ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA"

Transcrição

1 ENTENDENDO OS REQUISITOS DE VERIFICAÇÃO DE INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA UMA DISCUSSÃO SOBRE A ESTRUTURA DA NORMA ISO E SUA APLICAÇÃO GLOBAL PARA INVENTÁRIOS E PROJETOS DE GEE Agosto de 2011 AUTORES Fabian Peres Gonçalves Gerente de Negócios da SGS ICS, Programa Brasileiro de Mudança Climática Stephen Pao Gerente Global de Desenvolvimento de Negócios de Sustentabilidade da SGS

2 RESUMO Este documento dá uma introdução aos requisitos da especificação de Inventários de Gases de Efeito Estufa. Não se pretende ser uma explicação completa das normas de validação e verificação, requisitos relacionados, ou regulamentações de implementação. Ao invés disso, busca promover a compreensão da norma e permitir às organizações estabelecer o sistema, processos e projetos, necessários para quantificar e gerenciar gases de efeito estufa. CONTEÚDO I. Sumário Executivo 1 II. Inventário de Gases de Efeito Estufa 3 III. Inventário de Gases de Efeito Estufa Normas 5 IV. Solução Global para Inventários de Gases de Efeito Estufa 8 V. Verificação de GEE e Gestão de Energia 9 VI. Conclusão 9 I. SUMÁRIO EXECUTIVO O aquecimento global está se tornando cada vez mais aparente. Nos últimos dez anos, de 2001 à 2010, as temperaturas globais subiram 0.46 C em relação à média entre 1961 e Este aumento está 0.03 C acima da média entre 2000 e 2009, é o valor mais alto já registrado para um período de 10 anos, de acordo com a Organização Mundial de Meteorologia, que é a voz de autoridade do Sistema das Nações Unidas sobre Tempo, Clima e Água. Os dados de 2010 confirmam a tendência de aquecimento significativo da Terra em longo prazo, reiterou o Secretário-Geral do WMO Michel Jarraud, Os dez anos mais quentes já registrados ocorreram a partir de A Norma ISO 14064:2006 e o Protocolo de Gases de Efeito Estufa (GEE) foram lançados como solução para a falta de clareza e consistência em uma variedade de abordagens por governos e organizações para prestar contas a respeito das emissões e remoções de GEE. A Organização Internacional de Normalização (ISO) é uma organização global com sede em Genebra, na Suíça, com 163 países-membros e Normas ISO atualmente que proporcionam benefícios tecnológicos, econômicos e sociais. O Dr. Chan Kook Weng, do grupo de trabalho da ISO que desenvolveu a norma ISO 14064, explica, a meta da ISO é fornecer um conjunto de requisitos não-ambíguos e verificáveis ou especificações para organizações de apoio e proponentes de projetos de redução de emissões de GEE. A ISO proporcionará clareza e consistência entre aqueles que relatam as emissões de GEE e as partes interessadas. A ISO 14064:2006 é dividida em três partes: ISO Especificação com orientações em grau organizacional para quantificação e reporte das emissões e remoções de GEE. ISO Especificação com orientações em grau de projetos para quantificação, monitoramento e relatório de reduções da emissões de GEE e aumento de remoções. ISO Especificação com orientações para validação e verificação de declarações de GEE que buscam verificar os inventários desenvolvidos pela ISO e validar e confirmar projetos desenvolvidos pela ISO

3 2

4 II. INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA O QUE SÃO GASES DE EFEITO ESTUFA? Uma variedade de componentes químicos que agem como gases de efeito estufa podem ser encontrados na atmosfera do planeta. Estes gases permitem que a luz do sol entre livremente na atmosfera e então bloqueiem a radiação infravermelha (calor) que reflete de volta da superfície da Terra. Os gases de efeito estufa (algumas vezes abreviados por GEE) que são mais abundantes na atmosfera do planeta incluem: vapor d água, dióxido de carbono, metano, óxido nítrico e ozônio. Enquanto alguns GEE são decorrentes de processos naturais, outros são cada vez mais resultantes diretos das atividades humanas. Estes incluem principalmente: Dióxido de Carbono (CO ² ) o dióxido de carbono é responsável por mais de 60% dos efeitos intensificados de efeito estufa e entra na atmosfera devido à queima de combustíveis fósseis (petróleo, gás natural e carvão), resíduos sólidos, árvores e produtos madeireiros, bem como resultado de outras reações químicas (por exemplo: fabricação de cimento). Estima-se um aumento na atmosfera relativo ao nível de dióxido de carbono da ordem de mais de dez por cento a cada vinte anos. Se continuada, a concentração dióxido de carbono poderá aumentar até o dobro, ou o triplo, dos níveis préindustriais no século XXI. Metano (CH4): O metano ainda chama pouca atenção nas percepções públicas de GEE, uma vez que manchetes se concentram nas emissões de CO ². No entanto, o metano é responsável por um quinto do aumento dos efeitos estufa e está na categoria 23 em potencial de aquecimento global (GWP). Isto significa que o metano possui 23 vezes o efeito que CO ² tem em capturar o calor na atmosfera; logo, uma tonelada de metano na atmosfera equivale a 23 toneladas de CO ². O metano possui um papel crucial no aquecimento global e ainda há muitas incógnitas científicas sobre esse gás. Óxido Nítrico (N ² O): Os níveis de óxido nítrico estão aumentando numa taxa de 0.2 a 0.3% ao ano, com um aumento geral de dezessete por cento nas taxas atmosféricas desde A liberação natural de óxido nítrico dos oceanos do mundo corresponde à maioria das emissões, enquanto os efeitos humanos incluem: conversão do uso de terras, queima de combustíveis fósseis, queima de biomassa e fertilização do solo. Óxido nítrico tem categoria 310 em GWP e suas emissões são difíceis de mensurar com precisão, o que significa que pesquisas extensas ainda precisam ser feitas para este GEE. Hidrofluorcarbonetos (HFCs), Perfluorcarbonetos (PFCs) e Hexafluoreto Sulfúrico (SF 6): estes são poderosos gases de efeito estufa que são resultantes de uma variedade de processos industriais. Gases fluoretados são usados às vezes para substâncias redutoras da camada de ozônio (isto é: CFCs, HCFCs, e halogênicos). Estes gases são tipicamente liberados na atmosfera em quantidades menores; no entanto, eles são gases de efeito estufa potentes. Por exemplo, o índice de GWP de alguns deles pode ser tão alto quanto 920. Além de ter um GWP alto, eles também possuem vida atmosférica extremamente longa, resultando num acúmulo essencialmente irreversível na atmosfera Terrestre. COMO FUNCIONAM OS INVENTÁRIOS DE GASES DE EFEITO ESTUFA? Inventários de efeito estufa são inventários de emissões das quantidades de GEE liberados na atmosfera ou retirados dela. Eles incluem também quaisquer informações de histórico sobre as atividades diretamente atribuídas às alterações dos níveis de GEE. Os inventários se concentram nas emissões de GEE naturais e naquelas geradas por seres humanos (antropogênicas) e incluem não apenas emissões de categorias-fonte, mas também por sumidouros de carbono (também chamadas de sequestro de carbono). Os índices de potencial do aquecimento global, ou GWP, serão caracterizados nos inventários e usados para combinar as emissões de vários GEE em um único valor de peso das emissões. Governos, criadores de políticas, empresas, o público e grupos com interesses especiais fazem uso de inventários de GEE para entender as emissões-fonte, rastrear tendências e desenvolver estratégias para políticas de redução de GEE. Organismos regulatórios e as maiores corporações contam com os inventários para rastrear registros de conformidade e manter taxas admissíveis de emissão. O Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC) publica metodologias internacionalmente aceitas para inventários que servem como base para todos os inventários de GEE, assegurando que eles são comparáveis e compreensíveis. O Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (IPCC) lidera um organismo internacional com a tarefa de produzir inventários para a avaliação de mudanças climáticas. O IPCC foi estabelecido pelo Programa Ambiental das Nações Unidas (PANU) e a Organização Meteorológica Mundial (WMO), e é endossado pela Assembléia Geral das Nações Unidas. Ele é um organismo científico com um mandato para proporcionar ao mundo uma visão científica clara sobre o estado atual de conhecimento sobre mudanças climáticas e seus impactos ambientais e sócio-econômicos em potencial. Exemplos-chave de inventários de GEE incluem: Todos os países do Anexo I do Protocolo de Kyoto devem produzir um relatório anual sobre as emissões e sumidouros de GEE (de acordo com a Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança Climática). Exige-se que governos nacionais, pelo UNFCCC, ou Protocolo de Kyoto, devam submeter inventários anuais de todas as emissões de GEE geradas 3

5 por fatores humanos das fontes e remoções de poços. Para inventários nacionais, o Protocolo de Kyoto inclui requisitos adicionais: um inventário de reporte e uma análise anual de inventários para a determinação da conformidade com os Artigos 5 e 8 do Protocolo. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto possui desenvolvedores de projeto que preparam inventários, como parte das linhas de base de seus projetos. Inventários de gases de efeito estufa preparados por corporações e outras entidades para rastrear o progresso em direção ao atendimento das metas de redução de emissões. Projetos científicos (por exemplo, Projeto Vulcan um inventário abrangente Norte-Americano de emissões de gases de efeito estufa oriundo da queima de combustíveis fósseis) que investigam a troca de carbono líquido total. QUAL É O FUTURO DOS NÍVEIS DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA? O futuro dos níveis de emissão de GEE é incerto e há mais de quarenta cenários globais futuros existentes, projetando tanto o aumento quanto a queda dos GEE. Contudo, no geral, Moira et al, em seu documento de 2001, que analisa a literatura sobre GEE, entitulado Cenários e Implicações da Mitigação das Emissões de Gases de Efeito Estufa, apresentou que a intervenção governamental é a chave para os níveis de GEE. É provável que níveis baixos de intervenção governamental conduzam a níveis crescentes de GEE, enquanto níveis mais altos de intervenção governamental provavelmente garantirão a queda dos níveis de GEE. Muitos outros fatores afetam as estimativas das emissões futuras com um progresso no desenvolvimento sócioeconômico em países em desenvolvimento que são de suma importância. Países em desenvolvimento ainda respondem por níveis relativamente baixos de emissões, ao contrário dos níveis de emissões combinadas dos EUA e UE que contribuem com mais de 50% de todas as emissões de GEE em todo o mundo. Fatores tecnológicos, disponibilidade de recursos de combustíveis fósseis, crescimento populacional, mudanças no uso de terras e as alterações globais no uso de energia (por exemplo: práticas de deslocamento, habitação, uso de eletricidade e reciclagem) terão um impacto significativo sobre os níveis de emissões de GEE. Dos seis cenários elaborados do IPCC SRES, os modelos sugerem que, até 2100, o aumento da concentração de CO ² na atmosfera poderá variar entre 90 e 250% em comparação com o ano de A pergunta que também foi feita é o que constitui um nível seguro para a concentração de GEE na atmosfera pela Comissão Regulamentar Nuclear (NRC). Todavia, esta pergunta é difícil de responder com precisão, uma vez que ela conta com julgamentos de valor do que seria risco aceitável para o bem-estar humano. O que não está em questão, no entanto, é a visão científica atual, defendida pela NRC e demais institutos, de que são as atividades humanas as maiores responsáveis pelo aumento observado da temperatura média global ( aquecimento global ) desde meados do século XX, juntamente com a visão comumente defendida de que se espera que o aquecimento antropogênico (provocados pela atividade humana) do clima continue a aumentar ao longo e após o século XXI. 4

6 III. INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA NORMAS A NORMA ISO 14064: BUSCA A norma ISO é uma das mais novas da família ISO de normas internacionais e se concentra na gestão ambiental. A ISO é dividida em três partes individuais que agem como normas únicas ou podem ser combinadas para atender requisitos específicos de contabilização e verificação de GEE. A norma ISO fornece uma estrutura de princípios e abordagens normalizadas para o preparo e produção de inventários de GEE. Isto dá a governos e indústria um conjunto integrado de ferramentas contáveis e verificáveis de boas práticas na quantificação e reportagem das emissões e de suas reduções. A norma também facilita o desenvolvimento e implementação de projetos de GEE, por meio da disponibilização de informações pertinentes de requisitos voluntários ou obrigatórios de projetos de GEE à empresas. O propósito geral é aumentar a consistência e transparência da contabilização e reportagem de GEE por meio do auxílio a programas de apoio concentrados na redução das emissões de gases de efeito estufa e sua comercialização. Normas ISO de Mudança Climática Escopo Norma de Referência Organização Projetos Validação e Verificação ISO Parte 1 Especificação e orientação a organizações para quantificação e elaboração de relatórios de emissões e remoções de gases de efeito estufa ISO Parte 2 Especificação e orientação a projetos para quantificação, monitoramento e elaboração de relatórios das reduções de emissões ou da melhoria das remoções de gases de efeito estufa ISO Parte 3 Especificação e orientação para validação e verificação de declarações relativas a gases de efeito estufa Acreditação ISO Gases de efeito estufa: especificações para os organismos de validação e verificação de gases de efeito estufa para uso em acreditação ou outras formas de reconhecimento. Fonte: ISO (Organização Internacional para Padronização) A NORMA ISO 14064: PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO O desenvolvimento da norma ISO 14064, completado em Março de 2006, incluiu a opinião de mais de 175 especialistas, representantes de 45 países, e foi realizada em um período de quatro anos. A norma reconheceu a falta de padrões internacionais e a consistência no reporte da questão ambiental representada pela mudança climática. Para superar isto, a ISO formou um grupo de trabalho para definir como quantificar e relatar as emissões de GEE de uma organização. Ele se concentrou também em como os relatórios de GEE poderiam ser verificados, bem como tecnicamente rigorosos, mas permanecendo neutros quanto à política. Isto foi uma importante inclusão, uma vez que a norma poderia então ser aplicável, independente de políticas de mudança climática deste ou daquele determinado país (ou sua participação no Protocolo de Kyoto das NU). Em agosto de 2006, o Instituto Nacional Americano de Normas aprovou a ISO como uma Norma Nacional Americana, e com isso, junto com a reputação de neutralidade política da ISO 14064, significa que a norma é compatível com muitos outros programas de GEE em todo o mundo. DESENVOLVIMENTO DAS NORMAS ISO E ISO ISO TC 207 Gestão Ambiental Grupo de Trabalho 5 responsável pelo desenvolvimento da norma ISO Grupo de Trabalho 6 responsável pelo desenvolvimento da norma ISO

7 A NORMA ISO 14064: ESTRUTURA DAS PARTES 1, 2 e 3 ISO Parte 1 Projeto e Desenvolvimento de Inventários de GEE de organizações ISO PARTE 2 Projeto e Implementação de projetos de GEE Documentação do inventário de GEE e Relatórios Documentação do inventário de GEE e Relatórios Declaração de GEE Verificação Nível de confiança consistente com os requisitos do usuário pretendido Declaração de GEE Validação e/ou Verificação Processo de Verificação ISO Parte 3 Processo de Validação e Verificação ISO Especificações para os organismos de validação e verificação Fonte: ISO (Organização Internacional para Padronização) A NORMA ISO 14064: ESTRUTURA DA PARTE 1 A ISO Parte 1 fornece um modelo às organizações para que estabeleçam um processo de quantificação das emissões de GEE para o inventário. O modelo oferece à organização um modo de demonstrar sua integridade ambiental com clareza e consistência, tanto para usuários quanto para partes interessadas. Isto permite à organização aumentar sua credibilidade ao ser vista como transparente em todos os aspectos da reportagem de GEE, enquanto auxilia na identificação e rastreamento de quaisquer metas de desempenho ou progresso estabelecidas, e assegura estratégias de GEE ao reduzir emissões e minimizar riscos corporativos. A Norma ISO 14064: Parte 1 Organizações A norma inclui as seguintes cláusulas: 1. Escopo 2. Termos e Definições 3. Princípios 4. Projeto e Desenvolvimento de Inventários de GEE 4.1 Limites Organizacionais 4.2 Limites Operacionais 4.3 Quantificação das Emissões e Remoções de GEE 5. Componentes de um Inventário de GEE 5.1 Emissões e Remoções de GEE 5.2 Atividades Organizacionais para reduzir as Emissões ou aumentar as Remoções de GEE 5.3 Inventário de GEE do Ano Base 5.4 Avaliação e Redução de Incertezas 6. Gestão da Qualidade do Inventário de GEE 6.1 Gestão de Informações sobre GEE 6.2 Retenção de Documentos e Manutenção de Registros 7. Relatório de GEE 7.1 Propósito do Relatório de GEE 7.2 Planejamento do Relatório de GEE 7.3 Conteúdo do Relatório de GEE 8. Papel das Organizações nas Atividades de Verificação 8.1 Geral 8.2 Preparando-se para a Verificação 8.3 Gestão da Verificação Anexo A Consolidação dos dados em nível de instalação para grau organizacional Anexo B Exemplos de outras emissões indiretas de gases de efeito estufa Anexo C Potencial de Aquecimento Global dos Gases de Efeito Estufa 6

8 A NORMA ISO 14064: ESTRUTURA DA PARTE 2 A ISO Parte 2 auxilia organizações, governos, proponentes de projetos e partes interessadas em todos os aspectos de projetos de GEE ou atividades com base em projetos. Esta norma facilita o monitoramento dos cenários de linha de base de projetos de acordo com o desempenho de projetos e assegura que todo o reporte seja validado e confirmado. A norma se aplica a projetos de MDL/JI dentro do contexto do Protocolo de Kyoto, projetos de MDL/JI dentro do contexto de programas de comércio de emissões (EU ETS) e outros projetos de GEE dentro do contexto de programas de comércio de emissões em diferentes países. A NORMA ISO 14064: PARTE 2 PROJETOS A Norma Iso 14064: Projetos A norma inclui as seguintes cláusulas: 1. Escopo 2. Termos e Definições 3. Princípios 4. Introdução aos Projetos de GEE 5. Requisitos para Projetos de GEE 5.1 Requisitos Gerais 5.2 Descrição do Projeto 5.3 Identificação das Fontes, Poços e Reservatórios de GEE pertinentes ao Projeto 5.4 Determinação do Cenário-Base 5.5 Identificação das Fontes, Poços e Reservatórios de GEE para o Cenário-Base 5.6 Seleção das Fontes, Poços e Reservatórios de GEE para Monitoramento e Estimativa das Emissões e Remoções de GEE 5.7 Quantificação das Emissões e Remoções de GEE 5.8 Quantificação das Reduções de Emissões e Aumento das Remoções 5.9 Gestão da Qualidade de Dados 5.10 Monitoramento do Projeto de GEE 5.11 Documentação do Projeto de GEE 5.12 Validação e/ou Confirmação do Projeto de GEE 5.13 Reporte do Projeto de GEE Anexo A Orientações sobre o Uso desta Parte da ISO Anexo B Potencial de Aquecimento Global dos Gases de Efeito Estufa Consulta as Partes Interessadas Comunicação com as partes interessadas ISO Parte 2 Requisitos gerais do processo de auditoria Programa de GEE aplicável Requisitos adicionais, critérios, regras e políticas O proponente deveria considerar essas relações para planejar e implementar o projetos de GEE Norma Relevante Critérios reconhecidos, regras, metodologias, equipamentos Mercados para unidades de GEE Legislação Relevante Guia de Boas Práticas Critérios reconhecidos, metodologias, ferramentas e orientações Fonte: ISO (Organização Internacional para Padronização) A NORMA ISO 14064: ESTRUTURA DA PARTE 3 A ISO Parte 3 oferece um processo para a verificação das declarações de GEE, tais como o relatório do inventário de GEE de uma organização. A base para isto vem de boas práticas encontradas nos setores de contabilidade financeira e auditoria ambiental. As práticas de verificação a partir de esquemas emergentes de GEE, tais como o Mecanismo de Desenvolvimento Limpo do Protocolo de Kyoto, também ajudaram a formas os princípios para auxiliar em quaisquer interpretações necessárias ao conduzir uma verificação de GEE pela ISO A Norma ISO 14064: Parte 3 Validação E Confirmação A norma inclui as seguintes cláusulas: 1. Escopo 2. Termos e Definições 3. Princípios 4. Requisitos de Validação e Confirmação 4.1 Validadores ou Verificadores 4.2 Processo de Validação e Confirmação 4.3 Nível de Garantia, Objetivos, Critérios e Escopo de Validação ou Confirmação 4.4 Abordagem de Validação ou Confirmação 4.5 Avaliação do Sistema de 7

9 Informações sobre GEE e seus Controles 4.6 Avaliação dos Dados e Informações sobre GEE 4.7 Avaliação de acordo com os Critérios de Validação ou Confirmação 4.8 Avaliação da Declaração de GEE 4.9 Declaração de Validação e Confirmação 4.10 Registros de Validação e Confirmação 4.11 Fatos descobertos após a Validação e Confirmação Anexo A Orientações sobre o Uso desta Parte da ISO IV. Solução Global para Inventários de Gases de Efeito Estufa COMO FUNCIONA O PROCESSO DE VERIFICAÇÃO DO INVENTÁRIO DE GEE? A ISO e o processo de verificação do Protocolo de GEE consistem nos seguintes passos: Passo A A SGS lhe providencia uma proposta com base no porte e natureza da sua organização. Após o aceite sua organização poderá prosseguir à auditoria. Passo B Você poderá solicitar à SGS que realize uma pré-auditoria (favor notar: a SGS pode prover uma préauditoria única que pode ser realizada independentemente de quaisquer atividades de verificação) para receber uma indicação da prontidão do sistema de sua organização para a auditoria. Este estágio é opcional, ainda que ele geralmente é útil na identificação de fragilidades no seu sistema e na construção de confiança antes da auditoria formal. Passo C A primeira parte da auditoria formal é o Estágio 1 Análise Documental e Estratégica & Avaliação de Riscos. Isso nos permite avaliar a conformidade de seu sistema documentado com os requisitos da norma. Só então somo capazes de entender melhor a natureza de sua organização e planejar o restante da auditoria da forma mais eficaz possível. Inicialmente, examinamos os elementos-chave do sistema para definir a abordagem de verificação no Estágio 2. Você receberá um relatório das constatações após este estágio com a identificação de quaisquer pontos de preocupação ou não-conformidades observadas, para que você possa tomar ações imediatas, se necessário. Passo D Este é o Estágio 2 do processo de auditoria. A auditoria inclui entrevistas com você, seus colegas e uma verificação de seus registros. A observação de suas práticas de trabalho determina quão conformes são seus processos reais dentro da norma e dentro do seu próprio sistema de documentação. Ao final deste estágio, apresentaremos as constatações da auditoria, que são classificadas como a seguir: solicitação de esclarecimento, solicitação de ação corretiva, ou solicitação de ações posteriores. Esta classificação, juntamente com outras observações, farão parte do relatório completo para o Estágio 2. Assim que você tiver tratado os pontos destacados, a fim de encerrar todas as constatações, uma revisão técnica da auditoria será conduzida então por um gerente de certificação autorizado pela SGS para confirmar a emissão da declaração. verification PROCESSes Etapa A Assinatura do Contrato Etapa C Auditoria Estágio 1 Etapa D Auditoria Estágio 2 Emissão da Declaração na conclusão da auditoria bem sucedida Etapa B Pré Auditoria Opcional Ações e Encerramento de não conformidades idendificadas 8

10 V. VERIFICAÇÃO DE GEE E GESTÃO DE ENERGIA COMO INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE PODEM AUXILIAR NA GESTÃO DA EFICIÊNCIA E DESEMPENHO ENERGÉTICO? A norma ISO proporciona uma abordagem padronizada e princípios para qualificar um inventário de GEE em apoio a um sistema de gestão de energia. A gestão das emissões de GEE, tanto voluntária quanto obrigatória, e a preparação e implementação de um sistema de gestão de energia estratégico (por meio da ISO 50001) contam com um preciso relatório dentro do processo de auditoria. A introdução ao inventário de GEE e sistema de gestão de energia permite às organizações concentrarem-se não apenas nas reduções das emissões, mas também na identificação de perigos e quantificação das fontes de emissão de energia, tais como eletricidade, calor, vapor e combustíveis (fósseis e/ou renováveis). Isto leva a uma quantificação clara das emissões de GEE relacionadas com as atividades da empresa, diretas e indiretas, e a implementação eficaz da melhoria da eficiência, bem como a redução das emissões de GEE. VII. CONCLUSÃO A norma ISO e o Protocolo de GEE combinam os benefícios de uma ferramenta de gestão de negócios e processos com a transparência e credibilidade dos inventários de GEE quanto à reportagem. Clientes globais exigem cada vez mais prestação de contas sobre a redução das emissões de GEE, podem encontrar na ISO 14064, e no seu desenvolvimento independente, como uma fonte crível e confiável de informações. O processo de verificação fornece assistência às organizações para o estabelecimento, implementação ou aprimoramento do sistema de inventários de GEE e, a aplicação global da norma ISO contribui para uma maior competitividade e um impacto positivo sobre a mudança climática. 9

11 SOBRE OS AUTORES Fabian Peres Gonçalves Gerente de Negócios da SGS ICS, Programa Brasileiro de Mudança Climática Fabian Gonçalves é Auditor Líder e Coordenador Técnico do Programa Brasileiro de Mudança Climática da SGS. Fabian Gonçalves possui mais de cinco anos de experiência em projetos relacionados com mudança climática, com envolvimento no projeto do Protocolo de Kyoto com base no Mecanismos de Desenvolvimento Limpos, diversos projetos voluntários, bem como avaliações tanto nacionais quanto internacionais. Fabian Gonçalves atualmente atua como Gerente de Desenvolvimento de Negócios da SGS. Fabian Gonçalves é formado pela Universidade Oswaldo Cruz em Engenharia Química. Para mais informações, visite ou envie um para Stephen Pao Gerente Global de Desenvolvimento de Negócios de Sustentabilidade da SGS Stephen Pao ocupa o cargo de Gerente Global de Desenvolvimento de Negócios do Departamento de Certificação de Sistemas e Serviços da SGS. Stephen Pao atualmente está envolvido com o Desenvolvimento de Novos Produtos de Sustentabilidade. Stephen Pao liderou o apoio regional e global, técnico e de acreditação, bem como o desenvolvimento de novos negócios em Sistemas de Gestão Ambiental, Sistemas de Gestão Integrados e Sistemas de Gestão da Segurança para a SGS Taiwan Ltda. nos últimos 10 anos. Stephen Pao é formado pela Northwestern University, com Mestrado em Engenharia Ambiental. SOBRE A SGS A SGS é a empresa líder mundial em inspeções, verificações, testes e certificações. Reconhecida como referência global de qualidade e integridade, empregamos mais de pessoas e operamos uma rede de mais de escritórios e laboratórios em todo o mundo. Olhamos além das expectativas de clientes e da sociedade, a fim de prestar serviços de liderança ao mercado onde quer que sejam necessários. Ser parceiro da SGS abre portas para a realização de processos ainda melhores, pessoas cada vez mais habilidosas e talentosas, cadeias de fornecimento consistentes e conformes e relações mais sustentáveis com clientes, o que proporciona vantagens competitivas rentáveis. Nós temos uma história de realização e execução bem sucedida de projetos internacionais complexos de larga escala. Com presença em todas as regiões ao redor do planeta, nosso pessoal fala o idioma e entende a cultura do mercado local, além de operar globalmente de forma consistente, confiável e eficaz. A SGS é o organismo independente líder em ajudar organizações a melhorar seu desempenho relacionando com o desenvolvimento sustentável. Somos o líder global em certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001) e verificação de mudança climática e o organismo de certificação com maior númer ode acreditações. NOTA DE DIREITOS AUTORAIS As informações contidas neste documento representam a visão atual da SGS SA sobre os assuntos discutidos a partir da data de publicação. Devido ao fato da SGS ter de responder às condições mutáveis do mercado, isso não deve ser interpretado como um compromisso da parte da SGS, e a SGS não pode garantir a precisão de quaisquer informações apresentadas após a data da publicação. Este Guia Técnico é meramente informativo. A SGS não dá qualquer garantia, expressa, sugerida ou estatutária, quanto às informações contidas neste documento. Atender a todas as leis aplicáveis de direitos autorais é responsabilidade do usuário. Nenhuma das partes deste documento pode ser reproduzida, mantida ou introduzida em um sistema de recuperação, ou transmitida de qualquer forma ou por quaisquer meios (eletrônicos, mecânicos, fotocópias, gravações ou de outras formas), ou para quaisquer fins, sem autorização expressa por escrito da SGS. A SGS poderá ter patentes, aplicações de patentes, marcas registradas, direitos autorais, ou outros direitos de propriedade intelectual que cubram o tema deste documento. Exceto se expressamente indicado em qualquer acordo de licença por escrito por parte da SGS, o fornecimento deste documento não dá qualquer licença sobre estas patentes, marcas registradas, direitos autorais ou outras propriedades intelectuais. QUALQUER REPRODUÇÃO, ADAPTAÇÃO OU TRADUÇÃO DESTE DOCUMENTO SEM AUTORIZAÇÃO PRÉVIA POR ESCRITO É PROIBIDA, EXCETO SE PERMITIDO PELAS LEIS DE DIREITOS AUTORAIS. SGS SA TODOS OS DIREITOS RESERVADOS. 10

12 2011 SGS SA. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS.

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz:

Não é tarde demais para combater as mudanças climáticas O sumário do IPCC diz: Sumário dos resultados-chave do Quarto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, Grupo de Trabalho III de Mitigação de Mudanças Climáticas Bangkok, Maio de 2007 Não é

Leia mais

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento da Integração (PMBoK 5ª ed.) O PMBoK diz que: O gerenciamento da integração do projeto inclui os processos e as atividades necessárias para identificar, definir, combinar, unificar e coordenar

Leia mais

TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO

TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO TREINAMENTO DE EMISSÃO DE GASES DE EFEITO ESTUFA E PEGADA DE CARBONO INTRODUÇÃO O meio ambiente sofreu prejuízos de todo tipo ao longo

Leia mais

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

INVENTÁRIO: Completo Preliminar. INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa RL Sistemas de Higiene Ltda. 2009 INVENTÁRIO: Completo Preliminar INVENTÁRIO VERIFICADO POR: Ninguém Primeira parte 1 Terceira parte Terceira parte acreditada

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA

CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA CAPÍTULO 7 EFEITO ESTUFA Será que o homem já se conscientizou do poder destrutivo das suas mãos? Hoje, é freqüente ouvirmos falar do efeito estufa Mas quem é esse vilão que nos apavora? O efeito estufa

Leia mais

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono

Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização. Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Inventário de Emissões e Estratégias de Neutralização Desafios dos Projetos de Crédito de Carbono Julho 2009 Sobre a GSS Empresa com atuação focada no desenvolvimento de projetos e prestação de consultorias

Leia mais

Dimensão Mudanças Climáticas

Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas Dimensão Mudanças Climáticas 2 Sumário CRITÉRIO I POLÍTICA... 3 INDICADOR 1. COMPROMISSO, ABRANGÊNCIA E DIVULGAÇÃO... 3 CRITÉRIO II GESTÃO... 5 INDICADOR 2. RESPONSABILIDADE...

Leia mais

PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS GERAIS DA SHELL

PRINCÍPIOS EMPRESARIAIS GERAIS DA SHELL Shell International Limited 2010 A permissão para reproduzir qualquer parte desta publicação deve ser solicitada à Shell International Limited. Geralmente a permissão será concedida, mediante o reconhecimento

Leia mais

Percepção do setor: O que está provocando as ações a respeito das mudanças climáticas nas maiores companhias do mundo?

Percepção do setor: O que está provocando as ações a respeito das mudanças climáticas nas maiores companhias do mundo? Percepção do setor: O que está provocando as ações a respeito das mudanças climáticas nas maiores companhias do mundo? As empresas enfrentam cada vez mais riscos climáticos e choques políticos. Como as

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012]

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa [Gazin Auto Posto] [2012] INVENTÁRIO: X Completo INVENTÁRIO VERIFICADO POR: X Terceira parte Data: 21/01/2014 Preparador de Relatório: EGGEE/GAZIN Airton

Leia mais

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma

INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3. Uma visão geral dos requisitos da norma INVENTÁRIO E VERIFICAÇÃO DE GEE ABNT NBR ISO14064: PARTES 1 E 3 Uma visão geral dos requisitos da norma FORTALECEMOS PROCESSOS, SISTEMAS E PESSOAS SGS é líder mundial em inspeções, testes, certificações

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Página 1 NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio (votação 10/02/96. Rev.1) 0. INTRODUÇÃO 0.1 Resumo geral 0.2 Benefícios de se ter um Sistema

Leia mais

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO

JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO JULIETA ALCIATI DEPARTAMENTO DE RELAÇÕES COM O MERCADO Agenda Introdução Definição dos limites de um inventário de emissões de Gases de Efeito Estufa Limites Operacionais Identificando e Calculando emissões

Leia mais

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave

ISO 14004:2004. ISO14004 uma diretriz. Os princípios-chave ISO14004. Os princípios-chave ISO14004 uma diretriz ISO 14004:2004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio Prof.Dr.Daniel Bertoli Gonçalves FACENS 1 Seu propósito geral é auxiliar as

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna

PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA INTERNA. 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos procedimentos de auditoria interna 025 1/8 Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6. Formulários 7. Anexo A 1 Objetivo Este Procedimento tem como objetivo descrever a rotina aplicável aos

Leia mais

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

MINUTA PROJETO DE LEI. Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

Introdução. Escritório de projetos

Introdução. Escritório de projetos Introdução O Guia do Conhecimento em Gerenciamento de Projetos (Guia PMBOK ) é uma norma reconhecida para a profissão de gerenciamento de projetos. Um padrão é um documento formal que descreve normas,

Leia mais

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa

Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Versão Web Inventário Corporativo de Gases de Efeito Estufa Gerente do Projeto: Luis F. M. Serrano Consultor: Victor Sette Gripp Período de Referência: 2012 São Paulo, Abril de 2013 Elaboração: INTRODUÇÃO

Leia mais

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade

ECONTEXTO. Auditoria Ambiental e de Regularidade Auditoria Ambiental e de Regularidade Organização Internacional das Entidades Fiscalizadoras Superiores - INTOSAI Grupo de Trabalho sobre Auditoria Ambiental - WGEA ECONTEXTO Este artigo é um resumo do

Leia mais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais

A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais VIII Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí I Seminário dos Estudantes de Pós Graduação A Importância de Inventários de Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEE) em Governos Locais (1) Leonardo

Leia mais

Administração de Pessoas

Administração de Pessoas Administração de Pessoas MÓDULO 5: ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS 5.1 Conceito de ARH Sem as pessoas e sem as organizações não haveria ARH (Administração de Recursos Humanos). A administração de pessoas

Leia mais

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS

NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS NBA 40 - CONTROLE DE QUALIDADE DAS AUDITORIAS REALIZADAS PELOS TRIBUNAIS DE CONTAS INTRODUÇÃO (Issai 40 - Introdução) 1. A NBA 40 tem como objetivo ajudar os Tribunais de Contas a elaborar, estabelecer

Leia mais

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO

ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO ACORDO DE PARIS: A RECEITA PARA UM BOM RESULTADO Le Bourget, 30 de novembro de 2015 Daqui a 11 dias, representantes de 195 países deverão adotar aqui o documento internacional mais importante do século:

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos. Planejamento do Gerenciamento de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 2 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Introdução Conceitos básicos Riscos Tipos de

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa

Inventário de Gases de Efeito Estufa Inventário de Gases de Efeito Estufa Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Nicole Celupi - Three Phase Gerenciamento de Informações e Ações Dirigidas Institucional A Three Phase foi criada em

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

ANEXO II. (Relacione a(s) Parte(s) e entidades privadas e/ou públicas envolvidas na atividade de projeto e informe os dados para contato no Anexo 1.

ANEXO II. (Relacione a(s) Parte(s) e entidades privadas e/ou públicas envolvidas na atividade de projeto e informe os dados para contato no Anexo 1. ANEXO II A. Descrição geral da atividade de projeto A.1 Título da atividade de projeto: A.2. Descrição da atividade de projeto: (Inclua na descrição - o propósito da atividade de projeto - a opinião dos

Leia mais

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS

CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 27006:2011) - OTS CRITÉRIOS ADICIONAIS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMOS DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO (ISO/IEC 276:2011) - OTS NORMA Nº NIT-DICOR-011 APROVADA EM MAR/2013 Nº 01/46 SUMÁRIO

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TSC 4410, DE 30 DE AGOSTO DE 2013 Dispõe sobre trabalho de compilação de informações contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF

TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF TERMO DE REFERÊNCIA PARA A AUDITORIA DE DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS DO PRODAF Introdução 1. O Estado do Piauí celebrou com o Banco Interamericano de Desenvolvimento - BID, em 22 de outubro de 2010, o Contrato

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000

INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000 INTERPRETAÇÃO DA NORMA DE CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE SEGURANÇA DE ALIMENTOS FSSC 22000 UM LIVRO BRANCO DOS DESAFIOS, IMPACTOS E OPORTUNIDADES CONTIDOS NA FSSC 22000 OUTUBRO DE 2009 AUTORES Supreeya Sansawat

Leia mais

Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima.

Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. MINUTA PROJETO DE LEI Súmula: Institui a Política Estadual sobre Mudança do Clima. A Assembléia Legislativa do Estado do Paraná decretou e eu sanciono a seguinte lei: Art. 1º. Esta Lei institui a Política

Leia mais

FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) - Versão 01

FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) - Versão 01 MECANISMO DE DESENVOLVIMENTO LIMPO FORMULÁRIO DO DOCUMENTO DE CONCEPÇÃO DE PROJETO PARA ATIVIDADES DE PROJETOS DE FLORESTAMENTO E REFLORESTAMENTO (MDL-FR-DCP) 1 SUMÁRIO A. Descrição geral da atividade

Leia mais

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Iniciando o Projeto Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Termo de Abertura do Projeto. Identificando as Partes Interessadas no Projeto.

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE

LISTA DE VERIFICAÇAO DO SISTEMA DE GESTAO DA QUALIDADE Questionamento a alta direção: 1. Quais os objetivos e metas da organização? 2. quais os principais Produtos e/ou serviços da organização? 3. Qual o escopo da certificação? 4. qual é a Visão e Missão?

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2009 Natura Cosméticos S/A Nome fantasia: Natura Cosmeticos SA - CNPJ: 71.673.990/0001-77 Tipo da empresa: Matriz Setor

Leia mais

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC

Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC RESENHA Uma Síntese do Quarto Relatório do IPCC Por Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura - CEPAGRI CIDADE

Leia mais

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto

Processos de gerenciamento de projetos em um projeto Processos de gerenciamento de projetos em um projeto O gerenciamento de projetos é a aplicação de conhecimentos, habilidades, ferramentas e técnicas às atividades do projeto a fim de cumprir seus requisitos.

Leia mais

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios

Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios Percepção de 100 executivos sobre o impacto das mudanças climáticas e práticas de sustentabilidade nos negócios 2 OBJETIVO Levantar informações e mapear percepções sobre questões relacionadas às Mudanças

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS SUSTENTABILIDADE E M P R E S A R I A L Política de Sustentabilidade Empresarial das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras,

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos

Copyright Proibida Reprodução. Prof. Éder Clementino dos Santos NOÇÕES DE OHSAS 18001:2007 CONCEITOS ELEMENTARES SISTEMA DE GESTÃO DE SSO OHSAS 18001:2007? FERRAMENTA ELEMENTAR CICLO DE PDCA (OHSAS 18001:2007) 4.6 ANÁLISE CRÍTICA 4.3 PLANEJAMENTO A P C D 4.5 VERIFICAÇÃO

Leia mais

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010.

CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. CESA Comitê de Advocacia Comunitária e Responsabilidade Social Questões de Consumidores Junho, 2010. Introdução Objetivos: - Elaborar o Guia do Advogado Sustentável (Boas Práticas de Responsabilidade Socioambiental

Leia mais

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes

Gerência de Projetos e EVTE. Fabiana Costa Guedes Gerência de Projetos e Fabiana Costa Guedes 1 Agenda O que é um Projeto O que é Gerenciamento de Projetos O Contexto da Gerência de Projetos PMI Project Management Institute Ciclo de Vida do Projeto Áreas

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa Inventário das Emissões de Gases de Efeito Estufa LOJAS AMERICANAS S.A. 2010 Item na versão 2008 Item na versão 2009 Lista de modificações 2008-2009 Modificação nesta versão 1 1 Inserção de box com multipla

Leia mais

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental

Padrão de Desempenho 1: Sistemas de Gerenciamento e Avaliação Socioambiental Introdução 1. O Padrão de Desempenho 1 destaca a importância do gerenciamento do desempenho socioambiental durante o ciclo de um projeto (qualquer atividade comercial sujeita a avaliação e administração).

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras 2010 Declaração Nós, das Empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável das áreas onde atuamos e

Leia mais

FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2

FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2 FAQ - PROGRAMA REDUZA E COMPENSE CO2 1. O que é compensação? 2. O que é CO2? O que são gases de efeito estufa? 3. O que é crédito de carbono? 4. Eu sou obrigado a compensar as minhas emissões? 5. O que

Leia mais

Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Política de Gerenciamento de Risco Operacional Política de Gerenciamento de Risco Operacional Departamento Controles Internos e Compliance Fevereiro/2011 Versão 4.0 Conteúdo 1. Introdução... 3 2. Definição de Risco Operacional... 3 3. Estrutura de

Leia mais

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos

Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Ouvir o cliente e reconhecer o problema: ingredientes essenciais à gestão de projetos Antonio Mendes da Silva Filho * The most important thing in communication is to hear what isn't being said. Peter Drucker

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO

MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO MANUAL DE OPERAÇÕES DA RODA DE DÓLAR PRONTO 1. INTRODUÇÃO 2. DEFINIÇÃO 3. OBJETO DE NEGOCIAÇÃO 4. PARTICIPANTES 4.1 Participantes Intermediadores 4.2 Participantes Compradores e Vendedores Bancos 5. OPERAÇÕES

Leia mais

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores

Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores QSP Informe Reservado Nº 58 Maio/2006 Conflito de Interesses e Imparcialidade dos Auditores dos Organismos Certificadores Tradução para o português especialmente preparada para os Associados ao QSP. Este

Leia mais

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão

Desenvolve Minas. Modelo de Excelência da Gestão Desenvolve Minas Modelo de Excelência da Gestão O que é o MEG? O Modelo de Excelência da Gestão (MEG) possibilita a avaliação do grau de maturidade da gestão, pontuando processos gerenciais e resultados

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. 1 PreSal (definição do site da empresa Petrobras consultado em 28/08/2010): O termo pré-sal

1. INTRODUÇÃO. 1 PreSal (definição do site da empresa Petrobras consultado em 28/08/2010): O termo pré-sal 23 1. INTRODUÇÃO A produção de grandes quantidades de produtos inutilizáveis, os resíduos como conhecemos atualmente, foi o primeiro indício real de que a Revolução Industrial implicaria na produção de

Leia mais

Empresas e as mudanças climáticas

Empresas e as mudanças climáticas Empresas e as mudanças climáticas O setor empresarial brasileiro, por meio de empresas inovadoras, vem se movimentando rumo à economia de baixo carbono, avaliando seus riscos e oportunidades e discutindo

Leia mais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais

Auditoria de Segurança e Saúde do Trabalho da SAE/APO sobre Obra Principal, Obras Complementares, Obras do reservatório e Programas Ambientais 1 / 10 1 OBJETIVO: Este procedimento visa sistematizar a realização de auditorias de Saúde e Segurança do Trabalho por parte da SANTO ANTÔNIO ENERGIA SAE / Gerência de Saúde e Segurança do Trabalho GSST,

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa. Ano de referência do inventário: 2013 Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes - Fortaleza Nome fantasia: Deloitte - Fortaleza - CNPJ: 49.928.567/0013-55

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Executando o Projeto III Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Realizar Aquisições Realizar a Garantia de Qualidade Distribuir Informações Gerenciar as

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

A gestão sustentável da água está obtendo benefícios econômicos, sociais e ambientais, afirmam os países

A gestão sustentável da água está obtendo benefícios econômicos, sociais e ambientais, afirmam os países Comunicado à imprensa: estritamente confidencial até às 13h00, horário de Brasília / 18h00 CEST (hora de verão da Europa Central), 19 de junho de 2012 A gestão sustentável da água está obtendo benefícios

Leia mais

Planejamento e Gestão Estratégica

Planejamento e Gestão Estratégica Planejamento e Gestão Estratégica O Governo de Minas estabeleceu como um dos eixos norteadores da suas políticas públicas a eficiência na utilização dos recursos e a oferta de serviços com qualidade cada

Leia mais

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1

Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Estrutura de Controles Internos Para Gerenciar a Atribuição das Classificações de Risco de Crédito 1 Data: 20 de fevereiro de 2016 Versão: 6 Autor: Grupo de Compliance Global 1. Introdução Este documento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO - PGR DATASUS Maio 2013 Arquivo: Política de Gestão de Riscos Modelo: DOC-PGR Pág.: 1/12 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...3 1.1. Justificativa...3 1.2. Objetivo...3 1.3. Aplicabilidade...4

Leia mais

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL

IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL IECEx OD 314-2 Edição 1.0 2013-07 IECEx DOCUMENTO OPERACIONAL Sistema de Certificação da IEC em relação às normas sobre atmosferas explosivas (Sistema IECEx) IEC System for Certification to Standards relating

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional

Código de Ética e Conduta Profissional Código de Ética e Conduta Profissional ÍNDICE DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS 1 ARTIGO 1º. - Âmbito de Aplicação 1 ARTIGO 2º. Princípios Aplicáveis 2 ARTIGO 3º. Relação com os clientes/consumidores 3 ARTIGO

Leia mais

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar

ABNT NBR ISO. ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar ABNT NBR ISO 9001 ABNT NBR ISO 9001:2015 Como usar A ABNT NBR ISO 9001 é uma norma que define os requisitos para colocar um sistema de gestão da qualidade em vigor. Ela ajuda empresas a aumentar sua eficiência

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL 2/11 Sumário 1. Conceito... 3 2. Objetivo... 3 3. Áreas de aplicação... 3 4. Diretrizes... 4 4.1 Princípios... 4 4.2 Estratégia de e Responsabilidade

Leia mais

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.)

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as

Leia mais

CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL

CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL CURSO: ADMINISTRAÇÃO GUIA DO TRABALHO FINAL Fortaleza 2014 SUMÁRIO 1 Introdução... 3 2 Objetivo... 3 3 Enfoques do Trabalho Final de Curso... 3 4 Responsabilidades... 3 4.1 Coordenador local do curso...

Leia mais

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO

INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO INSPECÇÃO-GERAL DA EDUCAÇÃO PROGRAMA AFERIÇÃO EFECTIVIDADE DA AUTO-AVALIAÇÃO DAS ESCOLAS PROJECTO ESSE Orientações para as visitas às escolas 1 Introdução As visitas às escolas realizadas segundo o modelo

Leia mais

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro

Gerenciamento de Projetos. Douglas Farias Cordeiro Gerenciamento de Projetos Douglas Farias Cordeiro Conceito de Organização Uma organização pode ser descrita como um arranjo sistemático, onde esforços individuais são agregados em prol de um resultado

Leia mais

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE

ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE ISO 9001: SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE Prof. MARCELO COSTELLA FRANCIELI DALCANTON ISO 9001- INTRODUÇÃO Conjunto de normas e diretrizes internacionais para sistemas de gestão da qualidade; Desenvolve

Leia mais

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE

Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE CLIMA Introdução a Mudanças Climáticas e Inventários de Emissões de GEE Curitiba, PR 9 de novembro de 2009 Laura Valente de Macedo, Diretora Regional, ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade, Secretariado

Leia mais

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente

Energia Eólica. Atividade de Aprendizagem 3. Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Energia Eólica Eixo(s) temático(s) Ciência e tecnologia / vida e ambiente Tema Eletricidade / usos da energia / uso dos recursos naturais Conteúdos Energia eólica / obtenção de energia e problemas ambientais

Leia mais

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação.

Todos nossos cursos são preparados por mestres e profissionais reconhecidos no mercado, com larga e comprovada experiência em suas áreas de atuação. Curso Formação Efetiva de Analístas de Processos Curso Gerenciamento da Qualidade Curso Como implantar um sistema de Gestão de Qualidade ISO 9001 Formação Profissional em Auditoria de Qualidade 24 horas

Leia mais

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA

PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA PlusPixel Marketing Digital SOMOS MAIS SOCIAIS DO QUE NUNCA Proposta de Marketing Digital Design inox Marketing de Resultados A PlusPixel vem oferecendo seus serviços desde o início da internet, isso nos

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT

Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT Análise jurídica para a ratificação da Convenção 102 da OIT A análise do quadro jurídico para a ratificação da Convenção 102 da OIT por Cabo Verde, inscreve-se no quadro geral da cooperação técnica prestada

Leia mais

NORMA NBR ISO 9001:2008

NORMA NBR ISO 9001:2008 NORMA NBR ISO 9001:2008 Introdução 0.1 Generalidades Convém que a adoção de um sistema de gestão da qualidade seja uma decisão estratégica de uma organização. O projeto e a implementação de um sistema

Leia mais

Seção 1: Solicitação de registro

Seção 1: Solicitação de registro Registro de Atividade de Projeto de MDL e Formulário do Relatório de Validação (Ao enviar este formulário, a Entidade Operacional Designada confirma que a atividade de projeto de MDL proposta atende a

Leia mais

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

EXTRATO DA POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS 1 OBJETIVO Fornecer as diretrizes para a Gestão de Riscos da Fibria, assim como conceituar, detalhar e documentar as atividades a ela relacionadas. 2 ABRANGÊNCIA Abrange todas as áreas da Fibria que, direta

Leia mais

União em benefício global

União em benefício global União em benefício global o completar 20 anos de vigência em Setembro de 2007, o Protocolo de Montreal consolida-se A como um dos mais eficientes acordos multilaterais estabelecidos pelo sistema das Nações

Leia mais

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico.

INTRODUÇÃO. Entendemos por risco a probabilidade de ocorrer um dano como resultado à exposição de um agente químico, físico o biológico. INTRODUÇÃO No nosso dia-a-dia enfrentamos diferentes tipos de riscos aos quais atribuímos valor de acordo com a percepção que temos de cada um deles. Estamos tão familiarizados com alguns riscos que chegamos

Leia mais

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa

Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Inventário das Emissões de gases de efeito estufa Ano de referência do inventário: 2013 Ford Nome fantasia: Ford - CNPJ: 03.470.727/0001-20 Tipo da empresa: Matriz Setor econômico: C. Indústrias de transformação

Leia mais

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495

Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais. Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais com Prof. Lucas Henrique da Luz Elaboração e Avaliação de Projetos Sociais Prof. Lucas Henrique da Luz E-mail: lhluz@unisinos.br Telefone:(51) 95076495 O que

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite)

PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 5.570, DE 2013 (Do Sr. Alexandre Leite) Regulamenta a obrigatoriedade da Neutralização de carbono em eventos realizados as margens de represas, lagos, rios, córregos,

Leia mais

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG

GESTÃO DE EQUIPAMENTOS COM ODS E FGHG Página 1 de 16 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 4 5.1 ENQUADRAMENTO... 4 5.2 OBRIGAÇÕES DA EDPR-PT...

Leia mais

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC

Guia passo a passo. Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC Guia passo a passo Como se tornar um pequeno produtor certificado FSC INTRODUÇÃO AO FSC O que é o FSC? O FSC é uma organização independente, não governamental e sem fins lucrativos criada para promover

Leia mais

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3

Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 Normas sobre a Equiparação de Oportunidades para Pessoas com Deficiência Parte 3 As normas sobre equiparação de oportunidades para pessoas com deficiência foram adotadas pela Assembléia Geral das Nações

Leia mais

São Paulo, 04 de setembro de 2008. Bom dia, Senhoras e Senhores:

São Paulo, 04 de setembro de 2008. Bom dia, Senhoras e Senhores: Discurso do diretor de Fiscalização do Banco Central do Brasil, Alvir Alberto Hoffmann, no II Seminário de Boa Governança do Sistema Financeiro Nacional São Paulo, 04 de setembro de 2008 Bom dia, Senhoras

Leia mais

Solicitação para Chamada de Propostas

Solicitação para Chamada de Propostas Solicitação para Chamada de Propostas Melhores Capacidades e Avaliações dos Estoques de Carbono Segunda Parcela Histórico Dezembro 2014 O Fundo GCF: O Fundo dos Governadores para o Clima e Florestas (Fundo

Leia mais

Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel. Brasília, 14 de maio de 2008

Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel. Brasília, 14 de maio de 2008 Nota nº 229-14/05/2008 Distribuição 22 Acordos assinados por ocasião da Visita ao Brasil da Chanceler Federal da Alemanha, Angela Merkel Brasília, 14 de maio de 2008 Acordo entre o Governo da República

Leia mais

Gerenciamento de integração de projeto

Gerenciamento de integração de projeto Objetivos do Conteúdo Gerenciamento de integração de projeto Sergio Scheer / DCC / UFPR TC045 Gerenciamento de Projetos Prover capacitação para: - Identificar os processos de Gerenciamento de Projetos;

Leia mais

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados

Metadados. 1. Introdução. 2. O que são Metadados? 3. O Valor dos Metadados 1. Introdução O governo é um dos maiores detentores de recursos da informação. Consequentemente, tem sido o responsável por assegurar que tais recursos estejam agregando valor para os cidadãos, as empresas,

Leia mais

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade"

Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono. Fórum Permanente Meio Ambiente e Sociedade Recuperação energética de gás de aterro & Créditos de carbono Fórum Permanente "Meio Ambiente e Sociedade" São Paulo, Brasil 15 de Outubro de 2013 Sumário MDL & Créditos de Carbono Panorama do Mercado

Leia mais

Segurança e Saúde dos Trabalhadores

Segurança e Saúde dos Trabalhadores Segurança e Saúde dos Trabalhadores [1]CONVENÇÃO N. 155 I Aprovada na 67ª reunião da Conferência Internacional do Trabalho (Genebra 1981), entrou em vigor no plano internacional em 11.8.83. II Dados referentes

Leia mais

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência

Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Projeto de Gestão pela Qualidade Rumo à Excelência Introdução O panorama que se descortina para os próximos anos revela um quadro de grandes desafios para as empresas. Fatores como novas exigências dos

Leia mais

Política de investimento esportivo 3M

Política de investimento esportivo 3M 1. Objetivo Política de investimento esportivo 3M A presente política tem por finalidade estabelecer os critérios para investimento em projetos e programas esportivos e que sejam passíveis de usufruírem

Leia mais