FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR ADAPTADO ÀS COMUNIDADES GEOGRAFICAMENTE ISOLADAS. SELEÇÃO DE ALTERNATIVA ADEQUADA ÀS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DO BAIXO RIO MADEIRA, ESTADO DE RONDÔNIA AMAZÔNIA AYRI SARAIVA RANDO PIRACICABA DEZEMBRO/2007

2 FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA ESCOLA DE ENGENHARIA DE PIRACICABA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR ADAPTADO ÀS COMUNIDADES GEOGRAFICAMENTE ISOLADAS. SELEÇÃO DE ALTERNATIVA ADEQUADA ÀS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DO BAIXO RIO MADEIRA, ESTADO DE RONDÔNIA AMAZÔNIA AYRI SARAIVA RANDO Monografia elaborada por exigência da disciplina de Estágio Supervisionado, sob supervisão do Prof. Dr. Sérgio Arnosti Júnior, orientação do Hamilton Modesto Rigato e co-orientação do Sérgio Hornink. PIRACICABA DEZEMBRO/2007

3 AYRI SARAIVA RANDO Curso de Engenharia Ambiental Escola de Engenharia de Piracicaba SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMICILIAR ADAPTADO ÀS COMUNIDADES GEOGRAFICAMENTE ISOLADAS. SELEÇÃO DE ALTERNATIVA ADEQUADA ÀS COMUNIDADES RIBEIRINHAS DO BAIXO RIO MADEIRA, ESTADO DE RONDÔNIA AMAZÔNIA Aprovado em: Comissão Julgadora: MSc. Hamilton Modesto Rigato ONG NAPRA Sr. Sérgio Hornink CETESB Prof. Dr. Sérgio Arnosti Júnior EEP/FUMEP Msc. Hamilton Modesto Rigato Orientador

4 Dedico este trabalho aos meus pais, Pedro Rando Neto e Valdelice Sousa Saraiva Rando, velhos guerreiros e meus ídolos. Tal resultado é todo nosso.

5 AGRADECIMENTOS Agradeço intensamente à força suprema que rege o Universo. Aos meus pais, Pedro e Nice pela paciência, carinho, amizade e convivência durante toda a minha vida. Ao meu irmão Aury por todos os acontecimentos vivenciados juntos. Ao meu orientador Sérgio Hornink pelo aprendizado que me propicia cotidianamente, tanto no aspecto profissional quanto no aspecto humano. Ao meu orientador Hamilton M. Rigato e demais amigos do Projeto NAPRA pela oportunidade de crescimento e de evolução interior. Às comunidades ribeirinhas do Baixo Rio Madeira, Estado de Rondônia, pela simpatia, receptividade, atenção e pelo fantástico conhecimento que possuem. Aos técnicos da EMATER RO, Clébio e Glaucilene, pelo apoio, parceria e pela amizade construída. Aos amigos da minha sala de aula, com os quais compartilhei diversas experiências durante os últimos cinco anos Lucas, David, Paulo, Érico, Bruno, Elizabethe. À Dona Maria de Bauru, grande exemplo de como viver com alegria e simplicidade. À Thatiana, também de Bauru, pela compreensão e companheirismo demonstrados. À equipe do programa Pira 21 da rádio Educativa FM, Luiz Xavier, Álvaro França, Paulo Arruda, Luiz Ângelo Castilho, Fábio e Sérgio Hornink novamente (este último merece agradecimento em dose dupla). Enfim, agradeço todas as pessoas que não foram citadas, mas que de alguma maneira contribuíram comigo em determinados momentos da minha existência.

6 LISTA DE TABELAS TABELA 1. Inconvenientes do lançamento in natura de esgoto nos corpos d água TABELA 2 Comparação dos dados levantados entre os anos de atuação TABELA 3. Composição do esgoto doméstico TABELA 4. Elementos químicos que compõem o esgoto doméstico TABELA 5. Características químicas dos esgotos domésticos brutos TABELA 6. Estimativa de eficiência esperada nos diversos níveis de tratamento incorporados numa estação de tratamento de esgoto TABELA 7. Estimativa da eficiência de uma fossa séptica TABELA 8. Dimensões de fossas sépticas TABELA 9. Materiais para montagem da fossa séptica biodigestora da EMBRAPA TABELA 10. Ferramentas para montagem da fossa séptica biodigestora da EMBRAPA... 59

7 LISTA DE FIGURAS FIGURA 1. Localização do Estado de Rondônia e das três unidades de conservação presentes na área de atuação do projeto NAPRA... 6 FIGURA 2. Localização destacada das três unidades de conservação presentes na área de atuação do projeto NAPRA... 7 FIGURA 3. Foto de satélite situando algumas das comunidades ribeirinhas do Baixo Rio Madeira... 7 FIGURA 4. Disposição do esgoto sanitário ao ar livre ou a céu aberto, em São Carlos do Jamari FIGURA 5. Lançamento de água servida proveniente das pias da cozinha do alojamento, em São Carlos do Jamari FIGURA 6. Vista aproximada do lançamento de água servida proveniente das pias da cozinha do alojamento, em São Carlos do Jamari FIGURA 7. Destinação dos resíduos sólidos em São Carlos do Jamari, antes dos mesmos serem queimados FIGURA 8. Local de bombeamento de água de poço artesiano e, ao fundo, a fossa da escola FIGURA 9. Visualização geral da fossa da escola FIGURA 10. Vista, em planta, da saída dos efluentes oriundos do vaso sanitário, da água da pia e da água do chuveiro do banheiro da escola FIGURA 11. Representação gráfica sobre a ocorrência de parasitoses FIGURA 12. Fluxograma típico do tratamento preliminar FIGURA 13. Esquema de fossa séptica de câmara única FIGURA 14. Esquema de fossa séptica FIGURA 15. Esquema de localização adequada de uma fossa séptica FIGURA 16. Esquema de visualização de um sistema de fossa e sumidouro FIGURA 17. Representação de sumidouro sem inclinação FIGURA 18. Corte referente ao filtro anaeróbio FIGURA 19. Fluxograma típico de um sistema de fossa séptica seguida por filtro anaeróbio FIGURA 20. Fluxograma típico de um sistema de infiltração lenta (por aspersão) FIGURA 21. Fluxograma típico de um sistema de infiltração rápida com percolação para a água subterrânea FIGURA 22. Fluxograma típico de um sistema de infiltração subsuperficial convencional FIGURA 23. Fluxograma característico de um sistema de escoamento superficial FIGURA 24. Sistema de reciclagem composto por filtros mistos e plantas aquáticas FIGURA 25. Filtro para reciclagem de águas cinzas e negras FIGURA 26. Pedra sanitária implantada em mutirão na região de atuação do projeto Saúde e Alegria FIGURA 27. Modelo indiano de biodigestor... 54

8 LISTA DE FIGURAS FIGURA 28. Construção de biodigestor na ABRA FIGURA 29. Composição de fossa séptica biodigestora FIGURA 30. Vista lateral do círculo sem plantas FIGURA 31. Vista lateral do círculo com plantas FIGURA 32. Vista, em planta, do círculo de bananeiras FIGURA 33. Colóquio realizado na Associação dos Moradores, Produtores e Amigos do distrito de Nazaré FIGURA 34. Perfuração do solo para passagem do encanamento FIGURA 35. Perfuração do solo para colocação dos pilares FIGURA 36. Fixação dos pilares e das plataformas pronta FIGURA 37. Senhor Francisco e Ayri nos ajustes finais fazendo ajustes na drenagem interna do filtro lento FIGURA 38. Filtro lento praticamente pronto FIGURA 39. Ajustes finais nos encanamentos do sistema FIGURA 40. Bebedouro comunitário pronto FIGURA 41. Visualização da composteira construída no fundo das dependências da EMATER FIGURA 42. Visualização, por outro ângulo, da mesma composteira construída no fundo das dependências da EMATER FIGURA 43. Construção do círculo de bananeiras para destinação da água servida proveniente do tanque de lavar roupas da Igreja FIGURA 44. Conclusão do círculo de bananeiras para destinação da água servida proveniente do tanque de lavar roupas da Igreja FIGURA 45. Construção do círculo de bananeira para disposição da água servida oriunda das pias da cozinha do alojamento FIGURA 46. Outra etapa da construção do círculo de bananeira para disposição da água servida oriunda das pias da cozinha do alojamento FIGURA 47. Composteira para o tratamento dos resíduos sólidos orgânicos gerados pela equipe do projeto NAPRA FIGURA 48. Composteira para o tratamento dos resíduos sólidos orgânicos gerados pela equipe do projeto NAPRA, vista por outro ângulo FIGURA 49. Ilustração referente à planta do sistema proposto, sem escala FIGURA 50. Ilustração pertinente ao corte AA do sistema proposto, sem escala... 85

9 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA Breve Histórico do Saneamento no Mundo Contextualização da Região do Baixo Rio Madeira Local de atuação Justificativa do projeto engenharia e saúde Educação Popular O Esgoto Sanitário Origem e destino Características físicas do esgoto Composição química e biológica do esgoto sanitário Sistemas para Tratamento de Esgoto Domiciliar Tratamento de esgoto domiciliar unifamiliar Fossa séptica com sumidouro Fossa séptica biodigestora Tratamento de esgoto domiciliar para pequenas comunidades Fossa séptica, seguida de filtro anaeróbia e com posterior lançamento do efluente em corpos hídricos superficiais Fossa séptica com posterior disposição do efluente no solo Permacultura Filtros biológicos Círculo de bananeiras Experiências de tratamento de esgoto domiciliar na Amazônia Pedra sanitária do projeto saúde e alegria Tratamento de esgoto existente em ecovila situada na Amazônia MATERIAL E MÉTODOS Etapa Anterior à Expedição à Amazônia Expedição à Amazônia Etapa Posterior à Expedição à Amazônia RESULTADOS E DISCUSSÕES Atendimento ao Projeto Engenharia e Saúde Distrito de Nazaré Distrito de São Carlos do Jamari Seleção de Sistema de Tratamento de Esgoto Domiciliar CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 87

10 RESUMO Nos meses de julho de 2006 e julho de 2007 o autor deste projeto esteve trabalhando nas comunidades ribeirinhas da região do Baixo Rio Madeira, situadas no Estado de Rondônia e localizadas dentro do território da Amazônia. Tal trabalho foi feito juntamente com a Organização Não Governamental NAPRA (Núcleo de Apoio às Populações Ribeirinhas da Amazônia). Durante este período de permanência foram notados alguns pontos fundamentais que se relacionam com a saúde da população local e, conseqüentemente, com a qualidade de vida desta mesma. Os pontos citados são os seguintes: disposição inadequada do esgoto domiciliar e dos resíduos sólidos, além da indisponibilidade de distribuição de água tratada. Assim sendo, o tema desta proposta justifica-se no sentido de desenvolver um estudo para seleção de um sistema ou de uma forma de disposição do esgoto domiciliar, que leve em conta as condições da região e que seja viável para comunidades geograficamente isoladas. Tal projeto visa mostrar algumas possibilidades para a implementação de sistema de tratamento de esgoto unifamiliar e para pequenas comunidades isoladas, ou seja, em áreas sem facilidades de obtenção de materiais e tecnologias, tipo: fossa séptica com sumidouro, filtro anaeróbio, tratamento em solo, biodigestores, filtros biológicos, lagoas e outros. Foram analisadas suas vantagens e desvantagens, obtendo argumentos para seleção de sistema conveniente para a área em foco, além de atender as ações propostas pelo Projeto Engenharia e Saúde da instituição mencionada.

11 ABSTRACT Within months of July of 2006 and July of 2007 the author of this project has been working with riverside communities of low Madeira River, sited in the State of Rondonia and situated within the Amazon State. Such work was done together with the Non Governmental Organization named as NAPRA (Organization for the Support and Development of the Riverside Communities in the Amazon Rainforest). During that period of permanence, some fundamental points were noticed, which are related to the health conditions of the local population and, as a result, to its life quality. The cited points are as follows: inadequate discard of domiciliary sewer and solid waste, as well as the lack of treated water distribution. In this way, the object of this proposal justifies itself in order to develop a study to select a system or a mean of domiciliar sewer disposition, which would take in account local conditions, and which would be practicable for geographically isolated communities. Such project aims to show some possibilities of unifamiliar sewer treatment system implementation, as well as for small communities, that is, regions where there are no obtention facilities for materials and technologies, such as septical cesspools with catchment basin, anaerobial filters, soil treatments, biodigestors, biological filters, lakes and others. Its advantages and disavantages have been analysed, arguments for the selection of the most convenient system for each region have been obtained, as well as actions proposed by the Project of Engineering and Health have been attended.

12 3 1. INTRODUÇÃO O Projeto NAPRA (Núcleo de Apoio à População Ribeirinha da Amazônia) é uma entidade privada sem fins lucrativos, constituída com a finalidade de apoiar o desenvolvimento de populações ribeirinhas residentes na Bacia Hidrográfica do Baixo Rio Madeira, Estado de Rondônia e de propiciar uma formação diferenciada aos estudantes e profissionais voluntários, no sentido de promover a responsabilidade social e ambiental. Esta complementação da formação ocorre durante todo o ano no processo de elaboração do projeto e a prática, para os selecionados, acontece na atuação junto às comunidades ribeirinhas durante os meses de julho de cada ano. Algumas das comunidades atendidas são: São Carlos do Jamari, Nazaré, Itacoã, Curicacas, Papagaios, Cuniã e comunidades do Rio Preto, Rio Machado e Rio Jamari. A ONG (Organização Não Governamental) NAPRA é formatada para atuar em três áreas: Saúde, Educação/Cultura, e Produção/Desenvolvimento. Atualmente, a equipe é composta de profissionais e alunos dos cursos de: Odontologia, Medicina, Fisioterapia, Enfermagem, Psicologia, Biologia, Direito, Engenharia de Produção, Engenharia Ambiental, Educação Física, Ciências Sociais, etc provenientes de diversas Universidades, tais como: UFSCar, USP, EEP, UNICAMP, UNICASTELO, PUCCAMP, FAMECA-FPA, UNICID, UNIMEP, dentre outras. Dentre os principais problemas destas comunidades, pode-se citar a dificuldade de acesso à saúde básica e à educação, as condições precárias de infra-estrutura, a dificuldade de acesso à informação e de geração de renda. Um dos projetos atuais da área de Saúde é o projeto denominado Engenharia e Saúde, o qual é concebido para uma atuação conjunta entre as áreas de saúde, produção, e educação. Visa ainda, criar soluções simplificadas de engenharia que colaborem para a melhoria das condições de infra-estrutura e saneamento local e, conseqüentemente, para a prevenção de doenças freqüentes nas comunidades. Tais condições influenciam tanto na promoção de saúde como na melhoria da perspectiva de vida dos ribeirinhos, que é essencial para a conservação ambiental. Pretende-se criar uma ampla diversidade de aplicações, que desafiarão os estudantes da área de Engenharia do NAPRA a propor soluções eficientes e sustentáveis com o intuito de proporcionar melhoria na qualidade de vida da população. Para tanto é necessário conhecer o contexto local, propondo soluções simples e de fácil operacionalização e manutenção. Em

13 4 longo prazo, será possível avaliar os benefícios proporcionados na prevenção de doenças e na re-aplicabilidade do projeto em outras regiões. Os aspectos multidisciplinares do projeto tendem a proporcionar intervenções adequadas às populações locais, sendo que para o ano de 2007, devem ser propostas soluções para o tratamento comunitário da água e do esgoto gerado e a disposição dos resíduos sólidos (lixo). O projeto Engenharia e Saúde justifica-se pelo fato da Saúde ser um dos principais problemas encontrados nas comunidades ribeirinhas do Baixo Rio Madeira, onde tais comunidades não possuem infra-estrutura referente ao saneamento básico. A partir de 1996, levantamentos médicos de equipes do Projeto NAPRA constataram que as doenças mais freqüentes enfrentadas pela comunidade são: hanseníase, malária, infecções do trato respiratório (pneumonias e tuberculose) e urinário, anemias, leishimaniose, parasitoses (em alto índice), doenças ginecológicas e de pele. As doenças parasitárias foram encontradas de maneira acentuada: parasitoses intestinais e ectoparasitas. Percebe-se que muitas das doenças mencionadas acima são pertinentes à falta de saneamento. O objetivo deste trabalho é selecionar um sistema de tratamrento de esgoto doméstico para comunidades ribeirinhas da localidade já mencionada. Tal seleção deve abordar aspectos técnicos, financeiros, ambientais, sociais, culturais, culminando com a aceitação da comunidade e a integração ao conjunto de atividades propostas pelo Projeto Engenharia e Saúde da entidade em questão. Existem algumas alternativas para o tratamento dos esgotos, tais como: disposições de esgotos no solo; lagoa facultativa; lagoa anaeróbia + lagoa facultativa; lagoas de maturação; lagoa aerada + lagoa de sedimentação de lodo; sistema de lodos ativados convencional; tanque séptico; tanque séptico + filtro anaeróbio; fossa séptica com sumidouro; fossa séptica biodigestora; sistema de fossas; fossa-filtro com lançamento em corpos hídricos ou com disposição no solo; soluções biológicas abordadas pela Permacultura; e outras. A hipótese é que o sistema mais adequado para as comunidades ribeirinhas seria um destes últimos, ou fossa séptica com sumidouro; ou fossa séptica biodigestora; ou sistema de fossas; ou fossa-filtro com lançamento em corpos hídricos ou com disposição no solo; ou soluções biológicas abordadas pela Permacultura.

14 5 2. REVISÃO DE LITERATURA 2.1. Breve Histórico do Saneamento no Mundo Nos tempos mais remotos, desde que os homens começaram a se assentar em cidades, a coleta das águas servidas, que hoje, chama-se de esgoto sanitário, passava a ser uma preocupação daquelas civilizações. Em 3750 a.c., eram construídas galerias de esgotos em Nipur (Índia) e na Babilônia. Em 3100 a.c. já se tem notícia do emprego de manilhas cerâmicas para esta finalidade (AZEVEDO NETTO, 1984). Na Roma Imperial, eram feitas ligações diretas das casas até os canais, porém, por se tratar de uma iniciativa individual de cada morador, nem todas as casas apresentavam estas benfeitorias (METCALF E EDDY, 1977). A história registra, entre os anos de 1345 e 1349, uma terrível pandemia de peste bubônica na Europa, com 43 milhões de vítimas fatais, numa época em que a população mundial não chegava aos 400 milhões. Sabe-se hoje que a peste bubônica é transmitida por pulgas infectadas por ratos, o que demonstra que a limpeza não era exatamente um atributo daquelas populações. Um outro exemplo é o crescimento populacional em algumas cidades inglesas no século XIX e as ocorrências trágicas de epidemias neste período (NUVOLARI et al, 2003). Em Londres (Inglaterra), somente a partir de 1815 os esgotos começaram a ser lançados em galerias de águas pluviais; em Hamburgo (Alemanha), a partir de 1842, e em Paris (França), a partir de 1880, originando o chamado sistema unitário (METCALF E EDDY, 1977). Concomitantemente, em 1872 na França, Jean Louis Mouras descobre as vantagens de se acumular o lodo dos esgotos em um tanque, antes de lançá-lo numa fossa absorvente; surge o tanque séptico ( ANDRADE NETO, 1997). O sistema separador absoluto, caracterizado pela construção de canalizações exclusivas para os esgotos, foi concebido em 1879 e implantado pela primeira vez na cidade de Memphis no Tenessee, EUA (AZEVEDO NETTO et al, 1973). Nas cidades brasileiras, salvo alguns casos isolados, somente a partir da década de 1970 começou a ocorrer um maior avanço na área do saneamento. No entanto, em 1933, o engenheiro J. P. de Jesus Netto, funcionário da Repartição de Águas e Esgotos de São Paulo, apresentou um estudo no qual demonstrava a intensa degradação das águas do Rio Tietê,

15 6 tendo utilizado a estiagem ocorrida naquele ano para fazer tal alerta (NUVOLARI et al, 2003). Hoje, apesar de várias cidades brasileiras já contarem com Estações de Tratamento de Esgoto, a grande maioria nem coleta e nem trata seus esgotos. Fatalmente terão que fazê-lo, sob pena de ficarem sem mananciais de água apropriada para abastecimento público e amargarem sérios problemas de saúde pública (NUVOLARI et al, 2003) Contextualização da Região do Baixo Rio Madeira Local de atuação O local selecionado para a aplicação do Projeto Engenharia e Saúde foram as comunidades de Nazaré e de São Carlos do Jamari, ambas consideradas distritos do município de Porto Velho e distantes aproximadamente 130 Km e 100 Km deste mesmo município, respectivamente. As Figuras 1, 2 e 3 ilustram a localização destas duas comunidades. Figura 1 Localização do Estado de Rondônia e das 3 Unidades de Conservação presentes na área de atuação do projeto NAPRA. Fonte: Carta Patrocínio 2007 do Projeto NAPRA.

16 7 Figura 2 - Localização destacada das 3 Unidades de Conservação presentes na área de atuação do projeto NAPRA. Fonte: Carta Patrocínio 2007 do Projeto NAPRA. Figura 3 Foto de satélite situando algumas das comunidades ribeirinhas do Baixo Rio Madeira. Fonte: Carta Patrocínio 2007 do Projeto NAPRA.

17 8 É importante ressaltar que as comunidades onde o NAPRA atua localizam-se no entorno ou dentro das áreas da Reserva Extrativista do Cuniã (RESEX Cuniã), da Estação Ecológica do Cuniã (ESEC Cuniã) e da Floresta Nacional Jacundá (FLONA Jacundá), todas, Unidades de Conservação (UCs) Justificativa do projeto Engenharia e Saúde A História tem demonstrado que a permanência do ser humano, em determinada região, tem sido relacionada com as disponibilidades das fontes de energia necessárias à sua subsistência. Estas fontes de energia existem sob diversas formas, como a luz solar, o ar, a água e o alimento. A água assume importância primordial, já que é responsável pela existência de comunidades próximas às suas fontes e, devido à eficiência no seu consumo não ser total, como conseqüência, resulta desta utilização vários tipos de resíduos, por exemplo, o esgoto e o lixo. Ressalte-se que, igualmente relevante, é a necessidade de afastar ou condicionar os resíduos gerados pelo organismo e pela própria comunidade no uso dos recursos hídricos. Segundo JORDÃO E PESSOA (1975), a poluição inclui qualquer alteração das propriedades físicas, químicas ou biológicas, da água, do ar, e do solo, causada por substâncias que: criem condições nocivas à saúde, à segurança, e ao bem-estar individual e coletivo; prejudiquem a fauna e a flora; contenham resíduos de presença desagradável quanto ao aspecto estético; e prejudiquem a água, o solo e o ar em sua utilização domiciliar, industrial, recreativa, navegação, etc. Uma comunidade reduz a sua qualidade de vida quando o agravamento das condições de poluição leva aquelas fontes de energia a estados impuros, quase irreversíveis, ou economicamente inviáveis. Com o intuito de conservação, as comunidades passaram a estabelecer procedimentos de defesa denominados sistemas de controle de poluição, sistemas de aproveitamento de energia, e os sistemas de saneamento, tais como: sistemas de abastecimento de água, sistemas de esgotos sanitários, sistemas de limpeza urbana, sistemas de processamento de alimento, e sistemas de controles de emissão atmosférica (JORDÃO E PESSOA, 1975). Abaixo, é oportuno destacar duas definições da Organização Mundial de Saúde (OMS):

18 9 Saúde é um estado de completo bem-estar físico, mental e social e, não apenas a ausência de doença ou enfermidade (DACACH, 1990). Saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do Homem que exercem ou podem exercer efeito deletério sobre seu bem-estar físico, mental, ou social (JORDÃO E PESSOA, 1975). A falta de condições adequadas de saneamento pode contribuir para a proliferação de inúmeras doenças parasitárias e infecciosas, além da degradação do corpo da água. A disposição adequada dos esgotos é essencial para a proteção da saúde pública (DEDINI, 2003). Epidemias de febre tifóide, cólera, disenterias, hepatite infecciosa e inúmeros casos de verminoses algumas das doenças que podem ser transmitidas pela disposição inadequada dos esgotos são responsáveis por elevados índices de mortalidade em países do terceiro mundo ou em desenvolvimento. As crianças são suas vítimas mais freqüentes, uma vez que a associação destas doenças à subnutrição é, geralmente, fatal. A elevação da expectativa de vida e a redução da prevalência das verminoses que, via de regra, não são letais, mas desgastam o ser humano, somente podem ser pretendidas através da correta destinação dos esgotos (DEDINI, 2003). Dados do Ministério da Saúde revelam que a falta de água tratada e de esgoto sanitário comprometem fortemente a saúde da população e cerca de 75% das internações hospitalares estão relacionadas à falta de saneamento básico e, consequentemente, com doenças transmitidas pela água como diarréia, hepatite, salmonelose e cólera (Cartilha Fossa Séptica Biodigestora da EMBRAPA). Outra importante razão para tratar os esgotos é a preservação do meio ambiente. As substâncias presentes nos esgotos exercem ação deletéria nos corpos de água: a matéria orgânica pode causar a diminuição da concentração de oxigênio dissolvido provocando a morte de peixes e outros organismos aquáticos, escurecimento da água e exalação de odores desagradáveis; é possível que os detergentes presentes nos esgotos provoquem a formação de espumas em locais de maior turbulência da massa líquida; defensivos agrícolas determinam a morte de peixes e outros animais. Há ainda, a possibilidade de eutrofização pela presença de nutrientes, provocando o crescimento acelerado de algas que conferem odor, gosto e biotoxinas à água (CETESB, 1988). Quando o esgoto sanitário é lançado in natura nos corpos hídricos, ou seja, sem o devido tratamento prévio, se não houver um equilíbrio entre as vazões do esgoto lançado e do corpo receptor, pode-se ocasionar em sérios prejuízos à qualidade desta água, afetando assim,

19 10 a sobrevivência dos seres de vida aquática, emissão de gases, possibilidade de contaminação dos seres humanos e demais seres vivos pelo consumo ou contato com tal água. A tabela 1 demonstra as conseqüências deste tipo de lançamento. Tabela 1 - Inconvenientes do lançamento in natura de esgoto nos corpos d água. Matéria orgânica solúvel Elementos potencialmente tóxicos Cor e turbidez Nutrientes Materiais refratários Óleos e graxas Ácidos e Álcalis Materiais em suspensão Provoca a depleção (diminuição ou mesmo a extinção) do oxigênio dissolvido, contido na água dos rios e estuários. Mesmo tratado, o despejo deve estar na proporção da capacidade de assimilação do curso d água. Algumas dessas substâncias podem ainda causar gosto e odor às fontes de abastecimento de água. Ex. Fenóis Ex.: cianetos, arsênio, cádmio, chumbo, cobre, cromo, mercúrio, molibdênio, níquel, selênio, zinco, etc. Apresentam problemas de toxidade (a partir de determinadas concentrações), tanto às plantas quanto aos animais e ao homem, podendo ser transferidos através da cadeia alimentar. Indesejáveis do ponto de vista estético. Exigem maiores quantidades de produtos químicos para o tratamento desta água. Interferem na fotossíntese das algas nos lagos (impedindo a entrada de luz em profundidade). Principalmente nitrogênio e fósforo, aumentam a eutrofização dos lagos e dos pântanos. Inaceitáveis nas áreas de lazer e recreação. Aos tratamentos; ex: ABS (alquil-benzeno-sulfurado). Formam espumas nos rios; não são removidos nos tratamentos convencionais. Os regulamentos existentes exigem, geralmente, sua completa eliminação. São indesejáveis esteticamente e interferem com a decomposição biológica (os microorganismos, responsáveis pelo tratamento, geralmente morrem se a concentração de óleos e graxas for superior a 20 mg/l). A neutralização é exigida pela maioria dos regulamentos; dependendo dos valores de ph do líquido há interferência com a decomposição biológica e com a vida aquática. Formam bancos de lama nos rios e nas canalizações de esgoto. Normalmente provocam decomposição anaeróbica da matéria orgânica, com liberação de gás sulfídrico (cheiro de ovo podre) e outros gases malcheirosos. Temperatura elevada Poluição térmica que conduz ao esgotamento do oxigênio dissolvido no corpo d água (por abaixamento do valor de saturação) Fonte: JORDÃO E PESSOA (1995) A saúde pública é um dos grandes problemas enfrentados pelas comunidades ribeirinhas situadas na região do Baixo Rio Madeira. Um dos agravantes é a falta de saneamento básico nas mesmas e, consequentemente, a ocorrência de inúmeras parasitoses.

20 11 A destinação do esgoto domiciliar é, na maioria dos casos, feita ao ar livre (ou a céu aberto ) ou em fossas negras. Outro fator primordial a ser observado é a distância mínima que deve existir entre as fossas e os poços artesianos, a qual é recomendada 20 metros. Além disso, os resíduos sólidos gerados pela população são lançados em valas abertas e, posteriormente, são queimados. Nas Figuras 4, 5 e 6 encontram-se as disposições do esgoto sanitário e, na Figura 7, exemplifica a destinação dos resíduos sólidos na comunidade de São Carlos do Jamari. Figura 4 Disposição do esgoto sanitário ao ar livre ou a céu aberto, em São Carlos do Jamari.

21 12 Figura 5 Lançamento de água servida proveniente das pias da cozinha do alojamento, em São Carlos do Jamari.

22 13 Figura 6 Vista aproximada do lançamento de água servida proveniente das pias da cozinha do alojamento, em São Carlos do Jamari.

23 14 Figura 7 Destinação dos resíduos sólidos em São Carlos do Jamari, antes dos mesmos serem queimados. Já, na comunidade de Nazaré, ressalta-se a existência de um poço artesiano à aproximadamente 10 metros da fossa da escola. Na seqüência, a Figura 8 destaca o local do bombeamento de água retirada deste poço artesiano e, nas Figuras 9 e 10, respectivamente, situam-se a fossa da escola e a saída dos efluentes.

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos.

Professor Antônio Ruas. 1. Créditos: 60 2. Carga horária semanal: 4 3. Semestre: 2 4. Introdução ao estudo dos esgotos. Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: Saneamento Básico e Saúde Pública Aula 7 Professor Antônio Ruas 1. Créditos: 60 2. Carga

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO

ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SERVIÇO AUTÔNOMO DE ÁGUA E ESGOTO BANDEIRANTES (PR) Av. Com. Luiz Meneghel, 992 - fone/fax (043) 542-4566 e.mail - saaeban@ffalm.br - CGCMF 75624478/0001-91 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO Elaborado por:

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa

PROTEÇÃO AMBIENTAL. Professor André Pereira Rosa PROTEÇÃO AMBIENTAL Professor André Pereira Rosa ALTERAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS CARACTERÍSTICAS DAS IMPUREZAS 99,9 % 0,1 % Esgotos Sólidos Poluição tratamento Impurezas justificam a instalação de ETE

Leia mais

AULA 11: Tratamento de Efluentes

AULA 11: Tratamento de Efluentes Centro Universitário da Zona Oeste Curso: Tecnologia em Produção de Fármacos e Farmácia Período: 5 período Disciplina: Microbiologia Industrial Professora: Sabrina Dias AULA 11: Tratamento de efluentes

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios

Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários para Pequenos Municípios Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfica do Alto Rio Jacuí - COAJU III Seminário Estadual sobre os Usos Múltiplos da Água Erechim, 30 de julho de 2010 Sistemas Compactos de Tratamento de Esgotos Sanitários

Leia mais

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto

SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Esgoto SAAE Serviço autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Esgoto Aracruz, junho de 2006 1 1. Tecnologias de tratamento O tratamento biológico é a forma mais eficiente de remoção da matéria orgânica

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS

SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE ESGOTOS SANITÁRIOS SISTEMA DE Definição Conjunto de obras e instalações destinadas a propiciar a coleta, transporte, tratamento e disposição final das águas residuárias da comunidade, de uma forma adequada do ponto de vista

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO Sólidos ph Matéria Orgânica(MO) Nitrogênio Total Fóforo Total PARÂMETROS QUÍMICOS DO ESGOTO ph Potencial

Leia mais

Poluição Poluição da água

Poluição Poluição da água POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição e contaminação da água Definição Introdução de resíduos na forma de matéria ou energia, de modo a torná-la prejudicial ao homem e a outras formas de vida, ou imprópria para um

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

Engº. Gandhi Giordano

Engº. Gandhi Giordano Processos físico-químicos e biológicos associados para tratamento de chorume Engº. Gandhi Giordano Professor Adjunto do Departamento de Engª Sanitária e Meio Ambiente da UERJ Diretor Técnico da TECMA Tecnologia

Leia mais

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar

Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar Poluição da Água Poluição da água é qualquer alteração de suas propriedades físicas, químicas e biológicas, que possa implicar em prejuízo à saúde, à segurança e ao bem estar das populações, causar danos

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS

CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 CARACTERIZAÇÃO QUALITATIVA DOS ESGOTOS 1 2 COMPOSIÇÃO Função dos usos a qual a água é submetida e forma com que são exercidos. Variação com o clima Situação social e econômica Hábitos da população Água: 98 99,9 % Sólidos: 2 0,1 % Esgoto SÓLIDOS

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Impacto do lançamento de efluentes nos

Leia mais

Apostila Tratamento de Esgoto

Apostila Tratamento de Esgoto Apostila Tratamento de Esgoto Estação de Tratamento de Mulembá - Vitória MISSÃO "Prestar serviços de abastecimento de água e esgotamento sanitário de forma sustentável, buscando a satisfação da sociedade,

Leia mais

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia)

POLUIÇÃO DE CORPOS D ÁGUA (Acqua Engenharia) Princípios da Depuração Biológica de Esgotos e Águas Residuárias Industriais Índice 1 - Introdução 2 - A Poluição por Compostos Orgânicos 3 - Principais Indicadores da Matéria Orgânica 3.1 - DBO - Demanda

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Química das Águas - parte 2

Química das Águas - parte 2 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 2 - Parâmetros de qualidade das águas Definições Importância Métodos analíticos Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF 1º período de 2015 Recapitulando...

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte

Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte Tratamento de Efluentes Líquidos e Sólidos Primeira Parte A população brasileira obtém água bruta principalmente por meio de origens superficiais, ou seja, rios e lagos, tratada para tornar-se adequada

Leia mais

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1

PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 PARÂMETROS QUALITATIVOS DA ÁGUA EM CORPO HÍDRICO LOCALIZADO NA ZONA URBANA DE SANTA MARIA RS 1 TATSCH, R. O. C 2, AQUINO, J. P. N 3 ; SWAROWSKY, A 4 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA 2 Curso de Engenharia:

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA NOVEMBRO/97 N 16 TRATAMENTO DE ESGOTO: TECNOLOGIAS ACESSÍVEIS 1. Introdução No Brasil, 49% do esgoto produzido é coletado através de rede e somente

Leia mais

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim

CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL. Prof. Camila Costa de Amorim CEA 026 GESTÃO AMBIENTAL Prof. Camila Costa de Amorim INTRODUÇÃO Atividades humanas Utilização dos recursos naturais Consumo de Energia Geração de Efluentes Líquidos Geração de Poluentes Atmosféricos Geração

Leia mais

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um

Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível. ambiente natural, bem como induzir condições em um POLUIÇÃO DA ÁGUA Poluição da água é a introdução de partículas estranhas ao Quantidade de água disponível ambiente natural, bem como induzir condições em um determinado curso ou corpo de água, direta

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O.

LODOS ATIVADOS. Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS Profa. Margarita María Dueñas O. LODOS ATIVADOS São os flocos produzidos num esgoto bruto o decantado pelo crescimento de bactérias ou outros microorganismos, na presença de oxigênio dissolvido

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL

INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 INFLUÊNCIA DAS CONDIÇÕES OPERACIONAIS DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO NA ANÁLISE DE FÓSFORO TOTAL Hugo Renan Bolzani 1, Sandro Rogério Lautenschlager

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio

TRATAMENTO DA ÁGUA. Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio TRATAMENTO DA ÁGUA Professora: Raquel Malta Química 3ª série - Ensino Médio Água poluída: água inadequada para beber ou para fazer nossa higiene. Diversas substâncias naturalmente presentes na água são

Leia mais

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE

DELTA AMBIENTAL Grupo Delta Vinil Estações Compactas de Tratamento de Esgotos Sanitários. Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE Estações Compactas de Tratamento de Esgoto - ECTE 1) APRESENTAÇÃO A Delta Ambiental oferece diversas opções de, com o intuito de poder adequar a melhor solução em termos de custo/benefício para cada situação

Leia mais

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015

Projeto Heróis da Água Fase III - 2014/2015 O projeto O Projeto Heróis da Água é promovido pela EMAS de Beja e pela Câmara Municipal de Beja, enquadra-se na área da sensibilização e educação ambiental. O projeto mantem-se pelo 3.º ano e continua

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água

02/08/2015. Padrões de potabilidade TRATAMENTO DA ÁGUA. Tratamento da água. Tratamento da água. Tratamento da água Padrões de potabilidade A água própria para o consumo deve obedecer certos requisitos: TRATAMENTO DA ÁGUA Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL

Leia mais

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro

Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Copasa obtém resultados eficientes no tratamento de esgoto em Serro Inaugurada há pouco mais de 3 anos, Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) garante melhorias na qualidade da água do córrego Lucas, que

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional

Box 1. Doce < 0,5 Salobra 1,0 a 4,0 salgada > 5,0. Tratamento simplificado Tratamento convencional QUALIDADE DAS ÁGUAS Box 1 O conselho nacional do meio ambiente, CONAMA, baixou a Resolução n 20, de 5 de junho de 1986, que classifica as águas doces, salobras e salinas do Brasil, Tabela 1, estabelecendo

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Engº Ricardo de Gouveia SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS Engº Ricardo de Gouveia SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Tratamento Secundário Tratamento Terciário SEQÜÊNCIA TÍPICA Tratamento Primário Grades ou Peneiras

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil

Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos adotados no Brasil Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Associação das Empresas de Saneamento Básico Estaduais - AESBE Eficiência de remoção de DBO dos principais processos de tratamento de esgotos

Leia mais

Manual Prático Saneamento Básico Residencial

Manual Prático Saneamento Básico Residencial Manual Prático Saneamento Básico Residencial 2 Presidente da República Presidente Luiz Inácio Lula da Silva Ministro da Cultura Gilberto Gil Moreira Presidente Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico

Leia mais

"Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão"

Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão "Instalação de Estações de Tratamento de Esgotos por Zona de Raízes em Estabelecimentos Agrícolas Familiares na Bacia Hidrográfica Rio Mourão" Mostra Local de: Campo Mourão Categoria do projeto: I Projetos

Leia mais

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície

Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Tratamento de Efluentes: fundamentais no setor de tratamento de superfície Além de uma análise técnica bastante interessante sobre a importância do tratamento de efluentes no nosso setor, feito por um

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL Carla Gracy Ribeiro Meneses (1) Engenheira Civil/UFRN, 1998; mestranda do Programa

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água

SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto. Sistemas de Tratamento de Água SAAE Serviço Autônomo de Água e Esgoto Sistemas de Tratamento de Água Aracruz, junho de 2006 1. Processos de tratamento de Água: Todos gostamos de ter água potável sem nenhuma contaminação, sem cheiro

Leia mais

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes

Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Tratamento de Efluentes e Destinação dos Resíduos de Ensaios por Líquidos Penetrantes Sinopse Descrição de descarte dos resíduos originados dos ensaios por líquidos penetrantes por meio de processo físico

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração

Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração Resíduos Sólidos: A Classificação Nacional e a Problemática dos Resíduos de Ampla e Difusa Geração 01/33 Apresentação do Instrutor: Eduardo Fleck *Engenheiro Químico UFRGS, 1990; **Mestre em Engenharia

Leia mais

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos

SANEAMENTO BÁSICO. Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos - Dejectos SANEAMENTO BÁSICO Remoção e Tratamento de Resíduos = Dejectos = Módulo de Saneamento Disciplina de Enfermagem em Saúde Comunitária III Curso

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES

REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES REUSO DE ÁGUA A PARTIR DE EFLUENTE TRATADO TÉCNICAS E INOVAÇÕES OBTER ÁGUA DE REUSO DE BOA QUALIDADE COMEÇA POR UM SISTEMA TRATAMENTO DE ESGOTOS DE ALTA PERFORMANCE TRATAMENTO PRIMÁRIO: CONSISTE NA SEPARAÇÃO

Leia mais

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES

PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES PRAIA LIMPA É A NOSSA CARA. TRATAMENTO BIOLÓGICO DE EFLUENTES Cartilha 1 - Série Educação Ambiental Uma prática para o bem de todos EXPEDIENTE Projeto Educação Ambiental Cartilha 1 - Série Educação Ambiental

Leia mais

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados)

Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Sistema de Tratamento de Esgoto Sanitário. Mostra Local de: Araruna Categoria do projeto: III Projetos finalizados (projetos encerrados) Nome da Instituição/Empresa: Empresa Máquinas Agrícolas Jacto S/A,

Leia mais

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br

PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES. www.comambio.com.br PROPOSTA DE MELHORIA EM TRATAMENTO DE ESGOTO E REGULARIZAÇÃO DE DESCARTES www.comambio.com.br Bióloga Resp.: HANY SAHLE - CRBIO 43312/01-D COMAM BIORREMEDIAÇÃO EMPRESA - COMAM Industria, Comercio e Serviços

Leia mais

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água)

Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) QUÍMICA ANALÍTICA AMBIENTAL 1º período de 2013 LEMBRETES Aula 7 (17/06): Não haverá aula (ENCI) Aula 8 (24/06): 1º seminário (artigo sobre Água) Prof. Rafael Sousa Departamento de Química UFJF Dicas para

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O.

CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS. Profa. Margarita Maria Dueñas O. CARACTERIZAÇÃO QUANTITATIVA DE ESGOTOS E CARGAS POLUIDORAS Profa. Margarita Maria Dueñas O. CONTEÚDO Introdução e conceitos Vazão de esgoto Vazão doméstica Consumo de água Consumo per cápita de água Faixas

Leia mais

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta

De acordo com uma notícia dada pela Gazeta A U A UL LA Poluição da água Deu no jornal De acordo com uma notícia dada pela Gazeta Mercantil, de 11/01/94, o excesso de efluentes industriais e de esgoto doméstico lançados no leito do rio Iririú, em

Leia mais

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009

Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 Caderno de Provas Engenharia Sanitária Edital Nº. 04/2009-DIGPE 10 de maio de 2009 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA Use apenas caneta esferográfica azul ou preta. Escreva o seu nome completo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS LAGOAS DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL TANCREDO NEVES (PASSA CINCO). MUNICÍPIO DE PONTE NOVA - MG Lucas Mattos Martins (*), Guilherme Resende Tavares,

Leia mais

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000

SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 TUCUNARÉ 32000 SISTEMA COMPACTO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO EM PLÁSTICO REFORÇADO /COMPÓSITO TUCUNARÉ 32000 EEA Empresa de Engenharia Ambiental Ltda. OWENS CORNING AMÉRICA LATINA RIO CLARO-SP Cuidando do Meio Ambiente

Leia mais

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001%

Distribuição da água no planeta. Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% ÁGUA Distribuição da água no planeta Oceanos - 97,50% Geleiras - 1,979% Águas Subterrâneas - 0,514% Rios e Lagos - 0,006% Atmosfera - 0,001% Distribuição da água no mundo 70% agricultura 22% indústria

Leia mais

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes

Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia. Tratamento Biológico de Efluentes Curso de Pós-Graduação Lato Sensu em Biotecnologia Tratamento Biológico de Efluentes DISPOSIÇÃO FINAL DE RESÍDUOS # em corpos d água # na rede pública de esgotos # no solo # no mar # em poços profundos

Leia mais

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários;

III - disciplinar a implantação adequada e o funcionamento dos sistemas de coleta, tratamento e disposição de esgotos sanitários; PROJETO DE: EMENDA À LEI ORGÂNICA LEI COMPLEMENTAR LEI ORDINÁRIA RESOLUÇÃO NORMATIVA DECRETO LEGISLATIVO ( X ) Nº /2013 AUTOR/SIGNATÁRIO: Ver. GILBERTO PAIXÃO EMENTA: Dispõe sobre os serviços e obras para

Leia mais

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde!

Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE. Saneamento é saúde! Apoio PROJETO TRATA BRASIL NA COMUNIDADE Saneamento é saúde! Ordem na casa! Proteger o meio ambiente é dever de todos. E começar pelo saneamento pode ser uma boa alternativa Você já deve ter ouvido falar

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no

Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no DZ - 205.R-5 DIRETRIZ DE CONTROLE DE CARGA ORGANICA EM EFLUENTES LIQUIDOS DE ORIGEM INDUSTRIAL NOTAS: Revisão aprovada na CECA pela Deliberação nº 2491 de 05.10.91, publicada no D.O.E.R.J. de 24.10.91.

Leia mais

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II

PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II PARECER TÉCNICO PROPOSTA DE REUSO DE ESGOTOS TRATADOS PELA USINA DE GERAÇÃO DE ENERGIA CARIOBA II Autores: Ivanildo Hespanhol José Carlos Mierzwa São Paulo, 24 de maio de 2.001 Lienne Carla Pires 2 Índice

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna

Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos Profa. Samara Monayna RESÍDUOS LÍQUIDOS Dejetos humanos podem ser veículos de várias doenças, por isso devem ficar longe de: Seres humanos; Vetores; Águas de

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais