Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções"

Transcrição

1 Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP

2 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Objetivos Específicos COMISSÃO RESPONSÁVEL Competências da comissão TEMÁTICA DO ACERVO SELEÇÃO AQUISIÇÃO Aquisição das bibliografias indicadas Aquisições extraordinárias Acompanhamento, supervisão e avaliação Problemas no processo de aquisição Prioridade de aquisição Doações ATUALIZAÇÃO DO ACERVO Atualização do acervo para cursos EAD OUTRAS CONSIDERAÇÕES... 9

3 3 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A proposta da Política de Desenvolvimento de Coleções deve-se ao fato de considerar importante a existência de um instrumento formal que estabeleça critérios e prioridades para a seleção e aquisição de materiais que serão incorporados ao acervo das bibliotecas interligadas ao sistema MAX PLANCK. A formalização possibilita que a coleção cresça de forma consistente, qualitativa e quantitativamente e que estabeleça diretrizes a serem seguidas nos processos de seleção e aquisição, de materiais pertinentes a temática do acervo, propiciando o crescimento equilibrado e racional do acervo nas diversas áreas de atuação da Instituição. A Política de Desenvolvimento de Coleções numa biblioteca consiste num elemento básico para tomada de decisão, pois contempla aspectos relativos a função e objetivos da universidade, dos usuários e suas necessidades, da biblioteca, bem como os níveis de coleções, tipos de coleções, critérios e responsabilidade pela seleção, aquisição, recursos financeiros para compras, descarte de obras, dentre outras atividades. Esta Política define critérios para composição do acervo das bibliotecas do sistema da MAX PLANCK. Nesses critérios previamente definidos, foi determinada a conveniência em se adquirir, manter ou descartar materiais para a melhoria contínua no acervo. Esta Política irá nortear a equipe nos processos decisórios, sendo utilizada como instrumento para planejamento e avaliação do acervo. Objetivo Geral Possibilitar a formação da coleção de acordo com os objetivos da instituição e por meio das disponibilidades financeiras, desempenhar através de um processo de seleção sistematizado e consistente, o desenvolvimento qualitativo do acervo, no qual o crescimento racional e equilibrado das suas diferentes áreas darão subsídios as atividades de ensino e pesquisa da universidade.

4 4 1.1 Objetivos Específicos - Estabelecer normas para aquisição e seleção de material bibliográfico; - Estabelecer regras no processo de seleção, visando a característica da biblioteca; - Direcionar o uso racional dos recursos financeiros; - Prever e planejar recursos orçamentários destinados a aquisição; - Avaliar a coleção; - Sugerir fontes para a seleção de materiais; - Estabelecer prioridades de aquisição. 2 COMISSÃO RESPONSÁVEL Os responsáveis pelo desenvolvimento do acervo na MAX PLANCK são os coordenadores de cursos, a direção acadêmica e o bibliotecário. O bibliotecário atua em conjunto com os coordenadores de cursos e comunidade acadêmica a fim de viabilizar todo o processo de aquisição de publicações. A direção acadêmica é responsável pela aprovação orçamentária da aquisição de publicações. A responsabilidade de indicação de aquisição é dos professores (representados pelos coordenadores dos respectivos cursos) e extensiva à comunidade acadêmica. 2.1 Competências da comissão - Assessorar a chefia da biblioteca em assuntos que digam respeito à formação (seleção e aquisição) do acervo da biblioteca; - Coordenar programas de desenvolvimento do acervo; - Avaliar e recomendar fontes de seleção; - Coordenar a avaliação periódica da coleção; - Analisar sugestões e solicitações para aquisições; - Manter contato formal e informal, com o maior número de membros da comunidade universitária, com a finalidade de coletar informações para atualização do acervo; - Efetivar iniciativas e ferramentas que melhorem o processo de seleção e aquisição do acervo.

