ASPECTOS DO PRESIDENCIALISMO NA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL: O VETO PRESIDENCIAL COMO INSTRUMENTO DE BALANÇA DE PODER 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS DO PRESIDENCIALISMO NA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL: O VETO PRESIDENCIAL COMO INSTRUMENTO DE BALANÇA DE PODER 1"

Transcrição

1 ASPECTOS DO PRESIDENCIALISMO NA CONSTITUIÇÃO DO BRASIL: O VETO PRESIDENCIAL COMO INSTRUMENTO DE BALANÇA DE PODER 1 Thiago Pacheco Costa Krebs 2 Resumo: O presente trabalho busca, através da identificação da organização do Estado, demonstrar a prática da doutrina da separação de poderes, bem como a sua ligação com o sistema de freios e contrapesos, entre os poderes executivo e legislativo. É utilizado o enfoque da realidade brasileira que, através do sistema de governo presidencial, regula a relação dos poderes funcionais do Estado. O veto presidencial, neste contexto, aparece como forma de conter os abusos do poder legislativo, entretanto tem-se demonstrado, muitas vezes, como elemento de barganha política. Palavras-chave: Estado Poder Separação dos poderes Sistema de freios e contrapesos Poder Executivo Poder Legislativo Veto. Abstract: This paper intends to demonstrate, through the identification of the State s organization, the practice of the doctrine regarding power division, as well as its vinculum with the checks and balances system, between the Executive and Legislative powers. The focus is on the Brazilian reality which, through the presidential government system, regulates the relations between the State s functional powers. Within this context, the presidential veto appears as a way to refrain abuses of the Legislative power; however, at times it has been evidenced as an element of political bargain. Key words: State Power Power segregation Checks and balances system Executive Power Legislative Power - Veto Sumário: 1. Introdução. 2. Organização do Estado 2.1 O Estado e o Poder 2.2 A Separação de Poderes 2.3 Sistema de Freios e Contrapesos 2.4 Formas e Sistemas De Governo 3. Presidencialismo 3.1 História do Presidencialismo 3.2 O Presidencialismo na Constituição do Brasil de Os Poderes do Presidente da República 4. O Veto Presidencial 4.1 Conceito de Veto 4.2 Motivação e Procedimentos do Veto 4.3 Reapreciação do Veto Pelo Legislativo 4.4 O Veto Presidencial Como Balança de Poder 5. Conclusão. 6. Referências Bibliográficas. Introdução: A relação entre o Poder do Estado e a sua divisão funcional sempre encontrou grande divergência doutrinária nas diferentes áreas do conhecimento. Assim aconteceu com a ciência jurídica, a ciência política, a teoria geral do estado, a sociologia, a filosofia. 1 Artigo extraído do trabalho de conclusão de curso apresentado como requisito parcial à obtenção do grau de Bacharel em Ciências Jurídicas e Sociais da Faculdade de Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul aprovado pela banca examinadora composta pelo orientador Prof. Me. Marcus Vinicius Martins Antunes, Prof. Dr. Alexandre Mariotti e Prof. Me. Jarbas Lima. 2 Aluno graduado pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

2 2 O presente trabalho preocupa-se, acima de tudo, com um enfoque constitucional, isto é, pretende tratar, de forma interdisciplinar, da relação de dois dos três poderes de um Estado, quais sejam: o poder legislativo e o poder executivo. A motivação inicial da pesquisa está centrada na atual situação do Estado brasileiro que, depois de muitas demarches, retomou a característica de Estado democrático, sobretudo após uma ditadura de 24 anos. É por causa disso que a Nação brasileira sempre demonstrou uma certa instabilidade no que diz respeito aos poderes constituídos. A pesquisa delimita-se a abordar o tema do controle dos poderes, por meio do sistema de freios e contrapesos, através do veto do presidente no processo legislativo. Esse sistema de controle do executivo é estudado no sistema presidencialista, pois a maior dificuldade de relação entre os poderes está neste sistema político de governo e a direta ligação com o Estado brasileiro. No primeiro capítulo, serão analisados os elementos constitutivos do Estado, bem como a exteriorização do poder, a doutrina da separação dos poderes e o sistema de freios e contrapesos para melhor identificar a relação dos poderes. Será considerada no estudo também a relação que se desenvolve entre o Estado e o Governo, descrevendo as formas de governo e seus sistemas correspondentes. No segundo capítulo, buscar-se-á demonstrar especificamente o sistema presidencialista, desde seu surgimento, com a Constituição Norte Americana, a realidade brasileira, anterior e posterior à atual Constituição, bem como as modalidades com que se desenvolvem os poderes do Presidente da República. No terceiro e último capítulo, será demonstrado a sistemática da relação do veto presidencial como sistema de balança de poder. Serão analisadas também as regras constitucionais que regem o veto do executivo, bem como a sua funcionalidade para evitar algum abuso do poder legislativo. Desse modo, o tema apresenta-se sumamente importante, haja vista que atualmente, no Brasil, são discutidas mudanças e reformas políticas, com o intuito de trazer maior eficiência ao Estado, frente às necessidades e anseios populares.

3 3 2. Organização do Estado 2.1 O Estado e o Poder Um conceito unitário de Estado não é encontrado na doutrina, pois o seu caráter é complexo e variável. Dalmo de Abreu Dallari, citando a obra de David Easton informa que se encontram nada menos do que cento e quarenta e cinco diferentes definições. 3 Historicamente, há cinco estágios diferentes de Estado: Estado Antigo, Estado Grego, Estado Romano, Estado Medieval e Estado Moderno. 4 Gustavo Gozzi, analisando o Estado Moderno, identifica uma mudança fundamental na estrutura do Estado diante da nova ordem social. A partir da segunda metade do século XIX, surgem novas classes sociais, o que dificulta, em muito, o curso do governo no auxílio do bem comum. É o Estado Contemporâneo, no qual os direitos sociais vislumbram a participação no poder político e a distribuição da riqueza social. Nasce, então, uma relação conflituosa com o Estado Liberal, aonde a liberdade pessoal, política e econômica constitui um dique contra a intervenção estatal. 5 Segundo Norberto Bobbio, o Estado e a política têm em comum a referência ao acontecimento do poder. 6 Este é conceituado, em sentido amplo, como a capacidade ou a possibilidade de agir e produzir efeitos. Tanto pode referir-se a indivíduos e a grupos humanos, quanto a objetos e fenômenos naturais. 7 O Estado por ser um grupo social tem poder próprio denominado de poder político ou estatal. Assim, utiliza-se deste para coordenar, impor regras e limites para atingir os seus fins, visando manter a ordem e a busca do bem comum. 8 É característica marcante desta forma de poder, o exercício de medidas de força para obter os efeitos desejados, embora em última instância. 9 3 EASTON, David. The Political System. Nova York: Alfred A. Knopf, p apud DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. 13. ed. Brasília: UnB, p BOBBIO, Norberto. Estado Governo Sociedade: Para uma Teoria Geral da Política. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, p BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. 13. ed. Brasília: UnB, v. 2. p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p BOBBIO, Norberto. Estado Governo Sociedade: Para uma Teoria Geral da Política. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, p. 80.

4 4 Uma parte da doutrina ensina que o poder do Estado é político; entretanto, outra parte, tendo como expressão a obra de Hans Kelsen, informa que o poder que o Estado emana é o jurídico, pois é através deste que o Estado submete os homens. 10 Porém, Dalmo de Abreu Dallari, citando Miguel Reale, diz que o poder do Estado é exercido através de uma organização jurídica, isto não significa dizer que o poder esteja totalmente no âmbito do direito. Na realidade ele nunca deixa de ser substancialmente político. 11 Observa-se que o Estado também é um sujeito de direito, pois como pessoa jurídica tem direitos e deveres criados através da vontade jurídica, visando os interesses coletivos, evitando-se ações arbitrárias. 12 O Estado contemporâneo, a partir das lutas contra o absolutismo monárquico, buscou ideais libertários. Baseado nos movimentos de libertação, como a revolução inglesa, a independência americana e a revolução francesa, demonstraram que o Estado deveria ser do povo. Assim, consolidou-se tanto a idéia de Estado democrático que, até mesmo o governo mais totalitário quer aparentar ser democrático. Para tanto, o Estado democrático deverá conter, como características básicas, a supremacia da vontade popular, a preservação da liberdade e a igualdade de direitos. 13 Portanto, o Estado pode ser compreendido como democrático e de direito, exercendo poderes políticos e jurídicos, com intuito de promover, através de sua soberania, o bem comum do povo situado em seu território. 2.2 A Separação de Poderes O Estado não existe sem a presença do poder, e o seu exercício pelos órgãos estatais pode ser dividido e distribuído. Desta forma, com o intuito de conter a concentração de poder do Estado, é que aparece a teoria da separação de poderes DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p REALE, Miguel; Teoria do Direito e do Estado. São Paulo: Martins, apud DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p FILHO, Manuel Gonçalves de Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Saraiva, p. 131.

5 Igreja. 16 Entretanto, como observa Dalmo de Abreu Dallari, a concepção moderna da 5 A idéia da limitação do poder político do Estado tem como base de pensamento a Antiguidade Clássica, remontando à Grécia e a Roma antiga algumas de suas idéias. 15 Na idade média, a teoria da constituição média não passou de tradição literária, visto que na prática pouco existiu, tendo-se como notório o poder absoluto do Rei e da teoria da separação de poderes não foi procurar na Antiguidade sua inspiração, sendo construída em função de grandes conflitos sociais. 17 A doutrina da separação de poderes surgiu primeiramente na Inglaterra, no século XVII, associada à idéia do Rule of Law, com essência anti-absolutista. Segundo Nuno Piçarra, Rule of Law foi a primeira forma histórica do que viria a ser o Estadotipo do Ocidente, ou seja, o Estado Constitucional ou de Direito. Esta forma de Estado, baseada na constituição mista, ficou conhecida como monarquia mista. Ela surge, não para conter o abuso do poder, mas para compor uma unidade política às diversas ordens existentes. 18 No livro O Príncipe, de Maquiavel, pode-se também perceber que, na França do século XVI, já existia a separação das funções do Estado. No capítulo que trata da forma como o Príncipe pode e deve evitar o ódio, Maquiavel esclarece que, na França, existe o Parlamento e um órgão para controlar os poderosos, delegando tarefas de julgamento. Desta forma, estabelece uma distinção entre o legislativo, o executivo e o Judiciário. 19 Na obra de John Locke, Two Treatises of Government (1690), encontra-se a primeira sistematização doutrinária sobre a separação de poderes, a partir da experiência inglesa. Adepto da corrente contratualista, Locke identifica que o limite das leis naturais são as leis fixas e estabelecidas de comum acordo. Desta forma, afirma o caráter da supremacia do poder legislativo. Entende-se que este poderia ser corrompido caso não 15 PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p MAQUIAVEL. O PRÍNCIPE. 6. ed. São Paulo: Martin Claret, p.116.

6 6 houvesse limitação. Nesta senda, o autor supracitado, refere-se à separação de poderes entre o legislativo e o executivo. 20 Montesquieu aborda especificamente a doutrina da separação dos poderes em seu livro De l Esprit des Lois, no capítulo VI do Livro XI, publicado no fim da primeira metade do século XVIII (1748). Entretanto, mesmo que no capítulo citado estejam as idéias fundamentais do pensador sobre o tema, somente através da leitura global do texto que se pode depreender a doutrina que impregnou o constitucionalismo liberal. 21 Em o Espírito das Leis, o pensador francês demonstra a idéia de limitação de poder com vista à liberdade política. Segundo o autor, a liberdade não pode consistir senão em poder fazer o que se deve querer, e em não ser constrangido a fazer o que não se deve desejar, isto é, o direito de fazer tudo aquilo que as leis facultam. 22 Essa idéia de limitação do abuso do poder com intuito de promover a liberdade e a legalidade é tratada, segundo a obra supracitada, através da separação dos poderes: [...] a experiência eterna nos mostra que todo o homem que tem poder é sempre tentado a abusar dele; e assim irá seguindo, até que encontre limites... Para que não se possa abusar do poder, é preciso que, pela disposição das coisas, o poder contenha o poder. Uma Constituição pode ser feita de tal forma, que ninguém será constrangido a praticar coisas que a lei não obriga, e a não fazer aquelas que a lei permite. 23 Segundo Paulo Bonavides, o Estado constitucional da separação de poderes surge imediatamente após as revoluções da Independência Americana e a Revolução Francesa. 24 Na Constituição Imperial de 1824, o Brasil faz a separação de poderes de quatro naturezas, pois, além do legislativo, executivo e judiciário, havia o poder moderador que regulava, através do Imperador, os demais. Desde a Constituição Republicana de 1891, o Brasil adota o sistema da separação de poderes, conforme a melhor tradição francesa da tripartição dos poderes PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis: Martin Claret, p MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis: Martin Claret, p BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 4. ed. São Paulo: Malheiros p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p. 145.

7 7 Hoje, com a Constituição de 1988, o princípio está normatizado no artigo 2º, o qual afirma que os poderes, legislativo, executivo e judiciários, são independentes e harmônicos entre si Sistema de Freios e Contrapesos No século XVII, a função legislativa era, progressivamente, tratada como a função principal do Estado. Daí surgia o problema desse poder ser exercido de forma arbitral e assim extrapolar suas funções no Estado. 27 Portanto, para evitar a tirania de um dos poderes, surge o sistema de freios e contrapesos (checks and balances), tentando estabelecer um mecanismo de controle recíproco entres os poderes do Estado. 28 Paulo Fernando Silveira afirma o surgimento da balança de poder na Inglaterra, ao dizer que: o balance originou-se na Inglaterra, pela qual a Câmara dos Lordes passou a equilibrar (balancear) os projetos de leis advindos da Câmara dos Comuns, a fim de evitar que as leis demagogas, ou formuladas pelo impulso [...] fossem aprovadas. 29 Nuno Piçarra assegura que a balança de poderes se identifica com o modelo da monarquia mista, aplicada ao modelo orgânico-funcional do Estado que tem no centro o legislativo. 30 Os freios que um poder pode exercer sobre o outro, ou sobre os outros, tem o seu marco inicial nos Estados Unidos, quando no julgamento do caso Marbury x Madison, o juiz Marshal declarou que o poder Judiciário tinha a missão constitucional de declarar inconstitucionalidade dos atos do congresso, quando estes fossem contrários a Constituição americana. 31 Dalmo de Abreu Dallari, por sua vez, explica que, segundo o sistema de freios e contrapesos, o Estado pratica atos gerais e atos especiais. Os atos gerais são praticados pelo legislativo quando emitem regras gerais e abstratas, enquanto os especiais são 26 SILVEIRA, Paulo Fernando. Freios e Contrapesos. Belo Horizonte: Del Rey, p PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p STRECK, Lenio e MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p SILVEIRA, Paulo Fernando. Freios e Contrapesos. Belo Horizonte: Del Rey, p PIÇARRA, Nuno. A Separação dos Poderes como Doutrina e Princípio Constitucional. Coimbra: Coimbra, p SILVEIRA, Paulo Fernando. Freios e Contrapesos. Belo Horizonte: Del Rey, p. 99.

8 8 efetuados pelo executivo, por meios concretos para atuar sobre as normas gerais. Assim o legislativo, com atos abstratos não poderia abusar de seu poder, bem como o executivo, que deveria atuar sobre a égide das normas do legislativo. 32 Na Constituição brasileira encontram-se inúmeros casos do sistema de freios e contrapesos, como exemplo: a) por parte do executivo, o veto presidencial (CF, art. 66 1º) 33 ; b) por parte do legislativo o poder de fiscalização direto (CF, art. 49, X) 34 ; c) por parte do poder judiciário o controle da constitucionalidade das leis. O poder demasiado conferido ao Presidente da República, combinado com a relação política com o congresso, pode transformar o poder executivo em uma ditadura constitucional, relegando o legislativo a menor representatividade. No entanto, a falta de maioria parlamentar, por parte do executivo, sobreporá o poder legislativo, impondo ineficiência à Administração do Estado. 35 Através de interpretações ao princípio da separação de poderes, e da ineficiência do sistema de freios e contrapesos, nota-se que ocorrem situações em que um poder vem a exercer a função de outro. 36 O Estado, cada vez mais aclamado a solucionar problemas sociais e econômicos necessita de leis mais numerosas e mais técnicas. Porém, a realidade mostra que o legislativo, muitas vezes, emite suas normas obedecendo a determinações e conveniências do executivo ou a elaboração legislativa se demonstra lenta, em virtude da burocracia administrativa ou por pressões políticas dos demais poderes DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p BRASIL. Constituição Federal (1988). 25. ed. São Paulo: Saraiva, Art. 66. A Casa na qual tenha sido concluída a votação enviará o projeto de lei ao Presidente da República, que, aquiescendo, o sancionará. 1º - Se o Presidente da República considerar o projeto, no todo ou em parte, inconstitucional ou contrário ao interesse público, vetá-lo-á total ou parcialmente, no prazo de quinze dias úteis, contados da data do recebimento, e comunicará, dentro de quarenta e oito horas, ao Presidente do Senado Federal os motivos do veto. 34 BRASIL. Constituição Federal (1988). 25. ed. São Paulo: Saraiva, Art. 49. É da Competência exclusiva do Congresso Nacional: [...] X - fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta. 35 DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p. 220.

9 9 O executivo, por sua vez, pressionado a solucionar problemas de sua administração, não pode esperar a morosidade do legislativo, 38 muitas vezes socorrendo-se às medidas provisórias para efetivar a administração. 39 É certo que a separação de poderes implementada no Estado liberal não conseguiu implementar a liberdade individual. A sociedade plena de injustiças sociais tem, cada vez mais, através das políticas administrativas, procrastinado as camadas mais humildes, oprimindo a liberdade humana, frente ao poder econômico liberal e a disputa pelo poder político da Nação Formas e Sistema de Governo Segundo Lenio Luiz Streck e José Luis Bolzan, o vocábulo forma deve ser reservado para a classificação do tipo de estrutura da organização política de um país. 41 Aristóteles, no seu livro Política, classifica as formas de governo e identifica as formas corretas de constituição: As palavras Constituição e Governo têm o mesmo sentido, e o governo, que é a suprema autoridade da Cidade, tem de estar, ou nas mãos de um, ou nas de uns poucos, ou nas de muitos. 42 Segundo a doutrina aristotélica, cada uma das formas de governo pode sofrer degenerações, quando os governantes passam a exercer o poder político do Estado por interesses particulares. Assim, as formas que antes seriam puras, são substituídas por impuras. Em resumo, a realeza se transforma em tirania, a aristocracia se degenera em oligarquia e o governo constitucional passaria à democracia. 43 Maquiavel expõe novo ponto de vista da caracterização das formas de governo. Para tanto, é importante determinar sua visão em duas de suas obras, quais sejam: Discursos sobre a Primeira Década de Tito Lívio, publicada em 1531, e O Príncipe publicado em DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p STRECK, Lenio e MORAIS, José Luis Bolzan de. Ciência Política e Teoria Geral do Estado. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p ARISTÓTELES. POLÍTICA. São Paulo: Martin Claret, p Segundo Aristóteles, o Governo Constitucional é a forma pura de governo exercido pela administração da Cidade por uma grande parte dos cidadãos; já a democracia seria a forma de governo degenerada, pois teria em mira apenas o interesse da massa. ARISTÓTELES. POLÍTICA. São Paulo: Martin Claret, p. 124.

10 10 Na primeira obra, o autor procura sustentar a existência de ciclos de governo. 44 A segunda obra de Maquiavel, que segundo Bobbio, 45 se trata de uma reflexão de política militante, identifica duas formas de governo, logo na sua primeira frase: Todos os Estados que existem e já existiram são e foram sempre repúblicas ou principados. 46 Montesquieu, segundo o sociólogo Raymund Aron, tem forte inspiração aristotélica, tendo o autor influência da tradição da política clássica grega. O pensador francês, como Aristóteles, vê três formas de governo, também baseadas no número de governantes. Contudo, Montesquieu difere de Aristóteles, pois considera a democracia e a aristocracia como duas modalidades da república, bem como disse Maquiavel, e determina que não basta saber o número de governantes, mas também os sentimentos políticos fundamentais de cada forma. 47 Os doutrinadores contemporâneos tendem, em sua maioria 48, a classificar como forma de governo a república e a monarquia. 49 As características principais da monarquia são: a vitaliciedade, não havendo limitação temporal para o exercício de governo; a hereditariedade, a escolha do monarca se dá pela linha sucessória; e a irresponsabilidade, visto que o monarca não deve explicações ao povo ou a qualquer órgão. 50 Já, as características principais da república são: a temporariedade, pois o Chefe do Governo recebe um mandato com prazo de duração determinado; eletividade, haja vista que na república há necessidade de o Chefe de Governo ser eleito pelo povo; e responsabilidade, pois o Chefe de Governo deve prestar contas de suas orientações políticas. 44 DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p BOBBIO, Norberto. Estado Governo Sociedade: Para uma Teoria Geral da Política. 7. ed. São Paulo: Paz e Terra, p MAQUIAVEL. O PRÍNCIPE. 6. ed. São Paulo: Martin Claret, p ARON, Raymond. As Etapas do Pensamento Sociológico. 6. ed. São Paulo: Marins Fontes, p Posicionamento diferente encontra-se nas obras de Norberto Bobbio e Gianfranco Pasquino, que acreditam que as formas de governo atendem à dinâmica das relações entre poder executivo e o poder legislativo e respeita, em particular, às modalidades de eleição dos dois organismos, ao seu título de legitimidade e à comparação das suas prerrogativas. Desta forma, compreendem como bipartição clássica das formas de governo a forma de governo parlamentar e a forma de governo presidencialista. BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. 5. ed. Brasília: UnB, v. 1. p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p Dallari informa que houve casos de monarquias eletivas, com voto indireto dos príncipes eleitores, entretanto a regra é a hereditariedade. DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p. 226.

11 Estado. 52 Segundo José Afonso da Silva, sistemas de governo são técnicas que regem as 11 Outro ponto importante da organização do Estado e de governo é a divisão federativa. Da simples leitura do artigo 1º da Constituição Federal, denota-se que o Brasil é uma república federativa. Segundo Dalmo de Abreu Dallari 51, os Estados são federais quando conjugam vários centros de poder político de autônomos. Importante tema a ser tratado na concepção de Estado é a relação que o poder executivo tem com o legislativo, configurando a criação dos sistemas de governo que organizam o relações entre o poder legislativo e o poder executivo, no exercício das funções governamentais. 53 O modo como se operam estas técnicas, com maior independência ou maior colaboração, ou a combinação de ambos numa assembléia, dá origem a três sistemas básicos, ou seja, o convencional, o parlamentarismo ou o presidencialismo. 54 O sistema convencional prevê o domínio político pela assembléia, não havendo executivo separado. Se existir um Chefe de Estado, ele será figura decorativa e nem haverá governo separado, porque esse será exercido por uma Comissão da Assembléia. Este modelo, de referência parlamentarista, nasce na França, na Constituição montanhesa de 24 de junho de Os exemplos de Estados com sistema convencional são os da Suíça, de Cuba, da antiga URSS, da Polônia, da Hungria, da Romênia e da Bulgária. 56 Alexandre de Moraes explica que o parlamento surgiu e se desenvolveu em muitos países da Europa, durante o Estado medieval, na forma de instituições políticas e genericamente denominadas parlamentos ou cortes gerais, ou ainda, Estados Gerais. 57 A revolução inglesa em 1688, conhecida como Revolução Gloriosa, transforma o parlamentarismo como a maior força política da época 58. Dallari expõe, com clareza, a situação parlamentar frente à revolução inglesa: 51 DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p. 18.

12 12 A Revolução Inglesa, que teve seu ápice nos anos de 1688 e 1689, culminou com a expulsão do Rei católico Jaime II, que foi substituído por Guilherme de Orange e Maria, ambos protestantes, embora ela fosse filha do próprio Jaime II. A partir de 1688 o Parlamento se impõe como maior força política, e altera, inclusive, a linha sucessória, com a exclusão do ramo católico dos Stuarts, o que iria ter sérias conseqüências poucos anos depois. Durante o reinado de Guilherme e Maria, bem como no de sua sucessora, a Rainha Ana, estabeleceu-se o hábito de convocação pelo soberano de um Conselho de Gabinete, que era um corpo restrito de conselheiros privados, consultados regularmente sobre assuntos de relações exteriores. 59 Alexandre de Moraes aponta, ainda, que, com o advento do constitucionalismo, o parlamentarismo passa para uma fase conhecida como a racionalização do parlamentarismo, que consiste na subordinação do sistema à norma jurídicoconstitucional. O autor, de forma exemplificativa, cita Mirkine-Guetzévitch, sobre o tema: Formulando e confirmando, como o fez, o parlamentarismo, a Europa nova foi muito mais longe que as nações ocidentais do parlamentarismo clássico. Essa nova concepção, que apareceu nos textos das Constituições européias, transformou o costume em uma fórmula exata do direito escrito. As Constituições já não se limitam a formular em termos gerais e vagos a responsabilidade política dos ministros. Ao contrário, as diversas Constituições estabeleceram, com mais ou menos precisão, o próprio princípio do parlamentarismo; introduziram igualmente o processo interessante do voto de desconfiança, germe de uma forma de processo constitucional do parlamentarismo. Ao lado destas novas formas do parlamentarismo nitidamente definido, ligado ao princípio, característico de todas as novas Constituições, da supremacia do poder legislativo, vê-se surgir o referendum. E este referendum novo adquire um sentido político totalmente diferente do referendum suíço ou americano. 60 Então, as características principais do parlamentarismo encontradas na doutrina são: a) Distinção entre Chefe de Estado e Chefe de Governo; b) Primeiro-Ministro é indicado (ou mesmo nomeado) pelo Presidente da República ou Monarca; c) Chefe de governo com responsabilidade; d) Dissolução da Câmara; Manoel Gonçalves Ferreira Filho assevera que no parlamentarismo há uma divisão funcional de funções entre o legislativo, o executivo e o judiciário. 61 A 58 MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p MIRKINE-GUETZÉVITCH. As novas tendências do direito constitucional. São Paulo: Nacional, p Apud MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p FILHO, Manuel Gonçalves de Ferreira. O Parlamentarismo. São Paulo: Saraiva, p. 9.

13 13 separação dos poderes se dá por cooperação ou interdependência, e não por independência como no presidencialismo. Essa interdependência se relaciona principalmente entre o poder legislativo e o executivo, em relação a uma coresponsabilização. 62 O parlamentarismo é adotado, por uma considerável parte da doutrina, (Paulo Bonavides, Jarbas Lima, Miguel Reale) como possibilidade para a realidade brasileira, sem, contudo desenvolver uma solução milagrosa, mas como possibilidade de contornar algumas práticas políticas que o presidencialismo não contribuiu para um quadro mais favorável. 63 Já o presidencialismo, tem como suas principais características: a) O Presidente da República é Chefe de Estado e Chefe de Governo; b) A chefia do executivo é unipessoal; c) O Presidente da República é escolhido pelo povo; d) O Presidente é escolhido por um prazo determinado; e) O Presidente da República tem poder de veto; Portanto, diante da caracterização básica dos sistemas de governo, parece o parlamentarismo mais apto a conter crises do que o presidencialismo, vista a relação de interdependência dos poderes executivo e legislativo, e da co-responsabilização política dos poderes. 3. Presidencialismo 3.1 História do presidencialismo Alexandre de Moraes aponta como marco inicial do sistema de governo presidencialista a constituição norte-americana de 1787, tendo como literatura de análise e caracterização os artigos federalistas de John Jay, James Madison e Alexander Hamilton. 64 É evidente que o sistema presidencialista teve forte influência dos colonizadores ingleses de cultura parlamentar. Alexandre de Moraes diz claramente que os pais fundadores dos Estados Unidos reuniram-se na Filadélfia, na Constituição de 1787 e que, num primeiro momento, foi fortemente marcado pela influência parlamentar 62 LIMA, Jarbas. Direito e Justiça: Revista da Faculdade de Direito da PUCRS Parlamentarismo Instrumento de Soluções para o Brasil. v. 27. Porto Alegre: Edipucrs p LIMA, Jarbas. Direito e Justiça: Revista da Faculdade de Direito da PUCRS Parlamentarismo Instrumento de Soluções para o Brasil. v. 27. Porto Alegre: Edipucrs p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p. 16

14 14 britânica, mas acabou por gerar um sistema que confronta em uma única pessoa a maior concentração de poder na história moderna contemporânea. 65 A Constituição americana foi aprovada por estreita margem de convencionais. Nas convenções de ratificação nos Estados, poucos votos separaram as forças próconstituição (os federalistas) e os opositores (antifederalistas), ou seja, poucos votos de diferença garantiram a criação do sistema presidencialista de governo. Dalmo de Abreu Dallari descreve, em parte, os acalorados debates da Confederação da Filadélfia: [...] os adeptos do simples aperfeiçoamento da confederação alegavam, antes de tudo, que não tinham mandato para mais do que isso. Compreendendo muito bem que a adesão à federação significaria a perda da soberania e da independência, lembravam que só haviam recebido a incumbência de rever os Artigos de Confederação. Por esse motivo, não teria validade jurídica um ato que fosse além disso, parecendo mesmo a alguns que aceitar a federação seria trair a confiança dos representados. Outro argumento ardorosamente sustentado era que a federação tinha um caráter excessivamente centralizador, pois representaria a submissão de todos a um governo central [...] 66 Alexandre de Moraes, por seu turno, afirma que se pretendia implementar um regime de governo semelhante ao parlamentarismo constitucional inglês, sem, porém, a figura do rei. 67 Também, segundo o autor supracitado, no processo histórico o presidencialismo apresenta mudanças, inicialmente caracterizadas por um processo político autoritário e centralizador, em torno da figura presidencial. Mais modernamente, numa tentativa de ampliação dos poderes de controles parlamentares e judiciais o presidencialismo procura garantir uma maior estabilidade democrática. 68 A luta pela concretização democrática, especialmente na América Latina e na África que seguiram o modelo presidencialista norte-americano, tem gerado grandes debates sobre as difíceis escolhas sobre modelos institucionais a serem implementados a fim de garantir-se, nas gestões dos negócios públicos, o necessário equilíbrio entre os diversos órgãos detentores do poder estatal, bem como a possibilidade de maior estabilidade de controle e fiscalização MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p DALLARI, Dalmo de Abreu. Elementos de Teoria Geral do Estado. 24. ed. São Paulo: Saraiva, p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p. 16.

15 país. 75 Portanto, a Constituição de 1891 apresentava o sistema federativo, inspirado nos 15 No Brasil, o sistema presidencialista originou-se com a Constituição de 1891, a qual operou outras importantes mudanças no Estado brasileiro, tais como a república e o federalismo. 70 Em 1834 a Constituição do Império de 1824 sofreu um Ato Adicional que redimiu de certo modo o caráter absolutista outorgado pelo poder Moderador do Imperador, contido nos artigos 98 a 100 da Carta Magna. 71 Entretanto, tal ato acaba perdendo força com a lei de interpretação de 1840, tratando a leitura do ato de forma concentrada do poder. 72 O poder central, abalado por rebeliões e pressões liberais, sucumbe às forças descentralizadoras em 1889, tendo o seu marco legal o decreto n. 1, de 15 de novembro de 1889, que proclamou a República Federativa, 73 sem, no entanto, mencionar a forma presidencial de governo. 74 Paulo Bonavides sustenta que Rui Barbosa, idealizador da Constituição de 1891, tinha como posição ideológica o federalismo, independentemente da forma ou do sistema de governo, pois acreditava que a federação era indispensável ao progresso do ideais do constitucionalismo americano, em uma república que expurgava idéias parlamentaristas, visto como um sistema peculiar às realezas constitucionais do velho mundo Presidencialismo na Constituição do Brasil de 1988 Em 1984, o deputado Dante de Oliveira propõe uma emenda constitucional para implementar a eleição direta para Presidente; entretanto, tal medida não obteve êxito, restando a eleição indireta que elegeu Tancredo Neves à Presidência da República ANTUNES, Marcus Vinicius Martins. Mudança Constitucional: O Brasil pós 88. Porto Alegre: Livraria do Advogado p BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 4. ed. São Paulo: Malheiros p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 15. ed. São Paulo: Malheiros p BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 4. ed. São Paulo: Malheiros p BONAVIDES, Paulo. Teoria do Estado. 4. ed. São Paulo: Malheiros p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p. 114.

16 16 O então Presidente eleito veio a falecer antes de assumir o cargo, tomando posse o seu vice, José Sarney, que sempre manteve vínculos com as forças militares, provocando certa desesperança do povo. Contudo, o Presidente deu seqüência à fase de democratização, enviando ao Congresso Nacional emenda constitucional e convocando uma Assembléia Constituinte. 78 O presidencialismo brasileiro, mesmo após a redemocratização, demonstrou-se instável às crises institucionais, prova disso é que o primeiro Presidente eleito diretamente pelo voto popular, Fernando Collor, sofreu um impeachment. A Carta Constitucional manteve o presidencialismo, contudo, informando, no artigo 2º das disposições transitórias que deverá o povo, através de plebiscito, escolher a forma e o sistema de governo. A data do plebiscito, marcado para o dia 7 de setembro de 1993, foi alterada, através da Emenda Constitucional nº 2 de 1992, para 21 de abril de Paulo Bonavides assevera que a antecipação da data do plebiscito foi equivalente a um golpe de Estado, visto que infringiu a norma constitucional. Aponta também que a data, constante nos atos transitórios constitucionais, não poderia ser alterada, ocasionando lesão ao texto magno, tanto do ponto de vista material, quanto do formal. 80 Mantido o presidencialismo, este se caracteriza por ser um sistema de governo de separação de poderes, baseado na tripartição de Montesquieu. 81 O sistema da separação de poderes que, de início, mostrou-se rígido, passou a atenuar-se, manteve-se, entretanto, mais brando do que o idealizado. 82 O Presidente da República será escolhido pelo povo, através de sufrágio universal, por sistema eleitoral majoritário de dois turnos, ao qual, caso o candidato não obtenha maioria absoluta no primeiro turno, haverá mais uma votação entre os dois candidatos mais bem votados, 83 conforme regra do artigo 77 3º da Constituição Federal SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p SILVA, José Afonso da. Curso de Direito Constitucional Positivo. 24. ed. São Paulo: Malheiros, p BONAVIDES, Paulo. Curso de Direito Constitucional. 15. ed. São Paulo: Malheiros p FILHO, Manuel Gonçalves de Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Saraiva, p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p BRASIL. Constituição Federal (1988). 25. ed. São Paulo: Saraiva, Art. 77. A eleição do Presidente e do Vice-Presidente da República realizar-se-á, simultaneamente, no primeiro domingo de outubro, em primeiro turno, e no último domingo de outubro, em segundo turno, se houver, do ano

17 17 A escolha do Presidente é por tempo determinado, que segundo o artigo 82 da Constituição Federal será de quatro anos. 85 O tempo razoável para a duração do mandato presidencial não é pacífico na doutrina. 86 No Brasil, desde a primeira Constituição republicana, nunca se possibilitou a reeleição ao cargo de Presidente, até o ano de A Constituição de 1988 repeliu a idéia de reeleição nos seus artigos 14 5º e Entretanto, na primeira oportunidade de reeleição, posterior à ditadura, houve a Emenda Constitucional nº 16 de 1997, possibilitando a mesma. 88 A Constituição veda mais de dois mandatos sucessivos, ou seja, após dois mandatos consecutivos, não poderá o Presidente se candidatar novamente para a eleição subseqüente, incidindo sobre ele a inelegibilidade relativa por motivos funcionais para o mesmo cargo, mas logo após esse pleito, terá novamente chances de se candidatar, visto que a constituição não veda a quantidade de vezes que uma pessoa possa exercer mandatos presidenciais, mais sim a sucessividade indeterminada de mandatos. 89 anterior ao do término do mandato presidencial vigente; [...] 3º - Se nenhum candidato alcançar maioria absoluta na primeira votação, far-se-á nova eleição em até vinte dias após a proclamação do resultado, concorrendo os dois candidatos mais votados e considerando-se eleito aquele que obtiver a maioria dos votos válidos. 85 BRASIL. Constituição Federal (1988). 25. ed. São Paulo: Saraiva, Art. 82. O mandato do Presidente da República é de quatro anos e terá início em primeiro de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição. 86 Alexandre de Moraes informa a diversidade do prazo ao identificar que no Brasil já se teve prazo de 4 anos (Constituições Federais de 1934, 1967 e 1988), 5 anos (Constituição Federal de 1946) e de 6 anos (Constituição Federal de 1937 e Emenda Constitucional de 1969). MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p Alexandre de Moraes assevera que os artigos constitucionais que vetavam a reeleição estavam dispostos: art. 14 5º - São inelegíveis para os mesmos cargos, no período subseqüente, o Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido, ou substituído nos seis meses anteriores ao pleito."; art O mandato do Presidente da República é de quatro anos, vedada a reeleição para o período subseqüente, e terá início em 1º de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição. Hoje, após a EC nº 16, têm seus textos assim: art. 14 5º - O Presidente da República, os Governadores de Estado e do Distrito Federal, os Prefeitos e quem os houver sucedido ou substituído no curso dos mandatos poderão ser reeleitos para um único período subseqüente ; art. 82 O mandato do Presidente da República é de quatro anos e terá início em primeiro de janeiro do ano seguinte ao da sua eleição. MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p. 125.

18 Os poderes do presidente Gianfranco Pasquino afirma que o presidencialismo está caracterizado pela acumulação, por parte do chefe do executivo, dos poderes de Chefe de Estado e Chefe de Governo. 90 Segundo Alexandre de Moraes, apoiado nas idéias de Santiago Sanchez Gonzáles e Pilar Mellado Prado, o presidencialismo reúne numa única pessoa a maior concentração de poder da história da humanidade, por causa do apoio da maioria do Eleitorado. 91 Certo é que os fundadores do presidencialismo nunca teriam imaginado que o poder do Presidente seria tão centralizador quanto se tornou. Neste sentido, Alexandre Hamilton explica em parte este poder centralizador: As ações do governo federal serão mais amplas e significativas em tempos de guerra e ameaças; as dos governos estaduais, em tempos de paz e segurança. Como os primeiros serão provavelmente bem mais raros que os últimos, os governos estaduais gozarão sob este aspecto de mais vantagens sobre o governo federal. De fato, quanto mais os poderes federais puderem se tornar aptos à defesa nacional, menos freqüentes serão aqueles cenários de ameaça que poderiam favorecer sua ascendência sobre os governos dos vários Estados. Examinando-se a nova Constituição com esmero e imparcialidade, verifica-se que a mudança que ela propõe consiste muito menos no acréscimo de novos poderes à União que na revitalização de seus poderes originais. 92 Paulo Bonavides, identificando a centralização dos poderes do Presidente, assevera que estes são considerados assoberbantes e esmagadores, sendo o sistema criticado por ser o regime de um homem só. 93 O mesmo autor, citando Gilberto Amado, afirma que o regime presidencial escraviza o parlamento, canaliza a irresponsabilidade e torna-se o grande poder. 94 Dentre os gigantescos poderes presidenciais, pode-se apontar o da chefia da Administração Pública, na qual o Presidente vale-se de ministérios e serviços públicos entregues a cargos de confiança. 95 Assim, a Constituição brasileira de 1988, define como atribuições do Presidente da república a de nomear e exonerar os Ministros de Estado (art. 84, I); exercer, com 90 BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola, PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de Política. 5. ed. Brasília: UnB, v. 1. p GONZALEZ, Santiago Sanchez; PRADO, Pilar Mellado. Sistemas políticos actuales. 2ª Ed. Madrid: Centro de Estúdios Ramón Areces, p. 81. apud MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p HAMILTON, Alexander, MADISON, James, JAY, John. O Federalista. Campinas: Russel p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. Ed. São Paulo: Malheiros p. 298.

19 19 auxílio dos Ministros a direção superior da Administração Federal (art. 84; II) prover e extinguir os cargos públicos federais na forma da lei (art. 84, XXV). 96 Em relação aos poderes do Presidente para conduzir a política externa, pode-se dizer que o Presidente é o chefe diplomático do país, mesmo dividindo competências com o Congresso. 97 O Presidente também é quem exerce a chefia de Estado, mostrando a exteriorização do Estado aos olhos estrangeiros. 98 Segundo Alexandre de Moraes, há um amplo entendimento de que o Presidente da República está investido de grande poder, competindo-lhe, inclusive, dar reconhecimento ou não de status a governo estrangeiro. 99 Ainda, dentre as atribuições do Presidente, cabe-lhe manter relações com Estados estrangeiros, creditar seus representantes diplomáticos, celebrar tratados, fazer convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional, 100 bem como, presidir cerimônias cívicas, representação do Estado em atos solenes internacionais, recepção de embaixadores, o grão-mestrado das ordens honoríficas, conselhos e até mesmo arbitragem nas crises e conflitos políticos internacionais. 101 Outro setor importante que se denota em relação ao poder do Presidente é a chefia das forças armadas, garantindo ao chefe do executivo, na paz ou na guerra, supremacia da autoridade civil, eleita democraticamente. 102 Cabe, por fim, ao Presidente poderes legislativos, como o veto presidencial, as medidas provisórias, propor emendas constitucionais, remeter mensagem e plano de governo ao Congresso Nacional por ocasião da abertura da sessão legislativa, expondo a situação do país e solicitando as providências que achar necessárias, enviar ao Congresso o plano plurianual, o projeto de diretrizes orçamentárias, bem como prestar anualmente, ao Congresso Nacional, as contas relativas ao exercício anterior BRASIL. Constituição Federal (1988). 25. ed. São Paulo: Saraiva, Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da República: [...] XXV - prover e extinguir os cargos públicos federais, na forma da lei; 97 MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p FILHO, Manuel Gonçalves de Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Saraiva, p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p FILHO, Manuel Gonçalves de Ferreira. Curso de Direito Constitucional. 30. ed. São Paulo: Saraiva, p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p BONAVIDES, Paulo. Ciência Política. 11. ed. São Paulo: Malheiros p. 301.

20 da lei. 105 O veto, ao contrário da sanção, é a manifestação de discordância do Presidente O Veto Presidencial 4.1 Conceito de Veto Segundo J. Cretella Júnior, sanção é o ato integrativo formal, com o qual o Presidente da República sacramenta o ato legislativo. 104 Ao lado da sanção, há outra operação integrativa, a promulgação, que é o ato complementar que atesta a existência com o projeto de lei apresentado pela Câmara Legislativa, consagrando-se como técnica de controle de exercício do poder político. 106 Pinto Ferreira informa que o instituto do veto já existia na Roma antiga 107, através dos tribunos da plebe, que se sentavam no vestíbulo do Senado, e anulavam as decisões, coibindo abusos do Senado e da velha oligarquia. 108 A Inglaterra recebeu o instituto do veto como prerrogativa da Coroa. 109 Entretanto, como sustenta Manuel Garcia Pelayo 110, o veto cai em desuso a partir de 1709, não tendo sido abolido. Na realidade é pouco utilizado, visto o caráter cooperativo que o parlamentarismo tem no processo legislativo. A primeira Constituição Francesa, após a Revolução, datada de 03 de setembro de 1791, consagrou o instituto do veto, como poder do rei. As Constituições seguintes não consagraram o veto. Somente na Constituição de 1830 é que o instituto do veto volta a ser admitido JÚNIOR, José Cretella. Comentários à Constituição Brasileira de Vol. V. Rio de Janeiro: Forense p JÚNIOR, José Cretella. Comentários à Constituição Brasileira de Vol. V. Rio de Janeiro: Forense p MORAES, Alexandre de. Presidencialismo. São Paulo: Atlas p Ernesto Rodrigues identifica que o poder de veto na Roma antiga advém da intercessão (intercessio) dos cônsules romanos. Afirma que a magistratura, no inicio, era representada pelo Consulado, regidos pelo principio da colegialidade, destinado a conter abusos do Poder Soberano. Assim poderiam, através do intercessio (veto, jus prohibendi) anular os atos de um colega ou magistrado inferior. RODRIGUES, Ernesto. O Veto no Direito Comparado. São Paulo: Revista dos Tribunais, p FERREIRA, Pinto. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. São Paulo: Saraiva, p FERREIRA, Pinto. Curso de Direito Constitucional. 9. ed. São Paulo: Saraiva p PELAYO, Manuel Garcia. Derecho Constitucional comparado. 3. ed. Madrid: Revista de Occidente, p RODRIGUES, Ernesto. O Veto no Direito Comparado. São Paulo: Revista dos Tribunais, p

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO

HISTÓRIA DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO Maurício Barbosa Paranaguá Seção de Projetos Especiais Goiânia - 2015 Origem do Poder Legislativo Assinatura da Magna Carta inglesa em 1215 Considerada a primeira Constituição dos

Leia mais

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

UNIDADE: FACULDADE DE DIREITO DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS ÍNDICE Código Disciplina Página DIR 02-07411 Direito Constitucional I 2 DIR 02-07417 Direito Constitucional II 3 DIR 02-00609 Direito Constitucional III 4 DIR 02-00759 Direito

Leia mais

Subseção I Disposição Geral

Subseção I Disposição Geral Subseção I Disposição Geral Art. 59. O processo legislativo compreende a elaboração de: I - emendas à Constituição; II - leis complementares; III - leis ordinárias; IV - leis delegadas; V - medidas provisórias;

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº, DE 2015 As Mesas da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, nos termos do 3º do art. 60 da Constituição Federal, promulgam a seguinte Emenda ao texto constitucional:

Leia mais

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador.

2. (CESPE/MMA/2009) O modelo de federalismo brasileiro é do tipo segregador. 1. (CESPE/SEJUS-ES/2009) A CF adota o presidencialismo como forma de Estado, já que reconhece a junção das funções de chefe de Estado e chefe de governo na figura do presidente da República. 2. (CESPE/MMA/2009)

Leia mais

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015. (Da Sra. Cristiane Brasil)

PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015. (Da Sra. Cristiane Brasil) PROPOSTA DE EMENDA À CONSTITUIÇÃO Nº., DE 2015 (Da Sra. Cristiane Brasil) Altera o artigo 14, parágrafo 5º., da Constituição Federal, para determinar a proibição da reeleição por períodos descontinuados,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO IV DA ORGANIZAÇÃO DOS PODERES CAPÍTULO I DO PODER LEGISLATIVO Seção II Das Atribuições do Congresso Nacional Art. 49. É da competência exclusiva

Leia mais

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER

DIVISÃO ESPACIAL DO PODER DIVISÃO ESPACIAL DO PODER FORMA DE ESTADO: UNITÁRIO 1. Puro: Absoluta centralização do exercício do Poder; 2. Descentralização administrativa: Concentra a tomada de decisões, mas avança na execução de

Leia mais

300 Questões Comentadas do Poder Executivo

300 Questões Comentadas do Poder Executivo 1 Para adquirir a apostila de 300 Questões Comentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ESTA APOSTILA SERÁ ATUALIZADA ATÉ A DATA DO ENVIO S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...82

Leia mais

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO

Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO 1 Universidade Federal de Santa Catarina UFSC Centro de Ciências Jurídicas CCJ Departamento de Direito DIR PLANO DE ENSINO I IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Nome Curso HISTÓRIA DO DIREITO DIREITO Código DIR

Leia mais

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS

Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS Tema DC - 01 INTRODUÇÃO DO ESTUDO DO DIREITO CONSTITUCIONAL RECORDANDO CONCEITOS 1 1. CONCEITO BÁSICO DE DIREITO Somente podemos compreender o Direito, em função da sociedade. Se fosse possível ao indivíduo

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS

DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS DIREITO CONSTITUCIONAL EM QUADROS Prof. Gabriel Dezen Junior (autor das obras CONSTITUIÇÃO FEDERAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS e TEORIA CONSTITUCIONAL ESQUEMATIZADA EM QUADROS, publicadas pela Editora Leya

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA

A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA A PROMULGAÇÃO DE LEI DECORRENTE DE SANÇÃO TÁCITA Antônio José Calhau de Resende Consultor da Assembléia Legislativa Lei decorrente de sanção tácita. Ausência de promulgação pelo Chefe do Poder Executivo

Leia mais

PRESIDENTE DA REPÚBLICA

PRESIDENTE DA REPÚBLICA CONCEITO: Cidadão directamente eleito que representa a República Portuguesa e garante a independência nacional, a unidade do Estado e o regular funcionamento das instituições democráticas. CARACTERÍSTICAS

Leia mais

Projeto de Lei nº 408/2011 Mensagem Retificativa nº 1 Poder Executivo. OF.GG/SL - 044 Porto Alegre, 20 de março de 2012.

Projeto de Lei nº 408/2011 Mensagem Retificativa nº 1 Poder Executivo. OF.GG/SL - 044 Porto Alegre, 20 de março de 2012. Projeto de Lei nº 408/2011 Mensagem Retificativa nº 1 Poder Executivo OF.GG/SL - 044 Porto Alegre, 20 de março de 2012. MENSAGEM RETIFICATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 408/2011 Com art. 62 da C.E. Senhor Presidente:

Leia mais

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma

O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa cidade. Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma Bruno Oliveira O termo cidadania tem origem etimológica no latim civitas, que significa "cidade". Estabelece um estatuto de pertencimento de um indivíduo a uma comunidade politicamente articulada um país

Leia mais

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato *

A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL. Fábio Konder Comparato * A RESPONSABILIDADE DO PRESIDENTE DA REPÚBLICA EM MATÉRIA DE POLÍTICA INTERNACIONAL Fábio Konder Comparato * Dispõe a Constituição em vigor, segundo o modelo por nós copiado dos Estados Unidos, competir

Leia mais

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO

A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO A CONCILIAÇÃO: DEVER ÉTICO DO ADVOGADO EM BUSCA DA PAZ E DA JUSTIÇA Maria Avelina Imbiriba Hesketh 1 1. Introdução A prestação jurisdicional efetiva é uma questão de Justiça Social. Antes de entrar no

Leia mais

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa

Da reserva de administração, da harmonia entre os Poderes e da iniciativa legislativa Vitória, 07 de julho de 2008. Mensagem n º 156/ 2008 Senhor Presidente: Comunico a V. Exa. que vetei totalmente o Projeto de Lei n 116/2007, por considerá-lo inconstitucional, pois padece dos vícios de

Leia mais

A CONSTITUIÇÃO. Auditor

A CONSTITUIÇÃO. Auditor A CONSTITUIÇÃO CESPE/UNB Auditor Questão n. 1 (CESPE/AFCE/TCU - 1995) A hierarquia das normas jurídicas no Brasil faz com que: a) uma lei, em sentido estrito, somente possa ser revogada por uma outra lei,

Leia mais

Histórico das constituições: direito de sufrágio

Histórico das constituições: direito de sufrágio 89 Histórico das constituições: direito de sufrágio André de Oliveira da Cruz Waldemar de Moura Bueno Neto José Carlos Galvão Goulart de Oliveira Graduandos pela Faculdade de Educação, Administração e

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL

DIREITO CONSTITUCIONAL DIREITO CONSTITUCIONAL 1. NOÇÕES GERAIS 1.1. Constituição e antecedentes A fim de se limitar o poder, e de se garantir direitos aos indivíduos, separou-se, hierarquicamente, as normas constitucionais das

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho

DIREITOS POLÍTICOS I. João Fernando Lopes de Carvalho DIREITOS POLÍTICOS I João Fernando Lopes de Carvalho Constituição Federal Art. 1º - A República Federativa do Brasil,..., constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos: I a soberania;

Leia mais

DA DEFINIÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DA PERIODICIDADE DO VOTO COMO CLÁUSULA PÉTREA FACE O PRINCÍPIO REPUBLICANO

DA DEFINIÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DA PERIODICIDADE DO VOTO COMO CLÁUSULA PÉTREA FACE O PRINCÍPIO REPUBLICANO DA DEFINIÇÃO E CONCRETIZAÇÃO DA PERIODICIDADE DO VOTO COMO CLÁUSULA PÉTREA FACE O PRINCÍPIO REPUBLICANO Isan Almeida Lima 1 Resumo: O presente trabalho pretende analisar o conceito jurídico sobre o que

Leia mais

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume

Curso Política e Cidadania - Básico SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF. Básico volume Curso Política e Cidadania - Básico 51 SENADOR RODRIGO ROLLEMBERG - PSB/DF Básico volume Gabinete do Senador Rodrigo Rollemberg 2 Curso Política e Cidadania - Básico CURSO POLÍTICA E CIDADANIA VOL.5 PODERES

Leia mais

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015

Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 Reforma Política Democrática Eleições Limpas 13 de janeiro de 2015 A Coalizão é uma articulação da sociedade brasileira visando a uma Reforma Política Democrática. Ela é composta atualmente por 101 entidades,

Leia mais

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza

Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado de natureza Gustavo Noronha Silva José Nailton Silveira de Pinho Juliana Gusmão Veloso Kátia Geralda Pascoal Fonseca Walison Vasconcelos Pascoal Roteiro: Locke: contexto histórico, metodologia, natureza humana e estado

Leia mais

Do contrato social ou Princípios do direito político

Do contrato social ou Princípios do direito político Jean-Jacques Rousseau Do contrato social ou Princípios do direito político Publicada em 1762, a obra Do contrato social, de Jean-Jacques Rousseau, tornou-se um texto fundamental para qualquer estudo sociológico,

Leia mais

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA

A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA A RAZOABILIDADE ENQUANTO ELEMENTO CONSTITUTIVO DA HERMENÊUTICA JURÍDICA D OLIVEIRA, Marcele Camargo 1 ; D OLIVEIRA, Mariane Camargo 2 ; CAMARGO, Maria Aparecida Santana 3 Palavras-Chave: Interpretação.

Leia mais

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS

DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS DIREITOS FUNDAMENTAIS: NACIONALIDADE E DIREITOS POLÍTICOS Título II: Dos Direitos e Garantias Fundamentais Capítulo I: Dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos (art. 5º) Capítulo II: Dos Direitos

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

Francisco José Carvalho

Francisco José Carvalho 1 Olá caro leitor, apresento a seguir algumas considerações sobre a Teoria da Função Social do Direito, ao qual considero uma teoria de direito, não apenas uma teoria nova, mas uma teoria que sempre esteve

Leia mais

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no

A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no O VOTO E AS ELEIÇÕES EM 2014 Eleonora Fernandes Rennó A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 inicia seu texto no TÍTULO I - DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS Art. 1.º A República Federativa

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR

CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PÓS-GRADUAÇÃO EM POLÍTICA E REPRESENTAÇÃO PARLAMENTAR A INFLUÊNCIA DAS AUDIÊNCIAS PÚBLICAS NA FORMULÇÃO DA LEI nº 11.096/2005 PROUNI

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES.

CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES. Como é uma questão muito exigida em provas objetivas, resolvi resumir diversos livros sobre o tema e postar no site para vocês. Aí vai: 1. Quanto ao conteúdo: Constituição

Leia mais

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL

VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL ESTUDO VOTO ABERTO E VOTO FECHADO NO CONGRESSO NACIONAL Márcio Nuno Rabat Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política, História, Relações Internacionais ESTUDO DEZEMBRO/2007

Leia mais

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor

Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor 111 Considerações sobre Saúde Suplementar no Brasil e a incidência da Lei 9.656/98 diante dos princípios do Código de Defesa do Consumidor Daniella Alvarez Prado 1 INTRODUÇÃO A Constituição, como corpo

Leia mais

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E

ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E ARTIGO: TRATADOS INTERNACIONAIS SOBRE DIREITOS HUMANOS E O ORDENAMENTO INTERNO Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: este artigo visa observar a relação existente entre os tratados internacionais sobre

Leia mais

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL

THOMAS HOBBES LEVIATÃ MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL THOMAS HOBBES LEVIATÃ ou MATÉRIA, FORMA E PODER DE UM ESTADO ECLESIÁSTICO E CIVIL Thomas Hobbes é um contratualista teoria do contrato social; O homem natural / em estado de natureza para Hobbes não é

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA CONSULTA N o 20, DE 2011 Consulta sobre incompatibilidade entre o exercício do mandato parlamentar e a atividade de apresentação de programa em emissora

Leia mais

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse

Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Lobby, Grupos de Pressão e Grupos de Interesse Adm. Thiago Santos Ruel 1 SUMÁRIO: 1. Grupos de Pressão. 2. Lobby. 3. Grupos de Interesse. 4. Conclusão. 5. Referências. INTRODUÇÃO Grande parte da população

Leia mais

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo

Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Centro de Formação, Treinamento e Aperfeiçoamento/CEFOR Especialização em Instituições e processos Políticos do Legislativo Maria Amélia da Silva Castro A função controle exercida pelo parlamento: o papel

Leia mais

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 DIVANI ALVES DOS SANTOS IMUNIDADE PARLAMENTAR À LUZ DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências do curso de Especialização

Leia mais

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke

Do estado de natureza ao governo civil em John Locke Adyr Garcia Ferreira Netto 1 Resumo No estado de natureza, situação em que segundo a doutrina contratualista o homem ainda não instituiu o governo civil, John Locke entende que os indivíduos são iguais,

Leia mais

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público

200 Questões Fundamentadas do Ministério Público 1 Para adquirir a apostila digital de 200 Questões Fundamentadas acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br S U M Á R I O Apresentação...3 Questões...4 Respostas...59 Bibliografia...101 2 APRESENTAÇÃO

Leia mais

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000)

Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) Estatutos da Associação Portuguesa de Geomorfólogos (publicados em Diário da República - III Série, nº 297, de 27 de Dezembro de 2000) CAPÍTULO I CONSTITUIÇÃO, SEDE, DURAÇÃO, OBJECTIVOS, ÂMBITO Art.º 1º

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público

Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público Resumo Aula-tema 01: Noção, fundamento e desenvolvimento histórico do Direito Internacional Público 1. Evolução histórica A evolução histórica do direito internacional é, geralmente, divida pela doutrina

Leia mais

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré

Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011. Reginaldo Minaré Código Florestal e Pacto Federativo 11/02/2011 Reginaldo Minaré Diferente do Estado unitário, que se caracteriza pela existência de um poder central que é o núcleo do poder político, o Estado federal é

Leia mais

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal

Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal Excelentíssimo Senhor Ministro Edson Fachin, DD. Ministro do Supremo Tribunal Federal Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental nº 378 Distrito Federal UNIÃO NACIONAL DOS ESTUDANTES, associação

Leia mais

www.apostilaeletronica.com.br

www.apostilaeletronica.com.br DIREITO CONSTITUCIONAL I. História Constitucional do Brasil... 003 II. Constituição: conceito e classificação... 006 IIII. Poder Constituinte... 008 IV. Normas Constitucionais... 012 V. Hermenêutica Constitucional...

Leia mais

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio

FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora. Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio 1 FIEB (Fundação Instituto de Educação de Barueri) - Escola Maria Theodora Profa. Agnes Sociologia 2º. Médio # Estado Nacional e poder político * Importância do poder: questões relativas ao Estado, povo,

Leia mais

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração

Estatutos CAPÍTULO I. Definições gerais ARTIGO 1º. Denominação, natureza e duração , Estatutos CAPÍTULO I Definições gerais ARTIGO 1º Denominação, natureza e duração 1. A Federação Académica Lisboa, adiante designada por FAL, é a organização representativa das Associações de Estudantes

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822

http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 http://www.portugal-tchat.com/forum/histoire-portugal/3975-constituicao-de-1822-a.html CONSTITUIÇÃO DE 1822 1. ENQUADRAMENTO HISTÓRICO-POLÍTICO: Portugal vivia, por volta de 1820 um regime opressor causado

Leia mais

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA

LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA LEGISLAÇÃO SOBRE FINANCIAMENTO DE PARTIDOS E DE CAMPANHAS ELEITORAIS NO BRASIL, EM PERSPECTIVA HISTÓRICA Ana Luiza Backes Consultora Legislativa da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política História,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DE 1891

CONSTITUIÇÃO DE 1891 CONSTITUIÇÃO DE 1891 Após a derrubada da monarquia e a proclamação da República em 15 de novembro de 1889, o grupo encabeçado pelo marechal Deodoro da Fonseca prontamente institucionalizou o novo regime

Leia mais

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes

DIREITO CONSTITUCIONAL. SIMULADO Prof. Cristiano Lopes DIREITO CONSTITUCIONAL SIMULADO Prof. Cristiano Lopes SIMULADO DIREITO CONSTITUCIONAL 1. (FCC - 2013 - TRT - 18ª Região (GO) - Técnico Judiciário - Tecnologia da Informação) Analise o Art. 2, da Constituição

Leia mais

Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas)

Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas) Estatuto da corte internacional de justiça (Nações Unidas) Artigo 1 Capítulo I: Organização da Corte (artigos 2-32) Capítulo II: Competência da Corte (artigos 34-38) Capítulo III: Procedimento (artigos

Leia mais

O SENADO FEDERAL resolve:

O SENADO FEDERAL resolve: PROJETO DE RESOLUÇÃO DO SENADO Nº 27, DE 2015 Altera o inciso II do caput do art. 383 do Regimento Interno do Senado Federal para disciplinar, no âmbito das comissões, a arguição pública dos indicados

Leia mais

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL

COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL COMPETÊNCIA ARTIGOS 21 A 33 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL A primeira informação que devemos procurar sobre a unidade que vamos agora trabalhar (denominada de competência) e para que se possa ter um bom entendimento

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO

VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO VESTIBULAR 2011 1ª Fase HISTÓRIA GRADE DE CORREÇÃO A prova de História é composta por três questões e vale 10 pontos no total, assim distribuídos: Questão 1 3 pontos (sendo 1 ponto para o subitem A, 1,5

Leia mais

PODERES DO ESTADO, FORMAS DE ESTADO E FORMAS DE GOVERNO.

PODERES DO ESTADO, FORMAS DE ESTADO E FORMAS DE GOVERNO. PODERES DO ESTADO, FORMAS DE ESTADO E FORMAS DE GOVERNO. Fernando Mendes Passaes* Ivani Ribeiro da Silva** José Juarez Tavares Lima*** Maria Eliane da Costa Limer **** Manoel Fernando Passaes***** Mônica

Leia mais

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES

AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES AULA 04 CLASSIFICAÇÃO DAS CONSTITUIÇÕES 1. Introdução. Diversas são as formas e critérios de classificação uma Constituição. O domínio de tais formas e critérios mostra-se como fundamental à compreensão

Leia mais

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2

HIERARQUIA DAS LEIS. Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 HIERARQUIA DAS LEIS Priscila de Oliveira Stuque BITTENCOURT 1 José Carlos CLEMENTINO 2 Resumo O presente estudo visa proporcionar conhecimentos básicos sobre cada norma jurídica que compõe o arcabouço

Leia mais

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES

ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES ESTUDO ELEGIBILIDADE E FILIAÇÃO PARTIDÁRIA DE MILITARES Sérgio Fernandes Senna Pires Consultor Legislativo da Área XVII Segurança Pública e Defesa Nacional Miriam Campelo de Melo Amorim Consultora Legislativa

Leia mais

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005

DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 DESTAQUE DOS PONTOS MAIS RELEVANTES DA REFORMA DO JUDICIÁRIO PEC Nº 358, DE 2005 REGINA MARIA GROBA BANDEIRA Consultora Legislativa da Área I Direito Constitucional, Eleitoral, Municipal, Direito Administrativo,

Leia mais

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO *

PARECER DO RELATOR * RELATÓRIO * PARECER DO RELATOR (Sr. Rodrigo Maia) * RELATÓRIO * Em síntese, as propostas constitucionais ora em análise têm por escopo alterar o sistema político-eleitoral em vigor, de modo a ajustar o sistema eleitoral

Leia mais

Súmula Vinculante: de protetora dos direitos fundamentais a violadora do princípio democrático.

Súmula Vinculante: de protetora dos direitos fundamentais a violadora do princípio democrático. Súmula Vinculante: de protetora dos direitos fundamentais a violadora do princípio democrático. Francisco Tarcísio Rocha Gomes Júnior 1 Resumo A súmula é instrumento processual criado para facilitar o

Leia mais

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA

CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA CONSTITUIÇÃO E DEMOCRACIA Por André Cordelli Alves Formado em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Mestre em Direito Civil pela PUC/SP e Doutorando em Direito Civil pela

Leia mais

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi

Processo Legislativo. Aula 1. Prof. Jorge Bernardi Processo Legislativo Aula 1 Prof. Jorge Bernardi Organização da Disciplina Aula 1 O Poder Legislativo Brasileiro Capítulo 1 Aula 2 Competências Legislativas Capítulo 2 A Norma Legal Capítulo 3 Emenda à

Leia mais

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br

DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E. Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br DEMOCRACIA, REPRESENTAÇÃO E SISTEMA PARTIDÁRIO Profa. Dra. Maria Teresa Miceli Kerbauy FCL-UNESP-CAr kerbauy@travelnet.com.br INTRODUÇÃO Hobbes, Locke e Burke são os formuladores da moderna teoria da representação

Leia mais

Desenvolver o criticismo do aluno, permitindo-lhe o estudo dos fenômenos do poder, da política e do Estado.

Desenvolver o criticismo do aluno, permitindo-lhe o estudo dos fenômenos do poder, da política e do Estado. PROGRAMA DE DISCIPLINA I. Curso: DIREITO II. Disciplina: CIÊNCIA POLÍTICA E TEORIA DO ESTADO (D-02) Área: Ciências Sociais Período: Primeiro Turno: matutino/noturno Ano: 2013.1 Carga Horária: 72 H; Créd.:

Leia mais

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular,

INICIATIVA POPULAR. 1 Benevides, Maria Vitoria de Mesquita A Cidadania Ativa Referendo, Plebiscito e Iniciativa Poipular, INICIATIVA POPULAR Iniciativa popular designa, em termos genéricos, diferente maneiras de participação popular no exercício dos poderes legislativo e executivo incluindo o plebiscito, referendo, conselhos

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Formação do bacharel em direito Valdir Caíres Mendes Filho Introdução O objetivo deste trabalho é compreender as raízes da formação do bacharel em Direito durante o século XIX. Será

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO

INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO INTRODUÇÃO AO DIREITO CONSTITUCIONAL AULA 2 CONSTITUIÇÃO E CONSTITUCIONALISMO QUESTÃO PARA DISCUSSÃO: EXPLIQUE A DEFINIÇÃO DE CONSTITUCIONALISMO POR CANOTILHO, como uma Técnica específica de limitação

Leia mais

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante

John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante John Locke e o fim da autoridade absoluta do governante Sérgio Praça pracaerp.wordpress.com sergiopraca0@gmail.com Temas da Aula 2) Como estabelecer um governo? Constituintes e Constituição 3) Características

Leia mais

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania.

DIREITOS POLÍTICOS. Nacionalidade não se confunde com cidadania. DIREITOS POLÍTICOS 1.- CONCEITO PEDRO POLITANO NETO 30/06/2004 É o conjunto de normas que disciplina a atuação da soberania popular, constituindo-se em desdobramento do princípio democrático inscrito no

Leia mais

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA

O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA SÃO PAULO RIO DE JANEIRO BRASÍLIA CURITIBA PORTO ALEGRE RECIFE BELO HORIZONTE LONDRES LISBOA XANGAI BEIJING MIAMI BUENOS AIRES O DIREITO CONSTITUCIONAL NO BRASIL E NA CHINA: ANÁLISE COMPARATIVA DURVAL

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL

DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL DA ORGANIZAÇÃO POLÍTICA DO BRASIL A organização político administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal, e os Municípios, todos autônomos, nos termos

Leia mais

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS

CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS CÂMARA DOS DEPUTADOS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E INFORMAÇÃO CONSTITUIÇÕES BRASILEIRAS Exposição organizada pelo Museu da Câmara dos Deputados, mostrando as constituições brasileiras, suas principais deliberações

Leia mais

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988

TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 TÍTULO: O PODER JUDICIÁRIO NA PROTEÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS FUNDAMENTAIS PREVISTOS NA CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 1988 CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: DIREITO INSTITUIÇÃO: CENTRO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

MANUELA DE SOUZA PEREIRA GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS COMPARADOS

MANUELA DE SOUZA PEREIRA GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS COMPARADOS 41 GOVERNANÇA ELEITORAL NA AMÉRICA LATINA: DISPOSITIVOS CONSTITUCIONAIS Electoral governance in Latin America: Comparative constitutional devices Manuela de Souza Pereira Universidade Federal de Pernambuco

Leia mais

ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO

ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO ARQUIVO HISTÓRICO VIRTUAL DO LEGISLATIVO HISTÓRIA DO LEGISLATIVO (BRASIL) A história das Câmaras municipais no Brasil começou em 1532, quando São Vicente, hoje atual Estado de São Paulo foi elevada à categoria

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA

TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA TRATADO INTERAMERICANO DE ASSISTÊNCIA RECÍPROCA Em nome de seus Povos, os Governos representados naconferência Interamericana para a Manutenção da Paz e da Segurança no Continente, animados pelo desejo

Leia mais

A longa conquista do voto na história política brasileira

A longa conquista do voto na história política brasileira A longa conquista do voto na história política brasileira Vera Chaia 1 A extensão dos direitos políticos no Brasil nem sempre esteve ligada ao aumento da participação política no processo eleitoral. Esta

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS

GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS 1 GESTÃO PÚBLICA PRINCIPIOS GERAIS Prof.MSc. José Ricardo Leal Lozano 1. Administração Pública x Privada Afinal, o que difere a administração pública da administração de empresas privadas? O que impede

Leia mais

CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado.

CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado. CONCEITO DIREITO CONSTITUCIONAL: é o ramo do Direito Público que estuda, sistematiza e interpreta as normas fundamentais de organização de um Estado. CONCEITO CONSTITUIÇÃO: é a lei fundamental e suprema

Leia mais

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas

Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal de Contas TREINAMENTO AOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DE RORAIMA Módulo: Processos e Técnicas Legislativas Noções Básicas de Direito Administrativo e Administração Pública Instrutor: Marlon L. Souto Maior Auditor-Fiscal

Leia mais

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil

Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil Direitos Humanos, Constituição de 1988 e a democracia participativa no Brasil A palavra democracia (governo do povo) tem origem na Grécia antiga e o princípio democrático tal qual conhecemos hoje tem suas

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Nenhum ato legislativo contrário à Constituição pode ser válido (...). A presunção natural, à falta de norma expressa, não pode ser

Leia mais

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO)

QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) QUARTA CONSTITUIÇÃO (A CONSTITUIÇÃO DO ESTADO NOVO) NOME...Constituição dos Estados Unidos do Brasil DATA...10 de Novembro de 1937 ORIGEM...Outorgada DURAÇÃO...9 anos PREÂMBULO O Presidente da República

Leia mais

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA

GUIA DE ESTUDOS INSS NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO FÁBIO RAMOS BARBOSA DIREITO ADMINISTRATIVO Estado, governo e administração pública: conceitos, elementos, poderes e organização; natureza, fins e princípios. Direito Administrativo: conceito, fontes e princípios. Organização

Leia mais

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL

ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 13 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles ARGUIÇÃO DE DESCUMPRIMENTO DE PRECEITO FUNDAMENTAL Lei 9.882/99

Leia mais

Entendendo a Reforma Política no Brasil

Entendendo a Reforma Política no Brasil Entendendo a Reforma Política no Brasil 1- Introdução As manifestações de junho de 2013 trouxeram a tona o questionamento da representatividade do sistema político e eleitoral brasileiro, mostrando a necessidade

Leia mais