TÍTULO: Perspectivas do uso da Biomassa para Geração Descentralizada de Energia no Mercosul

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TÍTULO: Perspectivas do uso da Biomassa para Geração Descentralizada de Energia no Mercosul"

Transcrição

1 Trabalho submetido ao PREMIO MERCOSUL de Ciência e Tecnologia CATEGORIA: INTEGRAÇÃO TÍTULO: Perspectivas do uso da Biomassa para Geração Descentralizada de Energia no Mercosul Autores: Silvio Carlos Anibal de Almeida, D.Sc., COPPE/UFRJ (Coordenador) Esteban Walter Gonzáles Clua Endereço para contato: Ilha do Fundão, CT - sala G-204; CP Rio de Janeiro, RJ, Brasil. CEP Telefone: ; ; Telefax ; RESUMO O presente projeto faz parte de um esforço multi-institucional envolvendo diversos departamentos, universidades e institutos. Dentre os objetivos gerais do projeto, pode-se destacar: Estimular o uso da energia de biomassa em paralelo com outras fontes alternativas renováveis; Acompanhar, nas áreas de implantação dos projetos-pilotos, os impactos das novas fontes alternativas de de energia sobre a sociedade e o meio ambiente; Despertar o interesse das autoridades locais para a importância do uso de fontes alternativas de energia; Contribuir para elevação da renda da população local e a fixação do homem no campo. Um projeto de pesquisa desenvolvido na COPPE/UFRJ e voltado para a utilização de óleo vegetal in natura para geração descentralizada de energia é apresentado como contribuição específica para o energização de comunidades isoladas no MERCOSUL.

2 Perspectivas do uso da Biomassa para Geração Descentralizada de Energia no Mercosul INTRODUÇÃO A América Latina destaca-se como um como um dos principais blocos econômicos emergentes. A renda per capita da região elevou-se modestamente, de US$ para U$ no período que vai de 1980 a Embora não seja um valor expressivo comparado com o dos paises desenvolvidos, a região tem atraído a atenção da União Européia e dos Estados Unidos, visando a criação de uma Zona de Livre Comércio das Américas (ALCA). Há uma razoável disparidade nos países dessa região, no entanto, grande parte deles necessita melhorar seu indicador de desenvolvimento humano, através do atendimento de necessidades básicas de sua sociedade, como escolaridade, expectativa de vida e o conseqüente reflexo na renda per capita. O suprimento de energia, juntamente com o saneamento básico, o abastecimento de água potável, transporte e telecomunicações, constituem elementos importantes para a melhoria desses padrões. No processo de integração da América Latina, a integração dos países do CONE SUL tem importância fundamental. A viabilização desta integração promoverá vantagens econômicas e estratégicas, assegurando um desenvolvimento equilibrado e auto sustentável, e independência energética desta região, otimizando a utilização dos recursos naturais com justiça social e preservação do meio ambiente. 2

3 Tabela I Indicadores Sócio-econômicos do MERCOSUL MERCOSUL PRINCIPAIS INDICADORES SÓCIO-ECONÔMICOS 1990 e INDICADOR (1) Superfície total (mil km 2 ) População (em milhões de habitantes) 187,8 210,9 213,8 216,5 219,4 222,2 225,0 População urbana (% total) 75,2 77,5 77,5 79,6 79,6 79,6 n.d. Densidade demográfica (hab. p/ km 2 ) 15,8 17,8 18,0 18,2 18,5 18,7 19,0 Crescimento demográfico (%) 1,7 1,5 1,5 1,5 1,4 1,4 1,0 PIB total (US$ bilhões) 621, ,4 848,9 913,8 803,3 572,3 642,7 PIB, per capita (US$) Reservas internacionais, exclusive ouro (US$ bilhões) n.d. 70,5 64,2 60,9 54,1 49,6 67,1 Fluxo de investimento externo, líquido (US$ bilhões) 2,9 31,5 49,8 41,5 28,7 15,1 n.d. Dívida externa total (US$ bilhões) 191,8 388,9 254,6 250,1 238,9 242,2 240,5 Dívida externa por habitante (US$) 1,02 1,84 1,19 1,16 1,09 1,09 1,07 Exportações Totais (US$ milhões) (2) Importações Totais (US$ milhões) (2) Balança Comercial (US$ milhões) (2) Intercâmbio Comercial (US$ milhões) (2) Exportações IntraMERCOSUL (US$ milhões) (2) Exportações do Brasil para o MERCOSUL (US$ milhões) Importações brasileiras do MERCOSUL (US$ milhões) Balança Comercial Brasil-MERCOSUL (US$ milhões) Intercâmbio Comercial Brasil-MERCOSUL (US$ milhões) Fontes: ALADI. FMI. Direction of Trade Statistics, Yearbook 2002 e Quarterly September EIU. The Economist Intelligence Unit, Country Report. CDI - Centro de Economia Internacional do Ministerio de Relaciones Exteriores, Comercio Internacional Y Culto da Argentina, com base em dados do INDEC, Banco Central del Uruguay, Banco Central del Paraguay e Secretaria Administrativa del Mercosur. MDIC/SECEX/Sistema ALICE. Banco Central do Brasil. (1) Estimativa ou dados preliminares, exceto para superfície. (2) Os dados de 2003 referem-se ao período de janeiro-março. (n.d.) Dado não disponível. Um dos grandes desafios do MERCOSUL refere-se a integração energética para suprir adequadamente as necessidades dos distintos países. Embora já se tenham conseguido grandes avanços através da construção de usinas hidroelétricas binacionais e gasodutos, falta ainda uma política de planejamento comum, através de projetos multilaterais, como se deu no caso da Integração Energética da Europa, no início na década de 50. Energia e Desenvolvimento O acesso à energia é um pré-requisito essencial para o desenvolvimento socioeconômico de uma região. Em um informe sobre a Pobreza e a Energia a FAO ressalta que embora o numero de pessoas sem acesso à eletricidade tenha diminuído de dois bilhões em 1970 para 3

4 1800 milhões em 1990, a situação da maior parte do planeta ainda está longe do que seria tolerável. (FAO, 1994). Só 33 % da população das zonas rurais dos países em desenvolvimento tem acesso a eletricidade. A maior parte depende quase que exclusivamente da combustão de lenha, esterco, resíduos agrícolas, de forma bastante ineficiente, para suprir necessidade de aquecimento, cocção de alimentos, iluminação. Nas regiões mais pobres, a energia consumida é menor que a necessária para garantir uma existência digna. Partindo do pressuposto de que a eletricidade é fundamental para o desenvolvimento, essas pessoas só poderão ingressar na modernidade se esse quadro puder ser revertido rapidamente. Apesar do grande desenvolvimento tecnológico e da elevada competência profissional, não foi possível vencer, até o presente momento, esse desafio. Segundo um informe da FAO, essa meta só será possível se o abastecimento de energia for descentralizado de forma a diminuir os custos e aproveitar melhor a disponibilidade de energia local (FAO, 2000). Nesse sentido, a utilização de biomassa para geração de eletricidade se insere num contexto de descentralização do desenvolvimento, de ocupação estratégica do território, de valorização dos recursos disponíveis no espaço geoeconômico do continente sul-americano, de incentivo às iniciativas locais, de abertura de novas perspectivas econômicas para o desenvolvimento sustentável, de promoção social, de redução de dependências externas, de democratização e de preservação da soberania. A opção por fontes de energia espacialmente dispersas levará a reversão do efeito centralizador do atual modelo econômico e viabilizará uma distribuição mais uniforme da população no território nacional, possibilitando, dessa forma, uma melhor organização econômica, social e política da região. 4

5 O crescimento econômico e a proteção ao meio ambiente serão os principais motivadores de mudanças no setor energético no início deste século. Abre-se assim a possibilidade de romper o círculo vicioso em que a produção centralizada de energia, para atender às grandes concentrações populacionais, acentua permanentemente a concentração dos investimentos, dentro de uma lógica injusta e desumana que inviabiliza o desenvolvimento harmônico. Esta proposta dá a terra um valor novo e estratégico, pois ela passa a ser também sinônimo de energia e desenvolvimento. PANORAMA ENERGÉTICO ATUAL No período 1980 a 2001, o consumo de energia na América Latina cresceu 82 %, algo em torno de 2,9 % ao ano. Nesse período a região se tornou menos dependente de combustíveis fósseis, principalmente devido ao declínio do consumo de petróleo e ao uso mais intenso da hidroeletricidade. Figura 1 - Consumo de Energia na América Latina Em % da matriz energética da América Latina era baseada em petróleo. Com a elevação dos preços internacionais esse consumo caiu e se manteve constante num patamar de 50%, e ainda é o mais importante vetor energético. O gás natural e a hidroeletricidade aumentaram sua participação na matriz. O consumo de gás natural cresceu 67 %, fazendo 5

6 com que sua participação na matriz energética passasse de 12% para 18%, e a hidroeletricidade de 18 % para 26 %, no período indicado. O consumo de energia elétrica da América Latina cresceu a uma taxa de 4,5% ao ano, passando de 287 kwh (1980) para 721 bkwh (2001). Mais da metade desse aumento foi devido ao crescimento da energia consumida no Brasil, que quase triplicou seu consumo, de 129 bkwh para 336 bkwh no período. Deve-se ressaltar, no entanto, que em termos relativos o Chile teve um crescimento considerável no período, atingindo a cifra de 264 % (6,3% ao ano), chegando a 40 bkwh em Figura 2 Consumos Elétricos nos Países da América Latina.Fonte: (ALVAREZ, 2004) Os governos dos países membros do MERCOSUL, conscientes da importância do setor energético para a integração subregional, decidiram criar, a partir da assinatura do Tratado de Assunción, em 1991, organismo executivo do MERCOSUL, constituída por uma equipe de especialistas do setor energético, denominado Subgrupo de Trabalho n.9 SGT-9 Energia. Como fruto desse trabalho espera-se que se possa avaliar sistematicamente as necessidades 6

7 energéticas de forma a tomar decisões que permitam a construção de um setor energético mais amplo, diversificado e que torne possível a universalização do acesso à energia. IMPORTÂNCIA DA BIOMASSA COMO RECURSO ENERGÉTICO A pesquisa em tecnologias limpas tem sido estimulada e vários programas de incentivo tem sido implementados, como é o caso dos programas do álcool e do biodiesel no Brasil, Programa de Abastecimento Elétrico para a População Rural Argentina (PAEPRA), e do Programa Nacional de Eletrificação Rural chileno, entre outros. O Brasil está à frente da maioria dos países da região no setor de energia alternativa. A mais nova iniciativa do governo federal para estimular os investimentos em fontes renováveis veio do PROINFA (Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia). O objetivo do projeto, apoiado pelo PNUD, é diversificar a matriz energética brasileira. A meta é, até 2006, fazer as fontes alternativas passarem dos atuais 3,1% para 5,9% da matriz energética nacional. Para isso, o programa prevê gerar megawatts a partir de biomassa, energia eólica e pequenas centrais hidrelétricas (1.100 megawatts para cada tipo de fonte). A Eletrobrás se comprometeu a comprar essa energia por 20 anos, para tentar impulsionar o programa. O PNUD elaborou estudos para auxiliar o governo a fixar o preço que pagaria pela energia (PNUD, 2004). Um outro fator a considerar é a crescente importância da geração distribuída, contando com o desenvolvimento de pequenas unidades geradoras (motores, turbinas a gás e, mais adiante, células a combustível). De acordo com Honty (2002) as energias renováveis deverão suprir uma fração crescente da demanda, atendendo a necessidade de diversificação da matriz energética, além de motivações ambientais e de segurança no suprimento. 7

8 Tabela 2- Projeção da Demanda Final do Merco Sul MERCOSUL: Projeçao da Demanda Final (MMbep) Biomassa 367,6 356,9 351,5 Electricidade 345,5 476,9 560,9 Petróleo 1362,6 2038, Gas Natural 238,7 416,5 548,2 Fonte: (Honty, 2002) A utilização de uma fonte de energia espacialmente dispersa promoverá a reversão do efeito centralizador do atual modelo econômico e viabilizará uma distribuição mais uniforme da população no território nacional, rompendo assim o círculo vicioso em que a produção centralizada de energia acentua permanentemente a concentração dos investimentos, inviabilizando o desenvolvimento harmônico do Brasil. BIOMASSA A Biomassa é um dos mais abundantes recursos de energia renovável tem sido usada em larga escala. Em 1996 atingiu a cifra de 11% da energia gerada no mundo (MACEDO, 2002). Embora existam algumas dificuldades técnicas, econômicas e políticas para a utilização em larga escala da energia de biomassa, deve-se ressaltar a falta de uma base institucional e de um suporte tecnológico. No meio rural e em localidades isoladas, a utilização desta fonte dispersa de energia deveria ser priorizada como forma mais racional de suprimento energético sob o ponto de vista técnico, econômico e político devido aos elevados custos de transporte dos combustíveis fósseis. No entanto, devido a oferta de derivados de petróleo 8

9 (GLP, diesel, óleo combustível) a preços altamente subsidiados, o seu uso tem sido inviabilizado. 700 Quatrilhões de BTU Renovável Nuclear Carvão Gas Natural Petróleo Figura 3 - Consumo mundial de energia primária. Diversas tecnologias para o aproveitamento energético da biomassa estão disponíveis e outras ainda se encontram em fase de desenvolvimento. A viabilização da energia gerada através do emprego de biomassa exige a redução de custos de geração e de emissões de poluentes. A redução de custos das energias derivadas de biomassa, independentemente da tecnologia empregada, inclui a redução dos custos da coleta e transporte. A produção de biomassa de forma sustentável para a geração de energia elétrica pode ocorrer em função de três origens distintas: pelo aproveitamento de resíduos urbanos (lixo residencial e comercial) ou resíduos de processos industriais, como serragem, bagaço de cana e cascas de árvores; pelo aproveitamento de resíduos de colheitas agrícolas, como folhas, ramos, cascas, etc., e 9

10 pelo plantio de culturas dedicadas, de curta duração, como algumas espécies de árvores ou culturas herbáceas (OVEREND, 2002). No que se refere à geração de energia elétrica, a tecnologia mais empregada é a combustão direta da biomassa em caldeiras, em ciclos a vapor, que hoje chega a gerar 40 GWe em escala mundial. O custo da energia elétrica gerada através de biomassa dessa forma pode chegar a 1 US$ /GJ (THORPE, 2002). No caso brasileiro, os potenciais de geração são expressivos; para a indústria de cana de açúcar. Sistemas de queima direta poderão gerar adicionais de até 2,4-2,7 GW se for utilizada cerca de 25% da palha em adição ao bagaço, ou até 3,4 GW, com 40% de palha. Dos outros resíduos agrícolas, apenas os referentes arroz e trigo são aproveitáveis atualmente e; se implementados, atingiriam até 450 MW. O setor de papel e celulose gera para consumo próprio, usando a lixívia negra, cavacos e cascas de madeira. Em 1999 a capacidade instalada era 718 MW cobrindo 50% das necessidades de energia. Da mesma forma, resíduos de produção madeireira são utilizáveis em unidades relativamente pequenas, de potências variando entre MW (MACEDO, 2002). A tecnologia de gaseificação da biomassa em grande escala ainda está em fase de desenvolvimento, embora já conte com muitas experiências economicamente viáveis em pequena escala. Diversos projetos na faixa de 5-30 MWe têm sido desenvolvidos, porém nenhum deles avançou além do estágio de planta piloto. As variações encontradas nas diferentes tecnologias envolvem: gasificação pressurizada ou atmosférica; aquecimento direto ou indireto; com injeção de ar ou oxigênio. A tendência atual é para sistemas atmosféricos, gaseificação direta ou indireta (Overend, 2002). 10

11 Figura 4 Produção de Etanol no Brasil Outra possibilidade é a utilização de combustíveis derivados da biomassa, como o álcool combustível e os óleos vegetais combustíveis, que constituem uma importante alternativa energética apresentando ganhos ambientais e contribuindo para a e geração de empregos locais. Nesse sentido destacam-se algumas iniciativas do Brasil, que implementou um programa pioneiro de álcool carburante, o PROALCOOL, e está em vias de viabilizar outro projeto ambicioso relacionado a utilização de biodiesel (MACEDO, 2001). A indústria da cana-de-açúcar no Brasil corresponde ao maior sistema de produção de energia comercial oriunda da biomassa no mundo. O Brasil produziu cerca de 300 milhões de toneladas de cana por ano, que corresponde a 25% da produção mundial. O etanol produzido a partir da cana substitui cerca de 40% da gasolina utilizada em automóveis. 11

12 Ganhos de produtividade, eficiência de conversão e gerenciamento adequado propiciaram a obtenção dos menores custos de produção de até o presente momento. As avaliações recentes indicam um custo de US$ 0,18/litro de etanol hidratado (MACEDO, 2002). A utilização da biomassa no setor industrial, por sua vez, apresenta, também, oportunidades bastante interessantes de aumento de eficiência energética, quer através da introdução de melhorias operacionais ou tecnológicas nos processos industriais existentes. Neste sentido, é importante o estabelecimento de uma estratégia de longo prazo, que permita atrair para a região aportes de capital e tecnologias que permitam reduzir e, se possível, neutralizar aqueles impactos financeiros negativos, por exemplo, através da geração de empregos. ÓLEOS VEGETAIS PARA ELETRIFICAÇÃO RURAL O uso de óleos vegetais em motores diesel tem sido testado desde o surgimento do motor diesel, no final do século XIX e diversas tentativas de utilização desse combustível foram feitas ao longo de todo século XX. Durante as duas últimas décadas foram realizadas inúmeras pesquisas para produção e utilização de óleos vegetais como carburantes de motores Diesel. Embora o Brasil apresente condições excepcionais para viabilizar um Programa desta envergadura, outros países também desenvolveram pesquisas neste campo como forma de resolver problemas de abastecimento, como ocorreu durante o período de Guerras Mundiais, ou, mais recentemente, como forma de minimizar o impacto ambiental e diminuir as emissões de SO x, como é o caso dos países da Comunidade Econômica Européia. Por ser originário da biomassa, o óleo vegetal, além de ser renovável e biodegradável, apresenta a vantagem de não aumentar o 12

13 nível de carbono na atmosfera, contribuindo dessa forma para a diminuição do efeito estufa provocada pela utilização de combustíveis fósseis. Dentro destes objetivos foi iniciado na Europa o programa LEBEN (Large European Bio Energy Network), um instrumento para promover a utilização de biomassa para fins energéticos, prevendo uma futura elevação dos preços internacionais do petróleo. Além dos benefícios sócio-econômicos (a expectativa é de geração de dois milhões de novos empregos), o programa visa reduzir a concentração de dióxido de carbono e de óxidos de enxofre e a criação de novos produtos e indústrias. Sendo o óleo vegetal um produto renovável, ele apresenta a vantagem de fechar o ciclo do carbono, ao contrário dos combustíveis fósseis. A utilização de óleos vegetais em motores envolve diversos aspectos: técnico, econômico, social, financeiro, agrícola e ambiental. UTILIZAÇÃO DE ÓLEOS VEGETAIS EM MOTORES DIESEL Existem basicamente duas opiniões divergentes no que se refere a substituição do diesel por óleos vegetais como combustível para motores: adaptar o motor Diesel para queima de óleos vegetais in natura; modificar o combustível para o motor Diesel convencional (projeto Biodiesel); Desde 1994 o Programa de Engenharia Mecânica da COPPE/UFRJ desenvolve pesquisas relacionadas a utilização de óleos vegetais em motores Diesel. Em 1999 foram feitos testes bem sucedidos de adaptação de grupos geradores para utilização de óleo vegetal in natura no CEPEL/ELETROBRAS, tendo por objetivo a geração descentralizada de eletricidade em localidades isoladas na região Norte do país. No início de 2000, o Laboratório de Máquinas Térmicas, o Instituto Virtual de Mudanças 13

14 Globais e a Escola de Química iniciaram um projeto de pesquisa interdisciplinar para estudar a viabilidade técnico-econômica da utilização de biodiesel em motores Diesel convencionais. A motivação para esse projeto partiu da necessidade resolver um problema ambiental: a melhoria da qualidade do ar nos grandes centros urbanos e a reciclagem do óleo de fritura usado em restaurantes e cadeias de fast food. O óleo de fritura, depois de usado, torna-se um resíduo que, na maior parte das vezes, é eliminado através da rede de esgoto doméstico e, como o conseqüência, agravando o problema ambiental nos grandes centros urbanos. Seu aproveitamento como combustível permite retirar um poluente do meio ambiente e, ao mesmo tempo, produzir um combustível de baixo custo e que diminui a emissão de poluentes e particulados. O óleo de fritura usado sofreu um processo de transesterificação, o que permite a sua a utilização puro ou em mistura com diesel convencional em motores Diesel automotivos sem necessidade de adaptação dos mesmos, ao contrário da estratégia adotada no projeto anterior, em que se adaptava o motor ao combustível, tendo em vista as precárias condições locais onde o projeto seria instalado. O custo do processo de transesterificação é baixo e o preço final do óleo vegetal transesterificado é competitivo com o óleo diesel comercializado nos postos. Tendo em vista o tema da presente monografia e a limitação de espaço, se indicará, a seguir alguns dos resultados obtidos no projeto de geração descentralizada de energia utilizando óleo de dendê in natura. DESENVOLVIMENTO EXPERIMENTAL Com o objetivo de realizar um estudo experimental sobre motores estacionários diesel-geradores utilizando óleo de dendê in natura como combustível, foram 14

15 realizados ensaios em um grupo gerador Diesel de injeção direta, MWM 229, com potência de 66 KW. Algumas modificações foram feitas de forma a minimizar os problemas resultantes do emprego do óleo de dendê, a saber: equipar o motor com um trocador de calor para pre-aquecer o óleo antes da entrada dos injetores; usar óleo diesel para dar partida e aquecimento, a fim de diminuir as dificuldades de operação do injetor; escolher filtros de combustível apropriados para remoção das fibras vegetais no óleo; O óleo de Dendê foi aquecido à temperatura de 80º C. O motor operou durante 300 h e, após esse período o motor foi aberto para análise dos depósitos na câmara e nos bicos. Nos bicos injetores observou-se uma tendência desse motor à formação de depósitos, mesmo operando apenas com óleo diesel. Com o dendê esse problema se agravavou, observando-se cogumelos nas saídas dos orifícios, prejudicando assim a o jato e conseqüentemente a formação da mistura com o ar. Os depósitos na câmara e nos bicos injetores diminuíram significativamente depois que a temperatura de injeção do óleo foi elevada de 50 C para 100 C. Com relação às emissões, os níveis de HC e de NOx medidos foram inferiores que os obtidos nos ensaios usando óleo diesel mineral, embora a emissão de material particulado seja maior no dendê do que no diesel. Como na queima do combustível, o tamanho das gotas e também a qualidade do spray são extremamente importantes, a formação de particulado aumenta com o tamanho das gotas. 15

16 Não houve apreciável alteração nas temperaturas do óleo lubrificante, da água de arrefecimento e dos gases de escape. Finalmente, consumo de combustível do motor operando com óleo de dendê é ligeiramente superior ao do mesmo motor operando com diesel. Os resultados obtidos nesse trabalho experimental, embora estejam ainda na fase inicial, mostram que possível adaptar os grupos geradores Diesel para operarem com óleos vegetais in natura. No caso dos motores estacionários a adaptação é mais fácil de ser implementada devido às características desse motor, mais especificamente devido ao regime de rotação destes motores não apresentarem variações expressivas como no caso dos motores Diesel automotivos. Devido a importância da energia elétrica em qualquer processo de desenvolvimento, aliar a sua produção à prática do extrativismo vegetal racional, certamente contribuirá para a reversão do quadro de desprestígio da floresta anteriormente apresentado. Consumo Médio de Combustível x Carga Consumo Médio de Combustível % 50% Carga 75% 100% consumo dendê consumo diesel Figura 5 - Consumo Médio de Combustível no Motor Diesel Testado 16

17 PROJETOS PARA A UTILIZAÇÃO EFICIENTE DA BIOMASSA NO MERCOSUL O uso intensivo da biomassa nos países do MERCOSUL estimula uma análise, ainda que muito resumida, das oportunidades de seu uso eficiente na geração de energia elétrica, na indústria, no setor residencial e como combustível. Ao longo dos trabalhos desenvolvidos no âmbito do Sub-Grupo de Trabalho n 9 - Política Energética, do MERCOSUL, durante os últimos quatro anos, foi identificada a conveniência e oportunidade do desenvolvimento de alguns projetos, a seguir relacionados, que tratam objetivamente da utilização eficiente da biomassa nos países da região: - Projeto de Reunião Ampliada para Intercâmbio de Experiências na Utilização da Biomassa - Estudo da Viabilidade da Produção e Utilização de Aditivos Oxigenados no MERCOSUL - Programa Paraguaio para o Aperfeiçoamento Tecnológico de Fogões (GLP, Lenha e Carvão) - Programa Brasileiro para o Desenvolvimento Energético de Estados e Municípios. Estes projetos, alguns deles ainda em fase inicial de desenvolvimento, representam um primeiro passo consciente de utilização eficiente e competitiva da biomassa na região. DESAFIOS E AÇÕES GOVERNAMENTAIS PARA VIABILIZAR A GERAÇÃO DESCENTRALIZADA DE ENERGIA ATRAVÉS DE BIOMASSA. O Brasil desenvolveu um considerável esforço para implementar uma política de substituição dos derivados de petróleo por biomassa. Segundo um relatório da FINEP, no período

18 1993 foram financiados 176 projetos na área de bioenergia no Brasil, totalizando US$ 32,9 milhões em investimentos. Embora existam algumas dificuldades técnicas, econômicas e políticas para a utilização em larga escala da energia de biomassa, deve-se ressaltar a falta de uma base institucional e de um suporte tecnológico. No meio rural e em localidades isoladas, a utilização desta fonte dispersa de energia deveria ser priorizada como forma mais racional de suprimento energético sob o ponto de vista técnico, econômico e político devido aos elevados custos de transporte dos combustíveis fósseis. No entanto, devido a oferta de derivados de petróleo (GLP, diesel, óleo combustível) a preços altamente subsidiados, o seu uso tem sido inviabilizado. Durante as duas últimas décadas foram realizadas inúmeras pesquisas para produção e utilização de óleos vegetais como carburantes de motores Diesel. Embora o Brasil apresente condições excepcionais para viabilizar um Programa desta envergadura, outros países também desenvolveram pesquisas neste campo como forma de resolver problemas de abastecimento, como ocorreu durante o período de Guerras Mundiais, ou, mais recentemente, como forma de minimizar o impacto ambiental e diminuir as emissões de SOx, como é o caso dos países da Comunidade Econômica Européia. Além dos benefícios sócio-econômicos (a expectativa é de geração de dois milhões de novos empregos), o programa visa reduzir a concentração de dióxido de carbono e de óxidos de enxofre e a criação de novos produtos e indústrias. Sendo o óleo vegetal um produto renovável, ele apresenta a vantagem de fechar o ciclo do carbono, ao contrário dos combustíveis fósseis. A utilização de óleos vegetais em motores envolve diversos aspectos: técnico, econômico, social, financeiro, agrícola e ambiental. 18

19 Além do desenvolvimento de novas tecnologias, barateamento da produção de biomassa, algumas sugestões de políticas para o incentivo da utilização de fontes renováveis são indicadas a seguir (MACEDO, 2002): Melhor definição do papel das energias renováveis no planejamento da universalização do acesso a energia; Agenda comum no MERCOSUL pode, efetivamente, alavancar o emprego das renováveis; Definição de metas e prazos de participação de energias renováveis na matriz, a exemplo do PROINFA; Geração descentralizada com base em mix de fontes alternativas x geradoras a diesel (comunidades rurais isoladas) visando mitigação dos impactos decorrentes da mudança do clima; MDL oportunizando maior emprego das energias renováveis com benefícios indiretos; MDL pode e deve ser utilizado como instrumento de mercado no sentido de viabilizar um papel mais importante às energias renováveis. 19

20 REFERENCIAS -ALVAREZ, J.C. CIER: Comissão de Integração Energética Regional-4to. Congresso Latinoamericano e do Caribe de Gás e Eletricidade- Rio de Janeiro / Abril / 2004 BAJAY, S.V.; Energia no Brasil: os próximos dez anos, na conf. Sustentabilidade na geração e uso de energia no Brasil: os próximos vinte anos, Acad. Bras. De Ciências / UNICAMP, Fev BARATELLI, F.; CENPES; Comunicação pessoal, Out CARPENTIERI, E. et al, Future Biomass Based Energy Supply in NortheastBrazil ; Biomass and Bioenergy, vol 4, No. 3, CNPE. O setor energético brasileiro: situação em 2001 e perspectivas CNPE,Agosto COPPE. Prospectiva da Introdução de Tecnologias Alternativas de Energia nobrasil, COPPE 2002; Relatório Preliminar. -DOE. International Energy Outlook: 1998, with Projection through 2020 ; Energy Information Administration, DoE / EIA, , Washington DC; EPRI. Electricity Supply Roadmap ; Vol2, Electricity Supply ; EPRI (ElectricPower Research Institute), California, FAO Y CONSEJO MUNDIAL DE LA ENERGIA: MAYOR PRIORIDAD A LOS PROBLEMAS DE ENERGIA EN LAS ZONAS RURALES Disponível em <http://www.fao.org/ WAICENT/OIS/ PRESS_NE/PRESSSPA/2000/prsp0001.htm> Acesso em: 15 de novembro de FERRES, J.D: Bio-diesel, no seminário Os veículos automotores e o efeito 20

21 -FREITAS, M. V.; Hidroeletricidade no Brasil: desenvolvimento e sustentabilidade nos próximos vinte anos, na conf. Sustentabilidade na geração e uso de energia no Brasil: os próximos vinte anos, Acad. Bras. de Ciências / UNICAMP, Fev FUKUDA, et al; Biodiesel Fuel Production by Transesterification -IEA. Biomass Energy: Data, Analysis and Trends ; IEA, Paris, IVIG, COPPE. Resíduos sólidos urbanos, IVIG, COPPE, Workshop Análise Julho MACEDO, I. C. Gasificação de biomassa para a geração de energia elétrica, no relatório sobre Biomassa, CENERGIA, Rio, MACEDO, I.C.: Geração de energia elétrica a partir de biomassa no Brasil: -MCT. Programa Brasileiro de Bio-Combustíveis Probiodiesel, MCT-SPTE, Abril -NAKICENOVIC, N. et al: Global Energy Perspectives, Cambridge, UK; Cambridge University Press, NOVEM. Long Term Perspectives of Biomass Integrated Gasification with Combined Cycle Technology, R 9840, NOVEM (Netherlands Agency for Energy and Environment); Dez of Oils ; Journal of Bioscience and Bioengineering, Vol 92, No 5; OVEREND, R.; Biomass conversion technologies, na conf. Sustentabilidade na geração e uso de energia no Brasil: os próximos vinte anos, Acad. Bras. de Ciências / UNICAMP, Fev PINATTI, D.G. Programa BEM: biomassa, energia e materiais Doc.Básico DEMAR Louveira, SP 1996 (citado em 32-6). -PNUD. AL estuda uniformizar leis sobre energia <http://www.pnud.org.br/ energia/ reportagens/index.php?id01=364&lay=ene> Acesso em: 10 de novembro de

22 Prospectiva de Introdução de Tecnologias Alternativas de Energia no Brasil, COPPE 2002 (Relatório Preliminar). -ROSA, L.P. et al; Óleos vegetais Workshop Análise Prospectiva de Introdução de Tecnologias Alternativas de Energia no Brasil, COPPE 2002 (Relatório Preliminar) situação atual, oportunidades e desenvolvimento ; Relatório para o MCT, -THORPE, T. W.; A Brief Review of Wave Energy, no Workshop Análise Prospectiva da Introdução de Tecnologias Alternativas de Energia no Brasil, COPPE 2002; Relatório Preliminar Estado da arte e tendências das tecnologias para energia. -TURKENBURG, W.; Overview of renewable energy technologies, na conf. Sustentabilidade na geração e uso de energia no Brasil: os próximos vinte anos, Acad. Bras. De Ciências / UNICAMP, Fev UNDP. Energy and the Challenge of Sustainability ; World Energy Assessment, UNDP-WEC, USP. Present Status of Biomass Use in Brazil, International Seminar USP Petrobrás on Biomass for Energy Production, Rio, WILLIAMS, R.; Towards zero emissions from fossil fuels, na conf. Sustentabilidade na geração e uso de energia no Brasil: os próximos vinte anos, Acad. Bras. De Ciências / UNICAMP, Fev

23 23

24 24

25 25

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL

POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL POTENCIAL DA BIOENERGIA FLORESTAL - VIII Congresso Internacional de Compensado e Madeira Tropical - Marcus Vinicius da Silva Alves, Ph.D. Chefe do Laboratório de Produtos Florestais do Serviço Florestal

Leia mais

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER

4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER 4º Congresso Internacional de Bioenergia e 1º Congresso Brasileiro de GD e ER Painel II BIOMASSA: Disponibilidade Energética para uma Civilização Sustentável Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005

CREEM 2005. Energia de Biomassa. I C Macedo NIPE/UNICAMP. UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 CREEM 2005 Energia de Biomassa I C Macedo NIPE/UNICAMP UNESP, Ilha Solteira 22/26 Agosto 2005 Energia de biomassa no mundo 45±10 EJ/ano (~16 comercial; 7 moderna ); em ~400 EJ Pode crescer para 100-300

Leia mais

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL.

BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 1 BIODIESEL. O NOVO COMBUSTÍVEL DO BRASIL. PROGRAMA NACIONAL DE PRODUÇÃO E USO DO BIODIESEL Folder final 12/4/04 2:45 AM Page 2 BIODIESEL. A ENERGIA PARA O DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa

Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica. Biomassa Universidade Federal do Ceará Departamento de Engenharia Elétrica Disciplina: Geração, Transmissão e Distribuição de Energia Elétrica Universidade Federal do Ceará Biomassa Professora: Ruth Pastôra Saraiva

Leia mais

ETENE. Energias Renováveis

ETENE. Energias Renováveis Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste ETENE Fonte: http://www.noticiasagronegocios.com.br/portal/outros/1390-america-latina-reforca-lideranca-mundial-em-energias-renovaveis- 1. Conceito

Leia mais

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL

PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL AGENDA RUMOS DA POLÍTICA EXTERNA BRASILEIRA 2011-2012 PANORAMA ENERGÉTICO INTERNACIONAL Prof. Dr. Rex Nazaré Alves 19 de setembro de 2011

Leia mais

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL

WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL WORKSHOP PERSPECTIVAS E DESAFIOS DA ENERGIA NUCLEAR NA MATRIZ ELÉTRICA DO BRASIL GESEL / SINERGIA / EDF A OPÇÃO NUCLEAR PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento

Leia mais

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares

ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares ESCOLA DE COMANDO E ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO (ECEME) 4º Congresso de Ciências Militares Ciências Militares no Século XXI Situação Atual e Desafios Futuros Geopolítica dos Recursos Naturais Fontes Alternativas

Leia mais

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa)

Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aspectos Tecnológicos das Fontes de Energia Renováveis (Biomassa) Aymoré de Castro Alvim Filho Eng. Eletricista, Dr. Especialista em Regulação, SRG/ANEEL 10/02/2009 Cartagena de Indias, Colombia Caracterização

Leia mais

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017)

Comentários sobre o. Plano Decenal de Expansão. de Energia (PDE 2008-2017) Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017) PAULO CÉSAR RIBEIRO LIMA JANEIRO/2009 Paulo César Ribeiro Lima 2 Comentários sobre o Plano Decenal de Expansão de Energia (PDE 2008-2017)

Leia mais

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente

Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Disponibilização e consumo de energia: implicações sobre o meio ambiente Ipea Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Gesmar Rosa dos Santos Antenor Lopes Conteúdo Características gerais da Oferta Interna

Leia mais

A Questão da Energia no Mundo Atual

A Questão da Energia no Mundo Atual A Questão da Energia no Mundo Atual A ampliação do consumo energético Energia é a capacidade que algo tem de realizar ou produzir trabalho. O aumento do consumo e a diversificação das fontes responderam

Leia mais

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas

Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Ethanol Summit Painel: Biocombustíveis e a Mitigação das Mudanças Climáticas Papel do setor sucroenergético na mitigação das mudanças climáticas Géraldine Kutas International Advisor, Brazilian Sugarcane

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS CURSO DE BIOLOGIA (EAD) TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL RAQUEL ALVES DA SILVA CRUZ Rio de Janeiro, 15 de abril de 2008. TRABALHO DE BIOLOGIA GERAL TERMOELÉTRICAS

Leia mais

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

USO DO GÁS NATURAL DE PETRÓLEO NA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA PÓS - GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA AGRÍCOLA ADP8088 - SEMINÁRIOS EM ENGENHARIA AGRÍCOLA II USO DO GÁS NATURAL DE

Leia mais

Células de combustível

Células de combustível Células de combustível A procura de energia no Mundo está a aumentar a um ritmo alarmante. A organização WETO (World Energy Technology and Climate Policy Outlook) prevê um crescimento anual de 1,8 % do

Leia mais

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas

Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas A1 XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica 22 a 26 de agosto de 2005 - Ilha Solteira - SP Biodiesel e Bio-óleo: Alternativas Energéticas Limpas José Dilcio Rocha NIPE/UNICAMP BIOWARE

Leia mais

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis

Biocombustíveis. Também chamados de agrocombustíveis Biocombustíveis Também chamados de agrocombustíveis Biomassa É o combustível obtido a partir da biomassa: material orgânico vegetal ou animal Uso tradicional: lenha, excrementos Etanol: álcool combustível.

Leia mais

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94

Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Jornal Canal da Bioenergia A energia das florestas Agosto de 2014 Ano 9 Nº 94 Apesar de pouco explorada, a biomassa florestal pode ser uma das alternativas para a diversificação da matriz energética Por

Leia mais

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica

Aproveitamento da Biomassa para a Geração de Energia Elétrica Geração de Energia Elétrica 1º Seminário sobre a Utilização de Energias Renováveis veis para Eletrificação Rural do Norte e Nordeste do Brasil Dr. Osvaldo Stella Martins Centro Nacional de Referência em

Leia mais

BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS

BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS BIOCOMBUSTÍVEIS E SUAS IMPLICAÇÕES SOCIOAMBIENTAIS Marilia de Jesus Oliveira 1 ; Letícia de Jesus Castro Morais dos Santos 2 ; Jeferson Santos Barros 3 ; José Carlson Gusmão Silva 4 1 Instituto Federal

Leia mais

Dossiê Recursos Naturais

Dossiê Recursos Naturais Dossiê Recursos Naturais ESTUDOS AVANÇADOS 12 (33), 1998 5 Energia e desenvolvimento JOSÉ GOLDEMBERG ENERGIA É um ingrediente essencial para o desenvolvimento, que é uma das aspirações fundamentais da

Leia mais

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes

ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais. Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes ENERGIA Fontes e formas de energia Impactos ambientais Prof. Dra. Carmen Luisa Barbosa Guedes Disciplina: - 2014 A energia esta envolvida em todas as ações que ocorrem no UNIVERSO FONTES DE ENERGIA FONTES

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos

Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos 1 Energia Sustentável para Todos: grande oportunidade e caminhos a serem seguidos António Farinha, Managing Partner São Paulo, 11 de junho de 2012 2 As medidas do Sustainable Energy for All endereçam as

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Fortaleza, junho de 2015

Fortaleza, junho de 2015 Fortaleza, junho de 2015 All About Energy 2015 Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas Membro da Academia

Leia mais

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos.

DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. R O C H A DEFINIÇÃO: Matriz energética é toda a energia disponibilizada para ser transformada, distribuída e consumida nos processos produtivos. O petróleo e seus derivados têm a maior participação na

Leia mais

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática

Luiz Pinguelli Rosa. SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015. O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática SEMINÁRIO Florianópolis, junho de 2015 O Setor Elétrico no Contexto da Política de Energia e Mudança Climática Luiz Pinguelli Rosa Diretor da COPPE UFRJ * Secretário do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS

CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES DE FONTES ENERGÉTICAS CLASSIFICAÇÃO E VIABILIDADES 1 INTRODUÇÃO NA PRÉ HISTÓRIA O HOMEM UTILIZAVA SUA PRÓPRIA ENERGIA PARA DESENVOLVER SUAS ATIVIDADES TRANSFERÊNCIA DO ESFORÇO PARA OS ANIMAIS 2 APÓS A INVENSÃO DA RODA: UTILIZAÇÃO

Leia mais

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa

Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa Política Energética Brasileira Panorama da Biomassa MME Secretaria de Planejamento Energético Brasília Março de 2010 Roteiro 1. Cenário da Expansão 2. Características 3. Políticas Energéticas 4. Leilões

Leia mais

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa

Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa Conversão de Energia Térmica em Elétrica a partir da Biomassa TECNOLOGIAS DISPONÍVEIS www.basesolidaenergia.com.br +55 41 3667 9014 Curitiba PR Objetivo O Objetivo desta apresentação é informar quais os

Leia mais

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030

Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Prospectivas da Matriz Energética Nacional 2030 Gilberto Hollauer Departamento de Planejamento Energético SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO Brasília, Brasília, 13 de 5 setembro de

Leia mais

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS

ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSAS O que é biomassa? - É toda matéria orgânica proveniente das plantas e animais. Como se forma a biomassa? - A biomassa é obtida através da fotossíntese realizada pelas plantas.

Leia mais

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações

Fontes de Energia. Consumo de Energia em Edificações Fontes de Energia 1. Consumo médio de energia 2. Fontes de Energia Hidroelétrica Termoelétrica (combustíveis fósseis) Eólica Solar Biomassa (termoelétrica renovável) 3. Cogeração ou Geração Distribuída

Leia mais

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil

Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Confederação Nacional da Indústria Matriz energética e emissão de gases de efeito estufa Fatos sobre o Brasil Edição revisada Brasília, 2008 Nota técnica Os gráficos desta cartilha foram elaborados a partir

Leia mais

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de

etanol e bioeletricidade!!). Ora a cana de açúcar se presta a ambas as tecnologias mencionadas. Ao converter açúcar em etanol, nas dornas de Comentários sobre o Resumo do Segundo Seminário Internacional sobre Uso Eficiente do Etanol, realizado nos dias 17 e 18 de setembro de 2015, no Auditório do BNDES, Rio de Janeiro, RJ, organizado pelo INEE.

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030

TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 TERMO DE REFERÊNCIA PLANO NACIONAL DE ENERGIA 2030 PNE 2030 AGOSTO DE 2005 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 1 2 OBJETIVOS E JUSTIFICATIVA 2 3 CONTEÚDO DO TRABALHO 2 3.1 ESTUDOS DE FUNDAMENTAÇÃO SOBRE ECONOMIA E ENERGIA

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear.

Tipos de Energia. Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Tipos de Energia Gravitacional; Elétrica; Magnética; Nuclear. Fontes de Energia Primaria fontes que quando empregadas diretamente num trabalho ou geração de calor. Lenha, para produzir

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2014

Balanço Energético Nacional 2014 Balanço Energético Nacional 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ Maio de 2014 BEN 2014 Relatório Síntese ano base 2013 Ministério de Minas e Energia

Leia mais

Lista dos tópicos tecnológicos

Lista dos tópicos tecnológicos Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Energia Anexo 1 Lista dos tópicos tecnológicos 1 2 Energia 1. Tecnologias para a geração de energia elétrica Combustíveis fósseis

Leia mais

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd.

Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Seminário Internacional de Energia da AUGM Prof. Mario Eduardo Santos Martins, Phd. Universidade Federal de Santa Maria Grupo de Pesquisa em Motores, Combustíveis e Emissões Necessidade de energia Iluminação

Leia mais

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural

Engenharia Florestal. Desenvolvimento Rural Engenharia Florestal Desenvolvimento Rural 2/05/2010 Trabalho realizado por : Ruben Araújo Samuel Reis José Rocha Diogo Silva 1 Índice Introdução 3 Biomassa 4 Neutralidade do carbono da biomassa 8 Biomassa

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração;

Os proprietários no Brasil podem ser: Empresas concessionárias de serviço público de geração; GERAÇÃO DISTRIBUÍDA DEFINIÇÃO A geração distribuída de eletricidade consiste na produção da eletricidade no local de seu consumo, ou próximo a ele; Eventuais excedentes desta geração podem ser vendidos

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o

4. O Ciclo das Substancias na Termoelétrica Convencional De uma maneira geral todas as substâncias envolvidas na execução do trabalho são o 1.Introdução O fenômeno da corrente elétrica é algo conhecido pelo homem desde que viu um raio no céu e não se deu conta do que era aquilo. Os efeitos de uma descarga elétrica podem ser devastadores. Há

Leia mais

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País

. Reafirmar a importância do etanol como tema estratégico para a economia, o meio-ambiente, a geração de empregos e o futuro do País o que é O QUE É. Lançado em Brasília em dezembro de 2011, o Movimento Mais Etanol visa detalhar e disseminar políticas públicas e privadas indispensáveis para: w O restabelecimento da competitividade do

Leia mais

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional

Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Energias Renováveis Tecnologias Integradas com o Sistema Nacional Fimai/Simai/ Câmara Ítalo - Brasileira Elaborada por: Eng. Marcio Takata Novembro/ 2010 Contexto Fonte: Apresentação Solvis Energia - Tendências

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS

Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS Índice 1 INTRODUÇÂO 2 A INDÚSTRIA DO CIMENTO NO CENÁRIO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS 3 REFERÊNCIAS INTERNACIONAIS 4 2º INVENTÁRIO BRASILEIRO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA 5 PERSPECTIVAS E DESAFIOS 6

Leia mais

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013

Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 Rede Clima Sub rede Energias Renováveis 2009 a 2013 COORDENADORES LUIZ PINGUELLI ROSA (lpr@adc.coppe.ufrj.br) MARCOS AURÉLIO VASCONCELOS DE FREITAS (mfreitas@ivig.coppe.ufrj.br) NSTITUIÇÃO COORDENADORA

Leia mais

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC

Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Anexo III da Resolução n 1 da CIMGC Projeto Nobrecel de Troca de Combustível na Caldeira de Licor Negro (Nobrecel fuel switch in black liquor boiler Project) Introdução: O objetivo deste relatório é o

Leia mais

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos

Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Melhoramento de Plantas: Produção de Biocombustíveis vs Produção de Alimentos Leonardo Lopes Bhering leonardo.bhering@embrapa.br In: 5º Congresso Brasileiro de Melhoramento de Plantas Guarapari ES, 13

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Identificando os tipos de fontes energéticas

Identificando os tipos de fontes energéticas Identificando os tipos de fontes energéticas Observe a figura abaixo. Nela estão contidos vários tipos de fontes de energia. Você conhece alguma delas? As fontes de energia podem ser renováveis ou não-renováveis,

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável: balanço energético nacional UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 1 Energia elétrica no âmbito do desenvolvimento sustentável:

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS GERAÇÃO DE ENERGIA LIMPA ATRAVÉS DA REFORMA DE GÁS METANO DE ATERROS SANITÁRIOS Luiz Felipe de Camargo Kastrup Faculdade de Saúde Pública USP Paulo Bernardi Junior Instituto de Pesquisas Energéticas e

Leia mais

O aproveitamento da biomassa

O aproveitamento da biomassa A energia das plantas De onde vem a biomassa As fontes de biomassa se diferenciam de acordo com suas características ou origens. Considera-se biomassa primária aquela obtida de produtos originados diretamente

Leia mais

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENERGIA RENOVÁVEIS & EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SUPERINTENDÊNCIA DE PROJETOS DE GERAÇÃO (SPG) CHESF 1 TEMAS ABORDADOS PERFIL DA CHESF MATRIZ ENERGÉTICA FONTES DE ENERGIA RENOVÁVEIS & NUCLEAR ASPECTOS ECONÔMICOS

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos:

Conceito. são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Conceito são os diversos tipos de materiais ou processos dos quais se podem obter energia. Podem ser divididos em dois grandes grupos: Renováveis renovação em um curto período de tempo; Não renováveis

Leia mais

Aula 6 Balanço Energético

Aula 6 Balanço Energético AULA Fundação 6 BALANÇO Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 6 Balanço Energético Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG / Engenharia Elétrica Campo Grande MS 2

Leia mais

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis

Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis 1 2 Tecnologia Alternativa Combustíveis renováveis Portaria nº 3-A/2007 de 2 de Janeiro Promoção da utilização de biocombustíveis nos transportes foi objecto do Decreto - Lei nº 62/2006 Decreto - Lei nº

Leia mais

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2

Resumo. Palavras chave: Gases poluentes; Efeito estufa; Sucroenergéticas. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko Velenzuela Turdera 2 Balanço das emissões de gases do efeito estufa (CO 2 ) em usinas sucroenergéticas, de Mato Grosso do Sul de acordo com a potência instalada em suas centrais de cogeração. Lucas Schwerz 1 ; Eduardo Mirko

Leia mais

Medida Provisória 532/2011

Medida Provisória 532/2011 Ciclo de palestras e debates Agricultura em Debate Medida Provisória 532/2011 Manoel Polycarpo de Castro Neto Assessor da Diretoria da ANP Chefe da URF/DF Maio,2011 Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural

Leia mais

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL

PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL PANORAMA DO SETOR DE BIOCOMBUSTÍVEIS E BIOENERGIA NO BRASIL Marcelo Cavalcanti Guerra Recife, 22 de julho de 2014. 11 PRODUÇÃO / CONSUMO ETANOL BRASIL ÚLTIMOS 5 ANOS ANIDRO (M3) HIDRATADO (M3) ANO PRODUÇÃO

Leia mais

Fique ligado na energia!

Fique ligado na energia! A U A UL LA 3 Fique ligado na energia! Todos os processos vitais do planeta - circulação das águas e dos ventos, a fotossíntese, entre outros - dependem de energia. A principal fonte de energia na Terra

Leia mais

OS RECURSOS ENERGETICOS

OS RECURSOS ENERGETICOS OS RECURSOS ENERGETICOS Recursos energéticos Recursos energéticos são tudo o que o Homem pode retirar da Natureza onde se obtém energia. Os recursos energéticos dividem-se em dois grupos: Energéticos renováveis

Leia mais

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira

Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Papel dos biocombustíveis na matriz energética brasileira Agenda Arcabouço Legal Panorama Brasil o Matriz Energética Brasileira o Biodiesel o Etanol o Novos Biocombustíveis Comentários Finais Arcabouço

Leia mais

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO

BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO BIODIESEL ENERGIA MÓVEL GARANTIDA 100% ECOLOGICA PARA COPA E PARA O MUNDO O que é BIODIESEL BIODIESEL é um combustível produzido a partir de óleos vegetais ou gordura animal, que pode ser utilizado em

Leia mais

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE

UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE UMA EMPRESA DEDICADA À SUSTENTABILIDADE Ricardo Blandy Vice - Presidente Nexsteppe Sementes do Brasil Novembro 2015 Nexsteppe Sede mundial em São Franscisco, CA Empresa de comercialização de SEMENTES DE

Leia mais

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO

UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO UMA SOLUÇÃO PARA O ETANOL BRASILEIRO O Brasil tem o programa mais bem sucedido de substituição de combustível fóssil por combustível renovável no mundo. Esse resultado só foi possível pela resposta do

Leia mais

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética

Sumário Executivo. A [R]evolução Energética Sumário Executivo Ameaças climáticas e soluções As mudanças climáticas globais, conseqüências do incessante aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera do planeta, já estão alterando ecossistemas e

Leia mais

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável

Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA Energia Competitiva para o Nordeste: Energia Limpa e Renovável Gilberto Hollauer Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético Abril de 2015 1 Sumário Política Energética

Leia mais

Potencial dos Biocombustíveis

Potencial dos Biocombustíveis Potencial dos Biocombustíveis Mozart Schmitt de Queiroz Gerente Executivo de Desenvolvimento Energético Diretoria de Gás e Energia Petrobras S.A. Belo Horizonte, 17 de outubro de 2007 Evolução da Capacidade

Leia mais

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel

Motor Diesel Vantagens na utilização do Biodiesel Vantagens do Eco Óleo Dúvidas mais freqüentes Óleos Vegetais Biodiesel Características do Biodiesel Motor Diesel p02 Vantagens na utilização do Biodiesel p04 Vantagens do Eco Óleo p05 Dúvidas mais freqüentes p08 Óleos Vegetais Biodiesel p11 Características do Biodiesel p13 Meio Ambiente: Responsabilidade

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Mudança tecnológica na indústria automotiva

Mudança tecnológica na indústria automotiva ESTUDOS E PESQUISAS Nº 380 Mudança tecnológica na indústria automotiva Dyogo Oliveira * Fórum Especial 2010 Manifesto por um Brasil Desenvolvido (Fórum Nacional) Como Tornar o Brasil um País Desenvolvido,

Leia mais

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica).

Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). Valorização dos resíduos de biomassa. Produção de energia renovável (elétrica e térmica). 1 Biomassa é uma substância orgânica, produzida pelo processo de acumulação de energia solar. O seu maior potencial

Leia mais

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS

AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS AS VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS ENERGIAS RENOVÁVEIS E NÃO-RENOVÁVEIS Laís Schiavon Da Rocha ¹ Rozanda Guedes Da Silva Costa ² O desenvolvimento econômico e os altos padrões de vida são processos complexos

Leia mais

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer

Create PDF with GO2PDF for free, if you wish to remove this line, click here to buy Virtual PDF Printer AGRICULTURA E AQUECIMENTO GLOBAL Carlos Clemente Cerri Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP) Fone: (19) 34294727 E-mail: cerri@cena.usp.br Carlos Eduardo P. Cerri Escola Superior de Agricultura

Leia mais

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO

O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO XII Congresso Nacional de Estudantes de Engenharia Mecânica CREEM 2005 O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO MSc. Paulo F. P. Ferreira Lab. de Hidrogênio - Unicamp O HIDROGÊNIO COMO VETOR ENERGÉTICO Premissa

Leia mais

Fontes Alternativas de Energia

Fontes Alternativas de Energia Fontes Alternativas de Energia Fontes de Energia Fontes Primárias Fontes Renováveis Fontes Não Renováveis Geotérmica Gravitacional Solar Nuclear Oceânica Eólica Hidráulica Fontes Secundárias Madeira Cana

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Cogeração de Biomassa

Cogeração de Biomassa Estudo de Baixo Carbono para o Brasil Cogeração de Biomassa Tema K Relatório Técnico Equipe Técnica: Universidade Estadual de Campinas Arnaldo Walter 2010 Brazil Low Carbon Study Sub-Project K Cogeneration

Leia mais

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012

BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL. I Relatório Síntese I ano base 2012 BALANÇO ENERGÉTICO NACIONAL 2013 I Relatório Síntese I ano base 2012 Brasil. Empresa de Pesquisa Energética. Balanço Energético Nacional 2013 Ano base 2012: Relatório Síntese Rio de Janeiro: EPE, 2013

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta:

PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI Nº, DE DE 2011 (Do Sr. Júlio Delgado) Dispõe sobre a criação do Programa Nacional de Pesquisa e Desenvolvimento de Compostos Orgânicos de Origem Vegetal para Redução das Emissões de Gases

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia

FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CIÊNCIAS DESAFIO DO DIA. Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdo: - Fontes Alternativas de Energia CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Habilidades: - Conhecer as diferentes formas

Leia mais

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br

Apresentação Geral W2E Bioenergia. Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente. www.w2ebioenergia.com.br Apresentação Geral W2E Bioenergia Empresa Produtos Soluções Tecnologia Diferenciais Meio Ambiente 1 www.w2ebioenergia.com.br 1 - A Empresa A W2E Bioenergia foi criada em 2010 tendo como base um desafio

Leia mais

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia

Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia A geracao de eletricidade Como se produz eletricidade Os vários meios de obtê-la transformando outros tipos de energia valdemir cunha/horizonte Unidades geradoras da usina hidrelétrica de Promissão, no

Leia mais

O futuro do xisto nos Estados Unidos

O futuro do xisto nos Estados Unidos O futuro do xisto nos Estados Unidos Exploração do xisto nos Estados Unidos transforma matriz energética do país A INTL FCStone Inc. é uma empresa listada na Fortune 500 que fornece aos clientes pelo mundo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO

UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS RESUMO UTILIZAÇÃO DO SISTEMA HÍBRIDO HIDRÁULICO NOS VEÍCULOS COMERCIAIS Luis Eduardo Machado¹ Renata Sampaio Gomes ² Vanessa F. Balieiro ³ RESUMO Todos sabemos que não é possível haver regressão nas tecnologias

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais