Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos. Profa. Samara Monayna"

Transcrição

1 Gerenciamento de Resíduos Líquidos e Sólidos Profa. Samara Monayna

2 RESÍDUOS LÍQUIDOS Dejetos humanos podem ser veículos de várias doenças, por isso devem ficar longe de: Seres humanos; Vetores; Águas de abastecimento; Alimentos Importância da disposição correta e tratamento dos dejetos: Prevenção de doenças; Preservação da fauna e flora : evitar contaminação de solos e mananciais de abastecimento Redução do custo no tratamento de água

3 ESGOTO SANITÁRIO Somente 55,2% dos municípios brasileiros possuem rede coletora de esgoto (PNSB, 2008); Destes, somente 68% realizam o tratamento do esgoto sanitário coletado.

4 ORIGEM DO ESGOTO SANITÁRIO

5 ESGOTO SANITÁRIO Definição: Termo usado para as águas que, após a utilização humana, apresentam as suas características naturais alteradas. Compoem se de águas de banho de banho, excretas, restos de comida, etc.

6 COMPOSIÇÃO DOS ESGOTOS Varia com o clima e classe social; 99,9 % água; Matéria orgânica: restos de alimentos e excretas Matéria inorgânica: areia

7 CARACTERÍSTICAS DOS ESGOTOS Odor: gás sulfídrico; Vazão doméstica do esgoto é calculada em função do consumo médio diário de água de um indivíduo: 80% da água consumida

8 COMPONENTES DOS ESGOTOS Esgoto Doméstico (Q ED ) COMPONENTES DO ESGOTO SANITÁRIO Águas de Infiltração (Q INF ) Resíduos líquidos industriais tratados (Q IND ) Lançamentos Clandestinos* (ESGOTO DOMÉSTICO) (ÁGUA DO SUBSOLO) (EFLUENTE INDUSTRIAL) (LIGAÇÃO CLANDESTINA)

9 SISTEMAS URBANOS DE COLETA SISTEMAS DE COLETA SISTEMA DE ESGOTAMENTO UNITÁRIO: - TODA ÁGUA RESIDUÁRIA É LANÇADA EM UMA MESMA REDE. (Ex: PARIS).

10 SISTEMAS URBANOS DE COLETA SISTEMA SEPARADOR ABSOLUTO: - ESGOTOS DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS SÃO TOTALMENTE SEPARADOS DAS ÁGUAS PLUVIAIS (SISTEMA UTILIZADO NO BRASIL). SISTEMA PÚBLICO DE ESGOTO SANITÁRIO: ESGOTO DOMÉSTICO E NDUSTRIAL; SISTEMA DE DRENAGEM URBANA: ÁGUAS PLUVIAIS.

11 SISTEMA SEPARADOR ABSOLUTO - Redes de Esgotos Água pluvial - Galerias de águas pluviais Esgoto sanitário

12 SISTEMAS URBANOS DE COLETA POR QUE SEPARAR?? ESGOTOS DOMÉSTICOS E INDUSTRIAIS: DEVEM SER COLETADOS E ENCAMINHADOS PARA AS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE); ÁGUAS PLUVIAIS: ENCAMINHADAS DIRETAMENTE PARA RIOS E CÓRREGOS.

13 COLETA DO ESGOTO SANITÁRIO EM LOCAIS ONDE EXISTE A COLETA DE ESGOTO: a)sistema PREDIAL b) REDE COLETORA LOCAL: O ESGOTO DOMICILIAR É LIGADO AS REDES COLETORAS DE PEQUENO DIÂMETRO (100 A 400 mm), QUE PASSAM JUNTO AO MEIO FIO DAS RUAS.

14 COLETA DO ESGOTO SANITÁRIO COLETORES TRONCO: AS REDES COLETORAS LOCAIS SÃO LIGADAS AOS COLETORES TRONCO. DIÂMETRO MÉDIO (400 A mm). INTERCEPTADORES: SÃO TUBULAÇÕES MAIORES QUE RECEBEM OS ESGOTOS DOS COLETORES TRONCO (1,5 A 4,5 m DE DIÂMETRO) E OS ENCAMINHAM PARA AS ESTAÇÕES DE TRATAMENTO. POÇOS DE VISITAS: INSPEÇÃO. ESTAÇÃO ELEVATÓRIAS: PROFUNDADES ELEVADAS.

15 COLETA DO ESGOTO SANITÁRIO ESTAÇÃO ELEVATÓRIAS

16 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO ESQUEMA DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO (ETE).

