Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Finança Pessoal. Artigo Clube de Investimento Versão completa em PDF Versão 1.0 www.financapessoal.com.br"

Transcrição

1 Bem-vindo aos artigos do Finança Pessoal. Nesse primeiro artigo vamos esclarecer as informações sobre os Clubes de Investimentos e vamos fazer um passo-a-passo de como montar um clube. Esse artigo é uma versão completa e detalhada. Uma outra versão (versão resumo) desse artigo está disponível no site e tem a idéia de ser mais direto nas questões. Então, vamos começar... O que é o Clube de Investimento? O Clube de Investimento é a reunião de pessoas com o interesse de investimentos na Bolsa de Valores, dentro das regras da CVM. Como surgiu e a situação Brasileira Os Clubes de Investimentos surgiram no Estados Unidos e a idéia foi importada a pouco tempo para o Brasil e tem tido uma grande adesão no mercado brasileiro ultimamente. Em 2008, por exemplo, o número de Clubes até Julho foi de com 17,60 bilhões de Reais e o número de cotistas de O Clube se tornou uma ótima alternativa de investimento pelas vantagens que o Clube propicia. Como funciona e por que o Clube é tão vantajoso? Apenas por ser uma reunião de pessoas com objetivos comuns não torna o Clube de Investimentos um atrativo tão grande. O que torna o Clube interessante aos olhos dos investidores são suas características. Os principais benefícios são: Diversidade na natureza da aplicação - Através do Clube é possível investir não só no mercado acionário à vista. É possível investir em Títulos do Governo, Opções, Termo, Índices de ações, Fundos imobiliários, Fundos de renda fixa, entre outros. Tudo dentro dos limites estabelecidos pela legislação e pelo estatuto. Diversidade da Carteira - Com a soma dos participantes é possível ter uma carteira mais diversificada. Se uma pessoa compra 3 ou 4 grupos de ação, com o Clube é possível fazer uma carteira de 10 grupos ou mais. Tornando a carteira mais diversificada. Taxas Bovespa e CBCL menores - Embora represente pouco em termos orçamentários e não constitui fundamento primordial para a escolha de um Clube de Investimento, mas é bom saber que é a taxa cobrada

2 pela Bovespa e pelo CBCL são menores no caso de Fundos e Clubes de Investimento. Facilidade no Imposto de Renda - Existem dois benefícios com relação ao imposto de renda. O primeiro se refere ao recolhimento. Enquanto que no investimento individual, cada pessoa é responsável por recolher o DARF, realizar o cálculo e pagar o imposto; no Clube, quem realiza essa operação é o Administrador (veja abaixo os detalhes). Pagamento de Imposto de Renda no resgate - O outro grande benefício do Clube é o pagamento do IR apenas quando existe o resgate das Quotas, o que permite aumentar os lucros. Mas vamos entender melhor como funciona o Clube conhecendo alguns detalhes: Regras gerais: Destinado a pessoas físicas, admite no mínimo 3 e no máximo 150 pessoas, podendo ser aberto (público em geral), ou fechado (familiares, amigos, funcionários de empresas, associação de classe, etc.). Valor inicial: Os participantes determinam o valor a ser aplicado, e o valor inicial de cada cota. A cota funciona de forma semelhante aos Fundos de Investimentos, ou seja, definido o valor da cota o montante aplicado é convertido em quotas do Clube. Por exemplo: Se o valor inicial de cada cota é R$1,00 e o valor aplicado é de R$1.000,00, esse participante terá 1000 quotas. Se o valor de cada cota fosse R$2,00 o participante do clube teria 500 quotas. Com a valorização teríamos o seguinte caso: Para uma valorização de 50%, por exemplo, o cotista (pessoa participante que possui quotas do Clube) continuaria com 1000 quotas para o primeiro caso e 500 quotas para o segundo. O que altera é o valor da cota, que passaria para R$1,50 no primeiro exemplo e para R$3,00 no segundo. Para ficar mais claro, segue uma tabela resumo ilustrativa do exemplo. Quotas Aplicação inicial Valorização de 50% Valor da Cota Total aplicado Quotas Valor da Cota Total 1000 R$ 1,00 R$1.000, R$ 1,50 R$1.500, R$ 2,00 R$1.000, R$ 3,00 R$1.500,00 O aumento da aplicação de capital (denominado de aporte) aumenta o número de quotas (conforme valor da cota quando ocorrer a aplicação). Limite de aplicação: Nenhum membro do clube pode possuir mais de 40% do total das quotas. Nome do clube: Os membros do clube escolhem um nome para o mesmo, que obrigatoriamente não deverá ter sido registrado anteriormente por outro Clube.

3 Administrador: É a sociedade corretora; a sociedade distribuidora; o banco de investimentos ou o banco múltiplo com carteira de investimentos que administrará o clube de acordo com seu estatuto social e com a legislação em vigor. Cabe ao administrador, manter sob sua guarda os registros administrativos, contábeis, e operacionais do clube, remeter aos cotistas informações relativas ao seu desempenho, mantendo controles eficazes quanto as operações realizadas pelo clube, a composição da carteira, a custódia dos títulos, aplicações e resgates, e a posição de cada membro do clube. O Administrador também é responsável pelo recolhimento do Imposto de renda. Gestor: É quem administra a carteira do clube (carteira tem um significado amplo, tanto é a compra e venda de ações, como demais ativos), prestando serviços de gestão dos recursos dos mesmos, de acordo com a política de investimentos do clube (conforme estatuto). Cabe ao gestor zelar pela boa execução das operações realizadas em nome do clube. O Gestor poderá ser remunerado, se esse for autorizado pela CVM. Contudo, a princípio, o Gestor é não remunerado. Veja em nosso site como se tornar um Gestor remunerado no artigo específico. Representante: É um membro do clube escolhido pelos demais, cuja função é representar o clube de Investimentos e os interesses dos demais cotistas perante o administrador do clube e perante terceiros. Conselho de representantes: É um grupo formado por no mínimo, três membros do clube, escolhido pelos demais, cuja função é representar o clube e o interesse de seus cotistas perante o administrador e a terceiros. Entendendo o básico do Clube de Investimentos, vamos entender seu funcionamento já seguindo um passo-a-passo de como montá-lo. Criando um Clube de Investimentos - Passo-a-passo. A melhor forma de entender o funcionamento do Clube é entender como ele é constituído. Muitas questões são resolvidas nesse passo-a-passo. Passo Zero Tenha idéia do que deseja. Esse é um passo importante e fundamental. A definição do Clube. O que é isso? Primeiro deve-se pensar quais os princípios do Clube. Continua sem entender? Então responda as seguintes questões: Quem irá participar do Clube? Ele será aberto ou fechado? Ele terá quantas pessoas? Para essas três questões lembre-se: O clube deverá ter no mínimo 3 e no máximo 150 pessoas. Todas pessoas físicas (pessoas jurídicas não podem participar de Clubes de Investimento). Pense no número como seu aliado. Um número

4 grande de pessoas torna difícil conciliar os interesses, mas permite um volume maior financeiro e uma carteira mais diversificada. Pesquise entre seus amigos/colegas todo que tem interesse de participar. Mostre as vantagens (mostre nosso site :-) ). Faça uma lista. Isso será um item importante para avaliar a viabilidade. Quanto será a aplicação inicial? Terá aplicações sucessivas? Você poderá definir aplicações sucessivas, ou seja, aplicações obrigatórias para os membros (aporte obrigatório). Isso permitirá um aumento de capital do Clube, mas pode ser uma forma de afastar novos aplicadores, principalmente os iniciantes. Quero um Gestor profissional? Existem Clubes formados que procuram Gestores profissionais e preferem esse tipo de Gestão. Esses gestores são remunerados. O Benefício desse tipo de gestão é a comodidade. Se o objetivo é criar um Clube para aprender a investir ou se a preferência é por manter as coisas sobre um controle maior, então a opção é a não contratação de um Gestor. Depois de respondido essas questões você deverá procurar uma administradora que se adeque à essas condições e seus desejos. Pesquise, pois existem muitas administradoras no mercado. As opções são muitas, contudo, a questão financeira agora é uma questão de peso. Então, quando for analisar as administradoras procure avaliar os benefícios, conforme segue a seguir. Primeiro passo Procurar a Administradora Antes de procurar a Administradora (Corretora ou Distribuidora) é fundamental que você tenha idéia do que deseja. Não procure uma administradora, sem antes saber o que você deseja. A pesquisa da Administradora é um dos passos mais importantes. Pois cabe a esse passo 2 questões importantes: Viabilidade Técnica - Verifique se a administradora te atende quanto às informações, sistema utilizado, suporte e diretivas do futuro Clube. Por exemplo, uma Administradora que imponha o uso de um Gestor profissional será um problema caso seu desejo seja Gerir pessoalmente a carteira. Viabilidade Econômica - Muito, muito importante. Os valores cobrados para Clube são diferenciados. Uma administradora que cobre um valor X para investidor individual

5 para corretagem, não necessariamente cobrará o mesmo valor para o Clube. Então esteja atento para o seguinte: QUANTO CUSTA?? As administradoras cobram os seguintes custos: Taxa de administração - É o valor percentual ou fixo anual, cobrado mensalmente à título de remuneração pelos serviços de administração do Clube. Esse valor normalmente é uma percentagem sobre o patrimônio do Clube, contudo, pode também ser um valor fixo mensal independente do patrimônio do Clube. Corretagem - Cada ordem que é dada para compra e/ou venda de ações acarreta em custas. A parte que se refere a administradora é denominada corretagem. A corretagem é um valor importante a ser pesquisado, pois, muitas instituições cobram valor fixo para corretagem quando o investidor é individual, mas tem política diferente para Clubes de Investimentos. Lembre-se: Esses são os valores cobrados pela Administradora, existem outros custos envolvidos na negociação de ações (emolumentos, cobrados pela Bovespa e CBLC; ISS conforme município; e IR cobrado pela União). Na versão resumo desse artigo, temos uma tabela dos custos; e abaixo, nesse artigo, temos o custo da administradora. É importante realizar uma pesquisa utilizando a viabilidade técnica e após escolher um grupo de instituições, realizar a viabilidade Econômica. É importante frizar que a melhor administradora é a que atende o melhor custo benefício. Nada adianta uma administradora ter custos baixos e você não conseguir dar as ordens. Note que o custo levantado da viabilidade econômica deve estar casado com o que você deseja do Clube (Passo zero). Se o Clube terá R$50.000,00, por exemplo, e você terá uma taxa de administração de R$500,00/mês você terá 1% do valor do patrimônio do clube sendo consumido mensalmente, o que dá 12% ao ano. É claro que uma taxa percentual, nesse caso de 3% ao ano seria bem melhor. Contudo, para patrimônios maiores, a taxa fixa pode ser melhor, pois o valor passa a ser pouco representativo. Note que a corretagem é também fundamento importante. A taxa mais praticada no mercado é a tabela Bovespa, ou seja, de 0 até R$ 135,05. R$2,74 de 135,06 até R$ 498,62 2%

6 de 498,63 até R$ 1.514,69. 1,5% + R$ 2,49 de 1.514,70 até R$ 3.029,39 1% + R$ 10,59 acima de R$ 3.029,39.. 0,5% + R$ 25,21 Como no exemplo anterior, para um Clube de R$50.000,00. Caso o clube tenha como fundamento manter posições, ou seja, o índice de Compra de de Vendas de ações é baixo e supondo um giro do capital mensalmente (comprou e vendeu todos os R$50.000,00) teríamos R$ ,00(compra e venda) * 0,5% + 50,42 (comprou em um dia e vendeu em outro - 25,21*2) = R$550,42. Isso com operação em apenas dois dias (um para compra e outro para venda), o que quase não ocorre, mesmo para um giro simples. Observe que é um valor muito salgado, utilizando-se a tabela bovespa. Claro, que volumes maiores e movimentações maiores propiciam descontos maiores e as administradoras normalmente devolvem um percentual dessa corretagem. Então é muito importante saber qual o tamanho de seu futuro clube e qual a previsão de crescimento. Faça cálculos, discuta e nunca decida precipitadamente por uma administradora. Esse é um passo importante e pode inclusive fazer você rever o passo zero. Ligue para as possíveis administradoras, avalie o atendimento e a qualidade das informações passadas. Também preste atenção no tempo e se estiver fora da cidade da administradora veja se a mesma tem Quais perguntas então fazer na sua pesquisa? Abaixo temos um roteiro do que recomendamos (antes de sair ligando, recomendamos que você acabe de ler o texto todo para entender os passos seguintes): Pergunte sobre a taxa de administração. O valor, como ela é cobrada. Pergunte sobre a taxa de corretagem. Se usam a tabela bovespa, pergunte sobre os descontos progressivos. Lembre-se que existe a operação via Home-Broker e via mesa de operação (telefone ou chat) e os preços podem ser diferenciados. Pergunte sobre os dois e fale sempre em termos de CLUBE DE INVESTIMENTO, pois valores para investidor individual podem ser diferentes. Pergunte o investimento mínimo. As administradoras podem exigir um mínimo por clube. Pergunte sobre a plataforma utilizada, pois algumas administradoras têm plataformas específicas para grandes investidores (ou investidor especial) e como existem algumas que cobram um mínimo, seu clube pode cair automaticamente como investidor especial. Veja o trâmite interno. Passo-a-passo. Você saberá

7 algumas coisas, mas é importante confirmar. Veja também se quem te atende sabe. Pergunte se terá alguma área, ou pessoa que fará o atendimento ao clube. Pergunte sobre o Gestor, a Administradora... etc. Através desse processo você poderá identificar processos internos diferentes. Algumas administradoras, por exemplo, como já citamos, podem exigir Gestores profissionais. Peça para enviarem um modelo do Estatuto praticado pela instituição. Depois de ter todos esses dados, faça uma tabela comparativa e avalie. Decidida qual será a administradora, sabendo quantas pessoas seu Clube terá, a filosofia de aplicação do futuro clube e montante, está na hora de partir para o próximo passo. Segundo passo Formar o Clube Já contactou seus futuros "sócios"? Esse é o momento. Mande informações sobre a administradora. Peça para todos abrirem conta na administradora (cada um deverá ter sua própria conta). O processo é similar ao processo do investidor individual. Envio de documentação necessária (normalmente - CPF, Identidade, comprovante de residência, contrato assinado) e transferência do dinheiro. Esse é um processo lento, visto que cada pessoa tem um tempo diferente para executar essa tarefa, por esse motivo, o ideal é abrir o clube com o mínimo de pessoas, ou seja, 3. Esse tempo será útil para fechar os últimos detalhes do Estatuto, definindo também quem será o Representante e Gestor do Clube. Se você tem dúvidas sobre o estatuto, veja nosso artigo sobre a criação do Estatuto. Defina inicialmente os 3 membros fundadores do Clube. Isso evita a espera e acelera os demais processos. Lembre-se que essas três pessoas (ou pessoas iniciais, quantas forem) terão que assinar toda a documentação de abertura do clube, conforme segue abaixo: Cartão de Assinaturas - Representante assina 2 vezes Termo de constituição do Clube - Assinam todos os três - quanto maior for a quantidade de pessoas, maior a dificuldade, pois terá que procurar cada membro para assinar. Estatuto - Assinam o representante e o Gestor Cadastro Representante - Assina o Representante Após a assinatura da documentação envie a mesma para administradora. Ela será a responsável por inscrever o Clube junto à Receita Federal (O Clube terá um CNPJ) e junto à Bovespa/CBLC.

8 Se você já aplica na Bolsa e gostaria de usar os recursos que você já tem, mas opera em instituição diferente, basta transferir a custodia. Procure se informar junto à Administradora o processo para execução. Contacte os outros membros e realize a inclusão deles ao Clube via termo de adesão. Pronto!! Parabéns, você tem um Clube formado. Passe para o próximo passo. Terceiro passo Operar A operação pelo clube é muito similar à operação do investidor individual, com alguns detalhes. Veja como funciona: As pessoas transferem os recursos de suas contas individuais para o Clube. Esse processo pode ser automático, ou via ordem (verbal ou escrita), dependendo da Administradora. Baseado na política do Clube o Gestor faz os investimentos via Home Broker ou mesa de Operações. Veja abaixo sobre os tipos de investimentos e os benefícios fiscais. O participante do Clube poderá fazer o resgate a qualquer tempo, dentro dos prazos estabelecidos no estatuto. Pagará imposto sobre os rendimentofs quando do resgate das quotas. O imposto será recolhido pela Administradora. Os participantes poderão fazer aplicações adicionais (aportes), contanto que não ultrapasse o limite de 40% (nenhum membro poderá ter mais do que 40% das quotas). Novos participantes poderão participar do Clube (se assim o estatuto permitir) até o limite de 150 pessoas. Caso o clube seja dissolvido, os membros receberão os valores de suas quotas. Quanto as operações do Clube de Investimento, o mesmo poderá conter os seguintes ativos, conforme Bovespa: I - operações no mercado a vista, no mercado de vendas a termo cobertas, de lançamentos de opções cobertos e fechamentos de posições existentes, sem qualquer restrição; II - operações de compra a termo, de compra de opções e

9 no mercado futuro sobre ações e índices de ações e de opções sobre índices de ações, somente poderão ser realizadas quando houver previsão no Estatuto Social do Clube de Investimento. III - operações de vendas a futuro e lançamentos de opções sobre índices de ações somente poderão ser feitas com o objetivo de proteger posições detidas no mercado a vista, até o limite de 50% do valor desta; IV - compras no mercado futuro sobre ações, índices de ações e opções sobre índices de ações não poderão exceder a 15% do valor da carteira do clube; V - operações de estratégias com opções de compra, envolvendo posições titulares e lançadoras sobre os mesmos ativos objeto, desde que as posições titulares tenham vencimento igual ou posterior ao das lançadoras e o preço de exercício das posições titulares seja igual ou inferior ao das posições lançadoras. VI - operações de estratégias com opções de venda, envolvendo posições titulares e lançadoras sobre os mesmos ativos objeto, desde que as posições titulares tenham vencimento igual ou posterior ao das lançadoras e o preço de exercício das posições titulares seja igual ou superior ao das posições lançadoras. VII - a somatória das operações nos mercados de derivativos envolvendo compra a termo, compra de opções, compras no mercado futuro sobre ações, compras de índices de ações, compra de opções de índices de ações e operações com estratégias não poderá exceder a 30% (trinta por cento) do valor da carteira do Clube de Investimento. Dentro desses valores o Clube necessariamente deverá ter 51% da carteira em ações e/ou bônus de subscrição e/ou debêntures conversíveis em ações de emissão de companhias abertas adquiridas em bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado ou durante período de distribuição pública, ou ainda, adquiridas de empresas em processo de privatização. Contudo, dentro desses 51% poderemos ter quotas de fundos de investimento que tenham sua carteira constituída exclusivamente com ações representativas de índices de mercado calculados pelas bolsas de valores e/ou quotas de fundos de investimentos em ações administrados por instituições autorizadas pela CVM, desde que as carteiras dos referidos fundos atendam também o percentual de aplicação. Os 49% restantes poderão ser aplicados em: a) quotas de fundos de renda fixa e de direitos creditórios;

10 b) quotas de fundos de investimento imobiliários, com registro de negociação em bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado; c) títulos de renda fixa de livre escolha do Gestor da Carteira; d) outros valores mobiliários adquiridos em bolsa de valores ou no mercado de balcão organizado ou durante período de distribuição pública. Quanto a tributação temos a aliquota de 15% (art. 7º, IN 487/04) e a observação de 4º, art. 5º, IN 487/04, conforme segue: Serão equiparados às ações, para efeito da composição do limite de 67% em ações, os recibos de subscrição de ações, os certificados de depósitos de ações, os Brazilian Depositary Receipts (BDR), as quotas dos fundos de ações e as quotas dos fundos de índice de ações negociadas em bolsa de valores ou mercado de balcão organizado. Caso a carteira do fundo ou clube de investimento não atingir o percentual mínimo de 67% em ações negociadas no mercado a vista, aplica-se tributação idêntica aos de renda fixa. Complicou? Vamos simplificar. O Mínimo que o Clube deve investir em Ações é 51%. Caso o Clube tenha mais 67% ou mais em ações terá a tributação de 15%, caso contrário será equiparado à renda fixa que tem tabela regressiva ao tempo de aplicação. Vamos à tabela resumo: Tributação Aplicação da Carteira em ações Maior que 51% e menor que 67% Maior ou igual a 67% Aplicações de até 6 meses: 22,5%. Aplicações de 6 a 12 meses: 20%. Aplicações de 12 a 24 meses: 17,5%. Aplicações acima de 24 meses: 15% 15% O que fizemos nesse artigo foi: Definir a natureza do Clube número de participantes, natureza da aplicação e mostrar os princípios importantes dos Clubes de Investimentos. Passo-a-passo para montagem de um clube. Iniciar a operação e informar como funciona a tributação e quais os investimentos possíveis. Esperamos que esse artigo tenha sido de ajuda. Caso tenha alguma dúvida, ou sugestão basta entrar em contato pelo fórum, ou por .

11 Esse documento é a versão completa e é recomendada a leitura para quem exige os mínimos detalhes. Para tirar dúvidas rápidas, recomendamos a versão resumo desse documento, que tem o conceito mais direto. Essa versão pode ser encontrada em.

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST

ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST ESTATUTO SOCIAL DE CLUBE DE INVESTIMENTO GRUPOINVEST I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento GRUPOINVEST, doravante designado simplesmente Clube constituído por número limitado de

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Clube de Investimento - Investidores PE -

Clube de Investimento - Investidores PE - O que são clubes de investimento São instrumentos de participação de pequenos e médios investidores no mercado de ações. Pode ser administrado por uma sociedade corretora, distribuidora, banco de investimentos

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTOS IMPACTO I Denominação e Objetivo Artigo 1º - O Clube de Investimento IMPACTO constituído por número limitado de membros que tem por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO PROGRAMADO PJ RENOIR, doravante designado simplesmente CLUBE, formado exclusivamente

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações

CLUBE DE INVESTIMENTO. Mais uma maneira de investir no mercado de ações CLUBE DE INVESTIMENTO Mais uma maneira de investir no mercado de ações Clube de Investimento Clube de Investimento É uma associação de pessoas físicas, mínimo de 3 e máximo de 150, com objetivo em comum

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

Clube Júnior. A Paiffer Investimentos pensando no futuro dos seus filhos e na segurança do investimento criou o Clube Junior.

Clube Júnior. A Paiffer Investimentos pensando no futuro dos seus filhos e na segurança do investimento criou o Clube Junior. A Paiffer Investimentos pensando no futuro dos seus filhos e na segurança do investimento criou o Clube Junior. Clube Júnior O Clube Junior é voltado para investimento de longo prazo com um perfil conservador,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VIDA FELIZ FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 07.660.310/0001-81 OUTUBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Vida Feliz Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O SPINELLI FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 55.075.238/0001-78 SETEMBRO/2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o Spinelli Fundo de Investimento em Ações. As informações completas sobre esse fundo podem ser obtidas no Prospecto e no Regulamento do fundo,

Leia mais

Como funcionam os fundos de investimentos

Como funcionam os fundos de investimentos Como funcionam os fundos de investimentos Fundos de Investimentos: são como condomínios, que reúnem recursos financeiros de um grupo de investidores, chamados de cotistas, e realizam operações no mercado

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO SINERGIA I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento SINERGIA é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA

Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Renda Variável Cotas de Fundos de Investimento em Ações FIA Cotas de Fundos de Investimento em Ações - FIA Mais uma alternativa na diversificação da carteira de investimento em ações O produto O Fundo

Leia mais

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão

Taxa de corretagem para Home-Broker. R$ 14,99 por operação + Taxa da Bovespa. *Após a 6ª operação do dia, a corretagem é grátis até o final do pregão Custos Operacionais Os resgates solicitados são efetuados através de TED. Para tanto, cada cliente, terá direito a um por semana (gratuitamente), não cumulativo. A partir do segundo, será repassado o custo

Leia mais

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06

TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06 TEXTO INTEGRAL DA INSTRUÇÃO CVM N o 40, DE 07 DE NOVEMBRO DE 1984, COM ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELAS INSTRUÇÕES CVM N os 45/85, 54/86, 224/94 E 441/06. Dispõe sobre a Constituição de funcionamento de Clubes

Leia mais

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE

SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO - FGTS CARTEIRA LIVRE REGULAMENTO CAPÍTULO I - DO FUNDO Artigo 1º - O SUL AMÉRICA FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO -- FGTS CARTEIRA LIVRE, doravante designado abreviadamente

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO ESTE FOLHETO FAZ REFERÊNCIA AO PREGÃO À VIVA VOZ, FORMA DE NEGOCIAÇÃO UTILIZADA ATÉ 30/9/2005. A PARTIR DESSA DATA, TODAS AS OPERAÇÕES FORAM CENTRALIZADAS

Leia mais

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO

GESTOR DA CARTEIRA DE INVESTIMENTO O QUE É? No Brasil um fundo de investimento possui a sua organização jurídica na forma de um condomínio de investidores, portanto o fundo de investimento possui um registro na Receita Federal (CNPJ) pois

Leia mais

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros;

a) mercados de derivativos, tais como, exemplificativamente, índices de ações, índices de preços, câmbio (moedas), juros; CREDIT SUISSE HEDGINGGRIFFO 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG EQUITY HEDGE LEVANTE FUNDO DE INVESTIMENTO

Leia mais

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI.

Fundo multimercado que tem como objetivo buscar rentabilidade acima do Certificado de Depósito Interbancário - CDI. LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS 1. Público-alvo dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG VERDE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO.

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente.

Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. Investimentos em imóveis de forma moderna e inteligente. A possibilidade de diversificar o investimento e se tornar sócio dos maiores empreendimentos imobiliários do Brasil. Este material tem o objetivo

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº 10.446.951/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O GRADIUS HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ: Nº Informações referentes à Abril de 2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o

Leia mais

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA

COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA COMPRAR E VENDER AÇÕES MERCADO A VISTA ATENÇÃO Este texto não é uma recomendação de investimento. Para mais esclarecimentos, sugerimos a leitura de outros folhetos editados pela BOVESPA. Procure sua Corretora.

Leia mais

Assunto: Informações sobre administradores de carteira previstas na Instrução CVM nº 306/99

Assunto: Informações sobre administradores de carteira previstas na Instrução CVM nº 306/99 OFÍCIO CIRCULAR/CVM/SIN/Nº 003 /2000 Rio de Janeiro, 11 / 05 /2000 Assunto: Informações sobre administradores de carteira previstas na Instrução CVM nº 306/99 Prezados Senhores, O artigo 12 da Instrução

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 05.384.841/0001-63. Informações referentes à MAIO de 2014 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à MAIO de 2014 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o VITÓRIA RÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES. As informações

Leia mais

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação:

Art. 2º Fica alterado o art. 1º da Resolução 3.042, de 28 de novembro de 2002, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUCAO 3.308 --------------- Altera as normas que disciplinam a aplicação dos recursos das reservas, das provisões e dos fundos das sociedades seguradoras, das sociedades de capitalização e das entidades

Leia mais

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A.

POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA FORNO DE MINAS ALIMENTOS S.A. 1 PROPÓSITO A presente Política de Negociação de Valores Mobiliários tem como propósito estabelecer regras para

Leia mais

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R

W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R 8 DICAS ESSENCIAIS PARA ESCOLHER SUA CORRETORA W W W. G U I A I N V E S T. C O M. B R Aviso Importante O autor não tem nenhum vínculo com as pessoas, instituições financeiras e produtos, citados, utilizando-os

Leia mais

PROSPECTO PILLAINVEST FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 88.007.505/0001-29. Prospecto elaborado em 30 de dezembro de 2010

PROSPECTO PILLAINVEST FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 88.007.505/0001-29. Prospecto elaborado em 30 de dezembro de 2010 PROSPECTO PILLAINVEST FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ 88.007.505/0001-29 Prospecto elaborado em 30 de dezembro de 2010 Administrado por: Pilla Corretora de Valores Mobiliários e Câmbio Ltda ESTE PROSPECTO

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CTM ESTRATÉGIA FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ: 18.558.694/0001-42 LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O Informações referentes à setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CTM Estratégia FIA. As informações completas sobre esse

Leia mais

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010

Fundos de Investimento Imobiliário. 09 de abril de 2010 Fundos de Investimento Imobiliário 09 de abril de 2010 Introdução Histórico No Brasil, os fundos imobiliários foram inspirados nos Real Estate Investment Trusts americanos, tendo sido constituídos na forma

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003.

RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Página 1 de 9 RESOLUÇÃO NORMATIVA - RN n.º xx, de xx de xxxx de 2003. Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos de Assistência à Saúde para aceitação como garantidores e altera

Leia mais

Simulado CPA 10 Completo

Simulado CPA 10 Completo Simulado CPA 10 Completo Question 1. O SELIC é um sistema informatizado que cuida da liquidação e custódia de: ( ) Certificado de Depósito Bancário ( ) Contratos de derivativos ( ) Ações negociadas em

Leia mais

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações.

3.3.2.2. O objetivo do FRONT é proporcionar ganhos de capital de longo prazo aos seus cotistas, através de um portfolio diversificado de aplicações. 1. Públicoalvo LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS dezembro/2013 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o CSHG GLOBAL CURRENCIES HEDGE FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO

Leia mais

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $

$ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND $ $ ETF EXCHANGE TRADED FUND Investimento para quem busca a possibilidade de melhores retornos, através de uma carteira diversificada e com menor custo. Confira porque os fundos de índices são a nova opção

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON"

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO NOVO LEBLON ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO "NOVO LEBLON" I - Denominação e Objetivo ARTIGO 1º - O Clube de Investimento Novo Leblon, doravante designado Clube é constituído por número limitado de membros

Leia mais

INVESTIMENTOS 1ª aula

INVESTIMENTOS 1ª aula INVESTIMENTOS 1ª aula Regis Klock - Graduação em Ciências Econômicas Pontifícia Universidade Católica - Pós-Graduação em Didática e Metodologia do Ensino Superior UMC - Universidade Mogi das Cruzes Experiência

Leia mais

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9

INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 1 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 MERCADO DE CAPITAIS 3 MERCADO DE BALCÃO 5 INTERMEDIÁRIOS 6 TÍTULOS NEGOCIADOS 7 MODALIDADES DE OPERAÇÕES E TIPOS DE ORDEM 9 SISTEMAS DE NEGOCIAÇÃO 9 INFORMAÇÕES DIVULGADAS 10 CUSTÓDIA

Leia mais

Banco Safra de Investimento S/A

Banco Safra de Investimento S/A PROSPECTO SAFRA TECNOLOGIA - FUNDO DE INVESTIMENTO EM AÇÕES CNPJ/MF n.º 03.848.524/0001-25 ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO CÓDIGO DE AUTO-REGULAÇÃO

Leia mais

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.)

BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) BRB FUNDO MÚTUO DE PRIVATIZAÇÃO FGTS PETROBRÁS (Administrado pela BRB Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários S.A.) Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de março de

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Setembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos

Definição. A sua criação baseia-se em dois princípios distintos Definição Pode ser definido como sendo um conjunto de instituições e de instrumentos que negociam com titulos e valores mobiliarios, tendo como objetivo a canalização de recursos de agentes compradores

Leia mais

AULA 16. Mercado de Capitais III

AULA 16. Mercado de Capitais III AULA 16 Mercado de Capitais III FUNCIONAMENTO DO MERCADO DE AÇÕES Mercado de bolsa: as negociações são abertas e realizadas por sistema de leilão, ou seja, a venda acontece para quem oferece melhor lance.

Leia mais

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009

ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ANEXO II À ATA DE REUNIÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA S.A. REALIZADA EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS DE EMISSÃO DA JULIO SIMÕES LOGÍSTICA

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTO

TIPOS DE INVESTIMENTO TIPOS DE INVESTIMENTO CDB O Certificado de Depósito Bancário (CDB) e o Recibo de Depósito Bancário, (RDB) são os mais antigos e utilizados títulos de captação do setor privado. São oficialmente conhecidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada

MINISTÉRIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada MINISTÉRIO DA SAÚDE 1 AGÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE SUPLEMENTAR Diretoria Colegiada RESOLUÇÃO NORMATIVA-RN Nº 67, DE 4 DE FEVEREIRO DE 2004 (*) Dispõe sobre a diversificação dos ativos das Operadoras de Planos

Leia mais

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012

Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Como investir em 2012 Entenda como funciona cada produto financeiro : O Globo 2/fev/2012 Analistas indicam quais cuidados tomar no mercado financeiro em 2012 e quais investimentos oferecem menor probabilidade

Leia mais

Fundos de Investimento

Fundos de Investimento Gestão Financeira Prof. Marcelo Cruz Fundos de Investimento 3 Uma modalide de aplicação financeira Decisão de Investimento 1 Vídeo: CVM Um fundo de investimento é um condomínio que reúne recursos de um

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30

Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 Safra Fundo Mútuo de Privatização FGTS Vale do Rio Doce Demonstrações Financeiras em 31 de março de 2004 e em 30 de setembro de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Ana Carolina Pereira Monguilod e Mário Shingaki Consultores tributários da Levy & Salomão Advogados No final do ano de 2004, o Governo Federal

Leia mais

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER

GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER GUIA BDR SANTANDER 1 PARA QUE SERVE ESSE GUIA? Este guia se propõe a trazer os principais conceitos relacionados aos Brazilian Depositary Receipts (BDRs) e a explicar como funcionam. Ao término de sua

Leia mais

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES

LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CLIC FUNDO DE INVEST. EM ACOES LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O CNPJ: Informações referentes a Novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre o As informações completas sobre esse fundo podem

Leia mais

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com

Concurso 2011. Prof. Cid Roberto. As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. prof.bancario@gmail.com Concurso 2011 Prof. Cid Roberto prof.bancario@gmail.com Bolsa de Valores As bolsas de valores são instituições administradoras de mercados. Comunidade Conhecimentos Bancários (orkut) 8ª aula Início da

Leia mais

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.

Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (C.N.P.J. nº 04.890.401/0001-15) (Administrado pelo Banco J. Safra S.A. Safra Fundo Mútuo de Privatização - FGTS Vale do Rio Doce (Administrado pelo Banco J. Safra S.A.) Demonstrações Financeiras em 30 de setembro de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório dos

Leia mais

(b) Ativos financeiros de emissor com sede social fora do Brasil; e

(b) Ativos financeiros de emissor com sede social fora do Brasil; e POLÍTICA DE EXERCÍCIO DE DIREITO DE VOTO EM ASSEMBLÉIAS GERAIS DE COMPANHIAS EMISSORAS DE VALORES IMOBILIARIOS E FUNDOS DE INVESTIMENTO CUJAS COTAS INTEGREM AS CARTEIRAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO ADMINISTRADOS

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0

Jonatam Cesar Gebing. Tesouro Direto. Passo a passo do Investimento. Versão 1.0 Jonatam Cesar Gebing Tesouro Direto Passo a passo do Investimento Versão 1.0 Índice Índice 2 Sobre o autor 3 O Tesouro Direto 4 1.1 O que é? 4 1.2 O que são Títulos Públicos? 5 1.3 O que é o grau de investimento?

Leia mais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais

Conhecimentos Bancários. Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Conhecimentos Bancários Item 3.5.4 - Mercado de Capitais Sistema de distribuição de valores mobiliários, que tem o objetivo de proporcionar liquidez

Leia mais

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO

FUNDOS DE INVESTIMENTO EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO I Curso de Férias do Grupo de Estudos de Direito Empresarial - Direito UFMG EM AÇÕES E FUNDOS MULTIMERCADO Fernanda Valle Versiani Mestranda em Direito Empresarial pela Universidade Federal de Minas Gerais,

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto

Política de Exercício de Direito de Voto Política de Exercício de Direito de Voto Setembro de 2012 Av. Pres. Juscelino Kubitschek, 50 13º andar 04543-000 Itaim Bibi - São Paulo - SP Tel 55 11 3318-9400 - Fax 55 11 3318 9403 Esta Política estabelece

Leia mais

AULA 04. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo III

AULA 04. Estrutura do Sistema Financeiro Nacional. Subsistema Operativo III AULA 04 Estrutura do Sistema Financeiro Nacional Subsistema Operativo III SCTVM As sociedades corretoras de títulos e valores mobiliários (SCTVM) são pessoas jurídicas auxiliares do Sistema Financeiro

Leia mais

E-book de Fundos de Investimento

E-book de Fundos de Investimento E-book de Fundos de Investimento O QUE SÃO FUNDOS DE INVESTIMENTO? Fundo de investimento é uma aplicação financeira que funciona como se fosse um condomínio, onde as pessoas somam recursos para investir

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante Fenacor Prev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante Fenacor Prev 1 Índice Introdução...3 O Programa de Previdência Fenacor Prev...3 Contribuições...4 Investimentos...5 Benefício Fiscal...5 Benefícios

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Julho/2010 ÍNDICE 1. OBJETIVO...3 2. ABRANGÊNCIA...3 3. PRINCÍPIOS GERAIS...3 4. MATÉRIAS RELEVANTES OBRIGATÓRIAS...3 5. DOS CASOS FACULTATIVOS...4

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Letras Financeiras - LF

Letras Financeiras - LF Renda Fixa Privada Letras Financeiras - LF Letra Financeira Captação de recursos de longo prazo com melhor rentabilidade O produto A Letra Financeira (LF) é um título de renda fixa emitido por instituições

Leia mais

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo

SONHOS AÇÕES. Planejando suas conquistas passo a passo SONHOS AÇÕES Planejando suas conquistas passo a passo Todo mundo tem um sonho, que pode ser uma viagem, a compra do primeiro imóvel, tranquilidade na aposentadoria ou garantir os estudos dos filhos, por

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO ADMINISTRADOR

APRESENTAÇÃO DO ADMINISTRADOR ORIENTAÇÕES PARA O INVESTIDOR Parabéns! Você acaba de fazer um investimento que já vem com a segurança do Itaú Unibanco S.A. Seja bem-vindo a um dos maiores administradores de fundos de investimento do

Leia mais

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes

Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes Tipos de ações As ações se diferenciam basicamente pelos direitos que concedem a seus acionistas. No Brasil, elas estão divididas em dois grandes grupos: as ações ordinárias e as ações preferenciais. As

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data

MANUAL DE PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS DO SEGMENTO BOVESPA: AÇÕES, FUTUROS E DERIVATIVOS DE AÇÕES. Capítulo Revisão Data 4 / 106 DEFINIÇÕES AFTER-MARKET período de negociação que ocorre fora do horário regular de Pregão. AGENTE DE COMPENSAÇÃO instituição habilitada pela CBLC a liquidar operações realizadas pelas Sociedades

Leia mais

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev

Plano de Previdência Complementar. Manual do Participante FenacorPrev Plano de Previdência Complementar Manual do Participante FenacorPrev Índice Introdução... 3 O Programa de Previdência FenacorPrev... 3 Contribuições... 4 Investimentos... 5 Benefício Fiscal... 6 Benefícios

Leia mais

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

ABC DO INVESTIDOR. Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos. ABC DO INVESTIDOR Ação Título negociável, que representa a parcela do capital de uma companhia. Ação Cheia (com) Título em que os direitos (dividendos, bonificação e subscrição) ainda não foram exercidos.

Leia mais

Banco Safra de Investimento S/A

Banco Safra de Investimento S/A PROSPECTO SAFRA MULTICARTEIRA AGRESSIVO - FUNDO DE INVESTIMENTO MULTIMERCADO CNPJ/MF n.º 04.028.368/0001-19 ESTE PROSPECTO FOI PREPARADO COM AS INFORMAÇÕES NECESSÁRIAS AO ATENDIMENTO DAS DISPOSIÇÕES DO

Leia mais

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados;

Transferência da administração de recursos e alocação de ativos para profissionais especializados; Guia de Fundos de Investimento A CMA desenvolveu o Guia de Fundos de Investimento para você que quer se familiarizar com os princípios básicos do mercado financeiro, ou que tem interesse em aprofundar

Leia mais

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I

CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I CAIXA FI INSTITUCIONAL AÇÕES BDR NIVEL I 1 Por que investir em fundo de AÇÕES BDR NIVEL I? Viabiliza o acesso das instituições reguladas pela Resolução CMN 3792/09 a investimentos no exterior; Estrutura

Leia mais

Perfin Institucional FIC FIA

Perfin Institucional FIC FIA Perfin Institucional FIC FIA Relatório Mensal- Junho 2013 O fundo Perfin Institucional FIC FIA utiliza-se de análise fundamentalista para compor o seu portfólio, baseado no diferencial existente entre

Leia mais

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures

Julho/2008. Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Julho/2008 Abertura de Capital e Emissão de Debêntures Principal instrumento de captação de recursos de médio e longo prazos, a debênture representa para muitas companhias a porta de entrada no mercado

Leia mais

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas.

Holding (empresa) - aquela que possui, como atividade principal, participação acionária em uma ou mais empresas. Glossário de A a Z A Ação - título negociável, que representa a menor parcela em que se divide o capital de uma sociedade anônima. Ação listada em Bolsa - ação negociada no pregão de uma Bolsa de Valores.

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Março / 2014 1. OBJETIVO O objetivo da Política de Voto (ou simplesmente Política ) é determinar as regras que deverão ser observadas pelos Fundos

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes

Período de 01 de janeiro a 06 de outubro de 2011 (data de extinção do Fundo) com Relatório dos Auditores Independentes Demonstração da Evolução do Patrimônio Líquido CSHG Realty BC Fundo de Investimento em Participações (Administrado pela Credit Suisse Hedging-Griffo Corretora de Valores S/A) Período de 01 de janeiro a

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa.

MERCADO À VISTA. As ações, ordinárias ou preferenciais, são sempre nominativas, originando-se do fato a notação ON ou PN depois do nome da empresa. MERCADO À VISTA OPERAÇÃO À VISTA É a compra ou venda de uma determinada quantidade de ações. Quando há a realização do negócio, o comprador realiza o pagamento e o vendedor entrega as ações objeto da transação,

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Skopos Investimentos Ltda. 1 Ficha Técnica: Título: Política de Exercício de Direito de Voto em Assembléias Gerais. Área responsável: Compliance

Leia mais

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014 GUIA PRÁTICO PARA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 1. INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar nossos clientes no

Leia mais

Como investir na Bolsa em

Como investir na Bolsa em 6 Como investir na Bolsa em s Para você investir com mais segurança e conhecimento, a Bolsa oferece um guia a facilitando sua entrada no mundo de ações. Siga o guia dos 6 s da Bolsa para investir no mercado

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais