A ENERGIA EÓLICA DO CEARÁ E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DO PROTOCOLO DE QUIOTO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A ENERGIA EÓLICA DO CEARÁ E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DO PROTOCOLO DE QUIOTO"

Transcrição

1 1 A ENERGIA EÓLICA DO CEARÁ E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DO PROTOCOLO DE QUIOTO Raimundo Eduardo Silveira Fontenele * Sylvia Daltro de Souza ** Resumo: O artigo analisa se o Projeto de Desenvolvimento de Energia Eólica do Estado do Ceará pode ser classificado como um projeto que atende as definições do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo previsto no Protocolo de Quioto, a fim de captar investimentos estrangeiros para continuar produzindo energia elétrica sem degradar o meio ambiente, bem como gerar retorno financeiro com o mercado de Reduções Certificadas de Emissões, na ratificação do Protocolo. Palavras-chave: Energia Eólica, Desenvolvimento Sustentável, Mecanismo de Desenvolvimento Limpo. 1. Introdução Entre as tecnologias de energia limpa, a força gerada pelo vento parece ser a mais promissora para o Brasil. É mais barata que a energia solar, embora requeira um grau relativamente alto de conhecimento técnico. A região nordeste e o Estado do Ceará, em particular, dada às suas condições geográficas, oferecem grande potencial e possuem amplas possibilidades para vender eletricidade a preços competitivos. Financiamentos extras como os do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), aumentariam consideravelmente a viabilidade dessa opção frente a sua intensidade de capital. O objetivo geral deste trabalho é de analisar se o Projeto de Exploração de Energia Eólica do Estado do Ceará pode ser classificado como um investimento que tenha condições de adequação à definição do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), previsto no Protocolo de Quioto. O trabalho também visa analisar as possibilidades do Estado em participar ativamente do mercado de Reduções Certificadas de Emissões (RCEs), que serão expedidas por projetos que retirem ou evitem o lançamento de Gases do Efeito Estufa (GEE) na atmosfera e que promovam o desenvolvimento sustentável de países em desenvolvimento. Para analisar o desenvolvimento sustentável de todo o projeto, fez-se uma pesquisa bibliográfica sobre todo o histórico do projeto de energia eólica no Estado e andamento atual dos parques eólicos, destacando seus benefícios e desvantagens. Fez-se ainda uma pesquisa direta junto ao Governo local e a Secretaria de Infra-Estrutura (SEINFRA) do Governo do Estado do Ceará e a Companhia de Eletricidade do Ceará (COELCE). Após a análise do processo histórico de desenvolvimento da energia eólica no Estado do Ceará, analisa-se o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) previsto no Protocolo de Quioto a fim de se analisar as suas definições, especificidades e processo de atividade. Para o desenvolvimento desta parte do trabalho, várias informações foram colhidas no Ministério da Ciência e Tecnologia, além da leitura de diversos documentos

2 2 publicados sobre o tema pelo Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil. As Reduções Certificadas de Emissões (RCEs) também foram analisadas a fim de se obter e ilustrar como o comércio de emissões de carbono seria feito, através das mesmas fontes de pesquisa do MDL. Teses de mestrado e doutorado defendidas na área foram consultadas para se obter as recentes pesquisas da comunidade científica e publicações e textos do Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada - IPEA foram amplamente lidos e consultados. Sites de Organizações Não-Governamentais (ONGs) na área do meio ambiente e desenvolvimento foram consultadas como WWF, Greenpeace, publicações destas ONGs estudadas, assim como órgãos das Nações Unidas, a saber o PNUD Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento e o PNUMA Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Com estes dados pode-se comparar o Projeto de Exploração de Energia Eólica no Estado do Ceará com as definições para um projeto ser eletivo no âmbito do MDL e se concluir sobre a possibilidade do primeiro vir a ser fonte de lucro. 2. A Energia Eólica no Ceará Histórico Em 1990 o Estado do Ceará começou a explorar a energia proveniente dos ventos (LAGE et al, 2002). Um estudo foi feito para levantar e analisar a possibilidade de implantação e desenvolvimento de parques eólicos no projeto Mapeamento Eólico do Estado do Ceará, que foi possível graças a um Protocolo de Intenções firmado entre a Companhia de Eletricidade do Ceará (COELCE) e a Deutsche Gesellschaft fur Technische Zusammenarbeit (GTZ). O objetivo do convênio entre a COELCE e a GTZ foi de registrar e levantar dados sobre os ventos no Ceará com a utilização de computadores e sistemas para medir a velocidade do vento, chamados de estações anemométricas. Na época foram instaladas três estações: em Cofeco, Fortaleza; em Jericoacoara, Gijoca; e em Palmeiras, Beberibe e o estudo durou dois anos. Deste levantamento pode-se concluir que o estado do Ceará possui enorme potencial para obtenção de energia eólica (COELCE, 1996). Sob o ponto de vista da renovabilidade dos ventos, os recursos são abundantes e constantes. O Mapeamento Eólico do Ceará (1996) demonstrou, conforme as medições, que os ventos alcançam médias altíssimas com velocidade média de 8,0 a 10,0 m/s no período de ventos mais fortes de julho a dezembro, e velocidade superior a 5,5 m/s na baixa estação de ventos, no período de fevereiro a maio. Segundo dados do Ministério da Ciência e Tecnologia do Brasil, atualmente o país que possui a maior potência de geração de energia limpa é a Alemanha, com 6,113 mil MW, o que corresponde a quase um terço dos 18,449 MW mundiais. Neste país a média registrada dos ventos é de 6,0 m/s. Logo depois vem a Espanha com 4,830 mil MW, seguida dos Estados Unidos com 4,685 mil MW (dados de 2002). Assim, comparando o

3 3 potencial da renovabilidade dos ventos do Estado com os referidos países, o Ceará tem um dos maiores potenciais do mundo para ser um grande gerador de energia eólica. A partir dos resultados obtidos pelo estudo desenvolvido pela GZT, em 1992, a COELCE firmou outro convênio com o grupo empresarial cearense J. Macedo, através da empresa Construções Eletromecânicas S.A., a fim de se fazer um estudo mais aprofundado. Como conseqüência desse estudo, foram instaladas outras 10 estações anemométricas cujas medições foram estudadas por 05 anos a fim de viabilizar a implantação do Parque Eólico do Mucuripe, em Fortaleza. Em 8 de janeiro de 1997, a COELCE lançou edital de Concorrência No. 02/COELCE/97 para aquisição de um bloco de eletricidade de até MWh/ano, correspondente a aproximadamente 2% do total da energia que a COELCE compraria no ano de A empresa Wobben Windpower, vencedora da licitação, assinou com a COELCE um Contrato de Prestação de Serviço para fornecimento de energia eólica até o ano de Em seguida, assinou com o Governo do Estado do Ceará e as Prefeituras dos Municípios de Aquiraz e São Gonçalo, um Protocolo de Intenção para instalação de duas usinas eólicas. A primeira usina foi inaugurada em janeiro de 1999, e está localizada na Praia da Taíba, município de São Gonçalo do Amarante, tendo a capacidade de 5 MW com 10 aerogeradores de 44 m de altura e 500kW instalados. A segunda usina, inaugurada em abril de 1999, está localizada na Prainha, município de Aquiraz, tendo a capacidade de 10 MW com 20 aerogeradores de 44 m de altura e 500 kw instalados. As duas usinas cearenses são as primeiras e únicas no mundo construídas sobre dunas e são capazes de fornecer 52,5 GWh/ano, energia suficiente para atender a 6% da população de Fortaleza, o que corresponde a 120 mil habitantes, conforme informações obtidas na COELCE. A partir do sucesso destes empreendimentos e com os dados das 10 estações anemométricas, a COELCE, em Convênio de cooperação técnica com a Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF), em parceria com o Governo da Alemanha e no âmbito da Secretaria de Infra-estrutura (SEINFRA), foi projetado o parque eólico do Porto do Mucuripe, na Praia Mansa, em Fortaleza, com 1,2 MW. Com 46 metros de altura e 44 metros de diâmetro das pás, os equipamentos são idênticos àqueles localizados nos centros eólicos da Prainha e Taíba, resultado do empreendimento conjunto da COELCE e do Governo Alemão. Concomitantemente, o Governo do Estado do Ceará, através da COELCE, lançou estudos para construção de duas usinas de energia eólica de 30 MW cada, previstas para os municípios de Paracuru e Camocim. O Governo do Ceará iniciou também entendimentos para angariar fundos para financiar estes empreendimentos. Em 01 de agosto de 1997, foi assinado o contrato de empréstimo entre o The Overseas Economic Cooperation Fund OECF, hoje Japan Bank for International Cooperation JBIC, que se trata de uma agência financeira do Governo Japonês, e o Governo do Ceará. De acordo o Governo do Estado do Ceará, o JBIC

