Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos"

Transcrição

1 Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

2 Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital Regulador de tensão com excelente comportamento dinâmico Sem manutenção Grande flexibilidade Desenho compacto com poucos componentes Dimensões reduzidas O RG3 é um sistema de excitação para geradores síncronos com excitatriz sem escovas (diodos rotativos) ou de corrente contínua. Dependendo da corrente de campo, ele poderá ser conectado diretamente às escovas do gerador (excitação estática). Graças à sua elevada flexibilidade e ao desenho modular, este sistema de excitação é adequado para uso em usinas industriais e também em hidro e termoelétricas de concessionárias de energia. Suas características o tornam também especialmente indicado para os casos de modernização de plantas existentes. A parte de potência compõe-se de uma ou duas unidades chopper transistorizadas, que alimentam o campo da excitatriz ou do gerador principal (através de escovas, neste caso). Na configuração padrão, a potência necessária para a excitação pode ser suprida por um gerador auxiliar de ímã permanente (PMG), por um transformador de excitação conectado aos terminais do gerador ou ainda pelos serviços auxiliares da planta, em C.A. ou C.C. É possível também realizar uma alimentação redundante da parte de potência, por exemplo, através dos serviços auxiliares. A grande versatilidade do equipamento padrão e a pouca necessidade de espaço para o painel tornam o RG3 especialmente indicado para modernização de sistemas de excitação existentes. O projeto do equipamento sempre leva em consideração as especificações do cliente. Projeto mecânico Figura 1: Aspecto interno do cubículo. O sistema de excitação RG3 é geralmente fornecido num cubículo metálico padronizado, especialmente desenvolvido para alojar componentes de regulação e eletrônica de potência. O projeto modular e o rápido acesso a todos os componentes facilitam todas as operações de ajuste e otimização. Numa execução típica, com redundância no regulador de tensão, o cubículo tem as seguintes dimensões: 1000 x 800 x 2200 mm (L x P x A). Naturalmente, as dimensões do equipamento podem variar de caso para caso, no sentido de adaptar-se às condições de um projeto específico, especialmente nos casos de modernização. 2

3 Componentes principais Chopper transistorizado (1) para o canal principal e, no caso de se ter redundância, um segundo chopper transistorizado (2) para o segundo canal. Regulador automático de tensão (3), para controle da tensão nos terminais do gerador e regulador da corrente de excitação (4), para o canal manual. A energia E requerida para a alimentação do sistema de excitação pode vir das baterias da planta ou também dos serviços auxiliares em C.A. Na maioria dos casos, porém, ela é suprida por um gerador piloto de ímã permanente (PMG) (circuito 1) ou por um transformador de excitação (circuitos 2 a 4). É possível também a combinação de diversos alimentadores para se obter uma alimentação redundante. O sistema RG3 é adequado para todos os tipos de configuração de geradores síncronos: com excitatriz sem escovas (circuitos 1 e 2), com excitatriz de corrente contínua (circuito 3) ou até mesmo sem excitatriz, ou seja, com excitação estática (circuito 4). A desexcitação é realizada adicionalmente pela resistência de descarga de campo integrante do equipamento. AUMENTA DIMINUI E AVR (Canal Automático) 3 1 S G 3~ ECR (Canal Manual) 4 2 AUMENTA DIMINUI Trafo de excitação Trafo de excitação Trafo de excitação G 3~ E E E G 3~ G 3~ G 3~ S S Circuito 4 PMG G = S E S Circuito 3 Circuito 1 Circuito 2 Figura 2: Componentes padronizados do RG3 e circuitos de alimentação possíveis. 3

4 Modo de operação Reguladores digitais Regulador automático de tensão (AVR) Limitador da operação subexcitada (limitador de subexcitação) Limitador de ação lenta para a operação sobreexcitada (limitador de sobreexcitação) Limitador de ação lenta para a corrente do estator (limitador de corrente estatórica) O valor real da tensão terminal do gerador é comparado com o valor de referência (setpoint) ajustado pelo operador. O sinal resultante é comparado com a saída do limitador da corrente de excitação e conduzido à entrada do regulador Proporcional-Integral (PI). O regulador PI, com ganho e constante de tempo ajustáveis, fornece um sinal de saída que é aplicado como setpoint de corrente de excitação ao regulador subordinado de corrente. A saída deste segundo regulador comanda a geração de pulsos modulados em freqüência, que ativam os transistores do estágio de potência associado. A freqüência da modulação é de 2,5 khz. A corrente contínua flui através das fases U e W do circuito de potência transistorizado. Regulador automático do fator de potência (cos φ) ou da potência reativa do gerador O regulador de cos φ (ou potência reativa) compara o valor real do fator de potência (ou da potência reativa) com o valor desejado de cos φ (ou da potência reativa), ajustado pelo operador. Em caso de diferenças entre o valor real e o desejado, o ajustador de referência de tensão é ajustado automaticamente até que o desvio entre o valor real e o valor desejado seja zerado. Se o gerador passar para o modo ilha ou desconectar-se do sistema (modo a vazio), o regulador de cos φ (ou potência reativa) desliga-se automaticamente, voltando a operar o regulador automático de tensão. Regulador da corrente de excitação (Canal Manual) Este regulador de característica P recebe um sinal de setpoint que é comparado com o valor real da corrente de campo. O sinal de saída controla, então, por modulação em freqüência, o estágio de comando dos transistores de potência. Em geral, o regulador automático de tensão está sempre selecionado, mesmo durante os processos de partida e parada do gerador. A eletrônica de controle e regulação do sistema de excitação inclui todos os recursos necessários para a execução das seguintes funções: Regulação da tensão do gerador Regulação da corrente de campo (corrente de saída da unidade chopper) Limitador rápido da corrente de campo ( field forcing limiter ) Figura 3: As unidades transistorizadas (choppers). Opções Limitador V/Hz (limitador tensão/freqüência ou de sobrefluxo) Monitor de falha em diodos rotativos da excitatriz sem escovas Regulador de fator de potência (cos φ) ou da potência reativa do ponto de conexão com a rede Controle conjunto da potência reativa de vários geradores Modo comissionamento O regulador da corrente de excitação (Canal Manual) permite o registro das curvas características do gerador durante o comissionamento e testes da máquina, bem como operação do gerador em curto-circuito para ajuste e teste dos relés de proteção. Além disso, se ocorrerem falhas no regulador automático de tensão, o canal manual permite que o gerador continue sendo excitado, isto é, ele garante continuidade da operação. 4

5 Follow-up automático O valor de setpoint da corrente de campo é continuamente atualizado durante a operação do regulador automático de tensão, fator de potência ou potência reativa, assegurando, desta forma, uma rápida e suave comutação automática para manual na ocorrência de uma falha. Uma comutação automática ocorre quando atuarem certos fusíveis ou disjuntores de proteção ou ainda em caso de falhas no regulador automático. Limitadores Na operação de um gerador síncrono, é necessário observar as combinações possíveis de potência ativa e reativa, conforme definido em seu diagrama de capabilidade. Na figura 4 a seguir, o trecho LMO representa o limite para a faixa subexcitada, ou seja, o limite de estabilidade. O trecho OP é o limite definido pela elevação da temperatura do estator. O trecho PQ é o limite ditado pela elevação da temperatura do rotor. Características similares com fluxo reverso de potência ativa aplicam-se também para a caso de o gerador operar como motor. O Potência ativa O limitador de sobreexcitação assegura que, na faixa de sobreexcitação, o ponto de operação sempre se mantenha dentro da seção do diagrama limitada pelo trecho PQ. Como resposta a quedas de tensão causadas pela elevação da demanda de potência reativa, chaveio de disjuntores ou faltas na rede, o regulador de tensão eleva o nível da excitação no sentido de manter constante a tensão terminal. O limitador de sobreexcitação atua, então, como uma medida de proteção contra sobrecarga térmica do enrolamento rotórico. O limitador de sobreexcitação permite, por um período limitado de tempo, valores de corrente de excitação entre a máxima corrente de excitação continuamente admissível no rotor e a corrente de teto do sistema de excitação, de forma que o gerador possa sustentar o sistema como resposta a quedas de tensão de curta duração. O limitador da máxima corrente de excitação (field forcing limiter), em contrapartida, tem a tarefa de limitar a corrente de excitação no valor máximo (corrente de teto), o mais rápido possível. O limitador da corrente estatórica assegura a limitação temporizada em pontos do diagrama definidos pelo trecho NOP. A função principal do limitador de corrente estatórica é evitar sobreaquecimento do enrolamento estatórico, que pode ser causado por elevada potência reativa associada a elevada potência ativa. O limitador da corrente estatórica permite, então, valores altos de corrente de excitação por períodos limitados de tempo, de forma que o gerador possa sustentar temporariamente o sistema. N P Máxima potência da turbina O Potência ativa M Subexcitado Sobreexcitado L Q N Máxima potência da turbina Potência reativa Figura 4: Diagrama de capabilidade típico de uma máquina síncrona operando como gerador. O limitador de subexcitação corrige a potência reativa elevando a tensão da máquina o quanto for necessário para assegurar que, no caso de uma excursão para além do trecho característico LMO, o ponto de operação do gerador retorne para a linha limite, antes que a máquina seja desligada pelo relé de perda de excitação (Função ANSI 40). M Potência reativa L Figura 5: Limitação da mínima excitação.

