ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA PLUMA DE EFLUENTE DE FOSSA SÉPTICA NO LENÇOL FREÁTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA PLUMA DE EFLUENTE DE FOSSA SÉPTICA NO LENÇOL FREÁTICO"

Transcrição

1 ANÁLISE DO COMPORTAMENTO DA PLUMA DE EFLUENTE DE FOSSA SÉPTICA NO LENÇOL FREÁTICO Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim 1 ; Antonio Pedro de Oliveira Netto 2 ; Márcio Gomes Barboza 3 ; Cleuda Custódio Freire 4. Resumo Diante do acentuado crescimento populacional vem sendo observado que a rede coletora de esgoto está se tornando cada vez mais incapaz de suprir as necessidades da população. Segundo CASAL (2000) estima-se que o sistema coletor de esgotos sanitários na cidade de Maceió atinge por volta de 27% da população. Através da ineficiência do sistema de coleta de esgoto a utilização do sistema fossa séptica/sumidouro pode agravar o problema da qualidade da água subterrânea. O objetivo deste trabalho consiste na análise do comportamento da pluma de esgoto doméstico tratado em sistemas de tanques sépticos no lençol freático, utilizando 02 métodos: o experimental, que consiste na utilização de uma coluna de vidro contendo solo da região estudada, visando analisar em laboratório o transporte e comportamento de substâncias químicas; e o método numérico, que consiste na simulação numérica da propagação da mesma pluma no lençol freático utilizando a ferramenta VisualMODFLOW. A análise de parâmetros estatísticos indicaram êxito na modelagem do comportamento da pluma de efluente de fossa séptica, possibilitando que simulações fossem executadas com novos cenários. Abstract - Ahead of the accented population growth it comes being observed that the collecting net of sewer is if becoming each time more incapable to supply the necessities of the population. According CASAL (2000) esteem itself that the collecting system of sanitary sewage in the city of Maceió reaches for return of 27% of the population. Through the inefficiency of the sewage system collection the use of the septic system can aggravate the problem of the quality of the groundwater. The objective of this work consists of the analysis of the behavior of the pen of domestic sewage treated in systems to septic tanks in the groundwater, using 02 methods: the experimental, that it 1 Mestrando em Hidráulica e Saneamento e bolsista CNPq da Universidade de São Paulo/USP Rua Américo Jacomino Canhoto 175 Jardim Nova Santa Paula São Carlos-SP , tel. (0**16) , 2 Mestrando em Hidráulica e Saneamento e bolsista CNPq da Universidade de São Paulo/USP, 3 Professor do Departamento de Construção Civil e Transportes CCT/ CTEC / UFAL, 4 Professora do Departamento de Águas e Energia DAE/ CTEC / UFAL,

2 consists of the use of a glass column contend soil of the studied region, aiming at to analyze in laboratory the transport and behavior of chemical substances; and the numerical method, that consists of the numerical simulation of the propagation of the same pen in the groundwater using the Visual MODFLOW. The analysis of statistical parameters indicated success in the modeling of the behavior of the effluent pen of septic tanks, making possible that simulations were executed with new scenes. Palavras-chave Lençol freático, fossa séptica, Visual MODFLOW. INTRODUÇÃO Mundialmente, o volume de água doce estocado nos mananciais subterrâneos do planeta é estimado, atualmente, em 10,5 milhões de quilômetros cúbicos. Isto é, desconsiderando a parcela congelada (cerca de 68,7% da água doce), 98% da água doce disponível encontra-se nos poros e fissuras milimétricas do subsolo de continentes e ilhas da Terra (SETTI, 2001). Considerando que nos últimos cinqüenta anos a disponibilidade de água por habitante diminuiu 60%, enquanto nesse mesmo período a população cresceu cerca de 50% (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS - ABAS, 2003), a procura pela água subterrânea aumenta significantemente a cada ano, apesar de ser considerada uma reserva estratégica para a humanidade. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE (RECURSOS NATURAIS E MEIO AMBIENTE, 1998 citado em Águas Subterrâneas: PROGRAMA DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS, 2001) estima-se que, no Brasil, 51% do suprimento de água potável seja originado do recurso hídrico subterrâneo. A existência de inúmeras doenças de veiculação hídrica causadas pelo lançamento de poluentes no solo, sendo transportados para os lençóis freáticos, que por sua vez vem sendo bastante explorados no Brasil de maneira desordenada para o consumo humano, vem despertando a atenção de muitos pesquisadores. Em Maceió, diante do seu acentuado crescimento populacional e da falta de investimentos em saneamento básico, vem sendo observado que a rede coletora de esgoto está se tornando cada vez mais incapaz de atender as necessidades da população. Estima-se que o sistema coletor de esgotos sanitários na cidade de Maceió beneficia apenas habitantes, por volta de 27% da população da cidade. Diante desse quadro, cresce o número de sistemas individuais de tratamento de esgotos através de fossa séptica. O sistema de tratamento utilizando fossa séptica consiste em câmaras convenientemente construídas para reter os despejos domésticos e/ou industriais, por um período de tempo

3 especificamente estabelecido, de modo a permitir sedimentação dos sólidos e retenção do material graxo contido nos esgotos, transformando-os, bioquimicamente, em substâncias e compostos mais simples e estáveis. No entanto, estudos realizados (GERBA, 1984) mostram que este tipo de tratamento primário de esgotos, não atinge eficiências maiores que 50% de redução de sólidos em suspensão e DBO de 30%, podendo aumentar o risco de contaminação do lençol freático. A utilização do sistema fossa séptica/sumidouro, em larga escala, pode agravar o problema da qualidade da água subterrânea em Maceió, face à propagação da pluma dos efluentes domésticos jogados no solo, percolando até chegar ao lençol freático. Portanto, é de extrema relevância, no âmbito dos cuidados com as águas subterrâneas, simular o comportamento de poluentes lançados nos aqüíferos para se evitar ou criar mecanismos de descontaminação, com objetivo de eliminar a ação do agente poluidor. O software Visual MODFLOW (Modular Three-Dimensional Finite-Difference Ground- Water Flow Model, McDonald e Harbaugh, 1988) será aplicado como uma ferramenta para se obter a simulação do comportamento da pluma de contaminante no lençol freático. O trabalho utilizará como estudo de caso solos da área alta de Maceió, situado no bairro do Tabuleiro do Martins. A região mostra casos reais de contaminação de aqüífero, através de efluentes oriundos do tratamento do sistema fossa séptica/sumidouro (CASAL, 2000), daí surge a necessidade de estudar e simular o comportamento do contaminante ao longo do lençol freático, com o objetivo de propor soluções para remediação e evitar a contaminação de poços perfurados em regiões próximas ao lançamento da carga poluidora. O modelo representará exatamente o experimento criado em laboratório, para efeito de correlação e ampliação de sua simulação. OBJETIVOS O trabalho tem como objetivo principal analisar o comportamento da pluma de esgoto doméstico, tratado em sistemas de tanques sépticos, no lençol freático, utilizando 02 (dois) métodos: o experimental, que consiste na utilização de uma coluna de vidro contendo solo da região estudada, visando analisar em laboratório o transporte e comportamento de substâncias químicas posteriormente definidas; e o método numérico, que consiste na simulação numérica da propagação da mesma pluma no lençol freático utilizando a ferramenta Visual MODFLOW. Entre os objetivos específicos que são imprescindíveis ao desenvolvimento do trabalho, destacam-se: Análise da Eficiência de remoção de matéria orgânica na fossa séptica; Obter a direção e o contorno da pluma formada a partir do efluente de fossa séptica.

4 JUSTIFICATIVA A humanidade já passou por diversas crises, como de epidemias, de alimentos e de petróleo; provavelmente, as próximas serão de energia e de disponibilidade de água de boa qualidade. A crise de disponibilidade de água afetará a irrigação e será afetada por ela. Já surgem disputas pela água: o uso para irrigação, para hidrelétricas e para consumo humano e industrial. A implantação de vários projetos de irrigação, sem a prévia quantificação da vazão possível de ser usada, tem acarretado, em algumas bacias, falta de água para as áreas situadas a jusante. Tem-se chegado ao extremo da total falta de água para o consumo humano, animal e da fauna, causando sérios impactos ambientais e conflitos entre os usuários. Com a crescente competição pela água, alguns setores da sociedade e os movimentos ecológicos vêm conscientizando a população sobre a importância da preservação do meio ambiente; a legislação, por sua vez, vem sendo aperfeiçoada. Com isso, deverá haver maior pressão para que a irrigação seja praticada com maior eficiência e com o mínimo possível de impacto no meio ambiente, notadamente no que diz respeito à disponibilidade e qualidade de água para as múltiplas atividades. As águas subterrâneas são muito importantes, e em múltiplos casos essenciais, para o fornecimento de água potável de muitas áreas urbanas e rurais da região da América Latina e do Caribe. Contudo, na maioria dos casos a prevenção da poluição das fontes de águas subterrâneas e a proteção do conjunto de aqüíferos têm recebido pouca atenção. Algumas áreas, essencialmente os grandes centros urbanos ou as áreas vizinhas, apresentam ocorrências de poluição de águas subterrâneas que geram riscos potenciais para a saúde pública e causam o abandono das fontes existentes de fornecimento de água, com a decorrente perda de investimento financeiro e de recursos naturais. No referido às águas subterrâneas, a poluição tem tendência a aparecer devagar, mais é muito persistente e, muitas vezes, a purificação é tecnicamente problemática, excessivamente custosa e, em geral, pouco prática. A poluição mais comum das águas subterrâneas associa-se ao saneamento de áreas que não dispõem de redes de esgoto, à disposição final de efluentes líquidos industriais e às práticas atuais de cultivo agrícola. O crescente incremento das concentrações de nitratos nas águas subterrâneas e os freqüentes episódios de penetração na subsuperfície de hidrocarbonetos halogenados voláteis, constituem um sério perigo para a qualidade da água potável em relação com as guias atuais para a potabilidade da água estabelecidas. Através da ineficiência do sistema de coleta de esgoto a utilização do sistema fossa séptica/sumidouro pode agravar o problema da qualidade da água subterrânea em Maceió, devido à

5 propagação da pluma dos efluentes domésticos jogados no solo, percolando até chegar ao lençol freático. É de extrema relevância, no âmbito dos cuidados com as águas subterrâneas, simular o comportamento de poluentes lançados nos aqüíferos para se evitar ou criar mecanismos de descontaminação, com objetivo de eliminar a ação do agente poluidor. METODOLOGIA Foi criado no Laboratório de Saneamento da UFAL um protótipo contendo um tubo de vidro com amostra de solo de sumidouro escavado na região alta da cidade de Maceió (Tabuleiro) que simulou a propagação da pluma de efluente de fossa séptica através do fluxo subterrâneo. Esse protótipo recebeu efluente de fossa séptica que foi montada em escala de bancada (escala 1/10), alimentado com esgoto sanitário sintético. Numa segunda etapa do trabalho, realizou-se uma análise numérica utilizando a ferramenta Visual MODFLOW da WATERLOO HYDROGEOLOGIC para efeito de correlação com os estudos feitos em laboratório. Etapa experimental O protótipo foi constituído de uma coluna de vidro contendo solo, ligada a uma fossa séptica de vidro, em escala de bancada de 1/10, onde trata esgoto sintético. O protótipo foi armazenado em uma câmara com temperatura constante e foi alimentado com esgoto sanitário sintético a uma vazão de 5,2 ml/min. Figura 1 - Esquema do protótipo

6 Figura 2 - Câmara que armazena o protótipo. Descrição O experimento contempla duas etapas. A primeira etapa, chamada de experimental, consistiu na utilização de uma coluna de vidro contendo amostra de solo da região alta de Maceió (Tabuleiro do Martins), visando analisar em laboratório o transporte e o comportamento de substâncias químicas, sem análise microbiológica, posteriormente definidas. A etapa experimental, que consistiu na construção de uma coluna de vidro contendo amostra de solo e uma fossa séptica, todos em material transparente, para poder ter uma melhor visualização da experiência. A segunda etapa, chamada de simulação computacional utilizando o VisualMODFLOW, consistiu na calibração dos parâmetros do modelo a partir dos dados obtidos em laboratório, para a simulação de outros cenários. Coluna de solo A coluna foi preenchida com amostra de solo. O solo coletado na zona alta de Maceió (Tabuleiro do Martins) é predominantemente arenoso (97%) com apenas 2% de argila, com ph = 4,5. A Tabela 1 mostra as características físicas e químicas do solo, cujas análises foram realizadas pelo Laboratório de Mecânica dos Solos - Núcleo de Pesquisas Tecnológicas da UFAL. Os resultados indicados na Tabela 1 foram obtidos e realizados pelos autores, através de ensaios de granulometria e ph da amostra do solo coletado para estudo.

7 Tabela 1 - Características físico-químicas dos solos das colunas Parâmetro Solo Fração do Solo Argila 2% Silte 1% Fração de Areia Areia fina (0,06-0,2mm) 10% Areia média (0,2-0,6mm) 55% Areia grossa (0,6-2mm) 32% Textura Arenosa PH 4,5 A coluna de solo foi montada no Laboratório de Saneamento Ambiental do Núcleo de Pesquisas Tecnológicas da UFAL. A Tabela 2 mostra o tipo de solo, o comprimento da coluna montada e o valor médio observado da condutividade hidráulica K. Tabela 2 - Comprimento e condutividade hidráulica das colunas de solos Coluna Comprimento Cond. Hidráulica K L (m) (m/s) Solo arenoso 0,48 0,00104 Fossa séptica A fossa séptica foi montada no Laboratório de Saneamento Ambiental do Núcleo de Pesquisas Tecnológicas da UFAL, feita em vidro na escala de 1/10, com dimensões de 8cm x 25cm x 150 cm. Esgoto sintético Foi adotado esgoto sintético para o experimento, com o objetivo de trazer mais segurança ao manuseá-lo, caso houvesse algum vazamento, sem trazer prejuízos à saúde do operador. O esgoto possui as mesmas características do doméstico. Sua composição foi adaptada de TORRES (1992). O esgoto sintético foi armazenado em refrigerador com objetivo de diminuir a atividade de degradação microbiológica e manter a concentração inicial.

8 Análises Físico-Químicas As análises físico-químicas que foram realizadas nesta pesquisa estão apresentadas, juntamente com os métodos utilizados para suas determinações e a freqüência das análises, na Tabela 3. Tabela 3 - Parâmetros analisados e referências bibliográficas dos métodos. Parâmetro Método Freqüência ph (unidade) Potenciométrico 2 vezes por semana DQO (mg/l) Calorímetro 2 vezes por semana Sólidos (mg/l) Gravimétrico semanalmente Ácidos Voláteis (mg/l) Titulométrico semanalmente Alcalinidade (mgcaco3/l) Titulométrico semanalmente Referências Bibliográficas APHA; AWWA; WPCF (1997) DILLALO & ALBERTSON (1961) RIPLEY ET AL. (1986) Etapa de simulação Na etapa de simulação computacional foi realizada uma análise numérica utilizando a ferramenta Visual MODFLOW da WATERLOO HYDROGEOLOGIC, pois o objetivo foi encontrar uma correlação entre os estudos desenvolvidos em laboratório e a análise computacional. Para a fase de análise numérica realizou-se simulação da propagação da pluma de efluente de fossa séptica na coluna de solo mostrada na Figura 1, tendo como dados de entrada para a simulação, a DQO afluente da amostra de solo do 82 dia operação do sistema fossa séptica/sumidouro. Para se processar o software Visual MODFLOW, é necessário que se definam alguns parâmetros de execução, que são opções selecionadas durante o procedimento de simulação. A opção inicial para a simulação do fluxo foi o Regime Estacionário de Circulação, onde todos os parâmetros definidos para o modelo se mantêm constantes ao longo do tempo. A escolha dessa simulação estacionária foi com o objetivo de se obter um modelo calibrado com base nos níveis freáticos estáticos medidos nos poços de observação para um determinado período; avaliar os dados de campo e o modelo hidrogeológico proposto; verificar a sensibilidade do modelo em função da variação de parâmetros; e produzir, como resultado da simulação, um banco de dados contendo a distribuição espacial final das cargas hidráulicas, calculadas na simulação. Considerou-se que o modelo estava calibrado quando os dados empregados na simulação foram coerentes. Esse processo consistiu na realização de ajustes no conjunto de valores inicialmente definidos para os parâmetros hidrodinâmicos e condições de contorno, de modo a se estabelecer um novo conjunto de valores, capazes de permitir ao modelo uma melhor reprodução das alturas médias dos níveis freáticos observados nos poços monitorados no período de 98 dias de operação do experimento, representando de forma satisfatória o modelo experimental.

9 RESULTADOS Considerações iniciais A apresentação dos resultados se dará em duas fases distintas. Inicialmente, são apresentados os resultados dos ensaios de laboratório (sete ensaios de ph e DQO, cinco de sólidos totais, fixos e voláteis e três de Alcalinidade e ácidos voláteis) realizados no protótipo, quando se discutem os resultados dos parâmetros de monitoração do sistema fossa séptica sumidouro e características do seu afluente e efluente. Também é feita uma discussão sobre o desempenho da fossa séptica no tratamento de efluente doméstico. Na segunda fase são apresentados os resultados da simulação feita utilizando o software visual MODFLOW, fazendo a simulação do comportamento da pluma de contaminante disposto no solo que se infiltra no lençol freático, para efeito de comparação com o experimento montado em laboratório. Avaliação de desempenho do sistema Fossa séptica/sumidouro Etapa Experimental Neste momento serão apresentados os resultados das análises físico-químicas realizadas no Laboratório de Saneamento da UFAL. Serão mostrados gráficos com variações temporais e espaciais de ph, alcalinidade, DQO (Demanda Química de Oxigênio), ácidos voláteis e sólidos totais, fixos e voláteis. Parâmetros de Monitoramento do Sistema Foram estudados seis pontos de coleta de amostras no protótipo criado em laboratório. O ponto 1 corresponde a entrada da fossa séptica, o ponto 2 a saída da fossa séptica, o ponto 3 a primeira torneira da coluna de solo, o ponto 4 a segunda torneira da coluna de solo o ponto 5 a terceira torneira da coluna de solo e o ponto 6 a saída da coluna de solo (Ver Figura 1). ph e Alcalinidade As variações temporais de ph e alcalinidade no efluente da fossa séptica, conforme apresentado na Figura 3 e na Figura 4, indicam que o ph esteve sempre em torno da neutralidade.

10 8,0 unidade 7,5 7,0 6,5 6,0 5,5 Ponto 1 Ponto 2 Ponto 3 Ponto 4 Ponto 6 5, Tempo (dia) Figura 3 - Variação temporal do ph. O ph no efluente de fossa séptica (ponto 2) variou 6,5 a 7,2, com valor médio de 6,8 e desvio padrão de 0,061. Concentração (mg/l) Entrada da Fossa Séptica Saída da Fossa Séptica Tempo (dia) Figura 4 - Variação temporal da Alcalinidade no protótipo. A alcalinidade no efluente variou 34,9 a 43,5 mgcaco 3 /L, com valor médio igual a 37,9 mgcaco 3 /L e desvio padrão de 3,5 mgcaco 3 /L. DQO As eficiências de remoção de DQO foram determinadas considerando afluente bruto e o efluente filtrado. A remoção média de DQO, após alcançar o equilíbrio dinâmico aparente, foi da ordem de 64,3% até o 98 dia de operação do protótipo de fossa séptica. A variação temporal da DQO no protótipo é mostrada a seguir: Concentração (mg/l) Tempo (dia) PONTO 1 PONTO 2 PONTO 3 PONTO 4 PONTO 5 PONTO 6 Figura 5 - Variação temporal da DQO

11 No ponto 1, Figura 6, observa-se que a DQO possui dois valores de concentração considerados elevados quando comparados com esgoto sanitário, no 49 dia de operação foi encontrado mg/l de DQO e no 98 dia 938 mg/l de DQO. Possivelmente, houve carreamento de partículas sólidas na hora da coleta da amostra, ou erro na preparação do substrato. Este fato também ocorreu para a DQO filtrada (Figura 6). Concentração (mg/l) Tempo (dia) PONTO 1 PONTO 2 PONTO 3 PONTO 4 PONTO 5 PONTO 6 Figura 6 - Variação temporal da DQO centrifugada A capacidade de hidrólise dos sólidos em sistemas de tratamento biológicos pode ser observada através dos resultados de DQO bruta afluente e efluente. Os resultados mostram, através da Figura 7, ponto 2, que a fossa séptica apresenta características de hidrólise inferior aos sistemas de tratamento de efluentes utilizando reatores acidogênicos para pré-tratamento de efluentes de acordo com pesquisa realizada por BARBOZA E FORESTI (2002) DQO(mg/L) Ponto de Amostragem DQO BRUTA DQO CENTRIFUGADA Figura 7 - Análise espacial da DQO no 47 dia de operação. O gráfico mostrado na Figura8, que apresenta o perfil espacial da DQO no 82 dia de operação da fossa a 25ºC, foi traçado considerando a DQO bruta afluente e DQO centrifugada nos demais pontos do protótipo. A fossa apresentava DQO bruta afluente de 235,6 mg/l no primeiro ponto (Ponto 1) de amostragem e a DQO efluente (Ponto 2) centrifugada apresentou uma concentração de 195,8 mg/l. Estes resultados mostram a baixa capacidade de conversão da parcela de DQO.

12 DQO(mg/L) DQO BRUTA DQO CENTRIFUGADA Ponto de Amostragem Figura 8 - Análise espacial da DQO no 82 dia de operação. Sólidos Totais, fixos totais e voláteis Os valores médios de sólidos totais no protótipo foram 1115 mg/l no afluente e 658 mg/l no efluente da fossa séptica, para o período de 82 ao 98 dia de operação, com temperatura de 25 C. Os valores nos mostram uma eficiência de 41% na remoção de sólidos. Os valores médios de sólidos fixos totais no protótipo foram 622 mg/l no afluente e 307 mg/l no efluente, para o período de 82 ao 98 dia de operação, com temperatura de 25 C. Os valores nos mostram uma eficiência de 50,6% na remoção de sólidos. Os valores médios de sólidos voláteis no protótipo foram 493 mg/l no afluente e 351 mg/l no efluente, para o período de 82 ao 98 dia de operação, com temperatura de 25 C. Os valores nos mostram uma eficiência de 28,8% na remoção de sólidos. Esses resultados mostram confirmam que a fossa séptica não tem boa eficiência na remoção de sólidos comparada com o tratamento de efluentes utilizando filtro anaeróbio de bambú para prétratamento de diversos tipos de efluentes de acordo com pesquisas realizadas por (CAMARGO E NOUR, 2000) Concentração (mg/l) Ponto de Amostragem ST SFT SV Figura 9 - Análise espacial dos valores médios de Sólidos Totais, Fixos Totais e Voláteis no 82 dia de operação.

13 Concentração (mg/l) Ponto de Amostragem ST (mg/l) SFT (mg/l) SV (mg/l) Figura 10 - Análise espacial dos Sólidos Totais, Fixos Totais e Voláteis no 82 dia de operação. Ácidos Voláteis A variação espacial da concentração de ácidos voláteis na fossa séptica, determinada por titulação, está apresentada na Figura 11. A análise dos resultados quando a temperatura de operação foi de 25 C foi realizada em duas etapas. A primeira etapa corresponde ao período inicial de operação até o 82 dia de operação. A segunda etapa compreende o período de operação até o 98 dia. Concentração (mg/l) Entrada da Fossa Séptica Saída da Fossa Séptica Tempo (dia) Figura 11 - Variação temporal de Ácidos Voláteis. O valor médio de ácidos voláteis, determinados por titulação, a partir do equilíbrio aparente foi de 30,7 mg/l. Apresentação e Discussão dos Resultados da Simulação Computacional A Figura 12 mostra o mapa do contorno obtido, após calibração para a camada de solo. Figura 12 - Mapa com as linhas equipotenciais na camada de solo. Figura gerada pelo Visual MODFLOW.

14 Conforme está apresentado no mapa (Figura 13), as setas indicam a direção do fluxo da água subterrânea. As cores das setas estão relacionadas com a direção do fluxo, as quais são adotadas pelo MODFLOW: em planta, as setas verdes indicam o fluxo no plano horizontal. Figura 13 - Mapa com as linhas equipotenciais em corte vertical na seção central do plano horizontal. Os tubos em branco, representam os poços de observação. Figura gerada pelo Visual MODFLOW. De uma forma geral, as setas azuis sempre representarão o fluxo no plano da seção em corte; as verdes sempre indicarão o fluxo que penetra no plano de corte. Em conformidade com isso, pode-se observar que o fluxo as água subterrânea é basicamente horizontal, segundo é comprovado na Figura 13. Modelagem do transporte do esgoto sintético Concluída a modelagem do fluxo do esgoto na coluna de solo, iniciou-se a etapa de simulação do transporte do contaminante. A simulação teve o objetivo de determinar a pluma formada pelo contaminante, a fim de prever possível grau de contaminação. Para simular o transporte do efluente de fossa séptica, foi selecionado o código MT3D - A Modular Three-Dimensional Transport Model for Simulation of Advection, Dispersion and Chemical Reactions of Contaminants, in Groundwater Systems (ZHENG, 1990 apud FREIRE, 2002). Utilizou-se a distribuição de velocidades em regime permanente calculada para a área pelo modelo de fluxo mostrado anteriormente, visando simular o transporte de contaminantes. O uso do fluxo em regime estacionário em simulações transientes de transporte de contaminantes é justificado devido à falta de dados do fluxo ao longo de todo o período simulado. Além disso, como a simulação de transporte envolve longos períodos de tempo, as pequenas variações transientes no fluxo geralmente não exercem grande influência na condução do contaminante, sendo apenas necessário utilizar os valores médios de velocidade para considerar a parte advectiva do transporte.

15 Concentração Inicial Para a simulação do transporte de contaminantes no solo, o MT3D requer que se defina uma concentração inicial (no tempo t=0) para todas as células da malha. Considerou-se essa concentração inicial 216 mg/l para todo o solo, que corresponde a uma concentração de DQO encontrada em laboratório para o protótipo construído, para se poder, então, determinar a pluma formada a partir das fontes de contaminação após determinados períodos de tempo. Fontes de contaminação O MT3D considera as fontes de contaminante como sendo condições de contorno para o sistema, as quais são: Constant Concentration (Concentração Constante), Recharge Concetration (Concentração de Recarga), Evapotranspiration Concentration (Concentração de Evapotranspiração) e Point Source Concetration (Concentração de Fonte Pontual). Considerando-se que a condição de contorno denominada de concentração constante está definida pelo modelo como sendo aquela semelhante às condições que se tem no experimento, foi determinado que a contaminação do solo será adotada como sendo uma Concentração Constante (Constant Concentration) de contaminação, sendo o valor da concentração utilizado no modelo igual ao valor obtido pela análise de laboratório realizada no 82 dia de operação da fossa séptica no ponto de 216 mg/l. Não foi considerada inicialmente a contaminação através da recarga do aqüífero nem através da evapotranspiração. A seguir, mostra-se na Figura 14 a localização da fonte contaminante simulada dentro da coluna de solo. Figura 14 - Mapa com a fonte de contaminação. Em azul observa-se a entrada do efluente de fossa séptica no solo. Figura gerada pelo Visual MODFLOW. Dispersividade Foram considerados valores típicos da literatura para dispersividade. Visando obter uma medida da sensibilidade do modelo ao valor desse parâmetro, foi simulado um valor para a dispersividade longitudinal: 1 metro. Para a dispersividade transversal horizontal e vertical, utilizou-se o valor de 10% da dispersividade longitudinal. Essa relação é bem aceita na literatura, onde se recomenda utilizar valores de 1 a 2 ordens de magnitude menores para as dispersividades transversais do que a dispersividade longitudinal (ACIOLI E ARAUJO, 2002).

16 Reações Químicas e Físico-Químicas Não foi considerado nenhum tipo de reação química ou físico-química nas simulações realizadas. Apresentação e Análise dos Resultados Finais A seguir são apresentados os dois tipos de simulação de contaminante feitas para o solo. O primeiro tipo mostra a simulação considerado a dispersividade longitudinal de 1 metro, para um tempo de simulação de 98 dias. A Figura 15 mostra as linhas de isoconcentrações resultantes da fonte de contaminação simulada. Figura 15 - Visão geral das plumas de contaminante. Tempo de simulação de 98 dias. Figura gerada pelo Visual MODFLOW. Pode-se verificar que o contaminante liberado da fonte convergiu da entrada do solo (face esquerda da coluna de solo) para a saída do solo (face direita da coluna de solo) do domínio simulado. Isso era previsto devido ao gradiente hidráulico gerado pelo fluxo. Observou-se ainda que a pluma de contaminante atingiu todos os poços de observação, o que pode ser comprovado analisando-se a Figura 16, que mostra o perfil em 3D do solo. Figura 16 - Mapa em 3D das concentrações no solo. Tempo de simulação de 98 dias. O vermelho corresponde a uma concentração de 216 mg/l e azul de aproximadamente 73 mg/l. Figura gerada pelo Visual MODFLOW.

17 Figura 17 - Visão geral das plumas de contaminante. Tempo de simulação de 50 dias e dispersividade longitudinal de 10 m. Figura gerada pelo Visual MODFLOW. De acordo com o que pode ser observado na Figura 15 e na Figura 17 a dispersividade não é um fator determinante no comportamento da pluma, nem no tempo de simulação de 50 dias, nem no de 98 dias. Tabela 4 - Comparação entre os valores de concentração de DQO calculados pelo modelo e medidos diretamente nos poços de observação. Poço Concentração de DQO calculada(mg/l) Concentração de DQO observada(mg/l) Erro (mg/l)=cal-obs TC TC TC A coluna de solo foi expandida de 48 cm para 1 m de comprimento. Observou-se que a pluma gerada pelo lançamento do efluente de fossa séptica chegou a uma distância de cerca de 90 cm do ponto de lançamento (ver Figura18). Figura 18 - Mapa em 3D das concentrações no solo com 1 metro de comprimento. Tempo de simulação de 98 dias. O vermelho escuro corresponde a uma concentração de 216 mg/l e o azul à pequenas concentrações. Figura gerada pelo Visual MODFLOW.

18 CONCLUSÃO Diante dos resultados obtidos e do estudo desenvolvido ao longo do trabalho, pode-se dizer que: Observou-se que foi obtido êxito na modelagem do comportamento da pluma de efluente de fossa séptica, uma vez que os indicadores de calibração do programa indicaram a fidelidade da simulação (coeficiente de correlação igual a 0,972); Detectou-se que a concentração da pluma de efluente de fossa séptica, atinge valores pequenos para distâncias superiores a 90 cm, o que pôde ser visualizado na simulação da concentração (Ver Figura 18), obtida na simulação. Vale ressaltar que esse resultado foi obtido com dados de entrada do programa idênticos aos utilizados na simulação do protótipo em seu tamanho real. Os baixos valores de concentração do contaminante nunca chegam a se anular devido ao fato de existir uma certa faixa em que os microrganismos não conseguem digerir a matéria orgânica. Isso se explica pelo fato da reação cinética ser de primeira ordem, sempre restando certa quantidade de resíduos a serem degradados. No entanto, em regiões que possuem solo silto-arenoso, ou outros de boa absorção, com níveis freáticos de grandes profundidades, tornam a solução individual fossa séptica/sumidouro a mais utilizada e a mais recomendada para baixos níveis de densidade demográfica, cuja utilização da rede de esgoto torna-se inviável economicamente. Vale lembrar que a eficiência de remoção de matéria orgânica na fossa séptica ficou em torno de 60%, devido ao fato do protótipo permanecer em condições muito favoráveis de temperatura, que permanecia constante dentro da bancada, o que acelerou o processo de degradação da matéria orgânica pelos microrganismos. Há estudos de caracterização hidrogeológica nos mananciais de Maceió, porém, ainda existe uma carência de pesquisas que indiquem a situação atual da influência dos contaminantes nos aqüíferos. Este presente trabalho vem com o intuito de ajudar na minimização da carência dessas informações, pelo menos no que diz respeito à influência do efluente doméstico.

19 BIBLIOGRAFIA ABAS Água Subterrânea - curiosidades. Disponível on-line em _anteriores/136/paginas/15.htm. Acesso em 24/04/2003. ACIOLI, L. A. E ARAÚJO, L. M. (2002). Análise do comportamento do fosfato em um aqüífero, utilizando o MODFLOW: Estudo de caso. MACEIÓ, AL. Monografia (Graduação) Engenharia Civil, Universidade Federal de Alagoas. ANA AGENCIA NACIONAL DE ÁGUAS Superintendência de Informações Hidrológicas SIH. Disponível on-line Acesso em 09/01/2005. APHA; AWWA; WPCF (1997). Standard Methods for Examination of Water and Wastewater. 20th ed. American Public Health Association, Washington. ARAÚJO, L. M. (1998). Análise físico-química e microbiológica do açude do campus universitário. Campina Grande, Relatório do CNPq. BARBOZA, M. G., FORESTI, E. (2002). Efeitos da temperatura e velocidade superficial em sistemas anaeróbios de duas fases tratando esgoto sanitário sintético em reatores horizontais com células imobilizadas, SÃO CARLOS, SP. Tese (Doutorado) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. CAPUTO, H. P. (1967). Mecânica dos Solos e suas aplicações. Vol. 1. Rio de Janeiro: Ao Livro Técnico S.A. CASAL COMPANHIA DE ABASTECIMENTO D ÁGUA E SANEAMENTO DO ESTADO DE ALAGOAS INFORMAÇÕES GERAIS. Disponível on-line em Acesso em 26/07/2004. COTA, S.D.S: Modelagem da contaminação de aqüíferos livres por NAPLs residuais na zona insaturada. Tese (Doutor em Engenharia) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Recursos Hídricos Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre CUSTODIO, E.; LLAMAS, M.R. (1983). Hidrogeologia subterrânea. 2v., Barcelona: Omega. DILALLO, R. & ALBERTSON, O.E. (1961). Volatile Acids b journal WPCF, v. 33, p DOMENICO, P.A. E F.W. SCHWARTZ Physical and Chemical hydrogeology, 2ª edição, John Wiley & Sons. DSG Departamento de Saúde de Geórgia - Sistemas de Tanque Séptico para Residências Suburbanas e Rurais. (Trad. Eng Adilson S. da Motta). FEITOSA, F. A.; MANOEL FILHO, J. (1997) (coords). Hidrogeologia - conceitos e aplicações, Fortaleza., CPRM. FREIRE, C. C. (2002). Modelo de gestão para águas subterrâneas. Tese (Doutora em Engenharia) - Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Recursos Hídricos Saneamento Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

20 GERBA, C. P.; BITTON, G. (1984) Microbial pollutants: their survival and transport pattern to groundwater. In: BITTON, G.; GERBA, C.P. (Eds). Groundwater pollution microbiology. New York, John Wiley & Sons. P JORDÃO, E. P. E PESSÔA, C. A. (1995) Tratamento de esgotos domésticos (3ª edição,). MCDOWELL-BOYER, L. M.; HUNT, J. R.; SITAR, N. (1986) Particle transport through porous media. Water Resources Research, n.22, v. 13, p MCDONALD, M.G. e HARBAUGH, A.W., A modular Three-Dimensional Finite-Difference Ground Water Flow Model, Techniques of Water-Resources Investigations of the United State Geological Survey, Book6, Chapter Al, USCS Open-File Report ,1988. RIPLEY, L.E.; BOYLE, W.C.; CONVERSE, J.C. (1986). Improved Alkalimetric Monitoring for Anaerobic Digestion of High-Strength Wastes. journal WPCF, v. 58, p REVISTA ELETRÔNICA DE CIÊNCIAS, Disponível on-line em acesso em 02/02/05. SETTI, A. A. [et al.]. (2001). Introdução ao gerenciamento de recursos hídricos. 3ª ed. Brasília: Agência Nacional de Energia Elétrica; Agência Nacional de Águas. TORRES, P. (1992) Desempenho de um reator anaeróbio de manta de lodo (UASB) de bancada no tratamento de substrato sintético simulando esgoto sanitário. SÃO CARLOS, SP. Dissertação (Mestrado) Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. WAGNER, E. G. e LANOIX J. N. (1958) - Excreta Disposal for Rural Areas and Small Communities (W.H.O. - Geneva). WATERLOO HYDROGEOLOGIC, Disponível on-line em acesso em 04/01/05.

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista

Leia mais

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos

Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO DECIV DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Tanques Sépticos e Disposição de Efluentes de Tanques Sépticos DISCIPLINA: SANEAMENTO PROF. CARLOS EDUARDO F MELLO e-mail: cefmello@gmail.com

Leia mais

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS.

III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. III-049 - TRATAMENTO BIOLÓGICO ANAERÓBIO CONJUGADO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LÍQUIDOS. Sueli Farias de Souza (1) Graduanda do Curso de Química Industrial da UEPB. Bolsista de Iniciação Cientifica do CNPq/PIBIC/UEPB.

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB EM INDÚSTRIA DE ALIMENTOS Rebecca Manesco Paixão 1 ; Luiz Henrique Biscaia Ribeiro da Silva¹; Ricardo Andreola ² RESUMO: Este trabalho apresenta a avaliação do desempenho

Leia mais

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS

Reunião Técnica Plano de Segurança da Água. 23 de novembro de 2010 - OPAS Reunião Técnica Plano de Segurança da Água 23 de novembro de 2010 - OPAS Introdução Qualidade da água e saneamento inadequados provocam 1,8 milhão de mortes infantis a cada ano no mundo (OMS, 2004), o

Leia mais

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS

AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS AVALIAÇÃO DO SISTEMA REATOR UASB E FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR OPERANDO SOB DIFERENTES CONDIÇÕES HIDRÁULICAS Marco Túlio Rocha Porto* Engenheiro Civil, Mestrando em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE REATOR UASB AO RECEBER LODO SÉPTICO Juliana Moraes SILVA julianamoraes84@yahoo.com.br Paulo Sérgio SCALIZE pscalize.ufg@gmail.com Programa de Pós Graduação Stricto sensu em Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE

AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE AVALIAÇÃO MATEMÁTICA DOS PROCESSOS DE REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM FILTRO ANAERÓBIO DE FLUXO ASCENDENTE Cinthia Monteiro Hartmann (1) Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Paraná

Leia mais

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG

RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG RESULTADOS PARCIAIS DO EMPREGO DE METODOLOGIA PARA INTEGRAR SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES AGROINDUSTRIAIS NO IFTRIÂNGULO UBERABA MG ANTONELLO, P.M. 1 ; BARRETO, A.C 2 ; SOUZA, A.D. 3 ; 1 Bolsista

Leia mais

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA

WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA WETLANDS CONSTRUÍDOS PARA O TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA Danielle Martins Cassiano de Oliveira (*), Ricardo Nagamine Costanzi * Universidade Tecnológica Federal do Paraná, danielle.martins.cassiano@gmail.com

Leia mais

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias

SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias SHS0402 - Instalações Hidráulicas e Sanitárias Fossas sépticas e disposição final dos efluentes Francisco Glaucio Cavalcante de Souza Doutorando em Engenharia Hidráulica e Saneamento Introdução O que fazer

Leia mais

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS

I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS I-103 - ESTUDO PRELIMINAR DA REMOÇÃO DE SÓLIDOS E TURBIDEZ POR DISPOSIÇÃO EM SOLO UTILIZANDO EFLUENTE PRÉ-TRATADO POR SISTEMAS ANAERÓBIOS Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre

Leia mais

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA

INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE CONTROLE AMBIENTAL PCA SUINOCULTURA DIRETRIZES GERAIS: O Plano de Controle Ambiental (PCA), será apresentado pelo requerente da licença e constituir-se-á de

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT

MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO CÓRREGO QUARTA-FEIRA, CUIABÁ-MT ALBUQUERQUE, T. S., FINGER, A., SILVA, A. R. B. C., BATTAINI, B., FONTES, C. C. C., SILVA, F. R., MASSAD, H. A. B., MÊNITHEN, L.,

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO

QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO Pimentel, I. M. C. 1 ; Callado, N. H. 2 & Pedrosa, V. A. 3 RESUMO Este artigo ressalta a importância da qualidade

Leia mais

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98

DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL PORTARIA Nº 231,de 31 DE JULHO DE 1998, DOU de 07/08/98 O DIRETOR-GERAL DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE PRODUÇÃO MINERAL - DNPM, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO UTILIZAÇÃO DA PLANTA VETIVERIA ZIZANIOIDES NO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernando Ernesto UCKER; Rogério de Araújo ALMEIDA Universidade Federal de Goiás UFG E-mail: ferucker@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO

IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO IV-029 QUALIDADE BACTERIOLÓGICA DAS ÁGUAS DE POÇOS ARTESIANOS DO CARIRI PARAIBANO Wanda Izabel Monteiro de Lima Marsiglia (1) Engenheira química pela UFPB (1980). Mestre em Engenharia civil- pela UFPB

Leia mais

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT

ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO ANALYSIS OF THE EFFICIENCY A SYSTEM PREFABRICATED SEWAGE TREATMENT ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DE SISTEMA PRÉ-FABRICADO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Fernanda Liska 1 ; Simone Fiori 2 *; Vera M. Cartana Fernandes 3 ; Vinícius Scortegagna 4 Resumo Apenas parte dos domicílios

Leia mais

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES

PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES PROPOSTA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES EM EMPRESA ESPECIALIZADA EM RETÍFICA DE MOTORES Felipe de Lima Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio grande do Sul Campus Sertão, Acadêmico do Curso

Leia mais

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR

VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR VAZÃO E MONITORAMENTO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS URBANAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE JULHO - 2010 Rosane Ferreira de Aquino Carlos Romay Pinto da Silva Cláudia Espírito Santo Jorge Reis Lustosa Eduardo Atahyde

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG.

O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/7 O USO DE TANQUES SÉPTICOS NA CIDADE DE ARAGUARI-MG. Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro civil (1997): UFU Universidade Federal de

Leia mais

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com

Gerenciamento de Drenagem de Mina. Soluções e Tecnologias Avançadas. www.water.slb.com Gerenciamento de Drenagem de Mina Soluções e Tecnologias Avançadas www.water.slb.com Buscando sempre desenvolver solução inovadoras, eficientes e econômicas. A Schlumberger Water Services é um segmento

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS UTILIZANDO REATOR ANAERÓBIO HORIZONTAL DE LEITO FIXO (RAHLF)

TRATAMENTO BIOLÓGICO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS UTILIZANDO REATOR ANAERÓBIO HORIZONTAL DE LEITO FIXO (RAHLF) TRATAMENTO BIOLÓGICO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS UTILIZANDO REATOR... 65 TRATAMENTO BIOLÓGICO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS UTILIZANDO REATOR ANAERÓBIO HORIZONTAL DE LEITO FIXO (RAHLF) Ronan

Leia mais

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA

REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA REMOÇÃO DE POLUENTES DE EFLUENTE DE REATOR ANAERÓBIO UTILIZANDO BANHADOS CONSTRUÍDOS VEGETADOS COM TANGOLA André dos Santos Oliveira 1,3 ; Luciene da Silva Santos 1,3 ; Carlos Nobuyoshi Ide 2,3. 1 Bolsista

Leia mais

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5

LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C. 3 ; FREITAS, A.C. 4 ; GONÇALVES, C.A.A. 5 PROGRAMA DE VIABILIZAÇÃO TÉCNICA PARA SISTEMA DE TRATAMENTO INTEGRADO DOS EFLUENTES GERADOS NO COMPLEXO AGROINDUSTRIAL DA UNIDADE I DO CEFET UBERABA MG LEOCÁDIO, C.R. 1 ; SOUZA, A.D. 2 ; BARRETO, A.C.

Leia mais

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32

Sumário. manua_pratic_05a_(1-8)_2014_cs4_01.indd 9 26/05/2014 15:40:32 Sumário Apresentação... 15 Capítulo 1 Qualidade da água e saneamento... 17 Referências bibliográficas...24 Capítulo 2... 25 Resumo geral da teoria... 25 2.1 Poluição e contaminação dos recursos hídricos...25

Leia mais

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL Carla Gracy Ribeiro Meneses (1) Engenheira Civil/UFRN, 1998; mestranda do Programa

Leia mais

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Rita de Cascia Avelino Suassuna Apoio: CNPq, FAPEAL e UFAL Objetivo Estudar

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE.

A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. A UTILIZAÇÃO DE FOSSAS VERDES PARA O SANEAMENTO BÁSICO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NO NORDESTE. Mário Rodrigues Pereira da Silva mariorodriguesengprod@gmail.com Antonio Oliveira Netto oliveira_netto@hotmail.com

Leia mais

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002

NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 NORMA TÉCNICA CONTROLE DE CARGA ORGÂNICA NÃO INDUSTRIAL CPRH N 2.002 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÃO 4. ABRANGÊNCIA 5. EXIGÊNCIAS DE CONTROLE 1 1. OBJETIVO Os critérios e padrões

Leia mais

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL

MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Castellón, 23-24 de julio de 28. MONITORAMENTO DE CHORUME NO ANTIGO LIXÃO DO ROGER EM JOÃO PESSOA PARAÍBA - BRASIL Resumo Nóbrega, C. C. * ; Ferreira, J. W. O.; Athayde Jr., G. B.; Gadelha, C. L.; Costa,

Leia mais

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/214 RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Ana Paula Cosso Silva Araujo (*), Bruno de Oliveira Freitas. * Universidade

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento

Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Jaraguá do Sul, 27 e 28 de agosto de 2012 Curso de Capacitação Aplicação da hidrologia para prevenção de desastres naturais, com ênfase em mapeamento Gean P. Michel (UFSC) Masato Kobiyama (UFSC) Roberto

Leia mais

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL

Gestão Ambiental 22/10/2012. Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Gestão Ambiental Profª Denise A. F. Neves MÓDULO SANEAMENTO AMBIENTAL Tema: Sistemas Urbanos de Esgotamento Sanitário Objetivos: Conhecer os elementos que compõem um sistema urbano de esgotamento sanitário;

Leia mais

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio.

Numa fossa séptica não ocorre a decomposição aeróbia e somente ocorre a decomposição anaeróbia devido a ausência quase total de oxigênio. As fossas sépticas são unidades de tratamento primário de esgoto doméstico nas quais são feitas a separação e a transformação físico-química da matéria sólida contida no esgoto. É uma maneira simples e

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro

Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Manual de Construção: Fossa ECOLÓGICA E Sumidouro Introdução Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de esgotos, especialmente

Leia mais

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR

LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMO ALTERNATIVA PARA TRATAMENTO DE EFLUENTES EM UM LATICÍNIO DO MUNICÍPIO DE MISSAL/PR Kelly Mayara Poersch (IC) 1, Anelize Queiroz do Amaral (PQ) 2, Renan Pies (IC) 3, Adrieli

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA UTILIZADA PARA CONSUMO DOMÉSTICO EM ALGUNS POÇOS ARTESIANOS LOCALIZADOS NA ZONA LESTE DE TERESINA-PI Agnos Lopes do Nascimento (Bolsista PIBIC/CNPQ), Carlos Ernado da Silva

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES

DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES DESENVOLVIMENTO DE UM SOFTWARE PARA SELEÇÃO DE TIPOS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS PARA PEQUENAS COMUNIDADES Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Químico (UNICAMP, 1989); Engenheiro de Segurança do Trabalho

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS DA UNIDADE HIDRELÉTRICA DE ERNERGIA UHE-SÃO JOSÉ Triunfo, 11 de fevereiro de 2011 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. RELAÇÃO DOS POÇOS DE MONITORAMENTO... 3

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE CULTURAS IRRIGADAS COM ESGOTO TRATADO Suetônio Mota (1) Engenheiro Civil e Sanitarista. Doutor em Saúde Ambiental, pela Universidade de São Paulo. Professor Titular do Centro

Leia mais

Palavras-chaves: Qualidade das águas; Indústria sucro-alcooleira; Monitoramento

Palavras-chaves: Qualidade das águas; Indústria sucro-alcooleira; Monitoramento AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Menezes, A. C. V. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Torquato Jr, H. 4 & Pimentel, I. M. C. 5 Resumo

Leia mais

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL.

DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. DIAGNÓSTICO DA QUALIDADE DE ÁGUA NO ENTORNO DE UM CEMITÉRIO EM JACI-PARANÁ (RO), AMAZÔNIA OCIDENTAL. MAYAME MARTINS COSTA Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia Campus Colorado

Leia mais

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO

PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO REDE METROLÓGICA DO ESTADO DE SÃO PAULO - REMESP REDE DE SANEAMENTO E ABASTECIMENTO DE ÁGUA - RESAG 29 a 31 de outubro de 2014 Local: Associação Brasileira da Indústria de Máquinas

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG

TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG TÍTULO: ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS DE FONTES ALTERNATIVAS DE ÁGUA EM SETE LAGOAS-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO

Leia mais

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água.

ÁGUA. Água conhecida como elemento vital. primitivas. evoluídas. História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. ÁGUA Água conhecida como elemento vital Comunidades primitivas evoluídas Água Sobrevivência História da humanidade relação simples e intrínseca: Homem/Água. Civilizações mais primitivas comunidades nômades

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS

ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS ANÁLISE CRÍTICA DOS SISTEMAS DE MONITORAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS DE ATERROS PARA RESÍDUOS SÓLIDOS Jorge Hamada* Faculdade de Engenharia de Bauru - UNESP. Engenheiro civil, mestrado e doutorado em Hidráulica

Leia mais

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR

PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR PLANO DE DISCIPLINA DADOS DO COMPONENTE CURRICULAR Nome: SISTEMA DE ESGOTO E DRENAGEM Curso: BACHARELADO EM ENGENHARIA CIVIL Semestre: 9º Carga Horária Semestral: 67 h EMENTA Noções Gerais sobre Sistema

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

Sistema biológico alternativo para pós-tratamento de esgoto

Sistema biológico alternativo para pós-tratamento de esgoto Sistema biológico alternativo para pós-tratamento de esgoto ALTERNATIVE BIOLOGICAL SYSTEM AS A WASTEWATER POS-TREATMENT Priscila Karina Altvater Mannich(¹) Daniel Costa dos Santos(²) Michael Mannich(³)

Leia mais

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I

EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I EFICIÊNCIA DOS FILTROS ANAERÓBIOS TIPO CYNAMON NO TRATAMENTO DE ESGOTOS - PARTE I Odir Clécio da Cruz Roque (1) Engenheiro Químico, D.Sc. Professor Adjunto da FEUERJ. Pesquisador Titular da ENSP / Fiocruz.

Leia mais

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS

VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS VIABILIDADE ECONÔMICO-FINANCEIRA PARA IMPLANTAÇÃO DO SES AJURICABA-RS Giuliano Crauss Daronco (1) Doutor em Recursos Hídricos e Saneamento. Departamento de Ciências Exatas e Engenhariais. (DCEEng). Universidade

Leia mais

Projeto Lagoas Costeiras

Projeto Lagoas Costeiras Projeto Lagoas Costeiras Curso de formação para multiplicadores Módulos 1 e 2: Ecologia da Restinga Águas Subterrâneas Formação da Água Subterrânea: Ciclo de água Ciclo de água e volumes distribuídos nas

Leia mais

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO

RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO RELATÓRIO DE FISCALIZAÇÃO Qualidade da Água de Abastecimento da sede do Município de Coimbra Belo Horizonte Dezembro de 2014 ÍNDICE 1. IDENTIFICAÇÃO DA AGÊNCIA REGULADORA... 5 2. IDENTIFICAÇÃO DO PRESTADOR

Leia mais

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA

COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA COMPARAÇÃO DOS ASPECTOS FÍSICOS CARACTERÍSTICOS DA QUALIDADE DA ÁGUA DA REPRESA SAMAMBAIA, GOIÂNIA GO, NOS PERÍODOS DE SECA E CHUVA Michelle Mesquita de Medeiros 1, Orlene Silva da Costa 2, Eduardo Queija

Leia mais

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS

X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS X-003 - PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS E RESULTADOS NO MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DE ESGOTOS Aline Pires Veról(1) Graduanda em Engenharia Civil Escola Politécnica/UFRJ, Bolsista IC-CNPq/PROSAB Maria Cristina

Leia mais

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS

ABASTECIMENTO DE ÁGUA SOLUÇÕES ALTERNATIVAS UFPR Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ Setor de Ciências da Saúde Departamento de Saude Comunitária ABASTECIMENTO DE ÁGUA Profª. Eliane Carneiro Gomes Departamento de Saúde Comunitária

Leia mais

Água - Recurso Natural

Água - Recurso Natural - Recurso Natural PROF. Carla Gracy Ribeiro Meneses A água é um elemento essencial para a humanidade. Nosso corpo é composto por dois terços de água, isso equivalente ao nosso peso total. Curiosidades!

Leia mais

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema

Check list e Avaliação. Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema SISTEMA DE ESGOTO ESTÁTICO Check list e Avaliação Orientações para preenchimento do Formulário de Inspeção/Vistoria e Subsídios para Avaliação do Sistema Belo Horizonte, Outubro de 2008 SISTEMA DE ESGOTO

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DE REATOR UASB NO TRATAMENTO DE EFLUENTES GERADOS POR HOSPITAL DA SERRA GAUCHA RESUMO A atividade dos serviços de saúde gera águas residuárias que podem causar impactos sobre os

Leia mais

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA.

ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. ESTUDO TÉCNICO E ECONÔMICO PARA IMPLANTAÇÃO DE REÚSO DE ÁGUA EM UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES SANITÁRIOS DE UMA INDÚSTRIA ELETRÔNICA. Nilton de Paula da Silva 1 Ederaldo Godoy Junior 2 José Rui

Leia mais

Dimensão ambiental. Saneamento

Dimensão ambiental. Saneamento Dimensão ambiental Saneamento Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 135 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Apresenta a parcela da população atendida pelos serviços de coleta

Leia mais

PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO

PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO PERFORMANCE DE UM REATOR UASB NA ATENUAÇÃO DA CARGA ORGÂNICA PRESENTE NA MISTURA DE ESGOTO SANITÁRIO E PERCOLADO Maria da Conceição Silva Lima * Universidade Estadual da Paraíba. Mestre em Desenvolvimento

Leia mais

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Rodrigo dos Santos Bezerra Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ

Leia mais

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI

ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO- ECONÔMICA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO (RMSP) PELO AQUÍFERO GUARANI LEBAC/IGCE/UNESP Janeiro-2004 ESTUDO DE VIABILIDADE TÉCNICO-ECONÔMICA

Leia mais

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear

Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Convencionais e de Propulsão Nuclear Estaleiro e Base Naval para a Construção de Submarinos Plano Básico Ambiental SEÇÃO V- PROGRAMA DE GESTÃO AMBIENTAL DA BASE NAVAL Projeto 3 Gerenciamento de Efluentes 1 Após considerações da MB 31/05/2010

Leia mais

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Valderi Duarte Leite (1) Engenheiro Químico: DEQ/CCT/UFPB.Mestre em Saneamento: DEC/CCT/UFPB. Doutor em Saneamento : DHS/EESC/USP. Prof. do DQ/CCT/UEPB

Leia mais

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.

DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06. DECRETO N 18.328, DE 8 DE JUNHO DE 1997 TÍTULO VI DO LANÇAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS NA REDE COLETORA DE ESGOTOS DEC 18.328 DE 18.06.97 SEÇÃO I DOS PADRÕES DE EMISSÃO EM COLETORES PÚBLICOS OBJETIVO Art.

Leia mais

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012.

RESOLUÇÃO ARSAE-MG 015, de 24 de janeiro de 2012. RESOLUÇÃO 015, de 24 de janeiro de 2012. Homologa a Norma Técnica T.187/4 Lançamento de Efluentes não Domésticos no Sistema de Esgotamento Sanitário da Companhia de Saneamento de Minas Gerais COPASA MG.

Leia mais

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO XII SIMPÓSIO DE RECURSOS HIDRÍCOS DO NORDESTE ESTABILIDADE OPERACIONAL E REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA EM UM SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Pedro Herlleyson Gonçalves Cardoso 1 RESUMO Este estudo

Leia mais

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto

DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto DELTA DO JACUÍ ILHAS DA PINTADA, GRANDE DOS MARINHEIROS, FLORES E PAVÃO: Estudo Preliminar de Viabilidade para Tratamento de Esgoto Área temática: Saúde Pública/Vigilância Sanitária e Ambiental Trabalho

Leia mais

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS

2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS 2 o CONGRESSO BRASILEIRO DE P&D EM PETRÓLEO & GÁS REMOÇÃO DE FENOL DE EFLUENTES DE REFINARIAS DE PETRÓLEO Laerte de M. Barros Júnior 1 (Bolsista PRH-ANP 14 - DR), Gorete Ribeiro de Macedo 1, Willibaldo

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011

RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 RELATÓRIO ANUAL DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE ESGOTOS - 2011 INTRODUÇÃO: O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, do ano de 2011, de qualidade dos efluentes da estação de tratamento de esgotos

Leia mais

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio

6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ÁREA DE ABASTECIMENTO E ARMAZENAMENTO DE COMBUSTÍVEL 6As áreas de abastecimento representam uma possível fonte de poluição ao meio ambiente e seu manuseio e armazenagem também apresentam considerável grau

Leia mais

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA

HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA HIDROGEOLOGIA DO OESTE DE SANTA CATARINA PROESC Introdução O Projeto Oeste de Santa Catarina (PROESC), é o resultado de um convênio firmado entre a CPRM-Serviço Geológico do Brasil e o Governo do Estado

Leia mais

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO

ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO CATEGORIA: Pôster Eixo Temático Tecnologias ESTUDO DO TEMPO DE DETENÇÃO HIDRÁULICO (TDH) EM REATORES UASB E SUA RELAÇÃO COM A EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DE DBO Athos Moisés Lopes Silva 1 Orientador - Paulo

Leia mais

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto

Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Esgotos Sanitários: Objetivos de Projeto A instalação de esgoto doméstico tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos os despejos provenientes do uso da água para fins higiênicos,

Leia mais

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr.

PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS. Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. PROCESSOS OXIDATIVOS AVANÇADOS (POA) NO TRATAMENTO IN SITU DE CORPOS DE ÁGUA SUPERFICIAIS Marco Antonio Fernandes Locatelli, Dr. REAÇÕES DE OXIDAÇÃO Envolvem transferência de elétrons Espécie oxidada x

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS. Diego Filipe Belloni 1 AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA COMPOSTO POR RALF SEGUIDO POR FILTRO BIOLÓGICO TRATANDO EFLUENTES DOMÉSTICOS Diego Filipe Belloni 1 Sandro Rogério Lautenschlager 2 RESUMO Este trabalho apresenta os resultados

Leia mais

Concepção de instalações para o abastecimento de água

Concepção de instalações para o abastecimento de água Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV 640 Saneamento Urbano Concepção de instalações para o abastecimento de água Prof. Aníbal da Fonseca Santiago Universidade

Leia mais

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP

VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP VI-004 MONITORAMENTO EM TEMPO REAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DOS MANANCIAIS DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO - RMSP Armando Perez Flores (1) Bacharel em Química pela Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Leia mais

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04.

CET 303 Química Aplicada. Relatório: Visita técnica Estação de tratamento de água ETA 3 Capim Fino, em Piracicaba. Data da visita: 02.04. Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Tecnologia - FT Curso de Especialização em Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável CET 303 Química Aplicada Relatório: Visita técnica Estação de tratamento

Leia mais

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS José Tavares de Sousa (1) Mestre em Engenharia Civil, UFPB (1986), Doutor em Hidráulica e Saneamento, USP (1996). Professor do Departamento de Química

Leia mais

EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1

EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 EFICIÊNCIA DE TRATAMENTO DE ÁGUA CINZA PELO BIOÁGUA FAMILIAR 1 Solange Aparecida Goularte Dombroski 2, Fábio dos Santos

Leia mais

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO II-070 - REUSO DE ÁGUA NO ZOOLÓGICO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Gandhi Giordano (1) Engenheiro Químico (UERJ), D.Sc. Enga Metalúrgica e de Materiais (PUC-Rio). Diretor Técnico da Tecma - Tecnologia em

Leia mais

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro.

Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. Orientações para Instalação Domiliciar do Sistema de Fossa e Sumidouro. INTRODUÇÃO Este manual destina a fornecer informações sobre a construção e dimensionamento do sistema individual de tratamento de

Leia mais

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas

Parâmetros de qualidade da água. Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Parâmetros de qualidade da água Variáveis Físicas Variáveis Químicas Variáveis Microbiológicas Variáveis Hidrobiológicas Variáveis Ecotoxicológicas Coloração - COR Variáveis Físicas associada à presença

Leia mais

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta

HIDROGEOLOGIA AVANÇADA. PARTE II Aula 03. üíferos. Os Aqüí. Prof. Milton Matta HIDROGEOLOGIA AVANÇADA PARTE II Aula 03 Os Aqüí üíferos Prof. Milton Matta Aquïfero aqui + FERO = (H2O) (SUPORTE) AQUÍFERO Aquífero é uma formação geológica, formada por rochas permeáveis seja pela porosidade

Leia mais

Química das Águas - parte 3

Química das Águas - parte 3 QUÍMICA AMBIENTAL Química das Águas - parte 3 Aula S07 - Purificação de águas poluídas (Tratamento de esgoto) Prof. Rafael Arromba de Sousa Departamento de Química UFJF 2º período de 2013 Recapitulando...

Leia mais