Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna"

Transcrição

1 Departamento Executivo DEX Superintendência Técnica - SUTEC Coordenação de Desempenho Operacional CODEP Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna Junho / 2010

2 Índice Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna 1) Finalidade 5 2) Diretrizes 5 3) Abrangência 5 4) Orientações Gerais 5 4.1) Linha de Ação 5 4.2) Especialidades Autorizadas ) Ortopedia e Reumatologia ) RPG ) Pilates (sem aparelhos) 6 4.3) Princípios 7 4.4) Público-alvo 7 4.5) Prioridade de Atendimento 8 5) Estrutura 8 5.1) Recursos Físicos 8 5.2) Recursos Materiais 9 5.3) Recursos Humanos 9 Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 2

3 5.3.1) Atribuições do Fisioterapeuta ) Número de Profissionais e Carga Horária ) Substituição de Profissionais em Licença Médica ) Compensação de Horas Trabalhadas em Eventos 12 6) Procedimentos Iniciais para Funcionamento da Clínica de Fisioterapia ) Registro da Clínica junto ao CREFITO ) Alvará de Vigilância Sanitária ) Escolha do Responsável Técnico e Substituto 13 7) Procedimentos e Rotinas da Clínica de Fisioterapia ) Cadastros de Profissionais ) Agendamento do Cliente no Sistema de Atendimento ) Criação da Grade Horária ) Marcação da Consulta/Tratamento ) Descanso Obrigatório ) Duração da Consulta ) Tipos de Consulta ) Exigência de Recomendação Médica ) Falta em Consulta e/ou Tratamento 19 Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 3

4 7.6) Atendimento ) Prontuário Fisioterápico ) Procedimentos ) Tabela de Preços ) Recebimento dos Serviços Realizados ) Validade do Orçamento ) Desistência dos Serviços ) Abandono de Tratamento ) Atestado de Fisioterapia 22 8) Metas e Avaliação de Resultados 23 9) Anexos ANEXO I Formulário de Implantação - Clínicas de Fisioterapia/ Tratamento da Coluna 24 Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 4

5 FISIOTERAPIA / TRATAMENTO DA COLUNA 1) Finalidade Orientar as Unidades Operacionais SEST SENAT no processo de implantação e desenvolvimento das atividades de Fisioterapia, definindo linha de atuação, características do atendimento, normas e procedimentos operacionais. 2) Diretrizes No planejamento de suas ações, as Unidades deverão observar as diretrizes gerais e prioridades definidas pela Instituição, respeitando as disposições constantes no Estatuto Social, Regulamentos internos, ATOS Presidenciais e Instruções de Serviços préexistentes. 3) Abrangência DEX Departamento Executivo CODEP Coordenação de Desempenho Operacional Unidades SEST SENAT 4) Orientações Gerais 4.1) Linha de Ação As Clínicas de Fisioterapia/Tratamento da Coluna do SEST SENAT terão como foco principal a área ortopédica, com atividades voltadas para problemas de coluna e suas derivações. A fisioterapia será indicada no tratamento de patologias diversas, como: artroses, entorses, bursites, tendinites, fibromialgias, pós-operatórios ortopédicos, hérnias discais, cifoses, escolioses, lordoses, problemas posturais, encurtamentos musculares e outros. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 5

6 4.2) Especialidades Autorizadas 4.2.1) Ortopedia e Reumatologia Esta especialidade será o principal foco das clínicas de fisioterapia do SEST SENAT e está voltada para os seguintes tratamentos: - Traumas esportivos; - DORT (doença osteomuscular relacionada ao trabalho); - Fases pré e pós-operatórias de cirurgias no sistema músculo-esquelético; - Patologias ortopédicas e reumatológicas, sejam elas agudas ou crônicas; - Dores na coluna, dores musculares ou nas articulações do corpo. Esta especialidade utiliza práticas e técnicas como eletroterapia, crioterapia, termoterapia e hidroterapia, utilizadas para alívio da dor, remissão de estados inflamatórios e estimulação sensório-motora, visando à normalização das funções motoras ) RPG O RPG Reeducação Postural Global é um método consolidado como padrão para o acompanhamento das patologias do sistema músculo-esquelético, indicado, sobretudo nos desvios posturais. Pode ser realizado por crianças, adultos, idosos ou gestantes, sendo cada paciente avaliado individualmente para a indicação de um tratamento específico. Promove o realinhamento postural, diminuindo a incidência de dores osteomusculares decorrentes de encurtamentos, força muscular inadequada, artroses, estresse, trauma esportivo ou ocupacional, dentre outros ) Pilates (sem aparelhos) Técnica de alongamento e fortalecimento voltada para pessoas que desejam um desenvolvimento harmonioso de sua capacidade física e flexibilidade, sem perda da saúde de seu sistema osteomuscular. Promove ganho de força e alongamento muscular, com exercícios que visam desenvolver o bem-estar e a harmonia entre o corpo e a mente. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 6

7 4.3) Princípios A organização dos serviços de atenção e assistência à saúde está norteada pelos seguintes princípios: a) Oferta prioritária de atendimento ao trabalhador em transporte rodoviário, principalmente o trabalhador que estiver em trânsito; b) ações educativas e preventivas individuais, junto ao atendimento clínico, nos tratamentos oferecidos pela instituição; c) atuação integrada entre as Unidades SEST SENAT, visando apoio diagnóstico e continuidade do tratamento do cliente em trânsito; d) reconhecimento, por parte dos profissionais de saúde e de toda a equipe SEST SENAT, da integridade do indivíduo, contemplando todos os aspectos biológicos, psicológicos e sociais em que está inserido, como forma de interferir no processo saúdedoença e promover melhor qualidade de vida ao nosso público. 4.4) Público-alvo O atendimento de Fisioterapia deverá ser disponibilizado a todos os clientes do SEST SENAT, ou seja, trabalhadores do setor de transporte, seus dependentes e comunidade em geral. Para efeito de cadastro, são considerados trabalhadores em transporte: a) Funcionários com vínculo empregatício em empresas de transporte rodoviário, locação de veículos, transporte de valores, distribuição de petróleo e demais modais (ferroviário, metroviário, aquaviário e aéreo), conforme normativo da instituição, desde que comprovem o vínculo por meio da carteira de trabalho ou contra cheque atualizado. b) Motoristas autônomos que prestam serviços para pessoas jurídicas, desde que apresentem carta frete, RPA/RPS ou contra cheque, se for cooperado, do mês vigente e com desconto para o SEST SENAT. c) Motoristas autônomos que prestam serviços para pessoas físicas (transporte escolar, taxistas, fretes), desde que contribuam por meio de boleto bancário. A contribuição deverá estar válida para o trimestre vigente. d) Aposentados do setor de transporte, mediante apresentação do comprovante de aposentadoria em empresa do setor de transporte emitido pelo INSS ou comprovado em carteira de trabalho. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 7

8 e) Funcionários de empresas de outros segmentos econômicos que realizem transporte próprio, desde que comprovem em CTPS que executam a atividade de transporte e constem obrigatoriamente em GFIP distinta, com FPAS 612 e código de outras entidades: 3138 e ) Prioridade de Atendimento Assim como os demais atendimentos oferecidos pelo SEST SENAT, a Fisioterapia deverá priorizar o trabalhador em transporte que estiver em trânsito. Esta informação deve ficar disponível de forma clara na recepção da área de saúde e, se possível, nos cartões de marcação de consulta. É importante a divulgação prévia desta regra a todos os clientes, para que os mesmos não se sintam lesados caso seja necessário substituir o seu horário de atendimento por este motivo. 5) ESTRUTURA 5.1) Recursos Físicos As clínicas de Fisioterapia deverão ser criadas nas instalações do módulo de saúde, em substituição a um dos consultórios médicos. O espaço proposto para a montagem da clínica de Fisioterapia é o atual consultório ginecológico. Porém, a Unidade poderá aproveitar o consultório médico que melhor se adéqüe à sua estrutura, considerando o quadro de profissionais aprovado e contratado. Importante: Em nenhuma hipótese, o consultório oftalmológico deverá ser extinto. Caso o seu espaço seja aproveitado para a clínica de fisioterapia, os equipamentos de oftalmologia deverão ser montados em outro consultório, mesmo que a Unidade não possua médico oftalmologista contratado. Ou seja, o consultório oftalmológico deverá permanecer ativo. Não estão previstas alterações de planta/estrutura para adequação da clínica de Fisioterapia. Não é necessário disponibilizar um banheiro exclusivo para os clientes da Fisioterapia, sendo possível utilizar os sanitários já disponíveis na área de saúde. Porém, é importante a disponibilização de um espaço reservado para a troca de roupas, se possível, dentro do próprio consultório. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 8

9 Qualquer instalação diferente do que está previsto neste Manual deverá ser solicitada previamente ao Técnico da CODEP que atende à Unidade, com as devidas justificativas. 5.2) Recursos Materiais Os materiais e equipamentos básicos para montagem das clínicas deverão ser adquiridos pelas Unidades mediante processo de Registro de Preços, conforme ATA (PE N 22) disponível na intranet, no seguinte caminho: Além dos materiais contemplados na ATA, as Unidades também deverão adquirir os seguintes itens: porta álcool-gel; porta papel toalha; molduras para espelho, aparelho TENS/FES e cabos TENS/FES. Para estes dois últimos itens, a área de Compras está fechando uma nova ATA. A CODEP fará o reembolso das despesas com a montagem das clínicas a cada Unidade, mediante recebimento do Formulário de Implantação Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna, constante no ANEXO I deste Manual. Para isto, cada dirigente deverá enviar o Formulário de Implantação ao técnico da CODEP responsável pela respectiva Unidade. A partir do recebimento deste formulário, a implantação da clínica será confirmada e o valor de reembolso será programado para o repasse do mês subseqüente. Os valores de reembolso serão pré-fixados, conforme orçamento definido pela área de Compras. As Unidades criadas após assinatura do ATO 092/09 receberão os materiais de fisioterapia em momento anterior à sua inauguração, não sendo necessária a adesão ao Registro de Preços. 5.3) Recursos Humanos O Fisioterapeuta deverá ter Nível Superior em Fisioterapia, com registro no CREFITO, experiência na área, domínio de informática, dentre outros requisitos. Para realização do Processo Seletivo, o Dirigente deverá utilizar o modelo de anúncio disponibilizado pela Assessoria de Recursos Humanos na intranet e seguir as regras definidas pela IS 096/09. Qualquer dúvida relacionada a este processo deverá ser tratada com a Assessoria de Recursos Humanos. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 9

10 5.3.1) Atribuições do Fisioterapeuta O Fisioterapeuta é o profissional habilitado à construção do diagnóstico dos distúrbios cinéticos funcionais, a prescrição das condutas fisioterapêuticas, o acompanhamento da evolução do quadro clínico funcional e as condições para alta do serviço. É responsável por: a) Elaborar o Diagnóstico Cinesiológico Funcional, a partir da identidade da patologia clínica intercorrente, de exames laboratoriais e de imagens, da anamnese funcional e exame da cinesia, da funcionalidade e do sinergismo das estruturas anatômicas envolvidas. b) Estabelecer o programa terapêutico do cliente, fazendo as adequações necessárias. c) Solicitar exames complementares e/ou requerer pareceres técnicos especializados de outros profissionais de saúde, quando necessários. d) Registrar em prontuário ou ficha de evolução do cliente, a prescrição fisioterapêutica, a sua evolução, as intercorrências e as condições de alta em Fisioterapia. e) Colaborar com as autoridades de fiscalização profissional e/ou sanitária. f) Efetuar controle periódico da qualidade e funcionalidade dos seus equipamentos, das condições sanitárias e da resolutividade dos trabalhos desenvolvidos. Código de Ética Com base no Código de Ética definido pelo COFFITO, destacamos as seguintes obrigações do fisioterapeuta, no exercício da sua profissão. I - exercer sua atividade com zelo, probidade e decoro e obedecer aos preceitos da ética profissional, da moral, do civismo e das leis em vigor, preservando a honra, o prestígio e as tradições de suas profissões; II - respeitar a vida humana desde a concepção até a morte, jamais cooperando em ato em que voluntariamente se atente contra ela, ou que coloque em risco a integridade física ou psíquica do ser humano; III - prestar assistência ao indivíduo, respeitados a dignidade e os direitos da pessoa humana, independentemente de qualquer consideração relativa à etnia, nacionalidade, credo político, religião, sexo e condições sócio-econômica e cultural e de modo a que a prioridade no atendimento obedeça exclusivamente a razões de urgência; IV - utilizar todos os conhecimentos técnicos e científicos a seu alcance para prevenir ou minorar o sofrimento do ser humano e evitar o seu extermínio; Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 10

11 V - respeitar o natural pudor e a intimidade do cliente; VI - respeitar o direito do cliente de decidir sobre sua pessoa e seu bem estar; VII - informar ao cliente quanto ao diagnóstico e prognóstico fisioterápico e/ou terapêutico ocupacional e objetivos do tratamento, salvo quanto tais informações possam causar-lhe dano; VIII o fisioterapeuta, à vista de parecer diagnóstico recebido e após buscar as informações complementares que julgar convenientes, avalia e decide quanto à necessidade de submeter o cliente à fisioterapia e/ou terapia ocupacional, mesmo quando o tratamento é solicitado por outro profissional. IX - o fisioterapeuta zela para que o prontuário do cliente permaneça fora do alcance de estranhos à equipe de saúde da instituição, salvo quando outra conduta seja expressamente recomendada pela direção da instituição. X- É proibido ao fisioterapeuta: a) abandonar o cliente em meio a tratamento, sem a garantia de continuidade de assistência, salvo por motivo relevante; b) prescrever medicamento ou praticar ato cirúrgico; c) recomendar, prescrever e executar tratamento ou nele colaborar, quando: - desnecessário; - proibido por lei ou pela ética profissional; - atentório à moral ou à saúde do cliente; e - praticado sem o consentimento do cliente ou de seu representante legal ou responsável, quando se tratar de menor ou incapaz; d) promover ou participar de atividade de ensino ou pesquisa em que direito inalienável do homem seja desrespeitado, ou acarrete risco de vida ou dano a sua saúde; e) emprestar, mesmo a título gratuito, seu nome, fora do âmbito profissional para propaganda de medicamento ou outro produto farmacêutico, tratamento, instrumental ou equipamento, ou publicidade de empresa industrial ou comercial com atuação na industrialização ou comercialização dos mesmos; f) receber, de pessoa física ou jurídica, comissão, remuneração, benefício ou vantagem que não corresponde a serviço efetivamente prestado; g) exigir, de instituição ou cliente, outras vantagens, além do que lhe é devido em razão de contrato, honorários ou exercício de cargo, função ou emprego; h) trabalhar em empresa não registrada no Conselho Regional de Fisioterapia e terapia ocupacional da região; i) delegar suas atribuições, salvo por motivo relevante; j) permitir que trabalho que executou seja assinado por outro profissional, bem como assinar trabalho que não executou, ou do qual não tenha participado; k) angariar ou captar serviço ou cliente, com ou sem a intervenção de terceiro, utilizando recurso incompatível com a dignidade da profissão ou que implique em concorrência desleal; l) receber de colega e/ou de outro profissional, ou a ele pagar, remuneração a qualquer título, em razão de encaminhamento de cliente. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 11

12 5.3.2) Número de Profissionais e Carga Horária Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna O quadro de pessoal das Unidades A e B prevê a contratação de até 02 (dois) profissionais fisioterapeutas, com carga horária individual de 04 (quatro) horas diárias. Inicialmente, cada Unidade deverá contratar apenas um fisioterapeuta. Caso seja identificada a existência de demanda por novo profissional, o segundo fisioterapeuta deverá ser contratado ) Substituição de Profissionais em Férias e Licença Médica Nos períodos de férias e licenças de até 90 (noventa) dias, os profissionais Fisioterapeutas poderão ser substituídos. As regras para contratação do profissional temporário deverão ser consultadas com a COAD Coordenação de Administração do Departamento Executivo ) Compensação de Horas Trabalhadas em Eventos Quando houver a necessidade do profissional trabalhar fora do seu horário de expediente, as horas de trabalho poderão ser compensadas. A forma de compensação deverá ser verificada com a COAD Coordenação de Administração do Departamento Executivo. 6) PROCEDIMENTOS INICIAIS PARA FUNCIONAMENO DA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA 6.1) Registro da Clínica junto ao CREFITO A Unidade deverá providenciar o Registro da Clínica de Fisioterapia junto ao respectivo Conselho Regional (CREFITO). Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 12

13 O CREFITO emite o Certificado de Registro de Consultório e a Declaração de Regularidade de Funcionamento (DRF), de periodicidade anual, que confere legitimidade para o exercício da fisioterapia ou terapia ocupacional no estabelecimento. A DRF deve ficar em local visível, de preferência fixado na parede da área de saúde (recepção), às vistas da fiscalização. (Legislação: Resolução COFFITO 37 art.5º e 10.) Os documentos emitidos pelo CREFITO deverão ser cadastrados no Controle de Documentos do sistema SIGSS, conforme descrição abaixo: 1. CREFITO - Certificado de Registro de Consultório: não tem prazo de validade, mas deve ser observado o prazo da Declaração de Funcionamento. 2. CREFITO Declaração de Funcionamento: prazo de validade anual. 6.2) Alvará de Vigilância Sanitária A Unidade deverá solicitar, junto à Vigilância Sanitária, o Alvará de Licença para funcionamento da clínica de Fisioterapia. Na inspeção da Vigilância Sanitária, poderão ser exigidas alterações estruturais e de adequações em determinados equipamentos. Qualquer exigência deve estar prevista em Lei, Decreto ou Resolução Normativa, a qual deve ser formalmente apresentada para a Unidade, constando no laudo de inspeção. Nas situações em que for necessário, comprovadamente, realizar alguma adequação, a Unidade deverá encaminhar cópia do laudo e da respectiva legislação para apreciação da CODEP. O documento emitido pela Vigilância Sanitária deverá ser cadastrado no Controle de Documentos do sistema SIGSS, conforme descrição abaixo: Licença Sanitária da Clínica de Fisioterapia: prazo de validade anual. Importante: É possível que, para liberação do Alvará de Licença da clínica de Fisioterapia, a Vigilância Sanitária exija a atualização do Alvará de Funcionamento do SEST, para inclusão da Fisioterapia na descrição das atividades desenvolvidas pela Unidade. Nestes casos, o referido documento deverá ser prontamente renovado, uma vez que não possui data de vencimento explícita. Em determinados locais, essa renovação pode não ser exigida, uma vez que já está contemplada no documento original a atividade de Assistência Médica. 6.3) Escolha do Responsável Técnico e Substituto Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 13

14 O Fisioterapeuta poderá ser indicado como responsável técnico ou responsável técnico substituto perante a Vigilância Sanitária. É importante observar que sempre deverá haver um responsável técnico para responder pelo atendimento fisioterápico na Unidade, sendo de responsabilidade da Direção a indicação do profissional. Importante: Não existe obrigatoriedade legal do pagamento de adicional para o responsável técnico. Porém, é necessário que o contrato de trabalho contemple uma cláusula com a seguinte redação: 1 - O empregado, admitido fisioterapeuta, ficará, sempre que necessário, encarregado de assinar como Responsável Técnico, sendo que para esta atividade não sofrerá nenhum acréscimo pecuniário. 7) PROCEDIMENTOS E ROTINAS DA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA Todos os atendimentos realizados na Clínica de Fisioterapia deverão ser agendados e registrados no sistema SIGSS. Para isto, serão necessários os seguintes procedimentos iniciais. 7.1) Cadastros de Profissionais Para que o nome do profissional Fisioterapeuta fique disponível na Agenda, é necessário que o mesmo seja cadastrado no sistema como médico, selecionando a especialidade Fisioterapia, conforme abaixo: Saúde > Cadastros e Pesquisas > Profissional de Saúde > Médico > Cadastrar Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 14

15 7.2) Agendamento do Cliente no Sistema de Atendimento Inicialmente, os atendimentos de Fisioterapia seguirão o mesmo formato da área médica, aproveitando a estrutura de sistema existente, até que as adequações sejam realizadas. Dessa forma, para ajustar a atual ferramenta às necessidades da Fisioterapia, algumas contingências deverão ser observadas ) Criação da Grade Horária Após cadastro do profissional, deverá ser criada uma grade horária para o Fisioterapeuta, conforme horário de funcionamento da Clínica. Importante: Se a Unidade possuir mais de 01 (um) Fisioterapeuta, deverá ser criada uma grade horária para cada um. Porém, se os profissionais trabalharem em horários coincidentes, deverá ser observada, no momento da marcação das consultas, a disponibilidade de espaço no consultório, para evitar marcações superiores à sua capacidade. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 15

16 7.2.2) Marcação da consulta/tratamento Manual de Promoção Social Clínicas de Fisioterapia / Tratamento da Coluna Após criação da grade horária, o sistema apresentará os horários disponíveis para marcação dos clientes. Porém, é possível que o mesmo profissional atenda a mais de um paciente por vez, dependendo do tipo de tratamento que será realizado. Nestes casos, a agenda não permitirá a marcação de dois ou mais pacientes no mesmo horário, então deverá ser utilizada a opção de Encaixe. As consultas marcadas no encaixe também são consideradas no cálculo de horas atendidas, sem prejuízo aos resultados de produção da Unidade. Importante: a definição da quantidade de clientes a serem atendidos no mesmo horário deverá ser feita pelo Dirigente da Unidade, em conjunto com o Fisioterapeuta, e deverá avaliar os seguintes fatores: tamanho do consultório (área física), tipo de tratamento realizado, capacidade do profissional e disponibilidade do paciente. Segue demonstração da marcação de dois pacientes em horários simultâneos: Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 16

17 Não será obrigatório para o Fisioterapeuta ) Descanso Obrigatório O descanso obrigatório de 10 min não será exigido para o Fisioterapeuta, conforme demonstrado no sistema. O intervalo deverá ser definido pelo Diretor da Unidade, em conjunto com o profissional ) Duração da Consulta Assim como já ocorre nos atendimentos médicos, a informação de Duração da Consulta deve ser preenchida no momento da marcação na agenda. Porém, caso o atendimento Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 17

18 seja superior ou inferior ao tempo previamente informado, o Fisioterapeuta deverá atualizar o sistema, preenchendo a informação de Duração Real da Consulta. 7.3) Tipos de Consulta Os tipos de consultas existentes para o atendimento de Fisioterapia estão cadastrados no sistema SIGSS. Para que estas fiquem disponíveis na agenda, no momento da marcação, é necessário que cada Unidade defina o seu respectivo valor, no cadastro de preço de procedimento. Seguem os tipos de consulta cadastrados: A) Avaliação Fisioterapêutica: corresponde a uma consulta inicial, onde o profissional irá avaliar o tipo de tratamento adequado ao paciente. B) Evolução Fisioterapêutica: corresponde à consulta de retorno, para avaliação de resultados e/ou alteração do programa inicial. C) Tratamento em curso: corresponde às seções de fisioterapia a serem realizadas pelo paciente, de acordo com o tratamento definido pelo Fisioterapeuta. D) Emergencial: deve ser utilizada em caso de urgência de atendimento, quando o paciente apresentar algum tipo de queixa relacionada ao tratamento de Fisioterapia. 7.4) Exigência de Recomendação Médica Dependendo do tipo de atendimento a ser realizado, a Unidade deverá exigir que o paciente apresente a recomendação médica para a prática da Fisioterapia, conforme abaixo: A) Tratamentos de prevenção: são tratamentos recomendados para melhora na postura, como o RPG, por exemplo. Não é necessária a prescrição médica. B) Tratamentos corretivos: indicados em casos de recuperação por lesão, cirurgia, dores na coluna e membros associados. É necessário que o paciente apresente a prescrição médica, indicando o tratamento de Fisioterapia. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 18

19 A prescrição é apenas um diagnóstico sobre o problema do paciente, contendo a indicação do tratamento recomendado pelo médico. Contudo, mesmo com a prescrição médica, o Fisioterapeuta deverá fazer toda a avaliação (anamnese) do paciente e definir qual o plano de tratamento indicado no caso em questão. 7.5) Falta em Consulta e/ou Tratamento As Unidades poderão adotar a cobrança por falta em consulta como medida de redução do índice de faltas, uma vez que o horário da consulta estava reservado para determinado paciente. Caso o procedimento de cobrança seja adotado pela Unidade, este deverá ser informado previamente ao cliente, seja por telefone ou no papel de marcação da consulta. Além disso, deverá ser fixado um aviso na parede da recepção do SEST, informando que, em caso de necessidade, o cancelamento da consulta deve ser realizado com até 24h de antecedência. Caso contrário, haverá cobrança pelo não comparecimento. 7.6) Atendimento O Fisioterapeuta deverá realizar o diagnóstico fisioterápico e elaborar um programa de tratamento para o paciente. Além do programa definido para realização na clínica, o profissional também poderá orientar o paciente sobre hábitos e exercícios recomendados para melhor aproveitamento do tratamento. Como apoio ao atendimento de Fisioterapia, foi desenvolvida a Cartilha de Alongamentos, que está disponível na intranet ) Prontuário Fisioterápico Ainda não existe um prontuário específico para o tratamento de Fisioterapia no sistema. Dessa forma, deverá ser utilizado o modelo de Prontuário de Atendimento disponível na intranet. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 19

20 Além do prontuário físico, deve ser preenchido no sistema SIGSS o plano de trabalho do paciente, para que os procedimentos a serem realizados sejam armazenados em nosso banco de dados e também para que seja possível realizar a cobrança das consultas, quando necessário ) Procedimentos O uso de todos os aparelhos necessários ao tratamento de Fisioterapia está contemplado na consulta. Ou seja, não deverá ser cobrado um valor específico para cada procedimento executado. No plano de trabalho do paciente, deverão estar descritos os procedimentos que deverão ser realizados em cada sessão/consulta, para que exista uma seqüência no tratamento, porém estes não deverão gerar pendências financeiras ao cliente. No campo de procedimento, que se encontra no Plano de Trabalho do sistema SIGSS, serão apresentadas as opções de tratamento disponíveis na Unidade, para que o Fisioterapeuta selecione, conforme necessidade e mediante anuência do paciente. Para que o procedimento selecionado seja incluído no Plano de Trabalho, deverá ser preenchido o campo Duração e Adicionar Procedimento. Até este momento, ainda não será gerada nenhuma pendência financeira para o cliente. Depois que o paciente concordar com o tratamento recomendado e estiver ciente dos valores a serem pagos, o Fisioterapeuta deverá selecionar o procedimento já salvo no plano de trabalho, preencher o campo Data Realização e Salvar Plano. Neste momento, a pendência financeira será gerada no sistema. Depois disso, deve ser impresso o orçamento, para assinatura do cliente, concordando com os valores e com a descrição do tratamento a ser realizado. Este procedimento deverá ser realizado para todos os clientes, mesmo que o valor da consulta seja R$ 0,00. Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 20

21 Fisioterapia Reumatológica 05 sessões Fisioterapia Reumatológica 05 sessões 7.7) Tabela de Preços Todas as opções de consultas/tratamentos disponíveis nas Unidades serão previamente cadastradas no sistema SIGSS. Os Dirigentes ou Coordenadores de cada Unidade deverão acessar o sistema e preencher os valores dos procedimentos na Tabela, de acordo com o tipo de tratamento que deseja ofertar, sempre respeitando as regras existentes na Instituição. Caso seja necessário ofertar um tratamento não contemplado no sistema, o Dirigente deverá solicitar a criação do mesmo ao Técnico da CODEP responsável pela Unidade. Todos os procedimentos ofertados pela Unidade deverão estar com valor no sistema SIGSS, mesmo que seja gratuito. Neste caso, deverá ser cadastrado o valor R$ 0,00. O Fisioterapeuta visualizará apenas os procedimentos que estiverem precificados na tabela. Para os Trabalhadores em Transporte e seus dependentes, o tratamento de Fisioterapia deverá ser gratuito. Para a Comunidade, os valores deverão ser definidos com base em Pesquisa de Mercado, que deve ser documentada e arquivada junto à documentação da clínica. 7.8) Recebimento dos Serviços Realizados Elaborado pela: CODEP Data da Emissão: 11/06/2010 Versão: 01 21

CRAERJ - CONSELHO REGIONAL DE ACUPUNTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÓDIGO DE ÉTICA DO ACUPUNTURISTA CAPÍTULO I DAS RESPONSABILIDADES FUNDAMENTAIS

CRAERJ - CONSELHO REGIONAL DE ACUPUNTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÓDIGO DE ÉTICA DO ACUPUNTURISTA CAPÍTULO I DAS RESPONSABILIDADES FUNDAMENTAIS CRAERJ - CONSELHO REGIONAL DE ACUPUNTURA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÓDIGO DE ÉTICA DO ACUPUNTURISTA CAPÍTULO I DAS RESPONSABILIDADES FUNDAMENTAIS Art. 1º. O Acupunturista presta assistência ao ser humano,

Leia mais

RESOLUÇÃO COFFITO nº10

RESOLUÇÃO COFFITO nº10 RESOLUÇÃO COFFITO nº10 Aprova o Código de Ética Profissional de Fisioterapia e Terapia Ocupacional. A Presidente do Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional, no exercício de suas atribuições

Leia mais

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL

MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS DEPARTAMENTO DE PESSOAL Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 1/18 MANUAL DE NORMAS E PROCEDIMENTOS Registro de Ponto Copia Controlada nº Código: RHP07 V05 Emissão: 30/05/2012 Folha: 2/18 1 Conteúdo

Leia mais

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo.

ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de. fornecimento de medicamento pósestudo. ResoluçãodaANVISARDCNº38,de 12 de agosto de 2013: Aprova o regulamento para os programas de acesso expandido, uso compassivo e fornecimento de medicamento pósestudo. Apresentação: Biól. Andréia Rocha RELEMBRANDO

Leia mais

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS:

1. CADASTRO 2. AGENDAMENTOS: 1. CADASTRO Para atuar no Hospital São Luiz, todo médico tem de estar regularmente cadastrado. No momento da efetivação, o médico deve ser apresentado por um membro do corpo clínico, munido da seguinte

Leia mais

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013

Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Agência Nacional de Vigilância Sanitária RESOLUÇÃO - RDC Nº 38, DE 12 DE AGOSTO DE 2013 Aprova o regulamento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Regulamento do Programa de Assistência Domiciliar aprovado pelo Conselho REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ASSISTÊNCIA DOMILICIAR CAPITULO I DEFINIÇÕES GERAIS

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013

Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Decreto 8077 14/08/2013 - REGULAMENTA CONDIÇÕES FUNCIONAMENTO EMPRESAS SUJEITAS LICENCIAMENTO SANITÁRIO, Publicado no DO em 15 ago 2013 Regulamenta as condições para o funcionamento de empresas sujeitas

Leia mais

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS.

EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. EDITAL Nº 03/2007 CHAMAMENTO PARA CREDENCIAMENTO DE LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS. O MUNICÍPIO DE PALMAS, no Estado do Tocantins, através da Secretaria Municipal de Saúde, pela COMISSÃO ESPECIAL DE

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA TRAINEE BIO CURSOS ALUNOS, EX-ALUNOS E PROFISSIONAIS

REGULAMENTO PROGRAMA TRAINEE BIO CURSOS ALUNOS, EX-ALUNOS E PROFISSIONAIS REGULAMENTO PROGRAMA TRAINEE BIO CURSOS ALUNOS, EX-ALUNOS E PROFISSIONAIS O Programa Trainee tem o intuito de proporcionar aos alunos dos cursos de Pós- Graduação Lato Sensu Bio Cursos (cursos selecionados

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10.

LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. LEI MUNICIPAL Nº 871/2010, de 08-02-10. DISPÕE SOBRE A CONTRATAÇÃO TEMPORÁRIA EMERGENCIAL DE PROFISSIONAIS PARA ÁREA MÉDICA ESPECIALIZADA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. IRANI LEONARDO CHERINI PREFEITO MUNICIPAL

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE FISIOTERAPIA, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

DELIBERAÇÃO Nº 146/12

DELIBERAÇÃO Nº 146/12 DELIBERAÇÃO Nº 146/12 Dispõe sobre a Responsabilidade Técnica e o Exercício Profissional de Farmacêutico apto a atuar em Análises Clínicas e Postos de Coleta e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014

MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO - CONTRATO MENSAL - MTQ Rev. 08 Criado em: 30/03/2012 Última revisão em: 08/09/2014 MANUAL DE TRABALHO A Qualitá Ocupacional, com o objetivo de facilitar a utilização dos serviços prestados

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL

CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL CÓDIGO DE ÉTICA PARA O EXERCÍCIO DA QUIROPRAXIA NO BRASIL Associação Brasileira de Quiropraxia Aprovado em Assembléia Geral Extraordinária da Associação Brasileira de Quiropraxia, Novo Hamburgo, 01 de

Leia mais

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE

TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO CONSELHO DELIBERATIVO DO PROGRAMA TST-SAÚDE ATO DELIBERATIVO Nº 56, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2014 Dispõe sobre a assistência odontológica indireta aos beneficiários do Programa

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA imprimir Norma: RESOLUÇÃO Órgão: Conselho Federal de Medicina Número: 1980 Data Emissão: 07-12-2011 Ementa: Fixa regras para cadastro, registro, responsabilidade técnica e cancelamento para as pessoas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005)

RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004. (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) RESOLUÇÃO CFM N.º 1716/2004 (Publicada no D.O.U. de 19 Fev 2004, Seção I, pg. 205) (Modificada pela Resolução CFM nº 1773/2005) O Conselho Federal de Medicina, no uso das atribuições que lhe confere a

Leia mais

Apresentação. Prezado beneficiário,

Apresentação. Prezado beneficiário, LANOIII Apresentação Prezado beneficiário, Visando dar continuidade à prestação dos melhores serviços em saúde e promover uma melhor qualidade de vida ao beneficiário, a CompesaPrev apresenta o CompesaSaúde

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Do Sr. Marco Tebaldi) Dispõe sobre o Programa de agendamento de consultas e entrega domiciliar de medicamentos de uso contínuo às pessoas portadoras de necessidades especiais

Leia mais

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO

Regulamento do Padi 1. OBJETIVO 1 de 10 1. OBJETIVO Este regulamento tem como objetivo definir as regras que regem o Programa de Acreditação em Diagnóstico por Imagem (Padi) e os principais conceitos aplicáveis aos processos de auditoria

Leia mais

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno

Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Página1 Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis Regimento Interno Título I Da definição Art. 1º - O Corpo Clínico do Hospital e Maternidade São Francisco de Assis é uma das entidades

Leia mais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais

SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL. Condições Especiais SEGURO DE ACIDENTES PESSOAIS INDIVIDUAL Condições Especiais Processo SUSEP Nº 15414.004703/2010-01 0 ÍNDICE CLÁUSULA ADICIONAL DE DIÁRIAS DE INTERNAÇÃO HOSPITALAR DECORRENTE DE ACIDENTE DIH Acidente 1.

Leia mais

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001

Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina - Resolução: 1626 de 23/10/2001 Ementa: Dispõe sobre as instruções para Registro de Empresas nos Conselhos de Medicina. Fonte: CFM O Conselho Federal de Medicina,

Leia mais

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório

Regulamento Estágio Curricular Obrigatório Regulamento Estágio Curricular Obrigatório CST em Fabricação Mecânica CST em Gestão de Recursos Humanos CST em Mecatrônica Industrial 1 CAPÍTULO I DA JUSTIFICATIVA E FINALIDADES Art. 1º - O programa de

Leia mais

REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL R.P.G Philippe Souchard e colaboradores

REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL R.P.G Philippe Souchard e colaboradores Foto 3x4 REEDUCAÇÃO POSTURAL GLOBAL R.P.G Philippe Souchard e colaboradores Rua Geórgia, 210 Brooklin São Paulo-SP CEP: 04559-010 Tel.:(11)5044.0675 / 5044.9605 Site: www.rpgsouchard-sp.com.br CONTRATO

Leia mais

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17

Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo. Banco de Tecidos Salvador Arena BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo BANCO DE TECIDOS MÚSCULO-ESQUELÉTICOS Nº SNT 35205 SP 17 ORIENTAÇÕES PARA CREDENCIAMENTO DE ESTABELECIMENTO PARA TRANSPLANTES Formular o processo de

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos;

ANEXO I DO OBJETO. 3) Os profissionais contratados deverão providenciar o cadastramento junto ao corpo clínico da CONTRATANTE, como membros efetivos; ANEXO I DO OBJETO Descrição da PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS EM NEUROCIRURGIA E NEUROLOGIA AOS PACIENTES DO HOSPITAL, PRONTO SOCORRO ADULTO, PRONTO SOCORRO INFANTIL E AMBULATÓRIO, compreendendo as seguintes funções:

Leia mais

Introdução. Benefícios para todos

Introdução. Benefícios para todos Introdução Esta cartilha tem a finalidade de guiar as empresas na implantação da Nota Fiscal Eletrônica e demonstrar as facilidades e vantagens do sistema para o contribuinte e para a sociedade A Nota

Leia mais

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos:

REGULAMENTO. Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: REGULAMENTO I DO PROGRAMA Art. 1º - O Programa de inclusão educacional BOLSAS EDUCAR tem os seguintes objetivos: I incentivar a aderência ao Programa de indivíduos que atendam aos requisitos exigidos neste

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA BAIANO REGULAMENTO PROVISÓRIO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL

Leia mais

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA

REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA REGULAMENTO DE MONITORIA FAESA Página 1 de 11 1. CONCEITO / FINALIDADE : A monitoria consiste na atividade de apoio aos alunos das disciplinas de oferta regular do currículo as quais os coordenadores de

Leia mais

Menu Contratos. Há também a opção de Contrato de Experiência Modelo Antigo com alteração de algumas cláusulas.

Menu Contratos. Há também a opção de Contrato de Experiência Modelo Antigo com alteração de algumas cláusulas. Contratos de Trabalho Emissão de Contratos de Trabalho e Outros Experiência Este item tem como objetivo emitir Contrato de Experiência para o recrutamento dos funcionários na empresa. A emissão necessita

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO

MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO PROGRAMA PETROBRAS DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS (PFRH) MANUAL DO USUÁRIO NÍVEL TÉCNICO PARTE I INFORMAÇÕES PARA BOLSISTA ALUNO Versão 04/02/2011 SUMÁRIO 1 APRESENTAÇÃO 2 INTRODUÇÃO 3 MODALIDADES DE

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE PO Procedimento Operacional CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS AOS COLABORADORES PO. 12 00 1 / 7 1. OBJETIVOS O Crea-GO, visando atrair e melhorar o índice de retenção de colaboradores, institui a concessão de benefícios, mediante a adoção

Leia mais

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito:

1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO. Cláusula 1ª Fica incluído na Cláusula 4ª do CONTRATO o Parágrafo Terceiro abaixo transcrito: 1º ADITIVO AO CONTRATO DE AFILIAÇÃO AO SISTEMA CIELO A CIELO S.A., com sede na Alameda Grajaú, 219, Alphaville, na cidade de Barueri, Estado de São Paulo, inscrita no CNPJ/MF sob no. 01.027.058/0001-91,

Leia mais

EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015

EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 EDITAL CONCESSÃO/RENOVAÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO GRADUAÇÃO 2º SEMESTRE DE 2015 1. DISPONIBILIZAÇÃO DOS FORMULÁRIOS A FUNESO, por meio da Comissão de Responsabilidade Social e Filantropia, faz saber aos alunos,

Leia mais

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE)

TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) TERMO DE CONVÊNIO DE ESTÁGIO ( IES x ENTIDADE CONCEDENTE) PARTES ESSENCIAIS: I- QUALIFICAÇÃO DAS PARTE; II- INFORMAÇÕES RELEVANTES; III- CLÁUSULAS; IV- ASSINATURAS: das partes através de seus representantes

Leia mais

São Paulo, Janeiro de 2014

São Paulo, Janeiro de 2014 Comunicado - Reembolso Prezado Cliente, Com o objetivo de aprimorarmos nossas rotinas operacionais e visando preservar a agilidade nos pagamentos dos atendimentos ocorridas na Livre-Escolha, informamos

Leia mais

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu.

Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. Campus de Botucatu PORTARIA nº 141 de 20 de setembro de 2000 Dispõe sobre a regulamentação dos estágios curriculares de internato para alunos da Faculdade de Medicina de Botucatu. O Diretor da Faculdade

Leia mais

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011.

Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. Portaria nº 962/2011 Florianópolis, 11 de julho de 2011. O Reitor pro tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, no uso das atribuições que lhe são conferidas pela

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE

ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE ANEXO III TRANSAÇÕES SEM CARTÃO PRESENTE O presente Anexo III faz parte integrante do Contrato de Credenciamento ao Sistema Elavon ( CONTRATO ) registrado no 5º Oficial de Registro de Títulos e Documentos

Leia mais

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009;

REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. considerando o Decreto nº 7.003/2009, de 9 de novembro de 2009; REGULAMENTO/DIGEP Nº 003, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014. Estabelece orientações sobre a LICENÇA PARA TRATAMENTO DE SAÚDE E RESSARCIMENTO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE SUPLEMENTAR dos servidores do Instituto Federal

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES REGISTRO AUTOMATIZADO DAS OCORRÊNCIAS DO PONTO DOS PROFESSORES DA GRADUAÇÃO CENTRO UNIVERSITÁRIO UNA NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA REGISTRO DO PONTO DOS PROFESSORES a- Descrição: O Núcleo Acadêmico e a área

Leia mais

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO

PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO PORTARIA MTE nº 1510/2009 NOVAS REGRAS SOBRE O CONTROLE ELETRÔNICO DE PONTO Neste fascículo de Uma entrevista com o Advogado, apresentamos o conteúdo de artigo enviado pelo Ministério do Trabalho e Emprego

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014.

Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. Instrução Normativa nº 008, de 08 de agosto de 2014. O diretor-presidente do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo - IDAF, usando das atribuições que lhe confere o artigo 48 do

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 267/2008

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 267/2008 PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 267/2008 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003

DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 DELIBERAÇÃO N.º 594/2003 Dispõe sobre o Exercício Profissional de Farmacêuticos-Bioquímicos em Laboratórios de Análises Clínicas. O PRESIDENTE DO CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DO ESTADO DO PARANÁ - CRF/PR,

Leia mais

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM...

Art. 77 O Curso terá duração determinada pela AMB/CFM... Cursos de Especialização em Oftalmologia Normas para Credenciamento de Cursos de Especialização em Oftalmologia Art. 75 Para obter o credenciamento do CBO para ministrar Curso de Especialização em Oftalmologia,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA

ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA ASSOCIAÇÃO AMIGOS DO MUSEU DE ARTE SACRA SAMAS. MANUAL DE RECURSOS HUMANOS DO MUSEU DE ARTE SACRA I -FINALIDADE. Este Regulamento tem por finalidade apresentar os princípios básicos de pessoal que devem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 3.931, DE 19 DE SETEMBRO DE 2001. Regulamenta o Sistema de Registro de Preços previsto no art. 15 da Lei nº 8.666, de 21

Leia mais

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11)

A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) A- SUBPROCURADORIA-GERAL DE JUSTIÇA JURÍDICA ATO NORMATIVO Nº 706/2011-PGJ, DE 29 DE JULHO DE 2011 (Protocolado nº 80.329/11) Texto compilado até o Ato (N) nº 791/2013 PGJ de 11/10/2013 Estabelece normas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07)

RESOLUÇÃO Nº 311. DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) RESOLUÇÃO Nº 311 DE 25 DE JUNHO DE 1997 (Alterada pela Resolução nº 375/02 e Revogada pela Resolução nº 464/07) 758 Ementa: Dispõe sobre a Inscrição, Averbação e Âmbito Profissional do Auxiliar Técnico

Leia mais

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698

Registrado no 1º Cartório de Registro de Títulos e Documentos da Cidade de Ponta Grossa Estado do Paraná, sob o nº 143.698 CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PARA OPERAR, MANTER E ADMINISTRAR CARTEIRA DE COBRANÇA NA REDE MUNDIAL DE COMPUTADORES EM SITE DE PROPRIEDADE DA REGULARIZA IMOVEIS E COBRANÇAS LTDA Registrado no 1º Cartório

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE

REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE REGIMENTO INTERNO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE TÍTULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS CAPÍTULO I - DA COMPOSIÇÃO Art. 1º O CONSEPE é o órgão colegiado superior que supervisiona e

Leia mais

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014

RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 RESOLUÇÃO CRMV-DF Nº 06, de 24 de Março de 2014 Aprova as Normas de orientação técnico-profissional, destinadas ao médico veterinário e ao zootecnista que desempenham a função de Responsável Técnico junto

Leia mais

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015.

DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. DECRETO N 001 A / 2015 De 02 de janeiro de 2015. EMENTA: Regulamenta o Sistema de Registro de Preços SRP previsto no art. 15 da Lei nº 8.666/93, no âmbito do Município de Central Bahia. O PREFEITO DO MUNICÍPIO

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO

CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO CÓDIGO DE ÉTICA DA PROFISSÃO DE BIOMÉDICO Código de Ética aprovado pela Resolução do C.F.B.M. - /V 0002/84 DE i 6/08/84 - D. O. U. 27/08/84, e de conformidade com o Regimento Interno Art. 54, 55, 60 -

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro

Câmara Municipal de Volta Redonda Estado do Rio de Janeiro Lei Municipal Nº 3.704 1 CAPÍTULO V DO LICENCIAMENTO DOS ESTABELECIMENTOS Artigo 68 - Nenhum estabelecimento sediado no município e que se enquadram no presente Código Sanitário poderá funcionar sem prévia

Leia mais

Serviço odontológico. normas e orientações

Serviço odontológico. normas e orientações 1 Serviço odontológico normas e orientações 2 3 Seja bem-vindo ao Serviço Odontológico do Sesc! 4 Normas e Orientações do Serviço Odontológico As normas e orientações a seguir garantem um tratamento mais

Leia mais

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ

EDITAL DE INSCRIÇÃO E PROCESSO SELETIVO PROGRAMA ADOLESCENTE APRENDIZ A Chocolates Garoto S/A compreendendo a importância do Programa de Aprendizagem abre inscrições para filhos(as), irmãos(ãs), sobrinhos(as), primos(as) e comunidade indicada por seus colaboradores e prestadores

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO STREAMING

CONTRATO DE ADESÃO STREAMING AVISO IMPORTANTE CONTRATO DE ADESÃO STREAMING Por favor, tenha certeza que entendeu todas as políticas de uso antes de contratar nossos serviços. A suedhost reserva o direito de suspender ou cancelar o

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE NUTRIÇÃO, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo.

SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL. 1 Primeiro passo. SOLICITAÇÃO DO REGISTRO SINDICAL 1 Primeiro passo. Antes de qualquer coisa, é indispensável que o Sindicato solicitante do Registro Sindical possua Certificado Digital. O certificado, na prática, equivale

Leia mais

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999;

Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011. Considerando o disposto no artigo 8º da Lei nº 9.933, de 20 de dezembro de 1999; Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria nº 319 de 29 de julho de 2011

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde

Universidade Federal de São Carlos. Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde Universidade Federal de São Carlos 1 Grupo PET/Conexões de Saberes-Indígenas: Ações em Saúde FORMAÇÃO, AÇÃO E PRODUÇÃO DE CONHECIMENTO EM SAÚDE - Edital para seleção de estudantes de graduação da UFSCar

Leia mais

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS

PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS PARECER Nº 2414/2013 CRM-PR PROCESSO CONSULTA N. º 58/2012 PROTOCOLO N. º 23448/2012 ASSUNTO: ASSINATURA DE LAUDOS DE EXAMES PARECERISTA: CONS.ª ANA MARIA SILVEIRA MACHADO DE MORAES EMENTA: Assinatura

Leia mais

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA

CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA CURSO DE BACHARELADO EM FISIOTERAPIA-FORMAÇÃO FISIOTERAPEUTA Coordenaçăo: Profª. Esp. Lidiane Alves Dias E-mail: fisioterapia@immes.com.br Telefone (96)3223-4244 ramal: 219 Conceito É uma ciência da Saúde

Leia mais

Regulamento do Seguro Escolar

Regulamento do Seguro Escolar Regulamento do Seguro Escolar O presente documento constitui o Regulamento do Seguro Escolar a estabelecer no Colégio de S. Pedro e tem por base a legislação em vigor, nomeadamente, a Portaria n.º413/99,

Leia mais

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para inscrição Cartilha de Atendimento ao Autônomo Alvará de Licença para Localização e Permanência. Fornecer alvará de licença para localização e permanência para os trabalhadores autônomos que exercem atividade sem

Leia mais

Capítulo I Das Disposições Preliminares

Capítulo I Das Disposições Preliminares RESOLUÇÃO SEPLAG Nº 10, DE 1º DE MARÇO DE 2004 Estabelece normas complementares relativas ao registro, controle e apuração da frequência dos servidores públicos da administração direta, autárquica e fundacional

Leia mais

Verifique sempre se o seu plano oferece reembolso, antes mesmo de agendar a consulta. Se a resposta for positiva, não se esqueça de

Verifique sempre se o seu plano oferece reembolso, antes mesmo de agendar a consulta. Se a resposta for positiva, não se esqueça de TX DE IMPLANTAÇÃO: R$ 20,00 CONDIÇÕES: Crianças de 0 a 5 anos e adultos com mais de 58 anos, necessário avaliação médica ( marcado pela operadora ) DOCUMENTOS NECESSÁRIOS: CPF, RG ou Certidão de nascimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982

REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 REGIMENTO INTERNO Aprovado dia 02 de julho de 1982 Artigo 1º. - A FUNDAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA - FUNEP, além das disposições constantes de seu Estatuto

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº050/2011 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº050/2011 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº050/2011 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP

Leia mais

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011

PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011 PROCESSO SELETIVO FUNCAMP Nº 254/2011 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO PARA A CONTRATAÇÃO DE PESSOAL PARA A FUNDAÇÃO DE DESENVOLVIMENTO DA UNICAMP - FUNCAMP A Fundação de Desenvolvimento da Unicamp - FUNCAMP

Leia mais

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Dispõe sobre as normas para participação dos servidores públicos em Cursos de Capacitação promovidos

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE INTERNET Pelo presente Instrumento Particular o BANCO MÁXIMA S/A, com sede na cidade de Rio de Janeiro, Estado do Rio de Janeiro, na Avenida Atlântica, 1130, 12º andar

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1

ANEXO RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277. Página 1 ANEXO DA RESOLUÇÃO NORMATIVA RN Nº 277 Página 1 ANEXO I Dimensão Nome da Quantitativo Dimensão de Itens Peso Nota Mínima Programa de Dimensão 1 Melhoria da Qualidade 11 1 70 PMQ Dimensão 2 Dinâmica da

Leia mais

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS

REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS ORIENTAÇÃO TÉCNICA CONDICIONALIDADE REGISTO DE MEDICAMENTOS E MEDICAMENTOS VETERINÁRIOS Os medicamentos são meios de defesa da saúde e bem-estar dos animais, assumindo um papel importante como fatores

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...)

CÂMARA MUNICIPAL DE MANAUS DIRETORIA LEGISLATIVA LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N... Ano...) LEI Nº 506, DE 2 DE DEZEMBRO DE 1999. (D.O.E. 07.12.1999 - N.... Ano...) DISPÕE SOBRE O TRANSPORTE INDIVIDUAL DE PASSAGEIROS ATRAVÉS DE TÁXI. O PREFEITO MUNICIPAL DE MANAUS no uso das atribuições que lhe

Leia mais

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS)

AGENDAMENTO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS (DA SMCC E DE TERCEIROS) FINALIDADE: Esta norma por finalidade normatizar a realização de eventos, tanto da própria SMCC (Diretoria ou Departamentos e Comitês Científicos da SMCC) quanto eventos de terceiros, realizados nas dependências

Leia mais

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS

UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS UFMG / PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO / SETOR DE BOLSAS PMG PROGRAMA DE MONITORIA DE GRADUAÇÃO DIRETRIZES GERAIS 2015 1) DOS OBJETIVOS O Programa de Monitoria de Graduação visa dar suporte às atividades acadêmicas

Leia mais

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.

Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12. Rua Moreira e Costa, 531 Ipiranga CEP 04266 010 São Paulo SP Tel.: (11) 3013 0320 Fax: (11) 3013 0366 www.sanfra.g12.br M I S S Ã O O Colégio São Francisco Xavier, da Rede Jesuíta de Educação, tem como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 0654. Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ.

RESOLUÇÃO Nº 0654. Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. RESOLUÇÃO Nº 0654 Institui e regulamenta o serviço de voluntários no âmbito do MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ. O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições legais conferidas

Leia mais

MANUAL DO CREDENCIADO

MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO MANUAL DO CREDENCIADO APRESENTAÇÃO Prezado (a) Doutor (a): A ORAL ODONTO é uma empresa criada e administrada por profissionais dentistas que se dedicam a oferecer os melhores recursos

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC

CONSELHO REGIONAL DE FARMÁCIA DOS ESTADOS DE RONDÔNIA E ACRE -CRF-RO/AC Edital nº02/2008 DO PROCESSO SELETIVO 02/2008 CRF/RO-AC DE 07 DE NOVEMBRO DE 2008 ABERTURA. A Presidente do Conselho Regional de Farmácia dos Estados de Rondônia e Acre, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo

Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo Texto complementar à Proposta Simplificada de Vida em Grupo / Acidentes Pessoais Coletivo 1. Definições 1.1. Apólice: é o documento emitido pela Seguradora que expressa o contrato celebrado entre a Seguradora

Leia mais

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008

PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 PROJETO NOVA ASEEL INSTRUÇÃO NORMATIVA 001 DE FINANÇAS E CONTABILIDADE REVISÃO 005 JUNHO 2008 APROVADA NA ATA DE REUNIÃO 352/2008 1/6 ÍNDICE 1. DISPOSIÇÕES PRELIMINARES 2. OBJETIVOS 3. ABRANGÊNCIA E VIGÊNCIA

Leia mais

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO GRADE CURRICULAR 2008-2010 RIO CLARO 2010 1 REGULAMENTO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO CAPÍTULO I Da Origem, Finalidades e das Modalidades Art. 1º -

Leia mais