INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2013

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2013"

Transcrição

1 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2013 JULHO/2014 VERSÃO 02

2 CLIENTE PROJETO ENTREGÁVEL INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2013 CSTRINV02 Inventário de Emissões e Remoções de GEE AUTORES COLABORADORES Victor Gripp; Jéssyca Guimarães; Felipe Bittencourt; Adriana Araújo Escritório Central Tatiane Jesus - Escritório Central Mariana Gaspar Escritório Central Nelson Oliveira Escritório Central Ariane Machado Departamento de Equipamentos José Guerlando Departamento de Equipamentos Vicente Trajano Contrato DNIT Sul, Lotes 01 e 02 Cecília Feijo Contrato DNIT Sul, Lotes 01 e 02 Leandro Pochmann Contrato DNIT Sul, Lotes 01 e 02 Wander Vaz Contrato DNIT Sul, Lotes 01 e 02 Luiz Lemos Contrato FNS Lote 04 Cynthia Carvalho Contratos BRT, São Gabriel e Station Fabio Melo - Contratos BRT, São Gabriel e Station Erika Freitas - Contratos BRT, São Gabriel e Station Renato Dias Contrato Via 210 Marcos Santos Contrato Aeroportos Brasil Viracopos 2

3 HISTÓRICO DO DOCUMENTO Nome do documento Data Natureza da revisão/alteração INVENTARIO_CSTRINV02_ /06/2014 Primeira versão INVENTARIO_CSTRINV02_ /07/2014 Inclusão de colaboradores; Ajustes na seção de discussão. 3

4 RESUMO O inventário de emissões de gases de efeito estufa (GEE) é o instrumento gerencial que permite avaliar o impacto de uma organização sobre o sistema climático global. O presente estudo avaliou as emissões e remoções de GEE da Constran no ano Foram contempladas as operações de Construção Civil, do Departamento de Equipamentos e do Escritório Central localizadas nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Goiás. No ano 2013 as emissões da Constran somaram ,90 tco 2 e. Ademais foram emitidas 2.953,16 toneladas de CO 2 de origem renovável. Ainda, remoções apuradas totalizaram 63,32 tco 2 e Emissões e Remoções de GEE tco 2 e CO2 renovável Remoções Totais (Kyoto + Non-Kyoto) Gráfico 1: Emissões e remoções totais da organização. A Constran é uma empresa que atua na área de construção civil pesada e seu perfil de emissões de GEE é bastante ante condizente com este setor. Suas emissões de escopo 3 são muito mais significativas do que as emissões de escopos s 1 e 2. Destacam-se principalmente as emissões associadas à fabricação de dois dos principais insumos 4

5 utilizados em suas obras, o aço e o cimento. Além disso, o diesel consumido pelas diversas máquinas e equipamentos para a própria realização das obras, bem como para o transporte de insumos e resíduos resulta em emissões bastante significativas. Por fim, também são importantes as emissões relacionadas à degradação anaeróbica de resíduos enviados a aterros e às atividades de supressão vegetal que, no caso de algumas obras, precisam necessariamente ser realizadas. Emissões totais (tco 2 e) por Grupo do Precursor 0,1% 7,4% 8,8% 24,1% 0,0% 0,0% 59,6% Insumo upstream Combustível Resíduo Biomassa Composto nitrogenado Eletricidade de grid GEE Gráfico 2: Emissões totais, divididas por grupo do precursor das emissões de GEE. Como as emissões mais significativas da Constran são emissões indiretas, tais emissões em geral são estimadas com um grau de incerteza relativamente alto. Uma forma de se minimizar essa incerteza é passar a pedir para os fornecedores e parceiros, sobretudo de aço e cimento, informações a respeito das emissões associadas à fabricação de cada um desses insumos. Dessa forma, o cálculo das emissões poderá ser feito de forma mais precisa e fornecerá subsídios mais consistentes para que a empresa possa tomar iniciativas de mitigação dessas emissões indiretas, seja por meio da seleção de fornecedores por meio de critérios ambientais, ou mesmo com ações conjuntas em parceria com esses fornecedores. 5

6 Internamente, a mitigação das emissões de escopo 1 (diretas), que são muito mais relevantes do que as de escopo 2 (indiretas pelo consumo de energia), passa principalmente pelo aprimoramento da eficiência (em termos de consumo de combustível por atividade realizada) das máquinas utilizadas nas obras e pela substituição, sempre que possível, de combustíveis fósseis por combustíveis renováveis. Além disso, a redução do envio de materiais com altos teores de matéria orgânica para aterros também pode reduzir de maneira significativa as emissões indiretas (escopo 3) da empresa. 6

7 LISTA DE TABELAS Tabela 1: Indicadores de desempenho climático Tabela 2: Comparação das emissões da Constran entre os anos de 2012 e 2013, por Categoria Tabela 3: Indicadores de intensidade de emissões por homens-horas trabalhadas em 2012, por unidade operacional Tabela 4: Comparação dos Indicadores de intensidade de emissões por homenshoras trabalhadas em 2012 e LISTAS DE ILUSTRAÇÕES Quadro 1: Unidades operacionais contempladas Quadro 2. Descrição dos atributos registrados para as instâncias do banco de dados de informações de entrada Gráfico 1: Emissões e remoções totais da organização Gráfico 2: Emissões totais, divididas por grupo do precursor das emissões de GEE. 5 Gráfico 3: Fluxograma de etapas metodológicas para a realização de inventários. 12 Gráfico 4: Emissões e remoções totais da organização Gráfico 5: Emissões de GEE, segregadas por escopo Gráfico 6: Emissões de GEE, segregadas por tipo de GEE Gráfico 7: Distribuição das emissões por estado Gráfico 8: Emissões de GEE, segregadas por categoria do GHG Protocol Gráfico 9: Emissões de GEE, segregadas por grupo do precursor Gráfico 10: Emissões de GEE, segregadas por Natureza de Operação Gráfico 11: Emissões de GEE, segregadas por unidade operacional e escopo Gráfico 12: Emissões de GEE, segregadas por processo Gráfico 13: Emissões de GEE, segregadas por atividade e escopo Gráfico 14: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregadas por unidade operacional e escopo Gráfico 15: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregadas por processo e escopo Gráfico 16: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregados por categoria e escopo Gráfico 17: Remoções, segregadas por unidade operacional e escopo Gráfico 18: Comparação das emissões 2012 e 2013 da Constran, por Escopo

8 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CONTEXTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS PRINCÍPIOS DE CONTABILIZAÇÃO E ELABORAÇÃO O DO INVENTÁRIO METODOLOGIA ETAPAS DA COMPILAÇÃO DE INVENTÁRIO DE GEE DEFINIÇÃO DE ABRANGÊNCIA Fronteiras organizacionais Fronteiras operacionais DEFINIÇÃO DO PERÍODO DE REFERÊNCIA E ANO-BASE Período de referência e ano-base Recálculo do ano-base IDENTIFICAÇÃO OU REVALIDAÇÃO DE FONTES E SUMIDOUROS DE GEE Identificação e hierarquização de fontes COLETA DE DADOS CÁLCULO DE EMISSÕES E REMOÇÕES CÁLCULO DE INCERTEZA Combinação de incerteza de componentes não correlacionados de uma multiplicação ou divisão Combinação de incerteza de componentes não correlacionados de uma soma ou subtração RESULTADOS EMISSÕES DE CO 2 DE ORIGEM RENOVÁVEL REMOÇÕES INDICADORES DE DESEMPENHO CLIMÁTICO DISCUSSÃO ACOMPANHAMENTO DE DESEMPENHO VENDAS E COMPRAS DE OFFSETS REFERÊNCIAS ANEXO EXTRATO DE FATORES DE EMISSÃO ANEXO TABELAS GERENCIAIS ANEXO TABELAS GHG PROTOCOL ANEXO INCERTEZA GLOSSÁRIO

9 1. INTRODUÇÃO 1.1 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA NO CONTEXTO DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Os problemas decorrentes do aquecimento global e das mudanças climáticas colocam o tema da economia de baixo carbono como uma questão central para o desenvolvimento sustentável. Isso é cada vez mais se buscam meios de compatibilizar o desenvolvimento econômico e da proteção do sistema climático. Neste contexto, torna-se muito relevante, quantificar e gerenciar emissões de GEE no âmbito corporativo. O Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa é o instrumento gerencial que permite quantificar as emissões de gases de efeito estufa (GEE) de uma determinada organização. A partir da definição de sua abrangência, da identificação das fontes e sumidouros de GEE, e da contabilização de suas respectivas emissões ou remoções, o Inventário possibilita conhecer o perfil das emissões resultantes das atividades da organização. As informações geradas a partir da elaboração de um Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa podem cumprir os seguintes objetivos: o Monitoramento de emissões de GEE: acompanhar e registrar a evolução das emissões ao longo do tempo. Identificar oportunidades de ganhos de eficiência operacional e redução de custos; o Benchmarking: comparar as emissões de cada unidade operacional ou de cada setor de uma organização; o Avaliação de riscos e oportunidades: identificar e mitigar os riscos regulatórios e associados a futuras obrigações em relação a taxas de emissão de GEE ou restrições de emissão, bem como avaliar potenciais oportunidades custo-efetivas de reduções de emissão; o Estabelecimento de metas: subsidiar o estabelecimento de metas de redução de emissões de GEE e o planejamento de estratégias de mitigação; 9

10 o Acompanhamento de resultados ações de mitigação: quantificar progressos e melhorias decorrentes de iniciativas estratégicas relacionadas à temática das Mudanças Climáticas; o Participação em programas de divulgação de pegada climática: permitir a divulgação de informações sobre o desempenho climático da organização (e.g. GHG Protocol, ISE, ICO 2 ). Quando aplicado à cadeia de valor de uma organização, o inventário permite também a avaliação da sustentabilidade climática de processos externos; e.g. produção de matérias primas, utilização e disposição de produtos e logística de distribuição. Entre os protocolos e normas disponíveis para a compilação de inventários corporativos de GEE, neste estudo foram adotadas as seguintes referências: o Norma NBR ISO 14064; Associação Brasileira de Normas Técnicas, 2007 (ABNT, 2007); o Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol; Especificações de Verificação do Programa Brasileiro GHG Protocol;GHG Corporate Protocol -Programa Brasileiro GHG Protocol (PBGHGP) - Fundação Getúlio Vargas; World Resources Institute (FGV/GVces e WRI, 2011); Os protocolos listados acima possuem credibilidade internacional. A principal finalidade em adotá-los está em obter um relatório passível de comparação em âmbitos nacional e global. Vale destacar que este inventário é passível de verificação no âmbito dos protocolos listados acima. O objetivo da verificação deste inventário por uma terceira parte é a obtenção de uma declaração independente sobre a qualidade do inventário e a consistência das informações nele contidas, de modo a assegurar aos seus usuários uma avaliação acurada do padrão de emissões da cadeia de valor da organização. 10

11 1.2 PRINCÍPIOS DE CONTABILIZAÇÃO E ELABORAÇÃO DO INVENTÁRIO Os seguintes princípios orientaram a elaboração deste estudo (FGV/GVces e WRI, 2011): o Relevância: Assegurar que o Inventário de GEE reflita apropriadamente as emissões do processo em foco e que atenda as necessidades de tomada de decisão de seus usuários. o Completeza: Registrar todas as fontes e atividades emissoras de GEE dentro dos limites selecionados do inventário. Documentar e justificar quaisquer exclusões específicas. o Consistência: Utilizar metodologias reconhecidas e consubstanciadas tecnicamente, que permitam comparações das emissões com as de outros processos similares. Documentar claramente quaisquer alterações de dados, limites de inventário, métodos empregados ou quaisquer outros fatores relevantes no dado período de tempo. o Transparência: Tratar todos os assuntos relevantes de forma coerente e factual, alicerçada em evidências objetivas. Revelar quaisquer suposições relevantes, bem como fazer referência apropriada às metodologias de cálculo e de registro e ainda às fontes de dados utilizadas. o Acuidade: Por meio da aplicação de dados apropriados, de fatores de emissão ou estimativas, assegurar que a quantificação de emissões de GEE não esteja subestimada ou superestimada. Reduzir o viés e as incertezas ao mínimo possível e obter um nível de determinação que possibilite segurança nas tomadas de decisões. 2. METODOLOGIA 2.1 ETAPAS DA COMPILAÇÃO DE INVENTÁRIO DE GEE As etapas conceituais utilizadas para a elaboração deste inventário são apresentadas no fluxograma abaixo e explicadas em seguida: 11

12 1. DEFINIÇÃO DE ABRANGÊNCIA 2. DEFINIÇÃO DO PERÍODO DE REFERÊNCIA E ANO-BASE 3. IDENTIFICAÇÃO OU REVALIDAÇÃO DE FONTES E SUMIDOUROS DE GEE 4. HIERARQUIZAÇÃO E CATEGORIZAÇÃO DE FONTES E SUMIDOUROS DE GEE 5. COLETA DE DADOS 6. CÁLCULO DE EMISSÕES E REMOÇÕES E INCERTEZA 7. APRESENTAÇÃO DE RESULTADOS Gráfico 3: Fluxograma de etapas metodológicas para a realização de inventários Primeiramente, define-se a abrangência do inventário (Etapa 1), ou seja, é necessário determinar quais instalações e atividades da organização serão contempladas pelo inventário, estabelecendo, assim, seu limite organizacional.em seguida, define-se o período de referência e ano-base do inventário (Etapa 2). São identificadas as fontes e sumidouros de GEE da organização (Etapa 3) que são, então, categorizadas e hierarquizadas (Etapa 4).Em seguida, realiza-se o processo de coleta de dados (Etapa 5). Para a realização do cálculo das emissões (Etapa 6), são utilizados os dados de atividades emissoras coletados, bem como os fatores de emissão (vide adiante). Nesta etapa também são calculadas as incertezas do inventário. Por fim, os resultados são compilados em um relatório anual (Etapa 7). 2.2 DEFINIÇÃO DE ABRANGÊNCIA Fronteiras organizacionais O presente inventário abrange a. O quadro abaixo enumera as unidades operacionais contempladas neste estudo. 12

13 Unidade Operacional Natureza Município Participação acionária da organização (%) Controle operacional da organização? CODESP Construção Santos - SP 100% SIM DEQ Departamento de Equipamentos São Paulo - SP 100% SIM DNIT Sul - Lote 1 Construção Guaíba - RS 100% SIM DNIT Sul - Lote 2 Construção Guaíba - RS 100% SIM Escritório Central Escritório Corporativo São Paulo - SP 100% SIM FNS - Lote 4 Construção São Simão - GO 100% SIM São Gabriel Construção Belo Horizonte - MG 100% SIM Station Construção Belo Horizonte - MG 100% SIM Via 210 Construção Belo Horizonte - MG 100% SIM Viracopos Construção Campinas - SP 100% SIM BRT Construção Belo Horizonte - MG 100% SIM Quadro 1: Unidades operacionais contempladas Duas abordagens são possíveis para aconsolidação das emissões e remoções em nível organizacional. Abaixo, são definidas cada uma dessas abordagens e indicada a opção utilizada neste inventário. Participação Acionária: a organização assume as emissões de GEE das operações de acordo com a sua participação societária. Controle Operacional: a organização é responsável por 100% das emissões de GEE das operações sobre as quais tem controle operacional Fronteiras operacionais A definição de fronteiras operacionais leva em conta a identificação das fontes e sumidouros de GEE associadas às operações por meio de sua categorização em emissões diretas ou indiretas, utilizando-se o conceito de escopo. Abaixo, são definidas cada uma das três categorias adotadas pelo GHG Protocol e indicada(s) a(s) opção(ões) contemplada(s) neste inventário. 13

14 Escopo 1: Emissões diretas de GEE provenientes de fontes que pertencem ou são controladas pela organização. Escopo 2: Emissões indiretas de GEE provenientes da aquisição de energia elétrica que é consumida pela organização. Escopo 3: Categoria de relato opcional, considera todas as outras emissões indiretas. São uma consequência das atividades da organização, mas ocorrem em fontes que não pertencem ou não são controladas por ela. 2.3 DEFINIÇÃO DO PERÍODO DE REFERÊNCIA E ANO-BASE Período de referência e ano-base Este relatório apresenta as emissões e remoções de gases de efeito estufa ano Para acompanhamento da evolução do desempenho da organização ao longo do tempo em relação às emissões/remoções de GEE, deve-se estabelecer um ano-base para o inventário. O primeiro inventário elaborado pela Constran foi o referente ao ano de 2012, no entanto, para o inventário 2013 o processo de coleta de dados foi aprimorado e, por conta disso, acredita-se que os resultados deste último ano sejam mais consistentes, o que fez ele fosse escolhido como ano-base, ao invés do ano de Mesmo 2013 tendo sido escolhido como o ano-base do inventário, é apresentada uma comparação dos resultados s deste ano com os de 2012, como forma de se fazer um acompanhamento das emissões da Constran nesse período. 14

15 2.3.2 Recálculo do ano-base De acordo com os requisitos da norma NBR ISO Parte1, a fim de garantir a comparabilidade de emissões de GEE ao longo do tempo, deverá ser aplicado o procedimento de recálculo do ano-base caso sejam registradas alterações significativas em quaisquer quer dos itens abaixo: I. Mudanças nas fronteiras operacionais; II. Mudanças na propriedade ou controle das fontes de emissão de GEE transferidos para dentro ou para fora das fronteiras organizacionais; III. Mudanças nas metodologias de quantificação que resultarem em alterações significativas no resultado do inventário. Os registros das alterações significativas que impliquem no recálculo de emissões deverão ser mantidos para consideração nos relatórios dos anos subsequentes. Abaixo, assinala-se se se houve ou não necessidade de recálculo de ano-base e, se sim, qual a razão para tal (conforme itens I. a III.acima). Não houve necessidade de recálculo de ano-base. Foi necessário o recálculo de ano-base. Razão: I. II. III. 2.4 IDENTIFICAÇÃO OU REVALIDAÇÃO DE FONTES E SUMIDOUROS DE GEE Identificação e hierarquização de fontes As fontes de emissão foram identificadas e hierarquizadas dentro da estrutura organizacional da companhia. As atividades de identificação de fontes foram realizadas por meio de visitas técnicas às unidades inventariadas, executadas no período entre julho de 2013 e janeiro de Foi estruturado um banco de dados no qual cada instância (linha) do banco de dados representa uma fonte/sumidouro de emissão identificada para as quais foram registradas os atributos descritos abaixo: 15

16 Atributo Unidade Operacional Processo Atividade Detalhamento Precursor Unidade dado consolidado* Consol dado Descrição Indica a unidade operacional a que a fonte ou sumidouro pertence Indica o processo que a fonte ou sumidouro pertence Indica a atividade que a fonte ou sumidouro desempenha Campo onde são registrados maiores detalhes para identificação da fonte de emissão Substância que dará origem às emissões de GEE Unidade de medida do dado de entrada consolidado Forma de totalização anual do dado de entrada consolidado (soma ou media) Dir Meta dado Direção da meta do dado consolidado: -1 = Melhor para baixo; 0 = melhor no ponto; 1 = melhor para cima Descrição dado* Un dado* Valor anual dado* Descrição do dado de entrada Unidade de medida do dado de entrada Valor anual do dado de entrada Origem dado* Grau dado* Responsável dado* Local, registro, referência ou sistema de onde o dado é obtido Grau do dado de entrada. Grau primário indica que os dados são medidos ou obtidos diretamente. Grau secundário indica que os dados são obtidos de referências bibliográficas ou estimados a partir de outros dados obtidos diretamente. Grau terciário, indica que os dados foram estimados a partir de dados de referência. Pessoa da organização responsável pela coleta do dado. Consol dado* Forma de totalização anual do dado de entrada (média ou soma) Dir Meta dado Direção da meta do dado consolidado: -1 = Melhor para baixo; 0 = melhor no ponto; 1 = melhor para cima 16

17 Atributo Escopo Categoria GHG Grupo Tecnologia Valor consolidado Descrição Escopo da fonte de emissão, de acordo com a classificação do GHG Protocol Categoria da fonte de emissão, de acordo com a classificação do GHG Protocol Grupo de atividade tecnológica que a fonte de emissão se refere Tecnologia aplicável à fonte de emissão que a fonte de emissão de refere Valor do dado de entrada consolidado Quadro 2. Descrição dos atributos registrados para as instâncias do banco de dados de informações de entrada. * Pode haver 1 a 3 dados de entrada por fonte de emissão. Os dados de entrada são aqueles informados pela organização. Cada dado de entrada possui os atributos Descrição dado, Unidade dado, Valor anual dado, Origem dado, Grau dado, Responsável dado, Consol dado e Dir Meta Dado. Os dados de entrada são combinados para dar origem ao dado de entrada consolidado. O dado de entrada consolidado é então utilizado para o cálculo de emissões ou remoções. 2.5 COLETA DE DADOS Uma vez estruturado o banco de dados, os dados de entrada foram fornecidos por colaboradores/funcionários designados pela organização, por meio de planilhas eletrônicas. 17

18 2.6 CÁLCULO DE EMISSÕES E REMOÇÕES As emissões e remoções de GEE são calculadas por cada fonte e sumidouro individualmente segundo fórmula a seguir:,, =,,, Onde:,, Emissões ou remoções do GEE g atribuíveis à fonte ou sumidouro i durante o ano y, em tco 2 e;, Dado de atividade consolidado referente à fonte ou sumidouro i para o ano y, na unidade u. Como ressaltado anteriormente, o dado de atividade consolidado consistirá de todos os atributos registrados de cada fonte/sumidouro.,, Fator de emissão ou remoção do GEE g aplicável à fonte ou sumidouro i no ano y, em t GEE g/u 1 ; Potencial de aquecimento global do GEE g, em tco 2 e/t GEE g 2. i Índice que denota uma atividade da fonte ou sumidouro individual; g u Índice que denota um GEE. Índice que denota a unidade de um dado de atividade consolidado; y Ano de referência do relatório. 1 Foram adotados os fatores de emissão de GEE disponíveis na literatura e em base de dados reconhecidas e revisadas. Foram priorizados os fatores de emissão locais, recentes e que refletissem o tipo de tecnologia das atividades da cadeia de valor da organização. 2 O Potencial de Aquecimento Global (PAG) é um fator que descreve o impacto da força radiativa de uma unidade baseada na massa de um dado GEE relativa a uma unidade de dióxido de carbono equivalente durante um dado período. 18

19 A escolha do método de cálculo apropriado decorreu da disponibilidade de dados e de fatores de emissão específicos, das tecnologias de combustão utilizadas no processo, entre outros. Os cálculos foram implementados por meio de operação de relacionamento entre o banco de dados de fontes de emissão, ora compilado, e banco de dados de fatores de emissão curado pela WayCarbon. Encontra-se anexo a relação de fatores de emissão empregados neste estudo. Os resultados de emissão das fontes/sumidouros individuais foram agregados por meio de tabelas dinâmicas. 19

20 2.7 CÁLCULO DE INCERTEZA Para quantificação de incerteza foram utilizados os intervalos de confiança de 95% associados aos fatores empregados.a seguir descrevem-se os protocolos adotados para a combinação de incerteza segundo IPCC, Combinação de incerteza de componentes não correlacionados de uma multiplicação ou divisão = Onde: Incerteza percentual total do produto de quantidades (metade do intervalo de confiança de 95%, expresso como porcentagem). Para intervalos de confiança assimétricos foi considerada a maior diferença percentual entre a média e o limite de confiança. Incerteza percentual associada a cada uma das quantidades de uma multiplicação Combinação de incerteza de componentes não correlacionados de uma soma ou subtração + + = Onde: Incerteza percentual total da soma ou subtração de quantidades (metade do intervalo de confiança de 95%, expresso como porcentagem). Para intervalos de confiança assimétricos foi considerada a maior diferença percentual entre a média e o limite de confiança. 20

21 Quantidades e incerteza percentual associada a cada uma das quantidades de uma multiplicação. Por meio do modelo de propagação de incertezas, descrito acima, é produzido uma estimativa da metade do intervalo de confiança de 95%, expresso como uma porcentagem do resultado do inventário ou de sua categoria 3. 3 À medida que a incerteza do inventário aumenta, a abordagem de propagação, descrita acima, sistematicamente subestima a incerteza, exceto nos casos em que os modelos de quantificação são puramente aditivos. Portanto, nos casos em que a incerteza total do inventário ou categoria é superior a 100% e inferior a 230%, devem ser realizados procedimentos de correção (não descritos). 21

22 3. RESULTADOS No ano 2013 as emissões 4 da somaram ,42 tco 2 e. Ademais foram emitidas 2.953,16 toneladas de CO 2 de origem renovável 5 (Gráfico 4). Ainda, remoções apuradas totalizaram 63,32 tco 2 e Emissões e Remoções de GEE tco 2 e CO2 renovável Remoções Totais (Kyoto + Non-Kyoto) Gráfico 4: Emissões e remoções totais da organização. 4 Aqui estão considerados GEE regulados pelo Protocolo de Kyoto (dióxido de carbono - CO 2, metano - CH 4, óxido nitroso - N 2 O, hexafluoreto de enxofre - SF 6, perfluorocarbonetos - PFCs e hidrofluorocarbonetos HCFCs) GEE não regulados pelo Protocolo de Kyoto (clorofluorocarbonetos - CFCs e hidroclorofluorocarbonetos - HCFCs). 5 Estas incluem emissões de CO 2 oriundas da utilização energética de biomassa de origem renovável. Neste estudo foi adotada a definição de biomassa renovável formulada pelo Comitê Executivo do Mecanismo de desenvolvimento Limpo da Convenção Quadro das Nações Unidadas para Mudanças Climáticas (EB 23, Annex 18). Emissões desta natureza não contribuem para o aumento da concentração de CO 2 na atmosfera em longo prazo. 22

23 As emissões de GEE se distribuem entre os escopos 1, 2 e 3 da seguinte maneira: Emissões totais (tco 2 e) por Escopo % 81 0% Escopo 1 Escopo % Escopo 3 Gráfico 5: Emissões de GEE, segregadas por escopo. O gráfico a seguir, mostra as emissões apuradas, segregadas por gás. Emissões totais (tco 2 e) por GEE % 635 0% CO2 CH % N2O Gráfico 6: Emissões de GEE, segregadas por tipo de GEE. 23

24 A distribuição geográfica das emissões apuradas é mostrada no gráfico seguinte. Emissões totais (tco 2 e) por Estado % % % % São Paulo Goiás Minas Gerais Rio Grande do Sul Gráfico 7: Distribuição das emissões por estado. O gráfico a seguir mostra a distribuição das emissões de GEE entre as categorias do GHG Protocol. 24

25 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE Emissões totais (tco2e) por Categoria Escopo Escopo Escopo Emissões totais (tco2e) Gráfico 8: Emissões de GEE, segregadas segregada por categoria do GHG Protocol. A importância dos diferentes grupos de precursores para as emissões da organização é mostrada a seguir: 25

26 Emissões totais (tco 2 e) por Grupo do Precursor 0,1% 7,4% 8,8% 24,1% 0,0% 0,0% 59,6% Insumo upstream Combustível Resíduo Biomassa Composto nitrogenado Eletricidade de grid GEE Gráfico 9: Emissões de GEE, segregadas por grupo do precursor. Os dois gráficos seguintes mostram, respectivamente, a relevância das diferentes naturezas de operação e unidades operacionais para as emissões s da organização. Emissões Totais (tco 2 e) por Natureza de Operação ,0% 299 0,1% Construção ,9% Departamento de equipamentos Escritório corporativo Gráfico 10: Emissões de GEE, segregadas por Natureza de Operação. 26

27 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE Escopo 1 Escopo 2 Escopo Emissões de GEE (tco2e) Emissões de GEE por Unidade Operacional e por Escopo 1 segregada por unidade operacional e escopo. Gráfico 11: Emissões de GEE, segregadas Os dois gráficos seguintes mostram, respectivamente, res a relevância dos diferentes processos e atividades para as emissões da organização. 27

28 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE Emissões totais (tco2e) por Processo % % 395 0% 35 0% Realização da obra Transporte de equipamentos Transporte de insumos Administrativo % Transporte de resíduos Gráfico 12: Emissões de GEE, segregadas segregada por processo. Principais atividades emissoras Emissões de GEE (tco2e) Escopo 3 Escopo 2 Escopo 1 1 Gráfico 13: Emissões de GEE, segregadas por atividade e escopo. 28

29 3.1 EMISSÕES DE CO 2 DE ORIGEM RENOVÁVEL Os gráficos seguintes mostram, respectivamente, a relevância das distintas unidades operacionais e processos para as emissões de CO 2 de origem renovável. Emissões de CO 2 Renovável, por Unidade e Escopo tco 2 e ,1 0, ,001 0,0001 0,0005 Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Gráfico 14: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregadas s por unidade operacional e escopo. 29

30 Emissões de CO 2 Renovável, por Processo e Escopo tco 2 e Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Gráfico 15: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregadas s por processo e escopo. As emissões de CO 2 de origem renovável distribuem-se se entre as categorias do GHG Protocol da seguinte maneira. 30

