O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA?"

Transcrição

1 18 de junho de 2014

2 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo 2

3 O que devo exigir do meu contabilista? De instrumento meramente financeiro a ferramenta de gestão Reunião inicial antes do TOC assumir funções; Promover uma relação de confiança e troca de informação; Fonte de informação segura e oportuna para efeitos de gestão; Sinais de alerta e mecanismos de prevenção; Que passe de Guarda Livros para Controller de Gestão ; Ajudar os gestores a implementar a estratégia empresarial.

4 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo 4

5 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? A verdade Não se gere o que não se mede... Não se mede o que não se define... Não se define o que não se conhece... Não há sucesso no que não se gere. W. Edwards Deming

6 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Os principais documentos contabilísticos Balancete Um instrumento financeiro que deve analisar com periodicidade (pelo menos trimestral); Permite estabelecer um resumo básico de um estado financeiro; Permite confirmar que a contabilidade da empresa está ou não bem organizada; A sua análise, de forma regular, permite identificar erros de forma atempada. Demonstração Resultados Balanço

7 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Balancete 1.º S Ano x Chamadas contas do Balanço DICAS DE GESTÃO: 1 Contas classe 1 (Disponibilidades) - Criar fundo fixo de caixa; Analisar os extractos bancários; 2 Contas classe 2 (Terceiros) Analisar valores de dívidas de clientes e dívidas a fornecedores e outros credores (análise ao nível de endividamento, risco de liquidez); 3 Contas classe 3 (Inventários) Controlo de stocks mensal. Tem desperdícios? Produtos fora de prazo? Tem de comunicar à contabilidade; 4 Contas classe 4 (Activo Fixo) Todo o investimento que fez na clínica desde o balcão de recepção até ao compressor, cadeiras, autoclave, raio-x ortopantomografo. Faça conferência da permanência, elabora uma mapa de controlo dos bons e número o activo. 5 Contas classe 5 (Capital) Atenção para a problemática da situação da perda de metade do capital (Art.º 35 CSC).

8 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Balancete 1.º S Ano x Chamadas contas de Resultado DICAS DE GESTÃO: 6 - Contas classe 6 Gastos Conseguimos analisar os gastos que tive até ao período específico. Devemos solicitar ao TOC se os gastos que está a ter implicações fiscais, nomeadamente, e a título de exemplo, despesas de representação ou despesas não documentadas.; 7 Contas classe 7 Rendimentos Conseguimos analisar os rendimentos ao longo do período e comparar com a conta de gastos e com o comportamento do ano anterior. DESTACAMOS: A importância da elaboração de um orçamento anual para que possa analisar os desvios que a actividade operacional da sua clínica está a ter e permite-lhe controlar o resultado e, por consequência, o imposto sobre o rendimento.

9 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Os principais documentos contabilísticos Balancete Demonstração Resultados Balanço Permite-nos analisar o desempenho da clínica ao longo de um determinado período de tempo; Desempenho esse que se traduz no apuramento do resultado da empresa, ou seja, pela subtração dos gastos aos rendimentos da clínica apuro lucro ou prejuízo; Esse resultado é o ponto de partida para calcular o imposto sobre o rendimento e o ponto de partida para analisarmos se o negócio é sustentável.

10 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Demonstração de Resultados Ano x COMO INTERPRETAR: Mede o desempenho? O que quer dizer? 1 Resultado Operacional Proveitos da actividade operacional (objecto social) deduzidos dos gastos operacionais Exemplo: Altura de tomar medidas estratégicas. Devemos analisar juntamente com o balanço. Pode ser porque a Clínica já necessita de investir novamente em novos equipamentos. 2 Resultado Líquido do Período Resultado antes dos impostos deduzido do imposto sobre o rendimento (IRC).

11 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Os principais documentos contabilísticos Balancete Demonstração Resultados Balanço Permite-nos aferir sobre a posição financeira da clínica; Evidencia os recursos que a Clínica tem, desde o equipamento até ao stock de consumíveis e as fontes de financiamento, desde fornecedores, a sócios e instituições bancárias.

12 O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Balanço Ano x COMO INTERPRETAR: Mede a posição financeira? ACTIVO PASSIVO = CAPITAL PRÓPRIO SOLVABILIDADE: Deve-se analisar as necessidades de longo prazo e financiamento de longo prazo (1 e 4) LIQUIDEZ: Deve-se analisar para o que se pode ganhar com o activo corrente e a capacidade de liquidar as obrigações de curto prazo (2 e 5)

13 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo

14 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção Como funciona? Na prestação de serviços a sua clínica não cobra IVA ao seu paciente; Mas... Em todas as compras a sua clínica vai suportar o IVA, ou seja, o IVA será sempre um gasto.

15 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção Porque a minha clínica está isenta de IVA? As prestações de serviços médicos e no exercício da profissão de médico têm «a honra» de inaugurar, no Código do IVA, o capítulo das isenções, nomeadamente nos números 1 e 2 do artigo 9.º. O sentido da isenção parece evidente: sendo um imposto que é suportado em última análise pelo consumidor final, e sendo a saúde um bem essencial, compreende-se que este tipo de serviço esteja isento.

16 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção Nota (Casos Especiais): As prestações de serviços efetuadas por estomatologistas, médicos dentistas e odontologistas, e por protésicos dentários estão isentos de imposto. Se fabricarem próteses que utilizem exclusivamente nos seus pacientes, não há que liquidar IVA. Mas Se os mesmos profissionais venderem a outrem que não os seus pacientes, deverão liquidar IVA à taxa correspondente.

17 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção ESTE ASSUNTO NÃO SE ESGOTA AQUI...

18 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção

19 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Regime de isenção Consequências Na prestação de serviços a sua clínica cobra IVA ao seu paciente e entrega ao Estado (o IVA é à taxa reduzida de 6%); Mas. Em todas as compras que a sua clínica faça o IVA que paga ao seu fornecedor ser-lhe-á devolvido pelo Estado; Ao optar por este regime fica obrigado a permanecer por um período mínimo de 5 anos.

20 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Renúncia à isenção Quando poderá fazer sentido? Numa fase de investimentos avultados com períodos de retorno longos, permitir-lhe-á: Ter crédito fiscal e contínuo pois: Aquisições a 23% (maioria); 17% Prestações de Serviços a 6%; Controlar o resultado da sua clínica por via da redução de gastos que numa fase de investimento é mais elevada; Na aquisição de bens à U.E. a sua clínica não tem de pagar o IVA.

21 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Renúncia à isenção Quando poderá não fazer sentido? Quando o valor do investimento é baixo e não temos expectativas de investimento contínua a médio e longo prazo.

22 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Renúncia à isenção Exemplo: REGIME ISENÇÃO REGIME NORMAL Volume Negócios , ,49 IVA (6%) ,51 RESULTADO OPERACIONAL , ,49 Investimento , ,00 IVA (23%) , ,00 GASTOS , ,00 IVA entregue ao Estado Crédito Fiscal

23 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Aquisições de bens no regime de isenção UE SITUAÇÃO As aquisições efectuadas noutros EM que não ultrapassam o limiar dos LOCAL DE TRIBUTAÇÃO No Estado-Membro onde a Clínica adquire o bem CONSEQUÊNCIAS PARA A SUA CLÍNICA Pagar o IVA ao vendedor à taxa aplicável no EM onde está Estabelecido As aquisições efectuadas noutros EM já ultrapassaram o limiar dos ou uma só compra é de valor superior a este limite Em Portugal Registar se para efeitos de aquisições intracomunitárias Comunicar o seu NIF aos fornecedores dos outros EM Proceder à liquidação do IVA, que, neste caso, não pode ser deduzido Proceder ao pagamento do IVA até ao fim do mês seguinte, através de declaração periódica

24 Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Breve conclusões É muito importante que reflicta bem sobre estas questões pois pode estar a suportar IVA como gasto para a clínica, sendo que se estivesse no regime normal de IVA não estaria, uma vez que em todas as compras poderia deduzir o IVA a favor da clínica; Trata-se de uma decisão com impacto fiscal e com impacto directo no resultado da sua clínica; Compensa muito fazer um estudo sobre esta matéria.

25 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo

26 Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros ligeira na minha clínica dentária? Agravamento das tributações autónomas reforma IRC 2014 Enquadramento A tributação autónoma de IRC é uma tributação que incide sobre determinados encargos de sujeitos passivos de IRC e devem ser interpretadas como um pagamento independente da existência ou não de matéria colectável; Alguns exemplos: todas as despesas com viaturas ligeiras de passageiros, despesas de representação, despesas não documentadas, ajudas de custo e compensação por quilómetros.

27 Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros ligeira na minha clínica dentária? Agravamento das tributações autónomas reforma IRC 2014 Exemplo viaturas ligeiras de passageiros: Descrição Depreciação contabilística (DC) 25% x VA Depreciação aceite (DA) 25% x Redução do IRC (depreciação) Valores de aquisição (VA) - Em Euros >= , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,0 Taxa (a) x DA Tributação autónoma Taxa (b) x DC (depreciações praticadas) 1.250, , , , , , , ,0 Agravamento da tributação -406,3 187,5-156,3 531,3 93, ,3 843, ,8 (a) ANO 2014: Considerámos a nova taxa (23%) e uma derrama de 1,5%; (a) ANO 2013: Considerámos a taxa de (25%) e uma derrama de 1,5%; +7,5% +7,5% +15% +15% (b) ANO 2014: Taxa de 27,5% em relação às viaturas cujo custo de aquisição foi de e e de 35% para aquelas cujo custo foi e (presumindo que a empresa apura resultados fiscais positivos); (b) ANO 2013: Consideramos que ano de aquisição foi em 2013, cujo valor máximo para não aumentar a tx de 10% para 20% de TA e para ser aceite a totalidade das depreciações é de Taxa de 10% em relação às viaturas cujo custo de aquisição foi até Taxa de 20% para aquelas cujo custo igual ou superior a (presumindo que a empresa apura resultados fiscais positivos) , ,3

28 Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros ligeira na minha clínica dentária? POSSÍVEL SOLUÇÃO? SOLUÇÃO DAS AJUDAS DE CUSTO E KMS: Ajudas de Custo Compensação em KMS por utilização de viatura própria 5% ou 15% no máximo NOTAS: KMS: Para não ser tributado em IRS nem em Segurança Social os montantes pagos para os km não podem exceder os 0.36 euros por km. Ajudas de Custo: Para não ser tributado em IRS nem em Segurança Social os montantes pagos não podem exceder os euros por dia.

29 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo

30 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Enquadramento As sociedades de profissionais como a de médicos encontra-se sujeita a um regime especial denominado de transparência fiscal. Neste regime a tributação, em sede de imposto sobre o rendimento, não recai sobre a sociedade, mas sim na esfera do sócio; O lucro da sociedade é imputado aos sócios para efeitos de tributação em IRS.

31 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Tributação sobre o rendimento em IRC e em IRS TAXA IRC TAXA IRS Rendimentos Taxa Rendimentos Taxa % Até ,50% > % > a ,50% > a % > a % > %

32 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Sociedades de profissionais Transparência fiscal requisitos cumulativos: Actividade não médica cujo volume de negócios seja <25% Nº sócios <=5 Sócios médicos dentistas com capital social >=75%

33 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Sociedades de profissionais MD 1 MD 2 NÃO MD 45% 45% 10% Sociedade X Objecto social: Serviços de Medicina Dentária Actividade não médica cujo volume de negócios seja <25% Nº sócios <=5 Sócios médicos dentistas com capital social >=75% A sociedade X é transparente? Sim.

34 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Sociedades de profissionais MD 1 MD 2 NÃO MD 45% 45% 10% Sociedade X Objecto social: Serviços de Medicina Dentária e Venda de Produtos Actividade não médica cujo volume de negócios seja <25% Nº sócios <=5 Sócios médicos dentistas com capital social >=75% A sociedade X é transparente? Sim. Rendimentos 2014 Serv. médicos Vendas (20%)

35 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Sociedades de profissionais MD 1 MD 2 NÃO MD 30% 30% 40% Sociedade X Objecto social: Serviços de Medicina Dentária Actividade não médica cujo volume de negócios seja <25% Nº sócios <=5 Sócios médicos dentistas com capital social >=75% A sociedade X é transparente? Não.

36 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Sociedades de profissionais D 1 MD 2 MD NÃO NÃO MD NÃO MD NÃO MD 48% 48% 1% 1% 1% 1% Actividade não médica cujo volume de negócios seja <25% Nº sócios <=5 Sócios médicos dentistas com capital social >=75% Sociedade X Objecto social: serviços de medicina dentária A sociedade X é transparente? Não.

37 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Vantagens Limitação das responsabilidades dos sócios; Desenvolvimento de economias de escala, por via da partilha do conhecimento e pela possibilidade de desenvolvimento de um mercado mais alargado.

38 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Desvantagens Independentemente de existir ou não distribuição de lucros, a obrigação do pagamento do imposto ocorre na esfera dos respetivos sócios; Tributação com base num resultado que o sócio pode nunca vir a receber, pela não distribuição dos resultados; Este mecanismo de imputação, atendendo à taxa progressiva de tributação em IRS, pode levar à aplicação de uma taxa de imposto bastante superior à que teria de ser suportada, caso o sócio fosse sujeito a tributação à taxa liberatória na distribuição dos resultados (ano 2014: 28%).

39 A minha clínica está no regime de transparência fiscal? Breves conclusões Diversas são as vantagens e desvantagens que se podem apontar à transparência fiscal, sendo claro que a decisão de constituir uma sociedade de profissionais poderá depender da tributação média dos sócios, em sede de IRS, bem como do destino que se pretende dar aos lucros da sociedade; Chamamos a atenção para as alterações societárias que podem fazer para evitar estar no regime de transparência fiscal e que podem trazer mais desvantagens que vantagens.

40 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo

41 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Enquadramento Face ao actual contexto económico, foram criados incentivos de estimulação aos colaboradores, entre os quais o ticket. Este produto adota vários tipos, ou áreas de atuação:

42 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Refeição Para a empresa: Não sujeição a Taxa Social Única (23,75%) Para os trabalhadores: Não sujeição a Taxa Social Única (11%) Não sujeição a IRS na esfera da Categoria A

43 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Ensino Para a empresa: Não sujeição a Taxa Social Única (23,75%) Para os trabalhadores: Não sujeição a Taxa Social Única (11%) Não sujeição a IRS na esfera da Categoria A

44 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Infância Para a empresa: Não sujeição a Taxa Social Única (23,75%) Dedutível em IRC em 140% (gasto + majoração de 40%) Para os trabalhadores: Não sujeição a Taxa Social Única (11%) Não sujeição a IRS na esfera da Categoria A

45 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Saúde Para a empresa: Não sujeição a Taxa Social Única (23,75%) Para os trabalhadores: Não sujeição a Taxa Social Única (11%) Não sujeição a IRS na esfera da Categoria A

46 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Refeição Exemplo Limites diários à isenção de tributação do Subsídio de Refeição 2014 Valor limite não tributado (em numerário) 4,27 Valor limite não tributado (em vale refeição) 6,83 Variação isenção diária 2,56 Isenção anual (base cálculo): 2,56 x 22 dias x 11 meses = 619,52 Refeição Benefício Anual para a Empresa (por Colaborador): Com o pagamento do subsídio através do Ticket Refeição, as empresas não suportam encargos até ao limite diário de 6,83, situação que, para Empresas que pagam subsídio de refeição de valor igual ou superior a este montante, representa um benefício anual de 147,14 por Colaborador. 619,52 x Taxa Social Única (23,75%) = 147,14 Benefício Anual para os Colaboradores: Para os Colaboradores a base de cálculo é a mesma e o benefício incide sobre a taxa de 11% para a segurança social e a respetiva taxa de IRS onde esteja enquadrado, representando um aumento no rendimento líquido anual. Exemplo para um Colaborador pressupondo um subsídio de refeição de valor igual ou superior a 6,83, com uma taxa IRS final de 30%: 619,52 x [Taxa Social Única (11%) + IRS (30%)] = 254,00

47 O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Ticket Refeição Exemplo O Ticket Restaurant permite efectuar, com toda a comodidade, o pagamento do subsídio de refeição aos seus colaboradores e ainda se traduz numa excelente poupança fiscal para a sua Empresa e para os seus Colaboradores. Limites diários à isenção de tributação do Subsídio de Refeição 2014 Valor limite não tributado (em numerário) 4,27 Valor limite não tributado (em vale refeição) 6,83 Variação isenção diária 2,56 Isenção anual (base cálculo): 2,56 x 22 dias x 11 meses = 619,52

48 O que devo exigir do meu contabilista? O que devo analisar no Balancete, Balanço e Demonstração de Resultados? Devo renunciar à isenção do IVA? IVA como gasto ou crédito fiscal? Afinal devo ou não ter uma viatura ligeira de passageiros na minha clínica dentária? A minha clínica está no regime de transparência fiscal? O ticket vantagens para compensar os colaboradores? Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo

49 Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo Art. 87º - taxas É reduzida a taxa do IRC de 25% para 23%; Adicionalmente, é introduzida uma taxa reduzida de IRC de 17% aplicável aos primeiros de matéria colectável, para os sujeitos passivos que exerçam, directamente e a título principal, uma actividade económica de natureza agrícola, comercial ou industrial, que sejam qualificados como pequena ou média empresa, nos termos previstos no anexo ao Decreto-Lei n.º 372/2007, de 6 de Novembro.

50 Nova taxa do IRC benefício fiscal máximo Taxas Benefício máximo das entidades que aproveitem esta taxa reduzida: x (23%-17%) = 900

51 ASSUNTO SECUNDÁRIO Como gestor, você é pago para estar desconfortável. Se você está confortável, é um sinal seguro de que está fazendo as coisas erradas. Peter Drucker

52 Obrigada!

Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os

Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os 30 de Junho de 2015 Como posso controlar o meu negócio? Como avaliar os principais rácios económico-financeiros? A análise do break-even point Como devo analisar os gastos da minha Clínica? 5 dicas para

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/09

Contabilidade Financeira II 2008/09 Contabilidade Financeira II 2008/09 Impostos Estado e Outros Entes Públicos Impostos: IRC - Imposto sobre o rendimento IRS - Retenção de impostos sobre rendimentos (já vimos) IVA - Imposto sobre o valor

Leia mais

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo

Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Políticas de Financiamento do Sistema Desportivo Setúbal, 28 de Introdução No âmbito das relações com o sistema desportivo, a partilha de competências entre o Estado e o movimento associativo deverá sempre

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------

------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ ------------------------------CONTABILIDADE FINANCEIRA I------------------------------ Fluxos empresariais: Tipos de fluxos Perspectiva Quadros demonstrativos contabilísticos Externos: Despesas Receitas

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo:

7. A Soc. Z efectuou, pela 1ª vez, ajustamentos em dívidas a receber ( Provisões para créditos de cobrança duvidosa), conforme quadro abaixo: Considere os seguintes limites fixados para os funcionários públicos (P 30-A/2008): Subsídio de Refeição (4,11 ); Transporte em automóvel próprio ( 0,39 por quilómetro). O SP A está sujeito à seguinte

Leia mais

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015

NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 NEWSLETTER N.º 4 PORTUGAL FEVEREIRO 2015 FISCALIDADE VERDE Foi aprovado no passado dia 31 de Dezembro, a Lei n.º 82-D/2014 que promove reforma da tributação ambiental, regulamentando assim a Fiscalidade

Leia mais

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES

DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES DISSOLUÇÃO E LIQUIDAÇÃO DE SOCIEDADES Perspectiva Contabilística e Fiscal Fases DISSOLUÇÃO LIQUIDAÇÃO PARTILHA Formalidades da Dissolução A dissolução deve obedecer a uma das seguintes formas: Por escritura

Leia mais

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo.

1. Os AFT devem ser contabilisticamente mensurados no reconhecimento inicial pelo seu custo. Classificação: 00 0. 0 1. 0 9 GABINETE DO DIRECTOR GERAL Direcção de Serviços do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Activos Fixos Tangíveis Código do IRC Decreto Regulamentar n.º 25/2009,

Leia mais

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014

REFORMA DO IRC. Janeiro de 2014 Janeiro de 2014 REFORMA DO IRC Foi hoje publicada em Diário da República a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que introduz profundas alterações ao Código do IRC, com o intuito de simplificar e modernizar

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março, n.º 51 - Série I Aprova o Código de Contas para Microentidades O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Orçamento do Estado para 2004

Orçamento do Estado para 2004 Orçamento do Estado para 2004 (Lei nº107-b/2003, de 31 de Dezembro de 2003) Principais Medidas Fiscais com Incidência na Actividade Empresarial 1 IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas

Leia mais

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos:

Se pretende entregar pelo portal das finanças deve previamente identificar 3 pontos: O início do exercício de atividade, com a entrega/ submissão da respetiva declaração de início de atividade, é um momento de crucial importância para o estabelecimento de um clima de maior confiança entre

Leia mais

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA

Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Anexo às Contas Individuais da Sociedade ACCENDO, LDA Exercício de 2011 Notas às Demonstrações Financeiras 31 De Dezembro de 2011 e 2010 1. Identificação da entidade Accendo, Lda, inscrita na conservatória

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Encerramento de Contas 2011 e principais alterações do OE 2012. Seminário ACIB 23 de Abril de 2012

Encerramento de Contas 2011 e principais alterações do OE 2012. Seminário ACIB 23 de Abril de 2012 Encerramento de Contas 2011 e principais alterações do OE 2012 Seminário ACIB 23 de Abril de 2012 Pontos a abordar 1.A Prestação de contas/ Encerramento 2.Normativos contabilísticos 3.As tributações autónomas

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE 1 3 Ao nível do IRS, mantém-se a sobretaxa do IRS em 3,5%. No entanto é criado no entanto

Leia mais

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting

ÍNDICE. 1. Introdução. 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional. Guia Contabilístico e Fiscal do Renting ÍNDICE 1. Introdução 2. Principais Vantagens do Aluguer Operacional 3. Normas Contabilísticas e de Relato Financeiro 9 (NCRF 9) 4. Regime Contabilístico Locatário 5. Regime Fiscal - Locatário 6. Quadro

Leia mais

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS

O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS O E / 2008 IRC / IRS / BENEFÍCIOS FISCAIS 1 O E / 2008 IRC 2 Apresentação 1. Acolhimento de recomendações da OCDE 2. Combate à evasão fiscal 3. Aperfeiçoamentos técnico-legislativos 4. Medidas de simplificação

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais

Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Tributações autónomas, gastos e encargos não fiscais Este trabalho pode auxiliá-lo numa tarefa nem sempre clara nem sempre fácil: o apuramento das tributações autónomas. Para tal, são-lhe apresentadas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março

Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março Portaria n.º 107/2011, de 14 de Março O Decreto-Lei n.º 36-A/2011, de 9 de Março, aprovou o regime da normalização contabilística para as microentidades, tendo previsto a publicação, em portaria do membro

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014

Exame de 2.ª Chamada de Contabilidade Financeira Ano letivo 2013-2014 PARTE A (13,50v) Realize as partes A e B em folhas de teste separadas devidamente identificadas I A empresa A2, SA dedica-se à compra e venda de mobiliário, adotando o sistema de inventário periódico.

Leia mais

Scal - Mediação de Seguros, S. A.

Scal - Mediação de Seguros, S. A. Scal - Mediação de Seguros, S. A. Anexo às Demonstrações Financeiras Individuais para o exercício findo em 31 de Dezembro de 2014 1. Nota introdutória A Empresa Scal-Mediação de Seguros foi constituída

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 5 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Março, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 5 IV Jurisprudência Nacional 7 V Outras informações 8 NEWSLETTER

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL 2015

CALENDÁRIO FISCAL 2015 CALENDÁRIO FISCAL 2015 QUADRITÓPICO & BAKER TILLY Obrigações mensais Q U A D R I T Ó P I C O P u b l i c a ç õ e s e D i s t r i b u i ç ã o i n f o @ q u a d r i t o p i c o. p t B A K E R T I L L Y i

Leia mais

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO

RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO RECOMENDAÇÕES PARA O FECHO DE EXERCÍCIO Verificar passagem de ano Verificar aprovação de contas do exercício anterior Verificar apuramentos do IVA Verificar contas do balancete e fazer as devidas correcções

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO

NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO NOTAS PRÉVIAS I - DE APRESENTAÇÃO 1. O presente estudo dá continuidade ao trabalho de natureza estatística relativo às declarações do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (Declaração de Rendimentos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * Decreto-Lei n.º 219/2001, de 4 de Agosto * CAPÍTULO I Âmbito de aplicação Artigo 1.º Âmbito O presente decreto-lei estabelece o regime fiscal das operações de titularização de créditos efectuadas no âmbito

Leia mais

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA

Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA Nuno Albuquerque Regime de contabilidade de caixa em sede de IVA VERBO jurídico TAX NEWS Junho 2013 O Novo Regime de IVA de caixa O DL n.º 71/2013, de 30 de Maio, aprovou, com efeitos a partir de 1.10.13,

Leia mais

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES

AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES AS ASSOCIAÇÕES, CLUBES, COLETIVIDADES São sujeitos passivos de: - IRC; - IVA. Têm obrigações previstas no Código do IRS Têm obrigação de documentar as despesas e os pagamentos. Algumas poderão beneficiar

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC)

Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro. Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) Lei n.º 85/98 de 18 de Dezembro Estatuto Fiscal Cooperativo (EFC) A Assembleia da República decreta, nos termos dos artigos 161.º, alínea c), 166.º, n.º 3, e 112.º, n.º 5, da Constituição, para valer como

Leia mais

Noções de Contabilidade

Noções de Contabilidade Noções de Contabilidade 1 1. Noção de Contabilidade A contabilidade é uma técnica utilizada para: registar toda a actividade de uma empresa (anotação sistemática e ordenada da qualidade e quantidade de

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande

CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande CENTRO SÓCIO - CULTURAL E DESPORTIVO SANDE S. CLEMENTE Rua N. Senhora da Saúde nº 91 -S. Clemente de Sande NIPC :501971327 NISS :20007555241 NOTAS PERÍODOS 31-12-2014 31-12- ACTIVO Activo não corrente

Leia mais

Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano

Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano GRUPO DE ECONOMIA E CONTABILIDADE Curso Profissional de Técnico de Gestão Ano Lectivo 2014/2015 PLANIFICAÇÃO ANUAL Contabilidade e Fiscalidade 2º Ano Curso Profissional de Técnico de Gestão 2º TG (2014-2015)

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO hhh IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) O Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) é aplicável quer ao rendimento obtido por entidades residentes

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA)

REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) REGIME DE CONTABILIDADE DE CAIXA EM SEDE DE IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO (REGIME DE IVA DE CAIXA) APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 71/2013, DE 30 DE MAIO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - LEI N.º

Leia mais

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA

Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA Ofício-Circulado 119951, de 10/11/1998 - Direcção de Serviços do IVA IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE 30 DE OUTUBRO IVA ALTERAÇÕES INTRODUZIDAS PELO DECRETO-LEI Nº 323/98, DE

Leia mais

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente:

Contabilística: cumprimento dos requisitos de informação contabilística em todos os normativos SNC, designadamente: Parceiro Certificado DEFIR RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade. INTERPRETAÇÃO DAS CONTAS DO EXERCÍCIO DE 2011 Nota Introdutória: A prestação de contas de 2011 é elaborada de acordo com o SNC 1, não existiram alterações no capital nem perdas ou ganhos por imparidade.

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Ofertas a Clientes e/ ou Fornecedores Aspetos Fiscais

Ofertas a Clientes e/ ou Fornecedores Aspetos Fiscais www.finaccount.com Ofertas a Clientes e/ ou Fornecedores Aspetos Fiscais Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Índice 1. Em sede de IRC 3 2. Em sede de IVA 7 3. Síntese 11 2 1- Em

Leia mais

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal

VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal perspetivas newsletter NOV2014 VALOR RESIDUAL Enquadramento contabilístico e fiscal 1- O que é o valor residual de um ativo fixo tangível? Nos termos previstos na Norma Contabilística e de Relato Financeiro

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes

Taxa reduzida em serviços de reparação de velocípedes IVA Dedução em Viaturas de turismo Passa a ser possível a dedução integral do IVA em despesas relativas à aquisição, fabrico, importação, locação e transformação em viaturas ligeiras de passageiros ou

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009.

Descarregue gratuitamente actualizações online em www.portoeditora.pt/direito Fiscal Col. Legislação (06704.24). Novembro, 2009. orquê as actualizações aos livros da COLECÇÃO LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas actualizações, a ORTO

Leia mais

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015

RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 RESUMO FISCALIDADE AUTOMÓVEL 2015 1 1 ISV tabelas A, B e C Aumento de 3%. 2 2 ISV redução nos veículos importados usados A tabela D mantém-se inalterada, apesar de ter existido uma proposta de alteração

Leia mais

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias

RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias RITI - Regime do Iva nas Transações Intracomunitárias CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA ARTIGO 1º - Incidência objectiva INCIDÊNCIA - RITI Estão sujeitas a imposto sobre o valor acrescentado (IVA): a) As aquisições

Leia mais

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014

Associação Boa Hora, IPSS NIPC: 503897531 Contas 2014 Notas às Demonstrações Financeiras Individuais 31 De Dezembro de 2014 1. Identificação da Entidade ASSOCIAÇÃO BOA HORA, IPSS, é uma instituição particular de solidariedade social, com sede na Rua do Cemitério,

Leia mais

RESUMO FUNCIONALIDADES

RESUMO FUNCIONALIDADES RESUMO FUNCIONALIDADES DO Nota Introdutória Características Preços PRESTAÇÃO DE CONTAS INFORMAÇÃO FISCAL ANÁLISE FINANCEIRA AF AVAN- ÇADA Elaboração Dem. Financeiras Relatório de gestão e ata da AG Apuramento

Leia mais

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro

CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro CFI - Código Fiscal ao Investimento - DL 162/2014 de 31 Outubro Generalidades Aplicação a investimentos realizados a partir de 1 Janeiro de 2014 (excepto para efeito de apuramento dos limites máximos dos

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. 31 de Dezembro de 2014 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 31 de Dezembro de 2014 1 IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE 1.1 Designação da entidade: Mediator Sociedade Corretora de Seguros, S.A. 1.2 - Sede: Avª Fontes Pereira

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Análise Financeira 2º semestre

Análise Financeira 2º semestre ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DE VISEU DEPARTAMENTO DE GESTÃO Análise Financeira 2º semestre Caderno de exercícios CAP II Luís Fernandes Rodrigues António Manuel F Almeida CAPITULO II 2011 2012 Página

Leia mais

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte:

3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO. Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: 3 NOTAS DE ENQUADRAMENTO CONSIDERAÇÕES GERAIS Na preparação do presente código de contas teve-se em atenção o seguinte: Tomar como referência o código de contas constante do POC e proceder apenas às alterações

Leia mais

Contabilidade Financeira I

Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício Terminado o exercício contabilístico a empresa efectua diversos trabalhos ou operações de fim de exercício contabilístico. Contabilidade Financeira I Operações de Fim de Exercício

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas

Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas N.º 02 09 de Janeiro 2015 Reforma da Fiscalidade Ambiental Principais medidas No quadro de uma reforma da fiscalidade ambiental, foi publicada, em 31 de Dezembro, para vigorar já em 2015, uma lei que procede

Leia mais

IVA Na Actividade Agrícola

IVA Na Actividade Agrícola IVA Na Actividade Agrícola Maria Emília Pimenta Seminário A CONTABILIDADE E FISCALIDADE NA ACTIVIDADE AGRÍCOLA Santarém, 11 de Junho de 2013 1 Lei n.º66-b/2012, de 31 dezembro Revoga o n.º 33 do artigo

Leia mais

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante

PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014. Síntese Relevante PROPOSTA ORÇAMENTO ESTADO 2014 Síntese Relevante DIPE 16 de Outubro de 2013 0. ÍNDICE Pág. 1. Introdução 3 2. Principais medidas que afectam os setores da Restauração e Alojamento 3 3.. Imposto sobre o

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Pacote Fiscal ao Investimento 2013

Pacote Fiscal ao Investimento 2013 Pacote Fiscal ao Investimento 201 Paulo Núncio Lisboa, 2 de maio de 201 1 Principais características Supercrédito fiscal sem precedentes em Portugal Empresas que investem podem beneficiar de uma taxa geral

Leia mais

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL

INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL INSTRUMENTOS DE GESTÃO PREVISIONAL 2012 ÍNDICE 1. NOTA INTRODUTÓRIA... 3 2. PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS 2012-2014... 6 3. PLANO DE GESTÃO PREVISIONAL 2012... 7 3.1. PLANO DE TESOURARIA... 8 3.2.

Leia mais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais

RENDIMENTOS DA CATEGORIA B REGIME SIMPLIFICADO / ACTO ISOLADO. Regime Simplificado de Tributação. Profissionais, Comerciais e Industriais MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2008 3 A MINISTÉRIO DAS FINANÇAS DIRECÇÃO-GERAL DOS IMPOSTOS DECLARAÇÃO DE RENDIMENTOS - IRS IDENTIFICAÇÃO DO(S) SUJEITO(S) PASSIVO(S) Sujeito passivo A NIF 06 Sujeito

Leia mais

Impostos & Contribuições

Impostos & Contribuições Impostos & Contribuições Principais alterações que resultam da aprovação do Orçamento de Estado para 2014: 1. IRS (Imposto sobre Rendimento das Pessoas Singulares) 1.1 Seguros de saúde ou de doença Caso

Leia mais

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento

CFEI. Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento A Lei n.º 49/2013, de 16 de julho, criou um incentivo fiscal ao investimento designado por CFEI Crédito Fiscal Extraordinário ao Investimento. O presente

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2010 1 Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2011 2 Revisores e Auditores 9 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL OUTUBRO DE 2010 Ministério das Finanças e da Administração

Leia mais

Projecto Cidadania - 3º Barómetro

Projecto Cidadania - 3º Barómetro Projecto Cidadania - 3º Barómetro 1. A carga fiscal em 2012 será maior do que em 2011: Sim Não Average Para as famílias? 106 (98.1%) 2 (1.9%) 1.02 108 100.0% Para as empresas? 75 (70.8%) 31 (29.2%) 1.29

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO CONTAS POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS

2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO CONTAS POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS 2011 ASPECTOS PARTICULARES ENCERRAMENTO DE CONTAS CRUZ MARTINS & PEGA MAGRO (SROC) SUMÁRIO POLITICAS CONTABILISTICAS, ALTERAÇÕES NAS ESTIMATIVAS CONTABILISTICAS E ERROS ACTIVOS FIXOS TANGÍVEIS (CIRCULAR

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS

INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS INSTITUTO SUPERIOR DE ECONOMIA E GESTÃO LICENCIATURA EM GESTÃO LICENCIATURA EM MAEG LICENCIATURA EM FINANÇAS CONTABILIDADE GERAL I III - CADERNO DE EXERCÍCIOS Terceiros e Antecipações Exercício 17 A empresa

Leia mais

Ao longo do nosso percurso

Ao longo do nosso percurso A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA P o r E l s a M a r v a n e j o d a C o s t a A isenção prevista no art. 53.º do Código do IVA possui algumas características que, muitas vezes, não são

Leia mais

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo

www.pwc.com/pt empresarial Jorge Figueiredo www.pwc.com/pt Fiscalidade pessoal e empresarial Jorge Figueiredo 18 de Fevereiro de 2011 Agenda 1. IRS 1.1 Alterações das taxas 1.2 Outros rendimentos 1.3 Dedução específica Categoria A 1.4 Reporte de

Leia mais

apresentam Sistema Tributário Espanhol

apresentam Sistema Tributário Espanhol apresentam Sistema Tributário Espanhol Tipos de Impostos TIPOS DE IMPOSTOS IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO IMPUESTO SOBRE SOCIEDADES (equivalente ao IRC) IMPUESTO SOBRE LA RENTA DE LAS PERSONAS FÍSICAS (equivalente

Leia mais

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional

Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Secção II 1* Fundos e sociedades de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Artigo 102.º Objecto É aprovado o regime especial aplicável aos fundos de investimento imobiliário para arrendamento

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO.

OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. OS BENEFÍCIOS DO RENTING NAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO. ÍNDICE INTRODUÇÃO OS BENEFÍCIOS DO RENTING VANTAGENS FISCAIS O RENTING REDUZ CUSTOS PERMITE MANTER A LIQUIDEZ E AS LINHAS DE CRÉDITO INTACTAS FINANCIAMENTO

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 6546-(314) Diário da República, 1.ª série N.º 252 31 de dezembro de 2014 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 82-C/2014 de 31 de dezembro Altera o Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas,

Leia mais

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento

LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI. de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM SHANGAI Portugal como plataforma de investimento LISBOA PORTO FUNCHAL SÃO PAULO LUANDA MAPUTO PRAIA MACAU DILI SÃO TOMÉ PEQUIM

Leia mais

Lembramos que continua a ser obrigatória a emissão de conta de honorários nos termos do artº 5.º do Regulamento dos Laudos de Honorários.

Lembramos que continua a ser obrigatória a emissão de conta de honorários nos termos do artº 5.º do Regulamento dos Laudos de Honorários. ALTERAÇÕES FISCAIS 2013 NOVAS REGRAS DE FATURAÇÃO DO IVA Tal como anunciado, no dia 01 de Janeiro entraram em vigor as novas regras de faturação criadas pelo Decreto Lei n.º 197/2012, de 24 de Agosto.

Leia mais

INFORMAÇÃO FISCAL. O Anexo A da IES. Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal

INFORMAÇÃO FISCAL. O Anexo A da IES. Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal INFORMAÇÃO FISCAL O Anexo A da IES Algumas notas sobre a informação de natureza fiscal O Anexo A da IES contém, fundamentalmente, informação de natureza contabilística mas também alguns quadros com conteúdos

Leia mais