6 40 Tempo [s] medida em que acelera a subida da corrente de campo. A corrente de saída da unidade chopper associada ao canal manual é limitada pelo máximo valor do ajustador de referência (setpoint) deste canal Limitação de sobreexcitação A corrente de saída do chopper do canal automático é influenciada pelo limite de integração do regulador PI. Esta variável de referência corresponde à tensão que fornece a corrente de campo requerida. 10 Limitação subordinada da corrente de excitação Corrente de excitação I E Tensão de excitação U E 1,0 1,1 1,2 1,3 1,4 Corrente de excitação I F [p.u.] 1 Figura 6: Limitação de sobreexcitação e da máxima corrente de excitação. I Emax 2 I E I EN Controle Automático I EO U E Tempo [s] Todas as condições operacionais do sistema de excitação são supervisionadas e devidamente sinalizadas. A rotina de monitoração interna disponibiliza os seguintes sinais na forma de contatos livres de potencial: Falha grave do sistema (TRIP) Falha no canal automático com comutação para o canal manual Alarme agrupado, gerado por diversos sinais de falha interna que causam bloqueio de uma nova partida. Adicionalmente, os seguintes sinais de estado operacional estão também disponíveis para indicação externa: Excitação está ligada Excitação está desligada Canal Automático selecionado Canal Manual selecionado Regulador de Cos φ (ou de MVAr) está selecionado Limitadores estão atuando Figura 7: Comando do chopper transistorizado para fornecer uma alta tensão de saída, a fim de obter uma resposta mais rápida da excitação. U E = Tensão de saída do chopper (corresponde à tensão de excitação) I E = Corrente de saída do chopper (corresponde à corrente de excitação) I EO = Corrente de excitação a vazio I EN = Corrente de excitação nominal I Emax = Corrente de teto 1 = Corrente de saída sem o limitador de corrente de teto 2 = Corrente de saída sem a sobretensão temporária Sobreexcitação e limitador da máxima corrente de excitação Quando comandado para a sua máxima saída, a unidade chopper fornece uma tensão bem maior do que aquela necessária, aplicando no campo da excitatriz a sua corrente de teto. Esta sobretensão temporária no enrolamento de campo encurta consideravelmente o tempo requerido para a recuperação da tensão terminal do gerador, na 6

7 Circuito de potência Desexcitação O circuito de potência é composto de choppers transistorizados, que fornecem a corrente de excitação necessária a partir de um circuito intermediário de tensão contínua (link DC). A tensão de excitação necessária é ajustada através da variação da relação pulso/pausa; a resistência do circuito de campo faz, então, a corrente de campo variar correspondentemente. A corrente de excitação é medida no estágio de saída do chopper e aplicada como valor real ao regulador subordinado da corrente de excitação. É necessária a desexcitação do gerador síncrono em processos de parada programada ou quando atua alguma proteção do gerador ou transformador da unidade. Com isso, é feito o bloqueio do chopper transistorizado. A energia magnética acumulada no enrolamento de campo é forçada a retornar ao link DC através de diodos no estágio transistorizado. Isto assegura uma desexcitação muito rápida do gerador. Controle do chopper Entrada L1 L2 L3 P N Retificador Alisamento Ajustador (chopper) Saída Figura 8: Circuito de potência transistorizado V V _ Positivo Zero Negativo Figura 9: Tensão de saída do chopper como função dos pulsos de comando. Relação pulso/pausa variável. Freqüência de chaveio: cerca de 2,5 khz. Tensões de saída excessivamente elevadas são evitadas por meio de varistores conectados em paralelo. 7

8 Ferramentas de Software A ferramenta de Software amigável Drive Monitor, fornecida com o sistema de excitação, permite um comissionamento muito fácil do RG3. Por meio de uma interface serial, o regulador conecta-se a um PC para ser configurado de forma bastante simples. Configuração amigável O software Drive Monitor para Windows permite a completa parametrização do equipamento. Valores reais podem ser monitorados on line e os parâmetros, alterados facilmente selecionando-os na lista de parâmetros. Para facilitar ainda mais a parametrização, é possível escolher entre a lista completa de parâmetros, listas pré-definidas ou ainda definidas pelo usuário, com apenas os parâmetros associados a determinadas funções (p.ex. entrada e saída, limitadores, etc.). A qualquer momento é possível ler e transferir do regulador para o PC o conjunto atual de parâmetros, facilitando, assim, a documentação do sistema. Figura 10: O software Drive Monitor para comissionamento e diagnósticos é extremamente amigável. 8

9 Função TRACE A função TRACE é um aplicativo para oscilografias incluído no Drive Monitor que permite a visualização de dados registrados na forma de oscilogramas. Pode-se também salvar os dados num arquivo na memória do sistema e recuperá-los mais tarde. É possível, além disso, exportar tais dados para outros aplicativos do Windows, como processadores de texto (MS Word ) e planilhas eletrônicas (MS EXCEL ). A função de oscilografia TRACE possui as seguintes características: Monitoração de até 8 sinais analógicos. Monitoração de 16 sinais digitais por sinal analógico não usado (p.ex. 32 sinais digitais e 6 sinais analógicos). Tempo máximo de registro de 280 s com uma taxa máxima de amostragem de 280 ms ou 1,4 s com taxa de amostragem de 1,4 ms. Taxa de amostragem livremente ajustável entre 1,4 e 280 ms em passos de 1,4 ms. O registro de faltas é automaticamente iniciado na ocorrência de falhas ou eventos de trigger programados (disparados por sinais digitais p.ex. falhas ou comparação de sinais analógicos com um valor pré-definido, usando as condições <, >, = e <>). Condição de pré-trigger ajustável entre 0% (sem pré-trigger, apenas futuro) e 100% (apenas passado, sem futuro). Figura 11: O aplicativo TRACE contido no Drive Monitor é uma ferramenta muito útil para testes e diagnósticos, possuindo, além disso, uma interface muito amigável com outros aplicativos do Windows. 9

10 Configurando com o D7-ES O complexo regulador de tensão, com seus cálculos e limitadores, bem como as funções de controle e intertravamento estão integrados no módulo eletrônico microprocessado T400. Este módulo é configurado com a ferramenta gráfica D7-ES, para Windows. Assim, é muito fácil implementar dentro do RG3 mesmo as funções adicionais mais complexas definidas pelos clientes em suas Especificações Técnicas. Pacotes completos de software padronizados estão disponíveis para funções e aplicações que são frequentemente exigidas. A figura abaixo mostra um exemplo de estrutura de software e a seleção de funções disponíveis em uma biblioteca de blocos funcionais. Figura 12: Exemplo da programação do regulador de tensão, feita com a ferramenta D7-ES. 10

11 Dados técnicos principais Sistema de Excitação RG3 Tensão auxiliar até 250 VDC das baterias da planta Para comando dos contatores de potência Consumo: < 100 W continuamente < 200 W por curto tempo Para alimentação dos circuitos de regulação e controle (24 V DC) Consumo: < 200 W continuamente (O equipamento pode ser fornecido também com fonte de 24 VDC interna.) Transformadores de medição Transformadores de potencial: conectados às 3 fases do gerador Consumo: 100 a 120 V < 5 VA por fase; tensões secundárias de Transformadores de corrente: são necessárias 2 fases (L1 e L3) Consumo: < 3 VA (mais perdas na cablagem); correntes secundárias de 1 ou 5 A Normas e padrões O sistema de excitação RG3 é dimensionado, projetado e fabricado conforme as normas internacionais IEC, EN, DIN, VDE e IEEE 421 bem como atende ao submódulo 3.8 do ONS. 11

12 Maiores informações, por favor, entre em contato conosco: Siemens Ltda. Av. Mutinga, São Paulo, SP Tel.: (11) / 1876 FAX: (11) Internet: s: Edição: Junho de

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RT2 DB

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RT2 DB Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RT2 DB para máquinas síncronas Power Generation s Totalmente digital. Parametrizável por software. Autodiagnose permanente. Não requer manutenção. Elevada

Leia mais

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas menores UNITROL 1000-15 e UNITROL 1000-40 Copyright 2000 Photodisc, Inc. 5812-01 A ampla gama de aplicações do UNITROL 1000-15 O UNITROL

Leia mais

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7

UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7 UNITROL 1000 Regulador compacto de tensão para máquinas síncronas pequenas UNITROL 1000-7 Copyright 2000 Photodisc, Inc. 5973-04 Aplicações do UNITROL 1000-7 O UNITROL 1000-7 é o último e mais compacto

Leia mais

UNITROL 5000 Sistemas de excitação para máquinas síncronas de médio e grande porte

UNITROL 5000 Sistemas de excitação para máquinas síncronas de médio e grande porte UNITROL 5000 Sistemas de excitação para máquinas síncronas de médio e grande porte Copyright 2000 Photodisc, Inc. 275 371 UNITROL 5000 Visão Geral O UNITROL 5000 é o produto mais poderoso da série de sistemas

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas

SYNCHROTACT 5. Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas SYNCHROTACT 5 Sistemas e equipamentos de sincronização e paralelismo para redes e máquinas síncronas Aplicação SYNCHROTACT 5 é a quinta geração dos equipamentos para sincronização produzidos pela ABB Switzerland

Leia mais

Relés de Proteção Térmica Simotemp

Relés de Proteção Térmica Simotemp Relés de Proteção Térmica Simotemp Confiabilidade e precisão para controle e proteção de transformadores Answers for energy. A temperatura é o principal fator de envelhecimento do transformador Os relés

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK

SINUS DOUBLE II BLACK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

V6 Características. A função de compensação de escorregamento permite uma operação estável mesmo com flutação de carga.

V6 Características. A função de compensação de escorregamento permite uma operação estável mesmo com flutação de carga. IBD# D-F-2-H-KSN-BR V6 Características Alta Performance [Alto torque de partida com 150% ou mais] Com um sistema simplificado de controle vetorial e função de controle de torque automático oferece uma

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO VI ESPECIFICAÇÃO DISPOSITIVOS ELETRÔNICOS INTELIGENTES A6. Dispositivos Eletrônicos Inteligentes IED s (Relés Microprocessados) A6.1 Introdução Esta especificação técnica tem como objetivo estabelecer

Leia mais

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK

SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK SINUS DOUBLE II BLACK NOBREAK ONLINE DUPLA CONVERSÃO 3,2 a 20 kva INDICADO PARA CARGAS CRÍTICAS Expansão de autonomia Bivolt, Monovolt 220V e Tri-Mono zero 8 proteções para a carga contra problemas da

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência 2 Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S

UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida UMG 96S UMG 96S UMG 96S-Instrumento de medição universal com montagem embutida Os instrumentos de medição universal com montagem embutida da família de produto UMG 96S foram principalmente concebidos para utilização

Leia mais

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo.

www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. www.siemens.com.br/acionamentos SINAMICS V60 A solução perfeita para aplicações básicas de servo. SINAMICS V60 com servomotores 1FL5 A solução para aplicações básicas de servo A tecnologia servo-drive

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104

UMG 104-Mais do que um simples Multímetro UMG 104 UMG 104 UMG 104-Mais do que um ples Multímetro O UMG 104 equipado com um DSP de 500 MHz (processador de sinal digital) é um analisador de tensão muito rápido e potente. A varredura contínua dos 8 canais

Leia mais

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil

SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH. Brasil SISTEMA INTEGRADO PARA O CONTROLE DE PCHs - COACH José Luiz Bozzetto BCM ENGENHARIA LTDA Flávio C. Bianchi BCM ENGENHARIA LTDA Brasil RESUMO Este trabalho descreve em linhas gerais um sistema integrado

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno

Os termômetros de resistência podem ser isolados de altas tensões. Todavia, na prática, o espaço de instalação disponível é frequentemente pequeno ProLine P 44000 Medições Precisas de Temperatura em Altas Tensões, até 6,6 kv Quando as temperaturas precisam ser medidas com termômetros de resistência Pt100 em ambientes sob altas tensões, os transmissores

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br

Fontes CC. Principais características. www.supplier.ind.br A SUPPLIER Indústria e Comércio de Eletroeletrônicos Ltda é uma empresa constituída com o objetivo de atuar no setor das Indústrias Eletroeletrônicas, principalmente na fabricação de fontes de alimentação

Leia mais

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS

SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS SISTEMAS DE ENERGIA HDS LM FP 0.8 DUPLA CONVERSÃO 6KVA - 10KVA -15KVA -20KVA UPS MANUTENÇÃO RETIFICADORES UPS INDUSTRIAL BATERIAS HDS SISTEMAS DE ENERGIA ANTECIPANDO SOLUÇÕES, GERANDO RESULTADOS A HDS

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Monitor de Temperatura M96

Monitor de Temperatura M96 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura M96 foi desenvolvido para supervisionar até 8 (oito) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009

Manual de Instalação e Operação Revisão 15 de 14 de Abril de 2009 GRAMEYER Equipamentos Eletrônicos Ltda / GRAMEYER Indústria Eletroeletrônica Ltda. R. Mal. Castelo Branco, 2477 Schroeder SC Brasil 89275-000 e-mail: info@grameyer.com.br - www.grameyer.com.br Fones: 55

Leia mais

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003

CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 CE 6003 CAIXA DE CALIBRAÇÃO DE RELÉS DE PROTEÇÃO CE-6003 APLICAÇÕES: Testes manuais em relés (eletromecânicos, estáticos, numéricos) Testes automáticos em relés. Testes dinâmicos em relés com reprodução

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO

SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO E IMPLANTAÇÃO GSE/ 19 17 à 22 de outubro de 1999 Foz do Iguaçu Paraná - Brasil GRUPO VIII GRUPO DE SUBESTAÇÕES E EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS (GSE) SISTEMA DE MONITORAMENTO DE EQUIPAMENTOS DE SUBESTAÇÕES: DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o

Nobreak. 3,2 a 20 kva PERFIL PROTEÇÕES. senoidal on-line - dupla convers o Nobreak senoidal on-line - dupla convers o modelos isolados e n o isolados com PFC opcional 3,2 a 20 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas PERFIL O nobreak inteligente

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO

CONCURSO DE ADMISSÃO CURSO DE FORMAÇÃO CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 20 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 Seja um circuito RLC série alimentado por uma fonte de tensão e sem energia inicialmente armazenada.

Leia mais

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador

100% electricidade. Relés de controle automático para grupo gerador 100% electricidade Relés de controle automático para grupo gerador RGAM 10 Relé controle automático para g l Entradas VCA : concessionária L1-L2/N-L3, gerador L1-L2/N l 4 entradas digitais, 5 relés saída.

Leia mais

Monitor de Temperatura MONITEMP

Monitor de Temperatura MONITEMP ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp foi desenvolvido para supervisionar até 3 (três) canais de temperatura simultaneamente, ele é utilizado para proteger

Leia mais

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z

LINHA COMPACTA. KOBO-pH transmissor de ph APM-Z KOBO-pH transmissor de ph APM-Z LINHA COMPACTA Range de medição ph da -1 a 14 Comutável de ph a ORP Display p/ valor de ph, mv/orp (Potencial de redução e oxidação) e temperatura Simples programação e

Leia mais

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005

OCUPAÇÃO 19 DESCRITIVO TÉCNICO. Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 DESCRITIVO TÉCNICO OCUPAÇÃO 19 Data de Aprovação:18/12/2003 Data de Revisão: Dezembro de 2005 A Comissão de Diretores do SENAI Coordenadora das Olimpíadas do Conhecimento determina, de acordo com as normas

Leia mais

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH

Pirômetro Óptico Portátil- BR IR AH Leve e fácil de operar! Os modelos BR IR- AHS e BR IR AHU são pirômetros portáteis para medição e aquisição da temperatura sem contato com o produto. Os pirômetros oferecem uma larga faixa de medição de

Leia mais

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa!

A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! 100% em PORTUGUÊS A ferramenta ABB para dimensionar suas instalações de forma prática e completa! DOC é um software criado para o dimensionamento de instalações elétricas. É o resultado da ampla experiência

Leia mais

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria.

Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro SIRIUS. Respostas para a indústria. Controle de Processo Ideal: PCS 7 Library SIMOCODE pro Respostas para a indústria. Percepção, previsão, visão ampliada: SIMOCODE pro integrado no SIMATIC PCS7 O sistema flexível de gerenciamento de motores

Leia mais

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO

Monitor de Nível de Óleo para Transformadores - MNO ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/5 INTRODUÇÃO O Monitor de Nível de Óleo para Transformadores e reatores MNO, é um equipamento microprocessado de alta precisão que indica o nível de óleo em escala

Leia mais

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis.

Teste de interruptores CBT-8000. www.amperis.com. 27003 Agricultura,34 +T [+34] 982 20 99 20 F [+34] 982 20 99 11 info@amperis.com www.amperis. Teste de interruptores CBT-8000 www.amperis.com O CBT-8000 é um analisador de disjuntor de EHV de baixo custo, autônomo e acionado por micro-processador da quinta geração da Amperis. Este analisador de

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Produtos de Baixa Tensão. Medidores

Produtos de Baixa Tensão. Medidores Produtos de Baixa Tensão Medidores Indicadores analógicos e digitais Indicadores analógicos Voltímetros e amperímetros ferro-móvel Amperímetros e voltímetros True RMS para conexão direta ou através de

Leia mais

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva

Perfil. Proteções. Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão. 10 a 100 kva 10 a 100 kva Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas de 10 a 50KVA de 60 a 100KVA Perfil Nobreak Senoidal On-line Trifásico - Dupla Conversão A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

TOPOLOGIAS DE NOBREAK

TOPOLOGIAS DE NOBREAK TOPOLOGIAS DE NOBREAK O que é um Nobreak? Nobreaks são equipamentos que possuem a função de fornecer energia ininterrupta para a carga (computadores, servidores, impressoras, etc.). Além desta função,

Leia mais

UNITROL 6000. Última geração de Reguladores Automáticos de Tensão (AVR) e Sistemas de Excitação Estática (SES)

UNITROL 6000. Última geração de Reguladores Automáticos de Tensão (AVR) e Sistemas de Excitação Estática (SES) UNITROL 6000 Última geração de Reguladores Automáticos de Tensão (AVR) e Sistemas de Excitação Estática (SES) Benefícios do produto UNITROL 6000 A família de produtos UNITROL é marca registrada da ABB

Leia mais

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP

RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP RETIFICADOR INDUSTRIAL TRIFÁSICO RIT-MP Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento Rua da Várzea 379 CEP 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br 1.

Leia mais

IND 1 DT MICROMASTER 430

IND 1 DT MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 Uma visão geral l Inversores trifásicos de 400V projetados para aplicações com cargas de torque quadrático (bombas, ventiladores, etc.) l Quatro tamanhos de carcaça: FS

Leia mais

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25

30.22. Baixo consumo Contatos dourados Montagem em circuito impresso 0.8. Vista lado cobre. 2 reversíveis 2/3 125/250 125 25 Série 30 - Relé miniatura Dual in Line A Características 30. Montagem em circuito impresso A para comutação de sinais contatos reversíveis para comutação de baixas cargas Relé miniatura para padrão industrial

Leia mais

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos

CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES. Linha de Produtos CONTROLADORES ELETRÔNICOS SICES Linha de Produtos FAMÍLIA GC XXX GC 310: Controlador Simples AMF-ATS-SPM Emergência, falha dos canos principais, comutação GC 350: Controlador Avançado AMF-ATS-SPM Emergência,

Leia mais

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada!

Electron do Brasil. Tecnologia ao seu alcance. Tecnologia Digital. www.electrondobrasil.com. Catálogo Monitemp - rev3. Qualidade Comprovada! Electron do Brasil Tecnologia Digital Qualidade Comprovada! Ensaios de Tipo Realizados Tecnologia ao seu alcance Catálogo Monitemp - rev3 Produtos Certificados! www.electrondobrasil.com O Monitor de Temperatura

Leia mais

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL)

Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) 52 Apoio Automação de subestações Capítulo X Automação elétrica industrial Equipe de engenharia da Schweitzer Engineering Laboratories (SEL) A instalação de relés microprocessados em indústrias tornou-se

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II

DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II DATA LOGGERS SÉRIE SIMPLE LOGGER II Modos de programação de registo; Intervalos de registo programáveis; Capacidade de memória para 240.000 medidas; Alimentação por pilhas alcalinas; Ligação a computador

Leia mais

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal

ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal PT ACS2000 Sistema de contagem de eixos universal Amigável ao cliente e comprovado Com a implementação do ACS2000 há alguns anos, foram estabelecidos novos

Leia mais

Instalações Elétricas Industriais

Instalações Elétricas Industriais Instalações Elétricas Industriais ENG 1480 Professor: Rodrigo Mendonça de Carvalho Instalações Elétricas Industriais CAPÍTULO 01 INTRODUÇÃO Flexibilidade: admitir mudanças nas localizações dos equipamentos,

Leia mais

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus

smar Fieldbus Devices FR302 Relé Fieldbus smar Fieldbus Devices Relé Fieldbus Relé Fieldbus Características Saída Discreta de Conexão direta ao FOUNDATION Fieldbus TM ; Blocos Funcionais instanciáveis para ajuste e controle discreto em campo;

Leia mais

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6

Controle Remoto AFT-RCT-TRM6 Folha 01 de 08 Agência Nacional de Telecomunicações 1636-14-5663 7898911715990 PRODUTO NACIONAL APLICAÇÃO O C o n t r o l e R e m o t o A l f a t r o n i c A F T - R C T - TRM6(Transmissor e Receptor)

Leia mais

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 10 a 50 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla conversao ~ 10 a 50 kva PERFIL Compatível com: Solução SMS para Gerenciamento de Missões Críticas Sinus Triphases 10 a 50 kva A linha de nobreaks SMS Sinus Triphases

Leia mais

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94

ANSI - 23 26 45 49 49I 62 74 77 94 ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/7 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MASTERTEMP foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Ventiladores Centrífugos RadiFit EC. Compactos, eficientes e de reposição fácil.

Ventiladores Centrífugos RadiFit EC. Compactos, eficientes e de reposição fácil. Ventiladores Centrífugos RadiFit EC Compactos, eficientes e de reposição fácil. Se encaixa, economiza e faz sentido! A nossa linha de ventiladores centrífugos RadiFit com voluta e pás curvadas para trás

Leia mais

Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA. SITOP modular. sitop

Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA. SITOP modular. sitop Sempre um passo à frente com as Fontes de Alimentação SITOP NOVA sitop SITOP modular NOVIDADE: SITOP monofásica modular 193 países UMA fonte de alimentação Sejam quais forem as tarefas a serem cumpridas:

Leia mais

Teoria das Descargas Parciais

Teoria das Descargas Parciais Teoria das Descargas Parciais Quando uma tensão é aplicada aos terminais de um equipamento elétrico que possui isolamento elétrico (dielétricos - ar, SF 6, óleo isolante, fenolite, resinas, vidros, etc.)

Leia mais

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva

Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva Sistema UPS (Uninterruptible Power Supply) 160 kva 1. Características gerais 1.1. Sistema de alimentação ininterrupta trifásico, especificado para no mínimo 160 kva, na configuração SINGELO, contendo banco

Leia mais

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico;

Desenho Técnico Fundamentos do desenho técnico; Construções geométricas; Desenho eletroeletrônico; EMENTA DE CONTEÚDOS Eletricidade Conceitos fundamentais da eletricidade; Circuitos elétricos de corrente contínua; Tensão alternada; Gerador de funções; Operação do osciloscópio; Tensão e corrente alternadas

Leia mais

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados

Smart Energy & Power Quality Solutions. Registrador de dados ProData. O mais compacto registrador de dados Smart Energy & Power Quality Solutions Registrador de dados ProData O mais compacto registrador de dados Inteligente e compacto: Nosso registrador de dados universal que mais gerencia os custos de energia

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Inversor de Freqüência

Inversor de Freqüência Descrição do Funcionamento. Inversor de Freqüência Atualmente, a necessidade de aumento de produção e diminuição de custos, se fez dentro deste cenário surgir a automação, ainda em fase inicial no Brasil,

Leia mais

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS

Monitor de Temperatura Digital para transformadores MONITEMP PLUS ELECTRON TECNOLOGIA DIGITAL LTDA Página 1/6 INTRODUÇÃO O Monitor de Temperatura MoniTemp Plus foi desenvolvido para monitorar a temperatura de óleo e enrolamento, comandar a ventilação e proteger transformadores

Leia mais

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL

Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA BRASIL Controle e Corte Emergencial de Cargas com Recomposição Automática Através do Sistema SCADA MONTENEGRO, J. C. F. S. (José Carlos de França e Silva Montenegro) BANDEIRANTE BRASIL MARQUES, R. (Rogério Marques)

Leia mais

Inversores de freqüência. Introdução

Inversores de freqüência. Introdução Inversores de freqüência Introdução Desde que os primeiros motores surgiram, os projetistas perceberam uma necessidade básica, controlar sua velocidade, várias técnicas foram utilizadas ao longo dos anos

Leia mais

Reparador de Circuitos Eletrônicos

Reparador de Circuitos Eletrônicos Reparador de Circuitos Eletrônicos O Curso de Reparador de Circuitos Eletrônicos tem por objetivo o desenvolvimento de competências relativas a princípios e leis que regem o funcionamento e a reparação

Leia mais

CLP Controlador Lógico Programável

CLP Controlador Lógico Programável CLP Controlador Lógico Programável O primeiro controlador Lógico Programável nasceu na General Motors Americana em 1968, em função da dificuldade de se alterar a lógica dos circuitos em painéis de relés

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042

OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 OSCILOSCÓPIO DIGITAIS COMPACTOS PORTÁTEIS DE 2 CANAIS ISOLADOS MODELOS OX 5022 E OX 5042 Pontos-chave: 2 Canais isolados; Três instrumentos num só: osciloscópio de 20 ou 40 MHz, multímetro TRMS / analisador

Leia mais

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade

UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade UPS Liebert GXT3 de 6kVA e 10kVA Sistemas UPS Compactos para Aplicações em Racks de Alta Densidade Energia CA Para a Continuidade da Operação Crítica Liebert GXT3, UPS de 6kVA e 10kVA: Muita Proteção,

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação Fontes de Alimentação MÓDULO DA FONTE DE ALIMENTAÇÃO AC Código de Pedido: PS-AC-R (Fonte de Alimentação 90 a 260 Vac Redundante) Descrição Esta Fonte de Alimentação Redundante trabalha independente ou

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Cymphany ACU2 Controlador Inteligente de Rede Cerberus Division ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Oito Leitoras de Cartões, Duas Portas de Multiconexão Lógica RS-485 com Quatro Leitoras Cada

Leia mais

Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados

Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados Monitoramento de Motores Assíncronos através de Relés de Proteção Avançados Renan Bernardes e Geraldo Rocha SEL Schweitzer Engineering Laboratories R. Ana Maria Souza, 61, Jd. Sta. Genebra, Campinas,SP

Leia mais

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração

Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração Sensor Hall A tecnologia dos Posicionadores Inteligentes de última geração César Cassiolato Gerente de Produtos - Smar Equipamentos Industriais Ltda INTRODUÇÃO É notável o avanço da Física e eletrônica

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA

GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Técnicas GREENLOAD CARGA ELETRÔNICA REGENERATIVA TRIFÁSICA Informações Gerais A Carga Eletrônica Regenerativa Trifásica da Schneider permite a injeção de energia na rede elétrica proveniente

Leia mais

Dispositivos de Proteção de CCM

Dispositivos de Proteção de CCM 58 Dispositivos de Proteção de CCM Elaborado por Weberton Eller, Thiago Ribeiro, Gilberto Marques e Allan Souto A utilização dos centros de controle de motores (CCM) é bastante comum nas indústrias, em

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Megôhmetro Digital de 12kV

Megôhmetro Digital de 12kV Megôhmetro Digital de 12kV Funções: Maior flexibilidade para testar máquinas de alta tensão, se comparado aos instrumentos comuns com tensão de medição de 5/10kV. A alta corrente de curto aumenta a velocidade

Leia mais