31 Emissões de CO 2 Renovável por Categoria e Escopo Escopo 1 tco 2 e Escopo Gráfico 16: Emissões de CO 2 de origem renovável, segregados por categoria e escopo. 31

32 3.2 REMOÇÕES O resultado das remoções por unidade operacional é mostrado a seguir. Remoções por Unidade Operacional 0-10 Via 210 FNS - Lote 4-1,06-20 tco 2 e ,27 Gráfico 17: Remoções, segregadas por unidade operacional e escopo. 32

33 3.3 INDICADORES DE DESEMPENHO CLIMÁTICO A partir dos resultados de emissão ora apurados e de dados operacionais, os seguintes indicadores de desempenho climático foram calculados. Tabela 1: Indicadores de desempenho climático Unidade Operacional Total de emissões E1+2+3 (tco 2 e) Indicador Operacional (Homens-horas) Indicador Intensidade (tco 2 e/homens-horas) Viracopos , ,22 0,01038 FNS - Lote , ,04 0,01212 Via , ,25 0,05079 DEQ , ,00 0,22527 CODESP 4.313, ,44 0,00849 BRT 3.683, ,16 0,01395 Station 2.509, ,75 0,00399 DNIT Sul - Lote , ,00 0,02024 São Gabriel 1.605, ,75 0,02051 DNIT Sul - Lote , ,00 0,00991 Escritório Central 299, ,66 0,00120 TOTAL , ,27 0,

34 4. DISCUSSÃO O perfil de emissões da Constran é bastante característico do setor de construção, sendo que do total de emissões da organização podem-se destacar três principais origens: a fabricação do aço utilizado nas obras, a fabricação do cimento utilizado nas obras, o consumo de óleo diesel para a movimentação de maquinário de construção e para transportes diversos. Ademais, merecem destaque as emissões relativa aos resíduos aterrados e aquelas associadas à supressão vegetal necessária em algumas das obras. Quanto à diferenciação entre os escopos, o escopo 3 é o mais relevante entre eles, pois contempla emissões de todos cinco principais tipos acima mencionados. O escopo 1 também é relevante, sobretudo por conta do consumo de óleo diesel (comprado pelo próprio contrato e, por isso, contabilizado no escopo 1). Já o escopo 2 pode ser considerado desprezível frente aos demais. Cabe esclarecer que as emissões associadas à supressão vegetal foram alocadas no escopo 3. Esta decisão foi tomada com base no Guia Metodológico para Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Construção Civil Setor Edificações (SINDUSCON-SP. Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo, [s.d.]) o qual recomenda que as emissões referentes à supressão vegetal sejam contabilizadas no escopo 1 de Incorporadoras (que realizam o projeto da obra), e no escopo 3 de construtoras (que executam os projetos já finalizados). Embora este guia não seja voltado especificamente à construção pesada, que é a atividade desempenhada pela Constran, por analogia, como a Constran em geral não tem liberdade para alterar os projetos de suas obras e apenas tem a função de executar um projeto já pronto, as emissões de supressão vegetal de suas obras, também devem ser consideradas em seu escopo 3 e não no escopo 1. Mesmo a supressão sendo uma atividade que, no momento de sua execução, é controlada Constran, a decisão sobre ela ser necessária ou não já ocorreu em um momento anterior, na etapa de projeto. 34

35 O principal GEE emitido pela Constran é o CO 2, o que é condizente com os três principais tipos de emissão da companhia, descritos mais acima. A distribuição geográfica das emissões depende muito de quais são as obras com maior atividade no período. Em 2013 se destacaram os estados de São Paulo, Goiás e Minas Gerais, por causa, respectivamente, das obras de Viracopos, FNS Lote 4 e Via 210, que foram as principais emissoras neste ano. Segregando-se as emissões por natureza de operação ou por processos, nota-se que a atividade central da Constran Construção (natureza de operação) ou Realização da Obra (Processo) é também a maior emissora, o que indica que gerenciar bem suas emissões está diretamente associado a um bom gerenciamento do negócio central da empresa. Uma observação importante é a de que cerca de 60% das emissões da Constran vêm de insumos comprados de terceiros (cimento e aço). As emissões de origem renovável são bem pouco expressivas em relação às emissões totais. Elas são originárias quase que exclusivamente da fração de 5% de biodiesel presente no diesel brasileiro (por imposição legal). Da mesma forma, as remoções são bastante discretas, pois no inventário são apenas contabilizadas as remoções relativas ao crescimento das árvores plantadas no período de referência (ano de 2013). No futuro, é provável que essas árvores continuem a crescer e a remover CO 2 da atmosfera, no entanto, no período de um ano, pela quantidade de árvores plantadas, as remoções são mesmo pouco expressivas. 35

36 5. ACOMPANHAMENTO DE DESEMPENHO Para a comparação das emissões da Constran entre os anos de 2012 e 2013 foi considerado o recálculo das emissões do contrato BRT, o que fez com que o total das emissões a companhia em 2012 passasse de ,72 tco 2 e para ,74 tco 2 e. Abaixo, são apresentadas as comparções dos resultados dos inventários de 2012 e 2013 por escopo (Gráfico 18) e por categoria (Tabela 2). Comparação , por Escopo Emissões (tco 2 e) Escopo Escopo 2 Escopo Gráfico 18: Comparação das emissões 2012 e 2013 da Constran, por Escopo. 36

37 Tabela 2: Comparação das emissões da Constran entre os anos de 2012 e 2013, por Categoria. Escopo e Categoria 2012 (tco 2 e) 2013 (tco 2 e) Escopo , ,65 Combustão Móvel 2.248, ,30 Combustão estacionária 379,78 4,34 Agrícolas 0,00 293,61 Efluentes 0,00 29,89 Fugitivas 0,67 0,50 Resíduos 0,00 0,00 Escopo 2 16,26 81,19 Aquisição de energia elétrica 16,26 81,19 Escopo , ,06 Bens e Serviços comprados , ,63 Resíduos gerados nas operações 7.049, ,80 Outras emissões do escopo 3 0, ,79 Transporte e distribuição (upstream) 1.208,24 112,65 Deslocamento casa-trabalho 0, ,92 Viagens a negócios 323,96 305,01 Atividades relacionadas com combustível e energia não inclusas nos Escopos 1 e 2 0,00 81,27 Total geral , ,90 Observa-se que as emissões absolutas da Constran tiveram um aumento significativo de 2012 para Tal aumento se deu, principalmente, devido ao aumento das emissões de combustão móvel no escopo 1 e ao aumento, no escopo 3, das emissões das categorias Bens e Serviços comprados (em que se destacam as emissões da fabricação do cimento e do aço utilizado nas obras) e Outras emissões de escopo 3 (em que se destacam as emissões associadas a supressões vegetais). No entanto, analisando-se a evolução da intensidade de emissões por homens-horas trabalhadas de 2012 para 2013, pode-se observar que houve uma redução significativa deste indicador, conforme apresentam a Tabela 3 e a Tabela 4, a seguir: Tabela 3: Indicadores de intensidade de emissões por homens-horas trabalhadas em 2012, por unidade operacional. Total de emissões Indicador Operacional Indicador Intensidade Unidade Operacional E1+2+3 (tco 2 e) (Homens-horas) (tco 2 e/homens-horas) Viracopos , ,71 0,02151 Via , ,88 0,00312 CODESP , ,24 0,07362 BRT 4.242, ,02 0,01050 Station , ,06 1,06746 Escritório Central 334, ,00 0,00131 TOTAL , ,91 0,

38 Tabela 4: Comparação dos Indicadores de intensidade de emissões por homens-horas trabalhadas em 2012 e Unidade Operacional Indicador Intensidade 2012 (tco 2 e/homens-horas) Indicador Intensidade 2013 (tco 2 e/homens-horas) Variação (%) Viracopos 0, , ,8% Via 210 0, , ,9% CODESP 0, , ,5% BRT 0, , ,9% Station 1, , ,6% Escritório Central 0, , ,3% TOTAL 0, , ,1% A Tabela 4 mostra que o indicador de emissões por homens-horas trabalhadas da Constran sofreu uma redução de mais de 80% de 2012 para Tal redução se deu, principalmente pela intensificação das obras no Aeroporto de Viracopos (ocasionando um aumento muito significativo das homens-horas trabalhadas). Ademais, contribuíram para tal redução a retomada das atividades no Lote 4 da Ferrovia Norte-Sul (FNS Lote 4), e a redução significativa na intensidade das emissões das obras Station e CODESP, as quais já estavam em fase de finalização. 38

39 6. VENDAS E COMPRAS DE OFFSETS De acordo com a norma ISO Parte 1, se uma organização reporta redução de emissões ou aumento de remoções adquirido ou desenvolvido a partir de projetos de GEE quantificados utilizando metodologias como a da ISO Parte 2, a mesma deve listar tais reduções de emissões ou aumento de remoções separadamente a partir de projetos de GEE. Dessa forma, assinala-se se houve ou não vendas e compras de offsets. Em caso afirmativo, indica-se a quantidade correspondente de emissões/remoções em tco 2 e. Não houve compras/vendas de offsets. Houve compras de offsets. Quantidade: tco 2 e. Houve vendas de offsets. Quantidade: tco 2 e. 39

40 REFERÊNCIAS ABNT. NBR ISO Gases de efeito estufa - Parte 1: Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa. [s.l.] Associação Brasileira de Normas Técnicas, FGV/GVCES; WRI. Especificações do Programa Brasileiro GHG Protocol: Contabilização, Quantificação e Publicação de Inventários Corporativos de Emissões de Gases de Efeito Estufa, Disponível em: < SINDUSCON-SP. SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO ESTADO DE SÃO PAULO. Guia Metodológico para Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa na Construção Civil. Setor Edificações., [s.d.]. Disponível em: < d_e_web.pdf> 40

41 ANEXO EXTRATO DE FATORES DE EMISSÃO ID Grupo Tecnologia Precursor 1 Combustão móvel Combustão móvel Diesel B5 l 2 Processos industriais Produção de aço Aço t 3 Combustão móvel Transporte rodoviário/caminhão pesado a Diesel Diesel B5 km*t 4 Processos industriais Produção de cimento Cimento t 5 Mudança do uso do solo Pampas -> Other land Pampas ha 6 Resíduos sólidos Aterro sanitário MSW/Food waste t 7 Compra de energia elétrica Sistema Interligado Nacional - Brasil Energia elétrica - Brasil kwh 8 Combustão móvel Transporte rodoviário/veículo de passeio a gasolina Gasolina - Brasil l 9 Combustão móvel Transporte rodoviário/veículo de passeio a Diesel Diesel B5 l Unidade do dado consolidado 10 Combustão móvel Transporte aéreo/comercial/curta distância Querosene de aviação km*passageiro 11 Combustão móvel Transporte aéreo/comercial/média distância Querosene de aviação km*passageiro 12 Combustão móvel Transporte aéreo/comercial/longa distância Querosene de aviação km*passageiro 13 Combustão móvel Combustão móvel Gasolina - Brasil l 14 Processos industriais Produção de aço Aço kg 15 Mudança do uso do solo Cerrado -> Other land Cerrado - 4 fisionomias ha 16 Mudança do uso do solo Cerrado -> Other land Cerrado - 2 fisionomias florestais ha 17 Atividades agrícolas Plantio de árvores Árvores plantadas árvores*ano 18 Atividades agrícolas Aplicação de fertilizante NPK kg 19 Combustão estacionária Estacionária (não especificada) Acetileno kg 20 Emissões fugitivas Extintores de incêndio CO2 kg 21 Tratamento de efluentes Reator anaeróbico Efluente sanitário usuários*dia 22 Combustão estacionária Comercial/institucional GLP kg 23 Emissões fugitivas Explosivos Explosivos/High explosive pellets/tnt t 24 Resíduos sólidos Aterro sanitário MSW/paper and cardboard t 25 Resíduos sólidos Aterro sanitário MSW/Wood t 26 Combustão móvel Transporte rodoviário/ônibus rodoviário a Diesel Diesel B5 l 27 Tratamento de efluentes Fossa séptica Efluente sanitário usuários*dia 28 Resíduos sólidos Aterro sanitário MSW/Nappies t 29 Combustão móvel Maquinário/Empilhadeira a GLP GLP kg 30 Combustão móvel Transporte rodoviário/veículo de passeio flex a etanol Etanol l 31 Combustão estacionária Estacionária (não especificada) Gasolina - Brasil l 32 Combustão móvel Transporte rodoviário/veículo de passeio a etanol Etanol l 33 Combustão móvel Transporte rodoviário/caminhão pesado a Diesel Diesel B5 km 41

42 ID tco2/u tch4/u tn2o/u tco2 renovavel/u Remoções tco2/u Energia (MWh/u) 1 0, , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,

43 ID CO2 (tco2e) CH4 (tco2e) N2O (tco2e) CO2 renovavel (t) Remoções CO2 (t) Energia (MWh) ,031 43, , ,040 0, , ,831 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,604 44,152 45, ,697 0, , ,566 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,532 0,000 0,000 0,000 0,000 0, , ,943 0,000 0,000 0,000 0, ,188 0,000 0,000 0,000 0, , ,304 0,451 3,544 53,635 0, , ,648 1,259 1,095 22,733 0, , ,023 0,033 0,431 0,000 0, , ,224 0,032 2,287 0,000 0, , ,825 0,002 0,149 0,000 0,000 61, ,258 12,227 46, ,690 0, , ,995 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,833 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,689 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,000 0,000 0,000 0,000-63,324 0, ,000 0,000 0,352 0,000 0,000 0, ,288 0,000 0,000 0,000 0,000 16, ,502 0,000 0,000 0,000 0,000 0, ,000 29,894 0,000 0,000 0,000 0, ,393 0,052 0,013 0,000 0, , ,446 27,782 13,205 0,000 0,000 0, , ,480 0,000 0,000 0,000 0, , ,764 0,000 0,000 0,000 0, ,211 0,126 0,148 3,063 0, , , ,121 0,000 0,000 0,000 0, , ,080 0,000 0,000 0,000 0, ,639 0,065 0,003 0,000 0,000 11, ,000 0,003 0,015 1,605 0,000 8, ,051 0,000 0,000 0,011 0,000 0, ,000 0,009 0,040 4,316 0,000 21, ,563 0,016 0,018 0,372 0,000 29,

44 ANEXO TABELAS GERENCIAIS Emissões totais, segregadas por natureza de operações e escopo. Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Construção ,64 41, , ,24 Departamento de equipamentos 182,01 25, , ,31 Escritório corporativo 14,41 284,94 299,35 Emissões totais, segregadas por unidade operacional e escopo. Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Viracopos , , ,09 FNS - Lote ,43 20, , ,85 Via ,49 4, , ,61 DEQ 182,01 25, , ,31 CODESP 0,00 4, , ,40 BRT 185,01 1, , ,79 Station 31,12 5, , ,03 DNIT Sul - Lote 2 704,45 2, , ,60 São Gabriel 78,35 0, , ,51 DNIT Sul - Lote 1 997,71 2,39 150, ,35 Escritório Central 14,41 284,94 299,35 Emissões totais, segregadas por processo e escopo. Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Realização da obra ,64 41, , ,32 Transporte de equipamentos 136, , ,67 Transporte de insumos 6.734, ,03 Administrativo 45,42 39,67 310,39 395,48 Transporte de resíduos 35,40 35,

45 Emissões totais, segregados por atividade e escopo. Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Utilização de aço , ,83 Utilização de cimento e derivados , ,57 Consumo de óleo diesel , , ,00 Disposição de resíduos sólidos , ,27 Supressão vegetal 293, , ,05 Romaneios 136, , ,67 Transporte rodoviário de areia e brita 5.214, ,83 Transporte rodoviário de cimento e derivados 1.189, ,59 Transporte de colaboradores em vans e automóveis contratados 1.115, ,88 Consumo de gasolina 818,14 818,14 Viagens aéreas a negócios 305,01 305,01 Tratamento anaeróbico de efluenetes 29,89 239,12 269,02 Uso de explosivos na pedreira 250,43 250,43 Transporte rodoviário de produtos de aço 226,74 226,74 Transporte de combustíveis 81,27 81,27 Consumo de energia elétrica 81,19 81,19 Transporte de colaboradores 69,55 69,55 Transporte de colaboradores em ônibus contratados 62,48 62,48 Transporte rodoviário de resíduos 35,41 35,41 Preparo de refeições para colaboradores 26,46 26,46 Transporte rodoviário de pré-moldados 20,45 20,45 Soldagem para manutenção de equipamentos 4,29 4,29 Consumo de GLP 2,71 2,71 Transporte rodoviário de aditivos 1,15 1,15 Regacarga de extintores de CO2 0,50 0,50 Uso de fertilizantes nitrogenados 0,35 0,35 Consumo de etanol 0,07 0,

46 Remoções, segregadas por unidade operacional e escopo. Remoções (tco2e) por Unidade Operacional e Escopo Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Viracopos 0,00 0,00 0,00 Station 0,00 0,00 0,00 0,00 São Gabriel 0,00 0,00 0,00 0,00 Escritório Central 0,00 0,00 0,00 DNIT Sul - Lote 2 0,00 0,00 0,00 0,00 DNIT Sul - Lote 1 0,00 0,00 0,00 0,00 DEQ 0,00 0,00 0,00 0,00 CODESP 0,00 0,00 0,00 0,00 BRT 0,00 0,00 0,00 0,00 Via 210-1,06 0,00 0,00-1,06 FNS - Lote 4-62,27 0,00 0,00-62,27 Emissões de CO 2 renovável, segregadas por unidade operacional e escopo. Emissões Renováveis por Unidade Operacional e Escopo Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Viracopos 972,06 131, ,68 FNS - Lote 4 520,49 0,00 374,47 894,97 DEQ 15,51 0,00 693,44 708,95 DNIT Sul - Lote 2 34,12 0,00 27,96 62,08 CODESP 0,00 0,00 50,66 50,66 DNIT Sul - Lote 1 34,12 0,00 9,61 43,73 Via ,60 0,00 1,91 43,51 BRT 14,43 0,00 8,31 22,73 São Gabriel 11,64 0,00 3,61 15,26 Station 4,85 0,00 2,75 7,60 Escritório Central 0,00 0,00 0,

47 Emissões de CO 2 renovável, segregadas por processo e escopo. Emissões Renováveis por Processo e Escopo Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Realização da obra 1.633,31 0,00 278, ,28 Transporte de equipamentos 6,70 693,44 700,14 Transporte de insumos 330,20 330,20 Administrativo 8,82 0,00 0,00 8,82 Transporte de resíduos 1,74 1,

48 ANEXO TABELAS GHG PROTOCOL Tabela 3.1: Emissões por gás em toneladas de GEE em tco2e GEE Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 CO ,63 81, , ,63 81, ,82 CH4 3,15 0,00 848,50 78,78 0, ,45 N2O 1,70 0,00 0,43 507,24 0,00 127,79 HFCs 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 PFCs 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 SF6 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 Total ,65 81, ,06 Tabela 3.2: Emissões de escopo 1 desagregadas por categoria 3.2 Emissões de Escopo 1 desagregadas por categoria (tco2e) Agrícolas 293, Efluentes 29, Combustão estacionária 4, Fugitivas 0, Resíduos 0, Tabela 3.3: Emissões de escopo 2 desagregadas por categoria 3.3 Emissões de Escopo 2 desagregadas por categoria (tco2e) Aquisição de energia elétrica 81,

49 Tabela 3.4: Emissões de escopo 3 desagregadas por categoria 3.4 Emissões de Escopo 3 desagregadas por categoria (tco2e) Bens e Serviços comprados , Resíduos gerados nas operações , Outras emissões do escopo , Deslocamento casa-trabalho 1.247, Viagens a negócios 305, Transporte e distribuição (upstream) 112, Atividades relacionadas com combustível e energia não inclusas nos Escopos 1 e 2 81, Tabela 3.5: Emissões por unidade operacional 3.5 Emissões por unidade operacional Escopo 1 Escopo 2 Escopo 3 Total geral Viracopos , , , FNS - Lote , , , , Via , , , , DEQ 182, , , , CODESP 0, , , , BRT 185, , , , Station 31, , , , DNIT Sul - Lote 2 704, , , , São Gabriel 78, , , , DNIT Sul - Lote 1 997, , , , Escritório Central 14, , ,

50 Tabela 3.6.1: Biomassa Biomassa (tco2e) Categoria Fonte Emissão (tco2) Agrícolas Realização da obra 0, Aquisição de energia elétrica Administrativo 0, Realização da obra 0, Atividades relacionadas com combustível e energia não Transporte de insumos 3, inclusas nos Escopos 1 e 2 Bens e Serviços comprados Realização da obra 148, Transporte de insumos 320, Transporte de equipamentos 693, Combustão estacionária Realização da obra 0, Combustão Estacionária Administrativo 0, Combustão móvel Administrativo 8, Realização da obra 1.633, Combustão Móvel Transporte de equipamentos 6, Deslocamento casa-trabalho Realização da obra 130, Efluentes Realização da obra 0, Fugitivas Realização da obra 0, Outras emissões do escopo 3 Realização da obra 0, Resíduos Realização da obra 0, Resíduos gerados nas operações Realização da obra 0, Administrativo 0, Transporte de resíduos 1, Transporte e distribuição (upstream) Transporte de insumos 5, Viagens a negócios Administrativo 0,

51 ANEXO INCERTEZA Incerteza das emissões de GEE Kyoto, segregadas escopo. Incertezas emissões Kyoto por escopo Escopo Emissões totais (tco2e) U Combinada (%) Contribuição para variância Escopo ,65 0,04% 0, Escopo 2 81,19 0,00% 0 Escopo ,06 2,16% 0, Total ,90 1,87% Incerteza das emissões de GEE Kyoto de escopo 1, segregada por categoria. Incertezas emissões Kyoto por escopo 1 por categoria Emissões Kyoto Contribuição para Categoria U Combinada (%) (tco2e) variância Agrícolas 294 0,19% 0, Combustão estacionária 4 0,00% 0, Combustão móvel ,00% 0, Fugitivas 1 0,00% 0, Processos industriais 0 Resíduos 30 42,20% 0, Total ,04% Incerteza das emissões de GEE Kyoto de escopo 2, segregada por categoria. Incertezas emissões Kyoto por escopo 2 por categoria Emissões Kyoto U Combinada Contribuição para Categoria (tco2e) (%) variância Aquisição de energia elétrica 81 0,00% 0, Aquisição de energia térmica 0 Total 81 0,00% 51

52 Incerteza das emissões de GEE Kyoto de escopo 3, segregada por categoria. Incertezas emissões Kyoto por escopo 3 por categoria Emissões Kyoto U Combinada Contribuição Categoria (tco2e) (%) para variância Atividades relacionadas com combustível e energia não inclusas nos Escopos 1 e ,00% 0, Bens arrendados (a organização como arrendadora) 0 Bens arrendados (a organização como arrendatária) 0 Bens de capital 0 Bens e Serviços comprados ,00% 0, Deslocamento de funcionários (casa-trabalho) ,00% 0, Franquias 0 Investimentos 0 Outras emissões do escopo ,00% 0, Processamento de produtos vendidos 0 Resíduos gerados nas operações ,08% 0, Transporte e distribuição (downstream) 0 Transporte e distribuição (upstream) 113 0,00% 0, Tratamento de fim de vida dos produtos vendidos 0 Uso de bens e serviços vendidos 0 Viagens a negócios 305 0,00% 0, Total ,16% Incerteza das emissões de CO 2 de origem renovável de escopo 1, segregada por categoria. Incertezas por escopo 1 por categoria Categoria Emissões renováveis Contribuição para U Combinada (%) (tco2e) variância Agrícolas 0 Combustão estacionária 0 0,00% 0, Combustão móvel ,00% 0, Fugitivas 0 Processos industriais 0 Resíduos 0 Total ,00% 52

53 Incerteza das emissões de CO 2 de origem renovável de escopo 3, segregada por categoria. Categoria Emissões renováveis (tco2e) Incertezas por escopo 3 por categoria U Combinada (%) Contribuição para variância Atividades relacionadas com combustível e energia não inclusas nos Escopos 1 e 2 4 0,00% 0, Bens arrendados (a organização como arrendadora) 0 Bens arrendados (a organização como arrendatária) 0 Bens de capital 0 Bens e Serviços comprados ,00% 0, Deslocamento de funcionários (casa-trabalho) 130 0,00% 0, Franquias 0 Investimentos 0 Outras emissões do escopo 3 0 Processamento de produtos vendidos 0 Resíduos gerados nas operações 2 0,00% 0, Transporte e distribuição (downstream) 0 Transporte e distribuição (upstream) 6 0,00% 0, Tratamento de fim de vida dos produtos vendidos 0 Uso de bens e serviços vendidos 0 Viagens a negócios 0 1Total ,00% Incerteza das remoções de escopo 1, segregada por categoria. Incertezas por escopo 1 por categoria Categoria Remoções (tco2e) U Combinada (%) Contribuição para variância Agrícolas -63 0,00% 0, Total -63 0,00% 53

54 GLOSSÁRIO Ano-base: período histórico especificado para o propósito das comparações das remoções e emissões de GEE, além de outras informações relacionadas. Dióxido de carbono equivalente(co2e): unidade para comparação da força radiativa (potencial de aquecimento global) de um dado GEE à do CO2. Emissões de GEE: massa total de um GEE liberado para a atmosfera em um período específico de tempo. Emissões diretas de GEE: emissões de GEE por fontes pertencentes ou controladas pela organização. Para estabelecer as fronteiras operacionais da organização são empregados os conceitos de controle financeiro e controle operacional. Emissões indiretas de GEE relacionadas ao consumo de energia: emissões de GEE a partir da geração da energia elétrica, calor ou vapor, importada/consumida pela organização. Escopo: o conceito de escopo (scope) foi introduzido pelo GHG Protocol com a finalidade de auxiliar as empresas na definição de seus limites operacionais. Os escopos são diferenciados em 3 categorias, separadas em emissões diretas e emissões indiretas. Escopo 1: Abrange a categoria das emissões diretas de GEE da organização, ou seja, que se originam em fontes que pertencem ou são controladas pela empresa dentro dos limites definidos. Como exemplo, pode-se citar as emissões da queima de combustíveis fósseis e de processos de fabricação. Escopo 2: Abrange a categoria das emissões indiretas de GEE relacionadas à aquisição externa de energia. Exemplo disso é o consumo de energia elétrica gerada pelas concessionárias fornecedoras do Sistema Interligado Nacional (SIN) e energia térmica adquirida. 54

55 Escopo 3: Abrange a categoria das emissões indiretas de GEE por outras fontes, ou seja, emissões que ocorrem em função das atividades da organização mas que são originados em fontes não pertencentes ou não controladas pela mesma. Alguns exemplos de fontes de escopo 3 são: transportes de produtos em veículos que não pertencem à empresa, utilização de veículos de terceiros, transporte de funcionários e viagens de negócios. Fator de emissão ou Fator de remoção de GEE: fator que relaciona dados de atividade a emissões e remoções de GEE. Fonte de GEE: unidade física ou processo que libera GEE para a atmosfera. Gás de Efeito Estufa (GEE): constituinte atmosférico, de origem natural ou antropogênica, que absorve e emite radiação em comprimentos de onda específicos dentro do espectro de radiação infravermelha emitida pela superfície terrestre, pela atmosfera e pelas nuvens. Entre os GEE, pode-se citar o Dióxido de Carbono (CO2), o Metano (CH4), o Óxido Nitroso (N2O), os Hidrofluorocarbonos (HFC), os Perfluorocarbonos (PFC) e o Hexafluoreto de Enxofre (SF6). Inventário de emissões de GEE: documento no qual encontram-se detalhadas as fontes e sumidouros de GEE e encontram-se quantificadas as emissões e remoções de GEE durante um dado período. Organização: companhia, corporação, empreendimento, autoridade, instituição - ou parte ou combinação de -, seja incorporado ou não, público ou privado, que possui suas próprias funções e administração. Outras emissões indiretas de GEE: emissões de GEE diferentes daquelas emissões indiretas relacionadas ao consumo de energia. São consequência das atividades da organização, mas são oriundas de fontes cuja propriedade ou controle são realizados por outras organizações. Potencial de aquecimento global: fator que descreve o impacto da força radiativa de uma unidade de massa de um dado GEE, em relação a uma unidade de massa de dióxido de carbono (CO2) em um dado período de tempo. 55

56 Remoções de GEE: massa total de um GEE removido da atmosfera em um período específico de tempo. Reservatório de GEE: unidade física ou componente da biosfera, da geosfera ou da hidrosfera com capacidade de armazenar ou acumular GEE removidos da atmosfera por um sumidouro ou GEE capturados de uma fonte. A massa total de carbono contida em um reservatório de GEE em um período específico de tempo pode ser referida como o estoque de carbono do reservatório. Um reservatório de GEE pode transferir seus gases para outro reservatório de GEE. A coleta de um GEE de uma fonte antes que esse GEE entre na atmosfera e o seu armazenamento em um reservatório pode ser referido como captura e armazenamento de GEE. Sumidouro de GEE: unidade física ou processo que remove GEE da atmosfera. 56

57 Minas Gerais BH-TEC Parque Tecnológico de Belo Horizonte Rua Professor José Vieira de Mendonça, 770 Sala 210 Engenho Nogueira - Belo Horizonte MG CEP Telefone Fax A WayCarbon é referencia em assessoria sobre Mudanças Globais do Clima, em gestão de ativos ambientais e em desenvolvimento de estratégias e estruturação de negócios visando ecoeficiência e economia de baixo carbono.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 2014 Outubro/2014 VERSÃO 01 AUTOR Guilherme Pacheco Schuchter Belo Horizonte, MG Brasil guilherme@waycarbon.com COLABORADORES Jussara Utsch Belo Horizonte, MG Brasil jussara.utsch@scdcbrasil.com.br

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro. Ano de Referência 2013 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de Referência 2013 Junho de 2014 RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro

Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro RELATÓRIO TÉCNICO Inventário de Gases de Efeito Estufa da Fundação Planetário da Cidade do Rio de Janeiro Ano de referência: 2012 Outubro de 2013 RIO DE JANEIRO - RJ Rio de Janeiro RJ. Telefone: +55-21-3256-7968

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2011 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2011 Mercur S/A Nome fantasia: Mercur - CNPJ: 93.896.397/0001-22 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014. Inventário Parcial Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 1. Dados do inventário Banco Santander S.A. (Brasil) Tipo de preenchimento: 1.1 Responsável pela elaboração do inventário

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Cosmeticos SA 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 20/04/2010

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS - GIA IMPLEMENTAÇÃO DO

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Quimicryl S/A] [2013] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 10/03/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/Quimicryl Simone

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO ATLÂNTICO TKCSA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA

THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA RELATÓRIO DE VERIFICAÇÃO DO ATLÂNTICO TKCSA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA THYSSENKRUPP COMPANHIA SIDERÚRGICA DO ATLÂNTICO TKCSA RELATÓRIO NO. BRASIL-VER/ BR. R.1793248 REVISÃO NO. 1 ANO INVENTARIADO 2013 BUREAU VERITAS CERTIFICATION

Leia mais

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014

INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 INVENTÁRIO DE GEE BICBANCO 2014 A liberação de gases de efeito estufa (GEE) associada às atividades humanas em todo o mundo é reconhecida como a principal causa das mudanças climáticas que vem sendo observadas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes - Fortaleza Nome fantasia: Deloitte - Fortaleza - CNPJ: 49.928.567/0013-55

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA CORPORATIVAS UNIMED CUIABÁ Abril de 2016 Av. Historiador Rubens de Mendonça, 4193 Bosque da Saúde Cuiabá/MT www.acaoverde.org.br (65) 3611 1606 Sumário

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA IPOJUCATUR TRANSPORTES E TURISMO LTDA ANO BASE 2009 ÍNDICE 1. A Empresa 03 2. Objetivo 03 3. Inventário segundo a ISO 14.064-01 03 4. Identificação dos

Leia mais

Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015

Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015 Programa de Registro Público de Emissões de GEE de Minas Gerais 16/3/2015 Legislação aplicada Decreto Estadual n 45.229, de 3 de dezembro de 2009 Decreto Estadual n 46.674, de 17 de dezembro de 2014 Deliberação

Leia mais

índice 1. Introdução...6 1.1. Histórico...6 1.2. Base, objetivos e limites do Guia Metodológico..7 1.3. Orçamento de Emissões de GEE...

índice 1. Introdução...6 1.1. Histórico...6 1.2. Base, objetivos e limites do Guia Metodológico..7 1.3. Orçamento de Emissões de GEE... Trabalho Realizado no Âmbito do índice Iniciativa, Realização e Patrocínio deste Guia: 1. Introdução...6 1.1. Histórico...6 1.. Base, objetivos e limites do Guia Metodológico..7 1.3. Orçamento de Emissões

Leia mais

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima

Questionário ISE. Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima Questionário ISE Dimensão Mudanças Climáticas Mudança do Clima 2016 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 6 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 B2W - Companhia Digital Nome fantasia: B2W - CNPJ: 00.776.574/0001-56 Tipo da empresa: Controlada Setor econômico:

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das de Gases de Efeito Estufa SADIA S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 01/04/2010 Preparador

Leia mais

Inventário das emissões de gases de efeito estufa. Unilever Brasil Ltda 2010 21/07/2011 15:52

Inventário das emissões de gases de efeito estufa. Unilever Brasil Ltda 2010 21/07/2011 15:52 Inventário das emissões de gases de efeito estufa Unilever Brasil Ltda 2010 A - DADOS DA EMPRESA Unilever Brasil Ltda Endereço: Avenida Presidente Juscelino Kubitschek, Itaim Bibi, 1309 - Cidade: São Paulo

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Patrus Transportes Urgentes Ltda Nome fantasia: Patrus Transportes - CNPJ: 17.463.456/0013-24 Tipo da empresa: Matriz

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A.

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Versão resumida BANCO BRADESCO S.A. 2008 1 Inventário de GEE O Inventário de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) permite que uma

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA PARA O MUNICÍPIO DE SABARÁ 1 KRETTLI, Luísa Guimarães; PIMENTA, Mariana Antunes ; ALVARENGA, Luiza Helena Barbosa; MICHELLI, Andressa Miguez de Souza; NASCIMENTO,

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2010 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A. Nome fantasia: MULTIDISPLAY COMERCIO E SERVICOS TECNOLOGICOS S.A.

Leia mais

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas:

O projeto de Neutralização das Emissões de Carbono do Camarote Expresso 2222 envolve as seguintes etapas: Relatório de Emissões de Carbono Camarote Expresso 2222 Carnaval Salvador 2010 Introdução As atividades da humanidade têm aumentado como nunca visto a concentração de gases poluidores na atmosfera. Alguns

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2014 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 Lojas Americanas SA Nome fantasia: Lojas Americanas - CNPJ: 33.014.556/0001-96 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2009 Natura Cosméticos S/A Nome fantasia: Natura Cosmeticos SA - CNPJ: 71.673.990/0001-77 Tipo da empresa: Matriz Setor

Leia mais

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS:

MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: MUDANÇA DO CLIMA E ESTRATÉGIAS EMPRESARIAIS: INVENTEARIOS DE EMISSÕES E METODOLOGIAS Carlos Henrique Delpupo 28 / 05 / 2010 CONTEÚDO 1.Visão geral 2. Inventário de Emissões 4. Mercado de carbono 5. Riscos

Leia mais

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA MILITAR. D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida.

SISEMA. Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA MILITAR. D E M I N A S G E R A I S Nossa profissão, sua vida. SISEMA Sistema Estadual de Meio Ambiente POLÍCIA Proposta de Termo de Referência para Inventário de Emissões de gases de efeito estufa da Copa do Mundo em MG Fundação Estadual do Meio Ambiente FEAM Apresentação

Leia mais

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012

Balanço Energético Nacional 2012. Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Balanço Energético Nacional 2012 Manual do Sistema de Coleta de Dados para o BEN 2012 Fevereiro de 2012 Apresentação O Balanço Energético Nacional BEN é o documento tradicional do setor energético brasileiro,

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2014 B2W - Companhia Digital Nome fantasia: B2W - CNPJ: 00.776.574/0001-56 Tipo da empresa: Controlada Setor econômico:

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Inventário Corporativo de Gases do Efeito Estufa 2011 Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Iris Gobato Gercov Consultora: Adriane Elise de Assunção Flausino Consultor:

Leia mais

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC

V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC V I S Ã O GERAL D AS DIRETRIZES DO IPCC Este documento é um dos volumes das Diretrizes Revisadas do IPCC de 1996 para Inventários Nacionais de Gases de Efeito Estufa. A série é composta por três livros:

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2012 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 Plural Editora e Gráfica Ltda. Nome fantasia: Plural - CNPJ: 01.306.088/0001-37 Tipo da empresa: Holding Setor econômico:

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA

ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA UMA DISCUSSÃO SOBRE A ESTRUTURA DA NORMA ISO 14064 E SUA APLICAÇÃO GLOBAL PARA INVENTÁRIOS E PROJETOS DE GEE Agosto de 2011

Leia mais

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011

Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Inventário Corporativo de Emissões Diretas e Indiretas de Gases de Efeito Estufa (GEE) Ano referência: Emissões de 2011 Resumo Este documento apresenta o Inventário corporativo de Emissões Diretas e Indiretas

Leia mais

Guia de Orientações para Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa de Empreendimentos do Estado de Minas Gerais

Guia de Orientações para Registro Público de Emissões de Gases de Efeito Estufa de Empreendimentos do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual do Meio Ambiente e Recursos Hídricos Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Fundação Estadual do Meio Ambiente Diretoria de Pesquisa e Desenvolvimento Gerência

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015

Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Inventário de Gases de Efeito Estufa do Festival de Turismo das Cataratas do Iguaçu 2015 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Evento Setor econômico: Turismo Endereço: Edifício

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS

O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS O FUTURO NÓS CONSTRUÍMOS As Cidades e a COP 21 - Mudanças Climáticas e os Reflexos para a Indústria da Construção do Brasil Iniciativas da Indústria da Construção Inventários de Emissão de Gases de Efeito

Leia mais

Desafios da Gestão de Emissões no Setor de Engenharia e Construção. São Paulo, Dezembro de 2013

Desafios da Gestão de Emissões no Setor de Engenharia e Construção. São Paulo, Dezembro de 2013 Desafios da Gestão de Emissões no Setor de Engenharia e Construção São Paulo, Dezembro de 2013 1 Importância para os Negócios Riscos, Oportunidades, Padrões Internacionais 2 Quantificação de Emissões Metodologias,

Leia mais

TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO

TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO INTRODUÇÃO O meio ambiente sofreu prejuízos de todo tipo ao longo

Leia mais

Gestão dos Gases de Efeito Estufa

Gestão dos Gases de Efeito Estufa Gestão dos Gases de Efeito Estufa Um Novo Mercado para Pequenas e Médias Empresas 29 de Outubro 2013 FIBRA COMPONENTE 2 Gestão dos Gases de Efeito Estufa: Desenvolvimento e Implementação do Programa de

Leia mais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais

Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais 287 Eixo Temático ET-05-005 - Meio Ambiente e Recursos Naturais EVOLUÇÃO DOS PROJETOS BRASILEIROS NO MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO: UMA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE 2013 E 2014 Ana Cândida Ferreira Vieira

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa VIVO S/A 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Data: 22/06/2010

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

estufa para setores agropecuários

estufa para setores agropecuários Simpósio de Mercado de Carbono pós COP15 e Código Florestal para o Sistema Cooperativista Inventário de gases de efeito fi estufa para setores agropecuários Inventário de gases de efeito estufa para setores

Leia mais

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA

ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA ANEXO II DOS TERMOS DE REFERÊNCIA GLOSSÁRIO DE TERMOS DO MARCO ANALÍTICO Avaliação de Projetos de Cooperação Sul-Sul: exercício fundamental que pretende (i ) aferir a eficácia, a eficiência e o potencial

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015 DATA: 10/06/2015 FL.: 1/20 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2015 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado - - - - Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC

Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima CIMGC RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2013 2014 1 2 Sobre a CIMGC Em 09 de maio de 1992, na cidade de Nova York, a Organização das Nações Unidas aprovou o texto

Leia mais

"#$%%& ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2" +012",3

#$%%& ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2 +012,3 ! "#$%%& '( ) * ' ) +)), ) ' * -.* '*# +)/, 0 1 2" +012",3 1 21!024/0 )/45/06/ "7 )2!20 )64/244//8! "* 90)!2/)6:)/:012" ) ') ( ) '; (! " #$% & '" (# " %) % % "" *+, -"./ "! 00" & " "1 2 Introdução... 4

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2

Sistema de Gestão da Qualidade MQ Manual da Qualidade SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 Revisão:14 Folha:1 de17 SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 1. APRESENTAÇÃO... 2 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1 POLÍTICA DA QUALIDADE... 3 2.2 OBJETIVOS DA QUALIDADE... 4 2.3 ORGANIZAÇÃO DA EMPRESA PARA A QUALIDADE...

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras

A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras A Importância da Elaboração dos Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa nas Capitais Brasileiras Emilio Lèbre La Rovere Coordenador, CentroClima/LIMA/PPE/COPPE/UFRJ 2º Encontro dos Secretários

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2

RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 RELATÓRIO DE COMPENSAÇÃO DE EMISSÕES DE CO 2 XIV Simpósio Nacional de Auditoria de Obras Públicas (SINAOP) Centro de Eventos do Pantanal - Cuiabá 1 Novembro 2011 Nome do Evento: XIV SINAOP 2011 Cuiabá

Leia mais

Dimensão Ambiental GRUPO E. GRUPO E: Serviços

Dimensão Ambiental GRUPO E. GRUPO E: Serviços Dimensão Ambiental GRUPO E GRUPO E: Serviços Comércio de Máquinas e Equipamentos, Comércio de Material de Transporte; Engenharia Consultiva; Exploração de Imóveis; Serviços Diversos; Intermediação Imobiliária;

Leia mais

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS

DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS DIMENSÃO MUDANÇAS CLIMÁTICAS CONTEÚDO CRITÉRIO I - POLÍTICA... 2 INDICADOR 1: COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 2 CRITÉRIO II GESTÃO... 3 INDICADOR 2: RESPONSABILIDADES... 3 INDICADOR 3: PLANEJAMENTO/GESTÃO

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

Confederação Nacional da Indústria

Confederação Nacional da Indústria Confederação Nacional da Indústria Brasília, novembro de 2010 mudança do clima COP 16: A Contribuição da Indústria Brasileira As Principais Mensagens Os esforços da indústria brasileira são uma importante

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Companhia Energética de São Paulo - CESP 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa. Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 2011 Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Evento: CORRIDA ESPERANÇA - 2011 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A GREEN CO 2.... 3 2.1. VISÃO.... 3 2.2. MISSÃO.... 3 2.3. OBJETIVOS.... 3 2.4. VALORES....

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 DATA: 25/07/2014 FL.: 1/19 INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DO EFEITO ESTUFA PROGEN 2014 CLIENTE Nome Departamento Data Visto Aprovado - - - - Aprovado sem Comentários Aprovado com Comentários Não Aprovado

Leia mais

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012

Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa. Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Inventário de Emissões de Gases de Efeito Estufa Relatório de Atividades em Evento de Sustentabilidade FIESC 2012 Julho de 2012 A natureza criou o tapete sem fim que recobre a superfície da terra. Dentro

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS)

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE TÉCNICA DO SETOR PÚBLICO NBCT (IPSAS) Temas para Discussão 1) DISPOSIÇÕES GERAIS 2) DEFINIÇÕES GERAIS 3) CARACTERÍSTICAS E ATRIBUTOS DA INFORMAÇÃO DE CUSTOS 4) EVIDENCIAÇÃO

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo

Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Inventário Municipal de Emissões e Remoções Antrópicas de Gases de Efeito Estufa (GEE) e outros Produtos no Município de São Paulo Apoio Organização Realização Política de clima e inventário de GEE de

Leia mais

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS

SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL SGA MANUAL CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS CESBE S.A. ENGENHARIA E EMPREENDIMENTOS SISTEMA DA GESTÃO AMBIENTAL MANUAL Elaborado por Comitê de Gestão de Aprovado por Paulo Fernando G.Habitzreuter Código: MA..01 Pag.: 2/12 Sumário Pag. 1. Objetivo...

Leia mais

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM

INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GEE 14º CONGRESSO BRASILEIRO DE EMBALAGEM 2010 Dados gerais do evento Duração 2 dias Participantes ~450 Palestras em auditório e salas Atividades Exposição de fornecedores Coffee-breaks

Leia mais

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014

RELATÓRIO DE SITUAÇÃO DO PROGRAMA DE REGISTRO PÚBLICO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS Ano 2014 SISTEMA ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE E RECURSOS HÍDRICOS SECRETARIA DE ESTADO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO GERÊNCIA

Leia mais

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES

CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES CDP - SUPPLY CHAIN BRASIL DESAFIOS E CONQUISTAS - 2014 BUSINESS CASES Profa. Dra. Priscila Borin de Oliveira Claro priscila.claro@insper.edu.br 05/02/2015 Apoio: Agenda Apresentação Parceria CDP e Insper

Leia mais

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA

A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA TÊXTIL: UM CASO DE ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA ! "#$ " %'&)(*&)+,.-/10.2*&4365879&4/1:.+58;.2*=?5.@A2*3B;.-C)D5.,.5FE)5.G.+ &4-(IHJ&?,.+ /?=)5.KA:.+5MLN&OHJ5F&4E)2*EOHJ&)(IHJ/)G.-D-;./);.& A ADOÇÃO DO GÁS NATURAL NOS PROCESSOS TÉRMICOS DA INDÚSTRIA

Leia mais

Política de mudanças climáticas. Versão resumida

Política de mudanças climáticas. Versão resumida Política de mudanças climáticas Versão resumida 29/06/2015 objetivo A política de Mudanças Climáticas da Oi visa estabelecer o direcionamento estratégico e orientar as decisões relativas à temática da

Leia mais

Plano de Negócios 2011-2015

Plano de Negócios 2011-2015 PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Companhia Aberta FATO RELEVANTE Plano de Negócios 2011-2015 Rio de Janeiro, 22 de julho de 2011 Petróleo Brasileiro S.A. Petrobras comunica que seu Conselho de Administração

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Aspectos e Impactos Ambientais PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação e avaliação contínua dos aspectos ambientais das atividades, produtos, serviços e instalações a fim de determinar quais desses tenham ou possam

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 02 (R2) Efeitos das Mudanças nas Taxas de Câmbio e Conversão de Demonstrações Contábeis Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2012 JBS Nome fantasia: JBS S/A - CNPJ: 02.916.265/0001-60 Tipo da empresa: Holding Setor econômico: C. Indústrias de

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO

MANUAL DA QUALIDADE SUMÁRIO / Aprovação: Edison Cruz Mota MANUAL DA QUALIDADE Código: MQ Revisão: 13 Página: 1 de 16 Data: 15/12/2011 Arquivo: MQ_13.doc SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. RESPONSABILIDADE DA DIREÇÃO... 3 2.1. POLÍTICA DA

Leia mais

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos

Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos Março de 2010 UM NOVO PARADIGMA PARA AS AUDITORIAS INTERNAS Por que sua organização deve implementar a ABR - Auditoria Baseada em Riscos por Francesco De Cicco 1 O foco do trabalho dos auditores internos

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

2 Documento de Referência CarbonOk

2 Documento de Referência CarbonOk 2 Documento de Referência CarbonOk SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO... 5 2 PROGRAMA CARBONOK... 6 2.1 Missão... 6 2.2 Objetivos... 6 2.3 Valores... 7 2.4 Metodologia... 7 2.5 Atuação... 8 2.6 Responsável... 9 3

Leia mais

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010

PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA. Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 PRIMEIRO INVENTÁRIO DE EMISSÕES ANTRÓPICAS DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DA BAHIA Secretaria do Meio Ambiente do Estado da Bahia - SEMA 2010 O Governo do Estado da Bahia, através da Secretaria do

Leia mais

Conhecendo os Serviços Ecossistêmicos

Conhecendo os Serviços Ecossistêmicos Os materiais de treinamento da ESR foram preparados para empresários e gerentes de negócios interessados em aprender e compartilhar em suas empresas a metodologia da ESR. Estes materiais fornecem conhecimento

Leia mais

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo

Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade. Versão para público externo Votorantim Industrial Relatório de Sustentabilidade Versão para público externo Mensagem da alta administração Em 93 anos de história da Votorantim, temos mantido a consistência na geração de valor, pautando

Leia mais