SUSTENTABILIDADE DE PEQUENOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SUSTENTABILIDADE DE PEQUENOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS"

Transcrição

1 SUSTENTABILIDADE DE PEQUENOS SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS Ana GALVÃO Eng. ª do Ambiente, Mestre em Gestão da Ciência e Tecnologia, IST, José SALDANHA MATOS Prof. Associado SHRH, DECivil, IST, Av. Rovisco Pais Lisboa, , RESUMO Por causa do seu tamanho, e em regra, os pequenos aglomerados ou povoações não beneficiam dos efeitos de escala que tem lugar quando se constroem sistemas centralizados de saneamento que servem aglomerados de elevada dimensão. De facto, em pequenos sistemas de drenagem e tratamento de águas residuais não é possível beneficiar das economias de escala que se verificam em grandes sistemas, pelo que os custos per capita de pequenos sistemas podem ser significativamente superiores aos de comunidades de maior dimensão. Deste modo, o conceito de soluções de tratamento sustentáveis para pequenos aglomerados envolve a utilização de tecnologias com baixo custo de construção e manutenção, mas que garantam simultaneamente eficiências de tratamento adequadas. Nesta comunicação são apresentados e discutidos alguns indicadores de sustentabilidade para sistemas de tratamento de águas residuais convencionais (leitos percoladores e lamas activadas na variante de arejamento prolongado) e não convencionais (leitos de macrófitas) relativos a populações servidas inferiores a 2300 habitantes. Os indicadores analisados referem-se a área total, volume de betão, potência instalada e custos de investimento por habitante servido. As observações retiradas da análise efectuada confirmam como uma das principais vantagens do recurso a leitos de macrófitas diz respeito aos reduzidos custos energéticos associados, especialmente relevantes para populações inferiores a 500 habitantes. De acordo com os elementos recolhidos, para a mesma população servida, o volume de betão necessário para a construção dos órgãos de tratamento de soluções convencionais é cerca de 2 a 3 vezes superior ao das soluções com leitos de macrófitas, onde o recurso ao betão se resume essencialmente à construção civil dos órgãos de tratamento preliminar e primário. Palavras-chave: Águas residuais; leitos de macrófitas; saneamento; soluções convencionais sustentabilidade. 1

2 1. INTRODUÇÃO Actualmente, verifica-se em Portugal um crescente investimento em sistemas de drenagem e tratamento de águas residuais, resultante do objectivo traçado pelo governo português, no sentido de alcançar uma taxa de atendimento neste sector de 90%. Este objectivo principal, cujas orientações estratégicas são apresentadas no Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais (MAOT, 2000), deverá ser atingido tendencialmente em Esta comunicação diz respeitos aos sistemas de tratamento apropriados a pequenas comunidades rurais, em virtude do elevado número de povoações de reduzida dimensão actualmente existentes no nosso país, assim como a elevada dispersão geográfica que apresentam. De facto, muitas destas povoações são apenas servidas por fossas sépticas individuais, nem sempre concebidas e conservadas da forma mais adequada, e em algumas situações, o recurso prolongado a este tipo de disposição final provoca impactos ambientais negativos, que devem ser minorados ou completamente eliminados. Em Portugal, cerca de 70% das Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) previstas até 2006 irão servir comunidades com um equivalente populacional inferior a 2000 habitantes (MATOS e tal, 2002). Em zonas rurais do interior do País, com aglomerados de pequena ou muito pequena dimensão (Pop < 200 habitantes) e afastados entre si, não se torna, em regra, economicamente viável e tecnicamente sustentável a construção e manutenção de sistemas centralizados de saneamento. Nestes casos, assumem relevo, entre outros, os seguintes aspectos ou particularidades com impacte no comportamento hidráulico e ambiental dos sistemas de tratamento de pequena dimensão: variabilidade muito elevada da afluência de caudais e de cargas orgânicas às ETAR durante os períodos nocturnos, a afluência de caudais pode ser nula e nos períodos de maior afluência, as pontas podem exceder, em relação ao caudal médio, factores superiores a 10. No caso das cargas orgânicas, a variabilidade pode ser ainda superior à dos caudais. em regra, não se dispõem, facilmente, nesses locais, de recursos económicos e humanos compatíveis com as exigências do ponto de vista do controlo das operações e processos de tratamento de sistemas mais sofisticados. em locais do País com características rurais e com elevados padrões de valor paisagístico e recreativo, e também com exigências de águas balneares (linhas de água que descarregam para zonas balneares ou em albufeiras com uso recreativo), as características dos efluentes, mesmo de pequenos aglomerados, podem ter que obedecer a requisitos exigentes de descarga. Adicionalmente, e por motivos de protecção ambiental, os limites de descarga definidos na legislação portuguesa podem ser aplicados, de igual modo, tanto para pequenas povoações, como para aglomerados urbanos de maior dimensão. Deste modo, pequenos agregados populacionais têm de garantir níveis de tratamento iguais a centros urbanos de grande dimensão, constituindo um desafio atingir este objectivo com recurso a orçamentos reduzidos e de uma forma sustentável. De facto, em pequenos sistemas de drenagem e tratamento de águas residuais não é possível beneficiar das economias de escala que se verificam em grandes sistemas, pelo que os custos per capita de pequenos sistemas podem ser significativamente superiores aos de comunidades de maior dimensão (METCALF & EDDY, 1991). Deste modo, o conceito de soluções de tratamento sustentáveis para 2

3 pequenos aglomerados deve envolver a utilização de tecnologias com baixo custo de construção e manutenção, mas que garantam simultaneamente eficiências de tratamento adequadas. Assim, o conceito de sustentabilidade de soluções de tratamento envolve diversos aspectos relevantes, designadamente: Relativamente reduzidos encargos com energia e reagentes; Relativamente reduzidos volumes de betão e equipamento electromecânico; Relativamente reduzidos encargos em operação e manutenção; Valorização ambiental da área envolvente, nomeadamente em termos visuais. Nesta comunicação são apresentados alguns indicadores de sustentabilidade para sistemas de tratamento de pequenos aglomerados, referentes a ETAR dimensionadas para populações inferiores a 2300 habitantes equivalentes. Inserido igualmente na temática dos sistemas de tratamento adequados para pequenos aglomerados, apresentam-se os objectivos e actividades em desenvolvimento no âmbito do Projecto Europeu ICREW Improoving Coastal and Recreational Waters for all, no qual o Centro de Estudos e Hidrossistemas do Instituto Superior Técnico e a Câmara Municipal de Odemira estão envolvidos no Sub-Projecto 6 Soluções Sustentáveis de Saneamento (na terminologia original do projecto Pilot Action 6 Sustainable Sewerage Solutions ). Este projecto, com duração prevista de 3 anos, foi aprovado no âmbito da iniciativa Atlântica INTERREG III-B Atlantic Area, promovida e financiada pela Comissão Europeia, incluindo também parceiros no Reino Unido, Irlanda, França e Espanha. 2. SISTEMAS DE TRATAMENTO PARA PEQUENOS AGLOMERADOS 2.1 Situação actual Na maioria dos países europeus, em pequenos aglomerados rurais onde não é possível a aplicação de sistemas de infiltração no solo, o procedimento mais comum consiste na implantação de sistemas de drenagem constituídos por colectores com escoamento gravítico, em superfície livre, destinados a transportar os efluentes recolhidos até um sistema de tratamento centralizado. Estas ETAR apresentam como sistema de tratamento mais comum o tanque Imhoff ou fossas sépticas, geralmente compostas por dois ou três compartimentos, sendo dimensionadas por forma a garantir tempos de retenção da massa líquida entre um e dois dias. Para populações servidas superiores a 250 habitantes, é comum a utilização de fossas sépticas em paralelo. A utilização de tanques Imhoff é igualmente comum devido ao facto de não requererem mão-de-obra especializada para operação e manutenção. Em países como Portugal e Reino Unido, a utilização de tanques Imhoff como tratamento primário é geralmente seguida de tratamento biológico através de leitos percoladores de baixa ou média carga, com eficiências de remoção da CBO 5 entre 70 a 85%. Estes resultados correspondem a efluentes da ETAR com valores da CBO 5 entre 40 a 100 mg/l. Actualmente, a instalação de estações de tratamento pré-fabricadas, também denominadas ETAR compactas constitui igualmente uma alternativa às ETAR convencionais, dimensionadas de raiz. O sistema de tratamento mais aplicado em Portugal ao nível das ETAR compacta foi durante bastante tempo, possivelmente, o de discos biológicos, existindo, no entanto, outros sistemas de tratamento com 3

4 tecnologias de tratamento alternativas, como as lamas activadas na variante de arejamento prolongado, reactor em êmbolo ou a estabilização por contacto. Apesar de apresentarem custos de construção menos atractivos que as ETAR compactas, as ETAR convencionais apresentam algumas vantagens relevantes, designadamente em termos de maior facilidade de adaptação à área local disponível, às características específicas do efluente a tratar e ao facto de a operação e manutenção não depender de fornecedores de um equipamento específico. As ETAR convencionais mais usualmente utilizadas para pequenos aglomerados incluem leitos percoladores ou tanques de arejamento (lamas activadas na variante de arejamento prolongado), sendo igualmente utilizadas as lagoas facultativas ou de arejamento. Paralelamente à aplicação dos sistemas referidos, tem-se vindo a observar nas últimas décadas uma utilização crescente dos sistemas de leitos de macrófitas para o tratamento biológico de efluentes (HARBEL, 2003). Os leitos de macrófitas promovem o tratamento biológico das águas residuais através de processos naturais característicos de zonas húmidas ( wetlands nas terminologia anglo-saxónica), que ocorrem na vegetação, no solo e nos microrganismos associados. O primeiro sistema de leitos de macrófitas em grande escala construído na Europa entrou em operação em 1974 em Othfresen, na Alemanha. Desde então, mais de 1000 novas instalações foram já construídas por toda a Europa. A tecnologia dos leitos de macrófitas apresenta diversas variantes, dependendo principalmente da forma como a água se escoa através do leito. Uma das formas mais utilizadas é o escoamento horizontal sub-superficial, em que o leito é alimentado numa das extremidades e o efluente se escoa através das camadas porosas sub-superficiais numa trajectória aproximadamente horizontal, até ao dispositivo de saída (VYZAMAL, 2003). Os mecanismos que promovem a melhoria da qualidade do efluente são diversos, designadamente os seguintes (IWA, 2000): Sedimentação da matéria particulada em suspensão; Filtração e precipitação química através do contacto da massa líquida com o substrato e resíduos que compõem o leito; Reacções químicas; Adsorção e trocas iónicas à superfície das plantas, do substrato, dos sedimentos e dos resíduos que se formam; Decomposição, transformação e consumo dos poluentes e nutrientes pelos microrganismos e plantas presentes no leito; Predação e morte natural dos microrganismos patogénicos. Como mais valia adicional ao tratamento de águas residuais, os sistemas de leitos de macrófitas apresentam ainda a vantagem de oferecem habitats a pequenos animais característicos de zonas húmidas, para além da beneficiação da área envolvente, do ponto de vista estético e visual. Na Figura 1 apresenta-se uma vista geral da ETAR com tratamento biológico por leito de macrófitas de fluxo horizontal sub-superficial, localizada junto da povoação de Fataca, no concelho de Odemira. O leito de macrófitas encontra-se implantado a jusante de uma fossa séptica, encontrando-se a ETAR dimensionada para servir uma população de 150 habitantes. O pessoal responsável pela operação da ETAR relatou, em visita ao local, indícios da presença de pequenos animais no interior da ETAR, nomeadamente sapos e lontras. 4

5 Figura 1 Vista geral da ETAR de Fataca, no concelho de Odemira. A aplicação de leitos de macrófitas em ETAR é geralmente associada a pequenas comunidades rurais, por diversos factores, designadamente: relativa facilidade de construção; reduzidos encargos de operação e manutenção; baixa produção de lamas; processo de tratamento relativamente estável, capaz de suportar variações significativas de caudais e cargas poluentes. 2.2 Indicadores de sustentabilidade Os indicadores de sustentabilidade que a seguir se apresentam visam analisar qual o tipo de tratamento desse ponto de vista mais adequado a pequenas comunidades, nomeadamente através da comparação entre a tecnologia de leitos de macrófitas e outras tecnologias convencionais, tais como os leitos percoladores ou as valas de oxidação. Os indicadores de sustentabilidade referem-se a uma relação entre duas variáveis ou parâmetros, por forma a permitir a comparação entre diferentes tipos de tratamento em termos de utilização de recursos, para o mesmo grau de tratamento. Para a definição dos indicadores de sustentabilidade podem intervir, por exemplo, a área necessária para a implantação da ETAR, os consumos energéticos, a potência instalada ou os recursos humanos necessários para a operação do sistema. O interesse associado aos indicadores de sustentabilidade reside na quantificação do desempenho técnico e económico dos sistemas, permitindo uma melhor compreensão das vantagens e benefícios de determinado tipo de tratamento sobre outros, em determinados aspectos. Os dados que serviram de base à análise que a seguir se apresenta foram recolhidos de projectos de execução relativos a ETAR em operação ou a construir, destinadas ao tratamento de águas residuais de origem maioritariamente doméstica. As ETAR seleccionadas localizam-se na região Norte e Centro de Portugal, sendo referentes a populações inferiores a habitantes. No Quadro 1 apresentam-se as principais características de cada ETAR, nomeadamente no que diz respeito à sua localização, população servida e tipo de tratamento biológico. Quadro 1 Principais características das ETAR analisadas. 5

6 ETAR Concelho População servida Tipo de tratamento biológico [e.p.] Travanca do Mondego Penacova 400 Fossa séptica e leito de macrófitas Porto da Raiva 250 Fossa séptica e leito de macrófitas Oliveira Mondego 300 Fossa séptica e leito de macrófitas Coiço 200 Fossa séptica e leito de macrófitas Cunhedo 200 Fossa séptica e leito de macrófitas Silveirinho 150 Fossa séptica e leito de macrófitas Paredes 200 Fossa séptica e leito percolador Cruz do Soito 150 Fossa séptica e leito de macrófitas Castinçal 250 Fossa séptica e leito percolador Parada 200 Fossa séptica e leito percolador S. Paio Mondego 250 Fossa séptica e leito de macrófitas Rebordosa 500 Tanque Imhoff e leito percolador Meimão Sabugal 550 Fossa séptica e leito de macrófitas Vale Sra. da Póvoa Arejamento prolongado e decantador sec. Amiais 650 Fossa séptica e leito de macrófitas Barroca 500 Fossa séptica e leito percolador Silvares Arejamento prolongado e decantador sec. Galifonge Viseu 550 Tanque Imhoff e leito de macrófitas Lustosa 800 Tanque Imhoff e leito de macrófitas Ribafeita 800 Tanque Imhoff e leito de macrófitas Criação Cantanhede Tanque Imhoff e leito de macrófitas No âmbito da presente comunicação foram considerados quatro indicadores de sustentabilidade, designadamente: Área total por habitante servido (m 2 /hab.) Volume de betão por habitante servido (m 3 /hab.) Potência instalada por habitante servido (Kw/hab.) Custos de instalação e construção por habitante servido ( /hab.) 2.3 Apresentação e discussão de resultados Na Figura 2 apresenta-se a relação entre a população servida e a área total da ETAR por habitante, verificando-se, tal como esperado, que os sistemas convencionais requerem áreas menores que os sistemas de leitos de macrófitas. De salientar que os valores para sistemas convencionais variam, em geral, entre 1 a 4 m 2 por habitante para populações inferiores a 2000 habitantes, enquanto que para o mesmo escalão populacional os leitos de macrófitas apresentam áreas entre 4 a 14 m 2 por habitante, ou seja, valores 3 a 5 vezes superiores aos sistemas convencionais. A área total considerada nesta análise inclui áreas de circulação, desidratação de lamas e tratamento primário. 6

7 área total por habitante (m 2 /hab.) 20,00 18,00 16,00 14,00 12,00 10,00 8,00 6,00 4,00 2,00 R 2 = 0,6549 Leitos de macrófitas Sistemas convencionais Log. (Leitos de macrófitas) Expon. (Sistemas convencionais) R 2 = 0,8476 0, população servida Figura 2 Relação entre população servida e área total por habitante. Na Figura 3 apresenta-se a relação entre a população servida e o volume de betão utilizado na construção civil de cada ETAR. Para efeitos de comparação entre sistemas de leitos de macrófitas e sistemas convencionais, quantificaram-se os volumes de betão relativos apenas aos órgãos envolvidos no tratamento, tais como fossas sépticas, tanques Imhoff e leitos percoladores. Figura 3 - Relação entre população servida e o volume de betão utilizado por habitante. Da análise da Figura 3 verifica-se, o que seria perfeitamente expectável, que o volume de betão utilizado em ETAR convencionais é, em média, superior ao utilizado em ETAR com leitos de macrófitas, para a mesma população servida (cerca de 2 a 3 vezes superior). 7

8 Na Figura 4 apresenta-se a relação entre a população servida e a potência instalada por habitante, para cada ETAR em estudo. A potência considerada em cada ETAR refere-se a instalações elevatórias e aos equipamentos de arejamento necessários ao tratamento biológico, incluindo recirculação de lamas ou de efluente, nos casos onde tal foi considerado necessário. potência instalada por habitante (KW/hab.) 0,016 0,014 0,012 0,010 0,008 0,006 0,004 0,002 0,000 Leitos de macrófitas Sistemas convencionais população servida Figura 4 - Relação entre população servida e potência instalada por habitante. Da análise da Figura 4 verifica-se que muitas das ETAR com leitos de macrófitas não necessitam de equipamento electromecânico para garantir o respectivo funcionamento, em particular no caso do escalão populacional até 500 habitantes. Acima deste valor é em regra necessário considerar pequenas instalações elevatórias destinadas à bombagem de lamas produzidas no tratamento primário (tanque Imhoff) para unidades de desidratação (leitos de secagem). No caso das ETAR de leitos de macrófitas de pequena dimensão, constitui prática comum o armazenamento de lamas nas fossas sépticas existentes a montante dos leitos, sendo estas recolhidas periodicamente e posteriormente transportadas para ETAR de maiores dimensões, onde se centraliza o processo de estabilização bacteriológica ou química das lamas. Na Figura 5 apresenta-se a relação entre a população servida e os custos de construção e instalação por habitante, para cada ETAR analisada. Os custos considerados referem-se apenas a custos de investimento dos órgãos de tratamento, não tendo sido incluídos encargos de operação ou manutenção durante o período de vida da obra. 8

9 Figura 5 - Relação entre população servida e o investimento por habitante. Apesar de os dados relativos a ambos os tipos de tratamento se sobreporem parcialmente, as curvas de regressão parecem indiciar que para o escalão populacional inferior a 500 habitantes, as ETAR com leitos de macrófitas podem constituir uma solução de tratamento economicamente mais favorável, em termos de investimento inicial. Os custos relativos às ETAR com sistemas de leitos de macrófitas e às ETAR convencionais parecem aproximar-se, para populações de projecto entre 500 e 1000 habitantes. Para ETAR destinadas a servir populações superiores a 700 habitantes, e para as ETAR em análise, os sistemas de tratamento convencionais apresentam, em média, custos de investimento superiores. Na Figura 6 apresenta-se a relação entre a população servida e o custo do equipamento electromecânico por habitante. Estes custos incluem não só os grupos electrobomba e válvulas, como também, adufas de canal e outros pequenos equipamentos destinados à abertura e encerramento de by-pass, tendo sido igualmente incluídos nos custos totais apresentados na Figura 5. Tal como seria espectável, da análise da Figura 6 verifica-se que as ETAR com sistemas de leitos de macrófitas apresentam, de uma forma geral, custos em equipamento electromecânico inferiores aos dos sistemas convencionais. 9

10 custos de equipamento por habitante (euros/hab.) 160,00 140,00 120,00 100,00 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00 Leitos de macrófitas Sistemas convencionais população servida Figura 6 - Relação entre população servida e o custo de equipamento por habitante. 3. O PROJECTO ICREW Inserido no âmbito da recente remodelação da Directiva Europeia das Águas Balneares, encontra-se actualmente em desenvolvimento o projecto europeu ICREW Improoving Coastal and Recreational Waters for all, destinado à apresentação de estratégias e soluções para a melhoria da qualidade das águas costeiras e recreativas nos países envolvidos: Portugal, Espanha, Irlanda, Reino Unido e França. Este projecto, com duração prevista de 3 anos, foi aprovado no âmbito da iniciativa Atlântica INTERREG III-B Atlantic Area, promovida e financiada pela Comissão Europeia, contando com diversos parceiros portugueses, e desenvolvendo-se em torno de sete acções-piloto, designadamente: Acção-piloto 1 Amostragem de análise de dados; Acção-piloto 2 Resolução do problema da poluição difusa; Acção-piloto 3 Desenvolvimento do rastreamento de fontes de poluição; Acção-piloto 4 Previsão da qualidade das águas balneares; Acção-piloto 5 Reidentificação de águas recreativas; Acção-piloto 6 Soluções sustentáveis de tratamento de águas residuais; Acção-piloto 7 Compreensão e gestão de algas. O Instituto Superior Técnico, através do Centro de Estudos de Hidrossistemas CEHIDRO e a Câmara Municipal de Odemira encontram-se envolvidos na acção-piloto 6, destinada ao estudo das soluções de tratamento mais adequadas para pequenos aglomerados. As actividades a desenvolver contemplam a monitorização do comportamento hidráulico e ambiental de duas ETAR de leitos de macrófitas actualmente em funcionamento no concelho de Odemira, servindo as povoações de Fataca (cuja vista geral se apresenta na Figura 1) e de Malavado. Cada ETAR é composta por uma obra de entrada com gradagem manual, uma fossa séptica de três compartimentos e um leito de macrófitas, tendo a ETAR de Fataca sido dimensionadas para 200 habitantes e a de Malavado para 350 habitantes. 10

11 As campanhas de monitorização englobam a medição contínua de caudais afluentes e efluentes de cada ETAR, a recolha de amostras de efluente em três secções distintas (à entrada, após a fossa séptica e após o leito de macrófitas) e ainda a medição de diversos parâmetros meteorológicos (precipitação, radiação, evapotranspiração), por forma a permitir serem efectuados balanços hidrológicos o mais completos possíveis e ser avaliado o comportamento hidráulico dos sistemas. Do ponto de vista do comportamento ambiental, o programa dá especial ênfase à eficiência em termos de remoção de microrganismos. 4. SÍNTESE CONCLUSIVA A tendência observada no último século relativamente à construção e desenvolvimento de sistemas de drenagem e tratamento de águas residuais tem sido orientada no sentido de soluções envolvendo sobretudo infra-estruturas de betão e aço ( concrete and steel alternatives na terminologia anglosaxónica). Na perspectiva futura de aumento do custo da energia e de recursos e matérias-primas, este tipo de soluções torna-se cada vez menos atractivo, em particular para pequenos aglomerados, em que os custos associados podem atingir valores significativos. Sistemas de tratamento que necessitam de áreas de implantação maiores, mas apresentam custos de operação em energia e pessoal inferiores às soluções convencionais, podem constituir alternativas atractivas para pequenos aglomerados. Em muitas situações, o recurso a leitos de macrófitas para tratamento biológico de efluentes poderá ser realizado com base em processos naturais e de escoamento gravítico, promovendo uma solução com elevada eficiência energética. Adicionalmente, a manutenção necessária a este tipo de sistemas é consideravelmente inferior à dos sistemas convencionais, podendo inclusivamente operar por períodos longos sem intervenção humana. As características apresentadas colocam os leitos de macrófitas como alternativas de tratamento sustentáveis, em particular devido às suas múltiplas funções, baixos custos e reduzidos impactes ambientais que apresentam. Nesta comunicação são apresentados e discutidos indicadores de sustentabilidade para sistemas de tratamento de águas residuais convencionais (baseadas em leitos percoladores e em solução de lamas activadas, variante arejamento prolongado) e para sistemas não convencionais (leitos de macrófitas) relativos a populações servidas inferiores a 2300 habitantes. A informação apresentada diz respeito a vinte e uma ETAR com tratamento secundário, tendo-se analisado indicadores relativos a área total da ETAR, volumes de betão, potência instalada e custos de investimento por habitante servido. As conclusões retiradas da análise efectuada demonstram que uma das principais vantagens do recurso a leitos de macrófitas diz respeito aos reduzidos custos energéticos associados, especialmente relevantes para populações inferiores a 500 habitantes. De acordo com os elementos recolhidos, para a mesma população servida os volumes de betão necessários aos órgãos de tratamento de soluções convencionais é 2 a 3 vezes superior ao das soluções com leitos de macrófitas, onde o recurso ao betão se resume essencialmente aos órgãos de depuração onde tem lugar o tratamento preliminar e primário. Tendo em consideração que em muitos concelhos do país mais de metade dos aglomerados populacionais apresentam populações inferiores a 2000 habitantes, o saneamento destas povoações contribuirá certamente para uma melhoria da qualidade das águas interiores e costeiras do nosso país. 11

12 A participação portuguesa no Projecto ICREW procura contribuir para a definição de estratégias no domínio das soluções sustentáveis de saneamento, analisando não só a situação nacional, mas procurando igualmente tirar partido da troca de experiências com países europeus de características semelhantes. BIBLIOGRAFIA HABERL, R. History of the Use of Constructed Wetlands, in 1 st International Seminar on the Use of Aquatic Macrophytes for Wastewater Treatment in Constructed Wetlands. Fundação Calouste Gulbenkian, Portugal, Maio 2003, pp 12-1, INTERNATIONAL WATER ASSOCIATION - Constructed Wetlands for Pollution Control Processes, Performance, Design and Operation. Scientific and Technical Report Nº 8. IWA Specialist Group on Use of Macrophytes in Water Pollution Control. IWA Publishing, MINISTÉRIO DO AMBIENTE E ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO - Plano Estratégico de Abastecimento de Água e de Saneamento de Águas Residuais. MAOT, Abril MATOS, J.; SANTOS, S. AND DIAS, S. Small Wastewater Systems in Portugal: Challenges, Strategies and Trends for the Future, in International Conference on Small Wastewater Technologies and Management for the Mediterranean Area. Sevilha, March 2002, pp METCALF & EDDY - Wastewater Engineering Treatment, Disposal and Reuse. 4ª Edição, McGraw Hill, New York. VYMAZAL, J. Types of Constructed Wetlands, in 1 st International Seminar on the Use of Aquatic Macrophytes for Wastewater Treatment in Constructed Wetlands. Fundação Calouste Gulbenkian, Maio 2003, pp

TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS

TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS Davide Santos Dep. Eng. Civ. EST/UAlg TRATAMENTO DE EFLUENTES POR PROCESSOS NATURAIS Cláudio Brito RESUMO O presente trabalho tem por objectivo abordar de uma forma sumária os sistemas de tratamento de

Leia mais

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento:

ETAR de Ermesinde e Alfena. Capacidade de Tratamento: Breve descrição do tratamento: ETAR de Ermesinde e Alfena A ETAR de Ermesinde foi projectada para tratar os efluentes urbanos provenientes da zona poente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias de Ermesinde e Alfena. Esta ETAR

Leia mais

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*)

GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS. José dos Santos Santiago (*) GESTÃO, TRATAMENTO E REUTILIZAÇÃO DE EFLUENTES LÍQUIDOS José dos Santos Santiago (*) RESUMO: Apresenta-se, neste artigo, a metodologia a seguir para gerir, tratar a reutilizar os efluentes industriais,

Leia mais

TABELA DE PREÇOS 2014

TABELA DE PREÇOS 2014 TABELA DE PREÇOS 2014 ECODEPUR - Tecnologias de Protecção Ambiental, Lda Urbanização da Chã Av. 21 de Junho, n.º 103 Apartado 8 2435-087 Caxarias PORTUGAL T. +351 249 571 500 F. +351 249 571 501 geral@ecodepur.pt

Leia mais

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário

AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS. SANEAMENTO Aula 23 - Sumário SANEAMENTO Aula 23 - Sumário AULA 23 ÓRGÃOS ESPECIAIS EM SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Sifões invertidos, descarregadores e instalações elevatórias. Saneamento [A23.1] SIFÕES INVERTIDOS (Artº

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA)

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) 0 SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DOMÉSTICAS ECODEPUR SBR (E.T.A.R. COMPACTA) ENQUADRAMENTO A ECODEPUR entende a Concepção/Construção de uma E.T.A.R. como um conjunto integrado de Operações Unitárias

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico

Tratamento Secundário. Tratamento Biológico Tratamento Secundário Tratamento Biológico Tratamentos Biológicos O 2, Elizabeth Duarte Tratamento Secundário Remoção de matéria orgânica biodegradável por processos biológicos 1- Decomposição da matéria

Leia mais

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA

SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAMENTO DO ALGARVE ETAR DA BOAVISTA Paginação.indd 1 10/03/18 16:21 SISTEMA MULTIMUNICIPAL DE SANEAME 1. CONCEPÇÃO DA INFRAESTRUTURA A ETAR da Boavista contempla o tratamento

Leia mais

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento

ETAR de Valongo, Campo e Sobrado. Capacidade de Tratamento: Descrição do Tratamento ETAR de Valongo, Campo e Sobrado A Estação de Tratamento de Águas Residuais de Valongo, Campo e Sobrado foi projectada para tratar os efluentes da zona nascente do Concelho de Valongo, abrangendo as freguesias

Leia mais

2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL. João de Quinhones Levy ( * )

2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL. João de Quinhones Levy ( * ) 2º ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 26 de Maio de 1999 O TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS E A REUTILIZAÇÃO DO EFLUENTE FINAL João de Quinhones Levy ( * ) 1 PROCESSOS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

Leia mais

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA

ANÁLISE EXTERNA ANÁLISE INTERNA 3. DIAGNÓSTICO ESTRATÉGICO Neste último sub-capítulo do diagnóstico procurar-se-ão cruzar as diversas componentes analisadas nos pontos anteriores, numa dupla perspectiva: Análise externa - a avaliação

Leia mais

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA

SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA SIMULAÇÃO MATEMÁTICA DO PROCESSO DE TRATAMENTO BIOLÓGICO DA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS DE PARADA, MAIA Chia-Yau CHENG (1) ; Irina RIBAROVA (2) ; Assunção ABREU (3) RESUMO Apresentam-se nesta

Leia mais

Comportamento Hidráulico e Ambiental de Zonas Húmidas Construídas Para o Tratamento de Águas Residuais

Comportamento Hidráulico e Ambiental de Zonas Húmidas Construídas Para o Tratamento de Águas Residuais Comportamento Hidráulico e Ambiental de Zonas Húmidas Construídas Para o Tratamento de Águas Residuais Dissertação para obtenção do Grau de Doutor em Engenharia do Ambiente Mestre Ana Fonseca Galvão Orientador

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUAS E EFLUENTES: UPGRADE DE FOSSAS SEPTICAS PARA ETAR COMPACTA Ivo BRAGA 1 RESUMO Desde 1987, a AQUAPOR / LUSÁGUA é um dos principais players do mercado na Gestão de Concessões

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL ENERGIN AZÓIA Empresa de Cogeração Industrial, S.A. CENTRAL DE COGERAÇÃO A INSTALAR NA SOLVAY PORTUGAL (PÓVOA DE SANTA IRIA, VILA FRANCA DE XIRA) ESTUDO DO IMPACTE AMBIENTAL RESUMO NÃO TÉCNICO Maio de

Leia mais

A ETAR da Ponta. Pág. 1 de 6

A ETAR da Ponta. Pág. 1 de 6 A ETAR da Ponta A Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da Ponta, localizada na encosta poente do Pico Ana Ferreira, junto ao açude da Ponta, trata todas as águas residuais domésticas da ilha

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II

III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA. 19 de Maio de 2000 TOMO II III ENCONTRO TÉCNICO PONTA DELGADA 19 de Maio de 2000 TOMO II ÍNDICE Pág. 1 Introdução... 1 2 Caracterização de uma Água... 2 3 Legislação... 3 3.1 Disposições Gerais... 3 3.2 Águas Doces Superficiais

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

A experiência da gestão directa

A experiência da gestão directa Gestão da Água em meio urbano no quadro regional, caminho para o futuro? A experiência da gestão directa Modelos de Gestão atuais, as diferentes visões e os resultados atuais. Caracterização do Concelho

Leia mais

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB

Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB Avaliação da Eficiência Inicial de Wetlands Construídos no Pós-Tratamento de Reator UASB 3 rd International Workshop: Advances in Cleaner Production Vitor Cano (Bolsista FAPESP) Bianca Gomes (Bolsista

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade Conferência Nacional do projeto SUSTAIN Promover a Sustentabilidade Local das Comunidades Costeiras A melhoria da qualidade da água balnear no Concelho de Cascais, um fator decisivo para a sustentabilidade

Leia mais

SISTEMAS DE SANEAMENTO BÁSICO - TENTATIVA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

SISTEMAS DE SANEAMENTO BÁSICO - TENTATIVA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS SISTEMAS DE SANEAMENTO BÁSICO - TENTATIVA DE RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Ana Maria do C. S. MONTEIRO 1 ; João Carlos DAMASCENO 2 RESUMO O bom funcionamento dos sistemas de elevação e de tratamento de águas

Leia mais

Dissertação para obtenção de Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente

Dissertação para obtenção de Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Sistemas Simplificados de Saneamento de Águas Residuais Abordagem Integrada Lara Andreia Tavares do Espírito Santo Dissertação para obtenção de Grau de Mestre em Engenharia do Ambiente Júri Presidente:

Leia mais

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima

Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Análise da Qualidade das Águas Superficiais de Ponte de Lima Afonso M. P. R. BARBOSA; Eng.º Civil, Águas do Minho e Lima S.A., Ed. do Instituto dos Socorros a Náufragos, 4900-370, Viana do Castelo, 258810401,

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro

Anexo III. Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro Quantificação das Descargas na Ria de Aveiro ÍNDICE INTRODUÇÃO 1 1. Descrição Geral das Descargas 2 2. Canal Principal ou Espinheiro 3 2.1. Caudal 4 2.2. Propriedades da Água 7 3. Canal da Murtosa 16 3.1.

Leia mais

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt

levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt FUNCIONAMENTO DAS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS LIXIVIANTES E ACÇÕES PARA A SUA BENEFICIAÇÃO Levy 1, João de Quinhones; Santana 2, Carla levy@cesur.civil.ist.utl.pt ; csantana@civil.ist.utl.pt 1 Professor

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA CONSERVAÇÃO DA ÁGUA EM LISBOA PELA VALORIZAÇÃO DOS EFLUENTES LÍQUIDOS DAS SUAS ETAR Amílcar AMBRÓSIO (1) ;Ana AMBRÓSIO DE SOUSA (2) RESUMO A Câmara Municipal de Lisboa, na previsão

Leia mais

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015

Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Reabilitar Portugal, 12 de Fevereiro 2015 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos presentes

Leia mais

850. PROTECÇÃO DO AMBIENTE

850. PROTECÇÃO DO AMBIENTE INSTITUTO DO EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Área de Formação: 8. PROTECÇÃO DO AMBIENTE Itinerário de Qualificação: 801. OPERAÇÃO DE SISTEMAS AMBIENTAIS Saída(s) Profissional(is):

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE UMA CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LAMAS MISTAS NA ETAR DE COIMBRA

INTEGRAÇÃO DE UMA CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LAMAS MISTAS NA ETAR DE COIMBRA INTEGRAÇÃO DE UMA CENTRAL DE COMPOSTAGEM DE LAMAS MISTAS NA ETAR DE COIMBRA Érica G. Castanheira (1) ; Paula Fernandes (2) ; Célia M. D. Ferreira (3) (1) Bairro do Abrunhós 3300-016 Arganil, Portugal,

Leia mais

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4

VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL, ARQUITETURA E GEORRECURSOS VALÊNCIAS AMBIENTAIS EM ENGENHARIA (VAE) (2ºano MEAmbi) Mestrado Integrado em Engª do Ambiente (2015/2016) Sala QA1.4 SISTEMAS DE ABASTECIMENTO

Leia mais

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO

A Influência da Indústria em Meio Urbano. Metodologia de Estudo. Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A Influência da Indústria em Meio Urbano Metodologia de Estudo Sara Capela, Luísa Carrilho, Carlos Pedro Ferreira RESUMO A metodologia de avaliação da influência da indústria na qualidade do ar em meio

Leia mais

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS

II-008 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS II-8 - LEITOS CULTIVADOS ( CONSTRUCTED WETLAND ): COMPARAÇÃO ENTRE VALORES OBTIDOS PARA UMA MESMA VAZÃO AFLUENTE EM ÉPOCAS DISTINTAS Marcelus Alexander Acorinte Valentim (1) Mestre em Engenharia Agrícola

Leia mais

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes

BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: GESTÃO DA ÁGUA E SISTEMAS DE DRENAGEM. Carla Rolo Antunes BOAS PRÁTICAS AMBIENTAIS NA RECUPERAÇÃO DE PEDREIRAS: Carla Rolo Antunes Recuperação DL nº 270/2001, 6 out. 2001 (DL nº 340/2007, 12 out. 2007) normas para projeto, exploração, encerramento e desativação

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações

XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações Livro de actas do XI Congresso Nacional de Engenharia do Ambiente Certificação Ambiental e Responsabilização Social nas Organizações 20 e 21 de Maio de 2011 Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Leia mais

FOSSA ESTANQUE DESENHO TÉCNICO DADOS TÉCNICOS. Modelo. (mm) (mm) (mm) (mm) (mm) (l) (mm) FEH - 1000 FEH - 2000 FEH - 3000 110/160 FEH - 5000 110/160

FOSSA ESTANQUE DESENHO TÉCNICO DADOS TÉCNICOS. Modelo. (mm) (mm) (mm) (mm) (mm) (l) (mm) FEH - 1000 FEH - 2000 FEH - 3000 110/160 FEH - 5000 110/160 FOSS ESTNQUE DESENHO TÉNIO Horizontal Vertical Dp DDOS TÉNIOS Modelo V (l) FEH - 1000 1000 1150 1650 1020 940 FEH - 2000 2000 1480 1790 1355 1265 FEH - 3000 3000 1560 2100 1475 /160 1370 FEH - 5000 5000

Leia mais

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS

SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS SISTEMA DE LODOS ATIVADOS 1 2 INTRODUÇÃO Processo biológico no qual o esgoto afluente e o lodo ativado são intimamente misturados, agitados e aerados (tanque de aeração) ocorrendo a decomposição da matéria orgânica pelo metabolismo

Leia mais

Contribuição para o estudo dos efeitos do conteúdo de fossas sépticas no dimensionamento de reactores biológicos de sistemas de lamas activadas

Contribuição para o estudo dos efeitos do conteúdo de fossas sépticas no dimensionamento de reactores biológicos de sistemas de lamas activadas Departamento de Ciências e Engenharia do Ambiente Contribuição para o estudo dos efeitos do conteúdo de fossas sépticas no dimensionamento de reactores biológicos de sistemas de lamas activadas Ana Rita

Leia mais

Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX.

Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX. Oxigénio a essência da vida. Tratamento aeróbio de águas residuais com SOLVOX. Redução da eficiência nas estações de tratamento de águas residuais? Corrosão nas tubagens sob pressão de águas residuais?

Leia mais

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão.

CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. CRITÉRIOS GERAIS DE PROJECTO DE ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS PARA REGA. Aplicação à estação elevatória do Alfundão. Sofia AZEVEDO; Vitor PAULO Sofia AZEVEDO Ph.D., Agricultural Engineering & Water Resources, Campo

Leia mais

SITUAÇÃO ACTUAL DA GESTÃO DO REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS DO MUNICÍPIO DE LOURES

SITUAÇÃO ACTUAL DA GESTÃO DO REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS DO MUNICÍPIO DE LOURES SITUAÇÃO ACTUAL DA GESTÃO DO REGULAMENTO DE DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS INDUSTRIAIS DO MUNICÍPIO DE LOURES Ana M. da MATA(1); Carlos M. MARTINS(2); Maria Cristina CORTEZ(3) RESUMO Faz-se uma breve caracterização

Leia mais

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77

As áreas temáticas visadas na construção da síntese de diagnóstico apresentam-se no Quadro 2.77 2.7 síntese de diagnóstico A síntese de diagnóstico perspectiva desenhar a realidade insular de Santa Maria materializada em indicadores-chave, permitindo estabelecer a situação de referência no que concerne

Leia mais

Universidade da Beira Interior

Universidade da Beira Interior Universidade da Beira Interior DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CONTRIBUIÇÃO PARA O ESTUDO DA REMOÇÃO DE RESIDUAIS DE CARBONO EM FILTROS BIOLÓGICOS DE LEITO IMERSO E FLUXO DESCENDENTE António João Carvalho

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

11 Sistemas de lodos ativados

11 Sistemas de lodos ativados 11 Sistemas de lodos ativados Inglaterra, 1914 Processo biológico que envolve massa ativada de microrganismo em suspensão capazes de estabilizar o esgoto em ambiente aeróbio. http://meioambientedjc.blogspot.com.br/2011/10/ete-tratamento-secundario.html

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS

SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS SISTEMAS DE DRENAGEM DE ÁGUAS RESIDUAIS Evolução Histórica dos Sistemas Saneamento I - 1 Evolução Histórica dos Sistemas Saneamento I - 2 Setúbal canecos à porta para recolha de excreta Lisboa colectores de cascões, ou rateiros Fim Séc. XIX

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA

GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA GIBDQA: GESTÃO INTEGRADA DE BASES DE DADOS DA QUALIDADE DA ÁGUA Sandra CARVALHO 1, Pedro GALVÃO 2, Cátia ALVES 3, Luís ALMEIDA 4 e Adélio SILVA 5 RESUMO As empresas de abastecimento de água gerem diariamente

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014

E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 E.S.T. Barreiro Barreiro, 15 de Dezembro 2014 Quem somos Cultura de empresa enraizada e com 90 anos de história 2 300 Colaboradores em todo o mundo Facturação de 450 M de Euros Anuais Quem somos Estamos

Leia mais

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1

Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 v1.4-300312 -281011 Fossas Sépticas, TIPO ECODEPUR De acordo com a Norma EN12566-1 APRESENTAÇÃO As Fossa Séptica, tipo ECODEPUR, são recipientes estanques, destinados ao armazenamento de águas residuais

Leia mais

Universidade de Aveiro

Universidade de Aveiro Universidade de Aveiro Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Director de Curso: Prof.ª Doutora Ana Isabel Couto Miranda Objectivos: A Licenciatura em Engenharia

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

10 Redes de infra-estruturas. 10.1 Sistema de saneamento da cidade de Lisboa. Evolução da Rede de Drenagem desde 1990

10 Redes de infra-estruturas. 10.1 Sistema de saneamento da cidade de Lisboa. Evolução da Rede de Drenagem desde 1990 10 Redes de infra-estruturas 10.1 Sistema de saneamento da cidade de Lisboa Evolução da Rede de Drenagem desde 1990 Breve descrição Com o objectivo de interceptar os esgotos da cidade de Lisboa, A CML

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever

Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Águas do Douro e Paiva SA O novo ciclo da água Complexo de Lever Página 1 Complexo de Lever é responsável pelo abastecimento de água a mais de 1,4 O milhões de habitantes de 13 municípios Accionistas da

Leia mais

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica.

Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. GESTÃO DE ACTIVOS Palavras-chave: Prioritização de Investimentos; Gestão de Activos; Matriz Multicritério; Rede de Distribuição; Sistema de Informação Geográfica. A EPAL caracteriza-se por ser uma empresa

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT

CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NBR-12.209 ABNT CÂMARA TEMÁTICA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS NORMA BRASILEIRA PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDRAULICO SANITÁRIOS DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS NBR-12.209 ABNT Eduardo Pacheco Jordão, Dr.Eng.

Leia mais

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v.

Salher Ibérica, S. L. Salher Guadalajara Salher Portugal Salher Polska Salher France Salher México S.A.c.v. www.salher.com Quem Somos -A SALHER é uma empresa de origem espanhola, fundada em 1980. -Por mais de 30 anos, a SALHER teve como principal objectivo o fabrico e desenvolvimento de sistemas de depuração

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE UMA ETE TIPO AERAÇÃO PROLONGADA COM BASE EM TRÊS ANOS DE MONITORAMENTO INTENSIVO Marcos von Sperling (*) Carla Maria Vasconcellos Fróes Departamento de Engenharia Sanitária e

Leia mais

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA

TÉCNICOS. CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA TÉCNICOS CURSO de TÉCNICAS DE GESTÃO DE ENERGIA A utilização racional de energia (URE) visa proporcionar o mesmo nível de produção de bens, serviços e níveis de conforto através de tecnologias que reduzem

Leia mais

Intelligent Regulation. oxigenação em ETAR

Intelligent Regulation. oxigenação em ETAR Ferramentas inovadoras para a optimização e eficiência energética em tratamento e transporte de águas e águas residuais 2011.03.25 Fernando Coelho Sumário 1. Breve enquadramento 2. OPIR - Optimal Production

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2013-2016

Grandes Opções do Plano 2013-2016 Grandes Opções do Plano 2013-2016 Plano Plurianual de Investimentos 2013-2016 O Grupo Águas de Portugal apresentou aos Municípios do Oeste, no segundo semestre de 2009, as possibilidades de constituição

Leia mais

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas

o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas o seu parceiro em tecnologias e soluções de tratamento de águas OS DESAFIOS DA IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE REUTILIZAÇÃO DE ÁGUAS RESIDUAIS EM PORTUGAL ÉVORA 2012 Who we are CASO PRÁTICO 1 (piloto) REUTILIZAÇÃO

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES

ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES ÁGUAS RESIDUAIS URBANAS E INDUSTRIAIS COM CARACTERÍSTICAS EQUIVALENTES TECNOLOGIAS DE TRATAMENTO 1. CARACTERÍSTICAS QUALITATIVAS... 1 1.1 - Identificação... 1 1.2 - Determinação...2 1.3 - Notas importantes

Leia mais

Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia 25-02-2014.

Neste trimestre, a instalação não cumpriu por uma vez os coliformes fecais, na amostra do dia 25-02-2014. JUSTIFICAÇÕES AOS INCUMPRIMENTOS OCORRIDOS NO 25º TRIMESTRE DE ATIVIDADE JANEIRO A MARÇO DE ETAR da Fonte Quente ETAR da Fonte Quente Jan-14 Fev-14 Mar-14 Abr-14 Mai-14 Jun-14 Jul-14 Ago-14 Set-14 Out-14

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

EXPLORAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS

EXPLORAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS EXPLORAÇÃO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS RESIDUAIS José dos Santos Santiago Engenheiro do Ambiente/Sanitarista Ecoserviços- Gestão de Sistemas Ecológicos, Lda. Av. Manuel da Maia, 32, 1º, 1000 Lisboa

Leia mais

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas

Sector do Meio Ambiente. Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Sector do Meio Ambiente Armazenamento, transporte, tratamento e reutilização de águas Pág. 2 Introdução Rotomoldagem é um grupo de empresas que se dedica à transformação de polímeros. Estamos inseridos

Leia mais

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013

ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 1 9 ALVARÁ DE LICENÇA PARA A REALIZAÇÃO DE OPERAÇÕES DE GESTÃO DE RESÍDUOS Nº 5/2013 (S00537-201301) Nos termos do Artigo 33º. do Decreto-Lei n.º 178/2006, com a redação conferida pelo Decreto- Lei n.º

Leia mais

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213

ECODEPUR DEPURWASH. Sistema de Tratamento e. Reciclagem de Águas de Lavagem. v1.2-200213 ECODEPUR DEPURWASH Sistema de Tratamento e v1.2-200213 Reciclagem de Águas de Lavagem ENQUADRAMENTO A água potável é um bem cada vez mais escasso, e deverão ser efectuados todos os esforços para preservar

Leia mais

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

PROGRAMA DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA USP de Concelho A. Identificação da Zona Balnear Zona Balnear Identificada: Zona Balnear (cod.) (designação) Bandeira Azul Praia Acessível (ano de atribuição) (ano de atribuição) Identificação do local

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre

Leia mais

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com

Saneamento I Tratamento de água. Eduardo Cohim edcohim@gmail.com Saneamento I Tratamento de água Eduardo Cohim edcohim@gmail.com 1 Concepção de sistemas de abastecimento de água Estação de tratamento ETA Conjunto de unidades destinado a tratar a água, adequando suas

Leia mais

II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO

II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO 19/15 II.2. CARACTERIZAÇÃO FÍSICA E DE FUNCIONAMENTO Os indicadores apresentados neste relatório são acompanhados de uma explicação sobre a metodologia de cálculo e um quadro informativo da Origem dos

Leia mais

III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais. Prof. Doutor João de Quinhones Levy

III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais. Prof. Doutor João de Quinhones Levy III - Novas Tecnologias para o Tratamento das Águas Residuais Prof. Doutor João de Quinhones Levy NOVAS TECNOLOGIAS PARA O TRATAMENTO DAS ÁGUAS RESIDUAIS João de Quinhones Levy (*) 1 - INTRODUÇÃO Nesta

Leia mais

O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE

O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE O ESTADO ECOLÓGICO COMO CRITÉRIO PARA A GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS DE SUPERFÍCIE Simone PIO Bolseira de Investigação, Universidade do Minho, Departamento de Engenharia Civil, Campus Azurém, Guimarães,

Leia mais

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas

5.2 Material da tubagem: AA_PVC de 10kg/cm2; ARD_PVC de 6kg/cm2; AP_Manilhas de betão pré-fabricadas A) Abastecimento de Água + Drenagem de Águas Residuais Domésticas + Drenagem de Águas Pluviais 1. Requerimento (*) 2. Termo de responsabilidade (*): 2.1 Independente por especialidade apresentada 2.2 Legislação

Leia mais