TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35"

Transcrição

1 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 i

2 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 ii CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA ENTIDADE MANTENEDORA: INSTITUTO FILADÉLFIA DE LONDRINA Diretoria: Agnello Correa de Castilho... Vice-Presidente Alberto Luiz Cândido Wust... Primeiro Tesoureiro Wellington Werner... Primeiro Secretário Job Rodrigues de Moraes... Segundo Secretário Eleazar Ferreira... Reitor

3 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 iii

4 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 iv ISSN TERRA E CULTURA Ano XVIII - nº 35 - julho a dezembro de 2002 CONSELHO EDITORIAL PRESIDENTE Tadeu Elisbão CONSELHEIROS Ademir Morgenstern Padilha Damares Tomasin Biazin João Juliani Joaquim Pacheco de Lima José Carlos Rogel José Martins Trigueiro Neto Juliana Harumi Suzuki Maria Eduvirges Marandola Marisa Batista Brighenti

5 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 v

6 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 vi CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA REITOR: Dr. Eleazar Ferreira PRÓ-REITOR DE ENSINO DE GRADUAÇÃO: Prof. Nardir Antonio Sperandio PRÓ-REITORA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO: Profª. Iracema Cordeiro Carneiro COORDENADORA DE CONTROLE ACADÊMICO: Profª. Alice Cardamone Diniz COORDENADORA DE AÇÃO ACADÊMICA: Profª. Vera Aparecida de Oliveira Colaço COORDENADORA DE PROJETOS ESPECIAIS E ORDENAMENTOS LEGAIS: Profª. Vera Lúcia Lemos Basto Echenique COORDENADOR DE PUBLICAÇÕES CIENTÍFICAS: Prof. Tadeu Elisbão COORDENADORES DE CURSOS DE GRADUAÇÃO: Administração Prof. Luiz Antônio Félix Arquitetura e Urbanismo Prof. Gílson Jacob Bergoc Ciências Biológicas Profª.Célia Regina Góes Garavello Ciências Contábeis Prof. Eduardo Nascimento da Costa Ciências Exatas Prof. Ébano Bortotti de Oliveira Direito Prof. Osmar Vieira da Silva Enfermagem Profª. Damares Tomasin Biazin Farmácia Profª. Lenita Brunetto Bruniera Fisioterapia Profª. Gladys Cely Faker Lavado Nutrição Profª. Gersislei Antonia Salado Pedagogia Profª. Yara Maria Borges da Silveira Psicologia Prof. João Juliani Secretariado Executivo Profª. Creuza Aparecida da Rocha Tecnologia em Proc. de Dados Prof. Lupércio Fuganti Luppi Teologia Prof. Rev. Silas Barbosa Dias Turismo Profª. Thaís Berbert Rua Alagoas, nº CEP Fone: (0xx43) Londrina - Paraná

7 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 vii

8 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 Sumário viii IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO... II IDENTIFICAÇÃO DO CONSELHO EDITORIAL... IV CENTRO UNIVERSITÁRIO FILADÉLFIA... VI EDITORIAL... 1 NÍVEIS DE SATISFAÇÃO DOS MORADORES EM RELAÇÃO À INFRA E À SUPERESTRUTURA DOS CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES DE LONDRINA, PARANÁ... 3 Paulo Adeildo Lopes POR UMA ARQUITETURA ECOLÓGICA Antonio Manuel Nunes Castelnou CONSIDERAÇÕES SOBRE O URBANISMO DE LONDRINA E SUAS RELAÇÕES COM O MODELO DA CIDADE-JARDIM Juliana Harumi Suzuki GESTÃO DE PESSOAS EM INSTITUIÇÕES DO TERCEIRO SETOR: UMA REFLEXÃO NECESSÁRIA Selma Frossard Costa GESTÃO DE CUSTOS: UMA VISÃO ESTRATÉGICA SOB O ENFOQUE DE ADOÇÃO DA CADEIA DE VALORES Luís Marcelo Martins IDENTIFICAÇÃO DE CONCORDÂNCIAS E DIVERGÊNCIAS SOBRE PREÇOS ENTRE CONSUMIDORES E EMPRESÁRIOS Adalberto Brandalize UTILIZANDO UML PARA WEB: UM CASO PRÁTICO Sérgio Akio Tanaka Ademir Morgenstern Padilha ENFERMEIROS E EDUCADORES: UM DESAFIO Andréia Bendine Gastaldi Alda Ap. Mastelaro Hayashi A AVALIAÇÃO COMO PRÁTICA DOCENTE EM ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM ENFERMAGEM Renata Guizilini Barison

9 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 ix IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA HUMANIZADA AO PACIEN- TE SUBMETIDO A CIRURGIA CARDÍACA Damares Tomasin Biazin Lígia Maria Ferreira Coldibelli Renata Perfeito Ribeiro Maria Cristina da Silva Milene Aparecida de Andrade Elisangela Flauzino Fernando Nelson Lara PROJETO DE EXTENSÃO: VISITA PRÉ E PÓS OPERATÓRIA DE CIRURGIA CARDÍACA Damares T. Biazin Renata Perfeito Ribeiro Janaína Recanello Lígia M. F. Coldibelli Maria Caroline F. Simon Maria Cristina da Silva Milene Andrade USO DO LABORATÓRIO DE ENFERMAGEM Damares Tomasin Biazin Ariane Guimarães Guerra Gislaine de Mari dos Santos Maristela Chinelli de Oliveira O ENFERMEIRO E A ERGONOMIA EM UNIDADE DE CEN- TRO DE MATERIAIS Patrícia Helena Vivan Ribeiro Renata Perfeito Ribeiro

10 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 1 EDITORIAL 1 TERRA E CULTURA dá a público este seu N.º 35, completando a sua programação editorial para o corrente ano de 2002, justamente o 18º da sua existência profícua, semeando idéias e fazendo pensar. Neste ano em que o Centro Universitário Filadélfia (UniFil) expandiu sobremaneira e consolidou ainda mais a sua posição no cenário educacional do país, a Revista também viu-se robustecida. Cresceu o número de instituições de ensino superior (IES) e de pesquisa que passaram a figurar na mala-direta para a remessa de exemplares a cada edição. O ingresso desses novos destinatários deu-se por iniciativa das próprias Instituições, que formalizaram o seu interesse através das respectivas Bibliotecas. Neste contexto TERRA E CULTURA vê ampliar a sua área de abrangência a cada ano, fato que consubstancia um dos seus objetivos, claramente estabelecido pelo Conselho Editorial. Paralelamente têm sido firmados contratos de permuta com Instituições que também possuem periódico de divulgação científico-cultural, o que é muito salutar para a UniFil, e também para o novo parceiro. O N.º 35 está rico e atraente através dos 13 artigos que foram selecionados para compô-lo. Mesmo assim a Revista encontra-se permanentemente receptiva a críticas e sugestões, bem como a novos artigos para integrar os Nº 36, O Conselho Editorial

11 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº

12 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 3 NÍVEIS DE SATISFAÇÇO DOS MORADORES EM RELAÇÃO À INFRA E À SUPERESTRUTURA DOS CONJUNTOS HABITACIONAIS POPULARES DE 3 LONDRINA, PARANÁ RESUMO * Paulo Adeildo Lopes A qualidade de vida dentro dos conjuntos habitacionais depende da adequação dos espaços públicos e dos serviços comunitários. Este artigo apresenta análises dos itens: educação, lazer, abastecimento, transporte, saúde e infra-estrutura, obtidas na pesquisa Avaliação Pós-Ocupação Aplicada nos Conjuntos Habitacionais Populares em Londrina Pr: Critérios Básicos para a Manutenção e a Reabilitação Predial 1. Os conjuntos habitacionais selecionados foram produzidos pela Companhia de Habitação de Londrina COHAB LDA, no final da década de 70 e início da década de 80 e representam 84,19% do total de moradias produzidas pelo poder público, entre 1969 e 1997, no Município. Os resultados apresentados expressam as opiniões dos moradores, levantados através da aplicação de questionário estruturado, aplicado em oito conjuntos habitacionais na periferia do Município. PALAVRA-CHAVE: Casas Populares; Conjuntos Habitacionais; Opinião de Moradores. ABSTRACT Life quality in the social housing assemblages depends on the adequacy of public spaces and community services. This article presents analyses on education, entertainment, provisioning, transport, health, and infra-structure, obtained in the research: Avaliação Pós-Ocupação Aplicada nos Conjuntos Habitacionais Populares em Londrina Pr: Critérios Básicos para a Manutenção e a Reabilitação Predial (Post-Occupancy Evaluation of Social Housing Assemblages in Londrina Pr: Basic Criteria for Maintenance and Building Rehabilitation). The housing *Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Filadélfia UniFil. Engenheiro Civil. Mestre pela FAU/USP. 1 Dissertação de mestrado apresentada à FAU/USP, em dezembro de 2000, sob orientação da Profª. Drª. Sheila Walbe Ornstein.

13 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 4 assemblages selected were built by Companhia Habitacional de Londrina COHAB- LDA in late 70 s and early 80 s and represent 84,19% of all the social housing produced with the city governmental funds, between 1969 and The results presented show the users opinions, deriving from the application of a structured questionnaire, applied in eight social housing assemblages in the city outskirts. KEY-WORDS: Social Housing; Social Housing Assemblages; Users Opinions. OBJETIVOS A necessidade de avaliar os níveis de satisfação e de uso da infra e superestrutura pode contribuir para o estabelecimento de critérios que orientem na elaboração de projetos futuros. É importante salientar que os resultados apresentados são oriundos das opiniões dos usuários sobre os principais serviços sociais, aspectos positivos e negativos. O principal objetivo desta pesquisa é gerar subsídios para agentes financeiros, agentes promotores, construtoras, seguradoras e demais interessados, no sentido de minimizar os problemas detectados e ressaltar os acertos, visando a satisfação e a integração dos moradores em relação aos conjuntos habitacionais. CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO DE CASO Em resposta à crescente demanda por moradias populares existente em Londrina, a Prefeitura Municipal criou a Companhia de Habitação de Londrina COHAB LDA, em Em agosto de 1969, a COHAB LDA foi credenciada como agente financeiro do Banco Nacional de Habitação BNH. Com os recursos enviados pelo Governo Federal, foi iniciada a construção intensiva dos conjuntos habitacionais em Londrina. A cidade possui habitações populares, das quais foram produzidas pela COHAB LDA. Os conjuntos habitacionais ocupam as regiões norte, sul, leste e oeste, sendo que a região norte possui 53,80% dos conjuntos habitacionais produzidos pela COHAB LDA.Os oito conjuntos habitacionais que compõem a amostra foram selecionados para este trabalho com base nos seguintes critérios: todos foram construídos no final da década de 70 e início da década de 80, possuem partidos arquitetônicos semelhantes, utilizaram-se do mesmo sistema construtivo, são do mesmo período de ocupação e tiveram como agente a COHAB LDA. A seguir (figura 01), apresentam-se as localizações dos conjuntos habitacionais, objetos de estudo, na malha urbana do município:

14 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 5 Figura 01 Município de Londrina (Fonte: IPPUL, 1995).

15 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 6 ASPECTOS METODOLÓGICOS Os principais fatores que influenciam nos níveis da Avaliação Pós-Ocupação são: os prazos, a finalidade e os recursos destinados à pesquisa. O nível deste trabalho de pesquisa envolve avaliação física e aspectos comportamentais, utilizando diagnósticos, recomendações e especificações técnicas para a realização dos serviços propostos cadernos de encargos (ORNSTEIN & ROMÉRO, 1992, p.42). Neste caso, a escolha da amostra contemplou unidades habitacionais no centro e na periferia dos conjuntos, posição da habitação em função da orientação solar e propagação de sons, a grande quantidade de conjuntos habitacionais e a distribuição dispersa em quase todo o perímetro urbano da cidade de Londrina. Assim sendo, foi utilizado o Método não probabilístico, com distribuição normal, isto é, uma amostra com no mínimo 30 elementos (n 30). Os resultados obtidos são oriundos da aplicação de um questionário estruturado aplicado durante a pesquisa, com entrevista face a face e preenchimento supervisionado. O mesmo divide-se em cinco partes, visando facilitar a compreensão do respondente e a tabulação dos dados. A primeira parte trata do perfil do respondente e dos seus familiares; na segunda parte, tem-se a avaliação dos serviços sociais; na terceira parte, a avaliação da habitação; na quarta parte, aparecem as questões técnico-construtivas e de materiais utilizados; e a quinta e última parte trata do as built. Para a realização desta análise foram considerados os seguintes itens: educação, lazer, abastecimento, transporte, saúde e infra-estrutura. A seguir será apresentada a descrição dos serviços sociais existentes. Educação: Verificou-se que todas as escolas localizadas nos conjuntos são estaduais ou municipais. As mesmas oferecem ensino regular de primeiro e segundo graus. A ênfase no nível de satisfação dos usuários se deu no tocante à distância entre a escola e a moradia, opinião dos pais ou responsáveis sobre a aprendizagem e a existência de vagas para realização de matrículas. Lazer: No tocante ao lazer, o morador foi questionado quanto à existência ou não de áreas de recreação e ainda seu nível de satisfação. Como lazer foram considerados os seguintes itens: quadras esportivas, campo para futebol, praças e locais para prática de caminhadas. Abastecimento: Em relação ao abastecimento, o morador foi questionado

16 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 7 quanto a seu nível de satisfação em relação à existência e proximidade de mercados, mini-mercados, padarias, farmácias, bazares, feiras-livres, enfim, pequenos comércios, no próprio conjunto. Transporte: Londrina é servida por duas empresas de transporte coletivo: Transporte Coletivo Grande Londrina Ltda TCGLL e FRANCOVIG & Cia Ltda. As regiões norte, leste e oeste são atendidas pela TCGLL e a região sul é atendida pela FRANCOVIG & Cia Ltda. O transporte coletivo é integrado, possuindo um terminal central, terminais na zona norte e zona sul da cidade, facilitando e reduzindo custos do transporte, tendo em vista que o usuário, para deslocar-se de uma região a outra da cidade, paga apenas uma passagem. Saúde: A cidade de Londrina possui onze hospitais, sendo sete na região central e os demais na periferia. A região norte possui um hospital, Anísio Figueiredo, com 56 leitos e número de atendimento oscilando entre 200 e 250 pacientes por dia. Possui também oito centros de saúde (CS) para atendimentos não emergenciais, tais como: triagem, encaminhamento, acompanhamento e marcação de consultas. Neste item o morador foi questionado quanto ao nível de satisfação em relação à qualidade do atendimento, distância entre a habitação e a unidade de saúde e tempo de espera para o atendimento. Infra-Estrutura: Londrina, em termos de rede de energia elétrica, é atendida pela Companhia Paranaense de Energia Elétrica (COPEL), que cobre 100% do perímetro urbano. A água tratada e o esgoto sanitário ficam por conta da Companhia de Saneamento do Paraná (SANEPAR), que atende 100% do perímetro urbano em termos de água tratada, 75% do perímetro urbano em termos de esgoto sanitário e 80% da zona norte em termos de esgoto sanitário. Os serviços telefônicos são realizados pela SERCOMTEL S.A. Telecomunicações, que possui cabeamento em 100% do perímetro urbano. Cabe salientar neste item que na cidade não existe mais a venda de linhas telefônicas, bastando o usuário fazer o pedido de ligação (mediante o pagamento de uma taxa que pode ser parcelada na conta telefônica) e o telefone será instalado, o que facilita a utilização deste serviço também pela população de baixa renda. Assim sendo, o nível de satisfação do usuário foi aferido, em relação a eventuais carências, tarifas e qualidade do atendimento, tendo em vista que os conjuntos são atendidos por todos os serviços descritos. A seguir serão apresentados os registros fotográficos dos principais serviços sociais, infra e superestrutura dos conjuntos habitacionais da Zona Norte.

17 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 8 Foto 01: Terminal de transporte coletivo de bairro (promove integração no transporte coletivo). Foto 02: Supermercado, banco e lojas, em mini shopping.

18 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 9 Foto 03: Posto de plantão do Corpo de Bombeiros e serviço de transporte de emergência em caso de acidentes. Foto 04: Hospital Anísio Figueiredo.

19 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Foto 05: Um dos reservatórios elevados de distribuição de água tratada. Foto 06: Área de lazer espaço aberto e gramado destinado à prática de esportes.

20 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Foto 07: Espaço para lazer, destinado a prática esportiva. O mesmo encontra-se abandonado e sem equipamentos. Foto 08: Espaço destinado à prática esportiva, contudo, encontra-se com equipamentos quebrados, sem pintura e em situação de abandono.

21 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº DIAGNÓSTICOS A seguir apresentam-se os resultados obtidos através da aplicação do questionário. Estes mostram as características dos conjuntos que compõem a amostra. A tabulação dos dados apresentada a seguir visa auxiliar no processo de compreensão, análise de resultados e futuras recomendações para projetos similares. Avaliação dos serviços sociais (opinião dos moradores): Razoável 30% Ruim 3% Péssimo 0% Ótimo 13% Bom 54% Gráfico 01 Educação (escolas e creches). Péssimo 0% Ótimo 7% Bom 13% Ruim 50% Razoável 30% Gráfico 02 Lazer (áreas de recreação).

22 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Ruim 20% Péssimo 3% Ótimo 3% Bom 37% Razoável 37% Gráfico 03 Abastecimento (mercados, padarias, etc). Razoável 3% Ruim 0% Péssimo 0% Ótimo 27% Bom 70% Gráfico 04 Transporte (quantidade e qualidade). Ruim 10% Péssimo 0% Ótimo 13% Razoável 37% Bom 40% Gráfico 05 Saúde (postos de saúde e hospitais).

23 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Bom 17% Péssimo 0% Ruim 0% Razoável 0% Ótimo 83% Gráfico 06 Infra-estrutura (água tratada, luz, etc). Em relação à avaliação dos serviços sociais realizada pelos moradores que compõem a amostra, destacam-se alguns pontos, tais como: 54% dos moradores classificaram como bom o item educação; no item lazer, a insatisfação dos moradores (50% classificaram como ruim) se dá em função da quase inexistência de espaços públicos destinados ao lazer. Cabe destacar que alguns conjuntos possuem espaços destinados ao lazer, contudo não têm infraestrutura/equipamentos ou encontram-se em péssimas condições de uso. No item abastecimento, é importante salientar que, geralmente, os minimercados, padarias, farmácias entre outros são construídos na avenida principal, destinada pelas próprias leis de zoneamento como avenida comercial. Logo, a insatisfação aumenta na medida em que as habitações levantadas se aproximam da periferia dos conjuntos. Na questão dos transportes, a zona norte possui terminais urbanos interligados ao terminal central, o que facilita o uso dos transportes de massa e diminui o custo dos mesmos. É preciso destacar que praticamente todos os conjuntos possuem linhas exclusivas de ônibus. Os resultados neste item foram bastante satisfatórios, concentrando-se entre ótimo (27%) e bom (70%) e isto demonstra que os moradores pesquisados aprovam o transporte urbano municipal. Em relação à infra-estrutura, destaca-se que pavimentação asfáltica, galerias de águas pluviais, água tratada e energia elétrica com iluminação pública são itens obrigatórios para a concessão do habite-se. Contudo, redes de esgotos sanitários foram incorporadas aos conjuntos habitacionais, paulatinamente, chegando hoje a 80% de abrangência. A seguir (diagrama 01) serão apresentados os resultados das médias da avaliação dos serviços sociais (opinião dos moradores) nos conjuntos habitacionais.

24 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Item Média Moda D.P. Diagrama de Paretto Lazer 2,50 2 0,35 Abastecimento 3,23 3 0,16 Saúde 3,57 4 0,31 Educação 3,77 4 0,16 Segurança contra crimes 3,90 4 0,07 Transporte 4,27 4 0,19 Infra-estrutura 4,80 5 0,14 0,00 1,00 2,00 3,00 4,00 5,00 Para a realização dos cálculos das Médias, Modas e Desvios-Padrão do Diagrama, foram atribuídos valores aos conceitos, conforme segue: 1-péssimo; 2-ruim; 3-razoável; 4-bom; 5-ótimo. Legenda: Médias inferiores ao mínimo aceitável (3,00) Médias superiores ao mínimo aceitável (3,00) Em relação aos serviços sociais (diagrama 01), destaca-se que o item de maior insatisfação é o lazer. O item de maior satisfação é a infra-estrutura, envolvendo: água tratada, energia elétrica, telefone, asfalto e esgoto sanitário. Em relação ao lazer, a média obtida reflete a situação de abandono dos espaços públicos destinados ao lazer, a falta de equipamentos e as péssimas condições de uso dos mesmos, quando existem. Em relação ao item infra-estrutura, é importante destacar que todos os conjuntos habitacionais que compõem a amostra possuem os itens mencionados. Logo, a pouca insatisfação que existe se dá em função dos custos das tarifas ou eventuais falhas no abastecimento, decorrentes de problemas nas redes de água tratada e energia elétrica. Fazendo-se uma comparação entre a média, a moda e o desvio-padrão de cada item do diagrama 01, observa-se que os entrevistados têm opiniões convergentes. A moda encontra-se próxima à média e o desvio-padrão é bastante reduzido. CONCLUSÕES Neste artigo, destacam-se também os problemas relativos ao desenvolvimento urbano. MARICATO (1984) destaca o desprezo da política habitacional em relação ao desenvolvimento urbano, salientando a má localização dos empreendimentos (a lógica do terreno barato não se sustenta diante do custo social embutido na extensão da ocupação urbana até as fronteiras antes desocupadas ou com uso predominantemente rural) e ainda o alto custo das redes de infraestrutura, transporte e demais serviços sociais, para dar condições mínimas aos novos conjuntos habitacionais. Estes problemas foram detectados em Londrina,

25 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Salvador, Aracaju, Goiânia e outras cidades. Os grandes conjuntos habitacionais populares, constituídos de casas ou apartamentos, em sua grande maioria extremamente adensados, com ausência de espaços para lazer, paisagens áridas, desconsideram qualquer planejamento e deixam para trás o passado e o presente cultural dos moradores, formando verdadeiros guetos: os conjuntos populares da COHAB. No caso das habitações isoladas, as reformas e as ampliações executadas pelos moradores acabam modificando esta paisagem monótona, segundo DICKOW (1996). No tocante aos serviços sociais (diagrama 01), a média da satisfação dos usuários enquadra-se entre razoável e bom. Recomenda-se atenção especial ao item lazer, pois o mesmo foi alvo de críticas da maioria dos entrevistados. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMORIM, Luiz Manoel Eirado; LOUREIRO, Cláudia. Uma figueira pode dar rosas?: um estudo sobre as transformações nos conjuntos populares. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL NUTAO 2000 Anais. São Paulo, Núcleo de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo NUTAU/Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP, 2000, p (em CD-ROM). DICKOW, Bernadeth. Habitação popular no Paraná: uma avaliação histórica. FAU USP, São Paulo, 1996 (dissertação de mestrado). LOPES, Paulo Adeildo. Avaliação pós-ocupação aplicada nos conjuntos habitacionais populares em Londrina Pr: critérios básicos para a reabilitação e a manutenção predial. São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo -FAUUSP, 2000, (dissertação de mestrado). MARICATO, Ermínia T. M. Indústria da construção e política habitacional. FAU USP, São Paulo, 1984 (tese de doutorado). MASCARÓ, Juan Luis. O custo das decisões arquitetônicas. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, ORNSTEIN, Sheila; ROMÉRO, Marcelo (Colaborador). Avaliação Pós-Ocupação do Ambiente Construído. São Paulo, Studio Nobel: Editora da Universidade de São Paulo, SZÜCS, Carolina Palermo; NASCIMENTO, Lise Longo do. Flexibilidade e contextualização na habitação de interesse social. In: SEMINÁRIO IN- TERNACIONAL NUTAO 2000 Anais. São Paulo, Núcleo de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo NUTAU/Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP, 2000, p (em CD-ROM).

26 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº SZÜCS, Carolina Palermo; RAZERA, Alessandra Martini. Espaços abertos em conjuntos habitacionais: um estudo de caso. In: SEMINÁRIO INTER- NACIONAL NUTAU 2000 Anais. São Paulo, Núcleo de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo NUTAU/Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP, 2000, p (em CD-ROM).

27 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº POR UMA ARQUITETURA ECOLÓGICA *Antonio Manuel Nunes Castelnou 1 RESUMO Este artigo discute a atual corrente de arquitetura ecológica, identificando posturas distintas entre seus expoentes, conforme o rebatimento das questões ambientais surgidas no processo de amadurecimento e disseminação do pensamento ambientalista durante a segunda metade do século XX. Consiste basicamente em um trabalho desenvolvido na disciplina Conservação da Natureza e Sustentabilidade Sócio-Ambiental, do Curso de Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento da Universidade Federal do Paraná UFPR. PALAVRAS-CHAVE: Arquitetura Ecológica; Ecologia; Meio Ambiente. ABSTRACT This article is a discussion on the current trend of the ecological architecture, identifying distinct postures among its experts, according to the replies to environmental issues that came about in the process of maturation and dissemination of the environmental thought during the second half of the Twentieth Century. It consists basically on the work developed in the subject called Conservation of nature and Social-Environmental Sustainability, of the Doctorate Program in Environment and Development of Universidade Federal do Paraná - UFPR. KEY-WORDS: Green Architecture; Ecology; Environment. * Docente do Curso de Arquitetura e Urbanismo do Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil. Arquiteto e engenheiro civil. Mestre em Tecnologia do Ambiente Construído pela Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo EESC/USP. Doutorando em Meio Ambiente e Desenvolvimento pela Universidade Federal do Paraná UFPR.

28 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº Hoje em dia, as questões ambientais vêm sendo cada vez mais salientadas, não somente pela ação de organismos não-governamentais, como também através de cientistas, urbanistas, ecólogos e demais estudiosos que acabaram por influenciar todo o discurso político mundial. Ouve-se muito falar sobre o equilíbrio ecológico e a preservação da natureza, mas a maioria das pessoas ainda desconhece o verdadeiro significado e papel que estes termos possam ter. Nos últimos anos, porém, essa preocupação tem aumentado bastante, especialmente no âmbito da cultura, quando artistas, arquitetos, historiadores e outros peritos em patrimônio tanto natural quanto cultural voltaram-se para a defesa da preservação do meio ambiente. Como reflexo desse amplo processo de conscientização ambiental, passou-se ultimamente a se designar como ecológica a corrente arquitetônica que defende o uso de materiais e técnicas que não agridem o meio ambiente, de modo a minimizar seu impacto sobre os recursos naturais reconhecidamente limitados. O principal objetivo da chamada eco-arquitetura ou arquitetura sustentável seria o de produzir uma edificação que se adapte ao clima, iluminação, ventilação e topografia, tirando proveito das condições naturais do lugar e reduzindo ou até mesmo eliminando o desperdício energético (STEELE, 1997). Da mesma forma, no campo da arquitetura e urbanismo, ser ambientalmente consciente passou a significar também preservar os centros históricos, segundo a tendência de manter a identidade cultural e conservar a história que cada sítio tem em particular. Assim, preserva-se a memória do povo para que a nova geração possa desfrutar da beleza, cultura e tradição de sua própria história. A preocupação ambiental, a pesquisa de novas técnicas construtivas e a reciclagem de materiais, visando diminuir custos e proporcionar soluções projetuais ecologicamente corretas, passaram a se tornar metas da arquitetura ecológica. Entretanto, tal tendência, mesmo que bastante difundida no ambiente internacional, não pode ser vista como homogênea, pois é possível identificar, em seu processo de amadurecimento e disseminação, uma dicotomia do ponto de vista ético. Aplicando-se a tipologia sugerida por Foladori (2001a) para o pensamento ambientalista, verifica-se a existência tanto de posturas ecocentristas, que essencialmente valorizam o mundo natural e iniciativas individuais de transformação na relação homem/natureza, como também de atitudes tecnocentristas, as quais defendem uma arquitetura baseada na máquina, esta supostamente capaz de solucionar os possíveis problemas ambientais. No decorrer da história, os anseios humanos para dominar o mundo natural e os seus semelhantes serviram para fazer com que se trilhasse caminhos equivocados, já que isto somente pôde ser conseguido a um alto custo

29 TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº (CHISHOLM, 1981). Aos poucos, o homem foi desprezando a natureza, ao sentir que seu espírito já a havia ultrapassado e que suas máquinas poderiam se encarregar das funções essenciais Segundo Lutzenberger (1980), via-se a economia como algo que transcendia o natural, o que acabou levando à cegueira ambiental, por um lado, e às contas fictícias e ilusórias, por outro. Como resultado disso, hoje em dia, a intensidade das características de urbanização em todo o mundo geraram dois grandes problemas: a questão urbana e a questão ambiental (BONDUKI, 1997). Foi a partir da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento CNUMAD (Rio de Janeiro, 1992), conhecida por Conferência da Terra, que se reforçaram as iniciativas visando associar essas duas questões. Muitos eventos internacionais sucederam-se desde então, tais como a Conferência Mundial sobre População e Desenvolvimento (Cairo, 1994), a Conferência sobre o Desenvolvimento Social (Copenhague, 1995) e a Conferência das Nações Unidas sobre Assentamentos Humanos (Istambul, 1996), esta conhecida por Cúpula das Cidades, que deu ênfase à questão urbana ambiental ao definir a sustentabilidade como princípio e os assentamentos humanos sustentáveis como objetivo mundial a ser perseguido. Embora a deterioração do meio ambiente seja um problema antigo e que sempre existiu na história da humanidade, nova, porém, é a intensidade dos processos de degradação que acompanham a recente urbanização, resultando em uma acelerada vulnerabilidade das cidades (MUNFORD, 2001). Com o avanço do industrialismo, houve a crescente migração populacional do campo para as cidades. Devido às conseqüentes mudanças sócio-econômicas, muitos passaram a viver na periferia dos centros urbanos, em locais com condições precárias de habitabilidade. Conforme Benévolo (1994), o século XIX foi marcado por inúmeras iniciativas para a melhoria das condições sanitárias das primeiras cidades industriais, através de planos e intervenções, sendo os ingleses e franceses os pioneiros em propostas urbanísticas. Geralmente, apontamse duas origens para o planejamento urbano: uma, ideológica, criada e introduzida por pensadores utópicos, tais como Robert Owen e Charles Fourier, com sua influência política e prática nas formulações atuais; e outra, tecnológica, decorrente das necessidades dos próprios administradores urbanos que, na procura de meios eficientes para controlar preceitos de saúde e serviços públicos, lançaram efetivamente as bases da legislação urbanística, como fez o Barão de Haussmann na cidade de Paris (CHOAY, 1992). A primeira metade do século XX foi caracterizada pela formação, difusão e discussão do pensamento moderno, o qual estabelecia que o passado deveria desaparecer como referência, buscando-se uma arquitetura que não se prendesse mais à tradição histórica e ao decorativismo eclético. Assim,

POR UMA ARQUITETURA ECOLÓGICA

POR UMA ARQUITETURA ECOLÓGICA TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 18 POR UMA ARQUITETURA ECOLÓGICA *Antonio Manuel Nunes Castelnou 1 RESUMO Este artigo discute a atual corrente de arquitetura ecológica, identificando posturas distintas

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O URBANISMO DE LONDRINA E SUAS RELAÇÕES COM O MODELO DA CIDADE-JARDIM

CONSIDERAÇÕES SOBRE O URBANISMO DE LONDRINA E SUAS RELAÇÕES COM O MODELO DA CIDADE-JARDIM TERRA E CULTURA, ANO XVIII, Nº 35 25 CONSIDERAÇÕES SOBRE O URBANISMO DE LONDRINA E SUAS RELAÇÕES COM O MODELO DA CIDADE-JARDIM 1 *Juliana Harumi Suzuki RESUMO Este trabalho consiste na análise do surgimento

Leia mais

Francisco Cardoso SCBC08

Francisco Cardoso SCBC08 Formando profissionais para a sustentabilidade Prof. Francisco CARDOSO Escola Politécnica da USP Francisco Cardoso SCBC08 1 Estrutura da apresentação Objetivo Metodologia Resultados investigação Conclusão:

Leia mais

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes:

Nº ALGUMAS DAS PROPOSTAS INDICAÇÃO DA ALTERAÇÃO 1 Aumento do tamanho dos lotes: Instituto Defenda Sorocaba aponta contradição no Plano Diretor 2014: meta de projeção de uma cidade sustentável e a ampliação do parcelamento de lotes são incompatíveis O Instituto Defenda Sorocaba (entidade

Leia mais

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1

Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 Uma Experiência de Arquitetura Pública: o Projeto Habitat - Consultório Móvel de Arquitetura 1 SANTANA, Marcela Maciel. Arquiteta e Urbanista/UFV. Rua Virgílio Val, nº 08/03. Centro, Viçosa-MG. Cep: 36570-000.

Leia mais

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL

ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL ANÁLISE DE EMPREENDIMENTOS DE HABITAÇÃO SOCIAL EM PRESIDENTE PRUDENTE-SP UMA VISÃO AMBIENTAL Sibila Corral de Arêa Leão Honda Arquiteta e Urbanista pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Mestre e Doutora

Leia mais

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS

PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS PESQUISA DE OPINIÃO PÚBLICA SOBRE ASSUNTOS POLÍTICOS/ ADMINISTRATIVOS MARÇO DE 2014 JOB0402 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DA PESQUISA OBJETIVO LOCAL Avaliar a atual administração do município de Acopiara. Acopiara

Leia mais

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3

O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 O PROGRAMA CASA FÁCIL-UNIFIL: EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA E INSERÇÃO SOCIAL Gilson Jacob Bergoc 1, Ivan Prado Jr 2 e Ivanóe De Cunto 3 Pode-se dizer que a cidade contemporânea sofre de um mal crônico, senão

Leia mais

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP.

10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. POP: Prêmio Nacional de Relações Públicas Categoria: Relações Públicas e Responsabilidade Social Profissional: Aislan Ribeiro Greca Empresa: Petrobras 10 ANOS DO PROGRAMA COMUNITÁRIO PETROBRAS/REVAP. 2008

Leia mais

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital

Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho. Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Prefeito João da Costa Vice-Prefeito Milton Coelho Secretário de Serviços Públicos José Eduardo Santos Vital Assessor Executivo Luis Roberto Wanderley de Siqueira Diretor Presidente da Empresa de Manutenção

Leia mais

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES

PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 TENDÊNCIAS E OPORTUNIDADES Organizador Patrocínio Apoio PANORAMA EMPRESARIAL DO TURISMO RURAL BRASILEIRO 2010 O Turismo é uma das maiores fontes de

Leia mais

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique

Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique PROJETO DE PESQUISA Diretrizes Projetuais para Habitação Social Sustentável em Moçambique Mestranda: Arq. Martina Joaquim Chissano Orientador: Prof. Dr. Antonio M.N. Castelnou PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO AS PRINCIPAIS MUDANÇAS PROPOSTAS PELA PREFEITURA DE SÃO PAULO PARA O NOVO PLANO DIRETOR ESTRATÉGICO DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Marcia Heloisa P. S. Buccolo, consultora jurídica de Edgard Leite Advogados

Leia mais

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA

ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ZONAS ESPECIAIS DE INTERESSE SOCIAL E MEIO AMBIENTE: O CASO DE BRASÍLIA TEIMOSA Tatiana Cavalcanti Fonseca*, Elizabeth Amaral Pastich, Hélida Karla Philippini da Silva

Leia mais

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE LIVRE DO MEIO AMBIENTE A INSTITUIÇÃO A Universidade Livre do Meio Ambiente - Unilivre, instalada em Curitiba, Paraná, é uma organização não governamental sem fins lucrativos, recentemente

Leia mais

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA

EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA NA ÁREA DA CONSTRUÇÃO CIVIL: UMA EXPERIÊNCIA PROMISSORA Maria Inês Franco Motti Sonia Maria José Bombardi Fundacentro Fundação Jorge Duprat de Segurança e Medicina do Trabalho O mundo

Leia mais

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO

ABORDAGEM DA HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL NA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO X ENCONTRO ANUAL DA UNIÃO LATINO-AMERICANA DE CÁTEDRAS DE VIVENDA Pelotas - 2004 Tema: A Universidade e a Habitação de Interesse Social Interdisciplinaridade e Inserção Sistemática nos Currículos ABORDAGEM

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO

PLANO DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL E URBANIZAÇÃO As ocupações irregulares em áreas de Manancial configuram o principal problema ambiental da Região Metropolitana de Curitiba. A problemática ambiental que envolve o município de Campo Magro é complexa.

Leia mais

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação

Pesquisa Semesp 2009. Índice de Imagem e Reputação Pesquisa Semesp 2009 Índice de Imagem e Reputação Uma ferramenta estratégica para a qualidade de mercado Desvendar qual é a real percepção de seus públicos estratégicos com relação à atuação das instituições

Leia mais

Plano de Bairro de Canabrava

Plano de Bairro de Canabrava Plano de Bairro de Canabrava PROGRAMA CATA AÇÃO Coordenador Geral: Antonio Bunchaft Coordenador Local: Moises Leão Gil PLANO DE BAIRRO DE CANABRAVA Equipe Técnica: Ronaldo Silveira Lyrio - Coordenação

Leia mais

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP

Pós-graduando em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP. Pós-graduanda em Educação Ambiental e Recursos Hídricos CRHEA/USP EDUCAÇÃO AMBIENTAL COMO INSTRUMENTO DE PREVENÇÃO E RECUPERAÇÃO DE IMPACTOS CAUSADOS PELA POLUIÇÃO DAS ÁGUAS DA REPRESA DE FURNAS NO ENTORNO DO MUNICÍPIO DE ALFENAS-MG FÁBIO VIEIRA MARTINS Pós-graduando

Leia mais

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI

ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 ANÁLISE DA PERCEPÇÃO AMBIENTAL DOS ALUNOS DE 6 AO 9 ANO EM UMA ESCOLA PARTICULAR NO MUNICIPIO DE TERESINA-PI Graciane Rodrigues Rocha (*), Juliana Rodrigues Rocha, Caroline

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA

ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ESTUDO DE IMPACTO DE VIZINHANÇA EMPREENDIMENTO RESIDENCIAL SANTA CLARA ARAUCÁRIA, 08 DE MARÇO DE 2013 PARCERIAS SOMA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA ME FÓRMULA EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS LTDA URBENGE

Leia mais

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis

A Produção de Empreendimentos Sustentáveis A Produção de Empreendimentos Sustentáveis Arq. Daniela Corcuera arq@casaconsciente.com.br www.casaconsciente.com.br A construção sustentável começa a ser praticada no Brasil, ainda com alguns experimentos

Leia mais

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS

POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA ESTUDANTIL DA PÓS-GRADUAÇÃO DA CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DOS PRINCÍPIOS Art. 1. A Política de Assistência Estudantil da Pós-Graduação da UFGD é um arcabouço de princípios e diretrizes

Leia mais

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira

Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, o subúrbiojardim em versão brasileira Jardim América, Brazilian version of the garden suburb neighbourhood TITO FLÁVIO RODRIGUES DE AGUIAR Arquiteto. Doutorando em História, UFMG Resenha

Leia mais

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula

A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula A Ocupação do Sítio Urbano de São Paulo: implicações de ordem socioeconômica, espacial e ambiental. Plano de Aula Urbanização em São Paulo Brasil Crise no Campo Estrutura Fundiária Mecanização Questões

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA.

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. VIII Jornada de Estágio de Serviço Social O SERVIÇO SOCIAL NA PROLAR: BUSCANDO A EFETIVAÇÃO DO DIREITO À MORADIA. LIMA Evelyn Paula Soares Matioski de 1 RIBEIRO Juliana 2 SANTOS Marcia Pedroso dos 3 SCHIMANSKI

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014

RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 RECOMENDAÇÃO GT/HIS Nº 02, de 26 de novembro de 2014 Inquérito Civil Público nº 1.22.000.002106/2010-13 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, por intermédio do Grupo de Trabalho Intercameral Habitação de Interesse,

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

os projetos de urbanização de favelas 221

os projetos de urbanização de favelas 221 5.15 Favela Jardim Floresta. Vielas e padrão de construção existente. 5.16 Favela Jardim Floresta. Plano geral de urbanização e paisagismo. 5.17 Favela Jardim Floresta. Seção transversal. 5.18 Favela Jardim

Leia mais

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP.

As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso do Conjunto Habitacional Ana Paula Eleotério em Sorocaba-SP. Felipe Comitre Silvia Aparecida Guarniéri Ortigoza Universidade Estadual Paulista UNESP Rio Claro fcomitre@rc.unesp.br As políticas habitacionais sociais como fomentadoras dos problemas urbanos. O caso

Leia mais

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil

O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil - SEPesq O Caminho do Apartamento Moderno no Brasil Vivian K.Levy Mestranda em Arquitetura e Urbanismo Unirriter Vivianklevy@gmail.com Resumo Este artigo trata da evolução, do caminho que a tipologia do

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE

ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE PRUDENTE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 221 ESTUDO DE CASO SOBRE A APLICAÇÃO DE ESTRUTURAS EM AÇO EM EDIFÍCIO RESIDENCIAL VERTICAL DE MÉDIO PADRÃO EM PRESIDENTE

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP

EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP EDUCAÇÃO, MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL: UM ESTUDO DE CASO SOBRE O PROJETO SEMENTE DO AMANHÃ NA CIDADE DE GUARATINGUETÁ-SP RESUMO Carneiro Junior, J. L. 1 ; Freitas, R. C. M. 2 ; Rosa, A. C.

Leia mais

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia

Sustentabilidade e Habitação de Interesse Social: O desafio da Intervenção sustentável na favela discutido na Academia Simpósio Temático Sustentabilidade na Habitação de Interesse Social: cultural e social, ambiental e econômica. Rosa Bauer, Arq. Ms. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAUPUCRS Sustentabilidade e Habitação

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1

Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 Diretrizes visando a melhoria de projetos e soluções construtivas na expansão de habitações de interesse social 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. Justificativa O tema estudado no presente trabalho é a expansão de habitações

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar

Hevelyn Baer Villar_ Trabajo Final de Graduação Interdisciplinar Trabalho Final de Graduação Interdisciplinar Centro Cultural Maembipe O projeto foi indicado pela Universidade Estadual de Londrina para participar no concurso Ópera Prima de projetos de Fim de Graduação.

Leia mais

Grupo WTB Experiência e solidez

Grupo WTB Experiência e solidez Grupo WTB Experiência e solidez Fundado em 1999, o Grupo WTB teve um crescimento sustentado e prosperou ao longo dos anos. Hoje, sua marca está presente em vários empreendimentos de sucesso, contando com

Leia mais

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO.

APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. APLICAÇÃO DE MÉTODO DE LOCALIZAÇÃO DE INVESTIMENTOS PÚBLICOS E MONITORAMENTO DA VARIAÇÃO DO VALOR DO SOLO. Laura Pereira Aniceto Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC Laura.aniceto@gmail.com Jonathas

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011

Atuação do COEP frente às mudanças climáticas. Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Atuação do COEP frente às mudanças climáticas Equipe Mobilizadores Oficina Mudanças Climáticas Novembro de 2011 Mudanças Climáticas e pobreza As populações mais pobres tendem a ficar mais vulneráveis diante

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E TURISMO

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E TURISMO LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E TURISMO GOMES, Alessandro. alefot@bol.com.br Resumo: O presente trabalho procura sintetizar as idéias defendidas pelos professores Pedro Selvino Neumann e Carlos Loch, no trabalho

Leia mais

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960.

O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. O PROCESSO DE REESTRUTURAÇÃO PRODUTIVA NO BRASIL E AS MODIFICAÇÕES DA ECONOMIA GOIANA PÓS DÉCADA DE 1960. Glauber Lopes Xavier 1, 3 ; César Augustus Labre Lemos de Freitas 2, 3. 1 Voluntário Iniciação

Leia mais

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP)

Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Dinamização imobiliária no entorno da unidade de conservação Mata de Santa Genebra, Campinas (SP) Mariana Ferreira Cisotto maricisotto@yahoo.com.br IG/UNICAMP Antonio Carlos Vitte IG/UNICAMP Palavras-chave:

Leia mais

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com

Rua Correia Dias, 184 Paraíso - São Paulo SP CEP: 04104-000. Promorar-constru@bol.com.br l www.promorar-constru.com O objetivo do programa PROMORAR é reforçar a importância da sustentabilidade social para projetos habitacionais. A proposta nasce, em um momento muito propício e favorável, a oferta de unidades de interesse

Leia mais

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM UTILIZAÇÃO DA ÁGUA DE SISTEMAS DE AR CONDICIONADO VISANDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Thatiane Rodrigues Mota 1 Dyoni Matias de Oliveira 2 ; Paulo Inada 3 Desenvolvimento

Leia mais

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos

Parcelamento do Solo. Projeto de Loteamentos Introdução Parcelamento do Solo Projeto de Loteamentos Prof. Mário Barreiros O parcelamento e a estruturação da cidade O parcelamento do solo é o principal instrumento de estruturação do espaço urbano

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 Doalcey A. Ramos, Centro de Ciências Tecnológicas, doalcey@joinville.udesc.br

Leia mais

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM.

RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. RECURSOS HÍDRICOS URBANOS - PROPOSTA DE UM MODELO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO INTEGRADA E PARTICIPATIVA NO MUNICÍPIO DE MANAUS - AM. Andréa Viviana Waichman* João Tito Borges** INTRODUÇÃO Nas últimas décadas

Leia mais

Santo, Brasil - LPP/UFES, engel@npd.ufes.br; labproj@npd.ufes.br

Santo, Brasil - LPP/UFES, engel@npd.ufes.br; labproj@npd.ufes.br A ADOÇÃO DA METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO PÓS- OCUPAÇÃO ENQUANTO INSTRUMENTO DE DIAGNÓSTICO DA ESTAÇÃO ANTÁRTICA COMANDANTE FERRAZ, BRASIL: RESULTADOS PRELIMINARES. Arq. Drª. Cristina Engel de Alvarez (1) Arq.

Leia mais

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010.

LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. Pág. 1 de 5 LEI N 547, DE 03 DE SETEMBRO DE 2010. CRIA O FUNDO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL FMHIS E INSTITUI O CONSELHO GESTOR DO FMHIS. O PREFEITO MUNICIPAL DE CRUZEIRO DO SUL ACRE, EM EXERCÍCIO,

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 2, DE 17 DE JUNHO DE 2010 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

576 Editorial Revista Ensaio 84

576 Editorial Revista Ensaio 84 EDITORIAL É com satisfação que vimos apresentar o número 84 da revista Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, o terceiro do ano de 2014. O número ora apresentado traz 10 artigos, buscando

Leia mais

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará

Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará Colégio Estadual do Campo Professora Maria de Jesus Pacheco Guimarães E. F. e M. Uma História de Amor ao Guará PLANO DE TRABALHO DOCENTE 2012 DISCIPLINA: GEOGRAFIA - PROFESSOR: ADEMIR REMPEL SÉRIE: 8º

Leia mais

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil

BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL. Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil BREVES NOTAS SOBRE O PLANEJAMENTO FÍSICO-TERRITORIAL Prof. Leandro Cardoso Trabalho Integralizador Multidisciplinar 1 (TIM-1) Engenharia Civil PLANEJAMENTO URBANO O planejamento urbano é o processo de

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG

AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG AS TRANSFORMAÇÕES NA PAISAGEM A PARTIR DA IMPLANTAÇÃO DO LAGO DE FURNAS NO MUNICÍPIO DE FAMA-MG Tamiris Batista Diniz tamirisbdiniz@hotmail.com Discente Geografia UNIFAL-MG 349 Ana Rute do Vale ana.vale@unifal-mg.edu.br

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto

NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto 38 a. ASSEMBLEIA & 1º FORUM ANUAL 21 de Maio de 2010 NORMAS DE DESEMPENHO: Alinhamento da Arquitetura Brasileira aos Padrões Mundiais de Projeto Arquiteta Ana Maria de Biazzi Dias de Oliveira anabiazzi@uol.com.br

Leia mais

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade.

Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Planejamento Urbano e Ambiental e estado da arte: da municipalidade à sustentabilidade, da legalidade à realidade. Fernanda Raggi (1); Neimar Freitas Duarte (2); Arnaldo Freitas de Oliveira Júnior (2)

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE

PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE PRÁTICA EDUCATIVA EM EDUCAÇÃO FÍSICA: A CONTRIBUIÇÃO DAS ÁREAS DE ESTUDO E SUAS RELAÇÕES COM O TRABALHO DOCENTE RESUMO Leandro Pedro de Oliveira José Rubens de Lima Jardilino (orientador) Este trabalho

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

GERAL. Porto Olímpico

GERAL. Porto Olímpico Porto Olímpico projeto O Porto Maravilha e o Porto Olímpico N Porto Olímpico aprox. 145.000m2 de área Porto Maravilha aprox. 5.000.000m2 de área aprox. 100.000m2 aprox. 45.000m2 Porquê o Porto? Porquê

Leia mais

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu

Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação de Interesse Social em Paiçandu Beatriz Fleury e Silva bfsilva@iem.br Msc. Engenharia Urbana. Docente curso de arquitetura Universidade Estadual de Maringá Reconstruindo o Conceito de Moradia: A Experiência do Plano Local de Habitação

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura.

PALAVRAS-CHAVE: Saneamento Básico, Diagnóstico Ambiental, Infraestrutura. VI-039 - SANEAMENTO BÁSICO: UMA ANÁLISE ESTRUTURAL DO BAIRRO PEDRA DO LORDE EM JUAZEIRO-BA, COMO AÇÃO DO PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL PET CONEXÕES DE SABERES - SANEAMENTO AMBIENTAL. Roberta Daniela da

Leia mais

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO

INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação. Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO INDICAÇÃO CME nº : 04/02 - Aprovada em 05/09/02 Plano Municipal de Educação Relator : Conselheiro José Augusto Dias I - RELATÓRIO 1. Por quê o Plano Municipal de Educação? A idéia de planejamento da educação

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR

REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 REUTILIZAÇÃO DA ÁGUA DOS APARELHOS DE AR CONDICIONADO EM UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO NO MUNICÍPIO DE UMUARAMA-PR Thatiane Rodrigues Mota 1 ; Dyoni Matias

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 6, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do curso de graduação em Arquitetura

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/03/2006. Portaria MEC nº 772, publicada no Diário Oficial da União de 24/03/2006. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão:

Introdução - Fundamentos e desenvolvimento das atividades de extensão: proteção do meio ambiente, e convênio firmado para viabilização do pagamento de bolsa a acadêmica Letícia Croce dos Santos. As atividades executadas no projeto de extensão compreendem dentre outras iniciativas:

Leia mais

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4

6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 6.00.00.00-7 CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS TURISMO 6.13.00.00-4 QUALIDADE E EXCELÊNCIA DISNEY, UM EXEMPLO PARA HOTÉIS DE TODO O MUNDO Fábio Ricardo Barros da Silva Acadêmico do Curso de Turismo e Hotelaria

Leia mais

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL

A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL A AGRONOMIA, OS PROFISSIONAIS E A AGENDA AMBIENTAL Kleber Santos Engenheiro Agrônomo M.Sc. Goiânia, 6 de maio de 2011 Política Ambiental Brasileira Início das discussão de políticas públicas ambientais,

Leia mais

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH

PREFEITURA DE SÃO LUIS SECRETARIA MUNICIPAL DE URBANISMO E HABITAÇÃO SEMURH Projeto de Lei nº, de de de Institui o primeiro plano municipal de incentivo à construção civil, e dá outras providências. O PREFEITO DE SÃO LUÍS, Capital do Estado do Maranhão Faço saber a todos os seus

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA

CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA CÂMARA TÉCNICA DE ARQUITETURA E URBANISMO HABITAÇÃO DE INTERESSE SOCIAL LEI ASSISTÊNCIA TÉCNICA PÚBLICA E GRATUITA 2015 PROGRAMA Com base na car,lha elaborado em MG. 1. Contextualização 2. Legislação 3.

Leia mais

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s

PASSIVOS AMBIENTAIS EM PPP s Prof. Dr. Roberto Kochen Tecnologia, Engenharia e Meio Ambiente 4435 Novembro/2005 Passivo Ambiental É o acumulo de danos infligidos ao meio natural por uma determinada atividade ou pelo conjunto das ações

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 13, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2006 (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Turismo

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO

ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO TERRA E CULTURA, ANO XIX, Nº 36 51 ARBORIZAÇÃO URBANA RESUMO *João Henrique Bonametti 1 No processo de planejamento urbano, a arborização tem um destaque especial no tocante à qualidade de vida e estética

Leia mais

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro

Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro Pesquisa inédita faz paralelo entre sistema de educação infantil português e brasileiro O estudo Educação Infantil em Debate - a Experiência de e a Realidade eira faz um paralelo entre as soluções encontradas

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013

Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Rio Urbanos, Bacias Urbanas: Projetos Integradores outubro 2013 Segurança hídrica - Declaração Ministerial do 2o Fórum Mundial da Água, 2001 Acesso físico e econômico à água em quantidade e qualidade suficiente

Leia mais

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores

difusão de idéias Atenção ao olhar crítico dos professores Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2008 página 1 Atenção ao olhar crítico dos professores Maria Malta Campos: Há uma enorme demanda reprimida por creches nas periferias das grandes cidades,

Leia mais

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza.

Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Penalidades No Meio Ambiental Florestal Por Agressões À Natureza. Fernanda Ribeiro Silva, fernandaenge@yahoo.com.br, Graduanda em Engenharia Florestal na Universidade Federal de Lavras UFLA, Autora; Danusa

Leia mais