R ELATÓRIO A NUAL 2004

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "R ELATÓRIO A NUAL 2004"

Transcrição

1 R ELATÓRIO A NUAL 2004 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE SOCIÉTÉ ANONYME 20 Boulevard Emmanuel Servais 2535 Luxemburgo Telefone: (352) Fax Direcção: (352) R.C. LUX B TVA LU

2 2

3 A expedição científica empreendida pelo Barão Maurice de Rothschild ( ) durou 15 meses, entre 1904 e Acompanhado por três cientistas e dois taxidermistas, ele partiu de França em Março de 1904, dirigindo-se ao Corno de África, que atravessou de Djibouti até Addis-Abeba, atravessando em seguida a África Oriental Inglesa. Durante esse período, identificou numerosas espécies de insectos, até então desconhecidas, e doou os seus resultados ao serviço entomológico do Museu de História Natural de Paris. Ainda hoje podem observar-se, na Galeria da Evolução do Museu, várias centenas de animais embalsamados - mamíferos e aves - legados no regresso dessa viagem. Fascinado pelo okapi, na altura recentemente descoberto, o Barão foi o primeiro a trazer para a Europa peles e esqueletos deste mamífero, com o propósito de o estudar e identificar. Na procura deste animal misterioso, ele descobriu a girafa com cinco cornos, a partir dessa altura denominada Giraffa Camelopardalis Rothschildi Lydekker. 3

4 Í NDICE 6 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração 9 Órgãos sociais do Banque Privée Edmond de Rothschild Europe 14 Mensagem do Comité Executivo 19 Relatório de gestão do Conselho de Administração à Assembleia-geral de Accionistas 30 Demonstrações financeiras Anexo às contas anuais Bidessus Rothschildi 59 Relatório dos Auditores Independentes 61 Contactos: Sede, sucursais, agências de representação e filiais, outros bancos e sociedades do Grupo LCF Rothschild 4

5 Lepidoptera 5

6 M ENSAGEM DO P RESIDENTE DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO A previsão é uma arte difícil. Especialmente, segundo consta, quando diz respeito ao futuro. É, sem dúvida, bem mais do que um simples capricho, uma vez que o estado de espírito dos investidores se detém frequentemente em capítulos já encerrados em vez de se abrir ao futuro. Esses momentos em que o passado balbucia sem conseguir articular as frases do amanhã são os melhores para se investir quando se cultiva a independência de espírito e de comportamento, como a minha linhagem familiar, e como o nosso grupo. Encontramo-nos num desses instantes privilegiados. A euforia dos anos de bolha financeira, severamente punida pela profunda crise bolsista, contabilística, económica, financeira, moral, política e militar, parece tornar inaceitável qualquer movimento de optimismo razoável. O ritmo do crescimento, o petróleo, o dólar e os défices já se encarregaram de moderar a subida dos mercados de acções e de fortalecer a aversão ao risco. O nível dos preços não reflecte devidamente a explosão dos lucros, a depuração dos balanços contabilísticos, a generosidade dos dividendos se comparada com a baixa das taxas de juro. Com a excepção dos Estados Unidos, o prémio do risco atinge valores máximos históricos. Dir-se-ía que o ambiente de fim de mundo, o famoso milenarismo, tendo poupado o ano 2000 para permitir que a festa económica e financeira se realizasse em pleno, avança agora com a sua vingança. Actualmente, o mundo está dominado pelo medo. No entanto, o cenário não é totalmente pessimista. O Médio-Oriente poderá alcançar a paz e a guerra-fria ainda não recomeçou. A recuperação económica da Rússia e da América Latina, e ainda o arranque vertiginoso da China e da Índia, inauguram uma era inédita e apaixonante. Naturalmente que esses deslocamentos tectónicos não se fazem sem ajustes industriais, bancários, monetários e políticos. Porém, tudo isso é controlável e irrelevante perante a importância daquilo que está em jogo. Até porque a redução massiva do preço de certos bens e serviços, deslocalizados porque a sua produção se tornou obsoleta em áreas com um nível de vida e de protecção elevados, origina um ganho extraordinário em termos de poder de compra para novas formas de consumo nos países ricos. E, entre elas, as novas tecnologias da informação e da comunicação, esquecidas temporariamente com o final da bolha financeira mas cujas fabulosas variantes ainda mal começaram a propagar-se pelo planeta. 6

7 Assim, na esteira de uma economia americana extremamente saudável, mais de um terço da humanidade descobre a economia moderna. E num contexto de economia globalizada, para o melhor e para o pior, trata-se de uma evolução que afecta a economia mundial no seu conjunto, as empresas e as bolsas nacionais. Não esqueçamos nunca que a participação da França ao nível da actividade, dos efectivos, dos clientes, dos lucros e mesmo do capital das empresas do CAC 40, é francamente minoritária! A prosperidade das empresas mundiais depende da prosperidade do mundo. Não se trata, por isso, apenas de uma satisfação ética ver o formigueiro asiático a sair da miséria. Trata-se também de uma perspectiva de enriquecimento suplementar para o Ocidente rico. O nosso grupo familiar defende uma cultura de prudência. Sempre procurámos, para os investidores que confiam em nós, contar com o efeito do tempo e oferecer-lhes um desempenho duradouro mais do que oportunidades rapidamente extintas. Nunca deixamos de procurar as vagas de fundo na base da espuma superficial da actividade bolsista. Estou convicto de que a vaga de fundo que conduz o mundo é brilhante. Estou persuadido de que a ansiedade e o pessimismo são apenas as sombras lançadas por um passado recente. Acredito profundamente que é necessário, antes dos outros, virar a página das dificuldades, ter confiança no futuro, estudá-lo com talento uma vez que não se assemelhará ao presente, e correr riscos sobre as novas fronteiras da criação. É com este espírito que conduzo o nosso grupo. E é esse espírito que deverá sustentar a gestão das carteiras de investimentos dos nossos clientes nos próximos anos. Barão Benjamin de Rothschild. 7

8 8

9 Ó RGÃOS SOCIAIS DO B ANQUE P RIVÉE E DMOND DE R OTHSCHILD E UROPE CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente Baron Benjamin de Rothschild Administradores John Alexander Luc Baatard Laurent Dassault Guy Grymberg Claude Messulam Frédéric Otto E. Trevor Salathé Daniel Yves Trèves José Luis de Melo de Vasconcelos e Sousa COMISSÃO EXECUTIVA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presidente Claude Messulam Membros John Alexander Luc Baatard Guy Grymberg Frédéric Otto E. Trevor Salathé José Luis de Melo de Vasconcelos e Sousa ÓRGÃO DE FISCALIZAÇÃO E AUDITOR INTERNO Director Marc Grabowski AUDITORES INDEPENDENTES PricewaterhouseCoopers S.à r.l. 9

10 Ó RGÃOS SOCIAIS DO B ANQUE P RIVÉE E DMOND DE R OTHSCHILD E UROPE COMITÉ EXECUTIVO * Presidente Vice-Presidente Vice-Presidente Vice-Presidentes e Director Geral e Director Geral e Director Central e Directores Adjunto Frédéric Otto Pierre-Marie Valenne Jean-François Lafond Benoît de Hults Geoffroy Linard COMITÉ DE DIRECÇÃO PRIVATE BANKING E GESTÃO DE ACTIVOS FINANCEIROS Presidente Vice-Presidentes Directores Frédéric Otto Pierre-Marie Valenne Marc Ambroisien Benoît de Hults Thierry de Baynast Jean-François Lafond Patrick Brebion Rudy Paulet Reginald van Leer COMITÉ DE DIRECÇÃO OIC Presidente Vice-Presidentes Directores Frédéric Otto Pierre-Marie Valenne Franck Sarrazin Jean-François Lafond Guy Verhoustraeten Geoffroy Linard COMITÉ DE DIRECÇÃO FAMILY OFFICE E DESENVOLVIMENTO COMERCIAL Presidente Vice-Presidente Directores Directores Adjuntos Frédéric Otto Pierre-Marie Valenne Marc Ambroisien Raymond Glodé Thierry de Baynast Franck Payrar Edward de Burlet Rudy Paulet Subdirectores Principais Franck Sarrazin Didier Bensadoun Guy Verhoustraeten Raphaël Delplanque * Directores acreditados junto da Comissão de Fiscalização do Sector Financeiro (CSSF) 10

11 SECRETÁRIO GERAL Luc Grégoire DIRECTORES Xavier Delattre Alain Mestat Robert Philippart Bernard Schul Pascal Delle Denis de Montigny Jean-Charles Schiltz DIRECTORES ADJUNTOS Philippe Anstett Philippe Contadin Dimitri Guillaume Jean-Luc Parmentier Paul Boeger Charles Emond Jean Heckmus Carlo Thewes Michel Catulle Claudio Fernandes Reinald Loutsch Eric van der Straten Yves Chezeaud Karl Guénard Philippe Meloni SUBDIRECTORES PRINCIPAIS Frédéric Deletombe Catherine Menzies Nathalie Plompen Philippe Visconti Jean-Louis Di Giovanni Christophe Morizot Philippe Postal David Diwan Francis Nilles Didrik van Zuylen Pascal Gilles Claude Pech Giulia Venturi SUBDIRECTORES Magali Berton Dominique Dubois Nathalie Marques Matthieu Tinti Eric Cardon de Lichtbuer Eric Feyereisen Jeremy Pearce Claude Verdin Jean-François Colson Philippe Godard Philippe Pirenne Marie-Thérèse Weber Emile Cremmer Stanislas Kervyn Alain Ravaux Guy de Spirlet Elise Lethuillier Jean-Marc Robinet Michel Delcroix Amilcar Magalhaes Ribeiro Ilan Schweizer 11

12 Ó RGÃOS SOCIAIS DO B ANQUE P RIVÉE E DMOND DE R OTHSCHILD E UROPE Sucursais no Estrangeiro BÉLGICA / BRUXELAS Director Geral Benoît de Hults Directores Marie-Claire Keyze Eric Dumoulin Marc Lallemand Alain Querton ESPANHA / MADRID Director Geral Directores Subdirectores Ignacio Bernar Elorza Angel Ochoa Crespo Eduardo Martin Ferrandiz Juan Verdaguer Rafael Martin Carlosena Antonio Morales Martin-Cobos Alvaro Sobrino de Santiago Antonio Abad Pedro Adan Pablo Torralba Agud Javier Turrado Alonso Pedro Unzueta Aldecoa 12

13 PORTUGAL / LISBOA Director Geral José Luis de Melo de Vasconcelos e Sousa Directores Bruno Scoglio de Carvalho Gonçalo de Bragança Raul Jorge Godinho dos Santos Marques Vitor Henriques Pereira Rui Daniel Rodrigues de Freitas Sousa Directores Adjuntos João Folque Antunes Luis Filipe Arruda d Orey Rui Nunes dos Santos André Filipe da Silva Reid Subdirectores Gonçalo Maleitas Correa Frederico Pinheiro Magalhaes Pratas Agências de Representação ISRAEL / TELAVIVE Director Ariel Seidman ESLOVÁQUIA / BRATISLAVA Directores Marc Ambroisien Johan Mevesen 13

14 M ENSAGEM DO C OMITÉ E XECUTIVO As nossas sociedades são confrontadas com uma dupla evolução cujas consequências podem parecer paradoxais a muitos níveis: o prolongamento da duração da vida e a exigência de prazos cada vez mais curtos em muitos domínios. Estes fenómenos influenciam directamente a vida económica, mas também a gestão financeira. Devemos relembrar todas as implicações que o prolongamento da duração da vida acarreta em termos de poupança e de consumo? No passado, apenas alguns privilegiados tinham a resistência necessária ou a sorte que lhes permitiam atingir a idade que a maioria da população consegue alcançar actualmente. Constituíam em certa medida casos excepcionais. A situação inverteu-se: normalmente vivemos melhor e durante mais tempo, o desaparecimento precoce tornou-se a excepção. As explicações para este progresso fundamental, pelo menos nos países desenvolvidos, são evidentemente a redução da mortalidade infantil, a queda do nível de malnutrição e sobretudo os extraordinários avanços da medicina e da cirurgia. Uma das consequências desta evolução é um aumento considerável das despesas de saúde. Embora seja necessário denunciar, de uma forma sistemática, determinadas confusões ou despesas inúteis, é um facto inegável que a subida vertiginosa das despesas e cuidados de saúde constitui a prova mais evidente do desenvolvimento das nossas sociedades e dos progressos alcançados. Os resultados obtidos têm esse preço e só a esse preço podem ser obtidos. Falta avaliar as consequências dessa evolução. Por um lado, as necessidades de financiamento geradas pela saúde tornam-se consideráveis, incluindo o fornecimento de serviços e de equipamentos adaptados às pessoas idosas; por outro lado, surgem novas oportunidades, nomeadamente em matéria de actividades de lazer procuradas pelos representantes mais activos dessas faixas etárias. Nesta fase, colocam-se várias questões. A primeira está ligada à duração da vida activa. Entra-se nela cada vez mais tarde devido à duração e à generalização dos estudos. Este factor, bem como a menor dureza do trabalho e o prolongamento da duração da vida, levam forçosamente a questionarmo-nos sobre a idade da reforma, salvo para determinadas categorias de trabalhadores. Com efeito, um número demasiado reduzido de elementos activos não pode financiar, de forma duradoura, as reformas de uma população cuja idade média está em aumento constante. A outra questão é a coabitação de sistemas sociais bem diferentes a nível mundial, num universo marcado pela liberdade de trocas. Para além das disparidades salariais, é difícil fazer competir produtos ou serviços de países que não têm as mesmas limitações em matéria de saúde ou de financiamento de reformas. 14

15 Estamos perante um duplo desafio no espaço e no tempo, ao qual mesmo um país como o Japão - que há muito tempo se destaca em inúmeros domínios - não consegue escapar. Este desafio é económico e social, mas é também financeiro. O debate não pode limitar-se a questões do tipo reforma por repartição ou por capitalização. Sem dúvida que a repartição financiada por uma percentagem cada vez mais fraca de elementos activos não é a panaceia universal, apreciada por alguns, mas a capitalização também se arrisca a ter de se adaptar a esta nova realidade. Agora o mundo industrial vive segundo fluxos agilizados; quanto aos mercados financeiros impõem a sua lógica de retorno sobre o investimento rápido, perfeitamente compreensível mas muitas vezes incompatível com as exigências dos ciclos de pesquisa ou de implementação de instalações pesadas. Podemos constatar isso mesmo no domínio da energia, fundamental para o crescimento mundial. Também no domínio do nuclear, os prazos importantes concedidos às investigações paradoxalmente eram melhor aceites há alguns anos atrás do que actualmente. Da mesma forma, tal como salientam todos os especialistas, se nos confrontamos actualmente com preços de petróleo tão elevados, é mais devido à falta de investimentos, a todos os níveis, provocando a ocorrência de pontos de estrangulamento, do que devido a uma situação de verdadeira escassez. Seria desejável levar os mercados de capitais considerados de risco a aceitarem uma duração de investimento mais longa. Esse objectivo será realista? O prolongamento dos prazos de vencimento e a emissão de empréstimos a cinquenta anos, que dão resposta a uma procura por parte dos tomadores de empréstimos e de determinados investidores, poderão constituir uma evolução favorável a este nível. Mas não deixa de ser verdade que essa duração não conseguiria resolver os inúmeros problemas que podem apresentar-se ou surgir durante meio século. No entanto, iremos ter de implementar rapidamente estruturas que assegurem um crescimento harmonioso para uma população mundial em aumento constante, tanto devido à importância da natalidade em certos países do mundo como devido ao envelhecimento noutros países. Essas estruturas implicam grandes investimentos, nomeadamente em matéria de energia, para respeitar o ambiente. O seu financiamento irá impor certamente mudanças de mentalidade mas irá necessitar também de inovações nos nossos sectores de actividade. Da nossa capacidade de aceitar e vencer estes desafios depende em grande medida o destino das gerações futuras que terão, elas também, novas exigências de desenvolvimento. O Comité Executivo. 15

16 orthoptera 16

17 homoptera 17

18 18

19 R ELATÓRIO DE G ESTÃO DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO À A SSEMBLEIA- GERAL DE A CCIONISTAS A CONJUNTURA ECONÓMICA E BOLSISTA EM 2004 Em 2004, a economia mundial conheceu a taxa de crescimento mais elevada desde 1988, com os Estados Unidos da América e a China a apresentarem-se como as principais figuras dessa expansão. A economia americana atravessou uma fase de transição, evoluindo de uma retoma decorrente de um policy-mix fiscal e monetário excepcionalmente transigente para um crescimento doravante auto-sustentado. A China tentou estabilizar o seu ciclo de expansão num nível elevado, levando consigo as principais economias da Ásia, incluindo a do Japão. Já o crescimento económico da União Europeia alargada a 25 países manteve o seu atraso relativamente ao dos EUA e da Ásia, com os melhores níveis de desempenho conjunturais a verificarem-se nos países situados na sua periferia. Nos EUA, verificou-se uma subida de 4% do PIB real. A recuperação gradual do mercado de emprego prosseguiu, acompanhada por uma renovação da confiança dos consumidores. A procura privada manteve-se sustentada por benefícios fiscais, por uma política monetária particularmente transigente e pela manutenção favorável dos preços do mercado imobiliário. No entanto, esta expansão económica teve o seu preço, já que foi conseguida à custa da degradação do défice corrente e do desvio do saldo orçamental. Por fim, partindo de taxas de fundos Fed no nível mais baixo dos últimos 45 anos e de taxas reais a curto prazo negativas, a Reserva Federal norte-americana (FED) iniciou um novo ciclo de consolidação monetária, aumentando as taxas de juro directoras de 1% para 2,25%, de Junho a Dezembro. A zona euro, por seu lado, apresentou um crescimento modesto (1,9%) em 2004, motivado essencialmente pela melhoria da conjuntura internacional. A procura interna permaneceu fraca, com os custos de investimento a progredir de forma média e a taxa de desemprego a estabilizar num nível elevado. O Banco Central Europeu (BCE) manteve as taxas de juro directoras inalteradas (a 2%) face aos níveis de crescimento e de inflação heterogéneos no seio da União Europeia. Enquanto a subida do preço do petróleo fez subir o índice dos preços no consumidor acima do limite de estabilidade de preços definido pelo BCE (2%), a inflação subjacente (excluindo energia) conheceu uma evolução mais moderada. Por último, as contas públicas dos países da União Europeia continuaram a aumentar e foram vários os países que não conseguiram respeitar os critérios fixados pelo Pacto de Estabilidade e de Crescimento. O vigor da expansão americana e o dinamismo do crescimento chinês permitiram uma aceleração da retoma económica no Japão, no início de 2004, amplamente sustentada pelo investimento e pelas exportações. Giraffa camelopardalis rothschildi Lydekker 19

