Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013"

Transcrição

1 Escolas Públicas de Boston Código de Conduta Setembro de 2013 Aprovado 1982 Revisado e Aprovado 1992 Revisado 1993, 1994, 1995 e 2006, 2010 e 2013 Para trazer o Código em conformidade com M.G.L. Capítulo 71, Lei de 1993 M.G.L. Capítulo 380, Lei de 1993 M.G.L. Capítulo 92, Lei de 2010 M.G.L. Capítulo 222, Lei de 2012 P.L (Escola Livre-Arma Lei de 1994) Lei para Indivíduos com Educação Especial (IDEA) Revisado 1997, 1998, 1999, 2001, 2002, 2005, 2006, 2010 e 2013 para incluir revisões exigidas por leis federais e estaduais e regulamentos, para alinhar o Código de Escolas Públicas de Boston com a estrutura organizacional, e para incluir mudanças de políticas aprovadas pelo Comitê Escolar da Cidade de Boston. Este documento não pode ser reproduzido sem a permissão das Escolas Públicas de Boston.

2 2 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 ÍNDICE Prefácio... 3 Filosofia e Orientadores Princípios Lógica para Código de Conduta... 6 Direitos e Responsabilidades O Código de Conduta Seção 1 Igualdade de Oportunidades Educacionais Avisos em Inglês e na Lingua Nativa, Conferências, e Audiências Estabelecer procedimentos para Regras Escolares baseados em Problemas Disciplinares Ambientes seguros e apoio a toda a escola Outras intervenções e abordagens centradas no aluno PROVA 1: Procedimentos de Negação de Transporte Afastamento Temporário da Classe Motivos de Suspensão, Suspensão a Longo Prazo, Suspensão por Tempo Indeterminado, Transferência Disciplinar, Colocação em Programa Aternativo, ou Expulsão Procedimentos para Suspensão de Emergência Suspensão: Definição e Procedimentos PROVA 2: Manuscrito sugerido para Conduzir uma Audição de Suspensão: NÃO há mudança na colocação PROVA 3: O Processo de Apelo, Passo a Passo: Suspensão, Suspensão a Longo Prazo, Suspensão Indefinida, e Transferência Disciplinar/ Colocação em Programa Alternativo Suspensão a Longo Prazo, Suspensão por Tempo Indeterminado: Definição e Procedimentos Transferência Disciplinar/ Colocação em Programa Alternativo: Definição e Procedimentos PROVA 4: Manuscrito sugerido para Conduzir uma Audiência Disciplinar Recomendada Mudança de Local: Transferência Disciplinar (K-5); Colocação Programa Alternativo(6ª-12ª série); Suspensão por Tempo Indeterminado; ou Expulsão Suspensões Acumuladas Expulsão: Definição e Procedimentos PROVA 5: Cronograma Sugerido para o Procedimento de Expulsão PROVA 6: O Processo de Recurso, Passo a Passo: Expulsão Abuso de Substâncias Alunos com Deficiências PROVA 7: Procedimento quando a Ofensa Acontece na Escola e Resulta na Expulsão de um Aluno com Deficiência Disciplina e Trabalho Escolar Registros Expurgados Recurso Administrador e Professsor Força Física Promulgação e Distribuição Definições APÊNDICE A: Compreensivo Serviços de Apoio aos Alunos APÊNDICE B: Justiça Restaurativa APÊNDICE C: Massachusetts Níveis de Sistema de Apoio

3 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE PREFÁCIO É A CONVICÇÃO FIRME DAS ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON (doravante Distrito / BPS) que uma boa disciplina escolar promove igualdade de oportunidades educacional e um ambiente seguro e de apoio ao ensino. As Escolas Públicas de Boston se esforça para desenvolver e implementar programas e abordagens à aprendizagem e disciplina que: quer garantir a confiança dos pais/responsável/cuidadores na capacidade de cada escola para proporcionar um clima seguro e com apoio; ajudar os administradores, professores e outros funcionários a proporcionar um ensino seguro e com apoio para ensinar e ambiente de aprendizagem, e assegurar aos alunos que eles podem aprender em uma atmosfera segura, saudável e com apoio e pode ser tratado de maneira justa, consistente e não discriminatória. Cada escola deve proporcionar um ambiente de aprendizagem que incentiva a excelência acadêmica, a troca livre de idéias e crescimento pessoal máximo. Deve ser entendido que ao entrar em um edifício escolar, os alunos não se desfazerem de seus direitos constitucionais, por exemplo, os direitos ao devido processo legal, a liberdade de expressão, reunião ordenada, a privacidade da pessoa, livre de discriminação, e assim por diante. Também deve ser entendido que os alunos tem a responsabilidade de não interromper o processo educacional ou impor, ameaçar, ou privar outros dos seus direitos a uma educação. É a política das Escolas Públicas de Boston para tentar resolver os problemas disciplinares por todos os meios para não chegar a exclusão escolar. Para conseguir isso, as Escolas Públicas de Boston devem criar ambientes de aprendizagem seguros, saudáveis e de apoio. Procedimentos justos e razoáveis também será segido para assegurar aos alunos. Os Pais, Responsável e Cuidadores de seus direitos. Quando for determinado que uma audiência disciplinar é necessário, o aluno receberá uma audiência justa para estabelecer regras, regulamentos e procedimentos, O Comitê Escolar e a administração espera que todas as pessoas conectadas com as escolas possam demonstrar o respeito mútuo pelos direitos dos outros, e eles esperam que todos os envolvidos no ensino e aprendizagem aceitar plenamente e assumir as suas responsabilidades para com os outros e para com o sistema escolar. Estes direitos e responsabilidades derivam das leis federais e estaduais e regulamentos, portarias local, a política do Comitê Escolar, e as metas da Agenda da Aceleração, Quadros Acadêmicos de Realização, e Saúde Comportamental e Quadro das Escolas Públicas (Quadro) estabelecido por Massachusetts Behavioral Health (Saúde Comportamental) e Public Schools Task Force (Escolas Públicas Força-Tarefa) 2011 Relatório Final. O Comitê Escolar de Boston e Superintendente pretendem que os procedimentos descritos no Código de Conduta será sempre em conformidade e facilitar a implementação dessas leis, decretos, regulamentos e políticas, tanto quanto às de correspondências e espírito. O Código de Conduta está em conformidade com mandatos de St. 93, C. 71, também conhecida como a Lei de Reforma Educacional de 1993, alterada pela St. 1993, C. 380; e alterada pela St C. 222; P.L , (Lei de Melhoria das Escolas na América de 1994); 18 USC, 921 et seq. (Código dos Estados Unidos); e Lei aos indivíduos federais com Deficiência na Educação, Alterada em 2004 (IDEA-04).

4 4 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 FILOSOFIA Escolas Públicas de Boston declaração da missão Como o berço da educação pública neste país, as Escolas Públicas de Boston está empenhada em transformar as vidas das crianças através do ensino exemplar em um sistema de classe mundial de inovação, e escolas acolhedoras. Trabalhamos em parceria com a comunidade, famílias e alunos a desenvolver em cada aluno o conhecimento, habilidade e caráter para que sobressaia-se na faculdade, carreira e na vida. A ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON reconhece que a principal intenção da sociedade no estabelecimento de escolas públicas é proporcionar uma oportunidade de aprendizado e crescimento que não pode ser fornecido em casa. As Escolas Públicas de Boston reconhece ainda que os alunos tem o direito pleno decorrente das fontes acima listadas de autoridade legal, e que estes direitos não pode ser resumido, obstruído, ou alterados exceto em conformidade com o devido processo. As Escolas Públicas de Boston reconhece ainda a importância de manter ambientes escolares seguros, saudáveis e de apoio. Além disso, BPS continuará a fornecer abordagens preventivas e positivas para disciplinar e para responder com intervenções e consequências destinadas a resolver as causas do mau comportamento, resolução de conflitos, atendendo às necessidades dos alunos e manter os alunos na escola. Este documento detalha as responsabilidades e os direitos dos alunos, professores, administradores e pais/ responsável/cuidadores. Promovendo escola de qualidade de educação segura e com apoio depende não apenas das responsabilidades e os direitos dos alunos, mas também sobre a qualidade de interação entre alunos, pais/responsável/cuidadores, professores e administradores. Pais, Alunos, Responsável e Cuidadores tem o direito de ser participantes ativos e efetivos no processo de aprendizagem, para expressar seus pontos de vista, e para dar entrada em decisões que afetam suas vidas e educação. Os pais/responsável e cuidadores são vitais para o sucesso da escola. Eles tem a responsabilidade de reforçar o processo de aprendizagem em casa, para encorajar o modelo de comportamento civil, para motivar seus filhos a se interessar na escola, e ver que seus filhos frequentem a escola regularmente. Eles devem esperar o mais alto nível de realização dos quais seus filhos são capazes, e do desempenho dos professores que podem obter este nível de realização. Eles são bem-vindos e incentivados a conversar com os professores para saber como seus filhos estão progredindo. Quanto mais eles estão envolvidos na educação da criança de maior qualidade pode se tornar. Os professores e todos os outros funcionários da escola deve tratar todos os alunos com respeito. Os professores precisam explicar e aplicar para os alunos de uma forma consistente um conjunto claro de regras básicas para um comportamento aceitável, participação em aula, notas e tarefas. Os professores devem se comunicar com a casa sobre as atividades escolares, realizações positivas e problemas, e as maneiras pelas quais os pais/ responsável e cuidadores podem ajudar seus filhos a ter sucesso na escola. Diretores(as) tem a responsabilidade de assegurar que as necessidades educacionais de todos os alunos na escola sejam atendidas e que todos os membros da comunidade escolar tenha a experiência de um tratamento justo e equitativo. Diretores(as) devem comunicar aos alunos, pais/responsável/cuidadores e funcionários a convicção de que a escola é um lugar para aprender e ensinar, e é o negócio de todos para ver que isso acontece de uma forma consistente todos os dias. Eles devem comunicar de forma clara e deve razoavelmente e consistentemente fazer cumprir as políticas disciplinares preventivas e positivas escolares.

5 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE PRINCÍPIOS ORIENTADORES O SEGUINTES PRINCÍPIOS ORIENTADORES estabelece as bases para a criação de ambiente seguro, saudável e de apoio de aprendizagem, que incluem a adoção de abordagem preventiva e positiva para a disciplina que apoiam os alunos na construção de habilidade social e comportamental, resolver conflitos de forma não violenta, e criando produtivo ambiente de aprendizagem. Estes princípios são crenças essenciais que irão orientar os funcionários, alunos e famílias nas Escolas Públicas de Boston no trabalho compartilhado de garantir ambientes escolares positivos e os resultados dos alunos melhorarem. Estes princípios devem ser discutidos, entendido e abraçado por toda a cidade para garantir a aprendizagem máxima e oportunidades de crescimento para todas as crianças. 1. Reconhecimento e respeito pela população diversificada nas escolas e na comunidade são fundamentais. Todas as crianças devem ter certeza de que elas podem aprender em uma atmosfera sem interrupções e pode ser tratada de de maneira justa, consistente e não discriminatória. 2. Criando ambientes escolares seguros, saudáveis e de apoio com serviços de colaboração é uma base necessária para a melhoria dos resultados educacionais para todos os alunos, especialmente aqueles com desafios de saúde comportamental. 3. A melhoria dos resultados educacionais para os alunos com desafios de saúde comportamental exige que as escolas se tornem ambientes que fornecem apoio em três níveis de cuidados e instrução: a. Promoção. Escolas promovem o bem-estar emocional de todos os alunos, através de abordagens de toda a escola para apoiar a saúde comportamental positiva; b. Prevenção. Escolas fornecem apoio para intervir mais cedo para minimizar escalada de identificados os sintomas de saúde comportamental através de apoios colaborativos direcionados; e c. Intervenção. Escolas oferecem e participa de cuidado coordenado para o pequeno número de alunos que demonstrem necessidade considerável. Estes três níveis não devem ser tratados como silos; atividades para resolver cada nível deve ocorrer ao longo de toda a escola, em salas de aula, em pequenos grupos, e com os alunos e as famílias individuais. 4. As escolas podem adaptar soluções locais para atender às necessidades de suas comunidades a estes três níveis através de organização, o seguinte Quadro de seis partes: a. Liderança pela escola e administradores do distrito para criar ambientes escolares de apoio e promover serviços de colaboração que abordam de forma confiável a cada um dos três níveis; b. O desenvolvimento profissional para os administradores escolares, educadores e profissionais de saúde através de treinamentos comportamentais interdisciplinares e separadamente; c. O acesso aos recursos e serviços por meio da identificação, coordenação e criação de escolas e serviços de saúde da comunidade de comportamento para melhorar o ambiente de toda a escola. O Quadro reconhece a necessidade de recursos que são clinicamente, linguisticamente e culturalmente adequado para os alunos e as famílias; d. Enfoques acadêmicos e não-acadêmicos que permitem que as crianças aprendam, incluindo aquelas com necessidades de saúde comportamental, e que promove o sucesso escolar; e. As políticas escolares, procedimentos e protocolos que fornecem uma base para as escolas para implementar e apoiar este trabalho, e f. A colaboração com os alunos e as famílias em que os alunos, pais/ responsável, e as famílias estão incluídas em todos os aspectos da educação de seus filhos.

6 6 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 LÓGICA PARA O CÓDIGO DE CONDUTA O CÓDIGO DE CONDUTA é baseado nas leis, regras, regulamentos e políticas que visam permitir o acesso à educação para todos ao mesmo tempo protege os direitos ao devido processo do indivíduo. Disciplina, conforme definido pelo Código, deve ter as qualidades de compreensão, justiça, flexibilidade e consistência. É da responsabilidade dos funcionários da escola, alunos, pais/responsável e a comunidade para contribuir para um ambiente escolar que promove segurança, saudável e solidário ambiente de toda a escola que é propício para a aprendizagem. A disciplina preventiva e positiva é uma responsabilidade partilhada para com os alunos, administradores, professores, pais/responsável e comunidade. O Código de Conduta se destina a ser instrutivo, e não punitivo, e é baseado no princípio da disciplina preventiva e positiva (ou seja, intervenções, desenvolvimento de habilidades e consequências) será destinado a abordar as causas do mau comportamento, resolução de conflitos, atendendo às necessidades dos alunos e manter os alunos na escola. Além disso, o Código pretende criar expectativas claras e níveis de apoio e intervenção para todos os alunos, com consequências para o mau comportamento que são individualizados, consistente, razoável, justo, idade apropriada e que correspondem a gravidade do mau comportamento do aluno. Infrações menores e primeiros crime será considerado não-punitiva, sempre que possível. Fatores como idade e nível de ensino do aluno, o desenvolvimento social, emocional e intelectual do aluno, e os direitos dos alunos em geral e responsabilidades devem também ser considerado em todos os momentos. O Código tem por objetivo a criação de um ambiente escolar todo seguro e de apoio, apoiando o desenvolvimento social e emocional de todos os alunos, ensinando alternativas à violência e respeito para todos os membros da comunidade escolar. Ao ver o desenvolvimento social como um aspecto crítico da responsabilidade de uma escola, as escolas deverão antecipar e responder a questões disciplinares escolar de uma forma que seja consistente com o senso de dignidade e auto-estima dos alunos. O propósito da disciplina deve ser a de compreender e lidar com as causas do comportamento de resolver conflitos, ao ensinar novas habilidades e reparação dos danos causados, restaurar relacionamentos e reintegrar os alunos na comunidade escolar. Além disso, devem ser fornecido um apoio especial de atenção e intervenção para as famílias e jovens vulneráveis em risco de serem excluídos da escola. DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS ALUNOS A. DIREITOS DOS ALUNOS Não é possível listar exaustivamente todos os direitos dos alunos. Portanto, a seguinte lista de direitos não pode ser interpretada como negando ou limitar os outros retidos pelos alunos em suas próprias escolas, na sua qualidade de membros como alunos, ou como cidadãos. 1. De acordo com a Constituição dos Estados Unidos e as leis federais e estaduais e os regulamentos, nenhum aluno será excluído ou discriminado em admissão a qualquer escola pública de Boston, ou na obtenção de vantagens, privilégios e cursos de estudo de tal escola pública (incluindo o direito de participar plenamente na sala de aula e atividades extra-curriculares, independentemente) por conta de raça, cor, etnia, nacionalidade, religião, sexo, orientação sexual, identidade de gênero, deficiência física, deficiência, idade, situação militar ativo ou genética. 2. Os alunos tem o direito a uma educação de alto nível. 3. Os alunos tem o direito a um currículo significativo consistente com o Quadro (Framework) e o direito de expressar suas opiniões no desenvolvimento de um currículo. 4. Os alunos tem o direito à segurança física e proteção dos bens pessoais.

7 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Os alunos tem o direito de ter instalações sanitárias seguras. 6. Os alunos tem o direito de consultar com os professores, conselheiros e administradores e qualquer outra pessoa relacionada com a escola, se assim o desejo em momentos apropriados. 7. Os alunos tem o direito de eleições livres, por voto secreto ao candidatos ao governo do aluno e o direito de procurar e ocupar cargos. 8. Os alunos tem o direito de ter suas vozes ouvidas em assuntos que lhes dizem respeito. 9. Os alunos tem o direito de participar no desenvolvimento de regras e regulamentos a que estão sujeitos e o direito de ser notificado de tais regras e regulamentos. 10. Pais/responsável e alunos (se tiver 14 anos de idade ou no 9ª série ou superior) tem vários direitos em registros nas leis estaduais e federais do aluno, incluindo o direito de ver todos os registros do aluno, para controlar quem esta fora da escola pode vê-los, e para recorrer das decisões relativas aos registros. Mediante aviso de transferência, o histórico escolar completo pode ser encaminhadas para o distrito a receber sem a permissão dos Pais/Responsável ou Autorização Cuidador. No entanto, os Pais, Responsável ou Autorizado Cuidador devem ser notificado de que o histórico foi enviado. (Um resumo mais dethalhado desses direitos é distribuído anualmente para todos os alunos e pais/responsável. Informações adicionais e cópias dos regulamentos de atuais estão disponíveis em cada escola, mediante pedido do Massachusetts Departamento de Educação). 11. Alunos em suas próprias escolas podem exercer os direitos de liberdade de expressão, de reunião, imprensa e associação, de acordo com a Primeira Emenda da Constituição dos Estados Unidos Parte 1, do artigo XVI da Declaração dos Direitos de Massachusetts No exercício destes direitos, os alunos devem se abster de qualquer expressão que é difamatório ou obsceno de acordo com as atuais definições legais, ou que se destina e, provavelmente, para incitar a prática de atos ilegais, ou que possam ser razoavelmente previsto para causar perturbações substanciais na escola ou atividade de sala de aula, conforme definido na Seção 7.10 do presente Código. Coerente com o acima exposto, e sujeito à legislação aplicável, os alunos têm o direito de: 1. Usar botões políticos, braçadeiras e outros emblemas de expressão simbólica. 2. Distribuir material impresso e petições a circular na propriedade da escola, inclusive no interior dos edifícios escolares, sem autorização prévia por administradores da escola, exceto que: a. materiais distribuídos e petições que circular na propriedade da escola deve conter o nome e endereço da organização individual ou patrocinado (incluindo o nome e endereço de pelo menos um membro do grupo) ou distribuir o material circulante ou petição, e b. a pessoa(s) distribuir ou circular os materiais ou petições deve ser um aluno envolvido, e c. o tempo para tal distribuição ou circulação deve ser limitada aos períodos antes da aula começar, após às aulas, e durante o lanche para evitar a interferência com o programa da escola, e d. os lugares para tal distribuição ou circulação, em cada escola deve ser razoavelmente restrito de modo a permitir o fluxo normal do tráfego dentro da escola e em portas exteriores, e e. a maneira de tal distribuição ou circulação deve ser razoavelmente restrito, de modo a evitar níveis de ruído e interrupção, e f. alunos serão sujeitos a requisitos razoáveis para a remoção de lixo resultante de tal distribuição ou circulação. 3. Use seu próprio boletim(s) sem censura, desde que: a. todos os materiais, avisos e outras comunicações que colocar no boletim deve incluir o nome e o endereço da organização individual ou patrocinando (incluindo o nome e endereço de pelo menos um membro do grupo) postar o material, o aviso, ou outra comunicação, e b. todos os materiais, avisos e outras comunicações devem ser datadas antes de postar e removido depois de um tempo razoável para assegurar o pleno acesso ao boletim(s).

8 8 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Uso racional dos sistemas de endereços públicos e instalações da escola de outros meios, exceto que os anúncios devem ser limitados antes da aula, após às aulas, e outras vezes quando as aulas não estão em sessão. 5. Formar organizações políticas e sociais para realizar atividades nesta conexão, desde que os membros do grupo estará aberto a qualquer aluno, de acordo com o Parágrafo B.1 dos Direitos e Responsabilidades da Seção deste Código. 6. As proteções fornecidas por leis estaduais e federais de educação especial, se a escola tinha conhecimento (conforme definido em lei federal e estadual) que os alunos eram estudantes com deficiência antes do comportamento que precipitou proposto a ação disciplinar que ocorreu(aplica-se aos estudantes que não foram determinadas para ser elegível para a educação especial e serviços relacionados, e que se envolveram em comportamento que violou qualquer regra ou código de conduta). 7. Apresentar petições, reclamações ou queixas para as adequadas autoridades escolares sobre questões disciplinares ou outras questões relacionadas com a escola, excepto quando tal Código prevê direito formal de recurso. 8. Respeito dos professores e administradores. 9. Privacidade pessoal, incluindo o direito de determinar sua própria aparência e selecionar o seu próprio estilo de cabelo e roupas, sujeitos a regras razoáveis necessárias para a saúde e segurança. 10. Usar os banheiros, vestiários e outras instalações compatíveis com sua identidade de gênero, ou a utilizar as instalações de gênero neutro se o aluno preferir. 11. Ser abordado pelo nome e pronome de sua escolha. 12. Ser não procurado nem ter seus armários, automóveis, nem pertences submeteram a procuras e confiscações. No entanto, com causa razoável, administradores designados de escola podem procurar armários, automóveis, e pertences. [Vê Superintendente Circular SAF3 Regra do Armário do Aluno]. B. RESPONSABILIDADES DOS ALUNOS Responsabilidades não são um substituto para as regras que estão incluídas no Código de Conduta. No entanto, enquanto não é possível listar todas as responsabilidades do aluno, os alunos que consistentemente se comportam de acordo com a seguinte lista de amplas responsabilidades estarão em conformidade com as normas do Código. Os alunos tem a responsabilidade de: 1. Respeitar os direitos de todas as pessoas envolvidas no processo educacional. 2. Respeitar a autoridade dos funcionários da escola. 3. Respeitar a diversidade de funcionários e alunos nas EscolasPúblicas de Boston em relação à raça, cor, etnia, origem nacional,religião, sexo, casamento, gravidez, paternidade, orientação sexual, identidade de gênero, idioma principal, deficiência, necessidades especiais, idade e classe econômica. 4. Contribuir para a manutenção de um ambiente seguro e apoio de ensino. 5. Aplicar suas habilidades e interesses para a melhoria da sua educação 6. Exercer o mais alto grau de auto-disciplina com o melhor de sua capacidade na observação e aderir a regras e regulamentos. 7. Reconhecer que a responsabilidade é inseparável ao exercício de qualquer direito. 8. Assegurar que exerçam a sua voz no governo do aluno.

9 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE RESPONSABILIDADE DE ADMINISTRAÇÃO Os Administradores tem a responsabilidade de: 1. Criar ambientes escolares de apoio e promoção de serviços de colaboração para melhorar os resultados educacionais para todos os alunos, incluindo os alunos com necessidades de saúde comportamental. 2. Proteger o bem estar fisíco e saúde mental de todos os alunos e funcionários. 3. Proteger os direitos legais de professores, alunos e pais/responsável. 4. Apoio pessoal da escola no cumprimento de suas responsabilidades disciplinares, conforme definido pelo Código de Conduta e individuais com base nas regras da escola, pela provisão de treinamento sobre o Código de administradores, professores e outros funcionários da escola. 5. Fornecer um currículo de base ampla e variada que é consistente com os requisitos de Massachusetts Currículo e que atenda às necessidades individuais. 6. Desenvolver e implementar em conjunto as leis de disciplina preventiva e positiva em cooperação com os alunos, pais/responsável e professores e em conformidade com a Lei do Comitê Escolar e com o Código de Conduta. 7. Contate e envolve os pais/ responsável para lidar com questões disciplinares. 8. Informar a comunidade, alunos, pais /responsável e funcionários da escola sobre as leis relativas à conduta dos alunos nas escolas, em atividades patrocinadas pela escola, e no transporte fornecido pela escola. 9. Colete as informações adequadas sobre a disciplina do aluno, proporcionar a adequada custódia de Gestão da Informação para que a informação possa ser disponibilizada aos pais/ responsável, mediante solicitação ou conforme exigido por lei. 10. Fornecer funcionário qualificado para atender as necessidades dos alunos e da escola para atingir as metas e objetivos. 11. Colaborar com a comunidade e órgãos do governo em programas que promovem ambientes de aprendizagem seguros, saudáveis e de apoio. 12. Consistentemente manter uma aproximação justa, equitativa e individualizada com todos os alunos. 13. Incorporar o espírito da Filosofia e os Princípios Orientadores para a tomada de decisão e dar o bom exemplo. RESPONSABILIDADES DOS PROFESSORES Os Professores tem a responsabilidade de: 1. Manter uma atmosfera segura e de apoio a aprendizagem. 2. Mostrar qualidades de competência, criatividade e auto-controle. 3. Respeitar cada aluno como pessoa. 4. Demonstrar compreensão e preocupação com o individual aluno e suas necessidades, incluindo referindo alunos para avaliações especiais de educação em conformidade com as exigências da lei de educação especial estadual e federal. 5. Inspirar nos alunos o desejo de crescimento pessoal. 6. Guiar os alunos para o desenvolvimento da auto-disciplina. 7. Mantenha-se informado sobre as regras e as leis atuais. 8. Fazer cumprir as leis, regras e regulamentos do Comitê Escolar, e o Código de Conduta, incluindo políticas disciplinares preventivas e positivas, em cooperação com os alunos, pais/ responsável e administradores. 9. Registrar dados da disciplina dos alunos, conforme exigido pela administração. 10. Comunicar com os alunos e seus pais ou responsáveis. 11. Ser consciente de ética profissional nas relações com os alunos,colegas professores, e administradores.

10 10 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PAIS E RESPONSÁVEIS A. DIREITOS DOS PAIS E RESPONSÁVEIS Os pais, responsável e as famílias tem o direito de serem incluídos em todos os aspectos da educação de seus filhos. Isto inclui o seguinte: 1. O direito a uma educação gratuita na escola pública para o seu filho(a) em um ambiente de aprendizagem seguro e de apoio. 2. O direito de acesso a informações sobre os registros educacionais de seu filho(a), dados disciplinar - quando autorizado por lei - e toda a informação disponível sobre os programas e as oportunidades educacionais. 3. O direito de ser dadas todas as oportunidades disponíveis para participação significativa na educação de seu filho(a). 4. O direito de apresentar queixas e /ou recursos a respeito de assuntos que afetam a educação de seu filho(a). 5. A participação nos processos de tomada de decisões que afetam as políticas e procedimentos da escola. 6. O acompanhamento e a avaliação de políticas e práticas escolares, incluindo mas não limitado ao direito de visitar as escolas e salas de aula. 7. O acesso a dados de alunos disciplinares conforme autorizado por lei. B. RESPONSABILIDADES DOS PAIS E RESPONSÁVEL Pais e responsável tem a responsabilidade de: 1. Compartilhar a responsabilidade pelo comportamento de seu filho(a) na escola, em atividades patrocinadas pela escola, e no caminho para a escola. 2. Preparar a criança para assumir a responsabilidade de frequentar a escola, e para o seu próprio comportamento. 3. Promover na criança atitudes positivas em relação a si mesmo, a outros, a escola e a comunidade. 4. Comunicar com o pessoal da escola sobre a criança. 5. Participar de conferências individuais ou em grupo. 6. Reconhecer que os funcionários da escola tem o direito de aplicar as leis, regras e regulamentos do Comitê Escolar de Boston. 7. Comportar de uma maneira civil e sem interrupções, ao visitar a escola. 8. Assegurar que a sua criança traz para a escola somente aquelas coisas que são apropriadas em um ambiente escolar. RESPONSABILIDADES DA COMUNIDADE E AGÊNCIAS QUE APOIAM A ESCOLA A Comunidade tem a responsabilidade de: 1. Ajudar a moldar os objetivos da escola. 2. Ser informada sobre os objetivos da escola e as leis. 3. Apoiar um sistema de ensino seguro e de apoio. Agências encarregadas pelas Escola Públicas de Boston com apoio aos alunos e suas famílias tem a responsabilidade de, com o consentimento informado dos pais/responsável: 1. Atender às necessidades de seus clientes que interferem com o processo de aprendizagem. 2. Colaborar com as escolas para oferecer serviços de apoio eficazes, seguros e de ap

11 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE O Código de Conduta Seção 1 IGUALDADE DE OPORTUNIDADE EDUCACIONAL 1.1 De acordo com a Constituição dos Estados Unidos e as leis federais e estaduais e regulamentos, nenhum aluno será suspenso, excluído,ou de outra forma disciplinado por causa de raça, cor, origem nacional, etnia, religião, sexo, orientação sexual, identidade de gênero,deficiência, idade, genética, ou estado militar ativo. Seção 2 LINGUAGEM DE AVISOS, CONFERÊNCIAS, E AUDIÊNCIAS 2.1 Todos os avisos escritos e orais exigido por este Código devem ser em Inglês e no idioma falado em casa. Todos os avisos devem ser feitos por palavras simples e geralmente compreendido na medida do possível. 2.2 Em todas as audiências e conferências, os alunos e os pais têm o direito a um intérprete de seu idioma principal. Todos os avisos sobre audiências ou conferências exigido por este Código devem informar os alunos e os pais deste direito no idioma falado em casa. Seção 3 PROCEDIMENTOS PARA O ESTABELECIMENTO DAS REGRAS BASE-ESCOLAR SOBRE PROBLEMAS DISCIPLINARES 3.1 Este Código estabelece regras e procedimentos uniformes a serem seguidos em todo o sistema em ações disciplinares inclusive, as abordagens não-excludentes, positivas e preventivas a disciplina dos alunos, estabelecidas, na Seção 4 e 5, que são destinadas a substituir exclusão escolar para a maioria das questões disciplinares. As Escolas Públicas de Boston, também requer o estabelecimento de regras baseadas na escola, que devem ser adotadas e implementadas em cada escola de acordo com as disposições desta seção O Administrador do Edifício de cada escola convocará a cada primavera uma subcomissão do Conselho Escolar para revisar e, se necessário, para rever o regras de baseadas na escola de cada escola. Estas regras são basedas na escola não deve diminuir ou entrar em conflito com quaisquer procedimentos ou direitos descritos por este Código, e nenhuma regras fornecerão qualquer forma de castigos físicos. Regras baseada na escola deve ser escrito em um estilo simples, claro e preciso, e termos indefinidos e educacional e legal gíria deve ser evitado. Após a revisão pelo conselho escolar de base, regras baseada na escola devem ser traduzidas em idiomas apropriado para os alunos na escola A subcomissão regras baseadas na escola é composto por representantes de todos os círculos na escola -- administradores, professores, pais /responsável, e outros-e deve ser reflexo da população escolar. No ensino médio e de segundo grau, a subcomissão deve também incluir alunos O administrador do edifício de cada escola deve estabelecer um mecanismo para dar tempo para que os representantes dos pais / responsável, professores e estudantes de envolver seus eleitores ao máximo no desenvolvimento das regras Após as regras baseadas na escola ter sido desenvolvidas nos termos desta Seção, serão revistos e aprovados pelo Conselho de base escolar e aprovado pelo designado Superintendente para garantir o alinhamento com o código Após a aprovação, as regras baseadas na escola bem como eventuais alterações não entrarão em vigor

12 12 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 até que tenham sido distribuídos aos alunos, pais/responsável e funcionários. Depois disso, antes de 15 setembro de cada ano escolar, as regras baseadas na escola serão distribuídas aos alunos, pais / responsáveis e funcionários com o Manual de Política das Escolas Públicas de Boston para Pais e Estudantes. As regras baseadas na escola deve ser afixado em locais bem visíveis dentro da escola. As regras baseadas na escola também deve ser apresentado aos funcionários e estudantes em uma sessão de orientação/formação na terceira sexta-feira de Setembro de cada ano letivo. As regras baseadas na escola devem ser distribuídos e apresentados em uma sessão de orientação/formação pelo menos uma vez durante o ano letivo. Regras baseadas na escola, adotada em Setembro permanecerá em vigor até que novas regras são adotadas até o próximo setembro. O Código de Conduta BPS se aplica aos estudantes ao longo do ano, inclusive durante os meses de verão para os programas escolares de verão e orientações escolares Qualquer pessoa que acredita que este Código não foi seguido no estabelecimento de regras baseadas na escola pode apresentar uma queixa junto das Escolas Públicas de Boston Escritório do Equidade, que deve investigar e fazer recomendações ao Superintendente As regras e as soluções adotadas nos termos da presente seção deverá ser reavaliada da mesma maneira todos os anos antes de 1º de junho. 3.2 O administrador do edifício em cada escola convoca na cada primavera uma subcomissão do Conselho de Base Escolar para revisar e, se necessário, para rever as Regras Baseado na Escola para que a escola descrevendo não suspensão como problemas disciplinares e soluções. Estas Regras Baseado na escola em nada prejudica ou tem conflito com quaisquer procedimentos ou direitos descritos por este Código, e há regras que devem prevenir qualquer humilhação, degradante ou punição física. No entanto, elas podem prever a negação de privilégios, tais como passeios e atividades extracurriculares, por períodos limitados de tempo. Regras Baseado na Escola deve ser escrito em um estilo simples, claro e preciso, e devem ser evitados termos indefinidos e educacional e legal gíria. Após a revisão pelo Conselho Baseado na Escola, regras baseadas em escola deve ser traduzido para as línguas de origem apropriados para alunos da escola. 3.3 De acordo com as seções 4 e 5 deste Código, as escolas devem abordar o seguinte, e quaisquer outras áreas, contempladas pelas regras baseadas na escola com abordagens preventivas e positivas para a disciplina que reagir ao mau comportamento com intervenções e consequências destinadas a resolver as causas do mau comportamento, resolução de conflitos, atendendo às necessidades dos alunos e manter os alunos na escola: Buscas dos estudantes e sua propriedade Colar Comer alimentos em áreas não autorizadas no edifício Atraso Perdidos, vandalismo, desfigurados e roubados livros e propriedade 3.4 As Regras de Base-Escolar deve também abordar os seguintes itens abordados pelo Código de Conduta e outras leis adotadas pelo Comitê Escolar de Boston, para que pais e alunos estão cientes dessas leis: Registros dos alunos, incluindo o encaminhamento de registros quando os alunos são transferido para outro distrito escolar(consulte o Circular da Superintendente, LGL-7: Procedimentos Registro do Aluno) Perda de privilégios

13 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Perdido, vandalizado, danificou e roubado livros didáticos e propriedade Transporte, incluindo a responsabilidade dos pais quando um aluno perde os privilégios de ônibus (consulte o Circular Superintendente,TRN-2: Transporte do Aluno com Segurança e Disciplina) Uso de produtos do tabaco na propriedade da escola (consulte o Circular Superintendente, SHS-19: Lei para fumador) Visitas escolares e apresentações por parte dos pais e outros terceiros (consulte o Circular Superintendente, LGL-4: Guia de Visitantes na Escola) Detenção Lei do uniforme escolar e/ou código de vestimenta (consulte o Circular Superintendente SUP-18: Lei do Uniforme Escolar) 3.5 A Subcomissão de Regras de Baseado na Escola será composto por representantes de todos os grupos -- administradores, professores, pais e outros, -- e deve ser refletido pela população escolar. Nas escolas média e de 2º grau, a Subcomissão pode também incluir os alunos. 3.6 O Administrador do Edifício de cada escola deve estabelecer um mecanismo para dar tempo para que os representantes de pais, professores e alunos de envolver seu eleitorado ao máximo no desenvolvimento das regras. 3.7 Após as Regras de Base Escolar ter sido desenvolvidas nos termos do presente artigo, estas devem ser revisadas e aprovadas pelo Conselho Escolar e e aprovado pelo designado pelo Superintendente. 3.8 Após a aprovação, as Regras de Base Escolar bem como eventuais alterações não devem entrar em vigor até que tenham sido distribuídos aos alunos, pais e os funcionários. Depois disso, antes de 15 de setembro de cada ano letivo, as Regras de Base Escolar serão distribuídos aos alunos, pais e funcionários como o Manual de Leis de Escolas Públicas de Boston para pais e alunos. As Regras Baseado na Escola deve ser afixado em locais bem visíveis dentro da escola. As Regras Baseado na Escola será também apresentado aos funcionários e alunos em uma sessão de orientação/formação na terceira sexta-feira em Setembro de cada ano letivo. 3.9 Qualquer pessoa que acredita que este Código não foi seguido no estabelecimento as Regras Baseado na Escola pode apresentar um queixa no Escritório de Equidade das Escolas Públicas de Boston, que deve investigar e fazer recomendações ao Superintendente As regras e as soluções adotadas nos termos da presente Seção serão reavaliadas da mesma forma a cada ano antes de 1º de junho. Seção 4 AMBIENTES SEGURO E DE APOIO A TODA A ESCOLA 4.1 Fundamentação e Quadro (Framework) A comunidade-escola inteira inclui estudantes, professores, administradores, conselheiros, assistentes sociais e outros funcionários da escola, famílias e do bairro/comunidade. A fim de criar ambientes seguros, saudáveis e de apoio, as escolas devem fornecer apoio em três níveis de cuidados e instrução. Como discutido nos princípios acima, estes três níveis são: Promoção. Escolas adota a promover o bem-estar emocional de todos os alunos, através de abordagens de toda a escola para apoiar a saúde comportamental positiva.

14 14 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE 2013 Prevenção. Escolas fornecem apoio para intervir mais cedo para minimizar escalada de identificados os sintomas de saúde comportamental através de apoios colaborativos direcionados; e Intervenção. Escolas oferecem e participa de cuidado coordenado para o pequeno número de alunos que demonstrem necessidade considerável. Estes três níveis não devem ser tratados como silos; atividades para resolver cada nível deve ocorrer ao longo de toda a escola, em salas de aula, em pequenos grupos, e com os alunos e as famílias individuais. Os serviços podem ser baseados escola ou na comunidade local, e oferecido em sala de aula ou fora da sala de aula BPS e cada escola deverá adequar soluções locais, que deverão incluir, abordagens preventivas e positivas não-excludentes para a disciplina escolar, para atender às necessidades de suas comunidades a estes três níveis por meio de organização pela estrutura de seis partes seguintes: Liderança pela escola e administradores do distrito para criar ambientes escolares de apoio e promover serviços de colaboração que abordam de forma confiável cada um dos três níveis acima; O desenvolvimento profissional para os administradores escolares, educadores e profissionais de saúde através de treinamentos comportamentais interdisciplinares e separadamente; O acesso aos recursos e serviços por meio da identificação, coordenação e criação de escolas e serviços de saúde da comunidade de comportamento para melhorar o ambiente de toda a escola. O quadro reconhece a necessidade de recursos que estão clinicamente, linguisticamente e culturalmente adequada para os alunos e as famílias; Enfoques acadêmicos e não-acadêmicos que permitem que as crianças aprendam, incluindo aqueles com necessidades de saúde comportamental, e que promove o sucesso escolar; As políticas escolares, procedimentos e protocolos que fornecem uma base para as escolas para implementar e apoiar este trabalho, e A colaboração com os alunos e as famílias em que os alunos, pais e famílias estão incluídas em todos os aspectos da educação de seus filhos. (Veja o Saúde Comportamental e Quadro das Escolas Públicas estabelecido pelo Massachusetts Behavioral Health and Task Force Escolas Públicas de 2012 Relatório Final, Anexo A). 4.2 Abordagens para promover escolas segura e de apoio Há uma variedade de abordagens para promover escolas seguras e de apoio. Intervenções em níveis são fornecidos por todos departamentos em BPS, e BPS segue o modelo Acadêmico Quadro Realização de níveis de serviços. Além disso, as escolas podem optar por adotar abordagens escolares comprovadas positivas e preventivas, tais como Massachusetts Níveis de Sistema de Apoio (MTSS) e Práticas Restaurativas. Informações sobre cada uma destas abordagens é fornecida abaixo, e mais informação sobre cada um pode ser encontrado no apêndice. Quaisquer apoios que são adotadas devem construir sobre os pontos fortes dos alunos, promover o sucesso na escola, maximizar o tempo gasto em sala de aula e minimizar suspensões, expulsões, e outras remoções para os alunos com desafios de saúde comportamental Níveis de Intervenções Fornecidos pela BPS: Atualmente, há uma série de níveis de intervençõe fornecidos por vários departamentos dentro BPS. Isto

15 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE inclui as intervenções para apoiar as áreas 11, cada uma das quais está listado abaixo com vários exemplos das intervenções disponíveis. A lista completa de níveis de intervenções está disponível no Apêndice A. Desenvolvimento Profissional: formação Anti bullying (Maus-tratos), treinamento de segurança cibernética Visitas Escolares/Assistência Técnica: Segurança ônibus, intervenção de crise, serviços de terapia individuais Currículo: resolução de conflitos K -12ª série, conscientização sobre drogas, prevenção da violência/ mediação Promoções/Comunicações: Site Conexões Saudável, CRA folha de fato Dados/Sistema de Informação de Estudante: Pesquisa Jovem Comportamento de Risco, banco de dados Linha de emergência Triagem/avaliações: Avaliação do Bem Estar do estudante, Riscos de Suicídio e Avaliação Política: Política BPS Prevenção ao Bullying (Maus Tratos), Distrito Política de Bem-Estar, Livre Tabaco Política de Meio Ambiente Programas de Prevenção: Trauma Sensíveis Escolar, Conectando as Famílias, Operação Homefront (Casa Frente) Engajamento Familiar: Bully (maus tratos) linha de emergência, reunião de admissão com os pais, aconselhamento familiar Tempo Prolongado de Aprendizado: parcerias relacionadas à saúde (por exemplo, BOKS), Sábados para o Sucesso Engajamento do Estudante: mentores para a prevenção do bullying(maus-tratos), Ação para Boston Comunidade de Desenvolvimento (ABCD) Justiça Restaurativa (RJ) Justiça Restaurativa é uma filosofia e uma abordagem para lidar com o mau comportamento, conflitos e ofensas, mantendo os alunos na escola e fazendo os responsáveis por suas ações. RJ faz três perguntas: qual foi o dano causado tanto para o indivíduo e para a comunidade, quem é responsável por causar o dano e fazer as coisas certas, e como pode o dano ser reparado e relacionamentos restaurados para a maior extensão possível. RJ muitas vezes envolve o diálogo entre duas ou mais partes ou grupo de conferência - reunião, incluindo a vítima, o infrator e a comunidade afetada. Os principais objetivos são: proporcionar um espaço seguro para que a vítima e a comunidade tem uma palavra a dizer sobre a forma de resolver o problema e ajudar a determinar consequências adequadas; colocar uma "cara" sobre o problema para que o infrator possa compreender o impacto de suas ações e proporcionar uma oportunidade para os responsáveis pelo problema para corrigi-lo. Isso restaura relacionamentos e reduz as chances de futuro mau comportamento. Para mais informações, consulte o Apêndice B ou consulte ou

16 16 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Massachusetts Nível de Sistema de Apoio (MTSS) O MTSS proporciona uma mudança de nível de sistema em toda a sala de aula, da escola e do distrito para atender às necessidades acadêmicas e não-acadêmicas de todos os alunos, incluindo os alunos com deficiência. Três níveis flexíveis representam uma intensidade cada vez maior de apoio e intervenções acadêmica e não-acadêmica: 1) ambientes escolares de apoio, 2) intervenções precoces, e 3) os serviços intensivos. Os principais componentes do MTSS são currículo e instrução de alta qualidade; intervenções baseadas em pesquisas acadêmicas e avaliações; intervenções comportamentais com base em pesquisas e apoios; triagem universal e monitoramento do progresso, e colaboração e comunicação entre educadores e pais. Para mais informações, consulte o Apêndice C. Seção 5 OUTRAS INTERVENÇÕES E ABORDAGENS CENTRADAS NO ALUNO 5.1 Conferências Centradas no Aluno Funcionários Acadêmicos deve tentar resolver problemas disciplinares antes do encaminhamento ao Administrador do edifício ou Pessoa Designada. Para este fim, os funcionários acadêmicos, ao testemunhar ou ser informado da prática de um crime proibido por este Código, são encorajados a conferir particular com o aluno, na primeira oportunidade, e conferir com um dos pais, por telefone ou por carta. Um funcionário acadêmico ou estudante pode convidar os pais para uma conferência com o aluno e o funcionário em um momento e lugar mutuamente conveniente Encaminhamento de funcionários não-acadêmicos Empregados ou pessoas não-acadêmicas de serviço as nossas escolas e que não são empregados,ao testemunhar a prática de uma infracção proibido por este Código, são encorajados a submeter a questão a um empregado de supervisão acadêmica do aluno ou, se ela não existe ou conhece, para o Administrador do Edifício que poderá designar um empregado acadêmico apropriado para iniciar o procedimento descrito na Seção Encaminhamento da Conferência de Funcionário Acadêmico Quando a resolução na conferência acadêmica do empregado não for bem sucedida, o empregado acadêmico deve informar o Administrador do Edifício ou Pessoa Designada que o aluno está sendo encaminhado para a resolução de problemas ou tentativa de mau comportamento. Uma declaração por escrito dos acontecimentos que levaram ao encaminhamento, a ofensa que o aluno se acredita ter cometido, e os esforços do professor(a) para resolver o problema deve ser colocado no registro temporário do aluno Conferência Informal do Administrator do Edifício O Administrador do Edifício ou pessoa designada deve tentar arranjar um tempo e lugar para uma conferência informal conveniente para todos os participantes. O Administrador do Edifício ou Pessoa Designada poderá convidar os pais para assistir, mas não deve atrasar a conferência, nem afetar a duração ou o tipo de ação disciplinar tomada. Se mais de um aluno participou do incidente e o

17 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE encaminhamento foi feito, o Administrator do Edifício ou Pessoa Designada pode exigir, ou o aluno poderá solicitar, a presença de todos os alunos envolvidos Procedimentos Escolas Primárias É reconhecido que as escolas de ensino primário não tem muitas das estruturas organizacionais ou programáticas, que pode fornecer medidas de prevenção ou soluções alternativas ao nível de segundo grau. É particularmente importante, portanto que as comissões de Regras de Base Escolar no nível primário na Seção 4, em construir um mecanismo de apoio dentro da escola e entre os funcionários e pais. Administrador do Edifício Primário ou Pessoa Designada devem trabahar em conjunto com a equipe e os pais a desenvolver tais recursos. 5.2 Contratante Funcionários da escola podem projetar acordos com os alunos para identificar os comportamentos de alvo, definir expectativas, e descrever as consequências. Esses contratos podem ser escritos para gerenciar o comportamento dos alunos, enquanto na escola, indo para a escola, na escola, desde o transporte, e em atividades patrocinadas pela escola, durante e após o dia regular na escola. Estes contratos podem envolver funcionários, pais, administradores e outros alunos, quando apropriado. Sugere-se que estes acordos deve ser escrito e revisado em horários específicos. Alunos e se forem menor de 18 anos seus pais devem ser informados que o acordo para um contrato é voluntário. 5.3 Detenção Uma solução para o mau comportamento do estudante pode ser detenção. As escolas devem utilizar a detenção como uma oportunidade para prestar apoio educativo aos alunos. Após notificação por escrito para o aluno e seus pais, Responável, Cuidador, na linguagem da casa do aluno, um aluno pode ser detido por não mais de uma hora depois da aula em até 3 (três) dias de aula, ou pode ser obrigado a chegar mais cedo para um número definido de dias, desde a detenção total de tempo não seja superior a três (3)horas por ofensa. Se não puder entrar em contato com os Pais, Responável, Cuidador por telefone, o aluno pode ser detido no dia seguinte de aula, enviando para casa um aviso na linguagem da casa do aluno. Providência deve ser feita para os alunos que tomam o "ônibus amerelo" de transporte. -- Aviso deve ser fornecido num prazo razoável antes da detenção. Falta de comparência de uma detenção pode desencadear outras medidas disciplinares. Os alunos devem ter a possibilidade de completar os deveres de casa durante a sua detenção. 5.4 Perda de Privilégios Escolar: Passeios, Atividades Depois das Aulas, etc. Se um passeio ou atividade escolar é necessário para o ensino e aprendizagem que ocorre na sala de aula ou irá resultar em um trabalho com nota, os alunos não devem ser privados da oportunidade de participar. Em outros casos, uma solução para o mau comportamento do estudante pode ser a perda temporária de privilégios escolares, incluindo passeio e atividades depois da aula. Esta solução pode ser imposta após notificação por escrito ao aluno e pais, Responável ou Cuidador na língua da casa do aluno, mas não deve de forma permanente como negar ao aluno o direito de continuar a participar de uma atividade escolar. Um aluno pode ser negado privilégios escolar não mais de uma semana de cada vez, ou um total de 3 (três) semanas em um bimestre, a menos que será realizado uma audiência como definido na Seção 9.5. Para as escolas que adotaram uma lei de uniforme obrigatório, os alunos cujos pais tenham solicitado a dispensa da lei não estará sujeito à perda de quaisquer privilégios na escola por não usar uniforme. Nos casos em que a renúncia não tenha sido solicitado, a criança pode estar sujeita a perda de privilégios da escola após o aviso que foi dado para os pais e um segundo aviso será feita para os pais para pedir a renúncia da lei do uniforme.

18 18 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Longo prazo ajuste no Plano das Aulas Após a notificação para o aluno e os pais explicando os motivos para a proposta do ajuste de aula, e depois de uma sessão de conferência com os pais presente, o plano de aula do aluno pode ser ajustado, mas apenas para minimizar o contato entre o aluno e um professor ou entre o aluno e o outro aluno, onde há evidência de um conflito entre os dois. Ajustes de curto prazo no plano de aula até 3 (três) dias podem ser feitas sem aviso prévio para os pais. 5.6 Provação Uma notificação por escrito, ou depois de uma conferência com o aluno e os pais que a prática de uma infração adicional levará a uma determinada medida disciplinar, um aluno pode ser colocado em provação até o final do período do bimestre. Qualquer medida disciplinar realizada em conexão com provação deve ser feito em estrita observância ao Código. 5.7 Restituição Após notificação por escrito ao aluno e aos pais, ou depois de uma conferência com o aluno e os pais, um aluno pode ser obrigado a reparar, restaurar, substituir ou pagar para danificações, vandalizos, perdido ou roubado propriedade da escola. O pagamento pode ser necessário, em dinheiro ou em caso, acordo com os serviços. 5.8 Negação detransporte Fornecido pela Escola Transporte fornecido pela escola, incluindo passe gratuito para o ônibus MBTA, pode ser negado por infrações graves ou repetidas, conforme descrito nas seções 7.2 até 7.10 e seção 14.1, quando isto ocorrer na propriedade escolar ou no transporte público Transporte pode ser negado quando as ações de um aluno por em perigo ou vai continuar a colocar em risco seu /sua própria segurança e /ou a segurança dos outros Negação de transporte para períodos específicos de tempo deve ser coerente com o princípio da disciplina progressiva e com a natureza da violação Negação de transporte para menos de 4 (quatro) dias não exige uma audiência. No entanto, o aluno deve ser dada a razão da recusa de transporte e uma oportunidade para responder às acusações perante a negação que é imposta. Negação de transporte para 4 (quatro) dias consecutivos ou mais e /ou por mais de 6 (seis) dias acumulado em qualquer bimestre deve exigir uma audiência, em conformidade com a Seção 9.5. Em todos os casos, os pais devem ser notificado antes que os serviços de transporte são negados. [Veja Prova 1: Sugestão Linha de tempo para Negação de Procedimentos de transporte]

19 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE PROVA 1: Negação de Procedimentos Transporte Comunicação de Incidentes Em caso de um incidente devido ao comportamento do estudante, o motorista de ônibus entrará em contato com o Contratante do Ônibus e informar Contratado do Ônibus do incidente. Contratado do Ônibus é responsável para informar o Departamento de Transportes sobre o incidente verbalmente, por escrito ou ambos. Dependendo da gravidade do incidente, as seguintes pessoas serão contactadas verbalmente e por escrito: Administrador Edifício, Diretor de Transporte, Superintendente Adjunto, Diretor de Operações, Rede Superintendente, Diretor de Transporte, Líder Operacional, Segurança Contratante do Ônibus, e designado Diretor do Transporte Funções e Responsabilidades do Administrador Escolar Administrador do edifício é responsável por investigar o incidente e tomar as ações apropriadas. Se resultado é a negação de transporte, é responsabilidade da escola para informar os pais verbalmente e por escrito na língua falada em casa. A escola vai enviar o notificação da Negação de Transporte para ao seu Diretor de Transporte designado, que, então, vai coordenar com o Contratante Ônibus início e data final da negação. Para negação de transporte com duração de quatro dias ou mais: Administrador do edifício é responsável por investigar o incidente e tomar as ações apropriadas. *Se resultado é a negação de transporte, é responsabilidade da escola para informar os pais verbalmente e por escrito na língua falada em casa. *A escola vai enviar o notificação da Negação do Transporte ao seu Diretor de Transporte designado, que, então, vai coordenar com o Contratante Ônibus início e data final da negação. Se a negação do transporte é de longo prazo, por favor, enviar informações para Líder Operacional Nota: Alunos com deficiência não pode ser negado o transporte (ver Anexo 7 e Seção 15.4) Funções e Responsabilidades do Motorista de Ônibus e o o Contratante Ônibus. Os motoristas irão notificar o Contratante Ônibus, verbalmente e por escrito, de qualquer incidente que ocorre no ônibus enquanto os alunos estão indo para a escola. O Departamento de Transportes vai seguir-se com o funcionário da escola encarregado de coordenar a negação transporte. O Motorista de ônibus será capaz de fazer uma recomendação para a escola com relação ao negar privilégios de transporte para um aluno que tem estado envolvido em três ou mais incidentes. A recomendação será apresentada por escrito ao Departamento de Transportes, Contratante Ônibus e da Escola. A decisão final será feita pela Escola. Nota: Alunos com deficiência não pode ser negado o transporte (ver Anexo 7 e Seção 15.4)

20 20 ESCOLAS PÚBLICAS DE BOSTON CÓDIGO DE CONDUTA JULHO DE Centros de Planejamento dos Alunos Após abordagens positivas e responsáveis tenham sido esgotadas dentro da sala de aula, o aluno indisciplinado pode ser encaminhado para um centro de planejamento do aluno. O aluno permanece no centro de planejamento apenas o tempo suficiente para ser assistido em avaliar o comportamento presente e fazer um plano para um comportamento mais responsável. O centro de planejamento fornece a oportunidade para o aluno a manter trabalhos em sala de aula, acompanhamento para o plano do aluno, e apoio para o funcionário. Remoção para um centro de planejamento o aluno não deve constituir uma suspensão ou uma suspensão na escola Sistema de Gerenciamento de Comportamento Funcionários e alunos podem projetar sistemas de controle de comportamento de classes, grupos, programas e / ou escolas com base em níveis progressivos de privilégios e restrições. Alguns exemplos de alternativas para a remoção do aluno da classe são: contrato de gestão com o comportamento do aluno, e aconselhamento em pares /resolução de conflitos. Sistemas de gerenciamento de comportamento incluem avaliações comportamentais funcionais com reforço positivo ou incentivos para um comportamento desejado Alternativas Adicionais às Suspensões, Expulsões Processo de resolução de conflitos: Lembrete e ou re-orientação; Re-ensinamento de expectativas e habilidades; aluno/professor conferência; desculpas por escrito; Mini-curso/treinamento sobre temas como a resolução de conflitos, gestão de raiva, habilidades sociais ou comportamento apropriado; ensaio reflexivo ou outros reflexivo atividade; alcance dos Pais; Aulas no Sábado (Programa SMART); Traçando tabela de comportamentos (FBA), relatórios frequentes sobre o serviço comunitário de comportamento; Guiar; Encaminhamento para serviços baseados na comunidade Em determinadas circunstâncias, um comportamento como descrito na Seção 7 do Código de Conduta garante a imedita suspensão ou expulsão. Seção 6 REMOÇÃO TEMPORÁRIA DA SALA DE AULA 6.1 O Administrator do Edifício ou Pessoa Designada, a pedido de um professor, pode autorizar a remoção de um estudante da sala de aula para às areas vigiadas dentro da escola quando as ações do aluno estão causando e continuarão a causar pertubação substancial da atividade de sala de aula, conforme definido na Seção Remoção da sala de aula deve durar apenas o tempo necessário para garantir que as condições que justificam a terminação da remoção, e em nenhum caso além do final de 2(dois) períodos de aula ou 90 minutos, o que ocorrer primeiro, exceto quando um estudante foi enviado a um centro de planejamento ao aluno. Sempre que possível, soluções e processos seguros, de apoio e não de exclusão descritos na Seção 5 deve ser tentada antes da remoção da classe. Quando um aluno é removido da aula além de 90 minutos ou dois períodos de aula, vai constituir uma suspensão e exige a notificação do procedimentos de suspensão a ser iniciado. 6.2 Quando um aluno foi removido da mesma sala de aula mais de uma vez, o Administrador do Edifício ou Pessoa Designada, que autorizou a remoção, no prazo de 2 (dois) dias letivos após a remoção, manda pelo correio um relatório escrito sobre a remoção e os motivos para isso, elaborado pelo professor, para os pais do aluno. 6.3 Nenhum aluno pode ser retirado da mesma classe mais de 2 (duas) vezes por semana ou 4 (quarto) vezes durante um bimestre a menos que o aluno é oferecido uma audiência, em conformidade com a Seção 9.5. Secão 7 RAZÕES PARA SUSPENSÃO, SUSPENSÃO A LONGO PRAZO, SUSPENSÃO INDEFINIDA, TRANSFERÊNCIA DISCIPLINAR, COLOCAÇÃO EM PROGRAMA ALTERNATIVO, OU EXPULSÃO As modificações nesta edição do Código de Conduta foram feitas para trazer o Código, em conformidade com mandatos de St. 93, C. 71, também conhecida como a Reforma no Ato da Educação em Massachusetts de 1993, alterada pela St. 93, C. 380; PL , (Lei de Melhoria das Escolas na América de 1994); 8 USC, 921 et seq. (Código dos

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program)

Broward County Public Schools Educação de Estudantes Excepcionais Programa para Superdotados (Exceptional Student Education - Gifted Program) Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados 6A-6.03313 Salvaguardas Processuais para Estudantes Excepcionais que São Superdotados. Informar os pais sobre os seus direitos

Leia mais

ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD

ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD ESCOLAS PÚBLICAS DE MEDFORD Intimidação (Bullying) Plano de Prevenção e Intervenção Aprovado pelo Comitê das Escolas de Medford 20 de Dezembro, 2010 Roy E. Belson, Superintendente de Escolas Beverly G.

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo

Resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo de Assistência Emergencial (AE) Conforme Revisão de janeiro de 2015 - Abrigo Observação: Este é um resumo das Regras Uniformes do Programa de Abrigo (Regras). Para conhecer os detalhes, consulte as Regras Uniformes do Programa de Abrigo na íntegra. A versão na íntegra das Regras

Leia mais

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH

NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH NORMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL FIRMENICH Norma de Responsabilidade Social Firmenich Atualizado em Março de 2013 Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Como parte do nosso compromisso contínuo com um negócio ético

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição,

DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso VIII, da Constituição, DECRETO Nº 4.702, DE 21 DE MAIO DE 2003. Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América Relativo à Cooperação entre suas Autoridades de Defesa

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood

Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood Programa Para Aprendizes de Língua Inglesa (ELL) Escolas Públicas de Norwood As Escolas Públicas de Norwood acolhem estudantes de diversas origens e experiências culturais. Nós estamos atualmente prestando

Leia mais

Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails. Educar é ensinar

Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails. Educar é ensinar Criando uma Comunidade Escolar Segura e Afetuosa. Um Padrão de Conduta para a Divisão Escolar Pembina Trails Educar é ensinar Um Padrão de Conduta é mais um modelo de ensino do que um código de comportamento.

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0

CÓDIGO DE ÉTICA. ANS nº 41431.0 CÓDIGO DE ÉTICA Aprovado pelo Conselho Consultivo da Saúde BRB Caixa de Assistência em sua 37ª Reunião Extraordinária, realizada em 10.12.2010. Brasília, 22 de fevereiro de 2011 I - APRESENTAÇÃO CÓDIGO

Leia mais

Apêndice A. Nível de ensino fundamental. Informacões e regras

Apêndice A. Nível de ensino fundamental. Informacões e regras Apêndice A Nível de ensino fundamental Informacões e regras Horas de ensino fundamental Esta programacão refere-se aos estudantes em todas as oito escolas de ensino fundamental do Plymouth. Que não pertencem

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00

POLÍTICA CORPORATIVA Código PC.00.001. PRESIDÊNCIA Revisão 00 Páginas 1/8 1. OBJETIVO O Código de Ética é um conjunto de diretrizes e regras de atuação, que define como os empregados e contratados da AQCES devem agir em diferentes situações no que diz respeito à

Leia mais

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ),

A República Federativa do Brasil. A República Argentina (doravante denominadas as Partes ), ACORDO DE COOPERAÇÃO ENTRE A REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E A REPÚBLICA ARGENTINA RELATIVO À COOPERAÇÃO ENTRE SUAS AUTORIDADES DE DEFESA DA CONCORRÊNCIA NA APLICAÇÃO DE SUAS LEIS DE CONCORRÊNCIA A República

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho Recomendação 203 RECOMENDAÇÃO SOBRE MEDIDAS SUPLEMENTARES PARA A SUPRESSÃO EFETIVA DO TRABALHO FORÇADO, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO,

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA

CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA CÓDIGO DE ÉTICA E CONDUTA Por estar inserida em uma sociedade, a Interact Solutions preza por padrões de conduta ética em suas atividades, quando se relaciona com clientes, fornecedores, canais de distribuição,

Leia mais

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE

DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE DECRETO Nº 6.617, DE 23 DE OUTUBRO DE 2008: Promulga o Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República da África do Sul no Campo da Cooperação Científica e Tecnológica,

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL

PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL PROJETO DE GUIA LEGISLATIVO: ELEMENTOS BÁSICOS SOBRE A PARTICIPAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL INTRODUÇÃO... 2 1. ACESSO À INFORMAÇÃO... 3 1.1. Disposições gerais... 3 1.2. Cumprimento... 3 1.3. Supervisão...

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82)

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PORTARIA Nº 1.927, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2014 (DOU de 11/12/2014 Seção I Pág. 82) Estabelece orientações sobre o combate à discriminação relacionada ao HIV e a Aids nos

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial

Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial A. Introdução Declaração de Helsinque Associação Médica Mundial Princípios éticos para as pesquisas médicas em seres humanos Adotado pela 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinque, Finlândia, junho do 1964

Leia mais

Introdução: Código de Conduta Corporativa

Introdução: Código de Conduta Corporativa Transporte Excelsior Ltda Código de Conduta Corporativa Introdução: A Transporte Excelsior através desse Código Corporativo de Conduta busca alinhar e apoiar o cumprimento de nossa Missão, Visão e Valores,

Leia mais

Quem Contratar como Coach?

Quem Contratar como Coach? Quem Contratar como Coach? por Rodrigo Aranha, PCC & CMC Por diversas razões, você tomou a decisão de buscar auxílio, através de um Coach profissional, para tratar uma ou mais questões, sejam elas de caráter

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters

Código de Conduta do Fornecedor. Em vigor a partir de 2 de julho de 2012. Ethics. Matters Código de Conduta do Fornecedor Em vigor a partir de 2 de julho de 2012 Ethics Matters Mensagem do CPO [Chief Procurement Officer - Diretor de Compras] A Duke Energy está comprometida com a segurança,

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte

Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Carta Internacional da Educação Física, da Atividade Física e do Esporte Preâmbulo A Conferência Geral da UNESCO, 1. Recordando que, na Carta das Nações Unidas, os povos proclamaram sua fé nos direitos

Leia mais

ESTÁGIO INTERNACIONAL CONTRATO MESTRE Brigham Young University

ESTÁGIO INTERNACIONAL CONTRATO MESTRE Brigham Young University ESTÁGIO INTERNACIONAL CONTRATO MESTRE Brigham Young University Contrato celebrado dia de, 201 ( Data da vigência ) entre a Brigham Young University, empresa sem fins lucrativos e instituição educacional

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ).

Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Condições de Uso do Website Termos & Condições www.grey.com (o website ) é de propriedade do Grupo Grey e operado por ele ( nosso, nós e nos ). Ao acessar este site, você concorda em ficar vinculado a

Leia mais

Código de Conduta da Dachser

Código de Conduta da Dachser Código de Conduta da Dachser 1. Introdução A fundação de todas as atividades na Dachser é a nossa adesão a regulamentos juridicamente vinculativos em nível nacional e internacional, assim como a quaisquer

Leia mais

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011)

Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Versão Impressa (versão de 15/03/2011) Departamento de Segurança Nacional (DHS) Queixa Referente a Escritório de Direitos e Liberdades Civis (CRCL) Direitos Civis Versão Impressa (versão de 15/03/2011) O objetivo deste formulário é ajudá-lo

Leia mais

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO

OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DO MOVIMENTO INTERNACIONAL DA CRUZ VERMELHA E DO CRESCENTE VERMELHO FOLHETO CICV O Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho O Movimento Internacional

Leia mais

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo

Ministério da Educação. Primavera 2014. Atualização do Redesenho do Currículo Ministério da Educação Primavera 2014 Atualização do Redesenho do Currículo Em 2010, o Ministério da Educação começou a transformar o sistema educacional de British Columbia, Canadá, Ensino Infantil Médio

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

ESTADO DE CONNECTICUT RAMO JUDICIAL PLANO DE ACESSO LINGUÍSTICO

ESTADO DE CONNECTICUT RAMO JUDICIAL PLANO DE ACESSO LINGUÍSTICO Revisado em julho de 2015 ESTADO DE CONNECTICUT RAMO JUDICIAL PLANO DE ACESSO LINGUÍSTICO Proficiência Limitada em Inglês Índice Introdução 1. Exposição de Diretrizes sobre Proficiência Limitada em Inglês

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 1 Política de segurança da informação 1.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COGEM, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção de políticas

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 - Política de segurança da informação 8.1 Introdução A informação é um ativo que possui grande valor para a COOPERFEMSA, devendo ser adequadamente utilizada e protegida contra ameaças e riscos. A adoção

Leia mais

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler

Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler Política de Recursos Humanos do Grupo Schindler 2 Introdução A política corporativa de RH da Schindler define as estratégias relacionadas às ações para com seus colaboradores; baseia-se na Missão e nos

Leia mais

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL

PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL REGULAMENTO BRASILEIRO DE AVIAÇÃO CIVIL N 11 RBAC 11 PROCEDIMENTOS E NORMAS GE- RAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGU- LAMENTOS BRASILEIROS DE AVIAÇÃO CIVIL APROVAÇÃO: RESOLUÇÃO XX ANAC,

Leia mais

Política de Comunicação de Marketing

Política de Comunicação de Marketing OBJETIVO Esta política tem como objetivos garantir o alinhamento das ações e projetos de comunicação de marketing da TIM, com sua Missão e seus princípios com relação à Sustentabilidade, de forma responsável,

Leia mais

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL

REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL Título: REGULAMENTO BRASILEIRO DA AVIAÇÃO CIVIL RBAC nº 11 EMENDA nº 00 PROCEDIMENTOS E NORMAS GERAIS PARA A ELABORAÇÃO DE REGRAS E EMENDAS AOS REGULAMENTOS BRASILEIROS DA AVIAÇÃO CIVIL Aprovação: Resolução

Leia mais

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros.

Ética A GUARDIAN disponibiliza o presente Código de Conduta a todos os colaboradores, Clientes, Fornecedores e Parceiros. Âmbito de aplicação O presente Código de Conduta aplica-se a toda a estrutura GUARDIAN Sociedade de Mediação de Seguros, Lda., seguidamente designada por GUARDIAN, sem prejuízo das disposições legais ou

Leia mais

Código de Conduta de Fornecedor

Código de Conduta de Fornecedor Código de Conduta de Fornecedor www.odfjelldrilling.com A Odfjell Drilling e suas entidades afiliadas mundialmente estão comprometidas em manter os mais altos padrões éticos ao conduzir negócios. Como

Leia mais

Código de. Conduta e Melhores Práticas

Código de. Conduta e Melhores Práticas Código de Conduta e Melhores Práticas PRESSUPOSTOS Ser complementar ao Código de Ética do Administrador e harmônico a este Aproveitar a experiência de entidades de contextos onde Coaching é uma atividade

Leia mais

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações

Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações Página 144 VIII/11. Cooperação científica e técnica e o mecanismo de intermediação de informações A Conferência das Partes, Informando-se sobre o relatório do Secretário Executivo sobre as atividades do

Leia mais

Responsabilidade Social 8000

Responsabilidade Social 8000 NORMA INTERNACIONAL SAI SA8000 : 2001 Responsabilidade Social 8000 SA8000 é uma marca registrada da Social Accountability International CÓPIA NÃO AUTORIZADA SEM PERMISSÃO DA SAI, EXCETO QUANDO PERMITIDO

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido

ICC 114 8. 10 março 2015 Original: inglês. Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido ICC 114 8 10 março 2015 Original: inglês P Conselho Internacional do Café 114. a sessão 2 6 março 2015 Londres, Reino Unido Memorando de Entendimento entre a Organização Internacional do Café, a Associação

Leia mais

Um Lugar Seguro para as Crianças Guia 1

Um Lugar Seguro para as Crianças Guia 1 Um Lugar Seguro para as Crianças Guia 1 Padrões Internacionais para a Proteção da Criança Produzido pela Aliança Internacional Um Lugar Seguro para as Crianças (Keeping Children Safe Coalition) Conteúdo

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA

Engenharia e Consultoria CÓDIGO DE ÉTICA CÓDIGO DE ÉTICA SUMÁRIO APRESENTAÇÃO COLABORADORES Princípios éticos funcionais Emprego e Ambiente de trabalho Conflito de interesses Segredos e informações comerciais SEGURANÇA, SAÚDE E MEIO AMBIENTE

Leia mais

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000

RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 RESOLUÇÃO CFP Nº 016/2000 DE 20 DE DEZEMBRO DE 2000 Ementa: Dispõe sobre a realização de pesquisa em Psicologia com seres humanos. O CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA, no uso de suas atribuições legais e

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Organização de serviços para o tratamento da dependência química

Organização de serviços para o tratamento da dependência química Organização de serviços para o tratamento da dependência química Coordenação: Prof. Dr. Ronaldo Laranjeira Apresentação: Dr. Elton P. Rezende UNIAD /INPAD/UNIFESP Agradecimentos: Dr. Marcelo Ribeiro Fatores

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014

CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 CÓDIGO DE ÉTICA PI.001.00000000 A - 04 de Junho de 2014 PALAVRA DA DIRETORIA Apresentamos, com muito prazer, o do Grupo Galvão, que foi elaborado de maneira participativa com representantes dos colaboradores

Leia mais

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas

Política de segurança de rede: White Paper de práticas recomendadas Política de segurança de : White Paper de práticas recomendadas Índice Introdução Preparação Criar declarações de política de uso Realizar uma análise de risco Estabelecer uma Estrutura de Equipe de Segurança

Leia mais

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005

ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 ABNT NBR ISO/IEC 27002:2005 Código de prática para a gestão da segurança da informação A partir de 2007, a nova edição da ISO/IEC 17799 será incorporada ao novo esquema de numeração como ISO/IEC 27002.

Leia mais

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil

Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil Auditoria Interna do Futuro: Você está Preparado? Oswaldo Basile, CIA, CCSA. Presidente IIA Brasil O futuro é (deveria ser) o sucesso Como estar preparado? O que você NÃO verá nesta apresentação Voltar

Leia mais

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico

AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico AÇÕES EFETIVAS DE GERENCIAMENTO DO STRESS OCUPACIONAL: Desafio de Conciliar Embasamento Científico e Planejamento Estratégico Sâmia Simurro Novembro/2011 FATOS SOBRE O STRESS Inevitável Nível positivo?

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos

DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL. Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos DECLARAÇÃO DE HELSINKI DA ASSOCIAÇÃO MÉDICA MUNDIAL Princípios Éticos para Pesquisa Clínica Envolvendo Seres Humanos Adotado da 18ª Assembléia Médica Mundial Helsinki, Finlândia, Junho 1964 e emendas da

Leia mais

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO

GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO Manual de GUIA PRÁTICO APOIOS SOCIAIS CRIANÇAS E JOVENS EM SITUAÇÃO DE PERIGO INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/12 FICHA TÉCNICA

Leia mais

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio

Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Padrões Nidera para Parceiros de Negócio Caro Parceiro de Negócio, A história da nossa empresa inclui um compromisso de longa data em estar de acordo com as leis onde quer que atuemos e realizar nossos

Leia mais

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL

49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE 49 o CONSELHO DIRETOR 61 a SESSÃO DO COMITÊ REGIONAL Washington, D.C., EUA, 28 de setembro a 2 de outubro de 2009 CD49.R10 (Port.) ORIGINAL:

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá. 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil

Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá. 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil Caminho para melhorar a educação pública: Ontário, Canadá 2 e 3 de setembro de 2015 São Paulo (SP), Brasil 2 Melhoramos a cada ano. As pessoas estão ficando mais inteligentes. Começamos a pensar que a

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher

Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Protocolo Facultativo à Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra a Mulher Os Estados Partes do presente Protocolo, Observando que na Carta das Nações Unidas se reafirma a

Leia mais

Lista de checagem do protocolo

Lista de checagem do protocolo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA Comitê de Ética em Pesquisa Lista de checagem do protocolo A avaliação do projeto

Leia mais

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva

Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva PROCESSO DE AVALIAÇÃO EM CONTEXTOS INCLUSIVOS PT Preâmbulo Indicadores Gerais para a Avaliação Inclusiva A avaliação inclusiva é uma abordagem à avaliação em ambientes inclusivos em que as políticas e

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO)

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA OPERACIONAL (PTO) EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 CONCESSÃO PARA AMPLIAÇÃO, MANUTENÇÃO E EXPLORAÇÃO DOS AEROPORTOS INTERNACIONAIS BRASÍLIA CAMPINAS GUARULHOS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 9 DO CONTRATO PLANO DE TRANSFERÊNCIA

Leia mais

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde:

Declaração de Odense. O ABC para a Equidade Educação e Saúde. 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Declaração de Odense O ABC para a Equidade Educação e Saúde 4.ª Conferência Europeia das Escolas Promotoras de Saúde: Equidade, Educação e Saúde 7-9 outubro 2013 A 4ª Conferência Europeia sobre escolas

Leia mais

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003

REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL. Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 REGULAMENTOS PARA INTERNET, PEDIDOS POR CORREIO E GERAÇÃO DE CONTATOS (LEADS) NO BRASIL Em vigor a partir 1 de novembro de 2003 Estes regulamentos aplicam-se aos sites da web, programas de pedido pelo

Leia mais

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua.

POLÍTICA CORPORATIVA. Todos os profissionais do Grupo Camargo Corrêa, locados em todas as unidades e países onde o Grupo atua. 1 Objetivos Estimular a participação cidadã dos profissionais das empresas do Grupo Camargo Corrêa em ações de voluntariado empresarial por meio do do Instituto Camargo Corrêa; Contribuir com o desenvolvimento

Leia mais

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ

A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ A PROTEÇÃO DOS CIVIS E DA AÇÃO HUMANITÁRIA POR MEIO DE UM TRATADO DE COMÉRCIO DE ARMAS EFICAZ FOLHETO Marko Kokic/CICV DISPONIBILIDADE DE ARMAS: O CUSTO HUMANO Todos os anos, devido à disponibilidade generalizada

Leia mais

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão

Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Este sistema é sustentado por 14 pilares: Elemento 1 Liderança, Responsabilidade e Gestão Como as pessoas tendem a imitar os seus líderes, estes devem-se empenhar e comprometer-se com o QSSA, para servirem

Leia mais

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR

TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR TERMOS E CONDIÇÕES GERAIS PARA CRIAÇÃO DE CURRÍCULO NO SITE CURRICULOAGORA.COM.BR Os termos e condições abaixo se aplicam aos benefícios e ferramentas disponibilizados pelo CURRÍCULO AGORA para inclusão

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS

CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Arranjo Produtivo Local de Tecnologia da Informação e Comunicação da Região Central do Centro do Rio Grande do Sul CÓDIGO DE ÉTICA APLICADO AOS ATORES DIRETOS Outubro de 2013 MISSÃO Fortalecer, qualificar,

Leia mais

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a)

Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Processo para Candidatura, Recrutamento, Revisão e Avaliação dos Candidatos (as) Indicados (as) para o Cargo de Moderador(a) Emitido pelo Comitê de Nomeação de Moderador(a) Março de 2014 Aprovado pela

Leia mais

6h diárias - 11 meses

6h diárias - 11 meses 6h diárias - 11 meses PROPOSTA PEDAGÓGICA PROGRAMA DE APRENDIZAGEM EM AUXILIAR DE TELEMARKETING ÍNDICE 1 - Apresentação da Entidade ijovem 3 2 - Justificativa do Programa. 3 3 Público-alvo: 4 4 Objetivo

Leia mais

New Hampshire Educação Especial Manual de Procedimentos de Garantias

New Hampshire Educação Especial Manual de Procedimentos de Garantias New Hampshire Educação Especial Manual de Procedimentos de Garantias Este manual é baseado no Lei Educacional para Indivíduos Portadores de Necessidades Especiais de 2004 e as Normas para a Educação de

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais