opinião análise informação W^UJ reooíução íeyaíde GÁaoez 2 / 4/2CC2 Custo unitário desta edição: R$ 2.50 circulação interna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "opinião análise informação W^UJ reooíução íeyaíde GÁaoez 2 / 4/2CC2 Custo unitário desta edição: R$ 2.50 circulação interna"

Transcrição

1 opinião análise informação circulação interna 308 ^T OCadia, a coruja, Fafa cio I o cie JlCaio W^sSl auem interessa a fíexionização a as relações cie íra a ot jfjbuias sociais no OSrasif em 2001 * l7l crise imrqeníina W^UJ reooíução íeyaíde GÁaoez 2 / 4/2CC2 Custo unitário desta edição: R$ 2.50

2 QUINZENA 308 Curtas ^ A MISÉRIA NA REGIÃO NORDESTE Estados índice de População Sem acesso a Sem coleta Sem Domicílios com pobres % analfabeta 9! água encanada de lixo saneamento renda de até 3 salários MA PI CE RN PB PE AL SE BA Total «4 SO; otmtoysmoí tâ De 1994 a 2000 o governo mandou para o FMI, bancos e empresas transnacionais 552 bilhões de reais. Veja aqui algumas coisas que o governo poderia fazer pelo povo só com os 233 bilhões e 342 milhões de reais enviados aos credores internacionais de 1994 a Empregos Teria sido possível criar 504 mil empregos diretos em montadoras de automóveis. Ou então criar 10 milhões e 500 mil empregos diretos em indústria têxteis. Ou ainda criar 15 milhões e 750 mil empregos diretos na construção civil. Educação O Brasil poderia duplicar seus gastos em educação. Ainda sobraria dinheiro para construir 6 milhões e 565 mil escolas (a 13 mil reais cada). Gastos em Saúde Teria sido possível aumentar o gasto per capita do Brasil em saúde, de 670 para 1100 reais. Ou então 948 mil postos de saúde a um custo unitário de 90 mil reais cada. Moradias Teria sido possível dar uma casa de três quartos e um automóvel Gol zerado para cada família brasileira. Teria sido possível construir 15 milhões e 556 mil moradias populares, de 35 metros quadrados, em lotes de 200 metros quadrados, ao custo unitário de 15 mil reais. Atenção para o novo do CPV: cp terra.com.br Visite nosso site: c u i N Z E N A w Expediente O boletim Quinzena é uma publicação do: CPV - Centro de Documentação e Pesquisa Vergueiro Rua São Domingos, Térreo - Bela Vista CEP São Paulo - SP Telefone (011) Fax (011) E.Mail: O objetivo do boletim é divulgar uma seleção de material informativo, analítico e opinativo, publicado na grande imprensa, partidária e alternativa e outras fontes importantes existentes nos movimentos. A proposta do boletim é ampliar a circulação dessas informações, facilitando o debate sobre as questões políticas em pauta na conjuntura. Caso você queira divulgar algum texto no Quinzena, basta nos enviar. Pedimos que se atenha a, no máximo, 8 laudas. Textos que ultrapassem este limite estarão sujeitos a cortes, por imposição de espaço Seleção e editoração do Boletim Quinzena: Equipe do CPV e Colaboradores

3 QUINZENA 308 Documento Trabalhadores Nádia, a coruja, fala do I o de Maio Tarde de domingo. A preguiça tenta desesperadamente atrasar o passar das horas que leva a mais uma semana de trabalho. O gostinho de liberdade da sexta-feira começa a ser acorrentado pela perspectiva do reencontro com a rotina de sempre. Em busca de alívio, os olhos correm as folhas do calendário enquanto o coração comemora os dias marcados como feriado. Afinal, toda folga significa lazer, descanso, uma corrida ao shopping e um tempo maior longe do serviço. A minha cabeça viaja nas asas destes pensamentos quando seu vôo é bruscamente interrompido por um grito estranho. - "Eu não acredito! Vocês, humanos, só pensam nisso. Parece que o calendário é feito apenas para marcar os dias de folga e os feriados!", me diz uma voz desconhecida que vem detrás de uma pilha de livros mal-amontoados num canto da estante. - "Por que? Não é assim?", indago enquanto tento descobrir a quem pertence a estranha sombra que procura espaço para sair da escuridão. O breve silêncio deixado pelas minhas palavras é quebrado por um seco "Não mesmo!" que chega a machucar o ouvido. - "E você, quem é?", pergunto sem cerimônias. - "Sou Nádia, a coruja que se aninhou na sua estante para ler os livros que você deixa aqui pegando poeira", me responde com ar de reprovação. - "Era só o que me faltava! Não bastassem as dificuldades do dia-a-dia, agora devo aturar a impertinência de um bicho qualquer que, além de invadir o meu espaço, se dá ao direito de atrapalhar este gostoso fim de tarde!", retruco na tentativa de voltar ao meu sossego. - "Huuum! Além de não saber das coisas fica roncando grosso para me intimidar", murmura Nádia num vôo rápido que a faz pousar na mesa à qual estou sentado. - "Vai me dizer que o calendário esconde coisas que eu não sei?", pergunto em tom de desafio. A coruja recolhe as asas e com um olhar maroto retoma a conversa. - "Por exemplo, você sabe me dizer o que aconteceu no I o de Maio para ele ser feriado?". - "Bom,...eu sei que foi nesse dia que Ayrton Senna morreu... Lembro que foi num acidente, durante uma corrida de...", respondo enquanto tento vasculhar as poucas lembranças guardadas num canto esquecido do cérebro. Sem esperar que eu termine a frase, Nádia deixa escapar uma sonora gargalhada que me cobre de vergonha. Passo a passo, se aproxima, põe a asa esquerda no meu ombro e com uma expressão severa espeta meu ar de superioridade. - "Já vi que sua memória é curta, que seus olhos só enxergam o que todos vêem e que sua boca repete o que é por demais conhecido. Desse jeito, você não vai conseguir entender o porquê das coisas. Quem olha o calendário só Emílio Gennarl. para procurar os feriados não vê que ele é feito de momentos de luta e de resistência que os poderosos procuram apagar. Resgatar estes momentos é uma das ações necessárias para que a vida não seja um eterno conformar-se diante da exploração e nem a busca desesperada de algo que nos ajude a esquecer o sofrimento do dia-a-dia. É com a história nas mãos que a dignidade abre caminhos rumo a um mundo onde há, finalmente, um lugar para todos e não só para um punhado de privilegiados". - "Como assim? Você quer me dizer que o feriado de 1 de Maio esconde coisas que eu não sei?", pergunto como quem não quer se dar por vencido. - "Muitas!", responde a coruja piscando os olhos e encostando a asa na pilha de revistas e papéis que está sobre a mesa. E acrescenta: "É uma história que todos deveriam conhecer para poder refletir sobre o seu presente e não se deixar enganar com as ilusões que os poderosos chacoalham diante de seus olhos". Entre a vergonha e a curiosidade, me armo de papel e caneta para não perder as passagens desta história. Nádia espera pacientemente que eu esteja pronto. Olha para o alto, coca a cabeça, suspira e, com voz pausada, começa o seu relato: "Bem. Vejamos. Não sei se você já percebeu, mas toda a riqueza que existe ao nosso redor é o resultado do trabalho de milhões de trabalhadores e trabalhadoras que se esfolam de segunda a segunda em troca de um salário com o qual mal chegam ao fim do mês. Isso acontece porque a mixaria que recebem representa só uma pequena parte do que produzem ao longo de uma jornada de oito horas. Trata-se de algo que, no máximo, corresponde a uns cinqüenta minutos de trabalho, enquanto o valor das mais de sete horas restantes fica de graça para o patrão". - "Mas, Nádia, o dono da furna onde eu trabalho me paga direitinho e eu recebo por todas as horas trabalhadas. Você tem certeza do que está dizendo?", pergunto cortando o seu relato. - "Veja bem, o que você recebe como pagamento de um dia de trabalho corresponde ao que vai produzir das 6.00 horas da manhã até, no máximo, 50 minutos depois. Você tem a impressão de que todo o seu trabalho é pago porque o valor que saiu do seu suor neste curto espaço de tempo é dividido pelas oito horas passadas na fábrica. Por isso, à primeira vista, parece que todo o seu trabalho foi pago, quando, na verdade, a parte maior da riqueza que nasceu dele ficou com o dono da empresa. Sabendo disso, vai entender logo outra coisa importante: quanto mais horas você fica se esfolando, maior é o lucro que o seu patrão vai ter. Certo?" - "Eu entendi isso, só não consigo perceber o que é que esta questão tem a ver com o 1 de Maio", insisto com uma certa dose de impaciência. - "É só você ouvir atentamente que eu vou contar tudo

4 QUINZENA 308 direitinho!", retruca a coruja batendo repetidamente a pata direita na mesa e colocando a ponta das asas na cintura. E continua: "Você precisa saber que, nas primeiras indústrias, a jornada de trabalho dos operários varia entre 14 e 16 horas diárias. Se isso não bastasse, as fábricas são abafadas, mal-iluminadas e sem nenhuma higiene. Os baixos salários obrigam famílias inteiras a vender sua força de trabalho e nem as crianças de 7 anos são poupadas deste sacrifício. A fome tem um lugar privilegiado em seus lares acompanhada de perto pelas doenças contagiosas que se espalham rapidamente graças às péssimas condições de vida. A morte ronda as famílias operárias e ser levado por ela após os 40 anos é um privilégio para poucos. É nesta realidade que trabalhadores e trabalhadoras descobrem na solidariedade a primeira forma de diminuir seus sofrimentos e de reagir. É assim que, pouco a pouco, nascem outras idéias e valores que ajudam a entender a situação em que vivem e a dar vida às primeiras ações de resistência. Entre os enfrentamentos mais duros e difíceis está, sem dúvida, a luta pela redução da jornada de trabalho. Em 1819, por exemplo, os operários da cidade de Manchester, na Inglaterra, realizam uma manifestação contra as injustiças a que estavam submetidos. O chefe do governo não titubeia: manda apontar os canhões contra eles e atira provocando um massacre. Apesar deste desfecho terrível, o movimento consegue a aprovação de uma lei que limita a 10 horas diárias o trabalho das crianças entre 9 e 16 anos. Algum tempo depois, em 1824, os primeiros sindicatos da Inglaterra organizam greves em várias cidades exigindo a jornada de 8 horas e, após vários enfrentamentos, conseguem fazer com que as crianças trabalhem apenas nove horas. Diante desta conquista, os patrões fecham as fábricas e ameaçam não reabri-las caso a jornada não venha a ser fixada em, pelo menos, dez horas. O governo atende à reivindicação dos empresários, mas não consegue deter as greves e os protestos que, em 1847, levarão à conquista da jornada de dez horas para todos os adultos. Coincidência ou não, a nova lei passa a vigorar na Inglaterra a partir de 1 de maio de Na França, o início das lutas é um pouco diferente, apesar das condições de vida e de trabalho serem muito parecidas com as da classe trabalhadora inglesa. Em junho de 1830, várias categorias manifestam o desejo de reduzir a jornada para onze horas diárias. Longe de ocupar as ruas e as praças com seus protestos, os trabalhadores e as trabalhadoras optam por apresentar suas reivindicações através de um abaixo-assinado no qual apelam aos representantes da nação para que compreendam que suas necessidades são quotidianas, assim como o é o seu trabalho. A resposta do governo a este movimento pacífico é dada por um decreto que trata as reuniões operárias como uma incitação à desordem e apresenta uma longa lista de punições para quem insistir em realizá-las. Cortado o caminho do diálogo e destruída toda ilusão na boa vontade dos patrões, a luta se torna mais dura. No dia 1 0 de maio de 1831, na cidade de Bordeaux, os serradores destroem as novas serras mecânicas e em diversos municípios os protestos terminam em quebra-quebra. Mas a classe trabalhadora francesa terá que lutar por mais de uma década para reduzir a jornada para 10 horas diárias. Esta conquista será novamente derrotada em fevereiro de 1848 quando o governo de Paris põe fim aos protestos operários fuzilando 3 mil manifestantes e deportando outros 4 mil. Retomado o controle da situação, a elite aumenta a jornada de trabalho para 11 horas na capital e para 12 nas demais províncias. Serão necessários longos enfrentamentos para que as oito horas se tomem realidade também na França. - "Mas, Nádia, uma vez ouvi dizer que o 1 de Maio começou a ser comemorado a partir do que aconteceu nos Estados Unidos?", pergunto com um ar de indagação. A coruja me lança o olhar típico de quem não gostou da interrupção. Depois respira fundo, cruza as pernas e limpa a garganta com um sonoro "Hem! Hem!" que sinaliza a retomada do relato. "Passando agora aos Estados Unidos, não vou perder tempo descrevendo a situação de seus trabalhadores, pois ela não é muito diferente daquela que encontramos na Inglaterra e na França. Sob o peso da miséria e da exploração, em 1827, começam a aparecer vários movimentos pela redução da jornada de trabalho. As lutas prosseguem nos anos seguintes e, em agosto de 1866, o Congresso Operário de Baltimore define a conquista das oito horas como a primeira grande necessidade do presente para libertar o trabalho da escravidão capitalista. No dia 25 de junho de 1868, diante dos protestos que surgem em várias regiões, o parlamento estadunidense aprova a Lei Ingersoll que fixa a jornada de trabalho em oito horas. Mas ao mesmo tempo em que dita a regra, esta norma abre brechas para as necessidades particulares dos empresários em nome das quais a duração dos turnos acaba sendo invariavelmente superior ao que é por ela estabelecido. Para as organizações operárias este é um sinal claro de que a simples existência da lei não garante a aplicação dos seus direitos. Para isso, se faz necessária uma ampla e constante mobilização que, em nome da Defesa da Ordem, será duramente reprimida nos anos seguintes. Em abril de 1886, os enfrentamentos explodem em diversas cidades. Vários empresários cedem e aceitam assinar contratos que reduzem a jornada de trabalho para oito horas diárias. Os protestos se alastram pelo país e em Chicago, sede da vanguarda do empresariado americano da época, os patrões preparam o terreno para reprimir as passeatas marcadas para o início de maio. O Chicago Times, um dos jornais que não usa meias palavras para expressar o desejo da elite, escreve: o único jeito de curar os trabalhadores do orgulho é reduzi-los a máquinas humanas, e o melhor alimento que os grevistas podem ter é o chumbo! Mais claro do que isso, impossível. No dia 1 0 de maio, a cidade amanhece completamente parada. Milhares de pessoas aderem ao chamado das organizações sindicais cujo lema é: A partir de hoje, nenhum operário deve trabalhar mais de oito horas por dia. Oito horas de Trabalho! Oito horas de repouso! Oito horas de educação! Como você pode ver, os operários e operárias da época não querem trabalhar menos só para reduzir seus sofrimentos e ter mais tempo para o lazer, mas apresentam a necessidade de estudar como um dos caminhos para aprender a dirigir os passos da vida em sociedade. De fato, para

5 QUINZENA 308 acabar com a exploração não basta trabalhar menos. Para isso devem ser destruídos os mecanismos que fazem girar suas engrenagens ao redor do lucro e, em seu lugar, é preciso construir novas relações que coloquem o ser humano no centro das preocupações de toda a sociedade", me diz Nádia enquanto usa a ponta da asa para cutucar o meu ombro esquerdo. Sem esperar as minhas reações, a coruja se recompõe e retoma o seu relato: "Bom. Vejamos. Estava dizendo que, no dia I o de maio, em Chicago está tudo parado e que a única coisa que se mexe mesmo é uma passeata de milhares de trabalhadores que se dissolve pacificamente após um comício. Contrariada pelo grau de adesão ao movimento e pelo tranqüilo desenrolar dos protestos, a elite planeja uma série de provocações e agressões às manifestações previstas para a segunda-feira, dia 3 de maio. A polícia se encarrega de viabilizar a estratégia traçada pelos patrões. No início da manhã atira num grupo de operários que protestam diante da fábrica Mc Comick Harvester. Resultado: dois mortos, cinqüenta feridos e centenas de presos. Diante desses fatos, os líderes do movimento conclamam os manifestantes à calma e convocam um novo ato para o dia seguinte. Os trabalhadores e suas famílias atendem ao chamado. Quando a manifestação começa a se dispersar, cerca de 180 policiais agridem e espancam quantos encontram pelo caminho. Neste instante, uma bomba vinda não se sabe de onde explode no meio dos guardas. É o sinal da carnificina. Em poucos minutos, reforços policiais chegam de toda parte atirando e matando inúmeros manifestantes. As autoridades decretam o estado de sítio. Milhares de trabalhadores e trabalhadoras lotam as prisões. A imprensa concentra seus ataques nos líderes do movimento. A justiça age rapidamente e leva diante dos tribunais August Spies, Sam Fielden, Oscar Neeb, Adolph Ficher, Michel Schwab, Louis Lingg e Georg Engel. O julgamento começa no dia 21 de junho de Logo na abertura, Albert Parsons, que havia conseguido escapar da prisão, entra no tribunal e declara: Excelência, vim para ser processado com os meus companheiros inocentes. O processo corre rápido com provas e testemunhas inventadas. As palavras de um jurado revelam o sentido desta farsa: Que sejam enforcados. São homens desenvolvidos demais, inteligentes demais, perigosos demais para os nossos privilégios. A sentença condena a morte Parsons, Engel, Fischer, Lingg e Spies; Field e Schwabb à prisão perpétua e Neeb a quinze anos de cárcere. Na sala lotada e silenciosa, Spies é um dos que comentam o desfecho do julgamento: Se com o nosso enforcamento vocês pensam em destruir o movimento operário - este movimento do qual milhões de seres humanos humilhados, que sofrem na pobreza e na miséria, esperam a redenção se esta é sua opinião enforquem-nos. Aqui terão apagado uma faísca, mas lã e acolá, atrás e na frente de vocês, por toda parte, as chamas crescerão. É um fogo subterrâneo e vocês não podem apagá-lo. No dia 11 de novembro, os condenados à morte são executados. Em Chicago, os patrões respiram aliviados. Apesar do impressionante aparato policial, seis mil trabalhadores carregam com carinho os restos mortais de seus líderes. Em 1892, pressionado pela persistente onda de protestos contra a iniqüidade do processo, o governador do estado anula a sentença, liberta os presos e acusa de infâmia o juiz, os jurados e as falsas testemunhas. A semente plantada no sangue daqueles dias se toma símbolo de luta no mundo inteiro. Em dezembro de 1888, a Federação Americana do Trabalho aprova a proposta de realizar uma nova greve geral no dia 1 de maio de 1890 para estender a jornada de oito horas a todo o território dos Estados Unidos. Esta decisão acaba tendo repercussão no Congresso Socialista que em julho do ano seguinte reúne em Paris 391 delegados de 20 países. Entre suas decisões, o I o de maio de 1890 é escolhido como o dia de uma grande manifestação internacional para impor aos poderes públicos a redução legal da jornada de trabalho para oito horas diárias. As dúvidas sobre as possibilidades reais de um enfrentamento destas proporções se somam às divisões do movimento, à repressão das forças policiais e às dificuldades criadas pelas diferentes situações das organizações operárias em cada país. O que os delegados não esperavam é que aquela deliberação para o ano de 1890 acabaria se tornando um marco nas lutas operárias que estavam por vir". Nádia pára de falar. Pede uma água para refrescar a garganta. Eu aproveito para dar dois minutos de descanso à mão direita que está escrevendo garranchos piores dos que costumam sair dela. Depois de alguns goles, a coruja dá uma longa espreguiçada e fica me olhando de rabo de olho como quem espera uma pergunta óbvia. Estimulado por este convite silencioso, me aventuro na esperança de acertar o alvo. - "Olha, Nádia, você falou da Inglaterra, da França e dos Estados Unidos, mas como é que o I o de Maio foi se desenvolvendo aqui no Brasil?" Com um sorriso doce e malicioso ao mesmo tempo, a coruja abre as asas como quem se alegra em ver que o meu interesse em conhecer a história desta data ainda não acabou. - "Eu sabia que você iria me perguntar isso! O sexto sentido de uma coruja não falha! Pois bem, preste muita atenção ao que vou dizer. Em primeiro lugar, vale a pena lembrar que enquanto o Congresso Socialista de Paris delibera sobre o 1 de maio de 1890, o Brasil acaba de aprovar a Lei Áurea com a qual pretende abolir oficialmente a escravidão. A economia da época se baseia, sobretudo, ha agricultura e o processo de industrialização é muito lento. A classe operária é ainda pequena e, em 1900, não reúne mais de 55 mil pessoas. As condições de vida e de trabalho são tão duras quanto as que encontramos nos demais países. O jornal operário O Combate relata alguns abusos dos patrões que nos ajudam a visualizar melhor esta realidade: Entre eles podemos citar nominalmente o Sr. Crespi porque assistimos ontem à entrada de cerca de 60 pequenos, às 7 horas da noite em sua fábrica da Mooca. Essas crianças, entrando naquela hora, saem às 6 horas da manhã. Trabalham, pois, 11 horas a fio em serviço noturno, apenas com um descanso de 20 minutos, à meia noite! O pior é que elas se queixam de que são espancadas pelo mestre de fiação Silvio dos Remos. Muitas mostram-nos equimoses nos braços e nas costas. Algumas apresentam mesmo ferimentos produzidos com uma manivela. Há uma com as orelhas feridas por continuados e violentos puxões. (...) Trata-se de crianças de 12,13 e 14 anos. Apesar desses complicadores, entre 1887 e 1900, en-

6 6 QUINZENA 308 contramos grapos de trabalhadoras e trabalhadores obrigados pela repressão a comemorar o I o de maio em lugar fechado através de palestras e reuniões. Há também associações sindicais que publicam seus primeiros informativos resgatando os acontecimentos que deram origem a esta data. Outras encenam peças de teatro que retratam a vida operária e a necessidade de somar forças pela redução da jornada de trabalho. Sentindo o cheiro do perigo, parte da elite brasileira começa a tomar medidas que vão além da simples repressão. Alguns empresários dão início a uma política de esvaziamento do sentido das comemorações do I o de maio ao torná-las um momento de confraternização com seus funcionários. Para ter uma idéia deste processo, basta ler um pequeno trecho do jornal O Amigo do Povo que fala das celebrações de 1904: os operários da fábrica Globo fizeram manifestações de apreço aos patrões, por estes não terem aderido ao Centro Industrial dos Fabricantes de Calçados, oferecendo-lhes uma cesta de flores, retribuída com um almoço de confraternização. Sem esperar que esta data se fixe entre os trabalhadores como um momento de luta, os empresários começam a deitar raízes que se fortalecerão nas décadas seguintes. Dois anos mais tarde, se reúne no Rio de Janeiro o I o Congresso Operário Brasileiro que sublinha a importância de conquistar a jornada de oito horas. Em suas conclusões, os delegados condenam as festas promovidas pelos empresários, incitam os operários a protestar contra a repressão e a fazer do 1 de maio de 1907 o momento em que o operariado do Brasil impõe a redução da jornada de trabalho. Marcada a data, as forças vivas do movimento preparam seus protestos e manifestações nas principais cidades do país. No estado de São Paulo, o 1 de maio de 1907 transcorre num clima de tensão e enfrentamentos. Diante dos passos das organizações dos trabalhadores, as autoridades proíbem a concentração marcada pelos sindicatos na Praça da Sé, enquanto soldados e policiais ocupam as ruas do centro. A Federação Operária de São Paulo convoca, então, uma reunião na sua sede para discutir os rumos a serem tomados. Três dias depois, os metalúrgicos da capital entram em greve e várias outras categorias seguem o seu exemplo. A paralisação do trabalho atinge Campinas, Itu, São Bernardo e Santos. O poder reage com a repressão. Muitos manifestantes são presos e espancados e mais de cem emigrantes estrangeiros são expulsos do país. A amplitude da greve assusta os patrões e não são poucas as empresas que começam a adotar a jornada de oito horas. Mas, no ano seguinte, a crise econômica e o desemprego ameaçam as conquistas já alcançadas e enfraquecem o sindicalismo combativo. Em agosto de 1914, o início da Primeira Guerra Mundial marca o aumento dos sofrimentos da classe trabalhadora. O conflito transforma nossas exportações aos países europeus num verdadeiro negócio da China para os patrões. Para você ter uma idéia, soem 1917, o Brasil vende à Europa 22 mil toneladas de arroz, 50 mil toneladas de feijão e 30 mil toneladas de carne congelada. No país, os poucos artigos de primeira necessidade que se encontram nos mercados são vendidos a um preço até dez vezes maior. Some esta realidade ao arrocho salarial e às extenuantes jornadas de trabalho e não terá nenhuma dificuldade em perceber que enquanto a guerra enche os bolsos dos capitalistas a fome toma conta dos estômagos das famílias operárias. Com o passar dos meses a situação se toma cada vez mais explosiva e o governo prepara a polícia e o exército para reprimir qualquer revolta popular. Nos primeiros meses de 1917, várias greves estouram em São Paulo e no Rio de Janeiro. Os operários têxteis do Rio que faltam ao trabalho para participar das comemorações do I o de maio são punidos e decidem paralisar a produção. Pouco a pouco, o movimento atinge Petrópolis, Juiz de Fora e se espalha até o Rio Grande do Sul. O seu ponto mais alto é na cidade de São Paulo, em julho do mesmo ano quando, apesar da repressão, o comando de greve chega a controlar a distribuição dos gêneros de primeira necessidade. Os patrões se vêem forçados a atender várias reivindicações, mas se opõem com todas as forças à redução da jornada de trabalho. A luta vai prosseguir nos anos seguintes com altos e baixos que dependem do grau de organização dos sindicatos e do peso da repressão policial. No vaivém dos enfrentamentos, a elite procura fazer do I o de maio um momento que reafirma sua visão da relação entre patrões e trabalhadores. Em 26 de setembro de 1924, um decreto do Presidente da República, Artur Bemardes, transforma esta data em feriado nacional. Ao falar do decreto, a mensagem presidencial enviada ao parlamento no ano seguinte diz: A significação que esta data passou a ter, nos últimos tempos, consagrando-se não mais a protestos subversivos, mas à glorificação do trabalho ordeiro e útil, justifica plenamente o nosso voto. Não sei se você percebe o que isso significa - me diz Nádia balançando a cabeça -, mas os poderosos criam o feriado de I o de maio quando ainda não há uma lei que determina a jornada de trabalho de oito horas, motivo das manifestações que deram origem a esta data. Na verdade, a elite brasileira procura se apropriar dela justamente para esvaziá-la do espírito de luta depositado pela classe trabalhadora. Ao tentar substituir os protestos subversivos pela glorificação do trabalho ordeiro e útil, os patrões tratam de alimentar o clima de paz social capaz de garantir a continuidade da exploração. O I o de maio como feriado nacional é apenas mais um passo rumo às transformações que são implementadas por Getúlio Vargas entre 1930 e Alternando boas doses de repressão a algumas migalhas, Vargas consegue derrotar as organizações operárias que criticam o sistema e implementar um sindicalismo dócil aos interesses do estado e dos patrões. É neste cenário que, durante o seu governo, o 1 de maio começa a ser celebrado no estádio do Vasco da Gama, no Rio de Janeiro, onde os operários desfilam homenageando as autoridades presentes". - "Mas, Nádia, desse jeito as lutas dos trabalhadores devem ter acabado de vez!", pergunto cocando a cabeça à procura de respostas para as inquietações que começam a povoar os meus pensamentos. - "Não", responde a coruja, "não só elas não acabaram, como se mantêm vivas nas ações de todos aqueles que fazem ecoar novamente o grito de revolta dos primeiros. A rebeldia, a dignidade e a solidariedade são o combustível

7 QUINZENA 308 que alimenta o fogo subterrâneo do qual falava Spies após ouvir a sentença. Os patrões fazem de tudo para apagar as faíscas, mas o fogo faz brotar outras onde eles menos esperam. Veja só esta manchete de primeira página do jornal A Plebe de 1948: Primeiro de Maio é um dia de protesto. Não é a "festa " do trabalho, como afirmam os mistificadores. O trabalho vive escravizado e os escravos não costumam festejar a sua escravidão. E tem mais. Se você lembrar de alguns passos da história recente, vai perceber que nem a ditadura militar que se instala no Brasil em 1964 consegue apagar este fogo. Você lembra, por exemplo, do Pdemaiode 1980?", pergunta Nádia sem conseguir esconder o sorriso que invade o seu rosto. - "Bom... para ser sincero... não. A memória não é o meu forte". - "Pois saiba que já no final de março daquele ano os metalúrgicos do ABC paulista dão início a uma longa greve. Em resposta aos protestos, em 17 de abril, o Ministério do Trabalho fecha os sindicatos e cassa suas diretorias. Dois dias depois, a polícia prende arbitrariamente os líderes do movimento, mas nem isso amedronta os trabalhadores e as trabalhadoras que resistem nas fábricas. Diante dos acontecimentos, uma multidão de homens e mulheres responde às medidas repressivas do governo alimentando a solidariedade com os grevistas. Integrantes dos movimentos populares, das comunidades de base, dos sindicatos, das mais variadas associações e correntes políticas se organizam em todo o país para angariar os fundos que ajudarão a sustentar as famílias dos grevistas. No dia 1 de maio daquele ano, oito mil policiais armados até os dentes cercam São Bernardo do Campo. O governo ameaça punir as manifestações e interdita o estádio de Vila Euclides, o Paço Municipal e a Praça da Matriz. Mas a participação no ato convocado pelas forças vivas do movimento supera todas as expectativas. Mais de 120 mil pessoas furam o bloqueio da polícia e ocupam os espaços que haviam sido proibidos fazendo tremer as bases da ditadura militar". - "Tudo bem, Nádia, mas as coisas não são mais assim. Parece que ninguém se importa com nada. Aliás, a moda agora é o tal do showmício, com direito a bingo e festas organizados até mesmo pelos sindicatos que eram referências de luta...", digo sacudindo a cabeça como quem acha impossível voltar a ver algo que se pareça com as manifestações do passado. A coruja me ouve calada. Depois põe as asas atrás das costas e andando de um lado a outro da mesa, me devolve em resposta uma chuva de perguntas. "Por acaso, a exploração acabou? Os trabalhadores e as trabalhadoras estão tão bem assim que hoje já não precisam reagir aos desmandos dos patrões? Você já percebeu que os tapinhas nas costas e os sorrisos que os empresários distribuem nas melhores empresas são retribuídos com o aumento do ritmo de trabalho, da produção e com uma progressiva diminuição do número de funcionários? A classe trabalhadora não reage porque todos os seus membros viraram cordeiros que vão alegres para o matadouro? Ou é porque ainda não conseguiram transformar sua revolta em ação? Até quando vão agüentar calados a retirada dos poucos direitos que lhe restam? Pois, saiba que a dignidade e a rebeldia continuam vivas mesmo quando não conseguem vir à luz em manifestações que sacodem a história. Não são poucas as pessoas que debaixo da terra guardam, protegem e alimentam o fogo do qual falava Spies. O fato dos patrões estarem ganhando não significa que estamos perdidos. O jogo apenas começou, e eles sabem disso. O que precisamos mesmo é dar forma e cor à esperança, devemos torná-la concreta e coletiva para contagiar mais pessoas e fazer com que não se conformem com o sofrimento. Só assim vão começar a perceber que um novo amanhã depende da nossa capacidade de mudar os rumos da história e não da boa vontade deste ou daquele sujeito. Por isso, comemorar o I o de maio não é apenas lembrar do passado. É, sobretudo, renovar o compromisso de lutarmos contra toda forma de injustiça e exploração que condenam à fome e ao esquecimento milhões de seres humanos no mundo inteiro". Em silêncio, vou escrevendo as últimas linhas desta longa conversa. A cabeça ainda mistura perguntas, relatos, angústias, anseios e não poucas razões de sofrimento. Os olhos não saem do papel ainda que a mão tenha parado de escrever. Por cima dos óculos vejo Nádia pegar a régua que sai do meio de uma revista. Disfarçando seus gestos encosta uma de suas extremidades na mesa como quem segura um cajado antes de uma longa caminhada. Alguns instantes depois, ela se aproxima e pede para dar uma olhada com um "Anotou tudo direitinho?", ao qual respondo entregando silenciosamente as folhas. Não sei se ela consegue ler meus garranchos, mas vejo seus olhos correrem rapidamente as linhas do texto. - "Nada mal. Até que você merece", murmura com ar satisfeito. - "Mereço... o que?", pergunto perplexo enquanto ajeito ao papeis que estão sobre a mesa. Mal consigo acabar de falar que, num gesto rápido, Nádia pega a régua e a bate três vezes na minha cabeça e nos meus ombros dizendo solenemente: "Eu Nádia, nomeio você secretário da ordem das corujas". - "E se eu não quiser?", indago para ter uma noção do futuro que me espera. - "Tarde demais! Já está feito!", responde Nádia empinando o bico e olhando disfarçadamente para o alto. "De hoje em diante vai escrever para ajudar grandes e pequenos a refletirem sobre a realidade que os cerca. Mas, agora, vamos fechar logo este texto antes que nossos leitores e leitoras se cansem. Ah! Não esqueça de enviar um abraço e de dizer a todos e a todas que não se assustem com os modernos extintores e os canhões de água dos poderosos. Por muito que tentem, não vão conseguir apagar o fogo que a dignidade, a solidariedade e a rebeldia alimentam. Assinado: Nádia. A coruja". P.S. Passados alguns minutos, consegui convencer a "hospede" da minha estante a me dizer quais foram os livros que andou lendo para contar esta história que eu não conhecia. Aí vão eles: ACO, História da classe operária no Brasil, Vol. 1 a 5, Edição da Ação Católica Operária, Rio de Janeiro. Edgard Carone, Movimento Operário no Brasil - ( ), Ed. Difel, São Paulo, John W. Dulles, Anarquistas e Comunistas no Brasil - ( ), Ed. Nova Fronteira, 2' Edição, Rio de Janeiro José Luiz Del Roio, 1" de Maio - Cem anos de luta ( ), Ed. Global/Oboré, São Paulo Pelo ieito. vêm mais coisas.até breve. Emílio Gennari. Brasil, abril de 2002.

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher , Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia em comemoração ao Dia Internacional da Mulher Palácio do Planalto, 12 de março de 2003 Minha cara ministra Emília Fernandes, Minha cara companheira Benedita da

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

Ano 1 - nº 1 - Set/15

Ano 1 - nº 1 - Set/15 Ano 1 - nº 1 - Set/15 Conversando sobre a REALIDADE social do BRASIL Partido da Social Democracia Brasileira Presidente: Senador Aécio Neves Instituto Teotônio Vilela Presidente: José Aníbal créditos

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não

Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não Por que esta cartilha? Os direitos dos trabalhadores no Brasil não caíram do céu, não foram concessões patronais ou de governos, como os patrões tentam nos fazer parecer. A história da classe trabalhadora

Leia mais

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi

A CAMINHADA DO POVO DE DEUS. Ir. KatiaRejaneSassi A CAMINHADA DO POVO DE DEUS Ir. KatiaRejaneSassi Os desafios da travessia Aqueles que viveram a maravilhosa experiência de conseguir libertar-se da dominação egípcia sentem no deserto o desamparo total.

Leia mais

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007

Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Pronunciamento à nação do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, na cerimônia de posse Palácio do Planalto, 1º de janeiro de 2007 Meus queridos brasileiros e brasileiras, É com muita emoção

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 65 Discurso na solenidade do Dia

Leia mais

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos

Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos A IMPORTÂNCIA DA CONVENÇÃO Nº 158 DA OIT PARA O TRABALHADOR BRASILEIRO Arthur Henrique * Quero também cumprimentar a Mesa e, em nome da Central Única dos Trabalhadores, agradecer ao Tribunal Superior do

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Palestra 1 Mudança Organizacional. Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças Palestra 1 Mudança Organizacional Texto base: 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças 02 de Dezembro de 2009 10 +1 Mandamentos para ter sucesso em um mundo em constantes mudanças

Leia mais

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br

Danilo Nascimento Fundador do Segredos de Concurso www.segredosdeconcurso.com.br Olá, concurseiro! É um grande prazer poder lhe dar algumas dicas básicas a respeito da sua preparação para um Concurso Público. Sei que esse é um grande sonho, e ter a oportunidade de colaborar com a construção

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 50 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto

3-5-2010 CURSO DE MAHATMA GANDHI TIS. Sandra Jacinto 3-5-2010 CURSO DE TIS MAHATMA GANDHI Sandra Jacinto 1869 Gandhi nasce no dia 2 de outubro, na Índia ocidental( Porbandar). 1891 - Forma-se em direito em Londres volta para a Índia a fim de praticar a advocacia.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca ASSINATURA DO SEGURO-DESEMPREGO E

Leia mais

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL

OS 3 PASSOAS PARA O SUCESSO NA SEGURANÇA PATRIMONIAL WWW.SUPERVISORPATRIMONIAL.COM.BR SUPERVISOR PATRIMONIAL ELITE 1 OS 3 PASSOS PARA O SUCESSO NA CARREIRA DA SEGURANÇA PATRIMONIAL Olá, companheiro(a) QAP TOTAL. Muito prazer, meu nome e Vinicius Balbino,

Leia mais

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês

Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Oficina sobre Revolução, Contestação o maio de 1968 francês Roteiro 1. Essa atividade foi pensada para alunos do ensino médio e envolve a discussão de temas relacionados a juventude, meio estudantil, trabalhadores,

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano

Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Nakano vê risco de queda de 2% a 4% no PIB deste ano Sergio Lamucci, de São Paulo Valor Econômico, 09/04/2009 O economista Yoshiaki Nakano acha improvável o Brasil escapar de uma contração do Produto Interno

Leia mais

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO

DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO DIREÇÃO NACIONAL DA CUT APROVA ENCAMINHAMENTO PARA DEFESA DA PROPOSTA DE NEGOCIAÇÃO DO SALÁRIO MÍNIMO, DAS APOSENTADORIAS E DO FATOR PREVIDENCIÁRIO A CUT e as centrais sindicais negociaram com o governo

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança

03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança 03 Passos para o Seu Dinheiro da Poupança Render 5 Vezes Mais por Leandro Sierra Índice Apresentação...03 Introdução... 04 Passo 1...05 Passo 2... 08 Educação Financeira para a Segurança do seu Investimento...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores.

MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA. Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. MENOS ASSISTENCIALISMO, MAIS PEDAGOGIA Moysés Kuhlmann: carências da educação infantil vão desde instalações à formação dos professores. 2 Ao lado das concepções do trabalho pedagógico para a infância,

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!!

OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. Vista a camisa do 0800 E SEJA UM VENCEDOR!!! OBJEÇÕES INSTRUMENTO DE SUCESSO O LADO POSITIVIO DAS OBJEÇÕES PARA APRIMORAR O PROFISSIONAL DE VENDAS. OBJEÇÕES VILÃS OU OPORTUNIDADES? A VISÃO ORIENTAL SOBRE Um para CRISE PERIGO (JI) A VISÃO ORIENTAL

Leia mais

CARTILHA TRABALHADOR DIREITO DE GREVE. Como romper o cerco? uma realização da:

CARTILHA TRABALHADOR DIREITO DE GREVE. Como romper o cerco? uma realização da: CARTILHA DO TRABALHADOR DIREITO DE GREVE Como romper o cerco? uma realização da: O que é DIREITO DE GREVE? 05 O que diz a Constituição Brasileira sobre o DIREITO DE GREVE? Como surgiu o DIREITO DE GREVE?

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO Dia Mundial da Erradicação da Miséria reconhecido pelas Nações Unidas como Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza Junho de 2013 CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca FESTA NACIONAL DA MAÇÃ * São Joaquim,

Leia mais

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013

Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ. São Paulo 15/07/2013 Análise das relações trabalhistas no Brasil e em diferentes países Seminário Análise e Proposta do Modelo de Negociações Trabalhistas no Brasil ABINEE E ABIMAQ São Paulo 15/07/2013 1. Introdução 2. Estados

Leia mais

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista.

Fui, não: fui e sou. Não mudei a esse respeito. Sou anarquista. Tínhamos acabado de jantar. Defronte de mim o meu amigo, o banqueiro, grande comerciante e açambarcador notável, fumava como quem não pensa. A conversa, que fora amortecendo, jazia morta entre nós. Procurei

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Cem Dias de Trabalho: Pronunciamento

Leia mais

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações

Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senador Pedro Taques Discurso Manifestações Senhor presidente, Senhoras senadoras, senhores senadores Amigos das redes sociais que também estão nas ruas Estamos em época de competição de futebol. Nosso

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 21 DE ABRIL PALÁCIO DO PLANALTO BRASÍLIA-DF

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS

VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS VI SEMINÁRIO DE DIREITO PARA JORNALISTAS - DIA 28.11.06 PERGUNTAS E RESPOSTAS Perguntas e resposta feitas ao jornalisa Romário Schettino Perguntas dos participantes do 6 Seminário de Direito para Jornalistas

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves

CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves CAMINHO DAS PEDRAS Renata Neves Estado de Minas Março de 2001 O método criado pelo professor Fernando Dolabela ensina empreendedorismo a 40 mil alunos por ano. Fernando Dolabela da aula de como abrir um

Leia mais

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento?

A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? A política de juros e de câmbio está no rumo do crescimento? Luiz Carlos Bresser-Pereira O Estado de S.Paulo, 1.8.2007. O ex-ministro da Fazenda Luiz Carlos Bresser-Pereira e o ex-diretor de Política Econômica

Leia mais

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar

Não deixem nenhuma criança Em suas terras trabalhar Lhes digo com segurança Melhor pra elas é estudar EMPREGADO VERSOS EMPREGADOR Você empregador Cumpra o seu dever Registre o trabalhador E aperreio não vai ter Ele será seu defensor E vai fazer você crescer A carteira eu entrego Pra ter tudo anotado Ninguém

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU CARTA DE FOZ DO IGUAÇU Reunidos em Foz do Iguaçu, Paraná, no dia 2 de outubro de 2015, no II Encontro dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Região Sul, 566 representantes de 215 sindicatos, 23 federações,

Leia mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais

Ao longo dos 30 anos de redemocratização do Brasil, o Estado incorporou programas de proteção social aos mais Para crescer, Brasil precisa rever cultura de mil bolsas Para Marcos Mendes, consultor do Senado, é muito difícil coordenar um acordo social que reduza benefícios em prol de um país mais eficiente e menos

Leia mais

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP

Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Ana Paula Vitelli, Ph.D. Reunião do Comitê de RH, Britcham 08 de Outubro, 2013 São Paulo SP Introdução Do que estamos falando? Um grupo específico de mulheres Uma visão Pesquisa de Doutorado na FGV EAESP

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2012 Boa noite, A todos os Portugueses desejo um Bom Ano Novo, feito de paz e de esperança. O ano que

Leia mais

Por que defender o Sistema Único de Saúde?

Por que defender o Sistema Único de Saúde? Por que defender o Sistema Único de Saúde? Diferenças entre Direito Universal e Cobertura Universal de Saúde Cebes 1 Direito universal à saúde diz respeito à possibilidade de todos os brasileiros homens

Leia mais

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff

Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff 31/10/2010 23h56 - Atualizado em 01/11/2010 11h24 Leia a íntegra do pronunciamento da presidente eleita Dilma Rousseff Em Brasília, ela fez primeiro discurso após anúncio do resultado da eleição. Ela afirmou

Leia mais

Conflito do Tibete. Resenha Segurança

Conflito do Tibete. Resenha Segurança Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 Conflito do Tibete Resenha Segurança Ana Caroline Medeiros Maia 1 de abril de 2008 O Tibete voltou a ser palco de conflitos

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais

A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais A Rede de Proteção Social: fazer mais para quem precisa mais 37,6 milhões de benefícios regulares para os mais pobres Ao lado dos programas sociais que se destinam a toda a sociedade, o Governo Federal

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias

Ideionildo. E a Chave Azul. Pelo Espírito Vovó Amália. Robson Dias Ideionildo E a Chave Azul Robson Dias Pelo Espírito Vovó Amália Livrinho da Série - As Histórias Que a Vovó Gosta de Contar (http:\www.vovoamalia.ubbi.com.br - Distribuição Gratuita) - A venda deste produto

Leia mais

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública

Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o. Não Pagamento da Dívida Pública Defesa dos Serviços e Trabalhadores Públicos Brasileiros e o Não Pagamento da Dívida Pública O endividamento público vem pautando a vida do povo brasileiro sob diversas formas, especialmente a partir da

Leia mais

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha

- GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha - GUIA DO EMPRESÁRIO - Proatividade Uma questão de escolha Planeta Contábil 2008 Todos os Direitos Reservados (www.planetacontabil.com.br) 1/7 Proatividade Uma questão de escolha Você chega sempre atrasado

Leia mais

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma]

DIMITRI YPSILANTI (Chefe da Divisão de Informação, Comunicação e Política do Consumidor da OCDE): [pronunciamento em outro idioma] MESTRE DE CERIMÔNIA: A seguir, o senhor Roberto Franco, da ABERT, fará as perguntas, formuladas pelos participantes, ao palestrante, o senhor Dimitri Ypsilanti, chefe da divisão de formação, comunicação

Leia mais

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 Rio de Janeiro, 3 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Elias Nunes Júnior, 20 do 10 de 1958. Nasci em Bom Jesus de Itabapoana, interior do estado. FORMAÇÃO Eu sou formado em Ciências Contábeis, tenho Pós em

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP

Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Os 4 passos para ser aprovado no Exame de Certificação PMP Andriele Ribeiro 1 Um passo de cada vez. Não consigo imaginar nenhuma outra maneira de realizar algo. Michael Jordan O alcance da certificação

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA Nome: Nº 9º Data: / /2015 Professor(a): Nota: 3º bimestre A Introdução Neste bimestre, você aprendeu novos procedimentos de leitura e fez várias atividades

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor,

PREFÁCIO. DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil. Prezada leitora, estimado leitor, PREFÁCIO DILMA ROUSSEFF Presidenta da República Federativa do Brasil Prezada leitora, estimado leitor, Ao longo dos séculos, a pobreza foi um fenômeno cercado de interesses e de preconceitos. Houve momentos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 40 Discurso na cerimónia comemorativa

Leia mais

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada

Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Terça-feira, 11 de março de 2014 Seis mulheres e o único desejo: um futuro diferente Entrevistadas denunciam desigualdade velada Nádia Junqueira Goiânia - Dalila tem 15 anos, estuda o 2º ano no Colégio

Leia mais

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita!

Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Esta nova sequência tem uma novidade: ela é inédita! Hum, essa não é uma novidade. As outras também eram de certa forma inéditas, uma vez que o layout era baseado na estrutura dos Gurus, mas vamos lá,

Leia mais

50 ANOS DO GOLPE MILITAR

50 ANOS DO GOLPE MILITAR 50 ANOS DO GOLPE MILITAR (1964-1985) Prof. Dr. Rogério de Souza CAUSAS Guerra Fria Contexto Internacional: Construção do Muro de Berlim (1961) Cuba torna-se Socialista (1961) Crise dos Mísseis (1962) CAUSAS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na solenidade de sanção

Leia mais

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS

UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS UMA RESPOSTA ESTRATÉGICA AOS DESAFIOS DO CAPITALISMO GLOBAL E DA DEMOCRACIA Luiz Carlos Bresser-Pereira A Reforma Gerencial ou Reforma à Gestão Pública de 95 atingiu basicamente os objetivos a que se propunha

Leia mais

A Revolução Francesa (1789-1799)

A Revolução Francesa (1789-1799) A Revolução Francesa (1789-1799) Origens da Revolução Francesa Crise Econômica A agricultura, ainda submetida ao feudalismo, entrava em colapso. As velhas técnicas de produção e a servidão no campo criavam

Leia mais

ETAPA DA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS

ETAPA DA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS Faculdade Salesiana Dom Bosco de Piracicaba Curso de Administração DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À EDUCAÇÃO FINANCEIRA PROF. ELISSON DE ANDRADE TEXTO 3: ETAPA DA DEFINIÇÃO DE OBJETIVOS Estrutura do texto 1 Traçando

Leia mais

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço.

Introdução do módulo 7: Faça uma introdução sobre as vantagens e necessidade de se vender Valor e não Preço. Preparação do Instrutor Trazer para a reunião/encontro de vendas: DVD : Módulo 7 Aparelho de DVD e monitor de TV Flip chart e canetas ( pincel atômico) Canetas/lápis apontados Manuais dos participantes

Leia mais

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil

Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil Bônus demográfico, crescimento econômico e redução da pobreza no Brasil José Eustáquio Diniz Alves i As eleições de 2 nem começaram de fato, mas já existe uma grande quantidade de textos circulando na

Leia mais

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro.

Acredito ter sido escolhido para recebê-lo porque os senhores também queriam homenagear o Brasil e o povo brasileiro. Discurso de Luiz Inácio Lula da Silva Prêmio Lech Walesa Gdansk, Polônia 29 de setembro de 2011 É uma grande honra, para mim, receber este prêmio da fundação que leva o nome do companheiro Lech Walesa,

Leia mais

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem

NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem NO ABRIR DA MINHA BOCA (EFÉSIOS 6:19) modelo da mensagem Tudo bem. Eu vou para casa! Foi o que uma moça disse a seu namorado, na República Central-Africana. Tudo começou porque ele ia fazer uma viagem

Leia mais

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015

MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 MENSAGEM DOS PRESIDENTES MASTER 2015 RL: Rodrigo Luna CB: Claudio Bernardes CB Senhoras e senhores. Sejam bem-vindos à solenidade de entrega do Master Imobiliário. É uma honra poder saudar nossos convidados

Leia mais

of 5 28/10/2015 01:38

of 5 28/10/2015 01:38 O Brasil não terá índios no século XXI. A ideia de congelar o homem no estado primitivo de sua evolução é, na verdade, cruel e hipócrita, afirmou o ex-ministro brasileiro de Ciência e Tecnologia Hélio

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca Pronunciamento na primeira reunião

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau , Luiz Inácio Lula da Silva, durante visita às obras da usina hidrelétrica de Jirau Porto Velho-RO, 12 de março de 2009 Gente, uma palavra apenas, de agradecimento. Uma obra dessa envergadura não poderia

Leia mais

Segredos. 7do Empreendedor de 7SUCESSO

Segredos. 7do Empreendedor de 7SUCESSO 7 Segredos 7 Segredos empreendedor magnético 2015. Empreendedor Magnético www.empreendedormagnetico.com.br Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação, no todo ou em parte,

Leia mais

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo.

SABE, ESSA É A MINHA FAMÍLIA. É isso mesmo! A gente nem pensa nisso, não é? Mas vamos ver como acontece. Venha comigo. Apoio: A Constituição Federal do Brasil diz que: É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à

Leia mais

Entrevista com Bernard Charlot

Entrevista com Bernard Charlot Entrevista Entrevista com Bernard Charlot A crise da educação pública brasileira é um dos temas dessa entrevista concedida pelo professor Bernard Charlot, 65 anos, em Juiz de Fora. Doutor em Educação

Leia mais

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado?

Olhos nos olhos. Qual é o impacto da utilização da videoconferência no processo penal e a interferência dessa medida no trabalho do advogado? Olhos nos olhos Se o interrogatório O advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, o Kakay, atua em Brasília há 30 anos e é um dos mais respeitados criminalistas do país. Tendo a liberdade como fator preponderante

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 37 Discurso na cerimónia de retomada

Leia mais

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes,

III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL. William Mendes, III Reunión, Lima, octubre 2010 A AUTOREFORMA SINDICAL E A HISTÓRIA DOS BANCÁRIOS DA CUT BRASIL William Mendes, Secretário de Formação da CONTRAFCUT-CUT 1. INTRODUÇÃO No final dos anos setenta e início

Leia mais

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível).

Prefeito de São Bernardo do Campo: Hoje tem um show no Cedesc, às 18 horas (incompreensível). , Luiz Inácio Lula da Silva, durante a inauguração da República Terapêutica e do Consultório de Rua para Dependentes Químicos e outras ações relacionadas ao Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack São

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

TEXTO 1. 1.Texto de problematização:

TEXTO 1. 1.Texto de problematização: TEXTO 1 1.Texto de problematização: A partir de 1922, o quadro começa a se modificar. Apesar dos presidentes Arthur Bernardes e Washington Luís pertencerem ainda ao esquema do café com leite, a nova situação

Leia mais

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim.

INTRODUÇÃO. Fui o organizador desse livro, que contém 9 capítulos além de uma introdução que foi escrita por mim. INTRODUÇÃO LIVRO: ECONOMIA E SOCIEDADE DIEGO FIGUEIREDO DIAS Olá, meu caro acadêmico! Bem- vindo ao livro de Economia e Sociedade. Esse livro foi organizado especialmente para você e é por isso que eu

Leia mais