A Tecnologia Bluetooth e aplicações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Tecnologia Bluetooth e aplicações"

Transcrição

1 1. Introdução A Tecnologia Bluetooth e aplicações Carlos Yassunori Kobayashi ( ) Computação Móvel BCC - IME USP Bluetooth é uma especificação industrial para a comunicação em curta distância de redes sem fio com um baixo custo e alta operabilidade. A tecnologia de Bluetooth foi projetada inicialmente para suportar redes simples de dispositivos e periféricos pessoais como celulares, PDAs, computadores e mouses. Tudo começou em 1998, quando cinco empresas (a Ericsson, a Nokia, a IBM, a Intel e a Toshiba) formaram um consórcio chamado Bluetooth SIG (Special Interest Group) com o objetivo de expandir e promover o conceito Bluetooth e estabelecer um novo padrão industrial. Atualmente, já fazem parte deste consórcio empresas como 3Com, Compaq, Dell, HP, Lucent, Motorola, NTT DoCoMo, Philips, Samsung, Siemens e Texas. Como o Wi-Fi e outras tecnologias wireless atuais, as preocupações com o Bluetooth incluem a segurança e a interoperabilidade com outros padrões de networking. 2. Características Tecnológicas Cada "equipamento Bluetooth" trará embutido dentro dele um chip que nada mais é que um micro rádio transceptor ("Bluetooth Radio"). O protocolo opera na faixa de licença-livre ISM (Industrial, Scientific, and Medical) em 2,45 gigahertz. Alcança velocidades de até 723,1 kbit/s. A fim evitar interferência com outros protocolos que podem estar usando a faixa de 2,45 gigahertz, o protocolo do Bluetooth divide a faixa em 79 canais e muda de canal até 1600 vezes por o segundo. Embora o Bluetooth utilize a mesma banda de 2,45 gigahertz do b e g, a tecnologia de Bluetooth não é um substituto Wi-Fi apropriado. Comparado ao Wi-Fi, uma rede Bluetooth é muito mais lenta e suporta poucos dispositivos. As redes Bluetooth se caracterizam por formarem uma topologia dinâmica chamada piconet ou PAN (bandeja de) piconets que contem no mínimo dois e no máximo oito dispositivos em rede. Os dispositivos comunicam-se usando protocolos que são parte da especificação do Bluetooth. A versão 1.1 é a especificação mais difundida hoje em dia, tendo as versões 1.2 e 2.0 sob desenvolvimento. O documento de especificação do Bluetooth tem mais de mil páginas e cobre aspectos desde do rádio transceptor até a implementação dos profiles para fabricantes externos ao SIG. Inclui, também, as descrições de todas as camadas, dos detalhes da tecnologia no silicone, no hardware e no software. Os sinais wireless transmitidos em Bluetooth alcançam distâncias curtas, tipicamente de até 10 metros. 1

2 3. Como ele funciona Os dispositivos Bluetooth conectam-se em piconets - pequenas redes compreendidas de um dispositivo mestre conectado em qualquer lugar com um a sete dispositivos escravos (slaves) ativos. Quando os piconets múltiplos são interconectados, criam redes wireless chamadas scatternets. A figura abaixo ilustra um piconet formado pelos nós A, D, K, L, M, e G, que interage com um outro piconet formado pelos nós H, E, C, K e L. Estes dois piconets compartilham os nós K e L, e juntos formam um scatternet.. Os dispositivos de Bluetooth têm quatro estados básicos de operação: 1. Mestre (Master) - No controle de um piconet (nós A e H); 2. Escravo Ativo (Active slave) - Conectado e participando ativamente de uma rede piconet, monitorando ou participando; 3. Escravo Passivo (Passive slave) Continua logicamente parte de uma piconet, mas em modo de baixa prioridade; ocasionalmente monitorando a rede, permanece sincronizado; 4. Em espera (Standby) - Não está conectado a um piconet, aguardando ocasionais pedidos de outros dispositivos, não sincronizado com o resto da rede (nós B, J, I, e F). Em Espera. Inicialmente, todos os dispositivos não estão sincronizados, nem coordenados de alguma maneira. Todos ficam monitorando a rede em diferentes momentos e freqüências. Os dispositivos Bluetooth tem inicialmente conhecimento somente sobre eles próprios e que seu estado é em espera. A espera é um estado passivo onde um dispositivo Bluetooth monitora uma ocasional base, respondendo a pedidos feitos e as paginações (durante 10 milisegundos a cada 1,28 segundos) para ver se algum outro dispositivo de Bluetooth está tentando se comunicar. O comportamento passivo é inerente à metade dos estados de um Bluetooth (escravo em espera e passivo) e é um mecanismo chave para se conseguir um baixo consumo de energia. No estado em espera, as varreduras ocasionais de outros dispositivos Bluetooth reduzem o consumo de potência por volta de 98%. A paginação é a maneira que um dispositivo Bluetooth fica sabendo sobre os outros dispositivos que estão dentro de sua área de alcance. O nó A da figura executa um comando na área e recebe as respostas dos outros dispositivos que estão dentro da área. Com estas respostas, o dispositivo A fica sabendo da identidade explícita destes outros dispositivos (tais como o ID único dos produtos Bluetooth). Piconets no seu formato padrão, um comando de paginação estabelece um link formal entre os dispositivos mestres e escravos. As conexões entre o mestre e escravo no Bluetooth são definidas como sendo um piconet. Para criar um piconet, o dispositivo A transmite um comando de paginação com ID explícito do escravo alvo (dispositivo D em figura 3). Todos os dispositivos Bluetooth que não sejam o dispositivo D ignoram o comando, porque não foram a eles endereçados. Quando o dispositivo D responde ao pedido, o dispositivo A irá atribuir a ele um endereço como membro ativo do piconet. Um escravo ativo, o dispositivo D começará a monitorar continuamente a rede para comandos adicionais do dispositivo A, como dados para a sincronização com o dispositivo A e o intervalo de clock de transmição. Além disso, uma das atividades padrão do piconet é continuamente atualizar o intervalo de clock, mantendo a sincronização extremamente acurada. Com comandos de paginação sucessivos, um mestre de um piconet conseguirá reunir até sete escravos ativos. Scatternets cada nó de uma rede Bluetooth é capaz de manter múltiplos estados simultaneamente. Isto permite que vários piconets se combinem em uma estrutura chamada scatternet. Na figura, dois piconets combinamse em um scatternet através dos escravos K e L. Scatternets pode evoluir em estruturas extremamente complexas. Perceba que um nó pode potencial ser um mestre, um escravo ativo, e um escravo em espera em três piconets diferentes, tudo ao mesmo tempo. A única limitação severa em configurações scatternet é que cada nó pode somente ser o mestre de um piconet em um dado momento. Uma característica essencial que faz tais configurações serem práticas é o suporte para a qualidade do serviço (QoS) no L2CAP. Através deste mecanismo L2CAP, os dispositivos de Bluetooth podem determinar que as conexões que estão estabelecendo serão praticáveis e sustentáveis. Assim, um nó não 2

3 concordaria com uma conexão adicional se ela exigir uma largura de banda que ele é incapaz de suportar. Entretanto, ele pode negociar para estabelecer uma outra conexão, mas em uma taxa de dados mais modesta que ele possa suportar. 4. Arquitetura do Protocolo O núcleo do protocolo é uma pilha de cinco camadas que consiste dos seguintes elementos: Rádio: Especifica os detalhes da interface de aérea, incluindo a freqüência, o uso do hopping (salto de canais), esquema de modulação e o alcance de transmissão; Baseband: Preocupa-se com o estabelecimento da conexão dentro de uma piconet, endereçamento, formato do pacote, sincronismo e controle de energia; Link manager protocol (LMP): Responsável pelo setup entre os dispositivos Bluetooth e gerência de requisições externas. Isto inclui aspectos de segurança como a autenticação e criptografia, mais o controle do tamanho do pacote do baseband; Logical link control and adaptation protocol (L2CAP). Adapta os protocolos da camada superior à camada do baseband. Service discovery protocol (SDP): a informação do dispositivo, os serviços e as características dos serviços requeridos podem ser fornecidos para permitir a conexão entre dois ou mais dispositivos Bluetooth. tecnologia IrDA (Infrared Data Association) perderá importância, evitando-se desta maneira a desvantagem de sua pequena largura de banda, além do fato de precisarem manter os dispositivos alinhados. Hoje em dia o problema não é exatamente o "cabo de conexão", mas sim o "cabo de conexão proprietário": cada fabricante tem sua especificação, dificultando a interligação dos equipamentos. A tecnologia Bluetooth visa a conectividade num sentido mais geral, envolvendo todos os equipamentos de uma mesma área (pequena), particularmente entre os "móveis" que entram e saem, interagindo entre si e com os "fixos". Dentro do limite de 10 metros de distância, o consumo de cada transmissor Bluetooth é de aproximadamente 50mÅ, algo em torno de 3% do que um celular atual consome e um valor bem menor comparado a outras tecnologias sem fio atuais. O baixo consumo de energia permitirá que os notebooks, celulares e handhelds já saiam de fábrica com a tecnologia acoplada sem o comprometimento da autonomia das baterias. Esta foi a idéia original, mas os criadores logo perceberam que muito mais era possível. Se você puder transmitir a informação entre um computador e uma impressora, porque não transmitir dados de um telefone móvel a uma impressora, ou mesmo uma impressora a uma impressora? O baixo custo projetado de um chip Bluetooth (~$5) e seu baixo consumo de energia, permitem que você literalmente possa colocá-lo em qualquer lugar. 5. Limitações de Segurança Devido ao fato do bluetooth utilizar ondas de rádio, muitos especialistas temem a sua segurança. Tal fato pode ser explicado por três aspectos: (1) a seqüência específica do hopping de canais é conhecida somente à emissão e aos dispositivos de recepção (2) rotina de autentificação do tipo desafio-resposta para verificar a validade da unidade de recepção (3) a chave de criptografia com tamanho 128-bits para estabelecer a transmissão entre dispositivos. Vulnerabilidades do Bluetooth (Nov/2003) em: 6. Vantagens do BlueTooth Com o Bluetooth as conexões através de cabos tenderão a desaparecer. Da mesma maneira que a 7. Aplicações O Bluetooth é flexível o suficiente para ser usado em quase tudo. Tendo em mãos tanto um notebook quanto um celular equipado com transmissores Bluetooth, será possível acessar a Internet pelo celular, editar a lista de telefones do aparelho, baixar recados, fazer ligações, 3

4 enviar mensagens de texto, etc. sem precisar ligar fios ou mesmo tirar o celular do bolso, já que os dois estarão em comunicação permanente. Você também poderia, por exemplo, usar o notebook para gravar as suas chamadas de voz. Qualquer pessoa pode criar uma rede pessoal em casa ou na rua com dispositivos compatíveis com o Bluetooth - tais como o teclado, o mouse, o scanner, o PDA, o laptop, o celular, etc. Esta rede pode automaticamente ajudar sincronizar notas, calendário, livro de endereço e para imprimir também retratos, receber s, mensagens de telefones do celular, etc. Outra aplicação útil poderia ser nas câmeras fotográficas digitais. Conforme a resolução das fotos vem crescendo, a quantidade de memória vem se tornando um problema cada vez maior. Algumas câmeras estão vindo com 64 MB de memória flash (que custam uma fortuna). Através do Bluetooth a câmera poderia transmitir as fotos tiradas diretamente para um notebook próximo, ou mesmo postá-las na Internet usando o celular como meio de acesso. As possibilidades são inúmeras. Falando em possibilidades, já existe até uma caneta Bluetooth, da Anoto, que transmite tudo o que você escreve, de forma digitalizada, para o PC mais próximo. Outra aplicação que poderá se tornar popular são as redes sem fio. Apesar da velocidade de transmissão do Bluetooth ser mais baixa que permitida pelas redes Ethernet (10 ou 100 Mbps), caso os desktops e notebooks passassem a vir com os transmissores Bluetooth embutidos, muita gente poderá preferir utilizar o Bluetooth pela praticidade de conexão, já que 1 Mbps já são suficientes para compartilhar uma conexão com a Internet via ADSL ou cabo, e transmitir pequenos arquivos. Com essa largura de banda aplicações de vídeo digital ainda não estão no escopo do Bluetooth. Por fim, um dispositivo Bluetooth pode funcionar como um identificador pessoal que pode se comunicar com outros dispositivos Bluetooth em sua residência. Após chegar em casa, a porta automaticamente se destrava para você e as luzes são acesas. Além disso, um dispositivo Bluetooth contendo suas informações pessoais pode funcionar com uma carteira eletrônica de dinheiro. Ao se fazer compras, uma registradora desconta o valor da mercadoria adquirida. O esforço contínuo para definir novos profiles garante que o Bluetooth continuará competitivo. E os profiles, definidos pelo SIG, pretendem assegurar a interoperabilidade entre as aplicações Bluetooth e dispositivos de diferentes fabricantes. Estes perfis definem as características específicas de cada aparelho. Todos os dispositivos de Bluetooth devem dar suportar no mínimo ao Generic Access Profile. Este perfil define os procedimentos de conexão e para vários níveis da segurança. 9. Conclusão Embora a tecnologia Bluetooth seja sem fio, o seu modelo de uso e aplicações são completamente diferentes das redes wireless. Os produtos compatíveis com o Bluetooth fornecem uma ligação sem fios entre vários dispositivos com a interface e criam redes pessoais móveis que enriquecem o estilo de vida digital. A tecnologia de Bluetooth não suporta taxas de dados elevadas com as de LANs wireless, mas suporta transmissões de dados e voz com qualidade igual a dos wireless, por exemplo, um canal assíncrono para dados e até três canais síncronos para voz. Essa capacidade de voz e dados junto com seu baixo preço, padronização mundial (automatic service discovery) e possibilidade de redes que podem ser formadas em qualquer lugar (ad hoc device connection) oferecem soluções superiores e são bons presságios para o sucesso do Bluetooth no mercado. 10. Referências The Official Bluetooth Site - Bluetooth from Wikipedia - Bluetooth Wireless Technology and Personal Area Networking - /bluetooth.htm 8. Futuro do Bluetooth O SIG está trabalhando em um ritmo acelerado para prover melhorias e atender ao feedback dos fabricantes de aparelhos Bluetooth. Além de pesquisa com a velocidade, segurança, ruído no sinal, o SIG continua a desenvolver novos profiles. 4

5 Table 1 - Bluetooth specifications compared to competing wireless local area network technologies Technology Bluetooth HomeRF b HiperLAN a HiperLAN2 Frequency Band 2.4GHz 2.4GHz 2.4GHz 2.4GHz 5GHz 5GHz Technology Frequency Hopping Spread Spectrum Frequency Hopping Spread Spectrum Direct Sequence Spread Spectrum Guassian Minimum Shift Keying Orthogonal Freq. Division Multiplexing Orthogonal Freq. Division Multiplexing 720 Kbps 1.6 Mbps 11 Mbps 23 Mbps ~50 Mbps ~50 Mbps Range <10 meters 50 meters 150 meters 150 meters 50 meters 50 meters Power Very Low Medium Medium Medium Medium High? Medium High? Relative Cost Low/ Very Low Medium/Low Medium Medium High High Target Applications Fixed N/W Support Key Features Cable Replacement Wireless Data Wireless Voice Personal Networks Wireless Data Wireless Voice PPP, Ethernet DECT, Ethernet Ethernet Ethernet Very Low Power Voice and Data Roaming Low Cost Good noise immunity Voice and Data Moderate Cost Wireless Data Wireless Data Wireless Data Wireless Data Good Good Ethernet, PPP, 1394, UMTS High Ethernet, IP, ATM High Promoters <50 ~100 <50 ~100 <50 Regional Support Worldwide US US/Asia Europe US Europe 5

Redes de Computadores sem Fio

Redes de Computadores sem Fio Redes de Computadores sem Fio Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Programa Introdução

Leia mais

BlueTooth. Teleprocessamento e Redes: Universidade Cató lica do Salvador 2003.1. Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo

BlueTooth. Teleprocessamento e Redes: Universidade Cató lica do Salvador 2003.1. Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo Universidade Cató lica do Salvador 2003.1 Professor : Marco Antônio Câmara Aluno : Leandro de Paiva Carmo Teleprocessamento e Redes: BlueTooth 1. Introduç ão e suas promessas A tecnologia de comunicação

Leia mais

Redes sem fio Redes Bluetooth. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

Redes sem fio Redes Bluetooth. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Redes sem fio Redes Bluetooth Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Bluetooth Bluetooth é uma marca registrada de propriedade do grupo denominado SIG O SIG (Special Industry Group) foi criado em 1988 por: Ericsson,

Leia mais

Universidade Católica do Salvador. Disciplina: Teleprocessamento e Redes Prof.: Marco Antônio C. Câmara Aluno: Bruno Guimarães Campos.

Universidade Católica do Salvador. Disciplina: Teleprocessamento e Redes Prof.: Marco Antônio C. Câmara Aluno: Bruno Guimarães Campos. Universidade Católica do Salvador Disciplina: Teleprocessamento e Redes Prof.: Marco Antônio C. Câmara Aluno: Bruno Guimarães Campos Bluetooth Introdução Bluetooth é um sistema de telecomunicações de curto

Leia mais

Comunicações Móveis. Porque Bluetooth?

Comunicações Móveis. Porque Bluetooth? Comunicações Móveis Maio de 2003 Manuel João Bacelar Coimbra Mário Jorge Costa Afonso Porque Bluetooth? A Ericsson, o principal mentor deste projecto usou o nome do rei Harald Blatand (910-987*), filho

Leia mais

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO

Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Dispositivos de entrada sem fio 1 INTRODUÇÃO Nosso seminário vai apresentar uma tecnologia de entrada de dados sem fio, ou seja, os dados de entrada vao ser transmitidos sem a necessidade de meios fisicos

Leia mais

Telefonia Móvel Celular

Telefonia Móvel Celular Redes Pessoais Sem Fio Bluetooth Prof. Francisco José da Silva e Silva Prof. Rafael Fernandes Lopes Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC) Universidade Federal do Maranhão (UFMA) Telefonia

Leia mais

Tecnologia Bluetooth e Aspectos de Segurança

Tecnologia Bluetooth e Aspectos de Segurança Tecnologia Bluetooth e Aspectos de Segurança André Ricardo Abed Grégio R.A. 079779 Instituto de Computação Unicamp abedgregio@gmail.com RESUMO Bluetooth é uma tecnologia definida por um padrão especificado

Leia mais

cmagnocpereira@ig.co m.br

cmagnocpereira@ig.co m.br Sueli de A. Ferreira Magno C. Pereira Alexsander X. Oliveira Alexandre E. Féo Associação Educacional Dom Bosco - Faculdade de Engenharia de Resende Caixa Postal: 81.698/81711 - CEP: 27511-971 - Resende

Leia mais

Compartilhamento de Internet/ Wireless. Wilson Rubens Galindo

Compartilhamento de Internet/ Wireless. Wilson Rubens Galindo Compartilhamento de Internet/ Wireless Wilson Rubens Galindo Compartilhamento de Internet Ganhe dinheiro fácil com compartilhamento de Internet: Habilite um plano de Internet Banda Larga Compre um hub-switch

Leia mais

Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee

Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee Evolução das Redes Sem Fio: Um Estudo Comparativo Entre Bluetooth e ZigBee Rafael Antônio Asatiany Costa 1, Luis Augusto Mattos Mendes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Faculdade Regional

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - WPAN: Bluetooth www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Bluetooth (IEEE 802.15.1) O Bluetooth é o nome comercial que faz referência ao Padrão IEEE 802.15.1

Leia mais

Protocolo wireless Ethernet

Protocolo wireless Ethernet Protocolo wireless Ethernet Conceituar as variações de redes sem fio (wireless) descrevendo os padrões IEEE 802.11 a, b, g e n. Em meados de 1986, o FCC, organismo norte-americano de regulamentação, autorizou

Leia mais

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi

Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Capítulo 7 - Redes Wireless WiFi Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 55 Roteiro Definição Benefícios Tipos de Redes Sem Fio Métodos de Acesso Alcance Performance Elementos da Solução

Leia mais

Guia das Cidades Digitais

Guia das Cidades Digitais Guia Técnico Inatel Guia das Cidades Digitais Módulo 4: Tecnologia Wi-Fi INATEL Competence Center treinamento@inatel.br Tel: (35) 3471-9330 Este módulo trata da tecnologia de acesso sem fio mais amplamente

Leia mais

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios

WPAN ZigBee & Bluetooth SDIC Cap6. Redes Sem Fios Redes Sem Fios As recomendações do IEEE (Institute of Electrical and Eletronics Engineers), particularmente as recomendações da série IEEE 802.11, são os exemplos mais conhecidos para os padrões de redes

Leia mais

Trabalho realizado por: Tiago Silva

Trabalho realizado por: Tiago Silva Trabalho realizado por: Tiago Silva INDICE 1. Bluetooth...3 1.1 Redes Bluetooth...4 1.2 Espectro de Frequência...7 1.3 Controlo de acesso ao meio...8 1.4 Estabelecimento de Conexões...9 1.5 Tipos de Links...10

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Rede é um conjunto de módulos processadores capazes de trocar informações e compartilhar recursos. O tipo de rede é definido pela sua área de abrangência, podemos classificar as redes

Leia mais

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis

Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Capítulo 6 Redes sem fio e redes móveis Todo o material copyright 1996-2009 J. F Kurose e K. W. Ross, Todos os direitos reservados slide 1 2010 2010 Pearson Prentice Hall. Hall. Todos Todos os os direitos

Leia mais

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS

3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS Capítulo 3 Interfaces e Protocolos para Redes de Sensores Inteligentes sem Fios 36 3 INTEFACES E PROTOCOLOS PARA REDES DE SENSORES INTELIGENTES SEM FIOS A tecnologia sem fios vem sendo comumente utilizada

Leia mais

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o

Wireless Red e e d s e s s e s m e m fi f o Wireless Redes sem fio A tecnologia Wireless (sem fio) permite a conexão entre diferentes pontos sem a necessidade do uso de cabos (nem de telefonia, nem de TV a cabo, nem de fibra óptica), através da

Leia mais

SSC0748 - Redes Móveis

SSC0748 - Redes Móveis - Redes Móveis Introdução Redes sem fio e redes móveis Prof. Jó Ueyama Agosto/2012 1 Capítulo 6 - Resumo 6.1 Introdução Redes Sem fo 6.2 Enlaces sem fo, características 6.3 IEEE 802.11 LANs sem fo ( wi-f

Leia mais

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios

8/3/2009. TE155-Redes de Acesso sem Fios. TE155-Redes de Acesso sem Fios Panorama atual das Redes de Acesso sem Fios para Computadores Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br Computação do Passado Computadores

Leia mais

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08

Wireless. Crescimento da Rede Wireless. Sistemas de Informação Rui Silva. Rui Silva. Jan 08 Wireless Sistemas de Informação Crescimento da Rede Wireless 1 Caso de Estudo: Intel, etc. Tempo dispendido por ligação em média m 5 minutos para cada nova ligação; Independência do local de trabalho dentro

Leia mais

Infrared Data Association

Infrared Data Association IRDA Infrared Data Association Jorge Pereira DEFINIÇÃO Define-se protocolo como um conjunto de regras que estabelece a forma pela qual os dados fluem entre transmissor e receptor, critérios para verificação

Leia mais

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

WiMAX. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com WiMAX é uma tecnologia padronizada de rede sem fio que permite substituir as tecnologias de acesso de banda larga por cabo e ADSL. O WiMAX permite a

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes e Sistemas Distribuídos. Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação. Redes de comunicação de dados Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação das mensagens

Leia mais

Visão geral das redes sem fio

Visão geral das redes sem fio Visão geral das redes sem fio 1 - Introdução O termo redes de dados sem fio pode ser utilizado para referenciar desde dispositivos de curto alcance como o Bluetooth à sistemas de altas taxas de transmissão

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ

UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ CURSO DE REDES DE COMPUTADORES PROFESSOR MARCELO BERRÊDO NOTAS DE AULA PADRÃO IEEE 802.11 REVISÃO ABRIL/2004 IEEE 802.11 WIRELESS LAN 1. INTRODUÇÃO O Grupo de trabalho IEEE 802.11

Leia mais

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal:

Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Emissor: Receptor: Meio de transmissão Sinal: Redes - Comunicação Comunicação é o ato de transmissão de informações de uma pessoa à outra. Comunicação sempre foi, desde o início dos tempos, uma necessidade humana buscando aproximar comunidades distantes.

Leia mais

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani

Redes de Dados e Comunicações. Prof.: Fernando Ascani Redes de Dados e Comunicações Prof.: Fernando Ascani Redes Wireless / Wi-Fi / IEEE 802.11 Em uma rede wireless, os adaptadores de rede em cada computador convertem os dados digitais para sinais de rádio,

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO NOVAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO Profª. Kelly Hannel Novas tecnologias de informação 2 HDTV WiMAX Wi-Fi GPS 3G VoIP Bluetooth 1 HDTV 3 High-definition television (também conhecido por sua abreviação HDTV):

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET

INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET INFORMÁTICA IINTERNET / INTRANET Objectivos História da Internet Definição de Internet Definição dos protocolos de comunicação Entender o que é o ISP (Internet Service Providers) Enumerar os equipamentos

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/07/2009)

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/07/2009) Bluetooth Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Bluetooth. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/07/2009) Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco

Leia mais

Configurações do adaptador W-U3300nL

Configurações do adaptador W-U3300nL Configurações do adaptador W-U3300nL Introdução Obrigado por adquirir o adaptador para rede sem fio C3 Tech. Apresentando o que há de melhor em Tecnologia Wireless, o Adaptador para Rede Sem Fio C3 Tech

Leia mais

Rede Wireless Para LAN e WAN

Rede Wireless Para LAN e WAN Rede Wireless Para LAN e WAN Marcos Macoto Iwashita CERNET Tecnologia e Sistemas macoto@cernet.com.br www.cernet.com.br INTRODUÇÃO Toda a tecnologia wireless não é nova, porém, em nossos dias apresenta

Leia mais

Conexão Sem Fio Guia do Usuário

Conexão Sem Fio Guia do Usuário Conexão Sem Fio Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos. Bluetooth é marca comercial dos respectivos

Leia mais

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos)

Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Comunicação sem fio (somente para determinados modelos) Guia do Usuário Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registradas da Microsoft Corporation nos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof o : Marcelo Mendes. Padrões IEEE Termos importantes a saber: PACOTE Pacote é a estrutura de dados unitária de transmissão em uma rede de computadores. A informação a transmitir

Leia mais

CARREIRA POLICIAL. desvantagem de operar em uma frequência mais elevada é que sofre maior atenuação dos sinais emitidos e recebidos.

CARREIRA POLICIAL. desvantagem de operar em uma frequência mais elevada é que sofre maior atenuação dos sinais emitidos e recebidos. REDES WI-FI As tecnologias das redes sem-fio nasceram da necessidade cada vez maior de criar redes locais que garantissem conectividade e mobilidade entre as máquinas integrantes com equivalência em facilidade,

Leia mais

Wireless LAN (IEEE 802.11x)

Wireless LAN (IEEE 802.11x) Wireless LAN (IEEE 802.11x) WLAN: Wireless LAN Padrão proposto pela IEEE: IEEE 802.11x Define duas formas de organizar redes WLAN: Ad-hoc: Sem estrutura pré-definida. Cada computador é capaz de se comunicar

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes

Composição. Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Composição Estrutura Fisica Redes Sistemas Operacionais Topologias de redes Aterramento Fio de boa qualidade A fiação deve ser com aterramento neutro (fio Terra) trabalhando em tomadas tripolares Fio negativo,

Leia mais

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital

IEEE 1394 PORQUE OUTRO BARRAMENTO? Grande crescimento do número de conectores no PC. Equipamentos analógicos migrando para digital Histórico IEEE 1394 1986 - primeiras idéias concretas trazidas pela Apple Computers que adotou a denominação FireWire. 1987 - primeira especificação do padrão. 1995 adoção pelo IEEE do padrão IEEE 394.

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Padrão 802.11 Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 Arquitetura Wireless Wi-Fi

Leia mais

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário

Security Shop MRS. Media Relay System. Manual do Usuário Página 1 de 20 Security Shop MRS Media Relay System Manual do Usuário Página 2 de 20 Conteúdos: Conteúdos:... 2 Figuras:... 3 1. Introdução... 4 1.1 Âmbito do Documento... 4 1.2 Terminologia... 4 2. GERAL...

Leia mais

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE

REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE DEPARTAMENTO DE ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES LICENCIATURA EM ENG. ELECTRÓNICA E TELECOMUNICAÇÕES ANO 2002/2003 REDE DE INFRAVERMELHOS A ALTA VELOCIDADE RESUMO DOS DOCUMENTOS Realizado por : Pedro Nuno

Leia mais

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA

19/07/2013. Camadas. Camadas de Enlace e Física. Camadas de Enlace e Física. Topologias de Rede NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA 2 Camadas NOÇÕES DE REDE: CAMADAS DE ENLACE E FÍSICA Introdução à Microinformática Prof. João Paulo Lima Universidade Federal Rural de Pernambuco Departamento de Estatística e Informática Aplicação Transporte

Leia mais

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ

Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Fundação Oswaldo Aranha Centro Universitário de Volta Redonda RJ Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Metodologia da Pesquisa Científica Outros trabalhos em: www.projetoderedes.com.br

Leia mais

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1

2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 2. Componentes básicos (Hardware) Redes Sem Fio (Wireless) 1 Ementa 1. Introdução a Tecnologias Sem Fio WLAN 2. Componentes básicos (Hardware) 3. Conceitos de espectro de Frequência e tecnologia de sinais

Leia mais

Redes Sem Fio e Móveis

Redes Sem Fio e Móveis Telecomunicação Redes Sem Fio e Móveis Geraldo Robson. Mateus Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais Belo Horizonte - MG Tecnologia de comunicação à distância que possibilita

Leia mais

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour

Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour Comunicação sem Fio WLAN (802.11) Edgard Jamhour WLAN: Parte I Técnicas de Modulação, Taxas de Transmissão e Alcance Faixa de Freqüências faixa desde até comprimento da onda ELF 30 Hz 300 Hz 10 7 metros

Leia mais

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV:

26. O sistema brasileiro de televisão digital adota os seguintes parâmetros para HDTV: IFPB Concurso Público/Professor de Ensino Básico, Técnico e Tecnológico (Edital 24/2009) CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CÓDIGO 06 UCs de Comunicações Móveis e/ou de Processamento de Sinais de Áudio e Vídeo

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE V: Telecomunicações, Internet e Tecnologia Sem Fio. Tendências em Redes e Comunicações No passado, haviam dois tipos de redes: telefônicas e redes

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf.

Cap. 1 Introdução. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação. Prof. Eduardo Barrére. Material Base: Marcelo Moreno. eduardo.barrere@ice.ufjf. Redes sem Fio e Sistemas Móveis de Computação Cap. 1 Introdução Prof. Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br Material Base: Marcelo Moreno Dep. Ciência da Computação 1 Computação Móvel Computação

Leia mais

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes

André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes André Aziz (andreaziz.ufrpe@gmail.com) Francielle Santos (francielle.ufrpe@gmail.com) Noções de Redes Noções de Redes: Estrutura básica; Tipos de transmissão; Meios de transmissão; Topologia de redes;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

Prof. Manuel A Rendón M

Prof. Manuel A Rendón M Prof. Manuel A Rendón M MORAES, C. C. Engenharia de Automação Industrial, Cap. 6 Tanenbaum, Redes de Computadores, Cap. 1.2 AGUIRRE, L. A. Enciclopédia da Automática, Volume II, Cap. 15.3 Escravo é um

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora

Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora Exercícios do livro: Tecnologias Informáticas Porto Editora 1. Em que consiste uma rede de computadores? Refira se à vantagem da sua implementação. Uma rede de computadores é constituída por dois ou mais

Leia mais

REDES INTRODUÇÃO À REDES

REDES INTRODUÇÃO À REDES REDES INTRODUÇÃO À REDES Simplificando ao extremo, uma rede nada mais é do que máquinas que se comunicam. Estas máquinas podem ser computadores, impressoras, telefones, aparelhos de fax, etc. Ex: Se interligarmos

Leia mais

Universidade de Brasília

Universidade de Brasília Universidade de Brasília Introdução a Microinformática Turma H Redes e Internet Giordane Lima Porque ligar computadores em Rede? Compartilhamento de arquivos; Compartilhamento de periféricos; Mensagens

Leia mais

Objetivos. Ao término desta palestra você irá:

Objetivos. Ao término desta palestra você irá: Objetivos Ao término desta palestra você irá: Conhecer as especificações IEEE802.15.4 Conhecer o protocolo ZigBee Conhecer o protocolo MiWi Conhecer o módulo ZIGBEE Conhecer o Kit ZIGBEE Agenda IEEE 802.15.4

Leia mais

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas

Telemetria para Medição de Consumo Especificações Técnicas Página: 2 / 5 Telemetria para Medição de Consumo Introdução Este documento apresenta as características técnicas da solução de telemetria do consumo de água, gás e energia (e outros medidores com saída

Leia mais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

02/03/2014. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Conteúdo deste módulo Equipamentos usados nas Redes; Modelos de Camadas; Protocolos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRÔNICA E DE COMPUTAÇÃO SISTEMA DE CONTROLE EM TEMPO REAL VIA BLUETOOTH Autor: Edson Hiroshi Watanabe Orientador:

Leia mais

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos)

Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Comunicação Sem Fio (Somente em Determinados Modelos) Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft é uma marca registrada da Microsoft Corporation nos Estados Unidos.

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Redes de Computadores é um conjunto de equipamentos que são capazes de trocar informações e compartilhar recursos entre si, utilizando protocolos para se comunicarem e

Leia mais

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com

Wireless. Leandro Ramos www.professorramos.com Wireless Leandro Ramos www.professorramos.com Redes Wireless Interferências Access-Point / ROUTER Wireless Ponto de Acesso Numa rede wireless, o hub é substituído pelo ponto de acesso (access-point em

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores... 1 Mobilidade... 1 Hardware de Rede... 2 Redes Locais - LANs... 2 Redes metropolitanas - MANs... 3 Redes Geograficamente Distribuídas - WANs... 3 Inter-redes... 5 Software de Rede...

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra

Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Informática Arquitectura de Computadores 2 João Eurico Rosa Pinto jepinto@student.dei.uc.pt Filipe Duarte da Silva

Leia mais

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão

O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento. Padrões. Padrões. Meios físicos de transmissão O que é uma rede industrial? Redes Industriais: Princípios de Funcionamento Romeu Reginato Julho de 2007 Rede. Estrutura de comunicação digital que permite a troca de informações entre diferentes componentes/equipamentos

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro

Introdução às Redes de Computadores. Por José Luís Carneiro Introdução às Redes de Computadores Por José Luís Carneiro Portes de computadores Grande Porte Super Computadores e Mainframes Médio Porte Super Minicomputadores e Minicomputadores Pequeno Porte Super

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Acerca das características da arquitetura dos computadores que Julgue os itens a seguir, acerca de sistemas operacionais. devem ser consideradas no projeto e na implantação de

Leia mais

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS

FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO, VANTAGENS E DESVANTAGENS DAS DIVERSAS TECNOLOGIAS FUNCIONAMENTO DOS RFID s O Um sistema de RFID é composto, basicamente, por uma antena, que funciona como receptor, faz a leitura do sinal

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Faculdade de Informática Curso de Engenharia de Computação

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Faculdade de Informática Curso de Engenharia de Computação Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Engenharia Faculdade de Informática Curso de Engenharia de Computação Braço Robótico Com Controle Remoto Bluetooth Igor Bajerski Vinicius

Leia mais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais

15/02/2015. Conteúdo deste módulo. Curso de Preparatório para Concursos Públicos. Tecnologia da Informação REDES. Conceitos Iniciais Curso de Preparatório para Concursos Públicos Tecnologia da Informação REDES Conceitos Iniciais; Classificações das Redes; Topologias de Redes; Meios de Transmissão; Arquitetura de Redes; Conteúdo deste

Leia mais

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014

Comunicação Sem Fio REDES WIRELES. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio. Comunicação Sem Fio 06/05/2014 REDES WIRELES Prof. Marcel Santos Silva Comunicação Sem Fio Usada desde o início do século passado Telégrafo Avanço da tecnologia sem fio Rádio e televisão Mais recentemente aparece em Telefones celulares

Leia mais

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15

Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Formadora: Daniela Azevedo Módulo 11 IGRI13 Rui Bárcia - 15 Introdução, com algumas características Uma rede sem fios ou uma rede Wireless é uma infraestrutura das comunicações sem fio que permite a transmissão

Leia mais

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica?

4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através desta Tecnologia? 6. O Adaptador PLC causa um aumento no consumo de Energia Elétrica? 1. O que significa PLC - PowerLine Communications? 2. Quais são as características técnicas do PLC? 3. Quais são as vantagens da Tecnologia PLC? 4. Quais são os serviços que podem ser utilizados através

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network

Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area Network WPAN Wireless Personal Area Network Fundamentos de Tecnologias Wireless Parte 1 Assunto Tecnologias Wireless Introdução à Wireless LAN Algumas questões e desafios Tecnologias Wireless WWAN Wireless Wide Area Network WLAN Wireless Local Area

Leia mais

TECNOLOGIA BLUETOOTH NA COMUNICAÇÃO ENTRE DISPOSITIVOS ATRAVÉS DA LINGUAGEM JAVA

TECNOLOGIA BLUETOOTH NA COMUNICAÇÃO ENTRE DISPOSITIVOS ATRAVÉS DA LINGUAGEM JAVA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA TECNOLOGIA BLUETOOTH NA COMUNICAÇÃO ENTRE DISPOSITIVOS ATRAVÉS DA LINGUAGEM JAVA AUTOR: ELIO EDUARDO FERRARI MARCOLINO TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador

Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Comunicação sem fios (somente em alguns modelos) Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registada da Microsoft Corporation nos E.U.A. Bluetooth

Leia mais

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03

UFSM-CTISM. Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 UFSM-CTISM Comunicação de Dados Meios de Transmissão Aula-03 Professor: Andrei Piccinini Legg Santa Maria, 2012 Par trançado Cabo coaxial Fibra óptica Meios Não-guiados Transmissão por rádio Microondas

Leia mais

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS

TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA: ENGENHARIAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: TRANSMISSÃO DE DADOS EM REDES SEM FIO DE ALTA VELOCIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.

IEEE 802.16 - WiMAX. Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr. IEEE 802.16 - WiMAX Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Universidade Federal do Paraná Departamento de Engenharia Elétrica mehl@eletrica.ufpr.br WiMax - Worldwide Interoperability for Microwave Access WiMAX Forum:

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD

ESCOLA SECUNDÁRIA DO MONTE DA CAPARICA Curso de Educação e Formação de Adultos NS Trabalho Individual Área / UFCD 1 de 9 Desde o nascimento do telemóvel e o seu primeiro modelo vários se seguiram e as transformações tecnológicas que estes sofreram ditaram o nascimento de várias gerações. O Motorola DynaTac 8000X é

Leia mais

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez

Advanced Wireless Networks Overview & Configuration. Workshop by Nicola Sanchez Advanced Wireless Networks Overview & Configuration Workshop by Nicola Sanchez Microwave Wireless Telecom - Brasil Distribuidor Mikrotik no Brasil Fornecedor de Soluções em Redes Wireless Consultoria e

Leia mais

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth

Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Medidor Eletrônico de Energia em Baixa Tensão com Teleleitura via Tecnologia Bluetooth Bose, R.C. 1 ; Kolm, D. 1 ; Paim, F. 1 ; Caetano,C.D.C. 2 ; Garbelotto,L.A. 2 ; Moraes, R. 1 1 - Engenharia Elétrica

Leia mais

Arquitetura de protocolos

Arquitetura de protocolos Arquitetura de protocolos Segue o modelo híbrido Usada pelos nós sensores e pelo nó sorvedouro Inclui planos de Gerenciamento de energia Como um nó sensor usa a sua energia Pode desligar o receptor após

Leia mais

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe

Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe Pentium 4 Arquitetura de Computadores Pentium 4 e PCIe O Pentium 4 é um descendente direto da CPU 8088 usada no IBM PC original. O primeiro Pentium 4 foi lançado em novembro de 2000 com uma CPU de 42 milhõcs

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless

Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Arquiteturas para implantação de aplicações móveis wireless Este tutorial apresenta uma visão geral da arquitetura para implantação de aplicações móveis wireless. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME

Leia mais