PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI PARTIDA COMPENSADORA STARTERS PARTIDA COM SOFT-STARTERS DIAGRAMA TRIFILAR DIAGRAMA DE COMANDO L3 L F1,2,3 FT1 FT1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI PARTIDA COMPENSADORA STARTERS PARTIDA COM SOFT-STARTERS DIAGRAMA TRIFILAR DIAGRAMA DE COMANDO L3 L F1,2,3 FT1 FT1"

Transcrição

1 PARTIDA DIRETA PARTIDA ESTRELA-TRI TRIÂGULO PARTIDA COPESADORA PARTIDA CO SOFT-STARTERS STARTERS Início L1 L2 L3 L S DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 1-7

2 L1 L2 L3 L S DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 2-7 L1 L2 L3 L S DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 2-7

3 L1 L2 L3 L S DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 3-7 L1 L2 L3 L S DIAGRAA TRIFILAR DIAGRAA DE COADO Chaves 4-7

4 Dimensionar uma chave de partida direta para um motor de 20cv, VI V pólos, 380V/60Hz, com comando em 220V, Tp = 2s. L 1,2,3 F 1,2,3 Dados do Catálogo de otores WEG: In (220V) = 56,7A In (380V) = 32,83A Ip = 7,5 In Ip = 246,225A Chaves 5-7 Dimensionando o Contator : Ie In Ie 32,83A Portando, o contator a ser escolhido, de acordo com o catálogo será: CW Dimensionando o Relé de Sobrecarga : O relé a ser escolhido tem que possuir uma faixa de ajuste que inclua a corrente nominal do motor (e de acordo com o contator escolhido), logo: RW 67.1D ( ) Chaves 6-7

5 Dimensionando os Fusíveis: Tomando como base a corrente e o tempo de partida, tem-se: Portanto, o fusível encontrado é I F = 50A Tp 35A 50A 2s Verificando as condições necessárias, tem-se:... I F I F I F 1,2 x In I Fmáx I Fmáx TFW ,225A Ip Especificando os fusíveis: 3 x FDW 50 APW 63 PAW 50 BAW 63 Chaves 7-7 Alimentar motor com tensão inferior na partida As bobinas recebem apenas 58% da tensão nominal Liga bobinas em ESTRELA na PARTIDA A Corrente de Partida e o Conjugado otor ficam raiz(3) vezes menor Até atingir 90% da velocidade nominal

6 Quando atinge 90% da velocidade nominal Comuta a ligação para TRIÂGULO As bobinas recebem 100% da tensão nominal O motor atinge 100% da velocidade nominal otor deve usar DUPLA TESÃO 220/380 V, 380/660 V, 440/760 V O motor com no mínimo 6 terminais uito utilizada Custo reduzido ão tem limites de úmero de anobras Os componentes ocupam pouco espaço Redução da corrente de partida Aproximadamente 1/3 da nominal

7 Somente motor com no mínimo 6 terminais Tensão de Linha da rede deve ser igual a tensão da Ligação Triângulo do motor O momento de partida é reduzido em 1/3 também Se comutar antes do motor atingir 90% da V Pico da Corrente de Comutação Igual da Partida Direta Chave Força Chave Triângulo Chave Estrela Inicialmente: Aciona (Estrela) e logo depois (Força) Após o tempo configurado (Temporizador) Cai (Estrela) e entra (Triângulo)

8 L1 L2 L3 DIAGRAA DE TRIFILAR Chaves

9 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 2-14 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 3-14

10 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 4-14 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 5-14

11 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 6-14 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 7-14

12 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 8-14 L DIAGRAA DE COADO S1 Y DIAGRAA UIFILAR Chaves 9-14

13 Dimensionar uma chave de partida estrela-tri triângulo para um motor de 100cv, II pólos, p 380V/660V - 60Hz, com comando em 220V, Tp = 10s. L 1,2,3 F 1,2,3 Dados do Catálogo de otores WEG: In (220V) = 232A In (380V) = 134,31A Ip = 9,3 In Chaves Dimensionando os Contatores e : Ie 0,58 x In Ie 78A Portando, os contatores a serem escolhidos, de acordo com o catálogo serão: Dimensionando o Contator : CW BCXF 10 CW Ie 0,33 x In Ie 44,3A Portando, o contator a ser escolhido, de acordo com o catálogo será: CW Chaves

14 Dimensionando o Relé de Sobrecarga : O relé a ser escolhido deve possuir uma faixa de ajuste que inclua a corrente que passa pelo contator, ou seja, 0,58 x In Ie 0,58 x In Ie 78A Logo, o relé a ser escolhido será: RW 67.2D ( ) Dimensionando o Relé de Tempo Y- RTW Y Chaves Dimensionando os Fusíveis: a partida Y, a corrente de partida reduz-se a 0,33 x Ip, portanto: I 0,33 x Ip I 412,2A Tp 10s 100A 125A 412,2A Ip Levando em consideração esta corrente e o tempo de partida, tem-se: Portanto, o fusível encontrado é I F = 125A Verificando as condições necessárias, tem-se:... I F I F I F 1,2 x In I Fmáx I Fmáx Chaves

15 Dimensionando os Fusíveis: F 1,2,3 L 1,2,3 F 4,5,6 Para termos coordenação, deveremos atender as três condições anteriores. Ao colocarmos o fusível conforme a figura ao lado, teremos na condição nominal, a seguinte corrente: I = In x 0,58 Especificando os fusíveis: 6 x F0025 B00H Verificando as condições necessárias, tem-se:... I F 1,2 x In x 0,58 I F I F I Fmáx I Fmáx Chaves Partida Estrela-Triângulo Tensão de Partida limitada a 58% da Tensão ominal Produz baixo valor de conjugado para acelerar o motor Conjugado Proporcional ao Quadrado da Tensão Limitado a 1/3 dos valores nominais Aceleração não ocorre em tempo para Comutação Ocorre golpe mecânico na carga Solução: Aumentar Valor da Tensão aplicada ao motor na partida Chaves

16 Aumentando a tensão na Partida Aumenta o valor do conjugado produzido pelo motor para acelerar a máquina, pois: Curva de Conjugado > Conjugado resistente da carga Partida Compensadora: Alimentar motor pela derivação de um Autotransformador Autotransformador Trifásico Geralm. ligado em Estrela Único enrolamento por fase Derivações usuais em 80% e 65% ou 80%, 65% e 50% Chaves Chaves

17 Existe a relação entre Tensões de Linha e de Fase VL = RAIZ(3) * VF Chaves Seqüência de Operação a Partida, o otor é alimentado por uma das Derivações Geralmente 80% ou 65% Quando atingir 90% da Rotação ominal otor passa a ser alimentado pela Derivação e pela Rede Até bypassar o Autotransformador E motor fica alimentado somente pela Rede Principal Comparando: Y - Para diminuir tensão uda ligação do motor Autocompensadora Derivações do autotransformador Chaves

18 Esquema de força da chave Partida autocompensadora automática o modo multifilar Chaves Esquema de comando da chave de partida Autocompensadora Chaves

19 L1 e L2: alimentação do comando no contator. a bobina do contator: 380, 220 ou 110 Vac, 48, 24 ou 12 Vdc necessidade do fusível. O F de (95-96): contato auxiliar dos dispositivos de proteção Abre alimentação da bobina do contator. Chaves = botão pulsador DESLIGA S1 = botão pulsador LIGA. RT1: relé temporizador tempo de comutação para motor receber alimentação da derivação e do autotransformador. Chaves

20 Garantir que abre somente depois do fechamento de Para motor ficar recebendo alimentação na comutação da chave. Pelo contato 41/42 de fica ligada na comutação da chave autocompensadora Para uma mudança menos brusca de tensão. Chaves Se fica ligado esmo com ainda desligado Parte da bobina do autotransformador fica em série com o motor Assim a chave autocompensadora não provoca o tranco da mudança brusca de tensão como na chave Y D E o golpe mecânico é de baixa intensidade. Chaves

21 L1 L2 L3 100% 100% 100% 80% 80% 80% 65% 65% 65% 0% 0% 0% Chaves L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 2-13

22 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 3-13 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 4-13

23 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 5-13 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 6-13

24 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 7-13 L DIAGRAA UIFILAR DIAGRAA DE COADO S2 Chaves 8-13

25 Dimensionar uma chave de partida compensadora para um motor de 30cv, VIII pólos, p 220V/60Hz, com comando em 220V, tap de 80%, Tp = 15s. L 1,2,3 Dados do Catálogo de otores WEG: In (220V) = 78,8A Ip Ip = 599A = 7,6 In Chaves 9-13 Dimensionando o Contator : Ie In Ie 78,8 A Dimensionando o Contator : Portando, o contator a ser escolhido, de acordo com o catálogo será: CW BCXF 01 Para dimensionar o contator, tem-se que levar em consideração o tap utilizado o qual reduzirá a tensão e a corrente do secundário do autotransformador por um fator k (no caso de 80%, k = 0,8 ). Para, teremos: Ie k 2 x In Ie 50,4 A Portando, o contator a ser escolhido, de acordo com o catálogo será: CW BCXF 10 Chaves

26 Dimensionando o Contator : o caso de, leva-se em consideração o fator ( k - k 2 ) x In, que para o tap de 80% será 0,16 x In: Ie ( k - k 2 ) x In Ie 12,61 A Portando, o contator a ser escolhido, de acordo com o catálogo será: CW BCXF 01 Chaves Dimensionando o Relé de Sobrecarga : O relé a ser escolhido deve ser escolhido pela corrente nominal do motor, ou seja: Ie In Ie 78,8 A Logo, o relé a ser escolhido será: RW 67.2D ( ) Dimensionando o Relé de Tempo RTW E Chaves

27 Dimensionando os Fusíveis: a partida compensadora, a corrente de partida reduz pelo fator k 2 = 0,64, ou seja: I k 2 x Ip I 383,36 A Tp 100A 125A Levando em consideração esta corrente e o 15s tempo de partida, tem-se: Portanto, o fusível encontrado é I F = 125A 383,36A Ip Especificando os fusíveis: 3 x F0025 B00H Verificando as condições necessárias, tem-se:... I F I F I F 1,2 x In I Fmáx I Fmáx Chaves Início 13-13

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal.

*OBS: Chave estrela-triângulo: tensão de partida limitada a 58% da tensão nominal. 1 Laboratório Instalações Elétricas Industriais Professor: Marcio Luiz Magri Kimpara PATIDA COMPENADOA AUTOMÁTICA Introdução Assim como a chave estrela-triângulo, a partida compensadora tem a finalidade

Leia mais

Partida do Motor de Indução Trifásico

Partida do Motor de Indução Trifásico Partida do Motor de Indução Trifásico 1.Introdução Os motores elétricos durante solicitam da rede de alimentação uma corrente elevada na partida. Essa corrente é da ordem de 6 a 10 vezes a sua corrente

Leia mais

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos.

A Chave de partida compensadora é um dos métodos utilizados para reduzir a corrente de partida de motores trifásicos. INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA Campus Araranguá Curso: Eletromecânica Disciplina: Instalações Elétricas Local: Laboratório de Eletrotécnica Professor: Giovani Batista

Leia mais

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS. Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 H1 DIMENSIONAR FUSÍVEIS PARA APLICAÇÃO DE PROTEÇÃO DE MOTORES ELÉTRICOS Aula 2 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO 2 FUSÍVEIS; 2.1 Tipo D; 2.2 Tipo NH; 2.3 Ultra-rápidos; 2.5 Dimensionamento dos fusíveis;

Leia mais

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ

13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Instalações Elétricas Professor Luiz Henrique Alves Pazzini 104 13.1 - Introdução 13 - INSTALAÇÕES DE FORÇA MOTRIZ Existem três configurações básicas para alimentação de motores que operam em condições

Leia mais

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi

Comandos Elétricos. Prof. Carlos T. Matsumi Comandos Elétricos Comandos Elétricos ACIONAMENTO CONVENCIONAL Conhecido como partidas convencionais de motores, utilizam se de dispositivos eletromecânicos para o acionamento (partida) do motor (ex. contatores

Leia mais

Acionamentos Elétricos. Aula 05 Partida Estrela-Triangulo (Y-Δ)

Acionamentos Elétricos. Aula 05 Partida Estrela-Triangulo (Y-Δ) Acionamentos Elétricos Aula 05 Partida Estrela-Triangulo (Y-Δ) Consiste em partir o motor na configuração estrela (Y), reduzindo a tensão aplicada nas bobinas e consequentemente a corrente de partida Quando

Leia mais

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores...

I. Contator... 5. II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11. III. Motor Monofásico... 15. IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... COMANDOS ELÉTRICOS 3 SUMÁRIO I. Contator... 5 II. Carga Trifásica em Estrela e Triângulo... 11 III. Motor Monofásico... 15 IV. Ligação Subsequente Automática de Motores... 19 V. Inversão do Sentido de

Leia mais

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3

ÍNDICE CONTATOR. 1. Objetivo 2. 2. Introdução Teórica 2. 2.1. Contator 2. 2.2. Contatos 3. 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 COMANDOS ELÉTRICOS ÍNDICE CONTATOR 1. Objetivo 2 2. Introdução Teórica 2 2.1. Contator 2 2.2. Contatos 3 2.3. Botoeira ou Botoeira botão liga e desliga 3 2.4. Relé Bimetálico 4 3. Material Utilizado 5

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Tintas Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Automação Eneria Tintas Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com a aplicação a WEG disponibiliza uma

Leia mais

Eletrotécnica. Comandos Elétricos

Eletrotécnica. Comandos Elétricos Eletrotécnica Comandos Elétricos Teoria e Aplicações Escola Técnica de Brasília - ETB Prof. Roberto Leal Ligação de Motores 1 Motor Elétrico Transformar energia elétrica em energia mecânica Motores de

Leia mais

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO -

LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL. EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - LABORATÓRIO DE ELETROTÉCNICA GERAL EXPERIÊNCIA TRANSFORMADORES E MOTORES Código: TRM RELATÓRIO - NOTA... Grupo:............. Professor:... Data:..... Objetivo:............. 1. Transformador 1.1 Transformador

Leia mais

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida

Manobra e Proteção de Motores. sirius. Métodos de Partida anobra e Proteção de otores sirius étodos de Partida étodos de partida Índice Páginas Partida direta coordenada com fusível... e Partida direta com reversão coordenada com fúsivel... 5 e 6 Partida estrela-triângulo

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Energia Automação Tintas Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Eneria Automação Tintas Chaves de Partida Destinadas à manobra e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com

Leia mais

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA

DLB MAQ CE - Comandos elétricos DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA DLB MAQCE - COMANDOS ELÉTRICOS LIVRO DE TEORIA E PRÁTICA 1 Apresentação O livro Comandos Elétricos tem como objetivo dar subsídios teóricos e facilitar as atividades práticas propostas na Bancada Didática

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA)

ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) ACIONAMENTOS ELETRÔNICOS (INVERSOR DE FREQUÊNCIA) 1. Introdução 1.1 Inversor de Frequência A necessidade de aumento de produção e diminuição de custos faz surgir uma grande infinidade de equipamentos desenvolvidos

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA

2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA 2. DISPOSITIVOS DE COMANDO E CHAVES DE PARTIDA A instalação de máquinas diversas requer uma grande gama de dispositivos que possibilitem o perfeito funcionamento, de preferência o mais automatizado possível,

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

Controle universal para motor de passo

Controle universal para motor de passo Controle universal para motor de passo No projeto de automatismos industriais, robótica ou ainda com finalidades didáticas, um controle de motor de passo é um ponto crítico que deve ser enfrentado pelo

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos

MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos MOTORES ELÉTRICOS Princípios e fundamentos 1 Classificação 2 3 Estator O estator do motor e também constituido por um núcleo ferromagnético laminado, nas cavas do qual são colocados os enrolamentos alimentados

Leia mais

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Destinadas à manobras e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De acordo com

Leia mais

Sistemas de Accionamento Electromecânico

Sistemas de Accionamento Electromecânico Sistemas de Accionamento Electromecânico Comando e protecção de motores Introdução SISTEMAS de ACCIONAMENTO ELECTROMECÂNICO, O que são? Sistemas capazes de converter energia eléctrica em energia mecânica

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

Automação Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

Automação Chaves de Partida Manobra e Proteção de Motores Elétricos. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Automação Manobra e Proteção de Motores Elétricos Motores Automação Eneria Transmissão & Distribuição Tintas www.we.net Destinadas à manobras e proteção de motores elétricos trifásicos e monofásicos. De

Leia mais

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para

Os fusíveis NH e Diazed são dotados de características de limitação de corrente. Assim, para 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 36 Fusível NH Zonasde Atuação 224 A Fusível NH Zonasde Atuação 355 A 5 Proteção e Coordenação Dimensionamento da Proteção 37 5 Proteção e Coordenação

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05

Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Tutorial de Eletrônica Aplicações com 555 v2010.05 Linha de Equipamentos MEC Desenvolvidos por: Maxwell Bohr Instrumentação Eletrônica Ltda. Rua Porto Alegre, 212 Londrina PR Brasil http://www.maxwellbohr.com.br

Leia mais

EDI-34 Instalações Elétricas

EDI-34 Instalações Elétricas EDI-34 Instalações Elétricas Plano de Disciplina 2º semestre de 2015 1. Identificação Sigla e título: EDI-34 Instalações Elétricas Curso de Engenharia Civil-Aeronáutica Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede

Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede Linha Solution Linha Plus Linha Master www.siemens.com.br/softstarters Soft Starters SIRIUS A proteção inteligente para motores, cargas e rede As soft starters Siemens protegem sua máquina e instalação

Leia mais

Eletricidade Industrial

Eletricidade Industrial Eletricidade Industrial Aula 06 Partida com Chave Compensadora www.lages.ifsc.edu.br Gabriel Granzotto Madruga e-mail: gabriel.madruga@ifsc.edu.br Partida Compensadora Essa chave tem por finalidade, assim

Leia mais

sirius Chaves de partida

sirius Chaves de partida sirius Chaves de partida s Chaves de partida 3RE SIRIUS Aplicações Tamanho S00 Tamanho S0 Tamanho As Chaves de partida direta 3RE SIRIUS são destinadas a manobra e proteção de motores até 20 cv / 15 kw

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA

CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA CENTRO DE UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA Inversor de frequência Grupo: Energe Introdução FEC Uniara - 2012- Eng. Elétrica O presente trabalho abordará sobre inversor de frequência, um dispositivo capaz de

Leia mais

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master

PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO. Micro Master. Midi Master 1 PROGRAMAÇÃO FÁCIL DO Micro Master E Midi Master Preparado por ASI 1 PS 2 1. PARAMETRIZAÇÃO BÁSICA INICIAL...3 1.1 AJUSTES INICIAIS DO APARELHO...3 1.2 AJUSTE DE TEMPOS DE ACELERAÇÃO E DESACELERAÇÃO...3

Leia mais

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE

COELCE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 106 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DECISÃO TÉCNICA CRITÉRIO PARA INSTALAÇÃO DT - 16 RELIGADOR AUTOMÁTICO TRIFÁSICO DE 15 KV USO EM POSTE DOCUMENTO NORMATIVO DA TRANSMISSÃO DESIM -896-1 I JUN/1 Í N D I C E 1 OBJETIVO...1 2 NORMAS E TRABALHOS...1

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO

CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO DIRETORIA ACADÊMICA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA CHAVES DE PARTIDA PARA MOTORES TRIFÁSICOS DE INDUÇÃO Disciplina: Máquinas e Acionamentos Elétricos Prof.: Hélio Henrique PARTIDA DIRETA O motor

Leia mais

CHAVES DE PARTIDA. Manobra e Proteção de Motores Elétricos

CHAVES DE PARTIDA. Manobra e Proteção de Motores Elétricos CHAVE DE PATIDA Manobra e Proteção de Motores Elétricos üchaves de partida em caixa termoplástica e metálica; üampla faixa de potências; üdisponibilidade de diversos tipos de acionamento (Liga/Desliga/eset/Auto);

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O

PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O 2 PROCESSO SELETIVO 001/2011 SENAI-DR-RN/CTGÁS-ER PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CARGO: INSTRUTOR DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLOGIAS I Nível O CÓDIGO DO CARGO/VAGA: V0013 1) Considere um transformador

Leia mais

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS

PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS PARALELO DE TRANSFORMADORES TRIFÁSICOS Quando temos por exemplo um transformador ligado a um barramento que alimenta um receptor de 50 KVA, se este receptor aumentar a procura de potência para 100KVA,

Leia mais

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância

CIRCUITO DE POTÊNCIA. Chaves com comando a distância ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral DISPOSITIVOS DE COMANDO Índice 1 Objetivo... 1 2... 1 2.1 Generalidades......

Leia mais

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l

** OBS. Z=R+jωl e o seu módulo: Z R XL R l Análise da Corrente de Curto - Circuito A Análise da corrente de curto circuito em sistemas de baixa tensão é necessária para dimensionar corretamente a proteção do equipamento (disjuntor de proteção)

Leia mais

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização.

COMANDOS ELÉTRICOS Este material não é destinado a comercialização. COMANDOS ELÉTRICOS Está apostila é usada nas aulas ministradas na matéria de comandos no curso de pósmédio mecatrônica, não se tratando de um material voltado para a qualificação. Há ainda um complemento

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Relés de Sobrecarga Térmico Linha RW Relés de Sobrecarga Térmico RW Informações Gerais - Local para identificação - Tecla Reset + Multifunção

Leia mais

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1

MOTORES ELÉTRICOS. Aula 1. Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 MOTORES ELÉTRICOS Aula 1 Técnico em Eletromecânica - Julho de 2009 Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 CONTEÚDO INTRODUÇÃO; 1.1 TIPOS DE MOTORES; 1.2 FATORES DE SELEÇÃO; 1.3 MOTORES DE INDUÇÃO; 1.4 MOTORES

Leia mais

26/08/2012 1 Agosto/2012

26/08/2012 1 Agosto/2012 26/08/2012 1 Agosto/2012 Motores Elétricos 26/08/2012 2 MOTORES ELÉTRICOS Corrente Pulsante Corrente Alternada Corrente Contínua MOTOR DE PASSO (Step Motor ) RELUT. VARIÁVEL IMÃ PERMANENTE HÍBRIDO MOTOR

Leia mais

ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE COMANDOS DE MOTORES

ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE COMANDOS DE MOTORES ELETRICISTA FORÇA E CONTROLE COMANDOS DE MOTORES COMANDOS DE MOTORES 1 PETROBRAS Petróleo Brasileiro S.A. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610, de 19.2.1998. É proibida a reprodução

Leia mais

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila.

Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Departamento de Engenharia Elétrica Conversão de Energia I Lista de Exercícios: Máquinas Elétricas de Corrente Contínua Prof. Clodomiro Vila. Ex. 0) Resolver todos os exercícios do Capítulo 7 (Máquinas

Leia mais

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos

Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos Aplicação de soft-start e conversores de freqüência no acionamento de motores assíncronos João Batista de Oliveira, Luciano Antônio de Oliveira, Luiz Octávio Mattos dos Reis, Ronaldo Rossi Universidade

Leia mais

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul

Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho no Rio Grande do Sul DETERMINAÇÃO DE CONDIÇÃO DE ACIONAMENTO DE FREIO DE EMERGÊNCIA TIPO "VIGA FLUTUANTE" DE ELEVADOR DE OBRAS EM CASO DE QUEDA DA CABINE SEM RUPTURA DO CABO Miguel C. Branchtein, Delegacia Regional do Trabalho

Leia mais

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS

SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS Departamento de Engenharia Electrotécnica e de Computadores GUIAS DE LABORATÓRIO DE SISTEMAS ELECTROMECÂNICOS (LIC. ENGENHARIA AEROESPACIAL) Funcionamento motor da máquina de corrente contínua: características

Leia mais

SIKOSTART. Chave estática de partida e parada suave 3RW22. Projeto Colocação em operação Montagem Service. Maio 99

SIKOSTART. Chave estática de partida e parada suave 3RW22. Projeto Colocação em operação Montagem Service. Maio 99 SIKOSTART Chave estática de partida e parada suave 3RW22 Projeto Colocação em operação Montagem Service Maio 99 Índice 1 - Introdução 2 - Aplicações típicas 2.1 - Bombas 2.2 - Ventiladores 2.3 - Moinhos

Leia mais

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA

AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA AULA 02 REVISÃO DE EQUIPAMENTOS ELÉTRICOS TRANSFORMADORES DE MEDIDAS DISJUNTORES DE POTÊNCIA ENE095 Proteção de Sistemas Elétricos de Potência Prof. Luís Henrique Lopes Lima 1 TRANSFORMADORES DE MEDIDAS

Leia mais

Máquinas e Acionamentos Elétricos Acionamentos de Motores de Indução Trifásicos CHAVES DE PARTIDA

Máquinas e Acionamentos Elétricos Acionamentos de Motores de Indução Trifásicos CHAVES DE PARTIDA CHAVES DE PARTIDA 1 PARTIDA DIRETA O motor parte com valores de conjugado (torque) e corrente de partida plenos, pois suas bobinas recebem tensão nominal (fig. 1.1). Fig. 1.1 (a) Ligação e tensão em triângulo

Leia mais

220V, 380V, 440V e 760V*

220V, 380V, 440V e 760V* MOTORES TRIFÁSICOS DE BAIXA TENSÃO Guia básico para instalação Henrique Barlera Objetivo: Guia básico para motores trifásicos de baixa tensão SIEMENS ABNT. Aviso: Este documento apresenta dicas e exemplos

Leia mais

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014

CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) Prof. Marcos Fergütz Fev/2014 CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA (FP) - Objetivo: Manter o FP 0,92 Q

Leia mais

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara

Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara ELETICIDADE Aula 4 Análise Circuitos Elétricos Prof. Marcio Kimpara Universidade Federal de Mato Grosso do Sul 2 Fonte elétrica As fontes elétricas mantém a diferença de potencial (ddp) necessária para

Leia mais

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f

Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro. Manual do Usuário Versão 3.9f Monitor de Rede Elétrica Som Maior Pro Manual do Usuário Versão 3.9f 2 ÍNDICE PÁG. 1 APRESENTAÇÃO...03 2 DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO...04 2.1 ROTINA INICIAL DE AVALIAÇÃO DA REDE ELÉTRICA...04 2.2 TROCA DE

Leia mais

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva

Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva Conceitos e definições para correção do fator de potência através de carga capacitiva anobra de capacitores Na ligação de capacitores a uma rede ocorre um processo transitório severo até que seja atingido

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA *

MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * MANUTENÇÃO ELÉTRICA INDUSTRIAL * ENROLAMENTOS P/ MOTORES CA * Vitória ES 2006 7. ENROLAMENTOS PARA MOTORES DE CORRENTE ALTERNADA A maneira mais conveniente de associar vários condutores de um enrolamento

Leia mais

Concurso Público Nível Médio

Concurso Público Nível Médio Concurso Público Nível Médio Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais Código da Vaga: CRC-03 Caderno de Prova Aplicação: 10/02/2010 LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Ao receber este caderno, confira

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Circuito integrado 555 e suas aplicações

Circuito integrado 555 e suas aplicações Circuito integrado 555 e suas aplicações Introdução Um circuito integrado popular é o versátil 555. Introduzido pela em 1973 pela Signetcs, este circuito integrado tem aplicações que variam de equipamentos

Leia mais

CWC + ACESSÓRIOS. 3 e 4. 3 e 4. 3 e 4

CWC + ACESSÓRIOS. 3 e 4. 3 e 4. 3 e 4 Minicontator CWC ü Manobra em regime AC-3 até 16A. ü Acoplamento direto ao relé de sobrecarga RW17D ü Linhas com bobina CA e CC com mesmo dimensional ü Bobina CC de baixo consumo ü Operação em regime AC-4

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Motores Automação Energia Tintas. Automação Contatores e Relés de Sobrecarga

Motores Automação Energia Tintas. Automação Contatores e Relés de Sobrecarga Motores Automação Energia Tintas Automação Contatores Modulares CWM - Tripolares/Tetrapolares Bobinas em Corrente Alternada (CA): 50/60Hz ou 60Hz 2) Bobinas em Corrente Contínua (CC) 2) CWM9 CWM12 CWM18

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

CONTATORES E RELÉS DE SOBRECARGA

CONTATORES E RELÉS DE SOBRECARGA Mod. 0.0/0.0 Sujeito a alterações sem prévio aviso. WEG CIONMENTOS V. PREF. WLDEMR GRUBB, 00 800 JRGUÁ DO SUL SC TEL. (7) 700 FX (7) 70 http://www.weg.com.br email : wamkt@weg.com.br SÃO PULO: TEL. ()

Leia mais

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I

Prática de Acionamentos e Comandos Elétricos I Data: / / 20 Aluno(a): Aula 9 : Partida de MIT com chave estrela/triângulo através de dispositivos de comandos. 1 - Objetivo Executar a montagem da ligação indireta de motores trifásicos através da partida

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 16 SOFT START AULA 16 SOFT START 1- Introdução Soft-starters são utilizados basicamente para partidas de motores de indução CA (corrente alternada) tipo gaiola, em substituição aos métodos estrela-triângulo, chave compensadora

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT

1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT 1ª PARTE: INFORMAÇÃO TECNOLÓGICA ELETROTÉCNICA - IT SUMÁRIO Grandezas 01 1.1 Classificação das Grandezas 01 1.2 Grandezas Elétricas 01 2 Átomo (Estrutura Atômica) 01 2.1 Divisão do Átomo 01 3 Equilíbrio

Leia mais

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US

Relés de Sobrecarga Térmicos 3US Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés de Sobrecarga Térmicos US /2 / /5 /8 Resumo Tabela de Seleção Informações Técnicas Esquema Dimensional catalogo TS_ cap.indd 1 Relés de Sobrecarga Térmicos US Relés

Leia mais

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos

1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos 1 1. Noções fundamentais comum em contínua. Podem funcionar com velocidade ajustável entre amplos limites e se prestam a controles de grande flexibilidade e precisão. Por isso, seu uso é restrito a casos

Leia mais

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA.

ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. ISOTRANS IND. DE TRANSFORMADORES LTDA. TRANSFORMADORES MONOFÁSICOS DE ISOLAÇÃO COM BLINDAGEM APLICAÇÃO Os transformadores monofásicos de isolação com blindagens, magnética e eletrostática, foram desenvolvidos

Leia mais

FOXDRIVE-Série Mini FOXCONTROL CONTROLES REMOTOS INDUSTRIAIS. Manual de Operação

FOXDRIVE-Série Mini FOXCONTROL CONTROLES REMOTOS INDUSTRIAIS. Manual de Operação FOXCONTROL CONTROLES REMOTOS INDUSTRIAIS Uma INDÚSTRIA 100% Brasileira a serviço da Indústria no Brasil!!!!!! FOXCONTROL TEM A SOLUÇÃO!!! Fone: (41)3575-1020 foxcontrol@foxcontrol.com.br ww.foxcontrol.com.br

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Outubro de 2016 Em instalações onde não for possível a energização

Leia mais

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos

clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos clubedotecnico.com Curso de comandos elétricos Conteúdo do Curso: Finalidade dos comandos Elétricos Proteção contra correntes de curto circuito Proteção contra correntes de sobrecarga Dispositivos de Manobras

Leia mais

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B

Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Laboratório de Conversão Eletromecânica de Energia B Prof a. Katia C. de Almeida 1 Obtenção Experimental dos Parâmetros do Circuito Equivalente do Motor de Indução Trifásico A verificação do desempenho,

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 6: Máquina Síncrona em Barramento Infinito Objetivo: Verificar, experimentalmente, como é feita a ligação de um gerador síncrono no barramento infinito. Teoria: As necessidades de energia elétrica

Leia mais

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES

PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9 PROTEÇÃO CONTRA SOBRE CORRENTES 9.1 INTRODUÇÃO O aumento da temperatura nos condutores de uma instalação elétrica, devido a circulação de corrente (efeito Joule), projetada para o funcionamento normal,

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Novembro de 2016 Essa chave alimenta as bobinas do motor

Leia mais

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá

Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Escola de Educação Profissional SENAI Visconde de Mauá Automação Industrial Porto Alegre, Maio de 2014 Revisão: A Prof Vander Campos Conhecer os princípios básicos do inversor de frequência; Saber interpretar

Leia mais

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos

CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE. Circuitos de retificação monofásicos CONVERSORES E CONTROLADORES DE FASE Um conversor é um equipamento utilizado para converter potência alternada em potência contínua. Num conversor simples, que usa somente diodos retificadores, a tensão

Leia mais

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B

Manual de Instruções. C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a. Rev. B Manual de Instruções C o n t r o l a d o r D i f e r e n c i a l para P i s c i n a Rev. B 1. Descrição Índice 1.Descrição... pág 1 2.Dados Técnicos... pág 2 3.Instalação... pág 3 4.Ajuste e Operação...

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

Geradores de corrente alternada

Geradores de corrente alternada Geradores de corrente alternada Introdução: A função do gerador elétrico é bastante conhecida, converter energia mecânica em energia elétrica podendo esta ser alternada ou contínua. Um gerador de corrente

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

IND 1 DT MICROMASTER 430

IND 1 DT MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 MICROMASTER 430 Uma visão geral l Inversores trifásicos de 400V projetados para aplicações com cargas de torque quadrático (bombas, ventiladores, etc.) l Quatro tamanhos de carcaça: FS

Leia mais

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução

Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL. Introdução Capítulo 11 MOTORES ELÉTRICOS DE CORRENTE CONTÍNUA E UNIVERSAL Esta aula apresenta o princípio de funcionamento dos motores elétricos de corrente contínua, o papel do comutador, as características e relações

Leia mais