CURSO DE DIREITO O USO DO TESTE DE DNA NA MEDICINA LEGAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO DE DIREITO O USO DO TESTE DE DNA NA MEDICINA LEGAL"

Transcrição

1 CURSO DE DIREITO O USO DO TESTE DE DNA NA MEDICINA LEGAL UMA NOVA PERSPECTIVA PARA IDENTIFICAÇÃO FORENSE CESAR AUGUSTUS GUTTILLA R. A. : / H (11) SÃO PAULO 2004 CESAR AUGUSTUS GUTTILLA

2 O USO DO TESTE DE DNA NA MEDICINA LEGAL UMA NOVA PERSPECTIVA PARA IDENTIFICAÇÃO FORENSE Monografia apresentada ao Curso de Direito da UniFMU como requisito parcial para a obtenção do grau de bacharel em Direito, sob a orientação da ilustre professora Dra Regina Célia Martinez. SÃO PAULO 2004

3 BANCA EXAMINADORA Professora Orientadora: Professor Argüidor: Professor Argüidor:

4 Agradeço a todos aqueles que contribuíram para a elaboração deste trabalho, em especial a Professora Dra. Regina Célia Martinez, ao Prof. Dr. Antônio José Eça e a Profa Dra. Lílian Eça.

5 INTRODUÇÃO Conforme relata Franca (1998), os estudos preliminares da genética molecular no campo da investigação da identidade tiveram início em 1953, quando os cientistas James Watson e Francis Crick descobriram a estrutura em dupla hélice do DNA (ácido desoxirribonucléico), componente responsável pelo patrimônio genético dos seres. Porém, somente em 1980 começaram a surgir técnicas capazes de caracterizar no DNA as particularidades de cada pessoa. Em 1985, Alec Jeffreys criou sondas moleculares radioativas com a propriedade de reconhecer regiões altamente sensíveis do DNA, e assim, levantar os padrões específicos de cada indivíduo, que chamou de impressão digital genética dos seres vivos. De acordo com Franca (1998), as aplicações médico-legais da impressão digital genética do DNA (DNA Fingerprinting) podem contribuir para a investigação da paternidade e da maternidade, mesmo após a morte dos envolvidos, desde que essa impressão venha a ser reconstituída através de amostras de sangue dos parentes próximos, as quais possibilitam uma vinculação genética com a mesma precisão da obtida se os pais fossem vivos. Pode-se, também, determinar se existe relação de parentesco entre duas pessoas. Dentro de uma criteriosa análise, considerando-se a avaliação do risco-benefício, pode-se utilizar técnicas de vinculação genética da

6 paternidade intra-útero, por meio do estudo de tecidos fetais obtidos pela aminiocentese e pela amostra de vilo corial. Nesta última, a mais usada, utiliza-se o componente fetal da placenta, a partir da nona semana de gestação. Esse método só deve ser usado em situações muito especiais da determinação de paternidade de interesse judicial, pois, do contrário deve ser feito com todas as vantagens, após o nascimento da criança (FRANCA, 1998). Outra maneira de utilização da impressão genética do DNA é na identificação de suspeitos numa investigação criminal, através de amostras de material biológico encontrados em locais examinados, contribuindo assim, para apontar autores ou excluir falsas imputações (FRANCA, 1998). Franca (1998) observa que esse método também pode ser usado com certa utilidade nos casos de identificação de vítimas onde os outros métodos mostram-se ineficazes, como nas grandes mutilações ou nos carbonizados parcial ou quase totalmente, ou ainda, nas exumações adotando-se o uso de microssatélites pela técnica de PCR (Polymerase Chain Reaction), que permite o estudo do DNA degradado a partir de pequenas quantidades de material obtido dos dentes, dos ossos, do bulbo dos cabelos e de outros tecidos remanescentes. Trent (1995) afirma que a vantagem importante do DNA está em sua intrínseca variabilidade, de modo que a exclusão não é o objetivo principal. Assim, tornou-se possível ter um perfil único de DNA para cada pessoa, similar às impressões digitais.

7 Trent (1995) relata que em curto tempo, a tecnologia do DNA teve grande impacto no sistema judicial, considerando-se o ritmo lento com o qual o sistema geralmente caminha. Entretanto, o uso rápido da tecnologia do DNA produziu problemas significativos. Eles refletem diferenças na interpretação dos dados polimórficos do DNA, particularmente com relação a grupos étnicos minoritários, os tipos de protocolos laboratoriais e o padrão de garantia de qualidade praticados em alguns laboratórios. Tais problemas têm sido lentamente resolvidos. A legislação de muitas comunidades requer o mais alto nível de prática para os laboratórios envolvidos na tecnologia forense do DNA. O tema em questão é novo e, portanto, ainda não se conhecem suas implicações e conseqüências. A prova no Direito é sujeita a vícios e erros de todas as formas e espécies. Com o surgimento do teste de DNA tornou-se possível a identificação precisa dos sujeitos do crime. Não só a prova de paternidade foi beneficiada, mas, também, todas as provas relacionadas à participação do homem. Sem dúvida, o Direito na sua forma mais ampla será beneficiado por esse tipo de pesquisa, em especial a Medicina Legal, no seu importante papel de ajudar a desvendar os fatos e as verdades. Atualmente, muito comentado devido a sua precisão e utilização no esclarecimento da paternidade, o uso do DNA inicia uma revolução em matéria de possibilidade de esclarecimento e busca da verdade. Assim, nesse trabalho foram levantadas as seguintes questões: Será que o estudo do DNA trará todo o benefício esperado?

8 Poderá a Medicina Legal garantir todas as suas afirmativas com prova material incontestável? Alguns pesquisadores falam em 99,99% de certeza; outros afirmam que no caso de seu uso quando os envolvidos são gêmeos univitelinos não haveria a eficiência desejada. Em minha experiência como médico veterinário tenho visto que a genética e os estudos relacionados à reprodução têm trazido grande avanço nesse setor de conhecimento, inclusive na própria perícia forense veterinária já se emprega a tecnologia genética por exemplo, quando animais reprodutores de alto valor econômico são assegurados por apólices e também para confirmação da autenticidade de seus produtos. Com os mapeamentos genéticos sendo feitos, abrem-se a cada dia, mais possibilidades para expansão de seu uso. Por esse motivo, pretendo analisar qual a exata contribuição dessa técnica para a solução dos infindáveis casos sem solução. Com base no meu interesse e conhecimento apoiado na literatura específica sobre o assunto, procurei caracterizar como o uso do mapeamento do DNA pode ser fundamental para a perícia. Espera-se que esse trabalho contribua para apontar uma nova solução para esse problema. Assim, o presente trabalho teve como objetivos: fornecer informações sobre o DNA, sua importância e seu mecanismo; demonstrar os aspectos médicos legais da perícia do DNA; fornecer uma visão ampla sobre a possibilidade de identificação de autores de crimes através da engenharia molecular; enfatizar a questão da privacidade do teste de DNA no que se refere à possibilidade de se tornar abusivo na ausência de

9 proteção legal; identificar casos de condenações injustas e de impunidade gerada por falta de provas. Trata-se de um estudo dedutivo baseado em pesquisa bibliográfica exploratória, sendo estudada como fonte o trabalho realizado pela engenharia genética e pela biologia. Para o levantamento do material bibliográfico, foram realizadas visitas a bibliotecas como: Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo, Centro Universitário UniFMU, Biblioteca Central UNIFESP e BIBLAC, além de portais da Internet. A escolha do tema surgiu do interesse científico e pessoal sobre a possibilidade do uso do DNA nas mais diversas técnicas de identificação usadas em Direito. O problema é que, ainda não se tem acesso total a essa tecnologia, nem equipamentos disponíveis para alcançá-la. Assim sendo, há uma limitação tecnológica e política, e o incentivo e a condução desse processo de modernização depende do Estado. Pensar que hoje milhares de casos não são definitivamente solucionados por falta de provas, tem-se como questão primordial o implemento do uso de novas técnicas. A relação com o contexto jurídico é plena. É uma grande oportunidade para que através da Medicina e do Direito se faça justiça. A contribuição de conhecimento sobre esse tema será de suma importância para que o operador do direito nas mais diversas áreas possa ter mais um valioso instrumento para uma boa

10 prática profissional. No mais, será um estímulo aos legisladores que terão que regulamentar e autorizar essa nova prática. Os motivos que justificam esse trabalho são as perguntas ainda sem respostas. Dessa forma, o objeto de estudo é o Teste de DNA e seu uso na Medicina Legal para a identificação de pessoas suspeitas. Colocando a perícia médica a serviço da Justiça, os peritos comprometem-se a realizar um trabalho específico para trazer elucidações ao Julgador. É um trabalho de colaboração. Esse trabalho apóia-se, também, na Constituição Federal e no Código Penal, Código de Processo Penal, Código Civil e na Jurisprudência.

11 1- NOÇÕES GERAIS SOBRE DNA 1.1 Conceituação de DNA Nos termos do art. 3º, II, da Lei nº 8.974, de 5 de janeiro de 1995, ácido desoxirribonucléico (DNA) é material genético que contém informações determinantes dos caracteres hereditários transmissíveis à descendência. Essa lei regulamenta os incisos II e V do 1º do artigo 225 da Constituição Federal de 1998, estabelece normas para o uso das técnicas de engenharia genética e liberação no meio ambiente de organismos geneticamente modificadas, autoriza o Poder Executivo a criar, no âmbito da Previdência da República, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança e dá outras providências. 1 O ácido desoxirribonucléico (DNA) é o cerne do material genético do indivíduo, sendo encontrado no núcleo das células do organismo estruturando os cromossomos. O homem possui 46 pares de cromossomos, dos quais a metade é de origem materna e a outra paterna. Os genes, portanto, compõem os cromossomos, sendo responsáveis pelos caracteres genéticos das pessoas. 2 1 ALMEIDA, Maria Christina de. Investigação de paternidade e DNA: aspectos polêmicos. Porto Alegre: Livraria do Advogado, p SÉRGIO SOBRINHO, Mário. A identificação criminal. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 36.

12 O DNA é uma macromolécula encontrada em células nucleadas, sendo possível estudá-la mediante a análise das amostras de substâncias orgânicas que contenham material genético. No homem, esse material pode ser extraído de várias substâncias. Na amostra de sangue, são examinados os glóbulos brancos (leucócitos), pois os glóbulos vermelhos (eritrócitos) são células anucleadas. 3 O estudo do ácido desoxirribonucléico foi desenvolvido no âmbito da Genética com o objetivo de identificar indivíduos que apresentassem determinado traço repetido em seus descendentes, permitindo várias aplicações, tais como detectar doenças hereditárias, verificar parentesco, constatar a evolução da espécie humana, determinar compatibilidade para transplante etc. A identificação genética pressupõe que cada indivíduo apresente seu DNA exclusivo, cujo mapeamento cromossômico é igual em todas as células do organismo, permanecendo invariável ao longo do tempo. 4 Segundo Farah (1997) 5 a análise do DNA permite a obtenção de respostas a duas questões fundamentais para a solução de crimes ou casos de disputa de paternidade: a quem pertenceu uma amostra de material biológico como, por exemplo, sangue, saliva 3 SÉRGIO SOBRINHO, op. cit., p Ibid, p FARAH, Solange Bento. DNA: segredos & mistérios. São Paulo: Sarvier, p. 173.

13 ou esperma, encontrado na cena do crime ou na vítima?; existe alguma relação de parentesco entre dois indivíduos ou não? Assim que houve o reconhecimento da importância dos genes na determinação das características individuais, conceitos e métodos genéticos passaram a ser utilizados na solução de questões relacionadas com a identificação humana. Com a introdução dos métodos de análise de DNA pode-se resolver, praticamente, qualquer caso de identidade. 6 O DNA está ligado à idéia de individualidade, no sentido de que os sinais e características variáveis de pessoa para pessoa (sexo, altura, cor, textura dos cabelos, cor dos olhos, cor da pele, voz, ouvidos, olfato, maneira de andar) são únicos em cada uma e determinados pelos seus genes, os quais estão contidos em seu genoma ou genótipo, que é todo o material genético presente nas células da pessoa. 7 A análise do DNA para a identificação dos indivíduos baseia-se no fato de que cada ser humano tem uma aparência física e características fenotípicas próprias porque possui uma composição genética única; com exceção dos gêmeos idênticos, não existem dois indivíduos com exatamente o mesmo genótipo. O DNA de um indivíduo é exatamente igual em qualquer célula do seu corpo, quer tenha sido extraído da raiz do cabelo, do sangue ou do 6 Ibid, loc cit.. 7 ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit,, 173.

14 esperma. Esses princípios permitem identificar um perfil molecular para cada indivíduo a partir de uma amostra de qualquer tecido, isto é, o DNA é suficiente para distinguir uma pessoa da outra. 8 A análise do DNA para se determinar o perfil molecular, além de extremamente precisa, pode ser realizada com quantidades mínimas de material obtido. Outra vantagem é que, mesmo no caso de as amostras serem velhas ou de diferentes origens e misturadas, existe boa chance de se chegar a um resultado conclusivo. Por essas e outras propriedades a análise do DNA tem revolucionado os métodos de identificação humana aplicados à medicina forense e legal. 9 Farah (1997) 10 relata que existem dois tipos de variações no DNA de indivíduos normais: o que afeta um simples par de bases e o que envolve seqüências repetidas. Como as enzimas de restrição reconhecem seqüências específicas de bases no DNA, a alteração de um par de bases na seqüência do reconhecimento pode criar ou abolir um sítio de restrição em um determinado lócus do genoma, que gera um polimorfismo. Dessa forma, se o DNA humano for digerido com a enzima de restrição adequada, o locus polimórfico pode ser observado pela alteração no tamanho do fragmento de DNA, detectado pela hibridização com uma sonda específica após o método de Southern. Esse tipo de 8 FARAH, DNA: segredos & mistérios, op. cit., p Ibid, loc. cit. 10 FARAH. DNA: segredos & mistérios, op. cit., p. 174.

15 polimorfismo ficou conhecido como RFLF polimorfismo no comprimento do fragmento de restrição. Apresenta dois alelos possíveis, dependendo se aquele determinado sítio de restrição está ausente ou presente. Portanto, cada indivíduo pode ser homo ou heterozigoto para um polimorfismo do tipo RFLP conforme os alelos que possui. Todos esses aspectos compõem um complexo de mecanismos estudados pela Engenharia Genética que vem transformando a ciência da medicina. Conforme Trent (1995) 11, o DNA que contém 3,3 x 10 9 pares de bases do genoma haplóide humano, tem várias funções. Cerca de 70% codificam genes ou estão envolvidos em várias atividades relacionadas aos genes, como a regulação da expressão. O DNA fornece os sinais para sua própria replicação e os necessários para a replicação dos cromossomos, divisão e segregação. Os restantes 30% do genoma eucarionte são compostos de seqüências repetidas de DNA que parecem não ter função, sendo essa área denominada DNA lixo. O DNA repetitivo pode ser dividido em duas classes principais. As seqüências repetidas em tandem (DNA satélites), e as repetições intercaladas. O termo satélite foi usado para descrever as seqüências repetidas de DNA que compreendem repetições curtas 11 TRENT, R. J. Introdução à medicina molecular. Rio de Janeiro: Guanbara Koogan, p. 136.

16 em tandem que incorporam motivos específicos. Elas compreendem um terço das repetições de DNA (10% do genoma total) e são exemplificadas pelos microssatélites, minissatélites e macrossatélites Microssatélites Os microssatélites compreendem pequenos polimorfos de DNA, geralmente com menos de 1kb(quilobase) de tamanho. As mais bem descritas são as repetições de dinucleotídeos (AC) n onde n (o número de repetições presentes) varia de 10 a 60. Devido à disposição em tandem das unidades repetidas, esses polimorfismos são exemplos do tipo chamado de número variável de repetições em tandem (VNTr) - Variable Numbers of Tandem Repeats. Individualmente, os microssatélites são considerados como sendo VTNRs de um lócus, porque cada uma pode identificar um segmento de genoma. Avalia-se que o genoma humano contenha aproximadamente repetições (AC) n. Assim, o valor desses polimorfismos está em sua ampla distribuição pelo DNA, o que os torna ideais para o mapeamento do genoma. Como polimorfismo de DNA, elas são altamente informativas nos estudos familiais para identificar alelos selvagens versus mutantes, ou em teste de paternidade. Os 12 TRENT, Introdução à medicina molecular, op. cit., p. 137.

17 microssatélites, devido a sua potencial hipervariabilidade, são mais informativos do que o sistema bialélico de RFLP. 13 Uma consideração técnica com as repetições (AC) n é a necessidade de se usar a reação em cadeia do polimerase, pois as diferenças de tamanho entre os alelos são pequenas, e é essencial usar oligonucleotídeos para marcar uma região específica no genoma, de modo que apenas em locus de microssatélite seja testado. Isto significa que um procedimento automatizado e mais rápido está disponível para detectar microssatélites. No entanto, precisa ser balanceado com o problema da amplificação do DNA na situação forense. Os microssatélites que compreendem um cerne de três a quatro pares de bases permitem interpretação mais fácil dos padrões de gel que contém produtos de amplificação, pois a diferença entre os alelos é maior, de duas bases para quatro. A amplificação pela reação em cadeia da polimerase é também mais confiável em comparação à encontrada com as repetições de dois nucleotídeos (AC) n Minissatélites Segundo Trent (1995) 15 as repetições minissatélites são de maior valor para os laboratórios forenses. A seqüência cerne comum que será repetida é maior do que a encontrada com os microssatélites. 13 TRENT, Introdução à medicina molecular, op. cit., p Ibid, loc. cit. 15 Ibid, lo. cit.

18 Isto produz fragmentos de restrição que estão na faixa dos quilobases, em comparação aos alelos microssatélites que se estendem de 20 a 120 bases nucleotídicas em tamanho. Assim, os microssatélites dão uma faixa maior para seus fragmentos polimórficos de DNA. Devido a isto, é possível usar ou a transferência de Southern do DNA, ou a reação em cadeia da polimerase para identificar os minissatélites. Os minissatélites são multilocus (repetidos no genoma em muitos loci) ou de um locus, onde a posição do minissatélite no genoma pode ser localizada em um lugar. A chance de encontrar diferenças entre dois alelos usando multissatélites é muito alta (até 99% em alguns casos), e também é possível usar os padrões polimórficos complexos que surgem dos vários loci para construir um perfil único de DNA ou fingerprinting para uma pessoa. 16 Os minissatélites de VTNRs de um só locus no genoma são aplicados em vários laboratórios comerciais e do governo envolvidos em testes de DNA para fins legais. Cada um desses VTNRs é altamente informativo, produzindo dois alelos, mas com ampla faixa de tamanhos de bandas por alelo. Assim, a chance de encontrar padrões diferentes entre pessoas é consideravelmente maior do que com a possível com um RFLP, pois a variabilidade com esse último, seria limitada a uma entre três opções (grande/grande, pequena/pequena, grande/pequena). Uma 16 TRENT, Introdução à medicina molecular, op. cit., p. 138.

19 combinação de 4 a 6 marcadores de VNTR de um só locus dá um perfil geral do DNA que é muito polimórfico e, portanto, é considerado como único de uma pessoa 17. Um terceiro tipo de DNA satélite hipervariável citado por Trent (1995) 18 refere-se aos macrossatélites. Estes podem ser muito grandes e, portanto, a eletroforese em gel de campo pulsado pode ser necessária para a sua identificação e caracterização. Os polimorfismos de DNA associados aos macrossatélites não são usados para as práticas forenses, pois o DNA está, até certo ponto, degradado. Portanto, o DNA de alto peso molecular, essencial para a eletroforese em gel de campo pulsado, não estaria disponível nessas circunstâncias. Em comparação com as repetições de DNA satélite, as repetições intercaladas ocorrem mais freqüentemente. Geralmente, não são encontradas dispostas em tanden, e não estão necessariamente situadas como repetições múltiplas, desempenhando pouco papel nas comparações entre amostras individuais de DNA. Dois elementos repetitivos nessa classe são as repetições Alu e as repetições Kpn. As repetições Alu têm aplicação forense, pois são específicas dos seres humanos e são úteis em determinar a origem da amostra como sendo humana ou não Ibid, loc. cit. 18 Ibid, p TRENT, Introdução à medicina molecular, op. cit. p. 139.

20 Existem inúmeras aplicações para a técnica de identificação pela análise de DNA. Porque o DNA pode ser recuperado de tecido mole ou de ossos e dentes de corpos mumificados, informações genéticas sobre variações no DNA têm sido obtidas de múmias ou fósseis tão antigos quanto anos no caso de humanos, e anos em mamutes. Essa pesquisa gera informações fundamentais sobre a organização social, migração e estimativa sobre o número de indivíduos em populações humanas passadas e animais extintos, com óbvias contribuições à arqueologia, antropologia e evolução. 20 Apesar de terem sido feitas algumas objeções a essa metodologia, particularmente quando empregada em questões forense, a tipagem do DNA já se mostrou uma poderosa fonte de evidências, capaz de condenar um suposto inocente ou inocentar um possível culpado FARAH, DNA: segredos e mistérios, op. cit. p FARAH, DNA: segredos & mistérios, op. cit, p. 183.

21 2 - MEDICINA LEGAL 2.1 DNA e paternidade Segundo Parada (2002) 22 a necessidade de se estabelecer relações de paternidade, freqüentemente surge em contextos legais, sociais ou médicos. Como a concepção ocorre no interior do corpo da mulher e não admite testemunhas, a única maneira de resolver efetivamente o problema, é através de testes genéticos. Em especial, os testes em DNA nos permitem resolver disputas de paternidade. Cada indivíduo tem o direito de conhecer sua própria biogênese. Investigar a sua origem biológica é um interesse de cada pessoa. Na atualidade, o teste de paternidade, vem sendo muito utilizado para subsidiar a Justiça da Família. Certamente o tema mais freqüente e palpitante nos últimos fóruns de debates médico-jurídicos tem sido o exame de DNA nos casos de investigação de paternidade. E com muito mais ênfase, quando na questão abordada discute-se a obrigatoriedade ou não do investigando em submeter-se ao exame hematológico para a comprovação da paternidade discutida. 23 Não existe no ordenamento jurídico brasileiro qualquer norma que obrigue o réu em uma ação de investigação de paternidade ou maternidade, a submeter-se ao exame pericial solicitado. Todavia, há 22 PARADA, C. A. S. O DNA e a lei. Monografia. São Paulo, p Ibid, loc. cit.

22 entendimentos outros de que, a recusa do investigado em submeter-se ao exame, resulte na presunção da veracidade dos fatos que se alegam. 24 De acordo com Almeida (2001) 25 a investigação laboratorial do teste em DNA para fins de descoberta da paternidade biológica, deve conter em si uma série de medidas para garantir a confiabilidade do exame. As evidências conferidas pelo teste em DNA podem servir para excluir um homem de ser o pai biológico de determinado indivíduo, ou, se esse homem não for excluído, servir como base para calcular a probabilidade de que ele realmente seja o pai biológico. A determinação da paternidade pelo teste em DNA pode variar de 99,99% a 99,9999%, ou seja, quando um possível pai não é excluído, a evidência pode ser fortíssima de que ele realmente seja o pai da criança. O exame pericial em DNA, geralmente é realizado com trio mãe, filho e suposto pai. Todavia, essa técnica pericial não é tão versátil a ponto de se poder realizá-la mesmo quando um dos membroschave a ser analisado (mãe ou suposto pai) não esteja disponível, por falecimento ou outro motivo. Esses são os denominados casos deficientes, cuja probabilidade de paternidade poderá atingir 99,99% de segurança no resultado. Pode-se realizar exame em DNA com a presença do filho e do possível pai e, no caso de este ser falecido, a perícia pode ser feita utilizando-se O DNA de ambos os 24 PARADA, O DNA e a lei, op. cit. p ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit., p. 67.

23 possíveis avós paternos ou, na falta destes, os filhos, viúva e irmãos do investigado. 26 Ainda é possível realizar o exame pericial em DNA através da exumação de cadáver, nos casos em que o investigado falecido não deixou descendentes ou ascendentes para análise comparativa com o investigante e sua mãe, bem como, o teste pode ser feito antes do nascimento da criança, através da análise comparativa com o investigante e sua mãe, bem como, o teste pode ser feito antes do nascimento da criança, através de análise do líquido amniótico ou das vilosidades coriônicas da placenta, ao redor do início do quarto mês de gestação. 27 Almeida (2001) 28 afirma que toda pessoa humana recebe parte de seu DNA de sua mãe biológica pelo óvulo e outra parte de seu pai biológico pelo espermatozóide. À exceção dos gêmeos univitelinos, não existem dois indivíduos com seqüências de DNA iguais. Assim, comparando-se os padrões de DNA da mãe, do suposto pai e do filho, é possível determinar a correlação genética dessas pessoas. No que se refere à técnica desse exame pericial, Almeida (2001) 29 relata que extraído o DNA das pessoas envolvidas, o da mãe e o do filho são analisados primeiro. Como o filho herda apenas parte do material genético de sua mãe, a comparação deve mostrar uma igualdade entre a mãe e a criança para apenas um dos segmentos. Sabendo-se qual parte do DNA da criança veio da mãe, indica automaticamente que pedaço de 26 Ibid, loc. cit. 27 ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit,, p Ibid, p Ibid, loc. cit.

24 DNA ela deve se obrigatoriamente recebido do pai biológico. Este, por sua vez, tem seu DNA comparado com a peça paterna obrigatória do filho e, havendo a paridade em diversos segmentos do material genético, resultará na conclusão positiva da paternidade. Nesse caso é necessário ter uma estimativa quantitativa da evidência em favor da paternidade apontada pelo resultado da análise dos marcadores genéticos que é o Índice de Paternidade que pode se convertido em resultado de probabilidade de paternidade a qual pode alcançar resultados precisos entre 99,99% a 99, 999%. 30 Conforme Trent (1995) 31 a tipagem de proteínas para HLA (antígenos leucócitos humanos) e outros polimorfismos, constitui um enfoque valioso para os teste de paternidade. Nessa situação, o sangue fresco pode ser obtido de vários locais, e as análises são feitas sob condições laboratoriais ótimas. A natureza polimórfica do HLA, torna-o muito útil para os estudos da paternidade. As combinações de seis alelos (A1.1, A1.2, A1.3, A2, A3 e A4) produzem 21 genótipos. Apesar de uma variabilidade em um sistema ser inadequada para uma identificação positiva de um tecido, ele fornece um marcador rápido e relativamente simples que é útil como evidência de que uma amostra de tecido não pertence a um suspeito, ou mais freqüentemente para exclusão de uma pessoa em um caso de disputa de paternidade. Uma combinação dos tipos de HLA e polimorfismos de DNA avançaria um pouco mais para permitir que se faça uma estimativa de se a pessoa em questão é de fato o pai biológico. Isto se basearia nos marcadores obtidos, sua freqüência 30 ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit., p. 68.

25 na população, e a probabilidade de que a combinação detectada pudesse ocorrer apenas pelo acaso. O autor afirma que os microssatélites multilocus são ainda melhores do que os marcadores de HLA quanto a isto, pois eles produzem um número maior de alelos variáveis que podem permitir tanto a exclusão quanto uma identificação mais definitiva do pai biológico. O material para análise pode ser preparado em condições ótimas e, portanto, o potencial de efeitos complicadores da degradação ou contaminação nos padrões de DNA, que é uma combinação vital na cena do crime, seria menos relevante. A determinação de paternidade no caso de incesto é difícil de ser resolvida caso sejam usados métodos convencionais de proteínas, pois o suspeito e a vítima compartilham vários tipos comuns. Nessas circunstâncias, os marcadores de DNA mais altamente polimórficos tornam-se extremamente valiosos. Conforme Almeida (2001) 32, o avanço científico permite concluir que os testes de paternidade em DNA mostram se o suposto pai possui ou não a peça paterna obrigatória em um mínimo de dois pontos situados em cromossomos diferentes, o que resultará em inclusão ou exclusão da paternidade. Tomadas as devidas precauções no controle de qualidade do teste, o exame de DNA é cientificamente seguro na descoberta da paternidade. Um resultado de exclusão significa 100% de certeza que o suposto pai não é o pai biológico. Um resultado de inclusão vem acompanhado da 31 TRENT, Introdução à medicina molecular, op. cit., p ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit., p. 69.

26 probabilidade de que o suposto pai seja o pai biológico, resolvendo a disputa judicial DNA fingerprinting O advento da tipagem de DNA (DNA fingerprinting ou Impressões digitais do DNA) causou uma revolução inequívoca na descoberta do pai biológico, podendo ser considerado como o mais poderoso elemento esclarecedor da verdade a serviço dos juízes e profissionais ligados à área do Direito de Família. Com ele é possível esclarecer com alto grau de precisão a identidade de indivíduos, como também sua genealogia. 34 A biologia molecular a serviço da Lei tem demonstrado muita precisão e otimismo. O geneticista inglês Alec Jeffreys em 1985 desenvolveu em seu laboratório sondas moleculares radioativas capazes de reconhecer as variações moleculares do DNA e determinar a individualidade genética da pessoa. Essa descoberta deu-se, inicialmente, com a observação de que certos tipos do DNA exibiam polimorfismo, ou seja, ocorriam no genoma em mais de uma forma. Quando vários indivíduos sem parentesco tiveram suas seqüências repetidas analisadas, Jeffreys observou que não ocorria uma repetição na tipagem de seu DNA, sendo que cada indivíduo exibiu um padrão único Ibid, loc. cit. 34 ALMEIDA, Investigação de paternidade e DNA, op. cit., p FRANCA, Genival Veloso de. Medicina legal. 6. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, p. 61.

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade

DIFERENCIAIS: TIPOS DE EXAMES. Investigação de paternidade e/ou maternidade HOME O laboratório Sabin, desde 2002, emprega a biologia molecular no estudo do DNA. Essa tecnologia é conhecida pela alta qualidade nos procedimentos adotados que asseguram os resultados dos exames oferecidos.

Leia mais

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA?

Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? Dúvidas Frequentes 1) O que é o teste de paternidade por DNA? A análise em DNA é o meio mais preciso disponível atualmente para a determinação de paternidades ou maternidades duvidosas. É a extrema sensibilidade

Leia mais

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA

LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA LUIZ FERNANDO JOBIM LUÍS RENATO DA SILVEIRA COSTA MOACYR DA SILVA IDENTIFICAÇÃO HUMANA Identificação pelo DNA - Identificação Médico-Legal - Perícias Odontológicas VOLUME II Editora Millennium CAMPINAS/SP

Leia mais

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso?

Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? Aluno: nº Atividade prática Quem é o pai? Quem é o criminoso? OBJETIVOS Compreender a importância prática da Engenharia Genética na identificação das pessoas. Conhecer os princípios básicos da manipulação

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO. PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6. COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO PROJETO DE LEI Nº. 3.078, DE 2000 (Apenso o Projeto de Lei nº. 6.079/2002) Dispõe sobre a coleta de amostras de materiais orgânicos para identificação

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA

IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA IDENTIFICAÇÃO CRIMINAL PELO DNA Antônio Alberto Machado, professor livre docente da Unesp/Franca-SP As técnicas de investigação e de prova criminal experimentaram uma verdadeira revolução com o desenvolvimento

Leia mais

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano

DNA A molécula da vida. Prof. Biel Série: 9º ano DNA A molécula da vida Prof. Biel Série: 9º ano DNA FINGER-PRINTING A expressão DNA "Finger-Print" (ou Impressões Genéticas) designa uma técnica de separação de segmentos de DNA que permite a identificação

Leia mais

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE

GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE GENÉTICA FORENSE E PATERNIDADE Alessandra Dias Laboratório de Biologia Molecular O primeiro teste de DNA para investigação de paternidade era feito através do sistema de HLA, entretanto o resultado era

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES

HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES C a r t i l h a E d u c a t i v a HISTÓRIA EM QUADRINHOS FUNDAMENTOS LEGAIS DÚVIDAS FREQUENTES Apresentação Com base no perfil constitucional de 1988, o Ministério Público age também como defensor dos

Leia mais

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias.

09 Mutações não interferem no polimorfismo genético e não constituem modificações hereditárias. LISTA DE EXERCÍCIOS 01 Para a realização do exame de paternidade, a perícia, geralmente, é realizada no campo médico-legal por meio da pesquisa do DNA. Porém, pode ocorrer que, sendo esta impossível por

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES PROJETO DE LEI Estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da Internet no Brasil. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o Esta Lei estabelece princípios,

Leia mais

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL

PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROCESSO PENAL Carlos Antonio da Silva 1 Sandro Marcos Godoy 2 RESUMO: O Direito Penal é considerado o ramo jurídico mais incisivo, uma vez que restringe um dos maiores bens do

Leia mais

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA

SEPARAÇÃO ELETROFORÉTICA DE DNA A eletroforese em gel de agarose consiste no método mais usado para separar, identificar, analisar, caracterizar e purificar fragmentos de DNA. Uma molécula de DNA, quando exposta a um campo elétrico,

Leia mais

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM

ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM ARTIGO: LEGITIMIDADE ATIVA PARA A AÇÃO NEGATÓRIA DE PATERNIDADE POST MORTEM Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Ação Negatória de Paternidade. Legitimidade Ativa. Artigos 1.601 e 1.604, do Código

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A investigação de paternidade por análise de DNA André Luís dos Santos Figueiredo Eduardo Ribeiro Paradela * Em termos de impacto social, é muito difícil estabelecer um paralelo

Leia mais

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva

PCR MARCADORES MOLECULARES. Prof. Dr. José Luis da C. Silva PCR MARCADORES MOLECULARES Prof. Dr. José Luis da C. Silva Histórico da PCR Kornberg (1960) Isolou e caracterizou a DNA polimerase. O isolamento desta enzima possibilitou o desenvolvimento da síntese in

Leia mais

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo

O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo SEM REVISÃO O contraditório e a ampla defesa no processo administrativo Ary César Hernandez (*) Promotor de Justiça SP SUMÁRIO: 1 Generalidades. 1.1 O poder disciplinar. 1.2 Requisitos da aplicação de

Leia mais

Base de Dados de Perfis Genéticos

Base de Dados de Perfis Genéticos Base de Dados de Perfis Genéticos Faculdade de Medicina, Universidade de Lisboa Instituto Nacional de Medicina Legal Cadeira: Medicina Legal e Ciências Forenses Janeiro de 2010 Introdução Definição Conjunto

Leia mais

DNA E PROVA PENAL. Rogério Mansur Guedes. Porto Alegre

DNA E PROVA PENAL. Rogério Mansur Guedes. Porto Alegre Rogério Mansur Guedes DNA E PROVA PENAL Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Criminais da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, como requisito parcial para

Leia mais

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013

Lista de Genética 2º EM Colégio São José - 2013 1. (Fuvest 92) Nos anos 40, o famoso cineasta Charlie ChapIin foi acusado de ser o pai de uma criança, fato que ele não admitia. Os exames de sangue revelaram que a mãe era do grupo A, a criança do grupo

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Monitoramento de e-mail corporativo

Monitoramento de e-mail corporativo Monitoramento de e-mail corporativo Mario Luiz Bernardinelli 1 (mariolb@gmail.com) 12 de Junho de 2009 Resumo A evolução tecnológica tem afetado as relações pessoais desde o advento da Internet. Existem

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000678242 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000678242 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2013.0000678242 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002161-10.2003.8.26.0444, da Comarca de Pilar do Sul, em que são apelantes COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS?

ALIMENTOS GRAVÍDICOS? ALIMENTOS GRAVÍDICOS? Elaborado em 07.2008. Maria Berenice Dias desembargadora do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, vicepresidente nacional do Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Leia mais

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO

SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO SUJEITOS PROCESSUAIS: JUIZ E MINISTÉRIO PÚBLICO Sujeitos processuais são as pessoas que atuam no processo, ou seja, autor, réu e juiz, existem outros sujeitos processuais, que podem ou não integrar o processo,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO DE ESTATÍSTICA RAZÃO DE PROBABILIDADE BAYESIANA COMO EVIDÊNCIA PARA TESTE DE VÍNCULO DE PATERNIDADE Curitiba 2012 I Dianna Lo Wai Yan Maurício Fernandes do Nascimento

Leia mais

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA

AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA AS GARANTIAS CONSTITUCIONAIS EM RELAÇÃO AO PRINCÍPIO DA INOCÊNCIA PRESUMIDA * Luis Fernando da Silva Arbêlaez Júnior ** Professora Vânia Maria Bemfica Guimarães Pinto Coelho Resumo A Constituição Federal

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015

RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 RESOLUÇÃO CFM nº 2.121/2015 Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida sempre em defesa do aperfeiçoamento das práticas e da observância aos princípios éticos e bioéticos

Leia mais

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015

Entendendo a herança genética. Capítulo 5 CSA 2015 Entendendo a herança genética Capítulo 5 CSA 2015 Como explicar as semelhanças entre gerações diferentes? Pai e filha Avó e neta Pai e filho Avó, mãe e filha Histórico Acreditava na produção, por todas

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012

CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE. Curitiba, 21 de novembro de 2012 CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA, SIGILO E REGISTRO ELETRÔNICO DO PACIENTE Curitiba, 21 de novembro de 2012 CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver conflito de interesses na apresentação desta palestra, sendo que

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO

EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL PARA ALUNOS DO ENSINO MÉDIO: MODELO DIDÁTICO PARA COMPREENSÃO DO TESTE DE VÍNCULO GENÉTICO CUNHA, Marielton dos Passos 1 ; OLIVEIRA, Bruno Francesco Rodrigues de 1 ; RESENDE, Isa Murielly

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

Data de publicação: 23/10/2015. Tribunal: TJMG. Relator: Alyrio Ramos. Chamada

Data de publicação: 23/10/2015. Tribunal: TJMG. Relator: Alyrio Ramos. Chamada #1 - Ação negatória de paternidade c/c anulatória de registro civil de nascimento. Adoção à brasileira. Ato jurídico perfeito. Prevalência da paternidade socioafetiva Data de publicação: 23/10/2015 Tribunal:

Leia mais

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP)

Prática de Direito de Família. Paternidade. Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) Paternidade Oswaldo Peregrina Rodrigues Promotor de Justiça em São Paulo Professor Universitário (PUC/SP) 10.4.2015 Poder Familiar -> Sujeitos: Pais (Pai e Mãe) E Filhos Menores! -> Objetivo: Exercício

Leia mais

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO

A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES. Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO A FAMÍLIA SILVA E SEUS GENES Os filhos são diferentes, mas todos são Silva. Saiba como! ALBINO PIGMENTADO PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO PARTE 1 Determinação dos genótipos dos pais 1.1. Observar a aparência

Leia mais

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar

Questões da Prova de Direito Civil MPU - Professor Lauro Escobar Acerca da responsabilidade civil, julgue os itens subsecutivos. 81 Caso o paciente morra em decorrência de ter recebido tratamento médico inadequado, a teoria da perda de uma chance poderá ser utilizada

Leia mais

Diversidade Genética das Populações Amazônicas

Diversidade Genética das Populações Amazônicas PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Diversidade Genética das Populações Amazônicas Sidney dos Santos Será apresentado

Leia mais

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE

SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE SUSPENSÃO CONDICIONAL DO PROCESSO: momento processual para a aceitação do benefício MARCIO FRANCISCO ESCUDEIRO LEITE PROMOTOR DE JUSTIÇA ASSESSOR DO CENTRO DE APOIO OPERACIONAL CRIMINAL DO MINISTÉRIO PUBLICO

Leia mais

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC

Relatório. A arte em movimento: a célula. Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Relatório A arte em movimento: a célula Estágio Instituto de Histologia e Embriologia, da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e IBMC Introdução No dia 6 Agosto, iniciamos o nosso estágio no

Leia mais

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes.

DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA. Palavras-chave: Depoimento. Dano. Crianças. Adolescentes. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEPOIMENTO SEM DANO: VANTAGENS A VÍTIMA E A JUSTIÇA Daiani

Leia mais

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO

BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA. Aplicação no Laboratório Clínico - PCR APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO BIOTECNOLOGIA FARMACÊUTICA APLICAÇÃO DA BIOTECNOLOGIA NO LABORATÓRIO CLÍNICO Conteúdos abordados -Relembrar alguns conceitos da Replicação do DNA in vivo Aplicação no Laboratório Clínico - PCR -Algumas

Leia mais

Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito ao Corpo.

Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito ao Corpo. Turma e Ano: Flex A (2014) Matéria / Aula: Civil (Parte Geral) / Aula 07 Professor: Rafael da Motta Mendonça Conteúdo: Direitos da Personalidade: Características: Irrenunciabilidade; Espécies: Direito

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

Rede de cientistas cria "guia" do DNA

Rede de cientistas cria guia do DNA Rede de cientistas cria "guia" do DNA Pacotão de estudos faz a análise mais completa do DNA Na maior série de descobertas sobre o DNA humano desde a realização do projeto genoma humano em 2003, 442 cientistas

Leia mais

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA

TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA TRANSMISSÃO DA VIDA ÉTICA E MANIPULAÇÃO GÊNICA OS FUNDAMENTOS DA HEREDITARIEDADE EXPERIMENTO Teste de paternidade 1. Resumo Essa aula propõe a simulação de um teste de paternidade por meio da análise de

Leia mais

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA

102 VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL PROCESSO Nº 0008934-53.2008.8.19. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA VIGÉSIMA SEXTA CÂMARA CÍVEL / CONSUMIDOR APELAÇÃO CÍVEL APELANTE: TACIO RIBEIRO FIGUEIREDO APELADO: MED LAB CENTRO DE ANÁLISE MÉDICAS E LABORATORIAIS ME RELATOR: DES. ANA MARIA PEREIRA DE OLIVEIRA Responsabilidade

Leia mais

A cremação e suas implicações jurídicas:

A cremação e suas implicações jurídicas: A cremação e suas implicações jurídicas: 1.Introdução e considerações iniciais Tendo em vista a crescente procura pelo serviço de cremação no município do Rio de Janeiro e em todo o Brasil, e o grande

Leia mais

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania.

A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. A importância da participação dos avós na averiguação da filiação do neto, no projeto Balcão de Justiça e Cidadania. Silvio Maia da Silva Assessor do TJ-BA 21/03/2015 Atualmente surgem na cidade de Salvador

Leia mais

FORMAÇÃO EM AÇÃO 2014

FORMAÇÃO EM AÇÃO 2014 FORMAÇÃO EM AÇÃO 2014 2º SEMESTRE PROPOSTA DISCIPLINAR - BIOLOGIA 3. BIOLOGIA 1. Título da proposta: DNA 2. Conteúdos: Conteúdo estruturante: Manipulação Genética. Conteúdo Básico: Transmissão das Características

Leia mais

DNA profiling parte 2

DNA profiling parte 2 Faculdade Milton Campos Curso Lato Sensu em Medicina Legal Disciplina: Bioinformática e Investigação Criminal Professor: Eduardo Campos dos Santos DNA profiling parte 2 Belo Horizonte Outubro/Novembro

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA

APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA APRESENTAÇÃO DE PROPOSTA DE CURSO: DNA NA ESCOLA Público alvo: Estudantes de 3º ano do ensino médio Local: Escolas de ensino médio e/ou cursos pré-vestibulares Carga horária: 12 horas Organização: HELIX

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Deputado Federal Alessandro Lucciola Molon (Partido dos Trabalhadores Rio de Janeiro) Relator do Projeto de Lei 2.126/2011 (Lei 12.965/2014) 16 Giugno 2014 Montecitorio publicado no D.O.U. de 24.4.2014

Leia mais

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2015. RELATOR: Senador WALDEMIR MOKA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2015 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 44, de 2012 (Projeto de Lei nº 4.097, de 2004, na Casa de origem), do Deputado Zenaldo Coutinho,

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965 Regula o Direito de Representação e o Processo de Responsabilidade Administrativa Civil e Penal, nos casos de abuso de autoridade. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço

Leia mais

Professora Alessandra Vieira

Professora Alessandra Vieira Sucessão Legítima Conceito: A sucessão legítima ou ab intestato, é a que se opera por força de lei e ocorre quando o de cujus tem herdeiros necessários que, de pleno direito, fazem jus a recolher a cota

Leia mais

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7

SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 SELEÇÃO PARA ESTÁGIO REMUNERADO NO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ PARA ESTUDANTES DO CURSO DE DIREITO DA FACULDADE 7 DE SETEMBRO FA7 A FACULDADE 7 DE SETEMBRO, através do NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA,

Leia mais

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA

INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA INSTITUIÇÕES DE DIREITO PUBLICO E PRIVADO MÓDULO 18 COMPETÊNCIA Índice 1. Competência...3 1.1. Critérios Objetivos... 3 1.1.1. Critérios Subjetivos... 4 1.1.2. Competência Territorial... 4 2. Dos Processos...4

Leia mais

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados

Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados Princípios Básicos Relativos à Função dos Advogados O Oitavo Congresso das Nações Unidas para a Prevenção do Crime e o Tratamento dos Delinquentes, Lembrando o Plano de Acção de Milão 139, adoptado pelo

Leia mais

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos

Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Importância do rigor técnico-científico dos exames de DNA Relato de casos Autora: Cristiane Lommez de Oliveira Bióloga. Mestre em Bioquímica e Imunologia pela UFMG. Atua desde 1992 nas áreas de Biologia

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25

Espelho Penal Peça. Endereçamento correto da interposição 1ª Vara Criminal do Município X 0 / 0,25 Espelho Penal Peça O examinando deve redigir uma apelação, com fundamento no artigo 593, I, do Código de Processo Penal. A petição de interposição deve ser endereçada ao juiz de direito da 1ª vara criminal

Leia mais

inciso II e IV, do Código Penal contra a vítima Cristiane Monteiro da Silva.

inciso II e IV, do Código Penal contra a vítima Cristiane Monteiro da Silva. Processo nº 201402509884 Natureza: Ação Penal Réu: Jhones Milton Soares do Nascimento S E N T E N Ç A O Representante do Ministério Público do Estado de Goiás, com atribuição nesta Comarca, denunciou Jhones

Leia mais

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br

Questões Jurídicas. Camilla do Vale Jimene. Título da apresentação 01/02/2013. Nome do Autor nomel@opiceblum.com.br Questões Jurídicas Camilla do Vale Jimene INTRODUÇÃO Existe legislação específica para o ambiente eletrônico? Ambiente eletrônico é um novo território ou apenas um meio de praticar atos jurídicos? Precisamos

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. do Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. do Des. Genésio Gomes Pereira Filho ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. do Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2006.001.692-8/001 3 a Vara de Família Comarca de Campina Grande RELATOR: APELANTE:

Leia mais

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br

RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br RONY VAINZOF rony@opiceblum.com.br 1 A INTERNET NÃO É UM MUNDO SEM LEIS!!! 11/7/2014 2 INVASÃO FÍSICA OU ELETRÔNICA? X X 11/7/2014 3 Lei 12.737/12 CRIME DE INVASÃO Violação de domicílio Pena - detenção,

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013

BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 10 07 / 2014 BOLETIM INFORMATIVO EDIÇÃO N 2 11 / 2013 INFORMATIVO num Editorial - 10ª Edição Prezado leitor, Nesta edição do Informativo Mensal do Escritório Ribeiro da Luz

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO ESTADO DO TOCANTINS EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO

DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO ESTADO DO TOCANTINS EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO EDITAL Nº 02/2011 DPU/TO V PROCESSO SELETIVO DE ESTAGIÁRIOS DE DIREITO PARA PREENCHIMENTO DE VAGAS NA DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO NO TOCANTINS O Defensor Público Federal-Chefe Substituto da Defensoria

Leia mais

Perícia Criminal CONVERSÃO DO CURSO REGULAR PARA PÓS-GRADUAÇÃO

Perícia Criminal CONVERSÃO DO CURSO REGULAR PARA PÓS-GRADUAÇÃO O Grupo Verbo Jurídico figura hoje como uma das instituições mais completas quando se trata de preparação para Concursos Públicos, também atuando no segmento editorial e de ensino. No ramo de ensino, destaca-se

Leia mais

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO.

EMBARGOS INFRINGENTES. ECA. ADOÇÃO. Acórdãos ADOÇÃO Processo 599313269 Quarto Grupo de Câmaras Cíveis Relator: Des. Alzir Felippe Shmitz Consentimento 70001166131 Relatora: Desa. Maria Berenice Dias Consentimento 599024858 2ª Câmara de Férias

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO fls. 359 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000557534 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1043649-38.2013.8.26.0100, da Comarca de São Paulo, em que é apelante AMIL SAÚDE S/A, é apelado FELLIPE

Leia mais

Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos

Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos Nova genética desestabiliza idéia de raça e coloca dilemas políticos Por Carol Cantarino No final de 2005, o site Edge perguntou a 100 cientistas e filósofos do mundo todo: Qual a idéia mais perigosa presente

Leia mais

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34

22/10/2015 https://pje.tjdft.jus.br/pje/consultapublica/detalheprocessoconsultapublica/documentosemloginhtml.seam?ca=e7a42b30ee6f6d0ff5bb5ab6f2d34 Poder Judiciário da União TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO DISTRITO FEDERAL E DOS TERRITÓRIOS 2JEFAZPUB 2º Juizado Especial da Fazenda Pública do DF Número do processo: 0706261 95.2015.8.07.0016 Classe judicial:

Leia mais

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006

Questões Fundamentadas Da Lei Maria da Penha Lei 11.340/2006 1 Para adquirir a apostila digital de 150 Questões Comentadas Da Lei Maria da Penha - Lei 11.340/2006 acesse o site: www.odiferencialconcursos.com.br ATENÇÃO: ENTREGA SOMENTE VIA E-MAIL ESSA APOSTILA SERÁ

Leia mais

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br

Perícia Computacional Forense. gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br Perícia Computacional Forense gilberto@sudre.com.br http://gilberto.sudre.com.br 3 Agenda» A nova Economia» Segurança da

Leia mais

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009)

PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) PARECER CREMEB N 12/09 (Aprovado em Sessão da 1ª Câmara de 05/03/2009) Consulta nº 159.756/08 Assuntos: - Filmagem em interior de UTI. - Legalidade de contratação de médicos plantonistas como pessoa jurídica.

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira)

PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) PROJETO DE LEI Nº, DE 2012 (Dos Srs. Paulo Teixeira, Fábio Trad, Delegado Protógenes e Miro Teixeira) Altera os arts. 161, 162, 164, 165, 169 e 292 do Decreto-Lei n o 3.689, de 3 de outubro de 1941- Código

Leia mais

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA

Ana Maria Milano Silva. A Lei sobre GUARDA COMPARTILHADA Ana Maria Milano Silva É advogada, formada pela USP Atua em Jundiaí e Campo Limpo Paulista. Sua área preferida é o Direito de Família. Fez mestrado em Direito Civil com a dissertação que deu origem ao

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA. PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 I RELATÓRIO COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI N o 797, DE 2011 Inclui nos programas Sociais e Financeiros do Governo programa específico de apoio à mulher e a adolescente, nos casos de gravidez

Leia mais

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família

Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Exposição sobre o Código Civil 2002 Inovações no Direito de Família Professora: MARIA LUIZA PÓVOA CRUZ DO CASAMENTO A Constituição Federal de 1.988 reconhece a família como base da sociedade e considera

Leia mais

Nº 4139/2014 PGR - RJMB

Nº 4139/2014 PGR - RJMB Nº 4139/2014 PGR - RJMB Físico Relator: Ministro Celso de Mello Recorrente: Ministério Público do Trabalho Recorrida: S. A. O Estado de São Paulo RECURSO EXTRAORDINÁRIO. COMPETÊNCIA DA JUS- TIÇA DO TRABALHO.

Leia mais

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008

ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 ALIMENTOS GRAVÍDICOS E A LEI Nº 11.804/2008 Douglas Phillips Freitas SUMÁRIO: I - Do Quantum dos Alimentos Gravídicos; II - Da Natureza dos Alimentos Gravídicos e Seus Aspectos Processuais; III - Do Ônus

Leia mais

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1

EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR. Por Cid Sabelli 1 EXCLUSÃO DE REGISTROS DE ANTECEDENTES CRIMINAIS. JUSTIÇA COMUM e JUSTIÇA MILITAR Por Cid Sabelli 1 INTRODUÇÃO Fato tormentoso na vida do cidadão diz respeito às informações lançadas em sua folha de antecedentes

Leia mais

Impugnação de paternidade

Impugnação de paternidade SEM REVISÃO Impugnação de paternidade Wilson Jóia Procurador de Justiça SP Os principais doutrinadores brasileiros tais como Silvio Rodrigues, Washington de Barros Monteiro e Maria Helena Diniz, no importante

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS FACULDADE DE DIREITO Direito Processual do Trabalho Profª. Ms. Tatiana Riemann DAS PROVAS DAS PROVAS Comprovação das alegações - art. 848, CLT Princípios: a) Princípio do contraditório e ampla defesa direito fundamental de se manifestar reciprocamente sobre as provas apresentadas, bem como,

Leia mais

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico.

ANTIJURIDICIDADE. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista do Delito: fato formal e materialmente típico e antijurídico. ANTIJURIDICIDADE 1 - Crime 1.1 - Conceito Clássico: fato típico, antijurídico e culpável. 1.2 - Conceito segundo o Finalismo: fato típico e antijurídico. 1.3 - Conceito segundo a Teoria Constitucionalista

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA

PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA PATERNIDADE SOCIOAFETIVA X PATERNIDADE BIOLÓGICA Renata Martins Sena Advogada Pós-graduada em Direito Constitucional As inúmeras mudanças sociais ocorridas nos últimos tempos têm refletido sobremaneira

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior

PROCESSO PENAL I 2ª - Par a t r e Pro r f o e f ss s o s r o : r :Ru R b u ens s Co C r o r r e r ia a Jun u ior PROCESSO PENAL I 2ª - Parte Professor: Rubens Correia Junior 1 I HISTÓRIA 2 PROCESSO E PROCEDIMENTO Procedimento: é o conteúdo do processo; Processo: atividade jurisdicional; SUJEITOS PRINCIPAIS E SECUNDÁRIOS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013

RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 RESOLUÇÃO CFM Nº 2.013/2013 (Publicada no D.O.U. de 09 de maio de 2013, Seção I, p. 119) Adota as normas éticas para a utilização das técnicas de reprodução assistida, anexas à presente resolução, como

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS N. 0005958-45.2010.2.00.0000 RELATOR REQUERENTE REQUERIDO ASSUNTO : JORGE HÉLIO CHAVES DE OLIVEIRA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO : CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA : REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET

O QUE MUDA COM A CIVIL DA INTERNET Anexo Biblioteca Informa nº 2.301 O QUE MUDA COM A APROVAÇÃO DO MARCO CIVIL DA INTERNET Autores André Zonaro Giacchetta Ciro Torres Freitas Pamela Gabrielle Meneguetti Sócio e Associados da Área Contenciosa

Leia mais

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA

Hereditariedade. Leis da hereditariedade GENÉTICA Hereditariedade Definição: É a transferência de informações sobre as características próprias de um ser vivo para outro, de geração para geração, por meio dos gametas ou por transferência direta deácidos

Leia mais