4 4 financiará o valor máximo de Y 6,020,000,000 (seis bilhões e vinte milhões de ienes japoneses), cabendo ao Estado do Ceará, completar o investimento, já que é de fato, o proprietário das usinas. O Governo do Estado do Ceará firmou um acordo com a COELCE para a implementação de duas usinas de energia eólica no Estado do Ceará, como agente executora do Projeto e responsável pela complementação do investimento, a título de compra antecipada de toda a energia gerada pelas duas usinas de energia eólica. Atualmente, o projeto encontra-se na fase de elaboração do Edital de Licitação. No Estado do Ceará atualmente encontram-se os seguintes Parques Eólicos: Tabela 1 Parques Eólicos Implantados ou em Fase de Licitação no Estado do Ceará LOCAL GERADORES CAPACIDADE PRODUÇÃO ANUAL PREVISTA ESTADO ATUAL Taíba ENERCON 5 MW MWh Operação Prainha ENERCON 10 MW MWh Operação Mucuripe ENERCON 1,2 MW MWh Operação Paracuru 30 MW - Licitação Camocim 30 MW - Licitação Fonte: Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL (2002). Adaptado pela autora. O Brasil possui potencial de utilização de energia eólica superior ao da Alemanha, mas produz 350 vezes menos energia gerada pelos ventos do que esse país. A conclusão é de um estudo comparativo do pesquisador Maurício Tolmasquim (2002). Segundo um estudo da CEPEL (Centro de Pesquisas de Energia Elétrica da Eletrobrás), o país tem um potencial de energia estimado em MW que pode ser gerada pelos ventos no território brasileiro, principalmente no litoral do Nordeste. O potencial é mais de dez vezes a capacidade de geração de energia da usina de Itaipu, a maior do Brasil. 3. Energia Eólica no Ceará Vantagens e Desvantagens De acordo com a SEINFRA, o Projeto de Energia Eólica do Ceará tem os seguintes objetivos: a disponibilização de eletricidade no sistema elétrico atual; o suprimento de sistemas elétricos isolados; e, o bombeamento d água para consumo humano e animal em pequenas comunidades, escolas rurais e para fins de irrigação. A energia eólica não pode ser armazenada e nem reciclada, mas possui no Ceará alta renovabilidade e fluxo constante e isso assegura um estoque permanente de geração de eletricidade. A energia eólica não dilapida o estoque global de recursos energéticos e, portanto, contribui para conservação de recursos não-renováveis. Não há consumo de

5 5 estoque de energia disponível na natureza e a conversão da energia eólica não degrada o ambiente. Também não há sobras ou resíduos da conversão. Segundo consta um dos Estudos de Impacto Ambiental / Relatório de Impacto Ambiental (EIA/RIMA) desenvolvidos em um dos parques eólicos instalados, não há rota migratória de pássaros, nem mesmo deslocamento de habitantes nativos ou transformação na fauna e flora. O barulho provocado pelos aerogeradores se confunde com o barulho do vento e não causa incômodo. Os sistemas eólicos podem ser ou não conectados ao sistema elétrico urbano, de forma que possibilitam geração de eletricidade no interior do estado e contribuem na melhoria da qualidade de vida nos locais mais interioranos, que não possuem acesso a energia elétrica. Nesse sentido, vêem-se inúmeras vantagens da energia eólica para o desenvolvimento da agricultura e consumo humano. A energia eólica permite que o homem do campo encontre atividade na sua região, evitando o êxodo rural, principalmente na estiagem ou entressafra. O Estado do Ceará tem se mostrado bastante atento ao potencial de energia eólica de que se dispõe de alguns anos para cá. De fato, desde a crise do petróleo e do racionamento energético, o Estado tem procurado fontes de energia alternativa e o objetivo do Governo atual é de tornar o Estado menos vulnerável às crises de energia elétrica, com a construção dos Parques eólicos de Camocim e Paracuru (LAGE et al, 2002). Entretanto, vêse que apesar de procurar os acordos internacionais, protocolos de intenções, promoção de congressos sobre a energia eólica, o mercado é quem dita as regras e as empresas estrangeiras buscam o lucro. O custo da implantação de um parque eólico é alto quando comparado com outras fontes de energia elétrica e o tempo de retorno do investimento também é comparativamente longo. Os efeitos positivos são as emissões evitadas de poluentes locais resultantes da substituição da termoeletricidade gerada por combustíveis fósseis. Outros impactos ambientais e de emprego são, contudo, pouco significativos. O impacto mais importante no desenvolvimento sustentável é a possibilidade de geração de eletricidade local, em áreas remotas que podem receber o fornecimento de rede elétrica (SEROA DA MOTTA et al, 2000). 4. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL Os efeitos da poluição atmosférica de longa distância e a comprovação científica do empobrecimento da camada de ozônio, bem como os primeiros indícios de uma mudança no clima mundial decorrente do agravamento do efeito estufa, ensejaram uma preocupação na comunidade global com a proteção do equilíbrio climático.

6 6 Diante da pressão social da comunidade internacional, inúmeros países passaram discutir planos de ação conjunta quanto ao controle das emissões de gases prejudiciais à saúde humana e ao equilíbrio atmosférico. Uma das ações que merecem destaque foi à realização, em Genebra (Suíça), em 13/11/1979, da primeira convenção multilateral em matéria de luta contra a poluição atmosférica a Convenção sobre Poluição Atmosférica Transfronteiriça de Longa Distância que tinha por objeto limitar, reduzir gradualmente e prevenir a poluição atmosférica. Entretanto, pouco progresso foi obtido pela Convenção, sendo a mesma restrita em estabelecer um quadro geral de cooperação destinado a promover o desenvolvimento e a implementação de técnicas contra os poluentes do ar. A criação da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (CQMC), durante a Convenção das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento Sustentável, ocorrida no Rio de Janeiro em 1992, reconheceu que a mudança do clima como uma preocupação comum da humanidade. Portanto, os governos que a assinaram tornaram-se Partes da Convenção, propondo-se a elaborar uma estratégia global para proteger o sistema climático para as gerações futuras. A Convenção estabelece como princípio a necessidade do compartilhamento do ônus na luta contra a mudança do clima. Aos países desenvolvidos relacionados no Anexo I da Convenção1 2 coube assumir um certo número de compromissos exclusivos em função de responsabilidades históricas. Em 21 de março e 1994, noventa dias após a 50.ª ratificação, a Convenção começou a vigorar, e, atualmente, de acordo com o Secretariado da Convenção das Mudanças Climáticas, conta com a presença de 185 Estados. A Convenção estabeleceu a necessidade de um mecanismo para provisão de recursos financeiros a título de doação ou em base concessional, inclusive para transferência de tecnologia sob a orientação e coordenação da Conferência das Partes, cujo funcionamento deverá ser confiado a uma ou mais entidades internacionais. A Conferência da Partes, como órgão supremo da Convenção, tem a responsabilidade de manter regularmente sob exame a implementação da Convenção, assim como quaisquer instrumentos jurídicos que a Conferência das Partes vier a adotar, além de tomar as decisões necessárias para promover a sua implementação. 2 Países industrializados membros da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico - OCDE, exceto México e Coréia do Sul, além de países industrializados em processo de transição para uma economia de mercado: Alemanha, Austrália, Áustria, Bielarus, Bélgica, Bulgária, Canadá, Croácia, Dinamarca, Eslovênia, Espanha, Estados Unidos da América, Estônia, Federação Russa, Finlândia, França, Grécia, Hungria, Irlanda, Islândia, Itália, Japão, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, Mônaco, Noruega, Nova Zelândia, Países Baixos, Polônia, Portugal, Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte, República Tcheca, República Eslovaca, Romênia, Suécia, Suíça, Turquia e Ucrânia.

7 7 A 3.ª Conferência das Partes (COP-3), realizada entre 1 e 12 de dezembro de 1997, em Quioto no Japão, contou com a presença de mais de 160 países e deu origem ao Protocolo de Quioto, que foi celebrado com o comprometimento de 39 países desenvolvidos e inclui metas e prazos relativos à redução ou limitação das emissões futuras de dióxido de carbono e outros gases de efeito estufa, exceto aqueles já controlados pelo Protocolo de Montreal. Em síntese, o Protocolo determina a estabilização dos GEE, estabelecendo prazos de controle e as medidas necessárias para o cumprimento das metas. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) previsto no Protocolo de Quioto tem dois objetivos: diminuir o custo da redução de emissões dos gases do efeito estufa (GEE) 3 aos países do Anexo I (desenvolvidos) e, concomitantemente, apoiar projetos que promovam o desenvolvimento sustentável nos países não-anexo I (em desenvolvimento). Veja quadro 1. Quadro 1 - Definição do MDL O Artigo 12 do Protocolo de Quioto que define o MDL. Artigo 12.2 trata: O Objetivo do mecanismo de desenvolvimento limpo deve ser assistir às Partes não incluídas no Anexo I para que atinjam o desenvolvimento sustentável e contribuam para o objetivo final da Convenção, e assistir às Partes incluídas no Anexo I para que cumpram sus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões, assumidos no Artigo 3. Artigo 12.3 trata: Sob o mecanismo de desenvolvimento limpo: (a) As Partes não incluídas no Anexo I beneficiar-se-ão de atividades de projetos que resultem em reduções certificadas de emissões; e (b) As Partes incluídas no Anexo I podem utilizar as reduções certificadas de emissões, resultantes de tais atividades de projetos, para contribuir com o cumprimento de parte de seus compromissos quantificados de limitação e redução de emissões, assumidos no Artigo 3, como determinado pela Conferência das Partes na qualidade de reunião das Partes deste Protocolo. Fonte: Protocolo de Quioto à Convenção sobre Mudança do Clima. Editado e traduzido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com apoio do Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil. Basicamente, o MDL ocorrerá da seguinte maneira: Os países desenvolvidos investem nos países em desenvolvimento em projetos para redução dos GEE com baixo custo relativo e recebem créditos pela redução de gases que foi obtida nesses projetos desenvolvidos. Estes créditos obtidos, por sua vez, poderão ser abatidos das metas de redução fixadas pelo Protocolo de Quioto para , evitando assim que suas economias tenham que sofrer cortes. Como o impacto no meio ambiente global das 3 Para fins deste artigo, são aqueles listados no Anexo A do Protocolo de Quioto, que são: (i) dióxido de carbono (CO 2 ); (ii) metano (CH 4 ); (iii) óxido nitroso (N 2 O); (iv) hexafluoreto de enxofre (SF 6 ), acompanhado por suas famílias de gases, hidrofluorcarbonos (HFCs) e perfluorcarbonos (PFCs).

8 8 reduções de gases será o mesmo, independentemente do local onde ele ocorra, o MDL é possível. Ambos países desenvolvidos e em desenvolvimento se beneficiam, pois se os primeiros barateiam o seu custo com a redução das emissões de GEE, os segundos aumentam seus fluxos de investimentos e promovem projetos de desenvolvimento sustentável. Ou seja, os países desenvolvidos se beneficiam do MDL porque não têm que fazer cortes na indústria ou freiar a produção para cumprir a meta de redução, além de ser mais barato comprar os créditos. Os países em desenvolvimento também se beneficiam, porque se aumenta o investimento no país e se promove o desenvolvimento sustentável. Depois de definido, pode-se analisar como funciona o MDL. As Partes do Anexo I do Protocolo implementam projetos nos países em desenvolvimento. Esses projetos devem resultar na redução de gases do efeito estufa (GEE) ou no aumento da remoção de CO 2, mediante investimento em tecnologias mais eficientes, substituição de fontes de energia fósseis por renováveis, racionalização do uso da energia, florestamento e reflorestamento, entre outras. Importante ressaltar que as atividades do projeto devem estar exclusivamente relacionadas a determinado tipo de gás do efeito estufa, conforme previsto no Anexo A do Protocolo de Quioto. Veja Quadro 2. Quadro 2 Reduções de Emissões de Gases de Efeito Estufa REDUÇÕES DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Energia Processos Industriais Agricultura Resíduos CO2 - CH4 - N2O CO2 - N2O - HFCs - PFCs - SF6 CH4 - N2O CH4 Queima de Combustível. Produtos Minerais. Fermentação entérica. Disposição de resíduos. Indústria Química. Tratamento de sólidos. Setor energético. Produção de metais dejetos. Tratamento de esgoto. Indústria da transfor-. Produção e consumo. Cultivo de arroz sanitário mação de halocarbonos e. Solos agrícolas. Tratamento de efluentes. Indústria da construção hexafluoreto de. Queimadas prescritas líquidos. Transporte enxofre de cerrado. Incineração de. Outros setores. Uso de solventes. Queimadas de resíduos Emissões Fugitivas de. Outros resíduos agrícolas Combustíveis. Combustíveis sólidos. Petróleo e gás natural REMOÇÕES DE CO2 * Florestamento / Reflorestamento Remove: CO2 Libera: CH4 - N2O - CO2 * Remoções por sumidouro poderão ser utilizadas para atender os scompromissos assumidos, tendo sido autorizadas pela Decisão 17/CP.7 do Acordo de Maraqueche. Apesar de haver emissão de gases de efeito estufa o resultado líquido é de remoção. Setores e Fontes de Atividades Fonte: O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL: guia de orientação, Para que o projeto seja elegível no âmbito do MDL, a sua atividade deve resultar na redução de emissões de GEE e/ou remoção de CO 2. Outro requisito é que a atividade do

9 9 projeto contribua para o desenvolvimento sustentável do país no qual ele tenha sido implementado. O sucesso da implementação do MDL e todas as suas conseqüências positivas dependem de uma vontade coletiva mundial de mudança no processo produtivo e nas matrizes energéticas de modo geral. Entretanto, toda discussão sobre mudança climática é permeada pelo custo econômico, sendo a motivação da economia transferida para a política, que tem posições vinculadas às do setor econômico, o que tem dificultado a ratificação do Protocolo de Quioto e a conseqüente implementação dos mecanismos nele previstos. No Brasil, este esforço coletivo deve ocorrer nos mais diversos setores políticos e econômicos. Além disso, os diferenciais positivos do Brasil e no caso particular do Estado do Ceará só serão potencializados se o cenário geral (internacional e nacional) dos negócios e do mercado de carbono for pautado na transparência e solidez dos resultados obtidos em termos de redução de emissões e, sobretudo, pela adoção real dos benefícios trazidos pela ratificação do Protocolo de Quioto pelos países do Anexo I. O artigo 12 do Protocolo de Quioto estabelece, dentre outras coisas, a criação do MDL, suas normas e condições de implementação, determinando que todas as atividades deverão obedecer às diretrizes e orientações de um Conselho Executivo, que será designado pelos países membros do Protocolo, em reunião da COP. A perspectiva de entrada em vigor do Protocolo de Kyoto fez com que o governo brasileiro criasse a Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima, o que caracteriza um primeiro passo na adoção de uma política governamental de implementação dos mecanismos presentes no Protocolo. A presidência e as funções de Secretaria- Executiva da Comissão são exercidas pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e sua Vice- Presidência compete ao Ministério do Meio Ambiente. De acordo com o artigo 3.º do Decreto de 7 de julho de 1999, são atribuições da Comissão: I - emitir parecer, sempre que demandado, sobre propostas de políticas setoriais, instrumentos legais e normas que contenham componentes relevantes para a mitigação da mudança global do clima e para adaptação do País aos seus impactos; II - fornecer subsídios às posições do governo nas negociações sob a égide da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e instrumentos subsidiários de que o Brasil seja parte; III - definir critérios de elegibilidade adicionais àqueles considerados pelos Organismos da Convenção encarregada do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) e previstos no artigo 12 do Protocolo de Kyoto da Convenção- Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, conforme as estratégias nacionais de desenvolvimento sustentável; IV - apreciar pareceres sobre projetos que resultem em redução de emissões e que sejam considerados elegíveis para o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL), a que se refere o inciso anterior, e aprová-los, se for o caso;

10 10 V - realizar articulação com entidades representativas da sociedade civil no sentido de promover as ações dos órgãos governamentais e da iniciativa privada, em cumprimento aos compromissos assumidos pelo Brasil perante a Convenção- Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e instrumentos subsidiários de que o Brasil seja parte; VI - aprovar seu regimento interno. A definição dos critérios elegibilidade depende do consenso internacional no âmbito da Conferência da Partes, porém critérios nacionais estão sendo estabelecidos, tanto pelo governo como pelo empresariado para clarificação do processo de aprovação do país hóspede, que será requisito para verificar se o projeto candidato atende às políticas locais e nacionais de desenvolvimento sustentável. 5. As Reduções Certificadas de Emissões RCEs As quantidades de GEE que foram reduzidas pela implementação do projeto e/ou remoções de CO 2 resultam em Reduções Certificadas de Emissões (RCEs), medidas em tonelada métrica de dióxido de carbono equivalente, calculadas de acordo com o Potencial de Aquecimento Global. Uma unidade de RCE é igual a uma tonelada métrica de dióxido de carbono equivalente, esse índice foi divulgado pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (Intergovernmental Panel on Climate Change IPCC) e utilizado para uniformizar as quantidades dos diversos tipos de GEE em termos de dióxido de carbono equivalente, de maneira que possibilita que as diminuições de gases diferentes possam ser somadas. As RCEs, então, representam os créditos que podem ser utilizados por diferentes sujeitos e com diversas finalidades, tais como, as Partes Anexo I, que tenham ratificado o Protocolo de Quioto. As RCEs podem ainda fazer uso como forma de cumprimento parcial de suas metas de redução de emissão de GEE, conforme visto, atuais ou futuras. Os empresários ou investidores em projetos podem usá-las para comercialização ou revenda com vistas à futura valorização e aferição de lucros. As ONGs podem adquirí-las sem objetivo de revenda, simplesmente para retirá-las do mercado, com fins unicamente ambientais. 6. A Energia Eólica no Estado do Ceará e o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo MDL Faz-se necessário tratar da seguinte questão: é possível que o Projeto de Geração de Energia Eólica do Estado do Ceará seja objeto de investimento estrangeiro através do MDL do Protocolo de Quioto?. Para responder tal pergunta, deve-se analisar os seguintes dados à luz da definição do que é MDL:

11 11 1) a energia eólica retira GEE do meio ambiente?, e; 2) qual o impacto da energia eólica para o desenvolvimento sustentável do Estado? A energia eólica favorece a diminuição de GEE do meio ambiente, a medida em que evita que energia suja seja usada para gerar energia elétrica. De acordo com o Guia de Orientação do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Ministério da Ciência e Tecnologia, ela evita que CO 2 CH 4 e N 2 O sejam lançados na atmosfera, pois evita a queima de combustíveis fósseis, petróleo e gás natural para que a mesma energia elétrica seja produzida. Além disso, previne a instalação de usinas hidrelétricas que podem causar devastadores impactos ambientais, inclusive mitigando áreas arbóreas que contribuem para remoção de CO 2 do meio ambiente. Como diz Seroa da Motta et al (2000), embora a hidroeletricidade domine a matriz energética brasileira, os combustíveis fósseis devem aumentar significativamente para fazer frente à crescente demanda de energia. Isto aumentaria as emissões de CO 2 no país. Com base nos dados acima, pode-se afirmar que a energia eólica cumpre a primeira definição do MDL. O interior do Estado do Ceará sofre de disformes e gigantescas disparidades econômicas e sociais em relação à metrópole. No interior do Estado a atividade é essencialmente agrícola, com períodos de seca pela região. Muitas áreas não possuem acesso à rede elétrica, de acordo com o próprio Governo do Estado. A energia eólica representa uma alternativa para iluminação e bombeamento d água sem interferir na vida local. Há um projeto no Governo chamado Projeto São José do Governo Estadual, que tem incentivo do projeto federal Luz no Campo, cujo objetivo é universalizar o acesso da energia elétrica nas propriedades rurais. O Projeto São José conseguiu alavancar o índice de atendimento rural de 36,9%, em 1995, para 62,8%, em 1999, segundo dados da SEINFRA. O Projeto amplia o sistema elétrico através da instalação de fontes alternativas de energia. No interior através da energia solar e no litoral som a energia eólica, tal como foi feito em São Gonçalo do Amarante e Aquiraz com os Parques da Prainha e Taíba. Na dimensão tecnológica, o convênio entre os profissionais cearenses e os estrangeiros promove pesquisa e aprendizagem, proporciona ao Estado ainda ótima oportunidade para desenvolver a vocação de instalação dos parques eólicos. Com base nos itens anteriores, pode-se afirmar que o Projeto do Estado do Ceará está apoiado em bases de desenvolvimento sustentável e pode ser, portanto, objeto de investimento estrangeiro no âmbito do MDL. 7. Conclusão

12 12 O objetivo deste trabalho é o de levantar a viabilidade de que o Projeto para desenvolvimento de energia eólica do Estado do Ceará possa receber, com a ratificação do Protocolo de Quioto, investimentos estrangeiros no âmbito do MDL e participar ativamente do mercado de RCEs. Para este fim, analisou-se primeiramente todo o histórico do processo de geração e implantação de parques eólicos no estado e retratou-se a situação atual. Em seguida, foram apontadas as vantagens e desvantagens de tal sistema onde se concluiu que a energia eólica é uma fonte de energia limpa, sem resíduos e com mínimos impactos ambientais. Na análise entre a definição de projetos MDL e o projeto eólico do Ceará, pode-se concluir que este último pode ser encaixado no primeiro, estando assim apto a ser objeto de investimento estrangeiro no âmbito do MDL. Este ponto positivo esclarece ainda duas vantagens a favor do projeto de energia eólica do Estado. Com a ratificação do protocolo e início do comércio das RCEs, o Governo do Estado poderá receber inúmeras propostas. Assim, o Estado do Ceará poderá servir de fonte de busca dos países desenvolvidos que desejam economizar e diminuir a sua cota de emissão de CO 2 através da compra de RCEs. No que diz respeito ao alto custo do investimento e longo retorno econômico, as empresas estrangeiras e países desenvolvidos quando obtiverem os dados levantados pelas pesquisas e observarem que o Estado do Ceará tem o maior potencial de energia eólico do mundo até hoje registrado (LAGE et al, 2002), irão investir na construção de mais parques eólicos, tendo em vista os ganhos financeiros a curto e médio prazo, juntamente com a venda de RCEs. Assim, as empresas poderão diminuir o tempo do retorno e o custo da implantação, além da vantagem de ser um investimento ambiental e politicamente correto. Portanto, como afirma Seroa da Motta et al (2000), se a energia eólica como alternativa energética não é atualmente rentável para a exploração privada, poderia tornar-se com os créditos do MDL. É difícil prever realmente quanto se pode esperar do MDL em termos de desenvolvimento sustentável, conforme o Texto para Discussão No. 761 do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA que trata sobre o MDL e o financiamento do desenvolvimento sustentável no Brasil. Mas, muitas opções podem gerar benefícios desejáveis para ambos os países, principalmente se o projeto atende a problemas ambientais locais e promove objetivos sociais. Conforme tenta mostrar diversos estudos, em alguns casos os projetos que mais resultados produzem para um país em desenvolvimento são também aqueles que maiores benefícios produzem em termos de redução de emissões de carbono. Para países em desenvolvimento como o Brasil, que se preocupa em suprir necessidades econômicas imediatas, a perspectiva de benefícios econômicos com a participação no MDL deve criar um forte estímulo. Com isso pode-se concluir que o receio de que o MDL fará muito pelas nações desenvolvidas e pouco pelas em desenvolvimento, será mitigado pelo co-benefício que irá advir.

13 13 8. Referências Bibliográficas 1. ANEEL. Agência Nacional de Energia Elétrica. Disponível em: <http:www.aneel.gov.br>. Acesso em Fevereiro e Março de CBEE. Centro Brasileiro de Energia Eólica. Disponível em: <http:www.eólica.com.br>. Acesso em Fevereiro e Março de COELCE. Companhia de Eletricidade do Ceará. Disponível em: <http:www.coelce.com.br>. Acesso em Fevereiro e Março de COELCE. Companhia de Eletricidade do Ceará. Mapeamento eólico do Estado do Ceará. Relatório: Período de 1993 a Fortaleza: COELCE, GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ. Disponível em: <http://ceara.gov.br>. Acesso em Fevereiro e Março de LAGE, Allene Carvalho e BARBIERI, Jose Carlos. Avaliação de projetos para o desenvolvimento sustentável: Uma análise do projeto de energia eólica do Ceará com base nas dimensões da sustentabilidade. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO-ENANPAD, XXV., 2001, Campinas-SP. Anais... Campinas: ANPAD, 2001, 1 CD ROM. 7. LOPES, Ignez Guatimosim Vidigal (org.). O mecanismo de desenvolvimento limpo MDL: guia de orientação. Rio de Janeiro: Fundação Getulio Vargas, Ministério da Ciência e Tecnologia. Convenção sobre mudança do clima. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente - PNUMA, Ministério da Ciência e tecnologia. Protocolo de Quioto à convenção sobre mudança do clima. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento - PNUD, SEINFRA. Secretaria de Infra-estrutura do Estado do Ceará. Disponível em: <http://www.seinfra.ce.gov.br>. Acesso em Fevereiro e Março de SEROA DA MOTTA, R.; FERRAZ, C.; YOUNG, C.E.F.; AUSTIN, D.; FAETH, P. O mecanismo de desenvolvimento limpo e o financiamento do desenvolvimento sustentável no Brasil. Texto para discussão nº 761 do Instituto de Pesquisa

14 14 Econômica Aplicada IPEA. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, TOLMASQUIM, Maurício. Estudo comparativo da energia eólica e energia hidrelétrica. Revista da Coordenação dos Programas de Pós-Graduação em Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, v.14 n.3. Rio de Janeiro, UNDP United Nations Development Programme. Promoting development while limiting greenhouse gas emissions: trends and baselines. REID, W., GOLDEMBERG, J. (eds.) New York, WOBBEN WINDPOWER IND. E COM. LTDA. Projeto de implantação de uma usina eólica de 10MW na Prainha Aquiraz Ceará. Estudo de Impacto Ambiental EIA Volume I. Fortaleza: Espaço Técnico, 1997.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor.

Entre no Clima, Faça sua parte por. um MUNDO melhor. Entre no Clima, Faça sua parte por um MUNDO melhor. Aquecimento Global Conheça abaixo os principais gases responsáveis pelo aquecimento global: MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O AQUECIMENTO GLOBAL Desde a revolução

Leia mais

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo

Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo Status dos projetos no âmbito do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL) no Brasil e no mundo 1º Período de compromisso do Protocolo de Quioto (2008-2012) (Data final de coleta de dados: 12/02/2014) O

Leia mais

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias

CONVENÇÃO DO CLIMA. Edna Cardozo Dias CONVENÇÃO DO CLIMA Edna Cardozo Dias Doutora em Direito pela UFMG, professora de Direito Ambiental, presidente da Liga de Prevenção da Crueldade contra o Animal Artigo publicado na revista FORUM DE DIREITO

Leia mais

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima

Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE. Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima Inventários e monitoramento das emissões e remoções de GEE Gustavo Luedemann Coordenação-Geral de Mudanças Globais de Clima HISTÓRICO UNFCCC IPCC Comunicação Nacional do Brasil Política Nacional sobre

Leia mais

A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO

A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO A CONVERSÃO DOS GASES DE EFEITO ESTUFA EM CRÉDITOS DE CARBONO, E A SUA NEGOCIAÇÃO Pedro José da Silva (1) Professor da Faculdade de Engenharia Civil da Universidade Guarulhos/UnG Engenheiro Civil Universidade

Leia mais

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO

OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO OS IMPACTOS DO CRESCIMENTO ECONÔMICO SOBRE O AQUECIMENTO TERRESTRE: A CONTRIBUÍÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Maria Fernanda Cavalieri de Lima Santin Economista. Mestranda em Desenvolvimento Econômico

Leia mais

especialmente, depois das turbulências ambientais como: enchentes, inundações,

especialmente, depois das turbulências ambientais como: enchentes, inundações, Mercado de Carbono_Aspectos tributários Rafaela Silva Brito 1. INTRODUÇÃO A temática ambiental tem despertado a atenção da comunidade internacional, especialmente, depois das turbulências ambientais como:

Leia mais

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil?

O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? O que é o mercado de carbono e como ele opera no Brasil? Fernando B. Meneguin 1 O crédito de carbono é um certificado eletrônico que é emitido quando há diminuição de emissão de gases que provocam o efeito

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA

MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA MUDANÇAS CLIMÁTICAS, PROGRAMA DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS DO ESP - PROCLIMA Josilene Ticianelli Vannuzini Ferrer PROCLIMA - CETESB, 2010 SP, a Agenda Climática e a CETESB 40 milhões de habitantes 18 milhões

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações

As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações WORKSHOP ASPECTOS RELEVANTES DA PRÁTICA EMPRESARIAL EM GESTÃO AMBIENTAL CAMPINAS, 17 DE ABRIL 2010 As políticas públicas de mudanças climáticas e suas implicações Profa. Josilene T.V.Ferrer Estado de São

Leia mais

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares

A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte lei: Capítulo I Das Disposições Preliminares Projeto de lei n. Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima e fixa seus princípios, objetivos, diretrizes e instrumentos. A Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro publica a seguinte

Leia mais

Conceito e Evolução da utilização da Energia

Conceito e Evolução da utilização da Energia Energia Limpa Agenda O que é energia limpa? Tipos de energia limpa Energia Hídrica Energia Eólica Energia Geotérmica Biomassa Energia Solar Energia do Mar O Brasil neste cenário Protocolo de Kyoto Conceito

Leia mais

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa

3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3 Emissões de Gases de Efeito Estufa 3.1. Metodologia Neste capítulo, com base na Matriz Energética do Estado do Rio de Janeiro, é apresentada a metodologia utilizada para as estimativas de emissões de

Leia mais

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO

O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO O DIREITO AMBIENTAL DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS E O MERCADO DE CARBONO UNESP-S.J do Rio Preto RAFAEL AZEREDO DE OLIVEIRA Mudanças Climáticas e Aquecimento Global FORMAÇÃO DO IPCC Criado pela ONU Organização

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E O PROTOCOLO DE QUIOTO: UMA ABORDAGEM HISTÓRICA E APLICABILIDADE DOS MECANISMOS DE DESENVOLVIMENTO LIMPO Letícia Hoppe Ms. Economia do Desenvolvimento Síntese do Mini curso

Leia mais

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas

Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas Perguntas Frequentes Mudanças Climáticas 1) O que é Mudança do Clima? A Convenção Quadro das Nações Unidas para Mudança do Clima (em inglês: United Nations Framework Convention on Climate Change UNFCCC),

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro

Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil. Maisa de Souza Ribeiro Painel Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil Maisa de Souza Ribeiro Objetivos do Protocolo de Quioto Desenvolvimento Social, Ambiental e Econômico Países Poluidores PROTOCOLO

Leia mais

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto

Capítulo 21 Meio Ambiente Global. Geografia - 1ª Série. O Tratado de Kyoto Capítulo 21 Meio Ambiente Global Geografia - 1ª Série O Tratado de Kyoto Acordo na Cidade de Kyoto - Japão (Dezembro 1997): Redução global de emissões de 6 Gases do Efeito Estufa em 5,2% no período de

Leia mais

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento.

M ERCADO DE C A R. de captação de investimentos para os países em desenvolvimento. MERCADO DE CARBONO M ERCADO DE C A R O mercado de carbono representa uma alternativa para os países que têm a obrigação de reduzir suas emissões de gases causadores do efeito estufa e uma oportunidade

Leia mais

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes.

Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. Resumo Aula-tema 02: Panorama mundial e nacional mudanças climáticas e políticas públicas emergentes. As mudanças nos ecossistemas, causadas pelo modelo de desenvolvimento econômico atual, trazem impactos

Leia mais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais

MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais. Efeito Estufa. Fontes de Emissões. Impactos. Acordos Internacionais MÓDULO I: Mudança do Clima e Acordos Internacionais Efeito Estufa Fontes de Emissões Impactos Acordos Internacionais Fontes de Emissões Antropogênicas Fonte: Quarto Relatório de Avaliação do IPCC, 2007.

Leia mais

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima

Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto à Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima As Partes deste Protocolo, Sendo Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima, doravante denominada

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial;

A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; AMBIENTALISMO NO MUNDO GLOBALIZADO 1 O Ano Passado 2 Degradação do meio ambiente A intensificação da degradação se deu a partir da Revolução Industrial; A mobilização da sociedade com objetivo de conter

Leia mais

Articles about fuel switch portfolio Brazil

Articles about fuel switch portfolio Brazil Articles about fuel switch portfolio Brazil DIÁRIO DE CUIABÁ : Empresa holandesa vai financiar projetos de energia alternativa. O financiamento se dará com a venda de créditos de carbono a partir do aproveitamento

Leia mais

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE

Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Demandas e escalas para a contabilidade de emissões de Gases de Efeito Estufa - GEE Secretaria de Políticas e Programas de Pesquisa e Desenvolvimento X Convenção do Clima UNFCCC é um tratado ambiental

Leia mais

CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO. Armando Affonso de Castro Neto 1

CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO. Armando Affonso de Castro Neto 1 CRÍTICA À POSTURA DOS EUA SOBRE O PROTOCOLO DE KYOTO Armando Affonso de Castro Neto 1 RESUMO Os EUA, até 2007, não assinaram o Protocolo de Kyoto, argumentando, inclusive, que os países em desenvolvimento

Leia mais

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011

Visão. Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono. do Desenvolvimento. nº 97 4 ago 2011 Visão do Desenvolvimento nº 97 4 ago 2011 Brasil precisa inovar mais em tecnologias de redução de emissões de carbono Por André Albuquerque Sant Anna (APE) e Frederico Costa Carvalho (AMA) Economistas

Leia mais

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008

Introdução a Mercados de Carbono. Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Introdução a Mercados de Carbono Ben Vitale Brasília, Brasil Maio 2008 Resumo da apresentação 1. Comércio de emissões - conhecimento básico 2. Tipos de crédito de carbono 3. Conectando compradores e vendedores

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12

SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 SUMÁRIO RELATÓRIO WIND FORCE 12 OS IMPACTOS DO AQUECIMENTO GLOBAL SÃO DE TAL MAGNITUDE QUE EU NÃO HESITARIA EM CONSIDERÁ-LOS UMA ARMA DE DESTRUIÇÃO EM MASSA. Sir John Houghton, The Guardian, 28 de julho

Leia mais

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009)

INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA. INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INVENTÁRIO BRASILEIRO DAS EMISSÕES E REMOÇÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA INFORMAÇÕES GERAIS E VALORES PRELIMINARES (30 de novembro de 2009) INFORMAÇÕES IMPORTANTES O Inventário Nacional de Emissões

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4ª CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO SUB-GRUPO DE TRABALHO DE TRATADOS INTERNACIONAIS FORMULÁRIO DESCRITIVO DA NORMA INTERNACIONAL Norma Internacional: Protocolo de Quioto à Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas Assunto: Diminuição da emissão de gases de efeito estufa

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto

Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil. A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Como o efeito estufa pode render dinheiro para o Brasil A Amazônia e o seqüestro de carbono e o protocolo de kyoto Histórico das reuniões 1992 - assinam a Convenção Marco sobre Mudança Climática na ECO-92.

Leia mais

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO)

CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) CRÉDITOS DE CARBONO (FINANCIAMENTO) ILÍDIA DA A. G. MARTINS JURAS Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional JANEIRO/2001

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 7, DE 13 DE ABRIL DE 2009 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010)

EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) EMISSÕES DO SETOR DE RESÍDUOS SÓLIDOS E EFLUENTES LÍQUIDOS (2009-2010) Sumário Executivo De acordo com a Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), adotada em 1992, as mudanças

Leia mais

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas

Seminário FIESP. Política Estadual de Mudanças Climáticas Seminário FIESP Política Estadual de Mudanças Climáticas Coordenadoria de Planejamento Ambiental SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE Casemiro Tércio Carvalho São Paulo, 4 de maio de 2010 Novo Paradigma Princípios,

Leia mais

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL

Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Mercado de Carbono Atividade de Suporte ao MDL Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro S.A Setembro 2008 Índice O Protocolo de Quioto e as emissões dos GEE Os Mecanismos O ciclo e a estrutura de aprovação do

Leia mais

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Junho, 2015. Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada Pretendida do Brasil Junho, 2015 Proposta do Observatório do Clima para a Contribuição Nacionalmente Determinada (NDC) Brasileira

Leia mais

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima

O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima O MCTI e ações relacionadas à mudança do clima Dr. Osvaldo Moraes Diretor DEPPT/MCTI Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima Protocolo de Quioto O regime diferencia obrigações de países

Leia mais

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima

Gestão Ambiental. Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Profa Elizete A Checon de Freitas Lima Gestão Ambiental Ato de administrar o ambiente natural ou antrópico (PHILIPPI Jr e BRUNA, 2004). Gestão Ambiental

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO

ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO ESTUDO CRÉDITOS DE CARBONO Ilidia da Ascenção Garrido Martins Juras Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial e Desenvolvimento Urbano e Regional ESTUDO

Leia mais

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Ministério das Relações Exteriores. Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015 Ministério das Relações Exteriores Assessoria de Imprensa do Gabinete Nota nº 259 30 de junho de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Estados Unidos sobre Mudança do Clima Washington, D.C., 30 de junho de 2015

Leia mais

COP 21 INDC BRASILEIRA

COP 21 INDC BRASILEIRA COP 21 Vinte e três anos após a assinatura da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC), a 21 a Conferência das Partes (COP21), que será realizada em Paris (entre os dias 30 novembro

Leia mais

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM

OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM Artigos 9 ARTIGOS TÉCNICOS / ARTICLES OS PROJETOS FLORESTAIS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO / FORESTRY PROJECTS IN THE CLEAN DEVELOPMENT MECHANISM MARCELO THEOTO ROCHA Engenheiro Agrônomo Doutor

Leia mais

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa

White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa White Paper Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Inventário de Gases de Efeito Estufa O que você precisa saber? Sumário Objetivo... 2 Parte 1 - Entendendo o Inventário de Gases

Leia mais

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa

Energia e Meio Ambiente Política de Energia e Mudança Climática: Histórico, Perspectivas e Alternativas. Luiz Pinguelli Rosa Luiz Pinguelli Rosa O BRASIL NO CONTEXTO DA AMÉRICA LATINA E A QUESTÃO DA ESQUERDA NO GOVERNO Superar a identificação da esquerda estritamente com o socialismo de tipo soviético O QUADRO POLÍTICO NACIONAL,

Leia mais

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS

DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS DE QUIOTO A CANCÚN A UE NA LIDERANÇA A DAS PREOCUPAÇÕES AMBIENTAIS Maria da Graça a Carvalho 5ª Universidade Europa Curia,, 28 Janeiro 2012 Conteúdo da Apresentação A Convenção para as Alterações Climáticas

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema

Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema De Rosa, Siqueira, Almeida, Mello, Barros Barreto e Advogados Associados Protocolo de Quioto e MDL: Breve Introdução Histórico-Jurídica ao tema EMBRAPA - Jaguariúna, 18.08.2003 1 Background... (Conferência

Leia mais

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015.

Recursos Energéticos e Meio Ambiente. Professor Sandro Donnini Mancini. 20 - Biomassa. Sorocaba, Maio de 2015. Campus Experimental de Sorocaba Recursos Energéticos e Meio Ambiente Professor Sandro Donnini Mancini 20 - Biomassa Sorocaba, Maio de 2015. ATLAS de Energia Elétrica do Brasil. Agência Nacional de Elétrica

Leia mais

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO ENERGIA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO JOSÉ GOLDEMBERG LUZ DONDERO VILLANUEVA Arqª Simara Callegari INTRODUÇÃO O PROBLEMA Consumo diferenciado de energia Classes sociais Degradação do meio ambiente PNB

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

O desenvolvimento de recursos energéticos renováveis e alternativos: o papel do comissário Jeff Davis Comissário Comissão de Serviços Públicos do Missouri 1 Recursos energéticos renováveis e alternativos:

Leia mais

PROTOCOLO DE QUIOTO À CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇA DO CLIMA

PROTOCOLO DE QUIOTO À CONVENÇÃO-QUADRO DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Protocolo de Quioto Editado e traduzido pelo Ministério da Ciência e Tecnologia com o apoio do Ministério das Relações Exteriores da República Federativa do Brasil Introdução Quando adotaram a Convenção-Quadro

Leia mais

Projetos de MDL em aterros sanitários do Brasil: análise política, socioeconômica e ambiental

Projetos de MDL em aterros sanitários do Brasil: análise política, socioeconômica e ambiental Projetos de MDL em aterros sanitários do Brasil: análise política, socioeconômica e ambiental Margareth de C. Oliveira Pavan 1 e Virgínia Parente 2 1 Bacharel em Química - Universidade de São Paulo, Mestre

Leia mais

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira

Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira AULA Fundação 4 MATRIZ Universidade ELÉTRICA Federal de Mato Grosso do Sul 1 Matriz Energética Aula 4 Matriz Elétrica Brasileira Prof. Márcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG /

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências.

Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. Projeto de Indicação Nº 36/2014 Institui a Política Estadual Sobre Mudança do Clima - PEMC e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO CEARÁ DECRETA: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br

Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados. Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Projetos de MDL no Brasil: Cuidados e Riscos que devem ser Avaliados Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzini.com.br Mercado de Carbono Somente projetos estruturados com base nos mecanismos de flexibilização

Leia mais

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO

MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO MACRO AMBIENTE DA INOVAÇÃO Ambiente de Inovação em Saúde EVENTO BRITCHAM LUIZ ARNALDO SZUTAN Diretor do Curso de Medicina Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo SOCIEDADES CONHECIMENTO

Leia mais

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21

Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Brasil, Mudanças Climáticas e COP21 Carlos Rittl Secretário Executivo São Paulo, 10 de agosto de 2015 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do Meio Ambiente Eventos climáticos extremos Desastres

Leia mais

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Anexo III da Resolução n o 1 da CIMGC Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução A atividade de projeto do Projeto de MDL das Usinas Eólicas Seabra, Novo Horizonte

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs)

(material embargado até 19.11.2015 às 10hs) (material embargado até 19.11.2015 às 10hs) SEEG 3.0 Sistema de Estimativa de Emissões de Gases de Efeito Estuda Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa no Brasil 1970-2014 DESTAQUES: Emissões

Leia mais

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS

POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS IV FORUM DA TERRA POLITICAS PARA AS MUDANÇAS CLIMATICAS Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL / IIDEL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Demanda de Consumo de

Leia mais

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios

Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios Brasil como maior exportador mundial de carne bovina: conquistas e desafios João Ricardo Albanez Superintendente de Política e Economia Agrícola, Secretaria de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de

Leia mais

FACULDADE FORTIUM MERCADO DE CARBONO: ASPECTOS FINANCEIROS RAFAELA SILVA BRITO BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL AGOSTO 2009

FACULDADE FORTIUM MERCADO DE CARBONO: ASPECTOS FINANCEIROS RAFAELA SILVA BRITO BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL AGOSTO 2009 1 FACULDADE FORTIUM RAFAELA SILVA BRITO MERCADO DE CARBONO: ASPECTOS FINANCEIROS BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL AGOSTO 2009 2 RAFAELA SILVA BRITO MERCADO DE CARBONO: ASPECTOS FINANCEIROS Artigo apresentado

Leia mais

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL

Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL Mercado de Créditos de Carbono Fases dos Projetos MDL BRITCHAM SP 18/08/06 São Paulo samuel barbosa 3 DET NORSKE VERITAS Introdução FUNDAÇÃO - Fundação independente estabelecida na Noruega em 1864. OBJETIVO

Leia mais

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS:

O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: O DESAFIO ENERGÉTICO NOS GRANDES CENTROS: CIDADES SUSTENTÁVEIS OU COLAPSO ANUNCIADO? Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Mudanças Climáticas e o Papel das Cidades Cidades são parte do Problema Atividades

Leia mais

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial

MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial Seminário de Oportunidades para Financiamento de Projetos de Eficiência Energética e MDL Fundação Getúlio Vargas MDL e Eficiência Energética: Oportunidades no Setor Industrial F U N D A Ç Ã O B R A S I

Leia mais

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009

LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 LEI Nº 14.829, de 11 de agosto de 2009 Procedência: Governamental Natureza: PL./0063.5/2009 DO: 18.666 de 11/08/09 Decreto 2615 (14/09/2009) cria comissão técnica para a regulamentação da presente Lei.

Leia mais

Mudanças Climáticas, CQNUMC e Protocolo de Kyoto

Mudanças Climáticas, CQNUMC e Protocolo de Kyoto Mudanças Climáticas, CQNUMC e Protocolo de Kyoto Antonio Jose Cumbane ajcumbane@yahoo.co.uk Luanda, 9 10 Março 2011 Plano de Apresentação Clima e mudanças climáticas; Impacto das mudanças climáticas; Convenção

Leia mais

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo.

CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER APRENDER A APRENDER FAZENDO E APRENDENDO GEOGRAFIA. Aula 18.2 Conteúdo. A A Aula 18.2 Conteúdo Mudanças globais 2 A A Habilidades Perceber as mudanças globais que estão ocorrendo no Brasil e no mundo. 3 A A Conferências e protocolos Preocupados com os problemas relacionados

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima

Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Anexo III da Resolução n o 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável I Introdução O Projeto Granja São Roque de redução

Leia mais

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões

Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Mercados Mundiais de Carbono: Questões Estratégicas - Aspectos Jurídicos da Estruturação de Projetos de Redução de Emissões Vladimir Miranda Abreu vabreu@tozzinifreire.com.br Mercado de Carbono no Brasil

Leia mais

Capacitação em Sistema de Monitoramento Florestal para promover o REDD+

Capacitação em Sistema de Monitoramento Florestal para promover o REDD+ Capacitação em Sistema de Monitoramento Florestal para promover o REDD+ Thiago Zampiva Att: Japan International Cooperation Agency - JICA Surgimento do REDD+ O que aconteceu Princípios da UNFCCC Compromisso

Leia mais

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010

Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 Inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) e adoção de políticas de mudanças climáticas pelas empresas. 16 de Março de 2010 UNIDADE DE NEGÓCIO CARBONO - UNICAR Efluentes e Resíduos Inventários

Leia mais

ENTENDENDO O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO 1

ENTENDENDO O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO 1 ENTENDENDO O PROTOCOLO DE KYOTO E O MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO 1 Daniela S. Machado Fernando Angeli Juan Saeta Luiz Fernando P. Santos Mauricio C. Faria Wagner B. Castro 2 Introdução O efeito estufa,

Leia mais

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA

CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA CURSO ENERGIAS RENOVÁVEIS BIOMASSA JULIETA BARBOSA MONTEIRO, Dra julieta@lepten.ufsc.br 2011-1 DISPONIBILIDADE DE RECURSOS ANEEL Potencial Instalado (MW) PROCESSOS DE CONVERSÃO DA BIOMASSA PNE 2030

Leia mais

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto

Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia. Luís Fernão Souto Efeitos da economia do carbono na economia nacional e europeia Luís Fernão Souto As alterações climáticas são uma evidência Os 10 anos mais quentes desde sempre ocorreram após o ano de 1990! O dióxido

Leia mais

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA

Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA Gestão de Emissões de Gases de Efeito Estufa Fabio Abdala Gerente de Sustentabilidade, ALCOA 2º. DEBATE SOBRE MINERAÇÃO TJ/PA e PUC/SP Tribunal de Justiça do Pará - Belém, 30/09/2011 Gestão Estratégica

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa VIVO S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 22/06/2010

Leia mais

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA

ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA CIENAM CENTRO INTERDISCIPLINAR DE ENERGIA E AMBIENTE www.cienam.ufba.br ESTUDO DA VALORAÇÃO DO SEQUESTRO DE CARBONO PARA A LITOSFERA Qual o custo para reduzir 1 % da concentração

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

EFEITO ESTUFA E A CONVENÇÃO SOBRE MUDANÇA DO CLIMA

EFEITO ESTUFA E A CONVENÇÃO SOBRE MUDANÇA DO CLIMA EFEITO ESTUFA E A CONVENÇÃO SOBRE MUDANÇA DO CLIMA Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Área de Planejamento Assessoria Especial de Meio Ambiente Ministério da Ciência e Tecnologia Gabinete

Leia mais

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental

O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental O Histórico da Evolução das Políticas Climáticas O Papel Governamental Roberto Kishinami Consultor Independente para DESK GREEN ECONOMY Projeto Desenvolvimento Sustentável Bilateral Câmara Ítalo Brasileira

Leia mais