Papel dos Controles Internos Como Mecanismo de Governança Corporativa. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Categoria: PESQUISA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Papel dos Controles Internos Como Mecanismo de Governança Corporativa. Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Categoria: PESQUISA"

Transcrição

1 Papel dos Controles Internos Como Mecanismo de Governança Corporativa Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Categoria: PESQUISA Claudia Grego dos Santos Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Rua Universitária, 2069 Jardim Universitário Cascavel-Pr. Evellyn Danielly Zabotti Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Rua Universitária, 2069 Jardim Universitário Cascavel-Pr. Juliana Bispo de Oliveira Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Rua Universitária, 2069 Jardim Universitário Cascavel-Pr. Sidnei Celerino da Silva Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Rua Universitária, 2069 Jardim Universitário Cascavel-Pr. Resumo Esta pesquisa teve como objetivo discutir o papel do controle interno como instrumento da governança corporativa. O estudo, quanto aos objetivos, foi delineado através da pesquisa descritiva e; trata-se de uma pesquisa bibliográfica, em relação aos procedimentos. O estudo demonstra como os controles internos favorecem o gerenciamento de conflitos de interesses dos envolvidos nas empresas (agente x principal), contribuindo para que as entidades se tornem competitivas e adotem práticas no que se refere a aderência as políticas empresariais, estímulo a eficiência operacional e transparência e credibilidade dos relatórios contábeis e financeiros, base principal para prestação de contas. A governança corporativa está relacionada à existência de mecanismos específicos de controle, que transmitem segurança aos interessados no resultado da organização. Por fim, constatou-se que não existe controle interno específico para governança corporativa, entretanto, este é um dos pilares da boa governança. Palavras-chave: Governança Corporativa; Controle Interno; Teoria da Agência.

2 Papel dos Controles Internos Como Mecanismo de Governança Corporativa Área: CIÊNCIAS CONTÁBEIS Resumo Categoria: PESQUISA Esta pesquisa teve como objetivo discutir o papel do controle interno como instrumento da governança corporativa. O estudo, quanto aos objetivos, foi delineado através da pesquisa descritiva e; trata-se de uma pesquisa bibliográfica, em relação aos procedimentos. O estudo demonstra como os controles internos favorecem o gerenciamento de conflitos de interesses dos envolvidos nas empresas (agente x principal), contribuindo para que as entidades se tornem competitivas e adotem práticas no que se refere a aderência as políticas empresariais, estímulo a eficiência operacional e transparência e credibilidade dos relatórios contábeis e financeiros, base principal para prestação de contas. A governança corporativa está relacionada à existência de mecanismos específicos de controle, que transmitem segurança aos interessados no resultado da organização. Por fim, constatou-se que não existe controle interno específico para governança corporativa, entretanto, este é um dos pilares da boa governança. Palavras-chave: Governança Corporativa; Controle Interno; Teoria da Agência. 1 INTRODUÇÃO A governança corporativa ganhou espaço a partir de discussões e debates sobre a adoção de boas práticas organizacionais entre corporações e investidores. No meio acadêmico surgiu como sendo um conjunto de procedimentos internos e externos com a intenção de harmonizar as relações estabelecidas pela entidade a partir da prestação de contas das atividades realizadas, transparência nos processos e maior igualdade no trato com os acionistas. O estudo apresenta um direcionamento às boas práticas de governança corporativa, dando destaque à teoria da agência que é o momento em que o agente passa a almejar vantagens pessoais, agindo de forma contrária ao melhor interesse do principal. A utilização das boas práticas de governança corporativa requer a utilização de mecanismos próprios, adotados pelos analistas de empresas e os próprios gestores, para o bom desempenho das corporações, buscando identificar fatores que auxiliem na tomada de decisões. Em meio à constante necessidade da adoção da governança corporativa por parte de empreendedores, e o conhecimento a fundo do assunto no meio acadêmico, o estudo objetivou discutir o papel do controle interno como instrumento da governança corporativa.

3 Neste contexto, o trabalho reuniu argumentos para solucionar o seguinte quesito: Como os controles internos podem contribuir na efetividade das práticas de governança corporativa? 2 METODOLOGIA A metodologia científica faz referência aos procedimentos tomados na elaboração do planejamento e execução de uma pesquisa, entre eles, como pesquisar, por onde começar, que dados serão necessários, a seqüência das tarefas e demais informações necessárias para uma boa pesquisa. Para Silva e Menezes (2001, p. 9) adotar uma metodologia significa escolher um caminho, um percurso global do espírito. O percurso, muitas vezes, requer ser reinventado a cada etapa. Precisamos, então, não somente de regras e sim de muita criatividade e imaginação. Segundo Martins (1994, p.27), [...] trata-se de procedimento científico controlado que examina os vários casos, fenômenos ou coisas análogas de séries, para descobrir o que é comum, isto é, as regularidades, princípios, ou leis que são válidas e significativas. Para a elaboração deste artigo, quanto aos objetivos, foi empregado a pesquisa descritiva. O estudo envolve levantamento bibliográfico de diversos autores com a perspectiva de referenciar o controle interno como instrumento fundamental para a aplicação dos métodos de governança corporativa, logo, quanto aos procedimentos técnico utilizado caracteriza-se como pesquisa bibliográfica. Quanto à abordagem do problema, utilizou-se a pesquisa qualitativa, que é utilizada na interpretação dos fenômenos de forma indutiva. 3 GOVERNANÇA CORPORATIVA O marco inicial da governança corporativa ocorreu na década de 1990 nos países desenvolvidos, mais especificamente na Inglaterra, com a edição do relatório de Cadbury. No Brasil o primeiro referencial foi em 1995 com a criação do Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC) que tem o propósito de contribuir para o desenvolvimento sustentável das organizações, influenciando os agentes da sociedade no sentido de maior transparência, justiça e responsabilidade. A governança corporativa é composta por regras, procedimentos e administração dos contratos de uma entidade, ou seja, é a forma como uma empresa é gerida, envolvendo o relacionamento entre acionistas, conselho de administração, diretoria, auditoria independente, conselho fiscal e demais partes interessadas. Sob esse prisma, a governança corporativa dedica-se ao tratamento do conjunto de instrumentos de natureza pública e privada, onde de um lado estão leis, normativos de órgãos reguladores, regulamentos internos das entidades e práticas comerciais que regem e ordenam a relação entre controladores e administradores de uma empresa. Do outro, aqueles que nela investem recursos como acionistas, debenturistas, entre outros. A palavra governança está relacionada a governo, sendo assim, a expressão governança corporativa refere-se ao sistema criado dentro de uma entidade para que possa organizar os órgãos e poderes que a constituem. O conjunto de obras literárias que trata sobre o tema apresenta diferentes definições sobre o termo.

4 Siffert (1998, p. 124), o conceitua da seguinte forma: sistema de controle e monitoramento estabelecidos pelos acionistas controladores de uma determinada empresa ou corporação, de tal modo que os administradores tomam suas decisões sobre a alocação dos recursos de acordo com o interesse dos proprietários. O IBGC apud Lodi (2000, p. 24) apresentou a seguinte definição: Governança Corporativa é o sistema que assegura aos sócios-proprietários o governo estratégico da empresa e a efetiva monitoração da diretoria executiva. A relação entre propriedade e gestão se dá através do conselho de administração, a auditoria independente e o conselho fiscal, instrumentos fundamentais para o exercício do controle. A boa Governança assegura aos sócios equidade, transparência, responsabilidade pelos resultados (accountability) e obediência às leis do país (compliance). Neste contexto, Shleifer e Vishny (1997, p. 737) afirmam: governança corporativa lida com as maneiras pelas quais os fornecedores de recursos garantem que obterão para si o retorno sobre seu investimento. A importância que os administradores e controladores das companhias devem dar ao tema pode ser avaliada através do seguinte conselho de Rappaport (1998, p. 1): Avaliar a empresa com o intuito de gerenciá-la com base na evolução do seu valor é preocupação atual de praticamente todos os principais executivos, fazendo com que nos próximos anos a criação de valor para o acionista provavelmente se torne o padrão global para remuneração do desempenho do negócio. Os conceitos de governança corporativa definidos anteriormente permitem descrevê-la como um conjunto de princípios e práticas que procura reduzir ao mínimo os conflitos de interesse entre os diferentes agentes da companhia (stakehoders) com o objetivo de reduzir o custo de capital, aumentando o montante da entidade e o retorno aos seus acionistas. 3.1 Teoria da Agência À medida que as empresas se desenvolvem, passam a ser administradas não somente pelos seus proprietários e familiares, eles recebem o auxílio de indivíduos cujos vínculos pessoais com o proprietário podem ultrapassar sua capacidade de gestão. A mudança no perfil da administração, no que se refere à gestão, é um retorno da organização para a necessidade de manter-se ou tornar-se eficaz, produtiva, com agilidade suficiente para enfrentar desafios, consolidando e ampliando sua posição no mercado em que atua. Essas circunstâncias conduzem à mudança de um formato de gestão centralizado e personalizado, para outro em que as decisões são tomadas por membros organizacionais, cujos vínculos empregatícios são predominantemente estimulados pela remuneração paga pelas atividades realizadas. Esse conflito de interesses, observado na relação patrão-empregado, impulsionou os estudos na área de administração que culminaram no desenvolvimento da Teoria da Agência, que contribui para a administração no sentido de fomentar investigações sobre os meios adequados para reduzir os mencionados conflitos.

5 Na teoria da agência, a sociedade é formada como uma rede de contratos, explícitos e implícitos, os quais estabelecem as funções e definem os direitos e deveres dos participantes. Os denominados principais contratam outros indivíduos denominados agentes, para realização de um serviço que dispensa a concessão de autoridade para a tomada de decisão aos agentes pelos principais em seu nome e interesses. O problema da agência passa a existir no momento em que o agente preocupa-se com sua própria riqueza, segurança no emprego e demais vantagens pessoais, o que pode levá-lo a agir contrariamente ao melhor interesse do principal. Estando os acionistas em sua maioria distantes do controle, necessitam assegurar que as decisões de seus administradores estão alinhadas com seus interesses, fato que culminou no objeto de estudo da relação agente e principal. Shleifer e Vishny (1997, p. 737) explicam o conflito da agência: O empreendedor, ou gestor, capta recurso dos investidores para aplicá-los em projetos rentáveis ou para se apropriar desses recursos. Os investidores por sua vez, necessitam de gestores qualificados para fazer com que os recursos acumulados possam ser aplicados em projetos rentáveis. Como normalmente os empreendedores ou gestores, necessitam do capital dos investidores para concretização de seus objetivos, pois, ou não dispõem de recursos suficientes, ou desejam diversificar seus investimentos, e, os investidores têm consciência da possibilidade de apropriação de seus recursos pelos gestores, o problema da agência que se coloca é: como garantir aos investidores que seus recursos sejam aplicados atendendo aos seus interesses? Na teoria econômica tradicional, a governança corporativa surge a fim de superar o conflito de agência. Na perspectiva da teoria da agência, a maior preocupação é criar mecanismos eficientes para garantir que o comportamento dos executivos esteja alinhado com o interesse dos acionistas. O alcance do alinhamento de interesse entre as partes não é automático, são necessárias estruturas e sistemas que harmonizem os conflitos de interesse entre eles. A governança corporativa deve voltar-se para a análise de como o principal, por meio de um contrato, aplique um sistema de monitoramento e incentivo que motive o agente a tomar suas decisões, com o intuito de maximizar os interesses dos proprietários. Uma das formas de minimizar a assimetria de informação e os problemas de agência é a adoção de um sistema de governança corporativa, Carvalho (2002, p. 19) afirma que a governança corporativa é um conjunto de regras que visa minimizar os problemas de agência. Jensen e Meckling (1976, p. 308) definem um relacionamento de agência como: um contrato onde uma ou mais pessoas o principal engajam outra pessoa o agente para desempenhar alguma tarefa em seu favor, envolvendo a delegação de autoridade para tomada de decisão pelo agente. Segundo os autores, se ambas as partes agem tendo em vista a maximização das suas utilidades pessoais, existe uma boa razão para acreditar que o agente não agirá sempre no melhor interesse do principal. No caso da relação entre acionistas e gestores, os acionistas podem limitar as divergências monitorando as atividades dos executivos e estabelecendo incentivos contratuais apropriados a eles.

6 A tarefa dos acionistas de alinhar seus interesses aos interesses dos gestores implica em custos, que são chamados custos de agência. Segundo Jensen e Meckling (1976, p. 308), os custos de agência são a soma dos seguintes itens: a) custos de criação e estruturação de contratos entre o principal e o agente; b) gastos de monitoramento das atividades dos gestores pelo principal; c) gastos promovidos pelo próprio agente para mostrar ao principal que seus atos não serão prejudiciais ao mesmo; d) perdas residuais, decorrentes da diminuição da riqueza do principal por eventuais divergências entre as decisões do agente e as decisões que iriam maximizar a riqueza do principal. Apesar dos conflitos de agência apresentam características distintas em função da estrutura de propriedade das companhias, pode-se afirmar que eles dizem respeito ao risco de expropriação da riqueza dos investidores pelos gestores na hipótese de empresas com estrutura de capital pulverizada e separação de gestão e propriedade, ou, de expropriação da riqueza dos acionistas minoritários pelos acionistas majoritários, quando estes exercem poder total sobre os gestores. A relação entre principal e agente implica em interesses muitas vezes conflitantes e num processo contínuo de sacrifício de recursos para a obtenção de receitas. Pressupondo-se dessa forma a necessidade de a organização possuir em seu quadro de colaboradores uma equipe cujo papel seja monitorar a relação obtenção de receita-sacrifício de recursos, a fim de que nesse processo a transparência administrativa preserve ao máximo os interesses originais do principal, entendendo-se ser a mencionada equipe integrante da área de controles internos. Neste sentido, os mecanismos de governança surgem para dirigir os agentes e assegurar que eles cumpram as responsabilidades, reduzindo o impacto do conflito de agência. Alguns específicos para um determinado ativo. Outros perpassam e integram diversos ativos, sendo esses mecanismos observados, com mais freqüência, nas empresas de melhor desempenho.

7 3.2 Mecanismos de Governança Corporativa Em diversos países a governança corporativa é evidenciada a partir de mecanismos próprios, que auxiliam no monitoramento do controle, da gestão e do desempenho. Para Carvalho (2002, p. 19) a Governança Corporativa é o conjunto de mecanismos instituídos para fazer com que o controle atue de fato em benefício das partes com direitos legais sobre a empresa, minimizando o oportunismo. Diversos autores entendem que o surgimento do termo governança corporativa deu-se como um facilitador na criação de mecanismos que permitam controlar e monitorar os negócios. Atualmente a governança corporativa está em evidência, porém sem uma ordem específica quanto aos mecanismos utilizados para sua formação. Existem muitos mecanismos que podem ser utilizados para direcionar e assegurar que os administradores cumpram com suas responsabilidades. Hit, Ireland e Hoskissom (2003, p. 405) citam quatro mecanismos internos de governança e apenas um mecanismo externo. Os quatro aqui examinados são: a concentração de propriedade, representada pelos tipos de acionistas e seus diferentes incentivos para monitorar os agentes, o Conselho de Administração, a remuneração executiva e a estrutura da organização multidivisional. Em seguida, consideramos o mercado para controle corporativo um mecanismo externo de controle corporativo Aos mecanismos internos pode ser acrescentada a área de controladoria, pois os níveis de governança são garantidos apenas se o ambiente de controle interno permite a existência de informações apuradas. No entanto os mecanismos possuem limites naturais que os impedem de visualizar todos os ângulos de uma determinada atividade dentro da complexa realidade empresarial, atingindo apenas de forma parcial seus objetivos. Portanto, acredita-se que os mecanismos de governança corporativa devem ser norteados por controles, que permitam as empresas concluírem de forma mais segura a respeito da existência ou não de transparência nos atos da administração. 3.3 Melhores Práticas de Governança Corporativa O IBGC acompanha atentamente os estudos sobre governança corporativa, contribuindo para os avanços e a disseminação de suas práticas pelo País. Através da implantação do Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa, o IBGC almejou melhorar o desempenho e facilitar o acesso das empresas ao capital. Nesta direção, o IBGC (2007, p. 6) relata sobre o código das melhores práticas: Sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos entre Acionistas/Cotistas, Conselho de Administração, Diretoria, Auditoria Independente e Conselho Fiscal. As boas práticas de governança corporativa têm a finalidade de aumentar o valor da sociedade, facilitar seu acesso ao capital e contribuir para a sua perenidade.

8 Segundo Stemberg (2003, p. 147) o objetivo central do Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa é indicar caminhos para todos os tipos de empresas sociedades por ações de capital aberto ou fechado, limitadas ou sociedades civis. Segundo o IBGC (2007), o Código das Melhores Práticas está estruturado em seis partes, para o melhor entendimento e aplicação da governança corporativa, entre elas: Propriedade, Conselho de administração, Gestão, Auditoria, Fiscalização e Ética e Conflito de interesses. Propriedade Constituição de regras que visam eliminar o aparente distanciamento entre minoritários e controladores, prevendo o tratamento justo entre os acionistas, sócios e quotistas. Conselho de Administração De acordo com o Código a missão do Conselho de Administração é, no entanto proteger o patrimônio, maximizando o retorno do investimento dos proprietários. Gestão A coordenação da organização deve ser conduzida de forma a cuidar dos interesses dos proprietários e agregar importância ao empreendimento, amparado da transparência na prestação de contas e nas demais relações estabelecidas no âmbito empresarial. Auditoria Considerada um importante agente da governança corporativa, a auditoria independente age em função de verificar as demonstrações contábeis e emitir parecer diante de sua atuação e enquadramento de acordo com a realidade empresarial. Fiscalização A fiscalização é instituída pelo Conselho Fiscal que age de forma independente como um controle para os proprietários, com o intuito de cuidar dos interesses dos acionistas majoritários e minoritários. Ética e Conflito de Interesses É necessário que toda empresa que queira estar adaptada às melhores práticas de governança corporativa desenvolva um código de ética, elaborado pela diretoria e conselho de administração, que comprometa toda a sua administração e seus funcionários, além de cumprir a legislação vigente do país. Para o bom andamento do Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa há a necessidade de adotar uma linha de conduta, apresentando: Transparência Prestação de Contas Equidade. Recentemente a Comissão de Valores Mobiliários - CVM lançou uma cartilha contendo regras de governança corporativa, destacando a importância da transparência nas relações entre acionistas minoritários e majoritários, estrutura e responsabilidade do Conselho de Administração, Auditoria, Demonstrações Financeiras e Proteção a Acionistas Minoritários. Vieira e Mendes (2004, p. 104) comentam:

9 A prática de boa governança nas instituições aparece como um mecanismo capaz de proporcionar maior transparência a todos os agentes envolvidos com a empresa, minimizar a assimetria de informação existente entre administradores e proprietários e fazer com que os acionistas que não pertencem ao bloco de controle possam reduzir suas perdas no caso de uma eventual venda da companhia No Brasil, as organizações estão adotando boas práticas de governança corporativa e novos mecanismos para utilizar avançados instrumentos de gestão empresarial, com o intuito de aprimorar o processo decisório, conseqüentemente a gestão de negócios. 3.4 Controle Interno Segundo o IBGC, o principal executivo é responsável pela criação de sistemas de controle internos que organizem e monitorem um fluxo de informações corretas, reais e completas para a sociedade, como as de natureza financeira, operacional, de obediência às leis e outras que apresentem fatores de risco importantes. Assim, o American Institute of Certified Public Accountants (AICPA), citado por Crepaldi (2007, p. 269), define controle interno: O controle interno compreende o plano de organização e todos os métodos e medidas adotados na empresa para salvaguardar seus ativos, verificar a exatidão e fidedignidade dos dados contábeis, desenvolver a eficiência nas operações e estimular o seguimento das políticas administrativas prescritas. Entende-se por salvaguarda de ativos a forma pela qual são protegidos os bens e direitos da empresa. A exatidão e fidedignidade dos dados contábeis correspondem à observância das normas brasileiras de contabilidade, princípios e convenções. Logo, a eficácia operacional refere-se à equipe, pessoal qualificado, treinado, supervisionado e, que atende ao conjunto de normas estabelecidas pela organização. Por último, as políticas administrativas são as normas estabelecidas pelo conselho administrativo. Attie (2000) apresenta os objetivos do controle interno: a salvaguarda dos interesses da empresa; precisão e a confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais; estímulo à eficiência operacional e; aderência às políticas existentes. Para assegurar que estes objetivos sejam atingidos e as estratégias do conselho administrativo sejam executadas, os agentes de controle interno aplicam as atividades de controle - políticas e procedimentos adotados para salvaguardar o patrimônio e a eficiência das operações. Na seqüência estão associados os objetivos do controle interno aos respectivos controles necessários para sua realização: Salvaguarda dos interesses da empresa;

10 Attie (2000) classifica as diversas atividades de controle abaixo para a proteção dos ativos, bens e direitos: a) segregação de funções - organização operacional e de pessoal dos setores da empresa; b) sistema de autorização e aprovação as operações são efetuadas por meio de um sistema de autorização; c) determinação de funções e responsabilidades cada função possui funcionários com as responsabilidades de acordo com o cargo; d) rotação de funcionários para determinada atividade ou função, faz-se um rodízio de funcionários, objetivando prevenir fraudes; e) carta de fiança - determina que os funcionários que lidam com bens e valores, sejam responsáveis pela custódia dos mesmos; f) seguro manutenção correta de apólices de seguros para eventuais reposições de bens; g) legislação atentar para o cumprimento das legislações; h) diminuição de erros e desperdícios a supervisão do trabalho diminui os erros e desperdícios. i) contagens físicas independentes - realizar contagens físicas de valores e bens de forma periódica; j) alçadas progressivas as alçadas e procurações configuram aos altos escalões as principais decisões e responsabilidades. Precisão e a confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais: Refere-se à adequacidade das demonstrações contábeis. Segundo Attie (2000), existem elementos que possibilitam atender esta exigência, relaciona-se: a) Documentação confiável: utilização de documentação apta para o registro das transações; b) Conciliação: eliminação de possíveis pendências; c) Análise: permite a constatação dos elementos a partir da identificação da composição analítica dos dados em exame; d) Plano de contas: classificação dos dados da empresa através da utilização correta das contas; e) Tempo hábil: registro das transações dentro do período de competência e em tempo hábil; f) Equipamento mecânico: agiliza o registro das transações. Para Bergamini Junior (2005, p. 33), o bom desempenho no processo de comunicação, com o fornecimento de demonstrações contábeis adequadas e que mobiliza o conjunto de controles internos contábeis, permite melhorar a classificação de risco da empresa no mercado financeiro, por diminuir a incerteza de credores e futuros acionistas. O uso de ferramentas de controle possibilita ter o ponto ótimo nas atividades executadas, sem desperdícios de recursos

11 em atividades supercontroladas, nem os riscos imprevistos decorrentes de atividades subcontroladas. Neste contexto, um controle interno pode facilitar o acesso ao mercado de capitais através da credibilidade que fornece às demonstrações contábeis da empresa e, este, aliado as boas práticas de governança corporativa confere uma transparência para a empresa. Estímulo à eficiência operacional: Os controles de eficiência operacional visam a oportuna execução das atividades pelos colaboradores, para atingir este objetivo, Attie (2000) relata os procedimentos: a) Seleção: pessoal qualificado para exercer as atividades; b) Treinamento: capacitar o colaborador para executar sua tarefa; c) Plano de carreira: possibilidades de maior pagamento de acordo com promoções que estimulam os funcionários a realizarem suas tarefas com entusiasmo e contentamento; d) Relatórios de desempenho: sugere aperfeiçoamento profissional através da identificação das habilidades e deficiências de cada colaborador. e) Tempo e métodos: acompanhamento da execução das atividades, visando a eficiência; f) Custo-padrão: acompanhamento do custo de produção dos bens e serviços determinados, identificando pontos favoráveis e desfavoráveis na produção; g) Manuais internos: são procedimentos internos e normatização das atividades; e h) Instruções formais: registro formal das instruções a serem seguidas pelos colaboradores, a fim de atender à política da empresa. Aderência às políticas existentes: Para aderência às políticas existentes aplicam-se as atividades de supervisão, sistema de revisão e aprovação e auditoria interna. A supervisão dos funcionários permite o acompanhamento das atividades e a correção quando há desvios e dúvidas na execução das tarefas, logo, os sistemas de revisão e aprovação indicam através da revisão e aprovação se as políticas e os procedimentos estão sendo adequadamente seguidos. Nesse processo, cabe ao Conselho de Administração a definição de diretrizes específicas, ligadas à otimização do processo de supervisão. A Diretoria Executiva deve implementar as ações diretas necessárias para o cumprimento dessas diretrizes. A ausência de controles internos adequados compromete as boas práticas de governança corporativa no processo de prestação de contas (accountability), na qual evidencia se as diretrizes estratégicas traçadas estão sendo seguidas e o grau de transparência (disclosure) fornecimento de informações relevantes para os usuários. O Controle Interno incorpora as métricas e procedimentos de monitoração do desempenho vinculado ao risco. Desse modo, garante independência a seu titular por meio do

12 reporte simultâneo ao principal executivo e ao Conselho de Administração e, por extensão, aos acionistas/proprietários. Se o controle interno está garantindo os objetivos do conselho administrativo, a eficiência e efetividade operacional, principalmente confiança nos registros contábeis/financeiros e conformidade com leis e normativas aplicáveis à entidade e sua área de atuação pode-se afirmar que este é um instrumento de governança corporativa, pois através de seus controles fornece à governança corporativa a transparência necessária e reporte. 4 CONTRIBUIÇÕES DA PESQUISA Pretendeu-se com o presente estudo apresentar argumentos que tratam da relevância dos controles internos para a obtenção de boas práticas de governança corporativa, incentivando o interesse por essa linha de pesquisa. Dessa forma, estudos adicionais podem dar continuidade e possibilitar maior engrandecimento aos resultados encontrados. Nos escândalos recentes percebe-se a dimensão dos estragos provocados pela falta de transparência na gestão das empresas. Este tema, que já discutia-se ganhou extensão estratégica para as organizações em que os resultados são estruturados em pilares de ética, confiabilidade e transparência. Neste contexto, a informação excede à legalidade fiscal e tributária, faz-se necessário um modelo de gestão em que a qualidade e a confiabilidade destas são características que fortaleçam uma imagem segura para atrair e remunerar os investidores. Neste sentido, para que as informações sejam consistentes, necessita-se de um controle em que verifique a exatidão e fidedignidade dos dados contábeis, desenvolva a eficiência nas operações e estimule o seguimento das políticas administrativas prescritas, estas, funções primordiais dos agentes de controle interno. O controle interno quando implantado em um sistema de governança corporativa, contribui com esta, no correto manuseio dos recursos colocados à disposição dos gestores para geração de receitas, salvaguarda dos interesses e ativos da empresa, precisão e a confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais, aderência às políticas existentes. A importância de um efetivo sistema de controle interno nas empresas é que este evidência se as diretrizes estratégicas traçadas estão sendo seguidas e o grau de transparência e credibilidade no fornecimento de informações para os usuários. Assim, os acionistas podem ter um maior retorno sobre o capital investido, os conselheiros podem desenvolver um trabalho de qualidade, os executivos tendem a ser mais eficientes, auxiliados pela transparência proporcionada pela gestão corporativa.

13 5 CONCLUSÃO Como visto as boas práticas de governança corporativa fundamentam-se na clareza das informações geradas pelos gestores no desempenho de seus negócios, incluindo adequados controles aos recursos para a geração de resultados. Portanto, uma entidade precisa ser bem administrada e organizada para apresentar bons resultados de governança corporativa. O estudo constatou que o controle interno contribui na efetividade das práticas de governança corporativa, por meio da salvaguarda dos ativos e interesses da empresa, confiabilidade dos informes e relatórios contábeis, financeiros e operacionais, aderência às políticas existentes e correto manuseio dos recursos. A adoção de um adequado sistema de controle interno como instrumento da governança corporativa, determina a execução de controles eficazes e gerenciamento de risco, proporcionando informações relevantes de acordo com os interesses da alta administração. Observa-se que o ambiente de controle interno está voltado para atividades afins à governança corporativa, sendo que seus objetivos e procedimentos concedem a entidade a aderência as políticas e a transparência que é exigida. Lembrando que não existe controle interno especifico para a governança corporativa, mas este por si só, é uma dos pilares da boa governança. Por fim, sugere-se o desenvolvimento de novos estudos com o intuito de identificar em empresas a efetividade dos controles internos como mecanismo de governança corporativa e estudos comparativos entre organizações que utilizam os controles internos para fins de gestão e transparência na prestação de contas aos investidores. REFERENCIAS ATTIE, William. Auditoria: Conceitos e Aplicações. 3. ed. São Paulo: Atlas, BERGAMINI, Sebastião Junior. Controles Internos como um Instrumento de Governança Corporativo. REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 12, N. 24, P , DEZ CARVALHO, Antonio Gledson de. Governança Corporativa no Brasil em Perspectiva. Revista de Administração. São Paulo. v. 37, n. 3, p , julho/setembro de CREPALDI, Silvio Aparecido. Auditoria Contábil: Teoria e Prática. 4. ed. São Paulo: Atlas, HITT, A. M.; IRELAND, R.D. e HOSKISSON, R.E. Administração Estratégica: competitividade e globalização. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA IBGC. Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. Disponível em <www.ibgc.org.br> Acesso em 11 mai JENSEN, M. C. & MECKLING, W. H. Theory of the Firm: Managerial Behavior, Agency Costs and Ownership Structure. Journal of Financial Economics, 1976.

14 MARTINS, Gilberto de Andrade. Manual pra elaboração de monografias e dissertações. 2. ed. São Paulo: Editora Atlas, RAPPAPORT, Alfred. Creating Shareholder Value; A Guide for Managers and Investors. 2 ed. The Free Press, p. SHLEIFER, Andrei, VISHNY, Robert. A survey of corporate governance. Journal of Finance, v. 52, n. 2, p , SIFFERT FILHO, Nelson. Governança corporativa: Padrões Internacionais e Evidências Empíricas no Brasil nos Anos 90. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, n. 9, p , SILVA, Edna Lucia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação. 3. ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a distância da UFSC, STEMBERG, S. A dimensão humana da governança corporativa: pessoas criam as melhores e piores práticas. São Paulo: Editora Gente, VIEIRA, S. P.; MENDES, A. G. S. T. Governança corporativa: uma análise de sua evolução e impactos no mercado de capitais brasileiro. Revista do BNDES, Rio de Janeiro v.11, n.22, p

GOVERNANÇA CORPORATIVA E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE TAIS PRÁTICAS.

GOVERNANÇA CORPORATIVA E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE TAIS PRÁTICAS. GOVERNANÇA CORPORATIVA E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DA RELAÇÃO ENTRE TAIS PRÁTICAS. Resumo Este artigo tem como objetivo apresentar a relação entre governança corporativa e responsabilidade social,

Leia mais

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA

CAIXA ECONÔMICA FEDERAL GOVERNANÇA CORPORATIVA 1. INTRODUÇÃO 1.1 A CAIXA A Caixa Econômica Federal é uma instituição financeira sob a forma de empresa pública, vinculada ao Ministério da Fazenda. Instituição integrante do Sistema Financeiro Nacional

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA

CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA 1 CONTROLES INTERNOS UTILIZANDO BALANCED SCORECARD COMO INSTRUMENTO DE GOVERNANÇA COPORATIVA Autor: Scaramussa, Sadi Alberto; Bieger, Marlene Designação: Iniciação Científica Instituição: Facultad de Ciências

Leia mais

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS

ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA AUXÍLIO NA ABERTURA DE MICROEMPRESAS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( x ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ELABORAÇÃO DE WEBSITE PARA

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO

CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO CÓDIGO DE ÉTICA e CONDUTA GRUPO invepar índice Apresentação Visão, Missão, Valores Objetivos Princípios Básicos Pág. 4 Pág. 6 Pág. 7 Pág. 8 Abrangência / Funcionários Empresas do Grupo Sociedade / Comunidade

Leia mais

O que é Governança Corporativa?

O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? O que é Governança Corporativa? Tradução literal de Corporate Governance conduz à percepção equivocada da abrangência e limites de aplicabilidade da Governança Corporativa.

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL.

CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO: A ADOÇÃO DE UM NOVO MODELO NO BRASIL. Autores: Marcus Vinicius Passos de Oliveira Elisangela Fernandes dos Santos Esaú Fagundes Simões Resumo Esta pesquisa tem

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL

A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL A IMPORTÂNCIA DA CONTABILIDADE GERENCIAL NA GESTÃO EMPRESARIAL Aldemar Dias de Almeida Filho Discente do 4º ano do Curso de Ciências Contábeis Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Élica Cristina da

Leia mais

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa

REGIUS SOCIEDADE CIVIL DE PREVIDÊNCIA PRIVADA. Política de Governança Corporativa 1/13 TÍTULO: CLASSIFICAÇÃO: REFERENCIAL NORMATIVO ASSUNTO: ELABORAÇÃO: APROVAÇÃO: Documento Executivo Resolução CGPC nº13/2004 Apresenta e especifica estrutura, componentes e mecanismos corporativa na

Leia mais

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA

1ª SESSÃO. A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA 1ª SESSÃO A evolução da teoria sobre a criação de valor através de boas práticas de Governança Corporativa PROF. DR. ALEXANDRE DI MICELI DA SILVEIRA SÓCIO-FUNDADOR DIREZIONE CONSULTORIA EMPRESARIAL PROFESSOR

Leia mais

Diretrizes de Governança Corporativa

Diretrizes de Governança Corporativa Diretrizes de Governança Corporativa DIRETRIZES DE GOVERNANÇA CORPORATIVA DA BM&FBOVESPA Objetivo do documento: Apresentar, em linguagem simples e de forma concisa, o modelo de governança corporativa da

Leia mais

Boletim Gestão & Governança

Boletim Gestão & Governança Boletim Gestão & Governança Edição 18 Ano III Junho 2015 SAVE THE DATE Primeiro encontro de controles internos na cidade do Rio de Janeiro 24 de Setembro 2015 Aguardem a agenda do evento! Vejam nesta edição:

Leia mais

Por que abrir o capital?

Por que abrir o capital? Por que abrir capital? Por que abrir o capital? Vantagens e desafios de abrir o capital Roberto Faldini Fortaleza - Agosto de 2015 - PERFIL ABRASCA Associação Brasileira de Companhias Abertas associação

Leia mais

Escolhas contábeis e divulgações voluntárias: uma análise à luz da teoria da agência

Escolhas contábeis e divulgações voluntárias: uma análise à luz da teoria da agência Escolhas contábeis e divulgações voluntárias: uma análise à luz da teoria da agência Diego Messias (UNIOESTE) diegomessias.1986@gmail.com Sérgio Moacir Fabriz (UNIOESTE) sergiomoacirfabriz@gmail.com Aládio

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL

CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL CONTROLADORIA NO SUPORTE A GESTÃO EMPRESARIAL Cristiane de Oliveira 1 Letícia Santos Lima 2 Resumo O objetivo desse estudo consiste em apresentar uma base conceitual em que se fundamenta a Controladoria.

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance

Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Governança Corporativa O papel do Administrador Profissional na gestão eficaz e na liderança de performance Adm. Valter Faria São Paulo, 27 de novembro de 2014 Jornal de Hoje Que habilidades serão exigidas

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005

1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 1 a Jornada de Contabilidade Práticas de Governança Corporativa e Transparência 22 de setembro de 2005 Agenda Introdução Demandas do mercado de capitais Governança corporativa Governança corporativa no

Leia mais

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1

O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA. Helio Denni Viana Lago Filho 1 O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA COMO REDUTOR DE RISCOS PARA AUDITORIA EXTERNA Helio Denni Viana Lago Filho 1 1 INTRODUÇÃO A auditoria constitui um dos instrumentos mais eficientes no aprimoramento do sistema

Leia mais

Auditoria no Terceiro Setor

Auditoria no Terceiro Setor Auditoria no Terceiro Setor Percepções e Resultados da Pesquisa 2006 AUDIT 1 Introdução O Terceiro Setor vem em crescente processo de evolução porém, nos últimos anos, um das principais missões das entidades

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda.

CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. CÓDIGO DE ÉTICA E RESPONSABILIDADE SOCIAL Laboratório Weinmann Ltda. 1 Objetivo Descrever e comunicar os princípios que norteiam o relacionamento do Laboratório Weinmann Ltda. com as suas partes interessadas

Leia mais

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013

Unisal - Semana de Estudos de Administração e Contábeis - 2013 Governança e Sucessão nas Empresas Familiares Governança e Sucessão nas empresas familiares Os Marcos históricos da Governança 1. O Relatório Cadbury 2. Os Princípios da OCDE 3. A Difusão Mundial dos Códigos

Leia mais

Aula Nº 12 Auditoria Externa

Aula Nº 12 Auditoria Externa Aula Nº 12 Auditoria Externa Objetivos da aula: Apresentar a atividade de auditoria externa (independente) como meio para aferir a eficiência dos controles e como ferramenta administrativa para validação

Leia mais

Questionário de Governança de TI 2014

Questionário de Governança de TI 2014 Questionário de Governança de TI 2014 De acordo com o Referencial Básico de Governança do Tribunal de Contas da União, a governança no setor público compreende essencialmente os mecanismos de liderança,

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014

Compliance e a Valorização da Ética. Brasília, outubro de 2014 Compliance e a Valorização da Ética Brasília, outubro de 2014 Agenda 1 O Sistema de Gestão e Desenvolvimento da Ética Compliance, Sustentabilidade e Governança 2 Corporativa 2 Agenda 1 O Sistema de Gestão

Leia mais

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano

Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010. Gilberto Mifano Tendências da Governança Corporativa Tá na Mesa Porto Alegre, 7/04/2010 Gilberto Mifano Agenda Panorama atual da GC no Brasil 2009 x 2003 Temas em discussão no Brasil e no Mundo 2 GOVERNANÇA CORPORATIVA

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar

Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Código de Ética e Conduta do grupo Invepar Edição: agosto/2014 1 ÍNDICE Visão, Missão e Valores 6 Fornecedores e prestadores de serviço 14 Objetivos 7 Brindes, presentes e entretenimento 15 Princípios

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO

AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA RESUMO 1 AVALIAÇÃO DO PROCESSO DE AUDITORIA INTERNA NA AGÊNCIA DO BANCO ITAÚ DE PONTE NOVA Ezequiel Benjamin Dionisio 1 Marina Machado das Dores 2. RESUMO DIONISIO, Ezequiel Benjamin e DAS DORES, Marina Machado.

Leia mais

Melhores Práticas de Governança

Melhores Práticas de Governança Melhores Práticas de Governança Corporativa Eletros Novembro de 2011 Eliane Lustosa Objetivos Introdução Governança Corporativa (GC) Conceito e princípios básicos Sistema Importância e benefícios Principais

Leia mais

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS

GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS GESTÃO DE TI NAS ORGANIZAÇÕES CONTEMPORÂNEAS WALLACE BORGES CRISTO 1 JOÃO CARLOS PEIXOTO FERREIRA 2 João Paulo Coelho Furtado 3 RESUMO A Tecnologia da Informação (TI) está presente em todas as áreas de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS

A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS A IMPORTÂNCIA DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO CONTÁBIL COMO FONTE DE TOMADA DE DECISÕES GERENCIAS Linha de pesquisa: Sistema de informação gerencial Pâmela Adrielle da Silva Reis Graduanda do Curso de Ciências

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa O que é, para que serve e modo de usar Eduardo José Bernini QualiHosp Centro de Convenções Rebouças, SP 27 de abril de 2015 Eduardo José Bernini Economista pela Faculdade de Economia

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade.

Controle Interno se refere a procedimentos de organização adotados como planos permanentes da entidade. Julio Cesar Medeiros Pasqualeto Contador, com 27 de experiência. Pós Graduado em Finanças pela FGV /RJ e Mestrando em Controladoria/Finanças pela Unisinos/RS. Membro CTNC ABRAPP e ANCEP, Membro do Conselho

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A.

Acordo de Acionistas. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. Acordo de Acionistas Diretrizes da CPFL de Energia Governança S.A. Corporativa da CPFL Energia S.A. Atual Denominação Social da Draft II Participações S.A. 1 Sumário I Introdução 3 II Estrutura Corporativa

Leia mais

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado

Professora Débora Dado. Prof.ª Débora Dado Professora Débora Dado Prof.ª Débora Dado Planejamento das aulas 7 Encontros 19/05 Contextualizando o Séc. XXI: Equipes e Competências 26/05 Competências e Processo de Comunicação 02/06 Processo de Comunicação

Leia mais

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS

RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS RELATÓRIO DESCRITIVO DA ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCOS DA PORTO SEGURO INVESTIMENTOS 1. CONTEXTO A Porto Seguro Investimentos é uma Instituição Financeira privada, constituída em 8 de abril de 1991,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1

DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 DISTRIBUIÇÃO DO LUCRO 1 Gillene da Silva Sanses 2 O artigo apresenta a nova realidade em que se inserem, sob a perspectiva de critério para cálculo, deliberação e distribuição aos sócios, dos lucros. O

Leia mais

EVIDENCIAÇÃO CONTÁBIL E AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA

EVIDENCIAÇÃO CONTÁBIL E AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA 1 EVIDENCIAÇÃO CONTÁBIL E AS PRÁTICAS DE GOVERNANÇA CORPORATIVA RESUMO O objetivo geral do estudo é avaliar a relação da evidenciação contábil e as práticas de governança corporativa adotado pelas empresas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática.

CÓDIGO DE ÉTICA. Introdução. Código de Ética. Nossos Valores na prática. CÓDIGO DE ÉTICA Introdução Nossos Valores Artigo 1º Premissa Artigo 2º Objetivos e Valores Artigo 3º Sistema de Controle Interno Artigo 4º Relação com os Stakeholders / Partes Interessadas 4.1 Acionistas

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TANGARÁ DA SERRA CURSO: ANO LETIVO: 2007 CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA: 4º ANO DISCIPLINA: AUDITORIA CONTÁBIL CARGA

Leia mais

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus

Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus POLÍTICA DE CONTROLES INTERNOS Revisado em Março de 2013 1. INTRODUÇÃO Parece simples atender aos acionistas/quotistas e aos clientes: basta que as Empresas dêem lucros e que seus produtos e serviços atendam

Leia mais

ASPECTOS RELEVANTES DA AUDITORIA DE COMPLIANCE NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS

ASPECTOS RELEVANTES DA AUDITORIA DE COMPLIANCE NAS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - FATECS CURSO:CIÊNCIAS CONTÁBEIS PROFESSOR ORIENTADOR: JORGE BISPO LINHA DE PESQUISA: AUDITORIA ÁREA: AUDITORIA PEQUENAS EMPRESAS CAMILA ARAGÃO RODRIGUES

Leia mais

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA

C Da Nome D Empr PRO idade epar ta esa tamen T OC to OL O DE ENTRE GA Estado RG A C ssina ar go tur a CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA Prezados, O Código de Ética apresenta os princípios éticos que devem orientar as decisões e a conduta dos funcionários do Ultra e parceiros da companhia. Além de expressar os compromissos

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS

A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS A IMPORTÂNCIA DO SISTEMA DE INFORMAÇÃO GERENCIAL PARA AS EMPRESAS Gilmar da Silva, Tatiane Serrano dos Santos * Professora: Adriana Toledo * RESUMO: Este artigo avalia o Sistema de Informação Gerencial

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto

SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL. Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto SÉRIE IPO s: TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ABERTURA DE CAPITAL Parte 4: Como tornar sua Empresa uma Companhia de Capital Aberto o O que é Abertura de Capital o Vantagens da abertura o Pré-requisitos

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial.

Governança Corporativa. A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. Governança Corporativa A importância da Governança de TI e Segurança da Informação na estratégia empresarial. A virtualização dos negócios tem impactado diretamente a condição de fazer negócio, conferindo

Leia mais

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas

CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas CONTABILIDADE PARA PEQUENAS EMPRESAS: A Utilização da Contabilidade como Instrumento de Auxílio às Micro e Pequenas Empresas Geovana Alves de Lima Fedato 1 Claiton Pazzini Goulart 2 Lyss Paula de Oliveira

Leia mais

A importância do Controle Interno dentro das organizações

A importância do Controle Interno dentro das organizações , Nº 03, p. 33-44, jan./jun.2004 A importância do Controle Interno dentro das organizações SUELY MARQUES DE REZENDE 1 HAMILTON LUIZ FAVERO 2 RESUMO A economia do país passa por transformações que afetam

Leia mais

Código de Ética do Grupo Pirelli

Código de Ética do Grupo Pirelli Código de Ética do Grupo Pirelli A identidade do Grupo Pirelli fundamenta-se historicamente em um conjunto de valores sempre seguidos e apoiados por todos nós. Esses valores, ao longo dos anos, permitiram

Leia mais

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA

CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA CONSIDERAÇÕES ACERCA DA AUDITORIA INTERNA E EXTERNA Silvana Duarte dos Santos FIPAR 1 Jéssica de Jesus Bravosi G FIPAR 2 Resumo No atual cenário econômico, marcado pela intensa concorrência, as organizações

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

para a Governança Corporativa

para a Governança Corporativa Seminário A importância dos Websites de Sustentabilidade para os Públicos Estratégicos A relevância da sustentabilidade t d para a Governança Corporativa Carlos Eduardo Lessa Brandão celb@ibgc.org.br (11)

Leia mais

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves

Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro. Renato Santos Chaves Missão dos Órgãos de Controle Interno, Desafios e Visão de Futuro Renato Santos Chaves Sumário 1) Conceitos Básicos: Controle Interno e Externo, Controles Internos Administrativos, Auditoria Interna e

Leia mais

Código de Conduta. Conduta Empresarial Excelência na Administração. Relações do Trabalho

Código de Conduta. Conduta Empresarial Excelência na Administração. Relações do Trabalho A primeira frase deste documento sintetiza os objetivos desse trabalho, quando abrimos o tema Conduta Empresarial. Está lá: Mantemos a Governança Corporativa da Seguros Unimed alinhada com as boas práticas

Leia mais

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES

CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES CONTROLADORIA COMO FERRAMENTA PARA TOMADAS DE DECISÕES Samira da Silva Scodeler* Acadêmico do Curso Ciências Contábeis Univás - Pouso Alegre/MG Fabio Luiz Carvalho** Univás - Pouso Alegre/MG e-mail: fabio@ipecont.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA 23 de julho de 2015 ÍNDICE Pág. Introdução... 3 Objetivos... 3 Princípios gerais de atuação... 4 Princípios específicos de atuação... 7 Mecanismos de desenvolvimento,

Leia mais

Glossário do Investimento Social*

Glossário do Investimento Social* Glossário do Investimento Social* O IDIS Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social é uma organização da sociedade civil de interesse público, que tem como missão promover e estruturar o investimento

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

CONTROLE ESTRATÉGICO

CONTROLE ESTRATÉGICO CONTROLE ESTRATÉGICO RESUMO Em organizações controlar significa monitorar, avaliar e melhorar as diversas atividades que ocorrem dentro de uma organização. Controle é fazer com que algo aconteça como foi

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Publicado em: 27/02/2015 Válido até: 26/02/2020 Política de Responsabilidade Socioambiental 1. SUMÁRIO 2 2. OBJETIVO 2 3. ABRANGÊNCIA 2 4. IMPLEMENTAÇÃO 2 5. DETALHAMENTO 2 5.1. Definições 3 5.2. Envolvimento

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA Diretrizes e Normas para Integridade e Transparência

CÓDIGO DE CONDUTA Diretrizes e Normas para Integridade e Transparência CÓDIGO DE CONDUTA Diretrizes e Normas para Integridade e Transparência ÍNDICE Carta do Presidente 3 1. Introdução 4 2. Aplicação do Código de Conduta 5 3. Aplicação do Código de Conduta 6 4. Comunicação

Leia mais

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas

TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NORMA INTERNA TÍTULO Norma de Engajamento de Partes Interessadas GESTOR DRM ABRANGÊNCIA Agências, Departamentos, Demais Dependências, Empresas Ligadas NÚMERO VERSÃO DATA DA PUBLICAÇÃO SINOPSE Dispõe sobre

Leia mais

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades

Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Governança Corporativa e Familiar Desafios e Oportunidades Luiz Marcatti Fevereiro/2009 GOVERNANÇA CORPORATIVA É o sistema pelo qual as sociedades são dirigidas e monitoradas, envolvendo os relacionamentos

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE 1. OBJETIVO E ABRANGÊNCIA Esta Política tem como objetivos: Apresentar de forma transparente os princípios e as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e direcionam

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO CONTROLE INTERNO PARA A GOVERNANÇA CORPORATIVA IMPORTANCE OF INTERNAL CONTROL OF CORPORATE GOVERNANCE

IMPORTÂNCIA DO CONTROLE INTERNO PARA A GOVERNANÇA CORPORATIVA IMPORTANCE OF INTERNAL CONTROL OF CORPORATE GOVERNANCE 51 IMPORTÂNCIA DO CONTROLE INTERNO PARA A GOVERNANÇA CORPORATIVA IMPORTANCE OF INTERNAL CONTROL OF CORPORATE GOVERNANCE Melissa Gomes Alves 1 Resumo Após o surgimento das Normas da governança corporativa,

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Prof. Fabini Hoelz Bargas Alvarez O que são finanças? Finanças é a arte e a ciência de gestão do dinheiro; Imprescindível, pois todos os indivíduos e organizações recebem ou levantam dinheiro; A teoria

Leia mais

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário

I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário I - BOVESPA MAIS: pavimentando o caminho das futuras blue chips do mercado acionário O BOVESPA MAIS é o segmento de listagem do mercado de balcão organizado administrado pela BOVESPA idealizado para tornar

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL?

A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? A SUSTENTABILIDADE NAS EMPRESAS CONTÁBEIS É POSSÍVEL? JOSÉ HENRIQUE DOMINGUES CARNEIRO (Professor Rico) professor_rico@yahoo.com.br Fanpage: Professor RICO (48) 9969-7330 O Cenário atual das desigualdades

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO

GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO GOVERNANÇA CORPORATIVA CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO CONSELHO CONSULTIVO O QUE É GOVERNANÇA CORPORATIVA? Conselho de Família GOVERNANÇA SÓCIOS Auditoria Independente Conselho de Administração Conselho Fiscal

Leia mais

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak

BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS. Por Maria Luiza Panchihak BENEFÍCIOS DO GERENCIAMENTO DE PROJETOS Por Maria Luiza Panchihak Este artigo apresenta os benefícios do gerenciamento de projetos e mostra a importância desse processo, dentro de uma organização, para

Leia mais

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO.

GAION, Aparecida Vanif; SÉRGIO, Paulo; ALBERTINI, Peter, et. all. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO. A IMPORTÂNCIA DA CONTROLADORIA NO PROCESSO DE GESTÃO THE COMPUTING IN ADMINISTRATION Heber Ridão Silva * Leônidas da Silva JosuéAmaral Fabio Ferreira Paula Sergio Peter Albertini Aparecida Vanif.Gaion

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE

RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE RESUMO FUNÇÃO DO COMPLIANCE O foco da Cartilha Função de Compliance é integrar as atividades de compliance com as boas práticas de governança corporativa e de Gestão de Riscos, os quais os bancos têm buscado

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A.

POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. POLÍTICA DE TRANSAÇÕES COM PARTES RELACIONADAS BB SEGURIDADE PARTICIPAÇÕES S.A. 28.03.2013 1. OBJETIVO 1.1 A presente Política de Transações com Partes Relacionadas da BB Seguridade Participações S.A.

Leia mais