20 R ELATÓRIO DE G ESTÃO DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO À A SSEMBLEIA- GERAL DE A CCIONISTAS Por outro lado, o consumo privado desceu perante a evolução fraca dos salários e a persistência de tensões deflacionárias. O contexto internacional extremamente competitivo (China), com capacidades de produção inutilizadas, permitiu conter as tensões inflacionistas. Por último, a credibilidade dos bancos centrais em matéria de luta contra a inflação, conquistada ao longo dos últimos vinte anos, travou as previsões de inflação. Embora 2004 tenha sido, em termos globais, um ano positivo para os mercados obrigacionistas, as taxas de rendimento a longo prazo viveram diversas mudanças de tendência, reflectindo as incertezas dos investidores perante as perspectivas de crescimento económico e os riscos de inflação. Estas preocupações acabaram por provocar um flight to quality em relação aos mercados obrigacionistas, resultando numa queda significativa das taxas a longo prazo. As taxas dos Títulos do Tesouro norte-americanos a 10 anos passaram de 4,9% (em Junho) para 4,2% (no final do ano). Este nível é, em geral, considerado inferior ao nível fair-value fundamental, avaliado em 4,8%, devendo-se esta diferença à reciclagem por parte dos bancos centrais dos países asiáticos dos excedentes de poupança estruturais (resultante da sua política cambial) em relação à dívida pública norte-americana. As taxas de longo prazo norte-americanas seguiram a tendência do mercado obrigacionista norteamericano, antes de se afastarem do mesmo a partir de Outubro, devido ao sub-desempenho conjuntural da União Europeia, ao status quo da política monetária do BCE e à firmeza do euro. Por último, o nível reduzido das taxas obrigacionistas governamentais beneficiou com as obrigações privadas e com as obrigações dos mercados emergentes que atraíram capitais em busca de um rendimento mais elevado. Até ao final de Outubro, os investidores privilegiaram os investimentos obrigacionistas, mantendo-se prudentes em relação aos mercados de acções. Esta atitude mudou ao longo do último trimestre, fazendo-se sentir uma nova apetência pelo risco. Em resumo, após um começo encorajador no início de 2004, surgiu uma longa fase de consolidação nos mercados bolsistas, os quais sofreram com a desconfiança dos investidores em relação à política monetária da FED e com a subida acentuada do preço do petróleo. Os principais índices bolsistas europeus e norteamericanos conheceram o seu nível mais baixo do ano no mês de Agosto, antes de recuperarem a um ritmo hesitante até Outubro. Nessa altura, verificou-se uma subida acelerada na sequência da queda do preço do petróleo e das eleições presidenciais norte-americanas no início de Novembro. 20

21 No final de Dezembro, os principais índices bolsistas norte-americanos e europeus fecharam atingindo o nível mais elevado do ano. O índice Standard & Poor s 500 apresentou uma subida de 9% (em dólares) e o índice DJ Euro Stoxx 50 de 7%, apesar da nova subida do euro. No mercado cambial, a moeda europeia manteve a sua evolução ascendente iniciada em Em 31 de Dezembro de 2004, o euro atingiu os 1,36 relativamente ao dólar norte-americano, ou seja, o seu nível mais elevado desde o lançamento da moeda europeia. A evolução da taxa de câmbio EUR/USD traduz, sobretudo, a fraqueza do dólar que continua a sofrer com um conjunto de factores desfavoráveis, tais como o aumento dos défices orçamental e corrente, um diferencial das taxas de juro reais negativas e tensões geopolíticas persistentes. Por último, o ouro e os metais preciosos mantiveram a subida iniciada em 2003, com o preço da onça de ouro a aumentar 5,5% (em dólares). Com efeito, um policy-mix fiscal e monetário sem precedentes na história norte-americana acentuou a queda do dólar e suscitou a nova subida do preço do ouro. Paralelamente a essa evolução, os preços das matérias-primas dispararam, sustentados pelo vigor do crescimento económico mundial, em particular da economia chinesa. O NOSSO DESENVOLVIMENTO No relatório de gestão de 2003, referimos novos projectos destinados a gerar um desenvolvimento positivo das nossas actividades. O esforço comercial no sentido de uma conquista de novos clientes continuava a ser a pedra basilar para cada uma das nossas actividades e sublinhámos a expectativa de desenvolvimento das nossas sucursais em Espanha, em Portugal e na Bélgica. A conjuntura de investimento incerta dos mercados financeiros levava-nos naturalmente a uma certa prudência, devendo as bolsas contar com um ano de transição. Neste contexto, o Banco conseguiu obter em 2004 um resultado positivo, que se traduziu num resultado líquido de , um aumento de 18%. Apesar da evolução volátil dos mercados financeiros, as receitas progrediram de forma satisfatória. Os custos sofreram um aumento, devido ao reforço necessário das equipas e dos meios de produção indispensáveis para apoiar o profissionalismo dos serviços disponibilizados aos nossos clientes. A satisfação dos clientes continua a ser o objectivo primordial das nossas actividades basilares: Clientela Privada e Gestão Patrimonial e Banco Depositário e Agente Administrativo de Organismos de Investimento Colectivo. A actividade de Family Office combina regularmente as competências desenvolvidas no seio das equipas de Private Banking, de Banco Depositário 21

22 R ELATÓRIO DE G ESTÃO DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO À A SSEMBLEIA- GERAL DE A CCIONISTAS e de Agente Administrativo de Organismos de Investimento Colectivo, de engenharia patrimonial e da rede do Groupe LCF Rothschild, em projectos propostos aos nossos clientes para melhor satisfazer os seus requisitos e necessidades. Os clientes continuam receptivos à nossa abordagem onde primam a proximidade, atenção e originalidade das soluções propostas. A evolução significativa da conservação de capitais confiados pelos nossos clientes (particulares ou institucionais de renome) é o melhor testemunho da eficácia da nossa acção. A presença do Banco no estrangeiro continua a desenvolver-se de forma significativa em Espanha, em Portugal e na Bélgica, em universos muito competitivos. Para além do escritório de representação já existente em Telavive, abrimos um segundo escritório de representação em Bratislava, na Eslováquia, um posto de observação para os mercados da Europa oriental, que deverão conhecer desenvolvimentos importantes após a sua adesão à União Europeia, em Maio de Este desenvolvimento baseia-se, necessariamente, numa organização administrativa eficaz. Por conseguinte, são efectuados regularmente investimentos significativos com o objectivo de reforçar as nossas equipas administrativas e de disponibilizar infra-estruturas à altura das necessidades inerentes à nossa actividade. Por esse motivo, adquirimos diversos imóveis no Luxemburgo destinados a acolher os nossos colaboradores, cujo número observou um crescimento significativo. COMENTÁRIOS ÀS CONTAS ANUAIS O relatório de 2004 evidencia a boa saúde financeira do Banco, sublinhada pela leitura dos números-chave das contas anuais. BALANÇO A 31 de Dezembro de 2004, o total do balanço atingiu , em comparação com , a 31 de Dezembro de No que diz respeito ao activo, os créditos a instituições bancárias ascendem a , numa redução de 6% e constituindo 82% do total do balanço, enquanto os créditos de clientes atingiram com um aumento de 43%. No que diz respeito ao passivo, os depósitos e contas correntes dos clientes atingem , ou seja 70% do total do balanço, em comparação com, respectivamente, e 71% em As responsabilidades para com os bancos totalizam , um aumento de 2%, ou seja 25% do balanço. 22

23 Para fazer face ao desenvolvimento contínuo dos negócios, o Banco dispunha, a 31 de Dezembro de 2004, de em capitais próprios, mantendo-se o capital social em RESULTADOS Os proveitos As receitas cresceram 29% em relação ao exercício social de Esta variação deve-se principalmente ao fraco crescimento dos volumes de transacções, apesar do aumento dos bens e valores confiados pelos nossos clientes. Os custos Os custos gerais de exploração mantêm-se controlados, com um aumento de 21%, devido principalmente a custos directamente relacionados com a aquisição de clientes, o crescimento sustentado da actividade, o aumento indispensável de pessoal e os encargos gerados pelo desenvolvimento das nossas sucursais. Os custos com o pessoal aumentam 23%, situando-se em , e representam 69% do total dos custos gerais de exploração. Os outros gastos administrativos ascendem a , acusando um crescimento de 16%. Resultado líquido O resultado líquido do exercício, após impostos e provisões, fixa-se em , crescendo 18% e mantendo uma rendibilidade dos capitais próprios de 27%. No entanto, este resultado inclui custos relevantes, relacionados com o desenvolvimento das sucursais da Bélgica, de Espanha e de Portugal, despesas que representam investimentos a longo prazo para o Banco. Em termos comparativos, excluindo o peso relativo das sucursais, o resultado líquido seria de Omophron Rothschildi 23

24 R ELATÓRIO DE G ESTÃO DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO À A SSEMBLEIA- GERAL DE A CCIONISTAS NÚMEROS-CHAVE (em milhões de euros) Balanço / 2003 Capitais próprios após distribuição (fundos para riscos bancários gerais e rubricas especiais com uma quota-parte de reserva, não incluídos) % Total do Balanço antes da distribuição Demonstração de resultados Resultado das operações de juros Resultado das operações de comissões e de prestações de serviços % Resultado proveniente de operações financeiras % Resultado de valores mobiliários % Outros produtos de exploração 4 5 (20%) Custos de exploração (custos com o pessoal, outros custos gerais e outros gastos administrativos) % Lucro de exploração % Lucros do exercício (após impostos, provisões e amortizações) % Efectivos no fim do ano (sucursais incluídas) Rendibilidade Rendibilidade dos capitais próprios (em %) Lucro após impostos (provisões fixas e provisões extraordinárias não incluídas) / média dos capitais próprios após distribuição 27% 25% Giraffa reticulata de Winton 24

25 25

26 R ELATÓRIO DE G ESTÃO DO C ONSELHO DE A DMINISTRAÇÃO À A SSEMBLEIA- GERAL DE A CCIONISTAS OBJECTIVOS E ESTRATÉGIAS EM MATÉRIA DE GESTÃO DE RISCO A gestão de risco do Banco respeita rigorosamente o quadro das políticas de risco definidas ao nível do Grupo pela casa mãe. Em conformidade com essa política, o Banco garante uma gestão do risco através de um quadro compreensivo de princípios, uma estrutura organizacional, limites e procedimentos estreitamente ligados às actividades do Banco e à natureza dos riscos. A nota 3 do Anexo às contas anuais contém uma informação mais completa sobre os objectivos e estratégias em matéria de gestão dos riscos a que o Banco tem de fazer face. ACONTECIMENTOS SUBSEQUENTES AO FECHO DO EXERCÍCIO PERSPECTIVAS Neste início de 2005, a conjuntura de investimento dos mercados financeiros continua incerta e incita à mais elementar prudência. O Banco inicia este novo exercício com uma confiança e um dinamismo intactos e com novos projectos susceptíveis de gerar um desenvolvimento importante das nossas actividades. O esforço de aquisição de clientes continuará a ser a palavra de ordem em cada um dos nossos segmentos de actividade. No estrangeiro, a atenção manter-se-á voltada para o desenvolvimento das nossas sucursais em Espanha, em Portugal e na Bélgica, sem esquecer uma atenção especial aos mercados que representam os dez novos países membros da União Europeia. A 1 de Janeiro de 2005, a actividade de domiciliação de sociedades e as respectivas equipas da nossa filial LCF Edmond de Rothschild Conseil foram integradas no nosso Banco. Não ocorreu qualquer outro acontecimento que pudesse lesar a rentabilidade do Banco ou aumentar a sua exposição aos riscos. Mantendo um rigoroso controlo de custos, o desenvolvimento contínuo das nossas actividades exige uma melhoria constante da qualidade da prestação de serviços, bem como investimentos significativos para a apoiar. 26

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação;

a) Firma e sede das empresas associadas a empresas incluídas na consolidação; 14.5 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS I - Informações relativas às empresas incluídas na consolidação e a outras 1. Relativamente às empresas incluídas na consolidação a)

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI)

Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) Informações Fundamentais Destinadas aos Investidores (IFI) O presente documento fornece as informações fundamentais destinadas aos investidores sobre este Fundo. Não é material promocional. Estas informações

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008

FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria. Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva. Ano Lectivo 2007/2008 Mestrado em Ciências Actuarias FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1. A Gestão da Tesouraria Autor: Prof. Doutor Carlos Pereira da Silva Ano Lectivo 2007/2008 1 3. A FUNÇÃO FINANCEIRA DAS SEGURADORAS 3.1.

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 8.2 - NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excecionais, devidamente fundamentados e sem

Leia mais

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31

O processo de criação de moeda. 1. Conceitos básicos 31 Índice LISTA DE SÍMBOLOS 17 PREFÁCIO 23 INTRODUÇÃO 25 Capítulo 1 O processo de criação de moeda 1. Conceitos básicos 31 1.1. Moeda e outros activos de uma economia 31 1.2. Sector monetário de uma economia

Leia mais

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21

DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 DC21 - Contabilização dos Efeitos da Introdução do Euro (1) Directriz Contabilística nº 21 Dezembro de 1997 Índice 1. Introdução do Euro 2. Preparação e Apresentação das Demonstrações Financeiras 3. Definições

Leia mais

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março

AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Publicado no Diário da República, I.ª Série, n.º 60, de 28 de Março AVISO N.º 03/2012 de 28 de Março Havendo necessidade de regulamentar a concessão e a classificação das operações de créditos pelas instituições

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Futuros PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida Existência de comissões Possibilidade de exigência

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 2009.12.31 00 - Introdução a) Objecto social e identificação da Empresa HABECE Cooperativa de Habitação e Construção de Cedofeita, Crl., tem por objecto a construção ou a sua promoção e a aquisição de fogos para

Leia mais

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras

NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras NCRF 1 Estrutura e conteúdo das demonstrações financeiras Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 1 - Apresentação de Demonstrações Financeiras,

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado EUR/USD No Touch Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (191 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2.1 - Princípios Contabilísticos Na contabilidade autarca é necessário cumprir um conjunto de princípios contabilísticos, de modo a obter uma imagem

Leia mais

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 8.2 NOTAS AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Designação da Entidade: CÂMARA MUNICIPAL DE ODIVELAS Gerência de 1 de Janeiro a 31 de Dezembro de 2006 8.2.1 Não se aplica. 8.2.2 Os conteúdos das contas

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA. Objectivo ( 1) 2 Âmbito ( 2) 2 Definições ( 3 a 6) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 2 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro tem por base a Norma Internacional de Contabilidade IAS 7 Demonstrações de

Leia mais

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente. Designação Classificação Depósito Indexado USD 6 meses Produto Financeiro Complexo Depósito Indexado Depósito Indexado, denominado em Euros, pelo prazo de 6 meses (178 dias), não mobilizável antecipadamente.

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS A Penafiel Verde, E.M. é uma empresa municipal, com sede em Penafiel, constituída em Maio de 2006 e que tem como actividades principais a gestão e exploração

Leia mais

CNC CNC COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 1. INTRODUÇÃO DO EURO

CNC CNC COMISSÃO DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 1. INTRODUÇÃO DO EURO DIRECTRIZ CONTABILÍSTICA Nº21 CONTABILIZAÇÃO DOS EFEITOS DA INTRODUÇÃO DO EURO INDICE 1. INTRODUÇÃO DO EURO 1 2. PREPARAÇÃO E APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 3 3. DEFINIÇÕES 3 4. EFEITOS DA

Leia mais

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA

ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA CONTAS ANO DE 2010 BALANÇO DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS DE CAIXA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE PARAQUEDISMO RUA DA UNIDADE, 9 7000-719

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO

Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Companhia de Seguros Açoreana, S.A. PROSPECTO INFORMATIVO INVESTSEGURO Dezembro de 2004 1/6 Parte I Informações sobre a empresa de seguros 1. Denominação ou firma da empresa de seguros: Companhia de Seguros

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados

Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Anexo ao Balanço e à Demonstração dos Resultados Introdução EXERCÍCIO DE 2009 A Empresa «ANTONIO MARQUES, CORRETOR DE SEGUROS EIRL» tem sede na Rua António José Baptista, n.º 16 2.º Dto., em Setúbal, foi

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS.

Assim, integram a Categoria E os rendimentos de capitais, enumerados no artigo 5.º do CIRS. CATEGORIA E RENDIMENTOS DE CAPITAIS Definem-se rendimentos de capitais, todos os frutos e demais vantagens económicas, qualquer que seja a sua natureza ou denominação, pecuniários ou em espécie, procedentes,

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004

PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 PROSPECTO SIMPLIFICADO (actualizado a 31 de Dezembro de 2008) Designação: Liberty PPR Data início de comercialização: 19 de Abril de 2004 Empresa de Seguros Entidades comercializadoras Autoridades de Supervisão

Leia mais

Enquadramento Página 1

Enquadramento Página 1 No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições") neste processo

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

Fundação Denise Lester

Fundação Denise Lester Relatório e Contas 2010 Fundação Denise Lester Fundação Denise Lester 1/14 Balanço ACTIVO Notas Exercício findo a 31/12/2010 Exercício findo a 31/12/2009 Activo não corrente Activos fixos tangíveis 2.291.289,31

Leia mais

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001

INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA e Grupo Banif Consolidado INFORMAÇÃO TRIMESTRAL relativa à actividade desenvolvida durante o 1º TRIMESTRE DE 2001 Banif - Banco Internacional do Funchal, SA Sociedade

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

Assembleia Popular Nacional

Assembleia Popular Nacional REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Assembleia Popular Nacional Lei n.º 2/88 Manda executar o Orçamento para o ano de 1988 A Assembleia Popular Nacional, usando da faculdade conferida pela alínea

Leia mais

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23

Índice PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 introdução 7 Índice NOTA PRÉVIA À 2ª EDIÇÃO 19 PREFÁCIO 21 INTRODUÇÃO 23 PARTE A ENQUADRAMENTO DA ACTIVIDADE FINANCEIRA Capítulo 1 INTRODUÇÃO À ACTIVIDADE FINANCEIRA 1. Evolução da actividade bancária

Leia mais

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA

ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DEFIR ANGOLA ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS ANO : 2012 1 - Actividade 1.1 Breve descrição das actividades da empresa ÍNDICE 2 - Bases de preparação das demonstrações financeiras e derrogações 2.1 Bases de apresentação

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1

RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 COMUNICADO Página 1 / 9 RESULTADOS CONSOLIDADOS A 30 DE JUNHO DE 2005 1 09 de Setembro de 2005 (Os valores apresentados neste comunicado reportam-se ao primeiro semestre de 2005, a não ser quando especificado

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014)

SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) SINAIS POSITIVOS TOP 20 (atualizado a 10JUL2014) 1. Taxa de Desemprego O desemprego desceu para 14,3% em maio, o que representa um recuo de 2,6% em relação a maio de 2013. Esta é a segunda maior variação

Leia mais

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.

SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS SERVIÇOS MUNICIPALIZADOS DE ÁGUA E SANEAMENTO DE VISEU Rua Conselheiro Afonso de Melo 3510-024 VISEU N.º de Identificação Fiscal 680.020.063 NOTAS AO BALANÇO E A DEMONSTRAÇÃO

Leia mais

Aviso n. o 006/2014-AMCM

Aviso n. o 006/2014-AMCM Aviso n. o 006/2014-AMCM ASSUNTO: UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS DERIVADOS NOS FUNDOS DE PENSÕES De acordo com o disposto no n. o 6 do aviso n. o 006/2013-AMCM, de 10 de Janeiro, os instrumentos derivados, tais

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

Contabilidade Financeira II 2008/2009

Contabilidade Financeira II 2008/2009 Contabilidade Financeira II 2008/2009 Capital Próprio CAPITAL PRÓPRIO Conceitos Gerais Aplicação de resultados Valor nominal, contabilístico e de mercado Demonstração das Alterações do C.P. Aumentos de

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1)

Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Prospecto Informativo Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1) Março de 2011 Designação: Invest Oportunidades Mundiais (Ser. 11/1). Classificação: Caracterização do Produto: Garantia de Capital: Garantia

Leia mais

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados

Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados Anexo ao balanço e à Demonstração de Resultados 8.2 Notas ao balanço e à demonstração de Resultados 8.2.1 Indicação e justificação das disposições do POCAL que, em casos excepcionais devidamente fundamentados

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010

ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 ANEXO PE, EXERCÍCIO ECONÓMICO DE 2010 1 Identificação da entidade 1.1 Designação da entidade APOTEC Associação Portuguesa de Técnicos de Contabilidade 1.2 Sede Rua Rodrigues Sampaio, 50-3º-Esq. 1169-029

Leia mais

. VALORES MOBILIÁRIOS

. VALORES MOBILIÁRIOS . VALORES 2.. V MOBILIÁRIOS 2. Valores Mobiliários O QUE SÃO VALORES MOBILIÁRIOS? Valores mobiliários são documentos emitidos por empresas ou outras entidades, em grande quantidade, que representam direitos

Leia mais

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado.

O valor da remuneração do Depósito Indexado não poderá ser inferior a 0%. O Depósito garante na Data de Vencimento a totalidade do capital aplicado. Designação Depósito Indexado PSI 20 Classificação Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de Remuneração Factores de Risco Instrumentos ou variáveis subjacentes ou associados Perfil de cliente

Leia mais

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008

PORTUGAL Economic Outlook. Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 PORTUGAL Economic Outlook Carlos Almeida Andrade Chief Economist Julho 2008 Portugal: Adaptação a um novo ambiente económico global A economia portuguesa enfrenta o impacto de um ambiente externo difícil,

Leia mais

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA

CONTABILIDADE FINANCEIRA AVANÇADA Exame Época Normal 04 de Julho de 0 Duração: H 00M Deve identificar-se nesta folha de prova, indicando o nome completo, número de matrícula e turma em que se encontra inscrito(a). As opções de resposta

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo

Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Mercado de Capitais e Investimento de Longo Prazo Alguns Tópicos Essenciais Dia da Formação Financeira 31 de Outubro de 2012 Abel Sequeira Ferreira, Director Executivo Outubro, 31, 2012 Crescimento Económico

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Anexo à Instrução 11/96

Anexo à Instrução 11/96 Anexo à Instrução 11/96 SOCIEDADES CORRETORAS Sociedade... SITUAÇÃO ANALÍTICA EM / / SALDOS DEVEDORES 10 - CAIXA VALORES (em contos) 11 - DEPÓSITOS À ORDEM NO BANCO DE PORTUGAL 12 - DISPONIBILIDADES SOBRE

Leia mais

- Reforma do Tesouro Público

- Reforma do Tesouro Público - Reforma do Tesouro Público Em Novembro de 1997 foram definidas as opções estratégicas do Ministério das Finanças para a adopção da moeda Única ao nível da Administração Financeira do Estado. Estas opções,

Leia mais

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference

Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference Contratos Diferenciais CFDs: Contracts For Difference PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO ADVERTÊNCIA AO INVESTIDOR Risco de perda súbita total, superior ou parcial do capital investido Remuneração não garantida

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS relativo às contas individuais do exercício de dois mil e quatro, do Conselho Geral da Ordem dos Advogados, pessoa colectiva de direito público nº 500 965

Leia mais

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007

Informação complementar ao Relatório de Governo das Sociedades referente ao Exercício de 2007 BANIF SGPS S.A. Sociedade Aberta Matriculada na Conservatória do Registo Comercial do Funchal Sede Social: Rua de João Tavira, 30, 9004 509 Funchal Capital Social: 250.000.000 Euros * Número único de matrícula

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007

ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2007 NOTA INTRODUTÓRIA A RUMO 2020, E.M. é uma empresa pública de âmbito municipal constituída em 16 de Outubro de 2006. Tem a sua

Leia mais

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010

ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS. Exercício 2010 ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS Exercício 2010 NOTA INTRODUTÓRIA FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE TIRO é uma instituição de utilidade pública, sem fins lucrativos, com sede em Lisboa na Rua Luís Derouet

Leia mais

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas...

ÍNDICE. NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... ÍNDICE PREFÁCIO... 2 NOTAS EXPLICATIVAS Metodológica e Fontes Estatísticas.. 3 Conceitos...3 Sinais Convencionais... 6 Siglas e Abreviaturas... 6 ANÁLISE DE RESULTADOS Situação Global... 7 Conta Corrente...

Leia mais

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS

19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS CONSOLIDADAS 19.1. INFORMAÇÕES RELATIVAS ÀS ENTIDADES INCLUÍDAS NA CONSOLIDAÇÃO a) O perímetro de consolidação do Município de Pombal integra as seguintes entidades:

Leia mais

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário;

Parte I: As modalidades de aplicação e de acompanhamento do Código voluntário; ACORDO EUROPEU SOBRE UM CÓDIGO DE CONDUTA VOLUNTÁRIO SOBRE AS INFORMAÇÕES A PRESTAR ANTES DA CELEBRAÇÃO DE CONTRATOS DE EMPRÉSTIMO À HABITAÇÃO ( ACORDO ) O presente Acordo foi negociado e adoptado pelas

Leia mais

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC

CÓDIGO DE CONTAS DO SNC CÓDIGO DE CONTAS DO SNC 1 MEIOS FINANCEIROS LÍQUIDOS 11 Caixa 12 Depósitos à ordem 13 Outros depósitos bancários 14 Outros instrumentos financeiros 141 Derivados 1411 Potencialmente favoráveis 1412 Potencialmente

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação.

EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA. Galp Energia, SGPS, S.A. Euro. 100.000 (cem mil euros) por Obrigação. EMPRÉSTIMO OBRIGACIONISTA GALP ENERGIA 2013/2018 FICHA TÉCNICA ENTIDADE EMITENTE: MODALIDADE: MOEDA: MONTANTE DA EMISSÃO: REPRESENTAÇÃO: VALOR NOMINAL: PREÇO DE SUBSCRIÇÃO: Galp Energia, SGPS, S.A. Emissão

Leia mais

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados

Notas ao Balanço e à Demonstração de Resultados consolidados ANEXO AO BALANÇO E DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS CONSOLIDADOS NOTA INTRODUTÓRIA A Lei nº 2/2007, de 15 de Janeiro (Lei das Finanças Locais), dispõe no seu Artigo 46.º o seguinte: «1 - Sem prejuízo dos documentos

Leia mais

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS

CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS Anexo à Instrução nº 4/96 CLASSE 9 CONTAS EXTRAPATRIMONIAIS As contas desta classe registam as responsabilidades ou compromissos assumidos pela instituição ou por terceiros perante esta e que não estão

Leia mais

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO

ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO 1 ORGANISMOS DE INVESTIMENTO COLETIVO Regulamento n.º [ ] / 2014 Preâmbulo Inserido no contexto da reforma legislativa em curso no Direito dos valores mobiliários cabo-verdiano, o presente regulamento

Leia mais

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013

newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 newsletter Nº 82 NOVEMBRO / 2013 Assuntos em Destaque Resumo Fiscal/Legal Outubro de 2013 2 Contabilização dos Subsídios do Governo e Divulgação de Apoios do Governo 3 Revisores e Auditores 7 LEGISLAÇÃO

Leia mais

Código de Conduta Voluntário

Código de Conduta Voluntário O Banif, SA, ao formalizar a sua adesão ao Código de Conduta Voluntário do crédito à habitação, no âmbito da Federação Hipotecária Europeia, e de acordo com as recomendações da Comissão Europeia e do Banco

Leia mais

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de

F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro (Administrado pelo Banco Safra S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de F.Q.S. DI - Fundo de Aplicação em Quotas de Fundos de Investimento Financeiro Demonstrações financeiras em 31 de março de 2004 e de 2003 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes

Leia mais

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício

IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os custos correntes do exercício Anexo à Instrução nº 5/96 IV.2 - LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 7 CUSTOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os custos correntes do exercício 70 - JUROS E CUSTOS EQUIPARADOS 703 - Juros de recursos

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens

Acções. Amortização. Autofinanciamento. Bens Palavra Acções Significado Títulos que representam uma parte ou fracção de uma sociedade anónima e que dão ao seu proprietário o direito à parcela correspondente de votos, lucros líquidos e activos da

Leia mais

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem

Ficha de Informação Normalizada para Depósitos Depósitos à Ordem Designação Condições de Acesso Modalidade Meios de Movimentação Conta Completa Clientes Particulares, maiores de 18 anos, que sejam trabalhadores por conta de outrem e que aceitem domiciliar ou transferir,

Leia mais

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5

ORA newsletter. Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 Assuntos Resumo Fiscal/Legal Junho de 2010 1 IVA Alteração das Taxas Reduzida, Intermédia e Normal 2 Revisores e Auditores 5 LEGISLAÇÃO FISCAL/LEGAL JUNHO DE 2010 Ministério da Economia, da Inovação e

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA

RELATÓRIO E CONTAS 2010 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 6 ANÁLISE ECONÓMICO - FINANCEIRA 1 ANÁLISE DO BALANÇO O Balanço e o Sistema Contabilístico adequam-se ao previsto no Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais (POCAL), espelhando a situação

Leia mais

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO

1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 1. INFORMAÇÃO SOBRE A EMPRESA DE SEGUROS 2. ENTIDADES COMERCIALIZADORAS 3. AUTORIDADES DE SUPERVISAO 4. RECLAMAÇÕES 5. DURAÇÃO DO CONTRATO 6. RISCO DE 7. PRINCIPAIS RISCOS DO PRODUTO PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais