Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1"

Transcrição

1 46 IDENTIFICAÇÃO DE OPORTUNIDADES QUANTO AO ASPECTO AMBIENTAL EM UMA FÁBRICA DE TINTAS DE PEQUENO PORTE Liliana de Oliveira Rosa 1 e Luciele Cristina Pelicioni 1 RESUMO: A indústria química é responsável por significativa poluição ambiental em seus processos produtivos. O setor de tintas, assim como outros, utiliza recursos e gera resíduos que causam impactos ambientais negativos se não houver a disposição adequada e o racional uso de água e energia. O mau gerenciamento, também, pode passar uma imagem negativa para o público e acarretar custos desnecessários. A avaliação, o controle da geração, o tratamento e a disposição final dos resíduos compõem ferramentas fundamentais no processo de gestão ambiental, na qual também visa à otimização da utilização de recursos naturais. O presente trabalho buscou identificar oportunidades quanto ao aspecto ambiental de uma fábrica de tintas de pequeno porte situada na cidade de Jacareí, (SP), visando uma possível e futura implementação de uma gestão ambiental. O estudo foi desenvolvido em quatro etapas. A primeira constituiu-se da descrição da empresa, a segunda da caracterização dos resíduos gerados pelo processo de fabricação das tintas e do levantamento do consumo de energia e água. Para a terceira etapa, foram levantadas as oportunidades de redução de custos e para a última etapa foram propostas alternativas de minimização na produção de resíduos e economia de energia e água. Os resultados obtidos mostraram que as alternativas para a minimização da geração de resíduos e a redução do consumo de água e energia são opções que devem ser levadas em consideração para um futuro gerenciamento ambiental da fábrica de tintas, pois estas medidas, além de apresentar custo, relativamente, baixo, proporcionam redução de gastos com consumos desnecessários, aumentando a lucratividade e trazendo uma imagem positiva da empresa para a sociedade. Palavras- Chave: Gestão ambiental. Indústria de tintas. Minimização de desperdícios. Recebido em 20 jul Aceito em 27 set Faculdade de Tecnologia São Francisco FATESF.

2 47 Environmental Opportunities Identification in Paint Company ABSTRACT: Chemical Industry is responsible for a significant part of the environment pollution on its production process. The paint sector, as the others, uses resources and generates residues that cause negative environment impacts if there is not an adequate provision and rational use of energy and water. Wrong management can also show a negative image for the public and result in unnecessary spending. The evaluation, the generation control, the treatment and the final disposition of residues are part of fundamental tools on the environmental managing process that also aims the optimization of the use of natural resources. The present work identified opportunities on the environmental aspects on a smallsize paint factory located in Jacareí, (SP), aiming a possible and future deployment of an environmental management. The study was conducted in four stages. The first one was the description of the company. The second one was the characterization of the generated waste by the manufacturing paint process and consumption of energy and water. For the third stage was a raised opportunity for cost reduction and for the last stage were proposed alternatives in minimizing waste and saving energy and water. The results showed that the alternatives to the minimization of waste generation and reduction of water consumption and energy are options that should be taken into consideration for future environmental management of paints manufacturing, as these measures also provide relatively low cost, provide a reduction of unnecessary consumption expenditures, increasing profitability and providing a good image to society. Keywords: Environmental management. Paint industry. Waste minimization. 1 INTRODUÇÃO A partir da revolução industrial do século XVIII, o planeta Terra vem vivenciando um aumento desenfreado da população e, consequentemente, um crescimento acelerado de descargas de poluição de diversos tipos em toda sua biosfera. As pessoas, cada vez mais, têm consumido produtos que necessitam da extração de matéria-prima, muitas vezes não renovável, e que, após serem consumidos, geram o lixo que é devolvido ao meio ambiente (BRAGA et al., 2005).

3 48 Dentre os setores que mais poluem o meio ambiente, encontram-se, em grande porcentagem, as indústrias, pois geram em maior quantidade lixos e desmatamentos todos os dias e dentre as mais poluidoras está a indústria química, que tem contribuído, fortemente, com as descargas de poluição, tanto do tipo gasoso quanto o sólido e o líquido (FERREIRA e FILHO, 1987). Na indústria química é produzida uma série de materiais sólidos e resíduos oleosos, em grande parte, contaminados com agentes químicos, de difícil reaproveitamento imediato. Em consequência, há uma enorme dificuldade em dar um destino final apropriado a esse passivo ambiental (VALENTIM et al., 2006). Devido a esses acontecimentos, empresas de todos os setores vêm se preocupando com a responsabilidade ambiental pertinente a elas. Atualmente, grandes empresas de todo o mundo já estão aderindo à Gestão Ambiental para minimizar os efeitos causados pela produção de diversos tipos de resíduos. Porém, nas empresas destinadas à fabricação de tintas, ainda, a implementação de projetos que visem a uma gestão voltada à preservação do meio ambiente e à utilização do marketing verde na divulgação de sua marca, bem como a promoção e a minimização de custos de produção, tem sido pouco empregada. A avaliação, o controle da geração, o tratamento e a disposição final dos resíduos compõem ferramentas fundamentais no processo de gestão ambiental, na qual também visa à otimização da utilização de recursos naturais, que tem como base a ISO 14000, a qual desenvolve e promove normas e padrões para o desempenho ambiental geral (ISO, 2005). Este trabalho teve por objetivos analisar uma empresa do segmento químico, ramo de tintas imobiliárias, buscando identificar oportunidades de melhoria no aspecto ambiental pela redução do desperdício e pelo tratamento de resíduos gerados no processo de fabricação das tintas, além de propor um plano de Gestão Ambiental futuro. 2 MATERIAL E MÉTODOS A presente pesquisa foi realizada em uma fábrica de tintas de pequeno porte, localizada no município de Jacareí/SP. Para auxiliar a gestão da organização a equilibrar seus interesses econômico-financeiros com os impactos ao meio ambiente, gerados por sua atividade, fez-se um estudo em cada um dos setores que a compõem, identificando oportunidades na redução de desperdícios, bem como avaliando a possibilidade de implementação de uma gestão ambiental e a compatibilidade da utilização da norma ISO As etapas de trabalho desenvolvidas foram: a) diagnóstico da empresa; b) levantamento

4 49 e caracterização de resíduos; c) oportunidades de redução de custos e d) alternativas para minimização na produção de resíduos. 2.1 Diagnóstico da empresa Na primeira etapa do trabalho, foi feito um reconhecimento da empresa: sua localização, número de funcionários, processo de fabricação e tipos de matérias-primas utilizadas nos produtos e, também, um conhecimento de sua visão a respeito do meio ambiente, iniciando o projeto de minimização na produção de resíduos. A empresa possui aproximadamente 50 funcionários, com somente o turno das 07h às18h, operando cinco dias por semana. Seus produtos são o látex, textura, grafiatto, entre outros do segmento. As embalagens dos produtos são variadas, de acordo com cada material, e diversificadas entre as cores amarelo e vermelho, branco e azul. O cliente, na compra do produto, pode optar pelo galão de 3,6 l ou, se preferir, pelas latas de 18 l, sendo que as texturas e os grafiattos são vendidos em barricas que variam de 25 a 30 kg. As lojas de materiais de construção são as responsáveis pela compra dos produtos e de sua divulgação, revenda. A empresa, também, abre algumas exceções vendendo seus produtos às construtoras que desejam comprar, diretamente, da fábrica. Os concorrentes diretos da marca são as indústrias de fabricação de Látex. Já os concorrentes indiretos são as revendedoras dos produtos, ou seja, as lojas de materiais de construção, que são as principais responsáveis pela compra final do produto. A empresa em estudo não possui uma Gestão Ambiental, apesar de fazer uso de um projeto de reutilização da água. No entanto, não divulga esta prática como um diferencial para sua marca. Sua produção gera resíduos sólidos em, praticamente, todas as etapas do processo de fabricação, dentre os quais se destacam resíduos com potencial para reciclagem, resíduos contaminados por produtos químicos, resíduos orgânicos e de escritório e lodo proveniente da limpeza de tanques utilizados na fabricação de tintas. Mesmo com o conhecimento dos danos causados ao meio ambiente, a empresa, ainda, não dispõe de projetos que incluam a reciclagem de materiais e redução de emissão de resíduos poluidores. Por isso, existe a grande necessidade de inserir em seu contexto uma gestão mais voltada para a área ambiental, utilizando uma produção mais limpa e reciclagem de todos os materiais possíveis dentro da empresa.

5 Levantamento e caracterização de resíduos A Tabela 1 apresenta o levantamento dos resíduos gerados nos diferentes setores da fábrica de tintas e o destino dado aos mesmos. Foram levantados, também, os principais impactos ambientais que a empresa causa, bem como as relações de causa e efeito entre o processo de fabricação de tintas e o meio ambiente. Os principais impactos ambientais estão associados tanto ao processo produtivo, como à geração de efluentes, ao próprio uso dos produtos ou mesmo à geração de resíduos de embalagem pós-uso. A emissão dos compostos orgânicos voláteis resulta de diversos processos, como: combustão incompleta; emissões durante todas as etapas do processo de fabricação; emissões fugitivas de silos de matéria-prima; limpeza de equipamentos; vazamentos de selos, gaxetas e válvulas de tubulações. Já a emissão de materiais particulados está relacionada, principalmente, aos processos de pesagem de matérias-primas sólidas (pós) e dispersão. Tabela 1- Resíduos gerados nos diferentes setores da fábrica de tintas e o destino dado aos mesmos. SETOR ETAPAS RESÍDUO GERADO DESTINO Escritório Administrativa Material de Escritório Lixo Urbano Sacaria de papel em tambores Pesagem Estopas Lixo Urbano / em tambores Equipamentos de proteção Lixo Urbano / em tambores individual (EPI) Sacaria de papel Lixo Urbano / em tambores Estopas Lixo Urbano / em tambores EPI Lixo Urbano / em tambores Dispersão / Solventes para limpeza dos Empresa especializada Completagem equipamentos Produção Papel em tambores Papelão Lixo Urbano / em tambores Material para pintura Lixo Urbano Embalagens fora de Lixo Urbano especificação Plásticos em tambores Envase Papelão em tambores Estopas Lixo Urbano/ em tambores Filtro Cuno em tambores Água para limpeza dos Estação de tratamento da empresa equipamentos

6 51 A maior fonte de geração de efluentes está nas operações de lavagem entre lotes de cores diferentes. Uma vez descarregados os equipamentos, estes são lavados com água, solventes e solução de NaOH. São gerados efluentes que contêm altas concentrações de solventes e sólidos suspensos, geralmente coloridos, que requerem tratamento. A composição dos efluentes não varia em função do tipo de produto elaborado, porém algumas substâncias que, normalmente, estão presentes podem ocorrer em concentrações acima das permitidas em legislação específica, para lançamento sem tratamento prévio, como por exemplo: óleos e graxas, pigmentos e fosfatos. 2.3 Oportunidades de redução de custos A Tabela 2 mostra as possíveis alternativas de minimização de custos para a fábrica de tintas estudada. As alternativas de minimização de custos propostos na Tabela 2 foram baseadas na NBR ISO (2004) e em algumas cartilhas disponibilizadas por órgãos regulamentadores do Sistema de Gestão Ambiental no Brasil, como: Associação Brasileira dos Fabricantes de Tintas (ABRAFATI, 2006), que coordena no Brasil o Programa Coatings Care, que prevê a atuação responsável em tintas no Brasil; Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental (CETESB, 2006), que oferece aos fabricantes de tintas um conjunto de procedimentos e soluções integradas para administrar os aspectos de suas atividades relacionadas com o meio ambiente, a segurança e a saúde ocupacional e o estudo desenvolvido por Macedo et al. (2008).

7 52 Tabela 2 - Alternativas de minimização de custos para a fábrica de tintas estudada. Processo Alternativa de Minimização Justificativa Gradação de Realizar a ordenação dos lotes por critério Diminuição da freqüência das cores e de cores, iniciando pelas cores mais operações de limpeza, resultando formulações compatíveis claras, passando gradativamente, para as mais escuras na redução de água ou solventes e dos efluentes e resíduos gerados Adequação de O leiaute da disposição das máquinas Redução do consumo de energia leiaute deverá permitir que as etapas possam ser elétrica realizadas por gravidade e com otimização no uso de bombas Lavagem de Aplicar um sistema de alta pressão para A aplicação de lavagem a alta tachos a alta remover a tinta aderida às paredes dos pressão reduz o consumo de água pressão tachos e de produtos de limpeza Limpeza em Para a limpeza de tachos e equipamentos Economia de água contracorrente utilizar primeiro a solução de limpeza já utilizada e no final uma solução limpa Reciclagem do O solvente sujo deverá ser recuperado e as Aumento da eficiência de limpeza solvente borras separadas por cores e destinadas ao e diminuição na geração de sujo/borra reaproveitamento poluição Compressores e Adotar medidas simples de controle de Manutenção periódica linhas de ar vazamentos; projetos de linha: conexões, comprimido curvas, medidores, etc. Motores Manutenção preventiva Redução de consumo de energia e melhora na eficiência do processo Embalagens de Utilizar embalagens retornáveis ou as Redução na geração de resíduos matérias-primas feitas com materiais recicláveis Sistema First In Controlar as entradas e saídas de modo a Minimização da perda de material First Out (FIFO) respeitar seus prazos de validade causada por acondicionamento inadequado Uso de tanques e moinhos fechados Fechamento com tampas, reduzir a emissão de compostos orgânicos voláteis e de material particulado Minimização da perda de solventes e de matérias-primas sólidas 2.4 Alternativas de minimização de resíduos Foram consideradas práticas comuns de minimização de resíduos, evitando-se o uso de tecnologias caras ou complicadas. Para tal, foi elaborado um plano que visa a uma produção mais limpa e organizada que, consequentemente, acarretará diminuição de poluição e desperdícios para a empresa.

8 53 Ao aderir a uma produção mais limpa, deve-se levar em consideração boas práticas de fabricação, com o uso racional dos recursos, melhoria de processo, otimização de formulação, etc. Além disso, devem ser consideradas as possibilidades de reciclagem de diversos resíduos e reaproveitamento de solventes em outros processos, como observado na Tabela Proposta futura: Implementação do Marketing Verde A empresa, futuramente, após implentar o projeto de Gestão Ambiental em seus setores, poderá contratar uma empresa terceirizada de Marketing para modificar as embalagens e propagandas colocando em evidência a responsabilidade ambiental adquirida. Dessa forma, seus clientes ficarão informados das vantagens em adquirir um produto da empresa. Resíduos Administrativo/ Escritório Resíduos Contaminados com tinta Plástico Limpo Resíduos de Papelão e papel Resíduos comuns (escritório, refeitório) Resíduos de papel e papelão contaminados Embalagens de fungicida e bactericida Tabela 3 - Gerenciamento de Resíduos Sólidos. Medidas Preventivas e Corretivas Mudança de hábitos e processos Acondicionamento em coletor específico Acondicionamento em coletor ou acondicionamento em coletor específico Acondicionamento em coletores comuns Acondicionamento em coletores comuns temporário de resíduos perigosos Coleta e Transporte Interno Coletor cheio levado à área de armazenamento Coletor cheio levado à área de armazenamento. Uso de botas, luvas e máscara Coletor cheio levado à área de armazenamento Uso de botas, luvas e máscara Coletor cheio levado à área de armazenamento Coletor cheio levado à área de armazenamento Uso de botas, luvas e máscara em local coberto, impermeabilizado em local coberto, impermeabilizado em local indicado em local indicado para não contaminação Armazenados para a coleta da prefeitura (terças e quintas-feiras à tarde) em local coberto, impermeabilizado em local coberto, impermeabilizado Reciclagem Resíduos comercializados Resíduos contaminados destinados ao aterro Resíduos comercializados Resíduos comercializados Não se aplica Não se aplica Não se aplica

9 54 3 RESULTADOS E DISCUSSÃO 3.1 Análise da empresa em estudo: identificando problemas e possíveis soluções Na identificação de oportunidades que levem em consideração o aspecto ambiental torna-se fundamental que toda a empresa esteja envolvida, pois a falta de informação aos profissionais sobre as prováveis mudanças e a implementação de um programa de educação ambiental, poderá comprometer todo o andamento de um plano de gestão. Com isso, faz-se, essencialmente, necessário promover palestras explicativas para a destinação correta dos materiais e a implementação da educação ambiental, por se tratar de um processo contínuo, visando ao aprimoramento dos conceitos na área. Os colaboradores da empresa são a peça chave para que a implementação seja realizada com o sucesso esperado, pois são eles que irão operar todas as fases da produção e gerar, em maior quantidade, os resíduos na empresa, além de dar o destino correto, evitando os desperdícios, colaborando, relevantemente, para a produção mais limpa. Se os colaboradores estiverem conscientes e motivados a colaborar, integralmente, com as mudanças propostas na empresa, haverá uma alta margem de sucesso e um resultado pleno. A contratação de uma empresa de consultoria para treinamentos aos funcionários é o ponto essencial para que a gestão não tenha falhas. Apesar de representar alto valor, sem esta consultoria, não haverá grandes chances de sucesso. Outro fator que, provavelmente, necessitará de investimentos, diz respeito à mudança da manutenção dos compressores e linhas de ar comprimido, que deverá passar de semestral para mensal. Em análise da empresa, percebe-se que esta poderá tomar a decisão de implementar a gestão ambiental sem correr riscos de grandes desembolsos, já que o valor de se implementar uma Gestão Ambiental apresenta-se relativamente baixo em consideração às benfeitorias que poderá vir a adquirir. Em todo processo de mudança, inevitavelmente, geram-se alguns conflitos. Acredita-se que no processo de gradação de cores e formulações compatíveis, a mudança política da empresa envolverá uma série de novos estudos para remontar as ordens de trabalho e linha de montagem. Já na adequação do novo leiaute, deverá haver uma relativa redução da produção/h, porém, com a conscientização do problema ambiental, um ou dois dias de treinamento serão necessários para a sua reorganização. Quando esta medida for aplicada, espera-se que os funcionários fiquem motivados a trabalhar em uma empresa que se

10 55 preocupa com o meio ambiente, podendo realizar o marketing boca a boca para amigos, parentes e conhecidos, gratuitamente, tendo, também, como retorno para a empresa a economia de energia. Quanto aos funcionários responsáveis pela limpeza ao mudarem para a lavagem de alta pressão de tachos de tintas aquosas, espera-se a redução do tempo de lavagem, diminuição do consumo de água e a consequente redução do volume de lodo gerado. Para a reciclagem do solvente sujo, a empresa precisará adquirir recipientes (tambores) para o armazenamento das borras até o dia da coleta, devendo, assim, pagar horas extras ao funcionário que ficar responsável pela separação e entrega à empresa coletora. Com isto, haverá aumento da eficiência na limpeza, diminuição da emissão de resíduos poluidores, além do benefício para o marketing da empresa. Os compressores e linhas de ar comprimido precisam da manutenção periódica, pois esta garante melhor eficiência e, muitas vezes, evita a compra de adicionais para suprir a demanda. Para tal tornar-se-á necessária a contratação de uma empresa terceirizada que faça mensalmente a manutenção das máquinas e equipamentos. Para os motores, a empresa em estudo já possui uma terceirizada que realiza a manutenção semestralmente, e para que seja mensal, ocorrerá um encarecimento da manutenção, no entanto, apesar de não parecer vantajoso, tal mudança implica benefícios, pois a correta lubrificação dos motores previne a geração desnecessária de resíduos (sucatas, óleo e graxa, etc.), aumenta a vida útil do equipamento e melhora a eficiência do processo. Pode haver alguns transtornos com relação às empresas fornecedoras de matéria-prima e com o próprio setor de compras da empresa, em estudo, ao mudar o uso de embalagens e de matérias-primas para recicláveis ou recicladas, pois, ao se comprarem os produtos necessários para a produção das tintas, depois da qualidade, o segundo critério é o preço, e as embalagens produzidas ecologicamente corretas têm um valor agregado maior, portanto faz-se necessária uma pesquisa em toda a região abrangida pela empresa em estudo (Vale do Paraíba), buscando as matérias-primas e embalagens que, além de qualidade e preço, também vençam em produção ecologicamente correta de seus produtos. Também, será fundamental esclarecer aos antigos fornecedores o motivo de deixar de adquirir seus produtos, ressaltando a mudança de postura da empresa, para que não se sintam inferiores. A matéria-prima poderá sofrer alterações no preço, porém dependerá de escolher uma empresa fornecedora que garanta um valor menor, dando preferência por embalagens retornáveis, nas quais, em grande parte, oferecem um valor até menor que as outras. O lucro será gerado tanto para a fábrica de

11 56 tintas, empresa em estudo, que terá o custo da matéria-prima menor, quanto para os próprios fornecedores, que irão ter que se adequar à nova demanda e, consequentemente, terão um novo diferencial, além do meio ambiente que receberá menos emissão de poluentes. Na implementação do sistema First In First Out (FIFO) no setor de estoque e armazenamento haverá necessidade de um ou dois dias de mão de obra para a organização do estoque e de treinamento para o responsável do controle de estoque. Tal medida busca reduzir as perdas de produtos e, consequentemente, a geração de resíduos. No uso de tanques e moinhos fechados poderá haver negligência dos funcionários por não se adaptarem a esta norma. Assim, estes deverão receber treinamento e uma forte conscientização do problema gerado, promovendo redução na emissão de compostos orgânicos voláteis. No que diz respeito aos incentivos salariais, oferecidos aos funcionários pela sugestão de ideias que visem à redução da poluição, o custo gerado poderá envolver o pagamento de 6% do salário bruto de cada participante. No entanto, tal bonificação trará motivação aos colaboradores por agirem e pensarem ecologicamente e à empresa grandes ideias aplicáveis de redução de custos e poluição. Para o setor administrativo, devido à mudança dos processos, para a economia de materiais, espera-se uma possível demora na adaptação dos funcionários. Para solucionar este problema, os colaboradores deste setor também deverão participar dos treinamentos e palestras. A empresa poderá investir futuramente na implementação do marketing verde, porém a agência terceirizada para a sua publicidade e propaganda poderá não ter o direcionamento ambiental como planejamento de seus serviços, sendo obrigada a reestruturar toda arte e fazer novas pesquisas e compras de imagens, designer, etc. Uma opção, provavelmente, será realizar uma cotação de empresas de publicidade que já são adeptas ao marketing verde, e a que oferecer um custo aceitável, fará o trabalho. O custo somente será gerado se nenhuma empresa de publicidade oferecer um valor menor do que já é pago à empresa contratada. Os clientes serão informados sobre o novo grande diferencial da marca e, consequentemente, haverá um aumento da cartela de clientes. 3.2 Análise dos custos gerados na implementação de melhoria considerando o aspecto ambiental. Tendo como parâmetro os valores do piso salarial, em conformidade com a Consolidação de Leis Trabalhistas (CLT), e sites de vendas de produtos para os fins

12 57 propostos, os custos que a implementação de melhoria, considerando o meio ambiente para posterior Gestão Ambiental, acarretará para a empresa em estudo são mostrados na Tabela 4. Tabela 4- Custos ocasionados à empresa em estudo pela implementação de melhorias considerando o aspecto ambiental. Processo Custo Gerado Custo Unitário Quantidade Total Adaptação à nova política Compressores e linhas de ar comprimido Gradação de cores e formulações compatíveis Incentivo aos funcionários por ideias Lavagem a alta pressão de tachos Reciclagem do solvente sujo / borra Reciclagem do solvente sujo / borra Sistema First In First Out Treinamento dos funcionários Manutenção semestral trimestral de para Bonificação de 10% do salário do empregado Bonificação de 6% do salário bruto Compra de um sistema de alta pressão Pagamento horas extras Compra tambores mão de obra de de 1 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 R$ 2.500,00 2 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 R$ 2.000,00 R$ 1.430,00 3 meses R$ 390,00 R$ 2.120,00 3 meses R$ 360,00 3 R$ 1.158,64 R$ 1.158,64 R$ 1.158,64 R$ 4,55 5 dias R$ 22,75 4 R$ 75,00 5 unidades R$ 375,00 3 Funcionários R$ 25,74 2 dias R$ 51,48 Valor Aproximado de Custo R$ 6.806,39 1 Preços de mercado. 2 Informação RH da empresa. 3 Norte Refrigeração (www.norterefrigeracao.com.br). 4 TSSC Tambores - Indústria e Comércio de Tambores São Carlos. A empresa em estudo, por ser de pequeno porte, deverá apresentar na implementação das melhorias um custo de aproximadamente R$ 6.806,39. No entanto, os custos relativos à contratação de treinamentos/manutenções e à compra do sistema de lavagem de alta pressão poderão ser parcelados, reduzindo o custo mensal. O cálculo da mão de obra, em horas, poderá ter alterações devido à necessidade da empresa, porém este valor não oscilará muito, pois mesmo que as horas extras sejam no domingo, representando uma maior porcentagem a ser paga, não apresentará diferença significativa no montante.

13 58 Os incentivos propostos para o planejamento e controle da produção (PCP) de 10% sobre o seu salário deverão ser pagos somente no período de adaptação e remontagem do esquema de ordem de produção. Para tal procedimento, serão necessários, no mínimo, três meses o que custará para a empresa, aproximadamente, R$390,00. Já os incentivos propostos aos funcionários quanto às criativas sugestões propostas de ecoeficiência à empresa, por serem esporádicas, não há como mensurar o valor mensal deste custo. 3.3 Análise da economia gerada na implementação das melhorias considerando o aspecto ambiental. Quanto aos possíveis custos na mudança da produção da fábrica, acredita-se que para o setor administrativo não haverá custos iniciais, já que, provavelmente, não será necessária a compra de equipamentos ou quaisquer outros desembolsos, uma vez que somente serão realizadas alterações nos hábitos administrativos. A Tabela 5 aborda a economia que deverá ser obtida no setor administrativo com a implementação das melhorias. Tabela 5- Economia obtida no setor administrativo pela implementação de melhorias considerando o aspecto ambiental. Material Utilizado Anteriormente Valor Mensal Material Novo Proposto Valor Mensal Economia Mensal Economia % Gasto Gasto Cartuchos/ Toner 1 R$ 34,90 Cartuchos R$ 25,00 R$ 9,90 28% impressoras recicláveis Envelopes 2 R$ 9,00 Envelopes R$ 5,00 R$ 4,00 44% retornáveis papel retornáveis Geladeira 3 R$ 25,85 Geladeira R$ 12,92 R$ 12,92 50% desligada noite Luzes acesas durante R$ 96,00 Luzes acesas R$ 34,46 R$ 61,54 64% 13h Monitor de computadores sempre ligados Utilização de 2 mil folhas de sulfite Utilização de 60h de ar-condicionado durante 7h 3 R$ 55,38 Desligar Monitores em desuso, 30 min. diários 2 R$ 54,00 Utilização de 1,5 mil folhas 3 R$ 34,61 Utilização de 40h de ar-condicionado R$ 51,51 R$ 3,88 7% R$ 40,50 R$ 13,50 25% R$ 23,08 R$ 11,54 33% Total R$ 309,74 R$ 192,47 R$ 117,28 38% 1 Avlis Cartuchos de Jacareí. 2 Kalunga (Kalunga.com.br). 3 Dados referentes ao consumo kw/h retirados da Eletrobras (www.eletrobras.gov.br).

14 59 Acredita-se que as medidas de economia aplicadas ao setor administrativo poderão apresentar maior facilidade de adesão, gerando alguma economia, o que torna vantajoso para a empresa. Nenhuma compra foi sugerida visando mudanças no escritório, como, por exemplo, a troca dos computadores desktops por notebooks, que são três vezes mais econômicos, uma vez que a empresa teria que realizar tarefas mais complicadas para se desfazer dos que já utilizam e comprar novos. Porém, quando houver a necessidade da troca desses aparelhos deverão ser priorizados os mais econômicos. Somente com a mudança dos hábitos administrativos, a empresa, provavelmente, alcançará considerável economia de energia, de compra de materiais para escritório, além da redução na geração de resíduos. Como sugestão a empresa poderia trocar os aparelhos telefônicos sem fio pelos com fio, uma vez que estes não utilizam de energia para seu funcionamento. Porém, tal medida será justificável somente em uma necessidade de compra. 3.4 Viabilidade de implementação da ISO pela empresa em estudo A empresa em estudo (fábrica de tintas) se enquadra no grupo das empresas de pequeno porte e, ainda, não possui a certificação ISO Constatou-se, em rápida entrevista com a supervisora de administração da empresa estudada não haver interesse em adquirir o selo de certificação ISO 14000, principalmente por representar elevado preço para a sua implementação. Tal argumento é fortemente sustentável por pesquisa realizada pela International Organization for Stardartization (ISO, 2005) que relata ser o custo elevado para implementação do selo um dos principais motivos para que a certificação não seja adotada pelas micro e pequenas empresas. Para a empresa em análise, não se faz necessária a certificação urgente da ISO 14000, visto que com a gestão ambiental sugerida, iniciada pela identificação das oportunidades de melhoria, considerando o ambiente e que tem a norma como base, a longo prazo poderá adquirir o selo, sem grandes complicações. 4 CONCLUSÕES Percebe-se que o processo de produção da empresa estudada pode ser reorganizado em quase todas as etapas. Com medidas simples de separação adequada dos resíduos, substituição

15 60 de alguns materiais auxiliares para a produção das tintas e reorganização do leiaute e estoques, possivelmente haverá redução, significativa, na geração de resíduos, beneficiando o meio ambiente e a sociedade. A empresa possui tintas de qualidade e com preço competitivo no mercado, porém, com a adesão à proposta de implementação de uma gestão ambiental, informando tais medidas em seu marketing, poderá conquistar os olhares do novo mercado ecológico. Para a empresa analisada (pequena empresa) a adesão à ISO faz-se inviável, no momento, uma vez que os valores das auditorias e das normas necessárias excedem a margem de custos que a mesma suporta, porém à medida que for ganhando espaço no mercado, poderá expandir o sistema de gestão ambiental, que permitirá a implementação da ISO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ABRAFATI. Coatings Care Program in Brazil, Disponível em: Acessado em: 27 mai BRAGA, B. et al. Introdução à engenharia ambiental: o desafio do desenvolvimento sustentável. 2. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, p.318, CETESB. Guia técnico ambiental tintas e vernizes Série P+L. São Paulo: CETESB, Disponível em : tos/sbd.pdf. Acessado em: 27 mai FERREIRA, C. F. e FILHO, P. P. Resíduos industriais de alta periculosidade gerados no Estado do Rio de Janeiro: Quais são, de onde vem, para onde vão. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL,14.,1987, São Paulo. Anais... São Paulo: FEEMA, ISO. International Organization for Standardization. Strategic SME Group. The Global Use of Environmental Management System by Small and Medium Enterprises - Executive Report. 259p. Stocolmo: ISO, MACEDO, R. G; PIMENTA, H.C.D; GOUVINHAS, R. P. Gestão Ambiental de Resíduos Sólidos Indústriais: Proposição de um modelo de gerenciamento para indústria de tintas em Natal RN. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO, 28., 2008, Rio de Janeiro. Anais eletrônicos Rio de Janeiro:UFRN, Disponível em: Acessado em: 27 mai NBR ISO Associação Brasileira de Normas Técnicas ABNT. Resíduos Sólidos Classificação (NBR 10004). Rio de Janeiro, VALENTIM, A.; COELHO, D. E SOARES, I. Gestão ambiental gerando benefícios financeiros. In: SIMPÓSIO DE EXCELÊNCIA EM GESTÃO E TECNOLOGIA, 3., Resende, RJ. Anais... Resende: AEDB, 2006.

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR

TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR 1 o SIMPÓSIO SINDIREPA-RS TÉCNICAS DE GESTÃO DE RESÍDUOS EM EMPRESAS DE REPARAÇÃO VEÍCULAR Felipe Saviczki - cntl.att@senairs.org.br Engenheiro Ambiental Técnico de Desenvolvimento - Área de Consultoria

Leia mais

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE

PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE Eixo Temático: Inovação e Sustentabilidade PLANO DE GESTÃO AMBIENTAL DE UMA PEQUENA EMPRESA DE CORRETORA DE IMÓVEIS ENVIRONMENTAL MANAGEMENT PLAN FOR A SMALL BUSINESS OF REAL ESTATE BROKERAGE RESUMO Evanise

Leia mais

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN

Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Modelo de gerenciamento de resíduos sólidos: um estudo de caso na indústria de panificação em Natal-RN Handson Cláudio Dias Pimenta (UFRN/PEP) handsonpimenta@hotmail.com Sérgio Marques Júnior (UFRN) sergio@ct.ufrn.br

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN

GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN GESTÃO AMBIENTAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS: PROPOSIÇÃO DE UM MODELO DE GERENCIAMENTO PARA INDÚSTRIA DE TINTAS EM NATAL-RN Rayana Garcia de Macêdo (CEFET-RN) rayanagarcia@yahoo.com.br Handson Cláudio

Leia mais

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência

Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos de referência Página 1 de 9 DESCRIÇÃO DAS REVISÕES REV DATA ALTERAÇÃO OBSERVAÇÃO 00 01 20/05/2009 30/09/2009 16/12/09 Elaboração Item 2 inclusão do PG-C-01 Programa Integrado de SSTMA Item 2 Codificação dos documentos

Leia mais

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI

Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI Artigo Técnico Por Silvio Neto Pereira do Vale, Técnico de Ensino do CPC - Centro SENAI de Produção mais Limpa Aumento da lucratividade com a Produção mais Limpa do SENAI As organizações mundiais e brasileiras

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NORMAS ISO 14000 CONCEITOS A preocupação com a estabilidade das linhas tênues de amarração dos ecossistemas conduz os estudiosos a analisar os fatores que podem gerar a ruptura desses sistemas. GESTORES

Leia mais

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents

O poder. proteger. para. mundo. o seu. 3M Cuidado Institucional. Sorbents 3M Cuidado Institucional Sorbents O poder para proteger o seu mundo A 3M é pioneira no conceito de microfibra e polipropileno, com mais de 25 anos de experiência na fabricação de respiradores descartáveis.

Leia mais

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental

22/06/2015. Cronograma finalização da disciplina GA I. Instrumentos de Gestão Ambiental. ambiental. Auditoria Ambiental Cronograma finalização da disciplina GA I Instrumentos de Gestão Ambiental São ferramentas que auxiliam o gestor no seu plano de gestão ambiental Política e Legislação Ambiental Licenciamento Ambiental

Leia mais

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos

Projeto SeparAção INTRODUÇÃO OBJETIVO GERAL Objetivos específicos Projeto SeparAção INTRODUÇÃO Há muito tempo o homem vem utilizando os recursos naturais que ele encontra em seu habitat e a cada ano que passa, novas formas de uso são descobertas. O maior problema dessa

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL.

DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. DIAGNÓSTICO DA GERACÃO, TRATAMENTO E DESTINO FINAL DOS RESÍDUOS GERADOS NAS INDÚSTRIAS DO MUNICÍPIO DE PATO BRANCO PARANÁ BRASIL. Silvia de Veras Néri Rosilea França Garcia UNOCHAPECÓ-CHAPECÓ-SC-BRASIL

Leia mais

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br.

18/06/2009. Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br. Marketing Ambiental Quando cuidar do meio-ambiente é um bom negócio. O que temos visto e ouvido falar das empresas ou associado a elas? Blog: www.tudibao.com.br E-mail: silvia@tudibao.com.br 2 3 Sílvia

Leia mais

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER

LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER Conceito LOGÍSTICA REVERSA ACITSIGOL ASREVER É uma área da logística que atua de forma a gerenciar e operacionalizar o retorno de bens e materiais, após sua venda e consumo, às suas origens, agregando

Leia mais

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas

Rótulo Ecológico para o processo de tratamento de solução eletrolítica de baterias automotivas Pág. Nº 2/10 0 Introdução O programa de Rotulagem Ambiental da ABNT foi desenvolvido para apoiar um esforço contínuo para melhorar e/ou manter a qualidade ambiental por meio da redução do consumo de energia

Leia mais

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental

Ferramentas de Análise: abordagens iniciais. Gestão Ambiental Ferramentas de Análise: abordagens iniciais Gestão Ambiental Gestão Ambiental: por onde começar? NORTH (1992) recomenda as seguintes abordagens: Verificar o Posicionamento da empresa em relação ao desafio

Leia mais

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA

COMPLEXO AMBIENTAL DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA COMPLEXO AMBIENTAL FIAT DIRETORIA INDUSTRIAL AMÉRICA LATINA ENGENHARIA AMBIENTAL E ENERGIA VALORES EQUIPE DA GESTÃO AMBIENTAL ALTA ADMINISTRAÇÃO ENGENHARIA AMBIENTAL e ENERGIA U. OP. PRENSAS U. OP. FUNILARIA

Leia mais

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-001 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 214 ISSN 2318-763 21 Eixo Temático ET-1-1 - Gestão Ambiental IMPLANTAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM UMA

Leia mais

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos

LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana. Novembro de 2010. Anexo 6.3-2 Plano de Gerenciamento e Disposição de Resíduos EIIA Não excluir esta página LT 500 kv Mesquita Viana 2 e LT 345 kv Viana 2 Viana Novembro de 2010 Coordenador: Consultor: 2422-00-EIA-RL-0001-00 Rev. nº 00 Preencher os campos abaixo Revisão Ortográfica

Leia mais

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde

ÍNDICE ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL NOSSO HISTÓRICO AMBIENTAL. TI Verde ORIENTAÇÕES AO CONSUMIDOR INTRODUÇÃO... 03 RECICLE SEU COMPUTADOR POSITIVO... 03 CICLO PRODUTIVO - LOGÍSTICA REVERSA... 04 RECICLAR É PRECISO... 04 DICAS DE USO CONSCIENTE... 05 CADEIA PRODUTIVA MAIS SUSTENTÁVEL

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS TERMO DE REFERÊNCIA PARA A ELABORAÇÃO DE PLANOS DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS - PGRS 1. JUSTIFICATIVA O presente Termo de Referência tem por fim orientar a elaboração do PGRS conforme previsto no

Leia mais

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L

1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L 1 st Internacional Workshop Advances in Cleaner Production IV Semana Paulista de P+L Centro SENAI de Produção Mais Limpa Cleaner Production Center - CPC 21-23 de Novembro de 2007 São Paulo O objetivo do

Leia mais

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis

dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis dicas sustentáveis Como crescer com práticas responsáveis Um desafio que envolve você! Compartilhamos os mesmos espaços e problemas, mas também as soluções. É fundamental ter atitudes responsáveis, suprindo

Leia mais

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade

Logística Reversa Meio-ambiente e Produtividade 1. Introdução O ciclo dos produtos na cadeia comercial não termina quando, após serem usados pelos consumidores, são descartados. Há muito se fala em reciclagem e reaproveitamento dos materiais utilizados.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO)

MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) MANUAL DE INSTRUÇÃO PARA PREENCHIMENTO DA PLANILHA TRIMESTRAL DE RESÍDUOS ENTREGA ANUAL DA SEMMA (JANEIRO DE CADA ANO) CÓD. MAN01 ESCLARECIMENTOS INICIAIS Em nível municipal, além da necessidade de se

Leia mais

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007

Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos. Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos Luciana Betiol FGVCes Centro de Estudos em Sustentabilidade Outubro/2007 Agenda Origem do estudo de Critérios de Sustentabilidade Ambiental de Produtos

Leia mais

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida.

Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. Redução do impacto ambiental através das práticas lean Autor: Lando Tetsuro Nishida. O sistema de gerenciamento ambiental está se tornando cada vez mais uma prioridade na gestão das empresas. Em diversas

Leia mais

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes

ULTRAVIOLETA DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS. Sistema de decantação. Fenasan 2013. tratamento de água e efluentes revista especializada em tratamento de DESINFECÇÃO DE ÁGUA E EFLUENTES COM RAIOS ULTRAVIOLETA Sistema de decantação Ação dos decantadores em tratamento de água Fenasan 2013 9 772236 261064 junho/julho-2013

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

Compromisso com o Mundo Sustentável

Compromisso com o Mundo Sustentável Compromisso com o Mundo Sustentável Está em nossa Visão Ser um empresa global e sustentável até 2012. Para nossa empresa ser sustentável, é fundamental a busca de resultados financeiros e o comprometimento

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas

Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Sistema de Gestão Ambiental nas Micro e Pequenas Empresas Prof. Dr. Alcides Lopes Leão alcidesleao@fca.unesp.br UNESP Campus de Botucatu RESIDUALL - Laboratório de Resíduos Sólidos e Compósitos Palestrante

Leia mais

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos

Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos PROCESSOS VERDES Para se implantar totalmente um processo verde precisamos de produtos químicos verdes, e que tenham sustentabilidade, temas já discutidos anteriormente, mas podemos iniciar o processo

Leia mais

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE

Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE Programa ABRELPE de Logística Reversa de Resíduos de Equipamentos EletroEletrônicos REEE 1 A ABRELPE Associação nacional, sem fins lucrativos, que congrega e representa as empresas prestadoras de serviços

Leia mais

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2

REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 REDUÇÃO DA GERAÇÃO DE EFLUENTES GALVÂNICOS APLICANDO FERRAMENTAS DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA (P+L) Tatiane Benvenuti¹, Daiana Maffessoni 2 1 Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Programa de Pós

Leia mais

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar

PRÊMIO. Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A. Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar PRÊMIO 2012 Identificação da Empresa: Viação Águia Branca S/A Identificação da Experiência: Preservar é Reduzir, Reutilizar e Reciclar Data ou Período de Aplicação da Experiência: 2011 e 2012 Categoria

Leia mais

Revista de Graduação da Engenharia Química

Revista de Graduação da Engenharia Química Revista de Graduação da Engenharia Química ISSN 1516-5469 ANO VI No. 12 Jul-Dez 2003 GERENCIAMENTO AMBIENTAL NA INDÚSTRIA UMA FERRAMENTA DA ECOLOGIA INDUSTRIAL Izabel R. Silva, Cecília M.V.B. Almeida e

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO E CAPACITAÇÃO DA COOMSERC COOPERATIVA MISTA DE SERVIÇOS DO CABO DE SANTO AGOSTINHO Cabo de Santo Agostinho, 2010. ÍNDICE 1. Local do Projeto...2 2. Descrição do Projeto...2 3.

Leia mais

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos

Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos Sistema de Produção e Escoamento de Gás e Condensado no Campo de Mexilhão, Bacia de Santos (Unidade de Tratamento e Processamento de Gás Monteiro Lobato UTGCA) 3º Relatório Semestral Programa de gerenciamento

Leia mais

O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA

O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA O GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS NAS EMPRESAS DE RECARGA DE CARTUCHOS DE IMPRESSORA José Flavio Poças (1), (2), Sylvana Marschall Torres (2), Alfredo Akira Ohnuma Júnior (3) 1 Mestrando em

Leia mais

Tratamento de Efluentes

Tratamento de Efluentes Tratamento de Efluentes A IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES E A REGULAMENTAÇÃO DO SETOR INTRODUÇÃO Conservar a qualidade da água é fundamental, uma vez que apenas 4% de toda água disponível no mundo

Leia mais

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS

DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS DESTINAÇÃO E DISPOSIÇÃO FINAL AMBIENTALMENTE ADEQUADA DE RESÍDUOS SÓLIDOS INDUSTRIAIS Alternativas tecnológicas disponíveis. Variações de custo e de segurança das operações. Copyright Ecovalor Consultoria

Leia mais

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A

Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Progresso e Desenvolvimento de Guarulhos S/A Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 Programa de Gestão Ambiental Agosto de 2009 1 1. O Programa de Gestão Ambiental O Programa de Gestão Ambiental da

Leia mais

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS

DIRETORIA DE PRODUÇÃO DE ENERGIA - DP USINA:UHCB GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS REVISÃO:12 GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS Código (1) Identificação do Resíduo * Cód. ONU ** Nº de Risco (2) Classe ABNT (3) Estado Físico (4) Área de Geração (5) Meio de Acondicionamento (6) Responsabilidade

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Dores de Guanhães Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PCH Dores de Guanhães PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras CAPA PCH Dores de Guanhães ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Primário da Madeira 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Tipo e Características do solo: 1.2. Topografia: 1.3. Cobertura Vegetal: 1.4. Descrição do acesso: 1.5.

Leia mais

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade.

RESPOSTA TÉCNICA. Preciso de informações sobre reciclagem de thinner, fabricante de máquinas para reciclagem e viabilidade. RESPOSTA TÉCNICA Título Reciclagem de Thinner Resumo Informações de como é feita a reciclagem de solventes orgânicos como o thinner, fornecedores de equipamentos para reciclagem dos mesmos e viabilidade

Leia mais

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES

AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AUDITORIA AMBIENTAL PARA DESENVOLVIMENTO DE FORNECEDORES M. H. M. Nunes(*), L. M. Castro * Mineração de Alumínio da Votorantim Metais, maura.nunes@vmetais.com.br. RESUMO

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS

AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS 182 AVALIAÇÃO AMBIENTAL EM UMA COOPERATIVA DE MATERIAIS RECICLÁVEIS Nagiélie Muara SILVA 1* ; Camilla Stheffani Oliveira Machado 2 ; Maria Cristina Rizk 3 1,2 Discente em Engenharia Ambiental pela Universidade

Leia mais

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues

Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar. Gizelma de A. Simões Rodrigues Gestão Ambiental Resíduo Hospitalar Gizelma de A. Simões Rodrigues SBS Hospital Sírio Libanês Instituição Filantrópica de saúde, ensino e pesquisa. Hospital de alta complexidade Matriz 172.000 m² 5.900

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS

PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO A PASSO: COMO ELABORAR E IMPLEMENTAR O PGRSS PASSO 1 IDENTIFICAÇÃO DO PROBLEMA: Abrange o reconhecimento do problema e a sinalização positiva da administração para início do processo. Definir, um

Leia mais

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química

Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Produção Mais Limpa Como Aplicar na Indústria Química Apresentação: José Leildon QSA - ASSESSORIA EMPRESARIAL Ltda 2 Abordagem tradicional - controle corretivo Recursos Naturais Produtos Ambiente Rejeitos

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA Resolução nº 307, de 5 de Julho de 2002. Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil, disciplinando as ações

Leia mais

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins

PROTEGER. Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP. Karin Regina de Casas Castro Marins PROTEGER Programa de Tecnologia e Gerenciamento de Emissões e Resíduos do Sistema EMTU/SP Karin Regina de Casas Castro Marins OBJETIVO Implantar um SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL (SGA) no transporte público

Leia mais

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente

Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política de Saúde, Segurança e Meio Ambiente Política Global Novartis 1 de março de 2014 Versão HSE 001.V1.PT 1. Introdução Na Novartis, nossa meta é ser líder em Saúde, Segurança e Meio Ambiente (HSE).

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni)

PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.194, DE 2012 (Do Sr. Onyx Lorenzoni) Dispõe sobre obrigatoriedade da fabricação, distribuição e utilização de sacolas plásticas fabricadas em material degradável

Leia mais

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas

Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Prêmio ANTP-ABRATI de Boas Práticas Viação Garcia Ltda. Despoluir - Motores desligados para poupar o planeta Projeto iniciado em 2009, sem previsão de encerramento Categoria 03: Responsabilidade Sócio-ambiental

Leia mais

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES

NORMAS GERAIS DE FABRICAÇÃO DE FERTILIZANTES Pág.: 1/10 1. OBJETIVO Definir os procedimentos operacionais relativos às normas gerais de produção e envase de produtos formulados na TERRA NOSSA, desde a emissão da ordem de produção até a entrega do

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002)

RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) RESOLUÇÃO Nº 307, DE 5 DE JULHO DE 2002 (DOU de 17/07/2002) Estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil. Correlações: Alterada pela Resolução nº 469/15

Leia mais

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias

Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias Estudo de Caso: Aplicação de Produção Mais Limpa no Processo de Embalagem de Soquetes de Luminárias BENVENUTI, T. a*, MAFFESSONI, D. b, TONIN, B. P. b a. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto

Leia mais

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS

RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS RECICLAGEM MECÂNICA: CONCEITOS E TÉCNICAS 2.1 - Algumas Definições A idéia de se aproveitar resíduos não é nova; ela tem, contudo, se estabelecido de forma expressiva, não só por razões econômicas, mas

Leia mais

Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição. 1ª Edição - Julho/09

Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição. 1ª Edição - Julho/09 Adequação a Legislação - Gerenciamento de Resíduos - Prevenção a Poluição 1ª Edição - Julho/09 Ficha Técnica Realização: Associação Brasileira da Indústria Gráfica - Regional Santa Catarina Apoio: Federação

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N. 307, DE 05 DE JULHO DE 2002 Alterações: Resolução CONAMA n. 348, de 16.08.04 Resolução CONAMA n. 431, de 24.05.11 Resolução CONAMA n. 448, de 18.01.12 Resolução

Leia mais

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3

Não é um sector específico (Pequenas e médias empresas em geral) - Go to 3 INQUÉRITO EUROPEU DAS PME E O MEIO-AMBIENTE Bem-vindo ao inquérito europeu sobre as PMEs e o meio-ambiente. O questionário deve demorar entre 5-10 minutos para ser concluído. Obrigado! Instituto Tecnológico

Leia mais

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação

Programa de Rotulagem de Sustentabilidade Selo SustentaX para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré-Ocupação para Empresa Prestadora de Serviços de Limpeza Pós-Obra e Pré- Revisão de 11/05/21 2ª. Revisão 31/05/21 Revisão Técnica Nome: Eng. Alexandre Schinazi Cargo: Engenheiro CREA: 246223 Assinatura: Data: Aprovação

Leia mais

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens

Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Fórum Varejo Sustentável Alternativas de Embalagens no Varejo Visão Sustentável sobre o Desenvolvimento de Embalagens Eloísa E. C. Garcia CETEA / ITAL VISÃO DE SUSTENTABILIDADE Consumo Sustentável é saber

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NA REFINARIA DE PETRÓLEO IPIRANGA

Leia mais

Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado

Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado Aplicação da Filosofia Produção Mais Limpa em Indústria de Tampas de Embalagem Metálica para Pescado S. M. Kakuda (1), A. L. Berreta-Hurtado (2), C. A. K. Gouvêa (2), 1. Aluno do curso de Mestrado em Engenharia

Leia mais

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água

Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Opersan Resíduos Industriais Sociedade Ltda. 3º Prêmio FIESP de Conservação e Reuso de Água Projeto de Reuso de Água Eng. Juliano Saltorato Fevereiro 2008 1) Identificação da Empresa: Endereço completo

Leia mais

A M B I E N TA I S PA R A

A M B I E N TA I S PA R A CARTILHA A B T G B O A S P R Á T I C A S A M B I E N TA I S PA R A A I N D Ú S T R I A GRÁFICA 2 CARTILHA ABTG - BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS PARA A INDÚSTRIA GRÁFICA 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO 04 1 Licenciamento

Leia mais

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO

PRODUÇÃO INDUSTRIAL CRESCIMENTO ECONÔMICO UNIVERSIDADE DE CAIAS DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ADMINISTRAÇÃO Produção mais Limpa: O Caso do Arranjo Produtivo Local Metal-Mecânico Mecânico Automotivo da Serra Gaúcha Eliana Andréa

Leia mais

RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda. Edição 2015-06- 29

RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda. Edição 2015-06- 29 RELATÓRIO DE DESEMPENHO AMBIENTAL Curtume Rusan Ltda Edição 2015-06- 29 MISSÃO: Conquistar e fidelizar clientes satisfazendo-os com a técnica, experiência e dinamismo da direção e dos colaboradores, produzindo

Leia mais

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA

USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 149 USINA DE ÁLCOOL: IMPACTOS AMBIENTAIS NEGATIVOS E MEDIDAS PARA PRODUÇÃO MAIS LIMPA Aline da Silva Leonardo¹; Carolina

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010

RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 RESOLUÇÃO SEMA Nº 028/2010 Dispõe sobre a coleta, armazenamento e destinação de embalagens plásticas de óleo lubrificante pós-consumo no Estado do Paraná. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS

Leia mais

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE.

DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. DIAGNÓSTICO PARA IMPLANTAÇÃO DE PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM POSTO DE COMBUSTÍVEL NA CIDADE DE FORTALEZA CE. Adriana Sampaio Lima (1) Bióloga pela Universidade Federal do Ceará (UFC).

Leia mais

Consumo Consciente. Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta

Consumo Consciente. Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta Consumo Consciente Faz bem para você, para a sociedade e para o planeta Uma mudança do bem Para nós da Rossi, o consumo consciente é algo vital para a sustentabilidade da sociedade e para o futuro do nosso

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE DEDETIZADORAS, LIMPA FOSSA E EMPRESAS QUE PRESTA SERVIÇO DE LIMPEZA. Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO AMBIENTAL

Leia mais

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and

Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and Reduction in Generation of Scrap Metal by Internal Reuse and External Recycling at Serralheria Montanheza Redução da geração de sucatas metálicas por meio da reutilização interna e reciclagem externa na

Leia mais

O QUE É O AMBIENTAÇÃO?

O QUE É O AMBIENTAÇÃO? PROJETO PILOTO O QUE É O AMBIENTAÇÃO? É o projeto que pretende inserir os valores sócio- ambientais na administração pública do Estado, por meio de iniciativas que possibilitem a mudança de comportamento

Leia mais

20o. Prêmio Expressão de Ecologia

20o. Prêmio Expressão de Ecologia 20o. Prêmio Expressão de Ecologia 2012-2013 Separação dos resíduos recicláveis Coleta seletiva no pátio Separação dos resíduos no laboratório Central de resíduos e estação de tratamento de esgoto Capacitação

Leia mais

Então, vamos reciclar!

Então, vamos reciclar! Há 14 anos estamos reciclando e deixando Sorocaba e nossa Região mais limpa e bonita. Atualmente o Grupo Sorojet conta com quatro lojas, uma sede administrativa e um super laboratório. Somos os primeiros

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde.

INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011. UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de Saúde. Fls.: 1 de 11 INSTRUÇÃO NORMATIVA SSP Nº 03/2011 VERSÃO: 01/2011 APROVAÇÃO EM: 20 de julho de 2011 ATO DE APROVAÇÃO: Decreto nº 20/2011 UNIDADE RESPONSÁVEL: Unidades de Saúde e Secretaria Municipal de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993

Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resoluções RESOLUÇÃO Nº 9, DE 31 DE AGOSTO DE 1993 Resolução CONAMA Nº 009/1993 - "Estabelece definições e torna obrigatório o recolhimento e destinação adequada de todo o óleo lubrificante usado ou contaminado".

Leia mais

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental

Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Gestão dos resíduos sólidos, reciclagem e sustentabilidade ambiental Grupo: Fabiana Augusta César Irene Benevides Vinícius Tôrres Pires Samira Chantre Gestão de Resíduos Sólidos Gestão/gerir:Administrar,dirigir,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA GRÁFICA

AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA GRÁFICA AVALIAÇÃO DE ASPECTOS E IMPACTOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO EM UMA INDÚSTRIA GRÁFICA Tainá Thomassim Guimarães 1 (tainathomg@gmail.com), Melina Cé Tombini 1 (melinatombini@gmail.com), Matheus Pielechovski

Leia mais

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável

Escritório Verde. Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório sustentável Use a criatividade e o bom senso para gerar conscientização ecológica e economia Escritório Verde Dicas práticas para tornar seu escritório

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Sistema de Gestão Ambiental Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental Professora Flavia Nogueira Zanoni MSc em Controle de Poluição Ambiental

Leia mais

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL

CERTIFICAÇAO AMBIENTAL ISO 14000 - A NOVA NORMA GERENCIAMENTO E -- CERTIFICAÇAO AMBIENTAL DE AMBIENTAL *Francesco De Cicco A futura norma internacional para o meio ambiente - a série ISO 14000 - e a importância para as empresas

Leia mais

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS

2.3. Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras. Revisão 00 NOV/2013. PCH Fortuna II Plano de Controle Ambiental - PCA PROGRAMAS AMBIENTAIS PROGRAMAS AMBIENTAIS 2.3 Projeto de Saneamento do Canteiro de Obras NOV/2013 CAPA ÍNDICE GERAL 1. Introdução... 1 1.1. Ações já Realizadas... 1 1.1.1. Efluentes Líquidos Domésticos... 1 1.1.1.1. Fossa

Leia mais

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS

LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS LEI FEDERAL 12305/2010 POLÍTICA NACIONAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS ARTIGO 13 -ORIGEM RSU(domiciliares e de limpeza pública) Comerciais e Prestadores de Serviços Serviços Públicos de Saneamento Básico Industriais

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG.

A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Bambuí/MG - 2008 A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO GERENCIAL: UM ESTUDO DE CASO EM UMA PEQUENA EMPRESA DO SETOR AGRONEGÓCIO NO MUNICÍPIO DE BAMBUÍ/MG. Ana Cristina Teixeira AMARAL (1); Wemerton Luis EVANGELISTA

Leia mais

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental

MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS. Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental MOTORES ENERGIA AUTOMAÇÃO TINTAS Preparação de tintas e vernizes, limpeza e descarte de embalagens visando à preservação Ambiental Versão 03 Novembro / 2009 A WEG aliada aos princípios de sustentabilidade

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde

Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde Naraiana Agapito, naraagapito@yahoo.com.br 1 Introdução Embora a geração de resíduos oriundos das atividades humanas faça parte da própria história do homem,

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRECIONADA AO GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EMPRESA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO Victor Pontes Brasil; Verônica Evangelista de Lima; Antonio Augusto Pereira de Sousa; Cecília Elisa

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo)

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL. Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ PROGRAMA DE GESTÃO SOCIOAMBIENTAL Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos (Modelo Sugestivo) Comarca de xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxx / 2013 1. IDENTIFICAÇÃO DO

Leia mais

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa

Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Política Nacional de Resíduos Sólidos e Logística Reversa Cristina R. Wolter Sabino de Freitas Departamento Ambiental O mundo será obrigado a se desenvolver de forma sustentável, ou seja, que preserve

Leia mais