17 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO UNIDADES DE UMA ETE: a) GRADEAMENTO NESTA UNIDADE OCORRE A REMOÇÃO DOS SÓLIDOS GROSSEIROS. EXISTEM GRADES GROSSEIRAS (espaços de 5 a 10 cm), MÉDIAS (2 a 4 cm) E FINAS (1 a 2 cm). GRADEAMENTO GROSSEIRO (ETE - Asa Sul)

18 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO a) GRADEAMENTO GRADEAMENTO MÉDIO (ETE - Asa Sul) MATERIAL GRADEADO

19 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO b) DESARENAÇÃO REMOCÃO DA AREIA POR SEDIMENTAÇÃO. DESARENADOR (ETE - Asa Sul)

20 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO AREIA REMOVIDA (ETE - Asa Sul)

21 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO C) MEDIDOR DE VAZÃO: CALHA PARSHAL: MAIS UTILIZADO GERALMENTE É NESTA ETAPA QUE OCORRE A INSERÇÃO DE COAGULANTES QUÍMICOS.

22 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO c) DECANTAÇÃO PRIMÁRIA PERMITE QUE OS SÓLIDOS EM SUSPENSÃO SEDIMENTEM GRADUALMENTE NO FUNDO DO DECANTADOR, QUE PODE SER CIRCULAR OU RETANGULAR. A MASSA DE SÓLIDOS RETIDA É DENOMINADA LODO PRIMÁRIO. DECANTADOR PRIMÁRIO (ETE - Asa Sul)

23 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DECANTADOR PRIMÁRIO (ETE - Asa Sul)

24 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO d) TANQUE DE AERAÇÃO NESTE TANQUE HÁ INJEÇÃO DE AR PARA PROMOVER A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA POR MICRORGANISMOS AERÓBIOS TRATAMENTO BIOLÓGICO. TANQUE DE AERAÇÃO (ETE - Asa Sul)

25 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO VISTA GERAL DO TRATAMENTO BIOLÓGICO (ETE - Asa Sul)

26 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO e) DECANTADOR SECUNDÁRIO O LODO SEDIMENTADO NO DECANTADOR SECUNDÁRIO RETORNA AO TANQUE DE AERAÇÃO PARA SUPRI- LO COM QUANTIDADE SUFICIENTE DE MICRORGANISMOS. O EFLUENTE LÍQUIDO PODE SER DESCARTADO NO CORPO RECEPTOR SE OS PADRÕES DE LANÇAMENTO FOREM DECANTADOR SECUNDÁRIO (ETE - Asa Sul) ATINGIDOS.

27 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO EFLUENTE FINAL

28

29 TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ETAPAS DO PROCESSO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS: PRÉ-TRATAMENTO (PRELIMINAR): GRADEAMENTO E DESARENADOR; TRATAMENTO PRIMÁRIO: ATÉ DECANTADOR PRIMÁRIO; TRATAMENTO SECUNDÁRIO: ATÉ DECANTADOR SECUNDÁRIO; TRATAMENTO TERCIÁRIO: NECESSÁRIO EM ALGUMAS SITUAÇÕES. ENGLOBA REMOÇÃO DE NUTRIENTE (FILTRAGEM EM AREIA, LAGOAS DE POLIMENTO) E DESINFECÇÃO.

30 TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ALGUMAS ETE S UTILIZAM AS CHAMADAS LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO. DESENHO ESQUEMÁTICO DE UM SISTEMA AUSTRALIANO DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

31 ETE-MORRINHOS (GO) ANAERÓBIA + FACULTATIVA + MATURAÇÃO

32 Sistemas individuais para tratamento e disposição final de esgoto E NOS LOCAIS ONDE NÃO EXISTE COLETA NEM TRATAMENTO DE ESGOTO??? Utilização de Sistemas Individuais de Tratamento e Disposição de esgoto (SITDE) pela população carente de rede coletora de esgoto: Sem transporte hídrico Com transporte hídrico

33 Sistemas individuais para tratamento e disposição final de esgoto (SITDE) Sem transporte hídrico: Fossa seca: Constituída por um buraco no solo onde se dispõem as excretas

34 Sistemas individuais para tratamento e disposição final de esgoto (SITDE) Com transporte hídrico: Fossas Absorventes (rudimentares): são sustentadas, geralmente, por paredes de alvenaria com abertura no fundo para haver a infiltração do esgoto no solo

35 Sistemas individuais para tratamento e disposição final de esgoto (SITDE) TANQUE SÉPTICO SUMIDOURO Unidades hermeticamente fechadas que tratam o esgoto por processos de sedimentação, flotação e digestão. Produzem um efluente que deverá ser destinado para o sumidouro. O lodo deverá ser removido periodicamente. O SUMIDOURO PERMITE A PENETRAÇÃO DO EFLUENTE DA FOSSA SÉPTICA NO SOLO

36 TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO (SITUAÇÃO INDESEJÁVEL)

37 TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO (SITUAÇÃO DESEJÁVEL)

38 ASPECTOS LEGAIS PRINCIPAIS INSTRUMENTOS NORTEADORES: Resolução CONAMA n. 357/2005 (Classificação dos corpos d água); Resolução CONAMA n. 430/2011 (Padrões de lançamentos de efluentes )

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA

ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ENGENHARIA CIVIL INTEGRADA ARAÇATUBA 2014 Nome Antônio Paulo da Silva Gama Bruno Roger Hoshino dos Santos Gustavo Chozi Izabela dos Santos Eduardo RA A424BG-5 A546BC-0 A395CC-0 A571BH-6 SISTEMA DE TRATAMENTO

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 13 Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Após o uso da água em qualquer que seja o equipamento sanitário (chuveiro, lavatório, bacia sanitária, pia de cozinha, etc.), a água utilizada (efluente) deve

Leia mais

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS

20/11/2013. Efluente Industrial. Efluente doméstico PROBLEMAS DA POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS A POLUIÇÃO EM AMBIENTES AQUÁTICOS Fontes de poluição Os principais poluentes da água são: Partículas do solo erodido Pesticidas e fertilizantes agrícolas Resíduos sólidos diversos Produtos usados em mineração Chorume lixo em decomposição

Leia mais

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO

NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NOÇÕES SOBRE SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO Equipe de Elaboração/Revisão Elaboração e Instrutores ALDEMÁRIO SILVA DE OLIVEIRA UCCT/GPR/DT ALVAMAR ROBERTO COELHO CIRNE GFO/DT EDUARDO NOGUEIRA CUNHA UMED/GDP/DT

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s ultrapassam o Justificativas para não 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos s ultrapassam

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO DE ESGOTO EM OBRAS DE PEQUENO PORTE LAGES (SC) 2014 JEVERTON PAES DOS SANTOS MORAES TRATAMENTO

Leia mais

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade )

A seguir faz-se a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: Captação e Adução de Água Bruta ( trecho por gravidade ) 3.2 UBÁ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul O sistema de abastecimento de água de Ubá é operado e mantido pela Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA,

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Preliminar Gradeamento Desarenador

Leia mais

Missão do Grupo Cervantes. Missão da GCBRASIL Ambiental / Igiene

Missão do Grupo Cervantes. Missão da GCBRASIL Ambiental / Igiene Missão do Grupo Cervantes Buscamos oferecer excelência em prestação de serviços, prezando sempre por um alto nível social e tecnológico, gerando emprego e melhor qualidade de vida para a comunidade. Missão

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais

Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Introdução ao Tratamento de Resíduos Industriais Disciplina : Tratamento de Resíduos Professor : Jean Carlo Alanis Peneiras : Utilizadas para remoção de sólidos finos e/ou fibrosos; Possuem abertura de

Leia mais

Apresentação ECTEL S T A R T

Apresentação ECTEL S T A R T Apresentação ECTEL START Quem Somos A Luftech atua no mercado desde 1992 desenvolvendo soluções para problemas ambientais causados por Resíduos Perigosos. Trabalhamos visando racionalidade econômica, segurança

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Operação e Processo de Tratamento de

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOAS PARA TRATAMENTO DO ESGOTO DE LAGOA DA PRATA COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC LAGOA DA PRATA - MG

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOAS PARA TRATAMENTO DO ESGOTO DE LAGOA DA PRATA COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC LAGOA DA PRATA - MG IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOAS PARA TRATAMENTO DO ESGOTO DE LAGOA DA PRATA COM GEOMEMBRANA DE PEAD NEOPLASTIC LAGOA DA PRATA - MG AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci

Leia mais

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte

Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte ETE ARRUDAS DADOS GERAIS Localização: margem esquerda do ribeirão Arrudas (região outrora conhecida como Marzagânia) Tratamento preliminar: perímetro urbano de Belo Horizonte Demais unidades: município

Leia mais

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos

Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos Aula 1º P ESA A Importância do Tratamento dos Esgotos 28/05/2013 Ana Silvia Pereira Santos anasilvia.santos@ufjf.edu.br Temas Poluição da Água Níveis de atendimento no Brasil em relação ao esgotamento

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior INTRODUÇÃO Esgoto Sanitário Características variáveis em função: de sua origem; da hora de produção; da extensão da rede coletora

Leia mais

ETE Sustentável. Eugênio Álvares de Lima e Silva

ETE Sustentável. Eugênio Álvares de Lima e Silva ETE Sustentável Eugênio Álvares de Lima e Silva Áreas de atuação da Copasa Abastecimento de Água: Captação Adução Tratamento Preservação Distribuição Esgotamento Sanitário: Coleta Transporte Tratamento

Leia mais

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS

Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 APOSTILA DE INSTALAÇÕES PREDIAIS ESGOTO DOMÉSTICO FEV/2015 PROF. ANA CRISTINA RODOVALHO REIS Prof. Eng. Ana Cristina Rodovalho Reis FEV/2015 1 Sumário 1 Objetivo... 4 2 Esgotos Domésticos... 4 3 Sistema de Tratamento... 4 3.1 Tratamento... 5 3.1.1 Tratamento Individualizado... 5 Figura 1- Detalhe

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027

Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 Norma Técnica Interna SABESP NTS 027 ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS Elaboração de Projetos Procedimento Revisão 1 Outubro - 2014 São Paulo NTS 027: 2014 Norma Técnica Interna SABESP S U M Á R I O 1

Leia mais

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES

Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Apresentação Comercial Março/2013 TRATAMENTO DE ÁGUA E EFLUENTES Atualmente, 1/3 da população mundial sofre escassez de água. Em 2050, mais de 2/3 da população mundial sofrerá deste problema! [ ] É consenso

Leia mais

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral

1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1. RESÍDUOS 1.1. Caracterização geral 1.2. Classificações CAP 3 SANEAMENTO BÁSICO: GENERALIDADES Resíduos são restos ou sobras de materiai, provenientes de atividades humanas ou naturais, que em geral

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular:

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA. a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO E MONITORAMENTO AMBIENTAL RAMA 1. DADOS GERAIS 1.1 Dados do Empreendedor a) Empreendedor: b) CPF ou CNPJ: c) E-mail: d) Endereço: e) Telefone e celular: 1.2 Dados do Empreendimento:

Leia mais

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição

FOSSA SÉPTICA. 1. Processos de disposição Fossa séptica 1 FOSSA SÉPTICA Em locais onde não há rede pública de esgoto, a disposição de esgotos é feita por meio de fossas, sendo a mais utilizada a fossa séptica. Esta solução consiste em reter a

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA O MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA - RS 1 SEWAGE TREATMENT SYSTEM FOR THE CITY OF RESTINGA SECA, RS

SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA O MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA - RS 1 SEWAGE TREATMENT SYSTEM FOR THE CITY OF RESTINGA SECA, RS Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 11, n. 1, p. 37-49, 2010. 37 ISSN 2176-462X SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO PARA O MUNICÍPIO DE RESTINGA SECA - RS 1 RESUMO SEWAGE

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015.

DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. DECRETO EXECUTIVO Nº 087/2015. Regulamenta Política de Saneamento e estabelece as diretrizes técnicas para implantação de sistemas individuais e coletivos de tratamento de efluente sanitário no município

Leia mais

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras.

3.5 SANTOS DUMONT. Quanto ao sistema de esgotamento sanitário, sua operação e manutenção cabe a Prefeitura local, através da Secretaria de Obras. Esta unidade compõe-se de três conjuntos moto-bombas idênticos, dos quais dois operam em paralelo, ficando o terceiro como unidade de reserva e/ou rodízio. Estão associados, cada um, a um motor elétrico

Leia mais

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas

Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Pág. 1 Memorial de Projeto: Instalações Hidráulicas Cliente: Unidade: Assunto: Banco de Brasília - BRB Águas Lindas GO Novas Instalações Código do Projeto: 3947-11 SIA Sul Quadra 4C Bloco D Loja 37 Brasília-DF

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio s 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluentes 2.0 Brigada de incêndio 2.1 Limpeza da área s 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Estação de tratamento de esgoto - ETE Tratamento

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa Universidade Federal de Campina Grande RESUMO A busca por sistemas alternativos para o suprimento

Leia mais

Conforme a hierarquização das linhas de ações, definida anteriormente pelo Comitê Pardo, este Sub-Programa possui grau de 1ª ordem.

Conforme a hierarquização das linhas de ações, definida anteriormente pelo Comitê Pardo, este Sub-Programa possui grau de 1ª ordem. 83 SUB-PROGRAMA 3 ÁGUAS SUPERFICIAIS Qualidade das Águas Este Sub-Programa tem por objetivo melhorar a qualidade dos mananciais superficiais da Sub-Bacia do Rio Pardinho, englobando principalmente as atividades

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE

MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE MEMORIAL DESCRITIVO - SISTEMAS HIDRÁULICOS HOSPITAL METROPOLITANO DE BELO HORIZONTE OBRA: Contrato: 77009 Revisão: 2 Data: 15/12/2009 1. OBJETIVO Este memorial tem por objetivo descrever os sistemas hidráulicos

Leia mais

Projeto de reuso na ETA Guandu

Projeto de reuso na ETA Guandu Baía de Sepetiba Projeto de reuso na ETA Guandu Captação Desarenadores SITUAÇÃO ATUAL NETA 16 m3/s Elevatória de água bruta 27 m3/s VETA Floculadores Cx. de Tranqüilização Floculadores Decantadores Decantadores

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO Eng. Elso Vitoratto engenharia@novaeraambiental.com.br Conceito

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ENGENHARIA AMBIENTAL 7º PERÍODO CÓDIGO PERÍ ODO ENG 4500 7 DISCIPLINAS DO SÉTIMO PERÍODO Conservação e Recuperação Ambiental CRÉDITOS TEÓRICOS PRÁTICOS TOTAL PRÉ - REQUISITOS

Leia mais

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA.

AEROTEC SANEAMENTO BÁSICO LTDA. INTRODUÇÃO Todo e qualquer sistema de captação e tratamento de efluente doméstico tem como destino final de descarte desse material, direta ou indiretamente, corpos d água como seus receptores. A qualidade

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS Ricardo Stahlschmidt Pinto Silva Bruno Coraucci Filho* Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO AC-250 - FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA

MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO AC-250 - FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA MANUAL DE INSTRUÇÕES E INSTALAÇÃO AC-250 - FILTRO COLETOR DE ÁGUA DA CHUVA 01 - Casco do Filtro Este casco foi elaborado para ser enterrado no solo, mas poderá ser instalado suspenso na parede, basta colocar

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares

Gestão de resíduos urbanos. João Paulo Nardin Tavares Gestão de resíduos urbanos João Paulo Nardin Tavares POLUIÇÃO DO SOLO O Solo É a formação natural na porção superficial da crosta terrestre. Permite o desenvolvimento vegetal na superfície terrestre Compreende

Leia mais

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto.

BIODIGESTOR. Guia de Instalação 600 L 1.300 L 3.000 L. Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. BIODIGESTOR 600 L 1.300 L 3.000 L Guia de Instalação Importante: Ler atentamente todo o manual para a instalação e uso correto deste produto. 1. Apresentação O Biodigestor é uma miniestação de tratamento

Leia mais

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva

Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva Oficinas, serviços de reparação e manutenção, e similares com lavagem automotiva 1. Identificação Empresa/Interessado: Endereço para correspondência: Bairro: Município: CEP: CNPJ/CPF: Telefone: Fax: E-mail:

Leia mais

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio

Planilha de Supervisão do PAC no Canteiro de Obras da UHE Santo Antônio 1.0 Portaria 1.1 Limpeza da área 1.2 Destinação dos resíduos 1.3 Efluente 2.0 Paiol 2.1 Limpeza da área 2.2 Destinação dos resíduos 3.0 Aterro sanitário 3.1 Organização da área 3.2 Pátio de estoque Acúmulo

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico

Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL. Aspectos Legais. Usos da Água e Geração de Efluentes. Abastecimento Doméstico Introdução ao Tratamento de Efluentes LíquidosL Noções BásicasB Aspectos Legais Tecg.º Jair Fernandes de Macedo Prolab Ambiental Ltda. Usos da Água e Geração de Efluentes Abastecimento Doméstico Água potável

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE

IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE IMPERMEABILIZAÇÃO DE LAGOA PARA DECANTAÇÃO DE EFLUENTE PROVENIENTE DE ESGOTO SANITÁRIO NAZARÉ DA MATA - PE AUTOR: Departamento Técnico de Geomembrana NeoPlastic Eng Daniel M. Meucci ANO - 2013 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

d Pleno atendimento as exigências legais relativas ao lançamento de efluentes e Minimizar a geração de Iodo f Flexibilidade operacional

d Pleno atendimento as exigências legais relativas ao lançamento de efluentes e Minimizar a geração de Iodo f Flexibilidade operacional Estação de tratamento de efluentes da VCP Unidade Jacareí Zeila Chittolina Piotto Fábio Guimarães Barbosa e Fernando Raasch Pereira Votorantim Celulose e Papel VCP Palavras Chave Sistema de tratamento

Leia mais

Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS

Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS Manual de instalação e utilização da caixa separadora de água e óleo SULFILTROS Atenta as necessidades de mercado a SULFILTROS desenvolveu a S A O que atende as exigências da NBR 14.605 Posto de Serviço

Leia mais

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011

Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 Número protocolo: IC.00909.00002/2010 Assunto: MATÉRIA DE DEFESA DO MEIO AMBIENTE PROMOTORIA DE JUSTIÇA DE TAPERA Data protocolo: 24/10/2011 1. Trata-se de inquérito civil instaurado em 3 de fevereiro

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO 1 LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO 2 DEFINIÇÃO Os sistemas de lagoas de estabilização constituem-se na forma mais simples para tratamento de esgotos, apresentando diversas variantes com

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor.

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor. II-151 - DESAFIOS OPERACIONAIS DE INÍCIO DE OPERAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DO TIPO REATOR UASB SEGUIDO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR ETE NOVA CONTAGEM - MG Maria Letícia de Castro (1)

Leia mais

POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR.

POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR. POLUIÇÃO E QUALIDADE DA ÁGUA - PQA PROFESSOR: ISAAC VOLSCHAN JR. EMENTA: Conceito de Poluição, Padrões de Qualidade de Água, Caracterização Quantitativa da Água, Parâmetros de Qualidade de Água, Poluentes

Leia mais

QUADRO 11 - ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS QUANTO À BALNEABILIDADE

QUADRO 11 - ENQUADRAMENTO DAS ÁGUAS QUANTO À BALNEABILIDADE 171 2 - A balneabilidade refere-se a utilização das águas para recreação de contato primário e é monitorada, sistematicamente, pela CPRH, através de análises bacteriológicas desse recurso, com vistas a

Leia mais

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC

ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC ANÁLISE DE PARÂMETROS HIDRÁULICOS DA REDE COLETORA DE ESGOTO SANITÁRIO PARA A PRAIA DO CABO DE SANTA MARTA EM LAGUNA - SC Aline Tramontin (1), Nestor Back (2) UNESC Universidade do Extremo Sul Catarinense

Leia mais

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28%

A ETAR de Setúbal encontra-se dimensionada para as seguintes condições de base: 253 107 Habitantes equivalentes Fração de caudal industrial 28% A Estação de Tratamento das Águas Residuais de Setúbal (ETAR de Setúbal), constitui pela sua importância para o equilibro natural, desenvolvimento económico, bem-estar e saúde da população do Concelho,

Leia mais

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista, Chefe da Divisão Técnica do Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Alagoinhas-Bahia.

Leia mais

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses

Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses Texto 1 Saneamento Básico, Medidas de Higiene e Parasitoses 1. Saúde e doenças. Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é um estado de completo bem-estar físico, psíquico e social e não apenas

Leia mais

ARARAQUARA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

ARARAQUARA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE ARARAQUARA PRESTADOR: DEPARTAMENTO AUTONOMO DE ÁGUA E ESGOTOS DAAE Relatório R1 Diagnóstico Americana, dezembro de 2014 SUMÁRIO

Leia mais

Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo

Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo Programa de Recebimento de Esgotos Não-Domésticos na Região Metropolitana de São Paulo Relação institucional entre os órgãos estaduais Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Saneamento e Recursos

Leia mais

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Inspeção/Vistoria e Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO - Check list e Avaliação Dados do Imóvel: Endereço:

Leia mais

VALINHOS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

VALINHOS RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE VALINHOS PRESTADOR: DAEV DEPARTAMENTO DE ÁGUA E ESGOTO DE VALINHOS Relatório R1 Diagnóstico Americana, agosto de 2013 SUMÁRIO

Leia mais

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR

Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Gerenciamento e Tratamento de Águas Residuárias - GTAR Segunda 15 às 17h IC III sala 16 Turma: 2015/1 Profª. Larissa Bertoldi larabertoldi@gmail.com Aula de hoje.. Tratamento Primário Coagulação/Floculação

Leia mais

SOLUÇÃO PARA FILTRAÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Filtro rotativo autolimpante. Com sistema de descarga automática como opcional.

SOLUÇÃO PARA FILTRAÇÃO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS. Filtro rotativo autolimpante. Com sistema de descarga automática como opcional. Desde 1970 Uma empresa brasileira, situada em Joinville (SC), com 45 anos de atuação na produção de máquinas e equipamentos para os segmentos têxtil, ambiental e de armazenagem. Principais atividades:

Leia mais

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública?

1 - Abastecimento de água 1. O estabelecimento utiliza água da rede pública? QUESTIONÁRIO PARA DIAGNÓSTICO DE ASPECTOS AMBIENTAIS E MANEJO DE RESÍDUO DAS UNIDADE DE SAÚDE. A) Aspectos Ambientais Avaliação da estrutura Responda os itens abaixo com a seguinte legenda: Sim = S Não

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA PRESTADOR: SEMAE SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA PRESTADOR: SEMAE SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRACICABA PRESTADOR: SEMAE SERVIÇO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTO Relatório R4 Continuação do Diagnóstico e Não Conformidades

Leia mais

Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia

Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia Projeto integrado de recuperação de recursos em Colcata, Índia Sumita Gupta - rahul.gupta@boci.co.in Centre for Built Environment, Kolkata, Índia; As cidades consomem recursos e produzem resíduos tanto

Leia mais

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118

Documento sujeito a revisões periódicas Natal RN CEP 59056-450 Tel: (84) 3232-2102 / 3232-1975 / 3232-2118 Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Postos (Revendedores e de Abastecimento) e Sistemas

Leia mais

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO

NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Universidade Federal do Espírito Santo Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental NÍVEIS DE TRATAMENTO DE ESGOTO Ricardo Franci Gonçalves Giovana Martinelli da Silva Tratamento de Esgoto Procedimentos

Leia mais

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5

http://doweb.rio.rj.gov.br/imprimir.htm?id=305287&edi_id=2960 1/5 Data de publicação: 14/12/2015 Matéria nº : 305287 Diário Oficial nº : 184 RESOLUÇÃO SMAC Nº 606 DE 11 DE DEZEMBRO DE 2015 Estabelece parâmetros ambientais para a implantação e o funcionamento de Subestações

Leia mais

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma

Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos por Norma COBRAMSEG 00: ENGENHARIA GEOTÉCNICA PARA O DESENVOLVIMENTO, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE. 00 ABMS. Estudo Comparativo do Coeficiente de Absorção dos Solos do Terciário de Maceió-Al, com os Valores Sugeridos

Leia mais

ETE do Baldo - Natal/RN

ETE do Baldo - Natal/RN ETE do Baldo - Natal/RN A Estação de Tratamento de Esgoto do Sistema Central de Natal, localizada no bairro do Baldo, na rua Capitão Silveira Barreto S/N, constitui-se num investimento de aproximadamente

Leia mais

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS

PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS PRESERVANDO NASCENTES E MANANCIAIS A água é um recurso natural insubstituível para a manutenção da vida saudável e bem estar do homem, além de garantir auto-suficiência econômica da propriedade rural.

Leia mais

Município de Araucária - PR

Município de Araucária - PR Município de Araucária - PR DIAGNÓSTICO 25 de Fevereiro de 2015 PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO BÁSICO PMSB AMPLA CONSULTORIA Equipe Técnica: NADINE LORY BORTOLOTTO Engenheiro Sanitarista e Ambiental CRISTIANE

Leia mais

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS

ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS ANEXO 2: ILUSTRAÇÕES DE SISTEMAS DE MANEJO SUSTENTÁVEL DE ÁGUAS PLUVIAIS 108 água potável: para beber, cozinhar e banho coletores separador da primeira chuva extravazor reservatório de água pluvial para

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014.

Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. Instrução Normativa nº 017, de 23 de outubro de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA RICA CNPJ: 03.238.862/0001-45 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE VILA RICA - MT

ESTADO DE MATO GROSSO PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA RICA CNPJ: 03.238.862/0001-45 ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE VILA RICA - MT ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO DE VILA RICA - MT Agosto 2013 1 1 INTRODUÇÃO O presente contexto constitui um projeto básico da Estação de Tratamento de Esgotos de Vila Rica. Vila Rica é uma cidade que

Leia mais

Captação e aproveitamento da água de chuva no setor urbano: realidade e perspectivas

Captação e aproveitamento da água de chuva no setor urbano: realidade e perspectivas 8o Simpósio Brasileiro de Captação e Manejo de Água de Chuva - Campina Grande (PB) 1 Captação e aproveitamento da água de chuva no setor urbano: realidade e perspectivas Ricardo Franci Gonçalves Prof.

Leia mais

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS

ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS ELEMENTOS NECESSÁRIOS À INSTRUÇÃO DO PEDIDO DE LICENÇA DE UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS HÍDRICOS DESCARGA DE ÁGUAS RESIDUAIS I IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE Nome/Denominação social, identificação fiscal n.º, bilhete

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 7 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES. 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA MÓDULO 7 1 CONCEITO DE MEIO AMBIENTE 2 ASPECTO AMBIENTAL 3 O QUE SÃO RESÍDUOS? 4 GESTÃO AMBIENTAL 5 PLANO DIRETOR DE RESÍDUOS E EFLUENTES 6 PROGRAMA 3 Rs COLETA SELETIVA 7 BENEFÍCIOS DA DESTIN. E TRATAMENTO

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

Secretaria Municipal de meio Ambiente

Secretaria Municipal de meio Ambiente SISTEMA DE INFORMAÇÃO E DIAGNÓSTICO É expressamente proibido qualquer tipo de intervenção em Área de Preservação Permanente. Deverá ser observada rigorosamente a formatação deste formulário, não sendo

Leia mais

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna

PSA Plano de Segurança da Água. Sistema Passaúna PSA Plano de Segurança da Água Sistema Passaúna Centro de Treinamento Sala Lago Itaipú Curitiba, 02.jul.2012 Descrição do Sistema de Abastecimento Passaúna Item Processo Descrição 2 Captação É o início

Leia mais

Maceradores Trituradores Para Tubulação e Canal de Entrada

Maceradores Trituradores Para Tubulação e Canal de Entrada Maceradores Trituradores Para Tubulação e Canal de Entrada Maceradores Trituradores para as Aplicações Mais Exigentes Os Maceradores Trituradores são projetados para lidar com materiais fibrosos e sólidos

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA PRÉ- DIMENSIONAENTO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS PARA MUNICIPIOS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA PRÉ- DIMENSIONAENTO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS PARA MUNICIPIOS DE PEQUENO E MÉDIO PORTE UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CURSO DE ENGENHARIA AMBIENTAL E SANITÁRIA SISTEMA COMPUTACIONAL PARA PRÉ- DIMENSIONAENTO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS PARA MUNICIPIOS DE PEQUENO

Leia mais

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB

Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB Plano Municipal de Saneamento Básico - PMSB CRUZ CE Reunião de Planejamento ETAPA IV (Produto D) ETAPA V (Produto E) ETAPA VI (Produto F) ETAPA VIII (Produto H) ETAPAS DO PMSB ETAPA I (Produto A) - Formação

Leia mais

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL

USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL USO ADEQUADO DOS SISTEMAS DE COLETA E TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS - ENFOQUE AMBIENTAL Leane Chamma Barbar Przybysz (1) Engenheira Química formada pela Universidade Estadual de Maringá em 1984. Possui

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO. O CASO DA ETE REMÉDIOS Andréia Guaracho Ramos (*) Bacharel em Química e Pós Graduada em Química Industrial pela Fundação Santo André. Mestranda

Leia mais

PIRASSUNUNGA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico

PIRASSUNUNGA RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE. Relatório R1 Diagnóstico RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO TÉCNICA DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO MUNICÍPIO DE PIRASSUNUNGA PRESTADOR: SERVIÇO DE ÁGUA E ESGOTO DE PIRASSUNUNGA SAEP Relatório R1 Diagnóstico Americana, outubro de 2014

Leia mais

PLANO DIRETOR CAMPUS UNIVERSITÁRIO UFOPA Versão Preliminar

PLANO DIRETOR CAMPUS UNIVERSITÁRIO UFOPA Versão Preliminar UNIVERSIDADE FEDERAL DO OESTE DO PARÁ PLANO DIRETOR CAMPUS UNIVERSITÁRIO UFOPA Versão Preliminar PROJETO BÁSICO VISTA AÉREA DO CONJUNTO CAMPUS TAPAJÓS SETOR ESPORTIVO PLANTA GERAL DO CONJUNTO CAMPUS TAPAJÓS

Leia mais

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03

1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 1. Canteiro de Obra Campo Grande 03 A cidade de Campo Grande, localizada no estado do Rio Grande do Norte (RN), é um dos municípios no qual dispõe de boa estrutura para implantação de um dos três canteiros

Leia mais