Chipre, Turquia, Reino Unido e Rússia: um polígono complexo 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Chipre, Turquia, Reino Unido e Rússia: um polígono complexo 1"

Transcrição

1 2015/03/25 Chipre, Turquia, Reino Unido e Rússia: um polígono complexo 1 Jorge Paulo Prazeres Não obstante a pressão política ocidental e as sanções acordadas e aplicadas, bem como a conjuntura económica desfavorável que atravessa, por via da quebra do preço do petróleo e do valor do rublo, a Rússia afirma-se como um actor estratégico regional de peso. Apesar, de um discurso político muitas vezes convergente, o Ocidente ainda não conseguiu agir de forma verdadeiramente coordenada a fim de criar sinergias através da conjugação dos poderes nacionais. Também não conseguiu construir um pacote de acções estratégicas que possam representar uma dissuasão significativa para a adopção do modelo de política externa de Putin. A geo-estratégica do Mediterrâneo Oriental inscreve-se num espaço geográfico onde esta situação se comprova. A Rússia e o Chipre prolongaram no tempo o acordo de cooperação militar anteriormente firmado. Este acordo foi assinado entre Vladimir Putin e Nicos Anastasiades em 25 de Fevereiro do corrente ano, tendo-se estendido não só à área militar, mas também a outros projectos (Sharkov, 2015) nos domínios económicos e financeiros (Saunders, 2015). Alegadamente, o acordo entre a Rússia e Chipre também contemplará uma reestruturação da dívida cipriota perante Moscovo, no valor de cerca de 2,5 milhões. O Reino Unido é um dos Estados membros da União Europeia a dar o alerta para este facto, dando mostras de algum desconforto por considerar a presença de navios de guerra russos próximos das suas áreas soberanas em Chipre, nomeadamente em Dhekelia e Akrotiri, onde têm instaladas infra-estruturas que dão apoio militar às forças inglesas no Afeganistão, bem como às suas acções aéreas contra as forças do auto- proclamado Estado Islâmico no Iraque e na Síria. Um artigo da RT News (2015), «Russia Secures Military Deal to Use Cyprus Ports despite EU Concerns», dava a entender que a União Europeia teria mostrado sinais de preocupação pela reiteração do acordo militar entre Chipre e a Rússia, ao darlhe livre acesso aos portos cipriotas. Porém, se por um lado, Putin teria afirmado que este acordo não visava colocar a Rússia contra ninguém, também não há conhecimento de nenhuma reação substancial por parte da União Europeia, a não ser a do Reino Unido, que pudesse demonstrar qualquer desconforto quanto às possíveis consequências decorrentes deste acordo recém firmado. Em conferência de imprensa, Putin terá declarado que o novo acordo visava facilitar a tarefa de reabastecimento de navios russos em Chipre, os quais teriam por missão "salvar vidas e evacuar cidadãos russos de Estados vizinhos". Dadas as notícias, convém fazer uma breve análise sobre a situação envolvente e procurar perceber alguns aspectos que estão em causa neste jogo de interesses local, mas que facilmente poderá alcançar contornos regionais. 1 O autor não segue o acordo ortográfico. Página 1 de 5

2 Chipre é uma ilha situada no Mediterrâneo Oriental, a Sul da Turquia. Tem menos de 1 milhão de habitantes pouco mais de 9000 km 2 de área territorial terrestre. A ilha de Chipre ocupa uma posição geográfica central em relação à Europa, Ásia, Médio Oriente e África, inscrevendose no cruzamento das rotas culturais e comerciais da região. Tendo sido uma colónia inglesa, tornou-se independente em Foi invadida pela Turquia em 20 de Julho de 1974 que ocupou uma larga faixa a Norte da Ilha, numa percentagem de cerca de 35,2% do território (Republic of Cyprus, 2014). A narrativa central deste artigo centra-se na presença naval russa em Chipre e no Mediterrâneo e a forma como afecta a percepção de segurança do Reino Unido, da Europa e do espaço transatlântico, em geral. Porém, esta situação não deve ser descontextualizada da presença de outros actores importantes, bem como da existência de recursos energéticos que condicionam as tomadas de posição estratégicas na região. Uma das razões de disputa entre os cipriotas gregos e os cipriotas turcos terá a ver com a presença de hidrocarbonetos na região (Danoglu, 2014). Já em 2012 se estudavam as potencialidades energéticas de Chipre e na região envolvente (Samaras, 2012). Actualmente sabe-se que existe uma reserva de gás natural que abrange áreas sob administração soberana de Israel, Chipre e Grécia. Esta questão energética não deverá ser descurada, pois é de relevante interesse para o abastecimento energético da União Europeia. A Turquia encontra-se numa posição potencialmente privilegiada para se constituir como um distribuidor de gás para a Europa, porém não deixa de desempenhar um papel inibidor na região, quer pelo seu papel político e estratégico em Chipre, que pelos seus interesses na relação com a União Europeia (Samaras, 2012). Uma das possibilidades que certamente gostaria de ver explorada seria assumir-se como centro de distribuição de energia para a Europa, tentando operacionalizar diferentes vias alternativas. Uma das vias possíveis seria receber um gasoduto proveniente da Rússia, num traçado supletivo em relação à Ucrânia. Contudo, as sanções ocidentais aplicadas à Rússia e relação criada entre Moscovo e Bruxelas não estão a favorecer esta modalidade de acção. Outra possibilidade seria considerar a passagem de gasodutos originários da Ásia Central e orientar esse gás para os mercados Europeus. Aqui, também a presença da GAZPROM russa e o clima de tensão entre a Europa e a Rússia não têm criado condições favoráveis à agilização de tal processo de intenção. Outra alternativa, com vantagem para a Turquia, seria receber o gás do Médio Oriente, via Síria, e distribuí-lo para a Europa. Contudo, o conflito na região Síria - Iraque, bem como as relações tensas com o Irão e com Israel, também não têm contribuído para a concretização de tal possibilidade. Neste contexto, poder-se-ia considerar uma terceira opção, abrindo uma perspectiva para a Europa no domínio da diversificação do acesso aos recursos energéticos, considerando a reserva de gás existente no Mediterrâneo Oriental, estando Chipre praticamente no centro de tal bolsa, e uma parceria envolvendo também Israel, o Egipto, o Líbano, a Grécia e Itália (Samaras). Um projecto desta natureza poderia ser amplamente potenciado através de um envolvimento positivo da Rússia, da China, da Turquia, do Reino Unido, do União Europeia e da NATO. Porém, a realidade deixa-nos ainda distantes de tal cenário. Em contrapartida, todos estes actores apresentam comportamentos e prioridades distintas. Página 2 de 5

3 A Turquia mostra-se demasiado forte para ser contestada dentro da NATO, mas não tanto que lhe permita ser um actor determinante na resolução conflitual na região. Por outro lado, a posição de Chipre que não vê condições para que um diferendo de longa data travado com a Turquia possa vir a ter uma resolução consensual. A NATO já expressou a ideia de que o conflito entre estes dois países é bilateral e que não é passível de sofrer influência formal por parte da Aliança Atlântica (Dagdeverenis, 2014). Por outro lado, também não existe uma plataforma sólida de confiança entre Chipre e a Turquia conducente a uma unificação política da ilha e uma normalização das relações entre os dois países. Existem argumentos de queixa de ambas as partes. Para Chipre, o desequilíbrio demográfico fomentado pelo lado turco, o pendor religioso sunita da Turquia e a condescendência apresentada pelo governo de Erdogan perante as acções do auto-proclamado Estado Islâmico constituem algumas das fontes de ameaças preocupantes e dificilmente admissíveis (Chrysafis, 2015). Por sua vez, a Turquia considera que os cipriotas gregos, e o respectivo governo, se estão a apropriar de recursos importantes para a economia do país sem os partilharem com os seus concidadãos de origem turca (Daloglu, 2014). Chipre potencia, certamente, uma das facetas de vulnerabilidade e de falta de coesão na NATO, face ao jogo ambíguo com a Grécia e com a Turquia (The New York Times, 2015). Putin está a explorar esse ponto frágil, que sob o ponto de visto geo-estratégico, quer sob uma perspectiva meramente política de incremento das divergência no seio da Aliança Atlântica. Esta situação está a tornar-se extremamente desconfortável para o Reino Unido que também possui presença militar no território. Se bem que Putin possa assegurar que não representa qualquer ameaça para o Ocidente decorrente da presença militar russa em Chipre, parece estar a pagar com a mesma "moeda que recebeu" quando a NATO lhe assegurou que trazer os Países Bálticos, a Roménia, a Polónia, a Hungria e a Bulgária para o seu seio não induziria nenhum problema para a segurança europeia ou russa. Trata-se também da mesma "moeda" que justifica a captação para a esfera da NATO da Georgia, da Moldávia e da Ucrânia. Porém, a grande diferença nesta "moedas" é a intenção de usar força militar para alterar, de forma violenta, agressiva ou até insidiosa, o status quo geo estratégico vigente e o traçado fronteiras internacionalmente estabelecidas e reconhecidas. Os factos têm mostrado que Putin tem essa intenção, dando-lhe também a convicção que o Ocidente não é só fraco, mas é suficientemente cínico para ser perigoso. Neste campo, lembremo-nos que o Ocidente, e mais propriamente a NATO, apoiou iniciativas, quer na Geórgia, quer na Ucrânia, para quais não demonstra força, nem intenção, para se empenhar face a uma resposta suficientemente agressiva por parte da Rússia. A NATO está a comprometer-se com a instalação de comandos nos Países Bálticos, na Polónia, Bulgária e Roménia, como se isso, só por si, fosse uma mensagem de valor relevante para Putin. Mais relevante é a mensagem de cisão e de estratégia inconsistente por parte da União Europeia, e até de falta de controlo sobre alguns Estados membros tais como a Grécia, a Hungria e, neste caso, Chipre. Até o papel de uma "grande Suíça" a desempenhar pela Alemanha será algo de contornos pouco confortáveis para uma estratégia de segurança europeia devidamente consolidada. Países menos solidários com a posição de segurança europeia comum, defendida de forma concertada a partir do Conselho Europeu, deveriam tirar consequências políticas das atitudes tomadas. Não deveria ser de ânimo leve que se poderia proclamar "uma neutralidade" conveniente em relação à actual estratégia russa porque, com ou sem iniciativas de resposta Ocidental, a escalada já está em curso. A Europa tem que ocupar uma posição que lhe permita negociar em pé de igualdade com Moscovo; por ora, a União Europeia consome o seu tempo em consultas, em aplicação de sanções de âmbito restrito e parece mais preocupada Página 3 de 5

4 com a construções de acordos de efectividade discutível, e com os efeitos consequentes do retorno, do que com a força e o alcance da acção. É necessário entender que o fulcro do conflito patrocinado pela Rússia não é a Ucrânia, nem apenas a defesa dos direitos dos cidadãos russófonos que se encontram nos países vizinhos da Rússia. Toda a situação tende à recuperação, por parte da Federação Russa, do estatuto e do poder geo-político da ex-urss. A aproximação a um comportamento russo mais consonante com a democracia, a defesa do Estado de Direito e o respeito pela Lei Internacional nem sequer faz parte da equação para o planeamento estratégico russo, não obstante um eventual discurso nesse sentido. Aparentemente, é a Rússia, e não o Reino Unido (Demspy, 2015), quem actualmente melhor se perfila para estabelecer uma aliança com Chipre (Saunders, 2015). A Rússia está liberta de constrangimentos e limitações inerentes às posições consensuais da NATO e da União Europeia e sente poder e liberdade de acção para se afirmar como um actor maior na cena regional. O anúncio da recente visita à Rússia por parte do Presidente Cipriota deixou um sabor amargo no Ocidente, sobretudo por demonstrar que, em tempos de não cumprimento dos Acordos de Minsk, Moscovo apresenta um pacote de alternativas, em detrimento de Bruxelas que não tem capacidade de defender, no seu seio, os interesses de todos os seus Estados membros. Também, alegadamente, o acordo entre Chipre e a Rússia foi visto com surpresa pelo Ocidente. Não porque, como foi referido, o acordo militar tivesse trazido algo de novo em termos técnicos, mas sim porque a aproximação a Moscovo foi levada a cabo por um partido de direita. Este facto demonstra que a herança comunista da Federação Russa já não é argumento para afastamento, sendo tal óbice claramente ofuscado por outras facetas mais práticas e objectivas com peso negocial efectivo no campo da economia e das finanças. A Grécia e também o Chipre, não estão a encontrar soluções para lidar financeiramente com a Europa. Se algo correr definitivamente mal, será natural que encontrem um aliado em Moscovo. Restará saber se mais uma vez a União Europeia volta a perder e Putin alarga a sua esfera de influência. Bibliografia CHRYSAFIS, Andreas (2015) «Cyprus Russian Link and IS Extremism». Greek Reporter. March 1, Informação disponível em: DEMPSEY, Judy (2015) Judy Asks: Is Britain Still a Foreign Policy Power? Carnegie Endowment. February 18, Informação disponível em: AgobGp5I5FEIQ7XYTLB2t60MWA%3D%3D DALOGLU, Tulin (2014) Why Do Greeks Call Turkey The Aggressor?. Al Monitor. October 27, Informação disponível em: REPUBLIC OF CYPRUS (2014) «Cyprus in Figures» Edition. Press and Information Office for Statistical Service. Informação disponível em: PRUS_IN_FIGURES-2014-E%CE%9D pdf?OpenElement RT (2015) «Russia Secures Military Deal to Use Cyprus Ports despite EU Concerns». RT News. March 3, Informação disponível em: [23 de Março de 2015] SAMARAS, Harris A. (2012) «Southeastern Mediterraneam Hydrocarbons - A New Energy Corridor for the EU?». SWLS. Informação disponível em: Hydrocarbons.pdf [15 de Março de 2015] Página 4 de 5

5 SAUNDERS, Paul J. (2015) Cyprus Port Deal Gives Russian Navy Alternative to Tartus. Al Monitor. March 3, Informação disponível em: SHARKOV, Damien (2015) Cyprus Agrees Deal to Let Russian Navy Use Ports. The Newsweek. February 26, Informação disponível em: THE NEW YORK TIMES (2015) «Turkey s Drift From NATO». The New York Times. March 13, Informação disponível em: Sítios na Web: https://www.gov.uk/british-forces-overseas-posting-episkopi-cyprus https://www.gov.uk/government/policies/working-for-peace-and-long-term-stability- in-the-middleeast-and-north-africa Página 5 de 5

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA

FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA FORUM PARA A COMPETITIVIDADE & CÂMARA DE COMÉRCIO E INDUSTRIA PORTUGUESA Seminário Estratégias de Internacionalização da Economia Portuguesa - O que podemos esperar do Tratado Transatlântico (TTIP) A economia

Leia mais

Importância geoestratégica de Portugal

Importância geoestratégica de Portugal GRANDE REPORTAGEM CLUBE EUROPEU AEVILELA Importância geoestratégica de Portugal PORTO DE SINES Porta ideal de entrada num conjunto de mercados CIDADE DA HORTA Telegraph Construction and Maintenance Company

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX

TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX TEMA I A EUROPA E O MUNDO NO LIMIAR DO SÉC. XX A supremacia Europeia sobre o Mundo A Europa assumia-se como 1ª potência Mundial DOMÍNIO POLÍTICO Inglaterra, França, Alemanha, Portugal e outras potências

Leia mais

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria

A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português. Albino Maria A coerência dos normativos com as reais necessidades do desporto português Albino Maria O ASSOCIATIVISMO NOS DIAS DE HOJE DO MODELO DE EXCLUSÃO AO MODELO DE INCLUSÃO DO LEMA MAIS FORTE, MAIS ALTO, MAIS

Leia mais

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA

CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA CRONOLOGIA DA INTEGRAÇÃO EUROPEIA 1950 9 de Maio Robert Schuman, Ministro dos Negócios Estrangeiros francês, profere um importante discurso em que avança propostas inspiradas nas ideias de Jean Monnet.

Leia mais

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE

O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE O PÓS-GUERRA E A CRIAÇÃO DA 1ª COMUNIDADE Durante muito tempo os países da Europa andaram em guerra. A segunda Guerra Mundial destruiu grande parte do Continente Europeu. Para evitar futuras guerras, seria

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

Percepção de Portugal no mundo

Percepção de Portugal no mundo Percepção de Portugal no mundo Na sequência da questão levantada pelo Senhor Dr. Francisco Mantero na reunião do Grupo de Trabalho na Aicep, no passado dia 25 de Agosto, sobre a percepção da imagem de

Leia mais

Sociedade de Geografia de Lisboa

Sociedade de Geografia de Lisboa Sociedade de Geografia de Lisboa Tema A internacionalização das empresas portuguesas para os Países da Europa Central e Oriental (PECO) Autor Rui Paulo Almas Data Lisboa, 25 de Junho de 2012 1 A internacionalização

Leia mais

O que está no interior faz toda a diferença

O que está no interior faz toda a diferença BREVE APRESENTAÇÃO DA ZENTIVA O que está no interior faz toda a diferença Visão global da Zentiva Localizada no centro da Europa, a Zentiva opera em 32 mercados e fornece medicamentos a cerca de 800 milhões

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

Nova parceria entre China e Rússia

Nova parceria entre China e Rússia Nova parceria entre China e Rússia Análise Segurança / Integração Regional Economia e Comério Carolina Dantas Nogueira 24 de março de 2006 Nova Parceria entre China e Rússia Análise Segurança / Economia

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais

I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA. Cascais, 23 de junho de 2015. Declaração de Cascais I REUNIÃO DE MINISTROS DA ENERGIA DA COMUNIDADE DOS PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA Cascais, 23 de junho de 2015 Declaração de Cascais Os Ministros responsáveis pela Energia da Comunidade dos Países de Língua

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO

A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO A POSIÇÃO DE PORTUGAL NA EUROPA E NO MUNDO Portugal situa-se no extremo sudoeste da Europa e é constituído por: Portugal Continental ou Peninsular (Faixa Ocidental da Península Ibérica) Parte do território

Leia mais

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhora e Senhores Membros do Governo Evocar hoje, dia 8 de Março de 2007, o Tratado que instituiu a Comunidade Económica Europeia, assinado em Roma há 50

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A CRISE NA UCRÂNIA: A MUDANÇA ALEMÃ ELEIÇÕES NA ALEMANHA

A CRISE NA UCRÂNIA: A MUDANÇA ALEMÃ ELEIÇÕES NA ALEMANHA OCCASIONAL PAPER N.º 57 A CRISE NA UCRÂNIA: A MUDANÇA ALEMÃ ELEIÇÕES NA ALEMANHA Patrícia Daehnhardt, IPRI-UNL 21 Março 2014 O Ocidente enfrenta hoje um desafio geopolítico, como já não acontecia no espaço

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12)

ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU. de 24 de março de 2015. sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) PT ECB-PUBLIC PARECER DO BANCO CENTRAL EUROPEU de 24 de março de 2015 sobre o regime do mediador de crédito (CON/2015/12) Introdução e base jurídica Em 14 de janeiro de 2015 o Banco Central Europeu (BCE)

Leia mais

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI

MNE DGAE. Tratado de Lisboa. A Europa rumo ao século XXI Tratado de Lisboa A Europa rumo ao século XXI O Tratado de Lisboa Índice 1. Contextualização 1.1. Porquê um novo Tratado? 1.2. Como surgiu o Tratado de Lisboa? 2. O que mudará com o Tratado de Lisboa?

Leia mais

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira

A ascensão dos subdesenvolvidos. Geografia Professor Daniel Nogueira GE GRAFIA A ascensão dos subdesenvolvidos Geografia Professor Daniel Nogueira Os grupos econômicos são grupos de países com comportamento econômico específico. Geralmente economias com aspectos semelhantes.

Leia mais

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa

Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa IP/09/343 Bruxelas, 3 de Março de 2009 Comissão reconhece a necessidade de um melhor acesso de elevado débito à Internet para revitalizar as zonas rurais na Europa A Comissão declarou hoje considerar prioritária

Leia mais

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento

CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento CEF/0910/26436 Relatório final da CAE (Univ) - Ciclo de estudos em funcionamento Caracterização do ciclo de estudos Perguntas A.1 a A.9 A.1. Instituição de ensino superior / Entidade instituidora: Universidade

Leia mais

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm

Para informação adicional sobre os diversos países consultar: http://europa.eu.int/information_society/help/links/index_en.htm Anexo C: Súmula das principais iniciativas desenvolvidas na Europa na área da Sociedade de Informação e da mobilização do acesso à Internet em banda larga Para informação adicional sobre os diversos países

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Desenvolvimento PROJECTO DE PARECER. destinado à Comissão dos Assuntos Externos PARLAMENTO EUROPEU 2004 ««««««««««««Comissão do Desenvolvimento 2009 PROVISÓRIO 2004/2168(INI) 22.2.2005 PROJECTO DE PARECER da Comissão do Desenvolvimento destinado à Comissão dos Assuntos Externos sobre

Leia mais

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da

Eng.ª Ana Paula Vitorino. por ocasião da INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A SECRETÁRIA DE ESTADO DOS TRANSPORTES Eng.ª Ana Paula Vitorino por ocasião da Sessão de Encerramento do Colóquio PORTO DE AVEIRO: ESTRATÉGIA E FUTURO, Ílhavo Museu Marítimo

Leia mais

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos

Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos Refugiados na Europa: a crise em mapas e gráficos 6 setembro 2015 Image caption Alemanha continua a ser destino mais popular para refugiados Fotos: AP/Reuters/EPA As solicitações de asilo para a Europa

Leia mais

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy

Intervenção do Secretário Executivo da. Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) Embaixador Murade Murargy Conferência 1º Fórum União de Exportadores CPLP CPLP: Comunidade de povos abrangente auto-sustentável Lisboa, 26 e 27 de junho de 2015 Sessão de Encerramento 27 de junho de 2015 Intervenção do Secretário

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede

SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL. Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede INTERVENÇÃO DA SECRETÁRIA DE ESTADO ADJUNTA E DA DEFESA NACIONAL BERTA DE MELO CABRAL 7º EIN Simpósio Internacional Ciberespaço: Liderança, Segurança e Defesa na Sociedade em Rede Lisboa, Academia Militar,

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

A formação da União Europeia

A formação da União Europeia A formação da União Europeia A EUROPA DOS 28 Como tudo começou? 1926: 1º congresso da União Pan- Europeia em Viena (Áustria) 24 países aprovaram um manifesto para uma organização federativa na Europa O

Leia mais

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica

Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica Instituto Politécnico de Santarém Gabinete de Mobilidade e Cooperação Internacional Documento de orientação estratégica 1. Introdução Assume-se que a internacionalização do IPSantarém não deve consistir

Leia mais

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores

PEJ AÇORES. Associação Regional Parlamento Europeu dos Jovens Núcleo Açores CONTRIBUTO DA ASSOCIAÇÃO REGIONAL PARLAMENTO EUROPEU DOS JOVENS NÚCLEO AÇORES PARA O LIVRO BRANCO DO COMITÉ DAS REGIÕES SOBRE GOVERNAÇÃO A VÁRIOS NÍVEIS A (PEJ-A) responde ao desafio do Comité das Regiões

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato

Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato Geografia 03 Blocos Economicos 02 - Por Tabata Sato União Europeia A Turquia apresentou o pedido de adesão em 1987 É candidata oficialmente desde 1999 Mas as negociações começaram apenas em 2005 União

Leia mais

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa

A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa A Defesa Anti-Míssil e a Segurança da Europa Marcelo Rech, Editor do InfoRel. inforel@inforel.org O aumento da potência militar próxima da fronteira da Rússia não vai contribuir para o fortalecimento das

Leia mais

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Portugal entre a Europa e o Atlântico Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Lusíada. Política Internacional e Segurança, n.º 10 (2014) 55 Portugal entre a Europa e o Atlântico, pp. 55-62

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas

O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas O papel da AICEP na Internacionalização das Empresas Portuguesas Porto, 28 de Janeiro de 2014 Índice 1. Enquadramento 2. A aicep Portugal Global 3. Produtos e serviços AICEP Enquadramento Enquadramento

Leia mais

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia

Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa. O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Centro de Estudos EuroDefense-Portugal Conferência no Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas Universidade Técnica de Lisboa O Novo Quadro de Segurança e Defesa Europeia Desafios e opções para

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança

As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança Centro de Recuperação de Menores D. Manuel Trindade Salgueiro Assumar 26 e 27 de Abril de 2013 As parcerias e suas dinâmicas: considerações a ter em conta para a promoção da mudança João Emílio Alves ESE-IPP

Leia mais

ATIVIDADES EXTRAS. Data: Entrega:

ATIVIDADES EXTRAS. Data: Entrega: Geografia ATIVIDADES EXTRAS Tema: Data: Entrega: Valor: Nota: AVALIAÇÕES Conteúdo: Data: Valor: Nota: A Geopolítica no Oriente Médio Atlas National Geographic Visitante contempla a vista de um restaurante

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO RELATÓRIO E CONTAS BBVA BOLSA EURO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro semestre de 20, foi a subida das taxas do

Leia mais

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado

11 Forum Panafricano sobre Modernização dos Serviços Públicos e Instituições do Estado Reino de Marrocos Ministério da Função Pública e Modernização da Administração Centro Africano de Formação e Resquisa em Administração para o Desenvolvimento Fundação para o Reforço de Capacidades em Africa

Leia mais

Ferramentas para Campanhas Globais

Ferramentas para Campanhas Globais Ferramentas para Campanhas Globais Coalisões sindicais globais Normas trabalhistas internacionais Ação direta Fortalecimento do relacionamento entre trabalhadores Engajamento de acionistas: investimento

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com.

CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS Próximo HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX. Caderno 9» Capítulo 1. www.sejaetico.com. CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS HISTÓRIA GUERRAS E CRISES: MARCAS DO SÉCULO XX Caderno 9» Capítulo 1 www.sejaetico.com.br CIÊNCIAS HUMANAS E SUAS TECNOLOGIAS A Primeira Guerra Mundial (1914-1918) Caderno

Leia mais

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor, 23 de Novembro de 2012 É um documento que sistematiza a informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para

Leia mais

Identificação da empresa

Identificação da empresa Identificação da empresa Missão APA Administração do Porto de Aveiro, S.A. A sustentabilidade do Porto de Aveiro é a garantia do seu futuro. A génese do Porto de Aveiro está ligada à história da Ria e

Leia mais

V ce- icep - r persidênc esid ia ên de cia Ne de góc ios Negó ciovi s N EG V INEG Mar M c ar o/2 ço 014 /2014

V ce- icep - r persidênc esid ia ên de cia Ne de góc ios Negó ciovi s N EG V INEG Mar M c ar o/2 ço 014 /2014 Vice-Presidência Vice-presidência de de Negócios Negócios VINEG VINEG Março/2014 AGENDA Visão Geral dos Correios Visão Estratégica dos Correios Serviços Financeiros Março/2014 125 mil empregados 16 mil

Leia mais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais

A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais A Participação do Conselho Superior da Magistratura em Organizações Internacionais O Conselho Superior da Magistratura é membro de duas organizações internacionais que promovem a cooperação e concertação

Leia mais

Conselho de Segurança

Conselho de Segurança Nações Unidas S Conselho de Segurança Distribuição: Geral S/RES/1267 (1999) 15 de Outubro de 1999 RESOLUÇÃO 1267 (1999) Adoptada pelo Conselho de Segurança na sua 4051ª sessão, em 15 de Outubro de 1999

Leia mais

Regulamento. Preâmbulo

Regulamento. Preâmbulo Regulamento Preâmbulo As Empresas e os Empreendedores são a espinha dorsal de qualquer economia, em termos de inovação, de criação de emprego, de distribuição de riqueza e de coesão económica e social

Leia mais

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal

A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES. Opções da União Europeia e posição de Portugal A MOBILIDADE URBANA E A SUSTENTABILIDADE DAS CIDADES Opções da União Europeia e posição de Portugal 1 I Parte - O Plano de Acção da EU Plano de Acção para a Mobilidade Urbana Publicado pela Comissão Europeia

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

VERSÕES CONSOLIDADAS

VERSÕES CONSOLIDADAS 9.5.2008 PT Jornal Oficial da União Europeia C 115/1 VERSÕES CONSOLIDADAS DO TRATADO DA UNIÃO EUROPEIA E DO TRATADO SOBRE O FUNCIONAMENTO DA UNIÃO EUROPEIA (2008/C 115/01) 9.5.2008 PT Jornal Oficial da

Leia mais

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por "a Comunidade"), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA,

A COMUNIDADE EUROPEIA (a seguir designada por a Comunidade), O REINO DA BÉLGICA, A REPÚBLICA CHECA, O REINO DA DINAMARCA, ACORDO DE COOPERAÇÃO RELATIVO A UM SISTEMA MUNDIAL DE NAVEGAÇÃO POR SATÉLITE (GNSS) PARA UTILIZAÇÃO CIVIL ENTRE A COMUNIDADE EUROPEIA E OS SEUS ESTADOS-MEMBROS, POR UM LADO, E O REINO DE MARROCOS, POR

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO

(Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO 7.6.2008 C 141/27 V (Avisos) PROCEDIMENTOS ADMINISTRATIVOS COMISSÃO Convite à apresentação de propostas de 2008 Programa Cultura (2007-2013) Execução das seguintes acções do programa: projectos plurianuais

Leia mais

Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas

Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas Relações verticais na cadeia de abastecimento alimentar: Princípios de boas práticas Propostos pelos seguintes membros nucleares da plataforma B2B AIM CEJA CELCAA CLITRAVI Copa Cogeca ERRT EuroCommerce

Leia mais

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ

RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ RELAÇÕES TRANSATLÂNTICAS: EUA E CANADÁ A União Europeia e os seus parceiros norte-americanos, os Estados Unidos da América e o Canadá, têm em comum os valores da democracia, dos direitos humanos e da liberdade

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica

Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica 27 de Janeiro, 2010 13ª edição Anual do CEO Survey da PricewaterhouseCoopers em Davos Gestores mundiais mais confiantes na recuperação económica Cerca de 40% dos CEOs prevê aumentar o número de colaboradores

Leia mais

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA

UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA S160/06 UMA POLÍTICA EXTERNA AO SERVIÇO DOS INTERESSES DA EUROPA NO DOMÍNIO DA ENERGIA Documento da Comissão e do SG/AR para o Conselho Europeu FAZER FACE AOS RISCOS EXTERNOS NO DOMÍNIO DA ENERGIA A UE

Leia mais

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010

Apresentação de Resultados 2009. 10 Março 2010 Apresentação de Resultados 2009 10 Março 2010 Principais acontecimentos de 2009 Conclusão da integração das empresas adquiridas no final de 2008, Tecnidata e Roff Abertura de Centros de Serviços dedicados

Leia mais

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020

Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 Documento Conclusões Seminário Juventude em Acção Rumo a 2020 1. Participação, Cultura e Criatividade Existem diferentes formas de participação na democracia e várias formas de utilização do programa Juventude

Leia mais

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017

REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 REDE LUTA CONTRA POBREZA URBANA RLCPU PLANO ESTRATÉGICO,2015-2017 Adão Augusto, Consultor 12-02-2015 1. Contextualização. Os projectos sociais fazem parte de um sistema complexo de relações que envolvem

Leia mais

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012

Plano de Acção. Rede Social 2011/2012 Plano de Acção - Rede Social Plano de Acção Rede Social Conselho Local da Acção Social de Figueira de Castelo Plano de Acção Rede Social Acções a desenvolver Objectivos Resultados esperados Calendarização

Leia mais

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda.

Procifisc Engenharia e Consultadoria, Lda. 01. APRESENTAÇÃO DA EMPRESA 2 01. Apresentação da empresa, com sede em Castelo Branco, é uma empresa criada em 2007 que atua nos domínios da engenharia civil e da arquitetura. Atualmente, é uma empresa

Leia mais

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis:

A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: A crise na Zona Euro - Implicações para Cabo Verde e respostas possíveis: Uma Mesa-Redonda Sector Público-Privado 7/10/2011 Centro de Políticas e Estratégias, Palácio do Governo, Praia. A crise na Zona

Leia mais

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit

A solução. para os seus problemas. na Europa. ec.europa.eu/solvit A solução para os seus problemas na Europa ec.europa.eu/solvit CONHEÇA OS SEUS DIREITOS Viver, trabalhar ou viajar em qualquer país da UE é um direito fundamental dos cidadãos europeus. As empresas também

Leia mais

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro.

Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. Feira do Empreendedor 2014 Documento que sistematiza informação sobre a ideia de negócio, como pretende implementá-la, e que resultados espera obter no futuro. É essencial para a estruturação e defesa

Leia mais

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO

RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO RELATÓRIO E CONTAS BBVA MULTIFUNDO ALTERNATIVO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO 30 JUNHO 20 1 BREVE ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO 1º semestre de 20 No contexto macroeconómico, o mais relevante no primeiro

Leia mais

Perfil Profissional de Treinador

Perfil Profissional de Treinador Programa Nacional de FORMAÇÃO de Treinadores Grau4 Perfil Profissional de Treinador Perfil Profissional - GRAU IV A formação de Grau IV consubstancia o topo da hierarquia profissional da actividade de

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade:

. evolução do conceito. Inspecção 3. Controlo da qualidade 4. Controlo da Qualidade Aula 05. Gestão da qualidade: Evolução do conceito 2 Controlo da Qualidade Aula 05 Gestão da :. evolução do conceito. gestão pela total (tqm). introdução às normas iso 9000. norma iso 9000:2000 gestão pela total garantia da controlo

Leia mais

European Sustainable-Energy Policy Seminar, Ilha de Samsø, Dinamarca

European Sustainable-Energy Policy Seminar, Ilha de Samsø, Dinamarca European Sustainable-Energy Policy Seminar, Ilha de Samsø, Dinamarca Síntese do Seminário Os objectivos principais do seminário foram: a interacção e troca de informação e experiências entre ONG s Europeias;

Leia mais

Oriente Médio Oceania

Oriente Médio Oceania 1 Fonte: Para viver juntos: Geografia, 9º ano: ensino fundamental. São Paulo: Edições SM, 2008, p. 206. O mapa acima nos mostra uma região que tem sido motivo de disputas e conflitos entre os europeus

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO

MÓDULO V B C D E PÓS-EURO O PÓS-EURO A B C D E MÓDULO V O Euro face às s principais moedas internacionais Pacto de Estabilidade e Crescimento O Tratado de Amesterdão O Tratado de Nice Reforçar e Reformar as Políticas da União na

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA

ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA ABORDAGEM METODOLÓGICA E OBJECTIVOS - REGULAMENTO URBANÍSTICO DE ALMADA INTRODUÇÃO ENQUADRAMENTO PONTO DE SITUAÇÃO DO PROCESSO OBJECTIVOS

Leia mais

Desafios de Valor numa Economia Inteligente

Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente Desafios de Valor numa Economia Inteligente As Novas Redes Colaborativas Os Novos Processos de Intermediação A Gestão

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII

Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Apreciação Parlamentar n.º 130/XII Decreto-Lei n.º 181-A/2014, de 24 de dezembro, que «aprova o processo de reprivatização indireta do capital social da TAP, Transportes Aéreos Portugueses, S. A.» Foi

Leia mais

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo

Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores Membros do Governo Intervenção sobre cabo de fibra óptica Flores, do Deputado António Maria Gonçalves Senhor Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Regional Senhora e Senhores

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais