Diretrizes para escrever um trabalho de pesquisa para publicação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Diretrizes para escrever um trabalho de pesquisa para publicação"

Transcrição

1 Diretrizes para escrever um trabalho de pesquisa para publicação John P. Fisher, PhD John A. Jansen, DDS, PhD Peter C. Johnson, MD Antonios G. Mikos, PhD Co-Editores-Chefe Engenharia de Tecidos Parte A, Comentários Parte B, e Métodos Parte C A principal tarefa do pesquisador é a comunicação de resultados técnicos à comunidade científica mais geral. Seja na forma escrita ou oral, a comunicação científica é um passo crítico no método científico e é o principal impulsionador do movimento dentro de um campo científico. Portanto, a construção de um manuscrito científico escrito não deve ser tomada de maneira fácil. Como parte de nosso serviço para a comunidade científica em geral, pensamos que pode ser benéfico identificar alguns dos aspectos comuns de um manuscrito científico bem construído. Estes pontos são brevemente discutidos abaixo. Deve notar-se que os manuscritos que foram submetidos com êxito à uma revista para publicação tem três componentes principais: (1) a ideia geral (2), a execução do trabalho, e (3) a apresentação do trabalho. Enquanto cada um deles é crucial, as orientações apresentadas abaixo falam principalmente para o terceiro componente, ou seja, a apresentação do trabalho científico. Assim, uma ideia fraca ou uma investigação mal concebida não pode ser salva por uma apresentação excelente do trabalho, e igualmente uma excelente ideia que é bem investigada ainda poderá ser condenada por uma apresentação pobre. Esperamos que os conceitos descritos abaixo ajudem a minimizar a última situação.

2 Estrutura e Abordagem A investigação científica deve começar com uma questão de pesquisa definida, que resulte em um protocolo de pesquisa bem projetado que planeja a abordagem em geral. Esta base deve conduzir a um conjunto de dados a partir dos quais o manuscrito pode ser construído. Os manuscritos submetidos a revistas para consideração da publicação normalmente têm os seguintes componentes: Página Inicial Resumo Introdução Métodos Resultados Discussão Conclusões Agradecimentos Referências Tabelas e legendas das tabelas Figuras e legendas das figuras Uma abordagem razoável para escrever um manuscrito científico pode ser a seguinte. Primeiro escrever a seção de Métodos, em grande parte derivada de seu protocolo de pesquisa inicial, e talvez durante a fase experimental do próprio trabalho, para que todos os detalhes sejam incluídos. Construir todas as figuras e tabelas que contêm os dados incluídos no trabalho e, em seguida, escrever a seção de Resultados. Dependendo do tipo de estudo, pode haver alguma iteração na apresentação dos dados e redação do texto. Reconsiderar as questões científicas que o manuscrito irá abordar, mais uma vez referindo-se ao seu protocolo de pesquisa e, em seguida, escrever a Introdução. Em seguida, use a Introdução e os Resultados para orientar a escrita da Discussão. Sumariar tudo em um Resumo e, em seguida, condensar e reorientar o Resumo para uma seção de Conclusões. Abaixo segue uma breve discussão de cada uma das seções. Estas são apenas sugestões de como um manuscrito científico pode ser escrito. Outras estratégias podem também ser utilizadas, mas a clareza deve ser o princípio orientador. Em geral, o propósito de um artigo científico é a construção de um documento claramente escrito que descreve uma pergunta e, em seguida, logicamente, apresenta uma resposta a esta pergunta que se baseia nos resultados teóricos ou experimentais. Um manuscrito científico é feito para transmitir informações técnicas para o leitor. Portanto, é geralmente concebido para ser uma apresentação e discussão simples. Parágrafos e frases devem ser simplesmente construídos. Um ponto de vista que sustenta este conceito é que o aspecto científico do manuscrito pode ser bastante difícil para o leitor compreender, portanto, o texto em si deve ajudar no empenho a transmitir a informação científica, em vez de agir para confundir ainda mais os conceitos e resultados.

3 Pagina Inicial Uma página inicial deve ser incluída. Declare o título do manuscrito, que deve ser curto e simples, bem como autores e afiliações de autores. Indique a revista para a qual o manuscrito está sendo submetido. Fornecer cerca de 5 palavras-chave, bem como um título curto (por vezes referido como um título corrido) para o manuscrito. Finalmente, fornecer informações completas de contato para o autor correspondente. Resumo O resumo é tipicamente um único parágrafo. O resumo deve ser considerado um documento independente, de modo que o resumo não dependa de qualquer material no corpo do relatório e, de forma semelhante, que o corpo do relatório não dependa de qualquer material no resumo. A primeira frase deve indicar claramente o objetivo do experimento. Se o experimento for baseado numa hipótese, o que é grandemente preferido, a hipótese deve ser declarada e seguida com declarações descrevendo a sua base e avaliação. As frases seguintes descrevem a forma como a investigação foi realizada. As frases seguintes descrevem, com o máximo de precisão possível, sem serem prolixas, os resultados da experiência. As frases finais descrevem o significado dos resultados e do impacto desse trabalho no campo geral do estudo. Introdução A introdução requer uma breve revisão da literatura referente ao tópico de pesquisa. A introdução é então melhor construída como um funil descritivo, começando com temas gerais e focando lentamente no trabalho em questão. Talvez de três a quatro parágrafos sejam necessários. Uma abordagem pode ser começar com um ou dois parágrafos que introduzam o leitor para o estudo de campo geral. Os parágrafos subsequentes então descrevem como um aspecto deste campo poderia ser melhorado. O parágrafo final é essencial. Ele afirma claramente, provavelmente na primeira frase do parágrafo, qual questão experimental será respondida pelo estudo. A hipótese é então indicada. Em seguida, descreve brevemente a abordagem que foi feita para testar a hipótese. Finalmente, uma frase de resumo pode ser adicionada informando como a resposta da sua pergunta vai contribuir para o campo geral de estudo. Métodos Esta seção deve ser uma descrição simples dos métodos utilizados em seu estudo. Cada método deve ser descrito em uma seção separada. Comece, em uma única seção, com uma indicação dos materiais utilizados no estudo, indicando o vendedor e as informações de contato do vendedor para cada material. Esta informação é vital para que os leitores tenham a capacidade de reprodução do trabalho nas suas próprias instituições. Em seguida, descrever, em seções separadas, cada procedimento chave e técnica utilizada no estudo. Mantenha explicações breves e concisas. Se um projeto experimental específico for utilizado, descrever este projeto na segunda seção de Métodos, após a seção de materiais. Do mesmo modo, se um componente teórico ou de modelagem for utilizado, deve também ser incorporado na porção inicial dos Métodos. Finalmente, lembre-se de descrever os métodos de análise estatística que foram utilizados para analisar os resultados, provavelmente na parte final da seção de Métodos. Embora normalmente não seja recomendado, o uso da voz passiva é provavelmente apropriado na seção de Métodos.

4 Resultados A seção de Resultados apresenta os dados experimentais para o leitor, e não é um lugar para discussão ou interpretação dos dados. Os dados em si devem ser apresentados em tabelas e figuras (veja abaixo). Apresente cada grupo de tabelas e figuras em um parágrafo separado, onde as tendências globais e pontos de dados de interesse particular são anotados. Você pode querer indicar a colocação de uma tabela ou figura particular no texto. Para estudos experimentais, as principais estatísticas, como o número de amostras (n), o índice de dispersão (SD, SEM), e o índice de tendência central (média, moda e mediana) deve ser indicado. Incluir qualquer análise estatística que foi realizada, e certifique-se de indicar dados estatísticos específicos, tais como os valores de p. Note que cada tabela e figura no papel devem ser referidas na seção de Resultados. Seja sucinto. Discussão A seção de Discussão, muitas vezes a mais difícil de escrever, deverá ser relativamente fácil se as sugestões anteriores forem seguidas. Em particular, olhar para o último parágrafo da introdução. Se o trabalho caracterizou um fenômeno ao estudar os efeitos específicos, usar os resultados para descrever cada efeito em parágrafos separados. Se o trabalho apresentou uma hipótese, usar os resultados para construir um argumento lógico que apoia ou rejeita sua hipótese. Se o trabalho identificou três objetivos principais para o trabalho, usar os resultados para abordar cada um desses objetivos. Um estudo bem definido, que é descrito na Introdução, juntamente com o apoio de resultados que são apresentados na seção de Resultados, deverá aliviar a construção da seção de Discussão. Comece a seção de Discussão com um breve parágrafo que novamente dará uma visão geral para o trabalho. Resumir os resultados mais importantes e, se for o caso, aceitar ou rejeitar a hipótese proposta. Em seguida, identificar os mais interessantes, significativos resultados notáveis que foram apresentados na seção de Resultados e contrastar estes resultados à luz de outros estudos relatados na literatura. É frequentemente informativo se uma discussão sobre os possíveis pontos fracos da interpretação também estiver incluída. Finalmente, no final da seção de Discussão, considere os outros trabalhos na literatura que abordam este tema e como este trabalho contribui para o campo geral do estudo. Conclusões Mais uma vez, primeiro apresentar o trabalho e, em seguida, de forma sucinta, os principais resultados. Então declarar os principais pontos da discussão. Por fim, terminar com uma declaração de como este trabalho contribui para o campo geral de estudo. Agradecimentos Forneça uma breve declaração reconhecendo os esforços de todos os participantes ou consultores que não são incluídos como autores do manuscrito. Declare todas as fontes de financiamento para o trabalho, assegurando que a declaração adere às orientações fornecidas pela instituição de financiamento.

5 Referências Incluir todas as referências que foram citadas no texto. As referências devem ser bem consideradas, de modo que elas contenham todas as fontes-chave no campo, bem como estudos anteriores que apoiam ou motivam o presente trabalho. No entanto, não inclua referências estranhas em um esforço para simplesmente citar determinados autores ou revistas. Pode ser apropriado citar publicações anteriores de seu próprio laboratório, mas isso deve ser feito criteriosamente. Você deve usar o formato de referência que está mandatado pela revista para a qual você está enviando o manuscrito. Os pacotes de software tornam citar a literatura particularmente fácil. Tabelas e legendas das tabelas As tabelas devem geralmente ser incluídas em uma seção separada após a seção de Referências. As tabelas devem ser nomeadas com uma legenda e título em negrito (ou seja, a Tabela 1: Propriedades de Materiais), seguidos de uma ou duas frases que descrevam o conteúdo e o impacto dos dados incluídos na tabela. A tabela em si deve ser formatada de modo que os dados sejam apresentados de forma clara e facilmente interpretados pelo revisor, no entanto, a tabela está suscetível a ser reformatada pela revista para estar em conformidade com os seus padrões. Certifique-se de que cada tabela é referida no texto manuscrito, o que provavelmente irá ocorrer na seção de Resultados, mas também pode ocorrer nas seções de Introdução, Métodos, ou Discussão. Figuras e legendas das figuras Tal como acontece com as tabelas, as figuras também podem ser colocadas numa seção separada após a seção de Referências. Mais uma vez, a clareza é o fator-chave, especialmente com imagens e gráficos. Todas as imagens devem ser tão grandes quanto possível, e incluir barras de escala precisas. Os gráficos devem ser grandes, com pontos de dados e rótulos de eixo em uma fonte grande. Legendas podem ser incluídas dentro do gráfico ou no título. Todas as figuras precisam de uma legenda. A legenda deve identificar a figura em negrito (ou seja, a Figura 3), dar um breve título à figura, de forma sucinta apresentar o resultado significativo ou interpretação que possa ser feita a partir da figura (isso pode ser modificado a partir do texto da seção de Resultados ou de Discussão) e, finalmente, indicar o número de repetições no experimento (isto é, n = 5), bem como o que o ponto de dados representa na verdade (isto é, os dados são médias e as barras de erro associadas representam os desvios de padrão). Tal como acontece com as tabelas, certifique-se de que cada figura é referida no texto manuscrito. Autoria e originalidade Finalmente, reunimos alguns pontos a considerar no que diz respeito à autoria e originalidade dos manuscritos submetidos à publicação. O plágio é, infelizmente, uma grande preocupação entre os editores e publicadores. Portanto, tenha certeza de todas as fontes de dados e texto. Se o artigo é baseado em trabalho anterior, não se esqueça de referenciar o trabalho anterior corretamente. Um trabalho de pesquisa original não pode conter dados publicados anteriormente de nenhuma forma sem a devida citação. A autoria e a ordem de autoria devem ser acordadas por todos os autores e quaisquer outros profissionais que participaram do trabalho mas que não estão incluídos como um autor. Não é permitida a entrega de um trabalho que é uma tradução de um artigo publicado anteriormente. BE ORIGINAL!

6 About the Authors Dr. John P. Fisher is Professor and Associate Chair for Graduate Studies in the Fischell Department of Bioengineering at the University of Maryland. Fisher completed a BS in chemical engineering at The Johns Hopkins University (1995), MS in chemical engineering at the University of Cincinnati (1998), PhD in bioengineering at Rice University (2003), and postdoctoral fellowship in cartilage biology and engineering at the University of California Davis (2003). Fisher, the Director of the Tissue Engineering and Biomaterials Laboratory, investigates biomaterials, stem cells, and bioreactors for the regeneration of lost tissues, particularly bone, cartilage, vasculature, and skeletal muscle. His research focuses on the development of novel, implantable, biocompatible materials that can support the development of both adult progenitor and adult stem cells, and particularly examines how biomaterials affect endogenous molecular signaling among embedded cell populations. Fisher is the author of over 65 publications, 120 scientific presentations, and 4 patents. Fisher has mentored 3 MS students and 10 PhD students. In addition, Fisher has mentored over 40 undergraduate researchers in his own lab, including 2 who were named University of Maryland Outstanding Undergraduate Researchers, 4 who have received Howard Hughes Medical Institute Undergraduate Research Fellowships, and 18 supported by Maryland Technology Enterprise Institute ASPIRE Awards. In 2012 Fisher was elected Fellow of the American Institute for Medical and Biological Engineering. In addition, Fisher has received a NSF CAREER Award (2005), the Arthritis Foundation s Investigator Award (2006), the University of Maryland Invention of the Year Award (2006), the Outstanding Graduate Alumnus Award from the Department of Bioengineering at Rice University (2007), the Engalitcheff Award from the Arthritis Foundation (2008), the University of Maryland Professor Venture Fair Competition (2009), and the Teaching Excellence Award from the Fischell Department of Bioengineering at the University of Maryland (2011). Since 2007 Fisher has directed NSF supported Molecular and Cellular Bioengineering Research Experiences for Undergraduates Site. Fisher has served as editor of several works, and is currently the Editor-in-Chief of the journal Tissue Engineering, Part B: Reviews. Fisher has edited 2 books, and was the tissue engineering editor for the third edition of The Biomedical Engineering Handbook (2006). John A. Jansen, DDS, PhD studied Dentistry at Radboud University Nijmegen and graduated in In the same year he started a part-time dental practice in Maassluis, the Netherlands. He completed his PhD dealing with the adhesion of epithelial cells to dental implant materials in 1984 at the Radboud University Nijmegen. After working as assistant professor in Amsterdam and Leiden he returned to Nijmegen in 1991 to become associate professor of Biomaterials and Implantology before being appointed Full in April In April 2008, he was elected as full member of the Royal Netherlands Academy of Arts and Sciences (Section Medicine). In 2009, he was appointed Honorary Professor, Sichuan University, Sichuan, China and in 2010 hired as Research Professor, Dental Implant and Osseointegration Research Chair (DIORC), College of Dentistry, King Saud University Riyadh, Saudi-Arabia. He has contributed to over 500 publications, is the owner of seven patents and editorial board member/editor of eight international scientific journals, including Tissue Engineering, Part C: Methods.

7 Peter C. Johnson, MD is a University of Notre Dame and SUNY Upstate Medical University graduate. After General and Plastic Surgery training, Dr. Johnson practiced reconstructive surgery for ten years at University of Pittsburgh where he founded and was the first President of the Pittsburgh Tissue Engineering Initiative. Subsequent roles were co-founder/ceo of TissueInformatics, EVP of Life Sciences, CMO and CBO of Icoria, and EVP, Entegrion, Inc. He presently serves as the VP, Research and Development and Medical Affairs of Vancive Medical Technologies, an Avery Dennison business. He Chaired the Plastic Surgery Research Council, was President of the Pennsylvania Biotechnology Association and the Tissue Engineering Society, International and is presently the Co-Editor-in-Chief of the three-part journal, Tissue Engineering. He serves on the Industry Committee of TERMIS, Board of Trustees of the Pittsburgh Tissue Engineering Initiative and the University of North Carolina Medical Foundation. He is an Adjunct Professor of Surgery, Bioengineering and Business at the University of North Carolina at Chapel Hill, of Bioengineering at NC State and of Regenerative Medicine at Wake Forest University School of Medicine. Antonios G. Mikos, PhD is the Louis Calder Professor of Bioengineering and Chemical and Biomolecular Engineering at Rice University. His research focuses on the synthesis, processing, and evaluation of new biomaterials for use as scaffolds for tissue engineering, as carriers for controlled drug delivery, and as non-viral vectors for gene therapy. He is the author of over 460 publications and 25 patents. He is a Fellow of the American Association for the Advancement of Science, American Institute for Medical and Biological Engineering, Biomedical Engineering Society, Controlled Release Society, International Union of Societies for Biomaterials Science and Engineering, and Tissue Engineering and Regenerative Medicine International Society. He is also a Member of the National Academy of Engineering and the Institute of Medicine of the National Academies. Dr. Mikos is Co-Editorin-Chief of the three-part journal Tissue Engineering.

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br)

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br) Como organizar sua Tese, Dissertação, Monografia ou Artigo [A pesar do texto falar sobre uma tese de doutorado (ou dissertação de mestrado), a forma de estruturar logicamente um artigo técnico segue este

Leia mais

Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar

Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Helena McDonnell e Magda Gabriel Especialistas em Consultoria à EF e Protocolo Familiar Cambridge Institute Página 1 Especialistas em Consultoria

Leia mais

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974

GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 GUIA DE REDAÇÃO PARA TRABALHO DE EM974 CONSIDERAÇÕES GERAIS O objetivo deste documento é informar a estrutura e a informação esperadas num texto de Trabalho de Graduação. O conteúdo do texto deverá ser

Leia mais

Universidade Católica de Santos

Universidade Católica de Santos Universidade Católica de Santos Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Ciência da Computação/Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso TCC-II (2010) Trabalho Completo Este documento visa

Leia mais

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense

Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida. Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Projetos e pesquisas: Como escrever um artigo original em ciências da vida Walter Lilenbaum Universidade Federal Fluminense Etapas da construção de um projeto 1.Identificação do problema Coerência com

Leia mais

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO 1. Os Arquivos Brasileiros de Cardiologia (Arq Bras Cardiol) são uma publicação mensal da Sociedade Brasileira de Cardiologia, indexada no Cumulated

Leia mais

Como escrever um artigo científico

Como escrever um artigo científico Como escrever um artigo científico Baseado no texto de C. S. Lyra (2006), Como escrever um Artigo Científico ou Técnico. Infinite Thecnicals Translations http://www.freewebs.com/infinitetrans/artigo.html

Leia mais

CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres)

CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres) CONFIGURAÇÕES E PREPARAÇÃO DO RESUMO (apresentação de pôsteres) Cada autor poderá enviar no Maximo 1 resumo e estar como co-autor em até 3 resumos. Prepare o resumo em um editor de texto com fonte Times

Leia mais

Técnicas básicas de redação científica

Técnicas básicas de redação científica 1 Técnicas básicas de redação científica Gilmar P. Henz Paulo Eduardo de Melo Embrapa Hortaliças, C. Postal 218, 70359-970 Brasília-DF E-mail: gilmar@cnph.embrapa.br Nos dicionários, a palavra publicar

Leia mais

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I:

Descobrimos que os testes 1, 2 e 7 foram os mais úteis para avaliação da estabilidade do gráfico Xbar na carta I: Este artigo é parte de uma série de artigos que explicam a pesquisa conduzida pelos estatísticos do Minitab para desenvolver os métodos e verificações de dados usados no Assistente no Software Estatístico

Leia mais

Chamada conjunta para trabalhos. 3rd AMVEBBEA International Congress 7 th Latin American Meeting of the AVLZ 2nd International Meeting of the CLEVe

Chamada conjunta para trabalhos. 3rd AMVEBBEA International Congress 7 th Latin American Meeting of the AVLZ 2nd International Meeting of the CLEVe Chamada conjunta para trabalhos 10 th International Veterinary Behaviour Meeting em associação com 3rd AMVEBBEA International Congress 7 th Latin American Meeting of the AVLZ 2nd International Meeting

Leia mais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais

Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais Tópico 4. Como Elaborar um Relatório e Apresentar os Resultados Experimentais 4.1. Confecção de um Relatório 4.1.1. Organização do relatório Um relatório é uma descrição detalhada, clara e objetiva de

Leia mais

SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE

SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE SUMÁRIO DO CURRICULUM VITAE Nome Completo: Lino Manuel Martins Gonçalves. Local e Data de Nascimento: Loulé - Portugal, 23 de Setembro de 1960. Estado civil: Casado Nacionalidade: Portuguesa Morada: Rua

Leia mais

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC

Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugestão de Roteiro para Elaboração de Monografia de TCC Sugerimos, para elaborar a monografia de TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), que o aluno leia atentamente essas instruções. Fundamentalmente,

Leia mais

NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE

NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE NOME DA INSTITUIÇÃO (FACULDADE, UNIVERSIDADE) NOME DO CENTRO DE ESTUDOS NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO CIDADE 00000 NOME COMPLETO DO ALUNO TITULO DO TRABALHO Titulo do Trabalho: seguido de uma

Leia mais

(Translation from the Portuguese original)

(Translation from the Portuguese original) (Translation from the Portuguese original) Appendix to the Proposal to Item 1 of the agenda of the Shareholders Annual General Meeting, to be held on April, 4 th, 2014 P 1 de 6 António Agostinho Cardoso

Leia mais

Normas de publicação. 1. A Revista Brasileira de Cardiologia. 2. Instruções redatoriais. 3. Avaliação pelos pares (peer review)

Normas de publicação. 1. A Revista Brasileira de Cardiologia. 2. Instruções redatoriais. 3. Avaliação pelos pares (peer review) Revista Brasileira de Cardiologia 1 Normas de publicação 1. A Revista Brasileira de Cardiologia A Revista Brasileira de Cardiologia (Rev Bras Cardiol.) é a publicação oficial da Sociedade de Cardiologia

Leia mais

Implantologia. Interdisciplinary Challenges and Treatment Options in Implant Dentistry. 1 e 2 de Junho de 2012, Lisboa. 4 Congresso de Actualidades em

Implantologia. Interdisciplinary Challenges and Treatment Options in Implant Dentistry. 1 e 2 de Junho de 2012, Lisboa. 4 Congresso de Actualidades em 4 Congresso de Actualidades em Implantologia 1 e 2 de Junho de 2012, Lisboa Auditório Prof. Doutor Armando Simões dos Santos Faculdade de Medicina Dentária da Universidade de Lisboa TPD August Bruguera

Leia mais

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO.

SEMINÁRIO . ORGANIZAÇÃO DO SEMINÁRIO. SEMINÁRIO Seminário é um grupo de pessoas que se reúnem com o propósito de estudar um tema sob a direção de um professor ou autoridade na matéria. O nome desta técnica vem da palavra semente, indicando

Leia mais

BIOENGENHARIA A ENGENHARIA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS

BIOENGENHARIA A ENGENHARIA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS BIOENGENHARIA A ENGENHARIA DOS SISTEMAS BIOLÓGICOS Joaquim M.S. Cabral Laboratório rio Associado - Institute for Biotechnology and Bioengineering Centro de Engenharia Biológica e Química Instituto Superior

Leia mais

Como redigir artigos científicos SÉTIMA AULA 03/10/11. Resultados. Apresentando dados numéricos. Tabela ou gráfico

Como redigir artigos científicos SÉTIMA AULA 03/10/11. Resultados. Apresentando dados numéricos. Tabela ou gráfico Como redigir artigos científicos Antônio Augusto Moura da Silva SÉTIMA AULA e Conclusões Resumo e título Apresentando dados numéricos Só reportar resultados que respondam à sua questão Não há necessidade

Leia mais

ACTA REUMATOLÓGICA PORTUGUESA SPR Sociedade Portuguesa de Reumatologia

ACTA REUMATOLÓGICA PORTUGUESA SPR Sociedade Portuguesa de Reumatologia ACTA REUMATOLÓGICA PORTUGUESA SPR Sociedade Portuguesa de Reumatologia Normas de publicação Objectivos e âmbito A Acta Reumatológica Portuguesa (ARP) é uma publicação científica internacional, revista

Leia mais

ROTEIRO DE PROJETO DE PESQUISA

ROTEIRO DE PROJETO DE PESQUISA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE MEDICINA MÓDULO MIC PROFESSORES: Lucimare Ferraz, Marcelo Moreno e Ricardo L. Schmitt 2 Este roteiro foi organizado

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

Artigo Científico PÓS GRADUAÇÃO EAD 2015

Artigo Científico PÓS GRADUAÇÃO EAD 2015 Artigo Científico PÓS GRADUAÇÃO EAD 2015 Artigo Cientifico Artigo científico é o trabalho acadêmico que apresenta resultados sucintos de uma pesquisa realizada de acordo com o método científico aceito

Leia mais

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA

INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA INSTITUTO LONG TAO METODOLOGIA CIENTÍFICA Profa. Ms. Rose Romano Caveiro CONCEITO E DEFINIÇÃO É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es)

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA. Nome do(s) autor(es) 1 INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS LICENCIATURA PLENA EM QUÍMICA Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO (SE HOUVE) LOCAL Ano 2 Nome do(s) autor(es) TÍTULO DO TRABALHO:

Leia mais

Brazilian Graduate Students Conference. Convite

Brazilian Graduate Students Conference. Convite Brazilian Graduate Students Conference Convite Índice A BRASCON 2 Comitê Organizador 3 Programação Preliminar 4 Palestrantes Confirmados 5 Brazilian Graduate Students Conference Benefícios 6 Parceiros

Leia mais

notes on contributors

notes on contributors notes on contributors Andréia Turolo-Silva Mestre em Linguística Aplicada pela UNESP (São José do Rio Preto). Doutoranda em Linguística pelo Programa de Pós-Graduação em Linguística da UFC, com estágio

Leia mais

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO

4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO 4 ESTRUTURA E APRESENTAÇÃO DE ARTIGO CIENTÍFICO Este capítulo visa a orientar a elaboração de artigos científicos para os cursos de graduação e de pós-graduação da FSG. Conforme a NBR 6022 (2003, p. 2),

Leia mais

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO

COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO COMO ELABORAR UM RELATÓRIO CIENTÍFICO 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência laboratorial. Não é apenas uma descrição

Leia mais

FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa. RSBF e JSBFa

FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa. RSBF e JSBFa FAQs sobre a publicação de artigos nos periódicos da SBFa RSBF e JSBFa As dúvidas relacionadas neste documento foram coletadas ao longo de nosso trabalho editorial nas publicações da SBFa. Algumas respostas

Leia mais

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP

MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP MODELO DE PROJETO DE PESQUISA DA ADJETIVO CETEP REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS DOS TRABALHOS Formato: A4 Cor preta Espaçamento entre linhas: 1,5cm Fonte texto: Times New Roman, 12 ou Arial, 11 Margem superior

Leia mais

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO

COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO COMO AVALIAR UM ARTIGO CIENTÍFICO ARTIGO CIENTÍFICO Artigo científico é parte de uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas

Leia mais

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese

Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Como Escrever Propostas de Plano de Trabalho, Monografia, Dissertação ou Tese Arndt von Staa arndt@inf.puc-rio.br Departamento de Informática Pontifícia Universidade Católica 22453-900 Rio de Janeiro,

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE - FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO NPGE MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS ARACAJU 2012 2 PREFÁCIO A apresentação dos trabalhos acadêmicos

Leia mais

Redação de Artigos Científicos

Redação de Artigos Científicos Redação de Artigos Científicos Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Por que escrever um artigo? O que publicar? Para

Leia mais

NOME DO AUTOR TÍTULO DO TRABALHO.

NOME DO AUTOR TÍTULO DO TRABALHO. NOME DO AUTOR TÍTULO DO TRABALHO. Monografia apresentada como requisito parcial para a obtenção de???? no Curso de Graduação em?????, das Faculdades??????. Orientador:?????????????????. LOCAL Ano EXATAMENTE

Leia mais

Dicas para elaborar um relatório científico

Dicas para elaborar um relatório científico Dicas para elaborar um relatório científico Prof. Dr. Jean Jacques Bonvent Laboratório de Física Geral Universidade de Mogi das Cruzes A elaboração de um relatório científico é um exercício bastante importante

Leia mais

Desafios na Publicação e na Escrita Acadêmica RESEARCH SQUARE

Desafios na Publicação e na Escrita Acadêmica RESEARCH SQUARE Desafios na Publicação e na Escrita Acadêmica RESEARCH SQUARE DESAFIOS DESAFIOS Número de publicações Qualidade das publicações Gerência de periódicos Revisão por pares DESAFIOS Número de publicações Qualidade

Leia mais

Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments. 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor

Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments. 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor Top 10 Tips for Responding to Reviewer and Editor Comments Thomas M. Annesley* 10 Dicas Principais para Responder aos Comentários do Revisor e do Editor Thomas M. Annesley* University of Michigan Health

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DE PONTA PORÃ NOME DO(S) AUTOR (ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO

FACULDADES INTEGRADAS DE PONTA PORÃ NOME DO(S) AUTOR (ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO FACULDADES INTEGRADAS DE PONTA PORÃ NOME DO(S) AUTOR (ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO DO TRABALHO Cidade Ano NOME DO(S) AUTOR (ES) EM ORDEM ALFABÉTICA TÍTULO DO TRABALHO: SUBTÍTULO

Leia mais

III OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE RESUMOS E PÔSTERES ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS RESUMOS

III OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE RESUMOS E PÔSTERES ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS RESUMOS III OFICINA PARA ELABORAÇÃO DE RESUMOS E PÔSTERES ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DOS RESUMOS Reinaldo de Menezes Martins & Cristina Possas Agradecimentos: Elba Lemos O resumo é um texto de no máximo 450 palavras

Leia mais

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks

LÍNGUA INGLESA CONTEÚDO E HABILIDADES DINÂMICA LOCAL INTERATIVA AULA. Conteúdo: Reading - Typographic Marks Conteúdo: Reading - Typographic Marks Habilidades: Utilizar as Marcas Tipográficas para facilitar a compreensão e também chamar a atenção do leitor. Typographic Marks O que são marcas tipográficas? As

Leia mais

INSTRUÇÕES AOS AUTORES

INSTRUÇÕES AOS AUTORES INSTRUÇÕES AOS AUTORES ISSN da revista impressa: 0329-8922 ISSN da revista eletrônica: 1851-7587 I - ALCANCE DA REVISTA 1) A Revista de Ciência e Tecnologia (RECyT) publica artigos originais que representam

Leia mais

Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley

Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley Giving Credit: Citations and References Thomas M. Annesley Dando Crédito: Citações e Referências Thomas M. Annesley University of Michigan Health System, Ann Arbor, MI. Envie correspondência para o autor

Leia mais

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico

Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Instruções sobre como elaborar artigo para o Âmbito Jurídico Nome do autor: principais atividades acadêmicas em no máximo 3 linhas, colocar e-mail. 1. Se estudante de direito colocar apenas: Acadêmico

Leia mais

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES

COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES COMITÊ DE ÉTICA EM PUBLICAÇÕES (COPE): ORIENTAÇÃO SOBRE BOA PRÁTICA EM PUBLICAÇÕES Por que os protocolos foram criados? O comitê de publicação de ética (COPE) foi fundado em 1997 para tratar da questão

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE CAPA DURA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE NOME DO ALUNO Arial 18, negrito TÍTULO SUBTÍTULO Arial 18, negrito ARIQUEMES-RO 2011 FOLHA EM BRANCO ( FOLHA DE GUARDA ) Arial 18, negrito FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO

ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO ARQUIVOS BRASILEIROS DE CARDIOLOGIA NORMAS PARA PUBLICAÇÃO 1. Os Arquivos Brasileiros de Cardiologia (Arq Bras Cardiol) são uma publicação mensal da Sociedade Brasileira de Cardiologia, indexada no Cumulated

Leia mais

XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática Critérios para a revisão de trabalhos

XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática Critérios para a revisão de trabalhos XIII Conferência Interamericana de Educação Matemática Critérios para a revisão de trabalhos A qualidade acadêmica do evento depende muito do processo de revisão que realizam os revisores do Comitê Internacional

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS

REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS REVISTA PARA RELATOS DE EXPERIÊNCIA E ARTIGOS DAS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E EXTENSIONISTAS INSTRUÇÕES AOS AUTORES 1 GERAIS: Originais: Os artigos e os relatos de experiência devem ser enviados exclusivamente

Leia mais

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA

COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA COMUNICAÇÃO CIENTÍFICA O I Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência e Tecnologia/FACIT oportunizará a apresentação de Trabalhos Científicos sob a forma de Comunicação Oral para professores, profissionais

Leia mais

A estrutura, formato, conteúdo, e estilo de um artigo científico. Celicina Borges Azevedo

A estrutura, formato, conteúdo, e estilo de um artigo científico. Celicina Borges Azevedo A estrutura, formato, conteúdo, e estilo de um artigo científico. Celicina Borges Azevedo Por que usar um formato Científico? Meio de comunicação eficiente das descobertas científicas Formato uniforme.

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719

ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 ANEXO II METODOLOGIA DA PESQUISA RELATÓRIO TÉCNICO CIENTÍFICO NBR 10719 Documento que relata formalmente os resultados ou progressos obtidos em investigação de pesquisa e desenvolvimento ou que descreve

Leia mais

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA

GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA GUIA DE INTERPRETAÇÃO DO CELLA DA FLÓRIDA INFORMAÇÕES GERAIS SOBRE O CELLA A Flórida utiliza o CELLA (Comprehensive English Language Learning Assessment, Avaliação Abrangente do Aprendizado de Língua Inglesa)

Leia mais

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063

Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO. Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 Métodos e Técnicas de Pesquisas ARTIGO CIENTÍFICO Professor Adm. Walter Martins Júnior CRA-PR 15.063 ALGUMAS REGRAS 2 não deixe para a última hora escreva leia alguns relatórios ou resumos faça um esboço

Leia mais

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO

TÍTULO DA APRESENTAÇÃO UniversityofMinho 1974 (39 years) 2 Campi Campus de Gualtar (380.000 m 2 ) Braga Campus de Azurém (270.000 m 2 ) Guimarães Teaching 53 graduate courses 130 masters courses 22 PhD courses 18.500 students

Leia mais

Normas para Apresentação de Monografias

Normas para Apresentação de Monografias UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE DEPARTAMENTO DE SISTEMAS E COMPUTAÇÃO COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Normas para Apresentação de Monografias Campina Grande, dezembro 2010

Leia mais

Desafios Logísticos para o Mercado Eólico Brasileiro. Logística ou Cadeia de suprimento

Desafios Logísticos para o Mercado Eólico Brasileiro. Logística ou Cadeia de suprimento Desafios Logísticos para o Mercado Eólico Brasileiro Logística ou Cadeia de suprimento Brian Gaylord Senior Analyst Latin America MAKE Consulting Calle Quintana 27, Madrid, Espanha bg@consultmake.com INTRODUÇÃO

Leia mais

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia

Normas de publicação de Neurociências & Psicologia Normas de publicação de Neurociências & Psicologia A revista Neurociências & Psicologia é uma publicação com periodicidade bimestral e está aberta para a publicação e divulgação de artigos científicos

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CURSO: Ciências Contábeis

UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CURSO: Ciências Contábeis UNIVERSIDADE PAULISTA - UNIP CURSO: Ciências Contábeis MANUAL DE ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO CURRICULAR Prezado aluno: A princípio, receba meus sinceros parabéns por ter chegado ao final do curso de Ciências

Leia mais

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho.

Estrutura do Trabalho: Fazer um resumo descrevendo o que será visto em cada capítulo do trabalho. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ A monografia é um texto escrito contendo o resultado da pesquisa realizada como trabalho de conclusão do curso de especialização. Os itens básicos a constarem da monografia

Leia mais

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA

CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA CONSTRUINDO MINHA MONOGRAFIA 1 Prezado(a) aluno(a), Este roteiro foi preparado para auxiliá-lo na elaboração de sua monografia (TCC). Ele o apoiará na estruturação das etapas do seu trabalho de maneira

Leia mais

Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias. Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses

Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias. Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses Pense no Canadá Pense nas universidades canadenses Quando o assunto for pesquisa, inovação, educação e parcerias Association of Universities and Colleges of Canada Pense no Canadá / Pense nas universidades

Leia mais

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1

universia.com.br/materia/img/tutoriais/ /01.jsp 1/1 5/12/2008 Monografias - Apresentação Fazer um trabalho acadêmico exige muito de qualquer pesquisador ou estudante. Além de todo esforço em torno do tema do trabalho, é fundamental ainda, adequá-lo às normas

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU

Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535. Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535 Prof. Dr. Rodrigo Sanches Miani FACOM/UFU Trabalhode Conclusão de Curso 1 GSI535 Slides criados com base no livro Metodologia de Pesquisa para Ciência da Computação

Leia mais

Universidade Católica de Santos

Universidade Católica de Santos Universidade Católica de Santos Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Ciência da Computação/Sistemas de Informação Trabalho de Conclusão de Curso TCC-II (2010) Relatório de Qualificação Este documento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC. Título UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E HUMANAS Programa de Pós-Graduação em Biotecnociência Título Santo André dd/mm/aaaa Normas para Dissertações Mestrado em Biotecnociência - UFABC.

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA REDAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PROJETO ORIENTADO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA.

NORMAS GERAIS PARA REDAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PROJETO ORIENTADO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA. NORMAS GERAIS PARA REDAÇÃO DE RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO E PROJETO ORIENTADO DO CURSO DE ENGENHARIA AGRÍCOLA. I ESTRUTURA DO TRABALHO A estrutura do trabalho irá depender do tipo de atividade

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO DO V CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ITAJUBÁ - FEPI Período de submissão de resumos expandidos: 06/06/2014 a 22/08/2014 (até às 21

Leia mais

O Atendimento ao Trauma em Grandes Catástrofes Novas Perspectivas. New Perspectives for Mass Event Trauma Care

O Atendimento ao Trauma em Grandes Catástrofes Novas Perspectivas. New Perspectives for Mass Event Trauma Care O Atendimento ao Trauma em Grandes Catástrofes Novas Perspectivas. New Perspectives for Mass Event Trauma Care Academia Nacional de Medicina - 11 de março de 2010 O Atendimento ao Trauma em Grandes Catástrofes

Leia mais

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental

Ajuda ao SciEn-Produção 1. 1. O Artigo Científico da Pesquisa Experimental Ajuda ao SciEn-Produção 1 Este texto de ajuda contém três partes: a parte 1 indica em linhas gerais o que deve ser esclarecido em cada uma das seções da estrutura de um artigo cientifico relatando uma

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas

Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas Ministério da Educação Universidade Federal do Amapá Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Programa de Pós-graduação em Ciências Farmacêuticas MANUAL PARA ELABORAÇÃO DO TRABALHO DE DISSERTAÇÃO (FORMATO

Leia mais

Revista eletrônica DelRey On Line da Faculdade Del Rey

Revista eletrônica DelRey On Line da Faculdade Del Rey Revista eletrônica DelRey On Line da Faculdade Del Rey OBJETIVOS A Revista Eletrônica DelRey On Line - ISSN xxx, direciona-se à divulgação, publicação e informação dos trabalhos feitos pelos discentes,

Leia mais

Título do trabalho: subtítulo do trabalho

Título do trabalho: subtítulo do trabalho Título do trabalho: subtítulo do trabalho Resumo Este documento apresenta um modelo de formatação a ser utilizado em artigos e tem como objetivo esclarecer aos autores o formato a ser utilizado. Este documento

Leia mais

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS

TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS TAMANHO DAS FOLHAS - DEMONSTRATIVOS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS IFAM CAMPUS HUMAITÁ CURSO DE... NOME DO(A) DISCENTE TÍTULO DA PESQUISA HUMAITÁ AM ANO EM QUE O TRABALHO

Leia mais

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark

Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Parâmetros no Modelo de Avaliação de Desempenho do IST - Benchmark Lisboa, 10 de Junho de 2011 Índice 1. INTRODUÇÃO 3 2. PRODUÇÃO CIENTÍFICA 5 3. FACTORES DE IMPACTO 9 4. FINANCIAMENTO DE I&D 11 Nota Prévia:

Leia mais

Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo

Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo Apoiando interações a distância: Um estudo sobre interações e uso da midia ao longo do tempo Caroline Haythornthwaite Graduate School of Library and Information Science University of Illinois at Urbana-Champaign

Leia mais

CIENCIA VIVA. A Portuguese initiative for scientific and technological culture

CIENCIA VIVA. A Portuguese initiative for scientific and technological culture CIENCIA VIVA A Portuguese initiative for scientific and technological culture OUR MISSION CIENCIA VIVA IN SCHOOLS Science Education, practical work in partnership with research institutions NATIONAL SCIENTIFIC

Leia mais

NORMAS ARTIGOS COMPLETOS PARA DEFESA DO TRABALHO DE CURSO

NORMAS ARTIGOS COMPLETOS PARA DEFESA DO TRABALHO DE CURSO NORMAS ARTIGOS COMPLETOS PARA DEFESA DO TRABALHO DE CURSO 1 NORMAS GERAIS Pesquisas realizadas em humanos devem apresentar o número de protocolo do Comitê de Ética em Pesquisa no item "Material e Método"

Leia mais

O PROJETO PASSO A PASSO

O PROJETO PASSO A PASSO O PROJETO PASSO A PASSO 4ª ETAPA: Elaboração do Texto Ao concluir a Etapa 3, você já reúne todas as informações necessárias para elaborar seu projeto de pesquisa. O texto do projeto terá a mesma estrutura

Leia mais

Fundamentos de Teste de Software

Fundamentos de Teste de Software Núcleo de Excelência em Testes de Sistemas Fundamentos de Teste de Software Módulo 3 Planejamento e Aula 8 do Projeto Aula 08 do Projeto SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ACOMPANHAMENTO DO PROJETO... 3 1. do Progresso...

Leia mais

Normas para elaboração de trabalhos escolares

Normas para elaboração de trabalhos escolares Normas para elaboração de trabalhos escolares Ensino Fundamental 8 os e 9 os anos Ensino Médio fevereiro/2012 O que é um trabalho escolar? É uma atividade relacionada a um tema ou assunto sobre o conteúdo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA

PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA MANUAL DE PROCEDIMENTOS SIA MPR/SIA-006-R01 PROCEDIMENTOS PARA PRODUÇÃO DE NOTA TÉCNICA NO ÂMBITO DA SUPERINTENDÊNCIA DE INFRAESTRUTURA AEROPORTUÁRIA Ed. Parque Cidade Corporate, Torre A Setor Comercial

Leia mais

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1

CEPPG Coordenação de Extensão, Pesquisa e Pós Graduação 1 1 Nome do curso: Área: O Curso: Objetivos: Diferenciais: Público Alvo: Ementa Disciplinas/Módulos Vantagens em fazer o curso: Investimento 5% Para Pagamento à Vista 10% para ex-alunos da instituição e

Leia mais

A PESQUISA EM CÉLULAS-TRONCO NO BRASIL: análise da produção científica de 2005 a 2012 na Web of Science

A PESQUISA EM CÉLULAS-TRONCO NO BRASIL: análise da produção científica de 2005 a 2012 na Web of Science A PESQUISA EM CÉLULAS-TRONCO NO BRASIL: análise da produção científica de 2005 a 2012 na Web of Science Dirce Maria Santin (UFRGS) dirsantin@yahoo.com.br Zizil Arledi Glienke Nunez (UFRGS) zizil.arledi@gmail.com

Leia mais

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores

A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores A tangibilidade de um serviço de manutenção de elevadores Tese de Mestrado em Gestão Integrada de Qualidade, Ambiente e Segurança Carlos Fernando Lopes Gomes INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS Fevereiro

Leia mais

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação

Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Modelagem e Simulação Material 02 Projeto de Simulação Prof. Simão Sirineo Toscani Projeto de Simulação Revisão de conceitos básicos Processo de simulação Etapas de projeto Cuidados nos projetos de simulação

Leia mais

Síntese Curricular dos Oradores

Síntese Curricular dos Oradores Síntese Curricular dos Oradores Frank R. Lichtenberg is Courtney C. Brown Professor of Business at the Columbia University Graduate School of Business, and a Research Associate of the National Bureau

Leia mais

FLUXOGRAMA DA PESQUISA

FLUXOGRAMA DA PESQUISA FLUXOGRAMA DA PESQUISA Desde a preparação até a apresentação de um relatório de pesquisa estão envolvidas diferentes etapas. Algumas delas são concomitantes; outras são interpostas. O fluxo que ora se

Leia mais

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS:

NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT TRABALHOS ACADÊMICOS: MANUAL PARA TCC www.etecmonteaprazivel.com.br Estrada do Bacuri s/n Caixa Postal 145 Monte Aprazível SP CEP 15150-000 Tel.: (17) 3275.1522 Fax: (17) 3275.1841 NORMALIZAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS ABNT

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá:

O que você deverá saber. Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: Tópico 3 Relatórios Técnico-científicos n. O que você deverá saber Ao final do estudo do Tópico 3 você deverá: - saber identificar os elementos que compõem a estrutura de um relatório técnico-científico;

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA INSTRUÇÕES AOS AUTORES

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA INSTRUÇÕES AOS AUTORES NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RESUMO EXPANDIDO PARA O V SEMINÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CNPq/IEPA OBJETIVOS INSTRUÇÕES AOS AUTORES O V Seminário de Iniciação Científica do CNPq/IEPA, que está sendo organizada

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL

INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL INSTITUTO FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CAMPUS CENTRAL NATAL DIRETORIA DE ENSINO E TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO CIVIL NORMAS PARA ELABORAÇÃO DE UM RELATÓRIO TÉCNICO Eurípedes de Medeiros Junior 1 Mara Matos

Leia mais