REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS"

Transcrição

1 REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Equipa docente: Coord.: Prof. Cat. João Bettencourt da Câmara Reg: Prof. Aux. Paula Cordeiro Prof. Aux. Raquel Ribeiro Regras: _ 1. Contexto As Unidades Curriculares Projecto (5 ECTS) e Seminário ou Estágio (5 ECTS) fazem respectivamente parte do primeiro e do segundo semestres do 3º ano do plano obrigatório da Licenciatura em Ciências da Comunicação do ISCSP. 2. Princípios Gerais As Unidades Curriculares Projecto e Seminário ou Estágio encontram-se intimamente interligadas, por concorrerem para o desenvolvimento de um único trabalho de investigação aplicada A unidade Projecto ocupa-se da planificação e da contextualização preparatória (teórica e teórico-prática) do projecto de trabalho A unidade Seminário ou Estágio dedica-se ao desenvolvimento operacional do trabalho, à interpretação dos dados recolhidos, às actividades desenvolvidas e à apresentação das conclusões do projecto. 3. Projecto de trabalho O projecto de trabalho pode assumir a forma de projecto de investigação teórico ou teóricoprático ou de estágio profissional No caso de ser um projecto de um projecto de investigação teórico ou teóricoprático, é concluído com a apresentação de um artigo/ensaio. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 1 de 8

2 Entende-se por artigo/ensaio um trabalho de natureza científica sobre um tema ou tópico da área de conhecimento da Licenciatura. O artigo/ensaio deve ter uma componente de enquadramento e discussão crítica da literatura relevante e uma componente de exercício teórico ou teórico-prático que promova uma abordagem inovadora ao tema ou tópico escolhido. Deve ainda apresentar uma síntese conclusiva e sugestões para trabalho futuro No caso de ser um estágio profissional, é concluído com a apresentação de um relatório de estágio Entende-se por relatório de estágio um trabalho de descrição e reflexão pormenorizada sobre as actividades desenvolvidas no âmbito de um estágio profissional, efectuado junto de uma instituição, aprovada para o efeito pelo coordenador das unidades curriculares em causa. Deve descrever as funções exercidas e tarefas efectuadas, à luz de um enquadramento teórico e metodológico devidamente caracterizado Especificidades do relatório de estágio O trabalho de estágio terá pelo menos 240 horas de actividade efectiva na instituição de acolhimento, distribuídas por um mínimo de 3 meses O aluno deve anexar ao relatório de estágio um certificado que ateste que realizou o estágio curricular e que o fez dentro dos requisitos temporais especificados no número anterior. Sem esse certificado, o relatório de estágio não é aceite O aluno deve também anexar ao relatório de estágio uma carta ou documentos da instituição de acolhimento, relativos à qualidade da sua prestação. Esses testemunhos serão tomados em consideração pelo júri que aprecie o relatório de estágio. 4. Precedências 4.1. Não são admitidos trabalhos em Seminário ou Estágio que não decorram directamente dos trabalhos de planificação desenvolvidos em Projecto Deste modo, a unidade curricular Seminário ou Estágio apenas pode ser frequentada por alunos que tenham obtido aproveitamento a Projecto. 5. Orientação 5.1. Cada aluno é orientado por um docente do ISCSP que se entenda adequado ao tema do projecto (afecto ou não ao corpo docente destas unidades curriculares e afecto ou não à Licenciatura em Ciências da Comunicação), com a incumbência de acompanhálo em ambas as unidades curriculares. O orientador tem assento no júri de avaliação final da unidade curricular Seminário ou Estágio (salvo impedimento absoluto, reconhecido pelo coordenador da Licenciatura). REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 2 de 8

3 Em casos excepcionais (aceites como tal pelo coordenador e pelo regente das unidades curriculares) o aluno pode ser orientado por mais que um docente É proposto um orientador ao aluno, tendo em conta a sua temática de trabalho porém, cada aluno tem o direito de escolher livremente o seu orientador O aluno é, pois, autónomo para contactar o docente com quem deseje trabalhar e para mudar de orientador, se tal se justificar Não obstante o aluno poder tomar a iniciativa de mudar de orientador, qualquer decisão relativa a essa iniciativa é de comunicação obrigatória (por escrito) ao regente da cadeira, no prazo máximo de uma semana Para além do orientador, todos os docentes afectos às unidades curriculares acompanham os alunos inscritos, quer na fase preparatória anterior à distribuição dos alunos pelos respectivos orientadores, quer ao longo de todo o ano lectivo, nas suas respectivas áreas de especialização. Projecto: 6. Unidade curricular Projecto 6.1. Estrutura de Projecto A unidade curricular Projecto decorre em três momentos essenciais: definição da temática do projecto, elaboração do projecto de trabalho e contextualização preparatória (teórica e/ou teórico-prática) do projecto A definição da temática e a elaboração do projecto de trabalho são acompanhados em aula pelos docentes afectos às unidades curriculares, com a discussão de temas metodológicos e a elaboração de trabalhos, individuais e em pequenos grupos Os alunos são convidados a escolher a temática do seu projecto de entre uma lista facultada no início do ano lectivo pelos docentes afectos às unidades curriculares A contextualização preparatória do projecto é acompanhada exclusivamente pelos orientadores Programa de Projecto O programa das aulas inclui: A escolha do tema, a sua enunciação e operacionalização A definição e a operacionalização dos conceitos operativos A metodologia de investigação Workshops sobre as principais áreas temáticas: REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 3 de 8

4 Cibercultura; Comunicação Política; Consumo, Marketing e Marketing Research; Imprensa; Indústrias e Estudos Culturais; Jornalismo; Jornalismo Literário; Lifestyle Media; Multimédia e Internet; Publicidade; Rádio; Relações Públicas e Comunicação; Representações, Públicos e Audiências dos Media; Televisão Trabalho final de Projecto Requisitos formais: A capa deve conter os logótipos do ISCSP e da UTL, bem como referir: o título completo do trabalho; o nome do aluno e do(s) orientador(es); a indicação da unidade curricular a que o trabalho se refere e do ano lectivo em causa; O corpo do trabalho deve ter um máximo de 20 páginas, excluindo capa, índice, bibliografia e eventuais anexos; tipo de letra Arial, tamanho 10, com espaço 1,5 entre linhas; margens superior e inferior de 2,5cm; margem esquerda de 3cm; margem direita de 2cm Artigo/ensaio em Projecto No caso de ser um artigo/ensaio, o trabalho final de Projecto inclui: Apresentação, contextualização e discussão do tema; Operacionalização dos conceitos operativos do trabalho; Apresentação e discussão do estado da arte, ou contextualização teórica; Descrição e justificação das opções metodológicas assumidas; Trabalho adicional, eventualmente já desenvolvido Relatório de estágio em Projecto No caso de ser um relatório de estágio, o trabalho final de Projecto inclui: Apresentação, contextualização e discussão do tema; Apresentação, contextualização e discussão da instituição de acolhimento e da área de actividades; Descrição e discussão do plano de actividades de estágio; Trabalho adicional, eventualmente já desenvolvido. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 4 de 8

5 6.4. Avaliação de Projecto A avaliação final de Projecto é da responsabilidade do orientador O trabalho final de Projecto é entregue ao orientador, em exemplar único, em suporte papel e por correio electrónico, até aos dias estipulados pela Secretaria para, respectivamente, a época normal e a época de recurso Cabe ao orientador deliberar sobre eventuais datas prévias de entrega do documento, para revisão O trabalho final é avaliado numa escala de 1 a 20, de acordo com os princípios gerais da avaliação das disciplinas Caso o aluno não consiga, neste momento da avaliação, nota igual ou superior a 10 valores, deve apresentar-se a exame oral perante um júri presidido pelo Coordenador da Licenciatura (ou por quem o Coordenador designe para o efeito) e de que fará parte o orientador do trabalho Neste caso, o trabalho é entregue até uma semana antes da data de exame, em dois exemplares em papel e por correio electrónico, qualquer que seja a época de exame em causa. Um dos exemplares é entregue ao orientador e o outro ao regente da unidade curricular O aluno pode apresentar-se a melhoria de nota de Projecto, em época de exames anterior ao arranque da unidade curricular Seminário ou Estágio. Para tal, fará as alterações que considere adequadas ao trabalho apresentado (sem intervenção do orientador) e submeterá esse novo trabalho a discussão oral O trabalho final é devolvido ao aluno, corrigido pelo orientador, em suporte papel ou por correio electrónico, até ao início da unidade curricular Seminário ou Estágio. O aluno deverá respeitar as orientações e efectuar as necessárias correcções, reflectidas no trabalho entregue no final da unidade curricular Seminário ou Estágio. Seminário : 7. Unidade curricular Seminário ou Estágio 7.1. Estrutura de Seminário ou Estágio A unidade curricular Seminário ou Estágio tem como objecto o desenvolvimento dos trabalhos planificados e iniciados na unidade curricular Projecto A avaliação final desta unidade curricular incide sobre o trabalho final, que inclui o trabalho desenvolvido em Projecto e em Seminário ou Estágio O aluno pode proceder às alterações que considere adequadas ao trabalho final apresentado em Projecto, desde que com a concordância do orientador, para efeitos da sua inclusão no trabalho de Seminário ou Estágio. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 5 de 8

6 7.2. Programa de Seminário ou Estágio O aluno deve apresentar três relatórios de progresso ao seu orientador, com um intervalo mínimo de um mês entre cada um deles. Os relatórios de progresso são preferencialmente entregues por correio electrónico ao orientador do trabalho Devem ser registadas, no mínimo, três reuniões presenciais entre o aluno e o seu orientador, em data acordada entre ambos e solicitada pelo aluno ao seu orientador por correio electrónico Trabalho final de Seminário ou Estágio Requisitos formais: A capa deve conter os logótipos do ISCSP e da UTL, bem como referir: o título completo do trabalho; o nome do aluno e do(s) orientador(es); a indicação da unidade curricular a que o trabalho se refere e do ano lectivo em causa; O corpo do trabalho deve ter um máximo de 40 páginas, excluindo capa, índice, bibliografia e eventuais anexos; tipo de letra Arial, tamanho 10, com espaço 1,5 entre linhas; margens superior e inferior de 2,5 cm; margem esquerda de 3 cm; margem direita de 2 cm Artigo/ensaio em Seminário ou Estágio No caso de ser um artigo/ensaio, o trabalho final de Seminário ou Estágio inclui: Apresentação, contextualização e discussão do tema; Operacionalização dos conceitos operativos do trabalho; Apresentação e discussão do estado da arte, ou contextualização teórica; Descrição e justificação das opções metodológicas assumidas; Apresentação e discussão dos dados recolhidos e dos resultados do trabalho; Discussão das limitações do trabalho e do seu alcance teórico, teórico-prático e/ou prático; Apresentação e discussão de futuros sentidos de investigação do tema Relatório de estágio em Seminário ou Estágio No caso de ser um relatório de estágio, o trabalho final de Seminário ou Estágio inclui: Apresentação, contextualização e discussão do tema; Apresentação, contextualização e discussão da instituição de acolhimento e da área de actividades; Descrição e discussão do plano de actividades de estágio e da sua execução; Interpretação e análise crítica das actividades desenvolvidas, à luz do enquadramento teórico escolhido; Apresentação e discussão dos dados recolhidos e dos resultados do trabalho; REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 6 de 8

7 Discussão das limitações do trabalho e do seu alcance teórico-prático; Apresentação e discussão de futuros sentidos de investigação e acção do tema Certificado que ateste que o aluno realizou o estágio curricular e que o fez dentro dos requisitos temporais especificados no número anterior. Sem esse certificado, o relatório de estágio não é aceite Carta ou documentos da instituição de acolhimento, relativos à qualidade da sua prestação. Esses testemunhos serão tomados em consideração pelo júri que aprecie o relatório de estágio Avaliação de Seminário ou Estágio O trabalho final de Seminário ou Estágio é entregue em número de três exemplares: dois em formato papel e um em formato.pdf, gravado em CD-R ou CD-RW O trabalho final é entregue até uma semana (cinco dias úteis) antes da data marcada para a sua discussão em exame oral, qualquer que seja a época de exame em causa. Um exemplar em papel é entregue ao orientador; o outro exemplar em papel e o exemplar em formato electrónico são entregues ao regente da unidade curricular Cabe ao orientador deliberar sobre eventuais datas prévias de entrega do documento, para revisão A discussão oral do trabalho de Seminário é realizada de acordo com o previsto nos Estatutos do ISCSP para as provas de avaliação orais O trabalho final é avaliado numa escala de 1 a 20, de acordo com os princípios gerais da avaliação das disciplinas O aluno que opte pela época de avaliação de recurso (Setembro) deve entregar uma versão provisória do trabalho final ao orientador 1, em exemplar único, em suporte papel e por correio electrónico, até ao último dia da época de exames do segundo semestre. A data de entrega da versão final do trabalho deve ser acordada, por correio electrónico, entre o aluno e respectivo orientador A discussão do trabalho final da unidade curricular Seminário ou Estágio não admite a apresentação a melhoria de nota. 1 A versão provisória do trabalho final entregue em Julho deve incluir, pelo menos, os seguintes elementos: Artigo/ensaio: apresentação, contextualização e discussão do tema; operacionalização dos conceitos operativos do trabalho; apresentação e discussão do estado da arte/ contextualização teórica; apresentação das opções metodológicas assumidas e a discussão da sua aplicação prática; Relatório de estágio: apresentação, contextualização e discussão do tema; apresentação, contextualização e discussão da instituição de acolhimento e da área de actividades; apresentação e discussão do plano de actividades de estágio; discussão da execução do plano de actividades de estágio; interpretação e análise crítica das actividades desenvolvidas à luz do enquadramento teórico escolhido. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 7 de 8

8 8. Outros 8.1. A consulta deste documento não dispensa a leitura dos Estatutos do ISCSP, bem como da restante legislação aplicável Desde que se comprove a equiparação em tipo de actividades e número de créditos atribuídos, poderá ser dada equivalência à frequência das cadeiras em causa, a alunos envolvidos em ERASMUS ou outros programas que impliquem a realização de estudos em universidades estrangeiras. Esses casos serão apreciados pelo Coordenador da Licenciatura, após solicitação por escrito, e mediante a apresentação dos documentos que permitam apreciar o pedido de equiparação em causa. REGRAS DE FUNCIONAMENTO DE PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Página 8 de 8

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _ REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Equipa docente: _ Prof. Aux. Raquel Ribeiro Prof. Aux. Paula Cordeiro Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Equipa docente: Coord.: Prof. Cat. João Bettencourt da Câmara Reg:

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _ REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Equipa docente: _ Prof. Aux. Raquel Ribeiro Prof. Aux. Paula Cordeiro Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO. Equipa docente: _ REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJETO E SEMINÁRIO OU ESTÁGIO Equipa docente: _ Prof. Aux. Raquel Ribeiro Regulamento de Avaliação de Conhecimentos e Competências do I Ciclo de Estudos

Leia mais

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CIENTÍFICO Conteúdos e objectivos 1. O estágio da licenciatura em Biologia Marinha funciona como uma disciplina para todos os efeitos académicos

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS PROJECTO DE INVESTIGAÇÃO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Docentes: Prof. Aux. Paula Cordeiro (coord.), Prof. Aux. Raquel

Leia mais

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS SEMINÁRIO INTENSIVO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS.

REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS SEMINÁRIO INTENSIVO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS. REGRAS DE FUNCIONAMENTO E AVALIAÇÃO DAS DISCIPLINAS SEMINÁRIO INTENSIVO E DISSERTAÇÃO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS SOCIAIS E POLÍTICAS Docente: Prof. Aux. Raquel Ribeiro Regras para o Mestrado em Comunicação

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular

Regulamento do Estágio Curricular UNIVERSIDADE LUSÍADA DE VILA NOVA FAMALICÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E DA EMPRESA Licenciatura em Ciências Económicas e Empresariais Regulamento do Estágio Curricular Das unidades curriculares:

Leia mais

REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS

REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS PREÂMBULO A Faculdade de Ciências Humanas tem vindo a apostar, nos anos mais recentes e no quadro dos ciclos de estudo de Bolonha, no incremento

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA

REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DE TRABALHO EXPERIMENTAL EM BIOLOGIA MARINHA DO MESTRADO EM BIOLOGIA MARINHA INTRODUÇÃO A unidade curricular Trabalho Experimental em Biologia Marinha, adiante designada TEBM, é uma unidade

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL Prof. Joaquim Carlos Pinho (Universidade de Aveiro) Prof. Lucia Lima (Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Estágio Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular Estágio (L4325) 5. Área Científica

Leia mais

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Aprova as Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação, em conformidade com a Lei de Estágio - Lei Federal Nº 11.788 de 25 de setembro de

Leia mais

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação, trabalho de projecto ou. estágio de natureza profissional CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA

REGULAMENTO. Unidade curricular Dissertação, trabalho de projecto ou. estágio de natureza profissional CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA REGULAMENTO DA Unidade curricular Dissertação, trabalho de projecto ou estágio de natureza profissional DO CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA MECÂNICA Setembro / 2007 Pág.1/14 REGULAMENTO DA Unidade curricular

Leia mais

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística

Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança. Mestrado em: Animação Artística Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Bragança Mestrado em: Animação Artística Unidade Curricular: Metodologia de Investigação em Artes 2007 / 2008 Carlos Morais Pré - requisitos Antes da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FACULDADE DE FILOSOFIA REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO BACHARELADO EM FILOSOFIA PREÂMBULO Este Regulamento

Leia mais

Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado

Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado Ministério da Educação Universidade Federal de Lavras UFLA Colegiado do Curso de Zootecnia Normas Gerais do Estagio Supervisionado/Projeto Orientado DOS OBJETIVOS Art. 1 o. O Projeto Orientado ou Estágio

Leia mais

Disposições preliminares

Disposições preliminares REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA UNICAMP Disposições preliminares Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é atividade obrigatória do Curso

Leia mais

Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento do Trabalho de Conclusão de Curso do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das disposições iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 9º da

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM MEDICINA Resolução Nº 001/2010 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) do Curso de Graduação

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-DOUTORAMENTO NO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Preâmbulo Tem vindo a aumentar o número de candidatos, especialmente estrangeiros, que pretendem realizar estudos

Leia mais

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO DIRETRIZES PARA ESTRUTURAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO INTRODUÇÃO O curso de Engenharia de Produção da Escola Superior de Tecnologia e Educação de

Leia mais

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação

REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA. Artigo 1.º. Âmbito de Aplicação REGULAMENTO DE FUNCIONAMENTO DOS JÚRIS DOS CONCURSOS DE CONCESSÃO DE APOIO FINANCEIRO PROMOVIDOS PELO ICA Artigo 1.º Âmbito de Aplicação O presente Regulamento estabelece as regras de funcionamento dos

Leia mais

Trabalho de Conclusão do Ensino Médio

Trabalho de Conclusão do Ensino Médio Trabalho de Conclusão do Ensino Médio Funcionamento da Disciplina 1. A Disciplina é Obrigatória. A. Pertence ao Núcleo Básico. 2. Carga Horária de 80 horas (40 + 40 = 2ºano + 3ºano) A. Encontros entre

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL REGULAMENTO DE ESTÁGIOS CURRICULARES CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO E COMUNICAÇÃO SOCIAL Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade de Lisboa Preâmbulo O curso de Licenciatura em Ciências

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

ESTAGIÁRIO 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5

ESTAGIÁRIO 3.1 3.2 3.3 3.4 3.5 III ESTAGIÁRIO 3.1 Formulário de Identificação 3.2 Autorização de uso de imagem organizacional 3.3 Autorização de uso de imagem pessoal 3.4 Requisitos e diretrizes para o relatório e evidências 3.5 Avaliação

Leia mais

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano

MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008 Propinas: 1250 /Ano Nº clausus: 10 Mestrado em Ecologia Aplicada Nº mínimo para funcionamento: 7 no conjunto dos dois cursos (Mestrado e Pós-Graduação) Período de

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1º Âmbito e Definição 1 - A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Zoologia

Programa de Pós-Graduação em Zoologia Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Zoologia Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo), vinculado à Faculdade

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011

RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011 RESOLUÇÃO CADM 05/11, DE 28 DE MARÇO DE 2011 Homologa regulamento para os trabalhos das disciplinas TCC I e TCC II do Curso de Bacharelado em Administração. A PRESIDENTE DO COLEGIADO DO CURSO DE BACHARELADO

Leia mais

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

CAPÍTULO II DOS OBJETIVOS DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Versão final MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA O ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO DOS CURSOS DE LICENCIATURA DA UNOESC CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Art. 1º O Estágio Curricular Supervisionado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

Regulamento Interno Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Artes Visuais - Licenciatura e Bacharelado

Regulamento Interno Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Artes Visuais - Licenciatura e Bacharelado Regulamento Interno Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) Artes Visuais - Licenciatura e Bacharelado atualizado em 03/2013 1. Apresentação Este regulamento normatiza as atividades de elaboração do Trabalho

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO TRABALHO DE GRADUAÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece a normatização das disciplinas de

Leia mais

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP)

REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) REGULAMENTO ESPECIFICO PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Lisboa outubro 2013 REGULAMENTO ESPECIFICO DA PROVA DE APTIDÃO PROFISSIONAL (PAP) Faz parte integrante dos Cursos Profissionais a realização de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS CONTEMPORÂNEOS EM DANÇA 1. PROPOSTA DO CURSO Este curso de Especialização

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Faculdade de Física Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N 020 /01 Aprova a criação do Curso de Especialização em Direito do Consumidor O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo 11, parágrafo

Leia mais

REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES

REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES REGULAMENTO DE MOBILIDADE INTERNACIONAL DE ESTUDANTES (Aprovado em 30 de Janeiro de 2012, pela Direcção da Escola de Lisboa) CAPÍTULO I Disposição geral Artigo 1º (Objecto) O presente Regulamento rege

Leia mais

CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016

CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016 CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016 1.Matrícula e escolha dos professores orientadores Os alunos da 4ª série em 2016 e os que não concluíram o TC em 2015, desde que tenham efetivado a matrícula na

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS

REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS REGULAMENTO DO CONCURSO APOIO A IDOSOS Artigo 1º Objecto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso Apoio a Idosos. Artigo 2º Beneficiários Podem candidatar-se a este concurso instituições

Leia mais

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO II DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O presente instrumento dispõe sobre as normas e procedimentos a serem observados

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO

ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO ORIENTAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO Este documento tem por objetivo orientar a estruturação e formatação do relatório de estágio. O texto está dividido em duas partes: 1) Normas de formatação,

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Reitoria Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 Regulamento n.º 285/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE MONOGRAFIA 2010

REGULAMENTO DO TRABALHO DE MONOGRAFIA 2010 1 REGULAMENTO DO TRABALHO DE MONOGRAFIA 2010 1. O presente Regulamento normatiza as atividades de pesquisa orientada, bem como o Trabalho de Monografia dela resultante, requisito indispensável para a aprovação

Leia mais

Regulamento para. Atribuição de Apoios pela Reitoria da Universidade do Porto

Regulamento para. Atribuição de Apoios pela Reitoria da Universidade do Porto Regulamento para Atribuição de Apoios pela Reitoria da Universidade do Porto Reitoria da Universidade do Porto Setembro de 2006 1. Introdução A U.Porto, através da sua Reitoria, tem um programa para conceder

Leia mais

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO

UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO UNIVERSIDADE DE RIO VERDE-FESURV FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS MANUAL DE ESTÁGIO Os Estágios Curriculares Obrigatórios do Curso de Ciências Biológicas- Licenciatura e Bacharelado, visam à capacitação

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/032/2009. Dispõe sobre o Trabalho de Conclusão de Curso - TCC e dá outras providências O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB),

Leia mais

REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM

REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM 1 REGIMENTO INTERNO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DA PESQUISA DO CNM DISPÕE SOBRE A PROPOSIÇÃO, ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO DAS ATIVIDADES DE PESQUISA NO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 醫療券的式樣 尺寸 210 毫米 74 毫米 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 ANEXO

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 醫療券的式樣 尺寸 210 毫米 74 毫米 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 ANEXO 澳門特別行政區公報 第一組 240 第 19 期 2014 年 5 月 12 日 附件 ANEXO 醫療券的式樣 Modelo do vale de saúde 正面 Frente 背面 Verso 尺寸 210 毫米 74 毫米 Dimensões: 210 mm 74 mm 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 GABINETE DO SECRETÁRIO

Leia mais

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 6º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2016

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 6º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2016 Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 6º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2016 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 O CONGRESSO INTERNACIONAL CBL DO LIVRO DIGITAL CONGRESSO,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA ORGANIZACIONAL Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Recursos Humanos 3. Ciclo de Estudos 1º

Leia mais

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio Anexo 03 Normas para a realização de Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil do Setor de Tecnologia

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIOS 2016 SUMÁRIO

MANUAL DE ESTÁGIOS 2016 SUMÁRIO MANUAL DE ESTÁGIOS 2016 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Professores orientadores de estágio 3. Relatório de estágio 3.1 Apresentação do relatório 4. Roteiro do relatório de estágio 4.1 Estagiário 4.2 Funcionário

Leia mais

Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica. Artigo 1.º (Âmbito objectivo de aplicação)

Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica. Artigo 1.º (Âmbito objectivo de aplicação) Regulamento da Componente de Formação em Contexto de Trabalho dos Cursos de Especialização Tecnológica Artigo 1.º (Âmbito objectivo de aplicação) O presente regulamento estabelece a disciplina jurídica

Leia mais

Regulamento do Prémio Ensaio. da Comissão Nacional de Protecção de Dados 2015. Regulamento

Regulamento do Prémio Ensaio. da Comissão Nacional de Protecção de Dados 2015. Regulamento Regulamento do Prémio Ensaio da Comissão Nacional de Protecção de Dados 2015 O Prémio Ensaio da Comissão Nacional de Protecção de Dados destina-se a galardoar autores de trabalhos académicos ou de outros

Leia mais

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE

REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE REGULAMENTO DE LICENÇA DE DISPENSA DE SERVIÇO DOCENTE (aprovado em reunião de CTC de 2014/10/15) Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto ISCAP/IPP CAPITULO I Disposições gerais Artigo

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL

REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições e princípios

Leia mais

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO

CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO REGIMENTO DA COMISSÃO ELEITORAL, DE ESTATUTO, REGIMENTOS E REGULAMENTOS DA SOBED CAPÍTULO I DA COMISSÃO, FINALIDADES E CONSTITUIÇÃO Art. 1º.- A Comissão Eleitoral, de Estatuto, Regimentos e Regulamentos,

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DOS ALUNOS DO CURSO DE PEDAGOGIA APRESENTAÇÃO Este manual destina-se a todos os alunos do Curso de Pedagogia da Faculdade Tijucussu.

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIA E SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIA E SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular TECNOLOGIA E SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (2º Ciclo) 2. Curso MESTRADO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO 3.

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA O artigo 8º da RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 do CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR institui que o projeto pedagógico

Leia mais

Apresentação da disciplina

Apresentação da disciplina FEUP MIEIG & MIEM Ano letivo 2013/14 Disciplina: Gestão da Qualidade Total Apresentação da disciplina (v1 em 2 de setembro) José A. Faria, jfaria@fe.up.pt Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto,

Leia mais

1MISC1105013 REGULAMENTO

1MISC1105013 REGULAMENTO REGULAMENTO 1MISC1105013 ART.º 1.º Do objectivo Geral dos Prémios Pfizer de Investigação Com o objectivo de contribuir para a dinamização da investigação em Ciências da Saúde em Portugal, a Sociedade das

Leia mais

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014

Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014 Regulamento para a participação de trabalhos científicos e acadêmicos no 5º Congresso Internacional CBL do Livro Digital - 2014 1 DISPOSIÇÕES GERAIS 1.1 O CONGRESSO INTERNACIONAL CBL DO LIVRO DIGITAL CONGRESSO,

Leia mais

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina;

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina; Normas de Funcionamento da Disciplina Actividade Prática de Desenvolvimento Curricular Vertente de Estágio Mestrado Integrado em Engenharia Informática Preâmbulo Este documento destina-se a regulamentar

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DO PAPIC- EINSTEIN Nº 01/2015 A Comissão Científica do

Leia mais

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em. CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Norma para Trabalho de Conclusão de Curso em Engenharia Elétrica Robótica e Automação Industrial CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares Art. 1 Art. 2 A presente norma tem como objetivo regulamentar a

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS

REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR DO MESTRADO INTEGRADO EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS FACULDADE DE FARMÁCIA DA UNIVERSIDADE DE LISBOA O Estágio Curricular do Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas incluído

Leia mais

Título do artigo. Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2

Título do artigo. Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2 Título do artigo Alunos: Nome dos autores (até 3 alunos) 1 Orientador: Roberto Campos Leoni 2 Resumo Este trabalho apresenta os elementos que constituem a estrutura básica de um artigo científico, bem

Leia mais

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2012 /2013. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista

Escola de Música Marista do EML REGULAMENTO 2012 /2013. Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista Capítulo I Funcionamento da Escola de Música Marista 1 A E.M. (Escola de Música) é dirigida por um coordenador, nomeado pela Direção do Externato Marista. É função desse coordenador dirigir a E.M., quer

Leia mais

A Critérios de Qualificação Profissional de Engenheiro Técnico Especialista

A Critérios de Qualificação Profissional de Engenheiro Técnico Especialista ORDEM DOS ENGENHEIROS TÉCNICOS Regulamento nº / Alteração ao Regulamento nº 360/2012 Atribuição do Título de Engenheiro Técnico Especialista O título de Engenheiro Técnico Especialista é atribuído aos

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei nº 64/2006, de 21 de Março, com as alterações produzidas pelo Decreto-Lei nª.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA COLEGIADO DO CURSO DE ENGENHARIA MECATRÔNICA RESOLUÇÃO Nº 02/2013-CMCA Regulamenta a atividade acadêmica específica de Trabalho de Conclusão

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio 2º. Ciclo de Estudos Conducente ao Grau de Mestre em Psicologia Clínica e da Saúde Artigo 1º ÂMBITO DO REGULAMENTO O presente regulamento visa a normalização dos procedimentos referentes à realização dos

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO. Secção I. Disposições Gerais. Artigo 1º

REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO. Secção I. Disposições Gerais. Artigo 1º REGULAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO-CIENTÍFICO Secção I Disposições Gerais Artigo 1º O presente Regulamento pretende completar e objectivar as disposições dos Estatutos da Escola Superior de Enfermagem Dr.

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prática Programa de Residência Profissionalizante Atualização Graduação Sim Não Sim Concluída Carga horária mínima Definida

Leia mais

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina.

Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. Regimento de Atividades Complementares do Bacharelado em Artes Cênicas da Universidade Federal de Santa Catarina. CAPÍTULO I Das Disposições Iniciais Art.1º - Observando o disposto no Artigo 08º da Resolução

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (FZEA/USP) Aprovado na 190ª reunião da C.G de

Leia mais

PORTARIA Nº 06, DE 29 DE AGOSTO DE 2011

PORTARIA Nº 06, DE 29 DE AGOSTO DE 2011 PORTARIA Nº 06, DE 29 DE AGOSTO DE 2011 O COORDENADOR DO CURSO TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS DO CAMPUS CATU, no uso de suas atribuições e conforme referendado em reunião de colegiado

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES

NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES NORMATIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ARTES VISUAIS BACHARELADO HABILITAÇÕES: ARTES PLÁSTICAS/DESIGN GRÁFICO/DESIGN DE INTERIORES CAPÍTULO I O PROJETO Art. 1o- Ao final do curso, o aluno

Leia mais

FPCE FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO

FPCE FACULDADE DE PSICOLOGIA E DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DO PORTO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR DO MESTRADO EM CIÊNCIAS DA EDUCAÇÂO 1 Objectivo O estágio curricular profissionalizante do Mestrado em Ciências da Educação da Faculdade de Psicologia e de Ciências da

Leia mais

TÍTULO III Do trabalho de conclusão de curso CAPÍTULO I. Da conceituação e objetivos

TÍTULO III Do trabalho de conclusão de curso CAPÍTULO I. Da conceituação e objetivos TÍTULO III Do trabalho de conclusão de curso CAPÍTULO I Da conceituação e objetivos Art 12 O Trabalho de Conclusão de Curso é atividade acadêmica curricular obrigatória, podendo versar sobre temas de pesquisa

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia REGULAMENTO D0 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM ENGENHARIA MECÂNICA Artigo 1.º Adequação/ Criação A Universidade da Beira Interior, através do, confere o grau de Doutor em Engenharia

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Fundação Universidade Federal do ABC Pró-Reitoria de Pesquisa Rua Catequese, 242 Bairro Jardim Santo André - SP CEP 09090-400 Fone: (11) 4437.8560 propes@ufabc.edu.br EDITAL Nº 001/2015

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Patrocínio, julho de 2010 SUMÁRIO Título I - Disposições Preliminares... 02 Título II - Da Caracterização... 02 Capítulo I Do Conceito...

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL REGULAMENTO PARA TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Institui as normas para a realização do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e as condições de aproveitamento, para

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016

R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 R E S O L U Ç Ã O Nº 044/2016 Aprova o Regulamento do Trabalho de Conclusão de Curso de Administração da Faculdade de Tecnologia La Salle Estrela. O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CONSEPE), face

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DO DIREITO DA FIB A Diretora da Faculdade de Direito das Faculdades Integradas Brasileiras - FIB, nos termos do artigo 12, inciso XXIII do Regimento Geral

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS MANUAL DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO EM INSTITUIÇÕES

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO CURSO PÓS-GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO CIÊNCIAS BIOFARMACÊUTICAS Acreditado pela A3ES 5 ª Edição 2014/2016 Colaboração Research Institute for Medicines

Leia mais

A Licenciatura em Engenharia Informática da Nova

A Licenciatura em Engenharia Informática da Nova A Licenciatura em Engenharia Informática da Nova Reunião com Empregadores (ano lectivo 2007 / 2008) Luis Caires Coordenador do Curso Quem somos nós? O Departamento de Informática da FCT / UNL Fundado em

Leia mais