Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016"

Transcrição

1 PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2016 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016 A Proposta de Lei do OE para 2016 apresentada pelo Governo à AR integra um conjunto de alterações de natureza fiscal com interesse para as empresas e as famílias. No que respeita à tributação das empresas, confirma-se a intenção anteriormente manifestada pelo Executivo quanto à redução do prazo de reporte de prejuízos fiscais e à alteração das condições de aplicação do regime da participation exemption. Ainda em matéria de IRC, destaca-se a preocupação do Governo em acolher algumas das recomendações da OCDE no âmbito do plano de acção relacionado com o combate às práticas de erosão da base fiscal e desvio de lucros para jurisdições de baixa tributação (Base Erosion and Profit Shifting BEPS). No domínio do IRS, destaca-se a eliminação do quociente familiar e a reposição do quociente conjugal, para além de um aumento do montante da dedução à colecta por cada dependente e ascendente. A Proposta de Lei do OE para 2016 é, ainda, marcada por um conjunto de alterações no domínio da tributação indirecta, de entre as quais se destaca a anunciada intenção de redução da taxa do IVA na restauração e o agravamento da tributação em sede de Imposto do Selo da utilização de crédito no âmbito de contratos de crédito ao consumo. Para permitir uma visão global das alterações propostas, apresentamos em seguida uma descrição dessas alterações agrupadas em função do respectivo imposto. Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC)... 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS)... 8 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) Imposto do Selo Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) Impostos Especiais de Consumo (IECs) Imposto sobre Veículos (ISV) Fiscalidade Verde Imposto Único de Circulação (IUC) Lei Geral Tributária (LGT) Código de Processo e Procedimento Tributário (CPPT) Outras Medidas KPMG & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, S.A., a firma portuguesa membro da rede KPMG, composta por firmas independentes afiliadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso em Portugal. O nome KPMG, o logótipo e cutting through complexity são marcas registadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ).

2 IRC Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) Isenção de lucros e reservas auferidos por não residentes (artigos 14.º e 95.º) O limiar mínimo de participação necessário à aplicação da isenção de IRC relativa aos lucros e reservas que uma entidade residente em território português coloque à disposição de uma entidade não residente neste território é aumentado de 5% para 10%. Por sua vez, o período mínimo de detenção ininterrupta da participação de que depende a aplicação desta isenção é reduzido dos 24 meses para o ano anterior à colocação à disposição dos lucros ou reservas. Em linha com estas alterações, propõe-se que a devolução do imposto retido na fonte por incumprimento do requisito temporal de detenção da participação mínima passe a ser possível uma vez cumprido aquele período de 12 meses, mantendo-se o prazo de dois anos para a apresentação do pedido de reembolso por parte da entidade beneficiária dos rendimentos. Não tributação de rendimentos associados a participações sociais (participation exemption) (artigos 51.º, 51.º-A e 51.º-C) Aumenta-se de 5% para 10% a participação mínima necessária à aplicação do regime de eliminação da dupla tributação económica de lucros e reservas distribuídos. Em paralelo, o período mínimo de detenção daquela participação é reduzido dos actuais 24 meses para o ano anterior à distribuição, mantendo-se a possibilidade de este regime ser aplicável nas situações em que a participação seja detida por um período inferior, desde que seja mantida durante o tempo necessário para completar aquele período. Prevê-se, ainda, que a aplicação do regime de eliminação da dupla tributação económica de lucros e reservas distribuídos, no que toca aos rendimentos de participações sociais em que tenham sido aplicadas as reservas técnicas das sociedades de seguros e das mútuas de seguros, deve limitar-se à parte dos rendimentos que não sejam, directa ou indirectamente, imputáveis aos tomadores de seguros. Esta última alteração tem natureza interpretativa. Também no que respeita ao regime de isenção das mais-valias e menos-valias realizadas mediante a transmissão onerosa de partes sociais, promove-se o aumento de 5% para 10% do requisito relativo à participação mínima e a redução de 24 meses para um ano do requisito relativo ao período mínimo de detenção. Prevê-se o alargamento da delimitação negativa do regime previsto no artigo 51.º-C do Código do IRC às mais-valias e menos-valias realizadas mediante a transmissão onerosa de outros instrumentos de capital próprio associados às partes sociais (designadamente, prestações suplementares) quando o valor dos bens imóveis ou dos direitos reais sobre bens imóveis situados em território português, com excepção dos bens imóveis afectos a uma actividade de natureza agrícola, industrial ou comercial que não consista na compra e venda de bens imóveis, represente, directa ou indirectamente, mais de 50% do activo. Prejuízos fiscais reportáveis (artigo 52.º) Reduz-se o prazo de reporte de prejuízos fiscais de 12 para 5 períodos de tributação. Esta alteração apenas será aplicável relativamente aos prejuízos fiscais apurados em períodos de tributação que se iniciem em ou após 1 de Janeiro de Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

3 IRC Lucros e prejuízos de estabelecimento estável situado fora do território português (artigo 54.º-A) A opção pela aplicação do método de isenção relativamente aos lucros e aos prejuízos imputáveis a estabelecimento estável situado fora do território português passa a ser aplicável apenas ao montante dos lucros imputáveis ao estabelecimento estável que exceda o valor dos prejuízos imputáveis a esse estabelecimento estável que tenham concorrido para a determinação do lucro tributável do sujeito passivo nos 5 períodos de tributação anteriores (actualmente, 12 períodos de tributação). Em caso de transformação do estabelecimento estável em sociedade, o regime de eliminação da dupla tributação económica dos lucros distribuídos e a isenção de tributação de mais-valias fiscais relativas a partes sociais e outros instrumentos de capital próprio associados às partes sociais passam a ser aplicáveis apenas ao montante dos lucros e mais-valias que exceda o valor dos prejuízos imputáveis a esse estabelecimento estável que tenham concorrido para a determinação do lucro tributável do sujeito passivo nos 5 períodos de tributação anteriores (actualmente, 12 períodos de tributação). De igual modo, quando deixe de ser aplicável o método da isenção: passam a concorrer para a determinação do lucro tributável apenas os prejuízos fiscais imputáveis ao estabelecimento estável que excedam o montante dos lucros imputáveis a esse estabelecimento estável que não concorreram para a determinação do lucro tributável do sujeito passivo nos 5 períodos de tributação anteriores (actualmente, 12 períodos de tributação); em caso de transformação do estabelecimento estável em sociedade, o regime de eliminação da dupla tributação económica dos lucros distribuídos e a isenção de tributação de mais-valias relativas a partes sociais e outros instrumentos de capital próprio associados às partes sociais passam a ser aplicáveis apenas ao montante dos lucros e mais-valias que exceda o valor dos lucros imputáveis a esse estabelecimento estável que não tenham concorrido para a determinação do lucro tributável do sujeito passivo nos 5 períodos de tributação anteriores (actualmente, 12 períodos de tributação). Estas alterações apenas serão aplicáveis aos períodos de tributação que se iniciem a partir de 1 de Janeiro de Regime Especial de Tributação dos Grupos de Sociedades (artigo 69.º) A renúncia a uma taxa de IRC inferior à taxa normal mais elevada para efeitos de inclusão de uma sociedade no Regime Especial de Tributação dos Grupos de Sociedades passa dever ser mantida por um período mínimo de 3 anos. Transferência de residência (artigos 83.º e 84.º) Estabelece-se que, para efeitos de determinação do lucro tributável do período de tributação em que ocorra a cessação de actividade de entidade com sede ou direcção efectiva em território português em virtude da transferência da respectiva residência para outro Estado membro da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu vinculado a cooperação administrativa no domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da União Europeia, não concorrem as componentes positivas ou negativas relativas a partes sociais desde que, à data da cessação de actividade, as partes sociais sejam representativas de uma participação que cumpra os requisitos para beneficiar do regime da participation exemption. 3 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

4 IRC Prevê-se, ainda, que a mesma disposição seja aplicável, com as necessárias adaptações, na determinação do lucro tributável imputável a um estabelecimento estável de entidade não residente situado em território português quando ocorra a cessação da actividade em território português ou a transferência para fora do mesmo território dos elementos patrimoniais afectos a esse estabelecimento estável. Estas alterações têm natureza interpretativa. Taxa de IRC aplicável às entidades com sede ou direcção efectiva em território português que não exerçam, a título principal, actividades de natureza comercial, industrial ou agrícola (artigo 87.º) Reduz-se de 21,5% para 21% a taxa do IRC incidente sobre o rendimento global de entidades com sede ou direcção efectiva em território português que não exerçam, a título principal, actividades de natureza comercial, industrial ou agrícola. Tributação autónoma (artigo 88.º) Prevê-se que o incumprimento a posteriori das condições de que depende a não sujeição a tributação autónoma dos gastos ou encargos relativos a bónus e outras remunerações variáveis pagas a gestores, administradores ou gerentes, determine que ao valor do IRC liquidado relativo ao período de tributação em que esse incumprimento se verifica seja adicionada a tributação autónoma que deveria ter sido liquidada. Ainda em matéria de tributações autónomas, prevê-se que o agravamento em 10 pontos percentuais das taxas de tributação autónoma em situações de prejuízo fiscal deve ter por referência o resultado fiscal apurado pelo grupo de sociedades sujeito ao Regime Especial de Tributação dos Grupos de Sociedades, quando este regime seja aplicável. Esclarece-se que a liquidação das tributações autónomas é efectuada nos termos definidos para o IRC que tenha por base o lucro tributável. As alterações acima descritas relativas ao agravamento das taxas de tributação autónoma e à liquidação deste tributo têm natureza interpretativa. Crédito de imposto por dupla tributação económica internacional (artigo 91.º-A) Em linha com as alterações propostas ao regime de participation exemption, prevê-se a alteração dos requisitos da participação mínima (de 5% para 10%) e do período mínimo de detenção (de 24 meses para um ano) de que depende o mecanismo do crédito de imposto por dupla tributação económica internacional, o qual é aplicável, por opção do sujeito passivo, quando tenham sido incluídos na matéria colectável lucros e reservas, distribuídos por entidade residente fora do território português, aos quais não seja aplicável o disposto no artigo 51.º do Código do IRC. Dispensa de retenção na fonte sobre rendimentos auferidos por residentes (artigo 97.º) A dispensa de retenção na fonte de IRC sobre lucros e reservas distribuídos a que seja aplicável o regime de participation exemption passa a aplicar-se nas situações em que a participação no capital tenha permanecido na titularidade da mesma entidade, de modo ininterrupto, durante o ano anterior à data da colocação à disposição dos lucros e reservas (anteriormente 24 meses). 4 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

5 IRC Informação financeira e fiscal de grupos multinacionais (artigo 121.º-A) É introduzida a obrigação de entrega de uma declaração de informação financeira e fiscal, (por país ou por jurisdição) para os grupos multinacionais que preencham cumulativamente as seguintes condições: estejam obrigados a elaborar demonstrações financeiras consolidadas; detenham ou controlem, directa ou indirectamente, uma ou mais entidades residentes noutra jurisdição e/ou possuam um estabelecimento estável situado noutra jurisdição; tenham registado um montante de rendimentos igual ou superior a nas demonstrações financeiras consolidadas do último período contabilístico de base anual; não sejam detidas por entidades residentes em território português obrigadas à apresentação desta declaração, ou por entidades não residentes em território português igualmente obrigadas à sua apresentação, directamente ou através de entidade por si designada, num outro país ou jurisdição com o qual esteja em vigor um acordo de troca automática de informações desta natureza. Esta obrigação é, ainda, aplicável às entidades residentes em território português que sejam detidas ou controladas, directa ou indirectamente, por entidades não residentes neste território que verifiquem cumulativamente as seguintes condições: não se encontrem obrigadas à apresentação de idêntica declaração no seu país de residência ou não esteja em vigor um acordo de troca automática de informações desta natureza com esse país; caso fossem residentes em território português, estivessem obrigadas a apresentar esta declaração; e, não demonstrem que qualquer outra entidade do grupo, residente em Portugal ou num país ou jurisdição com o qual esteja em vigor um acordo de troca automática de informações desta natureza, procedeu à entrega de idêntica declaração. A declaração de informação financeira e fiscal por país ou por jurisdição fiscal deve incluir a seguinte informação: rendimentos brutos, distinguindo entre estes os que forem obtidos nas operações realizadas com entidades relacionadas e os obtidos com entidades independentes; resultados antes do IRC ou de impostos sobre os lucros, de natureza idêntica ou análoga ao IRC; montante devido de IRC ou de impostos sobre os lucros, de natureza idêntica ou análoga ao IRC, incluindo as retenções na fonte; montante pago de IRC ou de impostos sobre os lucros, de natureza idêntica ou análoga ao IRC, incluindo as retenções na fonte; capital social e outras rubricas do capital próprio, à data do final do período de tributação; resultados transitados; número de trabalhadores a tempo inteiro, ou equivalente, no final do período de tributação; valor líquido dos activos tangíveis, excepto valores de caixa ou seus equivalentes; lista de entidades residentes em cada país ou jurisdição fiscal, incluindo os estabelecimentos estáveis, e indicação das actividades principais realizadas por cada uma delas. A declaração de informação financeira e fiscal deve ser enviada até ao fim do 12.º mês posterior ao termo do período de tributação a que se reporta. 5 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

6 IRC A coima prevista para a falta de apresentação de documentação de preços de transferência no prazo fixado por lei é extensível a esta declaração. Prazo de conservação dos livros, registos contabilísticos e respectivos documentos de suporte e do processo de documentação fiscal (artigos 123.º e 130.º) Reduz-se de 12 para 10 anos o prazo de conservação dos livros, dos registos contabilísticos e respectivos documentos de suporte e do processo de documentação fiscal. Norma transitória relativa a resultados internos eliminados ao abrigo do anterior regime de tributação pelo lucro consolidado pendentes de tributação em 31 de Dezembro de 2015 Estabelece-se que os resultados internos que tenham sido eliminados ao abrigo do anterior regime de tributação pelo lucro consolidado ainda pendentes de tributação em 31 de Dezembro de 2015 devem ser incluídos no lucro tributável do grupo, em partes iguais, no período de tributação que se inicie em ou após 1 de Janeiro de 2016 e nos dois períodos de tributação subsequentes. A cessação ou renúncia ao Regime Especial de Tributação dos Grupos de Sociedades determina a inclusão no lucro tributável do último período de tributação em que o regime se aplique dos resultados internos que tenham sido eliminados ao abrigo do anterior regime de tributação pelo lucro consolidado e que ainda não tenham sido incluídos. Prevê-se, ainda, a obrigação de efectuar um pagamento por conta durante o mês de Julho de 2016 correspondente a um terço do valor dos resultados internos eliminados ao abrigo do anterior regime de tributação pelo lucro consolidado que se encontravam pendentes de tributação em 31 de Dezembro de Autorizações legislativas Rendimentos de patentes e outros direitos de propriedade industrial (artigo 50.º-A) É conferida uma autorização legislativa ao Governo no sentido de alterar o regime de isenção parcial aplicável aos rendimentos de patentes e outros direitos de propriedade intelectual. A referida autorização legislativa visa, entre outros aspectos, excluir deste regime as patentes e desenhos ou modelos industriais registados a partir de 30 de Junho de 2016 e sujeitar os respectivos benefícios a um limite máximo proporcional às despesas qualificáveis incorridas pelo sujeito passivo, em linha com as recomendações da OCDE no âmbito do BEPS. Reavaliação do activo fixo tangível e propriedades de investimento É concedida uma autorização legislativa com vista à introdução de um regime facultativo de reavaliação do activo fixo tangível e propriedades de investimento, o qual deverá ter o seguinte sentido e extensão: permitir que os sujeitos passivos de IRC ou de IRS, com contabilidade organizada, reavaliem em 2016 o respectivo activo fixo tangível afecto ao exercício de uma actividade comercial, industrial ou agrícola, bem como as propriedades de investimento, cuja vida útil remanescente seja igual ou superior a cinco anos, existentes e em utilização na data da reavaliação; prever que tal reavaliação seja efectuada por aplicação, ao custo de aquisição ou equivalente, dos coeficientes de desvalorização monetária estabelecidos por Portaria do membro do Governo que tutela a área das finanças, tendo como limite o valor de mercado de cada elemento; 6 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

7 IRC consagrar que a subsequente reserva de reavaliação fica sujeita a uma tributação autónoma especial à taxa de 14%, a pagar em partes iguais nos anos de 2016, 2017 e 2018; ajustar as regras de determinação das mais-valias e menos-valias aplicáveis aos activos abrangidos por este regime; estabelecer regras relativas à detenção dos activos reavaliados, bem como os procedimentos de controlo. Incentivo fiscal à produção cinematográfica O Governo é autorizado a criar um incentivo fiscal que consiste numa dedução à colecta de IRC apurada sobre despesas de produção cinematográfica correspondentes a operações efectuadas em Portugal que representem um valor total de despesa elegível de pelo menos A referida autorização legislativa estabelece que o incentivo fiscal deverá observar as regras da União Europeia em matéria de auxílios estatais, designadamente as condições previstas para os regimes de auxílio a obras audiovisuais constantes do Regulamento Geral de Isenção por Categoria. 7 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

8 IRS Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) Dedução de perdas (artigo 55.º) Reduz-se o prazo de reporte do resultado líquido negativo apurado no âmbito da categoria B de 12 para 5 anos. Esta alteração apenas será aplicável a resultados realizados em ou após 1 de Janeiro de Taxas gerais (artigo 68.º) Aumentam-se em 0,5% os limites dos primeiros três escalões de rendimento colectável, conforme a tabela seguidamente apresentada: Rendimento colectável ( ) Taxas (percentagem) Normal (A) Média (B) Até ,5 14,5 De mais de até ,5 23,6 De mais de até ,3 De mais de até ,65 Superior a Quociente familiar (artigos 68.º-A e 69.º) Repõe-se o quociente conjugal passando o rendimento colectável a ser dividido apenas pelo número dos sujeitos passivos (1 ou 2 consoante esteja em causa a tributação separada ou em conjunto) em detrimento do quociente familiar (em que o quociente de 1 ou 2 era adicionado de 0,15 ou 0,30 por cada dependente e ascendente a cargo, respectivamente). Procedimentos e formas de liquidação (artigo 76.º) Nos casos em que a declaração Modelo 3 do IRS não seja apresentada pelo sujeito passivo, o rendimento líquido da categoria B passa a apurar-se em conformidade com as regras do regime simplificado de tributação mas com a aplicação do coeficiente de 0,75 (em vez do coeficiente de 1 anteriormente aplicável), com excepção das situações em que estejam em causa rendimentos provenientes: (i) da cessão ou utilização temporária de propriedade intelectual ou industrial, (ii) da prestação de informações respeitantes a uma experiência adquirida no sector industrial, comercial ou cientifico, (iii) dos rendimentos de capitais imputáveis a actividades geradoras de rendimentos empresariais e profissionais, (iv) do resultado positivo de rendimentos prediais, (v) do saldo positivo das mais e menos-valias ou de outros incrementos patrimoniais, caso em que é aplicado o coeficiente de 0,95; e de prestações de serviços efectuadas pelo sócio a uma sociedade abrangida pelo regime da transparência fiscal, caso em que se mantém a aplicação do coeficiente de 1. Prazo para liquidação (artigo 77.º) Prevê-se que a fundamentação da liquidação possa ser efectuada de forma sumária, exigindo-se, contudo, que a Autoridade Tributária e Aduaneira passe a disponibilizar ao sujeito passivo - sem qualquer encargo para este, a informação relevante da liquidação - que poderá ser obtida no Portal das Finanças ou nos serviços de finanças. 8 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

9 IRS Deduções dos dependentes e ascendentes (artigo 78.º-A) Aumenta-se o montante da dedução à colecta por cada dependente e ascendente (actualmente de 325 e 300) para 550 e 525, respectivamente. Mantêm-se as majorações de 125 por cada dependente que não ultrapasse os três anos de idade até 31 de Dezembro do ano a que respeita o imposto e de 110 no caso de existir apenas um ascendente a cargo. Dedução de despesas de saúde e de formação e educação (artigos 78.º-C e 78.º-D) Estabelece-se que todas as despesas de saúde, de formação e educação que tenham sido realizadas fora do território português passam a poder ser comunicadas pelo sujeito passivo através do Portal das Finanças, o que até aqui apenas era possível relativamente a despesas realizadas noutro Estado membro da União Europeia ou do Espaço Económico Europeu. Dedução relativa às pessoas com deficiência (artigo 87.º) Aumenta-se, de 1,5 vezes o valor do IAS ( 628,83) para 2,5 vezes o valor do IAS ( 1.048,05), a dedução relativa a cada dependente ou ascendente com deficiência. Entidades emitentes e utilizadoras de títulos de compensação extrassalarial (artigo 126.º) Alargam-se as obrigações declarativas actualmente aplicáveis às entidades emitentes ou adquirentes de vales de refeição, a quaisquer entidades emitentes e utilizadoras de títulos de compensação extrassalarial. Definem-se como títulos de compensação extrassalarial todos os títulos, independentemente do seu formato, designadamente em papel, em cartão electrónico ou integralmente desmaterializados, que permitam aos seus detentores efectuar pagamentos, sempre que à utilização destas formas de compensação corresponda um desagravamento fiscal. Autorizações legislativas Perda da qualidade de residente em território português exit tax (artigo 10.º-A) alteração do prazo de entrega da declaração O Governo é autorizado a alterar o prazo de entrega da declaração de IRS para 31 de Agosto (em vez do prazo actual de 16 de Maio) nas situações em que, na sequência da perda da qualidade de residente em território português, haja opção pelo diferimento de tributação. Inscrição de residentes não habituais Prevê-se uma autorização legislativa no sentido de se proceder à implementação de um procedimento electrónico para a inscrição de sujeitos passivos como residentes não habituais. Dedução das contribuições para a segurança social no regime simplificado É conferida ao Governo autorização legislativa no sentido de clarificar a regra relativa à dedução das contribuições obrigatórias para regimes de protecção social no âmbito do regime simplificado da categoria B, prevendo-se que a mesma venha a ter natureza interpretativa. 9 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

10 IRS Entrada de património para realização do capital de sociedade O Governo é autorizado a eliminar a proibição relativa à realização de operações levadas a cabo ao abrigo do regime da neutralidade fiscal sobre partes sociais que tenham resultado de entradas de património para a realização do capital de sociedade. Alteração do prazo de entrega da declaração Modelo 37 Prevê-se, ainda, uma autorização legislativa com vista a antecipar a data de entrega da declaração Modelo 37 (relativa a juros e amortizações de empréstimos para a aquisição de habitação própria e permanente, prémios de seguros de saúde, vida e acidentes pessoais, PPR, Fundos de Pensões e Regimes Complementares) do final do mês de Fevereiro para o final do mês de Janeiro. 10 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

11 IVA Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) Renúncia à isenção de IVA serviços médicos e sanitários (artigo 12.º) Prevê-se uma nova redacção do regime de renúncia à isenção aplicável a estabelecimentos hospitalares e similares que não sejam pessoas colectivas de direito público, relativamente a prestações de serviços médicos e sanitários e operações com elas estreitamente conexas. A nova redacção vem clarificar que as entidades que tenham celebrado contratos com o Estado podem renunciar à isenção de IVA nos serviços médicos e sanitários conquanto tal renúncia não abranja operações que decorram de acordos com o Estado, no âmbito do sistema de saúde. Alterações à lista I anexa ao Código do IVA Deixam de beneficiar de taxa reduzida os gressinos, pães-de-leite, regueifas e tostas. Passam a beneficiar da aplicação da taxa reduzida os sumos e néctares de algas, as bebidas de aveia, arroz e amêndoa sem teor alcoólico, bem como as algas vivas, frescas ou secas. Também as algas comercializadas no âmbito das actividades de produção agrícola e aquícola passam a ser sujeitas à taxa reduzida. Alterações à lista II anexa ao Código do IVA As prestações de serviços de alimentação e bebidas voltam a estar sujeitas à taxa intermédia de IVA, com exclusão dos serviços relativos a bebidas alcoólicas, refrigerantes, sumos, néctares e águas gaseificadas ou adicionadas de gás carbónico ou outras substâncias, os quais permanecem tributados à taxa normal. Encontram-se, igualmente, abrangidas pela taxa intermédia as refeições prontas a consumir, nos regimes de pronto a comer e levar ou com entrega ao domicílio. As alterações da taxa aplicável aos serviços de alimentação e bebidas e de refeições prontas a consumir produzem efeitos a partir de 1 de Julho de As conservas de carne e miudezas comestíveis passam a estar sujeitas à taxa normal de IVA. Autorizações legislativas Direito à dedução de IVA momento do exercício do direito É conferida ao Governo uma autorização legislativa para delimitar o momento do exercício do direito à dedução do imposto, prevendo-se que a mesma seja efectuada na declaração do período em que se tenha verificado a recepção dos documentos que sustentem tal direito ou no período imediatamente posterior. A actual redacção prevê que a dedução possa ter lugar em qualquer declaração periódica posterior, dentro do prazo de caducidade. Prazo para apresentação da declaração de início de actividade O Governo fica autorizado a legislar no sentido da introdução de uma regra única respeitante ao prazo legal para cumprimento da obrigação de apresentação da declaração de início de actividade por parte dos sujeitos passivos, independentemente de estarem ou não sujeitos a registo comercial. 11 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

12 IVA Pedido de compensação forfetária É conferida uma autorização ao Governo para legislar no âmbito do regime forfetário agrícola, designadamente no sentido de estabelecer um montante mínimo para o pagamento da compensação e a submissão anual do pedido de compensação forfetária até ao dia 31 de Março de cada ano. Facturas a emitir por pequenos retalhistas É concedida uma autorização legislativa ao Governo para dispensar os pequenos retalhistas do cumprimento de alguns dos requisitos relacionados com a emissão de facturas. Pagamento do imposto devido pelas aquisições intracomunitárias de meios de transporte novos sujeitos a Imposto sobre Veículos (ISV) O Governo fica autorizado a legislar no sentido de introduzir as alterações necessárias ao Regime do IVA nas Transacções Intracomunitárias (RITI) por forma a que os sujeitos passivos que possuam estatuto de operador reconhecido tenham a possibilidade de proceder ao pagamento do IVA decorrente das aquisições intracomunitárias de meios de transporte novos nos mesmos termos dos operadores registados, ou seja, na declaração periódica de IVA. Procedimento específico para a concessão de benefício directo de IVA a organizações internacionais reconhecidas por Portugal, mas estabelecidas fora da União Europeia É concedida uma autorização legislativa ao Governo para introduzir um procedimento específico para a concessão de benefício directo de IVA às organizações internacionais reconhecidas por Portugal, mas estabelecidas fora da União Europeia, mediante o prévio reconhecimento do direito à isenção por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira, a quem deve ser dirigido requerimento para o efeito. Regulamentação da isenção relativa às transmissões de bens expedidos para fora da União Europeia por um adquirente que aí não possua residência ou estabelecimento Fica o Governo autorizado a prever um mecanismo electrónico de controlo das condições de verificação da isenção relativa às transmissões de bens expedidos ou transportados para fora da União Europeia, por um adquirente sem residência ou estabelecimento na União Europeia. 12 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

13 IMI Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI) Prédios rústicos geradores de rendimentos comerciais e industriais (artigo 3.º) Passam a estar exceptuados do conceito de prédio rústico os terrenos situados fora de um aglomerado urbano que tenham por destino normal uma utilização geradora de rendimentos comerciais e industriais. Esta alteração tem natureza interpretativa. Prédios de sujeitos passivos com dependentes a cargo (artigo 112.º-A) Prevê-se que os municípios possam fixar uma redução da taxa de IMI a aplicar ao prédio ou parte de prédio destinado a habitação própria e permanente do sujeito passivo ou do seu agregado familiar atendendo ao número de dependentes, podendo aquela redução variar entre 10% e 20%. Regime de salvaguarda de prédios urbanos (artigo 140.º) Prevê-se que, no que respeita aos prédios ou parte de prédios urbanos que sejam habitação própria e permanente do sujeito passivo, a colecta do IMI respeitante a cada ano não possa exceder a colecta de imposto devido no ano imediatamente anterior, adicionada, em cada um desses anos, do maior dos seguintes valores: (i) 75 ou (ii) um terço da diferença entre o IMI resultante do valor patrimonial tributário fixado na avaliação actual e o que resultaria da avaliação anterior (independentemente de eventuais isenções aplicáveis). IMT Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis (IMT) Normas de incidência objectiva fundos de investimento imobiliário (artigo 2.º) Passam a ser sujeitas a IMT as operações de aquisição de unidades de participação em fundos de investimento imobiliário fechados de subscrição particular, bem como as operações de resgate, aumento ou redução do capital ou outras, desde que das mesmas resulte que um dos titulares, ou dois titulares casados ou unidos de facto, fiquem a dispor de, pelo menos, 75% das unidades de participação representativas do património do fundo. Passam, igualmente, a ser sujeitas a IMT as entregas de bens imóveis dos participantes no acto de subscrição de unidades de participação de fundos de investimento imobiliário fechados de subscrição particular. IMPOSTO DO SELO Imposto do Selo Operações de reporte (artigos 2.º e 4.º) Passa a ficar expressamente consagrado no Código do Imposto do Selo que nas operações de reporte o primeiro adquirente assume a responsabilidade pela liquidação e entrega deste imposto ao Estado. Na eventualidade de o primeiro adquirente não ser domiciliado em território nacional, esta responsabilidade será assumida: pelas contrapartes centrais, instituições de crédito, sociedades financeiras ou outras entidades a elas legalmente equiparadas e quaisquer outras instituições financeiras domiciliadas em território nacional que tenham intermediado as operações de reporte; pelo primeiro alienante domiciliado em território nacional, caso as operações de reporte não tenham sido intermediadas pelas entidades referidas no ponto anterior. 13 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

14 IMPOSTO DO SELO Adicionalmente, fica expressamente previsto que, para que determinada operação de reporte se considere sujeita a Imposto do Selo, basta que o primeiro adquirente ou o primeiro alienante sejam domiciliados em território nacional. Estas alterações têm natureza interpretativa. Empréstimos com características de suprimentos (artigo 7.º) A isenção de Imposto do Selo relativa a empréstimos com características de suprimentos, incluindo os respectivos juros, passa a ser aplicável apenas quando exista uma participação directa no capital não inferior a 10% e desde que esta tenha permanecido na titularidade do concedente do empréstimo durante um ano consecutivo ou desde a constituição da entidade participada, contando que, neste caso, a participação seja mantida durante aquele período. Garantias a favor do Estado ou das instituições de segurança social (artigo 7.º) A isenção de Imposto do Selo concedida numa base anual - através das sucessivas Leis do Orçamento do Estado - relativamente às garantias a favor do Estado ou das instituições de segurança social no âmbito do artigo 196.º do CPPT e do Decreto-Lei n.º 42/2001, de 9 de Fevereiro, passa a estar prevista no Código do Imposto do Selo. Operações de pagamento baseadas em cartões (Verba da TGIS) A verba da Tabela Geral do Imposto do Selo passa a considerar sujeitas a Imposto do Selo, à taxa de 4%, as taxas cobradas por operações de pagamento baseadas em cartões. Esta alteração tem natureza interpretativa. Desincentivo ao crédito ao consumo (artigo 70.º-A) As taxas de imposto aplicáveis à utilização de crédito no âmbito de contratos abrangidos pelo Decreto-Lei n.º 133/2009, de 2 de Junho crédito ao consumo são agravadas em 50% relativamente a factos tributários que ocorram até 31 de Dezembro de Isenção conferida às garantias prestadas e operações financeiras realizadas entre instituições de crédito e sociedades financeiras (artigo 7.º) É conferida natureza interpretativa à isenção prevista na alínea e) do n.º 1 do artigo 7.º do Código do Imposto do Selo, no sentido em que a mesma apenas se aplica às garantias e operações financeiras directamente destinadas à concessão de crédito no âmbito da actividade exercida pelas instituições e entidades referidas naquela alínea. 14 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

15 EBF Estatuto dos Benefícios Fiscais (EBF) Organismos de Investimento Colectivo (artigo 22.º-A) Prevê-se um agravamento para 35% da taxa de tributação (por retenção na fonte a título definitivo) incidente sobre os rendimentos de unidades de participação em fundos de investimento imobiliário e mobiliário e de participações sociais em sociedades de investimento imobiliário e mobiliário, incluindo do respectivo resgate, quando: auferidos por pessoas singulares ou colectivas residentes em país, território ou região sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável constante de lista aprovada por portaria do membro do Governo responsável pela área das finanças (actualmente 28% para pessoas singulares e 25% para pessoas colectivas); e, pagos ou colocados à disposição em contas abertas em nome de um ou mais titulares mas por conta de terceiros não identificados, excepto quando seja identificado o beneficiário efectivo (actualmente 28%). Passam a estar sujeitas ao regime geral aplicável aos rendimentos associados a unidades de participação em fundos de investimento imobiliário e mobiliário e a participações sociais em sociedades de investimento imobiliário e mobiliário as entidades residentes noutro Estado membro da União Europeia, num Estado-Membro do Espaço Económico Europeu que esteja vinculado a cooperação administrativa no domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da União Europeia, ou num Estado com o qual tenha sido celebrada e se encontre em vigor convenção para evitar a dupla tributação que preveja a troca de informações, ainda que sejam detidas, directa ou indirectamente, em mais de 25% por entidades ou pessoas singulares residentes em território nacional. Mais-valias realizadas por não residentes (artigo 27.º) As mais-valias realizadas com a transmissão onerosa de partes sociais por entidades não residentes e sem estabelecimento estável em território português que sejam detidas, directa ou indirectamente, em mais de 25%, por entidades residentes neste território passam a beneficiar de isenção de IRC, desde que a sociedade alienante verifique cumulativamente os seguintes requisitos: seja residente noutro Estado membro da União Europeia, num Estado membro do Espaço Económico Europeu vinculado a cooperação administrativa no domínio da fiscalidade equivalente à estabelecida no âmbito da União Europeia, ou num Estado com o qual tenha sido celebrada e se encontre em vigor convenção para evitar a dupla tributação que preveja a troca de informações; esteja sujeita e não isenta de um imposto referido no artigo 2.º da Directiva n.º 2011/96/UE, do Conselho, de 30 de Novembro, ou de um imposto de natureza idêntica ou similar ao IRC cuja taxa legal aplicável não seja inferior a 60% da taxa geral do IRC; detenha uma participação directa ou directa e indirecta na entidade alienada não inferior a 10% do capital social ou dos direitos de voto; detenha a referida participação de modo ininterrupto, durante o ano anterior à alienação. 15 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

16 EBF Fundos de investimento imobiliário, fundos de pensões e fundos de poupança-reforma (artigo 49.º) É revogada a redução para metade das taxas de IMI e IMT aplicáveis aos prédios integrados em fundos de investimento imobiliário abertos ou fechados de subscrição pública, em fundos de pensões e em fundos de poupança-reforma. Benefícios fiscais municipais (artigo 23.º-A do Código Fiscal do Investimento) Prevê-se expressamente a possibilidade de os órgãos municipais concederem isenções totais ou parciais em IMI e IMT com vista a apoiar o investimento realizado na área do município. 16 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

17 IEC Impostos Especiais de Consumo (IECs) Imposto sobre o Álcool e as Bebidas Alcoólicas (IABA) Propõe-se um aumento em 3% do IABA sobre a cerveja, bebidas espirituosas e produtos intermédios. Imposto sobre os Produtos Petrolíferos e Energéticos (ISP) Prevê-se um aumento (para 44,92) da taxa máxima de imposto aplicável ao fuelóleo com teor de enxofre superior a 1%, e para 39,93 da taxa aplicável ao fuelóleo com teor de enxofre inferior ou igual a 1%. Imposto sobre o Tabaco Propõe-se um aumento do preço dos cigarros através do agravamento do elemento específico em 3% (de 88,20 para 90,85), conjugado com a alteração da fórmula de cálculo do respectivo limite. ISV Fiscalidade Verde Prevê-se, ainda, um aumento de 4% do elemento específico (de 0,075/g para 0,078/g) relativamente aos tabacos de fumar, rapé, tabaco de mascar e tabaco aquecido. Imposto sobre Veículos Propõe-se a introdução de novos escalões e aumentos de taxas aplicadas à componente cilindrada e ambiental. Estas alterações podem traduzir-se em aumentos de 3% no ISV de determinados veículos, nomeadamente nos motociclos, triciclos e quadriciclos. Fiscalidade Verde Incentivo fiscal ao abate de veículos em fim de vida Prevê-se uma redução nos incentivos ao abate de veículos em fim de vida de para e de para 1.125, na compra de veículos eléctricos novos sem matrícula e veículos híbridos plug-in novos sem matrícula, respectivamente. IUC Prevê-se, desde já, que este regime vigore até 31 de Dezembro de 2017, reduzindo-se em 50% os incentivos acima indicados a partir de 1 de Janeiro de Imposto Único de Circulação ( IUC ) Prevê-se um aumento generalizado de 0,5% do IUC. 17 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

18 LGT Lei Geral Tributária (LGT) Causas de suspensão da prescrição da prestação tributária (artigo 49.º) Passa a constituir causa de suspensão da prescrição da prestação tributária a acção de impugnação pauliana intentada pelo Ministério Público. Esta alteração tem aplicação imediata a todos os processos de execução fiscal que se encontrem pendentes, embora nestes casos a suspensão do prazo de prescrição apenas se inicie após a entrada em vigor da Lei do OE para Informações relativas a operações financeiras (artigo 63.º-A) A obrigação de prestação de informações pelas instituições de crédito, sociedades financeiras e demais entidades que prestem serviços de pagamento é estendida a outros meios de pagamento electrónico, para além dos fluxos de pagamentos com cartões de crédito e de débito a sujeitos passivos que aufiram rendimentos da categoria B do IRS ou IRC. Revisão dos actos tributários eliminação da equiparação do erro na autoliquidação a erro imputável aos serviços (artigo 78.º) CPPT Deixa de se considerar imputável aos serviços o erro na autoliquidação de imposto para efeitos de revisão dos actos tributários. Código de Processo e Procedimento Tributário (CPPT) Exigibilidade da dívida exequenda (artigo 177.º-A) Passa a considerar-se como tendo a situação tributária regularizada os contribuintes que tenham pendente meio de contencioso adequado à discussão da exigibilidade da dívida exequenda (oposição à execução e embargos de executados), em processo de execução fiscal com garantia constituída. Actualmente esta possibilidade só se encontra prevista para os casos de discussão da legalidade da dívida exequenda. Formalidades das citações (artigos 190.º e 191.º) Introduzem-se novas regras no que respeita às formalidades a observar nas citações relativas a dívidas cobradas no mesmo processo de execução fiscal, designadamente a possibilidade de os requisitos a verificar por estas citações poderem reportar-se à globalidade das dívidas, sendo necessária a indicação da natureza, do ano ou do período a que as mesmas se reportam e do seu montante global, considerando-se os executados, nestes casos, apenas citados no quinto dia posterior à citação. Prevê-se, ainda, que os elementos relativos a cada uma das dívidas exequendas possam ser consultados no Portal das Finanças ou, subsidiariamente, junto do órgão de execução fiscal. Contestação da oposição à execução pela Autoridade Tributária e Aduaneira (artigo 210.º) O prazo geral de contestação da oposição à execução pela Autoridade Tributária e Aduaneira é alargado de 10 para 30 dias. 18 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

19 CPPT Formalidades da penhora de abonos, salários ou vencimentos (artigo 227.º) São simplificadas as formalidades da penhora de quaisquer abonos, salários ou vencimentos de quaisquer titulares. Causas de extinção da execução fiscal (artigo 269.º) Passa a considerar-se extinta a dívida exequenda se, após o seu pagamento voluntário integral e do acrescido, se verifique serem devidos juros de mora ou custas de valor não superior a 10. Esta alteração tem aplicação imediata a todos os processos de execução fiscal pendentes à data de entrada em vigor da Lei do OE para Avaliação de garantias em processo de execução (artigo 199.º-A) Introduzem-se novos critérios de avaliação de garantias a prestar em processos executivos, quando estas não sejam garantias bancárias, cauções e seguros-cauções, determinando-se designadamente que o valor dos bens ou do património do garante seja determinado de acordo com o Código do Imposto do Selo. Esta alteração tem aplicação imediata às garantias que tenham sido aceites até à data da entrada em vigor da Lei do OE para 2016., sendo que a avaliação apenas determina o reforço ou a substituição dessas garantias quando o valor apurado seja inferior a 80% do valor resultante da aplicação do n.º 6 do artigo 199.º do CPPT. Introdução de regime de dispensa de prestação de garantia em pagamentos até 12 prestações Introduz-se a possibilidade de dispensa de prestação de garantia no âmbito de planos de pagamento prestacionais até 12 meses, sendo aplicável aos pedidos de pagamento em prestações apresentados até 31 de Dezembro de Esta possibilidade implica, contudo, a duplicação da taxa de juros de mora durante o período em que essa dispensa se mantenha. Autorização legislativa Legitimidade dos executados no processo de execução Prevê-se uma autorização legislativa no sentido de clarificar que, para efeitos da legitimidade dos executados no processo de execução fiscal, são sucessores dos devedores originários as sociedades beneficiárias de operações de fusão ou cisão, prevendo-se a criação de um incidente de habilitação daqueles sucessores, através do qual será informado no processo quem são os sucessores do executado e quantificada a sua responsabilidade. OUTRAS MEDIDAS Contribuição sobre o sector bancário É alterada de 0,085% para 0,110% a taxa máxima aplicável ao valor dos passivos. As sucursais em Portugal de instituições de crédito com sede principal e efectiva na União Europeia passam a estar sujeitas à contribuição sobre o sector bancário. São actualizadas as remissões para o Regime Geral das Instituições de Crédito e Sociedades Financeiras quanto ao conceito de instituição de crédito, filiais e sucursais, esclarecendo-se que o conceito de filial inclui as pessoas colectivas sobre as quais o Banco de Portugal considere que é exercida uma influência dominante. 19 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

20 OUTRAS MEDIDAS Passam, também, a ser deduzidos ao passivo os depósitos cobertos por outros sistemas de garantia de depósitos oficialmente reconhecidos. Acesso e troca de informações financeiras É conferida uma autorização legislativa ao Governo para: transpor para a ordem jurídica nacional a Directiva n.º 2014/107/UE, do Conselho, de 9 de Dezembro (que altera a Directiva n.º 2011/16/UE, do Conselho, de 15 de Fevereiro), relativa à troca automática de informações obrigatória no domínio da fiscalidade; estabelecer o regime para troca de informações referentes a contas financeiras de acordo com as normas do Common Reporting Standard (CRS); e prever a aplicação por parte das instituições financeiras das regras de comunicação à Autoridade Tributária e Aduaneira e de diligência devida quanto às contas financeiras sujeitas à comunicação ao abrigo daqueles instrumentos jurídicos. A autorização legislativa em apreço deverá abranger, entre outras situações: a alteração das regras e dos procedimentos de cooperação administrativa no domínio da fiscalidade previstos no Decreto-Lei n.º 61/2013, de 10 de Maio; a revisão da LGT no sentido de a mesma consagrar a obrigatoriedade de cumprimento das regras de comunicação e diligência devida no que se refere às contas financeiras sujeitas a comunicação ao abrigo da Directiva n.º 2014/107/UE, do Conselho, de 9 de Dezembro, e das convenções internacionais que prevejam troca de informação financeira e fiscal; a revisão dos ilícitos previstos no RGIT, por forma a prever, entre outros aspectos, penalidades para as infracções resultantes do incumprimento das obrigações de comunicação ou de diligência devida por parte das instituições financeiras; a revisão do RCPIT, no sentido de dotar a Autoridade Tributária e Aduaneira dos poderes necessários à verificação do cumprimento das obrigações previstas quanto à presente matéria. Contactos Luís Magalhães Head of Tax Alexandra Martins Indirect Tax Américo Coelho Corporate Tax Filipe Grenho Corporate Tax Gustavo Amaral Angola Tax Hugo Carvalho Tax Porto Jorge Taínha Maria do Céu Carvalho Michael Santos Pedro Marques Susana Pinto Personal Tax Incentives Tax Corporate Tax Financial Services Tax Transfer Pricing A informação contida neste documento é de natureza geral e não se aplica a nenhuma entidade ou situação particular. Apesar de fazermos todos os possíveis para fornecer informação precisa e actual, não podemos garantir que tal informação seja precisa na data em que for recebida/conhecida ou que continuará a ser precisa no futuro. Ninguém deve actuar de acordo com essa informação sem aconselhamento profissional apropriado para cada situação específica KPMG & Associados - Sociedade de Revisores Oficiais de Contas, S.A., a firma portuguesa membro da rede KPMG, composta por firmas independentes afiliadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ), uma entidade suíça. Todos os direitos reservados. Impresso em Portugal. O nome KPMG, o logótipo e cutting through complexity são marcas registadas da KPMG International Cooperative ( KPMG International ). 20 Principais alterações propostas a nível fiscal para 2016

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 (versão aprovada na AR) Orçamento do Estado para 2013 O Orçamento do Estado para 2013 já aprovado na Assembleia da República integra um conjunto de medidas fiscais que a seguir

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6 Principais Medidas Fiscais Com Incidência na Actividade Empresarial Lei nº 32-B/32, de 30 de Dezembro de 2002 ÍNDICE IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007

TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 TRINTA PROPOSTAS DE ALTERAÇÃO À PROPOSTA DE LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2007 O Bloco de Esquerda apresentou um conjunto de propostas sobre a política fiscal, que permitiriam gerar 960 milhões de euros

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal

Direito Fiscal. A Reforma do IRC. Principais Alterações e Implicações para as Empresas. Direito Fiscal Direito Fiscal A Reforma do IRC Principais Alterações e Implicações para as Empresas Direito Fiscal 0 Direito Fiscal A Macedo Vitorino & Associados foi constituída em 1996, concentrando a sua actividade

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS

O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS PLMJ Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Outubro 2011 O.E. 2012: PROPOSTAS FISCAIS INDICE I. INTRODUÇÃO 1 II. IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES 1 III. SEGURANÇA SOCIAL 6 IV.

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Beirafundo RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

IVA - Renúncia à isenção

IVA - Renúncia à isenção IVA - Renúncia à isenção Determinada empresa tem como objecto social, conforme consta na sua declaração de início de actividade, o CAE 70 120 - Compra, construção e arrendamento, administração e gestão

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011 1 de 6 30-11-2010 12:02 Caso não consiga visualizar este email correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

O Planeamento das Grandes Empresas

O Planeamento das Grandes Empresas O Planeamento das Grandes Empresas A REFORMA DO IRC: PERSPECTIVAS E CONTRADIÇÕES Universidade Católica Portuguesa Ricardo da Palma Borges Lisboa, 29 de Outubro de 2013 1 Introdução e generalidades Entre

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011

ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 1 13 Jan 2011 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 NELSON BASTOS REVISOR OFICIAL DE CONTAS 2010-2011: Informação Crítica para a Transição Fiscal Parceiros Institucionais Media Partner 2 ORÇAMENTO DO ESTADO 2011 AGENDA:

Leia mais

Edição Especial OE 2012

Edição Especial OE 2012 06 01 2012 * 1 Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (CIRS) - Art.º 2.º, n.º 3, al. b), 2). Subsídio de refeição Sujeito a tributação em IRS, quando atribuído: (i) em dinheiro, na

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Imomar RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano

IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano IVA e IEC na Proposta do OE 2005 PricewaterhouseCoopers Susana Caetano Na proposta de Orçamento do Estado (OE) para 2005 propõe-se a introdução de algumas alterações relevantes e de autorizações legislativas

Leia mais

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006

ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 FISCAL E FINANÇAS LOCAIS NEWSLETTER RVR 2 Maio de 2007 ALTERAÇÕES AO CÓDIGO DO IRS DL 238/2006 E LEI 53-A/2006 Sandra Cristina Pinto spinto@rvr.pt O Decreto Lei nº 238/2006 e a Lei nº 53-A/2006, publicados

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 175/XII Exposição de Motivos A reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) é uma prioridade do Governo desde o início da legislatura. Esta reforma consta, desde

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundolis RELATÓRIO & CONTAS 2007 ÍNDICE ACTIVIDADE DO FUNDO 2 BALANÇO 4 DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS 5 DEMONSTRAÇÃO DOS FLUXOS MONETÁRIOS 6 ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME

LEGISLAÇÃO CSC PARA CONSULTA NO EXAME ELEMENTOS DO CÒDIGO DAS SOCIEDADES COMERCIAIS PARA CONSULTA Artigo 28.º Verificação das entradas em espécie 1 - As entradas em bens diferentes de dinheiro devem ser objecto de um relatório elaborado por

Leia mais

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado

Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium Instrumento de Captação de Aforro Estruturado - Prospecto Informativo - I INFORMAÇÃO DE SÍNTESE INSTRUMENTO As Obrigações de Caixa Euro Dólar Premium constituem um

Leia mais

GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS

GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS GUIA de ESCLARECIMENTO de BENEFÍCIOS FISCAIS Elaborada em Janeiro de 2013 1 BENEFÍCIOS FISCAIS Conforme artigo 14º e alínea f) do nº2 do artigo33º do Decreto-Lei 307/2009 de 23 de Outubro, alterado pela

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS

Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Regulamentação e Tabelas de retenção na fonte do IRS Código do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas IRC Estatuto dos Benefícios

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

- Prospecto Informativo -

- Prospecto Informativo - - Prospecto Informativo - Designação Classificação Depósito Valor Crescimento Global USD (doravante referido por o Depósito ). Depósito Indexado Caracterização do Produto Garantia de Capital Garantia de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

OE 2009 Alterações Fiscais

OE 2009 Alterações Fiscais OE 2009 Alterações Fiscais A presente Informação Fiscal destina-se a ser distribuída entre Clientes e Colegas e a informação nela contida é prestada de forma geral e abstracta, não devendo servir de base

Leia mais

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO

CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO (5.ª Edição) Actualização N.º 5 Códigos Tributários Edição de Bolso 2 TÍTULO: AUTORES: CÓDIGOS TRIBUTÁRIOS EDIÇÃO DE BOLSO Actualização N.º 5 BDJUR EDITOR: EDIÇÕES ALMEDINA,

Leia mais

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO

BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO BPI MONETÁRIO CURTO PRAZO FUNDO ESPECIAL DE INVESTIMENTO ABERTO Demonstrações Financeiras em 31 de Dezembro de 2010 acompanhadas do Relatório de Auditoria BALANÇO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 Activo Mais-

Leia mais

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Fiscalidade em Tempo de Crise Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Síntese das alterações fiscais contidas na Lei do Orçamento do Estado para 2012 Fiscalidade em

Leia mais

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi

Cisão. (Resposta redigida em Abril de 2006) Deste modo, do ponto de vista estritamente contabilístico, atendendo a que todo o projecto foi 60 Consultório Técnico Cisão Uma sociedade anónima concretizou em 31 de Outubro de 2005 uma cisão simples, daí resultando uma outra sociedade por quotas. Sucede que a sociedade cindida tinha na sua contabilidade

Leia mais

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL. março de 2014. 1.5. Declaração de retificação n.º 18/2014, de 13 de março

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL. março de 2014. 1.5. Declaração de retificação n.º 18/2014, de 13 de março ÍNDICE 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS DE DIREITO INTERNACIONAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 1.1 Portaria n.º 77-A/2014, de 31 de março Regulamenta os critérios de atribuição às Regiões Autónomas da Madeira

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC. Seminário Crowe Horwath Fevereiro 2011. 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH O CIRC E SUA ADAPTAÇÃO AO SNC 1 1 APRESENTAÇÃO A revogação do POC e o novo Sistema de Normalização Contabilística (SNC) Aspectos fiscais mais relevantes decorrentes da adopção do

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS APROVADO PELO DECRETO-LEI N.º 215/89, DE 01 DE JULHO ALTERADO PELOS SEGUINTES DIPLOMAS: - DECLARAÇÃO PUBLICADA NO DR EM 31 DE OUTUBRO DE 1989 - DECRETO-LEI N.º 416/89 DE

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário

Overview pela fiscalidade no sector imobiliário Overview pela fiscalidade no sector imobiliário A perspectiva do pequeno investidor II Semana da Reabilitação Urbana de Lisboa Sociedade de Geografia 16 de Abril de 2015 ÍNDICE DE CONTEÚDOS I INCENTIVOS

Leia mais

Delimitação negativa da incidência

Delimitação negativa da incidência INFORMAÇÃO FISCAL Nº 27 1. No passado dia 11 de Outubro de 2007 foi aprovada, em Conselho de Ministros, a Proposta de Lei do Orçamento de Estado para o ano de 2008 (Proposta de Lei n.º 656/2007, de 11

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais N.º 01 07 de Janeiro 2015 Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais Na sequência da publicação da Lei do Orçamento do Estado para 2015 (OE 2015), preparámos um resumo das principais

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime

SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS Novo regime Lisboa, 2014 www.bportugal.pt http://clientebancario.bportugal.pt SERVIÇOS MÍNIMOS BANCÁRIOS 3.ª reedição, janeiro de 2016 Banco de Portugal Av. Almirante Reis, 71

Leia mais

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014.

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 219 12 de novembro de 2014 5759 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Decreto do Presidente da República n.º 101/2014 de 12 de novembro O Presidente da República decreta, nos termos

Leia mais

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Principais normas aplicáveis aos Municípios Este é um documento de trabalho que pretende agregar as principais normas aplicáveis

Leia mais

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos Os rendimentos prediais em sede de IRS e os recibos de renda eletrónicos A reforma do IRS, aprovada pela Lei n.º 82-E/2014, de 31 de dezembro, instituiu no artigo 115.º do Código do IRS a obrigatoriedade

Leia mais

autoridade tributária e aduaneira

autoridade tributária e aduaneira Classificação: O O o. O 1. O 9 AT tributária e aduaneira Segurança: Processo: 2016/ 1678 Ofício Circulado N.º: 2 O. 18 =; OS. O~. l. 016 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): Sua Ref.ª: Técnico:

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

Orçamento de Estado 2012

Orçamento de Estado 2012 Orçamento de Estado 2012 Carlos Cunha Prof. Mestrado U. Minho E-mail: carloscunha.roc@sapo.pt 28-12-2011 Carlos A. Silva Cunha AGENDA 1. Como chegamos aqui? 2. OE 2012: Despesas correntes Receitas correntes

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais

Estatuto dos Benefícios Fiscais Ver tabela de correspondência dos artigos anteriores à redacção do Decreto-Lei n.º 198/2001, de 3 de Julho Decreto-Lei n.º 215/89 Artigo 1.º - Aprovação e entrada em vigor Artigo 2.º - Regime transitório

Leia mais

Artigo 1.º Pessoas visadas

Artigo 1.º Pessoas visadas Resolução da Assembleia da República n.º 39/95 Convenção e o Protocolo entre a República Portuguesa e os Estados Unidos da América para Evitar a Dupla Tributação e Prevenir a Evasão Fiscal em Matéria de

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DECLARAÇÃO MODELO 3 DECLARAÇÃO MODELO 3 A declaração modelo 3 é apresentada em duplicado, destinando-se o duplicado a ser devolvido ao apresentante no momento da recepção, depois de autenticado, servindo apenas como comprovante

Leia mais

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO EMPRESA DE SEGUROS Santander Totta Seguros, Companhia de Seguros de Vida S.A., com Sede na Rua da Mesquita, nº 6 - Torre A - 2º - 1070 238 Lisboa, Portugal (pertence ao Grupo Santander). A Santander Totta

Leia mais

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash 31 Dezembro 2013 OE 2014 Especial Tax News Flash Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 7 Imposto do Selo 9 Impostos Especiais de Consumo

Leia mais

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014 Smile it`s a tax guide Guia do IRS 2013 Fevereiro de 2014 Índice Guia do IRS 2013 Smile it s a tax guide 3 Principais alterações em 2013 Residentes Não Habituais O ano de 2013 foi marcado pelo maior aumento

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

Caso desejem contactar os profissionais da Ernst & Young em Portugal podem-no fazer dirigindo-se a

Caso desejem contactar os profissionais da Ernst & Young em Portugal podem-no fazer dirigindo-se a Guia Fiscal 2006 GUIA FISCAL 2006 O GUIA FISCAL PORTUGAL 2006 DA ERNST & YOUNG resume as principais normas do regime fiscal Português tal como está em vigor desde 1 de Janeiro de 2006. O conteúdo baseia-se

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais