2013 RELATÓRIO E CONTAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2013 RELATÓRIO E CONTAS"

Transcrição

1 2013 RELATÓRIO E CONTAS

2 Banco BIC Português, S.A. Av. António Augusto de Aguiar, Lisboa, Portugal Tel.:

3 2013 RELATÓRIO E CONTAS

4 ÍNDICE Principais Indicadores Mensagem do Presidente do Conselho de Administração O BANCO BIC Órgãos Sociais Estrutura Organizativa Acionistas Marcos Históricos Canais de Distribuição A Marca Banco BIC O Universo BIC Capital Humano ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO ÁREAS DE NEGÓCIO Banca Comercial Área Internacional e Financeira Mercado de Capitais Private Banking ANÁLISE FINANCEIRA GESTÃO DOS RISCOS PROPOSTA DE APLICAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E NOTAS Demonstrações Financeiras Notas às Demonstrações Financeiras Certificação Legal das Contas Relatório e Parecer do Conselho Fiscal Adoção das Recomendações do Financial Stability Forum (FSF) e do Committee of European Banking Supervisors (CEBS) relativas à Transparência da Informação e Valorização de Ativos

5 Mosteiro dos Jerónimos, Lisboa, Portugal

6 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC

7 5 PRINCIPAIS INDICADORES Var. (%) ATIVO TOTAL LÍQUIDO ,9% VOLUME DE NEGÓCIOS ,2% Crédito a Clientes (bruto) ,1% Garantias prestadas e créditos documentários abertos ,9% Recursos de Clientes ,9% DISPONIBILIDADES E APLICAÇÕES EM INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO ,9% RECURSOS DE INSTITUIÇÕES DE CRÉDITO E DE BANCOS CENTRAIS ,0% SITUAÇÃO LÍQUIDA ,9% RENDIBILIDADE Margem financeira ,7% Produto bancário ,4% Produto bancário / ativo líquido 2,6% 2,5% -3,9% Produto bancário por Colaborador ,0% Resultado líquido do exercício (7.959) Rendimento integral do exercício ,4% RÁCIOS DE EFICIÊNCIA Custos de estrutura / produto bancário 114,5% 87,1% - Custos com o pessoal / produto bancário 52,2% 48,3% - CAPITAL Rácio de adequação de fundos próprios 17,1% 14,0% - Rácio core tier I 11,9% 10,5% - QUALIDADE DO CRÉDITO Rácio de crédito com incumprimento (1) 3,5% 4,0% - Rácio de crédito em risco (1) 7,3% 7,2% - Rácio de crédito em risco, líquido (1) 1,2% 2,1% - Rácio de cobertura de crédito com incumprimento (1) 177,3% 127,4% - Rácio de cobertura de crédito em risco (1) 84,6% 70,2% - NÚMERO DE AGÊNCIAS, GABINETES DE EMPRESAS E CENTROS DE PRIVATE BANKING ,4% NÚMERO DE COLABORADORES ,2% (1) Rácios calculados de acordo com a Instrução n.º 16/2004 do Banco de Portugal.

8 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC MENSAGEM DO PRESIDENTE DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Começámos em 2008 com as linhas de negócio da banca de empresas, banca correspondente de bancos angolanos e private banking. Na altura, a banca de retalho assumia apenas uma dimensão complementar a essas linhas de negócio. Em conjunto com o nosso irmão gémeo, o Banco BIC, S.A. (Angola), conseguimos desde logo atingir uma posição privilegiada de apoio aos diferentes agentes económicos no panorama de negócios entre Portugal e Angola. Com a aquisição, em 2012, do ex-bpn, passámos a ter no nosso Banco uma rede de retalho a operar à escala nacional, com um funding que permitiu reforçar a nossa aposta no financiamento das PME e das empresas exportadoras com boas perspetivas no domínio qualidade/risco. A estrutura que herdámos do ex-bpn perdeu cerca de 13 milhões de euros em 2012 e o Banco BIC Português, que começámos em 2008, ganhou no mesmo período 5 milhões de euros, pelo que a integração jurídica dos dois Bancos naquilo que o Banco BIC Português é hoje, fez-nos chegar ao fim de 2012 com um resultado líquido negativo de 8 milhões de euros foi o ano da recuperação, tendo-se atingido o break even no mês de outubro e chegado ao fim do ano com um resultado líquido positivo de 2,5 milhões de euros. O ano de 2013 foi marcado por um intenso trabalho de recuperação da estrutura do ex-bpn e de reposicionamento no mercado. A solidez da nossa estrutura acionista, a qualidade da equipa de gestão e a motivação dos nossos Colaboradores permitiram a credibilização do nosso Banco e a dinamização das relações com os nossos Clientes e depositantes. Desde que integrámos o ex-bpn, em março de 2012, o volume de negócios praticamente duplicou. No exercício de 2013, o volume de negócios aumentou aproximadamente 2 mil milhões de euros (cerca de 38,9%), com os depósitos de Clientes a registarem um acréscimo de 1,4 mil milhões de euros (59%) e a atingirem no fim do ano os 3,8 mil milhões de euros, enquanto que o crédito cresceu neste exercício 657 milhões de euros (26,1%), atingindo no fim do ano os 3,2 mil milhões de euros. O ativo líquido ascendeu a 5,4 mil milhões de euros, traduzindo um crescimento significativo do balanço em 1,5 mil milhões de euros (37,8%) em 2013.

9 7 Vamos naturalmente continuar a apoiar as nossas empresas com bom perfil de risco, designadamente as PME e os grupos económicos relevantes na economia portuguesa. Através da colaboração do Banco BIC Angola, vamos também continuar a apoiar as transações que são feitas entre Portugal e Angola e apoiar os empresários angolanos que investem em Portugal, bem como os empresários portugueses que investem em Angola. Também no crédito a particulares e no crédito especializado continuaremos a financiar as famílias e as empresas portuguesas. Através do Gabinete de Mercado de Capitais e da Direção de Private Banking expandimos de forma significativa a captação de recursos fora do balanço, através dos nossos fundos mobiliários, e o número de Clientes no nosso Private Banking. Neste contexto, merece especial destaque o nosso Fundo Banco BIC Tesouraria que atingiu 5,31% de retorno anualizado a três anos e conquistou o galardão 5 estrelas rating Morningstar a 3 anos, na categoria Obrigações Ultra Curto Prazo EUR. Também os nossos Fundos Banco BIC Investimento, Banco BIC Brasil e Nevafunds Global Fixed Income têm tido performances assinaláveis face aos seus concorrentes no mercado. Fomos o primeiro Banco Comercial a transacionar Kwanzas fora de Angola. Começámos na nossa Agência da Rua Mouzinho da Silveira, em Lisboa, e neste momento o serviço já é prestado por 15 Agências. Estamos pois em Portugal a prestar mais um serviço à comunidade angolana no nosso país e a portugueses que têm ligações com Angola. integrámos dois ciclistas angolanos para a Volta a Portugal, no futebol através do patrocínio do Estoril, Sporting de Braga, Arouca e Paços de Ferreira, no futsal através de um acordo com a Federação Portuguesa de Futebol e no motociclismo. Nos desportos mais ligados à banca de empresas, continuámos com a nossa ligação ao golfe, ténis e padel. Os nossos acionistas compraram ao Estado o BPN Cabo Verde IFI, transformando-o no Banco BIC Cabo Verde IFI, e o BPN Brasil, onde começámos uma operação bancária para reforçar o triângulo dourado Brasil-Angola-Portugal. Abrimos um escritório de representação em Joanesburgo para apoiar as significativas comunidades portuguesa e angolana residentes na África do Sul, aguardamos autorização para a abertura dum banco comercial na Namíbia, planeamos abrir um escritório de representação na China e começar operações bancárias também no Zimbabwe, na Zâmbia e nos dois Congos. Os nossos Clientes começarão a reconhecer no Banco BIC Português não apenas um parceiro financeiro em Portugal, mas também uma plataforma internacional para o negócio no espaço lusófono e nos países limítrofes e com ligações a Angola. Continuamos a contar com uma sólida estrutura acionista, com uma equipa de gestão profissional com provas dadas desde o nosso arranque em 2008, com um corpo de Colaboradores altamente qualificados, experientes e motivados e agora com uma plataforma internacional com competências no trade finance, esperamos continuar a merecer e a reforçar a confiança dos nossos Clientes em Temos neste momento uma rede com mais de 200 Agências, cobrindo o Continente, a Madeira e os Açores, para apoio aos particulares e pequenos negócios, 15 Gabinetes de Empresas (inclui 3 Núcleos de Empresas) para financiamento e aconselhamento das nossas empresas, 2 Centros de Private Banking, um em Lisboa e outro no Porto, e uma Rede de Promotores Externos. Com o objetivo de aumentar a proximidade do Banco com os Clientes vamos continuar a abrir Agências por todo o país, em Lisboa e Porto inclusive, onde sentimos falta da nossa cobertura, e continuaremos a deslocalizar Agências para locais de maior visibilidade. O Presidente do Conselho de Administração Fernando Mendes Teles Apoiámos os desportos mais populares como o ciclismo, com o patrocínio da Volta a Portugal e da Equipa BIC Carmim onde

10 O BANCO BIC... um Banco mais completo, mais estruturado, mais empenhado e mais vocacionado para o fomento das relações comerciais entre Portugal e Angola.

11 Lagoa das Sete Cidades, Açores, Portugal

12 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC ÓRGÃOS SOCIAIS Assembleia Geral Comissão Executiva Pedro Canastra de Azevedo Maia (Presidente) Alberto Mendes Teles (Vice-Presidente) Jorge Manuel de Brito Pereira (Secretário) Conselho de Administração Fernando Teles (Presidente) Isabel dos Santos Américo Amorim Luís Alves Monteiro Francisco Constantino Pinto Luís Mira Amaral Jaime Pereira Carlos Traguelho Diogo Barrote Artur Marques Rui Pedras Luís Mira Amaral (Presidente) Jaime Pereira (Vice-Presidente) Carlos Traguelho Diogo Barrote Artur Marques Rui Pedras Conselho Fiscal Henrique Camões Serra (Presidente) Abílio Morgado (Vogal Efetivo) Maria Ivone Santos (Vogal Efetivo) Célia Custódio (Vogal Suplente) Revisor Oficial de Contas (quadriénio 2012/2015) Sociedade de Revisores Oficiais de Contas Deloitte e Associados, SROC, S.A., representada por: José António Barata, ROC n.º 1210 Carlos Loureiro, ROC n.º 572 (Suplente)

13 O BANCO BIC 11 DIVULGAÇÃO DE INFORMAÇÃO QUANTITATIVA No cumprimento do disposto no artigo 3.º da Lei n.º 28/2009, de 19 de junho e do disposto no n.º 2 do artigo 17.º do Aviso do Banco de Portugal n.º 10/2011, publicado em 9 de janeiro de 2012, divulgamos de forma agregada e individual a composição e as remunerações auferidas no exercício de 2013 pelo Conselho de Administração, Conselho Fiscal e Mesa da Assembleia Geral, as quais correspondem apenas ao pagamento das remunerações fixas: Órgão N.º de elementos Montante das remunerações (euros) Conselho de Administração Conselho Fiscal Mesa da Assembleia Geral TOTAL 18 (a) (a) Inclui todos os membros do Conselho de Administração e da Mesa da Assembleia Geral que exerceram funções ao longo de todo o ano de 2013 no Banco BIC Português, S.A.. Orgão Nome Cargo Montante das remunerações (euros) CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Fernando Leonídio Mendes Teles Presidente do Conselho de Administração Américo Ferreira Amorim Administrador Não Executivo Isabel José dos Santos Administrador Não Executivo Luís Filipe Alves Monteiro (1) (3) Administrador Não Executivo Francisco Manuel Constantino Pinto (2) (3) Administrador Não Executivo * Luís Fernando de Mira Amaral Presidente da Comissão Executiva Jaime Pedro Galhoz Pereira Vice-Presidente da Comissão Executiva Carlos Prieto Traguelho Administrador Executivo Diogo Vasco Ramos Barrote Administrador Executivo Artur de Jesus Marques Administrador Executivo Rui Manuel Correia Pedras Administrador Executivo SUBTOTAL CONSELHO FISCAL Henrique Manuel Camões Serra Presidente do Conselho Fiscal Maria Ivone de Freitas Pereira dos Santos Vogal Abílio Manuel P. R. de Almeida Morgado Vogal SUBTOTAL MESA DA ASSEMBLEIA GERAL Pedro Canastra de Azevedo Maia Presidente da Mesa Francisco Manuel Constantino Pinto (2) Vice-Presidente da Mesa Jorge Manuel de Brito Pereira Secretário Alberto Mendes Teles (4) Vice-Presidente da Mesa - SUBTOTAL TOTAL (1) Eleição em 15/10/2013. (2) As funções como membro da Mesa da Assembleia Geral foram exercidas até 14/10/2013, data a partir da qual foi eleito para exercer funções como Administrador Não Executivo. (3) Integram a Comissão de Remunerações. (4) Eleição em 15/10/2013. * Pagamento processado em 2014 mas referente a 2013.

14 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC Ainda no cumprimento do disposto nos n. os 2 e 3 do artigo 17.º do Aviso do Banco de Portugal n.º 10/2011, publicado em 9 de janeiro de 2012, divulgamos de forma agregada e discriminada por área de atividade as remunerações dos Colaboradores que cumprem alguns dos critérios previstos no n.º 2 do artigo 1.º do mesmo Aviso. Em 15 de outubro de 2013 foram eleitos dois novos administradores não executivos, nomeados para integrarem a Comissão de Remunerações, cujo mandato termina em Política de Remuneração dos Órgãos Sociais Para efeitos de delimitação dos Colaboradores a que respeita esta informação considerou-se que o universo de Colaboradores relevantes corresponde aos Colaboradores da primeira linha das Direções que desempenharam funções de controlo durante todo o ano de 2013, a saber, Direção de Auditoria Interna, Direção de Análise de Risco de Crédito, Gabinete de Risco e Gabinete de Compliance, bem como aqueles que desempenharam funções da primeira linha das Direções e Gabinetes que reportam diretamente à Comissão. Assim, em 2013, o universo acima definido compreendeu 24 Colaboradores. A remuneração do universo referido, indicada no quadro infra, compreendeu apenas remunerações fixas, estando naquele montante incluídos euros de diuturnidades e euros de prémios de antiguidade. Remuneração anual Órgão N.º de Colaboradores Montante (euros) Funções de Controlo Outras Funções TOTAL Não ocorreu, em 2013, qualquer nova contratação de Colaboradores que integrassem aquele universo, muito embora tenham sido nomeados para aquelas funções 4 Colaboradores já pertencentes ao quadro do Banco Na definição da Política de Remuneração não participaram quaisquer consultores externos A Política de Remuneração consubstanciou-se no pagamento de uma remuneração fixa aos administradores executivos, definida por Assembleia Geral, paga 14 vezes ao ano, não sendo devida qualquer componente variável Deste modo, a Política de Remuneração em 2013 foi compatível com os interesses de longo prazo do Banco e não incentivou a assunção excessiva de riscos Os administradores não executivos, a partir de abril de 2013 passaram a beneficiar de remuneração fixa aprovada pela Assembleia Geral, paga 14 vezes ao ano Os membros do Conselho Fiscal beneficiam apenas de remuneração fixa aprovada pela Assembleia Geral, paga 12 vezes ao ano Em caso de destituição de um administrador, sem justa causa, a indemnização a pagar rege-se pelo disposto no artigo 403.º do Código das Sociedades Comerciais, isto é, não excederá o montante das remunerações que presumivelmente aquele receberia até ao final do mandato. Em caso de destituição por inadequado desempenho, não será paga qualquer compensação ou indemnização, nem existem quaisquer pagamentos previstos em caso de cessação por acordo. Não ocorreu, em 2013, qualquer pagamento por rescisão antecipada de contrato de trabalho. DIVULGAÇÃO ANUAL SOBRE A POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO A Política de Remuneração do Banco BIC Português, a que de seguida faremos referência, foi objeto de revisão e aprovada em reunião da Assembleia Geral de 23 de março de 2013 sob proposta do Conselho de Administração Remuneração dos membros da Comissão Executiva a) Todos os membros da Comissão Executiva auferem uma remuneração fixa paga 14 vezes ao ano; b) Em 2013 não foi atribuída qualquer remuneração variável, sistema de prémios ou qualquer outro benefício não pecuniário àqueles membros; c) Anualmente, a Assembleia Geral procede à avaliação da Administração, considerando o cumprimento dos objeti-

15 O BANCO BIC 13 vos, os resultados quantitativos e qualitativos alcançados bem como a sua origem e natureza, a sustentabilidade ou ocasionalidade dos mesmos, o risco associado à obtenção daqueles, o cumprimento normativo, o valor acrescentado para os acionistas e a forma como a instituição se relacionou com outros stakeholders; d) Os membros da Comissão Executiva não beneficiam de regimes complementares de pensões ou de reforma antecipada Remuneração dos membros do Conselho Fiscal 2.2. Os Colaboradores abrangidos pelo Acordo de Empresa beneficiam de um plano complementar de pensões, de contribuição definida, para o qual concorrem, em percentagens iguais sobre a respetiva remuneração, os Colaboradores e o Banco Os Colaboradores beneficiam apenas de uma remuneração fixa definida nos respetivos contratos de trabalho ou de prestação de serviços A avaliação de desempenho dos Colaboradores é anual e realizada pelo respetivo superior hierárquico e dos resultados daquela não depende a atribuição de qualquer componente variável da remuneração. Os membros do Conselho Fiscal auferem apenas de uma remuneração fixa paga 12 vezes ao ano Remuneração dos membros não executivos do Conselho de Administração Os membros não executivos do Conselho de Administração auferem apenas de uma remuneração fixa paga 14 vezes ao ano Remuneração dos membros da Mesa da Assembleia Geral Os membros da Mesa da Assembleia Geral auferem uma senha de presença, de valor fixo, por cada participação nas reuniões da Assembleia Geral definida e aprovada por esta Assembleia. 2. Política de Remuneração dos Colaboradores (conforme definido no n.º 2 do artigo 1.º do Aviso do Banco de Portugal n.º 10/2011, de 9 de janeiro de 2012) 2.1. Os Colaboradores que mantêm uma relação jurídico-laboral com o Banco através de contrato de trabalho, não beneficiam de outras formas de remuneração que não as que decorram da normal aplicação do Acordo de Empresa ou do direito do trabalho, não beneficiando de nenhum sistema de prémios anuais ou de quaisquer outros benefícios não pecuniários, sem prejuízo de eventualmente auferirem uma participação nos lucros conforme previsto no Acordo de Empresa.

16 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC ESTRUTURA ORGANIZATIVA COMISSÃO EXECUTIVA LUÍS MIRA AMARAL (PRESIDENTE) JAIME PEREIRA (VICE-PRESIDENTE) CARLOS TRAGUELHO (ADMINISTRADOR) DIOGO BARROTE (ADMINISTRADOR) ARTUR MARQUES (ADMINISTRADOR) RUI PEDRAS (ADMINISTRADOR) Direção de Sistemas de Informação e Tecnologias Direção Coordenadora Empresas Sul Direção de Auditoria Interna Direção de Suporte Operacional Direção Coordenadora Empresas Norte Direção Coordenadora Agências Sul (2) Direção de Marketing e Comunicação Direção Coordenadora Agências Sul (1) Direção de Análise de Risco de Crédito Direção de Recursos Materiais Direção Coordenadora Agências Norte Gabinete de Organização Direção de Canais Alternativos e Meios de Pagamento Direção de Planeamento, Contabilidade e Gestão Gabinete de Risco Gabinete Angola Portugal Gabinete de Dinamização Comercial Direção Jurídica e de Recuperação de Crédito Direção de Private Banking Direção Internacional e Financeira Gabinete de Compliance Direção de Recursos Humanos Gabinete de Mercado de Capitais Gabinete de Controlo Global Acordo Quadro com o Estado: Litígios, Garantias e Pagamentos Gabinete de Crédito Especializado (1) Direções Regionais: Cascais/Sintra, Lisboa, Margem Sul/Alentejo/Ilhas, Algarve e Açores. (2) Direções Regionais: Leiria, Ourém, Oeste e Almeirim.

17 O BANCO BIC 15 Conselho de Administração Fernando Teles (Presidente) Isabel dos Santos Américo Amorim Luís Alves Monteiro Francisco Constantino Pinto Luís Mira Amaral Jaime Pereira Carlos Traguelho Diogo Barrote Artur Marques Rui Pedras Comissão Executiva (da esquerda para a direita): Diogo Barrote, Jaime Pereira, Luís Mira Amaral, Carlos Traguelho, Artur Marques e Rui Pedras

18 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC ACIONISTAS Em 31 de dezembro de 2012 e 2013, o capital do Banco era detido pelos seguintes acionistas: Estrutura acionista % Capital N.º de ações Montantes em euros Amorim Projectos, SGPS, S.A. 25% Santoro Financial Holding, SGPS, S.A. 25% Fernando Leonídio Mendes Teles 20% Ruasgest, SGPS, S.A. 10% Luís Manuel Cortez dos Santos 5% Manuel Pinheiro Fernandes 5% Sebastião Bastos Lavrador 5% Outros acionistas 5% % Em 31 de dezembro de 2013, o Banco BIC tinha aprovado um plafond global de crédito no montante de milhares de euros para o acionista Ruasgest, SGPS, S.A., o qual naquela data, se encontrava utilizado no montante de milhares de euros. Em 31 de dezembro de 2012, o Banco BIC não tinha crédito concedido a nenhum membro dos órgãos sociais. Em 31 de dezembro de 2012 e 2013, os seguintes membros dos Órgãos Sociais detinham o número de ações do Banco BIC abaixo indicado: Conselho de Administração Número de ações Fernando Leonídio Mendes Teles Diogo Vasco Ramos Barrote

19 O BANCO BIC 17 MARCOS HISTÓRICOS EVOLUÇÃO O Banco BIC Português S.A. foi constituído em janeiro de 2008, iniciando a sua atividade bancária em 26 de maio do mesmo ano. A sua sede situou-se inicialmente no edifício onde foi fixado o primeiro Centro de Empresas/Agência em Lisboa, tendo o Banco BIC aberto, no final do mesmo ano, um Centro de Empresas/ Agência no Porto. Nos anos que se seguiram o Banco BIC passou a marcar presença em Viseu, Aveiro, Leiria e Braga, tendo em 2010 aberto ao público a Agência de Alvarenga virada especialmente para a captação de recursos. Desde a sua criação que o Banco BIC se assumiu como banco de empresas, especialmente vocacionado para apoiar as PME em Portugal e na sua atividade exportadora, com um forte papel como banco correspondente de bancos angolanos, designadamente do Banco BIC S.A. (Angola). Em 2012, com a aquisição do Banco Português de Negócios (BPN) por parte dos acionistas do Banco BIC e consequente fusão das duas entidades, o Banco BIC passou a agregar aos vetores que já lhe eram reconhecidos a dimensão de banco de retalho, conferida pelo aumento significativo da sua Rede Comercial que passou a contar com mais de duas centenas de novas Agências. Esta aquisição veio traduzir-se no relançamento de um Banco mais completo, mais estruturado, mais empenhado e mais vocacionado para o fomento das relações comerciais entre Portugal e Angola. Com uma estrutura acionista idêntica à do Banco BIC S.A. (Angola), o Banco BIC Português integra acionistas de referência no mercado empresarial português, nomeadamente no setor bancário, bem como na vida económica e financeira angolana. Esta equipa conta com um conjunto de profissionais com larga experiência no sistema financeiro, não só em Portugal, mas também noutros países do continente Africano, Brasil e Espanha.

20 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC PRINCIPAIS ACONTECIMENTOS DE 2013 Investimento, um fundo de investimento mobiliário aberto misto de obrigações indicado para aplicações numa ótica de médio/longo prazo, que proporciona aos seus participantes o acesso a uma carteira diversificada de ativos com diferentes graus de risco. futebol, um dos mais importantes eventos desportivos nacionais. mo de Si, a primeira campanha multicanal do Banco BIC, tendo estado presente em televisão, rádio, imprensa e em plataformas digitais. depósito a prazo exclusivo para novos recursos, destinado a Clientes aforradores com capacidade de poupança e que valorizam a segurança e a estabilidade patrimonial. Golfe Banco BIC no Campo Montebelo, situado a 15 minutos de Viseu, onde os convidados do Banco BIC desfrutaram durante dois dias da prática de um desporto que tem vindo a conquistar cada vez mais adeptos. Para aqueles que pretendiam ter o primeiro contacto com a modalidade ou aperfeiçoar a sua técnica foi ainda realizada uma clínica de golfe.

21 O BANCO BIC 19 aplicacional e fusão operacional, dando por concluída a integração dos sistemas informáticos das duas instituições (Banco BIC e BPN). netbanking com a disponibilização de novas funcionalidades e redenominação para BancoBIC Net. 1.ª Liga. Sporting Clube de Braga, Grupo Desportivo Estoril Praia, Futebol Clube de Paços de Ferreira e Futebol Clube de Arouca, equipas com estatuto de challengers que representam bem o espírito da marca. presas e Direção Regional nos Açores, em Ponta Delgada, marco importante que representou a expansão do Banco BIC a todo o território Português. Internacional de Luanda (FILDA), evento multissetorial de exposição e negócios que junta anualmente empreendedores nacionais e de países de África, América, Europa e Ásia. Volta a Portugal, antecipando o patrocínio do Banco BIC à 75.ª Volta a Portugal. Nesta ação, foram atribuídas Camisolas Oficiais Banco BIC na constituição do depósito. cutivo, da Volta a Portugal em Bicicleta. O Banco BIC foi patrocinador da Camisola Vermelha dos Pontos e das torres de chegada. Clientes em Parceria com a ZON Lusomundo. Na abertura de conta eram oferecidos 2 vouchers para assistir média luso-francesa que foi o filme mais visto do ano em Portugal.

22 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC de Ténis Sub-16 Banco BIC Beloura Open. Esta competição foi realizada na Beloura Tennis Academy, na Quinta da Beloura em Sintra. realizada no Clube de Ténis do Estoril. O apoio foi direcionado para o Campeonato Nacional de Padel/Banco BIC, que se realizou pela primeira vez sob a égide da Federação Portuguesa de Ténis. As melhores duplas portuguesas, presentes no Campeonato do Mundo em Moscovo, e no Europeu, na Grã-Bretanha, discutiram os títulos nacionais de pares masculinos, pares femininos e pares mistos. do NevaFunds Global Fixed Income, um Sub-fundo de obrigações global que tem como objetivo maximizar o retorno através do investimento em títulos de renda fixa, emitidos por governos, empresas (investment grade e non investment grade) e entidades supranacionais. qualidade de Banco Oficial. Este evento, realizado no âmbito do Lisboa Internacional Open 2013, trouxe pela primeira vez a Portugal os 32 melhores pares do mundo da modalidade. ração Portuguesa de Futebol que confere ao Banco BIC o estatuto de Patrocinador Oficial da Liga, da Taça de Portugal e da Supertaça de Futsal e ainda da Seleção Portuguesa de Futsal. O acordo terá a duração de, pelo menos, duas épocas e permite ao Banco BIC associar as suas atividades de negócio e de promoção a uma modalidade desportiva que está em forte crescimento. venda de Kwanzas (notas emitidas a partir de outubro de 2012), sendo o Banco BIC o primeiro Banco Comercial privado a transacionar notas de Kwanza em Portugal. Inaugurado na Agência da Rua Mouzinho da Silveira, em Lisboa, o serviço foi estendido a mais 14 Agências, garantindo assim uma adequada cobertura geográfica em Portugal. O lançamento deste serviço foi alvo de uma campanha publicitária com um spot de televisão gravado na Agência da Rua Mouzinho da Silveira, que foi exibido em Portugal e Angola. bito da estratégia de proximidade e de interesse pelo desenvolvimento das regiões. Spot nos terminais de pagamento automático (TPA) Netpay, permitindo a disponibilização de novas transações, nomeadamente pagamento de serviços e compras, e carregamento de telemóveis através dos TPA Netpay.

23 O BANCO BIC 21 sões Particular e Empresa - destinado a associados, na sequência da parceria entre o Banco BIC e a Associação Nacional das Pequenas e Médias Empresas. Mirandela e mudança de instalações de duas Agências, Porto Capitólio e Amarante, dando cumprimento à estratégia de modernização da Rede Comercial. Os Clientes destas Agências passaram a ter à sua disposição espaços mais modernos e acolhedores, com uma localização mais acessível.

24 RELATÓRIO E CONTAS BANCO BIC CANAIS DE DISTRIBUIÇÃO REDE COMERCIAL A aquisição do BPN em 2012, por parte dos acionistas do Banco BIC e consequente fusão das duas entidades, permitiu ao Banco BIC alargar a sua presença, assumindo a dimensão de banco de retalho. A Rede Comercial foi alvo de uma profunda análise, tendo sido implementado um processo de reestruturação e otimização da rede. Com a estabilização da Rede Comercial, o Banco BIC conta agora com uma rede à escala nacional. A Rede Comercial é composta por duas redes, a Rede de Agências, orientada para o negócio dos particulares e pequenos negócios, e a Rede de Empresas, vocacionada para as PME e grandes empresas. Açores 1 Agência 1 Gabinete de Empresas Viana do Castelo 5 Agências Braga 13 Agências 1 Gabinete de Empresas Porto 37 Agências 2 Gabinetes de Empresas Aveiro 18 Agências 1 Gabinete de Empresas Coimbra 7 Agências 1 Gabinete de Empresas Leiria 25 Agências 1 Gabinete de Empresas Santarém 10 Agências 1 Gabinete de Empresas Lisboa 38 Agências 4 Gabinetes de Empresas Setúbal 7 Agências 1 Gabinete de Empresas Bragança 5 Agências Vila Real 5 Agências Viseu 7 Agências 2 Gabinetes de Empresas Guarda 4 Agências Castelo Branco 5 Agências Portalegre 1 Agência Évora 2 Agências Madeira 2 Agências Faro 9 Agências

25 O BANCO BIC 23 PRIVATE BANKING CANAIS ALTERNATIVOS Esta área de negócio desenvolve a sua atividade junto de Clientes de elevados rendimentos. Contando com dois Centros, um em Lisboa e outro no Porto, o private banking do Banco BIC é um veículo autónomo de distribuição de soluções de investimento dirigidas a este segmento. REDE DE PROMOTORES O conjunto dos canais alternativos, constituído pelo BancoBIC Net Particulares, BancoBIC Net Empresas e BancoBIC Phone (exclusivo para Clientes particulares), é estratégico para o Banco e representa uma aposta contínua. O desenvolvimento de novos canais como forma de reduzir custos operacionais e acompanhar a tendência do mercado, será determinante tendo em conta dois conceitos fundamentais para os nossos Clientes: Tempo e Proximidade. A Rede de Promotores Externos permitiu ampliar a área de influência do Banco BIC. No final de 2013, esta Rede contava com 620 promotores, o que representou um crescimento de 41,9% face a REDE NETPAY A par da manutenção do Selo de Qualidade Norma ISO Meios de Pagamento (rede Netpay, ATM, Cartões e Canais Alternativos) e do Selo de Qualidade da APCC, foi renovada a Requirements for Service Provision, garantindo ao Banco BIC primazia desta certificação. A rede Netpay continuou a desempenhar um importante papel na captação e fidelização de Clientes. Em linha com a estratégia delineada pelo Banco BIC, a rede Netpay tem como segmento chave as pequenas e médias empresas, tendo atingido uma quota de mercado de 7,2% no comércio a retalho e restauração. Respondendo às necessidades sentidas pelos nossos Clientes, nomeadamente a crescente procura de soluções integradas, a rede Netpay tem vindo a adequar o parque de terminais, disponibilizando equipamentos compatíveis com vários softwares de gestão. Paralelamente, a rede Netpay tem desenvolvido soluções específicas para nichos de mercado, criando packages adequados à especificidade de determinados negócios. No final de 2013, o Banco BIC contava com mais de 11 mil aderentes à rede Netpay e cerca de 15,5 mil terminais ativos. Em termos de tráfego, o ano de 2013 registou um aumento exponencial no número de utilizadores. O incremento foi de 144% face a 2012, com o número de internautas a alcançar os 186 mil utilizadores em O serviço atingiu mais de 112 mil contratos de adesão, com um desempenho de cerca de 1,3 mil novas adesões por mês o que se traduz numa taxa de penetração de 22%. Principais indicadores da rede de distribuição 2013 Agências 201 Gabinetes de Empresas (1) 15 Centros de Private Banking 2 Promotores Externos 620 Banco automático (ATM) 273 Terminais de pagamento automático (ativos) Canais alternativos (utilizadores ativos) (1) Inclui 3 Núcleos de Empresas. REDE ATM O parque de ATM do Banco BIC aumentou em 3% o número de equipamentos instalados face ao ano anterior, situando-se a quota de mercado nos 2,1%. No final de 2013, o Banco BIC contava com um total de 273 máquinas, das quais 196 instaladas em Agências e 77 em Clientes.

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014

Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Maia - Portugal, 5 de Março de 2015 Sonae Sierra regista um Resultado Líquido de 96,3 milhões em 2014 Resultado Direto atinge 52,7 milhões EBIT de 106,1 milhões Resultado Indireto atinge 43,6 milhões Dois

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço

Política de Produto e Serviço Caixa Geral de Depósitos. Política de Produto e Serviço Política de Produto e Serviço Publicado em julho 2012 1 Fundada em 1876, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) é o maior grupo financeiro nacional, atuando em diferentes áreas, designadamente na banca comercial,

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Relatório de evolução da atividade seguradora

Relatório de evolução da atividade seguradora Relatório de evolução da atividade seguradora 1.º Semestre 214 I. Produção e custos com sinistros 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org

1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA. JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org 1º FÓRUM UNIÃO DE EXPORTADORES CPLP 26 E 27 DE JUNHO DE 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA JUNTOS IREMOS LONGE www.uecplp.org CONCEITO Realização do 1º Fórum União de Exportadores CPLP (UE-CPLP) que integra:

Leia mais

«Concurso Jovem Agricultor Português»

«Concurso Jovem Agricultor Português» «Concurso Jovem Agricultor Português» Como já é tradição, desde há muito, que a Caixa não descura a intenção de apoiar e estimular a economia nacional, assim como outras áreas de interesse, mostrando com

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

A mosca na sopa. PhotoDisc

A mosca na sopa. PhotoDisc A mosca na sopa O reduzido número de IPO continua a ser a mosca na sopa do capital de risco europeu. Não fosse o fraco volume de operações realizadas e a redução de fundos captados e o balanço da actividade

Leia mais

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil

Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Nota de Imprensa Emilio Botín: O objetivo é nos tornarmos o banco privado número um do Brasil Presidente mundial do Banco Santander apresenta em São Paulo o Plano Estratégico 2008-2010 para o A integração

Leia mais

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98

ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 ESTRUTURA EMPRESARIAL NACIONAL 1995/98 NOTA METODOLÓGICA De acordo com a definição nacional, são pequenas e médias empresas aquelas que empregam menos de 500 trabalhadores, que apresentam um volume de

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL

PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL PROPOSTAS DE ALGUMAS MEDIDAS CONCRETAS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL 1 São muitas e variadas as soluções e medidas de apoio à competitividade empresarial. Na intervenção de abertura o Presidente da

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos

Os Desafios da Fileira da Construção. As Oportunidades nos Mercados Externos Os Desafios da Fileira da Construção As Oportunidades nos Mercados Externos Agradeço o convite que me foi dirigido para participar neste Seminário e felicito a AIP pela iniciativa e pelo tema escolhido.

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012

RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO 2012 NATURTEJO EMPRESA DE TURISMO - EIM MARÇO, CASTELO BRANCO 2013 Nos termos legais e estatutários, vimos submeter a apreciação da assembleia Geral o Relatório de Gestão, as contas,

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO

COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO COMO ELABORAR UM PLANO DE NEGÓCIOS DE SUCESSO 1 Sumário: Conceito e Objectivos Estrutura do PN o Apresentação da Empresa o Análise do Produto / Serviço o Análise de Mercado o Estratégia de Marketing o

Leia mais

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões

3. Evolução do mercado segurador e dos fundos de pensões Figura 5 Evolução de empréstimos, depósitos e taxas de juro do setor bancário 3% 2% 1% % -1% -2% -3% -4% -5% -6% -7% -8% Emprés mos concedidos pelo setor bancário (variação anual) dez-1 dez-11 dez-12 dez-13

Leia mais

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS

2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 2º CONGRESSO DA CIP E DAS ATIVIDADES ECONÓMICAS 4º PAINEL: AS NOVAS FORMAS DE FINANCIAMENTO DA ECONOMIA - CONCLUSÕES - A CIP reconhece que a nossa economia atingiu um nível de alavancagem excessivo que

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1

Desafios da Implementação. Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 Desafios da Implementação da Nova Lei da Segurança Privada Estoril, 29 Setembro 2014 Carlos Correia Prosegur, Diretor Comercial 1 AGENDA 1. Nova Lei da Segurança Privada Balanço Impactos nos Clientes Impactos

Leia mais

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016

Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 Linhas Gerais de Orientação Estratégica 2016-2018 Programa de Ação e Orçamento para 2016 dezembro de 2015 2015-11-25 Pág. 1 I. Introdução II. Plano Estratégico - Linhas Gerais de Orientação Estratégica

Leia mais

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação.

Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Exmos. Associados e parceiros, Chamamos a vossa atenção para o convite abaixo. Cremos ser de extrema importância a vossa presença e participação. Inscrevam-se! Convite No seguimento dos contactos mantidos

Leia mais

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020

Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30 de julho de 2014 Resumo do Acordo de Parceria para Portugal, 2014-2020 Informações gerais O Acordo de Parceria abrange cinco fundos: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional

Leia mais

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015

Apoios às empresas no Norte 2020. Eunice Silva Valença 30.06.2015 Apoios às empresas no Norte 2020 Eunice Silva Valença 30.06.2015 SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS INOVAÇÃO EMPRESARIAL EMPREENDEDORISMO QUALIFICAÇÃO DE PME INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME I&D Produção de

Leia mais

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE

CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE CUMPRIMENTO DOS PRINCIPIOS DE BOM GOVERNO DAS EMPRESAS DO SEE Princípios do Bom Governo das Cumprir a missão e os objetivos que lhes tenham sido determinados, de forma económica, financeira, social e ambientalmente

Leia mais

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada.

As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. Anexo A Estrutura de intervenção As ações de formação ação no âmbito do presente Aviso têm, obrigatoriamente, de ser desenvolvidas com a estrutura a seguir indicada. 1. Plano de ação para o período 2016

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012

Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Plano Estratégico de Iniciativas à Empregabilidade Jovem e de Apoio às PME Exponor, 15 de Junho de 2012 Contexto: O Impulso Jovem, Plano Estratégico de Iniciativas de Promoção da Empregabilidade Jovem

Leia mais

A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs.

A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs. Parcerias com valor A PMConsultores, é uma trusted advisor, empenhada em ser um agente de valor acrescentado e elemento diferenciador para a competitividade das PMEs. A nossa equipa de consultores é especialista,

Leia mais

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA

OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA 7 OS PLANOS POUPANÇA-REFORMA As alterações no sistema de Segurança Social, bem como a importância da manutenção do nível de vida após a idade de aposentação, têm reforçado

Leia mais

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015

O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização. Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 O Papel da Banca no Contexto da Internacionalização Roadmap para a Internacionalização Castelo Branco 19.fevereiro.2015 2 Desafios da internacionalização Desafios Língua e Cultura Hábitos e crenças diferentes

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO

AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO CONCURSO PARA A SELEÇÃO DE ENTIDADE GESTORA DE FUNDO DE CAPITAL DE RISCO 1. Enquadramento O presente Concurso, lançado na sequência de Deliberação da Assembleia Municipal

Leia mais

Direcional Engenharia S.A.

Direcional Engenharia S.A. 1 Direcional Engenharia S.A. Relatório da Administração Exercício encerrado em 31 / 12 / 2007 Para a Direcional Engenharia S.A., o ano de 2007 foi marcado por recordes e fortes mudanças: registramos marcas

Leia mais

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras

Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras Seguros e Pensões em Portugal: Situação atual e perspetivas futuras José Figueiredo Almaça Instituto de Seguros de Portugal 21 de fevereiro de 2014 ÍNDICE 1. Principais indicadores do mercado segurador

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora. Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015

Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora. Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015 Fórum Exportador do CEDRAC O Montepio e a atividade exportadora Roadmap para a Internacionalização Guimarães 12.junho.2015 2 Montepio Parceiro no apoio à expansão do negócio das empresas Grupo Montepio

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS*

AS RELAÇÕES ECONÓMICAS PORTUGAL ANGOLA E A ESTRATÉGIA DO BANCO BIC PORTUGUÊS* ASRELAÇÕESECONÓMICASPORTUGAL ANGOLA I. ACRISEFINANCEIRAEAECONOMIAMUNDIAL EAESTRATÉGIADOBANCOBICPORTUGUÊS* Acrisecomeçounosistemafinanceiroejáatingiuaeconomiareal.O Creditcrunch estáaprovocara contracçãodoprodutonaseconomiasocidentais,reduzindoaprocuranosmercadoseaumentandoo

Leia mais

3.2 Companhias de seguros

3.2 Companhias de seguros Desenvolvimento de produtos e serviços Tendo em conta o elevado grau de concorrência dos serviços bancários, os bancos têm vindo a prestar uma vasta gama de produtos e serviços financeiros, por um lado

Leia mais

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015

Fundo Caixa Crescimento. Junho de 2015 Fundo Caixa Crescimento Junho de 2015 O que é o Capital de Risco Modalidades O Capital de Risco constitui uma forma de financiamento de longo prazo das empresas, realizado por investidores financeiros

Leia mais

apresentação corporativa

apresentação corporativa apresentação corporativa 2 Índice 1. Apresentação da BBS a) A empresa b) Evolução c) Valores d) Missão e Visão 2. Áreas de Negócio a) Estrutura de Serviços b) Accounting/Tax/Reporting c) Management & Consulting

Leia mais

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES)

CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) CÓDIGO DE GOVERNO DAS SOCIEDADES DA CMVM (RECOMENDAÇÕES) I. VOTAÇÃO E CONTROLO DA SOCIEDADE I.1. As sociedades devem incentivar os seus acionistas a participar e a votar nas assembleias gerais, designadamente

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE

ACORDO DE COOPERAÇÃO CAMBIAL ENTRE A REPÚBLICA PORTUGUESA E A REPÚBLICA DE CABO VERDE Decreto n.º 24/98 Acordo de Cooperação Cambial entre a República Portuguesa e a República de Cabo Verde e o Protocolo para o Estabelecimento da Comissão do Acordo de Cooperação Cambial Nos termos da alínea

Leia mais

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO "MELHOR SEGURADORA"

NOTÍCIAS COSEC DISTINGUIDA COMO MELHOR SEGURADORA NESTA EDIÇÃO Melhor Seguradora 1 A COSEC mais perto de si 2 Acordo COSEC e Mapfre 2 Revisão Favorável 2 Produtos COSEC 3 NOTÍCIAS Carregamento de Balanços 4 Análise COSEC 5 Nº 4. 2014 COSEC DISTINGUIDA

Leia mais

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES

ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES ISAL INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E LÍNGUAS PLANO DE ATIVIDADES 2015 2 Formar gestores e quadros técnicos superiores, preparados científica e tecnicamente para o exercício de funções na empresa

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO

O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O BANCO EUROPEU DE INVESTIMENTO O Banco Europeu de Investimento (BEI) promove os objetivos da União Europeia ao prestar financiamento a longo prazo, garantias e aconselhamento a projetos. Apoia projetos,

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO

RELATÓRIO DE EVOLUÇÃO ASF Autoridade de Supervisão de Seguros e Fundos de Pensões SUMÁRIO I PRODUÇÃO E CUSTOS COM SINISTROS 1. Análise global 2. Ramo Vida 3. Ramos Não Vida a. Acidentes de Trabalho b. Doença c. Incêndio e Outros

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Identidade, Competitividade, Responsabilidade Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Identidade, Competitividade, Responsabilidade ACORDO DE PARCERIA Consagra a política de desenvolvimento económico, social, ambiental e territorial Define

Leia mais

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos

IV JORNADAS IBERO-ATLÂNTICAS DE ESTATÍSTICAS REGIONAIS 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS. João Cadete de Matos 22 e 23 de junho de 2012 ESTATÍSTICAS FINANCEIRAS REGIONAIS João Cadete de Matos 1ª Parte Estatísticas do Banco de Portugal Estatísticas Financeiras Regionais 2 Evolução da difusão Estatística no Banco

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA

PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Grupo Parlamentar PROJECTO DE LEI N.º 390/XI/1.ª SERVIÇO UNIVERSAL DE ACESSO À INTERNET EM BANDA LARGA Exposição de motivos O acesso à internet assume hoje um papel crucial na nossa sociedade, devendo

Leia mais

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO

CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO CONVÉNIO CLUSTER DE LOGÍSTICA URBANA DE LISBOA E VALE DO TEJO ÍNDICE FINALIDADE... 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS... 3 CONSTITUIÇÃO E GOVERNÂNCIA... 4 FINANCIAMENTO... 5 RELATÓRIOS... 5 Ficha de Adesão ao CLUSTER

Leia mais

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas

As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas 30 11 2012 As Estatísticas do Banco de Portugal, a Economia e as Empresas Teodora Cardoso 1ª Conferência da Central de Balanços Porto, 13 Dezembro 2010 O Banco de Portugal e as Estatísticas O Banco de

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

Soluções de Financiamento para a Internacionalização

Soluções de Financiamento para a Internacionalização Soluções de Financiamento para a Internacionalização por João Real Pereira Internacionalização para Moçambique Oportunidades e Financiamento 15 de Março de 2012 Braga Sumário 1. O que é a SOFID? Estrutura

Leia mais

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA

3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA 3. RELATÓRIO DE GESTÃO ANÁLISE ECONÓMICA E FINANCEIRA página 3.1. Indicadores Gerais 40 3.1.1. Volume de Negócios 40 3.1.2. Valor Acrescentado Bruto 40 3.2. Capitais Próprios 41 3.3. Indicadores de Rendibilidade

Leia mais

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas

Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas 1 Estratégia ambiental dos CTT promove aumento de vendas O lançamento do portefólio Eco veio abrandar a tendência de redução de receitas e pelo terceiro

Leia mais

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios

Pequenas e Médias Empresas no Canadá. Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios Pequenas e Médias Empresas no Canadá Pequenos Negócios Conceito e Principais instituições de Apoio aos Pequenos Negócios De acordo com a nomenclatura usada pelo Ministério da Indústria do Canadá, o porte

Leia mais

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO

ECONOMIA SOCIAL PORTUGUESA: PAPEL NO PÓS-TROIKA GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO GERIR UMA FUNDAÇÃO É UM COMPROMISSO PARA O FUTURO Citação de Dr. Emílio Rui Vilar 2 Tempo de mudanças sociais Estamos no início de um século que se adivinha difícil e instável nos seus Problemas Globais

Leia mais

Federação Portuguesa de Canoagem

Federação Portuguesa de Canoagem Federação Portuguesa de Canoagem Eleições Ciclo Olímpico 2012 a 2016 Carlos Cunha de Sousa Este documento serve para apresentar a todos, as linhas orientadoras para o mandato que me proponho fazer enquanto

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS

FIT FOR A NEW ERA ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS LÍNGUA, COMÉRCIO EXTERNO E Paternoster Square Londres ECONOMIA DAS LÍNGUAS PORTUGUESA E ESPANHOLA INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PERSPECTIVAS EMPRESARIAIS Francisco Cary 19 de Maio de 2011 O Mercado dos Países

Leia mais

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Economia A 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador SABIA QUE SOMOS ÚNICOS? SOMOS ÚNICOS PORQUE O NOSSO DNA ASSIM NOS DEFINE. SOMOS ÚNICOS PORQUE CRIÁMOS UMA SOLUÇÃO SEM PRECEDENTES

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos

Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª. Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais. Exposição de motivos Projeto de Resolução N.º 204/XII/1.ª Recomenda ao Governo a manutenção da autonomia de gestão dos portos comerciais nacionais Exposição de motivos Os portos comerciais do sistema portuário nacional têm

Leia mais

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA

SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA SINDICATO DOS BANCÁRIOS DE BRASÍLIA PÚBLICA 2 Caixa, patrimônio dos brasileiros. Caixa 100% pública! O processo de abertura do capital da Caixa Econômica Federal não interessa aos trabalhadores e à população

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência. Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 I SÉRIE Quarta-feira, 26 de setembro de 2012 Número 187 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério da Educação e Ciência Portaria n.º 292-A/2012: Cria uma experiência-piloto de oferta formativa de cursos vocacionais

Leia mais

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma

Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma Grant Thornton & Associados SROC, Lda. Apresentação da Firma A nossa competência e experiência e a qualidade dos nossos serviços ao seu serviço A Grant Thornton assenta a sua estratégia no desenvolvimento

Leia mais

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador

i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador i2s THINKS CREATES AND PROVIDES Especialização absoluta no mercado segurador Especialização absoluta no mercado segurador SABIA QUE SOMOS ÚNICOS? SOMOS ÚNICOS PORQUE O NOSSO DNA ASSIM NOS DEFINE. SOMOS

Leia mais

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO

SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SEMINÁRIO: EMISSÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS E OFERTAS PÚBLICAS EM TEMPOS DE CRISE A CRISE DO SISTEMA BANCÁRIO E OS NOVOS DESENVOLVIMENTOS EM CABO VERDE; OS ANTEPROJETOS DE LEI DE BASES DO SISTEMA FINANCEIRO

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014

Plano de Atividades e Orçamento. Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento Exercício de 2014 Plano de Atividades e Orçamento para o exercício de 2014 Preâmbulo O Plano de Atividades do ano de 2014 foi elaborado de acordo com as expetativas dos

Leia mais

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS

POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS BENEFICIÁRIOS ENQUADRAMENTO E OBJETIVOS POCI Aviso n.º3/si/2015 Programa Operacional Fatores de Competitividade INOVAÇÃO PRODUTIVA O objetivo específico deste concurso consiste em conceder apoios financeiros a projetos

Leia mais

Iniciativa Move-te, faz Acontecer

Iniciativa Move-te, faz Acontecer Iniciativa Move-te, faz Acontecer Entidades Promotoras: Associação CAIS (Projecto Futebol de Rua): Fundada em 1994, a Associação CAIS tem como Missão contribuir para o melhoramento global das condições

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL

RESPONSABILIDADE SOCIAL RESPONSABILIDADE SOCIAL Instituto Português de Corporate Governance Auditório Victoria 27 de novembro 2013 Ana de Sá Leal economista Abordagem 1. Responsabilidade Social 2. Dimensão 3. Criar Valor 4. Outro

Leia mais

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial.

A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. POWERING BUSINESS QUEM SOMOS A ARTSOFT é uma empresa especializada no desenvolvimento e comercialização de soluções tecnológicas de apoio à gestão empresarial. Desde 1987 que desenvolvemos um trabalho

Leia mais

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José Fernando Figueiredo Presidente Executivo Lisboa,

Leia mais

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012

Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia SGFTC, S.A. Relatório e Contas 2012 Finantia S.G.F.T.C., S.A. Rua General Firmino Miguel, nº 5 1º 1600-100 Lisboa Matrícula na Conservatória do Registo Comercial de Lisboa e Pessoa Colectiva nº

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA

METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA METALOMECÂNICA RELATÓRIO DE CONJUNTURA 1. Indicadores e Variáveis das Empresas A indústria metalomecânica engloba os sectores de fabricação de produtos metálicos, excepto máquinas e equipamento (CAE )

Leia mais