5 5 3 TEMÁTICA DO ACERVO Os assuntos se referem às áreas de atuação da Faculdade (Administração; Ciências Contábeis; Comércio Exterior; Direito; Educação Física; Enfermagem; Engenharia de Controle e Automação; Engenharia da Produção; Farmácia; Gestão Ambiental; Logística; Marketing; Medicina Veterinária; Nutrição; Pedagogia; Recursos Humanos; Redes de Computadores ) e outras correlatas ou de assuntos gerais. O acervo é formado por publicações monográficas, obras de referência, publicações periódicas e publicações eletrônicas, todos adquiridos através de identificação de necessidade, requisição pela grade curricular ou demanda expressa pela comunidade. 4 SELEÇÃO Consiste na escolha dos materiais que farão parte do acervo. A responsabilidade pela formação do acervo será da Comissão. Para seleção devem ser priorizados tais aspectos: a) Fontes de seleção: Bibliografias gerais e especializadas; Catálogos, listas e propagandas de editores e livreiros; Diretório de periódicos; Sugestões dos usuários; Bases de Dados; Sites de editoras, de livrarias e outras bibliotecas. b) Critérios de seleção: Adequação ao currículo acadêmico e linhas de pesquisa; Qualidade do conteúdo; Demanda; Quantidade; Idioma acessível; Custo justificável;

6 6 Números de usuários potenciais que utilizarão os materiais; Condições físicas dos materiais; Conveniência do formato e compatibilização com equipamentos existentes. c) Seleção Qualitativa Caberá à biblioteca manter o corpo docente informado sobre novos lançamentos do mercado, que poderão ter utilidade na área de atuação dos mesmos. 5 AQUISIÇÃO A Instituição disponibiliza uma verba anual, correspondente a 2,0% de seu orçamento anual ( ), para ampliação e atualização do acervo bibliográfico, conforme consta no planejamento econômico de A quantidade de exemplares varia conforme o caráter da publicação. O caráter da publicação corresponde à conceituação do título em relação à disciplina acadêmica e corresponde à bibliografia básica ou complementar. A bibliografia básica se refere aos livros textos adotados em cada disciplina. Para cada bibliografia básica é adquirido 1 exemplar para cada 8 alunos. A bibliografia complementar se refere aos livros adicionais adotados em cada disciplina. Para cada bibliografia complementar são adquiridos dois exemplares. O critério adotado para bibliografia básica e complementar é também adotado para publicações impressas e eletrônicas. Nota: Independentemente dos parâmetros adotados estarem atendidos, sempre que uma publicação apresentar demanda maior que a oferta, novos exemplares serão adquiridos. 5.1 Aquisição das bibliografias indicadas De posse das indicações dos professores a bibliotecária responsável pela unidade elabora uma lista padronizada com as bibliografias indicadas para cotação de preço pelos fornecedores.

7 7 A Faculdade estabelece como critério a cotação de, no mínimo, três fornecedores. A partir das informações levantadas e viabilidade de recursos a Faculdade opta pelo fornecedor que atenda às condições de atendimento (presteza), entrega (curto prazo) e preço (acessível). Atualmente o principal fornecedor de publicações é a Distribuidora de Livros Ramalivros, distribuidora que atende às condições estabelecidas pela instituição. A aquisição das bibliografias indicadas é providenciada em 5 (cinco) dias úteis, conforme disponibilidade das obras nas editoras, e após a aprovação da Diretoria. 5.2 Aquisições extraordinárias No decorrer do ano, além das bibliografias indicadas, outras sugestões poderão ser realizadas pelos professores e comunidade acadêmica. A aquisição é providenciada conforme disponibilidade orçamentária. As sugestões adicionais são reunidas e organizadas, formando uma lista ou bases de dados de demanda pretendida, que irão constituir a base do processo de aquisição. A organização das sugestões contribui para que seja adquirido o material necessário, otimizando a utilização dos recursos financeiros. 5.3 Acompanhamento, supervisão e avaliação O bibliotecário de cada unidade é responsável por acompanhar todo o processo de aquisição, desde a cotação até o recebimento e conferência das publicações. Além de monitorar o processo de aquisição a bibliotecária de cada unidade também deve manter os solicitantes informados sobre o status da aquisição (em andamento, recebida, etc.). 5.4 Problemas no processo de aquisição Os problemas dizem respeito a edições esgotadas ou problemas de recebimento em função da dificuldade de acesso ao fornecedor da publicação. No caso de edições esgotadas o solicitante é comunicado e logo em seguida é indicada outra publicação de conteúdo semelhante para substituição. Em situações de

8 8 dificuldade de acesso às publicações, seja por motivo de importação ou outras situações quaisquer, é viabilizado outro meio de acesso à publicação. 5.5 Prioridade de aquisição Primeiramente são adquiridas as publicações que fazem parte do currículo escolar, bibliografias básicas e complementares, na seqüência estão às publicações de assuntos gerais (jornais e revistas), literatura e sugestões dos usuários. A prioridade é sempre pelo idioma natural, no caso o português. Outros idiomas são adquiridos quando não há bibliografia disponível no idioma natural. 5.6 Doações Doações solicitadas pela biblioteca A solicitação de doações de interesse para a Biblioteca, deverá ser feita sempre que possível, às instituições governamentais e privadas, entidades científicas, principalmente obras não comercializadas. Doações oferecidas à biblioteca Para doações espontâneas, estas são sujeitas a critérios de avaliação nos quais são: conceituação da editora, conceituação da obra, data de edição (no máximo três anos anteriores ao atual, preservação e conservação da obra, temática ligada aos assuntos do acervo). Um termo de doação será preenchido neste caso, deixando ciente ao doador de que a Biblioteca, após análise do material, poderá dispor do mesmo da seguinte maneira: Incorporação ao acervo; Doação e/ou permuta com outras instituições; Descarte.

9 9 6 ATUALIZAÇÃO DO ACERVO É realizada conforme a verba disponível no planejamento econômico e financeiro. Sistematicamente no mês de outubro, através de um trabalho conjunto entre as bibliotecas e os professores, são indicados livros textos e bibliografias complementares, através de formulário próprio para pedido de aquisição. 6.1 Atualização do acervo para cursos EAD Quanto aos cursos de EAD, oferecidos pela Instituição caracterizada como Polo Educacional de EAD, a atualização do acervo deve ser solicitada a Sede Educacional do curso em questão. Para tanto, alunos, professores e coordenadores verificam a necessidade de novos títulos, estes ainda não estão indicados no PPC do curso, e repassam para o(a) bibliotecário(a) do Polo. Este, por sua vez, faz a verificação se o título realmente não está disponível na biblioteca e, caso seja necessário uma aquisição, a justificativa de compra junto com o formulário de informações básicas sobre a obra são encaminhados a(o) bibliotecária(o) e a Coordenação do curso na Sede Educacional. Após avaliação da Sede, o item é ou não direcionado para compra e repassado ao Polo, de acordo com normas contratuais para tal. 7 OUTRAS CONSIDERAÇÕES O sistema de bibliotecas da MAX PLANCK tem como característica a dinamicidade e flexibilidade de suas ações, assim sua política de seleção deve também ser flexível e dinâmica. Portanto, a cada 2 (dois) anos, a política de desenvolvimento de coleções deverá ser revisada pela Comissão, com a finalidade de garantir a sua adequação à comunidade universitária, aos objetivos da Biblioteca e aos da própria Instituição.

10 10 Itens não previstos neste documento poderão entrar em pauta em conjunto com a Comissão, nos quais são membros a direção acadêmica, bibliotecários, coordenadores de cursos e comunidade acadêmica. Indaiatuba, 01 de Janeiro de Sandro Revolti Bibliotecário CRB8 / 7535 Hector Edmundo Huanay Escobar Diretor de Unidade

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FAJ POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FACULDADE JAGUARIÚNA INSTITUTO EDUCACIONAL JAGUARY - IEJ JAGUARIÚNA/SP 2013 1. POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Política de Desenvolvimento

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN Padre Miguel, RJ 2012 1 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA SIMONSEN A política de desenvolvimento de coleções

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO IFSP - CAMPUS SÃO CARLOS São Carlos 2012 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES... 3 1.1 OBJETIVOS... 3 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 3 2.1

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS DE CURVELO - FACIC CURVELO 2010 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...3 1.1Objetivos...3. 1.2 Comissão

Leia mais

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014.

PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. PORTARIA Nº 12, DE 03 DE ABRIL DE 2014. A Diretora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Campus Uberlândia Centro, no uso das atribuições que lhe confere a Portaria

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA PROFESSOR PINTO FERREIRA 1 25 de outubro de 2006. 1 Segundo Vergueiro (1989), a política de desenvolvimento de coleções é um instrumento

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES.

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. 1. INTRODUÇÃO A biblioteca Joaquim Maria Machado de Assis do Colégio

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO

POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO POLÍTICAS DE SELEÇÃO, AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO DA COLEÇÃO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE CATÓLICA SALESIANA DO ESPÍRITO SANTO ELABORAÇÃO Janine Silva Figueira Vitória 2015 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco

Política de Desenvolvimento de Coleções da Biblioteca Comendador Primo Tedesco Universidade Alto Vale do Rio do Peixe UNIARP 82.798.828/0001-00 Rua Victor Baptista Adami, 800 - Centro - Cx. Postal 232 CEP 89500-000 - Caçador - SC Fone/Fax: (49)3561-6200/3561-6202 Política de Desenvolvimento

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa)

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Andréa de Carvalho Pereira Vanessa Abreu Dias Vera Lucia Scotto Leite Bagé, Agosto 2014

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS)

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS) XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 POLÍTICA DE FORMAÇÃO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA Fabiane Andrade Muniz Pires do Rio 2010 FASUG FACULDADE DO SUDESTE GOIANO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Elaboração Fabiane Andrade

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Administração Regional em Santa Catarina Divisão de Educação Profissional POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Rede de Bibliotecas Senac/SC RESPONSÁVEL: Ivan

Leia mais

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Sistema de Bibliotecas ESADE POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Porto Alegre, 2010 ESADE - Política de Aquisição de Material Bibliográfico - 2 1 POLÍTICA DE SELEÇÃO É essencial que se estabeleça

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO

Bibliotecas do Centro Universitário Metodista - IPA POLÍTICA DE AQUISIÇÃO Bibliotecas do POLÍTICA DE AQUISIÇÃO PORTO ALEGRE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 1.1 OBJETIVOS...4 1.1.1 Objetivo geral...4 1.1.2 Objetivos específicos...4 2 FORMAÇÃO DO ACERVO...5 2.1 FONTES DE SELEÇÃO...6

Leia mais

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO

Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO POLITICADEAQUISIÇÃO, EXPANSÃOEATUALIZAÇÃO DOACERVO Série FACTO - Legislação e Normas Palmas / TO Católica do Tocantins Diretor Geral Pe. José Romualdo Degasperi Vice Diretor Acadêmico Galileu Marcos Guarenghi

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLITICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES CAUCAIA/2015 APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento do acervo da Biblioteca da Faculdade de Terra Nordeste - FATENE Em linhas

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1. INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS 2011 CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Art. 1 O presente documento desenvolvido na Biblioteca Professor Doutor N. de Carvalho da FACSETE, através da Comissão de Biblioteca, estabelece os parâmetros que

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. Bibliotecas FacSenac/DF POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Bibliotecas FacSenac/DF Brasília 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECAS FAC SENAC-DF Brasília 2014 SUMÁRIO MISSÃO...6 SENAC-DF...6 FACULDADE SENAC-DF...6

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida a Política de Atualização e de Expansão do Acervo da Biblioteca,

Leia mais

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS

MUNICÍPIO DE FIGUEIRÓ DOS VINHOS 1 Missão da Biblioteca Os princípios orientadores da Biblioteca Municipal Simões de Almeida (tio) têm como base o Manifesto da UNESCO sobre as Bibliotecas Públicas, pelo que no cumprimento da sua missão

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA 1 INTRODUÇÃO Devido às suas características, enquadra-se na categoria de Biblioteca Universitária. O Sistema de Bibliotecas das Faculdades Integradas Santa Cruz de Curitiba é formado

Leia mais

2 FORMAÇÃO DO ACERVO...

2 FORMAÇÃO DO ACERVO... PORTO ALEGRE 2015 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 1.1 OBJETIVOS... 2 2 FORMAÇÃO DO ACERVO... 5 2.1 RESPONSÁVEIS PELA SELEÇÃO... 6 2.2 CRITÉRIOS BÁSICOS DE SELEÇÃO... 6 2.3 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE SELEÇÃO...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO BIBLIOTECA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DA ESCOLA DE ADMINISTRAÇÃO UFRGS Porto Alegre 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC AMAZONAS

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC AMAZONAS SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL SENAC FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC AMAZONAS POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, ATUALIZAÇÃO, EXPANSÃO DO ACERVO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA Manaus 2014 1

Leia mais

BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA

BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA BIBLIOTECA JOEL RODRIGUES PEREIRA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Londrina 2010 Rua Prefeito Faria Lima, 400, Jardim Maringá, Londrina PR Fone: (43) 3031-5050 CEP: 86.061-450 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA

DESCRIÇÃO DA BIBLIOTECA Descrição da biblioteca quanto ao seu acervo de livros e periódicos, por área de conhecimento, política de atualização e informatização, área física disponível e formas de acesso e utilização. DESCRIÇÃO

Leia mais

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Belo Horizonte 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

Leia mais

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK

BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK PLANO ANUAL DE ATIVIDADES DA BIBLIOTECA JUSCELINO KUBITSCHEK (INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR PLANALTO IESPLAN) Brasília Janeiro/2014 1 EQUIPE TÉCNICA Thayanne Farias das Virgens Ferreira Bibliotecária Diretora

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a utilização da Biblioteca Comunitária do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP) e Regulamenta os Prodecimentos. O Diretor Geral,

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleção

Política de Desenvolvimento de Coleção Política de Desenvolvimento de Coleção 1 Política de Desenvolvimento de Coleção É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e não

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA BIBLIOTECAS POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E DE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

FACULDADE CAMPO REAL BIBLIOTECA PROF. LUIZ ALBERTO MACHADO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES 1 1 A política de desenvolvimento de coleções da Biblioteca Prof. Luiz Alberto Machado da Faculdade Campo Real tem por finalidade definir critérios para o desenvolvimento e atualização do acervo. Seus

Leia mais

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125

POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 POLÍTICA DE ATUALIZAÇÃO E DE EXPANSÃO DO ACERVO E DA INFRAESTRUTURA DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR KM 125 Considerando o crescimento da demanda de informação no meio acadêmico, foi definida

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 31, DE 30 DE JUNHO DE 2011 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sessão de 30 de junho de 2011, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo artigo 16 e pelo

Leia mais

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA

SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA SOCIEDADE CULTURAL E EDUCACIONAL DE ITAPEVA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E AGRÁRIAS DE ITAPEVA POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIT ITAPEVA, 2015 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE

Leia mais

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção

Biblioteca. Política de Seleção e. desenvolvimento de coleção Biblioteca Política de Seleção e desenvolvimento de coleção 2007 1 INTRODUÇÃO Atualmente com o crescimento do fluxo de informações tornou-se necessário adotar critérios para uma Política de Atualização

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

PORTARIA Nº 64/2012. CONSIDERANDO a importância de criar critérios sólidos para balizar os investimentos em recursos informacionais;

PORTARIA Nº 64/2012. CONSIDERANDO a importância de criar critérios sólidos para balizar os investimentos em recursos informacionais; Publicação: 02/07/12 DJE: 29/06/12 (*) Republicação: 13/07/12 DJE: 12/07/12 PORTARIA Nº 64/2012 Estabelece normas para desenvolvimento e avaliação dos acervos das bibliotecas do Tribunal de Justiça do

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N o 001/99 OFERTAS DE DOAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N o 001/99 OFERTAS DE DOAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N o 001/99 OFERTAS DE DOAÇÃO DE MATERIAL BIBLIOGRÁFICO Regula a oferta de doação de material bibliográfico recebida no âmbito do NDC Sistema de Bibliotecas e Arquivos da Universidade

Leia mais

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI

ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI ACERVO ATUAL DA BIBLIOTECA ARMANDO RISCALI Atualmente, o acervo total da Biblioteca para os cursos da Faculdade está estimado em 17.894 livros. A política de atualização do acervo é a de aquisição contínua

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO. SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC)

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO. SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC) POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UFSC (SiBi/UFSC) Florianópolis 2012 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA SISTEMA DE BIBLIOTECAS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015

Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Plano de Ação do Centro de Educação e Letras 2012-2015 Apresentação: O presente plano de trabalho incorpora, na totalidade, o debate e indicativo do coletivo docente e discente do Centro de Educação e

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 2015

CHAMADA PÚBLICA 2015 EDITAL N º 10/PROPPI/2015 Retificado CHAMADA PÚBLICA 2015 PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO Câmpus SÃO MIGUEL DO OESTE

Leia mais

AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA

AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA AVALIAÇÃO INEP: ACERVO BIBLIOGRAFIA BÁSICA, BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR E PERIÓDICOS ESPECIALIZADOS Seção de Planejamento e Desenvolvimento de Coleções Márcia Silvestre Bibliotecária (CRB-7/2890) silvestre@ndc.uff.br

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA

UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Rede de Bibliotecas UNICEUMA 1 UNIVERSIDADE CEUMA UNICEUMA PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO REDE DE BIBLIOTECAS DO UNICEUMA Política de Desenvolvimento de Coleções 2014-2016 Gerenciar procedimentos padrão para

Leia mais

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA

CAMPUS XANXERÊ CHAMADA PÚBLICA EDITAL N º 26 /PROPPI/2015 CHAMADA PÚBLICA PROGRAMA DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS TÉCNICOS COM FINALIDADE DIDÁTICO-PEDAGÓGICA EM CURSOS REGULARES NO PERÍODO DE EXECUÇÃO: JULHO A DEZEMBRO/2015

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES:

FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS, COMUNICAÇÃO E ARTES CURSO DE BIBLIOTECONOMIA FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES I FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES: Funções, Políticas

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS-RJ BMHS FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS RIO DE JANEIRO BIBLIOTECA MARIO HENRIQUE SIMONSEN POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BMHS

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009

AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 AVALIAÇÃO DAS BIBLIOTECAS 2009 Pontos fortes - Atendimento: 74% entre muito bom e ótimo - Lay-out: 80% entre muito bom e ótimo - Sinalização: 82 % entre muito boa e ótima - Número de funcionários: 84%

Leia mais

2003 participação na Elpub (apresentação do MIT /motivação para o trabalho no Brasil); 2004 apresentação ao Reitor da UnB parceria CID (Profa.

2003 participação na Elpub (apresentação do MIT /motivação para o trabalho no Brasil); 2004 apresentação ao Reitor da UnB parceria CID (Profa. Repositório Institucional da Universidade de Brasília HISTÓRICO 2003 participação na Elpub (apresentação do MIT /motivação para o trabalho no Brasil); 2004 apresentação ao Reitor da UnB parceria CID (Profa.

Leia mais

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01.

Faculdade La Salle Mantida pela Sociedade Porvir Científico Credenciada pela Portaria Ministerial nº. 2.653 de 07/12/01 D.O.U. de 10/12/01. CONSELHO PEDAGÓGICO - COP RESOLUÇÃO Nº 54/2009, DE 14 DE MAIO DE 2009 Aprova a Política de Aquisição e Conservação do Acervo da Biblioteca da Faculdade La Salle. O Presidente do Conselho Pedagógico - COP,

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO GERAL DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO DA CONCEITUAÇÃO E OBJETIVOS Art. 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Universidade Federal do Pará Núcleo de Meio Ambiente Editora Universitária NUMA/UFPA. Política editorial

Universidade Federal do Pará Núcleo de Meio Ambiente Editora Universitária NUMA/UFPA. Política editorial Universidade Federal do Pará Núcleo de Meio Ambiente Editora Universitária NUMA/UFPA A Editora: histórico e objetivo Política editorial A Editora Universitária NUMA/UFPA foi criada em 2002 para disseminar

Leia mais

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO (COPPEX) NÚCLEO INTEGRADO DE PESQUISA FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE FIR

COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO (COPPEX) NÚCLEO INTEGRADO DE PESQUISA FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE FIR COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO (COPPEX) NÚCLEO INTEGRADO DE PESQUISA FACULDADE INTEGRADA DO RECIFE FIR Edital de Convocação para a Seleção de Projetos de Pesquisa Programa Institucional

Leia mais

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE

1. REQUISITOS DO SOLICITANTE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EDITAL Nº 023/PRPGP/UFSM, DE 29 DE ABRIL DE 2015 Programa Especial de Incentivo às Revistas Científicas

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP

FEATI - Faculdade de Educação, Administração e Tecnologia de Ibaiti Mantida pela União das Instituições Educacionais do Estado de São Paulo UNIESP PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS IBAITI/PR 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 3 ATUALIZAÇÃO DO PARQUE TECNOLÓGICO... 3 3.1 Laboratório de Informática, Departamentos Acadêmicos

Leia mais

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO

PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO PROGRAMA FORTALECER Edital de Projetos REGULAMENTO Sumário 1. O EDITAL... 2 1.1. Natureza e objetivos... 2 1.2. Princípios orientadores... 2 1.3. Foco temático do edital... 2 2. QUEM PODE PARTICIPAR...

Leia mais

Política de Aquisição de Obras

Política de Aquisição de Obras Política de Aquisição de Obras e Expansão do Acervo Bibliográfico POLÍTICA DE AQUISIÇÃO DE OBRAS E EXPANSÃO DO ACERVO BIBLIOGRÁFICO APRESENTAÇÃO Este plano apresenta a política de formação e desenvolvimento

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR.

SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR. SELEÇÃO, AQUISIÇÃO E DESCARTE DE MATERIAIS DE INFORMAÇÃO PARA BIBLIOTE- CAS ESCOLAR: UMA SUGESTÃO COERENTE COM A ATUAL REALIDADE ESCOLAR. Luiz Carlos Peres * Resumo Maria Inês da Silveira ** O presente

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA.

NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA COORDENAÇÃO DE TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) NORMAS PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DE GRADUAÇÃO EM

Leia mais

PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC RESUMO

PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC RESUMO PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC Maria Elisa Americano do Sul Barcelos Maria Lúcia Barcelos Martins Gomes RESUMO Com a expansão do número de Instituições de Ensino Superior no Brasil, e

Leia mais

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015

RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015 RESOLUÇÃO CONEPE Nº 001/2015 Estabelece regras para o funcionamento dos cursos de pós-graduação lato sensu da Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Uergs. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE

PROGRAMA SELO DE QUALIDADE CONSELHO REGIONAL DE QUÍMICA IV REGIÃO (SP) COMISSÃO DE ENSINO TÉCNICO PROGRAMA SELO DE QUALIDADE PARA CURSOS TÉCNICOS DA ÁREA QUÍMICA CRITÉRIOS PARA A RECERTIFICAÇÃO VERSÃO 1 - NOVEMBRO DE 2010 WWW.CRQ4.ORG.BR

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROEX PROGRAMA DE APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO PROAPEX. EDITAL Nº 005/2015/UEPB/PROEX/PROAPEX PROCESSO SELETIVO DO PROAPEX COTA 2015-2016

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Ministério da Saúde Fundação Oswaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Escola de Governo em Saúde Programa de Educação à Distância IMPLANTAÇÃO DE NÚCLEOS DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Equipe da Coordenação

Leia mais

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas

FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO Política de Desenvolvimento de Coleções das Bibliotecas Atualmente, com duas unidades, localizadas na Escola de Sociologia e Política à rua General

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

I Reunião Técnica / 2015 21 de agosto. Modelos de contratos para aquisição e/ou assinatura de publicações eletrônicas.

I Reunião Técnica / 2015 21 de agosto. Modelos de contratos para aquisição e/ou assinatura de publicações eletrônicas. I Reunião Técnica / 2015 21 de agosto Modelos de contratos para aquisição e/ou assinatura de publicações eletrônicas Samantha Pontes Aquisição de conteúdos eletrônicos comerciais Livros eletrônicos Características

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA REITORIA RESOLUÇÃO Nº 05/2011 DO CONSELHO DIRETOR Disciplina as condições e as rotinas de recebimento e de desfazimento de material informacional no âmbito das Bibliotecas da Universidade Federal de Uberlândia.

Leia mais

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE BIBLIOTECAS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 6 4 Princípios... 7 5 Diretrizes... 9 6 Responsabilidades...12 7 Disposições Gerais...15 2 1 Objetivo

Leia mais

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais,

INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007. O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, INSTRUÇÃO N 2, DE 26 DE MARÇO DE 2007 O SECRETÁRIO MUNICIPAL DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições legais, APROVA: REGULAMENTO DA BIBLIOTECA ECOLÓGICA INFANTIL MARIA DINORAH CAPÍTULO I DA ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO Página 1 de 9 1. OBJETIVO Estabelecer as diretrizes básicas pertinentes ao tratamento e manutenção de acervos arquivísticos ou bibliográficos, sejam administrativos, técnicos ou especializados nas instalações

Leia mais

Apresentação. Como usar a Biblioteca

Apresentação. Como usar a Biblioteca Apresentação A Biblioteca FAAP, constituída pela Biblioteca Central e Salas de Leitura localizadas nas unidades de Ribeirão Preto, São José dos Campos e Centro de Excelência, tem por finalidade fornecer

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR FIQUENE POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO São Luís 2000 FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DO BAIXO SÃO FRANCISCO DR. RAIMUNDO MARINHO FACULDADE RAIMUNDO MARINHO REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. RAIMUNDO MARINHO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Seção I Da Biblioteca Art.

Leia mais