SISTEMAS E SENSORES I

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMAS E SENSORES I"

Transcrição

1 SISTEMAS E SENSORES I Sistema Sensor em Sensoriamento Remoto: equipamento capaz de transformar energia eletromagnética em sinal. 1. Tipos de sensores, quanto à fonte de energia: ATIVOS: - produzem sua própria radiação. Ex.: radar PASSIVOS: - detectam a energia solar refletida ou energia emitida pelos alvos da superfície terrestre. Ex: sistemas fotográficos

2 SISTEMAS E SENSORES II 2. Tipos de sensores, quanto ao tipo de transformação sofrida pela radiação detectada a) Sensores não imageadores: não fornecem imagem da superfície observada (Radiômetro de banda e Espectrorradiômetro). Radiômetro de banda : fornece informação sobre a resposta do alvo em largas faixas do espectro eletromagnético. Espectrorradiômetros : operam em faixas espectrais estreitas. Mede a resposta do alvo de maneira aproximadamente contínua ao longo do espectro b) Sensores imageadores: fornecem uma imagem da superfície observada. Ex: sistemas fotográficos

3 SISTEMAS E SENSORES III 3. Tipos de sensores, quanto ao processo de formação da imagem a) Sistemas de quadro: adquirem a imagem de toda a cena ao mesmo tempo. b) Sistemas de varredura: a imagem é adquirida pela aquisição seqüencial dos elementos do terreno ou pixels

4 RESOLUÇÃO DE IMAGENS ESPACIAL: menor separação espacial entre os objetos. ESPECTRAL: número de bandas de sensores e largura das faixas espectrais de cada banda. RADIOELÉTRICA: número de níveis de cinza usados pelo sensor. TEMPORAL: intervalo de tempo entre duas passagens sucessivas do satélite. Ex.: TM-Landsat 5 Resolução espacial = 30m Resolução espectral = 7 bandas Resolução radiométrica = 256 níveis de cinza Resolução temporal = 16 dias

5 CAMPO DE VISADA INSTANTÂNEA IFOV (Instantaneous Field Of View): Taxa de amostragem que define a resolução do sistema sensor. Este campo é definido pelas características geométricas do sensor. FOV (Field Of View): campo de visada da imagem como um todo. É função da altura de imageamento. FOV EXEMPLOS: MSS: IFOV = 80m TM: IFOV = 30m IFOV

6 TAMANHO DO PIXEL EM IMAGENS

7 SATÉLITE SISTEMA DE AQUISIÇÃO DE IMAGENS COMANDOS DE RASTREAMENTO DADOS RBV / MSS (LANDSAT 1, 2, 3) MSS / TM (LANDSAT 4, 5, 7) AÇÃO DE RASTREAMENTO, RECEPÇÃO E GRAVAÇÃO DE DADOS DA SÉRIE LANDSAT DADOS DO SISTEMA DE COLETA DE DADOS DADOS DE RASTREAMENTO, TELEMETRIA DE CONTROLE, DADOS DE VÍDEO FITAS DE ALTA DENSIDADE (MDDT) ENVIADAS POR VIA AÉREA ESTAÇÃO DE PROCESSAMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE DADOS LANDSAT PROCESSAMENTO ELETRÔNICO PROCESSAMENTO FOTOGÁFICO ARQUIVO DE DISTRIBUIÇÃO CUIABÁ CACHOEIRA PAULISTA

8 ÓRBITAS DOS SATÉLITES objetivo da missão capacidade do sensor órbitas geosíncronas/ geoestacionárias Satélites de comunicação e meteorológicos observação constante da mesma porção da Terra taxa angular que coincide com a rotação da Terra variação completa do ângulo e intensidade solar

9 ÓRBITAS SINCRONIZADAS COM O SOL Satélites de observação da Terra relação angular constante com a direção dos feixes solares diferentes latitude/estações do ano => diferente ângulo solar mesma latitude, hora solar constante => mesma iluminação

10 SISTEMA LANDSAT: CARACTERÍSTICAS GERAIS I LANDSAT (Land Satellite) O programa Landsat, com a assinatura da NASA, é um dos mais antigos que ainda se encontra em atividade e desenvolvimento. O primeiro satélite foi lançado em 23 de julho 1972, com o nome de Earth Resources Technology Satellite -ERTS-1 depois renomeado para LANDSAT e o mais recente, Landsat 7, em 5 de Abril de A informação produzida têm tido muitas aplicações, destacando-se: Agricultura, geologia, floresta, planeamento regional, educação e segurança nacional.

11

12 SISTEMA LANDSAT: CARACTERÍSTICAS GERAIS II LANDSAT 1, 2 e 3 - Sistema multispectral (Multispectral System Scanner - MSS) Altitude : 920 km Horário de passagem pelo equador: 9:15 Duração do ciclo de cobertura: 18 dias Cena: 185km x 185km Número de tons de cinza (Digital Numbers-DN)=256 (2 8 ) BANDAS (Landsat 1 e 2) µm a 0.6 µm µm a 0.7 µm µm a 0.8 µm µm a 1.1 µm No Landsat 3 foi adicionada a banda ,4 a12,6 µm Resolução espacial: Landsat 1 e 2 (79m) e Landsat3 (40m) Cada cena possui pixels

13 SÉRIE LANDSAT LANDSAT -1, , RBV & MSS sensor, 18dias/900 km LANDSAT -2, , RBV & MSS sensor, 18dias/900 km LANDSAT -3, , RBV & MSS sensor, 18dias/900 km LANDSAT -4, , MSS & TM sensor, 16dias/705 km LANDSAT -5, , MSS & TM sensor, 16dias/705 km LANDSAT -6, falhou depois de descolar LANDSAT -7, , ETM sensor, 16dias/705 km

14 SISTEMA LANDSAT: PRIMEIRAS IMAGENS Primeiras imagens multi-espectrais adquiridas do espaço aconteceu em 1968 na missão Apollo 9 Banda 4 Banda 5 Banda 7 Composição colorida banda 4 (red), banda 5 (green) e banda 7 (blue). Sul da Califórnoa, USA

15 SISTEMA LANDSAT (TM-5) Altitude : 705 km Horário de passagem pelo equador: 9:45 Duração do ciclo de cobertura: 16 dias Cena: 185km x 185km BANDAS µm a 0.52 µm µm a 0.60 µm µm a 0.69 µm µm a 0.90 µm µm a 1.75 µm µm a 12.5 µm µm a 2.35 µm Número de tons de cinza (Digital Numbers-DN)=256 (2 8 ) Resolução espacial: bandas 1, 2, 3, 4, 5 e 7 (30m) banda 6 (120m)

16 SISTEMA LANDSAT (TM-7) Altitude : 705 km Horário de passagem pelo equador: 9:45 Duração do ciclo de cobertura: 16 dias Cena: 185km x 185km BANDAS µm a µm (azul-verde) µm a µm (verde) µm a µm (vermelho) µm a µm (IR próximo) µm a µm (IR médio) µm a µm (Termal) µm a µm (IR médio) PANCROMÁTICA µm a µm Número de tons de cinza (Digital Numbers-DN)=256 (2 8 ) Resolução espacial: bandas 1, 2, 3, 4, 5 e 7 (30m) banda 6 (60m) e pancromática (15m)

17 SISTEMA LANDSAT PRINCIPAIS APLICAÇÕES DAS BANDAS DO TM-5 Banda 1: Banda 2: Banda 3: Banda 4: Banda 5: Banda 6: Banda 7: Mapeamento de águas costeiras; Diferenciação entre solo e vegetação; Diferenciação entre vegetação coníferas e decídua. Reflectância de vegetação verde sadia; Absorção da clorofila; Diferenciação de espécies vegetais Levantamento de biomassa; Delineamento de corpos d água Medida de umidade da vegetação; Diferenciação entre nuvens e neve Mapeamento de estresse térmico em plantas outros mapeamento térmicos Mapeamento hidrotermal

18 SATÉLITES DE OBSERVAÇÃO MARINHA Os oceanos desempenham um papel importante na regulação climática, cobrindo cerca de dois terços da superfície terrestre. Nimbus-7 Com um período operacional entre 1978 e 1986, o Nimbus-7 tinha a bordo o primeiro sensor desenvolvido especialmente para observação dos oceanos (CZCS- Coastal Zone Colour Scanner). Banda Comprimento de onda (mm) Parâmetro da medida primária Absorção da clorofila Absorção da clorofila Gelbstoffe (substância amarela) Concentração da clorofila Vegetação Temp. da superficie Um dos objetivos principais deste sensor era monitorar a cor e temperatura oceânica, particularmente de zonas costeiras. Desta forma seria possível detectar manchas de poluição e partículas em suspensão. Com seis bandas espectrais este sensor tem a capacidade de diferenciar diferentes concentrações de fitoplâncton.

19 SPOT (Satellite Probatoire d Observation de la Terre) Desde o lançamento do primeiro satélite em 1986 pela Agencia Espacial Francesa que o programa SPOT pretende dar resposta ao mundo dos Sistemas de Informação Geográfica e Sensoriamento Remoto. Com o último satélite lançado em 1998, as principais aplicações são: Agricultura, cartografia, proteção do ambiente, planejamento urbano, telecomunicações, catástrofes naturais e planejamento dos recursos renováveis.

20

21 ERS (European Remote Sensing Satellite) Desenvolvido pela Agencia Espacial Européia (ESA) o programa ERS tem como missão: Melhorar a compreensão das interações entre os oceanos e atmosfera; Estudar a circulação oceânica e os mecanismos de transferência de energia; Calcular balanços de massa do gelo Antártico e Ártico; Monitorização da dinâmica dos processos costeiros; Monitorização da poluição atmosférica e oceânica; Gestão do uso do solo.

22 TRMM (Tropical Rain Measuring Mission) TRRM é um projeto de colaboração entre o Japão e os Estados Unidos que começou em O objetivo é estudar as interações entre os oceanos e atmosfera bem como as suas conseqüências no clima. A informação processada contribui para modelar chuvas tropicais e a sua influencia na circulação global, melhorando as previsões. O sensor de radar instalado a bordo dos satélites MOS-1 e JERS-1, permitem medir a distribuição vertical da precipitação ao longo dos trópicos.

23 EOS (Earth Observing System) Em 1991, a NASA começou um programa de estudo da Terra como um sistema ambiental integrado, criando a Earth Science Enterprise. Os primeiros satélites EOS, com o nome de Terra (AM-1) e Landsat 7, foram lançados em O objetivo geral é compreender como se integram os diversos processos naturais, avaliando como é que o ambiente nos afeta e como podemos afetar o ambiente. Assim, são alvo de estudo as nuvens, balanços energéticos da água, superfície terrestre, processos dos ecossistemas aquáticos, calotas polares e uso do solo.

24 IRS: A série de satélites IRS (Indian Remote Sensing) combina as características do Landsat MSS/TM e do sensor HRV do SPOT. A terceira geração desta série de satélites, IRS-1C, foi lançada em 1995 com três sensores: Pancromático de alta resolução (PAN); Multiespectral de quatro canais de resolução média (LISS-III); Multiespectralde dois canais de baixa resolução (WIFS- Wide Field Sensor). A informação de alta resolução (PAN) é normalmente usada em planejamento urbano. Os resultados do sensor LISS-III são óptimos para classificação da vegetação e dos recursos naturais. O sensor WIFS para a monitorização regional da vegetação.

25 IKONOS Lançado em Setembro de 1999 o satélite IKONOS-2 foi o primeiro satélite de alta resolução a competir com ortofotomapas. As imagens IKONOS são utilizadas em: Planejamento agrícola; Planejamento urbano; Programas de Floresta; Caracterização de linhas de água, etc

26

27 QuickBird Lançado em Outubro de 2001 o QuickBird destaca-se por ser o satélite de maior resolução disponível no mercado. Tem como objetivo competir com a fotografia aérea tendo as seguintes áreas de aplicação: Mapeamento; Classificação do uso do solo; Planejamento urbano e florestal, etc...

28

29 SATÉLITES DE OBSERVAÇÃO MARINHA MOS Lançado pelo Japão em 1987 o MOS-1 (Marine Observation Satellite) Contém três sensores diferentes: Multiespectral de quatro canais (Multispectral Electronic Self-Scanning Radiometer -MESSR); Sensor Comprimento de onda (mm) Resolução espacial MESSR m m m m VTIR m m m m Multiespectral cobrindo o espectro do visível (Thermal Infrared Radiometer - VTIR) e infravermelho térmico; Dois canais de micro-ondas (Microwave Scanning Radiometer - MSR)

30 SeaWiFS O SeaWiFS (Sea-viewing Wide-Field-of View Sensor) a bordo do satélite SeaStar, é um sensor que cobre o espectro desde os até mm. Banda Comprimento de onda (mm) As suas principais funções são a monitorização da produtividade primária e atividade fitoplanctónica, a influencia dos oceanos nos processos climáticos, e a monitorização do ciclo do carbono, enxofre e nitrogênio.

31 SISTEMA DE MICRO-ONDAS - RADARES I Radar = Radio Detectivy and Ranging (detectar e medir através de ondas de rádio) O radar emite sua própria fonte de energia, na faixa de micro-ondas e independe da luz solar. O radar fornece informações sobre a superfície, referentes à: rugosidade da superfície topografia condições de umidade vegetação

32 RADAR sistema de detecção remota activo (Fornece a sua própria fonte de energia) Ilumina o terreno com energia eletromagnética Detecta a energia de retorno do terreno Registra a energia de retorno como uma imagem

33 Espectro eletromagnético Espectro eletromagnético (µm) comprimento de onda (µm) Ultravioleta visível Infra-vermelho próximo (1 mm) (1 m) Ondas TV e rádio micro-ondas IV-térmico IV-médio IV-próximo visivel raios X raios γ ultravioleta-uv raios cósmicos

34 SISTEMA DE MICRO-ONDAS - RADARES II A natureza dos fenômenos registrados pelo imageamento por sistemas SAR (Synthetic Aperture Radar) é, fundamentalmente, diferente daquela do VISÍVEL(VIS) e INFRAVERMELHO (IR). Enquanto o Sensoriamento Remoto no VIS e IR mede propriedades químicas dos materiais superficiais, na região das microondas as propriedades de interesse são as físicas (rugosidade e geometria das superfícies) e as elétricas (condutividade, que por sua vez dependa da porosidade e do conteúdo em água). Imagens no VIS/IR e SAR são complementares em termos do tipo de informação que fornecem e, sempre que possível, devem ser utilizadas em conjunto.

35 SISTEMA DE MICRO-ONDAS - RADARES III Algumas das técnicas utilizadas para o processamento de imagens SAR são as mesmas das utilizadas para imagens do espectro óptico; outras foram especificamente desenvolvidas e levam em conta as características próprias das imagens SAR. Imagens SAR são predominantemente monoespectrais, pois são geralmente adquiridas em uma única freqüência; existem porém sistemas SAR experimentais que geram imagens em múltiplas freqüências ou bandas (por ex., o SIR-C/X-SAR).

36 SISTEMA DE MICRO-ONDAS - RADARES IV Programas de sistemas RADAR RADAMBRASIL: 1971 a 1986 SEASAR (EUA) banda L (15cm a 30cm) SIR-A (Shuttle Imaging Radar - EUA) - banda L SIR-B (EUA) banda L SIR-C (EUA) bandas C e L (C = 3.8cm a 7.5cm) ERS-1 e ERS-2 (Europa) banda L JERS-1 e JERS-2 (Japão) (JERS 1) - banda L ALMAZ (Rússia) - banda S (7.5cm a 15cm) RADARSAT (Canadá) banda L

37 Fonte externa de iluminação Capta a radiância emitida Emite e recebe pulso Sensor Ativo

38

39 CAPACIDADE PARA REFLETIR A SUPERFÍCIE DO TERRENO O deserto da América do Sul- Bolivia. O Altiplano é um deserto de montanha (claro) Brilho: VEGETAÇÃO Bacia Amazonica: A bacia são pradarias planas (escuro) Para a L Band (λ=23.5 cm), a superfície desértica é um bom refletor, enquanto os vales baixos respondem diferentemente como uma superfície alisada.

40 SATÉLITES DE OBSERVAÇÃO DA TERRA ENERGIA SOLAR: Fonte contínua; sinais paralelos sobre a superfície RADAR: ENERGIA MICROONDAS Fonte descontínua (intermitente); sinais gerados a partir de um ponto que se espalha num feixe angular sobre a superfície

41 COMPONENTES DE UM SISTEMA DE RADAR Pulse generating device: gera o sinal de microondas a intervalos de tempo síncronos. O pulsar temporizado tem 2 objetivos: controlar a saída de energia do transmissor sincronizar o registro do retorno sucessivo do sinal à antena Energia eletromagnética do transmissor: comprimento de onda e duração específica (pulse length) Tipicamente: 1,500 pulses per second.

42 Duplexer: previne interferências entre o sinal transmitido e recebido. Bloqueia o circuito de recepção durante a transmissão Bloqueia o circuito de transmissão durante a recepção Antena: é um refletor que transmite o sinal microonda e recebe a energia de retorno do terreno. Receiver: amplifica o sinal eletromagnético captado pela antena, preservando as suas variações de intensidade. Registra o tempo de retorno do sinal, que determina a posição dos elementos no terreno. O sinal de retorno é registrado, em meio digital: imagens

43 TECNOLOGIA SLAR Side Looking Airborne Radar As antenas do radar no avião estão colocadas na parte de baixo da plataforma => o feixe é orientado numa direção oblíqua à direção do vôo. Sistema SLAR produz faixas contínuas de imagens Foi desenvolvido nos anos 50 para reconhecimento de alvos militares. Desde finais de 60s é usado para fins civis primeiro reconhecimento da província Darean, Panamá, km 2 (cobertura contínua de nuvens)

44 IMAGEM Retorno da árvore Comprimento do sinal Retorno da casa

45 Distância entre o sinal transmitido e o recebido pela reflectância dos objetos faixa de visão (slant range) SR = ct 2 topografia SR Faixa de visão C velocidade da luz (3*10 8 m/sec) T tempo entre a transmissão do sinal e a recepção do eco

46 Resolução espacial dos sistemas SLAR: resolução num ponto do terreno θ d cτ R r = 2 cos θ d τ - duração do sinal R r Resolução no terreno Resolução da faixa de visão θ d Escala é determinada pela velocidade do sinal

47 Resolução espacial dos sistemas SLAR: resolução azimutal Escala é determinada pela velocidade do avião R a = GR * β R a6km = 10.8 m R a12km = 21.6 m GR1 β GR2

48 CARACTERÍSTICAS GEOMÉTRICAS DAS IMAGENS RADAR Distorção da escala Equalizar e manter as escalas independentes (slant e azimutal) => controle rigoroso dos parâmetros de vôo Deslocação do declive Pontos mais elevados chegam ao radar mais cedo que pontos na base e são registados na imagem mais cedo => efeito layover Valor acrescentado para o registro de topografia Paralaxe Imagens estéreo obtidas na mesma direção mas a diferentes altitudes inforgrametria

49 CARACTERÍSTICAS ESPECTRAIS DAS IMAGENS RADAR Rugosidade da superfície Relevo topográfico Indica a intensidade de retorno do sinal (reflectância) Superfície alisada: reflete toda a energia radar incidente c/ ângulo de reflexão igual ao de incidência Superfície rugosa: espalha a energia incidente em todas as direções Superfície intermediaria: reflete uma parte e difunde outra parte.

50 OBJETIVO DO PROCESSAMENTO DIGITAL DAS IMAGENS RADAR: Correlacionar assinaturas de radar (medido como backscatter coefficient) com materiais de diferentes graus de superfície de rugosidade

51 EXEMPLO DE IMAGENS DO RADARSAT - 26m (15/02/1996) Mancha de óleo produzida pelo navio-tanque "Sea Express", após um encalhe sofrido ao sul do País de Gales. Sete dias após o acidente, a imagem mostra a mancha de óleo remanescente. No acidente, entre e ton de óleo foram despejados. A mancha aparece em tom escuro em A. A foz do rio Tywi pode ser vista em B e a Baía de Carmarthen em C. Uma região com menos concentração de óleo é vista em D.

52 CRATERA DE IMPACTO AOROUNGA DESERTO DO SAARA, CHAD 17 km

53 Região Amazonica

54 EXEMPLO DE IMAGENS DO RADARSAT - 27m (25/03/1996) A cheia do Red River,, em Manitoba,, Canadá. A mancha escura apresentada em A evidencia a região alagada, que contrasta com as áreas secas ao redor, vistas em tons mais claros em C. Quando a água encontra-se sob as árvores ou arbustos, cria-se uma situação onde o feixe radar é fortemente refletido, como visto em B e D. A cidade de Morris é identificada como um retângulo claro em E.

55 EXEMPLO DE IMAGENS DO RADARSAT - 27m (25/03/1996) As núvens não impedem a coleta de dados. Percebem-se diversos tipos de culturas agrícolas.

56 SENSOR ÓPTICO X RADAR Operação diurna Dependência das condições climáticas Ruído Aditivo Operação diurna ou noturna Independência das condições climáticas Ruído Multiplicativo

57 O CONCEITO DO AVIRIS

58 Early Bird Pan - 3 meter Early Bird XS - 15 meter Quick Bird Pan meter Quick Bird XS meter Early Bird

59

60 Denver, Colorado CARTERRA High-Resolution IKONOS -1 ( 1 & 4 meters ) Rochester, New York San Francisco, California

61 PANCROMÁTICA MULTIESPECTRAL HIPERESPECTRAL ULTRAESPECTRAL UMA BANDAS DEZENAS CENTENAS PANCROMÁTICA MULTIESPECTRAL HIPERESPECTRAL 0.4µm 0.4µm 400nm MILHARES µm 2.5µm 2500nm ULTRAESPECTRAL 400nm nm Comparação de Tecnologias Espectrais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica

Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Introdução aos Sistemas de Informação Geográfica Mestrado Profissionalizante 2015 Karla Donato Fook karladf@ifma.edu.br IFMA / DAI Motivação Alguns princípios físicos dão suporte ao Sensoriamento Remoto...

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL NOÇÕES BÁSICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber

SENSORIAMENTO REMOTO. Revisão de conteúdo. Prof. Marckleuber SENSORIAMENTO REMOTO Revisão de conteúdo Prof. Marckleuber Engenharia de Agrimensura - 2013 SENSORIAMENTO REMOTO - Conceitos De um modo geral, o Sensoriamento Remoto pode ser definido como: O conjunto

Leia mais

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio

PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO. Peterson Ricardo Fiorio PRINCÍPIOS FÍSICOS DO SENSORIAMENTO REMOTO Peterson Ricardo Fiorio Definição: Sensoriamento Remoto É a ciência ou a arte de se obterem informações sobre um objeto, área ou fenômeno, através de dados coletados

Leia mais

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma

Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma Sensores e Satélites Para que um sensor possa coletar e registrar a energia refletida ou emitida por um objeto ou superfície, ele tem que estar instalado em uma plataforma estável à distância do objeto

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 1 2 PROCESSAMENTO DE IMAGENS espectro visível

Leia mais

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I

USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I USOS E Aplicações DE SENSORIAMENTO REMOTO I AGRICULTURA, E RECURSOS FLORESTAIS DISCRIMINAÇÃO DE TIPOS DE VEGETAÇÃO Tipos de colheita Tipos de madeiras DETERMINAÇÃO DA VARIAÇÃO DE APTIDÃO E BIOMASSA DETERMINAÇÃO

Leia mais

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO

Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano. Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Livro: Imagens de Satélite para Estudos Ambientais Autor: Teresa Gallotti Florenzano Capítulo 1: IMAGENS OBTIDAS POR SENSORIAMENTO REMOTO Os sensores instalados em satélites artificiais são o resultado

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto. Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto Definição; Breve Histórico; Princípios do SR; Espectro Eletromagnético; Interação Energia com a Terra; Sensores & Satélites; O que é Sensoriamento

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR

Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Introdução ao Sensoriamento Remoto por RADAR -Sinopse do curso- Por que usar RADAR em Sensoriamento Remoto?

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente. Afinal de contas, como tudo isso começou?. Conceitos básicos. Principais sensores orbitais. Cartografia para Florestas

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Fundo para o Meio Ambiente Mundial

Fundo para o Meio Ambiente Mundial Organização do Tratado de Co Amazônica Fundo para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Universidade Federal do Pará Grupo de Estudos Marinhos e Costeiros PROJETO GESTÃO

Leia mais

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O

C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S S E N S O R I A M E N T O C A P Í T U L O 1 F U N D A M E N T O S D E S E N S O R I A M E N T O R E M O T O E l i s a b e t e C a r i a d e M o r a e s 1 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS-INPE 1 e.mail : bete@ltid.inpe.br

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm.

O olho humano permite, com o ar limpo, perceber uma chama de vela em até 15 km e um objeto linear no mapa com dimensão de 0,2mm. A Visão é o sentido predileto do ser humano. É tão natural que não percebemos a sua complexidade. Os olhos transmitem imagens deformadas e incompletas do mundo exterior que o córtex filtra e o cérebro

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO

SENSORIAMENTO REMOTO SENSORIAMENTO REMOTO O Sensoriamento Remoto pode ser entendido como um conjunto de atividades que permite a obtenção de informações dos objetos que compõem a superfície terrestre sem a necessidade de contato

Leia mais

FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO

FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO Atualização do Livro FUNDAMENTOS DO SENSORIAMENTO REMOTO E METODOLOGIAS DE APLICAÇÃO O assunto contido nesta revisão tem como objetivo complementar e/ou esclarecer melhor, alguns tópicos sobre sistemas

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO

SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO SENSORIAMENTO REMOTO APLICADO AO CADASTRO URBANO 04/04/2013 Leonardo Scharth Loureiro Silva Sumário 1 Fundamentos básicos de Sensoriamento Remoto 2 Levantamento aerofotogramétrico para fins de cadastro

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS. Daniel C. Zanotta PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS (SERP11) OPERAÇÕES ARITMÉTICAS Daniel C. Zanotta RAZÃO DE BANDAS Dividir uma banda por outra (pixel a pixel) pode trazer diversas informações a respeitos dos alvos contidos

Leia mais

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM)

Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) Tropical Rainfall Measuring Mission (TRMM) ( Missão para medição de chuva tropical ) Prof. Dr. Carlos Augusto Morales (DCA/IAG/USP) morales@model.iag.usp.br Dra. Rachel Ifanger Albrecht (DSA/CPTEC/INPE)

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Características das Imagens de SAR

Características das Imagens de SAR Características das Imagens de SAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Características das Imagens de SAR - Tópicos - Elementos de interpretação Tonalidade Textura Artefatos em imagens

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas

Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE-13139-PRE/8398 SENSORIAMENTO REMOTO Tania Sausen Tópicos em Meio Ambiente e Ciências Atmosféricas INPE São José dos Campos 2005 MEIO AMBIENTE E CIÊNCIAS ATMOSFÉRICAS 8 Sensoriamento Remoto Tania Sauzen

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO-UFES / DEPT. DE ENGENHARIA RURAL / SENSORIAMENTO REMOTO CAPÍTULO 2 AS INTERAÇÕES ENTRE A ENERGIA E A MATÉRIA 1.0. Introdução No Capítulo 1 vimos que o sensoriamento remoto é o ramo da ciência que retrata a obtenção e análise de informações sobre materiais (naturais

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL

REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DIGITAL Representação da imagem Uma imagem é uma função de intensidade luminosa bidimensional f(x,y) que combina uma fonte de iluminação e a reflexão ou absorção de energia a partir

Leia mais

Ikonos QuickBird ASTER SRTM. Instituto de Geociências - UNICAMP

Ikonos QuickBird ASTER SRTM. Instituto de Geociências - UNICAMP Ikonos QuickBird ASTER SRTM Instituto de Geociências - UNICAMP Avanços Tecnológicos em Cartografia 1-Aumento da Resolução Espacial do S.R. Orbital 1972: LANDSAT MSS- 80 m 1983: LANDSAT TM - 30 m (atualmente

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

METEOSAT MSG (Meteosat Second Generation)

METEOSAT MSG (Meteosat Second Generation) METEOSAT MSG (Meteosat Second Generation) (*) METEOSAT 1: 23-11-77 MSG-1: 28-08-02 Órbita: Geoestacionária 36.000km Resolução Temporal: 0,5h Resolução Espacial: 2,5-5km http://www.eumetsat.de/en/index.html

Leia mais

SUMÁRIO. FUNDAMENTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO EM AMBIENTE DE GEOPROCESSAMENTO Prof. Alzir Felippe Buffara Antunes

SUMÁRIO. FUNDAMENTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO EM AMBIENTE DE GEOPROCESSAMENTO Prof. Alzir Felippe Buffara Antunes SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO... 16 1.1- Sensoriamento Remoto... 16 1.2-... Fotogrametria... 17 2- PRINCÍPIOS... 19 2.1- Espectro Eletromagnético... 19 2.3- Comportamento Espectral... 22 3- SENSORES... 24 3.1-

Leia mais

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365

Humidade no solo. Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III. Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Humidade no solo Departamento de Física 2011 Detecção Remota Pratica III Joao Gonçalo Ricardo Rodrigues - 45365 Índice Introdução Da observação aos produtos Conclusões Complicações na obtenção de dados

Leia mais

Sensoriamento Remoto e PDI

Sensoriamento Remoto e PDI Sensoriamento Remoto e PDI Introdução REM e Comportamento Espectral Sistemas Sensores Imagens de Sensoriamento Remoto Aplicações Processamento Digital de Imagens - PDI Imagem de satélite mostrando o furacão

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO DEFINIÇÃO. Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele.

SENSORIAMENTO REMOTO DEFINIÇÃO. Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele. DEFINIÇÃO Remote Sensing Télédétection Percepção Remota Observação a Distancia Técnica que permite a obtenção de informação sobre um objeto, sem estabelecer contacto físico com ele. Photogrammetry and

Leia mais

Sistemas sensores remotos: Características e aplicações.

Sistemas sensores remotos: Características e aplicações. Sistemas sensores remotos: Características e aplicações. Fabrício Dias Gonçalves fdias@ufpa.br Landsat; Ikonos; QuickBird; JERS-1; ALOS; RADARSAT-1; RADARSAT-2 Sensores Remotos Ativo Ativo e Passivo Passivo

Leia mais

TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS.

TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS. TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DE ÁREAS FLORESTADAS. CARLOS A. VETTORAZZI Departamento de Engenharia Rural da ESALQ/USP INTRODUÇÃO O enfoque principal deste trabalho é a discussão da possibilidade

Leia mais

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO

USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR COMPONENTE PRINCIPAL NA DETECÇÃO DE MUDANÇAS NA COBERTURA DO SOLO Samuel da Silva Farias, Graduando do curso de geografia da UFPE samuel.farias763@gmail.com Rafhael Fhelipe de Lima Farias, Mestrando do PPGEO/UFPE, rafhaelfarias@hotmail.com USO DA TÉCNICA DE ANALISE POR

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Autor: CARLOS ALBERTO STEFFEN Instituto Nacional de pesquisas Espaciais Divisão de Sensoriamento Remoto steffen@ltid.inpe.br RADIAÇÃO SOLAR O Sol é a principal

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta

COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE. Prof. MSc. Sandro M Malta COMUNICAÇÕES VIA SATÉLITE Prof. MSc. Sandro M Malta Satélite Definição É chamado de satélite todo objeto que gira em torno de outro objeto. Ele é classificado em dois tipos: satélite natural satélite artificial.

Leia mais

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá

Sistemas de RADAR. Natural Resources Ressources naturelles Centro Canadiense de Sensoriamento Remoto, Ministerio de Recursos Naturales de Canadá Sistemas de RADAR Natural Resources Ressources naturelles Canada Canada Aplicações de SAR Medição de movimentos da superfície terrestre, visando uma melhor compreensão de terremotos e vulcões e o apoio

Leia mais

Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas

Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas Sensoriamento Remoto: conceitos fundamentais e plataformas Dr. Ronald Buss de Souza Centro Regional Sul de Pesquisas Espaciais - CRS Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais INPE ronald@dsr.inpe.br O

Leia mais

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Sistemas Wireless: Comunicação via satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Sistemas Wireless: satélite. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Satélite Aspectos Gerais Os satélites de comunicação: Surgiram na década de 60. Contendo características

Leia mais

Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva

Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva Escola de Administração Fazendária Concurso Público 2009 Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva Especialista em Geoprocessamento Nome: N. de Inscrição Instruções 1. Escreva seu nome e número de inscrição,

Leia mais

Fotografia aérea e foto-interpretação

Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografia aérea e foto-interpretação Fotografias aéreas e foto-interpretação são elementos e técnicas de trabalho fundamentais para um conhecimento aprofundado do território e para a elaboração ou actualização

Leia mais

Introdução ao Processamento de Imagens

Introdução ao Processamento de Imagens Introdução ao PID Processamento de Imagens Digitais Introdução ao Processamento de Imagens Glaucius Décio Duarte Instituto Federal Sul-rio-grandense Engenharia Elétrica 2013 1 de 7 1. Introdução ao Processamento

Leia mais

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade

Escola E.B. 2,3 de António Feijó. Ano letivo 2014 2015. Planificação anual. 7º ano de escolaridade Escola E.B.,3 de António Feijó Ano letivo 04 05 Planificação anual 7º ano de escolaridade A Terra. Estudos e representações A representação da superfície terrestre A Geografia e o território Compreender

Leia mais

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira

Sensoriamento Remoto I. José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira São Cristóvão/SE 2010 Elaboração de Conteúdo José Antonio Pacheco de Almeida Paulo José de Oliveira Projeto Gráfico e Capa Hermeson Alves de Menezes

Leia mais

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo

Reinaldo Lúcio Gomide Embrapa Milho e Sorgo DETERMINAÇÃO DA VARIABILIDADE ESPAÇO-TEMPORAL DE DEMANDA HÍDRICA E PRODUTIVIDADE DA ÁGUA EM ESCALA REGIONAL POR MEIO DE TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO AGRÍCOLA, ASSOCIADAS À MODELAGEM, GEOPROCESSAMENTO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS

DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS unesp UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Faculdade de Ciências e Tecnologia Programa de Pós-Graduação em Ciências Cartográficas DETERMINAÇÃO DE BANDAS ESPECTRAIS A PARTIR DE DADOS HIPERSPECTRAIS MÍRIAM REGINA

Leia mais

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de:

4 MATERIAL. O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: O material utilizado para a realização deste estudo consiste de: 1) - Imagens de satélite Landsat MSS, TM e ETM+; 2) - Cartas produzidas pela Junta de Investigações do Ultramar (JIU, 1962-1963); mapa de

Leia mais

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global

GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global GPS (Global Positioning System) Sistema de Posicionamento Global 1 Sistema de Posicionamento Global é um sistema de posicionamento por satélite que permite posicionar um corpo que se encontre à superfície

Leia mais

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS

COMPORTAMENTO ESPECTRAL DOS ALVOS Radiância de Superfície da água, radiância volumétrica de subsuperfície e radiância de fundo A radiância total (Lt) registrada por um sensor a bordo de uma aeronave ou satélite é uma função da energia

Leia mais

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar

Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I. Radiação Solar Universidade de São Paulo Departamento de Geografia Disciplina: Climatologia I Radiação Solar Prof. Dr. Emerson Galvani Laboratório de Climatologia e Biogeografia LCB Na aula anterior verificamos que é

Leia mais

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio

Transmissão das Ondas Eletromagnéticas. Prof. Luiz Claudio Transmissão das Ondas Eletromagnéticas Prof. Luiz Claudio Transmissão/Recebimento das ondas As antenas são dispositivos destinados a transmitir ou receber ondas de rádio. Quando ligadas a um transmissor

Leia mais

ALOS CARACTERÍSTICAS E APLICAÇÕES

ALOS CARACTERÍSTICAS E APLICAÇÕES ALOS CARACTERÍSTICAS E APLICAÇÕES Leonardo Barbosa Gomes IBGE / Diretoria de Geociências GOIÂNIA, 5 DE SETEMBRO DE 2008 1 O SATÉLITE ALOS Advanced Land Observing Satellite Lançamento: Japão, 24 de janeiro

Leia mais

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários

Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários , Plataforma Integrada de Gestão e Accionamento de Cenários Cláudia Paixão A Ilha da Madeira apresenta um conjunto de riscos específicos entre os quais se destacam: Movimentação de Massas Cheias Rápidas

Leia mais

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO

SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO 1 SISTEMA DE RASTREIO ÓPTICO VISÃO GERAL O Sistema de Rastreio Óptico, ou simplesmente SISROT, foi desenvolvido com o objetivo de rastrear foguetes nos primeiros instantes de

Leia mais

CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO

CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Belém, Novembro de 2007 CURSO DE INTRODUÇÃO ÀS TÉCNICAS DE SENSORIAMENTO REMOTO Apostila elaborada por: ADRIANO VENTURIERI Eng. Agr., M. Sc. em Sensoriamento

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO

GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Cartografia IGC GEOPROCESSAMENTO 2000 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO Definição: A disciplina científica que junta os conhecimentos e técnicas usadas

Leia mais

Desmistificando o Ikonos Thierry Toutin, Dr.-Ing. (CCRS) e Philip Cheng, PhD (PCI Geomatics)

Desmistificando o Ikonos Thierry Toutin, Dr.-Ing. (CCRS) e Philip Cheng, PhD (PCI Geomatics) Preprint/Prétirage Desmistificando o Ikonos Thierry Toutin, Dr.-Ing. (CCRS) e Philip Cheng, PhD (PCI Geomatics) O IKONOS, satélite de mais alta resolução comercialmente disponível hoje, foi lançado ao

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

Fundamentos. Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08.

Fundamentos. Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08. Fundamentos Autor: Gil Gonçalves Disciplina: Detecção Remota Aplicada Curso: Mestrado em Engenharia Geográfica Ano Lectivo: 07/08 Conteúdo Detecção Remota: i) Definição; ii) DR vs. Fotogrametria Elementos

Leia mais

Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute. Solução = Usar SAR

Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute. Solução = Usar SAR João Vianei Soares Fundamentos de Radar Página nº 36 Como SAR funciona... Radar de Abertura Real, RAR, apresenta resolução espacial pobre me range e azimute Solução = Usar SAR SAR é uma técnica de processamento

Leia mais

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES

MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES MONITORAMENTO DA COBERTURA FLORESTAL DA AMAZÔNIA POR SATÉLITES INPE COORDENAÇÃO GERAL DE OBSERVAÇÃO DA TERRA SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, 20 DE JUNHO DE 2008 SISTEMA DE DETECÇÃO D0 DESMATAMENTO EM TEMPO REAL NA

Leia mais

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s

C A P Í T U L O 1 4. M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s t i t u t o N a c i o n a l d e P e s q u i s a s E s p a c i a i s C A P Í T U L O 1 4 I N F O R M A Ç Õ E S Ú T E I S P A R A A U X I L I A R A I N T E R P R E T A Ç Ã O V I S U A L D E I M A G E N S D E S A T É L I T E S M a u r i c i o A l v e s M o r e i r a I n s

Leia mais

O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão

O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão Sensoriamento remoto par ecossistemas costeiros tropicais Belém, 26 a 28/04/2006 O uso do sensoriamento remoto como ferramenta de apoio à pesca: da captura à gestão Paulo Travassos UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR

AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR AQUISIÇÃO DOS DADOS Componentes do Sistema de SR SUB-SISTEMA ESPACIAL - PLATAFORMA - SENSOR (Carga útil Payload ) SUB-SISTEMA TERRESTRE - ESTAÇÃO DE RECEPÇÃO - CENTRO DE PROCESAMENTO E DISTRIBUIÇÃO SUB-SISTEMA

Leia mais

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS

APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS APOSTILA PARA O CURSO 6 INTRODUÇÃO AO SENSORIAMENTO REMOTO E PROCESSAMENTO DE IMAGENS Dias: 16 e 17 de abril (sábado e domingo) Horário: 8:00 às 12:00 e das 14:00 às 18:00 horas Autores/Instrutores: Getulio

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

Sistema de Processamento de Imagens CBERS. III EUsISSeR. 22 a 24 de outubro de 2003

Sistema de Processamento de Imagens CBERS. III EUsISSeR. 22 a 24 de outubro de 2003 Sistema de Processamento de Imagens CBERS III EUsISSeR 22 a 24 de outubro de 2003 Paulo Eduardo Neves neves@gisplan.com.br GISPLAN Tecnologia da Geoinformação www.gisplan.com.br Histórico Histórico 1973

Leia mais

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU

APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia Departamento de Ciências da Terra APLICAÇÃO DE DADOS DE DETECÇÃO REMOTA À CARTOGRAFIA GEOLÓGICA DA REGIÃO DE VISEU Pedro Nuno Gomes Venâncio Licenciatura

Leia mais

Comunicação sem fio - antenas

Comunicação sem fio - antenas Comunicação sem fio - antenas Antena é um condutor elétrico ou um sistema de condutores Necessário para a transmissão e a recepção de sinais através do ar Na transmissão Antena converte energia elétrica

Leia mais

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com

thomasmcz@hotmail.com 2 Doutor Prof. Instituto de Ciências Atmosféricas, ICAT/UFAL, email: dimas.barros91@hotmail.com ANÁLISE PRELIMINAR DA ESTIMATIVA DA TEMPERATURA E ALBEDO DE SUPERFÍCIE PARA MICRORREGIÃO DO BAIXO SÃO FRANCISCO NOS ESTADOS DE ALAGOAS E SERGIPE, UTILIZANDO O SENSOR TM DO LANDSAT 5 E O ALGORITMO SEBAL.

Leia mais

SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício

SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício SPOTMaps: Imagens de Satélite com Ótimo Custo x Benefício Michael Daamen Eng Agrícola MSc em Geo-Information Sciences Responsável de suporte técnico de produtos e atendimento ao cliente da Astrium Geo

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972). Figura 2.2: Contexto geológico-estrutural da costa amazônica. Compilado a partir de Bizzi et al., 2001; Milani e Thomaz Filho, 2000; Palvadeau, 1999. Compartimentação da costa modificada de Silveira (1972).

Leia mais

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia

LEAA Laboratório de Estudos em Agricultura e Agrometeorologia Roteiro de aula Índices de Vegetação Composição de máximo valor (CMV) Perfis temporais - Estudos agrícolas - Estudos ambientais - Estudos climáticos Exercício prático Curva da reflectância de uma folha

Leia mais

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br

Telecomunicações. Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Telecomunicações Prof. André Y. Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Satélites Satélite é o elemento comum de interligação das estações terrenas, atuando como estação repetidora. Devido a sua altitude,

Leia mais

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa.

Objetivos. Geógrafa, Especialista em Geografia Agrária, analista da Embrapa Monitoramento por Satélite, Campinas-SP, edlene.garcon@embrapa. Comunicado Técnico 35 ISSN 1415-2118 Campinas, SP Dezembro, 2013 Base de dados Satélites de Monitoramento Cristina Criscuolo 1 Edlene Aparecida Monteiro Garçon 2 Mateus Batistella 3 Édson Luis Bolfe 4

Leia mais

Radiação Solar como forçante climática

Radiação Solar como forçante climática Radiação Solar como forçante climática O Sol fornece 99,97 % Emite 2,34 x10 22 MJ/min. Terra intercepta apenas 1,06 x 10 13 MJ (milionésimo) Milhares de vezes maior que consumo anual de energia no planeta.

Leia mais