Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO"

Transcrição

1 Bibliotecas do POLÍTICA DE AQUISIÇÃO PORTO ALEGRE 2013

2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO OBJETIVOS Objetivo geral Objetivos específicos FORMAÇÃO DO ACERVO FONTES DE SELEÇÃO CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO SELEÇÃO QUALITATIVA SELEÇÃO QUANTITATIVA Livros Livros da bibliografia básica e complementar Livros de leitura complementar e/ou atualização Coleção de referência nacional e importada Periódicos correntes impressos e eletrônicos Materiais especiais (CD-ROM, DVD, fitas de vídeo, mapas, e outros materiais não-convencionais) Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e Relatório de Conclusão de Curso (RCC) Dissertações e teses REPOSIÇÃO DE MATERIAL PRIORIDADE DE AQUISIÇÃO PROCESSO DE AQUISIÇÃO COMPRA Processo de compra: Projeto Pedagógico do Curso (bibliografias básicas e complementares) Processo de compra: Coordenadoria de pesquisa Processo de compra: documentos complementares e/ou atualizações DOAÇÃO PERMUTA (INTERCÂMBIO DE PUBLICAÇÕES) DESBASTAMENTO DE MATERIAL...17

3 6.1 DESCARTE Critérios para descarte de livros Critérios para descarte de periódicos REPOSIÇÃO DE DOCUMENTOS AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DO ACERVO POR ÁREA ESTATÍSTICAS DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO E ESPECIAL COMPARAÇÃO DAS COLEÇÕES COM LISTAS, CATÁLOGOS E BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS E/OU ADOTADAS CENSURA REVISÃO DA POLÍTICA DE SELEÇÃO...20 REFERÊNCIAS...21 ANEXO A Formulário para doação de materiais...22

4 APRESENTAÇÃO A proposta da criação de uma Política de Desenvolvimento de Coleções para as Bibliotecas do Centro Universitário Metodista IPA deve-se ao fato de se considerar importante a existência de um instrumento que estabeleça critérios e prioridades com relação à seleção e aquisição do material que irá compor os acervos das Bibliotecas. A formalização de uma política possibilita que a coleção cresça de forma consistente, qualitativa e quantitativamente, e que estabeleça as diretrizes a serem seguidas no processo de seleção e aquisição de todos os materiais.

5 1 INTRODUÇÃO A Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas do Centro Universitário Metodista IPA define critérios para a composição do acervo das Bibliotecas. Esta política é o conjunto de atividades caracterizadas por um processo decisório que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais, tendo como base critérios previamente definidos. 1.1 OBJETIVOS A seguir serão apresentados o objetivo geral e os objetivos específicos da Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas do Centro Universitário Metodista IPA Objetivo geral Possibilitar a formação de coleções de acordo com os objetivos da Instituição e a disponibilidade dos recursos financeiros, permitindo um processo de seleção sistematizado e consistente, visando ao crescimento equilibrado e racional do acervo nas diversas áreas de atuação da Instituição e proporcionando suporte ao ensino, pesquisa e extensão Objetivos específicos a) atualizar permanentemente o acervo, permitindo o crescimento e o equilíbrio do mesmo nas áreas de atuação da Instituição; b) determinar critérios para duplicação de títulos; c) direcionar o uso racional dos recursos financeiros; d) disciplinar o processo de seleção, tanto em quantidade como em qualidade, de acordo com as características de cada curso oferecido pela Instituição;

6 e) estabelecer formas de intercâmbio de publicações; f) estabelecer normas para seleção e aquisição de material bibliográfico; g) estabelecer prioridades de aquisição de material; h) identificar os elementos adequados à formação da coleção; i) traçar diretrizes para a avaliação das coleções; j) traçar diretrizes para o descarte do material; k) instrumentalizar o gerenciamento do fluxo de informações bibliográficas entre as Bibliotecas, a Coordenadoria de Graduação e os Colegiados/Coordenações dos Cursos e os Cursos de Pós-Graduação. 2 FORMAÇÃO DO ACERVO A Biblioteca deverá adquirir diferentes tipos de materiais (obras de referência, índices, catálogos, livros, periódicos, teses, dissertações, monografias, folhetos, mapas, jornais, multimeios, base de dados) de informação relevantes a toda a comunidade acadêmica a fim de permitir subsídio informacional. O acervo divide-se em três grandes níveis: a) nível geral: materiais de consulta, literatura corrente e periódicos que forneçam suporte aos programas das disciplinas dos cursos de Graduação e Pós-Graduação; b) nível de ensino: materiais que dêem suporte ao processo ensinoaprendizagem dos programas das disciplinas de formação profissional dos currículos dos cursos de Graduação e Pós-Graduação; c) nível de pesquisa: materiais com nível de profundidade capaz de apoiar os programas e projetos de ensino, pesquisa e extensão. Estes materiais devem atender às seguintes finalidades: a) suprir os programas de ensino dos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Instituição; b) dar apoio aos programas de pesquisa e extensão da Instituição;

7 c) atender ao pessoal dos serviços administrativos no exercício de suas atividades; d) fornecer obras de informação geral em áreas de assuntos não cobertos pelos programas institucionais, de pesquisa e extensão; 2.1 FONTES DE SELEÇÃO Devem ser utilizadas diversas fontes de informação para a seleção, tais como: a) bibliografias gerais e específicas; b) catálogos, listas e propagandas de editores e livreiros; c) diretórios de periódicos; d) sugestões dos usuários; e) bases de dados, sites de editoras, de livrarias e de outras Bibliotecas. 2.2 CRITÉRIOS PARA SELEÇÃO Quando da formação do acervo, o material deve ser rigorosamente selecionado, observando os seguintes critérios: a) adequação ao Projeto Pedagógico do Curso (PPC) e às linhas de pesquisa; b) qualidade do conteúdo; c) autoridade do autor e/ou editor; d) atualidade da obra; quantidade (escassez/excesso) de material sobre o assunto na coleção da Biblioteca; e) idioma acessível; f) custo justificável; g) número de usuários potenciais que poderão utilizar o material; h) condições físicas do material; i) conveniência do formato e compatibilização com equipamentos existentes.

8 2.3 SELEÇÃO QUALITATIVA Para a garantia da qualidade do processo de seleção de materiais, deve-se levar em consideração os seguintes aspectos: a) bibliografias básicas e complementares dos programas das disciplinas dos Cursos de Graduação atualizadas pelos docentes via Coordenação de Curso e aprovada no Colegiado, cabendo à Coordenação de Curso encaminhar as alterações à Coordenadoria de Graduação e posterior aprovação no CONSUNI; b) sugestões de materiais feitas pelo corpo discente, por meio do Sistema Sophia (Sistema Automatizado de Bibliotecas); c) sugestões de materiais oriundos de participações em cursos, congressos, seminários, viagens de estudos, treinamento etc., por parte do corpo docente. Observando ainda as prioridades: a) cursos de Graduação em implantação, reformulações curriculares ou em fase de reconhecimento ou renovação de reconhecimento; b) renovação de assinaturas de periódicos científicos que já façam parte da lista básica, conforme indicações dos docentes, aprovados pela Coordenadoria de Graduação e Reitoria e que possuam uso estatisticamente relevante; c) cursos de Pós-Graduação em fase de reconhecimento, credenciamento ou recredenciamento; d) áreas de desenvolvimento de pesquisas. 2.4 SELEÇÃO QUANTITATIVA A Biblioteca executará a seleção quantitativa baseada nos critérios abaixo estabelecidos.

9 2.4.1 Livros Para os livros, serão consideradas as obras de bibliografia básica e complementar, indicadas nos Projetos Pedagógicos de Cursos, bem como obras de leitura complementar e/ou atualização Livros da bibliografia básica e complementar Aquisição das bibliografias recomendadas no projeto pedagógico dos cursos oferecidos visa atender aos critérios de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes. Também são adquiridos títulos através de sugestões do corpo docente e discente. A aquisição do material bibliográfico é realizada de acordo com as necessidades acadêmicas, efetivando-se de forma continua com base nas solicitações de compra. Os casos especiais que requererem uma maior quantidade serão apreciados pela Coordenadoria de Graduação. Ressalta-se a necessidade de considerar as relações proporcionais por curso, por Unidade, e por número de alunos(as) matriculados(as) por disciplina Livros de leitura complementar e/ou atualização Os livros necessários à complementação e atualização para pesquisas e/ou conteúdo programático das disciplinas nas diversas áreas do conhecimento, e para o desenvolvimento de atividades administrativas, serão adquiridos em número de pelo menos 02 (dois exemplares) Coleção de referência nacional e importada As obras de referência (impressas ou eletrônicas), bem como os repositórios bibliográficos (base de dados bibliográficos), se constituem em importante instrumento de disseminação e pesquisa, que fornece a informação propriamente dita e/ou indica

10 onde a mesma pode ser encontrada. As obras de referências contemplam enciclopédias, dicionários gerais e especializados, estatísticas, atlas, guias, estatísticas e catálogos de teses e dissertações. Será dada atenção especial à aquisição desse tipo de material, cabendo ao (à) Bibliotecário(a) de Referência dar subsídios para a tomada de decisão, consultando especialistas no assunto/área, quando necessário Periódicos correntes impressos e eletrônicos A cada ano a Biblioteca realizará uma avaliação nas estatísticas de uso dos periódicos correntes com o objetivo de colher subsídios para tomada de decisão nas renovações dos mesmos. A listagem dos títulos com seu respectivo uso será encaminhada às Coordenações dos Cursos com o intuito de realizar: a) cancelamento de títulos que já não atendem às suas necessidades; b) inclusão de novos títulos necessários para o desenvolvimento do conteúdo pragmático e/ou atualização; c) manutenção dos títulos já adquiridos. Para a definição dos títulos de periódicos a serem incluídos no acervo, deverão ser observados os seguintes critérios: a) inclusão; - título publicado na área e sem que haja equivalente disponível na Biblioteca; - quando houver necessidade de novo título em decorrência de alteração de currículo; - quando houver a implantação de novos cursos; - títulos necessários ao desenvolvimento de pesquisa; - quando um novo título é mais abrangente do que o já existente no acervo da Biblioteca; - jornais e revistas de caráter informativo (adquirir os principais jornais de

11 informações gerais (locais, estaduais e nacionais) e revistas de caráter informativo de âmbito nacional; - outros casos, com aprovação da Coordenadoria de Graduação e Reitoria; b) cancelamento. - quando um novo título é mais abrangente do que o já existente no acervo da Biblioteca; - quando não mais existir interesse no título pelo Curso, por motivos devidamente justificados; - quando o título não apresenta utilização devidamente comprovada em estatística de uso; - outros; Para periódicos eletrônicos, no quesito inclusão, deverão ser considerados: a) backup após término da assinatura; b) facilidade de acesso simultânea; c) cobertura da assinatura. No caso de cancelamento e/ou inclusão de títulos, a Coordenação de Curso, com a aprovação do Colegiado, deverá encaminhar solicitação, devidamente fundamentada, para apreciação da Coordenadoria de Graduação. Durante o ano existirá a possibilidade de inclusão e/ou cancelamento de títulos, desde que se enquadrem nos critérios já mencionados e que sejam aprovados pela Coordenadoria de Graduação e Reitoria Materiais especiais (CD-ROM, DVD, fitas de vídeo, mapas, e outros materiais não-convencionais) Serão adquiridos quando comprovada a necessidade de tais recursos para o desenvolvimento do ensino, pesquisa e extensão e segundo os critérios de seleção mencionados anteriormente.

12 2.4.5 Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) e Relatório de Conclusão de Curso (RCC) A Biblioteca é responsável pela guarda e tratamento de: a) Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) e Relatório de Conclusão de Curso (RCC) defendidos nos cursos de Graduação; b) Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) defendidos nos cursos de Pós- Graduação Lato Sensu. A Biblioteca receberá das Coordenações de Cursos os TCC indicados para publicação de curso e manterá em seu acervo 1 (uma) versão eletrônica do trabalho na íntegra, no formato PDF, em CD-ROM. Os(as) acadêmicos(as) deverão entregar uma 1 (uma) versão eletrônica do trabalho na íntegra, no formato PDF, em CD-ROM. No momento da entrega do Trabalho de Conclusão de Curso ou Relatório de Conclusão de Curso, o graduando deverá preencher e assinar um formulário, autorizando ou não, a disponibilização de seu trabalho na Biblioteca. O termo de autorização está disponível na homepage da Biblioteca Dissertações e teses A Biblioteca é responsável pela guarda e tratamento de: a) dissertações e teses defendidas nos cursos de Pós-Graduação da Instituição; b) dissertações e teses de professores e funcionários do Centro Universitário Metodista IPA, defendidas em outras instituições, nacional ou estrangeira. Para tanto, deverá ser entregue uma 1 (uma) versão impressa e eletrônica do trabalho na íntegra, no formato PDF, em CD-ROM. No momento da entrega da

13 dissertação ou tese, o(a) mestrando(a)/doutorando(a) deverá preencher e assinar um formulário autorizando ou não, a disponibilização de seu trabalho na internet no Banco de Dados de Teses e Dissertações (BDTD). O termo de autorização está disponível na homepage da Biblioteca. Este material deverá ser encaminhado à Biblioteca pela Coordenação do Curso. 3 REPOSIÇÃO DE MATERIAL A reposição de obras extraviadas ou danificadas do acervo deverá ser realizada baseada nos seguintes critérios: a) demanda do título específico; b) importância e valor do título; c) número de exemplares existentes; d) cobertura do assunto por outro título; e) possibilidade de adquirir outro título similar atualizado. 4 PRIORIDADE DE AQUISIÇÃO As prioridades para aquisição são os seguintes: a) bibliografia básica e complementar de livros e obras de referência para os cursos de Graduação, projetos de pesquisa e Pós-Graduação em fase de implantação, credenciamento, reconhecimento ou renovação de reconhecimento; b) periódicos nacionais e estrangeiros para os cursos de Graduação, projeto de pesquisa e Pós-Graduação em fase de implantação, credenciamento, reconhecimento ou renovação de reconhecimento; c) renovação das assinaturas dos periódicos nacionais e estrangeiros; d) atualização das obras; e) demais solicitações dos Colegiados dos cursos; f) bases de dados relevantes aos cursos;

14 g) material a atender à pesquisa e a extensão; h) reposição de obras desaparecidas e/ou danificadas. A aquisição de materiais dos projetos de pesquisa e Pós-Graduação (lato sensu) deverá ser custeada pelos próprios projetos e cursos, como também a definição de seus critérios e prioridades deverão ser atribuições dos coordenadores (as) dos mesmos. Os casos não previstos serão submetidos à apreciação do (a) Coordenador (a) do Curso respectivo. 5 PROCESSO DE AQUISIÇÃO permuta. As formas para aquisição de materiais são basicamente três: compra, doação e 5.1 COMPRA A compra enquadra-se nos critérios a seguir Processo de compra: Projeto Pedagógico do Curso (bibliografias básicas e complementares) Compete à Coordenadoria de Graduação solicitar e acompanhar o processo de compra das bibliografias básicas e complementares, observando-se: a Coordenadoria de Graduação tem a função de acompanhar o processo de atualização o Projeto Pedagógico de Curso (PPC), realizar o contato com Coordenadores (as) para necessidades de mudança de bibliografia. A Coordenadoria de Graduação encaminhará para a Biblioteca o Projeto Pedagógico de Curso, contendo as bibliografias básicas e complementares necessárias para atender ao currículo proposto. A Biblioteca pesquisa os livros indicados e gera necessidade de compra:

15 a) a Biblioteca deverá elaborar a lista de compra, com a indicação de custo médio; b) a Biblioteca encaminhará ao Setor de Suprimentos a necessidade de compra, que providenciará a aquisição, prazo de pagamento, agilidade e pontualidade na entrega; c) a Biblioteca é responsável pelo acompanhamento da chegada dos livros, bem como sinalizar aos(às) Coordenadores(as) de Cursos as obras esgotadas, solicitando a devida substituição dos mesmos e, em seguida, encaminhando o novo pedido de compra Processo de compra: Coordenadoria de pesquisa Compete à Coordenadoria de Pesquisa solicitar e acompanhar o processo de compra das bibliografias dos projetos de pesquisa, observando-se: a Coordenadoria de Pesquisa encaminhará para a Biblioteca a lista com as bibliografias dos projetos de pesquisa aprovados pela Câmara de Pesquisa. A Biblioteca pesquisará os livros indicados e gerará necessidade de compra: a) a Biblioteca deverá elaborar a lista de compra, indicando o custo médio; b) a Biblioteca encaminhará ao Setor de Suprimentos a necessidade de compra, que providenciará a aquisição, prazo de pagamento e agilidade e pontualidade na entrega; c) a Biblioteca é responsável pelo acompanhamento da chegada dos livros, bem como sinalizar aos Coordenadores de Cursos as obras esgotadas, solicitando a devida substituição dos mesmos e em seguida encaminha o novo pedido de compra Processo de compra: documentos complementares e/ou atualizações Compete à Coordenadoria de Graduação, solicitar e acompanhar o processo de

16 compra de outros materiais auxiliares e/ou de atualização, observando-se: a) as solicitações para compra são encaminhadas via da Coordenação do Curso, aprovadas no Colegiado, para a Coordenadoria de Graduação, que verifica o material solicitado; b) a Coordenadoria de Graduação encaminha para a Biblioteca os títulos indicados. A Biblioteca realiza o serviço de levantamento bibliográfico na base de dados, indicando a quantidade de títulos / exemplares existentes ou inexistentes na Biblioteca e encaminha novamente a Coordenadoria de Graduação para aprovação; c) a Biblioteca deve elaborar listagem de compra, com custo médio; d) a Coordenadoria de Graduação e Reitoria encaminham ao Setor de Suprimentos, que providencia a aquisição observando os critérios de menor preço, prazo de pagamento, agilidade e pontualidade na entrega; e) a Biblioteca recebe o material adquirido, mediante conferência com as notas fiscais emitidas, detectando possíveis falhas e comunicando ao Setor de Suprimentos; f) para coleção de periódicos, deve-se acompanhar sistematicamente e de forma contínua o recebimento dos fascículos, essencialmente sua periodicidade, com a observância de quem, neste caso, o controle estará a cargo da Biblioteca. 5.2 DOAÇÃO No caso de doação recebida sem solicitação, a mesma será submetida a uma análise, integrando ao acervo somente o que interessa. Essa análise deverá ser feita pela Biblioteca e respeitará os mesmos critérios previstos nesta política para a aquisição. Quanto às doações recebidas, após análise do material, poderá dispor do mesmo, da seguinte maneira:

17 a) incorporá-las ao acervo; b) doá-las e/ou permutá-las com outras Instituições; c) descartá-las; d) devolução ao doador. Serão aceitas as doações que se enquadrarem nos seguintes critérios: a) livros; - atualização do tema abordado no documento; - estado físico do documento; - documentos que interessem à Instituição; b) periódicos; - no caso da existência do título, serão aceitos para completar falhas na coleção; - no caso da não existência do título, serão aceitos somente aqueles cujo conteúdo seja adequado ao interesse da comunidade universitária; - em caso de dúvidas, as doações serão submetidas à apreciação do(a) Coordenador(a) do Curso e da Biblioteca; c) material audiovisual. - para incorporação ao acervo serão obedecidos os mesmos critérios da aquisição deste tipo de material por compra. No ANEXO A, visualiza-se o formulário de doação dos materiais. 5.3 PERMUTA (INTERCÂMBIO DE PUBLICAÇÕES) materiais: A permuta será efetuada com outras instituições similares, dos seguintes tipos de a) publicações da Instituição; b) material recebido por doação em quantidade desnecessária ou cujo conteúdo não seja de interesse da comunidade acadêmica;

18 c) duplicatas de periódicos; d) material substituído por outro em melhores condições; e) material retirado do acervo para descarte. 6 DESBASTAMENTO DE MATERIAL Desbastamento é o processo pelo qual se retiram do acervo ativo, títulos e/ou exemplares, partes de coleções, quer para remanejamento ou para descarte. Deve ser um processo contínuo e sistemático para manter a qualidade da coleção. O desbastamento da coleção deverá ser feito de acordo com as necessidades, submetidas à apreciação do(a) Coordenador(a) do Curso e da Biblioteca. 6.1 DESCARTE Processo mediante o qual o material bibliográfico, após ser avaliado, é retirado da coleção ativa, possibilitando a economia de espaço Critérios para descarte de livros a) inadequação: documentos cujos conteúdos não interessam à Instituição, incorporados ao acervo anteriormente, sem uma seleção prévia e/ou escritas em línguas pouco acessíveis; b) desatualização: este critério se aplica principalmente aos documentos cujos conteúdos já foram superados por novas edições. Entretanto, para aplicação deste critério, deve-se levar em consideração, principalmente, a área de conhecimento a que se refere à obra; c) condições físicas (sujeira, infecção, deterioramento ou rasgos): após rigorosa análise do conteúdo e relevância do documento, se for considerado de valor e não disponível no mercado para substituição deverá ser recuperado. Quando houver possibilidade de substituição e o seu custo for inferior ao da recuperação, será feita a aquisição e o outro documento descartado;

19 d) duplicatas: número excessivo de cópias de um mesmo título em relação à demanda. Após a aplicação dos critérios estabelecidos para descarte, será elaborada uma listagem contendo os títulos selecionados e suas respectivas justificativas para validação da Reitoria Critérios para descarte de periódicos a) coleções não correntes e que não apresentem demanda; b) periódicos de divulgação geral e/ou de interesse temporário; c) periódicos recebidos em duplicata; d) coleções de periódicos de caráter não científico; e) condições físicas inadequadas. 7 REPOSIÇÃO DE DOCUMENTOS Os documentos desaparecidos serão repostos baseados: a) na demanda do título; b) na importância e valor do título; c) no número de exemplares existentes; d) na existência de outro título mais recente e de melhor conteúdo. Em casos de dúvida, a reposição será submetida à apreciação do(a) Coordenador(a) do Curso e da Biblioteca. 8 AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO A avaliação sistemática da coleção deve ser entendida como o processo utilizado para se determinar a importância e a adequação da coleção em função dos objetivos da Biblioteca e da Instituição, assim como dos indicadores para avaliação dos Cursos de Graduação, Pós-Graduação lato e stricto sensu e pesquisa, possibilitando traçar

20 diretrizes quanto à aquisição, à acessibilidade e ao descarte. Nesse sentido, serão consideradas, segundo orientações da CPA, os conceitos nos relatórios de avaliação das Comissões de Especialistas dos Reconhecimentos de Cursos, (Re) Credenciamento e Relatórios CAPES. A Biblioteca deverá proceder à avaliação do seu acervo quando necessário, sendo empregados métodos quantitativos e qualitativos, cujos resultados serão comparados e analisados, assegurando o alcance dos objetivos da avaliação da coleção. Além disso, deverá realizar o inventário d o seu acervo anualmente. Na avaliação do acervo da Biblioteca, serão utilizados os critérios abaixo descritos. 8.1 DISTRIBUIÇÃO PERCENTUAL DO ACERVO POR ÁREA Será analisada a existência de documentos em cada área do conhecimento da Instituição. A análise demonstrará quais os cursos que devem ter a sua coleção implementada (seja em exemplares, títulos, material em português etc.) e quais as áreas de pesquisa desprovidas de documentos que necessitam de providências. 8.2 ESTATÍSTICAS DE UTILIZAÇÃO DO MATERIAL BIBLIOGRÁFICO E ESPECIAL A análise das estatísticas de uso do material permitirá a determinação dos títulos que requerem múltiplas cópias e daqueles cuja duplicação é desnecessária. Por outro lado, se for comprovada a baixa utilização dos recursos bibliográficos em alguma área, a Biblioteca deverá investigar a causa do problema, podendo ser a falta de qualidade do material existente, desatualização, ausência de interesse, inexistência dessa área de estudo na Instituição, desconhecimento da existência da obra etc.

21 8.3 COMPARAÇÃO DAS COLEÇÕES COM LISTAS, CATÁLOGOS E BIBLIOGRAFIAS RECOMENDADAS E/OU ADOTADAS A utilização deste método consiste na comparação do acervo com listas, bibliografias recomendadas e/ou adotadas a fim de verificar os itens não existentes na Biblioteca e que devam ser adquiridos. 9 CENSURA Serão resguardados os direitos dos usuários da Biblioteca de escolherem livremente suas leituras, de acordo com seus interesses e necessidades de informação, não permitindo desta forma que a seleção sofra qualquer tipo de censura. 10 REVISÃO DA POLÍTICA DE SELEÇÃO As Bibliotecas universitárias têm como característica a dinamicidade e a flexibilidade de suas ações, assim sua política de seleção deve também ser flexível e dinâmica. Portanto, a cada 2 (dois) anos, a política de desenvolvimento de coleções deverá ser revisada com a finalidade de garantir a sua adequação à comunidade universitária, aos objetivos da Biblioteca e aos da própria Instituição. Porto Alegre, 08 de maio de Roberto Pontes da Fonseca Reitoria

22 REFERÊNCIAS ANDRADE, Diva; VERGUEIRO, Waldomiro. Aquisição de materiais de informação. Brasília: Briquet de Lemos / Livros, VERGUEIRO, Waldomiro. Seleção de materiais de informação: princípios e técnicas. Brasília: Briquet de Lemos / Livros, 1995.

23 ANEXO A Formulário para doação de materiais Eu,, (RG) n.º, residente na rua n.º Cidade UF, abaixo assinado, por este instrumento transfiro incondicionalmente à Biblioteca situada na rua,n.º,cidade UF, todos os meus diretos sobre os materiais doados nesta data, conforme relação abaixo. Declaro também ter tomado ciência e estar de acordo com a política adotada pela Biblioteca em relação a doações. Documentos doados:, de de. Assinatura:

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO ELABORAÇÃO Janine Silva Figueira Vitória 2015 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas Atualmente, com duas unidades, localizadas na Escola de Sociologia e Política à rua General

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES 1 1 A política de desenvolvimento de coleções da Biblioteca Prof. Luiz Alberto Machado da Faculdade Campo Real tem por finalidade definir critérios para o desenvolvimento e atualização do acervo. Seus

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO UFRGS Porto Alegre 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1. INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB

FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DO ESPÍRITO SANTO BIBLIOTECA PROFª THEREZA VILLASCHI CHIBIB A função da biblioteca é prover a infra-estrutura bibliográfica, documentária e informacional em apoio às atividades

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 54/2009, DE 14 DE MAIO DE 2009 Aprova a Política de Aquisição e Conservação do Acervo da Biblioteca da Faculdade La Salle. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO:

O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO APROVOU E EU, REITOR, SANCIONO A SEGUINTE RESOLUÇÃO: R E S O L U Ç Ã O N 153/2012-CAD CERTIDÃO Certifico que a presente resolução foi afixada em local de costume, nesta Reitoria, no dia 23/10/2012. Aprova Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC CURVELO 2010 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...3 1.1Objetivos...3. 1.2 Comissão

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Belo Horizonte 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

Leia mais

Política de Aquisição de Obras

Política de Aquisição de Obras Política de Aquisição de Obras e Expansão do Acervo Bibliográfico POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE OBRAS E EXPANSÃO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR FIQUENE POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO São Luís 2000 FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO POLITICADEAQUISIÇÃO, EXPANSÃOEATUALIZAÇÃO DOACERVO Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO Católica do Tocantins Diretor Geral Pe. José Romualdo Degasperi Vice Diretor Acadêmico Galileu Marcos Guarenghi

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida

Leia mais

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção Biblioteca Política de Seleção e desenvolvimento de coleção 2007 1 INTRODUÇÃO Atualmente com o crescimento do fluxo de informações tornou-se necessário adotar critérios para uma Política de Atualização

Leia mais

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI Atualmente, o acervo total da Biblioteca para os cursos da Faculdade está estimado em 17.894 livros. A política de atualização do acervo é a de aquisição contínua

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN Padre Miguel, RJ 2012 1 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA

FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA 1 FACULDADES INTEGRADAS DE PARANAÍBA FIPAR CENTRO EDUCACIONAL VISCONDE DE TAUNAY - CEVITA ORGANIZAÇÃO, POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA UNIDADE DE INFORMAÇÃO/BIBLIOTECA

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DO IFSULDEMINAS. Capítulo III. Disposições Preliminares MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS São Carlos 2012 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES... 3 1.1 OBJETIVOS... 3 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 3 2.1

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS-RJ BMHS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS RIO DE JANEIRO BIBLIOTECA MARIO HENRIQUE SIMONSEN POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 031/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014

RESOLUÇÃO Nº 031/2014, DE 30 DE ABRIL DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Conselho Superior Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Bairro Medicina 37550-000 - Pouso Alegre/MG Fone: (35)

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

FACULDADE ESTACIO DE SÁ

FACULDADE ESTACIO DE SÁ FACULDADE ESTACIO DE SÁ POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E FORMAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE VILA VELHA - ES VILA VELHA 2010 FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ 1 BIBLIOTECA REGULAMENTO Nº

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ Biblioteca Madre Marie Ange Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ Biblioteca Madre Marie Ange Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções Objetivo O desenvolvimento de coleções é um processo ininterrupto, uma atividade regular e permanente que deve atender aos pilares da educação: ensino, pesquisa e extensão. Tem por objetivo formar e desenvolver

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA Fabiane Andrade Muniz Pires do Rio 2010 FASUG FACULDADE DO SUDESTE GOIANO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Elaboração Fabiane Andrade

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA TÍTULO I DA BIBLIOTECA E SEUS AFINS CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Art. 1 A Biblioteca do campus Presidente Epitácio é integrante da Rede de Bibliotecas do Instituto Federal

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE ENSINO DE PIRACICABA BIBLIOTECA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO 2011 APRESENTAÇÃO A palavra Biblioteca significa coleção de livros dispostos ordenadamente;

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO

MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO CURITIBA 2015 MANUAL DE PROCEDIMENTOS E REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE HERRRERO Curitiba 2015 Rua Álvaro Andrade, 345 Bairro

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Rede de Bibliotecas UNICEUMA 1 UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Política de Desenvolvimento de Coleções 2014-2016 Gerenciar procedimentos padrão para

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DO CONSELHO FEDERAL DE CONTA- BILIDADE CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Federal de Contabilidade terá por finalidade: I - proporcionar ao presidente,

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO São Paulo 2015 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 2 2. OBJETIVO... 2 2.1 Objetivo geral... 2 2.2 Objetivos específicos...

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO Devido às suas características, enquadra-se na categoria de Biblioteca Universitária. O Sistema de Bibliotecas das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba é formado

Leia mais

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade:

CAPÍTULO I. Da finalidade. Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo terá por finalidade: NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA NELSON RODRIGUES, DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE SÃO PAULO CAPÍTULO I Da finalidade Art. 1º A Biblioteca do Conselho Regional de Contabilidade

Leia mais

Regulamento da Biblioteca São José

Regulamento da Biblioteca São José 1 Regulamento da Biblioteca São José Pato Branco - PR 2 SUMÁRIO DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO... 3 DA NATUREZA E FINS... 3 DO ACERVO... 4 DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO... 4 DA ORGANIZAÇÃO... 5 DO PESSOAL...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PRODUÇÃO ANIMAL R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPÍTULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES.

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. 1. INTRODUÇÃO A biblioteca Joaquim Maria Machado de Assis do Colégio

Leia mais

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA CRCMG Nº 137/2009 APROVA ALTERAÇÕES NO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA PROFESSOR ANTÔNIO LOPES DE SÁ. O Presidente do Conselho Regional de Contabilidade de Minas Gerais, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: O gerenciamento dos bibliotecários na política de acervo na unama 1

A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: O gerenciamento dos bibliotecários na política de acervo na unama 1 A CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: O gerenciamento dos bibliotecários na política de acervo na unama 1 Samantha Andrade de Araujo * Resumo: A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Art. 1 O presente documento desenvolvido na Biblioteca Professor Doutor N. de Carvalho da FACSETE, através da Comissão de Biblioteca, estabelece os parâmetros que

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ACADÊMICA Aprovado pela Resolução Consuni nº. 15/08, de 21/05/08. CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E DO FUNCIONAMENTO Art. 1º A Biblioteca Acadêmica, órgão de apoio às atividades do

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA RESOLUÇÃO/UEPB/CONSUNI/080/2014 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI), da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA (UEPB), no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo art. 46, VI, do Estatuto da Instituição,

Leia mais

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

BIBLIOTECA UEZO REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º Este documento tem por finalidade formalizar e instituir as normas de utilização da biblioteca, no que tange aos produtos e serviços oferecidos pela

Leia mais

ATO NORMATIVO N 001 NDE ENGENHARIA DE ALIMENTOS/2013

ATO NORMATIVO N 001 NDE ENGENHARIA DE ALIMENTOS/2013 1 Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense Câmpus Concórdia Curso de Bacharelado em Engenharia de Alimentos

Leia mais

CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO

CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO 1 CAPÍTULO I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art.1º - Institui o regulamento da BIBLIOTECA DA FACULDADE UNISSA DE SARANDI, com o objetivo de definir normas para prestação e utilização dos serviços e garantir

Leia mais

Capítulo 1 Dos termos

Capítulo 1 Dos termos Resolução n 03 do Conselho de Ensino Superior O Conselho de Ensino Superior da Faculdade Três de Maio SETREM reformula o Regulamento da Biblioteca José de Alencar e dá outras providências. Capítulo 1 Dos

Leia mais

REGIMENTO DA BIBLIOTECA. Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE

REGIMENTO DA BIBLIOTECA. Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE REGIMENTO DA BIBLIOTECA Rosmar Tobias FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE GUARANTÃ DO NORTE SUMÁRIO 1 DOS OBJETIVOS... 3 2 DA ORGANIZAÇÃO TÉCNICA... 3 3 DA ESTRUTURA ADMINISTRATIVA... 3 4 DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO...

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS

www.ueg.br REGIMENTO INTERNO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS REGIONAIS (SIBRE) DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS www.ueg.br UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Pró-Reitoria de Graduação Coordenação Geral de Ambientes de Aprendizagem Coordenação Acadêmica do Sistema Integrado de Bibliotecas Regionais REGIMENTO INTERNO

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO

EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO EDITAL DE SELEÇÃO ALUNO ESPECIAL Nº. 01/2016 SEMESTRE 2016.1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA MESTRADO ACADÊMICO 1. PREÂMBULO A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Psicologia da Universidade

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa)

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Andréa de Carvalho Pereira Vanessa Abreu Dias Vera Lucia Scotto Leite Bagé, Agosto 2014

Leia mais

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso

Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Campus Universitário Ministro Reis Velloso Curso de Biomedicina Regulamento do Trabalho de Conclusão do Curso Parnaíba PI 2010 SUMÁRIO I DO CONCEITO...

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Publicada no Boletim de Serviço, n. 9, p. 10-14 em 8/9/2015. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 200, DE 25 DE AGOSTO DE 2015 Dispõe sobre a Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Ministro Victor Nunes

Leia mais

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia

Padrões de Qualidade para Cursos de Graduação em Economia MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE ECONOMIA Padrões de Qualidade para Cursos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 42 DE 28 DE AGOSTO DE 2012 FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Constituição Federal artigos 205, 206, 208, 211 e

Leia mais

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa

JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU Seção Judiciária do Rio Grande do Norte Secretaria Administrativa PORTARIA Nº 108-JF/RN, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. O DIRETOR DO FORO DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais e, CONSIDERANDO: a) o aumento do número do acervo da biblioteca

Leia mais

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O I N T E R N O Porto Alegre, 2013 TITULO I DA NATUREZA E SEUS FINS Art. 1 A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo, criada em 1962, registrada sob o nº.

Leia mais

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018)

PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) PROPOSTA DE METODOLOGIA E PLANO DE TRABALHO PARA A ELABORAÇÃO DO PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL PDI DO IFB (2014-2018) 1. Introdução O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) busca nortear

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA

REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA Mantenedora Fasipe Centro Educacional Mantida Faculdade Fasipe - FASIPE REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA MARIA TEREZA GAVA SINOP / MATO GROSSO CAPÍTULO I DA FACULDADE E SUAS FINALIDADES Art.1º - A biblioteca

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO 1 Anexo I da Resolução do Conselho Superior nº 46/2011, de 13/09/2011. REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU NA MODALIDADE A DISTÂNCIA DO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO DOS CURSOS

Leia mais

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012

COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 COMUNICADO n o 003/2012 ÁREA DE GEOGRAFIA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 03 de Abril de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: GEOGRAFIA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO:

Leia mais

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari -

Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - Edital Nº006/2015 - PRPGI/IFBA Programa de Auxílio Qualificação para cursos de Pós- Graduação Lato e Stricto Sensu - Campus Camaçari - 1 Apresentação O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA RESOLUÇÃO Nº 05/2011 DO CONSELHO DIRETOR Disciplina as condições e as rotinas de recebimento e de desfazimento de material informacional no âmbito das Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia.

Leia mais

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005

Capes Critérios de Implantação Mestrado e Doutorado Acadêmico. Avaliação de Proposta de Cursos Novos APCN Área de Avaliação: EDUCAÇÃO Dezembro / 2005 CAPES PARÂMETROS DE AVALIAÇÃO DE CURSOS NOVOS DOUTORADO ÁREA DE EDUCAÇÃO Os projetos de cursos novos de doutorado serão julgados pela Comissão de Avaliação da área de Educação com base nos dados obtidos

Leia mais

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO

CURSO: MESTRADO ACADÊMICO IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: ARTES/MÚSICA PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2016 ANO DE PUBLICAÇÃO DESTE DOCUMENTO: 2016 COORDENADOR DE ÁREA: ANTÔNIA PEREIRA BEZERRA COORDENADOR ADJUNTO: VERA BEATRIZ SIQUEIRA

Leia mais

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000

PADRÕES DE QUALIDADE OUTUBRO 2000 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DEPARTAMENTO DE POLÍTICA DO ENSINO SUPERIOR COORDENAÇÃO DAS COMISSÕES DE ESPECIALISTAS DE ENSINO COMISSÃO DE ESPECIALISTAS DE ENSINO DE FARMÁCIA PADRÕES

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC NO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC NO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL FACULDADE FRUTAL Rua Nova Ponte, 439 Jardim Laranjeiras Frutal MG CEP 38.200-000. CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Autorizado pela Portaria MEC 4583/2005 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TCC NO CURSO

Leia mais

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares

Avenida Loja Maçônica Renovadora 68, no. 100 - CEP 14785-002 - Barretos/SP. Regulamento. Capítulo I. Disposições preliminares Regulamento Capítulo I Disposições preliminares Art. 1º. Este regulamento disciplina o funcionamento da Biblioteca Dr. Ranulpho Prata da Faculdade de Ciências da Saúde de Barretos Dr. Paulo Prata (FACISB).

Leia mais

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º

REGULAMENTO. DO EXPEDIENTE E/OU DO HORÁRIO DE FUNCIONAMENTO DA BIBLIOTECA : Art 2º DO OBJETIVO : Art 1º As Bibliotecas UNIABEU têm o objetivo geral de contribuir com o processo de ensino e pesquisa desta IES, sendo esta responsável, particularmente, por administrar o acervo da Instituição;

Leia mais

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017.

EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. EDITAL PROGRAD 06/2014 PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS ESTRUTURANTES DE LABORATÓRIOS PARA O ENSINO DE GRADUAÇÃO 2015 / 2017. I - OBJETIVO DO PROGRAMA 1. O Programa objetiva apoiar a estruturação dos laboratórios

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA

RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA RELATÓRIO SOBRE A INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA 1 RELATÓRIO SOBRE A BIBLIOTECA INFORMAÇÕES GERAIS: As bibliografias das disciplinas do curso estão atualizadas, e seguem o padrão de três obras para a bibliografia

Leia mais

Definir os procedimentos para a gestão dos acervos bibliográficos do PJAC.

Definir os procedimentos para a gestão dos acervos bibliográficos do PJAC. Código: MAP-DIINF-002 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Acervos Aprovado por: Diretoria de Informação Institucional 1 OBJETIVO Definir os procedimentos para a gestão dos

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO-GERAL - CAMPUS JOÃO PESSOA EDITAL N 08/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DO IFPB CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT.

EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. EDITAL Nº 001/2016/PR-PPGI/IFAM, DE 28 DE MARÇO DE 2016 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E DE INOVAÇÃO TECNOLOGICA - PADCIT. A PRO-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO - PR-PPGI,

Leia mais

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES

REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES REGULAMENTO DE MONOGRAFIA NO CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UNIVERSIDADE MUNICIPAL DE SÃO CAETANO DO SUL - IMES CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regulamento tem por

Leia mais

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI)

CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) CURSO DE DIREITO REGULAMENTO PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DA FACULDADE BIRIGUI (TCC FACULDADE BIRIGUI) FUNDAMENTO: O Trabalho de Conclusão de Curso é componente obrigatório da grade

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI

FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI FACULDADE ERNESTO RISCALI REGULAMENTO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI OLÍMPIA 2014 1 REGULAMENTO DA BIBLIOTECA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI APRESENTAÇÃO A Biblioteca presta serviços ao público em

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI

RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI RESOLUÇÃO Nº 04/14 CONSUNI HOMOLOGA A PORTARIA Nº 35/13 QUE APROVOU AD REFERENDUM O REGULAMENTO DO SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO CATÓLICA DE SANTA CATARINA EM JOINVILLE. O Conselho

Leia mais

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa.

Art. 2º. A Biblioteca oferece aos seus usuários salas de estudo em grupo, cabines de estudo individuais e terminais de consulta e pesquisa. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CECÍLIA MEIRELES FACULDADE METROPOLITANA Este regulamento visa estabelecer padrões e normas referentes ao funcionamento da Biblioteca Cecília Meireles da Faculdade Metropolitana,

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA: ENSINO MÉDIO DA USC PIBIC/EM 2015/2016 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade do Sagrado Coração torna público o presente Edital de abertura de inscrições,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO

REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO REGIMENTO INTERNO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO 2015 REGIMENTO REDE DE BIBLIOTECAS FACULDADE PADRÃO Título I Das Disposições Preliminares Capítulo I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento

Leia mais

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO

PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO PORTARIA DETRAN/RS Nº 456, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010. Institui a Biblioteca do DETRAN/RS e dá outras disposições. O DIRETOR-PRESIDENTE DO DEPARTAMENTO ESTADUAL DE TRÂNSITO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

Leia mais

VI FÓRUM NACIONAL DOS BIBLIOTECÁRIOS DOS IFs GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

VI FÓRUM NACIONAL DOS BIBLIOTECÁRIOS DOS IFs GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES VI FÓRUM NACIONAL DOS BIBLIOTECÁRIOS DOS IFs GRUPO DE TRABALHO FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Política de Formação e Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas dos Institutos Federais de Educação,

Leia mais

PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL

PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL PQI REGULAMENTO-GERAL DO PLANO DE QUALIFICAÇÃO INSTITUCIONAL Institui o regulamento geral do plano de qualificação institucional no Centro Federal de Educação Tecnológica de Rio Verde - GO. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE

PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE PROCESSO SELETIVO PARA CADASTRO DE INSTRUTORES CURSO GESTÃO DE PROJETOS EDITAL Nº 57/2014-AFPE6/AFPE A Gerente Substituta de Administração e Desenvolvimento de Pessoas da Anatel - AFPE, no uso de suas

Leia mais