Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1"

Transcrição

1 46 IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES QUANTO AO ASPECTO AMBIENTAL EM UMA FÁBRICA DE TINTAS DE PEQUENO PORTE Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1 RESUMO: A indústria química é responsável por significativa poluição ambiental em seus processos produtivos. O setor de tintas, assim como outros, utiliza recursos e gera resíduos que causam impactos ambientais negativos se não houver a disposição adequada e o racional uso de água e energia. O mau gerenciamento, também, pode passar uma imagem negativa para o público e acarretar custos desnecessários. A avaliação, o controle da geração, o tratamento e a disposição final dos resíduos compõem ferramentas fundamentais no processo de gestão ambiental, na qual também visa à otimização da utilização de recursos naturais. O presente trabalho buscou identificar oportunidades quanto ao aspecto ambiental de uma fábrica de tintas de pequeno porte situada na cidade de Jacareí, (SP), visando uma possível e futura implementação de uma gestão ambiental. O estudo foi desenvolvido em quatro etapas. A primeira constituiu-se da descrição da empresa, a segunda da caracterização dos resíduos gerados pelo processo de fabricação das tintas e do levantamento do consumo de energia e água. Para a terceira etapa, foram levantadas as oportunidades de redução de custos e para a última etapa foram propostas alternativas de minimização na produção de resíduos e economia de energia e água. Os resultados obtidos mostraram que as alternativas para a minimização da geração de resíduos e a redução do consumo de água e energia são opções que devem ser levadas em consideração para um futuro gerenciamento ambiental da fábrica de tintas, pois estas medidas, além de apresentar custo, relativamente, baixo, proporcionam redução de gastos com consumos desnecessários, aumentando a lucratividade e trazendo uma imagem positiva da empresa para a sociedade. Palavras- Chave: Gestão ambiental. Indústria de tintas. Minimização de desperdícios. Recebido em 20 jul Aceito em 27 set Faculdade de Tecnologia São Francisco FATESF.

2 47 Environmental Opportunities Identification in Paint Company ABSTRACT: Chemical Industry is responsible for a significant part of the environment pollution on its production process. The paint sector, as the others, uses resources and generates residues that cause negative environment impacts if there is not an adequate provision and rational use of energy and water. Wrong management can also show a negative image for the public and result in unnecessary spending. The evaluation, the generation control, the treatment and the final disposition of residues are part of fundamental tools on the environmental managing process that also aims the optimization of the use of natural resources. The present work identified opportunities on the environmental aspects on a smallsize paint factory located in Jacareí, (SP), aiming a possible and future deployment of an environmental management. The study was conducted in four stages. The first one was the description of the company. The second one was the characterization of the generated waste by the manufacturing paint process and consumption of energy and water. For the third stage was a raised opportunity for cost reduction and for the last stage were proposed alternatives in minimizing waste and saving energy and water. The results showed that the alternatives to the minimization of waste generation and reduction of water consumption and energy are options that should be taken into consideration for future environmental management of paints manufacturing, as these measures also provide relatively low cost, provide a reduction of unnecessary consumption expenditures, increasing profitability and providing a good image to society. Keywords: Environmental management. Paint industry. Waste minimization. 1 INTRODUÇÃO A partir da revolução industrial do século XVIII, o planeta Terra vem vivenciando um aumento desenfreado da população e, consequentemente, um crescimento acelerado de descargas de poluição de diversos tipos em toda sua biosfera. As pessoas, cada vez mais, têm consumido produtos que necessitam da extração de matéria-prima, muitas vezes não renovável, e que, após serem consumidos, geram o lixo que é devolvido ao meio ambiente (BRAGA et al., 2005).

3 48 Dentre os setores que mais poluem o meio ambiente, encontram-se, em grande porcentagem, as indústrias, pois geram em maior quantidade lixos e desmatamentos todos os dias e dentre as mais poluidoras está a indústria química, que tem contribuído, fortemente, com as descargas de poluição, tanto do tipo gasoso quanto o sólido e o líquido (FERREIRA e FILHO, 1987). Na indústria química é produzida uma série de materiais sólidos e resíduos oleosos, em grande parte, contaminados com agentes químicos, de difícil reaproveitamento imediato. Em consequência, há uma enorme dificuldade em dar um destino final apropriado a esse passivo ambiental (VALENTIM et al., 2006). Devido a esses acontecimentos, empresas de todos os setores vêm se preocupando com a responsabilidade ambiental pertinente a elas. Atualmente, grandes empresas de todo o mundo já estão aderindo à Gestão Ambiental para minimizar os efeitos causados pela produção de diversos tipos de resíduos. Porém, nas empresas destinadas à fabricação de tintas, ainda, a implementação de projetos que visem a uma gestão voltada à preservação do meio ambiente e à utilização do marketing verde na divulgação de sua marca, bem como a promoção e a minimização de custos de produção, tem sido pouco empregada. A avaliação, o controle da geração, o tratamento e a disposição final dos resíduos compõem ferramentas fundamentais no processo de gestão ambiental, na qual também visa à otimização da utilização de recursos naturais, que tem como base a ISO 14000, a qual desenvolve e promove normas e padrões para o desempenho ambiental geral (ISO, 2005). Este trabalho teve por objetivos analisar uma empresa do segmento químico, ramo de tintas imobiliárias, buscando identificar oportunidades de melhoria no aspecto ambiental pela redução do desperdício e pelo tratamento de resíduos gerados no processo de fabricação das tintas, além de propor um plano de Gestão Ambiental futuro. 2 MATERIAL E MÉTODOS A presente pesquisa foi realizada em uma fábrica de tintas de pequeno porte, localizada no município de Jacareí/SP. Para auxiliar a gestão da organização a equilibrar seus interesses econômico-financeiros com os impactos ao meio ambiente, gerados por sua atividade, fez-se um estudo em cada um dos setores que a compõem, identificando oportunidades na redução de desperdícios, bem como avaliando a possibilidade de implementação de uma gestão ambiental e a compatibilidade da utilização da norma ISO As etapas de trabalho desenvolvidas foram: a) diagnóstico da empresa; b) levantamento

4 49 e caracterização de resíduos; c) oportunidades de redução de custos e d) alternativas para minimização na produção de resíduos. 2.1 Diagnóstico da empresa Na primeira etapa do trabalho, foi feito um reconhecimento da empresa: sua localização, número de funcionários, processo de fabricação e tipos de matérias-primas utilizadas nos produtos e, também, um conhecimento de sua visão a respeito do meio ambiente, iniciando o projeto de minimização na produção de resíduos. A empresa possui aproximadamente 50 funcionários, com somente o turno das 07h às18h, operando cinco dias por semana. Seus produtos são o látex, textura, grafiatto, entre outros do segmento. As embalagens dos produtos são variadas, de acordo com cada material, e diversificadas entre as cores amarelo e vermelho, branco e azul. O cliente, na compra do produto, pode optar pelo galão de 3,6 l ou, se preferir, pelas latas de 18 l, sendo que as texturas e os grafiattos são vendidos em barricas que variam de 25 a 30 kg. As lojas de materiais de construção são as responsáveis pela compra dos produtos e de sua divulgação, revenda. A empresa, também, abre algumas exceções vendendo seus produtos às construtoras que desejam comprar, diretamente, da fábrica. Os concorrentes diretos da marca são as indústrias de fabricação de Látex. Já os concorrentes indiretos são as revendedoras dos produtos, ou seja, as lojas de materiais de construção, que são as principais responsáveis pela compra final do produto. A empresa em estudo não possui uma Gestão Ambiental, apesar de fazer uso de um projeto de reutilização da água. No entanto, não divulga esta prática como um diferencial para sua marca. Sua produção gera resíduos sólidos em, praticamente, todas as etapas do processo de fabricação, dentre os quais se destacam resíduos com potencial para reciclagem, resíduos contaminados por produtos químicos, resíduos orgânicos e de escritório e lodo proveniente da limpeza de tanques utilizados na fabricação de tintas. Mesmo com o conhecimento dos danos causados ao meio ambiente, a empresa, ainda, não dispõe de projetos que incluam a reciclagem de materiais e redução de emissão de resíduos poluidores. Por isso, existe a grande necessidade de inserir em seu contexto uma gestão mais voltada para a área ambiental, utilizando uma produção mais limpa e reciclagem de todos os materiais possíveis dentro da empresa.

5 Levantamento e caracterização de resíduos A Tabela 1 apresenta o levantamento dos resíduos gerados nos diferentes setores da fábrica de tintas e o destino dado aos mesmos. Foram levantados, também, os principais impactos ambientais que a empresa causa, bem como as relações de causa e efeito entre o processo de fabricação de tintas e o meio ambiente. Os principais impactos ambientais estão associados tanto ao processo produtivo, como à geração de efluentes, ao próprio uso dos produtos ou mesmo à geração de resíduos de embalagem pós-uso. A emissão dos compostos orgânicos voláteis resulta de diversos processos, como: combustão incompleta; emissões durante todas as etapas do processo de fabricação; emissões fugitivas de silos de matéria-prima; limpeza de equipamentos; vazamentos de selos, gaxetas e válvulas de tubulações. Já a emissão de materiais particulados está relacionada, principalmente, aos processos de pesagem de matérias-primas sólidas (pós) e dispersão. Tabela 1- Resíduos gerados nos diferentes setores da fábrica de tintas e o destino dado aos mesmos. SETOR ETAPAS RESÍDUO GERADO DESTINO Escritório Administrativa Material de Escritório Lixo Urbano Sacaria de papel em tambores Pesagem Estopas Lixo Urbano / em tambores Equipamentos de proteção Lixo Urbano / em tambores individual (EPI) Sacaria de papel Lixo Urbano / em tambores Estopas Lixo Urbano / em tambores EPI Lixo Urbano / em tambores Dispersão / Solventes para limpeza dos Empresa especializada Completagem equipamentos Produção Papel em tambores Papelão Lixo Urbano / em tambores Material para pintura Lixo Urbano Embalagens fora de Lixo Urbano especificação Plásticos em tambores Envase Papelão em tambores Estopas Lixo Urbano/ em tambores Filtro Cuno em tambores Água para limpeza dos Estação de tratamento da empresa equipamentos

6 51 A maior fonte de geração de efluentes está nas operações de lavagem entre lotes de cores diferentes. Uma vez descarregados os equipamentos, estes são lavados com água, solventes e solução de NaOH. São gerados efluentes que contêm altas concentrações de solventes e sólidos suspensos, geralmente coloridos, que requerem tratamento. A composição dos efluentes não varia em função do tipo de produto elaborado, porém algumas substâncias que, normalmente, estão presentes podem ocorrer em concentrações acima das permitidas em legislação específica, para lançamento sem tratamento prévio, como por exemplo: óleos e graxas, pigmentos e fosfatos. 2.3 Oportunidades de redução de custos A Tabela 2 mostra as possíveis alternativas de minimização de custos para a fábrica de tintas estudada. As alternativas de minimização de custos propostos na Tabela 2 foram baseadas na NBR ISO (2004) e em algumas cartilhas disponibilizadas por órgãos regulamentadores do Sistema de Gestão Ambiental no Brasil, como: Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (ABRAFATI, 2006), que coordena no Brasil o Programa Coatings Care, que prevê a atuação responsável em tintas no Brasil; Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB, 2006), que oferece aos fabricantes de tintas um conjunto de procedimentos e soluções integradas para administrar os aspectos de suas atividades relacionadas com o meio ambiente, a segurança e a saúde ocupacional e o estudo desenvolvido por Macedo et al. (2008).

7 52 Tabela 2 - Alternativas de minimização de custos para a fábrica de tintas estudada. Processo Alternativa de Minimização Justificativa Gradação de Realizar a ordenação dos lotes por critério Diminuição da freqüência das cores e de cores, iniciando pelas cores mais operações de limpeza, resultando formulações compatíveis claras, passando gradativamente, para as mais escuras na redução de água ou solventes e dos efluentes e resíduos gerados Adequação de O leiaute da disposição das máquinas Redução do consumo de energia leiaute deverá permitir que as etapas possam ser elétrica realizadas por gravidade e com otimização no uso de bombas Lavagem de Aplicar um sistema de alta pressão para A aplicação de lavagem a alta tachos a alta remover a tinta aderida às paredes dos pressão reduz o consumo de água pressão tachos e de produtos de limpeza Limpeza em Para a limpeza de tachos e equipamentos Economia de água contracorrente utilizar primeiro a solução de limpeza já utilizada e no final uma solução limpa Reciclagem do O solvente sujo deverá ser recuperado e as Aumento da eficiência de limpeza solvente borras separadas por cores e destinadas ao e diminuição na geração de sujo/borra reaproveitamento poluição Compressores e Adotar medidas simples de controle de Manutenção periódica linhas de ar vazamentos; projetos de linha: conexões, comprimido curvas, medidores, etc. Motores Manutenção preventiva Redução de consumo de energia e melhora na eficiência do processo Embalagens de Utilizar embalagens retornáveis ou as Redução na geração de resíduos matérias-primas feitas com materiais recicláveis Sistema First In Controlar as entradas e saídas de modo a Minimização da perda de material First Out (FIFO) respeitar seus prazos de validade causada por acondicionamento inadequado Uso de tanques e moinhos fechados Fechamento com tampas, reduzir a emissão de compostos orgânicos voláteis e de material particulado Minimização da perda de solventes e de matérias-primas sólidas 2.4 Alternativas de minimização de resíduos Foram consideradas práticas comuns de minimização de resíduos, evitando-se o uso de tecnologias caras ou complicadas. Para tal, foi elaborado um plano que visa a uma produção mais limpa e organizada que, consequentemente, acarretará diminuição de poluição e desperdícios para a empresa.

8 53 Ao aderir a uma produção mais limpa, deve-se levar em consideração boas práticas de fabricação, com o uso racional dos recursos, melhoria de processo, otimização de formulação, etc. Além disso, devem ser consideradas as possibilidades de reciclagem de diversos resíduos e reaproveitamento de solventes em outros processos, como observado na Tabela Proposta futura: Implementação do Marketing Verde A empresa, futuramente, após implentar o projeto de Gestão Ambiental em seus setores, poderá contratar uma empresa terceirizada de Marketing para modificar as embalagens e propagandas colocando em evidência a responsabilidade ambiental adquirida. Dessa forma, seus clientes ficarão informados das vantagens em adquirir um produto da empresa. Resíduos Administrativo/ Escritório Resíduos Contaminados com tinta Plástico Limpo Resíduos de Papelão e papel Resíduos comuns (escritório, refeitório) Resíduos de papel e papelão contaminados Embalagens de fungicida e bactericida Tabela 3 - Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Medidas Preventivas e Corretivas Mudança de hábitos e processos Acondicionamento em coletor específico Acondicionamento em coletor ou acondicionamento em coletor específico Acondicionamento em coletores comuns Acondicionamento em coletores comuns temporário de resíduos perigosos Coleta e Transporte Interno Coletor cheio levado à área de armazenamento Coletor cheio levado à área de armazenamento. Uso de botas, luvas e máscara Coletor cheio levado à área de armazenamento Uso de botas, luvas e máscara Coletor cheio levado à área de armazenamento Coletor cheio levado à área de armazenamento Uso de botas, luvas e máscara em local coberto, impermeabilizado em local coberto, impermeabilizado em local indicado em local indicado para não contaminação Armazenados para a coleta da prefeitura (terças e quintas-feiras à tarde) em local coberto, impermeabilizado em local coberto, impermeabilizado Reciclagem Resíduos comercializados Resíduos contaminados destinados ao aterro Resíduos comercializados Resíduos comercializados Não se aplica Não se aplica Não se aplica

9 54 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Análise da empresa em estudo: identificando problemas e possíveis soluções Na identificação de oportunidades que levem em consideração o aspecto ambiental torna-se fundamental que toda a empresa esteja envolvida, pois a falta de informação aos profissionais sobre as prováveis mudanças e a implementação de um programa de educação ambiental, poderá comprometer todo o andamento de um plano de gestão. Com isso, faz-se, essencialmente, necessário promover palestras explicativas para a destinação correta dos materiais e a implementação da educação ambiental, por se tratar de um processo contínuo, visando ao aprimoramento dos conceitos na área. Os colaboradores da empresa são a peça chave para que a implementação seja realizada com o sucesso esperado, pois são eles que irão operar todas as fases da produção e gerar, em maior quantidade, os resíduos na empresa, além de dar o destino correto, evitando os desperdícios, colaborando, relevantemente, para a produção mais limpa. Se os colaboradores estiverem conscientes e motivados a colaborar, integralmente, com as mudanças propostas na empresa, haverá uma alta margem de sucesso e um resultado pleno. A contratação de uma empresa de consultoria para treinamentos aos funcionários é o ponto essencial para que a gestão não tenha falhas. Apesar de representar alto valor, sem esta consultoria, não haverá grandes chances de sucesso. Outro fator que, provavelmente, necessitará de investimentos, diz respeito à mudança da manutenção dos compressores e linhas de ar comprimido, que deverá passar de semestral para mensal. Em análise da empresa, percebe-se que esta poderá tomar a decisão de implementar a gestão ambiental sem correr riscos de grandes desembolsos, já que o valor de se implementar uma Gestão Ambiental apresenta-se relativamente baixo em consideração às benfeitorias que poderá vir a adquirir. Em todo processo de mudança, inevitavelmente, geram-se alguns conflitos. Acredita-se que no processo de gradação de cores e formulações compatíveis, a mudança política da empresa envolverá uma série de novos estudos para remontar as ordens de trabalho e linha de montagem. Já na adequação do novo leiaute, deverá haver uma relativa redução da produção/h, porém, com a conscientização do problema ambiental, um ou dois dias de treinamento serão necessários para a sua reorganização. Quando esta medida for aplicada, espera-se que os funcionários fiquem motivados a trabalhar em uma empresa que se

10 55 preocupa com o meio ambiente, podendo realizar o marketing boca a boca para amigos, parentes e conhecidos, gratuitamente, tendo, também, como retorno para a empresa a economia de energia. Quanto aos funcionários responsáveis pela limpeza ao mudarem para a lavagem de alta pressão de tachos de tintas aquosas, espera-se a redução do tempo de lavagem, diminuição do consumo de água e a consequente redução do volume de lodo gerado. Para a reciclagem do solvente sujo, a empresa precisará adquirir recipientes (tambores) para o armazenamento das borras até o dia da coleta, devendo, assim, pagar horas extras ao funcionário que ficar responsável pela separação e entrega à empresa coletora. Com isto, haverá aumento da eficiência na limpeza, diminuição da emissão de resíduos poluidores, além do benefício para o marketing da empresa. Os compressores e linhas de ar comprimido precisam da manutenção periódica, pois esta garante melhor eficiência e, muitas vezes, evita a compra de adicionais para suprir a demanda. Para tal tornar-se-á necessária a contratação de uma empresa terceirizada que faça mensalmente a manutenção das máquinas e equipamentos. Para os motores, a empresa em estudo já possui uma terceirizada que realiza a manutenção semestralmente, e para que seja mensal, ocorrerá um encarecimento da manutenção, no entanto, apesar de não parecer vantajoso, tal mudança implica benefícios, pois a correta lubrificação dos motores previne a geração desnecessária de resíduos (sucatas, óleo e graxa, etc.), aumenta a vida útil do equipamento e melhora a eficiência do processo. Pode haver alguns transtornos com relação às empresas fornecedoras de matéria-prima e com o próprio setor de compras da empresa, em estudo, ao mudar o uso de embalagens e de matérias-primas para recicláveis ou recicladas, pois, ao se comprarem os produtos necessários para a produção das tintas, depois da qualidade, o segundo critério é o preço, e as embalagens produzidas ecologicamente corretas têm um valor agregado maior, portanto faz-se necessária uma pesquisa em toda a região abrangida pela empresa em estudo (Vale do Paraíba), buscando as matérias-primas e embalagens que, além de qualidade e preço, também vençam em produção ecologicamente correta de seus produtos. Também, será fundamental esclarecer aos antigos fornecedores o motivo de deixar de adquirir seus produtos, ressaltando a mudança de postura da empresa, para que não se sintam inferiores. A matéria-prima poderá sofrer alterações no preço, porém dependerá de escolher uma empresa fornecedora que garanta um valor menor, dando preferência por embalagens retornáveis, nas quais, em grande parte, oferecem um valor até menor que as outras. O lucro será gerado tanto para a fábrica de

11 56 tintas, empresa em estudo, que terá o custo da matéria-prima menor, quanto para os próprios fornecedores, que irão ter que se adequar à nova demanda e, consequentemente, terão um novo diferencial, além do meio ambiente que receberá menos emissão de poluentes. Na implementação do sistema First In First Out (FIFO) no setor de estoque e armazenamento haverá necessidade de um ou dois dias de mão de obra para a organização do estoque e de treinamento para o responsável do controle de estoque. Tal medida busca reduzir as perdas de produtos e, consequentemente, a geração de resíduos. No uso de tanques e moinhos fechados poderá haver negligência dos funcionários por não se adaptarem a esta norma. Assim, estes deverão receber treinamento e uma forte conscientização do problema gerado, promovendo redução na emissão de compostos orgânicos voláteis. No que diz respeito aos incentivos salariais, oferecidos aos funcionários pela sugestão de ideias que visem à redução da poluição, o custo gerado poderá envolver o pagamento de 6% do salário bruto de cada participante. No entanto, tal bonificação trará motivação aos colaboradores por agirem e pensarem ecologicamente e à empresa grandes ideias aplicáveis de redução de custos e poluição. Para o setor administrativo, devido à mudança dos processos, para a economia de materiais, espera-se uma possível demora na adaptação dos funcionários. Para solucionar este problema, os colaboradores deste setor também deverão participar dos treinamentos e palestras. A empresa poderá investir futuramente na implementação do marketing verde, porém a agência terceirizada para a sua publicidade e propaganda poderá não ter o direcionamento ambiental como planejamento de seus serviços, sendo obrigada a reestruturar toda arte e fazer novas pesquisas e compras de imagens, designer, etc. Uma opção, provavelmente, será realizar uma cotação de empresas de publicidade que já são adeptas ao marketing verde, e a que oferecer um custo aceitável, fará o trabalho. O custo somente será gerado se nenhuma empresa de publicidade oferecer um valor menor do que já é pago à empresa contratada. Os clientes serão informados sobre o novo grande diferencial da marca e, consequentemente, haverá um aumento da cartela de clientes. 3.2 Análise dos custos gerados na implementação de melhoria considerando o aspecto ambiental. Tendo como parâmetro os valores do piso salarial, em conformidade com a Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT), e sites de vendas de produtos para os fins

12 57 propostos, os custos que a implementação de melhoria, considerando o meio ambiente para posterior Gestão Ambiental, acarretará para a empresa em estudo são mostrados na Tabela 4. Tabela 4- Custos ocasionados à empresa em estudo pela implementação de melhorias considerando o aspecto ambiental. Processo Custo Gerado Custo Unitário Quantidade Total Adaptação à nova política Compressores e linhas de ar comprimido Gradação de cores e formulações compatíveis Incentivo aos funcionários por ideias Lavagem a alta pressão de tachos Reciclagem do solvente sujo / borra Reciclagem do solvente sujo / borra Sistema First In First Out Treinamento dos funcionários Manutenção semestral trimestral de para Bonificação de 10% do salário do empregado Bonificação de 6% do salário bruto Compra de um sistema de alta pressão Pagamento horas extras Compra tambores mão de obra de de 1 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 2 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 R$ 1.430,00 3 meses R$ 390,00 R$ 2.120,00 3 meses R$ 360,00 3 R$ 1.158,64 R$ 1.158,64 R$ 1.158,64 R$ 4,55 5 dias R$ 22,75 4 R$ 75,00 5 unidades R$ 375,00 3 Funcionários R$ 25,74 2 dias R$ 51,48 Valor Aproximado de Custo R$ 6.806,39 1 Preços de mercado. 2 Informação RH da empresa. 3 Norte Refrigeração (www.norterefrigeracao.com.br). 4 TSSC Tambores - Indústria e Comércio de Tambores São Carlos. A empresa em estudo, por ser de pequeno porte, deverá apresentar na implementação das melhorias um custo de aproximadamente R$ 6.806,39. No entanto, os custos relativos à contratação de treinamentos/manutenções e à compra do sistema de lavagem de alta pressão poderão ser parcelados, reduzindo o custo mensal. O cálculo da mão de obra, em horas, poderá ter alterações devido à necessidade da empresa, porém este valor não oscilará muito, pois mesmo que as horas extras sejam no domingo, representando uma maior porcentagem a ser paga, não apresentará diferença significativa no montante.

13 58 Os incentivos propostos para o planejamento e controle da produção (PCP) de 10% sobre o seu salário deverão ser pagos somente no período de adaptação e remontagem do esquema de ordem de produção. Para tal procedimento, serão necessários, no mínimo, três meses o que custará para a empresa, aproximadamente, R$390,00. Já os incentivos propostos aos funcionários quanto às criativas sugestões propostas de ecoeficiência à empresa, por serem esporádicas, não há como mensurar o valor mensal deste custo. 3.3 Análise da economia gerada na implementação das melhorias considerando o aspecto ambiental. Quanto aos possíveis custos na mudança da produção da fábrica, acredita-se que para o setor administrativo não haverá custos iniciais, já que, provavelmente, não será necessária a compra de equipamentos ou quaisquer outros desembolsos, uma vez que somente serão realizadas alterações nos hábitos administrativos. A Tabela 5 aborda a economia que deverá ser obtida no setor administrativo com a implementação das melhorias. Tabela 5- Economia obtida no setor administrativo pela implementação de melhorias considerando o aspecto ambiental. Material Utilizado Anteriormente Valor Mensal Material Novo Proposto Valor Mensal Economia Mensal Economia % Gasto Gasto Cartuchos/ Toner 1 R$ 34,90 Cartuchos R$ 25,00 R$ 9,90 28% impressoras recicláveis Envelopes 2 R$ 9,00 Envelopes R$ 5,00 R$ 4,00 44% retornáveis papel retornáveis Geladeira 3 R$ 25,85 Geladeira R$ 12,92 R$ 12,92 50% desligada noite Luzes acesas durante R$ 96,00 Luzes acesas R$ 34,46 R$ 61,54 64% 13h Monitor de computadores sempre ligados Utilização de 2 mil folhas de sulfite Utilização de 60h de ar-condicionado durante 7h 3 R$ 55,38 Desligar Monitores em desuso, 30 min. diários 2 R$ 54,00 Utilização de 1,5 mil folhas 3 R$ 34,61 Utilização de 40h de ar-condicionado R$ 51,51 R$ 3,88 7% R$ 40,50 R$ 13,50 25% R$ 23,08 R$ 11,54 33% Total R$ 309,74 R$ 192,47 R$ 117,28 38% 1 Avlis Cartuchos de Jacareí. 2 Kalunga (Kalunga.com.br). 3 Dados referentes ao consumo kw/h retirados da Eletrobras (www.eletrobras.gov.br).

14 59 Acredita-se que as medidas de economia aplicadas ao setor administrativo poderão apresentar maior facilidade de adesão, gerando alguma economia, o que torna vantajoso para a empresa. Nenhuma compra foi sugerida visando mudanças no escritório, como, por exemplo, a troca dos computadores desktops por notebooks, que são três vezes mais econômicos, uma vez que a empresa teria que realizar tarefas mais complicadas para se desfazer dos que já utilizam e comprar novos. Porém, quando houver a necessidade da troca desses aparelhos deverão ser priorizados os mais econômicos. Somente com a mudança dos hábitos administrativos, a empresa, provavelmente, alcançará considerável economia de energia, de compra de materiais para escritório, além da redução na geração de resíduos. Como sugestão a empresa poderia trocar os aparelhos telefônicos sem fio pelos com fio, uma vez que estes não utilizam de energia para seu funcionamento. Porém, tal medida será justificável somente em uma necessidade de compra. 3.4 Viabilidade de implementação da ISO pela empresa em estudo A empresa em estudo (fábrica de tintas) se enquadra no grupo das empresas de pequeno porte e, ainda, não possui a certificação ISO Constatou-se, em rápida entrevista com a supervisora de administração da empresa estudada não haver interesse em adquirir o selo de certificação ISO 14000, principalmente por representar elevado preço para a sua implementação. Tal argumento é fortemente sustentável por pesquisa realizada pela International Organization for Stardartization (ISO, 2005) que relata ser o custo elevado para implementação do selo um dos principais motivos para que a certificação não seja adotada pelas micro e pequenas empresas. Para a empresa em análise, não se faz necessária a certificação urgente da ISO 14000, visto que com a gestão ambiental sugerida, iniciada pela identificação das oportunidades de melhoria, considerando o ambiente e que tem a norma como base, a longo prazo poderá adquirir o selo, sem grandes complicações. 4 CONCLUSÕES Percebe-se que o processo de produção da empresa estudada pode ser reorganizado em quase todas as etapas. Com medidas simples de separação adequada dos resíduos, substituição

15 60 de alguns materiais auxiliares para a produção das tintas e reorganização do leiaute e estoques, possivelmente haverá redução, significativa, na geração de resíduos, beneficiando o meio ambiente e a sociedade. A empresa possui tintas de qualidade e com preço competitivo no mercado, porém, com a adesão à proposta de implementação de uma gestão ambiental, informando tais medidas em seu marketing, poderá conquistar os olhares do novo mercado ecológico. Para a empresa analisada (pequena empresa) a adesão à ISO faz-se inviável, no momento, uma vez que os valores das auditorias e das normas necessárias excedem a margem de custos que a mesma suporta, porém à medida que for ganhando espaço no mercado, poderá expandir o sistema de gestão ambiental, que permitirá a implementação da ISO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAFATI. Coatings Care Program in Brazil, Disponível em: Acessado em: 27 mai BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p.318, CETESB. Guia técnico ambiental tintas e vernizes Série P+L. São Paulo: CETESB, Disponível em : tos/sbd.pdf. Acessado em: 27 mai FERREIRA, C. F. e FILHO, P. P. Resíduos industriais de alta periculosidade gerados no Estado do Rio de Janeiro: Quais são, de onde vem, para onde vão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL,14.,1987, São Paulo. Anais... São Paulo: FEEMA, ISO. International Organization for Standardization. Strategic SME Group. The Global Use of Environmental Management System by Small and Medium Enterprises - Executive Report. 259p. Stocolmo: ISO, MACEDO, R. G; PIMENTA, H.C.D; GOUVINHAS, R. P. Gestão Ambiental de Resíduos Sólidos Indústriais: Proposição de um modelo de gerenciamento para indústria de tintas em Natal RN. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos Rio de Janeiro:UFRN, Disponível em: Acessado em: 27 mai NBR ISO Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10004). Rio de Janeiro, VALENTIM, A.; COELHO, D. E SOARES, I. Gestão ambiental gerando benefícios financeiros. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 3., Resende, RJ. Anais... Resende: AEDB, 2006.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE RESUMO Evanise

Leia mais

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva

Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque. Darlyne de Aquino Silva Hospedagem Sustentável: Gestão Ambiental em meios de hospedagem para o município de São Roque Darlyne de Aquino Silva Instituto Federal de Educação Ciência e tecnologia de São Paulo. São Roque, SP 2011

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

Práticas Verdes Para Condomínios

Práticas Verdes Para Condomínios Guia de Práticas Verdes Para Condomínios A economia que faz bem para o seu bolso e para o meio ambiente Com o objetivo de incentivar e disseminar práticas sustentáveis em condomínios, o Secovi Rio criou

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER?

ACONTECENDO? O QUE ESTÁ O QUE PODEMOS FAZER? O QUE ESTÁ ACONTECENDO? O futuro é uma incógnita. As tendências são preocupantes, mas uma coisa é certa: cada um tem de fazer sua parte. Todos somos responsáveis. A atual forma de relacionamento da humanidade

Leia mais

Jardim Escola Aladdin

Jardim Escola Aladdin Jardim Escola Aladdin Os 4 Rs da Sustentabilidade Rio de janeiro 2016 Objetivo geral Esse projeto tem como objetivo promover o envolvimento dos alunos, professores, pais e comunidade em defesa à sustentabilidade

Leia mais

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente.

Esplanada sem desperdício: preservando o meio ambiente. Implementar ações voltadas ao uso racional de recursos sustentabilidade naturais para promover a ambiental e socioeconômica na Administração Pública Federal. A Esplanada terá metas de racionalização do

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda.

Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Micro-Química Produtos para Laboratórios Ltda. Resumo Com a globalização e os avanços tecnológicos, as empresas estão operando num ambiente altamente competitivo e dinâmico. As organizações que quiserem

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL JANEIRO 2013 RESUMO EXECUTIVO A ACCENT é uma empresa especializada em soluções tradução e localização de software, publicações técnicas, conteúdo de sites e material institucional e educativo. ESTRUTURA

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

Prof. Paulo Medeiros

Prof. Paulo Medeiros Prof. Paulo Medeiros Em 2010 entrou em vigor no Brasil a lei dos Resíduos Sólidos. Seu objetivo principal é diminuir a destinação incorreta de resíduos ao meio ambiente. Ela define que todas as indústrias,

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil

Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Qualidade e Sustentabilidade na Construção Civil Série ISO 9000: Modelo de certificação de sistemas de gestão da qualidade mais difundido ao redor do mundo: Baseada na norma ISO 9000 No Brasil: a ABNT

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

Mensagens ambientais da HP

Mensagens ambientais da HP Mensagens ambientais da HP Definição da promessa Projeto para o meio ambiente Por ser líder ambiental há décadas no setor tecnológico, a HP faz a diferença com um projeto abrangente de estratégia ambiental,

Leia mais

O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas

O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas O processo de destinação de embalagens vazias de defensivos agrícolas O inpev - Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias - é uma entidade sem fins lucrativos que representa a indústria

Leia mais

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS

Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS 198 Eixo Temático ET-03-004 - Gestão de Resíduos Sólidos VANTAGENS DA LOGÍSTICA REVERSA NOS EQUIPAMENTOS ELETRÔNICOS Isailma da Silva Araújo; Luanna Nari Freitas de Lima; Juliana Ribeiro dos Reis; Robson

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008

Webinário : Os vinte passos da implantação SGQ baseado na ISO 9001 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 Sistema de gestão qualidade implantado e certificado pela norma NBR ISO 9001:2008 torna uma necessidade da empresa por: competitividade no mercado interno Competitividade no mercado externo Aumentar a

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE CONTROLE DA COLETA SELETIVA E DESTINO DOS MATERIAIS DESCARTADOS PROGRAMA Nº 04/2012 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri.

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista

Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista Proposta do SINDILUB de Logística Reversa das Embalagens de Óleos Lubrificantes para Revenda Atacadista 1 Única entidade sindical reconhecida pelo Governo Federal que representa a categoria econômica dos

Leia mais

Guia de sustentabilidade para plásticos

Guia de sustentabilidade para plásticos Guia de sustentabilidade para plásticos Maio 2014 1 2 3 4 5 6 7 8 Introdução... 4 Contextualização dos plásticos... 6 Composição dos móveis e utensílios de plásticos...7 Requerimentos para materiais que

Leia mais

Projeto Oficina Verde

Projeto Oficina Verde 2009 Projeto Oficina Verde PROJETO OFICINA VERDE Responsáveis: Daniel Filipe, Glauber Franco e Alexandre Xavier Centro de Experimentação e Segurança Viária CESVI BRASIL S/A I.Q.A Instituto de Qualidade

Leia mais

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9

Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos Disciplina: Constituição de Novos Empreendimentos AULA 9 AULA 9 Assunto: Plano Financeiro (V parte) Prof Ms Keilla Lopes Mestre em Administração pela UFBA

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais

Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Análise dos processos de produção da própolis e do mel: um estudo de caso em uma empresa alimentícia do centro-oeste de Minas Gerais Tatiane Goulart OLIVEIRA ¹; Estefânia Paula da SILVA²; Rodrigo Herman

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL O presente Programa é um instrumento que visa à minimização de resíduos sólidos, tendo como escopo para tanto a educação ambiental voltada

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: O CASO DE UMA ESCOLA DO MUNICÍPIO DE GUARAPUAVA Angelica Raquel Negrele de Faria (UNICENTRO), Izamara de Oliveira Ferreira (UNICENTRO), Prof. Silvio Roberto Stefano (Orientador),

Leia mais

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET

Você sabia. As garrafas de PET são 100% recicláveis. Associação Brasileira da Indústria do PET Você sabia? As garrafas de PET são 100% recicláveis Associação Brasileira da Indústria do PET O Brasil é um dos maiores recicladores de PET do mundo A reciclagem é uma atividade industrial que gera muitos

Leia mais

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL

AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL AÇÕES PARA UM PROCESSO DE PINTURA SUSTENTÁVEL Luciane Souza, Ronnie Oliveira Mercedes-Benz do Brasil, unidade Juiz de Fora RESUMO A Mercedes-Benz tem como princípio a sustentabilidade. Baseado nesse princípio,

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto.

É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. É o termo geralmente utilizado para designar o reaproveitamento de materiais beneficiados como matéria-prima para um novo produto. REDUZIR REUTILIZAR RECUPERAR RECICLAR A redução deve ser adaptada por

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000

Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 ZOOTECNIA/UFG DISCIPLINA DE GPA Sistema de Gestão Ambiental & Certificação SGA - ISO 14.000 Introdução EVOLUÇÃO DA GESTÃO AMBIENTAL Passou por três grandes etapas: 1ª. Os problemas ambientais são localizados

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Cabo de Santo Agostinho, 2010. ÍNDICE 1. Local do Projeto...2 2. Descrição do Projeto...2 3.

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR

OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR OS PRINCÍPIOS DO EQUADOR UMA ABORDAGEM DO SETOR PARA INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS SOBRE DETERMINAÇÃO, AVALIAÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCO AMBIENTAL E SOCIAL EM FINANCIAMENTO DE PROJETOS Florianópolis Junho/2004

Leia mais

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013

FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 FACCAMP - FACULDADE DE CAMPO LIMPO PAULISTA CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO FINANCEIRA Campo Limpo Paulista - Maio 2013 DISCIPLINA - COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Integrantes: Adriano de Oliveira RA: 14759 Karina

Leia mais

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014

PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 PRÊMIO ESTANDE SUSTENTÁVEL ABF EXPO 2014 1. APRESENTAÇÃO Com o intuito de disseminar práticas de responsabilidade socioambiental entre as empresas do sistema de franchising, a Associação Brasileira de

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN Rayana Garcia de Macêdo (CEFET-RN) rayanagarcia@yahoo.com.br Handson Cláudio

Leia mais

Soluções em impressão para um mundo ecologicamente correto!

Soluções em impressão para um mundo ecologicamente correto! GLOBAL TONER SOLUÇÕES EM IMPRESSÕES LTDA Rua Caçapava nº 404 Novo Riacho Contagem MG CEP 32285-030 (31) 3398-4498 / 3911-0327 cassiene@globaltonermg.com.br Acesse o nosso site: www.globaltonermg.com.br

Leia mais

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida.

Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Geração de Energia a partir do lixo urbano. Uma iniciativa iluminada da Plastivida. Plástico é Energia Esta cidade que você está vendo aí de cima tem uma população aproximada de 70.000 mil habitantes e

Leia mais

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos

Modelagem da Logística Reversa dos Resíduos Eletroeletrônicos DISCLAIMER: O conteúdo apresentado neste documento encontra-se em construção pela Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial (ABDI) em parceria com o Grupo de Trabalho Temático Resíduos de Equipamentos

Leia mais

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO!

QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! QUEM TRATA BEM DOS SEUS RESÍDUOS É BEM TRATADO PELO MERCADO! É crescente a preocupação brasileira com as questões ambientais, principalmente quando constatamos que os níveis de poluição e de produção de

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE

INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE 12:43 Page 1 INSTRUÇÕES PARA A COLETA SELETIVA DO LIXO E DICAS DE CONSUMO CONSCIENTE Jardins é Page 2 LIXO UM PROBLEMA DE TODOS Reduzir a quantidade de lixo é um compromisso de todos. Uma pessoa é capaz

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE

A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE A IMPORTANCIA DO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS HOSPITALARES E SEUS ASPECTOS POSITIVOS PARA O MEIO AMBIENTE Erica Grayce de Souza Silva 1 Hélio Rubens Jacintho Pereira Júnior 2 José Antonio Bueno 3 RESUMO O

Leia mais

"Água e os Desafios do. Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO.

Água e os Desafios do. Setor Produtivo EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. "Água e os Desafios do Setor Produtivo" EMPRESAS QUE DÃO ATENÇÃO AO VERDE DIFICILMENTE ENTRAM NO VERMELHO. DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PAPEL DE CADA UM É o desenvolvimento que atende às necessidades

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS CONSCIENTIZAÇÃO DO USO E DESCARTE DAS PILHAS E BATERIAS 1 João Lopes da Silva Neto; 2 Juciery Samara Campos Oliveira; 3 Thayana Santiago Mendes; 4 Geovana do Socorro Vasconcelos Martins 1 (AUTOR) Discente

Leia mais

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR.

Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Gerenciamento de estoque de materiais de manutenção em uma indústria de reciclagem de chumbo em Cascavel-PR. Barbara Monfroi (Unioeste) bmonfroi@gmail.com Késsia Cruz (Unioeste) kessia.cruz@hotmail.com

Leia mais

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos 1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos Transpetro Jorge Lopes Coordenador Corporativo de Processos Ambientais 1 A TRANSPETRO Subsidiária

Leia mais

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional.

MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Empresa MAISMKT - Ações em Marketing e uma empresa voltada para avaliação do atendimento, relacionamento com cliente, e marketing promocional. Nossa filosofia e oferecer ferramentas de gestão focadas na

Leia mais

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE

PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE PROGRAMA DE SUSTENTABILIDADE NAS UNIDADES DE SAÚDE 118 IABAS Relatório de Gestão Rio de Janeiro 2010/2011/2012 Programa de Sustentabilidade nas Unidades de Saúde O Programa de Sustentabilidade promove

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP

PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL SEBRAE - SP DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL desenvolvimento que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade das futuras gerações satisfazerem suas próprias

Leia mais

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO

ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO ECONOMIA VERDE A Nova Economia Desafios e Oportunidades FACULDADE FLAMINGO O mundo dá sinais de exaustão Mudanças Climáticas Alterações ambientais Paradoxo do consumo: Obesidade x Desnutrição Concentração

Leia mais

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com.

Rua Osmane Barbosa, 937 - JK Montes Claros - MG - CEP: 39.404-006 - Brasil - Tel: (38) 3690-3626 - e- mail: sheilacivil@yahoo.com. I-025 DIAGNÓSTICO E PROPOSTA DE LAYOUT DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO E TRANSBORDO DOS RESÍDUOS GERADOS EM POSTOS DE COMBUSTÍVEIS NO NORTE DE MINAS GERAIS, COMO ALTERNATIVA DE DESTINAÇÃO DESSES RESÍDUOS

Leia mais

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP

BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP BE_310 CIÊNCIAS DO AMBIENTE UNICAMP ESTUDO (Turma 2010) Disponível em: http://www.ib.unicamp.br/dep_biologia_animal/be310 O IMPACTO DA TECNOLOGIA DE RECICLAGEM DE EMBALAGENS LONGA VIDA EM BARÃO GERALDO

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Política de Sustentabilidade Link Server.

Política de Sustentabilidade Link Server. Página 1 de 15 Hortolândia, 24 de Janeiro de 2014. Política de Sustentabilidade Link Server. Resumo Conceitua os objetivos da Política de Sustentabilidade da Link Server. Estabelece as premissas, a governança

Leia mais

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS O ENGAJAMENTO DA INDÚSTRIA DE TINTAS NA POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS Há muitos anos, a indústria de tintas, sob a liderança da ABRAFATI (Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas), pesquisa

Leia mais

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes

Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular. Ivanise Gomes Sustentabilidade: Segregar Resíduos Sólidos na Intervenção Cardiovascular Ivanise Gomes O que é Sustentabilidade? Prática de atividades economicamente viáveis, socialmente justas e ecologicamente corretas

Leia mais

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa

Políticas de Segurança da Informação. Aécio Costa Aécio Costa A segurança da informação é obtida a partir da implementação de um conjunto de controles adequados, incluindo políticas, processos, procedimentos, estruturas organizacionais e funções de software

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Marketing Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Marketing. 1. Introdução Os Projetos

Leia mais