MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008. Propinas: 1250 /Ano"

Transcrição

1 MESTRADO EM ECOLOGIA APLICADA 2006/2008 Propinas: 1250 /Ano Nº clausus: 10 Mestrado em Ecologia Aplicada Nº mínimo para funcionamento: 7 no conjunto dos dois cursos (Mestrado e Pós-Graduação) Período de exames: A defenir. CANDIDATURAS: 1ª fase: 20/06/06 a 19/07/06 Seriação 26/07/06 Matrícula 31/07/06 a 4/08/06 2ª fase: 04/09/06 a 15/09/06 Seriação 22/09/06 Matrícula 25/09/05 a 2/10/06 Início das aulas: 9 de Outubro de 2006 LEGISLAÇÃO RELEVANTE: Dec. Lei nº 236/92, de 13 de Outubro DR II Série, nº163, de 17 de Julho de 2000 DR II Série, nº38, de 14 de Fevereiro de 2001 DR II Série, nº71, de 12 de Abril de 2005, Aviso nº 3890/2005 (2ª série) plano de estudos Nota: O curso de mestrado em Ecologia Aplicada encontrava-se em processo de pedido de registo de alteração, tendo sido aprovada, em reunião de da Secção Permanente do Senado da Universidade do Porto, a reestruturação do curso, passando a designar-se por curso de mestrado em Ecologia, Ambiente e Território. Aguarda homologação ministrial.

2 1. OBJECTIVOS Este curso aborda as temáticas da ecologia e biodiversidade, direito e economia do ambiente, património animal e vegetal da Península Ibérica e sua distribuição geográfica e métodos estatísticos. Está organizado em 4 disciplinas (Ecologia Aplicada, Aquisição e análise de dados em ecologia, Complementos de Ecologia e Projecto). O 2º ano destina-se à elaboração da dissertação de mestrado. Além de iniciação à investigação, procura-se igualmente proporcionar aos docentes dos vários graus de ensino (Básico, Secundário e Superior) uma mais adequada preparação científica para o desempenho da sua actividade. Quem possuir aproveitamento na parte escolar, poderá, desde logo, ser um bom consultor de desenvolvimento regional, nomeadamente no que respeita à conservação e valorização dos sistemas ecológicos e à sua integração num verdadeiro desenvolvimento sustentado. 2. PLANO DE ESTUDOS 1º Ano A parte curricular do mestrado compreende as seguintes unidades curriculares, e tem módulos comuns ao curso de pós-graduação em Ecologia, Ambiente e Território: Ecologia Aplicada biodiversidade e biogeografia (níveis de organização da biodiversidade; variação espacial e temporal das biodiversidade; conservação da biodiversidade; ecologia da paisagem) parasitologia; ecofisiologia introdução à gestão ambiental introdução ao direito do ambiente e do ordenamento do território introdução à economia do ambiente opção

3 Complementos de Ecologia o património animal e vegetal da Península Ibérica e da Europa nos principais grupos taxonómicos a distribuição geográfica do património biológico na Península Ibérica e na Europa Aquisição e processamento de dados em Ecologia técnicas de amostragem mais utilizadas em ecologia, ambiente e ordenamento do território métodos estatísticos mais comuns no tratamento da informação obtida (probabilísticos, paramétricos, não paramétricos, multivariados) introdução à modelação e simulação de sistemas ecológicos e ambientais a utilização de sistemas de informação geográfica (SIG) em ecologia, ambiente e ordenamento do território obtenção, organização e apresentação de informação; projectos FCT Projecto No âmbito desta disciplina, os alunos deverão organizar e apresentar um projecto sobre um tema seleccionado de uma lista de temas a aprovar anualmente pela Comissão de Coordenação do Mestrado, e elaborado de acordo com as normas da FCT. 2º Ano Durante este ano os alunos procederão à realização de todo o trabalho relativo à preparação da sua dissertação de mestrado, incluindo a respectiva planificação, execução das componentes de campo e/ou laboratorial, tratamento da informação obtida e redacção da dissertação. Todo o trabalho referido no parágrafo anterior decorrerá sob a supervisão e responsabilidade de respectivo orientador científico.

4 Corpo Docente Docentes da Faculdade de Ciências do Porto Docentes de outras escolas da Universidade do Porto Docentes de outras Universidades Portuguesas e Estrangeiras Especialistas convidados. 3. CONDIÇÕES DE ADMISSÃO Mestrado em Ecologia Aplicada Serão admitidos os titulares de uma licenciatura e/ou curriculum em área científica considerada adequada pela Comissão de Coordenação do Curso, e que cumpram os requisitos previstos na legislação aplicável, nomeadamente, classificação mínima de 14 valores. De acordo com a mesma legislação, e a título excepcional, podem ser admitidos candidatos com classificação inferior a 14 valores, desde que, curricularmente, demonstrem possuir uma adequada preparação científica. As aulas funcionarão nas instalações da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto. As aulas funcionarão, maioritariamente, às sextas-feiras à tarde (14.30h às 19.00h) e aos sábados de manhã (09.00h às 13.30h). As avaliações terão lugar, preferencialmente, às sextas-feiras de manhã (10.30h às 12.30h) ou aos sábados à tarde (a partir das 15.00h). Os seminários terão lugar ao Sábado à tarde. Poderão, eventualmente, ter lugar aulas, avaliações, visitas de estudo, conferências ou seminários, noutros locais e noutro horário. Todas as actividades realizadas no âmbito do Mestrado estão sujeitas a regime de faltas: a não comparência a mais de um terço das horas previstas para cada actividade implica a não obtenção de frequência à mesma.

5 4. INFORMAÇÕES Poderão ser obtidos esclarecimentos adicionais junto da Comissão de Coordenação do Curso de Mestrado em Ecologia Aplicada: Prof. Doutora Maria João Santos (Coordenadora) Prof. Doutor Nuno Formigo Professor Doutor Barreto Caldas / Prof. Doutor João Honrado /

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Câmpus Medianeira Diretoria de Pesquisa e Pós-Graduação EDITAL Nº 01/2016 I CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM GARANTIA DA QUALIDADE E SEGURANÇA

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 154 10 de Agosto de 2010 42925

Diário da República, 2.ª série N.º 154 10 de Agosto de 2010 42925 Diário da República, 2.ª série N.º 154 10 de Agosto de 2010 42925 CV: classificação curricular (currículo académico, científico, técnico C: classificação final. Haverá lugar a entrevista quando forem necessários

Leia mais

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA

FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE FARMÁCIA UNIVERSIDADE DE LISBOA MESTRADO CURSO PÓS-GRADUADO DE ESPECIALIZAÇÃO CIÊNCIAS BIOFARMACÊUTICAS Acreditado pela A3ES 5 ª Edição 2014/2016 Colaboração Research Institute for Medicines

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 Programa da Unidade Curricular COMPLEMENTOS DE PROJECTO APLICADO Ano Lectivo 2013/2014 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Contabilidade 3. Ciclo de Estudos 1º 4.

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL

INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA EDITAL (EDIÇÃO 2016-2018) Nos termos do Decreto-Lei nº42/2005, de 22 de fevereiro e do Decreto-Lei nº74/2006, de 24 de março, com as alterações que lhes foram introduzidas

Leia mais

REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS

REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS REGULAMENTO DE PÓS-DOUTORAMENTOS DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS PREÂMBULO A Faculdade de Ciências Humanas tem vindo a apostar, nos anos mais recentes e no quadro dos ciclos de estudo de Bolonha, no incremento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1. IDENTIFICAÇÃO DO DOCENTE DOCENTE: NICOLLE MARRA IVANOSKI SIAPE: 2213521 REGIME DE TRABALHO: ( X ) Dedicação Exclusiva ( X ) 40 h ( ) 20 h CONTRATO: ( X ) EFETIVO ( ) TEMPORÁRIO

Leia mais

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS

REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS REGULAMENTO DAS PROVAS DE AVALIAÇÃO DE CAPACIDADE PARA A FREQUÊNCIA DO ENSINO SUPERIOR DOS MAIORES DE 23 ANOS (Decreto-Lei nº 64/2006, de 21 de Março, com as alterações produzidas pelo Decreto-Lei nª.

Leia mais

Coordenação Prof. Cat. Doutor António de Sousa Lara. Objetivos

Coordenação Prof. Cat. Doutor António de Sousa Lara. Objetivos Coordenação Prof. Cat. Doutor António de Sousa Lara Objetivos Aposta no desenvolvimento de competências Este objectivo corresponde à configuração nuclear do Processo de Bolonha, quando elege a passagem

Leia mais

Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro

Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro Modelo do Relatório Final de Apreciação do Programa de Bolsa a elaborar pelo Bolseiro Ex.mo Senhor Vice-Reitor Reitoria da Universidade de Aveiro Campus Universitário de Santiago 3810-193 Aveiro.. (nome

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI

ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE PAULA FRASSINETTI NORMAS REGULAMENTARES DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE LICENCIADO EM EDUCAÇÃO BÁSICA Artº1 Dos objectivos e âmbito das presentes normas regulamentares

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO ISEC Artigo 1.º Âmbito O presente Regulamento estabelece o regime de funcionamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTeSP) ministrados

Leia mais

EDITAL Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Mestrado em Radiações Aplicadas às Tecnologias da Saúde

EDITAL Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Mestrado em Radiações Aplicadas às Tecnologias da Saúde EDITAL Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Lisboa do Instituto Politécnico de Lisboa Mestrado em Radiações Aplicadas às Tecnologias da Saúde 5.ª Edição - Biénio 2013/2015 A Escola Superior de Tecnologia

Leia mais

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco

1 O Seminário do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Civil da UTFPR, Campus Pato Branco 15 e 16 de setembro de 2016 1. Introdução O programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil realizará entre 15 e 16 de setembro de 2016 o 1 o Seminário do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil da.

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR

CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 CONCURSO PARA INGRESSO DE MONITOR 1 CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO EDITAL DE CONCURSO PARA PROGRAMA DE MONITORIA N O 01/2016 A Coordenação do Curso de Engenharia de Produção da Unidade de Ensino Superior Dom Bosco, no uso de suas atribuições

Leia mais

Instituto de Educação

Instituto de Educação Instituto de Educação Universidade de Lisboa Oferta Formativa Pós-Graduada Doutoramento em Educação Especialização: Administração e Política Educacional (Regime Intensivo) 16 17 Edição Instituto de Educação

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática

Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Faculdade de Física Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemática Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS Art. 1º. O Programa de Iniciação Científica tem como princípios: a) possibilitar os contatos iniciais

Leia mais

EDITAL. 11. No caso de algum candidato admitido desistir expressamente da matrícula e inscrição ou

EDITAL. 11. No caso de algum candidato admitido desistir expressamente da matrícula e inscrição ou EDITAL 1. Faz-se público que está aberto concurso para admissão ao Curso de Mestrado em Supervisão Pedagógica, a iniciar no 1º semestre do ano letivo de 2016/2017 na Escola Superior de Educação do Instituto

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ. Edital 08/2016

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ. Edital 08/2016 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL UFRGS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA-PROPESQ Edital 08/2016 1. Sobre o Programa A Pró-Reitoria de Pesquisa (PROPESQ) lança a 8ª edição do Programa Ciência na Sociedade

Leia mais

Perfis e competências profissionais

Perfis e competências profissionais Perfis e competências profissionais Roberto Henriques NOVA IMS Apresentação Institucional NOVA IMS INTRODUÇÃO A NOVA Information Management School (NOVA IMS) é a Escola de Gestão de Informação da. Este

Leia mais

FF, Faculdade de Farmácia

FF, Faculdade de Farmácia NORMAS PARA CREDITAÇÃO DE MESTRES EM CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS a partir do grau de Licenciado em Ciências Farmacêuticas no âmbito do Plano de Estudos publicado na Portaria n.º 529/88, de 8 de Agosto, D.R.

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico.

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA. 2014Jul29. Documento. Data. Conselho Pedagógico. Científico. Documento Data Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do IPA 2014Jul29 Conselho Pedagógico Conselho Científico Conselho Direção Técnico- de REVISÃO DO DOCUMENTO Versão Alteração Por Data

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMPUTAÇÃO APLICADA TÍTULO I - DOS OBJETIVOS E FINALIDADES Art 1º - O Curso de pós-graduação em Computação Aplicada, doravante referido como Curso, mantém programas

Leia mais

Disposições preliminares

Disposições preliminares REGIMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DA FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS DA UNICAMP Disposições preliminares Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é atividade obrigatória do Curso

Leia mais

Adaptação dos Cursos de Engenharia Civil e de Engenharia do Território do IST à Declaração de Bolonha

Adaptação dos Cursos de Engenharia Civil e de Engenharia do Território do IST à Declaração de Bolonha Instituto Superior Técnico Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura Adaptação dos Cursos de Engenharia Civil e de Engenharia do Território do IST à Declaração de Bolonha Proposta de Opções Estruturais

Leia mais

! "# $ % & ' ( #" # )*+" +,,-. / $ $ 0 $ $

! # $ % & ' ( # # )*+ +,,-. / $ $ 0 $ $ "# $ %& ' (#")*+",,-./$$ 0$ $ $ 1 & 2 %&3 %& ' $ ($./4 5 $ & ",,6+",,7 2 %&3 $8' 5 9 &(94 & ",,:+",,- & 4 %;< ;= ?@5A 8 B$' AC", A" 8 B$'$ A:, AC %%&'$$A % 8 % ;035 % $ $ / %;< ;= @5A 54 'D 544 % 54 E&

Leia mais

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA

LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA LICENCIATURA EM BIOLOGIA MARINHA REGULAMENTO DO ESTÁGIO CIENTÍFICO Conteúdos e objectivos 1. O estágio da licenciatura em Biologia Marinha funciona como uma disciplina para todos os efeitos académicos

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DO SISTEMA TERRESTRE TÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Art. 1 - O Curso de Doutorado em Ciência do Sistema Terrestre do INPE tem como objetivo a formação de recursos

Leia mais

Curriculum vitae. Área Funcional. Educação Ambiental. Gestão Ambiental. Formação. Eng.º Marco Ferraz

Curriculum vitae. Área Funcional. Educação Ambiental. Gestão Ambiental. Formação. Eng.º Marco Ferraz Área Funcional Educação Ambiental Gestão Ambiental Formação Curriculum vitae Eng.º Marco Ferraz Nome Correio electrónico Marco Alexandre dos Santos Ferraz Morada Praça Artur Santos Silva nº88, 5ºD, 4200-534

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Zoologia

Programa de Pós-Graduação em Zoologia Faculdade de Biociências Programa de Pós-Graduação em Zoologia Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1º - O Programa de Pós-Graduação em Zoologia (PPGZoo), vinculado à Faculdade

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia REGULAMENTO D0 3º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE DOUTOR EM ENGENHARIA MECÂNICA Artigo 1.º Adequação/ Criação A Universidade da Beira Interior, através do, confere o grau de Doutor em Engenharia

Leia mais

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua

Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua Conselho Científico-Pedagógico da Formação Contínua REGULAMENTO DE ACREDITAÇÃO DE FORMADORES/AS Projecto Preâmbulo Considerando que o Regime Jurídico de Formação Contínua de Professores/as (RJFCP), aprovado

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO

REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO REGULAMENTO DOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DO INSTITUTO SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS E DO TURISMO O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei 43/2014,

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE)

PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) Núcleo de Apoio à Prática Profissional das Licenciaturas CURSOS DE LICENCIATURAS PLANO DE ATIVIDADES DE ESTÁGIO (PAE) ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO Atualizado em 17 jun 2016 5º. PERÍODO 4º. PERÍODO

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Ciências Biológicas EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Ciências Biológicas EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES Curso de Ciências Biológicas EDITAL DE SELEÇÃO O(a) coordenador(a) do curso de Ciências Biológicas, Prof(a). Junia de Sousa Franco, nos termos das regras fixadas pela Pró-Reitoria

Leia mais

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS

REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS REGULAMENTO DO CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTE AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO E NEGÓCIOS Artigo 1.º (Enquadramento jurídico) 1. O presente Regulamento visa desenvolver e complementar o regime jurídico instituído

Leia mais

REGULAMENTO DO MESTRADO EM MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO ECONÓMICA PELA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Artigo 1.º Criação

REGULAMENTO DO MESTRADO EM MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO ECONÓMICA PELA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO. Artigo 1.º Criação REGULAMENTO DO MESTRADO EM MODELAÇÃO E SIMULAÇÃO ECONÓMICA PELA FACULDADE DE ECONOMIA DA UNIVERSIDADE DO PORTO Artigo 1.º Criação A Universidade do Porto, através da Faculdade de Economia, confere o grau

Leia mais

Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História

Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História Regimento do Grupo de Recrutamento 400 - História CAPÍTULO I - COMPETÊNCIAS DO GRUPO DE RECRUTAMENTO Art 1º 1. GRUPOS DE RECRUTAMENTO 1.1 Os docentes organizam-se em conselhos de Grupos de Recrutamento

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE RESOLUÇÃO N o XX/0xx-CONSUP Natal (RN), xx de xx de 0xx. Aprova as Normas relativas à carga horária docente

Leia mais

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE MG N O 01/2015

EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE MG N O 01/2015 Universidade Federal de Juiz de Fora Instituto de Ciências Exatas Departamento de Física Programa de Pós-Graduação em Ensino de Física Polo 24- UFJF/IF Sudeste MG EDITAL COMPLEMENTAR MNPEF-UFJF/IF SUDESTE

Leia mais

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA

RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA RELATÓRIO DE CONCRETIZAÇÃO DO PROCESSO DE BOLONHA ANO LECTIVO 2009/2010 DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, GESTÃO E ENGENHARIA INDUSTRIAL Prof. Joaquim Carlos Pinho (Universidade de Aveiro) Prof. Lucia Lima (Universidade

Leia mais

Lei de Bases do Sistema Educativo. Alteração Lei nº 113 /V/99

Lei de Bases do Sistema Educativo. Alteração Lei nº 113 /V/99 Lei de Bases do Sistema Educativo Alteração Lei nº 113 /V/99 Lei nº 113 /V/99 de 18 de Outubro Por mandato do Povo, a Assembleia Nacional decreta nos termos da alínea d) do nº 2 do artigo 187º da Constituição,

Leia mais

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010

Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 UNIVERSIDADE DA MADEIRA Reitoria Diário da República, 2.ª série N.º 57 23 de Março de 2010 Regulamento n.º 285/2010 Regulamento das provas especialmente adequadas destinadas a avaliar a capacidade para

Leia mais

Assunto: Solicitação de alteração da Organização Didática do Câmpus Charqueadas

Assunto: Solicitação de alteração da Organização Didática do Câmpus Charqueadas Charqueadas, 10 de janeiro de 2014. Chefe de Departamento de Ensino, Pesquisa e Extensão Pró-reitor de Ensino Assunto: Solicitação de alteração da Organização Didática do Câmpus Charqueadas Prezado senhor,

Leia mais

DESPACHO IPP/PR-48/2006

DESPACHO IPP/PR-48/2006 DESPACHO IPP/PR-48/2006 HOMOLOGAÇÃO DO REGULAMENTO DO CENTRO DE INVESTIGAÇÃO UNIDADE DE APOIO À ESCOLA INCLUSIVA Considerando que: 1- A aprovação pelo Conselho Geral, na sua reunião de 08.03.2006 da criação

Leia mais

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013

COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 COORDENAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO PORTARIA NORMATIVA Nº 03, 19 DE JULHO DE 2013 Institui as normas e as atividades aprovadas para o aproveitamento de carga horária para compor Atividades Complementares

Leia mais

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009

DSATAR. Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional. Norma orientadora nº06/2009 DSATAR Divisão de Formação e Associativismo Formação Profissional Norma orientadora nº06/2009 Assunto: Reconhecimento de formadores para apoio às sessões de formação prática do Curso de Operador de Máquinas

Leia mais

Regulamento do Estágio Curricular

Regulamento do Estágio Curricular UNIVERSIDADE LUSÍADA DE VILA NOVA FAMALICÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS DA ECONOMIA E DA EMPRESA Licenciatura em Ciências Económicas e Empresariais Regulamento do Estágio Curricular Das unidades curriculares:

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO

REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO REGULAMENTO QUE DISPÕE SOBRE AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA/CAMPUS APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO

Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO Curso de Especialização em GESTÃO E PROJETOS EM TURISMO ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração. Turismo. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Projetos em Turismo. OBJETIVO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. EDITAL 05/2016 Propit/Unifesspa

UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA. EDITAL 05/2016 Propit/Unifesspa UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL E SUDESTE DO PARÁ PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA EDITAL 05/2016 Propit/Unifesspa PROGRAMA INSTITUCIONAL DE APOIO À PRODUÇÃO ACADÊMICA Piapa A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 001 - CPG, DE 17 DE MAIO DE 2013.

RESOLUÇÃO Nº. 001 - CPG, DE 17 DE MAIO DE 2013. RESOLUÇÃO Nº. 001 - CPG, DE 17 DE MAIO DE 2013. Estabelece critérios para o credenciamento, descredenciamento, recredenciamento, enquadramento e habilitação de docentes, bem como a coorientação no âmbito

Leia mais

Estado de Alagoas Universidade Estadual de Alagoas- UNEAL Pró-Reitoria de Graduação- PROGRAD

Estado de Alagoas Universidade Estadual de Alagoas- UNEAL Pró-Reitoria de Graduação- PROGRAD Estado de Alagoas Universidade Estadual de Alagoas- UNEAL Pró-Reitoria de Graduação- PROGRAD EDITAL INTERNO N.º 15/2014 PIBID/PROGRAD PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA A Pró-Reitoria de Graduação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIBLIOTECONOMIA E COMUNICAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO 01/2016 O Conselho do Programa de Pós-Graduação em Comunicação

Leia mais

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO

CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO CURSOS PROFISSIONAIS REGULAMENTO DA FORMAÇÃO EM CONTEXTO DE TRABALHO Artigo 1º Âmbito e Definição 1 - A FCT é um conjunto de atividades profissionais desenvolvidas sob coordenação e acompanhamento da escola,

Leia mais

REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL

REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL CURSOS LIVRES ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES REGULAMENTO DA UNIDADE CURRICULAR DE DESENVOLVIMENTO PESSOAL Secção I Disposições e princípios

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO

SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES. Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO SELEÇÃO INTERNA DE PROFESSORES Curso de Marketing EDITAL DE SELEÇÃO O coordenador do curso de Marketing, Prof. Cláudio José Faleiros, nos termos das regras fixadas pela Pró-Reitoria de Graduação do Uni-BH,

Leia mais

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso

1. Ingresso na Carreira Docente 1.1. Prova de Ingresso PROPOSTAS DO M.E. O Ministério da Educação (ME) tem vindo, no âmbito do processo negocial que se iniciou em Março, a apresentar um conjunto de propostas às organizações sindicais representativas dos docentes.

Leia mais

EDITAL. Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos

EDITAL. Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos EDITAL Concurso de Acesso e Ingresso no mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos A Universidade dos Açores faz saber que está aberto concurso de acesso ao mestrado em Vulcanologia e Riscos Geológicos,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 193/2009/CONEPE

RESOLUÇÃO Nº 193/2009/CONEPE SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO, DA PESQUISA E DA EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 193/2009/CONEPE Aprova as Normas de Atividades Complementares para

Leia mais

EDITAL. Quadro I Relação dos Cursos, Turnos e Vagas. Total de vagas anuais. Nº de alunos por turma. noite 130 65 65 65. manhã 130 65 65 65

EDITAL. Quadro I Relação dos Cursos, Turnos e Vagas. Total de vagas anuais. Nº de alunos por turma. noite 130 65 65 65. manhã 130 65 65 65 EDITAL A Universidade FUMEC faz saber aos interessados, por meio do presente Edital, as normas de realização do Processo Seletivo 2013, com duas entradas, para preenchimento das vagas de seus cursos Superiores

Leia mais

EDITAL N.º 06/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA INGRESSO NO CURSO DE EXTENSÃO DE INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO

EDITAL N.º 06/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA INGRESSO NO CURSO DE EXTENSÃO DE INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ - IFCE CAMPUS BOA VIAGEM EDITAL N.º 06/2016 PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA INGRESSO NO CURSO DE EXTENSÃO DE INTRODUÇÃO

Leia mais

CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016

CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016 CRONOGRAMA DE TRABALHO DE CURSO DE 2016 1.Matrícula e escolha dos professores orientadores Os alunos da 4ª série em 2016 e os que não concluíram o TC em 2015, desde que tenham efetivado a matrícula na

Leia mais

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina;

o Aluno : qualquer aluno do 3 o ano do MIEI que se encontre nas condições expressas neste documento para inscrição na disciplina; Normas de Funcionamento da Disciplina Actividade Prática de Desenvolvimento Curricular Vertente de Estágio Mestrado Integrado em Engenharia Informática Preâmbulo Este documento destina-se a regulamentar

Leia mais

Assunto: Consulta prévia para Organização de Seminários Aluguer de Salas e Equipamentos; Produção Gráfica de Convite e Mailing.

Assunto: Consulta prévia para Organização de Seminários Aluguer de Salas e Equipamentos; Produção Gráfica de Convite e Mailing. Associação Portuguesa de Comerciantes de Materiais de Construção Porto, 13 de março de 2014 Assunto: Consulta prévia para Organização de Seminários Aluguer de Salas e Equipamentos; Produção Gráfica de

Leia mais

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP)

PROGRAMA DO CURSO. - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning. (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) PROGRAMA DO CURSO - Formação Pedagógica Inicial De Formadores B-learning (Curso homologado pelo IEFP / Acesso ao CCP) Em parceria com: Índice 1. Destinatários Pág. 3 2. Objectivo Geral Pág. 3 3. Objectivo

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO 2013/2014 MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO 2013/2014 MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO EDITAL DE SELEÇÃO 2013/2014 MESTRADO PROFISSIONAL EM ADMINISTRAÇÃO O Reitor do Centro Universitário UNA, Professor Átila Simões, no uso de suas atribuições faz publicar as normas reguladoras do processo

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA

ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE FARMÁCIA O artigo 8º da RESOLUÇÃO CNE/CES 2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2002 do CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR institui que o projeto pedagógico

Leia mais

A bolsa terá a duração 12 meses, em regime de exclusividade, com possibilidade de prorrogação, com início previsto para o dia 1 de Março de 2011.

A bolsa terá a duração 12 meses, em regime de exclusividade, com possibilidade de prorrogação, com início previsto para o dia 1 de Março de 2011. 1. Descrição do cargo/posição/bolsa 1. Job description Cargo/posição/bolsa: Bolsa de Investigação (BI) para Licenciado no âmbito do projecto PTDC/CTE- GIX/104035/2008 Environmental changes: Fluvio-marine

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE DANÇA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DANÇA EDITAL 2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ESTUDOS CONTEMPORÂNEOS EM DANÇA 1. PROPOSTA DO CURSO Este curso de Especialização

Leia mais

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação

Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação Anexo 2 Normas de Estágio Curricular do Aprova as Normas de Estágio Curricular do Bacharelado em Sistemas de Informação, em conformidade com a Lei de Estágio - Lei Federal Nº 11.788 de 25 de setembro de

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA Departamento de Engenharia de Mecânica Regime de creditação de competências dos alunos do 2.º ciclo do curso bietápico de Licenciatura em Engenharia Mecânica

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM ESTATÍSTICA VOLTADA PARA EDUCAÇÃO

EDITAL DE SELEÇÃO PARA O CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSU EM ESTATÍSTICA VOLTADA PARA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO AO ENSINO, À PESQUISA E À EXTENSÃO À SAÚDE DE ALAGOAS - FEPESA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE ALAGOAS UNEAL PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROPEP NUCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 1ºCICLO INTRODUÇÃO A avaliação constitui um processo regulador das aprendizagens, orientador do percurso escolar e certificador das diversas aquisições realizadas pelo aluno ao longo

Leia mais

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 醫療券的式樣 尺寸 210 毫米 74 毫米 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 ANEXO

GABINETE DO SECRETÁRIO PARA OS ASSUNTOS SOCIAIS E CULTURA 醫療券的式樣 尺寸 210 毫米 74 毫米 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 ANEXO 澳門特別行政區公報 第一組 240 第 19 期 2014 年 5 月 12 日 附件 ANEXO 醫療券的式樣 Modelo do vale de saúde 正面 Frente 背面 Verso 尺寸 210 毫米 74 毫米 Dimensões: 210 mm 74 mm 社 會 文 化 司 司 長 辦 公 室 第 67/2014 號社會文化司司長批示 GABINETE DO SECRETÁRIO

Leia mais

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES FACULDADE MARECHAL RONDON REGIMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES ENFERMAGEM São Manuel 2016 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM DA FMR As Atividades Complementares, conforme

Leia mais

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS

MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS MESTRADO EM MÉTODOS QUANTITATIVOS EM FINANÇAS Faculdade de Economia / Departamento de Matemática da Faculdade de Ciências e Tecnologia UNIVERSIDADE DE COIMBRA Estrutura curricular e plano de estudos ESTRUTURA

Leia mais

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de:

Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Edital Nº04/2008 Seleção de Tutores a Distância para os cursos de: Gestão do Meio Ambiente: Educação, Direito e Análise Ambiental; Gestão Pública Municipal Integrada; Tecnologia de Informação e Comunicação

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DELIBERAÇÃO N 020 /01 Aprova a criação do Curso de Especialização em Direito do Consumidor O CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO, no uso da competência que lhe atribui o artigo 11, parágrafo

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO

REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO REGULAMENTO DOS REGIMES DE MUDANÇA DE CURSO, TRANSFERÊNCIA E REINGRESSO Ao abrigo do disposto no artigo 10.º da Portaria nº 401/2007 de 5 de Abril, o Conselho Científico do Instituto Superior Politécnico

Leia mais

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO REGULAMENTO DOS ESTÁGIOS CURRICULARES OBRIGATÓRIOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACULDADE DE ZOOTECNIA E ENGENHARIA DE ALIMENTOS DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (FZEA/USP) Aprovado na 190ª reunião da C.G de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. ANEXO À PORTARIA n 01/2016 - FEG-DTA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA. ANEXO À PORTARIA n 01/2016 - FEG-DTA 2 JANEIRO ANEXO À PORTARIA n 01/2016 - FEG-DTA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 1 Feriado - Confraternização Universal 5 Prazo final para entrega de documentos

Leia mais

SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO

SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO SERVIÇOS ACADÉMICOS DA UNIVERSIDADE DO MINHO Os Serviços Académicos são uma unidade de serviços da Universidade do Minho cujo principal objetivo é a gestão administrativa dos processos escolares dos estudantes,

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 Programa da Unidade Curricular SELECÇÃO E ORIENTAÇÃO VOCACIONAL Ano Lectivo 2011/2012 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT

Pós-graduação Lean Operations Management. Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT Pós-Graduação LEAN OPERATIONS MANAGEMENT A Learning Factory tem actualmente como parceiros: 1. Plano curricular (módulos e carga horária) Formação Inicial (4 módulos) Learning Factory Workshop Estágio

Leia mais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento das Condições de Ingresso dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Artigo 1.º Objeto e âmbito de aplicação O presente Regulamento, nos termos dos artigos 11º, Condições de Ingresso, e 24º,

Leia mais

Resolução N 0 02/2011 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2012

Resolução N 0 02/2011 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Resolução N 0 02/2011 Edital de Ingresso 1º Semestre de 2012 O Colegiado

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA TRIBUTÁRIA - ATR

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA TRIBUTÁRIA - ATR CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM AUDITORIA TRIBUTÁRIA - ATR UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO - UFRJ FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS CONTÁBEIS-FACC CURSO DE

Leia mais

II - Regulamentos e Normas afetos a este Edital de Seleção

II - Regulamentos e Normas afetos a este Edital de Seleção Edital de seleção Mestrado e Doutorado - 2016 O Professor Doutor Celso Vataru Nakamura, Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Ciências Biológicas, área de concentração Biologia Celular e Molecular,

Leia mais

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica

Eixo VI _ Assistência Técnica. VI.1. Gestão Operacional e Monitorização Estratégica _ Assistência Técnica CONTROLO DO DOCUMENTO Versão Data Descrição N. de Página 1ª 2008.05.15 5 Pág. 1 de 5 Objectivo Assegurar as condições adequadas para a gestão, acompanhamento, avaliação, monitorização

Leia mais

EDITAL. Quadro I Cursos, turnos e vagas oferecidos. Total de vagas anuais. Manhã 120 60 60. Tarde 120 60 60. Manhã 130 65 65.

EDITAL. Quadro I Cursos, turnos e vagas oferecidos. Total de vagas anuais. Manhã 120 60 60. Tarde 120 60 60. Manhã 130 65 65. EDITAL A Universidade FUMEC faz saber aos interessados, por meio do presente Edital, as normas de realização do Processo Seletivo 2013, segundo semestre, para preenchimento das vagas de seus cursos Superiores

Leia mais

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso

1.º Objectivo. 2.º Pré-requisitos de acesso DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E ESTUDOS HUMANÍSTICOS Licenciatura em Psicologia Ramo Clínica/Plano pré-bolonha REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR EM PSICOLOGIA CLÍNICA (Documento aprovado em reunião do dia

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENGENHARIA ELÉTRICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DA FEI TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS DO PROGRAMA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - Este Regulamento complementa

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE MEDIAÇÃO FAMILIAR

INSTITUTO PORTUGUÊS DE MEDIAÇÃO FAMILIAR EDITAL CURSO MEDIAÇÃO FAMILIAR 2016 A prática de Mediação Familiar tem assumido uma crescente importância na resolução de conflitos familiares em geral e especificamente na fase de separação/divórcio.

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES APRESENTAÇÃO As atividades complementares têm por objetivo enriquecer o processo de ensino-aprendizagem, privilegiando a complementação da formação social e profissional.

Leia mais

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996

Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Lei n.º 9.394 de 20 de dezembro de 1996 Tramitação 1988 Promulgação da Constituição Federal 1988 a 1991 Início de discussão do projeto Jorge Hage na Câmara

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular GESTÃO FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular GESTÃO FINANCEIRA Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Ciências da Economia e da Empresa (1º Ciclo) 2. Curso Gestão de Empresa 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO

REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO REGULAMENTO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO E INGRESSO NOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS DA UNIVERSIDADE DE AVEIRO O Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março, procedeu à criação de um tipo de formação

Leia mais

UFV Catálogo de Graduação 2013 175. MATEMÁTICA Bacharelado. COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana rsmviana@ufv.br

UFV Catálogo de Graduação 2013 175. MATEMÁTICA Bacharelado. COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana rsmviana@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2013 175 MATEMÁTICA Bacharelado COORDENADORA Rosane Soares Moreira Viana rsmviana@ufv.br 176 Currículos dos Cursos UFV Bacharelado ATUAÇÃO O bacharel em Matemática está apto para

Leia mais