GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA RETROFIT DAS PROTEÇÕES EM USINAS ANTIGAS. Jorge Mitsuhiro Oura CESP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA RETROFIT DAS PROTEÇÕES EM USINAS ANTIGAS. Jorge Mitsuhiro Oura CESP"

Transcrição

1 GPC/ a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA RETROFIT DAS PROTEÇÕES EM USINAS ANTIGAS Jorge Mitsuhiro Oura CESP RESUMO O objetivo deste trabalho é apresentar a experiência da CESP no retrofit das proteções, informar os problemas encontrados e mostrar a estratégia que está sendo adotada pela empresa. PALAVRAS-CHAVE: Retrofit, Proteções digitais numéricas, Modernização, Digitais microprocessadas 1.0 INTRODUÇÃO A CESP Companhia Energética de São Paulo, hoje, é uma empresa totalmente voltada para a geração de energia. Ela surgiu da cisão da antiga CESP em empresas de geração, transmissão e distribuição, e posteriormente da nova cisão da empresa de geração em outras três. Sua potência instalada é de 6.721,7 MW sendo responsável pela geração de 50 % da energia do estado de São Paulo. Atualmente, a empresa opera seis usinas: Ilha Solteira inaugurada em 1973, Eng. Souza Dias (Jupiá) inaugurada em 1969, Três Irmãos inaugurada em 1993, Paraibuna inaugurada em 1978, Jaguari inaugurada em 1972 e Eng. Sérgio Motta (Porto Primavera), ainda em construção. A partir de 1995 a CESP iniciou um plano de modernização dos sistemas de proteção de seu parque gerador, devido à inexistência no mercado, de componentes de reposição das antigas proteções eletromecânicas e em vista da crescente taxa de falhas, notadamente nas usinas de Ilha Solteira e Souza Dias. 2.0 PROBLEMAS ADVINDOS DA MODERNI- ZAÇÃO 2.1 Dificuldades advindas da mudança de tecnologia Inicialmente foram adquiridas duas proteções para a Usina de Ilha Solteira e uma unidade para a UHE Eng. Souza Dias (UHE Jupiá). As proteções adquiridas para a Usina de Ilha Solteira ainda eram de tecnologia estática convencional, enquanto que a proteção para a UHE Eng. Souza Dias (UHE Jupiá) foi fornecida com a tecnologia digital numérica. Observou-se que a mudança na tecnologia de eletromecânica para a estática não ocasionou grandes dificuldades para a equipe de manutenção, enquanto que a mudança direta da tecnologia eletromecânica para a digital numérica ocasionou dificuldades para a equipe de manutenção. Efetuando-se um diagnóstico desta dificuldade, concluiu-se que o problema consistia na falta da habitualidade de lidar com a nova proteção, isto é, a existência de uma única proteção com características totalmente diferentes das demais causara grandes transtornos à equipe de manutenção, necessitando de reciclagem constante como forma de evitar o esquecimento da forma de manuseio do equipamento. 2.2 Problemas da diversificação de fabricantes Sendo a CESP uma empresa estatal, os processos de aquisições ocorrem dentro da lei 8666, que não permite a livre escolha do fornecedor, portanto a cada nova aquisição, a probabilidade de adquirirmos proteções de diferentes fornecedores é muito grande. Considerandose que na usina de Ilha Solteira são 20 unidades geradoras e Usina Eng. Souza Dias (Jupiá) 14 unidades geradoras, e que a quantidade de proteções a adquirir está em função do orçamento anual, neste processo de aquisição em pequenos lotes, o risco de criarmos uma miscelânea de proteções de diversos fabricantes de CESP Companhia Energética de São Paulo End: Rua da Consolação 1875, 9 andar - São Paulo SP, CEP: TEL: (0xx11) , FAX: (0XX11) ,

2 3.0 ESTRATÉGIA DA CESP NA EXECUÇÃO DO RETROFIT 3.1 Serviços de engenharia e instalação por conta da empresa A mudança fundamental na estratégia da empresa foi abandonar a aquisição na modalidade pacote fechado, ficando com o encargo de elaborar o projeto, efetuar estudo de ajustes, instalar no campo, e efetuar o comissionamento. A CESP passou a adquirir apenas relés de proteção e contratação do comissionamento de apenas uma unidade. Desta forma ocorreu uma redução do preço final para menos de 1/3 do valor que estava sendo praticado. Possibilitou-se, assim, aumentar a quantidade de aquisição anual. 3.2 Limitação na diversificação de fabricantes FIGURA 1 PAINEL COM PROTEÇÕES ELETROMECÂNICAS Considerou-se que a quantidade máxima admissível de diversificação de fornecedores seria 3 (três) dentro de uma única usina, portanto no planejamento para as novas aquisições nas usinas de Ilha Solteira e Eng. Sérgio Motta (Jupiá), os lotes de aquisição foram divididos de forma a não termos diversificação maior que este número. diferentes filosofias em uma única usina era iminente. 2.3 Custo da modernização e tempo de implementação As primeiras proteções foram adquiridas na modalidade de pacote fechado, isto é, fornecimento das proteções com painel, serviço de engenharia e comissionamento. Este procedimento tornava o processo muito oneroso, inviabilizando a realização do retrofit em maior quantidade dentro do orçamento anual. No caso da Usina Ilha Solteira com 20 unidades geradoras, caso tivéssemos prosseguido o programa de substituição de duas unidades ao ano, o processo de modernização levaria 10 anos!!! 2.4 Custo da formação de sobressalentes devido à diversificação de fabricantes Outro grande problema na diversificação de fabricantes, além da necessidade de treinamento constante da equipe de manutenção para atender vários tipos de proteção, está na formação de peças sobressalentes. A cada lote de um determinado modelo de proteção, necessita-se ter o correspondente sobressalente numa quantidade suficiente para atender a um período de no mínimo 20 anos, o que eleva ainda mais o custo da modernização. FIGURA: 2 PAINEL COM PROTEÇÕES DIGITAIS 3.3 Aproveitamento máximo das antigas instalações As instalações das proteções estão sendo efetuadas no painel de proteção antigo, removendo-se as proteções eletromecânicas, e todos os acessórios como TC s auxiliares, mantendo-se todo o restante tais como

3 fiações secundárias dos TP s e TC s, réguas bornes, relés de bloqueio e sinalizadores. Este procedimento, em contrapartida ao da instalação de um painel novo ao lado do painel antigo, reduz bastante o custo de obras civis e proporciona menor agressão visual. 3.4 Desvinculação total das antigas proteções No início do processo, quando ainda não havia a plena confiança nas proteções digitais, cogitou-se colocar algumas proteções eletromecânicas como retaguarda. Porém esta forma foi totalmente abandonada e, todas as proteções estão sendo retiradas e substituídas por proteções digitais, procedimento que hoje, considera-se acertado, dada a alta confiabilidade demonstrada pelas proteções digitais. 3.5 Aproveitamento das paradas das máquinas para o retrofit As implementações estão sendo efetuadas, quando ocorrem as paradas das máquinas para manutenção preventiva. Portanto não está sendo exigido tempo de indisponibilidade adicional para a execução do retrofit. O tempo médio necessário para a execução total da substituição da proteção incluindo a reforma do painel e execução de toda a fiação tem sido de 20 dias. 3.6 Desmistificação da nova tecnologia Outra estratégia da empresa foi desmistificar a nova tecnologia. A equipe de campo que está implementando, comissionando e se encarregando da manutenção é a mesma equipe de comando e controle que lida com as proteções eletromecânicas. Procurouse democratizar ao máximo a absorção da nova tecnologia, dando treinamento a todos, não se criando nenhum grupo de elite. Esta forma de condução teve um retorno excelente, como a motivação da equipe para o aprendizado da nova tecnologia. 4.0 VANTAGENS OBTIDAS COM O RETROFIT 4.1 Redução no tempo de indisponibilidade dos geradores Inegavelmente, a grande vantagem da substituição das proteções por digitais numéricas, além do óbvio aumento na confiabilidade da proteção por substituição de equipamentos antigos por novos, é a redução no tempo de indisponibilidade do gerador para a execução da manutenção preventiva da proteção, e na redução do tempo para o diagnóstico de uma ocorrência. 4.2 Dados do sistema em tempo real A proteção digital fornece as grandezas de tensão, corrente, defasagens, componentes de sequência zero, positivo e negativo, potência ativa, reativa, fator de potência etc. em tempo real. Com estes dados é possível diagnosticar se os TP s e TC s e a proteção estão ligados corretamente. Estes dados são fundamentais no comissionamento da proteção. 4.3 Automonitoramento A proteção verifica permanentemente a sua integridade e avisa quando qualquer uma das suas funções deixar de funcionar. Com isto eliminou-se a necessidade de ensaios periódicos na proteção para verificar o seu funcionamento. 4.4 Exatidão dos ajustes Observa-se que os valores ajustados na proteção são extremamente exatos, não se requerendo qualquer tipo de calibração, e estes valores não sofrem degradação com o tempo, o que torna a aferição deste tipo de proteção desnecessário para realização do reajuste. Graças a estas características, os reajustes das proteções atualmente estão sendo efetuados com a unidade geradora em operação. 4.5 Oscilografia e sequenciamento de eventos A incorporação da oscilografia e sequenciamento de eventos na proteção possibilita o rápido diagnóstico da perturbação no sistema, eliminando-se a necessidade de efetuar ensaios no gerador e transformador quando ocorre uma atuação indevida da proteção. Cita-se o exemplo da atuação indevida da proteção terra estator 100%, que exigia ensaios de isolação do gerador e transformador quando ocorria a sua atuação. Com as proteções digitais é facilmente diagnosticado se a atuação ocorreu devido a um curto circuito monofásico ou devido a queda na tensão de 3 a harmônica devido ao excesso de reativo na máquina. 5.0 CONSTANTE EVOLUÇÃO DAS PROTE- ÇÕES E SUAS CONSEQUÊNCIAS 5.1 Tempo de obsolescência das proteções digitais Até hoje o tempo de vida útil das proteções foram medidas pelo MTBF (Mean Time Between Failure) que no caso das proteções eletromecânicas eram elevadíssimas. Não é incomum encontrar proteções eletromecânicas com mais de 40 anos funcionando perfeitamente. O mesmo não se pode dizer das proteções estáticas que sucederam as eletromecânicas que tem o MTBF de no máximo 15 anos. O que se observa hoje é que as proteções estáticas que foram

4 , instaladas posteriormente às proteções eletromecânicas já estão com a vida útil esgotada, enquanto outras proteções eletromecânicas ainda estão funcionando a contento. No caso das proteções digitais microprocessadas o problema não se constitui na durabilidade dos componentes, e sim na obsolescência dos processadores e dos softwares, que tem-se observado de curtíssima duração. A evolução neste campo está tão veloz que o tempo de obsoletismo está na mesma velocidade dos micros PCs. 5.2 Debug de produtos recém lançados Embora a tecnologia digital microprocessada seja largamente aplicada nas proteções dos sistemas de distribuição e de transmissão, a utilização desta tecnologia para a geração ainda é recente, e mesmo os fabricantes tradicionais de sistemas de proteção, estão com produtos recém lançados os quais carecem de várias melhorias principalmente no que se referem aos softwares de aplicação, e algumas vezes com erro de concepção. A CESP apontou deficiências no firmware da proteção do gerador, os quais foram objeto de estudo no centro de desenvolvimento do fabricante e resultou na edição de um novo firmware com as revisões solicitadas. 5.3 Necessidade de efetuar manutenção em equipamentos obsoletos Estima-se que no decorrer do tempo, a substituição de uma grande parte das antigas proteções eletromecânicas com as de tecnologia digital, provocará um efeito inverso ao do início do processo, isto é, haverá poucos profissionais habilitados a efetuar manutenção nas proteções eletromecânicas. Enquanto estas proteções não tiverem sido substituídas e ainda estiverem cumprindo a sua função, será necessário manter a equipe de comando e controle apto a executar a manutenção nestas proteções. 6.0 PROJEÇÕES PARA O FUTURO NA CESP 6.1 Prazo para a conclusão da modernização Se o programa de substituições das proteções for cumprido conforme o planejado, a completa substituição das proteções ocorrerá entre 2004 e Implementação de rede de comunicação das proteções A CESP está se preparando para implementar uma rede para interligar todas as proteções. Neste momento depara-se com a questão de como integrar proteções com protocolos, sistemas operacionais, e softwares de gerenciamento diferentes. Após consultas a diversos fornecedores, concluiu-se que integrações de proteções de fabricantes diferentes mesmo adotando-se um protocolo padronizado como MODBUS ou IEC , ainda é um problema. Somente alguns dados serão passíveis de trafegar por esta rede de protocolo padrão. A transferência de dados extensos, como o registro de oscilografia, tornaria o processo extremamente lento e impraticável. Alguns processos que são formas exclusivas de cada fabricante, como a mudança de ajuste de um local remoto, seriam impossíveis de serem efetuados nesta rede. A forma viável de integração de proteções diferentes recomendada pelo fabricante, é a indicada na Figura 3. MODEM UNIDADE DE PROCESSAMENTO LOCAL RELÉ O1 FABRICANTE X CHAVEADOR RELÉ 02 FABRICANTE X UNIDADE DE PROCESSAMENTO CENTRAL MODEM USINA ILHA SOLTEIRA SISTEMA SCADA LOCAL RELÉ N+1 FABRICANTE Y FIGURA 3 RS 485 PROTOCOLO X RS 485 PROTOCOLO Y RS 485 PROTOCOLO IEC RELÉ N+2 FABRICANTE Y OUTRAS USINAS Nela seria implementada uma rede comum em RS 485 ou fibra óptica e protocolo padrão para tráfego de dados em tempo real (tensão, corrente, potência, etc) para sistema SCADA e outras redes exclusivas para grupos de proteções semelhantes com protocolo do fabricante para tráfegos de oscilografia e realização de mudança de ajustes. 6.3 Gerenciamento remoto das proteções ANTENA GPS O sistema de gerenciamento local que será implementado com um micro PC, terá uma interface de saída com modem para conexão a um micro PC que ficará no escritório de engenharia de manutenção na cidade de São Paulo, onde através da linha discada, será possível ter acesso aos relés de proteção de todas as usinas. IRIG B

5 6.4 Sincronização de horário das proteções Será implementada também um sistema de sincronização de horário de todas as proteções através do sinal de GPS, a fim de podermos ter a mesma referência de tempo para os sequenciamentos de eventos e oscilografia. 7.0 CONCLUSÕES 7.1 Mudança conceitual no gerenciamento da manutenção Diferentemente da mudança de tecnologia de eletromecânica para a estática, a mudança para a tecnologia digital microprocessada está obrigando a empresa a mudar o seu conceito gerencial de manutenção das proteções. A periodicidade da manutenção preventiva, a aferição dos ajustes, a questão da segurança de reajustes com o gerador em operação, a análise das perturbações, os ensaios dos geradores e transformadores quando ocorrem alguma atuação da proteção, etc., estão sendo reavaliados com a utilização da nova tecnologia. 7.2 Amortização do investimento pela redução no tempo de indisponibilidade dos geradores As vantagens da substituições das proteções antigas por digitais numéricas são inegáveis. Os custos do investimento são rapidamente absorvidos pela redução no tempo de indisponibilidade dos geradores. 7.3 Estratégia que deu certo A estratégia da CESP em não adquirir soluções prontas dos fabricantes e assumir a implantação foi preponderante para a redução no custo do processo de implantação propiciando aos especialistas da empresa o domínio da tecnologia, e até apontar erros na concepção e também sugerir melhorias ao fabricante. 7.4 Necessidade de parceria com o fabricante A parceria com os fabricantes é fundamental. Já que inúmeros problemas são detectados somente com a instalação dos relés de proteção no sistema e com o manuseio do dia a dia. Os relatos de problemas aos fabricantes com sugestões de melhoria, propiciam constantes evoluções no produto que revertem em benefício do usuário. 7.5 Integração de equipamentos de diversos fabricantes ainda é problema A integração de diversos equipamentos de fabricantes diferentes ainda é um problema que não se soluciona apenas com a padronização de protocolos, e há ainda um longo caminho a ser percorrido para se encontrar uma solução mais adequada. 8.0 BIBLIOGRAFIA (1) ZIEGLER, GERHARD, Numerical Distance Protection Principle and Application; Siemens AG; Berlin and Munich. Germany (2) PHADKE, ARUN G., THORP, JAMES S., Computer Relaying for Power Systems; Taunton. England (3) ABB POWER T & D COMPANY INC. Instruction Booklet 1MRA MIB; Allentown, PA. USA (4) ABB POWER T & D COMPANY INC. Instruction Booklet 1MRA MIB; Allentown, PA. USA (5) ABB AUTOMATION INC. DPU2000R remote access using telephone modem; Allentown, PA. USA (6) ABB AUTOMATION INC. IRIG-B implementation in the DPU/GPU/TPU 2000/R relays; Allentown, PA. USA (7) ABB AUTOMATION INC. MSOC communication commonality with DPU/GPU/TPU 2000R Protective relays; Allentown, PA.USA

Curriculum Vitae. Jorge Mitsuhiro Oura

Curriculum Vitae. Jorge Mitsuhiro Oura Jorge Mitsuhiro Oura Abril/2010 Sobrenome: Oura RG: 4.193.542 Emissão: SSP SP - Brasil Data nascimento: 23/01/1949 Nome: Jorge Mitsuhiro Nacionalidade: brasileira Sexo: masculino 1. Situação profissional

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO.

SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. SIMULADOR DE SISTEMAS DE PROTEÇÃO, CONTROLE E SUPERVISÃO: UMA FERRAMENTA PARA CAPACITAÇÃO DA OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO. J. A. P. MOUTINHO Centrais Elétricas do Norte do Brasil S/A ELETRONORTE Brasil RESUMO

Leia mais

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1

Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio. ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 Serviços de Média Tensão LCS PPMV Portifólio ABB Group 6 de março de 2013 Slide 1 PPMV Service Escopo Upgrade & Retrofit Retrofit Cubículo MT Retrofit Disjuntores MT Retrofit Contatores MT Retrofit de

Leia mais

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG

SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG GPC / 02 17 a 22 de Outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO V TEMA 2 SAPNET Sistema de Análise de Perturbações da CEMIG Gomes, N.S.(*) Andrade, S.R.C. Costa, C.A.B. Coutinho, C. E. B. CEMIG

Leia mais

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão )

AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) GMI/021 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO XII GESTÃO DA MANUTENÇÃO AUDITORIA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS (Subestações de Alta e Extra Alta Tensão ) João Carlos Santos Schneider

Leia mais

Sandra Sayonara B. Silva * CHESF

Sandra Sayonara B. Silva * CHESF GPC/017 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil G R U P O V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA SUBSTITUIÇÃO DE OSCILÓGRAFOS CONVENCIONAIS POR REGISTRADORES

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA

UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA UTILIZAÇÃO DO BAY MÓVEL SEM INTERRUPÇÃO DA SUBESTAÇÃO DE MOCÓCA Carlos Francisco dos Santos e Souza Coordenador csouza@cteep.com.br Edson Luiz Giuntini Técnico Sênior de Subestações egiuntini@cteep.com.br

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência

Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência Inversores de frequência de média tensão Serviços para gerenciar o ciclo de vida, assegurando confiabilidade, disponibilidade e eficiência 2 Serviços para gerenciar o ciclo de vida dos inversores de média

Leia mais

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE

38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE 38ª ASSEMBLÉIA NACIONAL DA ASSEMAE PROTEÇÃO ELÉTRICA VISTA COMO EFICIÊNICA ENERGÉTICA RICARDO DANIELI ZANIN 1 RENATO PESSANHA SANTOS 1 EDISON LUIZ MENDES 1 (1) Endereço: TME SANASA Rua Abolição, 180 Bairro:

Leia mais

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo

GE Digital Energy Power Quality. Energy Commander TM. Conjunto de Manobra em Paralelo GE Digital Energy Power Quality Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo 2 Energy Commander TM Conjunto de Manobra em Paralelo Conjuntos de Manobra em Paralelo A ligação em paralelo é uma operação,

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

BKM MONTAGENS ELÉTRICAS LTDA

BKM MONTAGENS ELÉTRICAS LTDA A Empresa. A BKM Montagens Elétricas é uma empresa que combina capacidade e experiência para oferecer com uma nova postura serviços de projetos, montagens, teste e administração de equipamentos eletro-eletrônicos

Leia mais

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva

Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição. Eng. Elves Fernandes da Silva 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Reduzindo os Religamentos Automáticos em Redes de Distribuição Eng. Dilson Andrade de Sousa Eng. Elves Fernandes da Silva Eng. Ricardo Cordeiro de Oliveira

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 03

ESCLARECIMENTO Nº 03 PE.GCM.A.00130.2013 1/30 ESCLARECIMENTO Nº 03 FURNAS Centrais Elétricas S.A. comunica resposta ao pedido de esclarecimento sobre o Edital, efetuado por empresa interessada: 1. GERAL Entendemos que os Relés

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO, CONTROLE E AUTOMAÇÃO EM SISTEMAS

Leia mais

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no

Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no Energia ao seu alcance Fornecemos energia que gera desenvolvimento e segurança de forma inteligente e sustentável. A P3 Engenharia Elétrica é especializada no desenvolvimento de projetos elétricos, laudos,

Leia mais

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP

Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Melhoria na confiabilidade da aplicação dos reles digitais através do monitor MDP Eng. Fernando Azevedo COPEL Distribuição Eng. Henrique Florido Filho - Pextron 1 A Copel Companhia Paranaense de Energia,

Leia mais

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações

Capítulo IX. Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição. Automação de subestações 54 Capítulo IX Exemplos de automação em sistemas de supervisão e controle de subestações e redes de distribuição A operação do sistema elétrico de potência é extremante dependente das informações de estados,

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000

Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000 Ganhos de Gestão do Centro de Operação da CESP com a Certificação ISO 9001:2000 Autores: José Hélio Luppi Júnior CESP Castilho-SP. Fernando Peres de Moraes CESP Castilho-SP. Carlos Alberto Skilhan CESP-

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES Linha de Produtos FAMÍLIA GC XXX GC 310: Controlador Simples AMF-ATS-SPM Emergência, falha dos canos principais, comutação GC 350: Controlador Avançado AMF-ATS-SPM Emergência,

Leia mais

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850

Capítulo VII. Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850. Automação de subestações. A norma IEC 61850 56 Capítulo VII Redes de comunicação em subestações de energia elétrica Norma IEC 61850 Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A construção de subestações é uma atividade que

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GTM.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XIII GRUPO DE ESTUDO DE TRANSFORMADORES, REATORES, MATERIAIS E TECNOLOGIAS

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema.

Kyle Distribution Switchgear. ...a proteção que faltava para seu sistema. Kyle Distribution Switchgear...a proteção que faltava para seu sistema. Confiabilidade do Sistema Além das Expectativas Complete o quebra-cabeças do seu sistema de proteção com o Relé para Religador Form

Leia mais

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES

EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES EVOLUÇÃO DAS SUBESTAÇÕES O caminho percorrido pelas subestações de energia elétrica até alcançar as modernas instalações de hoje. 1 Cem anos não são nada se comparados com o tempo em que o homem vem vagando

Leia mais

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica

Em 2013 completamos 25 anos de atividade empresarial, período no qual participamos da implantação de importantes projetos na área de energia elétrica BEM-VINDOS A ELTMAN é uma empresa de engenharia atuando nas áreas de estudos elétricos, projetos básicos e executivos e serviços de campo, nos segmentos de energia elétrica e transporte. Nosso foco principal

Leia mais

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA

V SBQEE ESTUDO, PROJETO E CONSTRUÇÃO DE UM REGISTRADOR E ANALISADOR PORTATIL DE QUALIDADE DE ENERGIA ELÉTRICA V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 05 102 Tópico: Sistemas de Monitoramento e Tratamento de Dados ESTUDO, PROJETO

Leia mais

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015

9º ENTEC Encontro de Tecnologia: 23 a 28 de novembro de 2015 DETERMINAÇÃO DA CORRENTE DE CURTO - CIRCUITO FASE TERRA NO MEIO INDUSTRIAL Felipe Miquelino¹; Edilberto Teixeira² 1 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG 2 Universidade de Uberaba, Uberaba-MG fmiquelinof@gmail.com;

Leia mais

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER

GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER GERENCIAMENTO REMOTO DOS EQUIPAMENTOS DO SISTEMA DIGITAL DE TELEPROTEÇÃO CARRIER Rocilda José Nogueira Santana Engenheiro de Analise da Manutenção Divisão de Gestão da Manutenção São Paulo CTEEP-Brasil

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy.

siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. siemens.com/energy/arresters Soluções completas em sistemas monitoramento para descarregadores Answers for energy. Monitoramento altamente confiável com valor agregado ACM avançado ACM básico Contadores

Leia mais

Marathon Oil Yates Field and Indian Basin Gas Plants Iraan, Texas and Lakewood, New Mexico

Marathon Oil Yates Field and Indian Basin Gas Plants Iraan, Texas and Lakewood, New Mexico ESTUDO DE CASO Marathon Oil Yates Field and Indian Basin Gas Plants Iraan, Texas and Lakewood, New Mexico Constatação da Importância dos Relés Digitais de Proteção nas Instalações de Usinas de Petróleo

Leia mais

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP

MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP GSE/ 2 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) MONITORAMENTO DE SUBESTAÇÕES - A EXPERIÊNCIA CESP Antônio Carlos T. Diogo (*) Manabu

Leia mais

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e

Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e Sistemas de geração de energia elétrica Sistemas de distribuição de energia elétrica Supervisão e controle de energia elétrica Aquisição de dados e registro de eventos Intertravamentos de segurança Série

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010

CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 CONTRIBUIÇÕES REFERENTES À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº043/2010 NOME DA INSTITUIÇÃO: CIAPORTE SOLUÇÕES E SOFTWARE LTDA ME AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Resolução /Normativa, 2010

Leia mais

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro

Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP com vistas à otimização energética do parque brasileiro Superintendência de Regulação dos Serviços de Geração - SRG Workshop: Repotenciação de Usinas Hidrelétricas Brasília-DF 14 de julho de 2011 Repotenciação de usinas hidrelétricas: capacitação do IEE/USP

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados

Solução Completa em Automação. FieldLogger. Registro e Aquisição de Dados Solução Completa em Automação FieldLogger Registro e Aquisição de Dados Ethernet & USB Até 16GB de memória Conversor A/D 24 bits Até 1000 amostras por segundo Apresentação FieldLogger O FieldLogger é um

Leia mais

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN

Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Aplicação de Unidades de Sobrecorrente de Seqüência Negativa em Redes de Distribuição A Experiência da COSERN Eng. Elves Fernandes da Silva COSERN elves.silva@cosern.com.br

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br Disciplina: Curso de Tecnologia em Redes de Computadores Auditoria e Análise de Segurança da Informação - 4º período Professor: José Maurício S. Pinheiro AULA

Leia mais

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios

Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios 30 Capítulo XIV Interface Homem Máquina (IHM) e sistemas supervisórios Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A principal ferramenta para a operação de uma subestação de energia

Leia mais

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios

Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Associação Paralelo Ativo e Passivo Vantagens e Benefícios Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP:91040-600 - Porto Alegre RS - Brasil Fone: (51)21312407

Leia mais

Automação Assistência Técnica. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Assistência Técnica. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Assistência Técnica Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Serviços e Suporte Técnico com a qualidade WEG Estamos constantemente expandindo nosso portfólio de produtos e

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA.

PROTEÇÃO PERIMETRAL COMPROVADA NOVO SIMPLICIDADE DE PLATAFORMA ÚNICA. SISTEMAS DE DETECÇÃO PERIMETRAL MAIS INTELIGENTES MicroPoint II Sistema de Detecção em Cercas MicroTrack II Sistema de Detecção de Cabo Enterrado MicroWave 330 Barreira de Microondas Digital PROTEÇÃO PERIMETRAL

Leia mais

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.

Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica. Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Sistema Corporativo de Tele-Medição de Energia Elétrica Eng. Eduardo Caldas Cardoso ELO Sistemas e Tecnologia eduardo@elotek.com.br RESUMO A tele-medição de

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS doi: 10.4322/tmm.00303008 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES INDUSTRIAIS Allan de Oliveira Souto 1 Marcos de Oliveira Fonseca 2 Resumo Este trabalho se refere ao projeto de modernização de uma subestação principal

Leia mais

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS

SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES ADEQUAÇÃO DE PAINÉIS SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO SERVIÇOS DE ADEQUAÇÃO ENGENHARIA MONTAGEM DE PAINÉIS AUTOMAÇÃO CONFIGURAÇÃO E INSTALAÇÃO DE REDES A EMPRESA A Altercon Engenharia em Automação e Sistemas Industriais Ltda., foi constituída

Leia mais

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como:

X SIMPASE Temário TEMA 1. Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: X SIMPASE Temário TEMA 1 Automação e digitalização de usinas, subestações, redes de distribuição e instalações de grandes consumidores, tais como: - Implantação, operação e manutenção de sistemas de automação

Leia mais

O uso do CP em sinalização de ferrovias

O uso do CP em sinalização de ferrovias O uso do CP em sinalização de ferrovias Introdução Um Sistema de Sinalização e Controle ferroviário é responsável por garantir a segurança das operações de movimentação dos trens, permitindo a operação

Leia mais

CESP IMPLANTA NOVO SISTEMA DE BACKUP E GARANTE DISPONIBILIDADE DE INFORMAÇÕES

CESP IMPLANTA NOVO SISTEMA DE BACKUP E GARANTE DISPONIBILIDADE DE INFORMAÇÕES agosto/2012 Case de Sucesso CESP IMPLANTA NOVO SISTEMA DE BACKUP E GARANTE DISPONIBILIDADE DE INFORMAÇÕES Para publicar um case no Portal IT4CIO, entre em contato pelo e-mail comunicacao@it4cio.com. PERFIL

Leia mais

Automação de Subestações

Automação de Subestações Automação de Subestações Geração Distribuição Transmissão Indústria Produtos e Serviços: Merging Units Gateway DNP -IEC 61850 Projeto, Integração, TAF, TAC Montagem de Painéis Configuração de Sistemas

Leia mais

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino

Introdução Redes de Computadores. Filipe Raulino <filipe.raulino@ifrn.edu.br> Introdução Redes de Computadores Filipe Raulino Introducão A comunicação sempre foi uma necessidade básica da humanidade. Como se comunicar a distância? 2 Evolução da Comunicação

Leia mais

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral

Sm S a m r a t r t Gr G i r d Bruno Erik Cabral Bruno Erik Cabral Smart Grid Agenda Introdução Definição Características Confiabilidade Flexibilidade Eficiência Sustentabilidade Medidores Inteligentes Controle avançado Cenário Internacional Cenária

Leia mais

Dos Relés Eletromecânicos aos Relés Digitais Desenvolvimento das Técnicas e Evolução dos Procedimentos de Teste

Dos Relés Eletromecânicos aos Relés Digitais Desenvolvimento das Técnicas e Evolução dos Procedimentos de Teste Marcelo Paulino - mecpaulino@yahoo.com.br 10/06/2013 1 Dos Relés Eletromecânicos aos Relés Digitais Desenvolvimento das Técnicas e Evolução dos Procedimentos de Teste Marcelo Paulino Guilherme Penariol

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Soluções em Energia Solar Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas www.weg.net Tecnologia para minimizar o consumo das indústrias. Sustentabilidade para maximizar a qualidade de vida das pessoas. O sol é uma

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

Programa de Serviços

Programa de Serviços Programa de Serviços Um Parceiro da Heidelberg Sucesso e segurança para o convertedor de rótulos A maior diversidade de substrato. Um marca de qualidade emerge: um sistema de máquina Gallus garante a mais

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos

A importância da Manutenção de Máquina e Equipamentos INTRODUÇÃO A importância da manutenção em máquinas e equipamentos A manutenção de máquinas e equipamentos é importante para garantir a confiabilidade e segurança dos equipamentos, melhorar a qualidade

Leia mais

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO

S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO g S.T.A.I. (SERVIÇOS TÉCNICOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL) REDE PROFIBUS PA ALISSON TELES RIBEIRO SUMÁRIO 1. Objetivo 2. História 3. O Que é Profibus? 4. Profibus PA 5. Instrumentos 6. Bibliografia 1. OBJETIVO

Leia mais

PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT

PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT PAINÉIS DE PROTEÇÃO E CONTROLE - AT A Energesp iniciou suas atividades no ano de 2001 com a fabricação de toda a linha de painéis elétricos para o ramo da construção civil. Atualmente, além da fabricação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção

Curso de Engenharia de Produção. Manutenção dos Sistemas de Produção Curso de Engenharia de Produção Manutenção dos Sistemas de Produção Introdução: Existe uma grande variedade de denominações das formas de atuação da manutenção, isto provoca certa confusão em relação aos

Leia mais

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN UMA PROPOSTA DE MELHORIA DO SISTEMA DE MONITORAMENTO DO CIRCUITO DE CORRENTE CONTINUA DE SUBESTAÇÕES FRANCISCO JOSÉ BORGES DE

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais

Objetivos. Medição em Máquinas Rotativas. Avaliação Dielétrica Set 2012. de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Avaliação Dielétrica de Equipamentos de Alta Tensão com base nas Descargas Parciais Medição em Máquinas Rotativas Apresentador: Alain F. S. Levy Objetivos A medição

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição

Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Curso Calibração, Ajuste, Verificação e Certificação de Instrumentos de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS

Leia mais

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos

Catálogo de Serviços de Assistência. Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos Catálogo de Serviços de Assistência Assistência técnica ABB Mais produtividade, menos custos ABB em Portugal A nossa organização Power Products Power Systems Discrete Automation & Motion Low Voltage Products

Leia mais

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007

Décimo Segundo Encontro Regional Ibero-americano do CIGRÉ Foz do Iguaçu-Pr, Brasil - 20 a 24 de maio de 2007 SISTEMA DE CHAVEAMENTO AUTOMÁTICO PARA RÁPIDA ENERGIZAÇÃO DE FASE RESERVA EM BANCOS DE TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS Fernando G. A. de Amorim* Nelson P. Ram os** * Treetech Sistem as Digitais Ltda. ** Furnas

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

ESCLARECIMENTO Nº 02

ESCLARECIMENTO Nº 02 ESCLARECIMENTO Nº 02 Segue abaixo, solicitações formuladas por empresas participantes da licitação supra e as respectivas respostas de FURNAS: 1. Pergunta: Solicitamos todas as distâncias entre as salas

Leia mais

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC/024 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA O SISTEMA DE AUTOMAÇÃO DA COSERN EXPERIÊNCIA COM UTR S E

Leia mais

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul

PAPER. Plano de instalação de religadores AES Sul PAPER 1/5 Título Plano de instalação de religadores AES Sul Registro Nº: (Resumo) SJBV7283 Autores do paper Nome País e-mail Angelica Silva AES Sul Brasil angelica.silva@aes.com Flavio Silva AES Sul Brasil

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia

SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Siemens Power Generation 2005. All Rights Reserved SPPA - T3000 Automação para Usinas de Geração de Energia Eder Saizaki - Energy Fossil Instrum. e Elétrica A história do SDCD SIEMENS em Plantas de Geração

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE

ENGENHARIA DE SOFTWARE Pág. 1 0. ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...2 2. OBJETIVOS....2 3. ESTIMATIVAS DO PROJETO....4 4. RISCOS DO PROJETO....5 4.1. Identificação e Análise dos Riscos....5 4.1.1. Riscos de Projeto...6 4.1.2. Riscos Técnicos....6

Leia mais

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i

Inversor Solar Conectado à Rede Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i Inversor Solar Fotovoltaico HIVERTER - Série NP201i HIVERTER - Série NP201i Os Inversores Fotovoltaicos da Hitachi são do tipo Grid-Tied (GT Conectados à Rede) com controle reativo de potência e alta eficiência,

Leia mais

Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia)

Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia) Projeto Nacional de um Localizador de Defeitos por Ondas Viajantes Dr. Policarpo Batista Uliana (Documentta Tecnologia) Consultor/coordenador técnico do projeto Dr. Elisete Ternes Pereira (SELMAG - FURB)

Leia mais

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM

EAGLE Smart Wireless Solution. Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples. Brand of ACOEM EAGLE Smart Wireless Solution Implantar a manutenção condicional nunca foi tão simples Brand of ACOEM Com o EAGLE, a ONEPROD oferece a solução de monitoramento contínuo de manutenção condicional mais fácil

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Procuradoria-Geral de Justiça ATA DE REGISTRO DE PREÇOS

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE PERNAMBUCO Procuradoria-Geral de Justiça ATA DE REGISTRO DE PREÇOS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS Processo SIIG nº 0009881-8/2011. Processo Licitatório nº 013/2011 Pregão Presencial nº 004/2011 Ata de Registro de Preços nº 004/2011 Validade da Ata: 12 (doze) meses. Aos sete

Leia mais

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1

SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 SMART CONNECT X835 MANUAL DO USUÁRIO 2014 V1.1 Importantes informações de segurança estão contidas na seção de manutenção. Familiarize se com estas informações antes de instalar ou outros procedimentos.

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GPC.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMA DE POTÊNCIA

Leia mais

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA MANUAL DE FISCALIZAÇÃO DAS EMPRESAS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA DIAGNÓSTICO DOS PROCEDIMENTOS DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DE CENTRAIS DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PLANILHA DE LEVANTAMENTO DE DADOS Empresa

Leia mais