tradução Elisa Martins

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "tradução Elisa Martins"

Transcrição

1 tradução Elisa Martins

2

3 UM MIGUEL, PAI DE DYLAN, NASCEU EM 1948, ANO QUE A AMPEX LANÇOU suas fitas magnéticas de gravação editável. Seus pais escutavam Beethoven em um gramofone Victrola, com discos de goma-laca de 78 rotações em que o barulho de fundo podia ser confundido com os aplausos da plateia. Entrou na universidade em 65, quando Like a Rolling Stone começava a tocar em todas as rádios e dividia o público de Bob, que comparecia toda noite, religiosamente, a seus shows metade folk, metade barulho, para vaiar quando ele surgia com a guitarra. Mas batizou seu filho com o nome de Dylan no verão de 69, quando ninguém mais falava de traição, conseguindo

4 4 assim fugir de todas as discussões. Na verdade, Miguel nunca chegou a formar uma opinião própria, apesar de que teria sido mais simples dizer apenas que Dylan era genial com qualquer instrumento e estilo. No fundo, ele ficava paralisado por seu ódio primitivo às opiniões fracas, neutras, que não defendiam nenhum dos extremos. Tinha a impressão de que quando alguém fica em cima do muro é atacado por todos os lados, e como ele não era um personagem polêmico nem de princípios firmes, esperou o ano de 69 para batizar seu filho com o nome Dylan. Uma vez escutou Bob Dylan dizer que, se não fosse ele mesmo, gostaria de ter sido Leonard Cohen. Não há dúvida de que seu filho também teria preferido Leonard, para ser carinhosamente chamado Leo, um nome muito mais adequado à normalidade. Mas Miguel só conhecia uma canção do músico de voz rouca e não ficou convencido. Além disso, pouco tempo atrás, ela foi usada pela companhia de gás para divulgar botijões. Desde então Miguel deixou o tema de lado, como se aproveitasse seu novo dom de se esquecer das coisas para não se lembrar de quem era Leonard Cohen nem do motivo, se é que houve algum, que o levou a colocar o nome Dylan em seu filho Dylan.

5 5 Que alegria ver o senhor! Posso me sentar? Por favor. Como vai? Sinto muito...; foi de repente, na verdade deveria ter avisado pessoalmente. A diretora não quis me dar seu telefone. Tudo bem. Sem problemas. Eu sei, mas não gosto de sair sem avisar. Que bom que nos encontramos. Estava esperando alguém? Não. Claro... Bem... Estou procurando meu namorado. Ele costuma vir aqui depois do trabalho, mas hoje não apareceu. Boa música. Ah, claro! A música. Não tinha prestado atenção, mas é verdade. O lugar é tranquilo, pouco barulhento. Deve ser por causa da música. Com certeza. Antes..., livraria. Ah, é? Não sabia. E olha que venho aqui há anos. Desde que cheguei a Madri, praticamente. Mantém as estantes. Nossa, é verdade. Não tinha reparado. Ficam escondidas pelas garrafas.

6 6 Dylan nasceu de uma introdução demorada de uma música de Bob Dylan. Por isso se chama Dylan. Porque seu pai também pensou assim, sentado no sofá, imóvel, com essa musiquinha festiva que parece vir de uma apresentação do circo Holiday, mas que na verdade escapa do toca-discos de casa. O nome é Rainy Day Women. Já tentei falar dela antes em um romance mais antigo, mas não deu certo. Vou tentar de novo. Nisso, Dylan e eu somos parecidos. Desenvolvemos obsessões grandiloquentes a partir de exageros. Decidi escrever um romance em que coubesse uma canção e Dylan estragou a história por culpa de uma música que não cabia. A história se resume a esse paradoxo. A ele e às milhares de interpretações que um leitor acrescenta ao absurdo contanto que não admita que exista. O mais complicado ao criar um personagem que está sentado no sofá é não saber como ele caminha. Você sabe que as pernas tocam o chão, que o tapete parece persa e que a televisão está desligada, apesar de ele olhar fixamente para ela como se a música que está escutando saísse da tela. Ainda não consigo imaginar Dylan em pé e vou levando-o de cenário em cenário, sem deixar que ele se le-

7 7 vante. Do sofá à banqueta do piano, dali às mesas do pub. Ele me lembra minhas Barbies, tão pouco flexíveis que não podiam nem se sentar para tomar um chá. No momento em que termina esta história, Dylan está sentado no sofá com o pai, e passaram vários anos desde que Miguel e eu o imaginamos exatamente assim, com o olhar perdido, ouvindo Bob Dylan. A princípio, nenhum dos dois prestava muita atenção na música. Os mais inexperientes costumam se incomodar com o silêncio. Acham que se trata de algo passageiro, um transe que serve para nos dar tempo até encontrar a palavra exata que há de restabelecer a ordem previsível das coisas. Mas Miguel e Dylan se acostumaram rapidamente e escolheram o mutismo por opção. Agora apenas trocam comentários. Costumam ser repetitivos. Cada disco ganhou uma definição própria atribuída por eles. Assim, sempre que toca Hotel California, por exemplo, Miguel suspira e diz: Aí está tudo o que destruiu o punk. Sobre os Pretenders, Dylan se limita a dizer que sente atração por Chrissie Hynde. Lamento. Tenha deixado suas... aulas. Bem... Também não tinha muito talento. Deveria

8 8 ter tentado a guitarra, dizem que é mais simples. Ou o baixo. Meu namorado tem um, mas acho muito chato. Nunca entendi que tipo de interesse um instrumento assim pode despertar. Ninguém talento. Nesta... academia. Isso deveria ser um consolo? Mais gente saiu. Nossa..., mas é que para um hobby é muito puxado, não acha? As pessoas fazem ioga ou ginástica, mas apenas algumas horas por semana. Escolhem atividades que quebrem a rotina sem fazer parte dela. Claro. Acredite. Mês passado me matriculei em uma academia de ginástica. Além do fato de que era um saco, parecia um reality show nojento. Todo mundo se conhece e se exibe..., todos suados, como em uma competição. E, depois, nos vestiários...; meu Deus, altas conversas. Dá no mesmo ter... aulas de piano. E fazer musculação. Não, não é isso, sério, respeito muito seu trabalho. Mas me diga, ficou chateado com o que eu disse? De jeito nenhum. Não me convenceu.

9 9 Sério, não fiquei. Não chateado. Só perguntando. Claro... É que com o senhor é difícil saber, se é que o senhor me entende. Sou sincero. Evita... confusões. Seja pelo motivo que for, quando um cômodo fica vazio, é hora de comprar um piano. Eles existem em diferentes tamanhos. Podem esconder manchas de umidade ou ficar em cima do tapete. Os pianos preenchem espaços vazios e os deixam mais leves. Ninguém diria que o conservatório onde Dylan estudou, por exemplo, foi um quartel militar durante a guerra. Como item de decoração, um piano de cauda preto ou um de parede marrom são de extremo bom gosto. O piano de Dylan que na verdade era de Miguel, que o comprou em memória de sua esposa não passava de uma urna sem cinzas no meio da sala. Passaram-se anos entre a compra do piano e Dylan tirar o feltro vermelho que cobria o teclado. Aí então, com vasos, fotografias e correspondência amontoada sobre a tampa, ele estava bem desafinado. O técnico lembrou que o instrumento não era uma estante. Tinha os dedos gordos como linguiças, mas

10 10 que se movimentavam velozmente sobre o teclado. Dylan, que ainda não dominava o ofício, deu suas impressões. Ele acabava de entender que nem tudo estava perdido, porque, se era possível ser pianista sem ter dedos de pianista, sua própria contradição não seria um impedimento. Na verdade foi burrice minha. Não queria ter comparado suas aulas com uma esteira. Aparelho de abdominais. Talvez. Não, cara, também não. É sério. Nunca na vida pensei que seria capaz de aprender sequer a escala musical. E, apesar de já não frequentar suas aulas, elas foram a coisa mais emocionante que me aconteceu nos últimos dois anos. A academia de ginástica era... Bem, você sabe, para manter a boa forma. Muitos pianistas... gordos. Com certeza. E violinistas? Não. Violinistas charmosos. E os que tocam tuba? Obesos. Já imaginava. Minha prima se casou com um clarinetista que no começo era muito gordo e de repente emagre-

11 11 ceu trinta quilos. Com uma dieta à base de líquidos, acho. Na última vez em que vi o marido da minha prima, não o reconheci. Impressionante. O que você quer? O quê? A senhorita... Beber. O quê. Ah, não deveria, mas peça para mim um uísque. Não..., melhor uma cerveja; long neck, se tiver. Duas, por favor. Não tenho certeza sobre quem é a mulher que está conversando com Dylan. Chama-se Julia e gosto dos peitos dela, um pouco pontiagudos, lembram os da Madonna. Acabo de imaginá-la com cabelos cacheados, na altura da orelha, e eles balançam sem parar porque ela gesticula muito quando fala. Na verdade, todo mundo costuma fazer isso quando conversa com o Dylan. É como ensaiar na frente do espelho. Mas ela está nervosa. Senta-se na ponta da cadeira e se mexe algumas vezes. Ao fazer isso, se dá conta de que essa mania de não se encostar no respaldo da cadeira é típica de pianistas e começa a forçar o gesto, como se Dylan pudesse inter-

12 12 pretar essa tentativa de cumplicidade. É óbvio que ainda não o conhece bem. Acabo de criar Julia sentada, mas posso imaginá-la de corpo inteiro. A imagem cabe perfeitamente em um vagão de metrô que a leva direto para casa. Julia gosta de palavras cruzadas e romances de suspense, mas dificilmente encontra lugar livre no metrô e tem que abrir o livro com uma mão, enquanto se segura com a outra. Com as unhas pintadas de vermelho, ela assinou o contrato de uma hipoteca pela vida inteira e não consegue parar de pensar nisso. Então. Que tempo horrível. O trânsito está impossível com essa maldita greve de transportes. Não deveria beber. A senhorita disse. Disse. É que não me faz bem, mas estou cansada de controlar tudo. É tão absurdo preocupar-se tanto... Depois leio as notícias do jornal: caiu um andaime na cabeça de um cara, ou um vaso de planta, e percebo que falta um pouco de sentido nas coisas. Mas também fuma. E fuma. Especial. Ah, é? Nunca me disseram isso. Lembra...

13 13 Lana Turner? Era uma fumante maravilhosa, não acha? Claro. Mulheres bonitas... fumam. Meu pai dizia que as mulheres bonitas deveriam morrer jovens, antes de ficarem acabadas. Lembrei agora. Não era um homem muito fino. Que coisa. Não se preocupe. É crônico. Já sei que estou me matando. Duvido que... saiba. Por quê? Se soubesse... não faria... Tá, tá. O senhor parece um daqueles cartazes do Ministério da Saúde. Eles invadiram Madri com suas advertências por uma vida mais saudável, os espaços sem fumaça. Mas me diga, a quem eu lembro o senhor? Uma mulher. Não diga! Uma mulher! Sério? Sim. O senhor não vai direto ao ponto. Quem? Uma artista? Uma amante? Primeira mulher fumante... que conheci. Que lindo. Lembro da minha mãe. Ela ainda fumava com aqueles filtros longuíssimos, tão elegantes. Guardo

14 14 uma imagem bem glamourosa dela, mas a verdade é que, sem o cigarro, ela tinha menos estilo que um mercadinho de bairro. É curioso como fugimos das lembranças. Penso em Julia, que nasceu sem passado em um bar irlandês chamado Twelve O Clock. Era um desses pubs escuros com listéis de madeira na parede e anúncios de uísque Jameson dos anos vinte. A ideia de não saber muito bem quem é ela me agrada. Agora mesmo, seus olhos brilham por causa da cerveja, e ela lembra uma dessas meninas que gritam obscenidades para Axl Rose na saída de um show. Mas duvido de que seja fã do Guns N Roses. Nos anos noventa, todas as amigas da moça choraram a morte de Kurt Cobain. Julia também tinha o quarto cheio de pôsteres e seu primeiro namorado cantou Come as you are para ela na saída de um show. Isso não quer dizer que Julia jogou Nintendo nem que continue escutando Foo Fighters até hoje por pura nostalgia. No apartamento alugado, ela não tem aparelho de som e vive com a televisão ligada, com a maioria das suas coisas amontoadas em caixas de papelão, pronta para ir embora. É evidente: existe um toque niilista no jeito de Julia

15 15 que nos leva a imaginá-la sem o uniforme do trabalho, tomando cerveja em um squatter 1 de Londres. Mas, claro, essa suposição poderia ofendê-la porque Julia pensa que já viveu o bastante de punk tardio e de jet lag geracional, ela que, afinal, nasceu nos anos oitenta. Esse homem. O que tem ele? Parece... Está procurando alguém... Onde? Ah, não! Não é o Aurelio. Acho que ele não vem mais, para dizer a verdade. Ele já saiu do trabalho há horas. Está nervosa. É uma pergunta? Está nervosa. Porque ele não vem. Imagina. Não vivemos juntos, sabe? Ainda não; estamos planejando, mas... continuo livre. De certo modo, pelo menos. Entendo. Fico com pena desses casais que vivem desconfiando e reclamando. Não quero isso para mim. Não tem problema se ele não aparecer hoje, sabe? Nem tínhamos combinado nada.

16 16 Dylan não sabe que, na noite do acidente, seu pai estava bêbado. Não muito, mas o bastante para pensar que poderia dirigir os duzentos quilômetros de volta. Tinham passado o dia na casa de um velho colega da universidade, e a sobremesa do almoço acabou emendando com o jantar. Esteban, o amigo do pai, era casado com uma mexicana de peitos exuberantes, e os dois viviam em uma espécie de lua de mel permanente, entre garrafas de tequila e apostas certeiras na Bolsa. Tinham filhos gêmeos que contaram a Dylan ter sofrido um acesso de vômitos depois de vinte horas seguidas jogando Atari. Quando o deixaram sozinho com eles no quarto de brinquedos, Dylan sentou-se em um canto, morto de medo, sem nem atrever-se a tocar nos controles. Escutava a conversa do pai dos gêmeos na cozinha. Todos riam com a história dos covers dos Destroyers, aqueles que sofreram uma descarga elétrica no meio de um show universitário, por causa da chuva. Eles continuaram tocando, mesmo com o cabelo queimado. Pareciam os Pistols, opinou Esteban. Todas as suas histórias giravam em torno dos mesmos assuntos. Café com uísque na época de provas, tentativas de formar bandas de rock, velhos amigos, namoradas, presentes e ausentes. Quando começou a

17 17 ficar tarde e o casal convidou-os para dormir ali, Miguel já pensava em sair correndo há muito tempo. Talvez o conheça. De vista. Com certeza. Ele passa mais tempo nesse maldito bar do que em qualquer outro lugar. E justo em um dia em que venho encontrá-lo... Enfim, o que se pode fazer. Não se zangue. Não, não estou zangada! É o que eu disse. Não tenho por que saber sempre onde ele está, nem nada. Claro que quando estivermos vivendo juntos não vou deixar que ele me ignore desse jeito. Não sei se me entende. É ele quem quer que a gente more junto. Eu digo: tudo bem, mas assumindo responsabilidades. Me desculpe. Nem sei por que estou contando tudo isso ao senhor. Não se preocupe. Não, é sério, desculpe. É verdade, estou nervosa. Já faz alguns meses que Julia adoraria viver em hotéis. A vida itinerante é mais organizada, com a roupa indispensável, o dinheiro contado e a escova de dente própria para viagens, que cabe em qualquer lugar. Quando uma pessoa viaja,

18 18 planeja sua vida para um tempo determinado. É mais difícil imaginar-se em uma situação de caos quando tudo tem data para acontecer. Talvez por isso tenha transformado a casa em um cenário de viagem iminente. Os livros, vestidos de festa e artigos de decoração descansam dentro de caixas de papelão empilhadas. Elas ficam no hall, ao lado da porta, e assim, todo dia ao sair de casa, Julia lembra que fugir seria muito simples, tanto quanto encher o elevador com suas coisas e pedir um táxi para o aeroporto. Quando menos esperar terá que fazer isso, mas seu destino será desembrulhar tudo de novo e escolher um lugar exato para cada objeto, uma arrumação específica que seja mantida durante anos. Julia tem medo do acúmulo de pó visível embaixo dos livros quando ela os retira da estante. Faz tanto tempo que não toca nas enciclopédias que as prateleiras até inclinaram com o peso e, se resolvesse arrastar as mesinhas de cabeceira, encontraria dezenas de insetos esmagados, em seus lugares de sempre. São os produtos da inércia que espantam Julia. Ela chegou a Madri com 18 anos e viveu um mês na casa de parentes. O mural da universidade estava cheio de anúncios de aluguel, mas nenhuma chamava sua atenção. Talvez tivesse a ver com os ataques de tristeza que tinha

19 19 toda noite, quando se recolhia no quarto e pela primeira vez na vida estava sozinha. Tudo aquilo, a universidade, as pessoas, a independência recém-conquistada, nada combinava com o ideal adolescente que a motivara a deixar a casa dos pais. Madri era hostil, grande demais. Era impossível adivinhar quem eram as pessoas que se sentavam ao seu lado no metrô. De vez em quando, Julia reconhecia essa mesma angústia nos imigrantes que via passar entre uma estação e outra, mas a cidade era de uma ausência completa de interesse, de emoção. Era desnaturalizada. Julia só decidiu dividir um apartamento com Aurelio e Sandra porque eles também eram estrangeiros, desses visitantes que andam com um mapa do metrô nas mãos e a certeza de estar no lugar errado. Sentiam-se sobrando em uma cidade com tantos milhões de habitantes. ALLEN JORDAN DEFENDE-SE PUBLICAMENTE DAS ACUSAÇÕES DO CASO GOULD A reação das pessoas? Não me surpreende em nada. Mesmo se me provassem que Deus não existe, continuaria pensando da mesma maneira.

20 20 Assim começou a entrevista com o doutor Jordan, transmitida ontem, em horário nobre, por uma televisão canadense. Desde que a Fundação Glenn Gould anunciou que iria mover uma ação contra o famoso psiquiatra, o debate ganhou repercussão internacional, e a opinião pública, embora dividida, tende a apoiar os que demonizam a teoria do médico. A polêmica começou há duas semanas, quando a revista Tomorrow publicou um artigo em que Jordan associava o virtuosismo de Glenn Gould a um transtorno cerebral chamado Asperger, que muitos historiadores lhe atribuem. É preciso levar em consideração que nossos conhecimentos sobre a doença são muito recentes o primeiro estudo amplo sobre o Asperger data de Além disso, a sintomatologia não é evidente; é compreensível que Gould não tenha sido diagnosticado em vida. A síndrome de Asperger é um transtorno do desenvolvimento cerebral cujas características impressionaram Jordan por sua aparente incompatibilidade com a criação artística. Em sua pesquisa, ele reforça a falta de capacidade dos pacientes para interpretar emoções, o que resulta em uma ausência quase total do que chamamos de empatia. Como um músico, um intérprete, que trabalha tão próximo às emoções artísticas, podem padecer desta síndrome? Quanto mais procurava uma resposta, mais encontrava contradições. O pensa-

21 21 mento estritamente concreto e lógico das pessoas com Asperger, por exemplo, é um traço que vai contra nossa concepção do artista. Partindo desse paradoxo, Allen Jordan considerou várias hipóteses até chegar à conclusão que buscava. Ao investigar a biografia de Gould, chamaram sua atenção as preferências musicais do artista. Gould é reconhecido internacionalmente por suas interpretações de Johann Sebastian Bach. Não é pura casualidade sua afirmação de que, de Bach a Wagner, a música apresenta um vazio indesculpável. Era tido como uma excentricidade seu ódio à música romântica e a Beethoven e Chopin, compositores temperamentais cuja música está infestada de emoções contraditórias, complexas, que marcaram suas partituras. Tomando Bach como exemplo, um compositor claramente técnico, dotado de uma mente matemática implacável, a associação torna-se óbvia. Uma pessoa com Asperger dificilmente apreciaria composições que não demonstrassem ser lógicas e que implicassem uma identificação emocional com seu criador. Essas afirmações, por si só, já podem parecer polêmicas, mas elas não são a parte mais controversa do artigo. Como em muitos casos de autismo, as pessoas com Asperger tendem a demonstrar certa obsessão com atividades específicas, em que se revelam brilhantes. Sinto-me ofendido como admirador de Glenn, e também como pianista. O senhor Allen Jordan insinua que a genialidade de

22 22 Gould se deve ao estudo compulsivo do piano, como se qualquer um que se dispusesse a ficar horas tocando pudesse se transformar em um grande intérprete. É uma teoria absurda e exagerada. Dizer que Glenn Gould foi pianista graças à síndrome de Asperger é o mesmo que afirmar que Beethoven foi um gênio porque era surdo, ironiza Andrés Bejas, professor do Conservatório Superior de Oviedo. A poucos dias do início do processo judicial, pessoas de todo o mundo nos enviam diferentes opiniões. Por um lado, esse pode ser um caso de possível difamação, do uso de uma hipótese que apoia um argumento enganoso; mas o caso Gould também toca em feridas, em um debate que evitamos e que ditará o tom do novo século: a rejeição social aos avanços científicos que podem destruir nossos mais sagrados mitos. O veredito, dessa vez, pode recair em todos nós. Era um Renault 5 escuro que nas curvas quase tocava as barreiras de proteção da estrada. O caminho estava vazio. O motorista aumentou o volume do rádio e acordou o menino, que dormia no banco de trás, com o som da música que tinha ganhado o Eurovision Song Contest 2 daquele ano. Todos começaram a cantar e, por alguns minutos, o motorista resistiu ao sono. A mulher que roncava no banco do carona entoou o refrão sem nem abrir os olhos. Na

23 23 verdade só repetiam Waterloo a cada início de frase. A canção continuou tocando com a freada, com a criança voando pela janela, e com o motorista que mordia os lábios enquanto tentava controlar o carro com o ritmo da música grudado na cabeça. Tudo aconteceu em menos de um minuto, porque, afinal, embora o rádio tivesse parado de funcionar, ele calculou que a música ainda tocava em todos os rádios ligados naquela hora. Só para ter certeza, enquanto a ambulância, a polícia e os moradores das casas próximas chegavam, o motorista tentou sintonizar de novo a estação. Só achou um programa de música eletrônica, e o maqueiro, de maneira bem mal-educada, mandou que ele desligasse o aparelho.

24 24 NOTAS 1. Equivalente inglês ao termo okupa, que na Espanha refere-se a um movimento social de ocupação de edifícios abandonados e casas sem inquilinos, transformados em centros sociais com atividades como shows e oficinas. Ele começou no início dos anos oitenta, coincidindo com um período de baixa oferta de trabalho e alternativas no país. Existe um grande debate na Espanha sobre os ideais desses espaços okupados, que se transformam em centros sociais, e de seus integrantes, também conhecidos como okupas. De um lado, eles são chamados de punks, drogados e invasores; de outro, argumentam lutar contra o sistema vigente, pela coletivização e o direto a uma moradia digna. (N. T.) 2. Popular festival e concurso musical celebrado anualmente na Europa. Apesar de retransmitido para várias rádios e canais de TV, é visto por muitos como um espaço de divulgação de cantores de gosto duvidoso. (N. T.)

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes

All You Zombies. Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959. Versão Portuguesa, Brasil. Wendel Coelho Mendes All You Zombies Wendel Coelho Mendes Versão Portuguesa, Brasil Baseado no conto original de Robert A. Heinlein, All You Zombies, 1959 Esse conto é minha versão sobre a verdadeira história de All You Zombies,

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

RECADO AOS PROFESSORES

RECADO AOS PROFESSORES RECADO AOS PROFESSORES Caro professor, As aulas deste caderno não têm ano definido. Cabe a você decidir qual ano pode assimilar cada aula. Elas são fáceis, simples e às vezes os assuntos podem ser banais

Leia mais

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas

Nicholas Sparks. Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas Nicholas Sparks Tradução: Marsely De Marco Martins Dantas A ÚLTIMA MÚSICA 1 Ronnie Seis meses antes Ronnie estava sentada no banco da frente do carro sem entender por que seus pais a odiavam tanto. Era

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa.

Olga, imigrante de leste, é empregada nessa casa. Está vestida com um uniforme de doméstica. Tem um ar atrapalhado e está nervosa. A Criada Russa Sandra Pinheiro Interior. Noite. Uma sala de uma casa de família elegantemente decorada. Um sofá ao centro, virado para a boca de cena. Por detrás do sofá umas escadas que conduzem ao andar

Leia mais

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo

Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Geração Graças Peça: A ressurreição da filha de Jairo Autora: Tell Aragão Personagens: Carol (faz só uma participação rápida no começo e no final da peça) Mãe - (só uma voz ela não aparece) Gigi personagem

Leia mais

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar

1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar 1. Porque eu te amo nunca será suficiente 2. Porque a cada dia você me conquista mais e de um jeito novo 3. Porque a ciência não tem como explicar nosso amor 4. Porque a gente discute nossos problemas

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre

Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre 1 Do meio das árvores secas da floresta escura emer giu o maníaco com a máscara de pele humana. Motosserra em mãos, desceu-a entre as pernas do pobre paraplégico, cortando-o ao meio, assim como a sua cadeira

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER

Solidão PROCURA-SE MULHER PROCURA-SE MULHER Edna estava caminhando pela rua com sua sacola de compras quando passou pelo carro. Havia um cartaz na janela lateral: Ela parou. Havia um grande pedaço de papelão grudado na janela com alguma substância.

Leia mais

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar

MELHORES MOMENTOS. Expressão de Louvor Paulo Cezar MELHORES MOMENTOS Expressão de Louvor Acordar bem cedo e ver o dia a nascer e o mato, molhado, anunciando o cuidado. Sob o brilho intenso como espelho a reluzir. Desvendando o mais profundo abismo, minha

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead)

A Última Carta. Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) A Última Carta Sempre achamos que haverá mais tempo. E aí ele acaba. (The Walking Dead) E la foi a melhor coisa que já me aconteceu, não quero sentir falta disso. Desse momento. Dela. Ela é a única que

Leia mais

Ato Único (peça em um ato)

Ato Único (peça em um ato) A to Ú nico Gil V icente Tavares 1 Ato Único (peça em um ato) de Gil Vicente Tavares Salvador, 18 de agosto de 1997 A to Ú nico Gil V icente Tavares 2 Personagens: Mulher A Mulher B Minha loucura, outros

Leia mais

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva

O Convite. Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e. Gisele Christine Cassini Silva O Convite Roteiro de Glausirée Dettman de Araujo e Gisele Christine Cassini Silva FADE OUT PARA: Int./Loja de sapatos/dia Uma loja de sapatos ampla, com vitrines bem elaboradas., UMA SENHORA DE MEIA IDADE,

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação.

por ano para trocar o sangue. Page leu todos os livros do Aleister Crowley. Em 1977, eles já tinham se tornado a banda definitiva de iniciação. O Led Zeppelin sempre foi complicado. Esse era o problema inicial deles. Os shows deles sempre tinham violência masculina. Isso foi um desvio nos anos 1970, que foi uma época muito estranha. Era uma anarquia

Leia mais

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história.

Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Uma noite de verão, diz o ator, estaria no centro da história. Nem um sopro de vento. E já ali, imóvel frente à cidade de portas e janelas abertas, entre a noite vermelha do poente e a penumbra do jardim,

Leia mais

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM?

PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? PORQUE É QUE NÃO DANÇAM? Na cozinha, ele serviu se de mais uma bebida e olhou para a mobília de quarto de cama que estava no pátio da frente. O colchão estava a descoberto e os lençóis às riscas estavam

Leia mais

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br

Por Carol Alvarenga, em 17 de junho de 2014, 15h Esquemaria.com.br Esquemaria.com.br / Dicas de estudos / 4 mitos sobre estudos: saiba mais como evitar estes erros Talvez você conheça estes mitos sobre estudos, mas você sabe a verdade por trás deles? Hoje eu trago um

Leia mais

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak

www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak www.jyotimaflak.com Glücks- Akademie mit JyotiMa Flak Academia da felizidade com JyotiMa Flak Entrevista com Ezequiel Quem é você? Meu nome é Ezequiel, sou natural do Rio de Janeiro, tenho 38 anos, fui

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas.

UM SOL ALARANJADO. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas. Amanhece, e pessoas começam a sair das casas. SEQUÊNCIA 1 - EXTERIOR - DIA VILA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Vemos de cima uma pequena vila de subúrbio com suas casas baixas.

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor

Belo reparo. capítulo um. No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas. Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor capítulo um Belo reparo Hoje Nova York Apartamento de Cassandra Taylor No Japão, eles têm o kintsugi a arte de remendar porcelanas preciosas com ouro. O resultado é uma peça que nitidamente foi quebrada,

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997.

017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. 017. Segunda-Feira, 05 de Julho de 1997. Acordei hoje como sempre, antes do despertador tocar, já era rotina. Ao levantar pude sentir o peso de meu corpo, parecia uma pedra. Fui andando devagar até o banheiro.

Leia mais

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:...

ALEGRIA ALEGRIA:... TATY:... ALEGRIA PERSONAGENS: Duas amigas entre idades adolescentes. ALEGRIA:... TATY:... Peça infanto-juvenil, em um só ato com quatro personagens sendo as mesmas atrizes, mostrando a vida de duas meninas, no

Leia mais

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD

Flavia Mariano. Equilíbrio. a vida não faz acordos. 1ª Edição POD Flavia Mariano Equilíbrio a vida não faz acordos 1ª Edição POD Petrópolis KBR 2011 Edição e revisão KBR Editoração APED Capa KBR Imagem da capa fotomontagem sobre arquivo Google Copyright 2011 Flavia Mariano

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

Eu, Você, Todos Pela Educação

Eu, Você, Todos Pela Educação Eu, Você, Todos Pela Educação Um domingo de outono típico em casa: eu, meu marido, nosso filho e meus pais nos visitando para almoçar. Já no final da manhã estava na sala lendo um livro para tentar relaxar

Leia mais

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16

Super.indd 5 6/1/2010 17:05:16 Super é o meu primeiro livro escrito inteiramente em São Paulo, minha nova cidade. A ela e às fantásticas pessoas que nela vivem, o meu enorme obrigado. E esse livro, como toda ficção, tem muito de realidade.

Leia mais

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você!

Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Vamos mudar o mundo? Mais esta mudança deve começar por você! Este Livro Digital (Ebook) é fruto de uma observação que eu faço no mínimo há dez anos nas Redes Sociais, e até pessoalmente na convivência

Leia mais

Só que tem uma diferença...

Só que tem uma diferença... Só que tem uma diferença... Isso não vai ficar assim! Sei. Vai piorar. Vai piorar para o lado dela, isso é que vai! Por enquanto, só piorou para o seu, maninho. Pare de me chamar de maninho, Tadeu. Você

Leia mais

Nada de telefone celular antes do sexto ano

Nada de telefone celular antes do sexto ano L e i n º1 Nada de telefone celular antes do sexto ano Nossos vizinhos da frente estão passando uma semana em um cruzeiro, então me pediram para buscar o jornal e a correspondência todos os dias, enquanto

Leia mais

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock

Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock Entrevista com Entrevista com Max Matta, vocalista da banda Caps Lock POUCA E BOAS DA MARI - Max, você, o Sté e o Carlinhos tocam juntos desde 2003. Em 2005, o Thiago entrou na banda, foi quando surgiu

Leia mais

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série.

HISTÓRIA DE SÃO PAULO. Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. EE Bento Pereira da Rocha HISTÓRIA DE SÃO PAULO Alunos: Tatiana Santos Ferreira, Joyce Cruvello Barroso, Jennifer Cristine Silva Torres dos Santos, Sabrina Cruz. 8ª série. História 1 CENA1 Mônica chega

Leia mais

A INDA RESTAM AVELEIRAS

A INDA RESTAM AVELEIRAS CAPÍTULO I ESTARIA EU, naquela manhã, mais ou menos feliz do que nos outros dias? Não tenho a menor ideia, e a palavra felicidade não faz mais muito sentido para um homem de 74 anos. Em todo caso, a data

Leia mais

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO

Roteiro para curta-metragem. Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO Roteiro para curta-metragem Nathália da Silva Santos 6º ano Escola Municipalizada Paineira TEMPESTADE NO COPO SINOPSE Sérgio e Gusthavo se tornam inimigos depois de um mal entendido entre eles. Sérgio

Leia mais

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1

Arte do Namoro - Manual de Como Seduzir pelo Telefone por Rico 2009-2010, Todos Direitos Reservados - Pg 1 Direitos Reservados - Pg 1 Aviso aos que se acham malandros, ou que querem ser processados ou parar na cadeia. Este livro é registrado com todos os direitos reservados pela Biblioteca Nacional. A cópia,

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com

QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com QUASE NADA Peça de Marcos Barbosa marcosbarbosa@hotmail.com Antônio, Sara, Vânia e César. Sala da casa de Antônio e Sara. 1 Um longo silêncio. ANTÔNIO. Vai me deixar falando sozinho? Sara o fita e fica

Leia mais

Laranja-fogo. Cor-de-céu

Laranja-fogo. Cor-de-céu Laranja-fogo. Cor-de-céu Talita Baldin Eu. Você. Não. Quero. Ter. Nome. Voz. Quero ter voz. Não. Não quero ter voz. Correram pela escada. Correram pelo corredor. Espiando na porta. Olho de vidro para quem

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho

Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho o príncipe lá de casa Tenho um filho. Já tive um marido. Tenho agora um filho e talvez queira outra vez um marido. Mas quando se tem um filho e já se teve um marido, um homem não nos serve exatamente para

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua

Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Geração Graças Peça: A Páscoa Continua Autora: Tell Aragão Personagens: Cantor Apresentador Maluco Nino Nana Sapinho 1 Sapinho 2 Voz de locutor Cena 1 A cortina abre. As duas crianças estão na sala assistindo

Leia mais

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta

início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Início contos e poemas que não deveriam ser esquecidos na gaveta Mariana Pimenta Lagoa Santa, 2015 Mariana Pimenta 2015

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES:

1. COMPLETE OS QUADROS COM OS VERBOS IRREGULARES NO PRETÉRITO PERFEITO DO INDICATIVO E DEPOIS COMPLETE AS FRASES: Atividades gerais: Verbos irregulares no - ver na página 33 as conjugações dos verbos e completar os quadros com os verbos - fazer o exercício 1 Entrega via e-mail: quarta-feira 8 de julho Verbos irregulares

Leia mais

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch

Historinhas para ler durante a audiência dos pais. Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Historinhas para ler durante a audiência dos pais Pio Giovani Dresch Ilustrações: Santiago Arte: www.espartadesign.com.br Contatos

Leia mais

www.rockstarsocial.com.br

www.rockstarsocial.com.br 1 1 Todos os Direitos Reservados 2013 Todas As Fotos Usadas Aqui São Apenas Para Descrição. A Cópia Ou Distribuição Do Contéudo Deste Livro É Totalmente Proibida Sem Autorização Prévia Do Autor. AUTOR

Leia mais

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas.

PESQUISA DIAGNÓSTICA - SISTEMATIZAÇÃO. - Sim, estou gostando dessa organização sim, porque a gente aprende mais com organização das aulas. ESCOLA MUNICIPAL BUENA VISTA Goiânia, 19 de junho de 2013. - Turma: Mestre de Obras e Operador de computador - 62 alunos 33 responderam ao questionário Orientador-formador: Marilurdes Santos de Oliveira

Leia mais

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44)

Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Geração Graças Peça: O livro das Parábolas A parábola do tesouro escondido (Mt 13:44) Autora: Tell Aragão Colaboração: Marise Lins Personagens Menina Zé Bonitinho +++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++++

Leia mais

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO

UM SOL ALARANJADO. Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA QUARTO SEQUÊNCIA 1 - INTERIOR - DIA UM SOL ALARANJADO Roteiro de Eduardo Valente, a partir de argumento e com a colaboração de Rubio Campos. Por uma janela, vemos o sol nascendo ao fundo de uma série de casas

Leia mais

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Escola Municipal de Ensino Fundamental David Canabarro Florianópolis, 3892 Mathias Velho/Canoas Fone: 34561876/emef.davidcanabarro@gmail.com DADOS DE IDENTIFICAÇÃO Nome: Stefani do Prado Guimarães Ano

Leia mais

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes

A criança preocupada. Claudia Mascarenhas Fernandes A criança preocupada Claudia Mascarenhas Fernandes Em sua época Freud se perguntou o que queria uma mulher, devido ao enigma que essa posição subjetiva suscitava. Outras perguntas sempre fizeram da psicanálise

Leia mais

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar

Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar Segmentos da Entrevista do Protocolo 5: Alunos do Pré-Escolar CATEGORIAS OBJECTIVOS ESPECÍFICOS S. C. Sim, porque vou para a beira de um amigo, o Y. P5/E1/UR1 Vou jogar à bola, vou aprender coisas. E,

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa?

5 Eu vou fazer um horário certo para tomar meus remédios, só assim obterei melhor resultado. A TV poderia gravar algum programa? Antigamente, quando não tinha rádio a gente se reunia com os pais e irmãos ao redor do Oratório para rezar o terço, isso era feito todas as noites. Eu gostaria que agora a gente faça isso com os filhos,

Leia mais

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance

Alta Performance Como ser um profissional ou ter negócios de alta performance Sobre o autor: Meu nome é Rodrigo Marroni. Sou apaixonado por empreendedorismo e vivo desta forma há quase 5 anos. Há mais de 9 anos já possuía negócios paralelos ao meu trabalho e há um pouco mais de

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

PACIENTE DO OUTRO MUNDO

PACIENTE DO OUTRO MUNDO PACIENTE DO OUTRO MUNDO Os dois médicos conversavam e um queria ser mais importante que o outro. Diz o primeiro: O colega há de ouvir que eu sou realmente um grande cirurgião. Só pra você ter uma idéia,

Leia mais

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR

Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR Diogo Caixeta 6 PASSOS PARA CONSTRUIR UM NEGÓCIO DIGITAL DE SUCESSO! WWW.PALAVRASQUEVENDEM.COM WWW.CONVERSAODIGITAL.COM.BR INTRODUÇÃO Você está cansado de falsas promessas uma atrás da outra, dizendo

Leia mais

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem.

MARIANA: Fátima? Você tem certeza que seu pai vai gostar? Ele é meio careta, apesar de que é uma linda homenagem. Pais e filhos 1º cena: música ambiente (início da música pais e filhos legião urbana - duas pessoas entram com um mural e começam a confeccionar com frases para o aniversário do pai de uma delas (Fátima),

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

PRIMEIRO BLOCO / ossos

PRIMEIRO BLOCO / ossos PRIMEIRO BLOCO / ossos dentes negros final.p65 9 S 10 s dentes negros final.p65 10 S 11 s Ninguém aqui teve infância, ela diz. E agora estamos envenenados até os ossos. Não é mais a típica conversa de

Leia mais

Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe

Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe O pôster Uma sala de estar e de jantar de um apartamento de classe média, pequeno mas bem decorado. Uma porta aberta à esquerda mostra a cozinha, onde Maria prepara o jantar. Na sala, João está de frente

Leia mais

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1

Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 Construindo uma comunicação com uma adolescente com atitudes interpretativas. Ernesto René Sang 1 O propósito desta comunicação é contribuir com alguns elementos do material clínico do atendimento terapêutico

Leia mais

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima

A BOLINHA. por RODRIGO FERRARI. Versão finalíssima A BOLINHA por RODRIGO FERRARI Versão finalíssima rodrigoferrari@gmail.com (21) 9697.0419 Do lado direito do palco, CLÁUDIA está sentada numa cadeira. Ela segura um teste de gravidez. Ela abre a caixa e

Leia mais

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari

08. Camilo Alfredo Faigle Vicari 08. Camilo Alfredo Faigle Vicari Nascido em São Paulo, em 1976, é biólogo e estudante de mestrado na UNIFESP. Em 26 de agosto de 2010 recebi Camilo numa sala de reuniões da UNIFESP. Ele chegou às 18h e

Leia mais

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ

PROJETO PROFISSÕES. Entrevista com DJ Entrevista com DJ Meu nome é Raul Aguilera, minha profissão é disc-jóquei, ou DJ, como é mais conhecida. Quando comecei a tocar, em festinhas da escola e em casa, essas festas eram chamadas de "brincadeiras

Leia mais

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho.

- Se for pra mim, eu não estou. - Ah. Oi... Está sim. Espera um minutinho. 1 AMAR... dir: Carlos Gregório CASA DE LAURA... - Você não vai dizer nada? - O que você quer que eu diga? - Qualquer coisa. - Olha,... Não foi tão importante pra mim... - Não... foi!!? - É... É isso mesmo.

Leia mais

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB!

O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! O Ponto entrevista Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para ATRFB! A história da Letícia Odorizi, aprovada em 1º lugar para Analista Tributário da Receita Federal do Brasil, é mais uma das histórias

Leia mais

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um.

coleção Conversas #10 - junho 2014 - Respostas que podem estar sendo feitas para algumas perguntas Garoto de Programa por um. coleção Conversas #10 - junho 2014 - Eu sou Estou garoto num de programa. caminho errado? Respostas para algumas perguntas que podem estar sendo feitas Garoto de Programa por um. A Coleção CONVERSAS da

Leia mais

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na

Quem quer que tivesse organizado a festa de volta às aulas era um gênio. Ficava a quilômetros de distância dos pais preconceituosos, da escola na Prólogo O ritmo pulsante da música tomava seu corpo até os All Stars cor-de-rosa de cano alto. Ela queria usar as sandálias de salto alto que tinha comprado na última viagem a Atlanta, mas havia cometido

Leia mais

Poder Invisível Use sua mente a seu favor!

Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Poder Invisível Use sua mente a seu favor! Lucyana Mutarelli Poder Invisível Use sua mente a seu favor! 1 Edição Abril de 2013 "Concentre-se naquilo que tem na sua vida e terá sempre mais. Concentre-se

Leia mais

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares

BOLA NA CESTA. Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares BOLA NA CESTA Roteiro para curta-metragem de Marcele Linhares 25/04/2012 SINOPSE Essa é a história de Marlon Almeida. Um adolescente que tem um pai envolvido com a criminalidade. Sua salvação está no esporte.

Leia mais

101 desculpas para dar aos clientes

101 desculpas para dar aos clientes 101 desculpas para dar aos clientes Crystiano C. Alves Pequeno DEDICATÓRIA Agradeço primeiramente à DEUS; minha mãe; meus irmãos e familiares; meu amor; meus amigos, em especial à Gleice Flora que sempre

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br

Alô, alô. www.bibliotecapedrobandeira.com.br Alô, alô Quero falar com o Marcelo. Momento. Alô. Quem é? Marcelo. Escuta aqui. Eu só vou falar uma vez. A Adriana é minha. Vê se tira o bico de cima dela. Adriana? Que Adriana? Não se faça de cretino.

Leia mais

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN

POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN POR QUE BATISMO? PR. ALEJANDRO BULLÓN "Pr. Williams Costa Jr.- Pastor Bullón, por que uma pessoa precisa se batizar? Pr. Alejandro Bullón - O Evangelho de São Marcos 16:16 diz assim: "Quem crer e for batizado,

Leia mais

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008

Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 IDENTIFICAÇÃO Rio de Janeiro, 18 de junho de 2008 Meu nome é João Almeida Gonçalves, nasci em Macaé em12 de novembro de 1960. INGRESSO NA PETROBRAS Ingressei na Petrobras, antes de trabalhar na Petrobras.

Leia mais

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas.

1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Todos os dias Gramática: atividades RESPOSTAS De olho no mercado 1. Ouça o depoimento de Diana, sem acompanhar a transcrição, e complete as lacunas. Diana: E o meu trabalho, eu trabalho numa empresa chamada

Leia mais

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht

Efêmera (título provisório) Por. Ana Julia Travia e Mari Brecht Efêmera (título provisório) Por Ana Julia Travia e Mari Brecht anaju.travia@gmail.com mari.brecht@gmail.com INT. SALA DE - DIA. VÍDEO DE Números no canto da tela: 00 horas Vídeo na TV., 22, com seus cabelos

Leia mais

UNIFORMES E ASPIRINAS

UNIFORMES E ASPIRINAS SER OU NÃO SER Sujeito desconfiava que estava sendo traído, mas não queria acreditar que pudesse ser verdade. Contratou um detetive para seguir a esposa suspeita. Dias depois, se encontrou com o profissional

Leia mais

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico)

TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA. (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) TEXTO: Texto Warley di Brito A TURMA DA ZICA (Esta é uma versão adaptada, da turma do zico) Januária setembro/2011 CENÁRIO: Livre, aberto, porém, deve se haver por opção uma cadeira, uma toalha e uma escova

Leia mais

A SENSITIVA E A MULHER MACACO

A SENSITIVA E A MULHER MACACO A SENSITIVA E A MULHER MACACO Esquetes cômicos de Luís Alberto de Abreu CENA ÚNICA A AÇÃO SE PASSA NO INTERIOR DE UM ÔNIBUS. ENTRA UM APRESEN- TADOR. Silêncio. Um momento de silêncio por favor. Essa é

Leia mais

As coisas estavam indo bastante bem. Na verdade, eu diria que uma onda de paradas maneiras vinha rolando há uns seis meses. Por exemplo: mamãe se

As coisas estavam indo bastante bem. Na verdade, eu diria que uma onda de paradas maneiras vinha rolando há uns seis meses. Por exemplo: mamãe se 1 As coisas estavam indo bastante bem. Na verdade, eu diria que uma onda de paradas maneiras vinha rolando há uns seis meses. Por exemplo: mamãe se livrou do Steve, o namorado escroto dela. Por exemplo:

Leia mais

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal.

Lembro-me do segredo que ela prometeu me contar. - Olha, eu vou contar, mas é segredo! Não conte para ninguém. Se você contar eu vou ficar de mal. -...eu nem te conto! - Conta, vai, conta! - Está bem! Mas você promete não contar para mais ninguém? - Prometo. Juro que não conto! Se eu contar quero morrer sequinha na mesma hora... - Não precisa exagerar!

Leia mais

anti-heróis & aspirinas yury hermuche

anti-heróis & aspirinas yury hermuche anti-heróis & aspirinas yury hermuche A aspirina é um pó branco e cristalino, com ponto de fusão a 135 graus celsius, também conhecido como ácido acetilsalicílico. É vendido compactado em pastilhas. Sua

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais