UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho"

Transcrição

1 GOVERNO DO ESTADO SÃO PAULO UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA Júlio de Mesquita Filho PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA EXERCÍCIO ELABORAÇÃO: Assessoria Planejamento Estratégico - APE

2

3

4

5

6

7

8 INTRODUÇÃO O Governo de São Paulo encaminhou no dia 29/09 à Assembléia Legislativa Proposta Orçamentária para o ano de 2013 A receita total está projetada em R$ 173,2 bilhões. Cabe destacar a projeção dos principais impostos estaduais: IPVA - este imposto, que incide sobre a propriedade de veículos automotores registrados no território do Estado, teve sua estimativa baseada nos dados cadastrais da frota de veículos no Departamento Estadual de Trânsito DETRAN/SP e da aplicação de taxas de depreciação conforme o ano de sua fabricação. A projeção de seu crescimento é de 10% em relação ao valor de 2012 sendo utilizada como parâmetro, a projeção para a inflação e a depreciação. O valor previsto para o ano de 2013 atinge a importância de R$ ,00 cabendo ao Município, onde for licenciado o veículo, a parcela de 50% do montante arrecadado. ICMS O Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação além de incidir sobre operações relativas à circulação de mercadoria em âmbito doméstico, incide também sobre as operações e prestações que se iniciam no exterior (C.E., artigo 165, inciso I, letra b). O ICMS se constitui na principal fonte de recursos do Tesouro, respondendo, no orçamento de 2013, por 86,59% do total da receita tributária prevista. Para sua estimativa foram inicialmente considerados os recolhimentos realizados até o mês de julho e a previsão de recolhimento até o final de A partir dessa base, foram consideradas como parâmetros macroeconômicos as projeções para inflação e PIB paulista, sendo: 4,5% e 3,5%, respectivamente. A arrecadação deste tributo, estimada para 2013, alcança R$ ,00 dos quais 25% pertencem aos Municípios, correspondendo ao valor de R$ ,00 e 75% ao Estado, no montante de R$ ,00. Sobre a renúncia fiscal: Os Artigos 165, parágrafo 6º, da Constituição Federal e 174, parágrafo 6º, da Constituição Estadual, e o inciso II, do artigo 5º da Lei de Responsabilidade Fiscal determinam que o projeto de Lei Orçamentária deva estar acompanhado de demonstrativo "do efeito, sobre as receitas e despesas, decorrente de isenções, anistias, remissões, subsídios e benefícios de natureza financeira, tributária e creditícia". As citadas normas se referem à renúncia de receita, bem como ao aumento das despesas decorrentes das ações relativas à política fiscal do Estado. No entender da Secretaria da Fazenda, o legislador constitucional determina que sejam explicitadas as normas legais que embasam a previsão da receita orçamentária e seus efeitos financeiros, bem como estabelece a necessidade de discriminar as despesas públicas decorrentes de subsídios ou benefícios de natureza financeira ou creditícia. Desse modo, na previsão da receita tributária para o ano de 2013 considerou-se a base legal vigente em agosto do corrente ano (Convênios celebrados nos termos da Lei Complementar Federal nº. 24, de 07 de janeiro de 1975), e as modificações que devem ser processadas até o final do ano. Também foram atualizadas e revisadas as informações que originaram o cálculo da renúncia de receita, sendo esta estabelecida em 10,3%.

9 COMPORTAMENTO DO ICMS Com base no Relatório da Receita Tributária do Estado de São Paulo de setembro p.p. a arrecadação de ICMS no mês de agosto, já descontada a receita extraordinária do Programa de Parcelamento Incentivado (PPI) se comparado com o mesmo mês de 2011 registrou um crescimento de 1,9% (Figura 1). Comportamento semelhante ocorreu se comparado com mês anterior- variação positiva em 1,8% (Figura 2). A arrecadação acumulada em doze meses, terminados em agosto, teve elevação de 1,9% em comparação ao mesmo período imediatamente anterior, mantendo os resultados verificados no último trimestre (Figura 3). No mesmo sentido, a arrecadação acumulada no ano avançou 1,5% em relação a igual período de 2011 (Figura 4). Na análise por segmentos, destaca-se o crescimento real dos setores de Comércio Varejista (8,6%) e de Comércio Atacadista (5,4%), em patamar muito superior ao crescimento médio da arrecadação do ICMS (1,9%). O segmento de Preços Administrados apresentou crescimento menor que a média (1,3%), basicamente em função do desempenho do setor elétrico e de comunicações. Os recolhimentos da indústria, por sua vez, apresentaram crescimento de 0,8%. Arrecadação do ICMS São Paulo

10 Ainda sobre o ICMS e os impactos das políticas fiscais recentemente adotadas, o destaque vai para a recente medida provisória (MPV 579/ /09/2012) que trata da redução das tarifas de energia elétrica que por sua vez, irá reduzir o recolhimento do ICMS. A Medida Provisória estabelece que as concessões vincendas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica na hora da renovação contratual, deverá sofrer uma redução no custo final para os consumidores por conta, inclusive, das reduções dos encargos setoriais. Por exemplo: Conta de Desenvolvimento Energético CDE (75% de redução), a Conta de Consumo de Combustíveis CCC (extinção) e a do recolhimento das cotas da Reserva Global de Reversão RGR (extinção). A receita do ICMS Paulista sobre energia elétrica representa 8,8% da arrecadação total do imposto; em valores absolutos são R$9,1 bi de arrecadação para o Estado de São Paulo. Com a vigência em 2013 da medida, estima-se uma perda de arrecadação em torno de R$1,3 bilhões considerando as atuais alíquotas sobre o ICMS, a saber: isenção da cobrança do imposto para residências com consumo de até 90 kwh; no caso do transporte público eletrificado - como o metrô - a alíquota é de 12%; na indústria, a alíquota chega a 18% e para residências com consumo acima de 200 kwh, 25%. Importante destacar que na proposta orçamentária de 2013 não foi considerado tal impacto, já que a base para projeção é o arrecadado até julho, mais previsão até dezembro de ICMS LÍQUIDO BASE DE INCIDÊNCIA DOS 2,3447%. A arrecadação do ICMS em agosto foi de R$ milhões já descontados o valor do Programa Habitacional. Em comparação ao valor previsto no orçamento (R$6.814 milhões) a arrecadação ficou 2,36% abaixo do previsto; em valores absolutos são R$3,7 milhões que a universidade deixou de receber. No período de janeiro a agosto foram R$48,9 milhões negativos que deixaram de ingressar na UNESP, refletindo na reserva financeira já que as despesas previstas não sofreram redução. Foi com base nesses valores (4% abaixo do previsto) que a Secretaria da Fazenda do Estado construiu a previsão para 2013.

11 Tabela 1 Arrecadação ICMS (base de incidência da quota parte da Unesp)

12 ORÇAMENTO UNESP 2013 A LDO 2013 no artigo 4º (LEI Nº , de 23 de julho de 2012) dispõe sobre o orçamento das universidades da seguinte forma: Artigo 4º - Os valores dos orçamentos das Universidades Estaduais serão fixados na proposta orçamentária do Estado para 2012, devendo as liberações mensais dos recursos do Tesouro respeitar, no mínimo, o percentual global de 9,57% (nove inteiros e cinquenta e sete centésimos por cento) da arrecadação do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação - ICMS - Quota-Parte do Estado, no mês de referência. 1º - À arrecadação prevista no caput deste artigo serão adicionados 9,57% (nove inteiros e cinquenta e sete centésimos por cento) das Transferências Correntes da União, decorrentes da compensação financeira pela desoneração do ICMS das exportações, da energia elétrica e dos bens de ativos fixos, conforme dispõe a Lei complementar federal nº 87, de 13 de setembro de 1996, efetivamente realizadas. 2º - O Poder Executivo poderá dar continuidade ao programa de expansão do ensino superior público em parceria com as Universidades Estaduais. 3º - O Governo do Estado publicará no Diário Oficial, trimestralmente, demonstrativo dos repasses para as Universidades Estaduais, disponibilizando-o por meio eletrônico pela Secretaria da Fazenda 4º - As Universidades Estaduais publicarão no Diário Oficial, trimestralmente, relatório detalhado contendo os repasses oriundos do Estado e de outras fontes, o número de alunos atendidos, bem como as despesas efetuadas para o desempenho de suas atividades, incluindo a execução de pesquisas. RECEITA PREVISTA. Considerando a Lei de Diretrizes Orçamentárias e a proposta encaminhada pelo Governador do Estado, temos uma previsão de receita para 2013 conforme tabela abaixo: Tabela 2

13 DESPESA FIXADA. A despesa com Pessoal para 2013 foi estimada com base na folha de setembro (pagamento em outubro/2012- R$126,7 milhões) que multiplicado por 13,33 (um terço de férias, mais décimo terceiro salário) e acrescido de 1% de aumento vegetativo chega ao montante de R$1,7 bi. Está previsto no grupo Pessoal a contratação no ano de 2013 de 200 docentes e 200 funcionários técnico-administrativos financiados com receita própria. Nas despesas de custeio foram considerados os contratos vigentes, bem como o modelo de distribuição de custeio aprovado pelo Conselho Universitário em As despesas com dívida fazem parte de um cronograma contratual estabelecido entre universidade e os credores. O que altera são os valores correntes, em função da taxa de câmbio, índice de inflação e outros indexadores contratuais. No caso das despesas com sentenças judiciais o valor orçado é pré-estabelecido pelo Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo. O Plano de Desenvolvimento Institucional ingressa no seu quarto ano de execução orçamentária com programas gerenciados junto as Pró- Reitorias e Assessorias. São R$57 milhões orçados sendo R$30 milhões em QR (Quota de regularização). O aporte de recursos para investimento em 2013 é resultado das obras em andamento, das licitações e registros de preços de equipamentos, material permanente e aquisição de veículos programados para o ano corrente. Tabela 3 (valores em R$1,00) O valor para expansão dos cursos de Engenharia de acordo com a Lei Complementar Nº 1.177, de 11 de junho de 2012 estabelece no seu artigo 21 que: Artigo 21 - Para atender ao disposto nesta lei complementar, a Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP promoverá, anualmente, em duodécimos, a transferência dos repasses do Tesouro do Estado para o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu - HCFMB, na seguinte conformidade: I - até o exercício de 2011, 2,4% (dois inteiros e quatro décimos por cento); II - no ano de 2012, 2% (dois por cento); III - no ano de 2013, 1% (um por cento); IV - no ano de 2014, 0,6% (seis décimos por cento). 1º - A partir do exercício de 2015, ficam encerrados os repasses da UNESP para o HCFMB.

14 RECEITA ORÇAMENTÁRIA

15 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP ORÇAMENTO COMPOSIÇÃO DAS RECEITAS ESTADUAIS (valores em R$1,00) - PROJETO DE LEI Nº 589 (29/09/2012) A) ESTIMATIVA DE ARRECADAÇÃO DE ICMS... R$ Quota-parte dos Municípios (25%)... R$ Quota-parte do Estado (75%)... R$ B) RECURSOS DESTINADOS AOS PROGRAMAS HABITACIONAIS (SECRETARIA DA HABITAÇÃO/ ALÍNEA INVERSÕES FINANCEIRAS/FONTE 1)... R$ ( ) C) ESTIMATIVA DE ARRECADAÇÃO DE ICMS/ LÍQUIDO - BASE DE CÁLCULO DOS PERCENTUAIS DAS UNIVERSIDADES (C = A2 - B)... R$ D) TRANSFERÊNCIAS DA UNIÃO REFERENTES A DESONERAÇÃO DO ICMS (Lei Complementar n 87 de 13/09/96 - Lei Kandir)... R$ COMPOSIÇÃO DAS RECEITAS DA UNESP DE ACORDO COM O PROJETO DE LEI Nº 589/2012 FONTE 1 - RECURSOS DO TESOURO DO ESTADO R$ Quota parte da UNESP sobre o ICMS (2,3447%) R$ Quota parte da UNESP sobre os recursos referentes a Lei Compl. 87/96 R$ FONTE 4 - RECURSOS PRÓPRIOS R$ FONTE 5 - RECURSOS VINCULADOS FEDERAIS R$ FONTE 7 - RECURSOS DE OPERAÇÃO DE CRÉDITO R$ 40 T O T A L D A S R E C E I T A S P R E V I S T A S R$

16 DESPESA ORÇAMENTÁRIA

17 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP PROPOSTA DE DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTÁRIA DE 2013¹ DESPESAS ORÇADAS POR FONTE DE RECURSOS Despesas/Programas ORÇAMENTO 2013 Fonte Tesouro R$1,00 TESOURO CONVÊNIOS REC.PRÓPRIA OP. CRÉDITO TOTAL % 1. PESSOAL E REFLEXOS ² ,00 0, ,00 0, ,00 85,23% 1.1 Vencimentos ,00 0,00 0,00 0, ,00 74,34% - Folha de Ativos ,00 0,00 0,00 0, ,00 55,02% - Folha de Aposentados ,00 0,00 0,00 0, ,00 19,32% 1.2 Encargos Patronais ,00 0,00 0,00 0, ,00 10,99% 1.3 Contratações docentes e técnicos- administrativo 0,00 0, ,00 0, ,00 0,00% 2. DESPESAS DE CUSTEIO ,00 0, ,00 0, ,00 11,49% 2.1 Programa PROAS ,00 0, ,00 0, ,00 2,87% - Vale Alimentação ,00 0, ,00 0, ,00 2,38% - Vale Transporte ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,06% - Centro Conv. Infantil ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,01% - UNESP SAUDE ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,42% 2.2 Programa: Apoio e Permanência Estudantil ,00 0,00 0,00 0, ,00 1,04% - Bolsa de Apoio ao Estudante (BAE I) ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,25% - Bolsa de Apoio ao Estudante (BAE II) ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,26% - Outras modalidades ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,11% - Subsídio alimentação ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,12% - Auxílio Moradia e bolsa residência Médica ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,25% - Auxílio Aluguel para alunos graduação ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,05% 2.3 Programa : Manutenção dos Campi ,00 0, ,00 0, ,00 5,69% - Utilidade Pública ,00 0,00 0,00 0, ,00 1,10% - Combustíveis e Lubrif ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,15% - Generos Alimentícios ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,11% - Medicamentos ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,21% - Loc. de mão de obra (limpeza, vigilância, etc.) ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,92% - Aluguéis ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,01% - Empresa Brasileira de Correios ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,07% - Serviços de Manutenção ,00 0, ,00 0, ,00 0,49% - Locação Máquina Reprográficas ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,05% - Desp. Importação ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,02% - Materias, Peças e Acessórios ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,27% - Outros Materiais de Consumo ,00 0, ,00 0, ,00 0,71% - Diárias ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,50% - Outros Serviços e Encargos ,00 0, ,00 0, ,00 1,07% 2.4 Programa Fundações e Autarquia ,00 0, ,00 0, ,00 1,80% - FUNDUNESP ,00 0, ,00 0, ,00 0,50% - FEU (Editora da Unesp) ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,30% - AUTARQUIA HOSPITAL DAS CLÍNICAS BOTUCATU ,00 0,00 0,00 0, ,00 1,00%

18 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP PROPOSTA DE DISTRIBUIÇÃO ORÇAMENTÁRIA DE 2013¹ DESPESAS ORÇADAS POR FONTE DE RECURSOS R$1,00 Despesas/Programas ORÇAMENTO 2013 Fonte Tesouro TESOURO CONVÊNIOS REC.PRÓPRIA OP. CRÉDITO TOTAL % 3. INVESTIMENTOS , , ,00 40, ,00 0,53% - Obras e Reformas , , ,00 0, ,00 0,37% - Veículos , , ,00 0, ,00 0,07% - Equipamentos e material permanente ,00 0,00 0,00 40, ,00 0,08% 4. DÍVIDA CONTRATADA ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,37% - Projeto MEC/BNDES ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,14% - Parcelamento INSS ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,03% - Parcelamento IAMSPE ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,20% 5. SENTENÇAS JUDICIAIS ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,03% - Sentenças Judiciais (orçamento 2013) ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,03% 6. PROGRAMA EXPANSÃO ENSINO GRAD ,00 0,00 0,00 0, ,00 1,40% 7. PROGRAMAS INSTITUCIONAIS (PDI) ,00 0, ,00 0, ,00 0,82% 8. RESERVA DE CONTINGÊNCIA ,00 0,00 0,00 0, ,00 0,13% TOTAL GERAL DO ORÇAMENTO , , ,00 40, ,00 100,00% Nota: PROJETO DE LEI Nº 589, de 29/09/ Pessoal e Reflexos: base de projeção folha de setembro (pagamento em outubro) + 1% de crescimento vegetativo (quinquênio e sexta-parte) + contratação de 200 docentes e 200 funcionários técnico- administrativos. 3 Tabela de concessão do vale alimentação ( pessoas, R$500,00, 12 meses) 4 obras em andamento (Fonte Tesouro) que necessitam de dotação orçamentária para precatórios que constam no projeto de lei orçamentária. 6 ver tabela específica sobre o PDI

19 Despesas de Custeio (fonte 1) Valor em R$1,00 1. Vale Refeição ¹ ,00 2. UNESP Saúde ,00 3. Custeio- Reitoria ,00 Sub- total ( ) ,00 4. CCI ,00 5. BAE I (PROEX) ,00 6. BAE II ,00 7. Bolsas Especiais ,00 8. Auxílio Aprimoramento ,00 9. Bolsa Aluno Estrangeiro , Subsídio Alimentação , Auxílio Aluguel , Auxílio Moradia e Res.Médica , Bolsas PIBIC (PROPe) , Bolsa Ciência na UNESP (Vice-Reitoria) ,00 Sub- total (5 até 14) , Autarquia Hospital Clínicas/Botucatu² , FUNDUNESP , FEU ,00 Sub- total ( ) , Campus Experimentais , Unidades Universitárias ,00 Sub- total (18+19) ,00 Total Geral de Custeio (Tesouro) ,00 ¹ o valor do vale alimentação é de R$66 milhões. Parte deverá ser financiado com receita própria (R$16,5 milhões). ² valor referente a Lei Complementar Nº1.177 de 11/06/2012. Artigo 21: " no ano de 2013, 1% (um por cento)".

20 ORÇAMENTO Custeio Unidades DISTRIBUIÇÃO INICIAL - FONTE TESOURO Unidade ORÇAMENTO CUSTEIO APLICAÇÃO INFLAÇÃO VALOR DOTAÇÃO ÍNDICE MODELO VALOR em R$ ORÇAMENTO CUSTEIO VARIAÇÃO EXERCICIO CORRIGIDA Custeio 2013 do índice EXERCICIO 2013 NOMINAL (A) (B= A *4,5%) (C= A+B) (D) (E) (F=C+E) (G=F/A)) Araraquara/FO , , ,00 0, , ,00 8,3% Araraquara/FCF , , ,00 0, , ,00 8,6% Araraquara/FCL , , ,00 0, , ,00 8,8% Araraquara/IQ , , ,00 0, , ,00 7,5% Franca/FHDSS , , ,00 0, , ,00 8,4% Jaboticabal/FCAV , , ,00 0, , ,00 9,0% Rio Claro/IB , , ,00 0, , ,00 9,5% Rio Claro/IGCE , , ,00 0, , ,00 9,7% Botucatu/AG¹ , , ,00 0, ,00 14,1% Botucatu/FM , , ,00 0, , ,00 8,6% Botucatu/FMVZ , , ,00 0, , ,00 10,9% Botucatu/FCA , , ,00 0, , ,00 9,9% Botucatu/IB , , ,00 0, , ,00 10,4% São Paulo/IA , , ,00 0, , ,00 7,0% Guaratinguetá/FE , , ,00 0, , ,00 9,6% S. J. dos Campos/FO , , ,00 0, , ,00 8,1% Assis/FFC , , ,00 0, , ,00 9,2% Marília/FFC , , ,00 0, , ,00 10,2% Pres. Prudente/FCT , , ,00 0, , ,00 11,0% Araçatuba/FO , , ,00 0, , ,00 9,0% Araçatuba/FMV , , ,00 0, , ,00 10,6% Ilha Solteira/FE , , ,00 0, , ,00 9,3% S. J. do Rio Preto/IBILCE , , ,00 0, , ,00 9,7% Bauru/AG , , ,00 0, ,00 4,5% Bauru/FE , , ,00 0, , ,00 10,2% Bauru/FC , , ,00 0, , ,00 11,2% Bauru/FAAC , , ,00 0, , ,00 10,7% São Vicente² , , ,00 0, ,00 8,0% Dracena² , , ,00 0, ,00 8,0% Itapeva² , , ,00 0, ,00 8,0% Tupã² , , ,00 0, ,00 8,0% Registro² , , ,00 0, ,00 8,0% Rosana² , , ,00 0, ,00 8,0% Ourinhos² , , ,00 0, ,00 8,0% Sorocaba² , , ,00 0, ,00 8,0% TOTAL , , ,00 1, , ,00 9,4% Notas: ¹ No orçamento de custeio da AG/Botucatu constam R$ ,00 para cobrir despesas de energia elétrica, consumo de água e esgosto oriundas da partição que ocorreu com a Autarquia HC. ² As unidades diferenciadas não fazem parte do Modelo de Custeio, portanto, o orçamento está sendo corrigido em inflação + PIB = 8,0%

21 PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL (PDI 2013)

22 Nº PROGRAMA VALORES INICIAIS/2013 RESERVA DE REGULARIZAÇÃO VALOR TOTAL 1 GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS , , ,00 2 SAUDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL , , ,00 3 INCENTIVO E CONSOLIDAÇÃO DA PESQUISA , , ,00 4 INFRAESTRUTURA DA PESQUISA , , ,00 5 AVALIAÇÃO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO NA UNESP , ,00 6 AMPLIAÇÃO E DIVERSIFICAÇÃO DO ACESSO À UNIVERSIDADE , , ,00 7 APERFEIÇOAMENTO DO ENSINO DE GRADUAÇÃO NA UNESP , , ,00 8 INTEGRAÇÃO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA COM O ENSINO E A PESQUISA , , ,00 9 ATENDIMENTO ÀS DEMANDAS SOCIAIS, VISANDO A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DA COMUNIDADE , , ,00 10 AVALIAÇÃO DA PÓS-GRADUAÇÃO 11 EXCELÊNCIA NO ENSINO DE PÓS-GRADUAÇÃO 12 INSERÇÃO DO CORPO DOCENTE NA PÓS-GRADUAÇÃO. 13 PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA SOCIAL 14 INTERNACIONALIZAÇÃO DA UNESP 15 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO 16 INCENTIVO À PROTEÇÃO DO CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 17 APOIO E DESENVOLVIMENTO DA REDE DE BIBLIOTECAS 18 GESTÃO DE INFORMAÇÕES ESTRATÉGICAS 19 APOIO AS UNIDADES AUXILIARES, COMPLEMENTARES E COLÉGIOS TÉCNICOS 20 RESERVA TÉCNICA 21 RESERVA TÉCNICA II (REGULARIZAÇÃO) TOTAL PDI , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,00

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1047/2012. O Prefeito do Município de Pinhalão, Estado do Paraná. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1047/2012 O Prefeito do Município de Pinhalão,. SÚMULA: Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2013 e dá outras providências. Faço saber que a Câmara Municipal decreta, e eu,

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

Considerações iniciais

Considerações iniciais Boletim Informativo Maio de 2015 Repasses tributários do Estado para Guarulhos Repasses tributários do Estado para Guarulhos Considerações iniciais 1. Dada a mudança de cenário econômico, baseado no aumento

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13

ESTADO DE GOIÁS PREFEITURA MUNICIPAL DE CATALÃO LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL L O A EXERCÍCIO DE 2016. 1 de 13 L O A DE 1 de 13 NOME DO ESTADO NOME DO MUNICÍPIO NOME DO PREFEITO(A) CARGO NOME CARGO CADASTRO DE DADOS DO MUNICÍPIO ESTADO DE GOIÁS JARDE SEBBA PREFEITO MUNICIPAL ABRANTE SILVERIO DE SOUZA CONTADOR CADASTRO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE DECRETO Nº 22.561, DE 10 DE FEVEREIRO DE 2012. Fixa normas para a execução orçamentária e financeira do exercício de 2012 e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO RIO GRANDE

Leia mais

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA

3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA 3 - PLANEJAMENTO, PROGRAMAÇÃO, ORÇAMENTAÇÃO E EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA Os principais instrumentos utilizados pelo governo para promover o planejamento, a programação, a orçamentação e a execução orçamentária

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Analista/Técnico MPU 3/5-7 Conceituação e classificação de receita pública. 8 Classificação orçamentária de receita pública por categoria econômica no Brasil. 9.

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO : PCP 06/00076210 UNIDADE : Município de BALNEÁRIO CAMBORIÚ RESPONSÁVEL : Sr. RUBENS SPERNAU - Prefeito

Leia mais

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.

ESTADO DO ACRE LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000. LEI N. 1.358 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2000.. Publicado no D.O.E n 7.942 de 09 de janeiro de 2001.. Alterada pela Lei nº 2.956, de 9 de abril de 2015 Institui o Programa de Incentivo Tributário para Empresas,

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 0,00 Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E GESTÃO LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 2016 ÍNDICE 1 - LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS 5 LEI Nº 15.870,

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.611, DE 03 DE JANEIRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.611, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.611, DE 03 DE JANEIRO DE 2012. Cria o programa "POUPANÇA FISCAL", altera a Lei n 8.486, de 26 de fevereiro de 2004, que instituiu campanha de incentivo à emissão de documentos

Leia mais

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.038, DE 14 DE JANEIRO DE 2005 Dispõe sobre o Programa Municipal de Parcerias Público- Privadas. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Prefeitura Municipal de Guaranésia

Prefeitura Municipal de Guaranésia LEI 1.652, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2006. ESTIMA A RECEITA E FIXA A DESPESA DO MUNICÍPIO DE GUARANÉSIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2007. O Prefeito Municipal de Guaranésia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente,

Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente, Mensagem nº 72/2014. Salvador, 30 de setembro de 2014. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014. O Povo do Município de Belo Horizonte, por seus representantes, decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 10.727, DE 4 DE ABRIL DE 2014 Concede reajuste remuneratório, altera as leis n os 7.227/96, 8.690/03, 9.240/06, 9.303/07 e 10.202/11, e dá outras providências. O Povo do Município de Belo Horizonte,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 12/2011/CONSU Estabelece normas para o relacionamento entre a Universidade Federal de

Leia mais

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009

Resolução nº 102, de 15 de dezembro de 2009 English Sobre o CNJ Presidência Corregedoria Atos Administrativos Ouvidoria Sistemas Programas de A a Z Mapa do Site Página Inicial Atos Administrativos Atos da Presidência Resoluções Resolução nº 102,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MPS SECRETARIA DE POLÍTICAS DE PREVIDÊNCIA SOCIAL SPPS DEPARTAMENTO DOS REGIMES DE PREVIDÊNCIA NO SERVIÇO PÚBLICO DRPSP COORDENAÇÃO-GERAL DE AUDITORIA, ATUÁRIA, CONTABILIDADE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA ESTADO DE SANTA CATARINA TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DIRETORIA DE CONTROLE DOS MUNICÍPIOS DMU PROCESSO PCP 08/00199278 UNIDADE Município de Joinville RESPONSÁVEL Sr. Marco Antonio Tebaldi - Prefeito Municipal

Leia mais

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL

ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL ICMS ECOLÓGICO, A OPORTUNIDADE DO FINANCIAMENTO DA GESTÃO AMBIENTAL MUNICIPAL NO BRASIL Wilson Loureiro 1 O ICMS Ecológico é um mecanismo que possibilita aos municípios acessarem recursos financeiros do

Leia mais

ESTADO DE SANTA CATARINA

ESTADO DE SANTA CATARINA PROJETO DE LEI Nº 261/2014 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício financeiro de 2015. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA, NO EXERCÍCIO DO CARGO DE GOVERNADOR DO ESTADO DE SANTA CATARINA,

Leia mais

Lei nº 542/09/2009. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal

Lei nº 542/09/2009. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal M U N I C Í P I O D E C H I A P E T A Lei nº 542/09/2009 Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de CHIAPETA para o Exercício de 2010.. OSMAR KUHN, Prefeito Municipal de CHIAPETA, faz saber a todos

Leia mais

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS

GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS GERAÇÃO DE ENERGIA E OS BENEFÍCIOS PARA OS MUNICÍPIOS SINDICATO DA CONSTRUÇÃO, GERAÇÃO, TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E GÁS NO ESTADO DE MATO GROSSO. (SINDENERGIA) ÍNDICE DE PARTICIPAÇÃO

Leia mais

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo

NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo NOTA CONASEMS Regras para utilização dos recursos transferidos fundo a fundo O Financiamento da Saúde, de acordo com a Constituição Federal de 1988, é responsabilidade das três esferas de Governo, com

Leia mais

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF

MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MUNICÍPIOS COM POPULAÇÃO INFERIOR A 50.000 HABITANTES QUE OPTARAM PELA DIVULGAÇÃO SEMESTRAL DOS ANEXOS DOS ARTS. 53, 54 E 55 DA LRF MODELO / SUGESTÃO PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DAS METAS DO TERCEIRO

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente,

RIO GRANDE DO NORTE. Senhor Presidente, RIO GRANDE DO NORTE Mensagem n.º 046/2012 GE Em Natal, 14 de setembro de 2012. Excelentíssimo Senhor Deputado Ricardo Motta M.D. Presidente da Assembléia Legislativa do Estado. Senhor Presidente, Tenho

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97

QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 QUADRO COMPARATIVO DAS PROPOSTAS PARA REVOGAÇÃO DA LEI 7176/97 PROPOSTA GOVERNO Art. 1º - A Universidade do Estado da Bahia - UNEB, criada pela Lei Delegada n.º 66, de 1º de junho de 1983, a Universidade

Leia mais

O Congresso Nacional decreta:

O Congresso Nacional decreta: Dispõe sobre os valores mínimos a serem aplicados anualmente por Estados, Distrito Federal, Municípios e União em ações e serviços públicos de saúde, os critérios de rateio dos recursos de transferências

Leia mais

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE

CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE CONSELHO CURADOR DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO RESOLUÇÃO N 289, DE 30 DE JUNHO DE 1998 Estabelece diretrizes para a aplicação dos recursos e a elaboração das propostas orçamentárias do FGTS,

Leia mais

NOTA TÉCNICA N o 12/2014

NOTA TÉCNICA N o 12/2014 NOTA TÉCNICA N o 12/2014 Brasília, 21 de Agosto de 2014. ÁREA: Finanças TÍTULO: Fundo de Participação dos Municípios (FPM) REFERÊNCIA: Constituição Federal de 1988; Resolução TCU nº242; Lei 5.172/1966,

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011

RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS RESOLUÇÃO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO (CONSUNI) N.º 03/2011 Dispõe sobre as normas gerais para a celebração de contratos ou convênios da Universidade

Leia mais

RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET)

RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET) RESULTADOS DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE SECRETARIA DE ESTADO DA TRIBUTAÇÃO (SET) Elaborado pelo Sindicato dos Auditores Fiscais do Tesouro do Estado do RN SINDIFERN O presente

Leia mais

Lei nº 590/10/2010. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal

Lei nº 590/10/2010. Do Orçamento do Município. Dos Orçamentos das Unidades Gestoras Prefeitura e Câmara Municipal M U N I C Í P I O D E C H I A P E T A Lei nº 590/10/2010 Estima a Receita e fixa a Despesa do Município de CHIAPETA para o Exercício de 2011.. OSMAR KUHN, Prefeito Municipal de CHIAPETA, faz saber a todos

Leia mais

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI:

LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito Municipal, sanciono a seguinte LEI: LEI Nº 008/2003, DE 01 DE JULHO DE 2003. Súmula: Dispõe sobre as diretrizes orçamentárias para o ano 2.004 e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE RESERVA, Estado do Paraná, aprovou, e eu Prefeito

Leia mais

LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990

LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação LEI Nº 8.088, DE 31 DE OUTUBRO DE 1990 Dispõe sobre a atualização do Bônus do Tesouro Nacional e dos depósitos de poupança e dá outras providências.

Leia mais

Financiamento da Saúde

Financiamento da Saúde Financiamento da Saúde Goiânia, 18 de junho de 2015. BASE LEGAL Constituição Federal Lei 8080 / 8142 Lei Complementar n. 141 (Regulamentação EC 29) EC 86 1 Linha do tempo do financiamento do SUS EC Nº

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA LEI Nº 2228, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2009. PUBLICADA NO DOE Nº1396, DE 28.12.09 Altera, acrescenta e revoga dispositivos da Lei nº 959, de 28 de dezembro de 2000. O GOVERNADOR DO ESTADO DE RONDÔNIA: Faço

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014

DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE PÚBLICA EXERCÍCIO DE 2014 NOTAS EXPLICATIVAS 1. DIVULGAÇÃO DE POLÍTICAS CONTÁBEIS Políticas contábeis são os princípios, bases, convenções, regras e procedimentos específicos aplicados pela entidade na elaboração e na apresentação

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 4: Programação Orçamentária e Financeira) Professor: Bruno César

Leia mais

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento

Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Módulo: Orçamento Público Elaboração, Controle e Monitoramento Agosto de 2007 1. O que é orçamento? O orçamento é uma forma de planejar e executar despesas que tanto os indivíduos quanto as instituições

Leia mais

Notas explicativas às Informações Financeiras Trimestrais em 30 de setembro de 2002 Em milhares de reais

Notas explicativas às Informações Financeiras Trimestrais em 30 de setembro de 2002 Em milhares de reais 1 Apresentação das Informações Trimestrais - IFT Apresentadas conforme norma do Banco Central do Brasil BACEN. 2 Práticas contábeis As Informações Financeiras Trimestrais - IFT s são de responsabilidade

Leia mais

Electro Aço Altona S/A

Electro Aço Altona S/A Electro Aço Altona S/A Companhia Aberta de Capital Autorizado CNPJ n.º 82.643.537/0001-34 IE n.º 250.043.106 Rua Eng.º Paul Werner, 925 CEP 89030-900 Blumenau SC Data base: 30 de Junho de 2011 1 Destaques

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009

RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009 RESOLUÇÃO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO N. 1/2009 Estabelece normas para captação e gestão de recursos financeiros por meio de convênios e contratos. O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento

Estado do Rio de Janeiro PREFEITURA MUNICIPAL DE CANTAGALO Secretaria Municipal de Governo e Planejamento 1 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL GUIA PRÁTICO PARA O CIDADÃO O que é a LRF? A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), ou Lei Complementar nº 101, é o principal instrumento regulador das contas públicas no

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA GOVERNADORIA Alterada pelas Leis nºs: 1723, de 21.03.07 DOE Nº 0725, de 29.03.07; 1795, de 31.10.07 DOE Nº 0870, de 31.10.07; 1920, de 11.07.08 DOE Nº 1039, de 17.07.08; 2002, de 15.12.08 DOE Nº 1145, de 16.12.08;

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 291, DE 03 DE MAIO DE 2013 Projeto de Lei Complementar nº 02/2013 Autor: Prefeito Municipal Henrique Lourivaldo Rinco de Oliveira Dispõe sobre a criação do Programa de Incentivo ao

Leia mais

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007

Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 80 Inepar Telecomunicações S.A. Demonstrações Contábeis em 31 de dezembro de 2008 e 2007 Parecer dos Auditores Independentes 81 Aos Acionistas da Inepar Telecomunicações S.A Curitiba - PR 1. Examinamos

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE LEI N. 2.678, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012 Estima a Receita e fixa a Despesa do Estado para o exercício financeiro de 2013, e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE FAÇO SABER que a Assembleia

Leia mais

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L

Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei nº 8.069/90): Artigos 260 a 260-L Art. 260. Os contribuintes poderão efetuar doações aos Fundos dos Direitos da Criança e do Adolescente nacional, distrital, estaduais

Leia mais

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico).

* V. Instrução Normativa SRF 422/2004 (Incidência, apuração e exigência da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). LEI 10.336, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2001 Institui Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico incidente sobre a importação e a comercialização de petróleo e seus derivados, gás natural e seus derivados,

Leia mais

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009

DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 DECRETO Nº 1.565, DE 26 DE MARÇO DE 2009 Publicado no DOE(Pa) de 27.03.09. Alterado pelos Decretos 1.677/09, 323/12. Regulamenta a Lei nº 5.674, de 21 de outubro de 1991, que dispõe sobre o Fundo de Desenvolvimento

Leia mais

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI

Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) 1. PROJETO DE LEI PROJETO DE LEI Nº 36 de 2014 - CN (Mensagem nº 365 de 2014, na origem) ROL DE DOCUMENTOS 1. PROJETO DE LEI 2. EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS 3. MENSAGEM 4. LEGISLAÇÃO CITADA PROJETO DE LEI Nº 36, DE 2014 Altera

Leia mais

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13

ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 1 ORÇAMENTO 2014 QUADRO COMPARATIVO ENTRE A LEI Nº 9.979/13 E O PROJETO Nº 307/13 LEI Nº 9.979/13 Estima a receita e fixa a despesa do Estado para o exercício Financeiro de 2013. PROJETO DE LEI Nº 307/13

Leia mais

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014.

O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. NOTAS EXPLICATIVAS O presente documento apresenta os resultados alcançados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial Senac-DF, no exercício de 2014. Nota 1 Conteúdo Operacional Senac, criado pelo

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria

MESTRE MARCENEIRO Conceitos básicos para Formação de preço na marcenaria Importância da formação do preço. A intensificação da concorrência entre as marcenarias, indústria de móveis em série e lojas de móveis modulares exige, por parte dos Marceneiros, a apuração eficaz das

Leia mais

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL

LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI DE INCENTIVO AO ESPORTE ESTADUAL LEI Nº 13.918, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2009 Dispõe sobre a comunicação eletrônica entre a Secretaria da Fazenda e o sujeito passivo dos tributos estaduais, altera a Lei

Leia mais

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 11.306, DE 16 DE MAIO DE 2006 Estima a receita e fixa a despesa da União para o exercício financeiro de 2006. O P R E S I D E N T E D A R E P Ú B L I C A Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução.

Art. 2º) A peça orçamentária e parte integrante desta resolução. FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE DO CONTESTADO FUnC RESOLUÇÃO 01/2010 FUnC Dispõe sobre o orçamento 2010 da FUnC. O Presidente da Fundação Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art.

Leia mais

- CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO -

- CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO - - - REGULAMENTO GERAL DO CÓDIGO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E CONTABILIDADE PÚBLICA DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO Atualizado até o último decreto de alteração Decreto nº 31.043, de 03/09/2009. REGULAMENTO-GERAL

Leia mais

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS

ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS ANEXO III PROPOSTA ECONÔMICO FINANCEIRA DA SABESP PARA A REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA - RMBS MUNICÍPIO DE SANTOS 1 Sumário 1. Equilíbrio econômico-financeiro metropolitano...3 2. Proposta econômico-financeira

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA N o 2.187-12, DE 27 DE JULHO DE 2001. Dispõe sobre o reajuste dos benefícios mantidos pela Previdência Social, e

Leia mais

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I

VOLUME ASSUNTO PÁGINA VOLUME I VOLUME I I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário previsto no art. 7o, 4o, desta Lei; 4 VOLUME I II - Recursos destinados

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Fazenda Departamento Geral de Administração e Finanças TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Código de Classificação: 13.02.01.15 1 DO OBJETO: A presente licitação tem por objeto a contratação de empresa para prestação dos serviços de cobertura securitária (seguro) para assegurar

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta

Excelentíssimo Senhor Deputado MARCELO NILO Digníssimo Presidente da Assembleia Legislativa do Estado da Bahia Nesta Mensagem nº 032/2015. Salvador, 29 de setembro de 2015. Senhor Presidente, Tenho a honra de encaminhar a Vossa Excelência, para a apreciação dessa augusta Assembleia Legislativa, o anexo Projeto de Lei

Leia mais

Diário Oficial Estado de São Paulo

Diário Oficial Estado de São Paulo Diário Oficial Estado de São Paulo Diário da Assembléia Legislativa Poder Legislativo Palácio Nove de Julho Av. Pedro Álvares Cabral, 201 Ibirapuera - CEP: 04097-900 Fone: (011) 3886-6122 Nº 63 DOE de

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE PARANATINGA

CÂMARA MUNICIPAL DE PARANATINGA LEI Nº. 005/2000 Dispõe sobre as Diretrizes Orçamentárias para o exercício de 2001 VILSON PIRES, Prefeito Municipal de Paranatinga, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais e considerando

Leia mais

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223

UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 UPOFA UNIÃO PREVIDENCIAL CNPJ. Nº 76.678.101/0001-88 Sede: Rua Emiliano Perneta, 10 9º andar Curitiba/PR Fone (41) 3224-6734 Fax (41) 3223-4223 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Cumprindo determinações legais

Leia mais

DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016.

DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016. DECRETO Nº 212/2016 DE 18 DE JANEIRO DE 2016. APROVA O PLANO ANUAL DE AUDITORIA INTERNA PAAI 2016, PREVISTO NA INSTRUÇÃO NORMATIVA SCI N 02/2008, DE RESPONSABILIDADE DA UNIDADE DE CONTROLE INTERNO, E DÁ

Leia mais

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução

NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4. Introdução NOTA TÉCNICA: ICMS VERDE Por: Denys Pereira 1, Maíra Começanha 2, Felipe Lopes 3 e Justiniano Netto 4 Introdução Conforme deliberado na 13 o reunião do Comitê Gestor do Programa Municípios Verdes COGES/PMV,

Leia mais

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015

Análise das Medidas Provisórias 664 e 665. Análise de Conjuntura. Janeiro 2015 Análise das Medidas Provisórias 664 e 665 Análise de Conjuntura Janeiro 2015 Medidas Sociais Seguro Desemprego Abono Salarial Pensão por Morte Seguro Defeso Auxílio doença Impacto das medidas R$ + de 18

Leia mais

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26

TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 CAPÍTULO : Normas Básicas - 1 SEÇÃO : Consórcios - 26 TÍTULO : PLANO CONTÁBIL DAS INSTITUIÇÕES DO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL - COSIF 1 26. Consórcios 1. Procedimentos Específicos de Escrituração 1 - Para fins de elaboração dos Documentos Balancete e Balanço

Leia mais

ÍNDICE SEÇÃO I DAS CONTRIBUIÇÕES SEÇÃO II DO CARREGAMENTO SEÇÃO IV DOS RESULTADOS FINANCEIROS SEÇÃO V DO RESGATE SEÇÃO VI DA PORTABILIDADE

ÍNDICE SEÇÃO I DAS CONTRIBUIÇÕES SEÇÃO II DO CARREGAMENTO SEÇÃO IV DOS RESULTADOS FINANCEIROS SEÇÃO V DO RESGATE SEÇÃO VI DA PORTABILIDADE PLANO COM REMUNERAÇÃO GARANTIDA E PERFORMANCE PRGP MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL TÍTULO I DAS CARACTERÍSTICAS TÍTULO II DAS DEFINIÇÕES ÍNDICE TÍTULO III DA CONTRATAÇÃO

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa LEI Nº 13.305, DE 02 DE DEZEMBRO DE 2009. (publicada no DOE nº 232, de 03 de dezembro de 2009) Autoriza o Poder Executivo

Leia mais

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD

CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD CARTILHA DE DOAÇÃO PARA O FUMCAD ÍNDICE O que é o FUMCAD 2 Conceito e Natureza Jurídica 2 Doações 3 Dedução das Doações Realizadas no Próprio Exercício Financeiro 4 Passo a Passo para a Doação 5 Principais

Leia mais

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH

ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH ANEXO 05 - Minutas de Ato Autorizativo para PCH A) Para Autoprodução PORTARIA Nº, DE DE DE 2005 Autoriza a empresa... a estabelecer-se como Autoprodutor de Energia Elétrica, mediante a implantação e exploração

Leia mais

LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 9.639, DE 25 DE MAIO DE 1998. Dispõe sobre amortização e parcelamento de dívidas oriundas de contribuições sociais e outras importâncias devidas ao Instituto Nacional do Seguro Social INSS, altera

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.276, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Autoriza o Poder Executivo a conceder parcelamento de débitos fiscais relacionados com o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO Assunto : Consulta sobre operações interestaduais de vendas para empresas de construção civil. PARECER Nº 015/05/GETRI/CRE/SEFIN O contribuinte que faz a consulta é empresa que comercializa produtos betuminosos,

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.311, de 31 de dezembro de 2012 DOU de 31.12.2012 Altera a Instrução Normativa RFB nº 1.131, de 21 de fevereiro de 2011, que dispõe sobre os procedimentos a serem adotados para

Leia mais

INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011

INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011 INFORMAÇÃO Nº 013/2011 GOC Brasília, 10 AGO 2011 Para: Superintendência Administrativa e Financeira - SAF Assunto: Justificativas da Proposta Orçamentária de 2012 Senhor Superintendente, Esta Gerência

Leia mais

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde

Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde Rosália Bardaro Núcleo de Assuntos Jurídicos Secretaria de Estado da Saúde A Regulamentação 9 anos de tramitação no Congresso Nacional A Lei foi editada com a seguinte estrutura: - Disposições preliminares;

Leia mais

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER

O PREFEITO DE GOIÂNIA, no uso de suas atribuições legais, e CAPÍTULO I DO FUNDO MUNICIPAL DE ESPORTE E LAZER 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 4139, DE 11 DE SETEMBRO DE 2013. Regulamenta o Fundo Municipal de Esporte e Lazer e o Incentivo ao Esporte e Lazer e dá outras providências. O PREFEITO DE GOIÂNIA, no

Leia mais

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS

PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS PROJETO DE LEI DAS PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS 9 PROJETO DE LEI Institui normas gerais para licitação e contratação de parceria público-privada, no âmbito da administração pública. O CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências.

LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. LEI COMPLEMENTAR Nº 139, DE 25 DE JANEIRO DE 1996. Altera a Lei Complementar n.º 129, de 02 de fevereiro de 1995 e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER que

Leia mais

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PROJETO DE LEI N O 4.855/2001

AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PROJETO DE LEI N O 4.855/2001 AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PROJETO DE LEI N O 4.855/2001 Emile Boudens Consultor Legislativo da Área XV Educação, Desporto, Bens Culturais, Diversões e Espetáculos Públicos ESTUDO JANEIRO/2002 Câmara dos

Leia mais

EMENTÁRIO LEI N.º 946, DE 20 DE JANEIRO DE 2006

EMENTÁRIO LEI N.º 946, DE 20 DE JANEIRO DE 2006 LEI N.º 946, DE 20 DE JANEIRO DE 2006 (D.O.M. 20.01.2006 Nº. 1406 Ano VII) DISPÕE sobre o Plano de Saúde dos Servidores Públicos do Município de Manaus SERVMED, institui o correspondente Fundo de Custeio

Leia mais

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE VGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO DE PLANO INDIVIDUAL REGULAMENTO ALFAPREV VGBL RF VIP ALFA PREVIDÊNCIA E VIDA S/A CNPJ 02.713.530/0001-02 Alameda Santos,

Leia mais

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE - PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL ICATU ESTRATÉGIA 2040 SILVER - INDIVIDUAL

PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE - PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL ICATU ESTRATÉGIA 2040 SILVER - INDIVIDUAL PLANO GERADOR DE BENEFÍCIO LIVRE - PGBL MODALIDADE DE CONTRIBUIÇÃO VARIÁVEL REGULAMENTO PGBL ICATU ESTRATÉGIA 2040 SILVER - INDIVIDUAL TÍTULO I - DAS CARACTERÍSTICAS Art. 1º. A ICATU Seguros S/A*, doravante

Leia mais

Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ

Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Diário Oficial DO MUNICÍPIO DE JI-PARANÁ Publicação dos atos ofi ciais da Prefeitura Municipal de Ji-Paraná, de acordo com a Lei Municipal n.º 070, de 02/07/200 0 ANO IX - DIÁRIO OFICIAL NÚMERO 856 Ji-Paraná

Leia mais

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto.

Art. 1º - Fica aprovado o Regimento Interno da Central do Sistema de Controle Interno, anexo ao presente Decreto. DECRETO N.º 961/08 De 01 de julho de 2008. APROVA O REGIMENTO INTERNO DA CENTRAL DO SISTEMA DE CONTROLE INTERNO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. A PREFEITA MUNICIPAL DE VALE DO SOL, no uso de suas atribuições

Leia mais

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397

A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.718.300 CIRCULANTE E EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 24.397 BANCO CENTRAL DO BRASIL FUNDO DE GARANTIA DOS DEPÓSITOS E LETRAS IMOBILIÁRIAS - FGDLI BALANÇO PATRIMONIAL DE ENCERRAMENTO - EM 29 DE ABRIL DE 2005 A T I V O P A S S I V O CIRCULANTE E REALIZÁVEL A LONGO

Leia mais

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.)

RESOLUÇÃO N 3. 347. Art. 2º (Revogado) (Revogado pela Resolução nº 3.706, de 27/3/2009.) RESOLUÇÃO N 3. 347 Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE). O BANCO CENTRAL DO BRASIL,

Leia mais

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL)

FUNDAÇÃO CELESC DE SEGURIDADE SOCIAL CELOS. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 E 2009 (Em R$ MIL) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, instituída pela Centrais Elétricas de Santa Catarina S.A. Celesc, nas Assembléias Gerais Extraordinárias AGE de acionistas realizadas

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO SECRETARIA DE ESTADO DE ECONOMIA E PLANEJAMENTO SUBSECRETARIA DE ESTADO DE ORÇAMENTO GERÊNCIA DE PROGRAMAÇÃO E CONTROLE ORÇAMENTÁRIO CONTEÚDO DO DOCUMENTO LEI DE DIRETRIZES

Leia mais

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP)

Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Formação dos integrantes do Conselho de Planejamento e Orçamento Participativos (CPOP) Conceitos gerais de gestão pública: princípios e regras da administração pública, processos de licitação, contratos

Leia mais

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS

DICIONÁRIO DE TRIBUTOS DICIONÁRIO DE TRIBUTOS CGC/MF - Cadastro Geral de Contribuintes do Ministério da Fazenda. Substituído pelo CNPJ (Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica), da Receita Federal, identifica cada pessoa jurídica

Leia mais