UNISA Universidade de Santo Amaro. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNISA Universidade de Santo Amaro. http://www.unisa.br. Material de Estudo. Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server. http://www.unisa-sis."

Transcrição

1 UNISA Universidade de Santo Amaro Material de Estudo Módulo I: Básico Banco de dados SQL Server Junho/2010

2

3 Objetivo do Workshop Compartilhar e apresentar informações básicas para obter um conhecimento do conceito de bancos de dados conciliando a visão acadêmica com as boas práticas utilizadas no mercado com o MS SQL Server. Publico Alvo Estudantes, entusiastas e/ou profissionais que buscam conhecimento básico de bancos de dados, visando um ponto de partida para futuro estudo e aprimoramento, em contato particular com o software de banco de dados Microsoft SQL Server.

4 Conceitos Ninguém consegue ler e escrever sem antes aprender o alfabeto. Banco de dados Relacional Os bancos de dados relacionais são os bancos de dados mais utilizados e conhecidos na atualidade. Bancos de dados relacionais, também conhecidos como RDBMS (Relational Database Management Systems Sistema de Gerenciamento de banco de dados relacionais) teve sua origem em 1970, tendo como linguagem, denominada SEQUEL (Structured English Query Language), foi desenvolvida pela IBM Corporation, INC. SEQUEL, posteriormente passou a chamar-se SQL (mas continuou sendo pronunciada como sequel ). Em 1979, a Relational Software, Inc, (atualmente Oracle Corporation) introduziu a primeira implementação disponível comercialmente do SQL. Atualmente, a linguagem SQL é aceito como a linguagem padrão do RDBMS. No intuito de padronização a linguagem SQL, é definido como norma padrão o SQL ANSI 92, sendo este padronização utilizada pelos bancos de dados atuais. Basicamente, pode-se dizer que o conceito de um banco de dados relacional está baseado em entidades e relacionamentos. Em outras palavras, múltiplas tabelas de dados e a relação entre elas. Entidades e Atributos Os bancos de dados relacionais são compostos de entidades e relacionamentos, onde entidades são conhecidas como tabelas. A tabela é exatamente o nome sugere: tabela de dados, composta por colunas e linhas onde cada coluna é um atributo que se refere a um fragmento diferente de dados e as linhas os registros. Por exemplo, temos abaixo uma entidade (tabela) de alunos e os atributos (colunas). Cada linha é um registro a qual pertence a esta entidade. Alunos Código Nome Telefone 1 Eurico Nascimento Nicolas Ferreira Entidade: Alunos (tabela com 3 colunas e 2 linhas); Atributos: Código, Nome e Telefone (colunas)

5 Relacionamento e Integridade referencial Chave Primária / Primary Key (PK): O Conceito de "Chave Primária" é fundamental para o correto entendimento de como funciona um Banco de Dados. Ao Definirmos um Campo como sendo uma Chave Primária, estamos informando que este campo é único, não possuindo registros duplicados neste campo e como uma identificação de linha única. Um campo de chave primária não permite ter a informação nula. Em outras palavras poderíamos dizer que o Campo Chave Primária identifica de maneira única cada Registro de uma Tabela, isto é, de posse do valor da Chave Primária somente localizaremos um registro com aquele valor no campo Chave Primária. Este é um conceito muito importante, pois conforme veremos mais adiante os conceitos de Integridade Referencial e Normalização estão diretamente ligados ao conceito de Chave Primária. Como apresentado anteriormente, um banco de dados é composto de várias tabelas (entidades), como por exemplo: Clientes, Pedidos, Itens de Pedidos, Produtos, etc. Embora estas informações armazenadas estejam separadas em tabelas diferentes, na prática é necessário que estas tabelas se relacionem. Figura 1: Entidades sem relacionamento Por exemplo, um pedido é feito por um cliente e este pedido pode conter vários itens de pedidos, sendo estes itens de pedidos armazenados na tabela de itens de pedido. Além disto, cada pedido possui um código único (Número Pedido), mas um mesmo cliente pode fazer diversos pedidos.

6 Figura 2: Entidades relacionamento O relacionamento entre as tabelas podem ser de três tipos: - Um para um; - Um para vários; -Vários para vários; Relacionamento Um para Um (1:1): Este relacionamento existe quando os campos que se relacionam são ambos do tipo Chave Primária (Primary Key ou PK), em suas respectivas tabelas. Cada um dos campos não apresenta valores repetidos. Na prática existem poucas situações onde é utilizado um relacionamento deste tipo. Figura 3: Relacionamento Um para Um (1:1) Relacionamento Um para vários (1:n): Este é o tipo de relacionamento mais comum entre duas tabelas. Uma das tabelas (o lado um do relacionamento) possui um campo que é a Chave Primária e a outra tabela (o lado vários) se relaciona através de um campo cujos valores relacionados podem se repetir várias vezes.

7 Figura 4: Relacionamento Um para Vários (1:n): Relacionamento Vários para Vários: Este tipo de relacionamento "aconteceria" em uma situação onde em ambos os lados do relacionamento os valores poderiam se repetir. Podemos considerar por exemplo, o caso entre Produtos e Pedidos. Podemos ter Vários Pedidos nos quais aparece um determinado produto, além disso vários Produtos podem aparecer no mesmo Pedido. Esta é uma situação em que temos um Relacionamento do Tipo Vários para Vários. Na prática não é possível implementar um relacionamento deste tipo, devido a uma série de problemas que seriam introduzidos no modelo do banco de dados. Por exemplo, na tabela de Pedidos teríamos que repetir o Número do Pedido, Nome do Cliente, Data do Pedido, etc para cada item do Pedido. Para evitar este tipo de problema é bastante comum "quebrarmos" um relacionamento do tipo Vários para Vários em dois relacionamento do tipo Um para Vários. Isso é feito através da criação de uma nova tabela, a qual fica com o lado Vários dos relacionamentos. Para exemplificar, cria-se a tabela Itens do Pedido, onde ficam armazenadas as informações sobre os diversos itens de cada pedido, aí ao invés de termos um relacionamento do tipo Vários para Vários, teremos então dois relacionamentos do tipo um para vários.

8 Figura 5: Resolvendo o detalhe do relacionamento Vários para Vários. Integridade Referencial: A Integridade Referencial é utilizada para garantir a Integridade dos dados entre as tabelas relacionadas. Por exemplo, considere um relacionamento do tipo Um-para- Vários entre a tabela Clientes e a tabela Pedidos (um cliente pode fazer vários pedidos). Com a Integridade Referencial, o banco de dados não permite que seja cadastrado um pedido para um cliente que ainda não foi cadastrado. Em outras palavras, ao cadastrar um pedido, o banco de dados verifica se o código do cliente que foi digitado já existe na tabela Clientes. Se não existir, o cadastro do pedido não será aceito, evitando a existência de filhos órfãos. Nas operações de exclusão e alteração, a integridade referencial também oferece a garantia de que os dados estejam íntegros.

9 Normalização O objetivo da normalização é eliminar redundância e inconsistência de um banco de dados, visando melhor organização, um desempenho otimizado e controle adequado das informações armazenadas. As conseqüências encontradas a normalização são: Manutenção alteração ou remoção de registos implica acessos a várias partes da base, tornando-se díficil manter a coerência; Custo de espaço de armazenamento; Desempenho as operações de acesso aos discos (leitura e gravação) são as que mais afetam o desempenho dos sistemas. Existem 5 formas normais, onde cada tabela deve atender a pré-requisitos, estabelecidos como critérios. Cada critério é cumulativo, ou seja, para alcançar a 3ª forma normal é preciso ter obedecido ao 1º e 2º critério obrigatoriamente, além dos requisitos exigidos da própria 3ª forma normal. Primeira Forma Normal "Uma tabela está na 1FN, se e somente se, não possuir atributos multivalor." Segunda Forma Normal "Uma relação está na 2FN se, e somente se, estiver na 1FN e cada atributo não-chave for dependente da chave primária inteira, isto é, cada atributo não-chave não poderá ser dependente de apenas parte da chave." Terceira Forma Normal "Uma relação R está na 3NF, se ela estiver na 2NF e cada atributo não chave de R não possui dependência transitiva, para cada chave candidata de R. Quarta Forma Normal "Uma tabela está na 4FN, se e somente se, estiver na 3FN e não existirem dependências multivaloradas Quinta Forma Normal Uma relação R está na 5FN se não puder ser mais decomposta sem perda de informação.

10 O ideal é obter um esquema equilibrado que não ponha em risco a integridade do banco de dados, mas que, simultaneamente tenha um desempenho razoável. Por essa razão, na maioria dos casos, o processo de normalização para na 3a Forma Normal (3FN). Vamos detalhar com exemplo o conceito passado anteriormente até a 3a Forma Normal, o que normalmente se utiliza no Mercado e que na prática já é o suficiente. Primeira Forma Normal "Uma tabela está na 1FN, se e somente se, não possuir atributos multivalor." Em outras palavras podemos definir que a primeira forma normal não admite repetições ou campos que tenha mais que um valor. Por exemplo: Código Nome Endereço Telefone 1 Eurico Moreira R. das Árvores, Eurico Moreira R. das Árvores, Thiago Kadota Av. do Estado, No caso acima, a tabela não atende a 1FN, justamente porque há uma repetição de linha com uma informação (telefone) com mais de um valor. A linha destacada, mostra um outro numero de telefone. É comercial? Celular? Fax? Um outro ponto seria a impossibilidade de utiliza o campo código como chave primária, uma vez que este valor não contém nas suas linhas valores exclusivos, ou seja, sem repetições. Veja o exemplo da mesma tabela normalizada pela 1FN: Código Nome Endereço Telefone 1 Telefone 2 1 Eurico Moreira R. das Árvores, Thiago Kadota Av. do Estado, Segunda Forma Normal "Uma relação está na 2FN se, e somente se, estiver na 1FN e cada atributo não-chave for dependente da chave primária inteira, isto é, cada atributo não-chave não poderá ser dependente de apenas parte da chave." Para uma tabela estar na segunda forma, além de estar na primeira forma ela não deve conter dependências parciais. Um jeito de verificar esta norma é refazer a leitura dos campos fazendo a pergunta: Este campo depende de toda a chave? Se não, temos uma dependência parcial.

11 Exemplo: Nr. Cód. Cód.Produto Nome Produto Qtde Vl.Unitário Vl.Total Pedido Cliente Impressora Laser XPTO 3 980, , Mouse Óptico usb 2 60,00 120,00 O nome do produto depende do código do produto, porém não depende do Nr.Pedido que é a chave primária da tabela, portanto não está na segunda forma normal. Isto gera problemas com a manutenção dos dados, pois se houver alteração no nome do produto teremos que alterar em todos os registros da tabela de pedido. Veja o exemplo citado acima com a normalização na segunda forma normal: Nr. Pedido Cód. Cliente Cód.Produto Qtde Vl.Unitário Vl. Total , , ,00 120,00 Cód.Produto Nome Produto 1100 Impressora Laser XPTO 3450 Mouse Óptico usb Para normalizar a tabela de pedidos, criamos a tabela de Produto que ficará com os atributos Cód.Produto e Nome Produto. Na tabela de Pedidos foi retirado o atributo de Nome de produto e a referencia da tabela de pedido fará referencia a tabela de produto utilizando como chave o atributo de cód.produto. Este exemplo é didático apenas, pois o correto seria ter uma tabela de pedidos e uma tabela de itens de pedidos, uma vez que um pedido pode ter mais de um produto. Terceira Forma Normal "Uma relação R está na 3NF, se ela estiver na 2NF e cada atributo não chave de R não possui dependência transitiva, para cada chave candidata de R. Para uma tabela estar na terceira forma, além de estar na segunda forma ela não deve conter dependências transitivas, ou seja, na terceira forma normal temos de eliminar aqueles campos que podem ser obtidos pela equação de outros campos da mesma tabela. Exemplo: Nr. Pedido Cód. Cliente Cód.Produto Qtde Vl.Unitário Vl. Total , , ,00 120,00 Note que o atributo de Valor Total apresenta uma informação resultante de outros 2 atributos, quantidade e valor unitário. Neste caso, o Valor Total depende diretamente das informações de quantidade e valor, resultado da multiplicação de quantidade e valor unitário.

12 Imagine uma situação na qual a quantidade deve ser alterada. O valor deve ser recalculado por conseqüência, ao invés de ser também alterado pelo usuário. Em outras palavras, devemos entender que o valor total é um atributo calculado e se referencia a outros atributos, não é um atributo que deve ser informado, então para atender a terceira forma normal este atributo não deve fazer parte desta entidade. Exemplificando no caso citado, teremos a tabela apresentada na seguinte forma: Nr. Pedido Cód. Cliente Cód.Produto Qtde Vl.Unitário , ,00 Como citado anteriormente, não iremos tratar das demais formas normais porque na prática estas três formas são suficientes. Este workshop é voltado ao prático, não deixando de lado o básico conceitual.

13 Constraints Para implementar a integridade de dados temos os objetos chamados de constraints no banco de dados. Estas constraints devem ser criadas utilizando as instruções de criação e alteração de tabela CREATE TABLE e ALTER TABLE, respectivamente. Segue uma breve explanação sobre cada uma delas e para qual aspecto elas deve ser utilizadas. Constraint DEFAULT Esta constraint serve para indicar um valor padrão para um campo, quando o mesmo não for especificado. Exemplo: se a tabela Cliente possui dois campos, Código e Nome, e para o campo Nome existe uma constraint DEFAULT criada, ao inserirmos dados nesta tabela podemos somente fornecer o conteúdo do campo Código, pois o conteúdo do campo Nome será automaticamente preenchido com o valor definido na constraint DEFAULT. Também podemos utilizar esta constraint como um objeto independente, assim como as rules (regras). Não podemos criar constraints em campos com o tipo de dados rowversion e campos que possuem uma propriedade IDENTITY definida. Constraint CHECK A constraint CHECK nos permite criar uma regra para o preenchimento de um certo campo em uma tabela. Nesta regra podemos utilizar valores de outros campos da mesma tabela para fazer a validação dos dados. Esta constraint pode ser desabilitada, para caso de uma grande inserção de dados na tabela. Constraint PRIMARY KEY Esta constraint serve para definirmos um ou mais campos como chaves primárias. Uma chave primária é o atributo de um ou mais campos que identifica unicamente um registro em uma tabela. Podemos criar somente uma constraint PRIMARY KEY por tabela e não podemos colocar o valor NULL nos campos que compõem a chave primária. A constraint PRIMARY KEY deve ser utilizada para manter integridade de entidade. Quando esta constraint é criada na tabela, um índice também é automaticamente criado sobre as colunas que fazem parte da chave primária. Este índice não pode ser apagado diretamente, devemos apagar a constraint PRIMARY KEY primeiro. Constraint UNIQUE Esta constraint faz a validação de valores únicos em uma coluna de uma tabela. Se um campo estiver definido com a constraint UNIQUE nenhum valor repetido poderá ser fornecido para esta campo. Diferente da PRIMARY KEY, podemos colocar várias constraints UNIQUE por tabela mas para cada campo que possue uma constraint UNIQUE somente podemos inserir o valor NULL uma vez. A constraint UNIQUE deve ser utilizada para manter integridade de entidade. Quando esta constraint é criada na tabela, um índice também é automaticamente criado sobre a coluna sobre a qual a constraint está definida. Este índice não pode ser apagado diretamente, devemos apagar a constraint UNIQUE primeiro.

14 Constraint FOREIGN KEY Esta constraint é utilizada para implementar o conceito de chave estrangeira e serve para indicar que o conteúdo de um campo deve se referenciar a um outro campo que possua ou uma chave primária ou uma constraint UNIQUE. Quando o campo que está sendo referenciado residir na mesma tabela, não precisamos utilizar a palavra-chave FOREIGN KEY, podendo somente utilizar REFERENCES. Esta constraint também pode ser desabilitada, para o caso de uma grande inserção de dados na tabela. A constraint FOREIGN KEY deve ser utilizada para manter integridade referencial e podemos ainda programar eventos em cascata utilizando as cláusulas ON DELETE e ON UPDADE.

15 Indíce (Index) Os índices são estruturas opcionais associadas às tabelas, as quais aumentam o desempenho da recuperação de dados. Assim como o índice de um livro ajuda a você a localizar as informações em um espaço de tempo bem menor, um índice do banco de dados fornece um caminho mais rápido para dados da tabela. Ao processar uma solicitação, o banco de dados pode usar de forma eficiente algum ou todos os índices disponíveis para localizar as linhas solicitadas. Eles são úteis quando os aplicativos consultam com freqüência um intervalo de linhas de uma tabela. Exemplo: Todos os empregados com salário maior que mil dólares ou uma linha específica. Os índices são criados em uma ou mais colunas de uma tabela. Depois de criado, ele é automaticamente atualizado e usado pelo banco de dados. As alterações nos bancos de dados tais como, o acréscimo, a atualização ou a exclusão de linhas é incorporado automaticamente e todos os índices relevantes com total visualização para usuários. Os índices são lógica e fisicamente independentes dos dados e podem ser excluídos e criados separadamente e a qualquer momento, sem afetar as tabelas ou os outros índices. Quando tirados, todos os aplicativos continuam funcionado; entretanto, o acesso aos dados indexados anteriormente agora será ou poderá se tornar mais lento. Com as inserções e exclusões ocorridas com o tempo, é possível que os índices, aos poucos, vão se degradando. Para isso, existe o papel de administrador de banco de dados (DBA) ou, em algumas organizações, o administrador de dados (DA) que monitora, analisa e reorganiza estes índices. Triggers A trigger (gatilho) é um objeto de banco de dados, associado a uma tabela, definido para ser disparado, respondendo a um evento em particular. Tais eventos são os comandos DML (Data Manipulation Language) INSERT; DELETE; UPDATE. Este objeto não é comum estar definido em todos os bancos de dados, a utilização depende da definição de regras a aplicar, em alguns casos não se aplica a utilização, em outros, é de fundamental necessidade. Exemplo: - Atualização de estoque após a venda de um produto;

16 Stored Procedures As Stored Procedures são os procedimentos armazenados e executados no servidor de banco de dados. Existem dois tipos de Stored Procedures: Select Procedure são procedures usadas como se fossem uma relação em um comando SELECT. Uma Select Procedure deve retornar um ou mais valores como parâmetros de saída, ou um erro. Executable procedures são procedures chamadas explicitamente por uma aplicação, através de comando EXECUTE PROCEDURE. Uma Executable procedure pode opcionalmente retornar valores e/ou erros. A sintaxe de ambos os tipos de Stored Procedures é a mesma, e a diferença é apenas conceitual, mudando a forma como são definidos e utilizados. No entanto, existem alguns comandos disponíveis que foram concebidos especificamente para um dos tipos. De qualquer forma, uma Stored Procedure pode opcionalmente receber um ou mais parâmetros de entrada. Outro detalhe é que as Stored Procedures são armazenadas na base de dados, portanto somente se tornam disponíveis para outras transações depois que aquela que o criou é finalizada por um comando COMMIT. Existem várias outras Stored Procedures que são de sistema, comuns em bancos de dados, não podem ser alteradas nem deletadas. Functions As functions(funções) são fornecidas pelo fabricante da solução de banco de dados e podem ser também geradas pelo usuário, de acordo com a necessidade. Uma UDF (Função Definida pelo Usuário) é uma extensão ou adição às funções internas existentes da linguagem SQL. Com UDFs, é permitido que você estenda a função do sistema de banco de dados, incluindo definições de funções a serem aplicadas no mecanismo do banco de dados. Ao incluir a função no mecanismo, você poderá economizar o esforço de recuperar linhas do banco de dados e aplicar funções semelhantes nos dados recuperados. Funções definidas pelo usuário permitem que o banco de dados explore as mesmas funções do mecanismo utilizadas pelos aplicativos. Elas fornecem maior interatividade entre o aplicativo e o banco de dados. Também contribuem com a alta produtividade para desenvolvedores de aplicativos, pois elas incentivam a reutilização de códigos. Como exemplo, pode-se criar uma simples função definida pelo o usuário que retorne o primeiro nome do cliente em uma tabela aonde só possui o nome completo.

17 Views A view (visão) é uma apresentação personalizada dos dados de uma ou mais tabelas. Ela também pode ser vista como uma consulta armazenada. As visões não contêm ou armazenam realmente os dados, mas elas os retiram das tabelas nas quais se baseiam, chamadas de tabelas base das visões. As tabelas base podem, por sua vez, serem tabelas mesmo ou visões. Assim como as tabelas, as visões podem ser consultadas, atualizadas, inseridas e excluídas com algumas restrições. Todas as operações executadas em uma visão, na verdade, afeta as tabelas base desta visão. Mesmo a apresentação de uma view ser em forma de tabela, em uma view não se aplica normalização aplicação das formas normais. Apresentação de um Modelo Entidade Relacionamento Básico O modelo abaixo apresentado será utilizado como uma base para as demonstrações no workshop.

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL

APOSTILA BANCO DE DADOS INTRODUÇÃO A LINGUAGEM SQL 1. O que é Linguagem SQL 2. Instrução CREATE 3. CONSTRAINT 4. ALTER TABLE 5. RENAME TABLE 6. TRUCANTE TABLE 7. DROP TABLE 8. DROP DATABASE 1 1. O que é Linguagem SQL 2. O SQL (Structured Query Language)

Leia mais

2008.1. A linguagem SQL

2008.1. A linguagem SQL SQL 2008.1 A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua primeira versão

Leia mais

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas

2008.1 SQL. Autor: Renata Viegas SQL Autor: Renata Viegas A linguagem SQL SQL - Structured Query Language. Foi definida nos laboratórios de pesquisa da IBM em San Jose, California, em 1974. Teve seus fundamentos no modelo relacional Sua

Leia mais

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS

UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS BANCO DE DADOS CURSO DE BACHARELADO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM PROCESSAMENTO DE DADOS CLAUDIO RIBEIRO DA SILVA MARÇO 1997 2 1 - CONCEITOS GERAIS DE 1.1 - Conceitos Banco de Dados - Representa

Leia mais

Programação SQL. Introdução

Programação SQL. Introdução Introdução Principais estruturas duma Base de Dados: Uma BD relacional é constituída por diversas estruturas (ou objectos ) de informação. Podemos destacar: Database: designa a própria BD; Table/Tabela:

Leia mais

SQL. Structured Query Language

SQL. Structured Query Language SQL Structured Query Language Construções básicas Junção de Tabelas Join O uso da operação JOIN numa cláusula FROM especifica como se deseja que as tabelas sejam vinculadas. Use INNER JOIN para associar

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Banco de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados Banco de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD

Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD Structured Query Language (SQL) Ambiente Simplificado de um SGBD 2 1 Características dos SGBDs Natureza auto-contida de um sistema de banco de dados: metadados armazenados num catálogo ou dicionário de

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Introdução ao SQL. O que é SQL?

Introdução ao SQL. O que é SQL? Introdução ao SQL 1 O que é SQL? Inicialmente chamada de Sequel, SQL (Structured Query Language), é a linguagem padrão utilizada para comunicar-se com um banco de dados relacional. A versão original foi

Leia mais

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011

Banco de Dados I. Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Banco de Dados I Aula 12 - Prof. Bruno Moreno 04/10/2011 Plano de Aula SQL Definição Histórico SQL e sublinguagens Definição de dados (DDL) CREATE Restrições básicas em SQL ALTER DROP 08:20 Definição de

Leia mais

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br

SQL DDL. Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Banco de Dados I SQL DDL Frederico D. Bortoloti freddb@ltc.ufes.br Introdução Modelo relacional encontra-se padronizado pela indústria de informática. Ele é chamado de padrão SQL (Structured Query Language)

Leia mais

Integridade dos Dados

Integridade dos Dados 1 Integridade dos Dados Integridade dos Dados Melissa Lemos melissa@inf.puc-rio.br A integridade dos dados é feita através de restrições, que são condições obrigatórias impostas pelo modelo. Restrições

Leia mais

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015

SQL - Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados. Professor: José Antônio. José Antônio - CEFET-RN 23/09/2015 SQL - Banco de Dados 1 Disciplina: Banco de Dados Professor: José Antônio 2 Tópicos de discussão Criando um banco de dados Incluindo, atualizando e excluindo linhas nas tabelas Pesquisa básica em tabelas

Leia mais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais

LINGUAGEM SQL. SQL Server 2008 Comandos iniciais 1 LINGUAGEM SQL SQL Server 2008 Comandos iniciais SQL - STRUCTURED QUERY LANGUAGE Quando os Bancos de Dados Relacionais estavam sendo desenvolvidos, foram criadas linguagens destinadas à sua manipulação.

Leia mais

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet

Faculdade Pitágoras 16/08/2011. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Sistemas para Internet Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível

Leia mais

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL

Faculdade Pitágoras. Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados. Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL Faculdade Pitágoras Curso Superior de Tecnologia: Banco de Dados Disciplina: Banco de Dados Prof.: Fernando Hadad Zaidan SQL A linguagem SQL é responsável por garantir um bom nível de independência do

Leia mais

SQL - Criação de Tabelas

SQL - Criação de Tabelas SQL - Criação de Tabelas André Restivo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto February 24, 2012 André Restivo (FEUP) SQL - Criação de Tabelas February 24, 2012 1 / 25 Sumário 1 Introdução 2 Tabelas

Leia mais

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak

Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP. Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Usando PostgreSQL na Regra de Negócio de um ERP Fabiano Machado Dias Eduardo Wolak Regra de negócio? São todas as regras existentes num sistema de informação, que ditam seu comportamento, suas restrições

Leia mais

Comandos de Manipulação

Comandos de Manipulação SQL - Avançado Inserção de dados; Atualização de dados; Remoção de dados; Projeção; Seleção; Junções; Operadores: aritméticos, de comparação,de agregação e lógicos; Outros comandos relacionados. SQL SQL

Leia mais

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL

SQL SQL BANCO DE DADOS 2. Componentes do SQL (1) Componentes do SQL (2) DDL Criação de banco de dados. Padrões de SQL BANCO DE DADOS 2 SQL (CREATE TABLE, CONSTRAINTS, DELETE, UPDATE e INSERT) Prof. Edson Thizon SQL SQL ( structured query language ) é uma linguagem comercial de definição e manipulação de banco de dados

Leia mais

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS)

SQL. Histórico BANCO DE DADOS. Conceito. Padrões de SQL (1) Componentes do SQL (1) Padrões de SQL (2) (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) BANCO DE DADOS SQL (DDL: CREATE TABLE, CONSTRAINTS) Prof. Edson Thizon Histórico Entre 1974 e 1979, o San José Research Laboratory da IBM desenvolveu um SGDB relacional que ficou conhecido como Sistema

Leia mais

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo

Comandos DDL. id_modulo = id_m odulo Comandos DDL Estudo de Caso Controle Acadêmico Simplificado Uma escola contém vários cursos, onde cada aluno possui uma matricula num determinado curso. Estes cursos, por sua vez, possuem módulos, aos

Leia mais

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1

PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 INTRODUÇÃO PHP INTEGRAÇÃO COM MYSQL PARTE 1 Leonardo Pereira leonardo@estudandoti.com.br Facebook: leongamerti http://www.estudandoti.com.br Informações que precisam ser manipuladas com mais segurança

Leia mais

SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language Janai Maciel SQL Structured Query Language (Banco de Dados) Conceitos de Linguagens de Programação 2013.2 Structured Query Language ( Linguagem de Consulta Estruturada ) Conceito: É a linguagem de pesquisa

Leia mais

Banco de Dados. Prof. Antonio

Banco de Dados. Prof. Antonio Banco de Dados Prof. Antonio SQL - Structured Query Language O que é SQL? A linguagem SQL (Structure query Language - Linguagem de Consulta Estruturada) é a linguagem padrão ANSI (American National Standards

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS

ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ADMINISTRAÇÃO DE BANCO DE DADOS ARTEFATO 02 AT02 Diversos I 1 Indice ESQUEMAS NO BANCO DE DADOS... 3 CRIANDO SCHEMA... 3 CRIANDO TABELA EM DETERMINADO ESQUEMA... 4 NOÇÕES BÁSICAS SOBRE CRIAÇÃO E MODIFICAÇÃO

Leia mais

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec

SQL. Curso Prático. Celso Henrique Poderoso de Oliveira. Novatec SQL Curso Prático Celso Henrique Poderoso de Oliveira Novatec 1 Introdução Desde o início da utilização dos computadores, sabemos que um sistema é feito para aceitar entrada de dados, realizar processamentos

Leia mais

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia

Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL. Helena Galhardas 2012 IST. Bibliografia Bases de Dados 2012/2013 Restrições de Integridade em SQL Helena Galhardas Bibliografia Raghu Ramakrishnan, Database Management Systems, Cap. 3 e 5 1 1 Sumário Restrições de Integridade (RIs) em SQL Chave

Leia mais

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01

Banco de Dados. Módulo 7 - Modelo Relacional. Definição do Esquema Relacional em SQL. modulo07.prz 1 10/09/01 Banco de Dados Módulo 7 - Modelo Relacional Definição do Esquema Relacional em SQL modulo07.prz 1 10/09/01 Introdução SQL linguagem padrão para SGBDs relacionais derivada do SEQUEL (Structured English

Leia mais

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados.

BANCO DE DADOS. Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Modelagem de Dados Normalização Objetivo: BANCO DE DADOS Eliminar redundâncias e inconsistências de um banco de dados, com reorganização mínima dos dados. Sub-Fases: Identificação das redundâncias e outros

Leia mais

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita:

SQL. SQL (Structured Query Language) Comando CREATE TABLE. SQL é uma linguagem de consulta que possibilita: SQL Tópicos Especiais Modelagem de Dados Prof. Guilherme Tavares de Assis Universidade Federal de Ouro Preto UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas ICEB Mestrado Profissional em Ensino de Ciências

Leia mais

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado

Introdução à Engenharia da Computação. Banco de Dados Professor Machado Introdução à Engenharia da Computação Banco de Dados Professor Machado 1 Sistemas isolados Produção Vendas Compras Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Banco de Dados Produtos... Desvantagens:

Leia mais

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios

BANCO DE DADOS. Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS Fixação dos conteúdos Integridade Referencial Normalização Exercícios BANCO DE DADOS X SGBD Banco de Dados: Um "banco de dados" pode ser definido como um conjunto de "dados" devidamente

Leia mais

Structured Query Language (SQL) Aula Prática

Structured Query Language (SQL) Aula Prática Structured Query Language (SQL) Aula Prática Linguagens de SGBD Durante o desenvolvimento do sistema R, pesquisadores da IBM desenvolveram a linguagem SEQUEL, primeira linguagem de acesso para Sistemas

Leia mais

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Universidade Federal da Paraíba UFPB Centro de Energias Alternativas e Renováveis - CEAR Departamento de Eng. Elétrica DEE BANCO DE DADOS CONCEITOS BÁSICOS Isaac Maia Pessoa Introdução O que é um BD? Operações

Leia mais

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br

Programação com acesso a BD. Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Programação com acesso a BD Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br 1 Agenda Linguagem SQL: Introdução; Construção/Definição de tabelas. 2 Linguagem SQL SQL - Structured Query Language;

Leia mais

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD

1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD Introdução 1. CONCEITOS BÁSICOS DE BD, SBD E SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi

Regras de Integridade. Profa. Késsia Marchi Regras de Integridade Restrições de Integridade Integridade refere-se a precisão ou correção de dados em um banco de dados; Restrição refere-se a impor uma condição para qualquer atualização. Antes de

Leia mais

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase.

Prof. Omero, pág. 63. Banco de Dados InterBase. Prof. Omero, pág. 63 O que é o InterBase? O InterBase é um SGBDR - Sistema Gerenciador de Banco de Dados Cliente/Servidor Relacional 1 que está baseado no padrão SQL ANSI-9, de alta performance, independente

Leia mais

Tarefa Orientada 19 Triggers

Tarefa Orientada 19 Triggers Tarefa Orientada 19 Triggers Objectivos: Criar triggers AFTER Criar triggers INSTEAD OF Exemplos de utilização Os triggers são um tipo especial de procedimento que são invocados, ou activados, de forma

Leia mais

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional

Modelo de Dados Relacional Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional e as Restrições de um Banco de Dados Relacional Modelo de Dados Relacional Conceitos do Modelo Relacional Representa o banco de dados como uma coleção de relações. Comparação

Leia mais

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011

BASES DE DADOS I LTSI/2. Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 BASES DE DADOS I LTSI/2 Universidade da Beira Interior, Departamento de Informática Hugo Pedro Proença, 2010/2011 A Linguagem SQL As raízes da linguagem SQL remontam a 1974, altura em que a IBM desenvolvia

Leia mais

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados

INTRODUÇÃO. Diferente de Bando de Dados INTRODUÇÃO Diferente de Bando de Dados 1 INTRODUÇÃO DADOS São fatos conhecidos que podem ser registrados e que possuem significado. Ex: venda de gasolina gera alguns dados: data da compra, preço, qtd.

Leia mais

O que são Bancos de Dados?

O que são Bancos de Dados? SQL Básico Liojes de Oliveira Carneiro professor.liojes@gmail.com www.professor-liojes.blogspot.com O que são Bancos de Dados? É o software que armazena, organiza, controla, trata e distribui os dados

Leia mais

Structured Query Language (SQL)

Structured Query Language (SQL) Structured Query Language (SQL) SQL-Breve Histórico : # CREATE, ALTER e DROP; # BEGIN TRANSACTION, ROLLBACK e COMMIT; # GRANT, REVOKE e DENY; 1 Structured Query Language (SQL) Desenvolvida pelo departamento

Leia mais

Formação em Banco de Dados. Subtítulo

Formação em Banco de Dados. Subtítulo Formação em Banco de Dados Subtítulo Sobre a APTECH A Aptech é uma instituição global, modelo em capacitação profissional, que dispõe de diversos cursos com objetivo de preparar seus alunos para carreiras

Leia mais

Linguagem SQL (Parte II)

Linguagem SQL (Parte II) Universidade Federal de Sergipe Departamento de Sistemas de Informação Itatech Group Jr Softwares Itabaiana Site: www.itatechjr.com.br E-mail: contato@itatechjr.com.br Linguagem SQL (Parte II Introdução

Leia mais

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br

Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Abordagem geral Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br Em primeiro plano, deve-se escolher com qual banco de dados iremos trabalhar. Cada banco possui suas vantagens,

Leia mais

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL

Banco de Dados. Marcio de Carvalho Victorino www.dominandoti.eng.br. Exercícios SQL Banco de Dados Exercícios SQL 1 TRF (ESAF 2006) 32. Analise as seguintes afirmações relacionadas a Bancos de Dados e à linguagem SQL: I. A cláusula GROUP BY do comando SELECT é utilizada para dividir colunas

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br Na última aula estudamos Unidade 4 - Projeto Lógico Normalização; Dicionário de Dados. Arquitetura

Leia mais

SQL (Structured Query Language)

SQL (Structured Query Language) (Structured Query Language) I DDL (Definição de Esquemas Relacionais)... 2 I.2 Domínios... 2 I.3 Criação de Tabelas... 2 I.4 Triggers... 4 II DML Linguagem para manipulação de dados... 5 II.2 Comando SELECT...

Leia mais

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável.

SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. SQL (Structured Query Language) SQL é uma linguagem de consulta que implementa as operações da álgebra relacional de forma bem amigável. Além de permitir a realização de consultas, SQL possibilita: definição

Leia mais

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados

Capitulo 2. Prof.º Espc. Fábio Margarito Martins de Barros - Tecnologia de banco de dados Capitulo 2 1. MODELO LÓGICO DE BANCO DE DADOS... 2 1.1 Definição... 2 1.2 Mapeando o modelo conceitual para o modelo lógico... 2 1.2 Dicionário de dados... 3 2. MODELO FÍSICO DO BANCO DE DADOS... 4 2.1

Leia mais

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES

AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES BANCO DE DADOS GERENCIAL 1 AULA 6 INTEGRIDADOS DOS DADOS - CRIANDO RESTRIÇÕES Integridade de domínio A integridade de domínio é a validade de entradas para uma coluna específica. É possível aplicar a integridade

Leia mais

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br BANCO DE DADOS -INTRODUÇÃO AO SQL Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br INTRODUÇÃO AO SQL Ferramentas brmodelo Ferramenta Case PostgreSQL versão 8 ou superior SGBD Em 1986 o American

Leia mais

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08

Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 Exercícios Exercícios de Lógica Exercícios de Fixação 08 1. A linguagem SQL apresenta uma série de comandos que permitem a definição dos dados, chamada de DDL (Data Definition Language). Assinale a alternativa

Leia mais

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri

SQL Linguagem de Definição de Dados. Laboratório de Bases de Dados Profa. Dra. Cristina Dutra de Aguiar Ciferri SQL Linguagem de Definição de Dados SQL Structured Query Language Uma das mais importantes linguagens relacionais (se não a mais importante) Exemplos de SGBD que utilizam SQL Oracle Informix Ingress SQL

Leia mais

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela

SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela SQL Server Triggers Aprenda a utilizar triggers em views e auditar as colunas atualizadas em uma tabela Certamente você já ouviu falar muito sobre triggers. Mas o quê são triggers? Quando e como utilizá-las?

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM COLÉGIO AGRÍCOLA DE FREDERICO WESTPHALEN BANCO DE DADOS II BANCO DE DADOS II AULA 1 Linguagem SQL Linguagem de definição de dados (DDL) DISCIPLINA: Banco de Dados

Leia mais

Capítulo 6 Regras de Integridade. Murilo S. de Camargo (Modificações M.A R. Dantas)

Capítulo 6 Regras de Integridade. Murilo S. de Camargo (Modificações M.A R. Dantas) Capítulo 6 Regras de Integridade Murilo S. de Camargo (Modificações M.A R. Dantas) 1 Restrições de Integridade ❾ Restrições de Domínio ❾ Integridade Referencial ❾ Asserções ❾ Gatilhos (Triggers) ❾ Dependências

Leia mais

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language)

Básico da Linguagem SQL. Definição de Esquemas em SQL. SQL(Structured Query Language) Básico da Linguagem SQL Definição de Esquemas em SQL SQL(Structured Query Language) Desenvolvida como a linguagem de consulta do protótipo de SGBD Sistema R (IBM, 1976). Adotada como linguagem padrão de

Leia mais

Neste curso estaremos estudando conceitos e práticas normalmente utilizadas quando projetamos em banco de dados relacionais.

Neste curso estaremos estudando conceitos e práticas normalmente utilizadas quando projetamos em banco de dados relacionais. 1 INTRODUÇÃO Neste curso estaremos estudando conceitos e práticas normalmente utilizadas quando projetamos em banco de dados relacionais. Vamos utilizar neste curso o Sistema Gerenciador de Banco de Dado

Leia mais

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL

Linguagem SQL Sub-linguagem DDL Linguagem SQL Sub-linguagem DDL A SQL - Structured Query Language, foi desenvolvido pela IBM em meados dos anos 70 como uma linguagem de manipulação de dados (DML - Data Manipulation Language para suas

Leia mais

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03)

BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE. C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) MBA em Gestão de TI MÓDULO: BANCO DE DADOS E BUSINESS INTELIGENCE C/H: 20 horas (20/02, 25/02, 27/02, 04/03, 06/03) PROFESSOR: Edison Andrade Martins Morais prof@edison.eti.br http://www.edison.eti.br

Leia mais

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS

AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS AULA 2 INTERAÇÃO COM O BANCO DE DADOS BANCO DE DADOS POSTGRESQL O PostgreSQL é um sistema gerenciador de banco de dados dos mais robustos e avançados do mundo. Seu código é aberto e é totalmente gratuito,

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Núcleo de Pós Graduação Pitágoras Professor: Fernando Zaidan Disciplina: Modelagem e Projeto de Banco de Dados Especialização em Tecnologia da Informação - Ênfases Março- 2009 1 Modelo Físico Introdução

Leia mais

MSc. Daniele Carvalho Oliveira

MSc. Daniele Carvalho Oliveira MSc. Daniele Carvalho Oliveira AULA 2 Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 2 CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE BANCO DE DADOS Administração de Banco de Dados: MSc. Daniele Oliveira 3 Conceitos

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM SQL CRIAÇÃO DE BANCO DE DADOS E OTIMIZAÇÃO DE CONSULTAS Esclarecimento Licenciamento de Uso Este documento é propriedade intelectual 2012 da NRSYSTEM COMÉRCIO E SERVIÇOS DE INFORMÁTICA LTDA-ME, consiste de uma compilação de diversos materiais entre livros,

Leia mais

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos

Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Roteiro 9 - SQL Básico: chave estrangeira, operadores de comparação e operadores booleanos Objetivos: Criar restrições para atributos, chaves primárias e estrangeiras; Explorar consultas SQL com uso de

Leia mais

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br

BANCO DE DADOS. info 3º ano. Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS info 3º ano Prof. Diemesleno Souza Carvalho diemesleno@iftm.edu.br www.diemesleno.com.br BANCO DE DADOS Unidade 1 - Introdução Dados; Banco de Dados; Base de Dados; Projeto de Banco de Dados.

Leia mais

Gestão de Tecnologia da Informação

Gestão de Tecnologia da Informação Gestão de Tecnologia da Informação Banco de Dados Prof. Gilberto B. Oliveira Tópicos Projeto de Banco de Dados (Button-Up) Modelagem conceitual Modelagem lógica Exemplo: Implementação do modelo Escola

Leia mais

Histórico de revisões

Histórico de revisões Apostila 3 Histórico de revisões Data Versão Descrição Autor 30/09/2011 1.0 Criação da primeira versão HEngholmJr CONTEÚDO Exclusão de registros Consultas por Dados de Resumo Group by / Having Funções

Leia mais

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37

Sumário. Capítulo 2 Conceitos Importantes... 32 Tópicos Relevantes... 32 Instance... 33 Base de Dados... 36 Conclusão... 37 7 Sumário Agradecimentos... 6 Sobre o Autor... 6 Prefácio... 13 Capítulo 1 Instalação e Configuração... 15 Instalação em Linux... 15 Instalação e Customização do Red Hat Advanced Server 2.1... 16 Preparativos

Leia mais

Operação de União JOIN

Operação de União JOIN Operação de União JOIN Professor Victor Sotero SGD 1 JOIN O join é uma operação de multi-tabelas Select: o nome da coluna deve ser precedido pelo nome da tabela, se mais de uma coluna na tabela especificada

Leia mais

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período:

Disciplina: Unidade III: Prof.: E-mail: Período: Encontro 08 Disciplina: Sistemas de Banco de Dados Unidade III: Modelagem Lógico de Dados Prof.: Mario Filho E-mail: pro@mariofilho.com.br Período: 5º. SIG - ADM Relembrando... Necessidade de Dados Projeto

Leia mais

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados

Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Tarefa Orientada 15 Manipulação de dados Objectivos: Criação de tabelas teste Comando INSERT INTO Inserção de dados Comando INSERT Actualização de dados Comando UPDATE Eliminação de dados Comando DELETE

Leia mais

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language

Programação SQL. Manipulação de Dados. DML Data Manipulation Language Programação SQL Manipulação de Dados DML Data Manipulation Language Manipulação de Dados (DML) Os comandos INSERT, UPDATE, DELETE, são normalmente classificados como pertencendo a uma sublinguagem da linguagem

Leia mais

MODELO RELACIONAL - UFMA

MODELO RELACIONAL - UFMA MODELO RELACIONAL Universidade Federal do Maranhão - UFMA Departamento de Informática Projeto de Banco de Dados Profª.MSc Simara Rocha simararocha@gmail.com/simara@deinf.ufma.br www.deinf.ufma.br/~simara

Leia mais

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados

Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados Sistemas de Banco de Dados Aspectos Gerais de Banco de Dados 1. Conceitos Básicos No contexto de sistemas de banco de dados as palavras dado e informação possuem o mesmo significado, representando uma

Leia mais

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL)

Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Linguagem de Consulta Estruturada (SQL) Conceitos sobre a versão ANSI da SQL, a sublinguagem de definição de dados (DDL) e a sublinguagem de manipulação de dados (DML) Prof. Flavio Augusto C. Correia 1

Leia mais

Oracle 10g: SQL e PL/SQL

Oracle 10g: SQL e PL/SQL Oracle 10g: SQL e PL/SQL PL/SQL: Visão Geral Enzo Seraphim Visão Geral Vantagens de PL/SQL Suporte total à linguagem SQL Total integração com o Oracle Performance Redução da comunicação entre a aplicação

Leia mais

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico

BANCO DE DADOS. Introdução a Banco de Dados. Conceitos BásicosB. Engenharia da Computação UNIVASF. Aula 1. Breve Histórico Banco de Dados // 1 Banco de Dados // 2 Conceitos BásicosB Engenharia da Computação UNIVASF BANCO DE DADOS Aula 1 Introdução a Banco de Dados Campo representação informatizada de um dado real / menor unidade

Leia mais

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1

Faculdade Lourenço Filho - ENADE 2011-1 1. Quando se constrói um banco de dados, define-se o modelo de entidade e relacionamento (MER), que é a representação abstrata das estruturas de dados do banco e seus relacionamentos. Cada entidade pode

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I

CONCEITOS BÁSICOS. 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD BANCO DE DADOS I CONCEITOS BÁSICOS 1. Conceitos básicos de BD, SBD e SGBD A importância da informação para a tomada de decisões nas organizações tem impulsionado o desenvolvimento dos sistemas de processamento de informações.

Leia mais

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício

Introdução à Banco de Dados. Nathalia Sautchuk Patrício Introdução à Banco de Dados Nathalia Sautchuk Patrício Histórico Início da computação: dados guardados em arquivos de texto Problemas nesse modelo: redundância não-controlada de dados aplicações devem

Leia mais

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática

SQL. Definição do Esquema da Base de Dados. Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL Definição do Esquema da Base de Dados Cristina C. Vieira Departamento de Engenharia Eletrónica e Informática SQL - Esquema da base de dados Definição das tabelas Definição das chaves primárias Definição

Leia mais

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language

SQL Structured Query Language. SQL Linguagem de Definição de Dados. SQL Structured Query Language. SQL Structured Query Language Pós-graduação em Ciência da Computação CCM-202 Sistemas de Banco de Dados SQL Linguagem de Definição de Dados Profa. Maria Camila Nardini Barioni camila.barioni@ufabc.edu.br Bloco B - sala 937 2 quadrimestre

Leia mais

Triggers em PostgreSQL. Linguagem de Programação de Banco de Dados. Triggers em PostgreSQL. Triggers em PostgreSQL

Triggers em PostgreSQL. Linguagem de Programação de Banco de Dados. Triggers em PostgreSQL. Triggers em PostgreSQL Prof. Ms. Luiz Alberto Contato: lasf.bel@gmail.com Linguagem de Programação de Banco de Dados Triggers em PostgreSQL Todos os bancos de dados comerciais possuem uma linguagem procedural auxiliar para a

Leia mais

1. Domínio dos Atributos

1. Domínio dos Atributos Structure Query Language SQL Guilherme Pontes lf.pontes.sites.uol.com.br 1. Domínio dos Atributos Por domínio, ou tipo, pode-se entender como a maneira como determinado atributo (ou campo, se tratando

Leia mais

4.6. SQL - Structured Query Language

4.6. SQL - Structured Query Language 4.6. SQL - Structured Query Language SQL é um conjunto de declarações que é utilizado para acessar os dados utilizando gerenciadores de banco de dados. Nem todos os gerenciadores utilizam SQL. SQL não

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO

NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO NORMA TÉCNICA PARA DEFINIÇÃO DE OBJETOS DE BANCO DE DADOS E DE ESTRUTURAS DE ARMAZENAMENTO QUE CONSTITUEM O BANCO DE DADOS CORPORATIVO Referência: NT-AI.04.04.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.04.04.01.pdf

Leia mais

Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016

Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016 2015 Cursos Guia DBA Pacote Curso SQL Server 2014 e o passo a passo para otimização SQL Server 2016 O pacote inclui os dois cursos mais simulados para a prova de certificação, exercícios, e-book e app

Leia mais

1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão.

1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão. 1- Identifique para cada questão abaixo, se o enunciado se refere a View, Stored Procedures, Trigger ou Function. Apenas um por questão. a- Representam tabelas virtuais não armazenadas, compostas de campos

Leia mais

Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados

Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados UTFPR DAELN - Disciplina de Fundamentos de Programação II ( IF62C ). 1 Persistência de Classe e Auto- Relacionamento em Tabelas de Banco de Dados 1) Introdução! Em algumas situações, pode ser necessário

Leia mais

O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma:

O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma: 1 CREATE TABLE O comando CREATE TABLE cria a tabela solicitada e obedece à seguinte forma: CREATE TABLE (), (

Leia mais

Projeto de Banco de Dados: Empresa X

Projeto de Banco de Dados: Empresa X Projeto de Banco de Dados: Empresa X Modelo de negócio: Empresa X Competências: Analisar e aplicar o resultado da modelagem de dados; Habilidades: Implementar as estruturas modeladas usando banco de dados;

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI

Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Curso Superior de Tecnologia em BD Curso Superior de Tecnologia em DAI Fundamentos de Banco de Dados Aula 01 Introdução aos Sistemas de Bancos de Dados Introdução aos Sistemas de BD Objetivo Apresentar

Leia mais

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

BANCO DE DADOS II Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 11-1. INTRODUÇÃO TRIGGERS (GATILHOS OU AUTOMATISMOS) Desenvolver uma aplicação para gerenciar os dados significa criar uma aplicação que faça o controle sobre todo ambiente desde a interface, passando

Leia mais

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES

Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES UNICE Ensino Superior Linguagem de Programação Ambiente Cliente Servidor. Modelo Cliente/Servidor Por HIARLY ALVES Fortaleza - CE CONCEITOS Cliente x Servidor. Cliente É um programa (software) executado

Leia mais