II AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "II-110 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA"

Transcrição

1 II-11 - AVALIAÇÃO DO SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Irene Maria Chaves Pimentel (1) Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista de iniciação tecnológica do CNPq. Aline Cristina Vieira de Menezes Graduanda em Engenharia Civil da Universidade Federal de Alagoas UFAL. Bolsista de iniciação tecnológica do CNPq. Nélia Henriques Callado Engenheira Civil formada pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Doutora em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos (EESC) / Universidade de São Paulo (USP), Professora Adjunta do Centro de Tecnologia da Universidade Federal de Alagoas - CTEC/UFAL. Valmir de Albuquerque Pedrosa Engenheiro Civil formado pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Doutor em Recursos Hídricos pelo Instituto de Pesquisas Hidráulicas (IPH) / Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Professor Adjunto do departamento de Águas e Energia do Centro de Tecnologia da Universidade Federal de Alagoas DAE/CTEC/UFAL. Endereço (1) : : Rua ª,, Conjunto Cidade Universitária, Cidade Universitária, Maceió/AL. CEP ; fone: () / RESUMO A qualidade da água tem se tornado uma preocupação constante em diversas indústrias, principalmente, no setor sucro-alcooleiro. Tendo a S. A. Usina Coruripe Açúcar e Álcool, como estudo de caso, e verificando que a mesma concentra um consumo considerável de água na lavagem da cana-de-açúcar e outros usos. Várias etapas da produção necessitam de água que atendam ao padrão de potabilidade, outras, apenas os de balneabilidade e algumas de tratamento específico para determinado fim, de forma que se possa obter um melhor produto final. Além disso, é prática comum o uso da fértil-irrigação com vinhaça águas residuárias para evitar o descarte em mananciais. Com base nessas informações buscou-se avaliar o sistema de tratamento de efluente, composto por lagoas de sedimentação e de estabilização, através de parâmetros físico-químicos e a eficiência do mesmo. Após análises desses parâmetros, chegou-se a conclusão de que o sistema de tratamento utilizado apresenta baixa eficiência de remoção de sólidos totais e DQO, e que a baixa eficiência de remoção de matéria orgânica pode ser devida a uma deficiência nutricional além de curtos circuitos. PALAVRAS-CHAVE: Tratamento de resíduos, Indústria sucro-alcooleira, Lagoas de sedimentação, Lagoas de estabilização, Avaliação de sistema de tratamento. INTRODUÇÃO A água representa insumo fundamental à vida, configurando elemento insubstituível nas atividades humanas, além de manter o equilíbrio do meio ambiente. O acelerado crescimento populacional no mundo tem conduzido ao aumento da demanda de água, o que vem ocasionando, em várias regiões, problemas de escassez desse recurso, além da degradação nos mananciais. Com relação à degradação, os corpos hídricos têm capacidade de diluir e de assimilar esgotos e resíduos mediante processos físicos, químicos e biológicos, que proporcionam a sua autodepuração. Entretanto, essa capacidade é limitada em face da quantidade e qualidade de recursos hídricos existentes (SETTI et al, 1). O tratamento prévio de esgotos urbanos e industriais é fundamental para conservação dos recursos em padrão de qualidade compatíveis com a sua utilização para os mais diversos fins. No processo de fabricação de açúcar e álcool, altos volumes de água são extraídos através da ebulição do caldo durante a condensação para obtenção do açúcar. Além destas, maiores volumes são captados em mananciais, ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 1

2 que após sua utilização no sistema de lavagem de cinzas e gases de caldeiras, embebição e resfriamento de moendas, e lavagem da própria matéria prima, são parcialmente tratadas e destinadas a fertirrigação juntamente com a vinhaça. Existem diferentes métodos, tradicionais ou não, seja para a retirada de impurezas da cana, seja para a correção do ph e tratamento e/ou reúso da água, ou para o controle de vazão sem linearidade. No Brasil os processos de tratamento utilizados para as ALC dependem do tipo de sistema empregado: se, são sistemas abertos, quando não se faz o reúso das águas, ou se são fechados ou semifechados, quando se faz o reúso das águas. Esses processos envolvem tratamento primário, em caixas de sedimentação, lagoas de decantação ou decantadores convencionais; e tratamento secundário, compreendendo a bio-estabilização desses efluentes em lagoas anaeróbias, juntamente com outras do tipo facultativas (CETESB, 191). OBJETIVO Este trabalho objetivou estudar o desempenho do sistema de tratamento de efluentes da S. A. Usina Coruripe Açúcar e Álcool, que é composto de um decantador circular e lagoas de sedimentação como tratamento preliminar; seguido por lagoas de estabilização, em série e em paralelo, como tratamento secundário. METODOLOGIA Esse trabalho foi desenvolvido dentro da unidade industrial S.A. Usina Coruripe Açúcar e Álcool-Matriz, e o princípio metodológico utilizado, envolveu três ações específicas: identificação do fluxograma das águas que vão ao sistema de tratamento da mesma, medições de vazões e caracterizações físico-químicas. Os parâmetros que foram analisados envolveram determinações de temperatura, sólidos totais, sólidos fixos, sólidos voláteis, sólidos sedimentáveis, ph, alcalinidade, nitrogênio amoniacal, nitrito, nitrato, fosfato, DQO e ácidos voláteis. Os dados obtidos para o efluente final do sistema de tratamento foram comparados com os recomendados pela resolução CONAMA37/ e Decreto Estadual /, de Alagoas, no que diz respeito aos padrões de lançamento de efluentes. As concentrações de ácidos voláteis foram medidas por titulação direta, segundo métodos descritos por Dilallo & Albertson (191), e o procedimento descrito por Ripley, et al (19), foi utilizado para as análises de alcalinidade como CaCO 3. As demais análises foram realizadas segundo Standard Methods for the Examination of the Water and Wastewater (APHA, 199). As análises foram realizadas no Laboratório de Saneamento Ambiental (LSA) da Universidade Federal de Alagoas, localizado no Campus A.C. Simões/UFAL, na cidade de Maceió, a 11 km da Usina Coruripe. Para as medições de vazões nos condutos forçados foi utilizado equipamento ultrassônico portátil de correlação por tempo de trânsito digital, Modelo DCT-7. As medições nos canais abertos foram realizadas medindo-se a área molhada através da altura da lâmina líquida, seção do canal, e a velocidade média de escoamento, utilizando molinete, e aplicando a equação da continuidade. RESULTADOS O sistema de pré-tratamento de águas residuárias da Usina Coruripe é composto de decantador circular, com m de diâmetro, que recebe as águas de lavagem de cana, e de duas lagoas de sedimentação (denominadas Lagoa A com 7ha e B com 9ha), que recebe a descarga de fundo do decantador circular e as demais águas residuárias. O descarte de fundo do decantador circular é feito na lagoa de sedimentação B e as águas de lavagem de pisos da usina e destilaria e as águas de lavagem de cinzas e de gases são descartadas na Lagoa A. As águas residuárias afluentes às lagoas de sedimentação A e B, após sedimentação, são descartados numa lagoa de estabilização denominada de Lagoa C, com ha. O efluente da lagoa C é encaminhado a outras duas lagoas de estabilização, em paralelo, denominadas de Lagoas D (ha) e E (7ha). O efluente dessas duas lagoas se ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

3 reúne em outra lagoa de estabilização denominada de Lagoa F (1ha), cujo efluente é finalmente descartado na lagoa de estabilização G (3ha). As lagoas F e G possuem comportas que alimentam o canal do poço de sucção de duas elevatórias que recalcam água, depois de tratadas, para o canavial. A Figura 1 mostra, esquematicamente o sistema de tratamento de efluentes líquidos da Usina Coruripe. Figura 1. Esquema geral do sistema de tratamento de efluentes da Usina Coruripe. Analisando-se o fluxo de água na indústria estima-se que a vazão afluente a lagoa de sedimentação A é da ordem de 3. m 3 /h, enquanto que a da lagoa B é de 1.3 m 3 /h. Dessa forma, a vazão total de água residuária enviada para o canavial é de.3m 3 /h. Para avaliar a eficiência do sistema de tratamento foram feitas análises físico-químicas dos afluentes das lagoas A e B, e do efluente final, da lagoa G. Os dados de ph, alcalinidade total, sólidos totais e sólidos sedimentáveis, obtidos ao longo da safra / estão apresentados graficamente nas Figuras. Pelo gráfico da Figura verifica-se que o ph afluente a lagoa A esteve sempre na faixa ácida, variando de,3 a,3, com exceção do ponto do dia 1 de fevereiro que foi de,1, no entanto nessa semana a Usina já havia parado de moer. Já o da Lagoa B, era superior ao da Lagoa A, variando de, a 1,97. E o efluente final da Lagoa G apresentou-se crescente ao longo da safra, iniciando em,11 atingindo, no final da safra. Em fevereiro, depois de suspensa as atividades da Usina o ph voltou a caiu para,. Tanto a Resolução CONAMA n. 37/ quanto o Decreto estadual / estabelecem que o padrão de emissão de efluentes para o ph deve está situado na faixa de a 9. Assim, com relação a esse parâmetro verifica-se que o efluente final atendia a legislação. Com relação à alcalinidade esta variou, na entrada da Lagoa A, de 3mg.CaCO 3 /L a mg.caco 3 /L, com valor médio de mg.caco 3 /L e desvio padrão de 11mg.CaCO 3 /L, enquanto na Lagoa B essa variação foi de mg.caco 3 /L a 17mg.CaCO 3 /L, com valor médio de 9mg.CaCO 3 /L e desvio padrão de mg.caco 3 /L. No efluente final a alcalinidade total variou de 7mg.CaCO 3 /L a 1mg.CaCO 3 /L, com valor médio de 11mg.CaCO 3 /L e desvio padrão de 7mg.CaCO 3 /L. Alcalinidades relativamente baixas compatíveis com os valores de ph observados, e com predominância de alcalinidade intermediária (devida a ácidos fracos), provavelmente devido ao acúmulo de ácidos provenientes da degradação da matéria orgânica presente. Os dados obtidos mostram que a concentração média de ácidos voláteis no afluente da Lagoa A foi de mg/l com desvio padrão de 77mg/L, superior aos dados da Lagoa B, cujo valor médio foi de 1mg/L e desvio padrão de 1mg/L. No efluente final a concentração média de ácidos voláteis foi de mg/l e desvio padrão de mg/l. As concentrações de oxigênio dissolvido na entrada das lagoas variaram de,3mg/l a,mg/l, enquanto que no efluente final variou de,7 a,3mg/l. Com relação a temperatura, o afluente da Lagoa A (de 3 o C a o C) era sempre superior a da Lagoa B (de o C a 37 o C), visto que a Lagoa recebe as águas quentes de lavagem de cinzas e gases. Já no efluente final a temperatura variou de C a 3 C, valores sempre dentro do recomendado pela CONAMA 37/ e pelo Decreto /, que estabelece como máximo C. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 3

4 1 1, Variação do ph 7, Variação de ph 1 7, ph, 7, ph,, 9 -s e t 9 -se t 19 -o ut -n o v -n o v 1 -d e z 7 -ja n 7-ja n 1 -fe v 9 -s e t 9 -se t 1 9 -o u t -n o v -n o v 1 -d e z 7 -ja n 7 -ja n 1 -fe v 3 Variação de Alcalinidade Total Variação de Alcalinidade Total Alcalinidade Total 1 1 Alcalinidade Total set 9-set 19-out -nov -nov 1-dez 7-jan 7-jan 1-fev Variação dos Sólidos Totais Variação de Sólidos Totais Sólidos Totais 3 Sólidos Totais se t 9 -s e t 1 9 -o u t -n o v -n o v 1 -d e z 7 -ja n 7 -ja n 1 -fe v 9 -s e t 9 -se t 1 9 -o u t -n o v -n o v 1 -d e z 7 -ja n 7 -ja n 1 -fe v Variação de Sólidos Sedimentáveis 1 Variação de Sólidos sedimentáveis 1 Sólidos Sedimentáveis Sólidos Sedimentáveis 1 1 Safra / Legenda: Lagoa A, Lagoa B, Saída das Lagoas. Figura. Gráficos de variação de ph, alcalinidade, sólidos totais e sedimentáveis na safra /. No que diz respeito a concentração de sólidos totais verificou-se que a concentração média afluente foi de 1mg/L na Lagoa A, e de mg/l na Lagoa B. Na lagoa A a relação SF/ST foi de,, e na Lagoa B foi de, indicando a predominância de sólidos voláteis. A maior relação SF/ST para a Lagoa B indica que a concentração de sólidos fixos era maior que a da Lagoa A. Na lagoa B os sólidos fixos são devido a presença de areia proveniente da lavagem de cana, enquanto na Lagoa A são provenientes das cinzas da queima do bagaço de cana nas caldeiras. No efluente final das lagoas a concentração média de sólidos totais foi de 1mg/L, com relação SF/ST de,1, indicando a predominância de sólidos voláteis. A eficiência do sistema com relação a esse parâmetro foi baixa, na ordem de %. No entanto, a eficiência de remoção de sólidos sedimentáveis foi de 73%, cuja concentração média no afluente ao sistema de lagoas foi de 1mL/L, enquanto que no efluente final foi de 3,7mL/L. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

5 Apesar da alta eficiência de remoção de sólidos sedimentáveis observada, o efluente final ainda apresenta-se fora dos padrões estabelecidos tanto a Resolução CONAMA n. 37/ quanto pelo Decreto estadual /, que estabelecem como limite máximo 1mL/L. Os gráficos da Figura 3 apresentam os valores de DQO, cloretos, nitrogênio amoniacal e fosfato, obtidos no afluente e efluente do sistema de lagoas. 1 Variação de DQO Variação de DQO DQO 1 1 DQO se t 9 -s e t 1 9 -o u t -n o v -n o v 1 -d e z 7 -ja n 7 -ja n 1 -fe v 3 Variação de Cloretos 1 Variação de Cloretos Cloretos 1 1 Cloretos 3 -s e t -o u t 9 -n o v 9 -n o v 1 9 -d e z -ja n -ja n 1 7 -fe v 3 -o u t 3 -o u t 1 -n o v -d e z -d e z 1 1 -ja n 3 1 -ja n -fe v 1 Variação de Nitrogênio Amoniacal 1 Variação de Nitrogênio Amoniacal 1 1 Nitrogênio Amoniacal 1 1 Nitrogênio Amoniacal 1 1 -s e t 1 -o u t 3 -o u t 1 9 -n o v 9 -d e z 9 -d e z 1 -ja n 7 -fe v -s e t 1 -o u t 3 -o u t 1 9 -n o v 9 -d e z 9 -d e z 1 -ja n 7 -fe v Variação de Fosfato Variação de Fosfato 7 Fosfato 1 1 Fosfato 3 3 -o u t 3 -o u t 1 -n o v -d e z -d e z 1 1 -ja n 3 1 -ja n -fe v Legenda: Lagoa A, Lagoa B, Saída das Lagoas. Figura 3. Gráficos de variação de DQO, cloretos, nitrogênio amoniacal e fosfato na safra /. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

6 Pela Figura 3 verifica-se que a DQO afluente a lagoa A variou de 7mg/L a 1.mg/L, com média de 3.mg/L, com exceção do ponto do dia 1 de fevereiro que foi de 1.mg/L, no entanto nessa semana a Usina já havia parado de moer. Já a variação de DQO da Lagoa B, foi de 7mg/L a 7.mg/L, apresentando uma média de.7mg/l, sempre inferior a Lagoa A. E o efluente final da Lagoa G variou de 3mg/L a.mg/l, obtendo uma média de 1.9mg/L. A eficiência média de remoção de DQO foi de apenas 3%. Vale ressaltar que os valores de DQO no efluente final do sistema apresentaram concentrações decrescentes ao longo da safra. As lagoas de estabilização, D e E recebem adição de uma população combinada de quatro microrganismos degradadores da matéria orgânica presente nos efluentes, em processo de bioaumentação. Provavelmente o decréscimo na concentração de DQO deva-se ao fato do aumento da população de microorganismos presentes no sistema de lagoas devido ao processo de bioaumentação. Mesmo com a diminuição dessa matéria orgânica, o sistema não atendeu aos padrões citados pelo Decreto Estadual /, que estabelece valores inferiores à 1mg/L. Com relação ao nitrogênio amoniacal este variou, na entrada da Lagoa A, de,1mg/l a 13mg/L, com valor médio de,mg/l e desvio padrão de,mg/l, enquanto na Lagoa B essa variação foi de,mg/l a 1mg/L, com valor médio de,mg/l e desvio padrão de,3mg/l, com exceção do ponto do dia 1 de fevereiro que foi de,mg/l, período em que a Usina já estava parada. No efluente final o nitrogênio amoniacal variou de,mg/l a 1mg/L. Os valores obtidos de estiveram sempre dentro do recomendado pela CONAMA 37/ que estabelece como máximo mg/l de nitrogênio amoniacal total, mas acima do estabelecido pelo Decreto / que limita em,mg/l. Verificou-se que a variação de fosfato no afluente da lagoa A foi de,mg/l a 3,mg/L, apresentando uma média de 1,3mg/L e desvio padrão de 9mg/L, sempre crescente, com exceção do dia 1 de fevereiro apresentando variação de,3mg/l, período em que a Usina havia encerrado suas atividades. A lagoa B sempre mostrou uma variação de fosfato abaixo dos valores obtidos para a lagoa A, variando de,mg/l a,mg/l, com média de,mg/l e desvio padrão de,mg/l. A variação no efluente das lagoas oscilou entre,mg/l a 7mg/L, com um valor médio de mg/l e 1,7mg/L de desvio padrão. Quando se trata de processo biológico de tratamento, é necessário proporcionar condições adequadas ao crescimento dos microrganismos, para que não haja deficiência nutricional. Para o processo aeróbio o requerimento nutricional é na proporção 1::1 (C:N:P), já para o processo anaeróbio esse requerimento é de ::1 (C:N:P). Para o sistema de lagoas da Usina Coruripe, a relação média C:N:P foi de 177:1,:1 para o afluente, e de 197:1,7:1 para o efluente final. Assim verifica-se que os nutrientes presentes na atendiam ao requerimento nutricional necessário, tanto para o processo aeróbio quanto anaeróbio. Como os microrganismos utilizados na bioaumentação das lagoas D e E são heterótrofos anaeróbios, para atender para atender o requerimento nutricional desejado para o processo anaeróbio, seria necessária suplementação com nitrogênio de 3mg/L e fósforo de,mg/l. Talvez, a baixa eficiência do sistema em relação a remoção de DQO se deva a deficiência nutricional ou a problemas hidráulicos devido a ocorrência de bancos de lodo e existência de curtos circuitos. Observou-se que a variação na concentração de cloretos no afluente da lagoa A foi de 7,7mg/L a 1mg/L, apresentando uma média de 7mg/L e desvio padrão de mg/l, e sempre ram superiores aos valores observados para a Lagoa B, cujos valores variaram de 1mg/L a mg/l, com média de 1mg/L e desvio padrão de 7mg/L. A variação no efluente final das lagoas oscilou entre mg/l a 9mg/L, com um valor médio de mg/l e 317mg/L de desvio padrão. A alta concentração de cloretos está relacionada à água de abastecimento da indústria, a qual é prioritariamente captada no Rio Coruripe que possui elevada concentração desse sal. Atualmente a Usina Coruripe possui descarte zero em mananciais, todo o efluente líquido gerado é recalcado juntamente com a vinhaça para fértil-irrigação da cana-de-açúcar. No entanto, segundo Menezes et al () há uma grande preocupação em relação à quantidade de água que está direcionada ao canavial. Uma vez que em períodos de estiagem toda água residuária é absorvida na irrigação, no entanto em períodos chuvosos, a quantidade de água destinada ao canavial é reduzida para evitar que ocorra um excesso de água no subsolo, tendo como conseqüência, um acúmulo de água nas lagoas de tratamento. A paralisação do bombeamento de efluente para o canavial desequilibra o balanço hídrico nas lagoas, que se vêem com excesso de água, dificultando o tratamento em andamento, bem como constitui, de alguma maneira, um risco para o ambiente local. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental

7 CONCLUSÕES Os resultados desse trabalho permitem concluir que: O sistema de tratamento utilizado apresenta baixa eficiência de remoção de sólidos totais e DQO, e que a baixa eficiência de remoção de DQO pode ser devida a uma deficiência nutricional além de curtos circuitos; O efluente final não se enquadra dentro dos padrões de lançamento da Resolução CONAM.A 37/ e do Decreto Estadual /, principalmente no que diz respeito a DQO e sólidos sedimentáveis; Em situações normais, ausência de chuvas, o campo utiliza toda água descartada pela indústria. Sendo assim fica estabelecido quase que um regime permanente de vazões em todos dos processos, desde a captação até o lançamento das águas residuárias nas lagoas de decantação. Em momentos de chuvas moderadas e intensas fazse desnecessária a irrigação. Uma vez a Usina possui cana própria, a demanda para irrigação contribui sobremaneira para definir o volume de água a ser captado, a redução do consumo de água passa por uma negociação entre a irrigação e a necessidade industrial. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. SETTI, A. A.; LIMA, J. E. F. W.; CHAVES, A. G. de M.; PEREIRA, I. C. Introdução ao Gerenciamento de Recursos Hídricos. Agência Nacional de Energia Elétrica; Agências Nacionais de Águas, 3ª ed., Brasília, 1.. DILALLO, R.; ALBERTSON, O. E. (191). Volatile acids by direct titration. Journal Water Pollution Control Federation, v. 33, n., p RIPLEY, L. E.; BOYLE, W. C.; CONVERSE, J. C. (19). Improved alkalinimetric monitoring for anaerobic digestion of high-strength wastes. Journal Water Pollution Control Federation, v., STANDARD METHODS FOR THE EXAMINATION OF WATER AND WASTEWATER (199). 19th ed. Amer. Public Health Association/ American Water Works Association, Water Environmental Federation, Washington, D.C., USA, 113 p. ABES - Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental 7

AVALIAÇÃO E REÚSO DE ÁGUA DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA UM COMPARATIVO ENTRE DUAS USINAS.

AVALIAÇÃO E REÚSO DE ÁGUA DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA UM COMPARATIVO ENTRE DUAS USINAS. AVALIAÇÃO E REÚSO DE ÁGUA DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA UM COMPARATIVO ENTRE DUAS USINAS. Pimentel, Irene M. C. 1 ; Menezes, Aline C. V. 3 ; Vieira, Rosselliny S. 4 ; Callado, Nélia

Leia mais

REUSO DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO NA MONOCULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR - ESTUDO DE CASO -

REUSO DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO NA MONOCULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR - ESTUDO DE CASO - REUSO DE ÁGUA PARA IRRIGAÇÃO NA MONOCULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR - ESTUDO DE CASO - Menezes, A. C. V. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa,V. A. 3 ; Torquato Jr., H. 4 ; Pimentel, I. M. C. 5 & Omena, S. P. F 6

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO

QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO QUALIDADE DAS ÁGUAS DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO Pimentel, I. M. C. 1 ; Callado, N. H. 2 & Pedrosa, V. A. 3 RESUMO Este artigo ressalta a importância da qualidade

Leia mais

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA

RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/214 RECIRCULAÇÃO DE EFLUENTE AERÓBIO NITRIFICADO EM REATOR UASB VISANDO A REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA Ana Paula Cosso Silva Araujo (*), Bruno de Oliveira Freitas. * Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO

AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO AVALIAÇÃO DO IMPACTO AMBIENTAL DE AÇÃO ANTROPOGÊNICA SOBRE AS ÁGUAS DA CABECEIRA DO RIO SÃO FRANCISCO Maristela Silva Martinez (1) Bacharel em Química(USP), Mestre e Doutora em Físico-Química (IQSC- USP).

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL

SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL SISTEMA DE TRATAMENTO DE EFLUENTES DA INDÚSTRIA TEXTIL ZANOTELLI, C. T. 1 ; MEDEIROS, R 2.; DESTEFANI, A 3.; MIRANDA, L.M. 4 ; MORATELLI JR, A 5. FISCHER, M. 5 1 Dra. em Engenharia de Produção, Professora

Leia mais

Palavras-chaves: Qualidade das águas; Indústria sucro-alcooleira; Monitoramento

Palavras-chaves: Qualidade das águas; Indústria sucro-alcooleira; Monitoramento AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DE UMA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Menezes, A. C. V. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Torquato Jr, H. 4 & Pimentel, I. M. C. 5 Resumo

Leia mais

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO

Simone Cristina de Oliveira Núcleo Gestor de Araraquara DAAE CESCAR Coletivo Educador de São Carlos, Araraquara, Jaboticabal e Região HISTÓRICO Caracterização Histórica e Operacional da Estação de Tratamento de Esgotos Manoel Ferreira Leão Neto do Departamento Autônomo de Águas e Esgotos (DAAE) Araraquara-SP HISTÓRICO Simone Cristina de Oliveira

Leia mais

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes

Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Utilização da Fibra da Casca de Coco Verde como Suporte para Formação de Biofilme Visando o Tratamento de Efluentes Rodrigo dos Santos Bezerra Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia Química, UFRJ

Leia mais

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

V-023 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA V023 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA A MONTANTE E A JUSANTE DE RESERVATÓRIOS LOCALIZADOS NA BACIA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA Ivo Luís Ferreira Macina (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal do

Leia mais

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL

ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 1 IDENTIFICAÇÃO Nome do Bolsista MANOEL REGINALDO FERNANDES Título do Programa ENGENHARIA DE PROCESSOS EM PLANTAS DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL Título do Curso / Especialização ENGENHARIA QUÍMICA / GRADUAÇÃO

Leia mais

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS

IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Castellón, 23-24 de julio de 28. IMPACTO DE UM LIXÃO DESATIVADO NA QUALIDADE DAS ÁGUAS SUBTERRÂNEAS LOCAIS Resumo Nóbrega, C.C.; Souza, I.M.F.; Athayde Júnior, G.B.; Gadelha, C.L.M. Departamento de Engenharia

Leia mais

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO)

II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) II- 447 - IMPACTOS GERADOS EM UMA LAGOA FACULTATIVA PELO DERRAMAMENTO CLANDESTINO DE ÓLEOS E GRAXAS (ESTUDO DE CASO) Sandra Parreiras Pereira Fonseca (1) Doutora em Recursos Hídricos e Ambientais e Mestre

Leia mais

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO

II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO II-362 - DESEMPENHO DO REATOR UASB DA ETE LAGES APARECIDA DE GOIÂNIA EM SUA FASE INICIAL DE OPERAÇÃO Walter Luiz da P. B. Vieira (1) Engenheiro Civil pela Universidade Católica de Goiás. Especialista em

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE CINZAS E GASES DE CALDEIRAS NA INDÚSTRIA DE CANA DE AÇUCAR

CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE CINZAS E GASES DE CALDEIRAS NA INDÚSTRIA DE CANA DE AÇUCAR CARACTERIZAÇÃO DA ÁGUA DE LAVAGEM DE CINZAS E GASES DE CALDEIRAS NA INDÚSTRIA DE CANA DE AÇUCAR Torquato Jr, H. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Pimentel, I. M. C. 4 ; Menezes, A. C. V. 5 ; Omena,

Leia mais

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO

INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO INATIVAÇÃO DE INDICADORES PATOGÊNICOS EM ÁGUAS CONTAMINADAS: USO DE SISTEMAS COMBINADOS DE TRATAMENTO E PRÉ-DESINFECÇÃO BILOTTA, Patrícia*; DANIEL, Luiz Antonio*. *Laboratório de Tratamento Avançado e

Leia mais

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA

I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA I-119 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA PRESENÇA DE CHUMBO E CROMO EM MANANCIAIS DO ESTADO DA PARAÍBA, UTILIZADOS EM SISTEMAS URBANOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA Taysa Tamara Viana Machado (1) Engenheira Civil pela

Leia mais

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN

I-071 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN I-71 - EFICIÊNCIA NA REMOÇÃO DE MATÉRIA ORGÂNICA SOB A FORMA DE DBO E DQO TOTAL E SOLÚVEL NO SISTEMA TS-FAN Gabriela Marques dos Ramos Vargas Engenheira Química pela Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS

EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTE DE FECULARIA POR MEIO DE LAGOAS Anna Paola Tonello 1, Paulo Sérgio Lourenço de Freitas 2, Altair Bertonha 3 RESUMO:

Leia mais

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA

SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA SOBRE OS SISTEMAS LACUSTRES LITORÂNEOS DO MUNICÍPIO DE FORTALEZA Magda Maria Marinho Almeida Química Industrial Universidade Federal do Ceará, Mestre em Tecnologia de Alimentos - UFC Fernando José Araújo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE

AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DE COMPOSTOS ORGÂNICOS NATURAIS NA ÁGUA DO RESERVATÓRIO DA BARRAGEM DO RIBEIRÃO JOÃO LEITE Wilma Gomes da Silva CARMO*; Nora Katia SAAVEDRA Escola de Engenharia Civil - Programa de

Leia mais

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com.

Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente na EEC/UFG. e-mail: emmanuel_dalessandro@hotmail.com. EFICIÊNCIA DE REMOÇÃO DO MÓDULO A DA ETE DE TRINDADE GO Emmanuel Bezerra D ALESSANDRO (1) ; Nora Katia SAAVEDRA del Aguila (2) ; Maura Francisca da SILVA (3) (1) Mestrando em Engenharia do Meio Ambiente

Leia mais

Palavras-chave Reuso de água na indústria; Balanço hídrico; Condensadores barométricos.

Palavras-chave Reuso de água na indústria; Balanço hídrico; Condensadores barométricos. BALANÇO HÍDRICO, CARACTERIZAÇÃO E REÚSO DE ÁGUA DE COLUNAS BAROMÉTRICAS NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA - ESTUDO DE CASO - Pimentel, I. M. C. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Torquato Jr, H. 4 ;

Leia mais

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA

DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA 1 DISPOSIÇÃO DE RESÍDUOS DE ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA EM LAGOA FACULTATIVA DE ESGOTO: CARACTERIZAÇÃO DA ETA Susane Campos Mota ANGELIM Escola de Engenharia Civil, UFG. Aluna do curso de Mestrado em

Leia mais

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM

VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM VI-027 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE AMBIENTAL DO RIO CEARÁ-MIRIM María del Pilar Durante Ingunza (1) Geóloga/Universidad Complutense de Madrid/Espanha, Mestre em Meio Ambiente/Universidad Politécnica de Madrid/Espanha,

Leia mais

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT

ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT ESTRATÉGIAS PARA ADAPTAÇÃO DE LODO AERÓBIO MESOFÍLICO PARA TERMOFÍLICO UTILIZANDO EFLUENTE DE CELULOSE BRANQUEADA KRAFT R. Y. CABRERA-PADILLA 1,2, E. C. PIRES 3. 1 Universidade Tiradentes, Programa de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA MEC UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PRPPG Coordenadoria Geral de Pesquisa CGP Campus Universitário Ministro Petrônio Portela,

Leia mais

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA

AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA AVALIAÇÃO FÍSICO-QUIMICA E MICROBIOLOGICA DA QUALIDADE DE ÁGUAS SUBTERRÂNEAS EM DIFERENTES LOCALIDADES NO ESTADO DA PARAÍBA Priscilla Dantas Rocha 1 ; Márcia Isabel Cirne França 2 ; Rodrigo Vieira Alves

Leia mais

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS

III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS III-109 CO-DIGESTÃO ANAERÓBIA DE RESÍDUOS SÓLIDOS ORGÂNICOS Valderi Duarte Leite (1) Engenheiro Químico: DEQ/CCT/UFPB.Mestre em Saneamento: DEC/CCT/UFPB. Doutor em Saneamento : DHS/EESC/USP. Prof. do DQ/CCT/UEPB

Leia mais

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL

ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL ANÁLISE FÍSICO-QUÍMICA DA ÁGUA DE CHUVA NA CIDADE DE JOÃO PESSOA PARA USO NÃO POTÁVEL Isabelle Yruska de Lucena Gomes da Costa 1 ; Celso Augusto Guimarães Santos 2 ; Rodolfo Luiz Bezerra Nóbrega 3 1 Aluna

Leia mais

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO

I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO I-062 - TRATAMENTO DE EFLUENTES DE FÁBRICA DE PAPEL POR PROCESSOS FÍSICO-QUÍMICOS EMPREGANDO FLOTAÇÃO POR AR DISSOLVIDO E OZÔNIO Ricardo Nagamine Costanzi Engenheiro Civil. Mestre em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

Nome do Autor: Endereço para correspondência:

Nome do Autor: Endereço para correspondência: TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA E SUA RELAÇÃO COM O USO DO SOLO EM DOIS MANANCIAIS DE ABASTECIMENTO DO MUNICÍPIO DE GUARULHOS SP: RESERVATÓRIO DO TANQUE GRANDE E DO CABUÇU Nome do Autor: José Carlos

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS REMOÇÃO DE NITROGÊNIO DE UM EFLUENTE ANAERÓBIO DE ORIGEM DOMÉSTICA POR MÉTODO DE IRRIGAÇÃO EM SULCOS RASOS Ricardo Stahlschmidt Pinto Silva Bruno Coraucci Filho* Engenheiro Civil pela Faculdade de Engenharia

Leia mais

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

21º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-030 - AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIO BAURU DETERMINAÇÃO DO IQA Carlos Alberto Ferreira Rino (1) Engenheiro Especialista em Gestão Ambiental e em Controle da Poluição Ambiental; Mestre em Engenharia

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO

AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO REAGENTE DE FENTON NO TRATAMENTO DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS PARA FINS DE REUSO Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA

Leia mais

I-066 - MODIFICAÇÃO DA POPULAÇÃO MICROBIANA DE UMA LAGOA FACULTATIVA TRATANDO EFLUENTE LÍQUIDO DE ABATEDOURO DE FRANGO

I-066 - MODIFICAÇÃO DA POPULAÇÃO MICROBIANA DE UMA LAGOA FACULTATIVA TRATANDO EFLUENTE LÍQUIDO DE ABATEDOURO DE FRANGO I-66 - MODIFICAÇÃO DA POPULAÇÃO MICROBIANA DE UMA LAGOA FACULTATIVA TRATANDO EFLUENTE LÍQUIDO DE ABATEDOURO DE FRANGO Flávia Gomes Barros (1) Engenheira Civil, Mestra e Doutora em Hidráulica e Saneamento

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO Professor: André Luiz Montanheiro Rocha Disciplina: Gestão de Recursos Naturais 2ª COLÉGIO ESTADUAL PAULO LEMINSKI Com as mesmas seriedade e responsabilidade com que trata

Leia mais

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS

I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS I-024 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA: AVALIAÇÃO DO SEU TRATAMENTO PARA FINS POTÁVEIS José Alexandre Borges Valle (1) Engenheiro Químico pela Universidade Regional de Blumenau; Mestre em Engenharia Química

Leia mais

XII-024 GERENCIAMENTO DE DADOS EM LABORATÓRIO POR PLANILHAS ELETRONICAS VISANDO A GESTÃO DE INFORMAÇÃO

XII-024 GERENCIAMENTO DE DADOS EM LABORATÓRIO POR PLANILHAS ELETRONICAS VISANDO A GESTÃO DE INFORMAÇÃO XII-024 GERENCIAMENTO DE DADOS EM LABORATÓRIO POR PLANILHAS ELETRONICAS VISANDO A GESTÃO DE INFORMAÇÃO Ernesto Batista da Silva Filho Formado em Engenharia Sanitária pela Universidade Federal do Pará em

Leia mais

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA.

VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. VALIDAÇÃO DO MODELO DE ELETROCOAGULAÇÃO FLOTAÇÃO NO TRATAMENTO DE EFLUENTE TÊXTIL VISANDO À REMOÇÃO DE DQO, UTILIZANDO REATOR EM BATELADA. T. C. PARENTE 1, R.V.SAWAKI 1, J.E.C. ALEXANDRE 2, A.C. LIMA 3,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor.

PALAVRAS-CHAVE: Desafios operacionais, reator UASB, Filtro Biológico Percolador, geração de odor. II-151 - DESAFIOS OPERACIONAIS DE INÍCIO DE OPERAÇÃO DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DO TIPO REATOR UASB SEGUIDO DE FILTRO BIOLÓGICO PERCOLADOR ETE NOVA CONTAGEM - MG Maria Letícia de Castro (1)

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina II-003- ANÁLISE TEMPORAL DA EFICIÊNCIA DO TRATAMENTO DE EFLUENTES DO AEROPORTO INTERNACIONAL

Leia mais

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA.

V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. V-019 - ESTUDO TEMPORAL DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO GUAMÁ. BELÉM-PA. Vera Nobre Braz (1) Química Industrial. Mestre em Geoquímica pelo Centro de Geociências da UFPA. Coordenadora do Curso de Ciências Ambientais

Leia mais

TRATAMENTO DE ÁGUAS DE LAVAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR, VISANDO A SUA REUTILIZAÇÃO

TRATAMENTO DE ÁGUAS DE LAVAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR, VISANDO A SUA REUTILIZAÇÃO TRATAMENTO DE ÁGUAS DE LAVAGEM DE CANA-DE-AÇÚCAR, VISANDO A SUA REUTILIZAÇÃO Omena, S. P. F. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Torquato Jr, H. 4 ; Menezes, A. C. V. 5 ; Pimentel, I. M. C. 6 Resumo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS

AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS AVALIAÇÃO DE UM SISTEMA DE TRATAMENTO ANAERÓBIO DE DEJETOS SUÍNOS Jaqueline Scapinello 1, Antônio Carlos Munarini 2, Gilza M. de Souza Franco 3 e Jacir Dal Magro 3 Resumo: A suinocultura é uma atividade

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA

GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA GESTÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ÁGUA Giovana Kátie Wiecheteck* Universidade Estadual de Ponta Grossa, Doutoranda em Hidráulica e Saneamento pela Escola de Engenharia de São Carlos Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS

CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS CARACTERIZAÇÃO E TRATABILIDADE DO EFLUENTE DE LAVAGEM DE UMA RECICLADORA DE PLÁSTICOS Elisângela Garcia Santos RODRIGUES 1, Hebert Henrique de Souza LIMA 1, Irivan Alves RODRIGUES 2, Lúcia Raquel de LIMA

Leia mais

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA

I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA I-146 - CARACTERIZAÇÃO DE ÁGUA SUBTERRÂNEA DE POÇOS TUBULARES EM COMUNIDADES RURAIS NA AMAZÔNIA SUJEITAS À INUNDAÇÃO PERIÓDICA Rainier Pedraça de Azevedo (1) Engenheiro Civil graduado pela Universidade

Leia mais

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA

III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA III-504 - DESAGUAMENTO DE LODO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ÁGUAS ETAS POR LEITO DE DRENAGEM COM MANTAS GEOTÊXTEIS ESCALA REDUZIDA Cristiane Silveira Tecnóloga em Gerenciamento Ambiental pela Universidade

Leia mais

II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO

II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO II-030 DESEMPENHO DE PRODUTOS QUÍMICOS NO PROCESSO CEPT: TESTE DE JARRO E ESCALA PILOTO Iene Christie Figueiredo¹ Doutoranda da Área Interdisciplinar em Engenharia Ambiental - COPPE/UFRJ. Eduardo Pacheco

Leia mais

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro

Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Análise do processo produtivo industrial de uma usina sucroalcooleira do centro-oeste mineiro Romenique José AVELAR 1 ; Hector Helmer PINHEIRO 1 ; Ricardo Resende CABRAL 1 ; João Antônio de CASTRO 1 ;

Leia mais

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS

ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS ESTUDO DA MACAXEIRA COMO COAGULANTE NATURAL PARA TRATAMENTO DE ÁGUA PARA FINS POTÁVEIS Bruna Nogueira FROZ 1 ; Ézio Sargentini JUNIOR 2 ; Edilene Cristina Pereira SARGENTINI 3 1 Bolsista PIBIC/CNPq; 2

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 22º Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental 14 a 19 de Setembro 2003 - Joinville - Santa Catarina IV-028 - AVALIAÇÃO PRELIMINAR DA QUALIDADE DAS ÁGUAS DO RIACHO DE ÁGUA VERMELHA, MUNICÍPIO

Leia mais

II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL

II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL II-160 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DO NITROGÊNIO AMONIACAL EM UMA SÉRIE DE LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO NO NORDESTE DO BRASIL Renata Carolina Pifer Abujamra (1) Engenheira Agrônoma pela Universidade Federal do Paraná,

Leia mais

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil

Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil Avaliação da Qualidade da Água do Rio Sergipe no Município de Laranjeiras, Sergipe- Brasil 1 Majane Marques Dias Lessa 2 Ana Alexandrina Gama da Silva RESUMO: Este estudo apresenta os resultados obtidos

Leia mais

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO

I-104 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO I-10 - AVALIAÇÃO DA REMOÇÃO DOS MACRONUTRIENTES SÓDIO, POTÁSSIO, CÁLCIO E MAGNÉSIO EM DISPOSIÇÃO CONTROLADA EM SOLO Josette Lourdes de Sousa Melo (1) Engenheira Química, UFPE. Mestre em Química Analítica,

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ

DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ DETERMINAÇÃO DE TOG EM AMOSTRAS DE ÁGUA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO APODI/MOSSORÓ FARIAS, L. T. lazaro-tfarias@hotmail.com 1, SOUZA, L. D. luizuern@bol.com.br. 2 1- Aluno de Iniciação Científica da Universidade

Leia mais

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG.

PVIC/UEG, graduandos do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. Orientador, docente do Curso de Ciências Biológicas, UnU Iporá UEG. ANÁLISE DA EFICIÊNCIA DAS LAGOAS DE ESTABILIZAÇÃO COMBINADO COM SISTEMA ALAGADO CONSTRUÍDO PARA O TRATAMENTO DO EFLUENTE DO LATICÍNIO LEITBOM LOCALIZADO EM SÃO LUIZ MONTES BELOS GO Fernando Lima Vieira

Leia mais

EFICIÊNCIA DE UM REATOR UASB NA REDUÇÃO DA CARGA ORGÂNICA E NA PRODUÇÃO DE BIOGAS, TENDO VINHAÇA COMO SUBSTRATO.

EFICIÊNCIA DE UM REATOR UASB NA REDUÇÃO DA CARGA ORGÂNICA E NA PRODUÇÃO DE BIOGAS, TENDO VINHAÇA COMO SUBSTRATO. EFICIÊNCIA DE UM REATOR UASB NA REDUÇÃO DA CARGA ORGÂNICA E NA PRODUÇÃO DE BIOGAS, TENDO VINHAÇA COMO SUBSTRATO. Apresentação em pôster. Thiago Castro De Almeida 1, Diego Weber 2, André Friderichs 2, Ronaldo

Leia mais

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO MF-0440.R-3 - MÉTODO DE DETERMINAÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Notas: Aprovado pela Deliberação CECA n 742, de 17 de outubro de 1985 Publicado no DOERJ de 08 de janeiro de 1986 1. OBJETIVO O objetivo

Leia mais

II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO

II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO II-026 - IMPACTO DE CARGAS TÓXICAS DE DERIVADOS DE PETRÓLEO EM REATORES UASB OPERANDO COM FLUXO INTERMITENTE EM ESCALA PILOTO Verginia Januário Dos Reis Rocha Engenheira Civil pela Universidade Federal

Leia mais

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA

VI-006 - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA VI- - PERFIS DE OXIGÊNIO DISSOLVIDO NOS LAGOS BOLONHA E ÁGUA PRETA, UTINGA. BELÉM-PA Lúcia Beckmann de Castro Menezes () Professora Adjunto IV do Departamento de Engenharia Química da Universidade Federal

Leia mais

Eixo Temático ET-07-001 - Tratamento de Efluentes Sanitários e Industriais

Eixo Temático ET-07-001 - Tratamento de Efluentes Sanitários e Industriais Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 371 Eixo Temático ET-07-001 - Tratamento de Efluentes Sanitários e Industriais APLICAÇÃO DA ELETROFLOCULAÇÃO

Leia mais

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO

WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO WORKSHOP SOBRE PROCESSOS DE TRATAMENTO DE LIXIVIADOS DE ATERROS SANITÁRIOS E A LEGISLAÇÃO PALESTRA 4 TRATAMENTO FÍSICO QUÍMICO E BIOLÓGICO Eng. Elso Vitoratto engenharia@novaeraambiental.com.br Conceito

Leia mais

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE

QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE QUALIDADE DAS ÁGUAS DOS POÇOS TUBULARES PROFUNDOS DO MUNICÍPIO DE PORTO ALEGRE ANALISADA EM RELAÇÃO À POTABILIDADE Miriam Suzana Rodrigues Schwarzbach 1 Resumo - Em 1997, o Departamento Municipal de Água

Leia mais

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior

Introdução ao Tratamento de Esgoto. Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior Introdução ao Tratamento de Esgoto Prof. Dra Gersina Nobre da R.C.Junior INTRODUÇÃO Esgoto Sanitário Características variáveis em função: de sua origem; da hora de produção; da extensão da rede coletora

Leia mais

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ

COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ COMPARAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA EM PONTOS DETERMINADOS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO CAMBORIÚ Pietra Quelissa ROBE, Estudante de Controle Ambiental do IFC- Campus Camboriú Yasmin Nunes DA SILVA, Estudante

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL

TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DO RIO PARAÍBA DO SUL NA CIDADE DE LORENA - SP, BRASIL CATEGORIA:

Leia mais

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO

II-109 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO II-19 PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTE DE EMBALAGENS METÁLICAS UTILIZANDO REATOR DE BATELADA SEQUENCIAL (RBS) PARA REMOÇÃO DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO Marcelo Hemkemeier (1) Químico Industrial pela Universidade

Leia mais

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS

I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS I-015 AVALIAÇÃO DO DIÓXIDO DE CLORO COMO PRÉ-OXIDANTE ALTERNATIVO AO CLORO APLICADO EM ÁGUA CONTENDO SUBTÂNCIAS HÚMICAS Cristina Filomena Pereira Rosa Paschoalato (1) Engenheira Química, Doutora em Hidráulica

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG

IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG ASSEMAE Associação Nacional dos Serviços Municipais de Saneamento 1/9 IMPLANTAÇÃO DE ETE COMPACTA EM ARAGUARI-MG Autor: Kleber Lúcio Borges Engenheiro Civil, Engenheiro Segurança do Trabalho, Mestre em

Leia mais

X Encontro de Extensão

X Encontro de Extensão 5CTDECPEX02 APROVEITAMENTO DE ÁGUA DE CHUVA PARA FINS NÃO POTÁVEIS Celso Augusto Guimarães Santos (3); Klissia Magno (2); Mellyne Palmeira (1); Renan Dantas (1); Isabelle Yruska de Lucena Gomes Braga (2)

Leia mais

III-219 CARACTERIZAÇÃO DO LIXIVIADO DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO CARLOS-SP E AVALIAÇÃO DE SUA TRATABILIDADE ANAERÓBIA

III-219 CARACTERIZAÇÃO DO LIXIVIADO DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO CARLOS-SP E AVALIAÇÃO DE SUA TRATABILIDADE ANAERÓBIA III-219 CARACTERIZAÇÃO DO LIXIVIADO DO ATERRO SANITÁRIO DE SÃO CARLOS-SP E AVALIAÇÃO DE SUA TRATABILIDADE ANAERÓBIA Tatiana Corrêa (1) Bióloga pela Universidade Federal de São Carlos. Mestre em Biotecnologia

Leia mais

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água;

Química de Águas Naturais. -todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; Química de Águas Naturais todas as formas de vida existentes no planeta Terra dependem da água; a água cobre 70% da superfície do planeta, apenas uma parte dessa quantidade (~2,8%) é água doce sendo que

Leia mais

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS

V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS V-021 - USO E QUALIDADE DA ÁGUA DE DIVERSOS RIOS DO ESTADO DE ALAGOAS Gustavo Silva de Carvalho (1) Engenheiro Civil pela Universidade Federal de Alagoas, Mestre em Hidráulica e Saneamento pela Escola

Leia mais

Método Alternativo de Tratamento de Esgotos

Método Alternativo de Tratamento de Esgotos Pesquisa Método Alternativo de Tratamento de Esgotos Reator anaeróbio com recheio de bambu associado com filtros biológicos de areia Adriano Luiz Tonetti Mestre em Saneamento e Ambiente - UNICAMP atonetti@fec.unicamp.br

Leia mais

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa

SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa SISTEMA DE CAPTAÇÃO, ARMAZENAMENTO, TRATAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA Francisco Pereira de Sousa Universidade Federal de Campina Grande RESUMO A busca por sistemas alternativos para o suprimento

Leia mais

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS

USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS USO DA FOTÓLISE NA DESINFECCÃO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS José Tavares de Sousa (1) Mestre em Engenharia Civil, UFPB (1986), Doutor em Hidráulica e Saneamento, USP (1996). Professor do Departamento de Química

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real

PALAVRAS-CHAVE: Nitrificação, lodos ativados convencional, remoção de amônia, escala real II 152 - AVALIAÇÃO DA NITRIFICAÇÃO E FATORES INTERVENIENTES NO PROCESSO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS POR LODOS ATIVADOS CONVENCIONAL EM ESCALA REAL- ETE ARRUDAS Sirlei Geraldo de Azevedo (1) Especialista em

Leia mais

Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo

Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo Estudo da Viabilidade de Utilização do Polímero Natural (TANFLOC) em Substituição ao Sulfato de Alumínio no Tratamento de Águas para Consumo L. A. Coral a, R. Bergamasco R b, F. J. Bassetti c a. Departamento

Leia mais

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES

REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES REMOÇÃO DE NITROGÊNIO EM SISTEMAS BIOLÓGICOS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES 1 -Zolair Gaspar Fritsch, 2 Patrice Aquim 1 TFL do Brasil Indústria Química Ltda. ²Universidade Feevale -Instituto de Ciências Exatas

Leia mais

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

A N A I S D O E V E N T O. 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil A N A I S D O E V E N T O 12 e 13 de Novembro de 2014 Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil Levantamento do consumo de água para processamento da cana-de-açúcar na região de abrangência do Polo Centro

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas RECUPERAÇÃO DO ALUMÍNIO UTILIZADO NA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ÁGUA 6 (ETA 6) DE PALMAS-TO Samir Siriano Barros 1 ; Rafael Montanhini Soares de Oliveira 2 1 Aluno do Curso de Engenharia Ambiental; Campus

Leia mais

Estudo do Tratamento Tradicional e Alternativo do Esgoto Gerado pela Uniritter bem como seu Reuso

Estudo do Tratamento Tradicional e Alternativo do Esgoto Gerado pela Uniritter bem como seu Reuso Estudo do Tratamento Tradicional e Alternativo do Esgoto Gerado pela Uniritter bem como seu Reuso Ursula Bohlke Vasconcelos Doutora em Química ursula_vasconcelos@uniritter.edu.br Lúcio Renato de Fraga

Leia mais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais

Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais 177 Avaliação da Hercogamia e Sua Influência na Produção de Frutos de Maracujá... Qualidade da Água no Lago de Sobradinho, BA: Análise de Componentes Principais Water Quality in the Sobradinho Lake: Principal

Leia mais

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos

Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Tratamento aeróbio de esgoto sanitário utilizando-se casca de coco seco (Cocos nucifera L.) como meio suporte de filtros biológicos Rita de Cascia Avelino Suassuna Apoio: CNPq, FAPEAL e UFAL Objetivo Estudar

Leia mais

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE EFLUENTE HIPERSALINO

TRATAMENTO ANAERÓBIO DE EFLUENTE HIPERSALINO TRATAMENTO ANAERÓBIO DE EFLUENTE HIPERSALINO Callado, N. H1. e Silva, J. B.2 RESUMO - A água de produção de petróleo (AP) é um resíduo gerado na extração do óleogás, que além de ser hipersalino apresenta

Leia mais

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA

REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA REUSO DE ÁGUA NA COGERAÇÃO DE ENERGIA Por : ARNO ROTHBARTH INTRODUÇÃO Há muito tempo a preocupação com o consumo de água é uma constante nos assuntos pertinentes ao meio ambiente. A água é um bem comum,

Leia mais

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO

O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO O EMPREGO DE WETLAND PARA O TRATAMENTO DE ESGOTOS DOMÉSTICOS BRUTO Maria das Graças de Castro Reis (1) Engenheira Sanitarista, Chefe da Divisão Técnica do Serviço Autônomo de Água e Esgoto SAAE de Alagoinhas-Bahia.

Leia mais

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL

II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL II-046 CARACTERIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA E BIOLÓGICA DOS RESÍDUOS DE SISTEMAS TIPO TANQUE SÉPTICO-SUMIDOURO DA CIDADE DO NATAL Carla Gracy Ribeiro Meneses (1) Engenheira Civil/UFRN, 1998; mestranda do Programa

Leia mais

II-296 DESEMPENHO DE UMA LAGOA DE AGUAPÉS NO TRATAMENTO TERCIÁRIO DO EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA

II-296 DESEMPENHO DE UMA LAGOA DE AGUAPÉS NO TRATAMENTO TERCIÁRIO DO EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA II-296 DESEMPENHO DE UMA LAGOA DE AGUAPÉS NO TRATAMENTO TERCIÁRIO DO EFLUENTE DE UMA INDÚSTRIA METAL-MECÂNICA Rodrigo Steiner Engenheiro Químico responsável pela Gestão do Meio Ambiente na AGRALE S.A.

Leia mais

MELHORIA DA QUALIDADE AMBIENTAL, ATRAVÉS DA RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DA CANA NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA

MELHORIA DA QUALIDADE AMBIENTAL, ATRAVÉS DA RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DA CANA NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA MELHORIA DA QUALIDADE AMBIENTAL, ATRAVÉS DA RECIRCULAÇÃO DE ÁGUA DE LAVAGEM DA CANA NA INDÚSTRIA SUCRO-ALCOOLEIRA Omena, S. P. F. 1 ; Callado, N. H. 2 ; Pedrosa, V. A. 3 ; Pimentel, I. M. C. 4 ; Menezes,

Leia mais

Endereço (1) : Rua Kansas, 103 Central Park - Canoas - RS - CEP: 92323-110 - Brasil - Tel: (51) 93189813 - e-mail: camolz@bol.com.

Endereço (1) : Rua Kansas, 103 Central Park - Canoas - RS - CEP: 92323-110 - Brasil - Tel: (51) 93189813 - e-mail: camolz@bol.com. III-511 - PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA A ANÁLISE DA DEMANDA QUÍMICA DE OXIGÊNIO PELO MÉTODO COLORIMÉTRICO, COM DIGESTÃO POR REFLUXO FECHADO, VISANDO A REDUÇÃO DO VOLUME DOS RESÍDUOS GERADOS Carine Helena

Leia mais

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com.

1. Introdução. 3 gutembergue.13@gmail.com; 4 gabriel12345681@hotmail.com; 5 carolinachiamulera10@gmail.com. Reaproveitamento da água efluente dos bebedouros pré-tratada em filtro alternativo: uma prática de educação ambiental na E.E.E.M. Severino Cabral na cidade de Campina Grande/PB Autor (s): Cibele Medeiros

Leia mais

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL

VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL VII SIMPÓSIO SIO INTERNACIONAL DE QUALIDADE AMBIENTAL GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOSH NA RMSP - SABESP MAIO DE 2010 Gestão de Recursos Hídricos PANORAMA GLOBAL Aumento da população mundial: 1950 2,52 bilhões

Leia mais

REUSO DE EFLUENTES EM TORRES DE RESFRIAMENTO

REUSO DE EFLUENTES EM TORRES DE RESFRIAMENTO REUSO DE EFLUENTES EM TORRES DE RESFRIAMENTO L.V. DURANTE 1, A. TROMBETA 1, E. R. A. PRADO 1, P. R. PARAÍSO 1 e L. M. M. JORGE 1 1 Universidade Estadual de Maringá, Departamento de Engenharia Química E-mail

Leia mais

Palavras-chave: Tratamento de efluente, tratamento anaeróbio, reator anaeróbio.

Palavras-chave: Tratamento de efluente, tratamento anaeróbio, reator anaeróbio. Operação de um filtro anaeróbio preenchido com espuma de poliuretano para remoção de matéria orgânica de efluente de uma indústria processadora de produtos cárneos Silvia Caroline Mariot (Curso de Engenharia

Leia mais