Diabetes Mellitus e Fatores de Risco em Pacientes Ambulatoriais

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diabetes Mellitus e Fatores de Risco em Pacientes Ambulatoriais"

Transcrição

1 Artigo Diabetes Mellitus e Fatores de Risco em Pacientes Ambulatoriais Adriana Becker Pinto 1, Maria Beatriz Moretto Aluna do Curso de Especialização em Análises Clínicas e Toxicológicas, UFSM 2 - Professora de Bioquímica Clínica do Curso de Especialização em Análises Clínicas e Toxicológicas, UFSM Resumo Diabetes Mellitus (DM) é um grupo heterogêneo de alterações caracterizadas por hiperglicemia crônica associada com a ausência ou ação inadequada da insulina. O prognóstico e qualidade de vida dos pacientes diabéticos dependem de um adequado controle metabólico. Neste trabalho foi determinada a incidência de diabetes nos pacientes de 40 a 80 anos, atendidos ambulatorialmente no Laboratório Unimed em Carazinho (RS), no período de dezembro de 2001 a abril de Foram investigados os fatores de risco a que estavam expostos e observou-se associação entre dislipidemia, hipertensão, sedentarismo e diabetes, caracterizando a população testada como importante grupo de risco para complicações decorrentes destas patologias. Palavras-chave: Diabetes, fatores de risco, qualidade de vida Summary Diabetes Mellitus is a heterogeneous group of alterations featured by chronic hyperglycemia associated with lack of or inadequate action of insulin, which is followed by a great variety of biochemistry, clinical changes. The prognostic and life quality of diabetic patients depend on a suitable metabolic control. In this work it was confirmed the incidence of DM in patients from 40 to 80 years old, observed at ambulatory level at Laboratório Unimed in Carazinho, from December 2001 to April 2002, and it was associated hyperglycemia to other factors of risk to which these patients were exposed. It was observed that there is a relation among dyslipidemia, hipertension, sedentary life and Diabete Mellitus, characterizing the exanimate population as an important group of risk to complications these pathologies. Keywords: Diabetes, risk factors of diabetes, lifestyle Introdução D iabetes mellitus (DM) é uma síndrome decorrente da deficiência e/ou redução do efeito biológico da insulina, caracterizada pela presença de hiperglicemia. No diabetes tipo 1, em que há deficiência de insulina, 10% da população diabética é acometida de uma complexa sintomatologia decorrente do acúmulo excessivo de glicose e ácidos graxos circulantes, hiperosmolaridade e hipercetonemia, dependente do nível de redução insulínica. Já no diabetes tipo 2, evidencia-se uma síndrome plurimetabólica associada com hiperinsulinemia, em que o distúrbio básico decorre da resistência à ação da insulina. Diferentemente do diabetes tipo 1, esta forma de diabetes é a mais comum (90% da população diabética), especialmente após os 40 anos de idade e está freqüentemente associada à hipertensão arterial, obesidade, dislipidemia, tabagismo e sedentarismo (1, 2). As complicações crônicas do 106

2 diabetes são as principais responsáveis pela morbidade e mortalidade dos pacientes diabéticos. Dentre elas, destacam-se as doenças cardiovasculares que representam a principal causa de morte (52%) em pacientes diabéticos do tipo 2 e complicações microvasculares específicas como nefropatia, retinopatia e neuropatia. Além disso, o diabetes é a principal causa de insuficiência renal, perda de visão, amputações e impotência (3, 4, 5, 6, 7). O diabetes mellitus é considerado, mundialmente, um problema de saúde pública pela posição epidemiológica que ocupa com altas taxas de incidência e prevalência, além das repercussões socioeconômicas, traduzidas pelas mortes prematuras, incapacidade para o trabalho e pelos custos associados ao tratamento (8, 9). No Brasil, estima-se que aproximadamente 8% da população seja diabética e as estimativas prevêem um aumento progressivo em sua incidência, constituindo-se um desafio para o sistema de saúde pelo crescente custo representado pelo controle e tratamento das complicações crônicas (10). O aumento na incidência deste distúrbio crônico relaciona-se à longevidade progressiva das populações, às modificações socioculturais induzidas pela urbanização, a industrialização,o sedentarismo, a obesidade e a maior sobrevida dos diabéticos. Assim, em consequência de suas complicações crônicas observam-se alterações em diferentes órgãos e sistemas que ocasionam impacto considerável na qualidade de vida destes pacientes que geram um número acentuado de consultas e procedimentos médicos (11). Diversos fatores de risco passíveis de intervenção estão associados ao maior comprometimento cardiovascular observado nos pacientes diabéticos. Entre estes estão a hipertensão arterial sistêmica, a obesidade, as dislipidemias, o sedentarismo e o tabagismo. Importante incluir-se o controle glicêmico que reduz o risco das doenças cardiovasculares, tornando-se uma medida eficiente na prevenção e no retardo da progressão das complicações agudas e crônicas desta síndrome (12). Devido à constante presença do diabetes na rotina do laboratório de análises clínicas, sua alta morbidade e mortalidade, e o crescente aumento na população em geral, torna-se interessante trabalhos desta natureza que possam contribuir com futuras ações preventivas no âmbito social. Por conseguinte, este trabalho teve por objetivo verificar a incidência de DM nos pacientes atendidos a nível ambulatorial no Laboratório Unimed em Carazinho, RS, no período de dezembro de 2001 a abril de Ao mesmo tempo, detectar os fatores de risco aos quais estão expostos, visando estimular estratégias de prevenção que melhorem a qualidade de vida do paciente diabético. Material e Métodos Amostra Foram selecionados 220 indivíduos, submetidos a exames laboratoriais no Laboratório Unimed município de Carazinho, RS no período de dezembro de 2001 a abril de Foram estabelecidos os seguintes critérios na escolha dos participantes: - idade: homens e mulheres entre 40 e 80 anos - solicitações médicas que incluíam dosagens de glicose, triglicerídeos, colesterol total e frações Durante a coleta de sangue, os pacientes foram submetidos voluntariamente a uma entrevista com as seguintes informações: - presença ou não de diabete - presença de história familiar de diabete - uso de medicamentos - hábito de tabagismo - presença de hipertensão e medicação para hipertensão - prática de atividade física Determinações bioquímicas Foram efetuadas dosagens de glicose, triglicerídeos, colesterol total, no equipamento Express plus-chiron, baseando-se em sistemas enzimáticos (kits Labtest). 107

3 As dosagens de HDL-Colesterol foram realizadas utilizando-se o método de precipitação, com reativo precipitante Wiener Lab. Dosou-se HDL somente quando solicitado pelos médicos, portanto, não se obteve este resultado em todos os pacientes. Os níveis de LDL e VLDL foram calculados a partir da fórmula de Friedwald. Valores de referência e análise estatística Os valores de referência empregados na realização deste trabalho foram os seguintes: - glicose: < que 110 mg/dl - colesterol total: < 200 mg/dl - HDL: > que 35 mg/dl - LDL: < que 130 mg/dl - triglicerídeos: < que 200 mg/dl Figura 1. Total de pacientes diabéticos quanto ao sexo e faixa etária Estes valores foram baseados em The Expert Comittee on the diagnosis and classification of Diabetes Mellitus (1997) (13) e Departamento de Lípides da Sociedade Brasileira de Cardiologia (14), respectivamente. Para análise estatística dos dados utilizou-se o teste t de Student quando indicado, através do programa computadorizado SPSS PC. Resultados Total de pacientes diabéticos de acordo com sexo e faixa etária na população analisada. Na figura 1 observa-se que da população previamente selecionada (pedidos médicos), ou seja, 220 pacientes, 46,5% eram do sexo masculino e 53,5% do sexo feminino. A faixa etária predominante situou-se entre 50 e 70 anos de idade. A população de pacientes diabéticos na amostra estudada corresponde a 36% do total de pacientes analisados, com o predomínio do sexo masculino (57%) em relação ao sexo feminino (43%). Porém, as mulheres entre 50 e 59 anos apresentaram a glicemia mais elevada de toda a amostra analisada, seguida pelos homens de 60 a 69 anos de idade. Na Figura 2. Glicemia dos pacientes diabéticos e não diabéticos, por sexo e faixa etária figura 2 salienta-se que as médias das glicemias tanto em homens como em mulheres não diabéticos, permaneceram constantes em todas as faixas etárias (entre 90 e 100 mg/dl). Perfil lipídico da amostra estudada Os valores médios de colesterol total, LDL-colesterol, HDL-colesterol e triglicerídeos estão representados nas Figuras 3 (A, B, C) e 4, respectivamente, por sexo e faixa etária. 108

4 Figura 3A. Colesterolemia de diabéticos e não diabéticos por sexo e faixa etária Figura 3C. HDL-Colesterol em diabéticos e não diabéticos, homens e mulheres nas faixas etárias avaliadas Figura 3B. LDL-colesterol em diabéticos e não diabéticos por sexo e faixa etária Figura 4. Trigliceridemia de homens e mulheres, diabéticos e não diabéticos, nas respectivas faixas etárias (n=220) * Os dados são expressos como média ± erro padrão da média; * Diferentes estatisticamente (p<0,01); ** Diferentes estatisticamente (p<0,05) Tabela A. Percentual de fatores analisados por faixa etária em mulheres diabéticas (n=34) Faixa Etária 40 a a a a 80 Fatores Analisados (n=3) (n=11) (n=10) (n=10) Tabagismo 0 9% 0 0 HAS 100% 64% 30% 50% Sedentarismo 33% 73% 70% 80% Colesterol > 200mg/dl 0 73% 60% 60% Triglicerídeos > 200mg/dl 0 45% 30% 10% Tratamento com Hipoglicemiante oral 66% 36% 60% 40% Tratamento com insulina 0 45% 20% 40% 110

5 Tabela B. Percentual de fatores analisados por faixa etária em homens diabéticos (n=45) Faixa Etária 40 a a a a 80 Fatores Analisados (n=4) (n=17) (n=13) (n=11) Tabagismo 25% 18% 15% 18% HAS 0 30% 31% 36% Sedentarismo 25% 77% 62% 54% Colesterol > 200mg/dl 50% 47% 69% 82% Triglicerídeos > 200mg/dl 50% 47% 54% 64% Tratamento com Hipoglicemiante oral 50% 30% 62% 36% Tratamento com insulina 25% 18% 15% 9% Tabela C. Percentual da presença de história familiar de diabetes, tabagismo, Hipertensão Arterial Sistêmica, sedentarismo, níveis de colesterol total > que 200 mg/dl e níveis de triglicerídeos > que 200 mg/dl em homens diabéticos e não diabéticos e mulheres diabéticas e não diabéticas Fatores de Risco Homens Mulheres Diabéticos Não Diabéticos Diabéticas Não Diabéticas História Familiar 51% * 56% * Tabagismo 22% 15% 3% 6% HAS 31% 41% 59% 49% Sedentarismo 60% 64% 67% 53% Colesterol > 200 mg/dl 62% 63% 59% 73% Triglicerídeos > 200 mg/dl 53% 32% 26% 23% Total 45 (100%) 59 (100%) 34 (100%) 83 (100%) Acima de 50 anos ambas mulheres diabéticas e não diabéticas apresentaram colesterolemia elevada, porém somente a faixa etária entre 60 e 69 anos demonstrou diferença entre as diabéticas e não diabéticas (Figura 3A). Curiosamente, as mulheres não diabéticas na faixa etária entre 70 e 80 anos apresentaram índices de colesterol total mais elevados do que as diabéticas. Efeito similar observa-se para LDL-col (Figura 3B). Não houve diferença entre a colesterolemia dos homens diabéticos e os não diabéticos em todas as faixas etárias. Além disso, a média de colesterol total foi inferior às apresentadas pelos grupos femininos, bem como os níveis de LDL-colesterol foram mais satisfatórios do que o do grupo feminino (Figura 3B). Na Figura 3C nota-se que a fração HDL-Col manteve-se inalterada tanto para homens quanto para mulheres em todas as faixas etárias avaliadas. A trigliceridemia apresentou-se elevada entre as mulheres diabéticas na faixa etária de 50 a 59 anos e entre os homens diabéticos na faixa etária de 70 a 80 anos (Figura 4). Presença de fatores de risco As Tabelas A e B apresentam o percentual da presença de fatores de risco associados a diabetes presentes em mulheres diabéticas e homens diabéticos em cada faixa etária. Na Tabela A destaca-se entre as mulheres diabéticas na faixa etária entre 40 a 49 anos, o índice elevado de 100% de presença de hipertensão arterial sistêmica (HAS). O sedentarismo de 73% 112

6 na faixa etária de 50 a 59 anos, acompanhados de 73% de colesterol, 45% de triglicerídios elevados, respectivamente, nessa faixa etária. Outro dado significativo em relação aos homens (Tabela B) é a presença de altos índices de tabagismo em todas as faixas etárias estudadas. Por outro lado, entre os homens há um decréscimo na presença de HAS em todas faixas etárias, em relação ao observado nas mulheres. Colesterolemia e trigliceridemia apresentam-se mais elevadas na faixa etária situada entre 40 a 49 e 70 e 80 anos de idade. Ambos os grupos estão sob terapêutica em praticamente todas as faixas etárias (hipoglicemiante oral e/ou insulina). Na Tabela C pode-se observar entre os pacientes diabéticos e não diabéticos, o percentual da presença de história familiar de diabetes, tabagismo, hipertensão arterial sistêmica (HAS), sedentarismo, níveis de colesterol total > que 200 mg/dl e níveis de triglicerídeos > que 200 mg/dl, divididos por sexo. A história familiar de diabetes é comum em ambos os sexos. A HAS e o sedentarismo apresentam-se mais elevados entre as mulheres diabéticas, enquanto que a colesterolemia e a trigliceridemia estão mais elevados entre os homens. Discussão A amostra selecionada no Laboratório de Análises Clínicas Unimed de Carazinho (RS) permitiu que se verificasse a incidência do diabetes em uma população que tende a aumentar em número em nosso país (acima de 40 anos de idade) e a associação com fatores de risco que reduzem drasticamente a qualidade de vida do indivíduo portador deste distúrbio. Neste estudo, observa-se o predomínio de DM em ambos os sexos na faixa etária entre 50 e 70 anos. Ressalta-se que esta faixa etária é a mais vulnerável ao aparecimento de diabete, dislipidemias e doenças cardiovasculares. Sabe-se que o diabetes atinge predominantemente as camadas populacionais mais idosas, sem distinção de sexo. Entre os diabéticos, verifica-se o predomínio do sexo masculino (Figura 1). No entanto, Nilsson e cols (2004) (15) demonstraram que pacientes idosos do sexo masculino apresentam uma redução nos fatores de risco para o desenvolvimento das complicações tardias do diabete em relação às mulheres. Devido à maior incidência de DM, a partir dos 50 anos é válido salientar que a presença de complicações crônicas do diabete representa um fator adicional de risco de morbidade e mortalidade nessa faixa etária de indivíduos. Daí, advém a importância do controle glicêmico dos pacientes acima de 65 anos para evitar complicações tardias. Os níveis de colesterol total obtidos tanto em mulheres diabéticas quanto no grupo controle, mostraram-se alterados em todas as faixas etárias, exceto dos 40 a 49 anos. Não houve diferença nos níveis de colesterol total de homens diabéticos e não diabéticos em ambos os sexos entre 40 e 69 anos. Interessantemente, apenas para o sexo feminino, entre 70 e 80 anos as mulheres não diabéticas apresentaram um colesterol total mais elevado. As mulheres diabéticas da faixa etária entre 60 e 69 anos apresentaram um leve aumento da fração LDL-col, enquanto que as não diabéticas da faixa etária de 70 a 80 anos apresentaram uma diferença significativa em relação às diabéticas deste grupo. A fração LDL-col tende a aumentar com a idade, entre 50/55 anos no homem e 60/65 anos na mulher (16); e também devido à mudança hormonal que ocorre após a menopausa (17) níveis de colesterol LDL superiores a 160 mg/dl ocorrem com maior freqüência em pacientes diabéticos do que na população em geral (18). Analisando-se os resultados obtidos de HDL-colesterol, não se verifica diferença nos grupos estudados. A relação entre colesterol total e HDL está bastante alta em todas as faixas etárias avaliadas, isto pode ser reflexo também do sedentarismo que, nesta pesquisa, foi predominante no sexo masculino. Contudo, a maioria dos relatos tem apontado que o au- 114

7 mento do colesterol total tem uma correlação importante com aterosclerose, tanto em pacientes diabéticos como em não diabéticos. O risco de doenças cardiovasculares está fortemente relacionado às concentrações elevadas de colesterol total e LDL (19, 20, 21). Quanto aos valores de triglicerídeos obtidos, o grupo das mulheres diabéticas apresentou uma elevação importante na faixa etária de 50 a 59 anos, comparandose às não diabéticas. Nas demais faixas etárias, os triglicerídeos estão dentro dos níveis normais. Se recordarmos o início da discussão, veremos que os níveis glicêmicos também estão elevados nesta idade. Ressalta-se que esta é a faixa etária em que o sedentarismo foi predominante. Curiosamente, os homens diabéticos da faixa etária de 70 a 80 anos apresentaram a trigliceridemia mais elevada de todos os grupos estudados. E, de maneira similar, os níveis glicêmicos e o sedentarismo foram também acentuados nestas faixas etárias. Vários autores têm reportado que a deficiência de insulina acarreta também aumento da lipólise em nível de tecido adiposo, com aumento da liberação dos ácidos graxos que, levados ao fígado, aumentam a produção endógena de triglicerídeos (22, 23). Os homens diabéticos fumantes nesta amostra se sobrepuseram aos não diabéticos (22%), fator predisponente às complicações crônicas do DM. As mulheres diabéticas fumantes totalizaram 3% na amostra analisada. O tabagismo causa prejuízo tanto na forma independente como atua de forma sinérgica aos demais fatores de risco. Outro fator de grande importância analisado neste trabalho foi a Hipertensão Arterial Sistêmica. As mulheres, tanto diabéticas como não diabéticas, apresentaram maiores índices de HAS do que os homens. As mulheres diabéticas hipertensas (59%) são maioria em relação às não diabéticas hipertensas (49%). Comparando-se o número de mulheres diabéticas nas faixas etárias obteve-se uma prevalência maior de HAS entre 40 e 60 anos, idades estas onde as glicemias e os níveis de lípides estiveram também mais alterados, além da presença do sedentarismo, o que gera grande predisposição neste grupo a complicações graves como Doença Arterial Coronariana. Os homens não diabéticos apresentaram índices maiores de hipertensão em relação aos diabéticos que, dentro das faixas etárias avaliadas, obtiveram um máximo de 36% (tabela B) entre 70 a 80 anos. A hipertensão é identificada como o mais importante risco isolado, tanto de cardiopatia coronária quanto de acidentes vasculares cerebrais; e está intimamente associada ao diabetes. Adicionalmente, HAS junto com diabetes é a principal causa de insuficiência renal no mundo ocidental (24, 25). Os homens diabéticos apresentaram índices de sedentarismo sempre maiores que 50% a partir dos 50 anos e as mulheres diabéticas, a partir dos 50 anos, apresentaram índices de sedentarismo maiores que 70%. Sabe-se que uma pequena quantidade de exercício realizada freqüentemente resulta em um decréscimo da glicemia. Essa diminuição pode persistir por horas ou dias, possivelmente relacionada ao aumento da sensibilidade à insulina no músculo. Como os indivíduos diabéticos, em geral, apresentam doenças associadas, tais como hipertensão, dislipidemia, obesidade (em DM2), o exercício físico regular, além de diminuir a glicemia, reduz sobremaneira os fatores de risco das doenças cardiovasculares (26). Recentes estudos constataram que o controle da hipertensão, hiperlipidemia e da glicemia, a eliminação de hábitos como tabagismo e sedentarismo são importantes na redução do risco de doença cardiovascular entre os diabéticos; e também, a estreita relação entre as complicações do diabetes e a baixa qualidade de vida para pacientes de ambos os sexos em todas as faixas etárias (27). Melhorias no estilo de vida e farmacoterapia que melhorem 116

8 a sensibilidade à insulina e a disfunção endotelial são importantes para evitar a progressão da doença cardiovascular em indivíduos em risco para complicações graves (28). Portanto, através da divulgação destes resultados espera-se auxiliar na conscientização social sobre as formas mais eficazes de manter uma boa qualidade de vida nos pacientes portadores de diabetes a fim de que sigam as orientações devidas e zelem por sua qualidade de vida. O laboratório clínico preocupando-se com o bem-estar de seus pacientes, presta efetivamente, um serviço de qualidade técnica e de caráter educativo ao colaborar com esta iniciativa. Por outro lado, o Curso de Especialização em Análises Clínicas abre um espaço à discussão de temas relevantes à saúde, incentivando seus alunos às atividades de extensão e promovendo uma ampla e dinâmica integração com a comunidade. Agradecimentos Agradecemos ao Laboratório Unimed (Carazinho - RS) que permitiu a realização deste trabalho. Correspondência para: Profa. Maria Beatriz Moretto Departamento de Análises Clínicas e Toxicológicas Centro de Ciências da Saúde Universidade Federal de Santa Maria Referências Bibliográficas 1. Oliveira EP, Martins LGP, Pedrazzi AHP, Uyemura SA. Diabetes mellitus - uma revisão. Rev Bras Ana Clin., 29 (1): 5-10, Cardoso GP, Dantas ACH, Saldanha FC. Diabetes mellitus e resistência à insulina. J Bras Med, 76 (3): 61-68, Lerario AC. Diabete Mellitus: Aspectos epidemiológicos. Rev. Soc Card Est. S. Paulo, 8(5), Zoppini G, Verlato G, Bonora E, Muggeo M. Attending the Diabetes Center is associated with reduced cardiovascular mortality in type 2 diabetic patients: the Verona Diabetes study. Diabetes Metab Res Rev, 15: , Tuomilehto J. Impact of age on cardiovascular risk: implications for cardiovascular disease management. Atheroscler Suppl., 5(2): 9-17, Bohler S, Glaesmer H, Pittrow D, Lehnert H, Stalla GK, Zeiher AM, Marz W, Silber S, Wehling M, Ruf G, Reinecke A, Wittchen HU. Diabetes and cardiovascular risk evaluation and management in primary care: progress and unresolved issues rationale for a nationwide primary care project in Germany. Exp Clin Endocrinol Diabetes, 112(4): , Wild SH, Dunn CJ, McKeigue PM, Comte S. Glycemic control and cardiovascular disease in type 2 diabetes: a review. Diabetes Metab Res Rev, 15: , Barbui EC & Cocco MIM. Educative practices in diabetes mellitus: a bibliographical review. Cogitare enferm, 4(2): 49-57, Marcondes JAM, Bacchella T, Nahas WC, Mazzucchi E, David-Neto Arap. S. J Brás Med, 81(5/6), 50-55, Consenso Brasileiro de Conceitos e Condutas para o Diabetes Mellitus. Recomendações da Sociedade Brasileira de Diabetes para a prática clínica. Sociedade Brasileira de Diabetes,

9 11. Associação Nacional de Assistência ao diabético (ANAD), Site: 12. Zagury L, Naliato ECO, Meirelles RMR. Diabetes mellitus in brazilian middle class elderly: retrospective study in 416 patients. J. Bras. Med, 82(6): 59-61, The Expert Comittee on the diagnosis and classification of diabetes mellitus Report of the Expert comittee on the diagnosis and classification of diabetes mellitus Diabetes Care, 7(20): , Consenso Brasileiro de Dislipidemias: Avaliação, detecção e tratamento. Arq Brás Card, 67(2), Nilsson PM, Theobald H, Journath G, Fritz T. Gender differences in risk factor control and treatment profile in diabetes: a study in 229 swedish primary health care centres. Scand J Prim Health Care, 22(1): 27-31, World Health Organization: measuring Obesity: Classification and Description of Anthropometric. In: Bahia L, Gomes MB, Cruz PM et al. Doença arterial coronariana, micro albuminúria e perfil lipídico em pacientes com diabetes tipo 2. Arq. Bras. Cardiol. 1(73): 11-16, Weir RJ. Effect on blood pressure or changing from high to low dose steroid preparations in women with oral contraceptive induced hypertension. In: Cantos GA, Cursino N, Joaquim MVG et al. Controle de dislipidemia na comunidade universitária na preveção do desenvolvimento de aterosclerose. NewsLab, 37, 62-75, Rabelo LM, Martinez TLR. Dislipidemias. Rev. Soc. Cardiol. Est S. Paulo, 5: , Moriel P, Bertolami MC, Abdalla DSP. Colesterol total, LDL-colesterol, lipoproteínas oxidadas, apolipoproteínas e lp(a) na hipercolesterolemia. NewsLab, 38: 68-77, Cantos GA, Amaral JA, Massarollo E. Diabetes mellitus e sua correlação com os níveis de lipídios e lipoproteínas. Laes & Haes,125(3): , Oliveira EP, Martins LGP, Uyemura SA, Pedrazzi AHP. Diabetes mellitus - uma revisão. Parte II: Características clínicas, gerenciamento das dislipidemias em pacientes com IDDM, diagnóstico e achados laboratoriais. Rev Bras Ana Clin, 29(2): 62-68, Taskinen MR. Hormones, Diabetes mellitus and lipoproteins. Curr. Opin. Lipodol, 2: , Ginsberg HN & Huang LS. The insulin resistance syndrome: impact on lipoprotein metabolism and atherothrombosis. J Cardiovasc Risk, 7(5): , Ljutic D, Kes P. The role of arterial hypertension in the progression of non-diabetic glomerular diseases. Nephrol Dial Transplant; 18 Suppl 5:28-30, Abrahão SB, Marcondes M. Hipertensão arterial e Diabetes Mellitus. Arq Bras Card. 3(59), Forjaz CLM & Tinucci T, Alonso DO. Exercício físico e diabete. Rev Soc Card Est S. Paulo, 5: , Redekop WK, Koopmanschap MA, Stolk RP, Rutten GEHM, Wolffenbuttel BHR, Niessen LW. Healthrelated quality of life and treatment satisfaction in Dutch patients with type 2 diabetes. Diabetes Care, 25(3): , Wheatcroft SB, Williams IL, Shah AM, Kearney MT. Pathophysiological implications of insulin resistance on vascular endothelial function. Diabet Med, 20(4): ,

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO.

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. Bruna Pereira da Silva¹ bruna.silva00@hotmail.com Layla

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

O que é O que é. colesterol?

O que é O que é. colesterol? O que é O que é colesterol? 1. O que é colesterol alto e por que ele é ruim? Apesar de a dislipidemia (colesterol alto) ser considerada uma doença extremamente prevalente no Brasil e no mundo, não existem

Leia mais

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1

ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 ANEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 1 Matias Nunes Frizzo 2, Paula Caitano Fontela 3, Eliane Roseli Winkelmann 4. 1 Pesquisa realizada no Departamento de Ciências da Vida - Curso de Farmácia

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias

AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013. Dislipidemias AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 Dislipidemias Raul D. Santos Unidade Clínica de Lípides InCor-HCFMUSP Faculdade de Medicina da USP Metabolismo do colesterol,

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância?

Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? Diabetes e Hipogonadismo: estamos dando a devida importância? por Manuel Neves-e-Castro,M.D. Clinica de Feminologia Holistica Website: http://neves-e-castro.pt Lisboa/Portugal Evento Cientifico Internacional

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21

AVALIAÇÃO DO PERFIL LIPÍDICO DOS INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO TRISSOMIA DO CROMOSSOMO 21 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE SUPERINTENDÊNCIA DE REDES DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE REDES ASSISTÊNCIAIS COORDENADORIA DA REDE DE HIPERTENSÃO E DIABETES ESTRATIFICAÇÃO DE RISCO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES.

ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. ATIVIDADE FÍSICA, HÁBITOS ALIMENTARES E SÍNDROME METABÓLICA EM ADOLESCENTES. Sara Crosatti Barbosa (CNPq-UENP), Antonio Stabelini Neto (ORIENTADOR), e-mail: asneto@uenp.edu.br Universidade Estadual do

Leia mais

Doenças cardiovasculares na terceira idade André Nunes de Carvalho 1 Gabriela Maria Gomes Vieira 2

Doenças cardiovasculares na terceira idade André Nunes de Carvalho 1 Gabriela Maria Gomes Vieira 2 Doenças cardiovasculares na terceira idade André Nunes de Carvalho 1 Gabriela Maria Gomes Vieira 2 RESUMO: As doenças cardiovasculares são as principais causas de morbidade e mortalidade no Brasil principalmente

Leia mais

Prevalência de doenças cardiovasculares em diabéticos e o estado nutricional dos pacientes

Prevalência de doenças cardiovasculares em diabéticos e o estado nutricional dos pacientes Prevalência de doenças cardiovasculares em diabéticos e o estado nutricional dos pacientes Prevalence of cardiovascular diseases in diabetic and nutritional status of patients Tatyane Rezende Silva 1,

Leia mais

12. Diabetes a. Introdução

12. Diabetes a. Introdução 12. Diabetes a Introdução As doenças cardiovasculares e o diabetes contribuem com substancial parcela dos óbitos e da morbidade por doenças crônicas entre adultos e idosos no Brasil. O diabetes mellitus

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial?

A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? A prática de exercício físico pode ser utilizada como meio de tratamento da hipertensão arterial? Enéas Van Der Maas do Bem Filho 1 Resumo As doenças cardiovasculares são as principais causas de morte

Leia mais

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN

PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN PERFIL ANTROPOMÉTRICO E DISLIPIDÊMICO EM CRIANÇAS PORTADORES DE SÍNDROME DE DOWN Érica Caroline de Santis* Lara Ribeiro Sisti** Luisa Philippsen*** Lucievelyn Marrone**** Rosália Hernandes Fernandes Vivan*****

Leia mais

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo

Apresentação. Introdução. Francine Leite. Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Evolução dos Fatores de Risco para Doenças Crônicas e da prevalência do Diabete Melito e Hipertensão Arterial na população brasileira: Resultados do VIGITEL 2006-2009 Luiz Augusto Carneiro Superintendente

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS

RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE OS NÍVEIS SÉRICOS DE PCR AS E COLESTEROL-HDL EM TRABALHADORES DE EMPRESAS PRIVADAS Juliane Mara Sabatini 1 ; Rafael Cardia Sardim Barros

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE Patrícia Keiko Saito 1 Roger Haruki Yamakawa 1 Sueli Donizete Borelli 2 O objetivo

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Sarah Pereira Lins 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Lucas Linhares Lócio 3 ; Diego

Leia mais

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO?

HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA: HÁ DIFERENÇA NA DISTRIBUIÇÃO ENTRE IDOSOS POR SEXO? Enelúzia Lavynnya Corsino de Paiva China (1); Lucila Corsino de Paiva (2); Karolina de Moura Manso da Rocha (3); Francisco

Leia mais

Palavras-chave Colesterol, LDL, LDL direto, LDL indireto, fórmula de Friedewald

Palavras-chave Colesterol, LDL, LDL direto, LDL indireto, fórmula de Friedewald UMA COMPARAÇÃO ANALITICA ENTRE DOIS MÉTODOS UTILIZADOS PARA DETERMINAÇÃO DO LDL COLESTEROL Marcos da Costa Vieira RESUMO O presente trabalho tem como tema uma comparação analítica entre dois métodos utilizados

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES PÓS-TRANSPLANTE RENAL 1 Valéria Baccarin Ianiski 2, Lígia Beatriz Bento Franz 3, Eliane Roseli Winkelmann 4, Juliana Schneider 5. 1 Atividade relacionada ao Projeto de Iniciação

Leia mais

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo

Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Risco cardiovascular e os índices glicêmicos de idosos atendidos em uma clínica de saúde universitária na cidade de São Paulo Cardiovascular risk and glycemic indexes of the elderly patients at a university

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹

HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ HIPERTENSÃO E DIABETES: UM ESTUDO DE CASO CLÍNICO¹ SILVEIRA, Lauren²; RODRIGUES, Andressa²; GOULART, Márcia²; FAGUNDES, Pâmela²; SCHMITT, Raquel²; LIMBERGER, Jane Beatriz³. 1 Trabalho de Pesquisa _UNIFRA

Leia mais

Terapia Nutricional nas Dislipidemias

Terapia Nutricional nas Dislipidemias Terapia Nutricional nas Dislipidemias Autoria: Sociedade Brasileira de Nutrição Parenteral e Enteral Sociedade Brasileira de Cardiologia Colégio Brasileiro de Cirurgiões Sociedade Brasileira de Clínica

Leia mais

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PATIS/MG

PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE PATIS/MG Perfil sociodemográfico de pacientes diabéticos e não diabéticos da Estratégia de Saúde da Família... 61 PERFIL SOCIODEMOGRÁFICO DE PACIENTES DIABÉTICOS E NÃO DIABÉTICOS DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA

Leia mais

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012.

Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Internações por Hipertensão Essencial em homens idosos no Brasil: estudo comparativo entre as regiões nordeste e sudeste no período de 2008 a 2012. Layz Dantas de Alencar 1 - layzalencar@gmail.com Rosimery

Leia mais

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial

Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Fatores que interferem na qualidade de vida de pacientes de um centro de referência em hipertensão arterial Autores: Liza Batista Siqueira¹, Paulo César Brandão Veiga Jardim², Maria Virgínia Carvalho³,

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

Márcio Miranda Brito¹, Jacyanne Bessa Von Schwaner 1, Márcela Miranda Brito², Ana Cristina Ferenci Campanile 3.

Márcio Miranda Brito¹, Jacyanne Bessa Von Schwaner 1, Márcela Miranda Brito², Ana Cristina Ferenci Campanile 3. AVALIAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DOS PACIENTES MAIORES DE SESSENTA ANOS ATENDIDOS NA POLICLÍNICA DO SETOR COUTO MAGALHÃES NA CIDADE DE ARAGUAÍNA-TO NO PERÍODO DE JANEIRO DE 2006 A DEZEMBRO DE 2007 Márcio Miranda

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul 29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul BUSCA ATIVA DOS SERVIDORES HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DA UEM: ORIENTAÇÃO, PREVENÇÃO, TRIAGEM E ENCAMINHAMENTO MÉDICO DE TRABALHADORES DE UMA INSTITUIÇÃO

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

Na diabetes e dislipidemia

Na diabetes e dislipidemia Cuidados de saúde primários e Cardiologia NOCs e Guidelines: com tanta orientação ficamos mesmo orientados? Na diabetes e dislipidemia Davide Severino 4.º ano IFE de Cardiologia Hospital de Santarém EPE

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

7º Congresso Unidas de

7º Congresso Unidas de 7º Congresso Unidas de Gestão o de Assistência à Saúde Dra. Rozana Ciconelli Centro Paulista de Economia da Saúde Escola Paulista de Medicina A epidemia da obesidade Como as doenças crônicas afetam a gestão

Leia mais

The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2. Renata Pereira1 Artigo Original

The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2. Renata Pereira1 Artigo Original 89 A relação entre Dislipidemia e Diabetes Mellitus tipo 2 The relation between Dyslipidemia and Diabetes Mellitus type 2 Renata Pereira1 Artigo Original Palavras-chave: Dislipidemia Diabéticos mellitus

Leia mais

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS.

TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. TABAGISMO, SEDENTARISMO E SOBREPESO COMO FATORES ASSOCIADOS À DIABETES MELLITUS TIPO II NOS ANOS DE 2010 E 2011 NO ESTADO DE MINAS GERAIS. SMOKING, SEDENTARY LIFESTYLE AND OVERWEIGHT AS FACTORS ASSOCIATED

Leia mais

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO

Este capítulo tem como objetivo, tecer algumas considerações. Epidemiologia, Atividade Física e Saúde INTRODUÇÃO 1 Epidemiologia, Atividade Física e Saúde Efi gênia Passarelli Mantovani Especialista em Atividade Física e Qualidade de Vida Unicamp Vera Aparecida Madruga Forti Profa. Dra. do Departamento de Estudos

Leia mais

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG

TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG TÍTULO: ADESÃO À TERAPIA MEDICAMENTOSA POR DIABÉTICOS ASSISTIDOS POR DUAS EQUIPES DA ESTRATÉGIA DE SAÚDE DA FAMÍLIA DA CIDADE DE ARAXÁ-MG CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA:

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL DE LONDRINA-PARANÁ SCHUINDT, P. S; ANDRADE, A. H. G. RESUMO A grande incidência de desnutrição hospitalar enfatiza a necessidade de estudos sobre

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013

FGV GV Saúde. Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção. Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 FGV GV Saúde Condições Crônicas Fatores de risco e prevenção Centro de Medicina Preventiva Hospital Israelita Albert Einstein Março de 2013 A Revisão Continuada de Saúde Revisão Continuada de Saúde (RCS)

Leia mais

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013)

Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) CHAMADA MCTI-CNPq/MDS-SAGI Nº 24/2013 DESENVOLVIMENTO SOCIAL Avaliação do Programa de Alimentação do Trabalhador na Região Metropolitana do Recife (1976-2013) TEMA 4: SEGURANÇA ALIMENTAR E NUTRICIONAL

Leia mais

Prevalência de fatores de risco cardiovasculares em diabéticos do tipo 2 de uma unidade de atenção primária à saúde

Prevalência de fatores de risco cardiovasculares em diabéticos do tipo 2 de uma unidade de atenção primária à saúde Perquirere, 11(1): 224-236, jul. 2014 Centro Universitário de Patos de Minas http://perquirere.unipam.edu.br Prevalência de fatores de risco cardiovasculares em diabéticos do tipo 2 de uma unidade de atenção

Leia mais

OCORRÊNCIA DE DISLIPIDEMIAS EM PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2.

OCORRÊNCIA DE DISLIPIDEMIAS EM PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA LUIZ EDUARDO SILVA TORQUATO OCORRÊNCIA DE DISLIPIDEMIAS EM PORTADORES DE DIABETES MELLITUS TIPO 2. CAMPINA

Leia mais

PERFIL METABÓLICO DE PACIENTES ACOMETIDOS POR DIABETES MELLITUS TIPO II: UMA CONSTRUÇÃO EDUCATIVA

PERFIL METABÓLICO DE PACIENTES ACOMETIDOS POR DIABETES MELLITUS TIPO II: UMA CONSTRUÇÃO EDUCATIVA PERFIL METABÓLICO DE PACIENTES ACOMETIDOS POR DIABETES MELLITUS TIPO II: UMA CONSTRUÇÃO EDUCATIVA Sara Albuquerque dos Santos 1 Priscilla Batista Rocha 2 Luciano da Costa Viana 3 Enfermagem ciências humanas

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA

ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA ANÁLISE DA EFICÁCIA DO PROGRAMA HIPERDIA EM UMA UNIDADE BÁSICA DE SAÚDE: DA TEORIA A PRÁTICA Costa 1, A. A. S., Soares 2, C. S., Pires 3, P. R. S., Moreira 4, A. G. E. ; Filipini 5, S. M. 1,2,3,4,5 Univap/Enfermagem,

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB

I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB I SEMINÁRIO DE EXTENSÃO DA UCB 29 de setembro, 09 e 10 de outubro de 2012 MODELO PARA APRESENTAÇÃO DO TRABALHO: Título do trabalho Perfil do paciente portador de Diabetes Mellitus tipo 2 atendidos no projeto

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE

S a, 22 de dezembro de 2014. J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE :.:4:. GP-RI-2007/14 Senhor Presidente, J. AO EXPEO ERNO EM 2 114 GER S a, 22 de dezembro de 2014. UDtOGONÇALVEff í PRESIDENTE Em ate 'ã ao requerimento n 2070/2014, de autoria do Vereador FERNANDO L S

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

Diabetes Mellitus: Prevenção

Diabetes Mellitus: Prevenção Diabetes Mellitus: Prevenção Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Elaboração Final: 21 de outubro de 2006 Participantes: Lima JG, Nóbrega LHC, Lima G, Mendonça RP O Projeto Diretrizes,

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS Alfredo Aguirre da Paixão Acadêmico do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: dislipidemia, idoso, exames laboratoriais ABSTRACT

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: dislipidemia, idoso, exames laboratoriais ABSTRACT PERFIL LÍPIDICO DE IDOSOS ATENDIDOS POR PROGRAMA DE ATENÇÃO FARMACÊUTICA LIPIDIC PROFILE OF ELDERLY PATIENTS ATTENDED BY THE PHARMACEUTICAL CARE PROGRAM. Luciene Alves Moreira Marques, Mestre, Universidade

Leia mais

AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA

AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA 41 AVALIAÇÃO DA COLESTEROLEMIA EM CRIANÇAS ATENDIDAS EM UM LABORATÓRIO NO MUNICÍPIO DE IMPERATRIZ-MA EVALUATION OF CHOLESTEROL IN CHILDREN ATTENDING A LABORATORY IN THE CITY OF IMPERATRIZ-MA FIRMO, Wellyson

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP

III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO. Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP III CONGRESSO BRASILEIRO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE DO PODER JUDICIÁRIO Valéria M. Natale Divisão Médica - TRF 3ª. Região HCFMUSP DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS PRINCIPAL CAUSA DE MORTE NO MUNDO!! AS PRINCIPAIS

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE Morais, Bruna Lais Alcará¹; Martins, Luz Marina Pinto² ¹ Estudante do Curso de Enfermagem

Leia mais

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS

PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES CADASTRADOS NO SISTEMA HIPERDIA DO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA, RS Michele Muller 1 Gabriele Bester Hermes 2 Liziane Maahs Flores 3 1 Apresentadora, Acadêmica do Curso

Leia mais

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA

MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA INTRODUÇÃO MORBIDADES AUTORREFERIDAS POR IDOSOS ATENDIDOS EM UM AMBULATÓRIO DE GERIATRIA Mayara Muniz Dias Rodrigues 1 Saemmy Grasiely Estrela de Albuquerque 2 Maria das Graças Melo Fernandes 3 Keylla

Leia mais

ARTIGO ORIGINAL. Resumo

ARTIGO ORIGINAL. Resumo 12 Arquivos 0004-2773/09/38 Catarinenses de Medicina - 03/12 Vol. 38, n o. 3, de 2009 Arquivos Catarinenses de Medicina ARTIGO ORIGINAL Estado nutricional e prevalência de dislipidemias em idosos Tathiely

Leia mais