FUNGICIDAS. Calda Terrestre

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNGICIDAS. Calda Terrestre"

Transcrição

1 Cobre Atar BR Registrante: Atar Óxido cuproso 560 g/kg FUNGICIDAS Nome Técnico: Óxido cuproso Registro no Ministério: Agronômica: Bactericida, Fungicida Toxicológica: IV - Pouco tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Corrosivo Formulação: Pó molhável Modo de Ação: Contato Abacate Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Cercosporiose (Pseudocercospora purpurea) Podridão de dothiorella (Dothiorella gregaria) Verrugose (Sphaceloma perseae) 500 á á á á Época Amendoim Época Mancha castanha (Cercospora arachidicola) 1 á 2 kg/ha 500 á Mancha preta (Pseudocercospora personata) 1 á 2 kg/ha 500 á Verrugose (Sphaceloma arachidis) 1 á 2 kg/ha 500 á Banana Mal da sigatoka (Mycosphaerella musicola) até 180 g/100 l de até Época Cacau Época Podridão parda (Phytophthora palmivora) 3,2 á 5,6 kg/ha 500 á Rubelose (Erythricium salmonicolor) 3,2 á 5,6 kg/ha 500 á Vassoura de bruxa (Crinipellis perniciosa) 3,2 á 5,6 kg/ha 500 á Café Época Antracnose (Colletotrichum coffeanum) 2 á 3 kg/ha 500 á Ferrugem do cafeeiro (Hemileia vastatrix) 2 á 3 kg/ha 500 á Olho pardo (Cercospora coffeicola) 2 á 3 kg/ha 500 á Citros Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Doença rosada (Corticium salmonicolor) Podridão negra (Alternaria citri) Podridão parda (Phytophthora citrophthora) até 150 g/100 l de até 150 g/100 l de até 150 g/100 l de até 150 g/100 l de 1000 á á á á 2000 Época 7 Pulverizar antes e após a florada. 7 Tratamento de inverno evitando atingir as folhas. 7 Pulverizar antes e após a florada. 7 Podridão penducular (Diaporthe citri) até 150 g/100 l de 1000 á

2 Verrugose (Elsinöe fawcetti) Verrugose da laranja doce (Elsinöe australis) Cravo Ferrugem do craveiro (Uromyces dianthi) Mancha da folha e cálice (Cladosporium echinulatum) Pinta preta (Alternaria dianthi) Feijão Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) Ferrugem (Uromyces appendiculatus) Mancha angular (Phaeoisariopsis griseola) Feijão vagem Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) Ferrugem (Uromyces appendiculatus) Mancha angular (Phaeoisariopsis griseola) Figo Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Ferrugem da figueira (Cerotelium fici) Mancha foliar (Phyllosticta sycophila) Podridão do fruto (Phytophthora nicotianae var. nicotianae) até 150 g/100 l de até 150 g/100 l de 1000 á á 2000 até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de 500 á á á Pulverizar antes e após a florada. 7 Pulverizar antes e após a florada á á á á á á á á á á Época Época Época Época Fumo Época Tombamento (Alternaria tenuissima) 1 á 2 kg/ha 500 á Goiaba Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Ferrugem (Puccinia psidii) Mancha de phyllosticta (Phyllosticta guajavae) Maçã Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Entomosporiose (Entomosporium mespili) Podridão parda (Monilinia fructicola) Sarna da maçã (Venturia inaequalis) Mamão 500 á á á á á á á Época Época Época Antracnose (Colletotrichum 500 á

3 gloeosporioides) Varíola (Asperisporium caricae) Manga Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Verrugose (Elsinöe mangiferae) Pêra Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Entomosporiose (Entomosporium mespili) Podridão negra (Botryosphaeria obtusa) Podridão parda (Monilinia fructicola) Sarna da maçã (Venturia inaequalis) Pêssego Crespeira (Taphrina deformans) Podridão parda (Monilinia fructicola) Sarna do pessegueiro (Cladosporium carpophilum) Rosa Ferrugem das roseiras (Phragmidium rosaepimpinellifoliae) Mancha negra (Diplocarpon rosae) até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de 500 á á á á á á á á á á á á á Época Época Época Época Seringueira Época Mal das folhas (Microcyclus ulei) 1 á 2 kg/ha 14 - Tomate Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Mancha bacteriana (Xanthomonas vesicatoria) Mancha de clasdoporium (Fulvia fulva) Mancha de stemphylium (Stemphylium solani) Mancha olho de perdiz (Clavibacter michiganensis ssp michiganensis) Pinta preta grande (Alternaria solani) Podridão mole (Erwinia carotovora ssp carotovora) Requeima (Phytophthora infestans) Septoriose (Septoria lycopersici) 500 á á á á á á á á á 1000 Tecnologia (Modos e Equipamento) Época INSTRUÇÕES DE USO: COBRE ATAR BR é um fungicida bactericida cúprico de contato, para uso preventivo, podendo ser aplicado no aparecimento dos primeiros sintomas das doenças que ocorrem nas culturas. INÍCIO, NÚMERO E ÉPOCAS DE APLICAÇÃO:

4 ABACATE: No viveiro, iniciar no aparecimento das folhas. Em plantas adultas, fazer uma aplicação antes da florada e mais 2 a 3 após a formação do fruto, repetindo com intervalos de 10 a 15 dias. AMENDOIM: Iniciar aos primeiros sintomas ou dias após o plantio. Repetir com intervalos de 10 a 15 dias. BANANA: Iniciar quando as plantas estiverem no estágio de vela, repetindo com intervalos de 7 dias. CACAU: Utilizar a dose maior em áreas de alta infestação. Efetuar de 3 a 5 pulverizações, iniciando em março/abril. CAFÉ: Efetuar de 3 a 5 pulverizações de dezembro a abril. Em viveiros, pulverizações quinzenais. CITROS: Contra a Podridão peduncular, tratar os frutos destinados ao armazenamento, por imersão. Contra a Rubelose, tratamento de inverno evitando atingir as folhas. Contra a Gomose, preparar uma pasta com e pincelar o tronco e cortes no período de maio/junho. Contra as demais doenças, pulverizar antes e após a florada. FEIJÃO-VAGEM: Iniciar aos primeiros sintomas, repetindo com intervalos de 7 a 14 dias. FIGO: Iniciar com a brotação, repetindo com intervalos de 10 a 15 dias. FUMO: Iniciar no viveiro, repetindo com intervalos de 7 a 14 dias. GOIABA: Sphaceloma psidii. Iniciar aos primeiros sintomas, repetindo com intervalos de 7 a 14 dias, no período de setembro/dezembro. MAÇÃ, PÊRA: Iniciar a pulverização após a poda em tratamento de inverno, repetindo com intervalos de 7 a 10 dias. MAMÃO: Pulverizar os frutos desde o início da frutificação, com intervalos de 7 a 14 dias. Adicionar espalhante adesivo à calda. MANGA: Iniciar aos primeiros sintomas, repetindo com intervalos de 7 a 14 dias. PÊSSEGO: Iniciar a pulverização após a poda em tratamento de inverno, repetindo com intervalos de 7 a 10 dias. SERINGUEIRA: Iniciar no viveiro, aos primeiros sintomas repetindo com intervalos de 7 a 14 dias. TOMATE: Iniciar as pulverizações nos viveiros, quando as plantas apresentarem as primeiras folhas, repetindo com intervalos de 7 a 15 dias. Diminuir os intervalos em épocas favoráveis às doenças. ROSA E CRAVO: No viveiro, iniciar no aparecimento das folhas. Tratamento preventivo de folhas e caules, principalmente em ambientes úmidos. Repetir com intervalos de 3 a 7 dias. Odim 430 SC Registrante: Rotam Tebuconazole 430 g/l Nome Técnico: Tebuconazole Registro no Ministério: Agronômica: Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Suspensão concentrada Modo de Ação:

5 Priori + Alto 100 Kit (Azoxystrobin + Cyproconazole) Priori Registrante: Syngenta Azoxystrobin 250 g/l Nome Técnico: Azoxystrobin Registro no Ministério: 2198 Agronômica: Fungicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Suspensão concentrada Modo de Ação: Sistêmico Alto 100 Registrante: Syngenta Ciproconazol 100 g/l Nome Técnico: Cyproconazole Registro no Ministério: 991 Agronômica: Fungicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: II - Produto muito perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Concentrado solúvel Modo de Ação: Contato, Sistêmico Recop Registrante: Atar Oxicloreto de cobre 840 g/kg Nome Técnico: Oxicloreto de cobre Registro no Ministério: Agronômica: Fungicida Toxicológica: IV - Pouco tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Corrosivo Formulação: Pó molhável Modo de Ação: Contato Abacate Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Cercosporiose (Pseudocercospora purpurea) até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até até Época Amendoim Época Mancha castanha (Cercospora arachidicola) 2 á 2,5 kg/ha Mancha preta (Cercospora personata) 2 á 2,5 kg/ha Verrugose (Sphaceloma arachidis) 2 á 2,5 kg/ha Batata Época Pinta preta grande (Alternaria solani) até 200 g/100 l de 600 á Requeima (Phytophthora infestans) até 200 g/100 l de 600 á 800 -

6 Cacau Época Requeima (Phytophthora infestans) 6 á 12 g/planta até Rubelose (Erythricium salmonicolor) 6 á 12 g/planta até Vassoura de bruxa (Crinipellis perniciosa) 6 á 12 g/planta até Café Época Antracnose (Colletotrichum coffeanum) 2 á 5 kg/ha Ferrugem do cafeeiro (Hemileia vastatrix) 2 á 5 kg/ha Olho pardo (Cercospora coffeicola) 2 á 5 kg/ha Citros Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Doença rosada (Corticium salmonicolor) Gomose (Phytophthora nicotianae var. parasitica) Podridão parda (Phytophthora citrophthora) Podridão penducular (Diaporthe citri) Verrugose (Elsinöe fawcetti) Verrugose da laranja doce (Elsinöe australis) Figo Ferrugem da figueira (Cerotelium fici) Podridão do fruto (Phytophthora nicotianae var. nicotianae) até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 250 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de 1000 á á á á á á á até até Época Época Goiaba Época Ferrugem (Puccinia psidii) até 200 g/100 l de até Mamão Antracnose (Colletotrichum gloeosporioides) Varíola (Asperisporium caricae) até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até até Época Manga Época Verrugose (Elsinöe mangiferae) até 200 g/100 l de até Tomate Antracnose (Colletotrichum coccodes) Mancha bacteriana (Xanthomonas vesicatoria) Mancha de stemphylium (Stemphylium solani) Mancha olho de perdiz (Clavibacter michiganensis ssp michiganensis) Pinta preta grande (Alternaria solani) Podridão mole (Erwinia carotovora ssp carotovora) Requeima (Phytophthora infestans) Uva Antracnose (Elsinöe ampelina) 250 á 300 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até 200 g/100 l de até até até até até até até até Época Época

7 Mancha das folhas (Isariopsis clavispora) 250 á 300 g/100 l de até Tecnologia (Modos e Equipamento) INSTRUÇÕES DE USO: RECOP é um fungicida bactericida cúprico de contato, para uso preventivo, podendo ser aplicado no aparecimento dos primeiros sintomas das doenças que ocorrem nas culturas. Apresentado na forma pó molhável, se destaca por sua rápida umectabilidade e boa suspensibilidade. CULTURAS / DOENÇAS CONTROLADAS / DOSES: a seção "Indicações de Uso/Doses" INÍCIO, NÚMERO E ÉPOCA DE APLICAÇÃO: ABACATE: Iniciar aos primeiros sintomas, repetindo de 2 a 6 vezes com intervalo de 10 a 30 dias. AMENDOIM: Iniciar aos primeiros sintomas ou dias após o plantio. Repetir com intervalos de 10 a 15 dias. BATATA: Iniciar quando as plantas tiverem 15 cm de altura. Repetir com intervalos de 3 a10 dias. Intervalos mais curtos em épocas favoráveis à doenças. Volume de calda: CACAU: ar a dose indicada de acordo com o porte das plantas. Utilizar a dose maior em áreas de alta infestação. Efetuar de 3 a 5 pulverizações iniciando em março/abril. Volume de calda: 160. CAFÉ: ar a dose indicada de acordo com o porte das plantas. Efetuar de 3 a 5 pulverizações de dezembro a abril. Em viveiros, pulverizações quinzenais. CITROS: Contra a podridão peduncular, tratar os frutos destinados ao armazenamento, por imersão. Contra a Rubelose, tratamento de inverno evitando atingir as folhas. Contra a Gomose, preparar uma pasta com e pincelar o tronco e cortes no período de maio a junho. Contra as demais doenças, pulverizar antes e após a florada. Volume de calda: FIGO: Iniciar com a brotação, repetindo com intervalos de 10 a 15 dias até a uma semana antes da colheita para proteger os frutos. GOIABA: Iniciar aos primeiros sintomas, repetindo com intervalos de 7 a 14 dias, de setembro a dezembro. MAMÃO: Pulverizar os frutos desde o início da frutificação, com intervalos de 7 a 14 dias. Adicionar espalhante adesivo à calda. MANGA: Iniciar aos primeiros sintomas. Repetindo cada 7 a 14 dias. TOMATE: Iniciar as pulverizações aos primeiros sintomas, repetindo com intervalo de 3 a 14 dias. Pulverizar com os intervalos menores quando as condições climáticas são mais favoráveis às doenças. UVA: ar preventivamente durante o final do ciclo, preventivamente, repetindo em intervalos de 7 dias. OBSERVAÇÕES: Nas doses recomendadas em g/100 litros de, não havendo outra indicação, utilizar um volume de calda de MODO/EQUIPAMENTO DE APLICAÇÃO: RECOP deve ser utilizado preventivamente, podendo ser aplicado no aparecimento dos primeiros sintomas das doenças, através de pulverização, utilizando-se equipamentos tratorizados de barra ou costais. - Utilizar bicos tipo cone ou equivalente, aplicando um volume de calda conforme recomendada na tabela, observando que esteja ocorrendo uma boa cobertura de pulverização nas plantas. - Observações locais deverão ser efetuadas visando evitar a deriva e a evaporação do produto. Consulte sempre um Engenheiro Agrônomo. - Para preparar a calda, despejar o produto sobre a, agitando lentamente até a formação de uma calda homogênea, mantendo-a sob constante agitação e utilizando-a no mesmo dia da preparação. INTERVALO DE SEGURANÇA: Sem restrições. Rodazim 500 SC Registrante: Rotam Carbendazim 500 g/l Nome Técnico: Carbendazim Registro no Ministério: 3406 Agronômica: Fungicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Suspensão concentrada Modo de Ação: Sistêmico Algodão Época

8 Podridão de raiz (Lasiodiplodia theobromae) Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides) Tombamento (Colletotrichum gossypii) até 80 ml/1000 kg s até 80 ml/100 kg de até 80 ml/100 kg de 400 á 900 ml de /100 Kg de s 400 á 900 ml de /100 Kg de s 400 á 900 ml de /100 Kg de s Citros Verrugose da laranja doce (Elsinöe australis) até 50 ml/100 l de até 2000 l Feijão Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) até 500 m até 80 ml/100 kg de 200 á 300 l até 400 ml de /100 Kg de s (1) (1) (1) 7 10 á á 30 Soja Doença de final de ciclo (Corynespora cassiicola) Fusariose (Fusarium pallidoroseum) Mancha púrpura da (Cercospora kikuchii) Mancha púrpura da (Cercospora kikuchii) Podridão seca (Phomopsis sojae) até 100 ml/100 kg de até 100 ml/100 kg de até 500 m até 100 ml/100 kg de até 100 ml/100 kg de até 400 ml de /100 Kg de s até 400 ml de /100 Kg de s 200 á 300 l até 400 ml de /100 Kg de s até 400 ml de /100 Kg de s Tecnologia (Modos e Equipamento) (1) 10 á 30 - (1) 10 á 30 - (1) 10 á 30 L de á 30 - (1) 10 á 30 - (1) Bula/ ação Bula / ação Bula / ação Época Bula / ação Época Bula/ação Bula / ação Época Bula / ação Bula/ ação Bula / ação Bula / ação Bula / ação INSTRUÇÕES DE USO: RODAZIM é um fungicida sistêmico do grupo dos benzimidazóis com ação preventiva, curativa e erradicativa, indicado para o tratamento de doenças da parte aéreas nas culturas de feijão e soja. NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALO DE APLICAÇÃO: TRATAMENTO DE SEMENTES: UMA ÚNICA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE SEMENTES ANTES DO PLANTIO ALGODÃO, FEIJÃO E SOJA: o tratamento de s deve ser feito uma única vez antes da semeadura. Sementes tratadas com o produto destinam-se única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser utilizados para o consumo humano e animal. APLICAÇÃO FOLIAR: CITROS Realizar no máximo 2 (duas) aplicações durante a safra da cultura. Fazer a primeira aplicação quando 2/3 das pétalas da florada principal tenham caído. Em período chuvoso e em cultivares susceptíveis, recomenda-se as demais aplicações com intervalo de 4 a 6 semanas. FEIJÃO - Realizar no máximo 2 (duas) aplicações durante o ciclo da cultura. Iniciar as aplicações preventivamente, sendo a primeira aplicação por volta de 35 aos 45 dias após o plantio, e uma segunda aplicação 15 a 20 dias após, de acordo com o nível de infecção. Realizar a segunda aplicação no intervalo menor e/ou quando as condições climáticas forem mais favoráveis ao desenvolvimento dos patógenos. ar a dose indicada utilizando um volume de calda suficiente para uma cobertura total e uniforme da folhagem das plantas. SOJA Realizar no máximo 2 (duas) aplicações durante o ciclo da cultura. Realizar duas aplicações nos estádios de crescimento compreendido entre o início do florescimento e à formação das vagens (R5.1 a R5.5). Repetir dias após a primeira aplicação. ar a dose indicada utilizando um volume de calda suficiente para uma cobertura total e uniforme da folhagem das plantas. MODO DE APLICAÇÂO: TRATAMENTO DE SEMENTES: ALGODÃO: Deve-se diluir a quantidade de 80 ml do produto RODAZIM 500 SC em 400 ou 900 ml de, dependendo do tipo de s, ou seja, sem linter e s com linter, respectivamente, e distribuir em 100 kg de s. FEIJÃO Deve-se diluir a quantidade de 80 ml do produto RODAZIM 500 SC em 400 ml de e distribuir essa calda homogeneamente em 100 kg de s.

9 SOJA Deve-se diluir a quantidade de 100 ml do produto RODAZIM 500 SC em 400 ml de e distribuir essa calda homogeneamente em 100 kg de s. Atenção: No tratamento de s destinadas ao plantio, deve ser adicionado ao RODAZIM 500 SC, um corante específico para tratamento de s. As s tratadas, devem ser utilizadas única e exclusivamente para o plantio, não podendo ser destinadas para o consumo humano ou animal. Observação para Tratamento de s: Agitar a embalagem do produto antes do preparo da calda para o tratamento das s e adicionar a dose recomendada ao volume de indicado. Realizar uma mistura homogênea do produto às s, por um período de no mínimo 10 minutos em tambor giratório, betoneiras, pá sobre lonas ou equipamentos específicos para essa modalidade de uso. Nome Técnico: Carbendazim Registro no Ministério: 2711 Tebuzim 250 SC Registrante: Rotam Carbendazim 125 g/l, Tebuconazole 125 g/l Agronômica: Fungicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: II - Produto muito perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Suspensão concentrada Modo de Ação: Seletivo, Sistêmico Algodão Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides) Soja 1 á 1,2 até Época Época Ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi) até 0,8 até Trigo Época Mancha salpicada (Septoria tritici) 1,2 á 1,4 até Tecnologia (Modos e Equipamento) APLICAÇÃO FOLIAR: ALGODÂO Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante a safra da cultura. Fazer a primeira aplicação com o aparecimento dos primeiros sintomas da doença. Em condições normais, realizar a primeira aplicação ao redor de 35 dias após a emergência da cultura. Repetir a aplicação após dias da aplicação anterior. Utilizar a maior dose quando ocorrer maior pressão da doença. SOJA - Realizar no máximo 3 (três) aplicações durante o ciclo da cultura. Para o controle da Ferrugem asiática, realizar duas a três aplicações durante o ciclo da cultura. Normalmente, a primeira aplicação é feita imediatamente após a detecção dos primeiros sintomas da doença, ou preventivamente, seguindo as recomendações da Comissão Oficial de Pesquisa da Soja; ou seja, sob condições climáticas favoráveis à doença ou se já houver ocorrência de focos na mesma região; e uma segunda aplicação com intervalo de 21 dias. ar a dose indicada utilizando um volume de calda suficiente para uma cobertura total e uniforme da folhagem das plantas. Nota: Deverá ser seguido um programa de vistorias constantes na lavoura, e assim que for notada a presença da doença, fazer a primeira aplicação, repetindo as demais a cada 21 dias. TRIGO Realizar no máximo 2 (duas) aplicações durante o ciclo da cultura. Realizar a primeira aplicação quando a incidência da doença nas folhas estiver em 5% no estádio de alongamento. Repetir a aplicação após dez dias da primeira aplicação. Vitavax-Thiram 200 SC Registrante: Chemtura Carboxin 200 g/l, Thiram 200 g/l Nome Técnico: Thiram + Carboxin Registro no Ministério: 1193 Agronômica: Fungicida Toxicológica: I - Extremamente tóxica Ambiental: II - Produto muito perigoso Inflamabilidade: Não inflamável Corrosividade: Não corrosivo Formulação: Suspensão concentrada

10 Modo de Ação: Contato, Sistêmico (Tratamento de Sementes) Algodão Damping-off (Rhizoctonia solani) Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Fusariose (Fusarium pallidoroseum) Fusariose (Fusarium oxysporum f.sp. vasinfectum) Fusariose (Fusarium moniliforme) Mofo preto (Rhizopus spp) Podridão de raiz (Lasiodiplodia theobromae) Ramulose (Colletotrichum gossypii var. cephalosporioides) Arroz Brusone (Pyricularia grisea) Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Mancha avermelhada dos grãos (Epicoccum nigrum) Mancha das glumelas (Curvularia lunata) Mancha de alternaria (Alternaria alternata) Mancha parda (Bipolaris oryzae) Queima das glumelas (Phoma sorghina) Queima foliar (Microdochium oryzae) Aveia Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Helmintosporiose (Drechslera avenae) Mancha de alternaria (Alternaria alternata) Murcha de fusarium (Fusarium spp.) Cevada Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Fusariose (Fusarium graminearum) Mancha angular (Drechslera teres) Mancha de alternaria (Alternaria alternata) Mancha marrom (Bipolaris sorokiniana) Mancha marrom (Phoma spp) Pinta preta (Alternaria spp) Ervilha Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Murcha de fusarium (Fusarium spp.) Verrugose (Cladosporium herbarum) Feijão Antracnose (Colletotrichum lindemuthianum) Cladosporiose (Cladosporium spp) Damping-off (Rhizoctonia solani) Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Pinta preta (Alternaria spp) Podridão cinzenta do caule (Macrophomina phaseolina) Podridão radicular seca (Fusarium solani f. sp. phaseoli) Milho Fusariose (Fusarium moniliforme) Podridão das s (Aspergillus flavus) 400 á 500 l/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de 400 á 500 ml/100 kg de até 250 ml/100 kg de até 250 ml/100 kg de até 250 ml/100 kg de até 250 ml/100 kg de

11 Tombamento (Acremonium strictum) Tombamento (Penicillium oxalicum) Soja Antracnose (Colletotrichum truncatum) Doença de final de ciclo (Corynespora cassiicola) Estiolamento (Pythium spp.) Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Fungo de pós colheita (Cladosporium cladosporioides) Fusariose (Fusarium pallidoroseum) Mancha marrom (Phoma spp) Mancha olho de rã (Cercospora sojina) Mancha parda (Septoria glycines) Mancha púrpura da (Cercospora kikuchii) Podridão seca (Phomopsis sojae) Trigo Brusone (Pyricularia grisea) Carvão (Ustilago tritici) Cladosporiose (Cladosporium spp) Curvulária (Curvularia spp) Fungo de armazenamento (Penicillium spp) Fungo de pós colheita (Aspergillus spp) Mancha das glumas (Stagonospora nodorum) Mancha de alternaria (Alternaria alternata) Mancha marrom (Bipolaris sorokiniana) Mancha marrom (Phoma spp) Pinta preta (Alternaria spp) Atrazina Atanor 50 SC Registrante: Atanor do Brasil Ltda. : Atrazina 500 g/l HERBICIDAS Nome Técnico: Atrazina Registro no Ministério: 602 Agronômica: Herbicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Corrosividade: Formulação: Suspensão concentrada Modo de Ação: Seletivo Milho Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) Beldroega (Portulaca oleracea) Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 5 á 6 l/há 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de Época Pré e Pósemergência Pré-emergência Pré e Pósemergência

12 Capim colchão (Digitaria horizontalis) Capim colonião (Panicum maximum) Capim pé de galinha (Eleusine indica) Caruru comum (Amaranthus viridis) Corda de viola (Ipomoea grandifolia) Erva branca (Gnaphalium spicatum) Malva branca (Sida cordifolia) Picão preto (Bidens pilosa) Poaia branca (Richardia brasiliensis) Trapoeraba (Commelina benghalensis) Tecnologia (Modos e Equipamento) 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 4 á 6 l/há 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de 40 á 50 L de Pré e Pósemergência Pré-emergência Pré e Pósemergência Pós-emergência Pré e Pósemergência Pré e Pósemergência Pré-emergência Pré e Pósemergência Pré e Pósemergência Pré-emergência Pré-emergência INSTRUÇÕES DE USO: ATRAZINA 50 SC, é um herbicida de ação seletiva para ser usado em pré e pós-emergência, no controle de plantas daninhas que infestam a cultura de Milho. OBSERVAÇÕES: Utilizar adjuvante a calda herbicida em pós-emergência. Adjuvante do tipo Alquil Fenol Poliglicoleter na proporção de 0,2% m/v. INÍCIO, NÚMERO, ÉPOCAS OU INTERVALOS DE APLICAÇÃO: ATRAZINA 50 SC, deve ser aplicado logo após feita a semeadura, ou simultaneamente à ela (pré-emergência) pelo sistema 3 em 1 ou seja, aduba, planta e aplica a ATRAZINA 50 SC numa operação única. Na ocorrência de plantas daninhas de folhas largas, pode-se aplicar na pós-emergência inicial com as plantas daninhas no estádio de até 6 folhas. Em pós-emergência pode ser aplicado em área total com a cultura do milho já germinada, sendo que neste caso a adição de surfactante (adjuvante), pode melhorar a eficiência do produto. CONDIÇÕES DE APLICAÇÃO: ação em pré-emergência, o solo deve estar preparado e a aplicação com o produto deve ser efetuada em condições de boa umidade; aplicação em pós-emergência deve-se respeitar o estádio de desenvolvimento da planta daninha. 2,4-D Amina 72 Registrante: Atanor do Brasil Ltda. 2,4-D-dimetilamina 720 g/l Nome Técnico: 2,4-D Registro no Ministério: 5002 Agronômica: Herbicida Toxicológica: I - Extremamente tóxica Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Corrosividade: Formulação: Concentrado solúvel Modo de Ação: Seletivo Arroz Água pé mirim (Heteranthera reniformis) Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) Beldroega (Portulaca oleracea) Caruru comum (Amaranthus viridis) Erva de bicho (Polygonum persicaria) 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 Época

13 Falsa serralha (Emilia sonchifolia) Gervão branco (Croton glandulosus) Guanxuma (Sida rhombifolia) Losna branca (Parthenium hysterophorus) Malva branca (Sida cordifolia) Mentrasto (Ageratum conyzoides) Nabiça (Raphanus raphanistrum) Picão preto (Bidens pilosa) Poaia branca (Richardia brasiliensis) Rubim (Leonurus sibiricus) Tália (Thalia geniculata) Vassourinha (Malvastrum coromandelianum) Cana-de-açúcar Água pé mirim (Heteranthera reniformis) Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) Apaga fogo (Alternanthera tenella) Beldroega (Portulaca oleracea) Buva (Conyza bonariensis) Carrapichão (Triumfetta bartramia) Caruru comum (Amaranthus viridis) Corda de viola (Ipomoea grandifolia) Corda de viola (Ipomoea quamoclit) Erva de bicho (Polygonum persicaria) Falsa serralha (Emilia sonchifolia) Gervão branco (Croton glandulosus) Guanxuma (Sida rhombifolia) Losna branca (Parthenium hysterophorus) Malva branca (Sida cordifolia) Mentrasto (Ageratum conyzoides) Nabiça (Raphanus raphanistrum) 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 4 Época Picão preto (Bidens pilosa) 2 á 2,9

14 Poaia branca (Richardia brasiliensis) Rubim (Leonurus sibiricus) Tália (Thalia geniculata) Trapoeraba (Commelina benghalensis) Vassourinha (Malvastrum coromandelianum) 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 2 á 2,9 calda/há Milho Água pé mirim (Heteranthera reniformis) Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) Beldroega (Portulaca oleracea) Caruru comum (Amaranthus viridis) Erva de bicho (Polygonum persicaria) Gervão branco (Croton glandulosus) Guanxuma (Sida rhombifolia) Losna branca (Parthenium hysterophorus) Malva branca (Sida cordifolia) Mentrasto (Ageratum conyzoides) Nabiça (Raphanus raphanistrum) Picão preto (Bidens pilosa) Poaia branca (Richardia brasiliensis) Rubim (Leonurus sibiricus) Tália (Thalia geniculata) Vassourinha (Malvastrum coromandelianum) 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 1,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1,4 0,7 á 1, Época Pastagens Época Apaga fogo (Alternanthera tenella) até 2 - Buva (Conyza bonariensis) até 2 - Carrapichão (Triumfetta bartramia) até 2 - Corda de viola (Ipomoea quamoclit) até 2 - Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até 2 - Falsa serralha (Emilia sonchifolia) até 2 - Trapoeraba (Commelina benghalensis) até 2 - Soja Água pé mirim (Heteranthera reniformis) Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) 1 á 1,5 1 á 1,5 - - Época observação

15 Beldroega (Portulaca oleracea) Caruru comum (Amaranthus viridis) Erva de bicho (Polygonum persicaria) Gervão branco (Croton glandulosus) Guanxuma (Sida rhombifolia) Losna branca (Parthenium hysterophorus) Malva branca (Sida cordifolia) Mentrasto (Ageratum conyzoides) Nabiça (Raphanus raphanistrum) Picão preto (Bidens pilosa) Poaia branca (Richardia brasiliensis) Rubim (Leonurus sibiricus) Tália (Thalia geniculata) Vassourinha (Malvastrum coromandelianum) Trigo Água pé mirim (Heteranthera reniformis) Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) Beldroega (Portulaca oleracea) Carrapicho de carneiro (Acanthospermum Caruru comum (Amaranthus viridis) 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 0,35 á 0, ,35 á 0,7 Erva de bicho (Polygonum persicaria) 0,35 á 0,7 Gervão branco (Croton glandulosus) Mentrasto (Ageratum conyzoides) Nabiça (Raphanus raphanistrum) Picão preto (Bidens pilosa) Poaia branca (Richardia brasiliensis) 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 1 á 1,5 á 400 l Época No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento

16 Rubim (Leonurus sibiricus) Tália (Thalia geniculata) 0,35 á 0,7 0,35 á 0,7 1 1 Tecnologia (Modos e Equipamento) No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento No período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento INSTRUÇÕES DE USO: O produto 2,4-D AMINA 72, é recomendado como eficiente no controle de plantas daninhas em aplicação pós-emergente nas culturas de Arroz (na forma irrigada), Trigo, Milho, Cana-de-açúcar e áreas de pastagens. É recomendado também na aplicação em pré-plantio (manejo ou dessecação). ação em pós-emergência das plantas daninhas para eliminação da vegetação antes do plantio, sistema de plantio direto para as culturas de Milho e Soja. Deve ser aplicado nas plantas daninhas já crescidas (pós-emergência) controlando as plantas daninhas de folhas largas. CULTURAS DO MILHO E ARROZ: Recomendado somente para controle de Amendoim-bravo (Euphorbia heterophylla); Beldroega (Portulaca o/eracea); Caruru (Amaranrhus viridis); Carrapicho-de-carneiro (Acanthospermum ; Guanxuma (Sida rhombifolia e Sida cordifolia) (somente na maior dose); Mentrasto (Ageratum conyzoides); Nabo ou Nabiça (Raphanus raphanistrum); Picão-preto (Bidens pilosa); Poaia (Richardia brasilensis); Losna-branca (Parthenium hysterophorus) (somente na maior dose); Vassourinha (Malvastrum coromandelianum) (somente na maior dose); Rubim (Leonorus sibiricus); Gervão-branco (Croton glandulosus); Erva-de-bicho (Polygonum persicária); Arumarana (Thalia geniculata) e Hortelã-do-brejo (Heteranthera reniformes). CULTURA DO TRIGO: Recomendado somente para controle de Amendoim-bravo (Euphorbia heterophylla); Beldroega (Portulaca oleracea) (somente na maior dose); Caruru (Amaranrhus viridis) (somente na maior dose); Carrapichode-carneiro (Acanthospermum (somente na maior dose); Mentrasto (Ageratum conyzoides) (somente na maior dose); Nabo ou Nabiça (Raphanus raphanistrum); Picão-preto (Bidens pilosa); Poaia (Richardia brasilensis) (somente na maior dose); Rubim (Leonorus sibiricus); Gervão-branco (Croton glandulosus) (somente na maior dose); Erva-de-bicho (Polygonum persicária) (somente na maior dose); Arumarana (Thalia geniculata) (somente na maior dose) e Hortelã-do-brejo (Heteranthera reniformes) (somente na maior dose). CULTURA DA CANA-DE:AÇÚCAR: Recomendado para controle de plantas daninhas somente nas indicadas em Cana-Planta. PASTAGEM DE Cvnodon dactvlon e Brachiaria decumbens : Recomendado somente para controle de Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia e Ipomoea quamoclit); Trapoeraba (Commelina benghalensis); Buva (Conyza bonariensis); Carrapichão (Triumfetta bartramia); Apaga-fogo (Alternanthera tenella) e Falsa-serralha (Emilia sonchifolia). CULTURAS DE SOJA E MILHO (EM PLANTIO DIRETO): Não é recomendado o controle de Corda-de-viola (Ipomoea grandifolia e Ipomoea quamoclit); Trapoeraba (Commelina benghalensis); Buva (Conyza bonariensis); Carrapichão (Triumfetta bartramia); Apaga-fogo (Alternanthera tenellal) e Falsa-serralha (Emilia sonchifolia). ÍNICIO, NÚMERO, ÉPOCA E INTERVALOS DE APLICAÇÃO: MILHO: ar em pós-emergência das plantas daninhas e do milho até 25 cm. TRIGO: ar no período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento. ARROZ: ar no período após o início do perfilhamento e antes do emborrachamento. CANA DE ÁÇÚCAR: ar em época quente, quando a cana atingir cm de altura. PASTAGEM DE CAPINS: ar em área total ou individualmente nas plantas que se quer eliminar, molhando bem a folhagem. Repetir caso haja rebrota. SOJA E MILHO: ar em pós-emergência das plantas daninhas para eliminação da vegetação antes do plantio - sistema de plantio direto (manejo ou dessecação) esperar de 7 a 12 dias para plantar. Glifosato Atanor Registrante: Atanor do Brasil Ltda. Glifosato - sal de isopropilamina 480 g/l Nome Técnico: Glyphosate Registro no Ministério: 1502 Agronômica: Herbicida Toxicológica: III - Medianamente tóxico Ambiental: III - Produto perigoso Inflamabilidade: Corrosividade: Formulação: Concentrado solúvel Modo de Ação: Não seletivo, Sistêmico Arroz Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha Época Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha

17 Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha Cana de açúcar (Saccharum officinarum) 3 á á 400 /ha Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha Capim colonião (Panicum maximum) 2 á á 400 /ha Capim favorito (Rhynchelitrum repens) 2 á á 400 /ha 1 á 1,5 100 á 400 /ha Caruru comum (Amaranthus viridis) até á 400 /ha Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até á 400 /ha Falsa serralha (Emilia sonchifolia) 1 á á 400 /ha Grama seda (Cynodon dactylon) até á 400 /ha Losna branca (Parthenium hysterophorus) até á 400 /ha Malva branca (Sida cordifolia) 1 á á 400 /ha Milheto (Pennisetum americanum) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Papuã (Brachiaria plantaginea) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Picão preto (Bidens pilosa) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Rubim (Leonurus sibiricus) até á 400 /ha Tiririca (Cyperus rotundus) 3 á á 400 /ha Café Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha - 15 Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha - 15 Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha - 15 Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha - 15 Cana de açúcar (Saccharum officinarum) 3 á á 400 /ha - 15 Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha - 15 Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha - 15 Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha - 15 Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha - 15 Época

18 Capim colonião (Panicum maximum) 2 á á 400 /ha - 15 Capim favorito (Rhynchelitrum repens) 2 á á 400 /ha á 1,5 100 á 400 /ha - 15 Caruru comum (Amaranthus viridis) até á 400 /ha - 15 Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até á 400 /ha - 15 Falsa serralha (Emilia sonchifolia) 1 á á 400 /ha - 15 Grama seda (Cynodon dactylon) até á 400 /ha - 15 Losna branca (Parthenium hysterophorus) até á 400 /ha - 15 Malva branca (Sida cordifolia) 1 á á 400 /ha - 15 Milheto (Pennisetum americanum) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 15 Papuã (Brachiaria plantaginea) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 15 Picão preto (Bidens pilosa) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 15 Rubim (Leonurus sibiricus) até á 400 /ha - 15 Tiririca (Cyperus rotundus) 3 á á 400 /ha - 15 Cana-de-açúcar Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha Capim colonião (Panicum maximum) 2 á á 400 /ha Capim favorito (Rhynchelitrum repens) 2 á á 400 /ha 1 á 1,5 100 á 400 /ha Caruru comum (Amaranthus viridis) até á 400 /ha Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até á 400 /ha Falsa serralha (Emilia sonchifolia) 1 á á 400 /ha Grama seda (Cynodon dactylon) até á 400 /ha Losna branca (Parthenium hysterophorus) até á 400 /ha Época Malva branca (Sida cordifolia) 1 á á 400 /ha

19 Milheto (Pennisetum americanum) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Papuã (Brachiaria plantaginea) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Picão preto (Bidens pilosa) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Rubim (Leonurus sibiricus) até á 400 /ha Tiririca (Cyperus rotundus) 3 á á 400 /ha Citros Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha - 30 Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha - 30 Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha - 30 Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha - 30 Cana de açúcar (Saccharum officinarum) 3 á á 400 /ha - 30 Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha - 30 Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha - 30 Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha - 30 Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha - 30 Capim colonião (Panicum maximum) 2 á á 400 /ha - 30 Capim favorito (Rhynchelitrum repens) 2 á á 400 /ha á 1,5 100 á 400 /ha - 30 Caruru comum (Amaranthus viridis) até á 400 /ha - 30 Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até á 400 /ha - 30 Falsa serralha (Emilia sonchifolia) 1 á á 400 /ha - 30 Grama seda (Cynodon dactylon) até á 400 /ha - 30 Losna branca (Parthenium hysterophorus) até á 400 /ha - 30 Malva branca (Sida cordifolia) 1 á á 400 /ha - 30 Milheto (Pennisetum americanum) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 30 Papuã (Brachiaria plantaginea) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 30 Picão preto (Bidens pilosa) 1 á 1,5 100 á 400 /ha - 30 Rubim (Leonurus sibiricus) até á 400 /ha - 30 Tiririca (Cyperus rotundus) 3 á á 400 /ha - 30 Milho Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha Época Época

20 Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha Cana de açúcar (Saccharum officinarum) 3 á á 400 /ha Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha Capim colonião (Panicum maximum) 2 á á 400 /ha Capim favorito (Rhynchelitrum repens) 2 á á 400 /ha 1 á 1,5 100 á 400 /ha Caruru comum (Amaranthus viridis) até á 400 /ha Corda de viola (Ipomoea grandifolia) até á 400 /ha Falsa serralha (Emilia sonchifolia) 1 á á 400 /ha Grama seda (Cynodon dactylon) até á 400 /ha Losna branca (Parthenium hysterophorus) até á 400 /ha Malva branca (Sida cordifolia) 1 á á 400 /ha Milheto (Pennisetum americanum) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Papuã (Brachiaria plantaginea) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Picão preto (Bidens pilosa) 1 á 1,5 100 á 400 /ha Rubim (Leonurus sibiricus) até á 400 /ha Tiririca (Cyperus rotundus) 3 á á 400 /ha Soja Amendoim bravo (Euphorbia heterophylla) até á 400 /ha Anileira (Indigofera hirsuta) 2 á á 400 /ha Arroz vermelho (Oryza sativa) até á 400 /ha Beldroega (Portulaca oleracea) até á 400 /ha Cana de açúcar (Saccharum officinarum) 3 á á 400 /ha Capim amargoso (Digitaria insularis) 3 á á 400 /ha Capim braquiária (Brachiaria decumbens) 2 á á 400 /ha Capim carrapicho (Cenchrus echinatus) até 1,5 100 á 400 /ha Capim colchão (Digitaria horizontalis) 1 á á 400 /ha Época

O HERBICIDA PARAQUATE

O HERBICIDA PARAQUATE O HERBICIDA PARAQUATE Girabis Envangelista Ramos Brasília/DF, 04 de novembro de 2015 HISTÓRICO E USO Primeiro registro:1962 na Inglaterra (ICI) Nos Estados Unidos da América: 1964 No Brasil: década de

Leia mais

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO:

COMPOSIÇÃO: CLASSE: GRUPO QUÍMICO: TIPO DE FORMULAÇÃO: COMPOSIÇÃO: Glifosato 480 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Glicina Substituída TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Solúvel CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO: CULTURA:

Leia mais

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro

Herbicida 1. Acanthospermum hispidum Acanthospermum australe. Carrapicho-de-carneiro COMPOSIÇÃO: Diurom 800 g/kg CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ureia TIPO DE FORMULAÇÃO: Granulado Dispersível (WG) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO DO PRODUTO: CULTURAS:

Leia mais

Portfólio de Produtos DVA

Portfólio de Produtos DVA Portfólio de Produtos DVA > > Í N D I C E Mais que um portfólio de produtos, o que a DVA tem para oferecer é exatamente o que você precisa: PARCERIA e QUALIDADE. QUALIDADE em relacionamentos. QUALIDADE

Leia mais

carrapicho-de-carneiro espinho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum) mentrasto picão-roxo (Ageratum conyzoides)

carrapicho-de-carneiro espinho-de-carneiro (Acanthospermum hispidum) mentrasto picão-roxo (Ageratum conyzoides) SIPTRAN 500 SC Ficha Técnica Nome Comum: Atrazina Nome Comercial: Siptran 500 SC Grupo Químico: Triazina Concentração: 500 g/l Formulação: SC - Suspensão Concentrada Classe tóxicológica: III - Medianamente

Leia mais

SUMISOYA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

SUMISOYA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ SUMISOYA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 07195 COMPOSIÇÃO: N-(7-fluoro-3,4-dihydro-3-oxo-4-prop-2-yntl-2H-1,4-benzoxazin-6-yl)cyclohex-1-ene-1,2-dicarboxamide

Leia mais

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v)

N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Composição N-(1-ethypropyl)-2,6-dinitro-3,4-xylidine (PENDIMETALINA)...500 g/l (50% m/v) Ingredientes inertes...500 g/l (50% m/v) Classe Herbicida seletivo, de ação não sistêmica do grupo químico das dinitroanilinas.

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO TREINAMENTO IHARABRAS MANEJO DE PLANTAS DANINHAS MANEJO DE PLANTAS DANINHAS NA CULTURA DO FEIJÃO FEIJÃO NO BRASIL Adaptado de Stone e Sartorato, 1994 1 FEIJÃO NO BRASIL 3 safras distintas (SP) Feijão -

Leia mais

RECONIL. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº:

RECONIL. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: RECONIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: dicopper chloride trihydroxide (OXICLORETO DE COBRE)... 588 g/kg (58,8% m/m) Equivalente

Leia mais

BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ BORAL 500 SC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob o nº 07495. COMPOSIÇÃO: 2,4 -dichloro-5-(4-difluoromethyl-4,5-dihydro-3-methyl-5-oxo-1h-1,2,4-triazol-1-yl)

Leia mais

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha)

Herbicida 1. CULTURAS PLANTAS DANINHAS ESTÁDIO DOSE (L/ha) COMPOSIÇÃO: PROPAQUIZAFOPE 100 g/l CLASSE: Herbicida GRUPO QUÍMICO: Ácido Ariloxifenoxipropiônico TIPO DE FORMULAÇÃO: Concentrado Emulsionável CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES

Leia mais

Indicações Registradas

Indicações Registradas Marca Comercial Titular do Registro Nº Registro MAPA Basagran 0 BASF S.A. - 48.59.7/0001-18 594 Classe Herbicida Modo de Ação Seletivo, de ação não sistêmica Concentração do I.A. Ingrediente Ativo (I.A.)

Leia mais

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO

INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO INCIDÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS EM LAVOURAS DE ALGODÃO SOB SISTEMAS DE PLANTIO DIRETO E CONVENCIONAL NA CONDIÇÃO DE CERRADO LEANDRO CARLOS FERREIRA 1,3 ; ITAMAR ROSA TEIXEIRA 2,3 RESUMO: O sistema de cultivo

Leia mais

TILT é um fungicida sistêmico recomendado para o controle das seguintes doenças nas culturas e doses abaixo:

TILT é um fungicida sistêmico recomendado para o controle das seguintes doenças nas culturas e doses abaixo: TILT Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: PROPICONAZOLE Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 03058395 Classe: fungicida sistêmico do grupo químico dos triazóis Composição:

Leia mais

Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498.

Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498. Logomarca do produto GRAMOCIL Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01248498. COMPOSIÇÃO: 1,1'-dimethyl-4,4'-bipyridium (PARAQUATE)...... 200 g/l (20% m/v) 3-(3,4-dichlorophenyl)-1,1-dimethylurea

Leia mais

Uso Profissional. www.saudeambiental.com.br. Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience. Consulte um Profissional

Uso Profissional. www.saudeambiental.com.br. Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience. Consulte um Profissional Assessoria de Propaganda Bayer Um grupo de negócios operacionais da Bayer CropScience Consulte um Profissional Uso Profissional www.saudeambiental.com.br Produto de venda restrita à empresa especializada

Leia mais

Indústria Brasileira Classificação Toxicológica I - Extremamente Tóxico

Indústria Brasileira Classificação Toxicológica I - Extremamente Tóxico DMA 806 BR 1404 ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO DA

Leia mais

GLIFOSATO ATANOR VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ

GLIFOSATO ATANOR VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ GLIFOSATO ATANOR VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sob n.º 001502. Composição: Sal de isopropilamina

Leia mais

BULA RECOP. VIDE EMBALAGEM Data de vencimento:

BULA RECOP. VIDE EMBALAGEM Data de vencimento: BULA RECOP Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 01308704 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: Cooper (II) oxychlori (OXICLORETO DE COBRE)... 840 g/kg (84% m/m) Equivalente

Leia mais

Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia

Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia Prof a Dr a Núbia Maria Correia correianm@fcav.unesp.br www.fcav.unesp.br/nubiacorreia SÃO PLANTAS QUE NAQUELE DETERMINADO MOMENTO ESTÃO INDO CONTRA OS INTERESSES DO HOMEM, DE FORMA DIRETA OU INDIRETA.

Leia mais

SCORE VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

SCORE VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ SCORE VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 002894 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: cis-trans-3-chloro-4-[4-methyl-2-(1h-1,2,4-triazol-1-ylmethyl)-1,3-dioxolan-2-yl]phenyl

Leia mais

GARANT. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 01278791.

GARANT. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 01278791. GARANT Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 01278791. COMPOSIÇÃO: Copper hydroxide (HIDRÓXIDO DE COBRE)...691 g/kg (69,1% m/m) (equivalente em Cobre Metálico:

Leia mais

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja

Plantas Daninhas na 07 Cultura da Soja ecnologia e Produção: oja e Milho 0/0 Plantas Daninhas na 07 Cultura da oja Ricardo Barros 7.. Manejo da cobertura do solo Uma das táticas mais eficazes no sistema de Manejo Integrado de Plantas Daninhas

Leia mais

CLASSIC. Indústria Brasileira

CLASSIC. Indústria Brasileira CLASSIC Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sob nº 00938801 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: Ethyl 2-(4-chloro-6-methoxypyrimidin-2-ylcarbamoylsulfamoyl) benzoate (CLORIMURON

Leia mais

Percepção ambiental de produtores de milho relativa às plantas espontâneas na região Central de Minas Gerais

Percepção ambiental de produtores de milho relativa às plantas espontâneas na região Central de Minas Gerais Percepção ambiental de produtores de milho relativa às plantas espontâneas na região Central de Minas Gerais Walter José Rodrigues Matrangolo 1 ; Maurílio Fernandes de Oliveira 1 ; Walfrido Machado Albernaz

Leia mais

CLASSIC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

CLASSIC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ CLASSIC VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sob nº 00938801 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: Ethyl2-(4-chloro-6-methoxypyrimidin-2-ylcarbamoylsulfamoyl)benzoate

Leia mais

caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) falsa-serralha bela-emilia (Emilia sonchifolia) caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis)

caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) falsa-serralha bela-emilia (Emilia sonchifolia) caruru-de-mancha caruru-verde (Amaranthus viridis) METRIMEX 500 SC Ficha Técnica Nome Comum: Ametrina Nome Comercial: Metrimex 500 SC Grupo Químico: Triazina Concentração: 500 g/l Formulação: SC - Suspensão Concentrada Classe tóxicológica: III - Medianamente

Leia mais

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ DMA 806 BR 1601 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

COBRA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ.

COBRA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ. COBRA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob n º 010685-91 COMPOSIÇÃO: ethyl O- [5-

Leia mais

SQUADRON VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

SQUADRON VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ SQUADRON VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 04195 COMPOSIÇÃO: N- (1- ethylpropyl)- 2,6-

Leia mais

ALLY VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

ALLY VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ALLY VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob n : 002492 COMPOSIÇÃO: Metil 2-(4-methoxy-6-methyl-1,3,5-triazin-2-ylcarbamoylsulfamyl)benzoate

Leia mais

TÉCNICAS DE HERBORIZAÇÃO

TÉCNICAS DE HERBORIZAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS DEPARTAMENTO DE DEFESA FITOSSANITÁRIA DFS 1000 - BIOLOGIA E CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prof. Sergio Luiz de Oliveira Machado TÉCNICAS DE

Leia mais

TIPO DE FORMULAÇÃO: TITULAR DO REGISTRO: ADAMA BRASIL S/A

TIPO DE FORMULAÇÃO: TITULAR DO REGISTRO: ADAMA BRASIL S/A Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob n o 01698706 COMPOSIÇÃO: Methyl benzimidazol-2-ylcarbamate (CARBENDAZIM)... 500 g/l (50,0% m/v) Outros Ingredientes... 663 g/l

Leia mais

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99

RECOMENDAÇÕES DE FUNGICIDAS PARA TRATAMENTO DE SEMENTES E CONTROLE DE OÍDIO E DE DOENÇAS DE FINAL DE CICLO DA SOJA, SAFRA 1998/99 ISSN 004-564 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Abastecimento BR 6, km 5,6 - Trecho Dourados-Caarapó Caixa Postal 66 79804-970 Dourados

Leia mais

Gliz* 480 SL ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER.

Gliz* 480 SL ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. Gliz* 480 SL 0909 ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO

Leia mais

x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas

x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas x- Novas e futuras alternativas de controle de plantas daninhas Décio Karam I IPesquisador da Embrapa Milho e Sorgo e Presidente da Sociedade Brasileira da Ciência das Plantas daninhas, biênio 2006/2008.

Leia mais

Nome Comum Nome Científico Estágio de Crescimento Dose(litro*/ha) 0,5. Reaplicar se houver Capim marmelada Brachiaria plantaginea

Nome Comum Nome Científico Estágio de Crescimento Dose(litro*/ha) 0,5. Reaplicar se houver Capim marmelada Brachiaria plantaginea FUSILADE 250 EW Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: FLUAZIFOP P BUTIL Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 005796 Classe: herbicida graminicida sistêmico do grupo químico

Leia mais

ALLY. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 002492

ALLY. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 002492 ALLY Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 002492 COMPOSIÇÃO: Methyl 2-(4-methoxy-6-methyl-1,3,5-triazin-2-ylcarbamoylsulfamoyl)benzoate (METSULFUROM METILICO)...600

Leia mais

ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ADVANCE VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registro no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento / MAPA sob nº 001595 COMPOSIÇÃO: 3-(3,4-diclorofenil)-1,1-dimetiluréia(DIURON)...533

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ.

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ. VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO ESTADO DO PARANÁ. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob n 09011 COMPOSIÇÃO: 2-(4,6-dimethoxypyrimidin-2-ylcarbamoylsulfamoyl)-N,N-dimethylnicotinamide

Leia mais

NATIVO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO PARANÁ.

NATIVO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO PARANÁ. NATIVO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICO DO PARANÁ. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob nº 00205 COMPOSIÇÃO: methyl(e)methoxyimino{(e)α[1(α,α,αtrifluoromtolyl)ethylideneaminooxy]=otolyl}acetate

Leia mais

DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ DUAL GOLD VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 08499 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: mistura de

Leia mais

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR

Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Overview sobre Plantas daninhas resistentes aos herbicidas no Brasil e as Ações HRAC-BR Eng. Agr. Dr. Roberto Estêvão Bragion de Toledo Presidente HRAC-BR www.hrac-br.com.br roberto.e.toledo@bra.dupont.com

Leia mais

PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ PACTO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 07398 Composição: Methyl-3-choro-2-(5-ethoxy-7-fluorol[1,2,4]triazolo[1,5c]pyrimidin-2-yl

Leia mais

Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Açúcar. Prof. José Renato

Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Açúcar. Prof. José Renato Plantas Daninhas na Cultura da Cana-de-Açúcar Prof. José Renato Objetivo O objetivo deste trabalho é descrever algumas das principais plantas daninhas presentes na cultura da cana-de-açúcar, bem como destacar

Leia mais

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas

Inseticida 1. Doses. Modalidade de aplicação. Culturas. Pragas controladas COMPOSIÇÃO: Imidacloprido 200 g/l CLASSE: Inseticida GRUPO QUÍMICO: Neonicotinoide TIPO DE FORMULAÇÃO: Suspensão Concentrada (SC) CLASSIFICAÇÃO TOXICOLÓGICA III - MEDIANAMENTE TÓXICO INSTRUÇÕES DE USO:

Leia mais

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.)

A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) A Cultura do Feijão-de-vagem (Phaseolus vulgaris L.) Aspectos gerais Família: Fabaceae (ex) Leguminosae Mesma espécie do feijoeiro comum Qualquer cultivar de feijão pode ser usada para colheita de vagens,

Leia mais

Quando e como realizar desinfestação de áreas com elevado banco de sementes

Quando e como realizar desinfestação de áreas com elevado banco de sementes Quando e como realizar desinfestação de áreas com elevado banco de sementes Consultoria e Projetos Agrícolas Ltda. Eng. Agrônomo Marcos Antonio Kuva Eng. Agrônomo Tiago P. Salgado Sede administrativa Estação

Leia mais

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja

Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia. Catálogo Soja Mesorregião MT-RO Mato Grosso - Rondônia Catálogo Soja 2013 Cultivares de Soja Marca Pionee r Mesorregião MT-RO Diversidade genética e qualidade A DuPont Pioneer, com mais de 85 anos de melhoramento, é

Leia mais

Grandes mudanças ocorreram na forma de fazer agricultura depois da utilização de tratores e o uso intensivo de adubos químicos e agrotóxicos. Muitos agricultores mudaram seus sistemas e técnicas e passaram

Leia mais

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez

Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja. Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez Manejo Integrado das Principais Doenças e Pragas da cultura da Soja Rafael Moreira Soares & Daniel R. Sosa-Gómez FERRUGEM Phakopsora pachyrhizi FERRUGEM ASIÁTICA.Perdas de até 90% - diminui área fotossintética

Leia mais

EFICÁCIA DE GLYPHOSATE EM PLANTAS DE COBERTURA 1

EFICÁCIA DE GLYPHOSATE EM PLANTAS DE COBERTURA 1 Eficácia de glyphosate em plantas de cobertura 475 EFICÁCIA DE GLYPHOSATE EM PLANTAS DE COBERTURA 1 Efficacy of Glyphosate in Cover Crops TIMOSSI, P.C. 2, DURIGAN, J.C. 3 e LEITE, G.J. 4 RESUMO - Objetivou-se

Leia mais

CALLISTO VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

CALLISTO VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ CALLISTO VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob n 01004 COMPOSIÇÃO: 2-(4-mesyl-2-nitrobenzoyl)cyclohexane-1,3-dione

Leia mais

RADAR WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

RADAR WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ RADAR WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob n o 07799 COMPOSIÇÃO: Sal de Amônio de GLIFOSATO...79,25%

Leia mais

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CAFEZAL ORGÂNICO( 1 )

LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CAFEZAL ORGÂNICO( 1 ) Nota LEVANTAMENTO FITOSSOCIOLÓGICO DE PLANTAS DANINHAS EM CAFEZAL ORGÂNICO( 1 ) CLEBER DANIEL DE GOES MACIEL ( 2 *); JULIANA PARISOTTO POLETINE ( 2 ); ANTÔNIO MENDES DE OLIVEIRA NETO ( 3 ); NAIARA GUERRA

Leia mais

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda

Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais. Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Influênciada camadade palha no manejode plantasdaninhas emcanaviais Marcos Kuva Herbae C. P. AgrícolasLtda Sedeadministrativa Estaçãoexperimental credenciadano MAPA Laboratóriode manipulaçãode agrotóxicos

Leia mais

Controle Plantas Infestantes

Controle Plantas Infestantes Controle de Plantas Infestantes ',' Domingo Haroldo R. C. Reinhardt Francisco Alissonda Silva Xavier Aristóteles Pires de Matos Getúlio Augusto Pinto da Cunha 118 Quais são os problemas provocados pelas

Leia mais

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO

DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS DO PESSEGUEIRO DOENÇAS CAUSADAS POR FUNGOS 1. FERRUGEM 1 SINTOMAS. folhas:. sup. superior:. manchas angulares, amarelas, pequenas. sup. inferior:. pústulas arredondadas, recobertas de massa pulverulenta

Leia mais

ISSN 1679-043X Dezembro, 2011. Dinâmica de Plantas Infestantes em Sistemas Integrados de Cultivo

ISSN 1679-043X Dezembro, 2011. Dinâmica de Plantas Infestantes em Sistemas Integrados de Cultivo ISSN 1679-043X Dezembro, 2011 114 Dinâmica de Plantas Infestantes em Sistemas Integrados de Cultivo ISSN 1679-043X Dezembro, 2011 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agropecuária Oeste

Leia mais

Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo

Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo 1 Evolução das estratégias para o manejo químico de doenças do trigo Erlei Melo Reis, Sandra Maria Zoldan e Beatriz Germano OR Melhoramento de sementes Ltda, Passo Fundo, RS. 1. Introdução O manejo sustentável

Leia mais

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Combine 500 SC 1409 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2

SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE. Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 SELEÇÃO DE PLANTAS DANINHAS TOLERANTES E RESISTENTES AO GLYPHOSATE Leandro Vargas¹, Dionisio Gazziero 2 ¹Eng.-Agr o., D. S., Pesquisador da Embrapa Trigo. Caixa Postal 451. Passo Fundo, RS. vargas@cnpt.embrapa.br

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES ANEXO VIII REQUISITOS MÍNIMOS PARA DETERMINAÇÃO DO VALOR DE CULTIVO

Leia mais

Plantas Daninhas em. Culturas Oleaginosas

Plantas Daninhas em. Culturas Oleaginosas Plantas Daninhas em Culturas Oleaginosas Discente: Marcos Aurélio Miranda Ferreira, Docente: Marcela Nery. Diamantina, 2013. Histórico Ao longo da história da humanidade, as plantas daninhas têm sido um

Leia mais

Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico

Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico Kocide WDG. A evolução do cobre. A importância do cobre na produção cafeeira. Informe técnico ÍNDICE Introdução...03 Kocide wdg... 08 Fungicidas cúpricos... 04 Kocide wdg Eficiência da conversão em Cu

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

EQUIP PLUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ

EQUIP PLUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ EQUIP PLUS VERIFICAR RESTRIÇÕES CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob n 011401 Composição: N,N- dimetil- 2- [3-

Leia mais

Recomendação e Nível de Adoção de Tecnologias Agrícolas em Mato Grosso do Sul

Recomendação e Nível de Adoção de Tecnologias Agrícolas em Mato Grosso do Sul ISSN 1516-845X Novembro, 2001 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro de Pesquisa Agropecuária do Oeste Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento 35 Recomendação e Nível de Adoção

Leia mais

Taurino Alexandrino Loiola

Taurino Alexandrino Loiola PRINCIPAIS PROBLEMAS DA CULTURA DO FEIJÃO SOB A ÓTICA DO AGRÔNOMO DE CAMPO Taurino Alexandrino Loiola Brasília / DF, 03/12/2010 Culturas na safra Panorama das safras: 08/09 09/10 Soja 8.195 ha (+38%) Feijão

Leia mais

Gliz* 480 SL. Gliz* 480 SL

Gliz* 480 SL. Gliz* 480 SL 1 ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL. PROTEJA-SE. É OBRIGATÓRIA A DEVOLUÇÃO DA EMBALAGEM VAZIA.

Leia mais

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO

SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO SEVERIDADE DE DOENÇAS EM CULTIVARES DE MILHO ESTADO DE SÃO PAULO Safra 2013/2014 Christina Dudienas IAC/APTA DOENÇAS Ferrugem comum Manchas Foliares Phaeophaeria Diplódia Ferrugem Comum Puccinia sorghi

Leia mais

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS

MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO DAS DOENÇAS DAS ORQUÍDEAS Cibele Mantovani 2013 Sumário Introdução 2 Podridão Negra Pythium ultimum 3 Murcha ou Podridão de raiz e pseudobulbo Fusarium oxysporium 5 Antracnose Colletotrichum

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja

MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD. Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja MANEJO DE PLANTAS DANINHAS EM SPD Dionisio Luiz Pisa Gazziero Embrapa Soja ( e de informações) É TER VISÃO DE SISTEMA, MANEJO DA ÁREA/DA PROPRIEDADE - VISÃO EMPRESARIAL É UMA DE TRABALHO É gerenciar -

Leia mais

BROKER 750 WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

BROKER 750 WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ BROKER 750 WG VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 010808. Composição: HEXAZINONA...750

Leia mais

9 PRÁTICAS CULTURAIS

9 PRÁTICAS CULTURAIS 9 PRÁTICAS CULTURAIS 9.1 PREPARO DO SOLO Preparo do Solo Quando realizado de maneira incorreta, leva rapidamente àdegradação das características do solo, culminando com o declínio paulatino do seu potencial

Leia mais

EQUIP PLUS. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob n 011401

EQUIP PLUS. Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob n 011401 EQUIP PLUS VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO ESTADO DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob n 011401 COMPOSIÇÃO: 1-(4,6-dimethoxypyrimidin-2-yl)-3-[2-(di-methyl

Leia mais

Estádio de Crescimento. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. 20 50 cm.

Estádio de Crescimento. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. até 4 perfilhos 4 6 perfilhos. 20 50 cm. FALCON 250 WG Dados técnicos Nome comum do ingrediente ativo: BUTROXYDIM Registro no Ministério da Agricultura e do Abastecimento: nº 01597 Classe: herbicida graminicida sistêmico Composição: 2 [1 (etoxiamino)

Leia mais

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea

(+ de 80) PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO. XII MICA, 23 de agosto de 2006. BRUSONE Agente Causal: Pyricularia grisea INSTITUTO RIO GRANDENSE DO ARROZ ESTAÇÃO EXPERIMENTAL DO ARROZ EQUIPE MELHORAMENTO GENÉTICO IMPORTÂNCIA DA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO NO RS... PRINCIPAIS DOENÇAS NA CULTURA DO ARROZ IRRIGADO Eng. Agr..

Leia mais

SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS

SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS SANIDADE DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS TROPICAIS JOSÉ OTAVIO M. MENTEN MARIANE S. ISHIZUKA CURSO DE ATUALIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE SEMENTES FORRAGEIRAS TROPICAIS: ASPECTOS RELEVANTES À PRODUÇÃO DE SEMENTES AEAPP/FATL

Leia mais

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Goal BR 1501 VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ ANTES DE USAR O PRODUTO LEIA O RÓTULO, A BULA E A RECEITA, E CONSERVE-OS EM SEU PODER. É OBRIGATÓRIO O USO DE EQUIPAMENTOS

Leia mais

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO:

SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: SELEÇÃO DO MATERIAL DE PLANTIO: - Na seleção do material devem-se observar: 1 - Aspectos agronômicos; 2 - Qualidade da maniva de mandioca; 3 - Sanidade da maniva de mandioca; 3 - Armazenamento de manivas.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.)

UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.) UTILIZAÇÃO DO BAS 800 01 H NO MANEJO DAS PLANTAS DANINHAS PARA O PLANTIO DIRETO DE MILHO (Zea mays L.) MARINHO, J. F. (UNICAMP, Campinas/SP - fabris.j@gmail.com, FOLONI, L. L. (UNICAMP, Campinas/SP - lfoloni@gmail.com,

Leia mais

SPECTRO. Registrado no Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 003094

SPECTRO. Registrado no Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 003094 SPECTRO Registrado no Ministério de Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) sob nº: 003094 COMPOSIÇÃO: Ingrediente ativo: cis trans 3 chloro 4 [4 methyl 2 (1H 1,2,4 triazol 1 ylmethyl) 1,3 dioxolan

Leia mais

INFORMATIVO ARROZ DE TERRAS ALTAS NA ROTAÇÃO DE CULTURA

INFORMATIVO ARROZ DE TERRAS ALTAS NA ROTAÇÃO DE CULTURA INFORMATIVO ARROZ DE TERRAS ALTAS NA ROTAÇÃO DE CULTURA 1 INTRODUÇÃO A busca por novas oportunidades comerciais tem levado os agricultores a diversificar. O plantio de arroz de terras altas foi o carro

Leia mais

ADVANCE. Indústria Brasileira

ADVANCE. Indústria Brasileira ADVANCE Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA sob nº 01595 COMPOSIÇÃO: 3-(3,4-dichlorophenyl)-1,1-dimethylurea (DIUROM)...53,3% m/m (533 g/kg) 3-cyclohexyl-6-dimethylamino-1-methyl-1,3,5-triazine-2,4(1H,3H)-dione

Leia mais

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná

Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Evolução dos casos de resistência ao glifosato no Paraná Capim-marmelada e leiteiro são exemplos de grandes problemas que aconteceram nas lavouras de soja no início dos anos 80. Nesta mesma década, foram

Leia mais

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS

Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG TRIPLA AÇÃO NA PROTEÇÃO DE CULTIVOS Imidacloprid 700WG Inseticida de tripla ação: sistêmico, de contato e ingestão Galeão é um inseticida sistêmico, do grupo dos neonicotinóides que

Leia mais

FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ

FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ FORDOR 750 WG VERIFICAR AS RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS NO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob º 02604 Composição: 5-ciclopropil-1,2-oxazol-4-yl,α,α,α-trifluoro-2-mesil-p-tolil

Leia mais

INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS: CONCEITOS E EXEMPLOS NA CULTURA DO EUCALIPTO

INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS: CONCEITOS E EXEMPLOS NA CULTURA DO EUCALIPTO 236 INTERFERÊNCIA DE PLANTAS DANINHAS: CONCEITOS E EXEMPLOS NA CULTURA DO EUCALIPTO Fernanda Campos Mastrotti Pereira¹, Arthur Arrobas Martins Barroso¹, Alfredo Junior Paiola Albrecht² e Pedro Luis da

Leia mais

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal

Cultivo do tomateiro. Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Cultivo do tomateiro Profa. Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal Tomateiro (Lycopersicon esculentum) Centro de origem: América do Sul Centro de domesticação: México Diversos segmentos

Leia mais

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL Importância A análise química foliar constitui um procedimento auxiliar, na identificação de deficiências nutricionais ou presença de elementos excessivos com a finalidade

Leia mais

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO:

(*) IMPORTADOR DO PRODUTO FORMULADO FABRICANTE DO PRODUTO TÉCNICO: Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento/MAPA sob nº 01404 COMPOSIÇÃO: Methyl 4-iodo-2-[3-(4-methoxy-6-methyl-1,3,5-triazin-2-yI)ureidosulfonyl] benzoate (IODOSULFUROM-METÍLICO)...

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO 1. Um agricultor relata que não está tendo controle satisfatório na aplicação de um herbicida. Afirma estar aplicando conforme recomendação do fabricante do produto (x litros p.c./ha

Leia mais

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS

TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS TRABALHO SOBRE DOENÇAS DE PLANTAS OLEAGINOSAS Daniel Vieira Silva Roteiro: Breve introdução. Controles básicos recomendados para todas as culturas. Medidas profiláticas. (rotação de culturas, destruição

Leia mais

SUPERA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

SUPERA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ SUPERA VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no ministério da agricultura, Pecuária e Abastecimento MAPA sob nº 02203 COMPOSIÇÃO: Nome químico Copper hidroxide

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 45, de 17 de setembro de 2013. Publicação: D.O.U. do dia 20/09/13, Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

CONCRETO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ

CONCRETO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ CONCRETO VERIFICAR RESTRIÇÕES DE USO CONSTANTES NA LISTA DE AGROTÓXICOS DO PARANÁ Registrado no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento sob o nº 014008 Composição: Methyl benzimidazol-2-ylcarbamate

Leia mais