Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho"

Transcrição

1 Infiniband: Alta eficiência no tratamento de grandes volumes de dados e na computação numérica de alto desempenho Rodrigo da Rosa Righi (UFRGS) Diego Luís Kreutz (UFSM) Márcia Cristina Cera (UFSM) Cleverton Marlon Possani (UFSM) Marcelo Pasin (UFSM) Philippe Olivier Alexandre Navaux (UFRGS) Resumo Dentro da engenharia de produção, os meios e as tecnologias para acesso aos dados e a análise numérica computacional em redes especializadas são assuntos relevantes para aumentar a produtividade de um sistema. Nesse contexto, foi criada a arquitetura de interconexão Infiniband, com o intuito de proporcionar alto desempenho na comunicação entre computadores e melhorar a capacidade de gerência de recursos em uma organização. Esse artigo propõe as utilizações da tecnologia Infiniband em duas áreas da engenharia de produção que demandam alto desempenho de processamento de dados: a computação numérica e o processamento de grandes volumes de dados. Palavras chave: Alto desempenho, Infiniband, Volume de dados, Computação numérica. 1. Introdução A utilização de ambientes de processamento como centros de dados e redes de alta velocidade para automatizar o acesso a informação é cada vez mais freqüente. Centros de dados e redes de alta velocidade são compostos por um conjunto de máquinas que necessitam se comunicar para trocar dados, o que é realizado através da rede de interconexão. Na maioria das vezes, o tempo necessário para que se realize esta comunicação é muito grande e, assim, acaba comprometendo o tempo final das aplicações que executam sobre este tipo de ambiente (WIL- KINSON, 1999). Com isso, foram projetadas tecnologias de comunicação com alto desempenho capazes de proporcionar um tráfego de dados de alta velocidade, um aumento da produtividade e uma melhor administração das informações e dos equipamentos da rede (MELLA- NOX, 2000). Nesse contexto, foi desenvolvida, em 1999, a especificação da Arquitetura de Infiniband, ou IBA (Infiniband Architecture), com o intuito de padronizar uma série de tecnologias de comunicação de alto desempenho que são utilizadas em redes de computadores (Infiniband Trade Association, 2002). IBA proporciona alta eficiência no gerenciamento de grandes volumes de informações e de equipamentos de uma rede. Além disso, ela é uma nova tecnologia de ponta projetada para fornecer baixa sobrecarga de comunicação e altas taxas de transferência de dados, podendo ultrapassar a relação de 10 Gibabits por segundo, limite imposto pela placas padrão Ethernet. Estas características são de grande importância para gerentes de tecnologia de informação, visto que o tempo de acesso e de atualização dos dados e a necessidade de gerência de recursos são pontos críticos para uma corporação de médio ou grande porte ou para uma instituição de ensino. Existe uma grande iniciativa da indústria para a utilização e validação da tecnologia Infiniband. Dentro da engenharia de produção, esta tecnologia vem sendo aplicada em duas frentes, que são a computação em centros de dados que manipulam com grandes volumes de informa- ENEGEP 2004 ABEPRO 4439

2 ções e em redes especializadas para processamento de aplicações numéricas e simulações que demandam por alto desempenho. O presente artigo tem por objetivo apresentar a arquitetura de interconexão Infiniband, que desponta como um novo padrão de tecnologia para a comunicação eficiente entre computadores. O artigo também mostra a contribuição de Infiniband para a computação em grandes centros de dados e a sua aplicabilidade em ambientes que realizam a computação numérica cuja velocidade de rede de interconexão é um fator de extrema relevância. Esse artigo está organizado da seguinte forma. A seção 2 apresenta a arquitetura Infiniband, com as características que ela oferece para a construção de redes corporativas. A seção 3 descreve a aplicabilidade dessa arquitetura em centro de dados. A seção 4 apresenta os benefícios que esta tecnologia oferece para a análise numérica e expõe o projeto de uma ferramenta de fácil uso para a construção de programas distribuídos com Infiniband. A conclusão, seção 5, resume os principais conceitos abordados no artigo e apresenta uma breve visão sobre a utilização de Infiniband como um padrão para o futuro. 2. A Arquitetura Infiniband A arquitetura Infiniband, ou IBA, foi construída para proporcionar confiabilidade, disponibilidade e alto desempenho para empresas que mantêm centros de dados e para serviços e aplicações disponibilizados pela Internet (MELLANOX, 2000). IBA também é utilizada para a interconexão de aglomerados de computadores (clusters of computers) (BUYYA, 1999) e de redes locais, visto que proporciona comunicação de alta velocidade entre outras capacidades de gerência de informação (FUTRAL, 2001). A tecnologia Infiniband é uma especificação de uma nova tecnologia de interconexão para redes compostas de nós processadores, dispositivos de entrada e saída de dados (E/S), chaveadores e roteadores. Na figura 1, pode ser visualizada a organização de uma rede Infiniband. Uma rede IBA é dividida em sub-redes interconectadas por roteadores e, cada sub-rede compreende um ou mais chaveadores, nós processadores e dispositivos de E/S. Essa infraestrutura permite a troca de informações entre um nó processador e outro, entre nós processadores e dispositivos de E/S e entre diferentes sub-redes. Figura 1 Organização de uma rede Infiniband A Infiniband possibilita a formação de uma rede de alta velocidade devido a forma como a comunicação é estruturada. De acordo com Futral (2001), Infiniband também proporciona alta confiabilidade e tolerância a falhas na comunicação, uma vez que o hardware Infiniband é responsável por toda a troca de informações, sem necessitar dos recursos do processador, como acontece nas tecnologias tradicionais (EDDINGTON, 2002). ENEGEP 2004 ABEPRO 4440

3 2.1. Organização da arquitetura A arquitetura Infiniband tem por objetivo ultrapassar os limites de desempenho impostos pela organização em barramento compartilhado, onde somente um componente pode usar o meio de interconexão em um dado instante. As tecnologias que empregam a organização em barramento mais utilizadas são a PCI (Peripheral Interconnect Component) e a Ethernet (MEL- LANOX, 2000). A PCI é utilizada para interconexão de componentes dentro de um computador e a Ethernet é um tipo de tecnologia de rede amplamente utilizada para a comunicação entre computadores. Neste contexto, Infiniband surge como uma solução para substituir as tecnologias de interconexão padrão e, prover os requisitos necessários para manipular centros de dados e servidores com alto desempenho e gerenciabilidade. Com a organização apresentada na figura 1, IBA fornece escalabilidade, qualidade de serviço, melhor desempenho para a troca de dados pela rede, tolerância à falhas e alta disponibilidade. Na área referente a tolerância a falhas, Infiniband oferece a detecção e recuperação a falhas, redundância de informações através de múltiplos caminhos pela rede, determinação dinâmica de caminhos, migração automática de caminho e isolamento (FUTRAL, 2001). Para atingir alto desempenho, Infiniband define três taxas de transferência de dados: 2.5, 10 e 30 Gigabits por segundo. Com esses índices, a Infiniband proporciona uma alta taxa de transferência de dados se comparada com os índices alcançados pelas tecnologias tradicionais Qualidade de serviço Infiniband oferece qualidade de serviço através de ligações virtuais (LV) (FUTRAL, 2001). Uma ligação entre dois computadores é logicamente dividida em várias ligações virtuais, as quais possibilitam a criação de múltiplos caminhos em uma única ligação física. Cada ligação virtual identifica uma qualidade de serviço possível a ser utilizada, como garantias de taxa de transferência de dados e prioridade de tráfego, e a comunicação entre dois componentes pode envolver várias ligações virtuais. A figura 2 mostra a comunicação entre computadores através da LV número 3. Cada adaptador de rede Infiniband de uma máquina pode suportar até 15 ligações virtuais. Cada LV possui os seus recursos independentes, ou seja, cada uma delas é capaz de realizar a transmissão de dados sem interferir nas demais. Figura 2 Qualidade de serviço através de ligações virtuais (LVs) A utilização de ligações virtuais é importante para a separação do tráfego quando múltiplos sistemas compartilham a mesma rede. Neste caso, pode ser atribuído um conjunto diferentes ligações virtuais para cada sistema. Desta forma, um tráfego pesado em uma LV não possui um impacto destrutivo sobre os outros sistemas. Eddington (2002) exemplifica que o tráfego de voz sobre a malha IBA pode utilizar uma LV com alta prioridade e baixa sobrecarga de comunicação, enquanto os dados provenientes da WEB ou de um programa FTP são mapeados para uma LV com uma qualidade de serviço inferior. 3. Infiniband em centros de dados Infiniband foi desenvolvida para as necessidades dos modernos centros de dados acessados pela Internet que manipulam com grandes quantidades de informações (MELLANOX, 2000). Um centro de dados compreende um conjunto de máquinas e um conjunto de dados. Os da- ENEGEP 2004 ABEPRO 4441

4 dos, geralmente, estão organizados em banco de dados e podem ser acessados pela WEB, por aplicações de usuário ou diretamente pelas interfaces fornecidas pelo sistema gerenciador de banco de dados (SGBD). Um centro de dados desse gênero é muito importante para empresas baseadas na Internet, caso daquelas que adotam sistemas e estratégias como E-Portal, E- Commerce ou Business-to-Business (MELLANOX, 2000). Com a Internet, um grande ganho de competitividade e produtividade pode ser adquirido através da realização de transações de clientes on-line e facilidade na gerência de informações. Segundo a empresa Mellanox (2000), IBA se propõe a disponibilizar, para tal infra-estrutura, o conjunto de propriedades conhecidas como RAS (Confiabilidade, Disponibilidade e Habilidade de Servir). Confiabilidade requer que as transações sejam completadas com sucesso, ainda na presença de falhas em equipamentos. Disponibilidade necessita fornecer ao cliente um serviço contínuo e sem interrupções. A habilidade de servir está relacionada a capacidade de fornecer serviços dinamicamente e adicionar capacidades ao centro de dados com o intuito de suportar o crescimento do número de usuários e de informações. Figura 3 Organização de centro de dados em três camadas Centros de dados são geralmente descritos como uma arquitetura construída em três camadas (cliente, aplicações servidoras e sistema gerenciador de banco de dados) (RAMIREZ, 2000; NAGARAJAN, 1999). A figura 3 ilustra a organização de um centro de dados em três camadas acessível pela Internet. A primeira camada fornece conectividade com a Internet, balanceamento de carga e serviços WEB estáticos. A segunda camada oferece serviços em forma de componentes especializados, relacionando dados a usuários. A terceira camada possui acesso ao banco de dados e possui a capacidade de processamento de transações. A vantagem de um gerente de informação em organizar um centro de dados em camadas é que cada camada pode ser gerenciada e atualizada independentemente (MELLANOX, 2000). Cada camada de um centro de dados pode estar localizada em diferentes máquinas e, portanto, a interação entre elas ocorrerá através da rede de interconexão. A tecnologia mais comumente utilizada para a comunicação entre computadores é a Ethernet, juntamente com o protocolo padrão para transporte dos dados chamado TCP/IP (Transmission Control Protocol/Internet Protocol) (TANENBAUM, 1995). Este último foi construído para cobrir redes de larga distância, como a Internet, e impõe penalidades de software que não seriam desejadas para uma rede local e dedicada, como por exemplo, a alta sobrecarga para a transferência de dados. Uma alternativa para a interconexão de máquinas em um centro de dados pode ser visualizada na figura 3. A conexão com o protocolo TCP/IP pode ser utilizada somente no limite do centro de dados, proporcionando acessibilidade pela Internet, e conexões Infiniband podem ser utilizadas dentro de um sistema controlado, fornecendo alta velocidade de comunicação. ENEGEP 2004 ABEPRO 4442

5 As subseções que seguem apresentam duas implementações reais de centros de dados organizados na forma de aglomerado de computadores (clustered database solution): o centro de dados Oracle9i e o IBM DB Centro de dados Oracle9i O centro de dados da Oracle, referenciado como aglomerado de aplicações reais Oracle9i, habilita aos gerentes de tecnologia de informação criar um banco de dados robusto, escalável e com alta disponibilidade (ORACLE, 2003). Tudo isso rodando sobre servidores com hardware padrão Intel e sistema operacional Linux. Recentes testes da equipe da Oracle, em associação com as empresas Dell e Mellanox, demonstraram que Infiniband fornece duas a quatro vezes mais desempenho para o aglomerado Oracle9i se comparada com a interconexão anteriormente utilizada, com adaptadores Gigabit Ethernet. Com a avaliação realizada, pode-se validar a utilização de Infiniband para centro de dados, visto que a utilização de Infiniband atingiu melhor utilização dos componentes do a- glomerado e alta taxa de transferência de dados. O aglomerado de aplicações reais Oracle9i habilita alta disponibilidade e escalabilidade através da execução de uma simples instância de um banco de dados em múltiplas máquinas servidoras, que acessam concorrentemente um meio de armazenamento compartilhado. A implementação com Gigabit Ethernet envolvia a ligação de vários chaveadores. Já, na construção do aglomerado com Infiniband, todas as conexões são terminadas em um único chaveador. A adição de equipamentos em um chaveador Infiniband não compromete o desempenho do sistema e a organização adotada atinge melhor qualidade no tráfego de informações e economia de custos na construção do centro de dados. Tais propriedades são relevantes para os gerentes de tecnologia de informação no momento da construção de uma arquitetura como essa Centro de dados IBM DB2 A empresa IBM construiu um centro de dados em uma arquitetura de aglomerado de computadores utilizando o sistema gerenciador de banco de dados DB2 Universal versão 8.1 (IBM, 2003). O ambiente do aglomerado DB2 executa em sistema operacional Linux e fornece aos clientes alto desempenho no sistema de gerenciamento de dados. O servidor de banco de dados IBM DB2 fornece um banco de dados simples e escalável que pode ser distribuído nas máquinas de um aglomerado. DB2 reduz grandemente a complexidade de gerenciamento de informações através da eliminação, simplificação e automação de muitas tarefas tradicionais associadas com a manutenção do ambiente de banco de dados. Estes avanços são a primeira implementação do projeto SMART (Auto Gerenciamento e Adaptação de Recursos) e o primeiro passo para fazer da computação automática uma realidade para a implementação de banco de dados. A empresa IBM afirma que esta solução é o ponto de prova para a implementação total de soluções em Linux usando gerenciamento escalável de dados, rodando em um potente aglomerado de servidores interconectados por uma rede extremamente rápida, complementado com ferramentas que fornecem extrema confiabilidade e gerenciamento de dados inteligente. No centro de dados IBM DB2, cada uma das máquinas contém uma partição do banco de dados. O banco DB2 utiliza uma arquitetura de não compartilhamento e, nesta abordagem, cada máquina trabalha em um subconjunto do banco de dados e é totalmente independente com os seus próprios recursos. Neste centro de dados, os servidores de banco de dados e os servidores de aplicações possuem uma conexão direta com o chaveador Infiniband. Neste chaveador também estão conectados o meio de armazenamento e um equipamento que opera como uma ENEGEP 2004 ABEPRO 4443

6 ponte entre a rede Infiniband e a rede Ethernet. Através da rede Ethernet, acontece o acesso dos clientes às informações contidas no centro de dados. 4. Infiniband e computação numérica Mesmo com os avanços tecnológicos ocorridos nos últimos tempos, existe uma gama de aplicações numéricas que demandam por alto poder de processamento para que seja encontrada uma solução em um tempo satisfatório. Para a execução desse tipo de aplicações foram planejadas arquiteturas computacionais específicas para esse fim. Uma das mais populares arquiteturas desse gênero são os aglomerados de computadores para a computação numérica de alto desempenho (WILKINSON, 1999). Sua popularidade advém da sua relação de custo/benefício, visto que pode ser formada por computadores comuns, fabricados em larga escala, interconectados por uma rede dedicada. Nessa arquitetura, os computadores cooperam a- través da rede para a solução mais rápida de um problema em comum. Nesse sentido, a arquitetura Infiniband padroniza uma série de tecnologias de interconexão para aglomerados de computadores e é capaz de oferecer altas taxas de desempenho para as operações de transferência de dados, além de gerência de recursos para este ambiente. Com a integração da arquitetura de aglomerados de computadores e Infiniband, pode-se resolver em um tempo reduzido problemas numéricos complexos de engenharia de produção, como por exemplo os problemas do caixeiro viajante e de simulações de produção (CHISTOFIDES, 1979). Além da redução do tempo, esta integração proporciona tolerância à falhas e escalabilidade, de modo a aumentar a produtividade do sistema e a qualidade dos resultados. As seções que seguem apresentam, respectivamente, a utilização de Infiniband em um supercomputador e a proposta de uma ferramenta para a escrita de programas paralelos e distribuídos para executar sobre um hardware Infiniband. 4.1 Supercomputador Virginia Tech A arquitetura de aglomerados de computadores também é empregada no supercomputador Virginia Tech (TOP500, 2004). Este aglomerado tem por objetivo específico suportar a execução de aplicações numéricas paralelas e distribuídas que demandam por alto poder de processamento, também chamados de aplicações com problemas de grande desafio. A tecnologia Infiniband é utilizada como tecnologia de interconexão nesse aglomerado, que está classificado em terceiro lugar segundo o sítio que organiza os 500 supercomputadores com maior desempenho no mundo (TOP500, 2004). Este aglomerado é formado por 1100 computadores, cada qual com 2 processadores Apple G5 2 GHz com 4 Gbytes de memória e atinge um pico de desempenho de TeraFlops (10 12 operações de ponto flutuante por segundo). Entre o conjunto de áreas de aplicações que são executadas no Virgina Tech, podem-se citar a química quântica, a nano ciência, o cálculo de otimizações baseado em heurísticas, a bioquímica computacional, a otimização da aerodinâmica de sólidos, a modelagem de ciclos de células, a modelagem de sistemas sem fio (wireless), a acústica molecular e a emulação de redes de larga escala. 4.2 Desenvolvimento da Ferramenta RMI-Infiniband Atualmente, ainda existem poucas interfaces de programação Infiniband disponíveis no mercado, o que faz desta área um dos principais pontos de pesquisa dentro desta tecnologia. Com o intuito de oferecer alto desempenho, portabilidade e facilidade de programação, está em desenvolvimento a ferramenta chamada RMI-Infiniband. Ela congrega as capacidades de Infiniband e as características da linguagem de programação Java, como a orientação a objetos, herança, polimorfirsmo, entre outras. ENEGEP 2004 ABEPRO 4444

7 A ferramenta RMI-Infiniband irá possibilitar a escrita de aplicações distribuídas com alto desempenho através do modelo de programação cliente/servidor conhecido como invocação remota de métodos, ou RMI (Remote Method Invocation) (GROSSO, 2002). A invocação remota de métodos propicia a comunicação em alto nível entre os computadores de um aglomerado e facilita a escrita de aplicações. Em RMI, um objeto é criado e registrado em uma máquina servidora e outros objetos remotos podem referenciar transparentemente métodos do objeto da máquina servidora. A implementação Java RMI da empresa Sun é um padrão que apresenta um conjunto de classes que possibilita a invocação remota de métodos. Essa ferramenta, por sua vez, implementa o sistema RMI para redes configuradas sobre o protocolo TCP/IP, que é lento nas operações de comunicação, o que pode tornar esta inviável para a escrita de aplicações que necessitem de alto desempenho e que realizem bastante troca de informações pela rede. A ferramenta proposta consiste em um sistema para invocação remota de métodos com alto desempenho sobre o hardware Infiniband. Além das vantagens de Java citadas acima, esta linguagem foi escolhida pelo fato que é bastante utilizada em ambientes cliente/servidor, pela sua flexibilidade e pelo fato que ela possui um conjunto bem definido de classes para a programação paralela e distribuída. O ambiente utilizado para a execução e teste do sistema de RMI-Infiniband é o aglomerado do Laboratório de Tecnologia em Clusters (LabTeC) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Para realizar pesquisa na área inerente a Infiniband, o Instituto de Informática da UFRGS adquiriu um conjunto de hardware da empresa Mellanox, composto por 4 adaptadores de rede, cada qual atinge uma taxa de transferência máxima de 2.5 Gigabits por segundo, 8 cabos de interconexão e um chaveador, todos construídos com a tecnologia Infiniband. RMI é bastante utilizada em grandes centros de dados que disponibilizam transações on-line pela Internet e em servidores de páginas WWW (GROSSO, 2002). Com a ferramenta em desenvolvimento, será possível escrever aplicações em Java que podem ser utilizadas em empresas para acessar informações de forma mais rápida e segura. 5. Conclusão Hoje em dia, pode se observar uma grande demanda por gerenciabilidade de informações e tecnologias de rede com alto desempenho capazes de proporcionar um rápida comunicação entre computadores. No contexto de um centro de dados, estas duas áreas são de extrema importância e existe grandes investimentos da indústria para projetar tecnologias de ponta para suprir estas necessidades. Nesse sentido, foi desenvolvida a tecnologia de interconexão Infiniband, agregando as qualidades de uma série de tecnologias de rede, arquiteturas de computadores e tecnologias da informação. Infiniband desponta como uma tecnologia capaz de reduzir a sobrecarga inerente aos sistemas baseados em barramento compartilhado, através de um conexão que permite comunicação concorrente e rápida. Ela fornece alta escalabilidade, qualidade de serviço, altas taxas de transferência de dados, tolerância à falhas e gerenciabilidade de recursos e de informações em uma rede. Devido a todas estas características, Infiniband é capaz de efetuar a transmissão de dados em tempo real, permitindo a realização de vídeo conferências com qualidade, além de tráfego de voz e de grandes volumes de informações. Para o ambiente de centro de dados, Infiniband também oferece as vantagens conhecidas como RAS (Confiabilidade, Disponibilidade e Habilidade de Servir). Além da aplicabilidade em centros de dados, Infiniband também é apropriada para a interconexão em aglomerados de computadores (clusters of computers) destinados ao processamento de análise numérica com alto desempenho e precisão. Esta arquitetura é um tipo de rede espe- ENEGEP 2004 ABEPRO 4445

8 cializada formada por computadores que cooperam, através de troca de informações pela rede, para a solução de uma aplicação em comum. É digno de nota que a computação em tal arquitetura é uma realidade e vem sendo aplicada por grandes empresas, instituições de ensino e centros de pesquisa. Os principais benefícios proporcionados por Infiniband para este tipo de aglomerado são a alta taxa de transferência de dados e a alta escalabilidade. Para a escrita de aplicações para esta arquitetura, está em desenvolvimento a ferramenta RMI-Infiniband, que integra as facilidades de Infiniband e da linguagem Java. Testes em centros de dados das empresas Oracle e DB2 e o desempenho obtido no supercomputador Virgina Tech validam o funcionamento da tecnologia Infiniband. Ela se demonstrou uma boa opção de interconexão para redes de organizações que trabalham com um grande volume de informações, além de obter alto desempenho na comunicação em redes especializadas para o processamento de análise numérica. A evolução de tecnologias para redes leva a utilização de arquiteturas de interconexão mais eficientes, como é o caso da Infiniband, que é capaz de porporcionar várias funcionalidades, além da alta taxa de transferência de dados, que são requeridas por gerentes de tecnologia da informação de grandes organizações. A tendência da arquitetura Infiniband é ser utilizada em conjunto com as tecnologias padrão existentes atualmente e, dessa forma, construir ambientes que melhorem a vida dos usuários e dos administradores de ambientes computacionais. Referências BUYYA, R. & BAKER, A (1999) - Cluster Computing at a Glance, High Performance Cluster Computing - Architectures and Systems, Prentice Hall, p CHISTOFIDES, N. (1979) - Travelling Salesman Problem. Wiley Chichester. EDDINGTON, C. (2002) - InfiniBridge: An InfiniBand Channel Adapter with Integrated Switch, IEEE Micro, Vol. 22, Num. 2, mar., p FUTRAL, W. T. (2001) - Infiniband Architecture Development and Deployment, Vol. 1, Intel Press. GROSSO, W. (2002) - Java RMI, Vol. 1, O'Reilly & Associates Mellanox Technologies Inc. (2000) Introduction to Infiniband, InfiniBand White Papers, Santa Clara, California. Disponível em Mellanox Technologies Inc. (2000) Infiniband in the Data Center, InfiniBand White Papers, Santa Clara, Califórnia, Disponível em IBM Corporation (2003) - IBM DB2 Integrated Cluster Environment for Linux Solution blueprint, Disponível em linuxcluster/linuxcluster.pdf InfiniBand Trade Association IBTA (2002) - Inifiniband Architecture Specification, Vol. 1, Release 1.1, 2002, Nov. Disponível em NAGARAJAN, D. (1999) - Migrating a two-tier database application to a three-tier application, Electrical Engineering Dept., Thesis (M.S.), University of Nevada, Reno Oracle Corporation (2003) Achieving Mainframe-Class Performance on Intel Servers Using Infiniband Building Blocks An Oracle White Paper, Disponível em TANENBAUM, A. S. (1995) - Distributed Operating Systems, Vol 1, Prentice-Hall Top 500 Supercomputing Sites - WILKINSON, B. & ALLEN, M. (1999)- Parallell Programming: Techniques and Applications Using Networked Workstations and Parallel Computers. Message Passing Computing, Prentice Hall, p ENEGEP 2004 ABEPRO 4446

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 6 - ALGORÍTIMOS PARALELOS MPI - Parallel Virtual Machine e PVM - Parallel Virtual Machine 1. INTRODUÇÃO Inicialmente é necessário conceber alguns conceitos para entendimento dos algoritmos paralelos:

Leia mais

ARQUITETURA TRADICIONAL

ARQUITETURA TRADICIONAL INTRODUÇÃO Atualmente no universo corporativo, a necessidade constante de gestores de tomar decisões cruciais para os bons negócios das empresas, faz da informação seu bem mais precioso. Nos dias de hoje,

Leia mais

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores

Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Análise de Desempenho de um SGBD para Aglomerado de Computadores Diego Luís Kreutz, Gabriela Jacques da Silva, Hélio Antônio Miranda da Silva, João Carlos Damasceno Lima Curso de Ciência da Computação

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br SUMÁRIO Definições Características Desafios Vantagens Desvantagens 2 Definições DEFINIÇÕES Um sistema distribuído é uma coleção

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS COM MÚLTIPLOS PROCESSADORES LIVRO TEXTO: CAPÍTULO 13, PÁGINA 243 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Arquiteturas que possuem duas ou mais CPUs interligadas

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 1 OBJETIVOS 1. O que é a nova infra-estrutura informação (TI) para empresas? Por que a conectividade é tão importante nessa infra-estrutura

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 9.1 9 OBJETIVOS OBJETIVOS A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Computação Aula 01-02: Introdução 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Agenda da Apresentação Definição e surgimento de Sistemas Distribuídos Principais aspectos de Sistemas Distribuídos

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro

Sistemas Operacionais Carlos Eduardo Portela Serra de Castro Introdução Sistemas Operacionais 1 Sistema Operacional: Um conjunto de programas, executado pelo computador como os outros programas. Função: Controlar o funcionamento do computador, disponibilizando seus

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Modelo Cliente-Servidor: Introdução aos tipos de servidores e clientes Prof. MSc. Hugo Souza Iniciando o módulo 03 da primeira unidade, iremos abordar sobre o Modelo Cliente-Servidor

Leia mais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais

Introdução. Nível do Sistema Operacional. Introdução. Um Sistema Operacional... Introdução a Sistemas Operacionais Introdução Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Hardware Provê os recursos básicos de computação (CPU, memória, E/S,etc.) Programas (aplicações) Definem as maneiras

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO Capítulo 9 A INTERNET E A NOVA INFRA-ESTRUTURA DA TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO 9.1 2003 by Prentice Hall OBJETIVOS O que é a nova infra-estrutura de tecnologia de informação (IT) para empresas? Por que a conectividade

Leia mais

O que é Grid Computing

O que é Grid Computing Grid Computing Agenda O que é Grid Computing Grid vs Cluster Benefícios Tipos de Grid Aplicações Ferramentas e padrões Exemplos no mundo Exemplos no Brasil Grid no mundo dos negócios Futuro O que é Grid

Leia mais

Sistemas Distribuídos Arquitetura de Sistemas Distribuídos Aula II Prof. Rosemary Silveira F. Melo Arquitetura de Sistemas Distribuídos Conceito de Arquitetura de Software Principais elementos arquiteturais

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Evolução Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Introdução Componentes de um sistema computacional Conceituação Características desejáveis Organização

Leia mais

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br

OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters. Prof. Charles Christian Miers. e-mail: charles.miers@udesc.br OCEL001 Comércio Eletrônico Módulo 9_1: Clusters Prof. Charles Christian Miers e-mail: charles.miers@udesc.br Redundância e Alta Disponibilidade Redundância: Duplicação de um elemento da infraestrutura

Leia mais

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br

CORBA. Common Object Request Broker Architecture. Unicamp. Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br CORBA Common Object Request Broker Architecture Unicamp Centro de Computação Rubens Queiroz de Almeida queiroz@unicamp.br Objetivos Apresentação Tecnologia CORBA Conceitos Básicos e Terminologia Considerações

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

Características Básicas de Sistemas Distribuídos

Características Básicas de Sistemas Distribuídos Motivação Crescente dependência dos usuários aos sistemas: necessidade de partilhar dados e recursos entre utilizadores; porque os recursos estão naturalmente em máquinas diferentes. Demanda computacional

Leia mais

Comparação SDs X Scs

Comparação SDs X Scs Prof. Alexandre Lima Sistemas Distribuídos Cap 9 1/7 Comparação SDs X Scs Distribuição inerente Economia Velocidade Confiabilidade Crescimento incremental Descrição Algumas aplicações envolvem máquinas

Leia mais

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g

COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g COMPUTAÇÃO EM GRID COM BANCO DE DADOS ORACLE 10g Daniel Murara Barcia Especialista em Sistemas de Informação Universidade Federal do Rio Grande do Sul daniel@guaiba.ulbra.tche.br Resumo. Esse artigo aborda

Leia mais

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express

Tecnologia PCI express. Introdução. Tecnologia PCI Express Tecnologia PCI express Introdução O desenvolvimento de computadores cada vez mais rápidos e eficientes é uma necessidade constante. No que se refere ao segmento de computadores pessoais, essa necessidade

Leia mais

Nível do Sistema Operacional

Nível do Sistema Operacional Nível do Sistema Operacional (Aula 14) Introdução a Sistemas Operacionais Roberta Lima Gomes - LPRM/DI/UFES Sistemas de Programação I Eng. Elétrica 2007/1 Introdução Hardware Provê os recursos básicos

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos

Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos Docentes Arquitectura de Sistemas Paralelos e Distribuídos 0. Introdução Prof. Paulo Marques Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra pmarques@dei.uc.pt Prof. Luís Silva Dep. Eng. Informática, Univ. Coimbra

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SISTEMA DE GESTÃO DE PESSOAS SEBRAE/TO UNIDADE: GESTÃO ESTRATÉGICA PROCESSO: TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Competências Analista 1. Administração de recursos de infra-estrutura de tecnologia da informação 2.

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE***

A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS INSTITUTO DE COMPUTAÇÃO TÓPICOS EM COMPUTAÇÃO DISTRIBUÍDA - MO809 A SCALABLE, COMMODITY DATA CENTER NETWORK ARCHITECTURE ***FAT-TREE*** Aluno: Joaquim Domingos Mussandi

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla

Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS. Prof. Victor Halla Unidade III FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Prof. Victor Halla Conteúdo Arquitetura de Processadores: Modo Operacional; Velocidade; Cache; Barramento; Etc. Virtualização: Maquinas virtuais; Gerenciamento

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Introdução Aplicações em rede de computadores As redes de computadores atualmente estão em todos os lugares. Ex.: Internet, redes de telefones móveis, redes corporativas, em fábricas,

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor

Considerações no Projeto de Sistemas Cliente/Servidor Cliente/Servidor Desenvolvimento de Sistemas Graça Bressan Graça Bressan/LARC 2000 1 Desenvolvimento de Sistemas Cliente/Servidor As metodologias clássicas, tradicional ou orientada a objeto, são aplicáveis

Leia mais

Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java

Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java Alocação Dinâmica e Transparente de Computadores Ociosos em Java Márcia Cristina Cera, Rodrigo Righi e Marcelo Pasin {cera, rodrigor, pasin}@inf.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria - UFSM Laboratório

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA

Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA Desenvolvendo uma Arquitetura de Componentes Orientada a Serviço SCA RESUMO Ricardo Della Libera Marzochi A introdução ao Service Component Architecture (SCA) diz respeito ao estudo dos principais fundamentos

Leia mais

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA

MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA MÓDULO 11 ELEMENTOS QUE FAZEM PARTE DO PROJETO DO SISTEMA Através dos elementos que fazem parte do projeto do sistema é que podemos determinar quais as partes do sistema que serão atribuídas às quais tipos

Leia mais

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1

Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio. slide 1 Telecomunicações, Internet e tecnologia sem fio slide 1 Objetivos de estudo Quais os principais componentes das redes de telecomunicações e quais as principais tecnologias de rede? Quais os principais

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução

Sistemas Distribuídos. Introdução Sistemas Distribuídos Introdução Definição Processos Um sistema distribuído é um conjunto de computadores independentes, interligados por uma rede de conexão, executando um software distribuído. Executados

Leia mais

Arquitetura e Organização de Computadores

Arquitetura e Organização de Computadores Arquitetura e Organização de Computadores Entrada/Saída Material adaptado, atualizado e traduzido de: STALLINGS, William. Arquitetura e Organização de Computadores. 5ª edição Problemas Entrada/Saída Grande

Leia mais

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1

Laboratório I 2012. Prof. Hélder Sato MSc. 2/14/12 Laboratório I 1 Laboratório I 2012 Prof. Hélder Sato MSc 2/14/12 Laboratório I 1 Apresentação Prof Hélder Sato MSc Bacharel Informática Universidade Positivo Especialista em Redes PUC-PR Mestrado em Informática Aplicada

Leia mais

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS

ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS ADAPTANDO UMA APLICAÇÃO PARA CLOUD: UMA ANÁLISE ENTRE OS ESFORÇOS UTILIZADOS Cleverson Nascimento de Mello¹, Claudete Werner¹, Gabriel Costa Silva² ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner

Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Boletim técnico Uma visão mais detalhada do software HP LoadRunner Índice Um novo enfoque no teste de desempenho: a solução HP LoadRunner 3 A solução HP LoadRunner e a terminologia dos testes de desempenho

Leia mais

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN

Sistemas Paralelos e Distribuídos. Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Sistemas Paralelos e Distribuídos Prof. Jorge Dantas de Melo Depto. Eng. Comp. e Automação CT - UFRN Conceitos preliminares Paralelismo refere-se a ocorrência simultânea de eventos em um computador Processamento

Leia mais

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08

PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 PROCESSAMENTO DE DADOS 15/08 Coletar Informática Armazenar Disseminar Dados DADOS Elementos conhecidos de um problema INFORMAÇÃO Um conjunto estruturado de dados transmitindo conhecimento. Novas Tecnologias

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Capítulo 1 Introdução Material de suporte às aulas de Sistemas Distribuídos de Nuno Preguiça Copyright DI FCT/ UNL / 1 NOTA PRÉVIA A apresentação utiliza algumas das figuras do livro

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos

Arquitetura de Sistemas Distribuídos. Introdução a Sistemas Distribuídos Introdução a Sistemas Distribuídos Definição: "Um sistema distribuído é uma coleção de computadores autônomos conectados por uma rede e equipados com um sistema de software distribuído." "Um sistema distribuído

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware

LISTA DE EXERCÍCIOS. Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos. Operam em diferentes plataformas de hardware 1. A nova infra-estrutura de tecnologia de informação Conectividade Mede a capacidade de comunicação de computadores e dispositivos Sistemas abertos Sistemas de software Operam em diferentes plataformas

Leia mais

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos

Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Capítulo VI Telecomunicações: Redes e Aplicativos Uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Se interligarmos

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

RMI: Uma Visão Conceitual

RMI: Uma Visão Conceitual RMI: Uma Visão Conceitual Márcio Castro, Mateus Raeder e Thiago Nunes 11 de abril de 2007 Resumo Invocação de Método Remoto (Remote Method Invocation - RMI) trata-se de uma abordagem Java para disponibilizar

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Soquetes Um soquete é formado por um endereço IP concatenado com um número de porta. Em geral, os soquetes utilizam uma arquitetura cliente-servidor. O servidor espera por pedidos

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Objetos distribuídos e invocação remota Introdução Comunicação entre objetos distribuídos Chamada de procedimento remoto Eventos e notificações Objetos

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com O que veremos hoje... Evolução Histórica Motivação Conceitos Características

Leia mais

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles

FAMÍLIA EMC VPLEX. Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles FAMÍLIA EMC VPLEX Disponibilidade contínua e mobilidade de dados nos datacenters e entre eles GARANTINDO DISPONIBILIDADE CONTÍNUA E MOBILIDADE DE DADOS PARA APLICATIVOS ESSENCIAIS A infraestrutura de armazenamento

Leia mais

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios

Estudo de Caso. O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios e Computação em Nuvem para Criar Valor de Negócios Estudo de Caso O Fator Wow! : Um Exemplo Perfeito do Uso de Analítica de Negócios Introdução Este Estudo de Caso é sobre como uma corporação (IBM) encontrou uma maneira de extrair valor de negócios adicional

Leia mais

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes

Tecnologia e Infraestrutura. Conceitos de Redes Tecnologia e Infraestrutura Conceitos de Redes Agenda Introdução às Tecnologias de Redes: a) Conceitos de redes (LAN, MAN e WAN); b) Dispositivos (Hub, Switch e Roteador). Conceitos e tipos de Mídias de

Leia mais

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA

Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Artigos Técnicos Thin Clients : aumentando o potencial dos sistemas SCADA Tarcísio Romero de Oliveira, Engenheiro de Vendas e Aplicações da Intellution/Aquarius Automação Industrial Ltda. Um diagnóstico

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Arquitetura de SGBD. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Arquitetura de SGBD Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Agenda Caracterização de SGBDs SGBDs Centralizados SGBDs Cliente-Servidor SGBDs Distribuídos Homogêneos Multi-SGBDs Heterogêneos SGBDs Paralelos

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos

Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Arquitetura dos Sistemas de Informação Distribuídos Quando se projeta um sistema cuja utilização é destinada a ser feita em ambientes do mundo real, projeções devem ser feitas para que o sistema possa

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS SISTEMAS DISTRIBUÍDOS 1. Histórico Primeiros computadores Computadores dos anos 50 e 60 Primeiros computadores com sistemas operacionais Surgimento das redes de computadores Nos anos 70 início das pesquisas

Leia mais

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br

Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Claudivan C. Lopes claudivan@ifpb.edu.br Por que redes de computadores? Tipos de redes Componentes de uma rede IFPB/Patos - Prof. Claudivan 2 Quando o assunto é informática, é impossível não pensar em

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Relatório de Pesquisa

Relatório de Pesquisa Relatório de Pesquisa A Vantagem da Virtualização de Mainframe: Como Economizar Milhões de Dólares Utilizando um IBM System z como um Servidor em Nuvem Linux Sumário Executivo Os executivos de TI (Tecnologia

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES MEMÓRIAS DE AULA AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO, HISTÓRIA, EQUIPAMENTOS E TIPOS DE REDES Prof. José Wagner Bungart CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Definição de Redes de Computadores e Conceitos

Leia mais

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com

Sistemas Operacionais 2014 Introdução. Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Sistemas Operacionais 2014 Introdução Alexandre Augusto Giron alexandre.a.giron@gmail.com Roteiro Sistemas Operacionais Histórico Estrutura de SO Principais Funções do SO Interrupções Chamadas de Sistema

Leia mais

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull

Informática Aplicada I. Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull Informática Aplicada I Sistemas Operacionais Projeto e Implementação Andrew S. Tanenbaum Albert S. woodhull 1 Conceito de Sistema Operacional Interface: Programas Sistema Operacional Hardware; Definida

Leia mais

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java

Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Monitoramento e Controle Remotos do Microclima de uma Adega: Interface Programada em Java Anderson P. Colvero 1, Guilherme P. Silva 1, Humberto B. Poetini 1 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores

Leia mais

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com

Projeto de Sistemas Distribuídos. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Projeto de Sistemas Distribuídos Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Agenda Introdução Exemplos de Sistemas Distribuídos Compartilhamento de Recursos e a Web Principais Desafios para a Implementação

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES REDE DE COMPUTADORES Evolução histórica das redes de computadores Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Objetivos de Aprendizagem Ao final deste módulo você estará apto a conceituar

Leia mais

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br

Sistemas Distribuídos. Introdução. Edeyson Andrade Gomes. www.edeyson.com.br Sistemas Distribuídos Introdução Edeyson Andrade Gomes www.edeyson.com.br Agenda Definição de Sistemas Distribuídos Evolução Histórica Exemplos Comparação com Sistemas Centralizados Conclusão 2 Definição

Leia mais

Modelos de Redes em Camadas

Modelos de Redes em Camadas Modelos de Redes em Camadas Prof. Gil Pinheiro 1 1. Arquitetura de Sistemas de Automação Sistemas Centralizados Sistemas Distribuídos Sistemas Baseados em Redes Arquitetura Cliente-Servidor 2 Sistemas

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS

TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ARCASE - AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL COM ANDROID E SISTEMAS EMBARCADOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES Eriko Carlo Maia Porto UNESA Universidade Estácio de Sá eriko_porto@uol.com.br Última revisão Julho/2003 REDES DE COMPUTADORES INTRODUÇÃO EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE COMPUTAÇÃO Década de 50 introdução dos

Leia mais

UPSTREAM for Linux on System z

UPSTREAM for Linux on System z FOLHA DO PRODUTO UPSTREAM for Linux on System z UPSTREAM for Linux on System z O UPSTREAM for Linux on System z foi criado para proporcionar completa proteção de dados para o ambiente Linux on System z

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

Automatizando o Data Center

Automatizando o Data Center Este artigo examina uma arquitetura alternativa que suporte a automação do data center e o provisionamento dinâmico sem a virtualização do sistema operacional. por Lori MacVittie Gerente Técnico de Marketing,

Leia mais

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013

Prof. Luiz Fernando Bittencourt MC714. Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 MC714 Sistemas Distribuídos 2 semestre, 2013 Virtualização - motivação Consolidação de servidores. Consolidação de aplicações. Sandboxing. Múltiplos ambientes de execução. Hardware virtual. Executar múltiplos

Leia mais

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com

Cloud Computing. Andrêza Leite. andreza.lba@gmail.com Cloud Computing Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com Roteiro O que é cloud computing? Classificação O que está 'por traz' da cloud? Exemplos Como montar a sua? O que é cloud computing? Cloud Computing O

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Referências Caracterização de Sistemas Distribuídos Sistemas operacionais modernos Andrew S. TANENBAUM Prentice-Hall, 1995 Capítulo 9 Seções 9.1 a 9.3 Distributed Systems: concept

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais