto no exercício de 2010, apesar do esforço para redimensionar as atividades, estas ações ainda não apresentaram resultados na estrutura organizacional. Neste tópico serão apresentadas a organização, a estrutura, as atribuições e responsabilidades dos órgãos que compreendem a estrutura organizacional do MP-PR, vigente em

13 Estrutura Organizacional 2.2. ÓRGÃOS DA ADMINISTRAÇÃO SUPERIOR Colégio de Procuradores de Justiça O Colégio de Procuradores de Justiça, órgão da administração superior do MP-PR, compõe-se pelo Procurador-Geral de Justiça e todos os procuradores de Justiça em exercício, competindo-lhe como atribuições principais: opinar sobre matéria relativa à autonomia do MP-PR e outras de interesse institucional; aprovar a proposta orçamentária anual; aprovar projetos de criação de cargos e serviços auxiliares, supervisionar os serviços institucionais e administrativos, entre outras competências Conselho Superior do Ministério Público O Conselho Superior do Ministério Público, órgão da administração superior do MP-PR, incumbido de fiscalizar e superintender a atuação do MP-PR, bem como de velar pelos seus princípios institucionais. O Conselho é composto por nove membros, ou seja, o Procurador-Geral de Justiça, o Corregedor-Geral e por sete procuradores de justiça, eleitos anualmente Corregedoria-Geral do Ministério Público A Corregedoria Geral, órgão da administração superior do MP-PR, orientador e fiscalizador das atividades funcionais e da conduta dos membros do Ministério Público. O Corregedor-Geral é eleito pelo Colégio de Procuradores de Justiça, em votação secreta e uni nominal, para mandato de dois anos, permitida uma recondução Procuradoria-Geral de Justiça A Procuradoria Geral de Justiça, órgão da administração superior do MP-PR, cuja gestão cumpre ao Procurador-Geral de Justiça, que exerce a chefia do Ministério Público, representando-o judicial e extrajudicialmente. A estrutura organizacional da Procuradoria Geral de Justiça compreende os seguintes níveis de atuação: 13

14 Estrutura Organizacional Direção Superior Assessoramento Superior Órgãos Auxiliares Subprocuradorias-Gerais Procurador-Geral de Justiça Gabinete do PGJ compreende as assessorias do PGJ, de segurança, comunicação social, cerimonial e centro de preservação da memória do MP-PR. Núcleo de Pesquisa e Informação NPI Secretaria da Procuradoria Geral Coordenação de Recursos CAOP CEAF Comissão de Concursos Ouvidoria do Ministério Público Para Assuntos Jurídicos Para Assuntos Administrativos Para Assuntos de Planejamento Institucional a) Órgãos Auxiliares A Procuradoria Geral de Justiça é composta por órgãos auxiliares, a saber: Secretaria da Procuradoria Geral cumpre a supervisão dos serviços administrativos afetos ao Procurador-Geral de Justiça. Coordenação de Recursos, desmembrada em Cível e Criminal, tem por atribuição nas causas em que se verificar a intervenção do Ministério Público, tomar ciência das decisões em segundo grau; interpor recursos, inclusive aos Tribunais Superiores; e manifestar-se nos recursos interpostos pelas partes para Tribunais Superiores. Os Centros de Apoio Operacional CAOP são órgãos auxiliares à atividade funcional do Ministério Público, com abrangência estadual, e instituídos para atuação nas seguintes áreas: o cíveis, falimentares e de liquidações extrajudiciais; o criminais, do júri e de execuções penais; o da criança e do adolescente; o das comunidades; o das fundações e do terceiro setor; 14

15 Estrutura Organizacional o de controle externo da atividade policial e dos Grupos de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado; o de defesa do consumidor o de defesa dos direitos da pessoa portadora de deficiência; o de defesa dos direitos do idoso; o de proteção à educação; o de proteção à saúde pública; o de proteção ao meio ambiente; o de proteção ao patrimônio público e à ordem tributária; o de proteção às comunidades Indígenas; o dos direitos constitucionais; e o eleitorais. O Centro de Estudos e Aperfeiçoamento Funcional CEAF tem como principais atribuições: realizar a capacitação e formação contínua de membros e servidores do MP-PR; estimular, organizar e realizar qualquer atividade cultural ligada ao campo do direito e ciências correlatas para desenvolver o conhecimento e o interesse de membros e servidores para o campo das humanidades e das boas práticas; regulamentar, organizar e controlar os auxílios financeiros a cursos; organizar e manter a Biblioteca do MP-PR; realizar testes seletivos, admitir e administrar os estagiários de ensino médio e profissionalizante. Ouvidoria do MP constitui um órgão independente do Ministério Público. É um canal de comunicação direto entre o cidadão e o MP-PR, permitindo que o cidadão colabore para a melhoria do serviço prestado. Compete à Ouvidoria receber, examinar e encaminhar denúncias, representações, críticas, apreciações, comentários, elogios, pedidos de informações e sugestões sobre as atividades desenvolvidas pelo Ministério Público, adotando as providências cabíveis. Comissão de Concursos, de natureza transitória, presidida pelo Procurador-Geral de Justiça, constituída por membros do Ministério Público e representantes da ordem dos Advogados do 15

16 Estrutura Organizacional Brasil seção Paraná, incumbida de realizar a seleção de candidatos ao ingresso na carreira do Ministério Público. b) Subprocuradorias-Gerais A Procuradoria Geral de Justiça, por meio de suas subprocuradorias-gerais deve prestar suporte estratégico e operacional aos demais órgãos do MP-PR. Para tanto conta com três Subprocuradorias- Gerais, a saber: Para Assuntos Jurídicos compete: examinar e promover manifestação nas representações dirigidas ao Procurador-Geral de Justiça para o ingresso de ações diretas de inconstitucionalidade de leis e de atos da administração pública estadual e municipal; atuar, mediante delegação nos processos judiciais de atribuição exclusiva do Procurador-Geral de Justiça; interpor as medidas judiciais e os recursos cabíveis junto aos Tribunais estaduais e federais, junto ao Superior Tribunal de Justiça e ao Supremo Tribunal Federal; entre outras atribuições determinadas pelo Procurador-Geral de Justiça. Para Assuntos Administrativos compete: supervisionar, coordenar, acompanhar e fiscalizar as atividades de natureza administrativa, desenvolvidas no âmbito da Procuradoria-Geral de Justiça, em nível de ação programática, respondendo por sua regularidade. Para Assuntos de Planejamento Institucional compete: o desenvolvimento, a implementação e o monitoramento do planejamento e da gestão estratégica do MP-PR, bem como promover a modernização da estrutura organizacional da Instituição, a gestão de processos e métodos de trabalho e a implementação de mecanismos de integração interna e de articulação funcional no âmbito do MP-PR. 16

17 Estrutura Organizacional 2.3. ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO Procuradorias de Justiça As Procuradorias de Justiça, órgãos de administração, são classificadas em: (1) Cível, com atribuições de oficiar perante os órgãos judiciais de segundo grau em matéria cível; (2) Criminal, com atribuições de oficiar perante os órgãos judiciais de segundo grau em matéria criminal. A organização, a estruturação, o funcionamento e as atribuições das Procuradorias de Justiça foram estabelecidos pela Resolução CPJ nº 031, de 09 de outubro de 2001 e suas alterações. O Colégio de Procuradores de Justiça, por meio da Resolução CPJ nº 009, de 07 de junho de 2006, estabeleceu a seguinte composição para as Procuradorias de Justiça: A Esfera Criminal contará com 05 (cinco) Procuradorias de Justiça e com o total de 35 (trinta e cinco) membros; e A Esfera Cível contará com 05 (cinco) Procuradorias de Justiça e com o total de 45 (quarenta e cinco) membros Promotorias de Justiça As Promotorias de Justiça, órgãos de administração do Ministério Público, com atribuições fixadas pelo Colégio de Procuradores de Justiça, e exercidas por Promotores de Justiça nas diversas Comarcas do Estado. As Promotorias de Justiça poderão ser judiciais ou extrajudiciais, especializadas, gerais ou cumulativas. Assim, no exercício de 2010 apresentavam a seguinte estruturação: Entrância Entrância Entrância Total Inicial Intermediária Final Comarcas Municípios Promotores de Justiça Promotores de Justiça Substitutos

18 Recursos do MP-PR 3. RECURSOS DO MINISTÉRIO PÚBLICO 3.1. RECURSOS HUMANOS O MP-PR vem efetuando um grande esforço na adequação dos seus Recursos Humanos as demandas apresentadas pela sociedade. Tarefa esta prioritária no atual contexto de mudanças geradas pelo processo de planejamento estratégico em andamento no Ministério. Este novo contexto implica estabelecer uma política voltada à capacitação de novos servidores, o desenvolvimento pessoal e a Instituição e reorganização de carreiras e cargos. Neste processo, quando se compara as informações do ano de 2010 com o ano anterior, identifica-se o crescimento da força de trabalho na ordem de 13,66% (treze vírgula sessenta e seis por cento). Quadro Demonstrativo da Força de Trabalho da Instituição Força de Trabalho Dez/2008 Dez/2009 Dez/2010 Ampliação Membros Servidores Cargos em Comissão Servidores de outros órgãos (disposição) Colaboradores (estagiários, voluntários, convênios) Total Fonte: Departamento de Recursos Humanos Setor Folha de Pagamento, mês de referência dezembro. Destaque-se ainda, que esse crescimento deu-se com maior ênfase no quadro de servidores, onde a orientação de recrutamento estava voltada ao provimento de cargos nas áreas de apoio administrativo. No quadro abaixo observar-se a evolução de pessoal no período como segue: 18

19 Recursos do MP-PR Quadro Evolução da Força de Trabalho da Instituição no período de Anos / 2008 Evolução 2010/ / 2008 Membros ,56% 3,75% 5,36% Servidores ,79% 31,76% 28,09% Servidores de outros órgãos (disposição) ,96% 1,23% -10,87% Colaboradores (estagiários, voluntários, convênios) ,11% 10,61% 22,90% Total ,83% 13,66% 16,87% Fonte: Departamento de Recursos Humanos Setor Folha de Pagamento, mês de referência dezembro. A renovação dos quadros de pessoal tem sido efetuada de forma gradual, contudo a recomposição quadro de servidores no período de não supriu as vagas decorrentes das vacâncias no mesmo período. Quadro Vacâncias decorrentes de aposentadorias, exonerações e falecimentos no período de Quadros Vacâncias Total Aposentadoria Membros Exoneração Falecimento Total (1) Nomeações efetivadas Aposentadoria Servidores Exoneração Falecimento Total (2) Nomeações efetivadas Total Geral (1)+(2) Fonte: Departamento de Recursos Humanos Setor Folha de Pagamento. 19

20 Recursos do MP-PR O quadro abaixo apresenta a taxa de rotatividade (Turnover), que consiste no percentual de substituição de efetivos (membros e servidores) na entidade. Taxa esta, que indica o giro entre entradas e saídas de recursos humanos, e é utilizada como indicador da saúde organizacional, bem como sinônimo de perda de produtividade da Instituição. Alguns especialistas dizem ser o indicador médio de 5% (cinco por cento) o mais aceitável, assim quanto menor for esse índice mais saudável e a Instituição. Quadro Demonstrativo de Membros e Servidores em relação a taxa de rotatividade, vacância e nomeações, no período de Membros Ano 2008 Ano 2009 Ano 2010 Membros Ativos (janeiro) Membros Ativos (dezembro) Nomeações no Período Vacâncias no Período Taxa de Turnover 3,74% 2,56% 0,91% Taxa de Vacância 0,74% 1,87% 1,81% Taxa de Nomeações 6,99% 3,24% 0,00% Servidores Servidores Ativos (janeiro) Servidores Ativos (dezembro) Nomeações no Período Vacâncias no Período Taxa de Turnover 5,11% 1,52% 2,56% Taxa de Vacância 5,03% 3,07% 2,95% Taxa de Nomeações 5,23% 0,00% 1,56% Total de Efetivos Ativos Efetivos Ativos (janeiro) Efetivos Ativos (dezembro) Nomeações no Período Vacâncias no Período Taxa de Turnover 4,38% 2,08% 1,71% Taxa de Vacância 2,79% 2,42% 2,40% Taxa de Nomeações 6,15% 1,77% 0,80% Fonte: Departamento de Recursos Humanos Setor Folha de Pagamento. 20

21 Recursos do MP-PR Complementando as informações dos recursos humanos da Instituição, o quadro abaixo apresenta a distribuição dos servidores por local de trabalho, agrupados com destaque para os CAOP e as Promotorias de Justiça. Quadro Distribuição de Servidores do Ministério Público por local de lotação período de 2008 a % % ORGÃO/UNIDADE SERVIDORES Servidores Servidores 2009/2008 Servidores 2010/2008 Serviços Gerais % 96-6% Apoio Administrativo % 265-1% Apoio Jurídico % % MINISTÉRIO Técnico Superior % 107-4% PÚBLICO Total % 669 8% Servidores Área Meio % 283-7% Servidores Área Fim % % CAOPS PROMOTORIAS ENTRÂNCIAS FINAIS PROMOTORIAS ENTRÂNCIAS INTERMEDIÁRIAS Serviços Gerais % 4 33% Apoio Administrativo % 31 11% Apoio Jurídico % 29 16% Técnico Superior % 39-5% Total % 103 6% Serviços Gerais % 15-12% Apoio Administrativo % 58 0% Apoio Jurídico % % Técnico Superior % 25 0% Total % % Serviços Gerais Apoio Administrativo % 62-11% Apoio Jurídico Técnico Superior 1 1 0% 2 100% Total % 73 3% Serviços Gerais Apoio PROMOTORIAS % 30 30% Administrativo ENTRÂNCIAS Apoio Jurídico INICIAIS Técnico Superior Total % 39 70% Fonte: Departamento de Recursos Humanos Setor Folha de Pagamento, mês de referência abril. 21

22 Recursos do MP-PR Demonstrativos Gráficos Figura 1 Força de Trabalho do MP-PR, período

23 Recursos do MP-PR Figura 2 Evolução do Quadro de Membros do MP-PR em relação às vacâncias, período Figura 3 Evolução do Quadro de Servidores do MP-PR em relação às vacâncias, período Membros Nomeações efetivadas Falecimento Aposentadoria Exoneração Servidores Nomeações efetivadas Falecimento Aposentadoria Exoneração 23

24 Recursos do MP-PR Figura 4 Quadros de pessoal do MP-PR período (taxas de turnover, vacâncias e nomeações). 8,00% 7,00% 6,00% 5,00% 4,00% 3,00% 2,00% 6,99% 3,86% Membros Taxa de Vacância Taxa de Nomeação Turnover 3,24% 1,87% 2,56% 1,81% 1,00% 0,74% 0,90% 0,00% ,00% 24

25 Recursos do MP-PR Figura 5 Quadros de pessoal do MP-PR período (por lotação). 25

26 Recursos do MP-PR Figura 6 Quadro de pessoal do MP-PR lotado em promotorias período (por entrância). 26

27 Recursos do MP-PR 3.2. RECURSOS ORÇAMENTÁRIOS E FINANCEIROS O orçamento para o exercício de 2010, aprovado pela Lei Estadual n.º , de 29 de dezembro de 2009, estimou a receita e fixou a despesa para o Ministério Público em R$ ,00 (trezentos e setenta e três milhões e cento e treze mil e quinhentos e trinta reais), considerando todas as fontes de recursos Recursos Orçamentários Fonte de Recursos 100 Quadro Recursos Orçamentários da Fonte de Recursos 100 Ano Receita Liquida do Estado % Orçamento Final Fonte de Recursos 100 Valores em R$ 1,00 Crescimento % 2007 Até 3,8% Até 4,0% % ,9% ,80% ,9% ,12% Fonte: Departamento Financeiro DF/SUBADM Quadro Execução Orçamentária na Fonte Recursos 100 Ano Orçamento Inicial Orçamento Final Executado Valores em R$ 1,00 Evolução Orçamentária Biênio Fonte: Departamento Financeiro DF/SUBADM 27

28 Recursos do MP-PR Fundo Especial do Ministério Público (FUEMP) Quanto à gestão orçamentária do Fundo Especial do Ministério Público FUEMP destaque-se que o orçamento inicial aprovado pela Lei Estadual nº de 29 de dezembro de 2009, estimou a receita e fixou a despesa em R$ ,00 (seis milhões de reais). Com as suplementações realizadas no exercício, os recursos advindos do excesso de arrecadação, e o saldo financeiro apurado do exercício anterior o orçamento final resultou em ,00 (dezessete milhões duzentos e trinta e sete mil reais). Quadro Execução Orçamentária do FUEMP Ano Orçamento Inicial Orçamento Final Executado Valores em R$ 1,00 Evolução Orçamentária Biênio Fonte: Departamento Financeiro DF/SUBADM Quanto à execução orçamentária por espécie, o quadro abaixo, apresenta a evolução no período de 2008 a 2010, somando-se os valores da fonte 100 e do FUEMP: Quadro Demonstrativo da execução Orçamentária por Espécie (Fonte 100 e FUEMP) Ano Despesas com Pessoal Outras Despesas Correntes Fonte: Departamento Financeiro DF/SUBADM Valores em R$ 1,00 Investimentos Total % ,5% % Destaque-se que dificuldades administrativas, principalmente, na execução de licitações emperraram a execução orçamentária do exercício em termos monetários, assim a despesa executada correspondeu a R$ ,94 (seis milhões setecentos e sessenta mil cento e sessenta e três reais e noventa e quatro centavos), que corresponde a 38,61% (trinta e oito vírgula sessenta e um por cento) da dotação atualizada (R$ ,00). 28

29 Recursos do MP-PR Demonstrativo Gráfico: Figura 7 Execução Orçamentária do MP-PR Fonte Recursos

30 Recursos do MP-PR Figura 8 Movimentação Financeira do FUEMP Figura 9 Demonstrativo da Execução Orçamentária por Espécie Fonte de Recursos 100 e FUEMP 30

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão

ANEXO I. Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão ANEXO I Relatório de Atividades Anuais do Ministério Público: Rol de informações mínimas necessárias por órgão 1. SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS INSTITUCIONAIS 1.1 Atividades Institucionais

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 786/2013-PGJ, DE 16 DE SETEMBRO DE 2013 (Protocolado nº 11.327/09) Altera o art. 4º-A do Ato Normativo nº 572/2009-PGJ, de 30 de janeiro de

Leia mais

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ

PROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA GABINETE DO PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ RESOLUÇÃO Nº 937/2012 - PGJ O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e com fundamento no art. 19, XX, da Lei Complementar nº 85, de 27 de dezembro de 1999, Considerando

Leia mais

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175

DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.170 a art175 CONSTITUIÇÃO FEDERAL 88 DO MINISTÉRIO PÚBLICO art.127 a art.130- A Art. 127. O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa da ordem

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta.

INDICADORES ESTRATÉGICOS EVOLUÇÃO E STATUS. Indicadores com monitoramento implementado e com resultado satisfatório de acordo com a meta. Implantação do Planejamento Estratégico AMGE 100% até 2016 O Projeto Desdobramento do Planejamento Estratégico Institucional foi instituído por meio da Portaria PGR nº 725/2011 e finalizado em dezembro

Leia mais

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL

4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL Relatório de Atividades - 1 trimestre de 4.1. Planejamento Estratégico 4. MODERNIZAÇÃO E RELACIONAMENTO INSTITUCIONAL A principal atividade relacionada ao Planejamento Estratégico -2016 do TCE/SC no primeiro

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa Esta iniciativa busca a modernização e a ampliação das ações e dos instrumentos de Comunicação para atender às necessidades de divulgação e alinhamento de informações

Leia mais

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional

Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Pacto Gaúcho pelo Fim do Racismo Institucional Aos 21 de março de 2014, dia em que o mundo comemora o Dia Internacional contra a Discriminação Racial instituído pela ONU em 1966, adotamos o presente Pacto

Leia mais

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher

PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher PARÁ: O histórico do Ministério Público Paraense no enfrentamento à Violência contra a mulher Lucinery Helena Resende Ferreira do Nascimento Túlio Carlos Souza Ortiz Desde o nascimento da Lei 11.340, em

Leia mais

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de

PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS. Resultados de Pesquisas de MINISTÉRI O PÚBLICO do Estado do Paraná PLANO SETORIAL DE AÇÃO PROCURADORIA/PROMOTORIA DE JUSTIÇA SUBPLAN ANO: 2014 PROCURADORIA / PROMOTORIA DE JUSTIÇA: COMARCA DE SIQUEIRA CAMPOS RECONHECIMENTO EXTERNO

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições:

LEI Nº 5 649. Art. 2º A Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo tem as seguintes atribuições: LEI Nº 5 649 Cria a Ouvidoria de Polícia do Estado do Espírito Santo e dá outras providências. O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, faço saber que a Assembléia Legislativa

Leia mais

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública

o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública o mpf/sp e a unifesp notas para a audiência pública unifesp, 23.04.2009 tópicos conhecendo o mpf unifesp e administração pública atuação do mpf/sp na unifesp tutela de direitos coletivos defesa do patrimônio

Leia mais

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o

RESOLUÇÃO *Nº 005/2008. O PROCURADOR GERAL DE JUSTIÇA NO USO DE SUAS ATRIBUIÇÕES LEGAIS faz saber que o RESOLUÇÃO *Nº 005/2008 Resolução publicada no DOE de 13/08/2008. *Errata, correção de numeração, no Doe de 14.10.08. Aprovada pela Lei Complementar nº 565 de 21 de julho de 2010, publicada no DOE de 22

Leia mais

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990

DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DECRETO N 6.664 DE 05 DE MARÇO DE 1990 DISPÕE SOBRE ALTERAÇÃO DO ANEXO III DO DECRETO N 2.456, DE 24.09.1982. O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARÁ, no uso de suas atribuições que lhe confere o art. 135, inciso

Leia mais

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO GPGJ Nº 1.943 DE 13 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre o Modelo de Governança do Planejamento Estratégico do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições

ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS. Requisitos Salário Bruto* Atribuições ANEXO III QUADRO DOS REQUISITOS DE PROVIMENTO, REMUNERAÇÃO E ATRIBUIÇÕES DOS EMPREGADOS PÚBLICOS Secretário Executivo Carga horária 40 h/sanais Cargo Provimento cinco R$ 16.000,00 Assessoria ao liberações

Leia mais

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei:

, Prefeito Municipal de. FAÇO saber a todos os habitantes deste Município que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno, cria a Controladoria Municipal e dá outras providências., Prefeito Municipal de FAÇO saber a todos os habitantes deste Município

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9

SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO 4 OBJETIVOS 5 PROGRAMAS EDUCACIONAIS 6 CONSTRUÇÃO DO PLANO ANUAL DE EDUCAÇÃO 7 CONCEITOS BÁSICOS 8 CATÁLOGO DE CURSOS 2010 9 PROGRAMA EDUCACIONAL DIREITO 9 Atualização em Direito

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário

PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário DIÁRIO OFICIAL DA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Porto Alegre, sexta-feira, 13 de junho de 2014. PRO 1 PROJETO DE LEI Nº 149/2014 Poder Judiciário Extingue e cria cargos e funções, no âmbito da Justiça de 1º Grau,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE UERN PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E FINANÇAS - PROPLAN ROTINAS ADMINISTRATIVAS PROPLAN SETOR: Pró-Reitoria CARGO: Docente / TNS FUNÇÃO: Pró-Reitor

Leia mais

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional

Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Execução do Plano Estratégico e seus desdobramentos Institucionalização e monitoramento do Planejamento Institucional Planejamento Estratégico e seus desdobramentos: planejamento setorial e planejamento

Leia mais

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete:

Art. 2º Ao Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - compete: LEI Nº 12.911, de 22 de janeiro de 2004 Dispõe sobre a criação do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - CONSEA-SC - e do Fundo Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional - FUNSEA-SC

Leia mais

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 1º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos, 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar

O GOVERNADOR DO ESTADO DE SERGIPE, Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado aprovou e que eu sanciono a seguinte Lei Complementar Publicada no Diário Oficial do dia 07 de julho de 2011 Estabelece a Estrutura Administrativa do Tribunal de Contas do Estado de Sergipe e do Ministério Público Especial; cria, modifica e extingue órgãos

Leia mais

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE

º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE Referente ao Projeto de Lei Complementar n. º 000107-AL LEI COMPLEMENTAER Nº. 0042, DE 15 DE AGOSTO DE 2007. Publicada no Diário Oficial do Estado nº 4073, de 20.08.07 Autor: Deputado Jorge Amanajás Autoriza

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO PORTARIA Nº 59, DE 14 DE MARÇO DE 2008. Dispõe sobre alterações no Manual de Atribuições da Seção Judiciária do Paraná e estabelece outras providências. O VICE-PRESIDENTE, NO EXERCÍCIO DA PRESIDÊNCIA DO

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.421, DE 05 DE ABRIL DE 2010. (publicada no DOE nº 062, de 05 de abril de 2010 2ª edição) Institui a Carreira

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos 1 de 9 17/10/2013 13:46 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.165, DE 29 DE ABRIL DE 2010. Regulamenta o inciso I do art. 48 da Lei n o 6.450, de 14 de outubro

Leia mais

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO

9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO 9 SISTEMA DE CONTROLE INTERNO Ao sistema de controle interno, consoante o previsto nos arts. 70 e 74 da Constituição Federal, incumbe a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial,

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013.

LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013. LEI COMPLEMENTAR Nº 17 DE 24 DE ABRIL DE 2013. Dispõe sobre a criação e extinção de cargos no quadro de pessoal do Município de Turvolândia e dá outras providências. O Povo do Município de Turvolândia,

Leia mais

Procedimento Institucional Finalístico 13/10/15. Promotor de Justiça. Promotor de. Justiça. Promotor de Justiça Promotor de Justiça.

Procedimento Institucional Finalístico 13/10/15. Promotor de Justiça. Promotor de. Justiça. Promotor de Justiça Promotor de Justiça. 1/6 Unidade de Aplicação: Promotorias de do MP-PR. Objetivo do Processo: Responsável(is) envolvido(s): Secretarias, assessorias e promotores de justiça. Abertura e encaminhamento de Notícia de Fato. Histórico

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 2012 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 2012 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO SETORIAL DE AÇÃO - 202 PROCURADORIAS E PROMOTORIAS DE JUSTIÇA SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA PARA ASSUNTOS DE PLANEJAMENTO INSTITUCIONAL SUBPLAN DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO

Leia mais

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07

LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 LEI Nº 3.262/07 DE 13/12/07 ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE CAMPOS NOVOS PARA O EXERCÍCIO DE 2008 Cirilo Rupp, Prefeito em exercício do Município de Campos Novos, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 411, DE 08 DE JANEIRO DE 2010. Dispõe sobre a estrutura organizacional do Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Norte e dá outras providências. A GOVERNADORA

Leia mais

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO

RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO RELATÓRIO DE ANÁLISE DA GESTÃO A Assessoria de Controle Interno do Tribunal de Justiça do Estado do Acre ASCOI, em cumprimento às determinações legais, apresenta o Relatório de Análise da Gestão Orçamentária,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SÃO JOÃO DE MERITI PROCESSO: 0007733-93.2015.4.02.5110 (2015.51.10.007733-0) AUTOR: MINISTERIO PUBLICO FEDERAL REU: MUNICIPIO DE BELFORD ROXO Fls

Leia mais

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA

DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA DIRETRIZES PARA AQUISIÇÃO DE EQUIPAMENTOS E SERVIÇOS DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA AUTORIDADE PÚBLICA OLÍMPICA 1 APRESENTAÇÃO Este conjunto de diretrizes foi elaborado para orientar a aquisição de equipamentos

Leia mais

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO

CAPÍTULO III DA REESTRUTURAÇÃO LEI N 3934 DISPÕE SOBRE A REESTRUTURAÇÃO E REORGANIZAÇÃO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICIPIO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM E DÁ OUTRA PROVIDÊNCIAS. A Câmara Municipal de Cachoeiro de Itapemirim,

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador

Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador Governo do Estado do Amazonas Gabinete do Governador DECRETO Nº 33.443, DE 25 DE ABRIL DE 2013. ABRE crédito adicional suplementar que especifica, no Orçamento Fiscal vigente da Administração Direta. O

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho IMPRENSA IT. 36 07 1 / 8 1. OBJETIVO Administrar o fluxo de informações e executar ações de comunicação junto aos públicos interno e externo do Crea GO de forma transparente, ágil, primando pela veracidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004.

MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Gabinete do Ministro. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. PORTARIA nº 3.746, de 17 de dezembro de 2004. Institui o programa de transparência do Ministério da Justiça e estabelece medidas internas para aperfeiçoar os instrumentos preventivos de controle da atividade

Leia mais

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA

1 Prefeitura Municipal de Luís Eduardo Magalhães ESTADO DA BAHIA A 1 CNPJ 04.214.41910001-05 DECRETO N 3.091, DE 05 DE JANEIRO DE 2014. "Dispõe sobre a estrutura organizacional da Procuradoria Geral do Município ". O PREFEITO MUNICIPAL DE LUIS EDUARDO MAGALHÃES,, no

Leia mais

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO

FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA DA FUNDAÇÃO ARMANDO ALVARES PENTEADO TÍTULO I DA FINALIDADE E DO OBJETO Art. 1º O Núcleo de Prática Jurídica da Faculdade de Direito da Fundação Armando Alvares

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL

Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Relatório Metas Nacionais do Judiciário Diagnóstico Situacional TJAL Assessoria de Planejamento de Modernização do Poder - APMP Divisão de Estatística do Tribunal de Justiça - DETJ Assessoria de Planejamento

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

CALENDÁRIO DAS ATIVIDADES DO 1 SEMESTRE DE 2014 PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA DO MARANHÃO

CALENDÁRIO DAS ATIVIDADES DO 1 SEMESTRE DE 2014 PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA DO MARANHÃO CALENDÁRIO DAS ATIVIDADES DO 1 SEMESTRE DE 2014 PROCURADORIA GERAL DE JUSTIÇA DO MARANHÃO ATIVIDADES - OFICINAS DE TRABALHO - REUNIÕES - CURSOS - EVENTOS - SEMINÁRIOS - CONGRESSOS FEVEREIRO 10 (segunda)

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA

ESTADO DO PARÁ PREFEITURA MUNICIPAL DE ABAETETUBA Lei nº 407/2014, DE 12 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre o Conselho e Fundo Municipal de Políticas sobre Drogas do Município de Abaetetuba e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal de

Leia mais

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ

O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ LEI Nº 5456, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2012. Estima a receita e fixa a despesa do Município de Sumaré para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências.- O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE SUMARÉ seguinte

Leia mais

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006

Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Ato Normativo nº. 428/2006 - PGJ/CGMP, de 20 de fevereiro de 2006 Alterado por Ato Normativo nº 905/2015, de 11/06/2015 (PT nº. 20.243/06) Aprova o Plano de Classificação de Documentos e a Tabela de Temporalidade

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

FACULDADE DE DIREITO REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CAPÍTULO I DA FINALIDADE ART. 1º - O Núcleo de Prática Jurídica, subordinado à Faculdade de Direito

Leia mais

Domínio E: Celeridade e Tempestividade

Domínio E: Celeridade e Tempestividade Domínio E: Celeridade e Tempestividade 10 Agilidade no julgamento de processos e gerenciamento de prazos pelos Tribunais de Contas (4 domínios) 11 Controle externo concomitante (preventivo) (4 domínios)

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000

PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 1 9 6 3 1 9 6 3 PREFEITURA MUNICIPAL DE PILÕES CNPJ: 08.148.488/0001-00 CEP: 59.5960-000 Lei nº 299/ 2008. Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal do Idoso, do Fundo Municipal do Idoso e dá outras

Leia mais

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG

CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ CONFERÊNCIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA - CONSEG CONFERÊNCIA LIVRE DO SISTEMA DE JUSTIÇA MPPR/ OAB/ TJ Princípio A segurança pública deve promover a cidadania e prevenir a criminalidade. Princípio As políticas de segurança pública devem ser transversais.

Leia mais

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO: CRIAÇÃO E FUNCIONAMENTO CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL NO MARANHÃO Presidente Carmen Maria Teixeira Moreira Serra Secretário

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher

Núcleo Especializado de Promoção e Defesa dos Direitos da Mulher A Defensoria Pública do Estado de São Paulo, através de seu Núcleo Especializado de Promoção e Defesa, vem por meio deste, apresentar os projetos apresentados por conta da assinatura do Termo de Cooperação

Leia mais

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS

8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS 8ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE MINAS GERAIS DOCUMENTO FINAL EIXO 1 PROMOÇÃO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Ações de mobilização: 1. Ampla mobilização, por

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25. Planejamento Estratégico PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 25 Planejamento Estratégico GT Educação 2010 PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO 26 INTRODUÇÃO O tema e nome do Grupo do Trabalho: Educação A educação

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO

ANEXO IV PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL. Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO PROPOSTAS APROVADAS NA CONFERÊNCIA ESTADUAL ANEXO IV Eixo MOBILIZAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO MONITORAMENTO 1-Promoção dos Direitos de Crianças e Adolescentes Buscar apoio das esferas de governo (Federal e Estadual)

Leia mais

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências.

LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE 2005. Dispõe sobre a estrutura organizacional da Administração Direta do Poder Executivo e dá outras providências. Diário Oficial do Município - Belo Horizonte Ano XI - Nº: 2.273-01/01/2005 Poder Executivo Secretaria Municipal de Governo Lei nº 9.011 de 1º de janeiro de 2005 - Anexos LEI Nº 9.011 DE 1 DE JANEIRO DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09

RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 RESOLUÇÃO CNJ nº 90/09 29 de setembro de 2009 PLANO DE TRABALHO - PDTI O presente Plano de Trabalho objetiva o nivelamento do Tribunal de Justiça do Estado de Roraima aos requisitos de tecnologia da informação

Leia mais

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

LEI N 2163/2015 DISPOSIÇÕES PRELIMINARES LEI N 2163/2015 Reformula o Plano de Cargos, Carreiras e Salários dos Servidores da Caixa de Assistência, Previdência e Pensões dos Servidores Públicos Municipais de Porciúncula CAPREM e estabelece normas

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006.

LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. LEI N.º 3.590 de 2 de maio de 2006. O PREFEITO MUNICIPAL DE URUGUAIANA: Dispõe sobre a Estrutura Administrativa e institui organograma da Câmara Municipal de Uruguaiana e dá outras providências. Faço saber,

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO

CAPÍTULO I DA NATUREZA, FINALIDADE, CONSTITUIÇÃO E COMPOSIÇÃO DO CONSELHO LEI Nº 3890 REGULAMENTA A PARTICIPAÇÃO POPULAR NAS AÇÕES SOCIAIS DE PROTEÇÃO, DEFESA E ATENDIMENTO DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE, NOS TERMOS DO INCISO II DO ARTIGO 88 DA LEI FEDERAL Nº 8.069,

Leia mais

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP

PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP Ministério Público do Estado do Paraná PROPOSTA DE PROJETO DE PESQUISA APLICADA PARA AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE TELEFONIA IP ALEXANDRE GOMES DE LIMA SILVA CURITIBA - PR 2012-2013 Ministério

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.913, DE 18 DEZEMBRO DE 2013 (publicada no DOU de 19/12/13, Seção 1, página 19) Abre ao Orçamento Fiscal da União, em favor

Leia mais

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano

MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação. CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano MINISTÉRIO DAS CIDADES Secretaria Nacional de Habitação CAIXA ECONÔMICA FEDERAL Representação de Apoio ao Desenvolvimento Urbano SNHIS / FNHIS - Lei nº 11.124/05 REQUISITOS PARA ADESÃO DOS MUNICÍPIOS AO

Leia mais

Prefeitura Municipal de Brejetuba

Prefeitura Municipal de Brejetuba INSTRUÇÃO NORMATIVA SPO Nº. 001/2014 DISPÕE SOBRE ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO E EXECUÇÃO DO PPA NO MUNICÍPIO DE BREJETUBA-ES. VERSÃO: 01 DATA DE APROVAÇÃO: 06/05/2014 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto Municipal

Leia mais

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015

Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 Relatório Controle Interno 2º. Quadrimestre 2015 1. APRESENTAÇÃO Nos termos do artigo 74 da Constituição Federal, artigo 59 da Lei Complementar nº. 59, artigos 63 a 66 da Lei Complementar nº. 33, de 28

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados

Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação Procedimentos Possíveis Achados Questão de auditoria Informações Requeridas Fontes de Informação s Possíveis Achados 1 As características da unidade de controle interno atendem aos preceitos normativos e jurisprudenciais? Ato que criou

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO CARTILHA DE ORIENTAÇÃO SOBRE A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL 1. O que é a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF)? A Lei de Responsabilidade Fiscal é um código

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007

ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 ATO NORMATIVO Nº 006 /2007 Dispõe sobre os cargos em comissão do Ministério Público do Estado da Bahia, e dá outras providências. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais